ArticlePDF Available

Abstract

Objetivo: Analisar as tags para caracterizar a indexação social nos anúncios de venda de frutas amazônicas, dentro de um Serviço de Rede Social On-line. Metodologia: Os procedimentos metodológicos foram realizados através de uma análise exploratória, de cunho experimental com participação direta; a coleta de dados selecionou os anúncios que tratam individualmente sobre cada fruta no Facebook Marketplace. Resultados: A partir das análises dos conjuntos de dados foi possível verificar os aspectos da utilização das tags nos anúncios quanto à quantidade e frequência, classificou-se as tags a partir da função que cada uma desempenha em relação ao recurso indexado pelo usuário. Além disso, observou-se aspectos quanto à localização geográfica e a representação do conteúdo no título do anúncio. Conclusões: Foi possível identificar a indexação social no uso das tags no SRSO Facebook Marketplace quando se trata de frutas amazônicas, pois as tags são constituídas de valor semântico e não apenas fragmentos textuais descontextualizados: possuem aspectos intrínsecos que depende do usuário ou dos grupos de usuários, a qual utilizam com a finalidade de atribuir uma interpretação que pode variar diante do contexto.
DOI: 10.5433/1981-8920.2021v26n3p499
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021.
http://www.uel.br/revistas/informacao/ 499
ANÁLISE DE TAGS NA VENDA DE FRUTAS DA
AMAZÔNIA BRASILEIRA EM REDE SOCIAL
TAGS ANALYSIS ON THE SALE OF FRUIT FROM THE
BRAZILIAN AMAZON IN THE SOCIAL NETWORK
Amanda Garcia Gomes
a
Fernando de Assis Rodrigues
b
Franciele Marques Redigolo
c
Mariângela Spotti Lopes Fujita
d
RESUMO
Objetivo: Analisar as tags para caracterizar a indexação social nos anúncios de venda
de frutas amazônicas, dentro de um Serviço de Rede Social On-line. Metodologia: Os
procedimentos metodológicos foram realizados através de uma análise exploratória, de
cunho experimental com participação direta; a coleta de dados selecionou os anúncios
que tratam individualmente sobre cada fruta no Facebook Marketplace. Resultados: A
partir das análises dos conjuntos de dados foi possível verificar os aspectos da utilização
das tags nos anúncios quanto à quantidade e frequência, classificou-se as tags a partir
da função que cada uma desempenha em relação ao recurso indexado pelo usuário.
Além disso, observou-se aspectos quanto à localização geográfica e a representação
do conteúdo no título do anúncio. Conclusões: Foi possível identificar a indexação
social no uso das tags no SRSO Facebook Marketplace quando se trata de frutas
amazônicas, pois as tags são constituídas de valor semântico e não apenas fragmentos
textuais descontextualizados: possuem aspectos intrínsecos que depende do usuário
ou dos grupos de usuários, a qual utilizam com a finalidade de atribuir uma interpretação
que pode variar diante do contexto.
Descritores: Indexação. Indexação Social. Folksonomia. Redes Sociais Online.
a
Mestranda em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Pará (UFPA). E-mail:
gomesag.ci@gmail.com
b
Diretor da Faculdade de Arquivologia da Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor
Adjunto no Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, lotado na Faculdade de Arquivologia e no
Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Pará.
Doutor e Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). E-
mail: deassis@ufpa.br
c
Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará, na Faculdade de Biblioteconomia.
Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação ICSA UFPA.
Doutora e Mestra em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). E-
mail: franciele@ufpa.br
d
Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora
Titular da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Docente permanente na Pós-Graduação
na linha de pesquisa Produção e Organização da Informação do Programa em Ciência da
Informação da UNESP. E-mail: mariangelaslf57@gmail.com
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 500
1 INTRODUÇÃO
A Amazônia brasileira é conhecida como uma região rica em
biodiversidade e com alto potencial energético, econômico e medicinal, capaz de
abrigar diversas espécies de fauna e flora. De acordo com a Empresa Brasileira
de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA, 2016), o Brasil é o segundo grande
centro de origem de espécies frutíferas tropicais e a Amazônia concentra 44%
das 500 espécies de frutas nativas do país.
A comercialização de frutas incrementou novas formas, além dos
tradicionais modelos de venda comumente conhecidos, como feiras abertas,
passando a adotar recursos informacionais para atrair novos consumidores. A
utilização de recursos tecnológicos como intermediadores na venda de frutas
permite a interação entre um sistema de informação e usuários.
O ambiente informacional instaurado pela internet oferece várias
possibilidades de emprego dos recursos tecnológicos. O destaque desta
pesquisa se refere às mudanças do protagonismo do usuário, o qual tem a
possibilidade de participar e/ou organizar recursos informacionais na internet.
Ademais, o uso de uma partícula textual conhecida como tag (etiqueta, em
português), contextualizada no ciberespaço, possui alto potencial de
desenvolvimento coletivo na organização de conteúdos entre usuários de uma
rede.
Devido à crescente produção de informações do ambiente digital, o
desenvolvimento de mecanismos de controle foi estimulado, com a finalidade
básica de encontrar a informação que corresponda à busca feita pelo usuário. A
Ciência da Informação almeja esclarecer um problema social concreto o da
informação e é voltada para o ser social que procura informação, assim se
colocando no campo das ciências sociais, que são o meio principal de acesso a
uma compreensão do social e do cultural (LE COADIC, 2004).
No âmbito da Organização da Informação, Guimarães (2009) destaca que
encontrar a informação pertinente à busca do usuário é uma atividade
eminentemente mediada por dois universos: um está ligado ao acesso físico do
documento, enquanto o outro é de caráter complexo, pois está voltado ao
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 501
conteúdo informacional.
Quando se aprofundam as pesquisas sobre o processo de representação
da informação, observam-se assuntos frequentes, como, por exemplo, a
indexação como o ato de representar um documento, através de um conceito de
mesma natureza nos diferentes contextos seja físico, seja digital. Analisando
a representação e o tratamento da informação, no contexto da internet, percebe-
se que algo já está sendo feito quanto à preocupação com o tratamento da
informação disponível na rede, sobretudo os estudos que têm por objeto as tags
(GUEDES; DIAS, 2010).
É nesse universo proporcionado pela possibilidade de os usuários
atribuírem tags para representar o conteúdo de um determinado objeto
informacional que o processo de representação da informação, conhecido por
indexação (porém, devido às suas particularidades, neste texto, adotou-se o
termo “indexação social”), está situado no novo paradigma: a organização dos
conteúdos dos recursos disponíveis no ambiente digital feita pelos próprios
usuários.
Entretanto, a prática de atribuir tags de forma autônoma pode implicar
resultados negativos, no que diz respeito à representação da informação,
principalmente, na recuperação. As desvantagens são a ausência de controle
vocabular, a alta liberdade de atribuição de etiquetas e a ambiguidade, as quais
podem prejudicar a precisão na recuperação, pois um mesmo termo pode ter
significados diversos para diferentes usuários (GOUVÊA; LOH, 2007;
CATARINO; BAPTISTA, 2009).
Atribuir tag é um processo de dar sentido à informação categorizada;
geralmente, essa ação possui um significado baseado na percepção e
experiência de quem atribui, entretanto, essas categorizações podem ser
imprecisas. Nesse sentido, ocorrem certas problemáticas, como a polissemia
(resultados relativamente ou potencialmente inapropriados) e a sinonímia
(ampliação das possibilidades de uso), as quais afetam a recuperação da
informação.
Considerando a relevância de se estudar os aspectos intrínsecos das
tags, a presente pesquisa parte do seguinte questionamento: é possível
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 502
identificar a indexação social do uso de tags em uma rede social que realiza
vendas de frutas amazônicas? Por conseguinte, o problema de pesquisa se
estrutura nesse domínio, procurando compreender as características do uso de
tags na venda de frutas amazônicas, dentro de uma rede social onde a
construção do conteúdo veiculado possui alta participação coletiva. O objetivo é
analisar as tags para caracterizar a indexação social nos anúncios de venda de
frutas amazônicas, dentro de um Serviço de Rede Social On-line (SRSO).
Santos (2013) destaca a impossibilidade de estudar todos os perfis e
grupos de usuários. Assim, esta investigação está delimitada em um estudo
realizado dentro do SRSO Facebook
5
, na seção destinada ao comércio de
produtos e serviços, chamado Facebook Marketplace escolha esta por se tratar
do SRSO com maior número ativo de usuários, no momento da realização desta
pesquisa (ALEXA, 2020).
2 A INDEXAÇÃO EM REDES SOCIAIS ON-LINE: ANÁLISE DE USO DE TAGS
O processo de troca de dados entre dois sistemas de informação é
chamado de interoperabilidade. É considerado como a capacidade de sistemas
autônomos se comunicarem de modo transparente entre si, através da adoção
de padrões comuns de protocolo, os quais permitem o uso e compartilhamento
de informações (MOURA, 2009; RODRIGUES, 2017).
É possível perceber também que os serviços disponíveis pela internet
promovem a colaboração e a construção de conhecimentos entre os usuários,
incluindo Wiki, Blog, Podcast e RSS e, portanto, torna mais fácil armazenar,
classificar, organizar e compartilhar hyperlinks para recursos on-line.
