Article

Controle Gerencial por meio do Benchmarking:o caso de uma organização de ciência e tecnologia da Marinha do Brasil

Contabilidade Vista & Revista 01/2009;
Source: DOAJ

ABSTRACT

Nos últimos anos, uma organização da Marinha do Brasil (MB) vem se destacando peloalcance dos objetivos estabelecidos em seu planejamento estratégico. A referida organização,denominada CASNAV, obteve seguidas premiações, entre os anos de 2004 e 2007, noPrêmio Nacional da Gestão Pública (PQGF) do Governo Federal. Diante de tais resultados,o presente trabalho teve por objetivo verificar se o benchmarking pode ser apontado comoinstrumento de controle gerencial, no caso do CASNAV. Para o alcance do objetivo pretendido,foi definido um plano de referência utilizado como elemento balizador do desenvolvimentoda pesquisa. Dadas as características deste trabalho optou-se pela adoção do estudo de caso,como estratégia de pesquisa, por possibilitar o alcance de uma maior profundidade sobre oassunto e por permitir um maior poder de análise da organização. No procedimento de coletade informações da presente pesquisa foram utilizados dados primários e dados secundários.Na coleta de dados primários, uma das principais fontes foi a observação não participante.Já os dados secundários foram coletados, principalmente, por meio da pesquisa documental edo acesso à pagina do CASNAV na Intranet da MB. Os resultados encontrados propiciaramo entendimento de que a organização se utiliza do benchmarking como forma de manter seusmembros melhor informados, contribuindo para a ocorrência de comportamentos adequadosno sentido da consecução das metas organizacionais. Isso se dá pelo fato de que, ao tomaremconhecimento das melhores práticas adotadas em outras organizações, comparando-as comas suas práticas internas, as pessoas sentem-se impulsionadas a buscar o alcance do mesmonível obtido por tais organizações. Diante disso, foi possível apontar uma proximidade daspráticas adotadas pelo CASNAV com as preconizadas na literatura no que tange ao uso dobenchmarking como instrumento de controle gerencial.

Full-text

Available from: Anderson Soares Silva, Jul 17, 2014
Artigo recebido em: 27/09/2008 •• Artigo aceito em: 05/05/2009 ••• Segunda versão aceita em: 01/06/2009
Controle Gerencial por meio do Benchmarking:
o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Anderson Soares Silva
1
Ana Carolina Pimentel Duarte Fonseca
2
Resumo
Nos últimos anos, uma organização da Marinha do Brasil (MB) vem se destacando pelo
alcance dos objetivos estabelecidos em seu planejamento estratégico. A referida organização,
denominada CASNAV, obteve seguidas premiações, entre os anos de 2004 e 2007, no
Prêmio Nacional da Gestão Pública (PQGF) do Governo Federal. Diante de tais resultados,
o presente trabalho teve por objetivo verificar se o benchmarking pode ser apontado como
instrumento de controle gerencial, no caso do CASNAV. Para o alcance do objetivo pretendido,
foi definido um plano de referência utilizado como elemento balizador do desenvolvimento
da pesquisa. Dadas as características deste trabalho optou-se pela adoção do estudo de caso,
como estratégia de pesquisa, por possibilitar o alcance de uma maior profundidade sobre o
assunto e por permitir um maior poder de análise da organização. No procedimento de coleta
de informações da presente pesquisa foram utilizados dados primários e dados secundários.
Na coleta de dados primários, uma das principais fontes foi a observação não participante.
Já os dados secundários foram coletados, principalmente, por meio da pesquisa documental e
do acesso à pagina do CASNAV na Intranet da MB. Os resultados encontrados propiciaram
o entendimento de que a organização se utiliza do benchmarking como forma de manter seus
membros melhor informados, contribuindo para a ocorrência de comportamentos adequados
no sentido da consecução das metas organizacionais. Isso se dá pelo fato de que, ao tomarem
conhecimento das melhores práticas adotadas em outras organizações, comparando-as com
as suas práticas internas, as pessoas sentem-se impulsionadas a buscar o alcance do mesmo
nível obtido por tais organizações. Diante disso, foi possível apontar uma proximidade das
práticas adotadas pelo CASNAV com as preconizadas na literatura no que tange ao uso do
benchmarking como instrumento de controle gerencial.
Palavras-chave: Controle Gerencial; Benchmarking; Informações Comparativas.
1
Mestre em Ciências Contábeis pela Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da Universidade
Federal do Rio de Janeiro (FACC/UFRJ). Endereço - Rua Raul da Cunha Ribeiro 455/101 - Recreio dos
Bandeirantes - Rio de Janeiro - RJ. CEP - 22792-020. E-mail: andersoncapita@yahoo.com.br
2
Doutora em Administração pelo Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (COPPEAD) da
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora Adjunta da Faculdade de Administração e
Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FACC/UFRJ). Endereço: Av. Pasteur, 250,
Urca, Rio de Janeiro, RJ. CEP- 22.290-240. E-mail: anafonseca@pobox.com
Nota: este artigo foi aceito pela Editora Científica Jacqueline Veneroso Alves Cunha e passou por
uma avaliação double blind review.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
65
Page 1
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
66
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Abstract
In recent years, an organization of the Navy of Brazil comes if detaching for the reach of
the objectives established in its strategical planning. Related organization, called CASNAV,
got followed awardings, enters the years of 2004 and 2007, in the National Prize of Public
Administration of the Federal Government. Ahead of such results, the present work had for
objective to verify if benchmarking can be pointed as instrument of management control, in
the case of the CASNAV. For the reach of the intended objective, an used plane of reference
was defined as element maker of the development of the research. Given the characteristics
of this work it was opted to the adoption of the case study, as research strategy, for making
possible the reach of a bigger depth on the subject and for allowing a greater to be able of
analysis of the organization. The procedure of collection of information of the present
research, used of primary data and secondary data. In the collection of primary data, one of
the main sources was the not participant comment. Already the secondary data had been
collected, mainly, through the documentary research and of the access to the page of the
CASNAV in the Intranet of the Navy. The joined results had propitiated the agreement of
that the organization if uses of benchmarking as form to keep its members better informed,
contributing for the occurrence of behaviors adjusted in the direction of the achievement of
the organizational goals. This if of the one for the fact of that when taking knowledge of
best the practical ones adopted in other organizations, comparing them with its practical
interns, the people feel themselves stimulated to search the reach of the same level gotten
for such organizations. Ahead of this, it was possible to point a proximity of the practical
ones adopted by the CASNAV with the praised ones in literature in what it refers to the use
of benchmarking as instrument of management control.
Keywords: Management Control; Benchmarking; Comparative Information.
1. Introdução
A Marinha do Brasil, nos últimos anos, por meio das iniciativas propostas
pelo Governo Federal, vem percebendo a necessidade de substituição da
administração pública burocrática, surgida no século XIX, pela administração
gerencial. Isso se deve, principalmente, ao fato de que a eficiência da admi-
nistração pública tornou-se essencial, dada a necessidade de redução de
custos e de aumento da qualidade dos serviços prestados aos cidadãos.
Management Control by means of the
Benchmarking: the case of an Organization of
Science and Technology of the Navy of Brazil
Page 2
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
67
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Vale aqui ressaltar que, apesar dos avanços propostos pela adminis-
tração pública gerencial em relação à administração burocrática, a primeira
não nega todos os princípios da segunda. Ao contrário, a administração
pública gerencial está apoiada na burocrática, da qual conserva, embora de
forma flexível, alguns dos seus princípios fundamentais (PEREIRA, 2006, p.
6). A principal diferença entre ambas está na forma de controle, que deixa de
se basear nos processos para concentrar-se nos resultados (BRASIL, 1995).
Assim, a difusão de doutrinas de gestão pública voltadas para resultados,
nos últimos anos, aponta para a necessidade da institucionalização de uma
atividade de planejamento e controle fundamental para a avaliação dos
gestores públicos, que é o controle gerencial.
Entretanto, nota-se que ainda hoje o número de pesquisas sobre
controle gerencial no Brasil é relativamente pequeno, em especial no setor
público, fato que aponta para a necessidade da realização de mais estudos
exploratórios nesta área.
Nesse sentido, a ideia de desenvolver um artigo na área de controle
gerencial em organizações públicas surge, em primeiro lugar, pelo desejo de
confrontar as práticas vivenciadas por estas com os conceitos teóricos
existentes.
Nesse contexto, uma organização prestadora de serviços da Marinha
vem se destacando pelo êxito obtido no alcance dos objetivos e metas esta-
belecidos em seu planejamento estratégico.
A referida organização, denominada CASNAV, obteve seguidas pre-
miações, entre os anos de 2004 e 2007, no Prêmio Nacional da Gestão Pública
(PQGF), vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP).
Para a obtenção dos mencionados resultados nesse período recente, o
CASNAV adotou diversos instrumentos de controle gerencial, buscando in-
fluenciar o comportamento dos indivíduos a fim de aumentar a probabili-
dade da ocorrência de comportamentos dirigidos ao alcance das estratégias
da organização, de acordo com o pensamento de Flamholtz (1979).
Entre os instrumentos mencionados, o emprego de práticas de
benchmarking merece destaque por revestir-se de um caráter inovador, até
certo ponto, dentro da administração pública federal direta e, em especial,
para uma organização militar.
