Article

Humanização em uma UTI-adulto no Distrito Federal

Authors:
If you want to read the PDF, try requesting it from the authors.

Abstract

Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2008. Neste estudo buscamos analisar o processo de humanização na assistência promovida na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Instituto de Coração do Distrito Federal (INCOR-DF), na percepção dos profissionais de saúde e clientes, tomando como referência o Programa Nacional de Humanização. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa descritivo-exploratório. Os procedimentos para a coleta de dados foram a observação não participante e entrevistas semiestruturadas individuais aplicadas com 10 profissionais de saúde, e 10 clientes que estiverem internados na UTI. Os dados foram coletados no período de abril a junho de 2007, e analisados descritivamente, pela Técnica de Análise de Conteúdo Temático proposta por Bardin. Da análise dos dados emergiram categorias temáticas interdependentes, definidas por critérios quantitativos e qualitativos. Junto aos clientes foram identificadas sete categorias: Uma experiência de passar por uma UTI; Os profissionais da UTI; O ambiente físico da UTI; Necessidades básicas; A família e os amigos; Qualidade da assistência e Assistência humanizada. Nos discursos dos profissionais cinco categorias temáticas foram identificadas: Assistência integral ao cliente da UTI; O espaço físico da UTI; A equipe da UTI; Humanização; Dificuldades no processo de trabalho. Verificamos que, para os clientes, o significado de uma internação na UTI remete a sentimentos de gravidade da doença e proximidade da morte, porém eles apontaram que a competência técnica, a atenção e o carinho dispensados pelos profissionais da UTI ajudaram a superar e aceitar o cuidado, sentindo-se acolhidos, gratificados e seguros com o atendimento recebido no período de internação. Na avaliação dos profissionais de saúde, consideraram que prestam uma atenção integral e humanizada, devido à disponibilidade de condições adequadas de trabalho. Ao mesmo tempo, ressaltam a utilização da comunicação, o toque, o acolhimento, a participação da família e as condições de trabalho para a ampliação do cuidado. Os resultados também revelaram que o atendimento humanizado na percepção dos clientes, está na utilização adequada das tecnologias disponíveis, com a valorização dos recursos materiais, a competência técnico-científica e a qualidade da relação existente entre profissionais e clientes dentro da UTI. Os sujeitos, em relação ao ambiente físico, apontaram a interferência excessiva de ruídos e a luminosidade para o conforto dos clientes. Os resultados indicam que, na UTI do INCOR-DF, há uma preocupação com a qualidade do atendimento e com a promoção de uma assistência humanizada junto aos clientes, segundo diretrizes do Programa Humanizasus. Faz-se necessário para a conformação do trabalho em equipe na concepção integração ou interdisciplinar que os profissionais busquem conhecer as diretrizes políticas do Programa Nacional de Humanização, de forma a nortear melhor a sistematização do cuidado e da gestão da assistência e a aplicação efetiva de protocolos, de forma que, possam dar o melhor atendimento para os clientes internados na perspectiva da integralidade do cuidado. Contudo, o momento político institucional pode significar um retrocesso na continuidade dessa construção e do acesso aos usuários do SUS a um serviço de qualidade, sendo necessária a realização de novas pactuações entre gestores, profissionais de saúde, clientela e comunidade. __________________________________________________________________________________________ ABSTRACT In this study we looked for to analyze the humanization process in the attendance promoted in the Unit of Intensive (INTENSIVE CARE UNIT) Therapy of the Institute of Heart of Federal district, (INCOR-DF) in the professionals' of health perception and customers, taking as reference the National Program of Humanization. It is a descriptive-exploratory study of qualitative approach. The procedures for the collection of data were the observation no participant and interviews semistructured individual applied with 10 professionals of health, and 10 customers that be interned in INTENSIVE CARE UNIT. The data were collected in the period of April to June of 2007, and analyzed descriptive, for the Technique of Analysis of Thematic Content proposed by Bardin. Of the analysis of the data interdependent thematic categories emerged, defined for quantitative and qualitative criteria. Close to the customers were identified seven categories: An experience of passing for an INTENSIVE CARE UNIT; The professionals of INTENSIVE CARE UNIT; The physical atmosphere of INTENSIVE CARE UNIT; Basic needs; The family and the friends; Quality of the attendance and humanized Attendance. In the professionals' five thematic categories speeches they were identified: Integral attendance to the customer of INTENSIVE CARE UNIT; The physical space of INTENSIVE CARE UNIT; The team of INTENSIVE CARE UNIT; Humanization; Difficulties in the work process. We verified that, for the customers, the meaning of an internment in INTENSIVE CARE UNIT sends to feelings of gravity of the disease and proximity of the death, however they pointed that the technical competence, the attention and the affection released by the professionals of INTENSIVE CARE UNIT helped to overcome and to accept the care, being welcomed, rewarded and safe with the service received in the internment period. In the professionals' of health evaluation, they considered that pay an integral attention and humanized, due to readiness of appropriate conditions of work. At the same time, they emphasize the use of the communication, the touch, the reception, the participation of the family and the work conditions for the enlargement of the care. The results also revealed that the service humanized in the customers' perception, it is in the appropriate use of the available technologies, with the valorization of the material resources, the technician-scientific competence and the quality of the existent relationship between professionals and customers inside of INTENSIVE CARE UNIT. The subjects, in relation to the physical atmosphere, pointed the excessive interference of noises and the brightness for the customers' comfort. The results indicate that, in INTENSIVE CARE UNIT of INCOR-DF, there is a concern with the quality of the service and with the promotion of an attendance humanized the customers close to, according to guidelines of the Program for Humanization. It is done necessary for the resignation of the work in team in the conception integration or interdisciplinary that the professionals look for to know the political guidelines of the National Program of Humanization, in way to orientate the systemization of the care better and of the administration of the attendance and the application executes of protocols, so that, they can give the best service for the customers interned in the perspective of the care. However, the institutional political moment can mean a retreat in the continuity of that construction and of the access to the users of SUS to a quality service, being necessary the accomplishment of new agreements among managers, professionals of health, clientele and community.

No full-text available

Request Full-text Paper PDF

To read the full-text of this research,
you can request a copy directly from the author.

... It is considered that the humanization process already occurs in some Brazilian hospitals. Bergamini (2008) aimed to analyze this process in an ICU of the Instituto do Coração do Distrito Federal (Incor-DF, Heart Institute of the Federal District), from the perspectives of the healthcare team and the clients. It was noticed that, for the clients, technical competence, attention and care provided by ICU professionals helped them to overcome and accept the treatment, as they felt protected, gratified and safe with respect to their hospitalization. ...
Article
Full-text available
O objetivo deste estudo, na área da Psicologia Hospitalar, foi compreender a experiência de filhos que possuem a mãe ou o pai internado em uma Unidade de Terapia Intensiva. Participaram 10 filhos, de ambos os sexos, que responderam a uma Ficha Sociodemográfica e a uma Entrevista Semidirigida que foi submetida à Análise de Conteúdo. Nas entrevistas, constatou-se : sofrimento, medo e temor; preocupações quanto ao fato de o paciente ficar a maior parte do tempo sozinho, desconfiança quanto ao tratamento oferecido pela equipe de saúde ao paciente, perda da motivação de realizar suas rotinas, reestruturação positiva, tipo: crescimento pessoal, espiritual, profissional e satisfação em relação ao tratamento dispensado à família, pela equipe de saúde. Estes dados indicam as maiores necessidades dos filhos durante a internação de seus genitores na Unidade de Terapia Intensiva e podem subsidiar uma prática mais efetiva da equipe de saúde junto a essa população.