Diante disso, emergem as ferramentas de organização informacional
aplicadas na internet. São estruturas informacionais contextualizadas que
ampliam as possibilidades de organizar, recuperar e disseminar a informação
disponível. Ancoradas no paradigma da organização de recursos digitais, feita
por usuários, essas ferramentas conseguem estabilidade, adaptação, evoluindo
para inúmeras aplicações práticas, como, por exemplo, em SRSO.
5
Facebook é uma marca registrada de Facebook, Inc.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 503
Sob a perspectiva das redes, tem-se o surgimento dos SRSO, as quais
são comumente entendidas como uma série de serviços elaborados por uma
instituição, disponibilizados por ferramentas em web sites e em aplicativos, a fim
de auxiliar a comunicação e o inter-relacionamento de pessoas (RECUERO,
2009; RODRIGUES, 2017).
Em face da disponibilidade de conexão com a internet, emergem os
sistemas de informação capacitados em fornecer suporte às redes e possibilitar
o relacionamento entre os indivíduos participantes, quer grupos de indivíduos,
quer instituições, denominadas redes sociais on-line ou redes sociais (BOYD;
ELLISON, 2007).
Outra característica elementar dos SRSO é o grande número de usuários
conectados, cujo crescimento é similar à progressão aritmética. A quantidade de
indivíduos nessas redes ultrapassa, no mundo, a marca de 3,6 bilhões, e a
expectativa é de aumentar para 4,4 bilhões de usuários, em 2025 (STATISTA,
2020).
O SRSO mais acessado no ano de 2020 foi o Facebook, seguido pelo
Instagram, Twitter, caracterizados como super-redes sociais, estando entre o
conjunto de serviços mais utilizados pela internet (ALEXA, 2020).
Desse modo, os SRSO possuem, como característica comum, a
possibilidade de oferecer diversos mecanismos de interatividade, recursos,
armazenagem e navegação, ensejando o relacionamento entre indivíduos e
grupos, independentemente da localização geográfica. São espaços de
socialização mediados por tecnologias de informação e comunicação, nos quais
a quantidade de transações de informações é igual ou superior à quantidade de
usuários conectados à rede.
Evidentemente, cada SRSO possui particularidades quanto ao público-
alvo, diretrizes de acesso, navegabilidade, privacidade de dados, opções de
recursos, performance, entre outras. Uma das possibilidades é permitir ao
usuário organizar, compartilhar e recuperar conteúdos de seu interesse pessoal
ou coletivo, dentro do SRSO, sendo possível fazer uso de tags para
representação de recursos disponíveis na internet.
Moraes e Lobo (2020) expuseram um estudo sobre tags dentro do SRSO
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 504
Flickr, o qual, segundo os autores, foi um dos primeiros sites a realizar
marcações de imagens por meio das tags. Apesar da existência de filtros, o
refinamento com tags apresentou melhor performance, pois são inseridas e
compartilhadas pelos próprios usuários da rede.
A dimensão social e interativa dos SRSO é percebida na recuperação
colaborativa; por exemplo, as redes colaborativas têm sido estudadas como
sistemas de recuperação da informação que permitem ao usuário basear-se na
preferência de outros usuários, para fazer consultas no sistema e verificar
rankings; ora, o que frequentemente conta é a opinião dos pares e não de um
especialista (VIEIRA; GARRIDO, 2011; SANTOS, 2016).
A contribuição das plataformas colaborativas converge com os conceitos
de redes sociais. De acordo com Lara e Lima (2009, p. 628), redes sociais
colaborativas apresentam a seguinte definição:
[…] tipos de redes sociais na qual os nós, ou autores, contribuem
significativamente para o grupo, empenhando-se em disseminar
e compartilhar as informações de interesse comum para
melhorar o desempenho de cada um dos integrantes,
aperfeiçoar o produto que estejam elaborando ou atingir
objetivos gerais e específicos estabelecidos.
As manifestações das redes colaborativas não se baseiam somente na
tecnologia, mas em dimensões sociais do comportamento informacional, tendo
em vista que a atividade de classificação é inerente à natureza humana, pois
selecionar, organizar, categorizar, representar são ações que ocorrem antes do
surgimento de tecnologias informacionais.
São práticas incorporadas ao cotidiano das pessoas, sendo visualizadas
também através de ferramentas tidas como suportes físicos, cuja finalidade é a
organização, a representação e a recuperação da informação para um
determinado grupo de indivíduos.
A representação pode ser classificada em dois níveis: primária e
secundária. A primária é feita pelos autores, sendo produto do próprio
pensamento, a partir da observação de fenômenos naturais e sociais; já a
secundária ocorre quando os objetos produzidos pelo homem se tornam parte
do conjunto documental por exemplo, o acervo de uma biblioteca sendo
representado mais de uma vez para ser recuperado (GUEDES; DIAS, 2010).
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 505
Os dois níveis de representação possuem em comum permitir que o
objeto informacional seja recuperado. Conforme Lancaster (1973), a
recuperação da informação depende de profundidade e de alguns critérios de
performance, como qualidade (medida pela revocação e precisão), esforço
(usabilidade e custo de uso) e tempo de resposta, sendo este último um pré-
requisito comum de qualquer usuário, ou seja, ele espera que o sistema seja
capaz de recuperar documentos relevantes que contribuam para a satisfação de
suas necessidades informacionais.
A partir da perspectiva de que um documento na internet pode ser
acessado, manipulado, compartilhado, recuperado, organizado por vários
usuários, isso permite que a internet seja capaz de estimular a descentralização
da organização da informação. Dentre as possibilidades emergentes, a
folksonomia se apresenta como um sistema baseado na atribuição livre e
pessoal de etiquetas às informações ou objetos, visando à organização e
recuperação (WAL, 2005).
O termo “folksonomia” formado pelas palavras em inglês folks (pessoas)
e taxonomy (taxonomia) foi cunhado por Thomas Vander Wal (2005), como
forma de expressar contraposição à classificação do conhecimento tradicional,
elaborada por especialistas e construída com base em arranjos hierárquicos.
De acordo com Wal (2005), dois fatores são importantes para o
entendimento da folksonomia: a presunção sobre o que é informação ou objeto
informacional, que se define como qualquer coisa com URL (Uniform Resource
Locator), e que ela é o resultado da atribuição livre e pessoal de etiquetas (tags)
a informações e objetos, cuja finalidade é a recuperação. Contudo, para
informações e/ou objetos, optou-se nesta pesquisa por utilizar o termo “recurso”.
A autonomia do usuário em atribuir termos representativos a um
determinado recurso não é recente, pois, diante do contexto da internet, essa
prática se potencializa, ao encontrar condicionantes favoráveis para seu
desenvolvimento.
Entretanto, é importante destacar a inexistência de um conceito único da
folksonomia, porém, são apontados os principais posicionamentos sobre a
questão. Sob a concepção de diferentes autores, ela é considerada como
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 506
fenômeno, inovação, classificação, vocabulário, método ou resultado de um
processo (CATARINO; BAPTISTA, 2009; SANTOS; CORRÊA, 2018).
Algumas acepções, como as de Quintarelli (2005), Hammond et al. (2005)
e Valongueiro (2006), percebem a folksonomia como uma abordagem
emergente para a classificação distribuída de recursos, uma classificação não
estruturada feita pelos próprios usuários e um novo paradigma de classificação,
pois respeita as diferenças culturais e características pessoais de quem utilizou
e/ou classificou determinada informação.
Em contrapartida, certos autores, como Mathes (2004), Wal (2005) e
Sturtz (2004), compreendem que a folksonomia é resultado da atribuição livre e
pessoal de etiquetas, sendo um conjunto de termos que um usuário empregou
para etiquetar recursos na internet ou como um sistema compartilhado de gestão
de conteúdos na internet, a fim de agrupá-los ou classificá-los para a
recuperação.
Existem três características básicas da folksonomia, segundo Santovenia
González (2009): a primeira é a simplicidade no processo de representação,
seguida por termos não estruturados e indisponíveis hierarquicamente; por
último, as tags devem refletir a dinâmica da língua e permitir a coexistência de
várias perspectivas.
A indexação social é definida por Guedes e Dias (2010) como uma ação
de representação da informação feita pelos próprios usuários de um sistema,
para fins de compartilhamento e recuperação da informação. Os autores situam,
no arranjo da indexação social, as folksonomias como sistemas orgânicos
baseados na atribuição livre e pessoal de tags, realçando também o caráter
democrático de socialização do conhecimento gerado nesse processo.
Mathes (2004) a caracteriza como uma classificação social realizada
pelos usuários dos sites, tendo como finalidade categorizar os objetos
informacionais e atribuindo palavras-chave, de sorte a revelar a natureza coletiva
que configura uma característica essencial para representar conteúdos de
recursos na internet. Rafferty (2018) complementa, frisando que a indexação
social, geralmente, significa ação pela qual os usuários geram palavras-chave
para descrever, categorizar ou comentar um conteúdo digital.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 507
A perspectiva para representar um recurso na internet, conforme Santos
e Corrêa (2018), repousa sobre o alto grau de liberdade para a categorização
dos recursos informacionais em sistemas colaborativos, em um processo que
incentiva a descentralização de representação e organização da informação
nesse sistema, pois quem classifica o conteúdo são os próprios usuários
interessados; os autores ainda ressaltam a elevada subjetividade no processo.
