ArticlePDF Available

Abstract

A emergência das Tecnologias da Informação e Comunicação e sua inserção em praticamente todas as dimensões da vida humana, notadamente em sua expressão mais atual no formato de tecnologias digitais conectadas e em rede, colocaram um desafio à Educação que está no centro do campo de estudos Educação e Tecnologias há cerca de trinta anos: como melhor articular as tecnologias e os processos educativos de modo a otimizá -los – tecnologias a serviço da Educação – e a preparar os educandos para um mundo crescentemente digital e conectado – Educação a serviço do melhor uso das tecnologias – nesta quadra histórica? Uma grande comunidade científica formouse em torno do binômio Educação e Tecnologias e produziu um aparato teórico robusto. Todavia, no Brasil, não obstante a qualidade dos pesquisadores e das pesquisas produzidas, não houve uma plena apropriação dessa produção científica pelos profissionais da Educação – sejam eles docentes stricto sensu ou gestores – das redes escolares públicas e privadas, da Educação Básica e da Educação Superior – o chão da escola – que preparasse as instituições educacionais para o que estava por vir. Assim, as abruptas restrições às práticas educativas presenciais em março de 2020 em virtude da crise sanitária global provocada pela pandemia da COVID-19 surpreenderam as instituições educacionais no sentido de encontrá-las, em sua grande maioria, despreparadas para a utilização massiva de práticas pedagógicas não presenciais, seja do ponto de vista da infraestrutura tecnológica necessária – hardware, software e conectividade –, seja do ponto de vista da formação e da experiência necessárias. Este dossiê temático "Educação, Ensino Remoto Emergencial e Tecnologias" da Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade apresenta artigos que abordam esse grande desafio sob diversos ângulos na investigação científica em Educação e Tecnologias.
Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 31, n. 65, p. 13-18, jan./mar. 2022 13
Emanuel do Rosário Santos Nonato; Ruth Sofia Contreras-Espinosa
ApresentAção1
Emanuel do Rosário Santos Nonato*
Universidade do Estado da Bahia
https://orcid.org/0000-0002-2490-1730


https://orcid.org/0000-0002-9699-9087
1 Texto revisado por Mônica Gama.
* Doutor em Difusão do Conhecimento pela Universidade Federal da Bahia, Professor Titular do Departamento de Educação I da
Universidade do Estado da Bahia. Vice-líder do grupo de pesquisa ForTEC, Salvador, Bahia, Brasil. E-mail: enonato@uneb.br
** Doctora en Ingeniería Multimedia. Universitat de Vic-Universitat Central de Catalunya, Vic, España. Barcelona, Cataluña,
España. E-mail: ruth.contreras@uvic.cat
Educação, Ensino Remoto
Emergencial e Tecnologias
A emergência das Tecnologias da Informa-
ção e Comunicação e sua inserção em prati-
camente todas as dimensões da vida humana,
notadamente em sua expressão mais atual no
formato de tecnologias digitais conectadas e
    
que está no centro do campo de estudos
Educação e Tecnologias há cerca de trinta
anos: como melhor articular as tecnologias
e os processos educativos de modo a otimizá
-los – tecnologias a serviço da Educação – e a
preparar os educandos para um mundo cres-
centemente digital e conectado – Educação a
serviço do melhor uso das tecnologias – nesta
quadra histórica?

se em torno do binômio Educação e Tecnolo-
gias e produziu um aparato teórico robusto.
Todavia, no Brasil, não obstante a qualidade
dos pesquisadores e das pesquisas produzi-
das, não houve uma plena apropriação dessa
  
Educação – sejam eles docentes stricto sensu
ou gestores – das redes escolares públicas e
privadas, da Educação Básica e da Educação
Superior – o chão da escola – que preparasse
as instituições educacionais para o que estava
-
cas educativas presenciais em março de 2020
em virtude da crise sanitária global provocada
pela pandemia da COVID-19 surpreenderam
as instituições educacionais no sentido de
encontrá-las, em sua grande maioria, despre-
paradas para a utilização massiva de práticas
pedagógicas não presenciais, seja do ponto de
vista da infraestrutura tecnológica necessária
hardware, software e conectividade –, seja do
ponto de vista da formação e da experiência
necessárias.