Article
Full-text available
Este artigo faz uma reflexão sobre a humanização da assistência à saúde, que é uma demanda crescente da atualidade. Ela envolve inúmeras dimensões que são complexas e mutuamente influenciáveis. Aspectos relativos à esfera subjetiva do profissional e do relacionamento interpessoal são discutidos e evidenciados como componentes essenciais da humanização do cuidado. São ressaltadas as necessidades de auto-conhecimento dos profissionais e de consciência de suas resistências pois estas são importantes para a efetivação do verdadeiro encontro dos profissionais com seus clientes.
Article
Full-text available
A prática dos profissionais de saúde, no âmbito hospitalar, vem desumanizando-se frente à atenção à doença, e não ao ser doente, à complexificação tecnológica crescente associada ao crescimento de custos. A ética requer a implementação de um processo reflexivo acerca dos princípios, valores, direitos e deveres que regem a prática dos profissionais de saúde, inserindo-se, aí, a dimensão de um cuidado entendido como humanizado. Assim, o presente estudo teve por objetivo refletir acerca de considerações éticas que necessitam fundamentar as ações de humanização, destacando a importância da dimensão humana nas relações profissionais.
Article
Full-text available
Neste artigo se discute o conceito de sujeito utilizado nas práticas de saúde. Parte-se da tese de que a concepção de sujeito predominante no pensamento sanitário não está em sintonia com valores e pressupostos que orientam as principais propostas de renovação de conceitos e práticas de saúde na atualidade. Defende-se o caráter relacional, pragmático e reconstrutivo das identidades subjetivas, contra o caráter individualista, apriorístico e objetificado prevalente nas práticas do setor. Desdobra-se desta reflexão a defesa de transformações das práticas de saúde, com base em "giros" teórico-filosóficos, relacionados entre si: a) secundarização da idéia de sujeito em favor da idéia de contextos de intersubjetividade, na construção de categorias para o conhecimento e intervenção; b) subsunção do interesse pelo controle técnico das doenças na idéia mais abrangente de sucesso prático de projetos de felicidade humana, na definição das finalidades da intervenção; c) transformação do cuidado, na atitude orientadora do conjunto das ações voltadas para a saúde das pessoas.
Article
Full-text available
Atualmente, a disciplina de Enfermagem está sustentada por diversos paradigmas, entre os quais destacamos os da totalidade e os da simultaneidade, por incluírem os principais modelos conceituais e teorias específicas para a prática de Enfermagem. O presente artigo tem como objetivo oferecer subsídios que proporcionem reflexões sobre a possibilidade de as práticas de saúde, nas Unidades de Terapia Intensiva, serem sustentadas pela Teoria Humanística de Paterson e Zderad, a qual faz parte do elenco das concepções do paradigma da simultaneidade. Essa teoria sustenta um cuidado baseado no diálogo que se traduz no encontro genuíno entre e intracuidadores, doentes e seus familiares. Assim sendo, o cuidado nas Unidades de Terapia Intensiva irá além da relação Eu -Isso, para atingir a relação Eu - Tu, ou seja, a subjetividade dos seres.
Article
Full-text available
Este estudo etnográfico teve como objetivo identificar os significados culturais que os clientes admitidos em Centro de Terapia Intensiva e seus familiares atribuem ao processo de hospitalização. Os dados foram coletados mediante a realização de observação participante e entrevistas com 17 sujeitos (clientes e seus familiares), durante a hospitalização. A partir da análise dos dados, surgiram três categorias: 1) CTI, a beira do abismo, um lugar desconhecido e assustador; 2) O elo entre a beira do abismo e a liberdade; 3) A alta do CTI: a liberdade para a vida. O tema central foi: "CTI, um elo entre a beira do abismo e a liberdade". Considerou-se relevante desvelar os significados culturais envolvidos nessa situação, o que poderá subsidiar uma assistência personalizada ao cliente e sua família.
