ArticlePDF Available

Resenha: Mineração, genealogia do desastre. O extrativismo na América como origem da Modernidade

Authors:

Abstract

Em um contexto civilizatório em que se multiplicam os crimes ambientais como os de Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais, especialmente na periferia do capitalismo, Horacio Machado Aráoz apresenta seu livro Mineração, genealogia do desastre: o extrativismo na América como origem da modernidade, detalhando o desenvolvimento histórico de uma série de violações e depredações ambientais que ocorreram no continente americano desde a colonização.
1
Terr@Plural, Ponta Grossa, v.16, p. 1-5, e2219430, 2022.
DOI: 10.5212/TerraPlural.v.16.2219430.001
Resenha: Mineração, genealogia do desastre. O extrativismo na
América como origem da Modernidade
Review: Mining, Genealogy of Disaster. Extractivism in
America as the origin of Modernity
Reseña: Minería, genealogía del desastre. El extractivismo en
América como origen de la Modernidad
O extrativismo mineral como catalisador e atividade indispensável para as injustiças sociais e naturais
promovidas pelo capitalismo
ARÁOZ, Horacio Machado. São Paulo: Editora Elefante, 2020. 324 p. ISBN: 9788593115462
Guilherme Pereira Cocato
https://orcid.org/0000-0003-4462-8177
guilhermecocato@gmail.com
Universidade Estadual Paulista, UNESP, Presidente Prudente, SP, Brasil
Em um contexto civilizatório em que se multiplicam os cri-
mes ambientais como os de Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais,
especialmente na periferia do capitalismo, Horacio Machado Aráoz
apresenta seu livro Mineração, genealogia do desastre: o extrativismo na
América como origem da modernidade, detalhando o desenvolvimento
histórico de uma série de violações e depredações ambientais que
ocorreram no continente americano desde a colonização.
In a civilizing context in which environmental crimes such
as Mariana and Brumadinho multiply, in Minas Gerais, especially
in the periphery of capitalism, Horacio Machado Aráoz presents
his book Mineração, genealogy of disaster: extractivism in America as
the origin of modernity, detailing the historical development of
a series of environmental violations and depredations that have
occurred on the American continent since colonization.
En un contexto civilizatorio en el que se multiplican crímenes ambientales como Mariana y
Brumadinho, en Minas Gerais, especialmente en la periferia del capitalismo, Horacio Machado Aráoz
presenta su libro Mineração, genealogía del desastre: el extractivismo en América como origen de la
modernidad, detallando el desarrollo histórico de una serie de violaciones y depredaciones ambientales
que han ocurrido en el continente americano desde la colonización.
2Terr@Plural, Ponta Grossa, v.16, p. 1-5, e2219430, 2022.
Guilherme Pereira CoCato
Horacio Machado Aráoz é doutor em ciências humanas e professor da Universidade
Nacional de Catamarca, na Argentina. É pesquisador do Conselho Latino-Americano de
Ciências Sociais (CLACSO) e do Consejo Nacional de Investigaciones Cientícas y Técnicas
(CONICET) da Argentina. Também faz parte do Colectivo de Investigación de Ecología
Política del Sur.
Sua obra arma que rupturas de barragens como as que vimos acontecer nos últi-
mos anos, com extensa degradação natural e perdas de vidas (humanas ou não), não são
exceções no movimento de acumulação capitalista, mas somente mais um passo infeliz de
uma caminhada que se iniciou há mais de 500 anos e que, desde então, traçou limitações e
perspectivas excludentes para povos e territórios que ousaram viver de maneira alternativa
ao modo de produção vigente.
Fundamentalmente, Aráoz discute a violência da atividade mineradora e os trau-
mas que dela decorrem. Violência que sangra lugares e pessoas, que resulta em crimes
mascarados de “acidentes” ou “tragédias”. Crimes que são mais comuns nos espaços
geográcos mais vulneráveis, assim delimitados pelas trocas econômicas desiguais que
priorizam alguns espaços luminosos e ignoram outros que se tornam opacos, como bem
deniram Santos e Silveira (2001).
