ArticlePDF Available

Ensaio sobre o ensino e as aprendizagens a distância

Authors:
Ensaio sobre o ensino e as aprendizagens a distância
10 proposições para organizar as aprendizagens on-line
Tempo primeiro:
março de 2020 encerramento abrupto das escolas; esforço coletivo heroico(?) para a operacionalização do
ensino a distância; multiplicidade de cenários (abandono escolar; ensino por correspondência; #estudo em
casa; e-mails; moodle; whatsApp; zoom; teams; skype; meet; socrative; kahoot; quizizz, etc.).
Conclusões centrais: aumento da literacia digital (não para todos); entusiasmo inicial dormência apatia. A
escola presencial é um bem inalienável.
Tempo segundo:
janeiro de 2021 encerramento abrupto da escola presencial, pièce de résistance às novas variantes da COVID-
19; interrupção das atividades letivas e não letivas em todas as escolas agitação política ziguezaguear nos
conceitos e nas ações novo ciclo (ansiado/indesejado; estruturado/indefinido) de ensino a distância.
1 Contextos
Múltiplos serão os meios através dos quais as propostas pedagógicas chegarão até aos alunos: escolas de
acolhimento, takeaway de recursos didáticos, ecrã de televisão, visor de um telemóvel ou tablet, computador
com ou sem câmara e microfone incorporados, com ou sem capacidade para impressão de materiais. Diversos
serão os espaços em que estes procurarão aprender, desde o mais confortável e insonorizado dos cómodos
ao mais repartido e ruidoso dos compartimentos. Distintos serão, também, os ambientes, pautados pela
presença ou ausência dos pais (eventualmente em teletrabalho e com reduzida capacidade de assistência) e
de outros elementos do agregado familiar, tais como irmãos mais novos, que lhes apresentam a tentação do
modo de lazer, ou irmãos mais velhos, que impõem o necessário silêncio para o cumprimento dos seus
objetivos. Assim, torna-se essencial um olhar de diagnose em torno dos ambientes associados à banda larga
de cada um dos alunos para que a escolha das estratégias de ensino-aprendizagem seja a mais ajustada
possível ao somatório das salas de aula em funcionamento.
2 Comunicação
O comportamento hiperativo dos media expande a sombra da desinformação, pois os sucessivos flashes de
dados geram dispersão e alienação, ao invés de orientação e lucidez. A este frenesim somam-se inúmeras
restrições ao nível dos contactos diretos, pelo que o distanciamento imposto demanda especial atenção no
que respeita às interações (lideranças-professores e famílias, professores-alunos e alunos-alunos) que se
venham a estabelecer. As mais variadas e possíveis interpretações do que se lê, a cadência, quase telegráfica
e, marcadamente, unilateral do que se ouve e a camada superficial do que se expõem a necessidade de
clareza, transparência, afeto e, sobretudo, de VERDADE na comunicação.
3 Tecnologia
Inovação tecnológica não é sinónimo de inovação pedagógica. Porém, nestes tempos de pandemia, a
tecnologia tem-se revelado tábua de salvação para a pedagogia possível. Diversos são os canais ao serviço da
instrução, estimulação e socialização. Procure-se, então, o equilíbrio na materialização desta tríade e afaste-
se o risco da dispersão por aplicações e plataformas, sob pena de permanecermos reféns das coisas e à
distância das aprendizagens.
4 Ofícios do professor, do aluno e das famílias
Mudam-se os contextos, mudam-se os modos, mudam-se os meios. Mantêm-se os papéis?
O aumento súbito da porosidade das fronteiras das salas de aula torna-as demasiado permeáveis a expetativas,
juízos de valor e interferências de outros agentes. Vivencia-se o dilema do tudo dizer (professor-mestre) e do
tudo ouvir (aluno-discípulo), em paralelo com a tónica construtivista do professor facilitador das aprendizagens
e do aluno ativo, detentor de maior autonomia e capacidade de descoberta na aprendizagem das coisas.
Respeitem-se as fronteiras e os intervenientes, explorem-se novos papéis, tolere-se a imperfeição.
5 Estratégias de ensino-aprendizagem
Não existe a estratégia de ensino-aprendizagem mais eficaz. A escolha do método encontra-se dependente
das aprendizagens a alcançar. Nesse sentido e, parafraseando Mia Couto, deve preocupar-nos fazer estrada
para que o aluno evolua, mediante a diversificação de meios e modos. Igualmente difícil é criar rotinas,
essenciais à aprendizagem, num regime de ensino que depressa conduz ao marasmo, em que o que funciona
bem com uma turma/aluno pode não funcionar com outra/outro; em que o que hoje traz satisfação e
segurança, amanhã pode traduzir-se em frustração. Assim, é prioritário perspetivar o que se pretende que o
aluno aprenda e, em função disso, delinear e acionar as técnicas e estratégias mais adequadas. Evite-se,
portanto, o vazio do mero ligar da câmara e os excessos de um ensino fogo-de-artifício.
6 Avaliação
A avaliação, nas suas múltiplas faces, corresponde a um dos pontos-chave de qualquer sistema educativo. No
regime on-line ampliam-se os problemas em torno da validade e da fiabilidade dos instrumentos de avaliação
e, consequentemente, dos resultados obtidos e do conhecimento construído. Nem uma avaliação
marcadamente formativa, com enfoque na oralidade parece neutralizar o xico-espertismo da ocasião, dada a
sua imersão num paradigma, globalmente, quantitativo e certificador. Busque-se a triangulação de dados,
assente num equilíbrio difícil entre a economia de tempo, de recursos e de feedback, tendo em vista a
monitorização dos impactos e a melhoria da qualidade das aprendizagens.
7 Afetividade
A pandemia confinou abraços, ocultou sorrisos, cristalizou empregos, matematizou mortes.
A pessoa que habita nos alunos e nos professores não pode, por isso, ser indiferente à realidade social, até
porque dela faz parte. Quantos professores, alunos e famílias viram o seu mundo virado do avesso? Mimetizar
a escola pré-COVID, em pleno combate, é, pois, cultivar uma lógica faz-de-conta com repercussões a nível
académico, mas também a nível pessoal e emocional.
Não ignoremos o óbvio, não nos escudemos com tecnicismo. Cultivemos a gestão de emoções, fundamental
para o equilíbrio e desenvolvimento humano.
8 Reflexão
Uma ação concertada sustenta-se num saber estruturado, prudencial e que continuamente se interroga. A
metacognição permite compreender os fatores responsáveis por uma dada situação, evitando juízos
precipitados e comportamentos impulsivos. Preservemos, assim, a vontade de conversar e a capacidade de
nos colocarmos no lugar de um outro, sobretudo nesta fase, em que o olho no olho foi substituído pelo
espreitar a partir de uma janela.
9 Colaboração
A colaboração pode ser vista, simultaneamente, como estratégia e desafio. Estratégia para o alívio da carga de
trabalho associado à elaboração de recursos didáticos, para a partilha de experiências, para um aumento da
capacidade de resolução de problemas, para uma maior segurança na tomada de decisões; Desafio pois se
enquanto cultura profissional docente, em regime presencial, apresenta uma ampla margem de melhoria, à
distância, em virtude das interações ad-hoc, incorre no risco de se tornar residual, face ao isolamento e à
balcanização.
10 Liderança
Em tempos tão críticos como estes, as organizações escolares devem procurar adotar estruturas dotadas de
uma maior fluidez, colocar em prática modelos centrados no trabalho em rede e tirar partido das capabilidades
das pessoas que as compõem. Esta Liderança, claramente, situacional deve colocar as aprendizagens no centro
da tomada de decisões e tornar-se mais distribuída, pois o trabalho a distância, ao limitar as interações sociais,
exige níveis de autodisciplina, apenas alcançáveis, quando a pessoa é um agente ativo num compromisso
coletivo.
Helder Martins
fevereiro 2021
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
ResearchGate has not been able to resolve any references for this publication.