Article
Full-text available
Este trabalho consistiu em um estudo etnográfico, cujo objetivo foi compreender o significado cultural do cuidado humanizado, na perspectiva da equipe de enfermagem que atua na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás. Para a coleta de dados, foram realizadas observações participantes e entrevistas semi-estruturadas com enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, em seu ambiente de trabalho. Com a análise dos dados, emergiram três categorias principais que deram sentido ao significado do cuidado humanizado na UTI: cuidado Humanizado - amar ao próximo como a si mesmo; cuidado humanizado - não está presente como deveria estar; estresse e sofrimento: é preciso cuidar de quem cuida. O tema cultural foi o cuidado humanizado - muito falado e pouco vivido. Esse tema mostra a realidade do cuidar em terapia intensiva, envolvendo uma equipe de enfermagem que tem um conceito de humanização sintetizado na expressão: amar ao próximo como a si mesmo, mas que, na prática, não revela esse pensamento tão profundo.
Article
Full-text available
The humanization of the hospital environment cannot be achieved if the focus is directed only to external motivational factors or just to the user. A humanization program needs to be assumed as a participative construction process that demands respect and valuing of the human being that provides care. Based on human and ethics values and principles and on Freire's ideas, this study aims to describe how a humanization process was unchained in a hospital, initially centering on the worker, through the collective discussion of concrete problems and the construction of horizontal, reflective dialogical relations. The proposal made possible a better comprehension of the meaning of humanization, with the rescue of previous initiatives of humanization, the elaboration of a databank in which there is room for subjectivity, the creation of warm collective areas and a closer relationship between directors and workers.
Article
RESUMO. Esta é uma investigação sobre as concepções do enfermeiro em relação à família do paciente internado na unidade de terapia intensiva. A estratégia metodológica que conduziu o estudo está fundamentada na abordagem fenomenológica. Da análise dos discursos observamos que, em relação à família do paciente, o pensar dos enfermeiros configura-se nas seguintes categorias: a família experiencia medo, ansiedade e insegurança e a família é preocupada com o paciente. Em relação ao lidar com a família, os sujeitos manifestaram suas percepções emergindo as seguintes categorias: o enfermeiro percebe que é difícil lidar com a família; o enfermeiro busca colocar em prática algumas ações que a seu ver ajudariam a família; o contato com a família pode mobilizar emoções agradáveis, bem como facilitar a assistência prestada ao paciente em terapia intensiva. Ao desvelarmos os significados expressados pelos sujeitos, apreendemos que os enfermeiros percebem o sofrimento da família e, ao mesmo tempo, as próprias dificuldades em lidar com ele, o que denota ser importante repensar a relação enfermeiro-família e suas implicações na assistência ao paciente grave. ABSTRACT. Pacient's family in intensive therapy: nurse's conception. This is an investigation about the nurse's conceptions of the patient's family relationship when the patient is interned in the intensive therapy. The methodological strategy is based in the phenomenological approach. From the analysis of the speeches we observed that in the patient's family relationship the nurse's perception may be classified in the following categories: the family experiences fear, anxiety and insecurity; the family is worried with the patient . In relation to dealing with the family, the individuals manifested perceptions emerging the following categories: the nurse finds it difficult to deal with the family; the nurse takes some actions in order to help the family; the contact with the family can cause pleasant emotions , as well as to facilitate the patient's attention in intensive therapy. Observing the subjects' discourses we concluded that the nurses realize the suffering of the family and, at the same time, their own difficulties in working with it.. Thus, the study shows the importance of rethinking nurse-family relationship and its implications for the attendance on critical condition patient.