Além disso, a utilização de tags varia de acordo com o grupo, o sistema e o
tempo de quem as utiliza.
Os estudos sobre a folksonomia e a indexação social, abordada nesta
pesquisa, são essenciais para esclarecer que não há um consenso sobre o
conceito da temática tratada, entretanto, constituindo instrumento importante
para compreender as formas de emprego das tags. Além disso, não é objetivo
do trabalho aprofundar discussões sobre a designação correta do(s) termo(s).
Portanto, o posicionamento dos autores, nesta investigação, foi a adoção do
termo “indexação social” como a ação de representação da informação realizada
por usuários de um sistema.
De acordo com Golder e Huberman (2006), atribuir tags dentro de um
sistema em que várias pessoas estão conectadas é um processo de conferir
significado, no qual a informação passa a ser rotulada e categorizada, através
de um marcador que pode ter sido criado ou aderido por outras pessoas.
Segundo os autores, quando a aderência a uma tag se torna comum e popular
entre os integrantes, o caráter colaborativo se destaca, mas é possível que esse
processo tenha o potencial de agravar problemas quanto à imprecisão de
fronteiras linguísticas.
As funções que as tags podem desempenhar são: a) identificar sobre
quem ou do que se trata o conteúdo representado pela tag; b) determinar os
tipos de tags que identificam a qual grupo pertence o recurso; c) categorizar os
descritores que funcionam como termos específicos de uma determinada
categoria, isto é, que não podem ser empregados isoladamente; d) caracterizar,
processo destinado à identificação de propriedades ou características dos
recursos, mediante adjetivos que transmitam a opinião do usuário em relação ao
conteúdo indexado.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 508
Os estudos sobre as aplicações da indexação social são transversais e
possuem a informação como objeto de estudo comum, como, por exemplo, a
relação da indexação social e o pensamento dialógico de Mikhail Bakhtin.
Observou-se o uso e a apropriação dos estudos da linguagem e do signo para a
exploração dos fenômenos de informação, dentro do contexto digital,
compreendendo a indexação social como uma prática comunicativa, isto é, a
consciência do eu e o outro é formada pelas relações que estes estabelecem
entre si, por meio de artefatos informativos (GUEDES; MOURA; DIAS, 2011).
Outra possibilidade está no estudo em SRSO, por exemplo, o Skoob,
formado por leitores que comentam, avaliam e indicam livros e revistas. Uma das
ferramentas disponíveis aos leitores é a inserção de tags para representar o
conteúdo ou para descrever o recurso, ou seja, é uma forma de atribuir tags
particulares ou públicas. O estudo explorou o uso da indexação social, por meio
da análise dos conceitos utilizados nas tags e nas resenhas inseridas pelos
usuários, tendo-se mostrado uma fonte de análise da garantia do usuário
(SOUSA; BENETTI, 2016).
É possível também empregar tags para mitigar a propagação de
informações falsas em SRSO, através de alertas, uma vez que a velocidade de
propagação de informações falsas é superior às informações verdadeiras. O
mecanismo de aferir veracidade e atribuir uma tag é feito sob duas premissas: a
própria capacidade do usuário em identificar uma informação falsa e a de grupos
de usuários, os quais indicam se a publicação é falsa; assim, o alerta é baseado
no julgamento (tags) de usuários anteriores e no conhecimento prévio da rede
sobre as informações (KAPSIKAR et al., 2021).
Na seção seguinte, será abordado o contexto de estudo do uso de tags
em um SRSO, especificamente na seção destinada a trocas comerciais,
delimitada ao estudo de anúncios de frutas amazônicas.
3 METODOLOGIA
Para a realização desta pesquisa, os procedimentos metodológicos foram
realizados com base em uma análise exploratória, de cunho experimental, com
participação direta. A escolha do Facebook Marketplace se justificou por
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 509
apresentar uma seção especialmente dedicada a trocas comerciais, sendo
possível que o usuário inclua fotografias, descreva o produto e/ou serviço
anunciado, faça o uso de filtros de acordo com o que deseja anunciar e,
principalmente, pode utilizar tags para a recuperação dos anúncios. Além disso,
outro critério contribuiu para a escolha: trata-se do SRSO com maior número
ativo de usuários, no momento desta investigação (ALEXA, 2020).
Foi proposto que os anúncios pesquisados se referissem à venda de
frutas amazônicas, em função do indicativo de uma notícia intitulada “Amazônia
é berço de frutas nativas de alto potencial comercial” (EMBRAPA, 2016), que
continha os nomes das frutas nativas da região amazônica aptas à
comercialização. Os nomes das frutas selecionadas foram: açaí, bacuri, camu
camu, cupuaçu, taperebá, guaraná e muruci. É importante ressaltar que no caso
das frutas foi necessário acrescentar o termo polpa para que a estratégia de
busca cumprisse com o objetivo da pesquisa.
A pesquisa se dividiu em quatro fases: a) seleção e coleta dos dados, b)
organização do material, c) tratamento dos resultados, d) inferências e
interpretações.
a) Fase de seleção e coleta dos dados: Na fase de seleção, foi escolhido
o SRSO para aplicação da pesquisa, providenciada a definição do objetivo e a
criação das categorias de análise. Foram listados mecanismos disponibilizados
pelo Facebook Marketplace para coleta e análise dos resultados. Essa fase foi
importante para determinar a estratégia de coleta de dados, efetivada no período
entre os dias 01 e 30 de novembro de 2020.
Para a seleção dos anúncios utilizou-se como critério a seleção dos 20
primeiros anúncios que tratam individualmente sobre cada fruta. Porém, diante
da possibilidade da recuperação de anúncios de produtos ou serviços fora do
escopo da pesquisa, o primeiro critério de descarte estabelecido foi de não
contabilizar anúncios que não sejam de venda de fruta ou de polpa de fruta e
anúncios que tratam das derivações de utilização da fruta.
Entende-se por derivações de utilização da fruta, o uso do seu princípio
ativo, gastronômico, produção de cosméticos, ferramentas para manuseio das
frutas, mudas para o plantio das frutas. Desse modo, cada anúncio recuperado
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 510
foi visualizado e os dados foram preenchidos conforme a disponibilização pelos
vendedores nos anúncios, em seguida foram inseridos em uma planilha
eletrônica para controle.
O Facebook Marketplace funciona como um serviço B2C (Business-to-
Consumer), isto é, existe um sujeito ou empresa que deseja vender ou oferecer
um produto ou serviço de um lado (anunciante) e, do outro, alguém que demanda
ou compra determinado produto ou serviço. No entanto, é necessário que o
anunciante insira algumas informações descritivas sobre o produto ou serviço
que pretende vender como, título, localização, preço, característica do produto.
Figura 1 Leiaute do Facebook Marketplace
Fonte: Facebook (2020)
A Figura 1 mostra o leiaute do site do Facebook Marketplace, sendo
possível verificar a barra do buscador (1), local onde é possível inserir as
palavras-chave referentes ao item que se deseja pesquisar; é permitida a venda
(2) de produtos e serviços, refinar a busca (3) por filtros de preço, localização
geográfica, condição do item, tipo de classificação, data de publicação e, por fim,
definir categorias de pesquisa (4), para ser uma busca geral ou específica. As
imagens no canto inferior direito da Figura 1 são as fotografias dos produtos e
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 511
serviços oferecidos pelos usuários participantes da rede, verificando-se, logo
abaixo, o título do anúncio.
A dupla possibilidade de utilização do Facebook Marketplace (venda e
compra) encarrega o sistema de informação de realizar a mediação entre os
usuários. Os atores que usam essa seção do SRSO possuem o objetivo similar:
a recuperação da informação.
Em termos gerais, o vendedor, ao fazer um anúncio, descreve e
representa em linguagem natural o conteúdo informacional, na expectativa de
que esse anúncio seja recuperado por outro usuário interessado na compra. Já
o comprador insere um termo no buscador do Facebook Marketplace, na
expectativa de que o sistema traga uma resposta, ou seja, que o termo inserido
seja recuperado.
A estratégia foi definida a partir dos filtros disponíveis no Facebook
Marketplace utilizando as seguintes variáveis: quanto ao filtro de localização
geográfica, escolheu-se o “raio de 500 quilômetros” da cidade Belém (Pará,
Brasil); a classificação de visualização dos anúncios foi a opção “recomendado”,
condição do item “todos” e a data de publicação “mais recente”.
b) Fase de organização do material: A fase de organização do material
ocorreu, primeiramente, com a separação dos resultados obtidos após aplicação
dos filtros, em seguida foram centralizados na planilha eletrônica de controle,
contendo as colunas Nome, Tags, Vendedor, URL, Descrição, Cidade e
Localização e as linhas Açaí, Bacuri, Camu camu, Cupuaçu, Taperebá, Guaraná
e Muruci.
c) Fase do tratamento dos resultados: A terceira fase corresponde ao
tratamento dos resultados obtidos na estratégia de busca do Facebook
Marketplace, após os descartes de anúncios que não tratavam sobre frutas ou
polpa de frutas, obteve-se o total de 60 anúncios considerando todas as frutas e
cada anúncio corresponde a um vendedor das frutas amazônicas do escopo
desta pesquisa. Apresentaram-se dois tipos de anúncios: os que tinham a
descrição e os que possuíam descrição e tag.
d) Fase de inferências e interpretações: A última fase se refere a
inferências e interpretações efetuadas após a tabulação dos dados. Na
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 512
subseção dos resultados concernentes à análise de categorias das tags, foram
classificadas as tags encontradas nos anúncios. Essa etapa foi importante para
se perceber o comportamento da indexação social nos anúncios.