Page 3
Dessa maneira, o presente artigo pretende verificar se é possível apontar
a utilização do benchmarking, por parte do CASNAV, como mecanismo de
controle capaz de contribuir para a consecução dos objetivos da organização.
Tal fato explica-se por dois motivos: a) uma organização pública, até
mesmo por restrições legais, não possui condições de estabelecer métodos
de administração de recompensas visando direcionar as pessoas para o
alcance das metas, o que para Flamholtz (1979) é um dos elementos básicos de
um sistema de controle gerencial; b) pela ênfase dada pela alta adminis-
tração da referida organização à disseminação e ao fortalecimento de
aspectos relativos à cultura organizacional, baseada na melhoria contínua.
Assim, este trabalho teve por objetivo geral: verificar se o benchmarking
pode ser apontado como instrumento de controle gerencial, no caso do
CASNAV. Como objetivo específico: contribuir para mostrar às organizações,
públicas ou privadas, caminhos alternativos para o alcance de resultados
adequados em situações nas quais não é possível a presença de sistemas de
premiação baseados em incentivos remuneratórios.
Para tanto, o artigo foi organizado em um estudo de caso, no qual,
além desta primeira seção, em que foi realizada a contextualização do tema,
desenvolveram-se mais cinco seções. Na seção 2, tratou-se dos aspectos
teóricos com ênfase no controle gerencial e no benchmarking, por consti-
tuírem-se nas pedras basilares da pesquisa. Na seção 3, foram abordados os
aspectos metodológicos, com os quais a pesquisa foi delineada. Na seção 4,
foi realizada a caracterização do caso CASNAV, abordando-se aspectos
relativos à sua administração. Além disso, buscou-se apresentar as caracte-
rísticas principais da cultura da organização e o detalhamento do emprego
do benchmarking em seu sistema de controle gerencial. Na seção 5, foi
realizada uma análise crítica dos resultados encontrados. Por fim, na seção
6, foram formuladas as considerações finais, bem como as recomendações.
2. Referencial Teórico
Nesta seção apresenta-se a base teórica utilizada na pesquisa a fim de
dar fundamento ao estudo, por uma revisão de literatura sobre controle
gerencial.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
68
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 4
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
69
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
De acordo com Gomes (1983), as primeiras referências na literatura
relacionadas a controle gerencial remontam ao início do século XX, em que
a preocupação básica era encontrar a melhor maneira de exercer o controle
de forma válida para qualquer tipo de organização.
Otley, Broadbente e Berry (1995) afirmam que as raízes do controle
gerencial encontram-se nos primórdios do pensamento administrativo. Os
estudos dessa época foram caracterizados por uma atenção aos problemas
reais com uma abordagem científica focada na compreensão e no desejo de
resolver problemas. A contribuição, dos referidos estudos, para o controle geren-
cial, encontra-se na atenção dispensada à autoridade e ao accountability, em
que a consciência da necessidade de modelos analíticos e orçamentários
para controle propiciou a ligação entre custos e as atividades operacionais,
separando a contabilidade de custos da contabilidade financeira e fazendo
com que a primeira se tornasse a precursora do controle gerencial (OTLEY;
BROADBENTE; BERRY, 1995). Segundo Nakagawa (1993, p. 17):
Accountability é a obrigação de se prestar contas dos
resultados obtidos, em função das responsabilidades
que decorrem de uma delegação de poder. Nas grandes
empresas, onde é muito clara a separação entre pro-
priedade e gerência, os acionistas representando muitas
vezes, interesses de inúmeros investidores, elegem os
membros de seu conselho de administração, os quais,
por sua vez, escolhem as pessoas, que efetivamente
deverão gerir os negócios das empresas, formando-se
assim uma grande cadeia de accountability, que percorre
toda a sua estrutura organizacional.
Otley (1994) afirma que a avaliação de desempenho e o accountability
ainda são as pedras angulares sobre as quais se baseia um controle gerencial
efetivo.
Assim, é possível perceber que os pensamentos acima descritos
contêm princípios perfeitamente aplicáveis ao setor público, principalmente
no que diz respeito ao aspecto da prestação de contas. Entretanto cabe
ressaltar que a ausência do objetivo de lucro leva à necessidade de adap-
tações dos mecanismos de controle, pois, conforme Anthony e Herzlinger
(1980, apud RIBEIRO FILHO, 1997, p. 7):
Page 5
Em uma organização orientada para o lucro, a sua
quantia fornece uma medida geral da eficiência e efi-
cácia. Em muitas não voltadas, no entanto, os outputs
não podem ser medidos em termos quantitativos em
razão de muitas organizações sem fins lucrativos terem
múltiplos objetivos, e não existir uma alternativa pra-
ticável de se combinar as medidas de muitos outputs,
cada um dos quais voltados para acompanhar um
daqueles objetivos, expresso em um número simples
que traduza a eficácia geral da organização. A
ausência de uma medida satisfatória, simples e geral
da performance, comparável à medida de lucro é o mais
sério problema do controle gerencial nas entidades sem
fins lucrativos. O problema não é a ausência do mo-
tivo do lucro e sim a ausência da medição do lucro.
Nesse sentido, Hofstede (1981) destaca que as abordagens tradicionais
de controle gerencial geralmente falham quando adotadas para empresas
públicas ou sem fins lucrativos. Desta forma, os sistemas de controle gerencial
de organizações públicas e sem fins lucrativos não podem ser os mesmos
desenvolvidos para outras formas de organização, devendo-se observar as
peculiaridades inerentes a este tipo de organizações.
Diante da existência de diversas abordagens sobre controle gerencial,
neste estudo foram priorizadas aquelas que enfatizam a importância dos
aspectos motivacionais e comportamentais dos sistemas de controle gerencial.
Para tanto, tomou-se por base o trabalho de Gomes e Salas (1999), que
apresentou algumas das principais abordagens sobre controle gerencial
enquadradas no contexto acima. Tais abordagens são representadas pelos
trabalhos de Anthony (1965), Flamholtz (1979) e Hofstede (1981).
Cumpre ressaltar que, entre as principais abordagens, destaca-se a de
Anthony (1965), pois, conforme afirma Martinewski (2003, p. 26): “Indepen-
dentemente da forma como o estudo de controle gerencial é sistematizado,
parece, entretanto, incontestável que a primeira abordagem que, efetivamente,
se tornou referência na área de controle gerencial foi o trabalho de Anthony
(1965).”
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
70
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 6
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
71
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
2.1. O Plano de Referência de Anthony
Segundo Otley (1994), o termo controle gerencial deve muito de sua
atual conotação ao estudo de Anthony, original de 1965, que distinguiu con-
trole gerencial de planejamento estratégico e controle operacional, colocando-
o em uma posição intermediária.
Assim, o controle gerencial obtém os objetivos da organização, bem
como as orientações para alcançá-los, ou seja, o planejamento estratégico.
Da mesma forma, define para o controle operacional os parâmetros que o
possibilitarão certificar que tarefas específicas sejam conduzidas eficaz e
eficientemente (SANCOVSCHI, 1986).
Referente ao estudo original de 1965, a definição clássica de Anthony
(MARTINEWSKI, 2003) diz que “controle gerencial é o processo pelo qual
os administradores se asseguram que os recursos são obtidos e usados
eficaz e eficientemente de acordo com os objetivos da organização”.
Entretanto, ao longo dos anos houve o aperfeiçoamento desta definição, que
passou a levar em consideração elementos comportamentais, de acordo com
os comentários à primeira edição feitos por Anthony em 1995, ou seja,
trinta anos depois.
Assim, nas edições mais recentes de seu livro, Anthony e Govindarajan
(2002, p. 34) afirmam que “o controle gerencial é o processo pelo qual os
executivos influenciam outros membros da organização, para que obedeçam
às estratégias adotadas”.
Ao fazerem considerações sobre comportamento, Anthony e Govindarajan
(2002) destacam que, apesar de sistemático, o processo de controle gerencial
não é mecânico, pois envolve interações entre indivíduos. Tal fato justifica-
se pela existência dos objetivos pessoais dos executivos e membros da
organização em geral.
O problema principal do controle é induzir estes indivíduos a atuarem
de maneira que, ao procurarem seus objetivos pessoais, auxiliem o alcance dos
objetivos da organização, chegando-se, desta forma, à chamada congruência
de objetivos (ANTHONY; GOVINDARAJAN, 2002). Isto significa que os
objetivos individuais do pessoal da organização devem ser, na medida do
possível, consistentes com os objetivos dela própria. Porém, os autores
destacam a impossibilidade do alcance de uma completa congruência de
Page 7
objetivos, tendo em vista que a mesma é afetada tanto por processos infor-
mais como por sistemas formais, em que ambos os processos influenciam o
comportamento humano dentro das organizações. Os referidos processos
informais têm origem externa e interna à organização, sendo que para
Anthony e Govindarajan (2002), a maioria deles é de origem interna. Entre
os fatores de origem interna, os citados autores apontam a cultura da orga-
nização como o mais importante, por abranger convicções, atitudes, normas,
relacionamentos e presunções comuns aceitas implícita ou explicitamente e
evidenciadas em toda a organização.