Article
Indice tematico elaborado por el centro de documentación y información de la Cámara de diputados
Article
A qualidade da assistência à mulher tem sido objeto de discussões por profissionais da área e autoridades públicas, e em especial à assistência ao parto. Face à literatura e à prática assistencial, é possível questionar os elementos que interferem nos modelos assistenciais à parturiente como o vínculo estabelecido entre o profissional e a mulher, como facilitador na parturição. Este estudo busca descrever como ocorre a comunicação entre os profissionais que assistem ao parto e as mulheres que vivenciam o processo de parturição. Destina-se, ainda, a identificar os signos mais evidentes da comunicação gerados durante os contatos. Foram observadas situações entre os profissionais e as mulheres e realizadas entrevistas com as parturientes em dois hospitais públicos da cidade de São Paulo. Os dados foram agrupados em duas categorias: a comunicação terapêutica e a comunicação não terapêutica. Os resultados demonstraram que a qualidade da comunicação é comprometida, pois os profissionais da saúde comumente agem obstruindo a comunicação, impedindo, consequentemente, que a parturiente participe de seu processo de parturição tornamdo-o menos prazeiroso. Observou-se o quanto o espaço territorial era invadido, durante a realização de procedimentos habituais no processo de assistência e que frequentemente, a comunicação não verbal manifestava-se por intermédio de gestos ou tons de voz que desconfirmavam e/ou contrariavam a comunicaçã. (Continuação) do processo, gerando o sentimento de dasamparo para estas mulheres. Dissertação (Mestrado).
Article
The concept of privacy is used in many disciplines and is recognised as one of the important concepts also in nursing. In this review, a description about the perspectives and dimensions of the concept will be made and empirical studies in the area will be analysed. Perspectives include units experiencing privacy, desired-achieved state, and reactiveness. Dimensions are divided into physical, psychological, social and informational. In the empirical studies, the concept of the privacy has mainly been studied in hospital organisations using the physical dimension. The concept needs further clarification in future.
Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia
PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Caderno de Saúde Pública, vol. 35, nº 1, p. 103-109. 2001.
Trabalho em equipe e processo grupal
  • M Ciapone
PEDUZZI, M; CIAPONE, M.H.T. Trabalho em equipe e processo grupal. In: Kurcgant P., coordenadora. Gerenciamento em enfermagem. São Paulo. Guanabara Koogan, p.108-24.
Doente mental e sua relação com a família
  • M M B Jorge
OLIVEIRA, M. M. B.; JORGE, M. S. B. Doente mental e sua relação com a família. In: V Encontro de pesquisadores em Saúde Mental e IV Encontro de especialistas em Enfermagem Psiquiátrica, Ribeirão Preto – SP. Anais. p. 379-88. 1998.
Humanização em uma UTI -adulto no
  • Título Do
  • De Pesquisa
TÍTULO DO PROTOCOLO DE PESQUISA: Humanização em uma UTI -adulto no Distrito Federal PESQUISADOR: Enfª Andréa Cristina de Andrade Gama Bergamini.
World Health Organizacion Assesses the World's Health Systems
  • World Health
  • Organizacion
WORLD HEALTH ORGANIZACION (WHO). World Health Organizacion Assesses the World's Health Systems, 2000. Disponível em: <www.who.int/whr/2000/media_centre/press_release/en/print.html.> Acesso em: 15/03/2007.
mente e corpo: como usar sua mente para uma saúde melhor. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Campus
  • Et Al Equilíbrio
ET AL. Equilíbrio, mente e corpo: como usar sua mente para uma saúde melhor. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Campus, p. 15-31. 1997.
Educadores -educando propõem um programa de educação continuada centrada no cuidado para um hospital. Texto e Contexto Enfermagem
  • R Et
  • Al
SAUPE, R. ET AL. Educadores -educando propõem um programa de educação continuada centrada no cuidado para um hospital. Texto e Contexto Enfermagem. Florianópolis, nº.1, vol.8, jan/abr. p.429-440. 1999.
Reivindicando a subjetividade dos usuários da rede pública de saúde: para uma humanização do atendimento
  • M E Morais
TRAVERSO-YEPÉZ, M. e MORAIS, N. Reivindicando a subjetividade dos usuários da rede pública de saúde: para uma humanização do atendimento. Cadernos de Saúde Pública, vol. 20, nº.1, p. 86-88. 2004.
a experiência da equipe de um serviço DST/AIDS no município de São Paulo
  • Cuidado Humanização E
Humanização e Cuidado: a experiência da equipe de um serviço DST/AIDS no município de São Paulo. Ciências e Saúde Coletiva, vol.10. nº.3, p. 689-698. 2005.