É possível que as tags tenham uma estrutura sistêmica de organização
que torna possível descobrir regularidades, frequência, tipo, popularidade e até
estabilidade. Golder e Huberman (2006) realizaram um estudo que tinha como
objetivo analisar a dinâmica do uso das tags, no site Delicious; com o resultado,
os autores propuseram uma classificação das tags, qual parte da função que
cada uma desempenha em relação ao recurso indexado pelo usuário.
Para as análises das tags encontradas nos anúncios, foram criadas
categorias baseadas na classificação de Golder e Huberman (2006). O Quadro
1 apresenta as categorias, sua respectiva descrição e objetivo:
Quadro 1 Categorização quanto à função desempenhada pela tag
Categoria
Descrição
Objetivo da categoria
Identificação
Identifica o assunto ou conteúdo do item, ligado à
característica principal de um recurso.
Identificar o conteúdo
do recurso.
Tipologia
Indica a qual tipo pertence o recurso. Parte do
genérico para o específico.
Individualizar o recurso.
Categorização
Refina ou especifica a descrição do recurso,
enriquece outras tags.
Identificar correlações.
Caracterização
Identifica propriedades ou características dos
recursos, mediante adjetivos.
Identificar as
características do
recurso.
Fonte: Elaborado pelos autores, com base em Golder e Huberman (2006)
A categoria de Identificação é definida pelas etiquetas que identificam
o assunto ou conteúdo do recurso, ou seja, a atribuição da tag está
intimamente ligada à característica principal. Na Tipologia estão as tags que
indicam a qual tipo pertence o recurso, partindo do geral para o específico. A
Categorização significa que os descritores funcionam como categorias
específicas e não podem ser empregados isoladamente, pois enriquecem
outras tags, para refinar ou especificar a descrição do recurso (por exemplo:
banco instituição financeira). Por fim, a categoria Caracterização é definida
pelas tags que evidenciam propriedades ou características dos recursos,
mediante adjetivos que apresentem a opinião do usuário em relação ao
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 513
conteúdo indexado.
Destaca-se que os sistemas que usam tags possuem como característica
a não exclusividade e a não hierarquia. Classificar as tags torna possível
examinar aspectos importantes para os usuários que a elas recorrem; segundo
Golder e Huberman (2006), a proposta da classificação está na premissa de que
existem os aspectos semânticos relativos à construção textual da tag e
cognitivos relacionados ao modo como os usuários atribuem significados e
categorizam os recursos.
4 RESULTADOS
Os resultados são procedentes das quatro fases apresentadas na
metodologia. As três primeiras fases, resultaram em um conjunto de dados
analisados a partir do levantamento de tags. Na fase de inferência e
interpretação dos dados foram aplicadas as categorias de análise de Golder e
Huberman (2006) cujos resultados são expostos na última subseção.
4.1 RESULTADOS QUANTO À ANÁLISE DO CONJUNTO DE DADOS DO LEVANTAMENTO
DAS TAGS
Os resultados apresentados nesta seção estão organizados de acordo
com os eixos temáticos quanto à quantidade, frequência, localização e
representatividade do título.
Quanto à quantidade de anúncios recuperados
A Tabela 1 apresenta a quantidade de ocorrência de cada fruta amazônica
nos anúncios analisados, classificados em ordem de ocorrência de forma
decrescente. Destaca-se que a fruta Guaraná não apresentou anúncios a partir
dos critérios da pesquisa.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 514
Tabela 1 Quantidade de anúncios sobre frutas amazônicas, classificados por
quantidade de ocorrências, em ordem decrescente
Ordem
Nome da Fruta Amazônica
Total de ocorrências
Açaí
20
Cupuaçu
14
Bacuri
10
Muruci
9
Taperebá
5
Camu camu
2
Guaraná
0
60
Fonte: Autores
Dentro dos anúncios da fruta açaí, o uso de tags foi feito de duas
maneiras: uma empregando a grafia “acai” (sem acento agudo e com a letra c)
e outra “açai” (sem acento agudo); três anúncios utilizaram a primeira forma e,
quando selecionada a tag, a recuperação dos anúncios não possuía relações
com a definição da palavra “açaí” ou qualquer aproximação das derivações de
uso da fruta.
No caso das tags que não continham relações com a definição da fruta
açaí, é possível que os usuários que a atribuíram tivessem por objetivo
impulsionar a publicação, para que ela aparecesse na busca pelo termo “acai”
(sem acento agudo e com a letra c). Nesse caso, a intenção e a finalidade da
atribuição da tag ultrapassam a interpretação dicionarizada da fruta açaí.
Quanto à utilização da segunda grafia, “açai” (sem acento agudo), a
recuperação dos anúncios não apresentou relação com a polpa de fruta açaí,
porém, foram exibidas aproximações às derivações de comidas, máquinas de
bater o açaí, plantios e cosméticos à base da fruta. Os usuários que empregaram
a tag “açai” pretenderam fazer associações ou aproximações, tendo em vista
que o produto possui uma cadeia produtiva, a qual pode interessar aos agentes
que participam da produção, por exemplo, vendedores do açaí, entregadores e
fornecedores.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 515
Figura 2 Exemplo de aproximações identificadas na tag “açai”
Fonte: Facebook (2020)
De modo geral, as disparidades na grafia das tags (“acai” e “açai”) são
tidas como desvantagens, que, segundo Vieira e Garrido (2011), os erros
ortográficos, as diferenças linguísticas e gramaticais impedem de se reunir em
uma só busca as mesmas tags. Em contrapartida, a livre atribuição dos termos,
desconsiderando a norma ortográfica, enuncia uma vantagem, que é a liberdade
de atribuição pelo usuário.
Quanto à frequência de uso da tag
A segunda informação é a utilização de tags sobre o número total dos
anúncios. Do total de 60 anúncios analisados, 11 (18%) anúncios possuem o
recurso da tag na descrição do conteúdo e 49 (82%) anúncios não possuem. A
possível explicação para a ausência de tags nos anúncios pode ser a
possibilidade de descrever as características do produto no campo “detalhes”
destinado aos vendedores, conforme a Figura 3.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 516
Figura 3 Leiaute do vendedor no Facebook Marketplace
Fonte: Facebook (2020)
O campo “detalhes” permite que os anunciantes possam inserir mais
informações sobre o produto além do título do anúncio. Devido ao campo
“detalhes” é possível que os anunciantes se abstenham do uso da tag. Os
possíveis motivos são o desconhecimento sobre as vantagens na recuperação
do anúncio por tags e a inconsistência na representação dos produtos
anunciados pelas tags similares no Facebook Marketplace.
Atribuir tags pressupõe fazer uso da linguagem natural, a qual carece de
controle e contém ambiguidade, ou seja, o que é representativo para um
vendedor/comprador pode não ser para outro (CATARINO; BAPTISTA, 2009).
Cabe, portanto, ponderação sobre as vantagens e desvantagens de seu uso.
Quanto às tags de localização
Sobre a localização geográfica dos anúncios e os prováveis locais de
venda, doravante apresentados em classificação de ordem decrescente,
conforme a Tabela 2. Todos os 60 anúncios analisados possuem na descrição a
localização geográfica.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 517
Tabela 2 Quantidade de anúncios por cada cidade, classificados por
quantidade de ocorrências, em ordem decrescente
Ordem
Cidade
Total de ocorrências
Belém
30
Ananindeua
24
Castanhal
3
Santa Izabel
2
Tucuruí
1
Total de Anúncios
60
Fontes: Autores
A disponibilização da localização geográfica é importante, porque as
vendas dependem da entrega; assim, certos vendedores não estão disponíveis
para atender longe de um determinado local. Não foram identificadas tags que
representassem a localização geográfica, todavia, a criação de tags de
localização poderia facilitar a delimitação de vendas em uma dada localidade,
evitando associações de anúncios com outras regiões.
Quanto à representatividade do conteúdo no título
A pragmática na indexação social, segundo Viana, Dal’Evedove e
Gracioso (2019), considera a fluidez e a transformação da linguagem, no uso
cotidiano, pois não fixa padrões sob os quais as tags devem estar condicionadas,
levando em conta as percepções dos usuários, que julgam com critérios mais
significativos as impressões sociais e cognitivas; no caso em questão, os títulos
representam a primeira informação que se encontra, ao se utilizar o Facebook
Marketplace.
No entanto, dos 60 anúncios estudados, 39 (65%) não possuíam títulos
representativos direcionados ao conteúdo descrito no espaço “descreva seu
anúncio”, frente a 21 (35%) anúncios que representavam, no título, o conteúdo
do anúncio.
Um dos fatores que podem justificar a ausência de títulos é a possibilidade
de o sistema recuperar anúncios similares ao termo pesquisado, baseado nas
pesquisas de outros usuários e que aparecem como sugestão, dentro de SRSO.