Brasileira a partir de março de 2020, realidade
compartilhada com todos os sistemas educa-
cionais dos demais países do globo em maior
ou menor escala, por mais ou menos tempo,
-
rais, impôs um reposicionamento da discussão
sobre tecnologias digitais na Educação: por
um lado, o negacionismo – para usar um ter-
mo muito em voga – tecnológico na Educação
cobrou seu alto preço com o despreparo de
muitas instituições educacionais e de muitos
  -
nologias na Educação, tanto pior em escala
antes inimaginável; por outro lado, a realidade
inelutável de que não se poderia continuar a
negar a importância das tecnologias digitais
para a Educação criou um ambiente único para
a experimentação, a pesquisa e o desenvolvi-
mento de práticas pedagógicas mediadas por
tecnologias, malgrado os muitos equívocos
cometidos nesse processo.
Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 31, n. 65, p. 13-18, jan./mar. 2022
14
Apresentação
Não obstante o recrudescimento da pan-
demia no Brasil neste início de 2022, este ano
letivo começou com o retorno quase total das
atividades presenciais na Educação Básica e
Educação Superior, processo que já tinha co-
meçado antes, com numerosas e penosas idas
e vindas ao longo de 2020 e 2021. Anuncia-
     
Emergencial, categoria com a qual o consenso

de fazer Educação durante a fase mais aguda
da pandemia da COVID-19 com o fechamento
-
cacionais e a construção de alternativas peda-
gógicas não presenciais em todos os níveis e
modalidades de Educação.
De pronto, há de se dizer que nem todo
  
por tecnologias digitais e que essa categoria
comporta uma análise mais complexa que sua
redução a uma forma de uso de tecnologias
digitais na Educação. Contudo, a centralidade
das tecnologias digitais conectadas e em rede
   
campo irrecusável de pesquisa para os pesqui-

Tecnologias e Educação.

ainda possa apresentar para a Educação, a
apropriação crítica de tudo quanto foi expe-
rimentado por docentes e discentes durante
  
como um largo campo de trabalho no qual os
pesquisadores em Educação têm uma grande
contribuição a dar. Por apropriação crítica,
entendemos a investigação criteriosa das vá-
rias experiências vivenciadas por docentes e
discentes em todos os níveis e modalidades
-

experiências que, embora surgidas no contexto
adverso da pandemia, representam verdadeira
contribuição apta a ser incorporada e repro-
posta como alternativa metodológica para a
Educação presencial, para Educação a Distância
ou para modelos híbridos; 2. aquelas experiên-
  
contexto pandêmico, todavia têm um potencial
de sucesso em condições menos desfavoráveis
ou corrigidas questões estruturais da própria
proposta; 3. aquelas experiências que, embora
válidas no contexto sui generis da pandemia
como únicas alternativas possíveis nas condi-
ções dadas, não podem ser consideradas como
alternativas válidas no pós-pandemia.

Emergencial surgidos nos últimos dois anos
testemunham a profunda consciência da comu-

construção um aparato crítico sobre o Ensino
 
o riquíssimo arcabouço de experiências vivi-
    
Emergencial, ao mesmo tempo em que não se
pode assumir esse acervo sem uma análise
crítica e densa dessas experiências. Este Dos-
siê Educação, Ensino Remoto Emergen-
cial e Tecnologias, que compõe a primeira
seção deste fascículo da Revista da FAEEBA
– Educação e Contemporaneidade, propõe-
se justamente a contribuir para esse esforço
de apropriação crítica das experiências com
tecnologias digitais na Educação no contexto

mais aguda da pandemia da COVID-19.
Somos muito gratos aos vários pesquisado-
res que enviaram os textos que compõem este
-
xão teórica e do seu recorte metodológico, deu
uma contribuição singular para a construção
de um documento acadêmico que ajudará não
poucos educadores a avaliar sua própria prá-

formas de repensar sua prática pedagógica no
pós-pandemia.
Isto posto, este dossiê temático apresenta
doze textos, sendo dois artigos de pesquisas
desenvolvidas na Argentina e na Espanha, e
dez textos das mais diversas regiões do Bra-
sil. Os artigos aqui apresentados lançam um