2.2. A Abordagem de Flamholtz
O plano de referência de Flamholtz, ao mesmo tempo em que enfatiza
os aspectos comportamentais dos membros da organização, destaca a
incerteza inerente ao processo de controle gerencial. Nesse sentido, ele
demonstra que os sistemas de controle são mais probabilísticos do que
determinísticos, ou seja, o propósito é maximizar as condições favoráveis
que levam ao goal congruence. Sendo, nesta abordagem, a motivação de
indivíduos ou grupos o elemento-chave, não se tratando de controlar o
comportamento das pessoas de maneira predeterminada, mas influenciá-las
a agirem de forma consistente com os objetivos da organização (GOMES;
RODRIGUES, 2005).
Para Flamholtz (1979), os sistemas de controle gerencial têm quatro
funções. A função primária de um sistema de controle é reduzir o conflito
entre os objetivos pessoais e os da organização. Uma segunda função gerencial
de um sistema de controle é a coordenação dos esforços das diversas partes
de uma organização. A terceira função de um sistema de controle é a de
permitir a descentralização das operações rotineiras da organização. Isto
reduz o envolvimento da alta administração nestas operações, criando, por
outro lado, a necessidade de desenvolver medidas de avaliação de desempenho
das unidades, agora responsáveis diretas pelas operações. A quarta função
de um sistema de controle é prover feedback na identificação de problemas
verificados nas operações realizadas nas unidades, de modo a possibilitar a
correção dos desvios e reforçar os resultados positivos.
Nesta abordagem, a avaliação da eficácia de um sistema de controle
pode ser feita observando-se se o seu projeto satisfaz aos seguintes critérios:
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
72
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 8
a) validade comportamental, que se refere ao modo pelo qual um sistema de
controle conduz ao comportamento a que ele se propõe conduzir; b) confia-
bilidade comportamental, que se refere ao ponto até o qual um sistema de
controle produz repetidamente o mesmo comportamento, independentemente
do fato de este comportamento ser visado ou não; c) relevância comportamental,
que se refere à capacidade do sistema de controle identificar todos os com-
portamentos ou objetivos relevantes que são requeridos pela organização.
2.3. A Abordagem de Hofstede
Segundo Hofstede (1981), as abordagens tradicionais de controle
gerencial geralmente falham quando adotadas para empresas públicas ou
sem fins lucrativos. Desta forma, os sistemas de controle gerencial de
organizações públicas e sem fins lucrativos não podem ser os mesmos
desenvolvidos para outras formas de organização.
Assim, o citado autor desenvolve um plano de referência específico
para tais tipos de organização, nas quais, devido às características de suas
atividades, o tipo de controle aplicável deve levar em consideração os seguin-
tes aspectos: a) a ambiguidade dos objetivos; b) a possibilidade de mensu-
ração dos resultados; c) o conhecimento sobre os efeitos das intervenções;
d) a repetitividade das atividades.
Para Hofstede (1981), a determinação da ambiguidade ou não dos
objetivos é o critério mais importante para o projeto do sistema de controle
de gestão, pois controle pressupõe a existência de um objetivo. Esse autor
afirma que, à luz dos quatro aspectos acima mencionados, de acordo com a
forma como estejam combinados, surgirá um determinado tipo de controle,
são eles: controle rotineiro, controle técnico, controle por tentativa e erro,
controle intuitivo, controle julgamental ou controle político.
O controle rotineiro é exercido por meio de regras e normas, sendo
estabelecido quando: os objetivos não são ambíguos, os resultados são
mensuráveis, os efeitos das intervenções são conhecidos e a atividade é
repetitiva. O controle técnico ocorre quando as atividades não são repetitivas
e as demais condições permanecem inalteradas, podendo ser confiado a
alguém para quem aquela atividade seja repetitiva, isto é, um especialista.
O controle por tentativa e erro ocorre quando os efeitos das intervenções
não são conhecidos, mas a atividade é repetitiva, sendo que a organização
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
73
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 9
desenvolve seu processo de controle a partir da análise ex post de seus
sucessos e fracassos. O controle intuitivo ocorre em situações em que os
efeitos das intervenções não são conhecidos e as atividades não são
repetitivas, não havendo como aprender da experiência passada. O controle
julgamental ocorre quando os resultados não podem ser medidos e não
existem medidas indiretas que possam ser usadas como substitutas, no qual
o controle passa a ser uma questão de julgamento subjetivo. Este tipo de
controle é dependente da estrutura de poder e influência existente na orga-
nização. O controle político acontece quando os objetivos são ambíguos,
neste caso, o controle depende das estruturas de poder e da capacidade do
pessoal de topo em reduzir a ambiguidade.
2.4. Instrumentos de Controle Gerencial
Kaplan (1994) afirma que a abordagem tradicional dava ênfase à
estabilidade, ao controle e à eficiência e produtividade de máquinas, traba-
lhadores e departamentos isolados, em que orçamentos, padrões e análise de
variações eram as ferramentas principais para promover o controle de
custos. Porém, o mesmo autor alerta que o novo cenário, estabelecido a
partir dos anos 1980, exigia ligações entre as diversas funções a fim de
promover um desempenho eficaz e eficiente dos processos da organização
e não somente das tarefas individuais dentro de um processo.
Dessa forma, conforme destaca Kaplan (1994), começaram a surgir
iniciativas, como a Gestão da Qualidade Total (TQM) e Just-in-Time, que
serviriam de indicativos para a nova filosofia de melhoria contínua, na qual
os trabalhadores desempenhariam papel fundamental. Tal pensamento encontra-
se alinhado com Otley (1994), que destaca o distanciamento existente entre
os preceitos conceituais contidos no paradigma tradicional e as reais neces-
sidades das organizações contemporâneas, em termos de controle gerencial.
Nesse sentido encontra-se o entendimento de Kaplan (1994, p. 256),
que afirma: “os sistemas de controle gerencial sofreram alterações de tentar
controlar os trabalhadores para tentar mantê-los informados”.
Ao abordar esse assunto, Martinewski (2003) apresenta alguns instru-
mentos desenvolvidos para contribuir no alcance do objetivo de manter os
funcionários mais bem informados para a execução de seu trabalho. Em sua
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
74
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 10
pesquisa o referido autor aponta os seguintes instrumentos: custeio baseado
em atividades (ABC); balanced scorecard (BSC); valor econômico agregado
(EVA); capital intelectual; e governança corporativa.
Seguindo uma linha de pensamento semelhante, Soutes (2006) divide
o que definiu como “artefatos” da contabilidade gerencial, em dois grupos:
artefatos tradicionais e artefatos modernos. Para tanto, o referido autor
tomou por base o trabalho divulgado pelo Institute of Management Accountants
(IMA), no ano de 1998, que visava descrever a atividade conhecida como
contabilidade gerencial. Além disso, também foram utilizados, como base
teórica, os trabalhos de Sulaiman, Ahmad e Alwi (2004) e Soutes e De Zen
(2005). Cabe aqui ressaltar que no trabalho de Soutes (2006) o termo
“artefato” é utilizado de forma genérica, englobando diversos mecanismos
que podem ser utilizados por profissionais da Contabilidade Gerencial no
exercício de suas funções, como por exemplo: ferramentas, filosofias de
gestão, instrumentos, sistemas de custeio e métodos de avaliação.
Com isso, Soutes (2006) elenca como tradicionais, entre outros, os
seguintes “artefatos” da contabilidade gerencial: centros de responsabilidade;
preços de transferência; orçamentos e retorno sobre o investimento.
Já como “artefatos” modernos foram apresentados, entre outros, os se-
guintes: custeio baseado em atividades (ABC); custeio meta (target costing);
benchmarking; valor econômico agregado (EVA); e balanced scorecard (BSC).
Assim, diante do ora exposto, e tendo em vista o objetivo da presente
pesquisa, a seguir serão apresentadas características conceituais do
benchmarking.
2.4.1. Benchmarking
O conhecimento efetivo, bem como a gerência de tecnologias da infor-
mação, têm levado as organizações a um contínuo aprimoramento de seus
processos, produtos e serviços, aumentando de forma acentuada a competitividade
nas últimas décadas. Desta forma, o benchmarking surgiu como uma neces-
sidade de otimização das organizações em um mercado altamente competitivo.
Nesse contexto, segundo afirmam Colauto, Beuren e Sant’ana (2004),
o benchmarking pode ser visto como um instrumento gerencial para com-
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
75
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 11
parar vários aspectos dos produtos, processos empresariais e fatores de
sucesso de organizações do mesmo segmento. Dessa forma, segundo Colauto,
Beuren e Sant’ana (2004, p. 2), o benchmarking “propicia a monitoração de
mercado de maneira a buscar meios para igualar ou superar a competi-
tividade local e global”.
Segundo Araújo (2001, p. 241) o benchmarking “é uma ferramenta
tradicional do planejamento e da gestão da qualidade total e, como tal deve
orientar as corporações a buscar, além de suas próprias operações, fatores-
chave que influenciem a sua produtividade e resultados”.
O benchmarking é um novo modo de se fazer negócios que força uma
visão externa para assegurar a precisão da fixação de objetivos, configurando-
se em uma nova abordagem gerencial, pois obriga ao teste constante das
ações internas em relação aos padrões externos das práticas da indústria
(CAMP, 2002). Ainda para esse autor, tal ferramenta requer trabalho em
conjunto de maneira cooperativa, dirigindo a atenção para práticas empresariais
que visam à manutenção da competitividade, ao invés de promover interesses
individuais.