Ora, as pegadas digitais são uma estratégia para promover o melhor
desempenho de uso dos serviços oferecidos pelos SRSO.
Diante do exposto é possível perceber as variações de uso das tags e da
própria representatividade do conteúdo informacional, na descrição dos títulos
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 518
dos anúncios. Assim, a questão do comportamento e do uso da indexação social
na venda de frutas amazônicas apresenta uma variabilidade que deve ser
ponderada tanto na atribuição de tags como na descrição dos anúncios tendo
em vista a recuperação da informação, pois não há um controle terminológico na
linguagem utilizada no Facebook Marketplace pelos usuários.
Por um lado, isto abre possibilidades de autonomia ao usuário em
organizar e em descrever da forma que lhe for conveniente, lembrando que o
contexto de vendas possui a variável da concorrência e, nesse sentido, parte do
anunciante a responsabilidade em entender quais são as melhores estratégias
para destacar os seus anúncios dos demais.
A indexação é essencial para um sistema que trabalha com
gerenciamento de informações, sobretudo quando existe a necessidade de
recuperar os arquivos no menor tempo possível, através de procedimentos
padrões. Por sua vez, a indexação social possibilita a descentralização da
organização da informação, permitindo ao próprio usuário gerenciar e organizar
os recursos disponíveis na internet, principalmente nos SRSO.
Em face do entendimento de que a informação é um item do
conhecimento expresso por meio da linguagem natural ou outros sistemas de
signos percebidos pelos órgãos dos sentidos (FOGEL, 1979), compreender
como os usuários percebem e empregam determinadas palavras, para
representar o conteúdo informacional, faz com que o estudo sobre as tags seja
inserido no campo da Ciência da Informação, como um fenômeno que
demonstra, por exemplo, a autonomia do usuário em atribuir valor as tags, a
linguagem natural como expressão comunicativa e a adoção dos princípios da
organização do conhecimento nos SRSO.
4.2 QUANTO À ANÁLISE DAS CATEGORIAS: IDENTIFICAÇÃO, TIPOLOGIA,
CATEGORIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
As categorias de análise foram baseadas na classificação de Golder e
Huberman (2006), pelo qual os autores propõem uma classificação de etiquetas
(tags) que consideram o assunto, o tipo, os descritores e as características.
O total recuperado de 60 anúncios, 11 (18%) anúncios apresentaram tags
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 519
na descrição do produto anunciado: açai, acai, polpa bacuri, polpa cupuaçu,
polpa, murici, fruta, ekos açai, joli, creme de corpo, creme.
A classificação das tags ocorreu após a finalização da coleta na planilha
eletrônica e, posteriormente, foram analisadas as imagens, a descrição e as tags
dos anúncios. Cada tag foi organizada conforme a aproximação da descrição e
objetivo da categoria e aparece indicada ao final das sentenças.
A seguir, serão discutidas as categorias nas quais cada tag se classifica,
conforme o Quadro 2.
Quadro 2 Categorização das tags identificadas nos anúncios
Categorias
Tags identificadas nos anúncios
Identificação
Tags que apresentaram a característica principal do recurso: “açai”,
“acai”, “polpa bacuri” e “polpa cupuaçu”.
Tipologia
Tags que identificaram a qual tipo (grupo) pertence o recurso: “fruta”,
“polpa”, “polpa bacuri” e “polpa cupuaçu”.
Categorização
Tags que funcionaram como categorias específicas que não poderiam
ser empregadas isoladamente: “creme” e “creme de corpo”; essas tags
foram identificadas em anúncios da fruta cupuaçu.
Caracterização
Tags que identificaram propriedades ou características dos recursos:
“ekos açai”, “joli” e “murici” são tags que representam a opinião e a
percepção do usuário.
Fonte: Autores
Para a venda de frutas, o recomendado é empregar tags com o nome da
fruta, de maneira a tornar o resultado da busca mais assertivo; na investigação,
por exemplo, as tags encontradas nos anúncios de frutas amazônicas foram
“açai”, “acai”, “polpa bacuri” e “polpa cupuaçu”, sendo possível vinculá-las à
categoria Identificação.
Foram identificados, nos anúncios, as tags “fruta”, “polpa”, “polpa bacuri”
e “polpa cupuaçu”: as duas primeiras são denominações genéricas de uma
tipologia que parte do conceito maior (frutas) para o menor (polpa), enquanto as
duas últimas são específicas e estão no mesmo nível conceitual, diferentemente
da palavra “fruta” possui um conceito mais abrangente e pode ocasionar um
baixo nível de especificidade. Nesse caso, as tags estão vinculadas à categoria
Tipologia.
Nos anúncios de frutas amazônicas, geralmente, as principais tags giram
em torno da palavra fruta, porém, duas tags se diferenciam, por serem “creme”
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 520
e “creme de corpo”. Tais tags foram identificadas em anúncios da fruta cupuaçu,
sendo que a primeira tag pode ter duas interpretações possíveis: a de creme de
cabelo com cupuaçu (uso cosmético) e creme de cupuaçu (sobremesa). A tag
“creme de corpo” refina a descrição do recurso em especificar a finalidade de
uso do produto. Nesse caso, as tags estão ligadas à Categorização, pois existem
correlações que podem ser observadas entre cupuaçu (como princípio ativo) e
creme (forma de utilização).
Por fim, as tags “ekos açai”, “joli” e “murici” são tags que representam a
opinião e a percepção do usuário, quanto à linguagem natural, ou seja, ao uso
simples e sem controle vocabular. A primeira tag refere-se ao produto banho de
cheiro, que tem o nome de Ekos e cujo princípio ativo é o açaí; a segunda tag é
atinente a um produto de hidratante corporal que tem como base as frutas
amazônicas, possui o nome Joli e, no caso em questão, é um hidratante à base
de cupuaçu. Por fim, a palavra murici tem mais de uma grafia (murici e muruci),
porque, a depender da região brasileira, o termo pode variar. Essas tags estão
inseridas em Caracterização.
Observa-se que o alto volume informacional é uma realidade dos usuários
de SRSO, de sorte que fornecer ferramentas que agilizem o processo para
encontrar a informação é essencial na tomada de decisão, principalmente
quando existem opções para a realização de comércio. Além disso, entender o
contexto regional, geográfico, populacional, entre outras variáveis, é importante
para disponibilizar ferramentas e proporcionar melhorias nas plataformas.
5 CONCLUSÕES
Os anúncios em maior quantidade são os da fruta açaí, nos quais foi
possível analisar o emprego das tags, sobretudo perceber os aspectos
semânticos, os relativos à grafia e os cognitivos, levando a observar que, apesar
de os resultados de busca não apresentarem o produto in natura, aparecem
outros elementos que estão ligados ao consumo da fruta, como o plantio. Nesse
sentido, a escolha e o emprego das tags podem interferir no resultado da busca,
dentro do Facebook Marketplace.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 521
Por conseguinte, quanto à frequência de uso das tags nos anúncios de
frutas amazônicas, observou-se que durante o período estudado a aplicação de
tags na descrição dos anúncios não é recorrente, pois sobre o total de 60
anúncios, 11 (18%) anúncios apresentaram tags na descrição do produto. Esse
quantitativo foi suficiente para possibilitar uma análise do comportamento das
tags em um SRSO por meio de uma classificação que considera o assunto, o
tipo, os descritores e as características que as tags podem desempenhar dentro
do contexto de vendas de frutas amazônicas.
Por exemplo, de modo geral, as categorias Identificação e Tipologia das
tags atribuídas apresentaram a característica principal do recurso. Em seguida,
as tags classificadas em Categorização e Caracterização possuem atributos que
funcionaram como categorias específicas e identificaram propriedades dos
recursos.
Outra observação é que a ausência de títulos representativos é apontada
com uma dificuldade para a recuperação dos anúncios. Os resultados mostraram
que 65% dos anúncios não tinham títulos representativos ao conteúdo do
recurso, isto poderá implicar que sem uma estrutura textual mínima o resultado
da busca pode ser inconsistente.
Nesse sentido, observou-se que existem variações de uso das tags e da
própria representatividade do conteúdo informacional, na descrição dos títulos
dos anúncios. Além disso, foi possível identificar a indexação social no uso das
tags, no SRSO Facebook Marketplace, quando se trata de frutas amazônicas,
porque as tags são constituídas de valor semântico e não consistem apenas em
fragmentos textuais descontextualizados; possuem aspectos intrínsecos que
depende do usuário ou dos grupos de usuários que a utilizam, com a finalidade
de atribuir uma interpretação que pode variar diante do contexto.
Por meio do SRSO Facebook, foi possível analisar as tags e caracterizar
a indexação social em anúncios da venda de frutas amazônicas, na seção do
Facebook Marketplace, demonstrando-se que, dentro de um SRSO, a autonomia
do usuário em atribuir tags na venda das frutas amazônicas é uma das
características de destaque da indexação social.
O Facebook Marketplace não possui na interface alguns recursos que
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 522
poderiam auxiliar o usuário na organização e na disponibilização de tags
recomendadas o que poderia facilitar a escolha de um termo mais
representativo. É sugestivo, para melhorar a experiência do usuário, no SRSO,
organizar os anúncios de um mesmo vendedor, agrupar relações semânticas
possíveis com o nome da fruta (uso medicinal, uso gastronômico, uso cosmético,
ferramentas de manuseio).