Emergencial para o processo de inculturação
Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 31, n. 65, p. 13-18, jan./mar. 2022 15
Emanuel do Rosário Santos Nonato; Ruth Sofia Contreras-Espinosa
digital que se tornou ainda mais urgente diante
   
da COVID-19. Aspectos como a formação de
professores para o uso de tecnologias digitais e

para determinados contextos educacionais fo-
ram destacados nos artigos a seguir, bem como
a funcionalidade de determinadas tecnologias
no contexto da pandemia. Não faltou, porém,
  


fragilizados.
Abrindo o dossiê temático, o artigo “Cultura
-
ção Continuada de Professores da Educação
Básica: as lições da pandemia da COVID-19”
-

a necessidade de formação de professores para
uma efetiva inculturação digital na Educação.
Em seu artigo, com base em um Survey conduzi-
do com docentes da Educação Básica, Emanuel
-

enfrentadas pelos professores para implemen-

para a construção de uma política consistente
de formação continuada de professores para a
inculturação digital na escola.
A seguir, Débora Vieira e Magda Pischetola
apresentam o artigo “A relação crítica entre a
inovação pedagógica e o ensino remoto emer-
gencial”. O olhar crítico das autoras é lançado
sobre a realidade da transposição de práticas
pedagógicas presenciais para o ambiente on

do conceito de inovação, as autoras problema-
  -
zam os limites desse fazer pedagógico no que
concerne ao modo como as tecnologias digitais
foram apropriadas no contexto da pandemia
da COVID-19.

  
Educação Infantil durante a égide do Ensino
-
fantil diante dos riscos da COVID-19: dilemas

pequenas”, as autoras se debruçam sobre um
    
os dilemas e as possibilidades do trabalho pe-
dagógico na Educação Infantil no contexto da
pandemia da COVID-19. Entre tantos graves
problemas gerados pela emergência sanitária
para a Educação, o tema deste texto trata de um
dos problemas mais delicados desse período e
se constitui em uma contribuição inestimável
para análise crítica desse período singular da
história da Educação.


Emergencial no artigo “Desigualdades, cambios
y continuidades en las trayectorias educativas

. Ao apresentar os dados de Salta
 
   
-
gencial em contextos de graves desigualdades
socioeconômicas. Além de desvelar essa faceta
da complexa realidade argentina, a pesquisa-
dora nos oferece a chance de estreitar os laços
entre nossos povos pela compreensão de sua

também são nossos.
O olhar voltado para o modo como o Ensino
 
já marcadas por graves assimetrias socioeco-
nômicas, já manifestado pelo artigo de María
-
nua agudo neste dossiê temático, desta vez no
contexto brasileiro por meio do artigo “Ensino

contexto das políticas de inclusão digital”, de
autoria de Maria do Socorro Pereira da Silva e
Adriana Lima Monteiro Cunha. Nesse texto, as
   
digitais como fator determinante para ques-
    
forma possível de concretização da Educação
no/do campo. O recorte da Educação do campo
Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 31, n. 65, p. 13-18, jan./mar. 2022
16
Apresentação

impactos da pandemia na Educação e sinaliza

na contemporaneidade.
Na perspectiva do uso didático de tecnolo-
   
Contreras-Espinosa e Jose Luis Eguia-Gomez
apresentam o artigo “Discord como herramien