Regulamento técnico para o funcionamento dos serviços de tratamento intensivo
MS (Ministério da Saúde). Regulamento técnico para o funcionamento dos serviços de tratamento intensivo. Diário Oficial. 106-E: 9-18. 1998.
Revaging of Rússia: A study in psychosocial stress
ROSCH, P. J. " Revaging of Rússia: A study in psychosocial stress ". Stress Medicine, vol. 13, nº 1, p. 1-8. 1996.
A Enfermagem e a humanização do paciente
ROCKENBACH, L. H. A Enfermagem e a humanização do paciente. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, vol. 38, nº1, p. 49-54. 1985.
Estar despido na UTI: duas percepções, um encontro
SILVEIRA, M. F. A. Estar despido na UTI: duas percepções, um encontro. Revista de Enfermagem da UERJ. Rio de Janeiro, vol. 5, nº 2, dez. p.449-459. 1997.
Humanização da prática pelo cuidado: um marco de referência para a enfermagem em unidades críticas
PAGANINI, M.C. Humanização da prática pelo cuidado: um marco de referência para a enfermagem em unidades críticas. Cogitare Enfermagem. Curitiba, número especial, vol. 5, jan/jun. p.73-82. 2000.
Limites do trabalho multiprofissional: estudo de caso dos centros de referência para DST
  • N E K Et
  • Al
SILVA, N. E. K. ET AL. Limites do trabalho multiprofissional: estudo de caso dos centros de referência para DST/AIDS. Revista de Saúde Pública, vol. 36, nº 4, p.108-16. 2002.
No meio do caminho havia uma pedra: organização do trabalho e saúde no processo de extração e beneficiamento de mármore Trabalho, educação e saúde: um mosaico em múltiplos tons
  • M Das
  • G B Reis
  • C T Weinich
MOULIN, M. das G. B.; REIS, C.T. dos; WEINICH, G.H. No meio do caminho havia uma pedra: organização do trabalho e saúde no processo de extração e beneficiamento de mármore. In: KIEFER, C.; FAGÁ, I.; SAMPAIO, M. do R. (Org.). Trabalho, educação e saúde: um mosaico em múltiplos tons. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego – Fundacentro, p. 221-239. 2000.
A relação médico-paciente e seus aspectos psicodinâmicos
  • Nascimento Junior
NASCIMENTO JUNIOR, P. G. e GUIMARÃES, T. M. M. A relação médico-paciente e seus aspectos psicodinâmicos. Revista Bioética, vol. 11, nº 1, p. 101-114. 2003.
Aceitação, empatia e envolvimento emocional no relacionamento enfermeiro-paciente
STEFANELLI, M. C. Aceitação, empatia e envolvimento emocional no relacionamento enfermeiro-paciente. Revista Escola de Enfermagem USP. São Paulo, nº 3, vol. 16, p. 245-253. 1982.
A abordagem psico-social na assistência ao adulto hospitalizado
  • M J Graziano
SILVA, M. J. e GRAZIANO, K. V. A abordagem psico-social na assistência ao adulto hospitalizado. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Vol. 30, nº 2, ago, p. 291.
A prioridade, o isolamento e as emoções: estudo etnográfico do processo de socialização em um Centro de Terapia Intensiva
  • M R B Peixoto
PEIXOTO, M. R. B. A prioridade, o isolamento e as emoções: estudo etnográfico do processo de socialização em um Centro de Terapia Intensiva. 1996. 248p. Tese (Doutorado). Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Tratado de: Enfermagem Médico-cirúrgica
  • S C Bare
SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Tratado de: Enfermagem Médico-cirúrgica. 7ª Edição.
Humanização do cuidador no ambiente hospitalar Humanização e cuidados paliativos
  • L A Waskievicz
  • J Erdmann
BETTINELLI, L. A.; WASKIEVICZ, J.; ERDMANN, A. L. Humanização do cuidador no ambiente hospitalar. In: PESSINI, L.; BERTACHINI, L. (Orgs.). Humanização e cuidados paliativos. 2ª edição. São Paulo: Editora Loyola, p. 87-100. 2004
Agência de Notícias Humanização
  • Brasil Ministério Da Saúde
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência de Notícias Humanização. Publicações da PNH.
Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
  • Ribeirão Preto
Ribeirão Preto, 1990. 137p. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.
A percepção do paciente sobre sua permanência na unidade de terapia intensiva
  • Guirardello Eb
  • Gabriel Caar
  • Pereira Ic
  • Miranda Af
GUIRARDELLO EB, GABRIEL CAAR, PEREIRA IC, MIRANDA AF. A percepção do paciente sobre sua permanência na unidade de terapia intensiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 33, nº2, p.123-9. 1999.
Empathy in medical students as related to academic performance, clinical competence and gender
HOJAT, M. et al. Empathy in medical students as related to academic performance, clinical competence and gender. Medical Education. Philadelphia, vol. 36, p. 522-527. 2002.
A vigilância de Argos: filosofia, ações de enfermagem e cuidado humano. Fortaleza: Programa Editorial
  • J A Barreto
  • R V Moreira
BARRETO, J.A.E; MOREIRA, R.V. A vigilância de Argos: filosofia, ações de enfermagem e cuidado humano. Fortaleza: Programa Editorial, 2002. 200p.
Relação médico-paciente e humanização dos cuidados em saúde: limites, possibilidades e falácias
  • A Lins
  • A Franco
CAPRARA, A.; LINS, A.; FRANCO, R.L.A. Relação médico-paciente e humanização dos cuidados em saúde: limites, possibilidades e falácias. In: DESLANDES, S.F. (Org.).
Enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva: a história como explicação de uma prática
  • M M Silva
LINO, M. M. ; SILVA, S. C. Enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva: a história como explicação de uma prática. Revista Nursing, São Paulo, nº.41, ano 4, out, p.25-9.
Condutas no paciente grave
  • E Novaes
  • M A F P Bork
  • A M G T Humanização
  • Ctis
KNOBEL, E.; NOVAES, M. A. F. P.; BORK, A..M. G. T. Humanização dos CTIs. In: KNOBEL, E. Condutas no paciente grave. 2ª Ed. Vol. 2. São Paulo: Atheneu, p.1298- 1313. 1999.
O corpo da enfermeira como instrumento do cuidado
  • N M A Carvalho V
FIGUEIREDO, N. M. A, CARVALHO V. O corpo da enfermeira como instrumento do cuidado. Rio de Janeiro (RJ): Revinter; 1999.
Efeitos da unidade de terapia intensiva sobre o enfermeiro
  • C Gallo
HUDAK, C. GALLO, M. Efeitos da unidade de terapia intensiva sobre o enfermeiro. In: ________. Cuidados Intensivos de Enfermagem: uma abordagem holística. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Cap. 10, p. 99-109. 1997.
O cuidado de enfermagem no CTI: da ação-reflexão à conscientização. Texto e Contexto de Enfermagem
  • A A M Gisi
HAYASMI, A. A. M.; GISI, M. L. O cuidado de enfermagem no CTI: da ação-reflexão à conscientização. Texto e Contexto de Enfermagem. Florianópolis, vol. 9, nº 2, 2000.
AHA) Currents in Emergency: cardiovascular care
AMERICAN HEART ASSOCIATION (AHA). Currents in Emergency: cardiovascular care, vol. 16, nº 4, dez/2005 – fev/2006.
A evolução da medicina A face humana da medicina: do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial
  • M A Demarco
DEMARCO, M. A. A evolução da medicina. In M.A. DeMarco (Org.), A face humana da medicina: do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 23-41. 2003.
A atuação do psicólogo hospitalar em unidade de terapia intensiva
  • Di Biaggi
DI BIAGGI, T.M. A atuação do psicólogo hospitalar em unidade de terapia intensiva.
Dilemas do setor saúde diante de suas propostas humanistas
  • M C De
MINAYO, M. C. de S. Dilemas do setor saúde diante de suas propostas humanistas.