No contexto latino-americano, os habitantes das regiões exploradas e colonizadas
pelas potências europeias se acostumaram a normalizar o extrativismo que abre brechas
na terra, que contamina, abusa e empobrece o solo e a biodiversidade, em troca de um
suposto desenvolvimento econômico, noção importada que coloca o modo de vida con-
sumista sob o capital como a única trilha percorrível. Nos habituamos a exaltar as “nossas
riquezas naturais”, que tantos países e empresas do mundo almejam, sem pensar duas
vezes os porquês dessa necessidade de armar sua posse ou de construirmos toda uma
nação sobre a herança primário-exportadora.
Como abordou Galeano (2012), a presença abundante de elementos naturais tidos
como riquezas econômicas imprescindíveis para o processo produtivo e para a circulação
de capital nos países dominantes ocasionou a sujeição das colônias a esse sistema, espe-
cialmente no chamado Sul global. No entanto, como mostram Acosta (2016) e Aráoz, não
podemos cair em um determinismo geográco que iguala a conformação geofísica de uma
localidade com as possibilidades socioeconômicas de seu futuro. Para isso, é necessário que
analisemos o desenvolvimento histórico e a produção espacial dos territórios na constante
interrelação entre os ambientes e seus habitantes. O que produz um espaço e como ele
é produzido decorre das práticas sociais que o permeiam (Lefebvre, 2000; Santos, 2013).
Assim, o que produz países e economias em perpétuo estado de subordinação, depen-
dentes do extrativismo mineral que afeta negativamente suas terras e sociabilidades, é o
modo exacerbado como alguns elementos materiais são valorizados e comercializados no
capitalismo, com destaque para a sobreposição de valores de troca articiais à valores de
uso bem mais palpáveis.
O mito colonizador do explorador e do bandeirante é repassado de geração em ge-
ração como um exemplo a ser seguido, de coragem e determinação. O que não é tratado,
geralmente, é que essa gura heroica foi uma das grandes responsáveis por fazer iniciar e
3
Terr@Plural, Ponta Grossa, v.16, p. 1-5, e2219430, 2022.
Resenha: MineRação, genealogia do desastRe. o extRativisMo na aMéRica coMo oRigeM da ModeRnidade
fazer cumprir os ciclos de exploração, roubo e pilhagem que se estendem até os dias atuais.
Nenhum representante político dos povos latino-americanos, que alcance certo patamar
de notoriedade perante a mídia e o público em geral, ousa questionar essas guras ou a
dependência da economia e da subjetividade nacional perante o extrativismo mineral, de
petróleo, de biodiversidade ou dos latifúndios agropecuários.
O “consenso das commodities”, como deniu Svampa (2019), a partir do início do
século XXI, mostrou que governos tidos como progressistas não romperam com essa lógica
de transferência dos elementos naturais e da produção e extração de matérias-primas para
o centro do capitalismo. Pelo contrário, deram sequência, em um grau de maior gravidade,
à exploração colonial, aos abusos das elites nacionais, aos autoritarismos dos governos
militares e à subordinação das frágeis democracias que se sucederam. Todas essas formas
de governo, de Estado e de representação política compactuaram e serviram ao poder im-
perialista sedento por maiores taxas de acumulação e extração de mais-valor, seja através
do trabalho escravo, por regimes de colonato ou assalariamento.
Os governos latino-americanos, pautados na defesa do “desenvolvimento” a qual-
quer custo, sempre entregaram o patrimônio natural e submeteram seus povos às maiores
atrocidades que os ideais de progresso e modernidade puderam formular. Ainda pior,
atualmente, impõem agendas neoliberais de “ajustes estruturais”, cortes de gastos, diminui-
ção de serviços estatais, entrega de espaços ao capital privado e disseminação das noções
de competitividade e mercantilização a todas as esferas da vida (Dardot & Laval, 2016).
Nesse sentido, a atividade mineradora nunca perdeu força, mesmo com as transfor
-
mações superciais da dinâmica capitalista. Tida como parte de uma possível solução para
o subdesenvolvimento que assola os países periféricos, sempre foi uma atividade produtiva
incentivada e ampliada, em escala territorial e intensidade de intervenção. É por isso que
Aráoz traça uma ligação entre o período colonial e o período moderno ou contemporâneo.
O elo é justamente a exploração ambiental e o caráter primário-exportador que conectou
as periferias aos centros do sistema. Como parte primordial dessa exploração, a mineração
e a degradação ambiental por ela causada merecem o destaque concedido por essa obra.