Ao analisarmos as variadas definições sobre benchmarking, é possível
apontar que todas enfatizam a ideia de que o mesmo é um procedimento de
pesquisa, contínuo e sistemático, pelo qual se realizam comparações entre
organizações, objetos ou atividades, criando-se um padrão de referência.
Boxwell (1996) afirma que é muito mais importante entender como é
que as empresas, objeto de estudo, conseguiram alcançar seus resultados do
que se obter apenas algumas medições de ordem quantitativa sobre as mesmas.
Ratificando tal pensamento, Colauto, Beuren e Sant’ana (2004) afirmam que
com o benchmarking, o foco de investigação das organizações voltou-se para
a excelência do processo e não apenas para a excelência do produto final.
Assim, torna-se possível afirmar que o principal benefício do
benchmarking para uma instituição é a orientação organizacional, na procura
permanente de oportunidades de melhoria das suas práticas e processos.
Segundo Costa (2003, p. 1):
O essencial do benchmarking é a definição de descri-
tores, indicadores e processos de boas práticas. (...).
Por princípio, o benchmarking é um processo compa-
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
76
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 12
rativo em relação às melhores instituições, descre-
vendo para a instituição em causa as suas “performances”
em relação aos competidores e aos seus padrões de
qualidade e adaptando os melhores padrões da con-
corrência a si própria.
Entretanto, conforme nos alerta Gariba Júnior (2005), é preciso que
as organizações, ao buscarem o benchmarking como ferramenta de melhoria,
tenham uma postura de organização que deseja aprender com os outros, a
fim de justificar o esforço investido no processo, tendo em vista que tal
busca configura-se em um trabalho intensivo que consome tempo e requer
disciplina. Para Gariba Júnior (2005, p. 131), “benchmarking é uma escola
na qual se aprende a aprender”.
Na mesma linha de pensamento, Leibfried e McNair (1994, p. 269)
esclarecem que o princípio do benchmarking “é fornecer visões e idéias
criativas para a combinação dos recursos existentes, e mostrar um caminho
para o aperfeiçoamento já trilhado com sucesso pelos outros”.
Para finalizar esta seção, cabe destacar o entendimento de Gariba Júnior
(2005, p. 131) ao afirmar que:
Saber fazer e adaptar benchmarking no processo da
organização pode permitir vislumbrar oportunidades e
também ameaças competitivas, constituindo um atalho
seguro para a excelência, com a utilização de todo um
trabalho intelectual acumulado por outras organizações
evitando erros e armadilhas de percursos.
3. Metodologia
Kerlinger (1980) afirma que a natureza, ou delineamento da pesquisa,
pode ser definida como sendo o plano e a estrutura da investigação, concebidos
de forma a obterem-se respostas para as perguntas de pesquisa.
Assim, diante da existência de várias taxonomias de tipos de pesquisa,
no presente trabalho será adotada a de Vergara (2003), que propõe classificar
as pesquisas quanto aos fins pretendidos e quanto aos meios propostos. A
mesma autora observa ainda que os tipos de pesquisa “não são mutuamente
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
77
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 13
excludentes”, sendo possível utilizá-las de forma combinada (VERGARA,
2003, p. 49).
Diante do exposto, pode-se classificar a presente pesquisa como
exploratória e descritiva quanto aos fins. Exploratória, porque visou buscar
a identificação da aplicação de instrumentos de controle gerencial em uma
organização militar prestadora de serviços da Marinha, não tendo sido veri-
ficada a existência de estudos anteriores que abordem tal tema, sob o ponto
de vista que a presente pesquisa tem a intenção de abordar. Descritiva, pois
buscou expor as características administrativas empregadas na gestão da
organização, em especial àquelas que se referem ao controle gerencial e ao
uso de benchmarking.
A investigação exploratória, segundo Vergara (2003, p. 47),
é realizada em área na qual há pouco conhecimento acumulado e
sistematizado. Por sua natureza de sondagem, não comporta hipóteses, que,
todavia, poderão surgir durante ou ao final da pesquisa”.
O objetivo da pesquisa exploratória é buscar entender as razões e
motivações subentendidas para determinadas atitudes e comportamentos
das pessoas. Ela é frequentemente utilizada na geração de hipóteses e na
identificação de variáveis que devem ser incluídas na pesquisa. A pesquisa
exploratória proporciona a formação de ideias para o entendimento do
conjunto do problema (MALHOTRA, 1993).
Assim, os estudos exploratórios são frequentemente usados para
gerar hipóteses e identificar variáveis que devem ser incluídas na pesquisa.
Conforme Malhotra (1993, p. 156):
A pesquisa com dados qualitativos é a principal meto-
dologia utilizada nos estudos exploratórios e consiste
em um método de coleta de dados não-estruturado,
baseado em pequenas amostras e cuja finalidade é
promover uma compreensão inicial do conjunto do
problema de pesquisa.
Vergara (2003) afirma que a pesquisa descritiva consiste em expor as
características de uma determinada população ou de determinado fenômeno,
podendo estabelecer correlações entre variáveis e definir sua natureza. Por
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
78
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 14
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
79
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
fim, ressalta Vergara (2003, p. 47) que a pesquisa descritiva “não tem
compromisso de explicar os fenômenos que descreve, embora sirva de base
para tal explicação”.
Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental
e de campo, utilizando-se o estudo de caso como estratégia de pesquisa, de
acordo com Yin (2001). Bibliográfica, tendo em vista que, para a funda-
mentação teórica do trabalho, realizou-se uma investigação sobre os
seguintes temas: controle gerencial, instrumentos de controle gerencial e
benchmarking. Documental e de campo, porque envolveu a coleta de dados
primários no âmbito da organização estudada, por meio da análise de docu-
mentos internos não acessíveis ao público em geral, além da observação não
participante. Estudo de caso, porque concentrará esforços na análise de
apenas uma organização, na busca por um maior grau de aprofundamento
sobre o assunto.
A pesquisa bibliográfica consiste no estudo sistematizado desenvolvido
com base em material acessível ao público em geral, como livros, revistas
e jornais (VERGARA, 2003, p. 48). Esse tipo de pesquisa fornece instrumental
analítico para qualquer outro tipo de pesquisa.
Já a investigação documental, segundo Vergara (2003), é feita em
documentos conservados no interior de organizações públicas ou privadas
de qualquer natureza.
A pesquisa de campo consiste na investigação empírica realizada no
local onde ocorre ou ocorreu um fenômeno, ou onde estão disponíveis os ele-
mentos para explicá-lo (VERGARA, 2003, p. 47). Segundo Yin (2001, p. 21),
o estudo de caso permite uma investigação para se
preservar as características holísticas e significativas
dos eventos da vida real – tais como ciclos de vida
individuais, processos organizacionais e administrativos,
mudanças ocorridas em regiões urbanas, relações
internacionais e a maturação de alguns setores.
Yin (2001) afirma que existem três fundamentos lógicos que
representam as razões para se conduzir um estudo de caso único. O primeiro
configura-se quando representa o “caso decisivo” ao se testar uma teoria
bem formulada. O segundo é aquele em que o caso representa um “caso raro
Page 15
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
80
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
ou extremo”. Por fim, o terceiro fundamento para um estudo de caso único
é o “caso revelador”. Nessa situação, o pesquisador tem a oportunidade de
observar e analisar um fenômeno previamente inacessível à investigação
científica (YIN, 2001, p. 63).
Nesse sentido, é possível afirmar que a presente pesquisa, desen-
volvida sob a lógica de um estudo de caso único, fundamenta-se na natureza
reveladora do caso em estudo, justificando-se, assim, a escolha feita.
Segundo Yin (2001, p. 33), “o estudo de caso como estratégia de pesquisa
compreende um método que abrange tudo – com a lógica de planejamento
incorporando abordagens específicas à coleta de dados e à análise de dados”.
Assim, fica patente o caráter abrangente do estudo de caso como estratégia
de pesquisa.
Diante do exposto, e tendo em vista o objetivo a que se propôs esta
pesquisa – verificar se o benchmarking pode ser apontado como instrumento
de controle gerencial, no caso do CASNAV –, o estudo de caso apresentou-
se como a técnica mais indicada, por ser aquela que possibilita alcançar um
maior nível de profundidade sobre o assunto e permite maior poder de análise
de uma ou mais organizações, pela comparação destas com tipos ideais
encontrados na literatura.
Triviños (1987) afirma que, qualquer que seja o tipo de coleta de
informações, para se obter resultados científicos no campo das ciências
humanas e sociais, as mesmas devem apresentar coerência, consistência,
originalidade e objetividade, de acordo com os aspectos de critérios internos
de verdade e de critérios externos de intersubjetividade.
Assim, o procedimento de coleta de informações da presente pesquisa
utilizou-se de dois recursos distintos: dados primários e dados secundários.
Segundo Mattar (1999, p. 135), os dados primários são “aqueles que
não foram antes coletados, estando ainda em posse dos pesquisados, e que
são coletados com o propósito de atender às necessidades específicas da
pesquisa em andamento”. Já os dados secundários são “aqueles que já foram
coletados, tabulados, ordenados e, às vezes, até analisados, com propósitos
outros aos de atender às necessidades da pesquisa em andamento, e que
estão catalogados à disposição dos interessados”.