Espera-se que novos estudos possam ser realizados sobre os
desdobramentos da utilização de tags em SRSO, através da análise sobre a
estrutura dos sistemas que a adotam, bem como a respeito das funcionalidades
e da classificação, para descobrir regularidades, comportamentos e
popularidade em outros domínios.
REFERÊNCIAS
ALEXA. The top 500 sites on the web. Disponível em:
https://www.alexa.com/topsites. Acesso em: 10 jun. 2021.
BOYD, D. M.; ELISSON, N. B. Social Network Sites: Definition, History, and
Scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, p.
210-230, out. 2007.
CATARINO, M. E.; BAPTISTA, A. A. Folksonomias: características das
etiquetas na descrição de recursos da Web. Informação & Informação,
Londrina, v. 14, n. 1 esp., p. 46-67, dez. 2009.
EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Amazônia é berço
de frutas nativas de alto potencial comercial. Brasília: EMBRAPA, 2016.
FOGEL, J. Relations of the concepts 'information' and 'knowledge'.
International Forum on Information and Documentation, The Hague, v. 4, n.
1, p. 21-24, 1979.
GOLDER, S. A.; HUBERMAN, B. A. The structure of collaborative tagging
systems. Journal of Information Science, [S.l.], v. 32, n. 2, p. 198-208, 2006.
GOUVÊA, C.; LOH, S. Folksonomias: identificação de padrões na seleção de
tags para descrever conteúdos. Revista Eletrônica de Sistemas de
Informação, Curitiba, v. 6, n. 2, dez. 2007.
GUEDES, R. M.; DIAS, E. J. W. Indexação social: abordagem conceitual.
Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 15, n. 1, p.
39-53, jan./jun. 2010.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 523
GUEDES, R. M.; MOURA, M. A.; DIAS, E. J. W. Indexação social e
pensamento dialógico: reflexões teóricas. Informação & Informação,
Londrina, v. 16, n. 3, p. 40-59, 2011.
GUIMARÃES, J. A. C. Abordagens teóricas de tratamento temático da
informação (TTI): catalogação de assunto, indexação e análise documental.
Ibersid: revista de sistemas de información y documentación, [S.l.], v. 3, p.
105-117, 2009.
HAMMOND, T.; HANNAY, T.; LUND, B.; SCOTT, J. Social Bookmarking Tools
(I): a general review. D-Lib Magazine, [S.l.], v. 11, n. 4, 2005.
KAPSIKAR, K.; SAHA, I.; AGARWAL, K.; KAVITHA, V.; ZHU, Q. Controlling
Fake News by Collective Tagging: A Branching Process Analysis. IEEE Control
Systems Letters, [S.l.], v. 5, n. 6, p. 2108-2113, dez. 2021.
LANCASTER, F. W. Information retrieval on-line. Los Angeles: Melville,
1973.
LARA, M. L. G.; LIMA, V. M. A. Termos e conceitos sobre redes sociais
colaborativas. In: POBLACIÓN, D.; MUGNAINI, R.; RAMOS, L. M. S. V. C.
(org.). Redes sociais e colaborativas em informação científica. São Paulo:
Angellara, 2009.
LE COADIC, Y. F. A Ciência da informação, 2. ed. Brasília, DF: Briquet de
Lemos/Livros, 2004.
MATHES, A. Folksonomies: cooperative classification and communication
through shared metadata. 2004. Disponível em:
http://www.adammathes.com/academic/computermediatedcommunication/folks
onomies.pdf. Acesso em: 10 jun. 2021.
MORAES, L. B.; LOBO, P. M. S. Folksonomia: a tagzação da informação na
era digital. Revista Bibliomar, São Luís, v. 19, n. 1, p. 110-124, 2020.
MOURA, M. A. Informação, ferramentas ontológicas e redes sociais ad hoc: a
interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias. Informação e
Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 19, n. 1, p. 59-73, jan./abr. 2009.
QUINTARELLI, E. Folksonomies: power to the people. In: ENCONTRO ISKO
ITÁLIA - UNIMIB, 2005, Milan. Anais [...] Milan: ISKO Itália, 2005.
RAFFERTY, P. Tagging. Knowledge Organization: KO. Wuerzburg, [S.l.], v.
45, n. 6, 2018.
RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.
RODRIGUES, F. A. Coleta de dados em redes sociais: privacidade de dados
pessoais no acesso via Application Programming Interface. 2017. 679 f. Tese
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 524
(Doutorado em Ciência da Informação) Programa de Pós-Graduação em
Ciência da Informação, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2017.
SANTOS, H. P. Etiquetagem e folksonomia: o usuário e sua motivação para
organizar e compartilhar informação na Web 2.0. Perspectivas em Ciência da
Informação, Belo Horizonte, v. 18, n. 2, p. 91-104, jun. 2013.
SANTOS, R. F. Modelos colaborativos de indexação social e a sua
aplicabilidade na base de dados referencial de artigos de periódicos em
ciência da informação (BRAPCI). 2016. 185 f. Dissertação (Mestrado em
Ciência da Informação) Programa de Pós-Graduação em Ciência da
Informação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.
SANTOS, R. F.; CORRÊA, R. F. Análise das definições de folksonomia: em
busca de uma síntese. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo
Horizonte, v. 23, n. 2, p. 1-32, 2018.
SANTOVENIA GONZALEZ, O. M. Folkonomias: o valor agregado da indexação
social na web. ACIMED, Ciudad de La Habana, v. 20, n. 3, p. 82-91, set. 2009.
SOUSA, R. J. P. L.; BENETTI, M. Indexação social no Skoob: a descrição do
livro “o mundo de sofia” a partir de tags e resenhas. Informação &
Informação, Londrina, v. 21, n. 1, p. 520-541, 2016.
STATISTA. Number of social media users worldwide from 2010 to 2020 (in
billions). Social Media & User-Generated Content. [S.l.], 2020. Disponível em:
https://www.statista.com/statistics/278414/number-of-worldwide-social-network-
users/ Acesso em: 10 mar. 2021.
STURTZ, D. N. Communal categorization: the folksonomy. 10 jan. 2004.
Disponível em: http://www.davidsturtz.com/drexel/622/communalcategorization-
the-folksonomy.html. Acesso em: 20 jun. 2021.
VALONGUEIRO, A. Sobre folksonomia, tags e afins. 2006. Disponível em:
http://valongueiro.blogspot.com/2006-10-01-archive.html. Acesso em: 11 jan.
2020.
VIANA, J. M. A.; DAL’EVEDOVE, P. R.; GRACIOSO, L. S. Observações
Pragmáticas na Indexação Social. In: BARROS, T. H. B.; TOGNOLI, N. B.
(org.). Organização do Conhecimento responsável: promovendo sociedades
democráticas e inclusivas, Belém: EdUFPA, 2019, p. 77-83.
VIEIRA, A. F. G.; GARRIDO, I. D. S. Folksonomia como uma estratégia para
recuperação colaborativa da informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.
12, n. 2, 2011.
WAL, T. V. Folksonomy definition and wikipedia. 2005. Disponível em:
https://www.vanderwal.net/random/entrysel.php?blog=1750. Acesso em: 22
nov. 2020.
Amanda Garcia Gomes, Fernando de Assis Rodrigues, Franciele Marques Redigolo,
Mariângela Spotti Lopes Fujita
Análise de tags na venda de frutas da Amazônia brasileira em rede social
Inf. Inf., Londrina, v. 26, n. 3, p. 499 525, jul./set. 2021. 525
TAGS ANALYSIS ON THE SALE OF FRUIT FROM THE
BRAZILIAN AMAZON IN THE SOCIAL NETWORK
ABSTRACT
Objective: To analyze tags to characterize social indexing in Amazon fruit sale ads
within an On-line Social Networking Service. Methodology: The methodological
procedures were carried out through an exploratory analysis of an experimental nature
with direct participation; the data collection selected the ads that deal individually about
each fruit on the Facebook Marketplace. Results: From the analysis of the data sets, it
was possible to verify the aspects of the use of tags in ads in terms of quantity and
frequency. The tags were classified based on the role each one plays in relation to the
resource indexed by the user. In addition, aspects regarding geographic location and
content representation in the ad title were observed. Conclusions: It was possible to
identify the social indexing in the use of tags in the SRSO Facebook Marketplace when
it comes to Amazonian fruits, as the tags are made up of semantic value and not just
decontextualized textual fragments: they have intrinsic aspects that depend on the user
or user groups, which they use with the purpose of attributing an interpretation that may
vary according to the context.
Descriptors: Social Indexing. Indexing. Folksonomy. Social networking.
ANÁLISIS DE TAGS SOBRE LA VENTA DE FRUTAS DE
LA AMAZONIA BRASILEÑA EN LA RED SOCIAL
RESUMEN
Objetivo: Analizar etiquetas para caracterizar la indexación social en anuncios de venta
de frutas de Amazon dentro de un Servicio de Redes Sociales Online. Metodología:
Los procedimientos metodológicos se llevaron a cabo mediante un análisis exploratorio
de carácter experimental con participación directa; la recopilación de datos seleccionó
los anuncios que tratan individualmente sobre cada fruta en el mercado de Facebook.