Nas palavras do autor, a mineração é uma forma extrema de extrativismo, condição
essencial para a formulação do ideal de modernidade no qual surgiu o modo de produção
capitalista e o seu regime de trocas socioespaciais e econômicas que afetaram gravemente
o destino da humanidade dali em diante. Pela elevação dos minerais a um estado quase
divino de adoração, proporcionado pela valorização capitalista, dá-se início a uma era
em que o ser humano não somente possui a capacidade de inuenciar todos os processos
biológicos e geográcos do planeta, mas uma era em que os interesses que movem a nossa
espécie se separam das nossas necessidades básicas e mais imediatas, passando a serem
quase que exclusivamente articiais e egoístas. É o período do Capitaloceno, termo usados
por diversos autores e autoras, que representa a deterioração e a perversão das relações
sociedade-natureza inauguradas pela modernidade.
Como consequências concretas do Capitaloceno, cam nos territórios as marcas da
mineração, as contaminações, a deserticação e a perda de espécies. A alteração violenta
de paisagens que revertem o seu ciclo natural e acumulam rejeitos tóxicos a céu aberto
4Terr@Plural, Ponta Grossa, v.16, p. 1-5, e2219430, 2022.
Guilherme Pereira CoCato
e precariamente contidos. Rejeitos como os que inundaram Mariana e Brumadinho em
Minas Gerais e que, infelizmente, veremos correr novamente em algum local diferente
do país e do planeta. Além disso, também como heranças do modo de vida consumista,
insustentável e supostamente desenvolvido, avançam as doenças em seres humanos e
animais, a proliferação de más formações e prejuízos neurológicos. E por quais razões?
O que esse modelo econômico-político e esse tipo de atividade extrativa trouxeram em
tantos séculos de degradação social e natural?
As desigualdades socioeconômicas continuam altas na quase totalidade dos países
do mundo, principalmente os periféricos. Os índices de devastação natural ultrapassam
todos os limites aceitáveis, se quisermos manter certo equilíbrio biogeofísico nos processos
que formam a dinâmica planetária de sustentação a todas as formas de vida. No atual mo-
mento neoliberal, Aráoz descreve o agravamento dos impactos da mineração em diversos
países latino-americanos, com a onda de privatizações das empresas mineradoras, antes
estatais. Onda que foi guiada pelo Chile a partir do golpe de Pinochet, em 1973, contra o
governo eleito de Salvador Allende.
No caso brasileiro, temos os acontecimentos recentes com a empresa Vale, antiga
Companhia Vale do Rio Doce, hoje comandada exclusivamente pelo capital privado, ten-
do sua atuação orientada pela demanda externa de minérios, mas sem se preocupar com
os interesses nacionais ou com as consequências socioambientais terríveis deixadas nos
territórios explorados e no povo brasileiro. Os exemplos são muitos e, como mencionado
anteriormente, tanto governos ditos de esquerda quanto os de direita promoveram suas
respectivas políticas econômicas amplamente lastreadas pela mineração. São os casos de
Rafael Correa no Equador, Kirchner na Argentina, Chávez na Venezuela e Lula no Brasil
– considerados partes da “onda progressista” –, e de Santos na Colômbia e Humala no
Peru, mais à direita.
Ao invés da atividade mineira ser avaliada como mais uma possibilidade produtiva
para o investimento ou não das capacidades do país, na periferia do capitalismo a mine-
ração é tratada como uma consequência e um atalho natural e óbvio para o crescimento
e o alcance do ideal moderno de desenvolvimento. Independentemente das motivações e
desdobramentos dessa atividade, a mineração é tida como o progresso em movimento, em
especial na subjetividade dos povos que a vivenciam. Na realidade material, os benefícios
são traduzidos somente para os lucros nanceiros das empresas e para os países centrais
que recebem os minerais extraídos e deles se aproveitam.
Como um prêmio de consolação, nos vangloriamos de também podermos desfru-
tar de maravilhas técnicas da vida urbana moderna, como carros, celulares, mercadorias
manufaturadas etc. Não que esses não sejam produtos importantes para a sociedade atual,
mas Aráoz nos instiga a perguntar o quanto essa situação está realmente nos benecian-
do, em termos de uma vida digna, menos desigual e com maiores alternativas reais de
aproveitamento das capacidades que possuímos. Da mesma maneira, devemos pensar em
quais violências estão sendo ocultados, negligenciadas ou simplesmente diminuídas em
sua verdadeira importância para o nosso cotidiano e para o nosso futuro.