Page 16
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
81
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Na coleta de dados primários, a principal fonte utilizada na pesquisa
foi a observação não participante, facilitada em grande parte pelo fato de
um dos pesquisadores ser Oficial da Marinha, fato que veio a propiciar de
forma completa o acesso a toda organização.
Segundo Richardson (1989, p. 213), “a observação é o exame minucioso
ou a mirada atenta sobre um fenômeno no seu todo ou em alguma de suas
partes, é a capacitação precisa do objeto examinado”. Esse mesmo autor
afirma que de maneira geral a observação é a base de toda investigação no
campo social, podendo-se utilizá-la em trabalho científico de qualquer nível,
dos mais simples aos mais avançados. Na observação não participante o
pesquisador afigura-se, somente, como um espectador atento a um grupo
observado, sendo guiado pelos objetivos da pesquisa e procurando registrar o
máximo de ocorrências que convém ao seu trabalho (RICHARDSON, 1989).
Diante do exposto, e tendo em vista que não houve qualquer tipo de
interferência do pesquisador nas atividades desenvolvidas pela organização
no seu dia a dia, fica configurada a observação não participante.
Os dados secundários foram coletados no âmbito da organização,
principalmente por meio da pesquisa documental e do acesso à pagina do
CASNAV na Intranet da MB. Ressalta-se aqui a total liberdade do pesqui-
sador no que tange ao citado acesso, via Intranet, onde foi disponibilizado
um terminal exclusivo para a realização da pesquisa sem qualquer espécie de
acompanhamento pela organização do tipo de informações acessadas. Vale
destacar, também, a facilidade com que tal pesquisa foi efetuada, devido ao
alto grau de informatização do CASNAV, em que quase 100% das informa-
ções, de documentos oficiais a palestras e treinamentos, estão digitalizados.
Ainda na coleta de dados secundários, foram utilizadas diversas publi-
cações como livros, periódicos, teses e dissertações e, complementarmente,
pesquisa via Internet, de modo a se poder realizar o levantamento bibliográfico
da pesquisa; e estudar as diferenças existentes entre as características
organizacionais e o sistema de controle projetado pelo CASNAV.
Assim, a partir da descrição do caso, foi feita uma análise qualitativa,
na qual foram relacionados os resultados obtidos no trabalho de campo ao
plano de referência teórica apresentado na seção 2 do presente trabalho, que
serviu de elemento balizador base para a pesquisa.
Page 17
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
82
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
No intuito de proporcionar uma maior riqueza de detalhes sobre o
sistema de controle gerencial do CASNAV, a descrição do caso foi separada
de sua análise e interpretação. Com isso, a próxima seção descreve o caso
do CASNAV, buscando-se a maior proximidade possível com a realidade.
Apesar da facilidade de acesso à organização pesquisada, por se tratar
de um estudo de caso, há que se considerarem os preconceitos em relação ao
assunto, por ocasião do uso da referida estratégia. Tal fato se deve a diversas
razões, as quais se destacam duas, entre as apontadas por Yin (2001, p. 28-
29), a fim de justificar o motivo do surgimento do estereótipo de “parente
pobre” entre os métodos de ciência social, são elas:
Talvez a maior preocupação seja a falta de rigor da
pesquisa de estudo de caso. Por muitas e muitas vezes,
o pesquisador de estudo de caso foi negligente e
permitiu que se aceitassem evidências equivocadas
ou visões tendenciosas para influenciar o significado
das descobertas e das conclusões. (...) Uma segunda
preocupação muito comum em relação aos estudos de
caso é que eles fornecem pouca base para se fazer uma
generalização científica. “Como você pode generalizar
a partir de um caso único” é uma questão muito ouvida.
Como resposta a tal questão, Yin (2001) afirma que os estudos de caso,
assim como os experimentos, são generalizáveis para proposições teóricas
e não para populações ou universos.
Desta forma, segundo Yin (2001, p. 29), “o estudo de caso, como o
experimento, não representa uma ‘amostragem’, e o objetivo do pesquisador
é expandir e generalizar teorias (generalização analítica) e não enumerar
frequências (generalização estatística)”.
Assim, enquanto na generalização estatística uma inferência é feita
sobre uma população com base em dados empíricos coletados de uma
amostra, na generalização analítica uma teoria desenvolvida previamente é
usada como um modelo contra o qual serão comparados os resultados
empíricos do estudo de caso (MARTINEWSKI, 2003, p. 78).
De qualquer forma, ressalta-se que os resultados encontrados neste
estudo limitam-se à organização estudada, não sendo possível generalizá-
los para outras organizações prestadoras de serviços da Marinha.
Page 18
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
83
Além disso, embora tenham sido empregadas as táticas recomen-
dadas para reduzir o julgamento subjetivo do investigador na coleta de dados,
por meio da utilização de múltiplas fontes de evidências, recomenda-se cautela,
tendo em vista que não se pode garantir que as observações realizadas pelo
pesquisador tenham coberto todos os pontos importantes requeridos por
estudos desta natureza.
4. O Caso da OMPS – CASNAV
4.1. Caracterização da Organização
O CASNAV é uma Organização Militar Prestadora de Serviços (OMPS)
da Marinha do Brasil, integrante do Sistema de Ciência e Tecnologia da
Marinha, tendo sido reconhecido como organização da área de Ciência e
Tecnologia da Administração Pública Federal Direta, em 1993.
No ano de 2001, o CASNAV assinou com a Secretaria Geral da Marinha
(SGM), representante legal do Comando da Marinha, o seu primeiro contrato
de gestão, que no âmbito da MB foi denominado Contrato de Autonomia de
Gestão (CAG). Uma das metas contidas no referido contrato era a partici-
pação da organização no Prêmio Nacional de Gestão Pública (PQGF) do
Governo Federal, fato este que vem ocorrendo desde o ano de 2003. Cumpre
ressaltar que o CASNAV foi laureado com premiações na faixa bronze do
referido concurso nos ciclos 2004, 2005 e 2007, exceto no ano de 2006, pelo
fato de o regulamento do PQGF impedir que a mesma organização seja
premiada na mesma faixa por três anos consecutivos.
O CASNAV realiza atividades segundo as seguintes áreas de competência
técnica: Análise de Sistemas; Pesquisa Operacional; Engenharia de
Sistemas; Segurança da Informação; Criptologia; Matemática; e Estatística.
A administração do CASNAV é dividida em três níveis. O primeiro nível
é o estratégico, composto pelo diretor, vice-diretor, assessores da direção, e
chefes dos departamentos, respectivamente, de administração, de engenharia
de sistemas e de apoio tecnológico. O segundo nível é o tático, composto pelos
encarregados de divisão e assessores dos chefes de departamento. O terceiro
nível é o operacional, composto pelos gerentes de projeto e encarregados de seção.
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 19
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
84
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Além disso, existem três conselhos e um comitê com atribuições e
componentes formalmente previstos, que participam diretamente do processo
de tomada de decisão, assessorando o diretor, autoridade máxima da organi-
zação, nos assuntos que lhes couberem. O Conselho Consultivo (ConSult)
trata, principalmente, dos assuntos relativos ao Contrato de Gestão. O Con-
selho Técnico (ConsTec) cuida dos assuntos de natureza técnica. O Conselho
Econômico (ConsEco) trata de gerência econômico-financeira. Por fim, o
Comitê de Qualidade é responsável pelo bom funcionamento do Sistema de
Gestão da Qualidade (SGQ).
4.2. Controle Gerencial no CASNAV
O sistema de controle gerencial do CASNAV foi implantado há sete
anos; tal fato está diretamente relacionado com a elaboração do primeiro
planejamento estratégico da organização no ano 2000, que teve como conse-
quência a assinatura do Contrato de Autonomia de Gestão (CAG) em 2001.
O referido contrato foi apontado, pela organização, como o “divisor
de águas” no seu processo de gestão, pois, por meio do estabelecimento de
metas, acordadas entre as partes, propiciou-se um ambiente favorável a uma
administração com enfoque mais gerencial do que burocrático, este último
comum na administração pública.
O CASNAV almeja a obtenção de metas de alto desempenho pela
promoção da cultura da excelência na organização, baseada na sua política
de qualidade. Assim, a qualidade pode ser apontada como uma das pedras
basilares da cultura organizacional, a qual merece destaque a figura dos
“promotores de qualidade”.
Tais elementos são selecionados entre os componentes da organização,
voluntários, que possuam como características, entre outras: liderança, entu-
siasmo, disciplina, visão sistêmica, credibilidade, participação e preocupação
com resultados. Os “promotores de qualidade”, ao disseminarem conceitos e
ideias de qualidade em toda a organização, atuam como os principais agentes
de mudança, incentivando o comprometimento de todos com a cultura da
excelência.
Nesse sentido, o processo de comunicação interna é visto como uma
das bases para a motivação ao comprometimento de todos com a cultura de
Page 20
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
85
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
excelência. Como exemplo, pode-se citar as palestras realizadas pelo
Diretor a toda organização, no intuito de reforçar a necessidade do compro-
metimento com a excelência, além de mostrar os resultados decorrentes da
adoção de práticas voltadas para a melhoria contínua.
As citadas palestras são realizadas ao final de cada ano, sendo que
nelas são apresentados os principais resultados alcançados pelo CASNAV, os
óbices encontrados para a consecução dos mesmos, as medidas corretivas
adotadas, além das perspectivas para o ano seguinte.
O CASNAV, por ser ao mesmo tempo uma organização militar e um
Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, aprendeu, ao longo dos anos, a
balancear, de forma harmônica, as características da liderança militar,
fundamentada na hierarquia e na disciplina, e da liderança típica das
equipes de pesquisa, pautada principalmente na competência técnica e no
esforço cooperativo (CASNAV, 2006).
Uma frase que exemplifica o seu sistema de liderança é: “ideias não
têm estrutura hierárquica”. Assim, o estilo de liderança é o participativo (ou
democrático), em que, de acordo com a Doutrina de Liderança da Marinha:
“abre-se mão de parte da autoridade formal em prol de uma esperada
participação dos subordinados e aproveitamento de suas ideias".
Com o propósito de fomentar o trabalho em equipe, as pessoas são
incentivadas a participar das decisões sobre as facilidades oferecidas pela
organização. Um exemplo disso foi a implantação do transporte coletivo,
tendo em vista que a partir da solicitação dos servidores contratou-se os
serviços de uma van para o deslocamento no interior do complexo militar,
tendo em vista as longas distâncias, antes percorridas “a pé”.
O CASNAV também estimula a interação das pessoas nas comemo-
rações dos aniversariantes, organizadas semanalmente às sextas-feiras, e
datas festivas, como aniversário da organização, de fim de ano, etc., em que,
segundo a organização, o ambiente informal facilita o conhecimento mútuo
e favorece o surgimento da empatia, necessária ao desenvolvimento das pos-
turas necessárias ao trabalho em equipe. Além disso, o CASNAV, a partir de
2001, mede e avalia o bem-estar, a satisfação e a motivação das pessoas por
meio da Pesquisa de Clima Organizacional (PCO), que é realizada anual-
mente por consultoria independente.
Page 21
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
86
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Nesta pesquisa vários aspectos são abordados, entre os quais se
destacam os seguintes: colaboração entre as diferentes áreas; relacionamento
com as chefias superiores; conhecimento sobre as funções; relacionamento
com colegas de trabalho; e realização pelos resultados alcançados.
Verificou-se que os indicadores apurados na PCO efetuada em 2007
apresentaram patamares elevados quanto à percepção dos membros da orga-
nização no que tange a diversos aspectos que podem contribuir para o forta-
lecimento do trabalho em equipe. Entre tais indicadores, o que avalia a capaci-
dade de a organização dar oportunidades para a exposição ideias e sugestões,
encontrava-se na faixa de 80%. No mesmo patamar estava o indicador que
aponta a percepção dos membros da organização quanto às oportunidades
de debater com seus superiores aspectos sobre as tarefas atribuídas.
Assim, torna-se possível perceber que o trabalho em equipe nos seus
diversos níveis faz parte da cultura do CASNAV, liderado pelos chefes de
departamento, encarregados de divisão ou gerentes de projeto. Dessa maneira,
é possível formar equipes interdisciplinares conforme a demanda específica.
A execução de projetos por meio de equipes interdisciplinares visa tornar
flexível e agilizar as respostas aos interesses dos clientes, além de assegurar
a oportunidade de participação de todos os colaboradores nos processos.
Assim, foram criados Grupos de Trabalho (GT) e Comissões, compostos
por pessoas dos diversos setores, possibilitando que seus integrantes
interajam com os diversos assuntos atinentes ao dia a dia da organização.
O CASNAV possui valores e tradições peculiares ao meio naval, além
dos valores da Marinha do Brasil, que são estabelecidos em norma específica,
a organização decidiu efetuar um complemento, criando um código de valores
específico para o seu ambiente interno. Na referida organização, entende-se
que os valores servem como filtros que impedem que hábitos inadequados
se incorporem à cultura da organização ou de parte dela. Assim, o que se
deseja é que os componentes da organização ajam de acordo com um
mesmo código de valores, que darão o tom comportamental de todos.
Dentre o conjunto de valores do CASNAV, destacam-se: a) ética; b)
cooperação; c) constância de propósitos; d) fidelidade; e e) profissionalismo.
Ressalta-se que o entendimento desses valores está formalmente exposto no
código de ética da organização.
Page 22
4.2.1. O uso do benchmarking
A organização faz uso do benchmarking, por intermédio da gestão
das informações comparativas (IC), que são selecionadas por meio das refe-
rências usadas nas OMPS da área de Ciência e Tecnologia; organizações
premiadas no PQGF, naqueles processos semelhantes aos do CASNAV; e
ainda aquelas que guardam relação de proximidade com o planejamento
estratégico da organização.
Os critérios de seleção das informações comparativas, de acordo com
o Relatório de Gestão do CASNAV, ciclo 2007, são:
• Capacidade de agregação ao diferencial competitivo perante o mercado;
• Utilidade das informações comparativas para o CASNAV; e
• Viabilidade da coleta dos dados, mediante requisitos de disponibi-
lidade, continuidade, consistência, atualização e confiabilidade.
Cabem ao ConSult e ao ConsTec a definição dos critérios de seleção
das informações comparativas (CASNAV, 2007). Ressalta-se que, para a
definição desses critérios, os mencionados conselhos consideram os seguintes
requisitos:
• Consistência;
• Atualização;
• Coerência (pertinência) com os processos;
• Credibilidade: empresa conceituada;
• Abrangência; e
• Validade no tempo.
A correlação das principais informações comparativas com os processos
e práticas de gestão adotados no CASNAV pode ser observada pelo Quadro 1.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
87
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 23
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
88
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Assim, as informações obtidas são utilizadas cumprindo-se o seguinte
procedimento:
a) identificação – a partir das informações comparativas, identificam-
se os processos cujos resultados estão aquém dos obtidos por
outras organizações, ou apresentam tendência desfavorável;
b) análise – analisam-se os processos identificados, para a determi-
nação das causas do desempenho abaixo do esperado e a elaboração
das linhas de ação para melhoria. Os colaboradores envolvidos
com os processos também são chamados a participar;
c) encaminhamento – dependendo do nível de decisão associado às
linhas de ação definidas, o assunto poderá ser encaminhado para o
ComQ e para o ConSult. Muitas vezes a providência pode ser no
âmbito operacional; e
d) ação – a direção, nas reuniões do ConSult toma a decisão, disse-
mina e acompanha a execução.
Conforme mencionado, o CASNAV tem como base para suas fontes de
informações para comparação as organizações que desenvolvem atividades
similares às suas e que, de preferência, sejam reconhecidas como de excelência.
As informações comparativas sobre avaliação operacional (AO) e sobre
criptologia são obtidas em eventos técnicos no país e no exterior porque as
suas características de sigilo intrínsecas deparam-se com a dificuldade de
Fonte: Relatório de Gestão do CASNAV (2007).
NATUREZA DA INFORMAÇÃO
Informações do desempenho orçamentário – financeiro do CASNAV
e de outras OM, obtidas a partir do relatório emitido pelo COFAMAR.
Dados estatísticos, matemáticos, sistemas de simulação, de
modelagem, de logística e de planejamento de experimentos.
Novos softwares, métodos, ferramentas e aplicativos.
Sistemas e algoritmos criptográficos, sistemas de gerência
eletrônica de documentos, gestão do conhecimento e de segurança
da informação.
Informações referentes à Gestão Pública.
PROCESSOS
RELACIONADOS
Compras, Custos e
Orçamento
Pesquisa Operacional
Engenharia de
Software
Gestão e Segurança
da Informação
Gestão Contemporânea
Quadro 1 - Correlação das IC com Processos e Práticas de Gestão
Page 24
encontrar organizações no país e no exterior que disponibilizem informações
dessas áreas. Nessas ocasiões, os contatos com membros de outras organi-
zações, sejam elas parceiras ou detentoras de tecnologias e/ou conhecimentos
de interesse, possibilitam a ocorrência de oportunidades de aprendizado
para o CASNAV.
As informações comparativas em AO são obtidas no país, no Simpósio
de Pesquisa Operacional e Logística da Marinha (SPOLM), no Encontro
Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), no Simpósio Brasileiro
de Pesquisa Operacional (SBPO); e as de criptologia, no Simpósio de
Tecnologia da Informação da Marinha (INFOMAR). No Exterior, para AO,
podemos citar: International Federation of Operational Research Societies
(IFORS); Institute for Operations Research and the Management Sciences
(INFORMS) e o Military Application Society (MAS).
As IC da área econômico-financeira são obtidas a partir do relatório
econômico-financeiro, elaborado pela Diretoria de Finanças da Marinha (DFM),
encaminhado ao Conselho Financeiro e Administrativo da Marinha (COFAMAR),
com distribuição a todas as OMPS.
O mencionado relatório tem o propósito de fornecer, aos diversos setores
da Alta Administração Naval, elementos sobre o desempenho econômico-
financeiro das organizações militares prestadoras de serviços (OMPS), sendo
emitido trimestralmente.
Dessa maneira, o CASNAV busca comparar seu desempenho econômico-
financeiro com o das outras OMPS por meio da análise detalhada dos
indicadores apresentados no relatório da DFM. Essa comparação é feita
tendo como elemento balizador os resultados obtidos pelas outras OMPS
enquadradas na mesma categoria do CASNAV, ou seja, na área de Ciência
e Tecnologia.
Os principais indicadores utilizados como parâmetros para a análise
do desempenho da organização são:
• Faturamento Bruto;
• Faturamento Extramarinha (serviços prestados a outras instituições);
• Resultado Líquido;
• Perdas;
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
89
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 25
• Despesas Administrativas.
As principais práticas de obtenção de informações comparativas (IC),
com seus referenciais, empregadas pelo CASNAV, podem ser vistas no
Quadro 2.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
90
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Fonte: Relatório de Gestão do CASNAV (2007).
PROCESSOS
Gestão e Segurança da Informação,
Gestão Contemporânea, Engenharia de
Software, Modelagem e Simulação.
Avaliação Operacional, Gestão e
Segurança da Informação, Engenharia
de Software, Modelagem e Simulação.
Engenharia de Software, Modelagem
e Simulação.
Gestão e Segurança da Informação,
Engenharia de Software, Gestão
Contemporânea, Modelagem e
Simulação.
REFERENCIAIS
OMPS-C; CNEN;
INMETRO
SBPO; ENEGEP;
IFORS.
MECTRON, EMBRAER
SOBRAPO, COPPE,
MAS.
Quadro 2 – Principais Práticas de Obtenção de IC
PRÁTICAS DE
OBTENÇÃO
Benchmarking
com outros órgãos
Participações em
Eventos Técnicos
Benchmarking após
Visitas Técnicas
Consulta a sites da Internet
Outra prática adotada pela organização, quanto ao processo de
benchmarking, consiste no fato de que existem membros do CASNAV que
atuam como avaliadores do PQGF.
Nesse sentido, ao visitar organizações que estejam concorrendo no
referido prêmio, com o propósito de avaliá-las, tais elementos tomam
conhecimento de todos os processos desenvolvidos in loco. Tal fato torna
possível a captação de informações que contribuam diretamente para o
aprendizado organizacional, que por sua vez pode vir a influenciar o com-
portamento dos componentes da organização.
Ressalta-se que nem todas as organizações que se inscrevem para
concorrer ao PQGF chegam à fase de visitação por parte das equipes de
avaliadores. Somente aquelas que já se encontram em patamares de gestão
mais evoluídos são avaliadas presencialmente por tais equipes.
Assim, torna-se possível depreender que nas visitas de avaliação reali-
zadas a outras organizações, pelos membros do CASNAV, normalmente
serão conhecidos práticas/processos internos que apresentam potencial de
Page 26
agregação de valor, devido ao estágio em que tais organizações já atin-
giram.
São apresentadas no Quadro 3 algumas organizações que o CASNAV
utiliza como base de comparação, bem como são descritos os quesitos que
são considerados em cada uma das citadas organizações.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
91
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Fonte: Relatório de Gestão do CASNAV (2007).
ORGANIZAÇÃO
SOBRAPO
EMBRAPA
FURNAS
PETROBRAS
INMETRO
ELETROSUL
SERPRO
DESCRIÇÃO
Sociedade de referência em Pesquisa Operacional no país – Ações e
imagem junto à sociedade.
Órgão de C&T – Corpo técnico e relações com a sociedade.
Departamento de Apoio e Controle Técnico – faixa prata PQGF/2005.
Recursos humanos e satisfação com as instalações.
Órgão de C&T – faixa prata no PQGF/2005.
Regional da manutenção do Paraná – faixa ouro no PQGF/2004.
Órgão de referência da Administração Federal, em Tecnologia da
Informação.
Quadro 3 – Fontes de Informações para Benchmarking
As demais IC são obtidas nas outras OMPS da MB; em outros órgãos
do Plano de Carreira de Ciência e Tecnologia (PCCT) do Governo Federal
(INMETRO, CNEN, INPI, etc.); em visitas técnicas e nas consultas a sites
da Internet, desde que devidamente avaliadas. As mencionadas visitas
técnicas são realizadas pelos componentes do Conselho Técnico (ConsTec),
bem como por outros elementos do corpo técnico.
5. Análise dos Resultados
A importância dada pelo CASNAV ao processo de comunicação
interna mostra a preocupação da organização no que se refere ao fato de
manter seus membros devidamente informados a fim de se alcançar os objetivos
traçados. Tal situação pode ser confirmada pela ênfase dada à qualidade,
como base da cultura de excelência estabelecida pelo CASNAV, em que os
“promotores de qualidade” ocupam lugar de destaque.
Nesse sentido, os referidos elementos cumprem papel de vital importância,
uma vez que atuam como os principais agentes de mudança, incentivando o
comprometimento de todos com a cultura de excelência, configurando-se,
Page 27
dessa forma, como os catalisadores do processo de qualidade da organização.
Com isso, pode-se depreender, de forma mais nítida, a intenção da alta
administração do CASNAV de exercer o controle gerencial pela divulgação
de diversos tipos de informações julgadas relevantes para a organização. Tal
fato encontra-se alinhado com o pensamento de Kaplan (1994), no qual o
autor ressalta que os sistemas de controle gerencial deixaram de tentar
controlar os trabalhadores para tentar mantê-los informados.
Diante disso, entra em cena o uso do benchmarking pelo CASNAV,
tendo em vista que a referida organização faz uso de tal ferramenta, de
controle gerencial, na busca de informações visando à melhoria contínua
dos processos da organização, pela influência no comportamento de seus
componentes. Tal postura encontra ressonância em Soutes (2006), que apresenta
o benchmarking como “artefato” moderno da contabilidade gerencial; e
Martinewski (2003), que aponta como instrumentos de controle gerencial
aqueles destinados a manter os funcionários mais bem informados para a
execução de seu trabalho.
O fato de o CASNAV ter como base para suas fontes de informações
para comparação as organizações que desenvolvem atividades similares às
suas e que, de preferência, sejam reconhecidas como de excelência, com
destaque para aquelas que são premiadas no PQGF, demonstra que a
organização está alinhada com Hofstede (1981).
Isso se confirma pelo desenho do quadro de indicadores de controle,
que é fortemente influenciado pelo contexto cultural e por aspectos não
financeiros, de acordo com o pensamento de Hofstede (1981). Esse autor
afirma que os sistemas de controle gerencial de organizações públicas
devem ser específicos para tal atividade, devendo-se evitar a adoção das
abordagens tradicionais, uma vez que as mesmas por focarem as
organizações com fins lucrativos normalmente falham em órgãos públicos.
Ainda nesse contexto, vale mencionar Colauto, Beuren e Sant’ana
(2004), ao afirmarem que o benchmarking pode ser visto como um instru-
mento gerencial para comparar vários aspectos dos produtos, processos
empresariais e fatores de sucesso de organizações do mesmo segmento.
A decisão da direção do CASNAV em concorrer ao Prêmio Nacional
de Gestão Pública (PQGF) do Governo Federal, além de contribuir para o
fortalecimento da cultura organizacional, baseada na excelência de gestão,
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
92
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 28
favorece a utilização do benchmarking como meio de influenciar o compor-
tamento das pessoas na direção da melhoria contínua, principalmente pelo
foco dado à questão da qualidade na organização.
Tal questão nos remete ao alerta feito por Gariba Júnior (2005), ao
destacar a necessidade de que as organizações utilizem o benchmarking
como ferramenta de melhoria, tendo uma postura de organização que deseja
aprender com os outros. Conforme já mencionado, para Gariba Júnior
(2005, p. 131), “benchmarking é uma escola na qual se aprende a aprender”.
Outro fato que contribui para a consecução do pensamento anterior
reside na atuação de servidores do CASNAV como avaliadores do PQGF,
onde se torna possível captar informações que contribuam diretamente para
o aprendizado organizacional, durante as visitas para avaliação de outras
organizações participantes do PQGF. Assim, ao visitar organizações que
reconhecidamente já estão mais à frente, no que tange à excelência de
gestão dentro da administração pública, os membros do CASNAV tem a
oportunidade de conhecer novas práticas que podem agregar valor para o
desenvolvimento da organização dentro das suas áreas de competência.
Nesse sentido, a descrição dos critérios de seleção, bem como das
etapas do processo de utilização das informações comparativas obtidas, no
uso do benchmarking, demonstram que o CASNAV tem por objetivo, ao
empregar tal instrumento, incrementar a aprendizagem organizacional, na
procura permanente de oportunidades de melhoria das suas práticas e processos.
Corroborando com tal afirmativa, é possível mencionar o entendimento
de Boxwell (1996) quanto à importância maior de se entender como é que as
empresas, objeto deste estudo, conseguiram alcançar seus resultados do que
se obter apenas algumas medições de ordem quantitativa sobre as mesmas.
Diante do exposto, verificou-se que a organização se utiliza do
benchmarking como forma de manter seus membros melhor informados,
contribuindo para a ocorrência de comportamentos adequados no sentido da
consecução das metas organizacionais.
Isso se dá pelo fato de que ao tomarem conhecimento das melhores
práticas adotadas em outras organizações, comparando-as com as suas
práticas internas, as pessoas sentem-se impulsionadas a buscar o alcance do
mesmo nível obtido por essas organizações.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
93
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 29
Assim, analisando-se os dados apresentados, em que o processo de
comunicação interna, aliado a uma cultura de excelência do CASNAV, con-
tribuem para o emprego do benchmarking como forma de influenciar o
comportamento dos membros da organização, é possível apontar uma
proximidade das práticas adotadas pelo CASNAV com as preconizadas na
literatura no que tange ao uso do benchmarking como instrumento de
controle gerencial.