Resultados: A partir del análisis de los conjuntos de datos, fue posible verificar los
aspectos del uso de las etiquetas en los anuncios en términos de cantidad y frecuencia.
Las etiquetas se clasificaron en función del rol que juega cada una en relación al recurso
indexado por el usuario. Además, se observaron aspectos como la ubicación geográfica
y la representación del contenido en el título del anuncio. Conclusiones: Se logró
identificar la indexación social en el uso de etiquetas en el mercado de Facebook de
SRSO cuando se trata de frutas amazónicas, ya que las etiquetas se componen de valor
semántico y no solo fragmentos textuales descontextualizados, tienen aspectos
intrínsecos que dependen de el usuario o grupos de usuarios que lo utilicen con la
finalidad de atribuir una interpretación que puede variar según el contexto.
Descriptores: Indexación. Indexación social. Folksonomía. Redes sociales online.
Recebido em: 07.07.2021
Aceito em: 27.09.2021.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Chapter
Full-text available
A internet possibilitou o surgimento de práticas colaborativas de produção, organização e compartilhamento da informação, decorrendo a elaboração de estratégias que aperfeiçoaram o uso de novas práticas informacionais, tais como, a Indexação Social, por exemplo. Prática possibilitada pelos novos agenciamentos da informação em plataformas interativas, caracterizada pela atribuição de palavras-chaves, pelos próprios usuários, aos conteúdos da Web. Ações de indexação afirmam-se, então, como recursos relevantes para promoção dos fluxos informacionais, potencializando-lhes recuperação e circulação. Neste contexto, a presente pesquisa objetivou discorrer sobre as dimensões pragmáticas do processo de Indexação social, tendo por base a pragmática de Wittgenstein (1994), e a Teoria dos Atos de Fala, de Austin (1990). A metodologia consistiu na apresentação sumarizada dos principais conceitos da pragmática wittgensteiniana, destacando-se o conceito de Jogos de Linguagem, e na apresentação descritiva dos atos locucionários, ilocucionários e perlocucionários da Teoria dos Atos de Fala, de Austin. São utilizados exemplos de manifestação destes conceitos nas práticas de Indexação Social em ambientes do Flickr e do LibraryThing. Destarte, observa-se que a pragmática oferece um importante suporte teórico ao processo, e estudos, da Indexação Social, ao permitir compreender os aspectos sociais, culturais e cognitivos do usuário no ato de indexar recursos na Web. Palavras-chave: Filosofia da Linguagem; Pragmatismo; Indexação social; Folksonomia; Ciência da Informação.
Article
Full-text available
RESUMO Objetiva criar uma síntese das definições do termo Folksonomia no âmbito da Literatura da Ciência da Informação através de análise dos conceitos relacionados. Visa especificamente contribuir para a consolidação do conceito de Folksonomia levando em conta as definições elencadas pelos autores que trabalham com a temática em questão e as ideias do criador desta terminologia, Thomas Vander Wal. Tem como metodologia a pesquisa exploratória e bibliográfica, como base na análise de conteúdo e em revisão de literatura sobre Folksonomia e representação colaborativa da informação. Destaca que não há ainda uma definição única, clara, bem enunciada e rigorosa acerca da Folksonomia. Conclui conceituando a Folksonomia como o resultado do processo de etiquetagem livre (atribuição de etiquetas ou palavras-chave) realizada pelos usuários mediante o emprego de termos provenientes da linguagem natural - dispensando o auxílio de vocabulários controlados - em ambientes digitais colaborativos visando indexar recursos informacionais compartilhados de qualquer formato (textos, imagens, áudio, vídeo, etc.) para fins de sua representação e recuperação.
Thesis
Full-text available
The development of social networks is a topic of study for several areas, and with the increased use of the Internet in professional and leisure activities, online social networks have emerged: services with the goal of providing an interface between individuals. Some of these networks have millions of users, who agree and give their consente to the Terms of Use. The Terms of Use of these services contain the delimitation of the processes of data collection by external agents, creating a cascading effect of user identification and can enhance activities which are detrimental to user privacy. This study looks to verify if the systematic data collection processes for documents which contain characteristics of the Application Programming Interfaces (APIs) data collection and the Terms of Use can help in identifying activities potentially harmful to user privacy (referenced) and reveal prerequisites of knowledge about the technology involved in this process, concepts prior to identifying characteristics and professional areas involved in understanding the technology of the API and the Terms of Use. The objective is to propose an analysis based data model on personal privacy data issues, from the identification of the characteristics of the collection of data from the referenced API to assisting in identifying potential actions and activities which are detrimental to privacy obtained through the data collection process. The research universe is limited to the services available on the Internet that use APIs as interoperability interfaces of their content and the sample was defined in three APIs: from Facebook, Twitter and LinkedIn. The methodology adopted was exploratory analysis, in qualitative form, with combined methods based on the exploitation of the technical characteristics of APIs and the reading of available documents, being segmented by the perspectives: professional areas involved, collection technology and knowledge prerequisites. To conduct this study, three cycles are proposed: first, with the identification of the characteristics of the structure of data collection and the functionalities presented by the APIs; second, propose a model of the data from the collection of the characteristics of existing structures (Direct Model); and third, a model of Second Order, with specific information about referenced data privacy for the analysis of data privacy aspects to share with third parties. In the end, present a list of criteria for the monitoring and evaluation of the information of referenced documents and the Terms of Use of social networks, as a way of identifying possible relationships between the absence of data. In the considerations, we maintain the idea that this environment is complex and obfuscated to those referenced, but the data model and the instruments developed can help to minimize the complexity of referenced documents about the interoperability of datasets to external agents and understanding the Terms of Use. O desenvolvimento das redes sociais é tema de estudos de várias áreas do conhecimento, e com o aumento do uso da Internet em atividades profissionais e de entretenimento, surgiram as redes sociais online: serviços com o intuito de proporcionar uma interface de relacionamento entre indivíduos. Algumas destas redes possuem milhões de usuários, que consentiram acordo aos Termos de Uso. Os Termos de Uso destes serviços contém a delimitação dos processos de coleta de dados por agentes externos, criando um efeito em cascata de identificação do usuário, e pode potencializar atividades prejudiciais à privacidade. O estudo procura verificar se processos sistematizados de coleta de dados sobre documentos que contém características das interfaces de coleta das Application Programming Interfaces (APIs), e os Termos de Uso podem auxiliar a identificação de atividades potencialmente prejudiciais à privacidade dos usuários (referenciados) e revelar pré-requisitos de conhecimentos sobre as tecnologias envolvidas neste processo, conceitos prévios à identificação das características, e áreas profissionais envolvidas no entendimento das informações sobre tecnologias voltadas às APIs e condições dos Termos de Uso. O objetivo é propor um modelo de dados orientado a análise sobre questões de privacidade de dados pessoais, a partir da identificação das características da coleta de dados de referenciados via API, para auxiliar na identificação de potenciais ações e atividades prejudiciais à privacidade, realizadas na coleta de dados. O universo de pesquisa está delimitado aos serviços disponíveis na Internet que utilizam APIs como interfaces de interoperabilidade de seus conteúdos, e a amostra foi definida em três APIs: do Facebook, do Twitter e do LinkedIn. A metodologia adotada é a análise exploratória, de caráter qualitativo, com métodos combinados a partir da exploração das características técnicas das APIs e da leitura dos documentos disponíveis, sendo segmentada pelas perspectivas: Áreas Profissionais envolvidas, Tecnologias de Coleta e Pré-requisitos de Conhecimento. Para realização, propõe-se três ciclos: o primeiro, com a identificação das características das estruturas de coletas de dados e das funcionalidades apresentadas pelas APIs; o segundo ciclo propõe uma modelagem de dados, a partir da coleta das características das estruturas existentes (Modelagem Direta), e; o terceiro ciclo, uma Modelagem de Segunda Ordem, com informações específicas sobre a privacidade de dados de referenciados para a análise de aspectos de privacidade de dados compartilhados a terceiros. Ao final, apresenta uma lista de critérios para o acompanhamento e a avaliação das informações dos documentos de referência e Termos de Uso das redes sociais, como forma de identificar possíveis relações entre a ausência de dados. Nas considerações, sustentamos que este ambiente é complexo e ofuscado aos referenciados, porém o modelo de dados e os instrumentos elaborados podem auxiliar a minimizar a complexidade dos documentos de referência sobre a interoperabilidade de conjuntos de dados a agentes externos e no entendimento dos Termos de Uso. El desarrollo de las redes sociales es tema de estudio de varias áreas del conocimiento, y con el aumento del uso de la Internet en actividades profesionales y de entretenimiento, surgieron las redes sociales en línea: servicios con el fin de proporcionar una interface de relacionamiento entre individuos. Algunas de estas redes poseen millones de usuarios, los cuales dieron su consentimiento al acuerdo de los Términos de Uso. Los Términos de estos servicios engloban la delimitación de los procesos de colecta de datos por agentes externos, creando un efecto en cascada de identificación del usuario, y puede potencializar actividades perjudiciales para la privacidad. El estudio pretende verificar si procesos sistematizados de colecta de datos sobre documentos que contienen características de las interfaces de colecta de las Application Programming Interfaces (APIs), y los Términos de Uso, pueden auxiliar en la identificación de actividades potencialmente perjudiciales para la privacidad de los usuarios (referenciados) y revelar prerrequisitos de conocimientos sobre las tecnologías involucradas en este proceso, conceptos previos a la identificación de las características, y áreas profesionales que participan en el entendimiento de las informaciones sobre tecnologías direccionadas a las APIs y condiciones de los Términos e Uso. El objetivo es proponer un modelo de datos orientado al análisis sobre cuestiones de privacidad de datos personales, a partir de la identificación de las características de la colecta de datos referenciados vía API, para auxiliar en la identificación de potenciales acciones y actividades perjudiciales para la privacidad, realizadas en la colecta de datos. El universo de pesquisa está delimitado a los servicios disponibles en la Internet que utilizan APIs como interfaces de interoperabilidad de sus contenidos, y la muestra fue definida en tres APIs: de Facebook, de Twitter y de LinkedIn. La metodología adoptada es un análisis exploratorio, de carácter cualitativo, con métodos combinados a partir de la exploración de las características técnicas de las APIs y de la lectura de los documentos disponibles, siendo segmentada por las perspectivas: Áreas Profesionales involucradas, Tecnologías de Colecta y Prerrequisitos de Conocimiento. Para la realización, se proponen tres ciclos: i. con la identificación de las características de las estructuras de colectas de datos y de las funcionalidades presentadas por las APIs; ii. ciclo, propone un modelaje de datos, a partir de la colecta de las características de las estructuras existentes (Modelaje Directo), y; iii. ciclo, un Modelaje de Segundo Orden, con informaciones específicas sobre la privacidad de los datos de referenciados para el análisis de aspectos de privacidad de datos compartidos con terceros. Finalmente, presenta una lista de criterios para el acompañamiento y la evaluación de las informaciones de los documentos de referencia y Términos de Uso de las redes sociales, como forma de identificar posibles relaciones entre la ausencia de datos. En las consideraciones, sustentamos que este ambiente es complejo y confuso para los referenciados, no obstante el modelo de datos y los instrumentos elaborados pueden contribuir a minimizar la complejidad de los documentos de referencia sobre la interoperabilidad de conjuntos de datos a agentes externos y en el entendimiento de los Términos de Uso.