. Nesse texto, os autores trazem a
experiência de docência de professores
da Educação Superior na Espanha no início da
pandemia, utilizando a plataforma Discord. O
artigo ajudará os leitores interessados nessa
plataforma a elaborar suas próprias propostas
pedagógicas a partir da experiência dos sujei-
tos de pesquisa e da análise crítica e sugestões
dos autores.
O artigo “Ensino de História em tempos de
  

lança o olhar sobre as adaptações necessárias
    
   
partir de um recorte sobre a prática docente
dos sujeitos da pesquisa, o autor propõe uma
    
ensinar História se reposicionou no Ensino

Como uma abordagem teórica e uma visada
mais ampla dos processos educativos, Eliane
Schlemmer e José António Marques Moreira,

um possível caminho para a Educação ?”,
tensionam a antinomia e  com
o intuito de reposicionar as tecnologias como
ambiências nas quais a vida se dá e, portanto,
também a Educação, na contemporaneidade.

o processo ensino-aprendizagem durante a
pandemia, os autores abrem preciosas trilhas

para a Educação no período pós-pandêmico.
  
 
  
Tecnológica”, de Maria Adélia da Costa, analisa

inovadoras no contexto da formação de pro-
  
     -
nológica que dá forma ao recorte da pesquisa
comunicada por este artigo a enriquece signi-
   
modalidade educacional.

Negrão são os autores do artigo “O uso peda-

formação de professores em tempos de pande-
mia”. Nesse texto, eles utilizam o contexto do

o binômio currículo e prática pedagógica, apon-
tar a necessidade de apropriação pedagógica
das tecnologias digitais. Tendo como horizonte
o processo ensino-aprendizagem, os autores
desvelam como a formação de professores é
fundamental para garantir que a mediação
tecnológica produza práticas curriculares
    
Emergencial deixou patente.
   -
ventude e BNCC: processo de ensino-apren-
dizagem no Ensino Médio”, de Ana Lara
Casagrande e Katia Morosov Alonso, articula
a discussão da Base Nacional Comum Curri-

implicações da cultura digital para os jovens
estudantes do Ensino Médio. Mediante uma
pesquisa documental, as autoras discutem a
realidade do Estado do Mato Grosso e lançam
um olhar crítico sobre a forma como os modos
de ser e de aprender dos jovens são apropria-
dos nos documentos normativos da Educação
nacional que balizam as práticas pedagógicas
na Educação Básica.
-
cas que dialogassem com o contexto da pande-
mia, mas não se limitassem a ele, Daniel Mill,
Achilles Alves de Oliveira e Marcello Ferreira
propõem o texto “Jornadas formativas media-
das por tecnologias digitais no Ensino Superior:
aportes para pensar atividades assíncronas”. A
Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 31, n. 65, p. 13-18, jan./mar. 2022 17
Emanuel do Rosário Santos Nonato; Ruth Sofia Contreras-Espinosa
partir do enfoque nas atividades pedagógicas
    
sobre a mediação pedagógica na cultura digi-

durante a pandemia da COVID-19, mas articula
possibilidades pedagógicas que ultrapassam
os limites do contexto emergencial e contri-
buem para a Educação que se quer construir
no pós-pandemia.
O dossiê temático Educação, Ensino Re-
moto Emergencial e Tecnologias se cons-
titui em um documento acadêmico denso e
rico em possibilidades de contribuição para a
pesquisa em Educação. A leitura do presente
dossiê permitirá aos pesquisadores e demais
educadores o acesso a um rico acervo de re-
    
ajudará os leitores no processo de apropriação

nos apresenta como uma urgência acadêmi-
     
exigência ética.
* * *
Além do dossiê temático, a Revista da FAEE-
BA – Educação e Contemporaneidade v. 31
n. 65 apresenta a Seção Estudos que publica
   
seção, apresentamos oito textos que enrique-
    
contribuem para o crescimento do conheci-

professores, ensino de literatura e tecnologias
educacionais.
O primeiro artigo dessa seção é “Tecnolo-
gias e Educação: contribuições para o debate
na obra de Paulo Freire”, de Telmo Adams, que
resgata o pensamento desse grande educador
brasileiro para lastrear a discussão sobre o bi-
nômio Educação e Tecnologias na pesquisa em
-
ca de 15 obras freireanas, recupera a crítica ao

neoliberal como eixos para a vigilância ética
que perpassa a abordagem humanista de Paulo
Freire sobre as tecnologias na Educação.
Ercilia Maria Angeli Teixeira de Paula e

“Educação e Tecnologias contemporâneas:
narrativas digitais de jovens em vídeo-cartas”.
Apontando para uma tecnologia pouco explo-
rada no Brasil, os autores lançam o olhar sobre
as narrativas digitais de jovens contidas em
quatro projetos de vídeo-cartas, permitindo

apropriam dessa tecnologia e seu potencial
para a produção de sentidos encarnados na
cultura digital tal qual apropriada pelos jovens
que as produzem.
Em seguida, Nataniel Mendes e Elizabeth
Corrêa da Silva apresentam o artigo “Cultura
Digital e Ensino de Literatura: potências e
ponderações”, com o qual os autores articu-
lam as interseções entre a Cultura Digital e o
ensino de Literatura na Educação Básica em
    -
minar o diálogo entre as formas de produção
cultural contemporâneas e a tarefa da escola
de ensinar literatura, apontando para a neces-

os textos canônicos e a produção que emerge
da cultura digital.
Afunilando a discussão que articula tec-
  
Patrícia Corsino nos brindam com o artigo “Li-
teratura Infantil Digital: da produção brasileira

campo ainda pouco explorado, mas que apre-
senta um grande potencial de crescimento e
de contribuição para a formação literária de
discentes e docentes da Educação Infantil.
A temática da formação de professores é
aberta na Seção Estudos do v. 31, n. 65 da Re-
vista da FAEEBA – Educação e Contempora-
neidade
docente e tecnologias digitais: um estudo na
Educação Básica Portuguesa”, de Sara Dias-
Trindade e António Gomes Ferreira. A partir
de uma pesquisa quantitativa, os autores
apresentam dados da realidade portuguesa
sobre as competências digitais de professores
Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 31, n. 65, p. 13-18, jan./mar. 2022
18
Apresentação
e chamam a atenção para a necessidade de
formação como uma variante determinante
para a integração bem sucedida de tecnologias
digitais nas práticas pedagógicas.
Úrsula Cunha Anecleto, Obdália Santana
Ferraz Silva e Ediluzia Pastor da Silva nos
convidam a mergulhar na formação inicial de
professores com o texto “Diário virtual como

no curso de Pedagogia da UNEB”. A partir dos
pressupostos da cibercultura e da Educação
, as autoras utilizam a pesquisa-forma-
ção para destacar a importância da inserção
da formação para o uso de tecnologias na for-
mação inicial de professores, notadamente na
Licenciatura em Pedagogia.
O artigo “Analítica da aprendizagem aplicada

Gestão Escolar”, de Marluce Torquato Lima
Gonçalves e João Batista Carvalho Nunes, reme-
te-nos a um campo ainda pouco explorado da
pesquisa em Educação no Brasil. Ao estabelecer
um modelo preditivo para auxiliar o acompa-
nhamento discente no contexto pesquisado, os

um instrumento que pode iluminar, mutatis
mutandis, contextos semelhantes quanto uma
perspectiva de abordagem do fenômeno da
aprendizagem por meio de uma metodologia
quantitativa que muito pode contribuir para a
promoção da qualidade da Educação.

Pereira redirecionam o olhar dos leitores para

de professores americanos sobre estudan-
tes com altas habilidades/superdotação”. Os
sujeitos entrevistados fornecem um quadro
-
sionais em relação aos estudantes com altas
habilidades/superdotação nos Estados Unidos,
permitindo aos autores sinalizar pontos impor-
  
o modelo americano desvelado pela
pesquisa. Trata-se de um artigo que contribui
  
dos estudos em uma dimensão destacada da
Educação Especial no Brasil.
Assim, ao apresentarmos a Revista da
FAEEBA – Educação e Contemporaneidade,

certos de que os leitores encontrarão aqui um
aparato teórico consistente e rigoroso, fruto
do laborioso trabalho de numerosos autores
   
constitui em sólido fundamento para todos
aqueles que desejem aprofundar seus estudos
sobre o binômio tecnologias e Educação no

Boa leitura!
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
ResearchGate has not been able to resolve any references for this publication.