6. Considerações Finais
O objetivo principal do presente artigo foi o de verificar se o
benchmarking pode ser apontado como instrumento de controle gerencial,
da forma como é empregado no caso do CASNAV. Para tanto, buscou-se,
em primeiro lugar, o embasamento teórico necessário ao correto entendimento
do tema em lide, bem como a análise do sistema de controle gerencial da
referida organização, com ênfase no uso do benchmarking, por parte da
mesma, no seu processo de controle.
Resultados encontrados propiciaram o entendimento de que o
benchmarking, utilizado pelo CASNAV, pode ser apontado como um dos
instrumentos de controle gerencial adotados por essa organização. Tal entendi-
mento tomou forma mais clara ao identificarmos a relação existente entre o
benchmarking, o processo de comunicação e a cultura organizacional, sendo
os dois últimos fatores internos à organização que contribuíram para
potencializar os efeitos gerados pelo referido instrumento, no que tange à
sua capacidade de influenciar o comportamento dos membros do CASNAV.
Nesse sentido, verificou-se que o uso do processo de benchmarking,
além da participação em eventos técnicos, tanto no Brasil quanto no exterior,
podem ser apontadas como importantes fontes de conhecimento e obtenção
de informações comparativas.
Dessa forma, a captação sistemática de informações sobre a gestão de
outras organizações, tidas como referência, em especial aquelas do PQGF, com
o perfil similar ao do CASNAV, por meio da realização de benchmarking,
traz oportunidades para melhorias e inovações que, quando analisadas e
consideradas pertinentes, são devidamente incorporadas aos procedimentos
da organização. Tal afirmação é respaldada pelo conceito de que com o
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
94
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 30
benchmarking a organização aprende a aprender, o que está de acordo com o
pensamento de Leibfried e McNair (1994) ao afirmarem que o benchmarking
tem por princípio fornecer visões e ideias criativas para a combinação dos
recursos existentes, e mostrar um caminho para o aperfeiçoamento já trilhado
com sucesso pelos outros.
Assim, a utilização das informações comparativas, com o emprego da
técnica de benchmarking, pode ser vista como mecanismo de controle gerencial,
pois serve como referência das melhores práticas existentes no mercado,
norteando os membros do CASNAV no rumo compatível com o contexto
social no qual se insere, reforçando a cultura de excelência.
Quanto ao objetivo específico, foi possível apontar às organizações,
públicas ou privadas, caminhos alternativos para o alcance de resultados
superiores em situações em que não é possível a presença de sistemas de
premiação baseados em incentivos remuneratórios, uma vez que a organi-
zação, objeto deste artigo, apresentou resultados adequados nos últimos
anos, tendo por base o desenvolvimento de uma cultura de excelência, na
qual se destacou o emprego do benchmarking.
Diante do exposto, é possível sugerir o desenvolvimento de novos
estudos em organizações que se encontrem em situação semelhante, sejam
públicas ou privadas, a fim de ratificar os resultados ora encontrados.
Referências
ANTHONY, R. N. Planning and control systems: a framework for analysis. Boston,
Harvard, 1965.
ANTHONY, R. N.; GOVINDARAJAN, V. Sistemas de controle gerencial. São Paulo:
Atlas, 2002.
ARAÚJO, L. C. G. de. Organização, sistemas e métodos e as modernas ferramentas
de gestão organizacional. São Paulo: Atlas, 2001.
BOXWELL, R. J. Vantagem competitiva através do benchmarking. São Paulo:
Makron Books, 1996.
BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Estado. 1995. Brasília, DF. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/publi_04/COLECAO/PLANDI1.HTM>. Acesso em: 27
jan. 2007.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
95
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 31
CAMP, R. C. Benchmarking: o caminho da qualidade total. 3. ed. São Paulo:
Pioneira, 2002.
CASNAV - Centro de Análises de Sistemas Navais. Relatório de Gestão 2006. Rio de
Janeiro, 2006.
_______. Centro de Análises de Sistemas Navais. Relatório de Gestão 2007. Rio de
Janeiro, RJ, 2007.
COLAUTO, R. D.; BEUREN, I. M.; SANT’ANA, L. E. O benchmarking como
suporte ao sistema de inteligência competitiva. Revisa de Negócios, Blumenau, v. 9,
n. 4, p. 237-248, out./dez. 2004.
FLAMHOLTZ, E. Organizational control systems as a managerial tool. California
Management Review, v. 22, n. 2, p. 50-9, 1979.
GARIBA JÚNIOR, M. Um modelo de avaliação de cursos superiores de tecnologia
baseado na ferramenta benchmarking. 2005. 304 f. (Tese – doutorado em Engenharia
de Produção). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção,
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.
GOMES, J. S. Um estudo exploratório sobre controle gerencial em empresas estatais
brasileiras. 1983. 358 f. (Tese – doutorado em Administração). Instituto COPPEAD
de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1983.
GOMES, J. S.; RODRIGUES, A. Um estudo exploratório sobre controle gerencial
em empresas brasileiras internacionalizadas do setor de serviços. In: ENCONTRO
DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM
ADMINISTRAÇÃO, 29, 2005, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2005. CD-ROM.
GOMES, J. S.; SALAS, J. M. AMAT. Controle de gestão: uma abordagem contextual
e organizacional. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
HOFSTEDE, G. Management control of public and not-for-profit activities.
Accounting, Organizations and Society, v. 6, n. 3, p. 193-211, 1981.
KAPLAN, R. S. Management accounting (1984-1994): development of new practice
and theory. Management Accounting Research, n. 5, p. 247-260, 1994.
KERLINGER, F. N. Metodologia da pesquisa em Ciências Sociais: um tratamento
conceitual. São Paulo: EPU, 1980.
LEIBFRIED, K. H. J.; McNAIR, C. J. Benchmarking: uma ferramenta para a
melhoria contínua. Rio de Janeiro: Campus, 1994.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
96
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 32
MARTINEWSKI, A. L. Mudanças no controle gerencial de empresas brasileiras
estatais e privatizadas: estudo de casos. 2003. 246 f. (Tese – doutorado em
Administração). Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio
de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.
NAKAGAWA, M.. Introdução à controladoria: conceitos, sistemas, implementação.
São Paulo: Atlas, 1993.
MALHOTRA, N.K. Marketing research: an applied orientation. Englewood Cliffs,
NJ: Prentice-Hall, 1993.
MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento. 5. ed. São
Paulo: Atlas, 1999. v. 1.
OTLEY, D. Management control in contemporary organizations: towards a wider
framework. Management Accounting Research, n. 5, p. 289-299, 1994.
OTLEY, D.; BROADBENT, J.; BERRY, A. Research in management control: an
overview of its development. British Journal of Management, v. 6, Special Issue, p.
S31-S44, 1995.
PEREIRA, S. C. de S. O planejamento estratégico na Marinha do Brasil: o caso das
Organizações Militares Prestadoras de Serviço (OMPS). Rio de Janeiro. 2006. 86 f.
(Dissertação - Mestrado em Administração Pública). Escola Brasileira de
Administração Pública e de Empresas (EBAPE), Fundação Getúlio Vargas (FGV),
Rio de Janeiro, 2006.
RIBEIRO FILHO, J. F. Controle gerencial para entidades da administração pública.
Brasília: ESAF, 1997. 74 f. Monografia vencedora em 1º lugar no II Prêmio STN de
Monografia, Sistemas de Informação sobre a Administração Financeira Pública:
contabilidade pública gerencial, set, 1997.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 2. ed. São Paulo: Atlas,
1989.
SANCOVSCHI, M. A função de controle gerencial nas instituições financeiras
privadas no Brasil: uma perspectiva situacional. 1986. 248 f. (Tese – doutorado em
Administração). Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio
de Janeiro, Rio de Janeiro, 1986.
SOUTES, D. O. Uma investigação do uso de artefatos da contabilidade gerencial
por empresas brasileiras. 2006. 116 f. (Dissertação – mestrado em Contabilidade).
Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo,
São Paulo, 2006.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
97
Controle Gerencial por meio do Benchmarking: o Caso de Uma Organização de Ciência e
Tecnologia da Marinha do Brasil
Page 33
SOUTES, D. O.; DE ZEN, M. J de C. M. Estágios evolutivos da contabilidade
gerencial em empresas brasileiras. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA
E CONTABILIDADE, 5, 2005, São Paulo. Anais… Disponível em:
<http://www.eac.fea.usp.br>. Acesso em: 20 mar. 2007.
SULAIMAN, M.; AHMAD, N. N.; ALWI, N. Management accounting practices in
selected Asian countries: a review of the literature. Managerial Auditing Journal, n.
19, v. 4, p. 493-508, 2004.
TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987.
VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 4. ed. São
Paulo: Atlas, 2003.
YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Trad. Daniel Grassi.
Porto Alegre: Bookman, 2001.
Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 65-98, abr./jun. 2009.
98
SILVA, Anderson Soares; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte
Page 34
  • Sistemas de controle gerencial. .
  • Organização, sistemas e métodos e as modernas ferramentas de gestão organizacional. .
  • Relatório de Gestão Rio de Janeiro, 2006. _______. Centro de Análises de Sistemas Navais. .