Article
Full-text available
Resumo No contexto da Web 2.0 surge a folksonomia que é o resultado da etiquetagem dos recursos da Web, em um ambiente social, pelos próprios usuários visando a sua recuperação. Trata-se de uma indexação livre em linguagem natural onde não são adotadas regras e/ou política de indexação e nem o controle de vocabulários. Conhecer as possibilidades desta nova forma de descrição dos recursos da Web é imprescindível. Este artigo tem o objetivo de descrever as características das etiquetas que compõem as folksonomias. Essas características foram observadas em um projeto de pesquisa de doutorado que teve o intuito de identificar elementos de metadados oriundos das folksonomias que fossem complementares ao Dublin Core (DC). Para a identificação desses metadados desenvolveu-se os seguintes procedimentos metodológicos: criação da base de dados, análise das etiquetas, identificação de propriedades complementares ao DC, validação da proposta e construção do perfil de aplicação e ontologia. Na análise das etiquetas pode-se observar várias características das etiquetas que serão aqui descritas: alfabeto, idioma e formas variantes, tais como. singular/plural, simples/composta, símbolos, números, siglas, abreviaturas, mnemônicas e mistas. Pondera-se que o conhecimento e disseminação dessas características subsidiará novos estudos e aplicações de forma a potencializar o uso das folksonomias. Palavras-chave Folksonomias. Características das Etiquetas. Descrição de recursos.
Article
Full-text available
RESUMO Introdução: A linguagem é o ponto de partida para o estabelecimento da interação verbal entre interlocutores, não apenas em uma situação formalizada pela escrita ou pelo cenário midiático, mas em todos os momentos em que se quer estabelecer uma ação comunicativa entre interlocutores a linguagem é a ponte que une pessoas e que permite a geração de conhecimento. Objetivo: Apresenta reflexões teóricas acerca da indexação social, entendida como processo de representação da informação em espaços sociais semânticos da Web dotados de folksonomia. Metodologia: Ensaio Resultados: Utilizando o modelo dialógico para fundamentar os processos representacionais recorrentes em ambientes Web dotados de folksonomia, observa-se que o gesto comunicativo aferido pelos sujeitos atuantes nos referidos ambientes, sustentado pela linguagem (de indexação), revela a situação de diálogo instaurada entre usuários. Os fenômenos informacionais presentes nos ambientes sociais semânticos dotados de folksonomias são orientados pela dinâmica enunciativa entre sujeitos portadores de discursos, portanto, pelas relações dialógicas que ali se estabelecem. Conclusões: As práticas de indexação nos espaços sociais semânticos dotados de folksonomias revelam o poder da linguagem como meio de interação para alcançar significados de informação nos processos de organização documentária. Palavras-chave: Organização da informação. Indexação social. Folksonomia. World Wide Web. Estudos da linguagem. Dialogismo.
Book
Full-text available
Article
Considerando el espacio conceptual ocupado por el tratamiento temático de la información en el ámbito de la enseñaza y de la investigación en Biblioteconomía, se discute la catalogación temática, la indización y el análisis documental en cuanto que corrientes teóricas que históricamente han contribuido a la construcción del universo epistemológico de esta área de estudios. Por tanto, con base en la literatura internacional, se analizan los aspectos conceptuales de cada una de esas corrientes para identificar sus trazos distintivos y sus puntos de convergencia y complementariedad.
Article
The spread of fake news on online social networks (OSNs) has become a matter of concern. These platforms are also used for propagating important authentic information. Thus, there is a need for mitigating fake news without significantly influencing the spread of real news. We leverage users’ inherent capabilities of identifying fake news and propose a warning-based control mechanism to curb this spread. Warnings are based on previous users’ responses that indicate the authenticity of the news. We use population-size dependent continuous-time multi-type branching processes to describe the spreading under the warning mechanism. We also have new results towards these branching processes. The (time) asymptotic proportions of the individual populations are derived using stochastic approximation tools. Using these, relevant type 1, type 2 performances are derived and an appropriate optimization problem is solved. The proposed mechanism effectively controls fake news, with negligible influence on the propagation of authentic news. We validate performance measures using Monte Carlo simulations on network connections provided by Twitter data.
Article
p> Introdução: O Skoob é uma rede social brasileira baseada na troca de informações sobre livros e revistas, que permite ao usuário, ou skoobers, a inserção de tags para a organização de suas estantes pessoais, bem como para o compartilhamento público de descrição dos recursos. A análise da etiquetagem de livros literários é um indicativo do comportamento dos leitores frente à atividade de indexação social. Objetivo: Explorar a indexação social realizada no Skoob, a fim de analisar os conceitos utilizados em tags , comparando-os aos conceitos presentes em resenhas escritas pelos leitores. Metodologia: Foi selecionado o livro “O mundo de Sofia: romance da história da filosofia”, de Jostein Gaarder. Primeiramente levantou-se a discrepância das tags mais populares atribuídas ao livro. Em seguida, através da Análise de Conteúdo com abordagem qualitativa, foram analisadas 30 resenhas, a fim de levantar os conceitos presentes na apreciação crítica dos leitores. Por fim, foi feita uma comparação entre os conceitos das tags e das resenhas. Resultados: Houve discrepância entre as tags no que se refere ao número (singular e plural). Os conceitos levantados nas resenhas foram agrupados em três categorias: a) Assunto; b) Gênero; e c) Juízos de valor. Os conceitos presentes nas tags e nas resenhas, de um modo geral, foram diferentes. Conclusão: Foi possível, através da análise das resenhas, aprofundar a compreensão de alguns conceitos presentes nas tags . Entretanto, dentre os conceitos mais citados nas resenhas apenas filosofia e mistério estão presentes entre as tags mais populares. </p
Article
Resumo: Diante da discussão sobre nomenclaturas dada à indexação orientada pelo usuário em ambientes virtuais o presente trabalho tem por objetivo situar o conceito "indexação social" no campo do tratamento da informação, baseando-se nas diferentes tipologias de linguagens e orientações de indexação. A partir da literatura especializada e de observações no ambiente da World Wide Web pretende-se contribuir para a discussão e o entendimento desta modalidade de indexação. Palavras-Chave: Representação da informação; Linguagens de indexação; Indexação social; World Wide Web. 1 INTRODUÇÃO O advento de novos suportes e contextos de criação, disponibilização, acesso e preservação de informação gerou, e continua gerando, uma série de transformações nas ciências que tem a informação como objeto de estudo. Observa-se na literatura em ciência da informação certa preocupação que diz respeito às mudanças na terminologia utilizada neste campo de estudo. Lancaster (2004), em seu texto de apresentação da segunda edição publicada no Brasil do livro Indexação e resumos: teoria e prática, chama a atenção para os princípios (oriundos, sobretudo da biblioteconomia) que estão sendo "reinventados". Abordagens e conceitos estudados a mais de meio século por pesquisadores de biblioteconomia e ciência da informação parecem estar sendo negligenciados por outras áreas e, muitas vezes, rebatizados.