5
Terr@Plural, Ponta Grossa, v.16, p. 1-5, e2219430, 2022.
Resenha: MineRação, genealogia do desastRe. o extRativisMo na aMéRica coMo oRigeM da ModeRnidade
É preciso repensar a lógica societária que dene o extrativismo descontrolado
mesmo que mitigado pelas insucientes legislações ambientais –, e particularmente a
mineração, como uma atividade exploratória incontestável, uma política que está além
de diferentes perspectivas econômicas, tendências governamentais ou mesmo de Estados.
Uma atividade que está intimamente relacionada à reprodução do modo capitalista de
produção, com óbvia dependência dos países periféricos em prol dos centros geográcos
do capitalismo, hoje localizados na Europa, Estados Unidos, Japão e China.
Em consonância com Acosta e Brand (2018), que colocam o pós-extrativismo e o
decrescimento como noções essenciais para a superação do capitalismo, é indispensável
que utilizemos o conteúdo discutido por Aráoz para esmiuçar a transferência desigual
de recursos e minerais da periferia para o centro do sistema, propondo alternativas que
reduzam tanto a ilusão de que é possível um crescimento econômico interminável – for-
mulando, portanto, um decrescimento socioeconômico que não diminua a qualidade de
vida, mas a eleve nas localidades mais vulneráveis – quanto a intensidade e a escala das
explorações minerais, atacando o paradigma extrativista que ainda prevalece como hege-
mônico nas periferias do mundo.
A sociedade capitalista – desigual e excludente, contraditória e degradante em seu
próprio cerne – teve suas bases construídas sobre os ideais de modernidade, progresso e
crescimento econômico irrefreável, que se materializaram em objetos e construções com-
postas eminentemente de minerais retirados da terra. Nesse processo, aceleraram-se os
níveis de exploração da natureza e dos seres vivos até os limites sicamente possíveis. Se
quisermos reverter esse estado e traçarmos um novo horizonte civilizatório, a mineração
e todas as suas especicidades devem ser retiradas da posição de protagonista. Por esse
ângulo, a obra Mineração, genealogia do desastre... é incontornável.
REFERÊNCIAS
Acosta, A. (2016). O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Elefante.
Acosta, A., & Brand, U. (2018). Pós-extrativismo e decrescimento: saídas do labirinto capitalista. São Paulo: Elefante.
Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.
Galeano, E. (2012). As veias abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM.
Lefebvre, H. (2000). La production de l’espace. 4 ed. Paris: Éditions Anthropos.
Santos, M. (2013).Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-cientíco-informacional. 5. ed. São Paulo: EdUSP.
Santos, M., & Silveira, M.L. (2001). O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record.
Svampa, M. (2019). As fronteiras do neoextrativismo na América Latina: conitos socioambientais, giro
ecoterritorial e novas dependências. São Paulo: Elefante.
Recebido em 11/ago./2021
Versão corrigida recebida em 25/set./2021
Aceito em 28/set./2021
Publicado online em 15/fev./2022
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Book
El presente libro analiza el avance del neoextractivismo en América Latina a través de cuatro núcleos fundamentales: el primero propone las categorías de neoextractivismo y de Consenso de los Commodities como ventanas privilegiadas para leer la crisis actual; el segundo analiza las fases del neoextractivismo desde 2003 hasta la actualidad; el tercero aborda las resistencias sociales y las nuevas gramáticas políticas desde el concepto del giro ecoterritorial, y resalta el avance de los pueblos indígenas y el protagonismo creciente de las mujeres; y el cuarto ilustra la expansión de las fronteras del extractivismo: territorialidades criminales, violencia patriarcal y energías extremas.
O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos
  • A Acosta
Acosta, A. (2016). O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Elefante.
Pós-extrativismo e decrescimento: saídas do labirinto capitalista
  • A Acosta
  • U Brand
Acosta, A., & Brand, U. (2018). Pós-extrativismo e decrescimento: saídas do labirinto capitalista. São Paulo: Elefante.
A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal
  • P Dardot
  • C Laval
Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.
As veias abertas da América Latina
  • E Galeano
Galeano, E. (2012). As veias abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM.