ArticlePDF Available

Abstract

From November 2019 to August 2020, a data collection was carried out in the Google Scholar, Base de Dados Referenciais de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação and Scielo knowledge bases, in order to know the Brazilian scientific production on Business Process Management theme. The scope is delimited to search for articles in Portuguese language, published in scientific journals, or in proceedings of scientific congress. The search resulted in 98 scientific communications, of which 56 were discarded, as these are other types of works, in addition to the disposal of articles recovered in a foreign language. Thus, 42 scientific publications were analyzed. As a result, there was a greater number of publications on Business Process Management in 2014. However, there is a growing trend of publications on Business Process Management. Among the frequently used keywords are Business Process Management and Business Process Management System. Regarding the authorship of the analyzed articles, the author Elisângela Cristina Aganette of the Federal University of Minas Gerais stands out among the 10 authors that most publish articles on Business Process Management. The University of São Paulo stands out as the institution with the highest number of authors. Regarding the theoretical frameworks to support research, Davenport is the most cited author with 36 citations in articles. In addition, the trio formed by Davenport, Hammer, and Champy are the authors who have reference works that serve as a subsidy for Brazilian research on the subject of Business Process Management.
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
55
COMUNICAÇÕES CIENTÍFICAS SOBRE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT: uma
análise estatística sobre as produções científicas brasileiras
1
E-mail:
nadynne.arq@gmail.com
cristina.tamilinha@gmail.com
deassis@ufpa.br
Nadynne Cristinne da Silva Gonçalves2, Camila Cristina Vieira Serrão3,
Fernando de Assis Rodrigues4
RESUMO
Com o objetivo de conhecer a produção científica acerca do tema Business Process Management, durante
o período de novembro de 2019 a agosto de 2020, realizou-se uma coleta de dados nas bases de
conhecimento Google Acadêmico, Base de Dados Referenciais de Artigos de Periódicos em Ciência da
Informação e Scielo, buscando por artigos em língua portuguesa publicados em periódicos científicos ou
em anais de congresso científico. A busca resultou em 98 comunicações científicas, das quais 56 foram
descartadas, pois trata-se de outros tipos de obras, além do descarte de artigos recuperados em língua
estrangeira. Desta forma, 42 publicações científicas foram analisadas. Como resultado, observou-se um
maior número de publicações sobre Business Process Management durante o ano de 2014. Contudo,
uma tendência de crescimento de publicações acerca do Business Process Management. Entre as
palavras-chave frequentemente utilizadas destaca-se Business Process Management e Business Process
Management System. Em relação a autoria dos artigos analisados, a autora Elisângela Cristina Aganette
da Universidade Federal de Minas Gerais destaca-se entre os 10 autores que mais publicam artigos sobre
Business Process Management. Destaca-se a Universidade de São Paulo como a instituição com maior
vinculação de autores. Em relação aos referenciais teóricos para a sustentação das pesquisas, Davenport é
o autor mais citado com 36 citações em artigos. Além disso, o trio formado por Davenport, Hammer e
Champy são os principais autores que possuem obras de referência que servem de subsídio para as
pesquisas brasileiras acerca da temática Business Process Management.
Palavras-chave: Business Process Management. Business Process Management System. Cienciometria.
ABSTRACT
From November 2019 to August 2020, a data collection was carried out in the Google Scholar, Base de
Dados Referenciais de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação and Scielo knowledge bases, in
order to know the Brazilian scientific production on Business Process Management theme. The scope is
delimited to search for articles in Portuguese language, published in scientific journals, or in proceedings
of scientific congress. The search resulted in 98 scientific communications, of which 56 were discarded,
as these are other types of works, in addition to the disposal of articles recovered in a foreign language.
Thus, 42 scientific publications were analyzed. As a result, there was a greater number of publications on
Business Process Management in 2014. However, there is a growing trend of publications on Business
Process Management. Among the frequently used keywords are Business Process Management and
Business Process Management System. Regarding the authorship of the analyzed articles, the author
Elisângela Cristina Aganette of the Federal University of Minas Gerais stands out among the 10 authors
1
Esta pesquisa recebeu apoio institucional de C&T da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPESP) da
Universidade Federal da Pará (UFPA), na modalidade Programa de Apoio ao Doutor Pesquisador PRODOUTOR
(Edital 07/2019).
2
Universidade Federal do Pará. https://orcid.org/0000-0001-8913-4416
3
Universidade Federal do Pará. https://orcid.org/0000-0001-8932-026X
4
Universidade Federal do Pará. https://orcid.org/0000-0001-9634-1202
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
56
that most publish articles on Business Process Management. The University of São Paulo stands out as
the institution with the highest number of authors. Regarding the theoretical frameworks to support
research, Davenport is the most cited author with 36 citations in articles. In addition, the trio formed by
Davenport, Hammer, and Champy are the authors who have reference works that serve as a subsidy for
Brazilian research on the subject of Business Process Management.
Keywords: Business Process Management. Business Process Management System. Scientometrics.
INTRODUÇÃO
Esta pesquisa tem como objetivo identificar estudos que versam sobre a temática de
Business Process Management (BPM). Para tanto, foi utilizada análise em um domínio
específico a partir das principais comunicações científicas indexadas em bases de conhecimento,
com a aplicação de uma análise bidimensional: de informações sobre as comunicações
científicas, locais de publicação e dos autores, e das referências utilizadas.
A coleta de dados desta pesquisa foi realizada entre os meses de novembro de 2019 e
agosto de 2020, por meio das interfaces de busca disponíveis em bases de conhecimento. Em um
segundo momento, optou-se por pesquisar informações complementares sobre autores e
referências, por meio de pesquisa em mecanismos de busca, com a estratégia de relacionar
nomes e títulos das comunicações científicas, bem como para identificar elementos das
referências.
Como estratégia de busca, utilizou-se os termos “BPM” e “Business Process
Management” nas opções de busca avançada. O universo de pesquisa foram comunicações
científicas indexadas nas bases de conhecimento: Google Acadêmico, Base de Dados
Referenciais de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação (BRAPCI) e Scielo. A escolha
destas bases de conhecimento derivou do fechamento de escopo em resultados existentes em 3
(três) dos principais indexadores de comunicações científicas em língua portuguesa que contém
produções da área de conhecimento Ciências Sociais Aplicadas, subárea Comunicação e
Informação - áreas definidas
5
pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível
Superior (CAPES).
Como amostra, definiu-se um recorte baseado na ordem de classificação dos índices para
as comunicações científicas com a análise de, no máximo, 75 (setenta e cinco) comunicações
científicas para cada base de conhecimento, optando por analisar apenas comunicações
científicas publicadas em periódicos científicos ou em anais de congressos científicos. Foram
descartados os demais tipos de comunicação científica, bem como comunicações científicas
acessíveis apenas por meio de pagamento de taxas de acesso, exceto aquelas que são permitidas
o acesso via Portal de Periódicos da CAPES.
Foi elaborado um banco de dados para apoiar o processo de coleta e processamento dos
dados. O banco de dados foi dividido em 3 (três) tabelas. A primeira tabela, denominada
“levantamento inicial para a coleta de dados” para o armazenamento de informações sobre as
comunicações científicas recuperadas, contendo os atributos: número de identificação (chave
primária artificial, de auto incremento e única), campo booleano para sinalização se a
comunicação científica irá para análise, data da coleta das informações sobre a comunicação
5
A lista completa de áreas do conhecimento proposta pela CAPES está disponível em
<https://www.capes.gov.br/avaliacao/sobre-as-areas-de-avaliacao>. Acesso em 08 de ago. de 2020.
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
57
científica, base de conhecimento que indexou-a, posição na classificação no índice da base de
conhecimento, tipo de comunicação científica, título da comunicação científica, nome dos
autores, vínculo (hyperlink) para acessar a comunicação científica e campo para observações.
A segunda tabela é denominada “análise de autoria e local de publicação”, contendo
informações sobre os autores e com os seguintes atributos: número de identificação da
comunicação científica, nome dos autores, afiliação institucional, título do evento ou do
periódico em que foi publicado, ano de publicação, volume e número (no caso de artigo em
periódico), edição do evento (no caso de anais de congresso), página inicial, página final,
International Standard Serial Number (ISSN), International Standard Book Number (ISBN),
Digital Object Identifier (DOI), resumo e palavras-chave.
A terceira tabela contém informações sobre as referências de cada comunicação
científica, denominada como “referências”, contendo os atributos: número de identificação da
comunicação científica, referência, autores da referência, título da referência e tipo de
documento.
Estas 3 (três) tabelas foram exportadas para o padrão Comma-Separated Values (CSV) e
foi desenvolvido pelos autores um algoritmo para processamento dos dados coletados na
linguagem R. O algoritmo tem como objetivo: a) quantidade de resultados analisados; b)
eliminar comunicações científicas repetidas (que são indexadas mais de uma vez); c) quantidade
de publicações em periódicos científicos com ISSN; d) quantidade de publicações em anais com
ISBN vinculado; e) quantidade de comunicações científicas com DOI; f) distribuição das
comunicações científicas nos locais de publicação, separando os periódicos dos anais; g)
distribuição das comunicações científicas pelo ano de publicação, incluindo o cálculo do
coeficiente de determinação (R²) para a formação de linha de tendência; h) classificação dos
termos utilizadas nas palavras-chave; i) classificação dos autores com mais produções na
amostra; j) classificação dos vínculos institucionais mais recorrentes na amostra; k) a
classificação dos autores mais citados nas referências das comunicações científicas analisadas, e;
l) geração de matriz bidimensional de relações entre as referências bibliográficas das
comunicações científicas, incluindo a formação da rede de relações dos autores das referências a
partir do cálculo de peso das relações, e a somatória do valor de relações entre autores.
2 BUSINESS PROCESS MANAGEMENT
O BPM ficou conhecido internacionalmente a partir da contribuição literária lançada em
2003 "Business Process Management: The Third Wave" onde os pesquisadores Peter Fingar e
Howard Smith revisam as metodologias antigas sobre otimização de processos, como a
reengenharia de processos
6
proposta por Hammer e Champy (1994).
A partir da publicação do livro os autores Fingar e Smith impulsionaram o modelo BPM,
o qual é definido como um modelo de gerenciamento de negócios que permite às organizações
realizarem a modelagem de seus processos para que possam administrá-los de forma
transparente, testar múltiplas variações de aplicação do BPM, gerenciar mudanças e verificar os
resultados das análises dos processos com rapidez (SMITH; FINGAR, 2007).
6
A Reengenharia é uma estratégia de Gestão de Negócios e tem como objetivo a reestruturação dos processos
empresariais. Neto e Junior (2008) enfatizam que a reengenharia de processo não foi amplamente aceita em razão da
complexidade de implementação e por mudar radicalmente os processos de negócios, desconsiderando os benefícios
dos processos já existente.
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
58
O BPM “[...] utiliza métodos, técnicas e ferramentas com o intuito de aperfeiçoar os
resultados obtidos pelas organizações através da melhoria dos seus processos” (DANDA, 2011,
p. 1). Além disso, a metodologia BPM tem sido frequentemente utilizada por conta do seu
potencial para reduzir custos e aumentar a produtividade nas organizações (BARROS; SASSI,
2015). Camargo (2017) explica que o BPM possui uma abordagem flexível que pode ser
adaptado às necessidades e realidades de cada instituição, alinhando seus objetivos de forma
estratégica e alcançar os resultados. Assim, cabe à instituição definir o seu próprio modelo de
gestão a partir de sua estrutura administrativa e ferramentas tecnológicas já estabelecidas.
Com o propósito de esclarecer como funciona a operacionalização do BPM, a Association
for Business Process Management Professionals
7
(ABPMP) elaborou o Guia para
Gerenciamento de Processo de Negócio Corpo Comum de Conhecimento (conhecido pelo seu
acrônimo na língua inglesa BPM CBOK) que se destaca por ser reconhecido internacionalmente,
e que determinam as diretrizes para o gerenciamento de processos e para auxiliar o uso e o
aprimoramento das ferramentas de gerenciamento e implantação do BPM (CAMARGO, 2017).
No guia BPM CBOK são apresentadas 6 (seis) etapas para gerenciar o ciclo de vida dos
processos, com a finalidade de obter melhores resultados na implementação do BPM. As etapas
são:
1. Planejamento: Onde são definidas as atividades de BPM que auxiliarão no alcance das
metas pretendidas. Atividades que inclui definir estratégias, compreender o ambiente
interno e externo à organização, estabelecer metas e quais metodologias serão utilizadas;
2. Análise: Etapa focada na compreensão dos processos da organização, na análise dos
resultados em relação aos objetivos estabelecidos e nas falhas identificadas que
prejudicam o desempenho do processo, visando identificar possíveis melhorias;
3. Desenho e Modelagem: Nesta etapa são criadas representações gráficas de processos
novos ou existentes com propostas de melhorias tendo como base a análise anteriormente
realizada. As metas pretendidas são formalmente documentadas para posterior
implementação;
4. Implementação: Consiste em colocar em prática, na forma de fluxo de trabalho, o projeto
aprovado;
5. Monitoramento: É a atividade que visa acompanhar o desempenho dos processos,
verificar a efetividade das mudanças propostas, a presença de falhas e analisar se as
metas estabelecidas estão sendo atendidas;
6. Refinamento: Atividade que busca otimizar o processo, corrigir falhas e melhorar o
desempenho.
Do guia BPM CBOK (ABPMP, 2003) pode-se destacar ainda os benefícios e
beneficiados com a implementação de BPM em uma organização. Os principais beneficiados
são: a organização e o cliente. Como benefícios à organização destaca-se: a) possibilidade de
definir claramente as responsabilidades de setores e agentes, assegurando o compromisso ao
longo do processo; b) conhecer detalhadamente as atividades do processo e acompanhar o
desempenho da empresa; c) auxiliar no controle da qualidade, redução de custos de tempo e
financeiro. Para o cliente, ajuda na otimização e melhoria dos processos, reduzindo custos e
melhorando a qualidade de produtos e serviços.
7
É uma organização internacional, sem fins lucrativos, de profissionais de Gerenciamento de Processos de Negócio
(BPM). Fundada no Brasil em 2008 a ABPMP se dedica à difundir a importância, conceitos e práticas do BPM.
(ABPMP BRASIL, 2008).
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
59
O surgimento do BPM também refletiu na academia, onde estudos científicos de diversas
áreas do conhecimento procuram compreender este fenômeno. Nesse sentido, a próxima seção
apresenta os dados coletados sobre as produções científicas de BPM.
3 RESULTADOS E DISCUSSÃO
Foram coletados 98 (noventa e oito) comunicações a partir dos parâmetros utilizados na
estratégia busca. Destes resultados, descartou-se 47 (quarenta e sete) resultados, por se tratarem
de artigos publicados em periódicos científicos e em anais de congresso em língua estrangeira
(quinze resultados) e outros tipos de materiais acadêmicos (trinta e dois resultados). Após a
aplicação das regras de descarte, foram analisados 51 (cinquenta e um) comunicações. Nestes
resultados, descartou-se 9 (nove) comunicações científicas, por serem produções repetidas
indexadas por diferentes bases de conhecimento
8
.
O corpus documental analisado foi formado pelo conjunto de 42 (quarenta e duas)
comunicações científicas, sendo 29 (vinte e nove) artigos publicados em periódicos científicos e
13 (treze) comunicações científicas em anais de congresso.
Todas as publicações em periódicos científicos possuem um ISSN vinculado e 19 (dezenove)
artigos possuem um DOI, representando aproximadamente 65,52% (sessenta e cinco por cento e
cinquenta e dois décimos) do total de artigos.
Das comunicações científicas em anais de congresso, 3 (três) possuem ISSN vinculado e
apenas 1 (um) possui DOI. A existência do ISSN possui uma representatividade de
aproximadamente 23,10% (vinte e três por cento e um décimo) da quantidade de comunicações
científicas e, pelo volume analisado, estas quantidades não possuem quantidade percentual
significativa com relação ao DOI.
As comunicações científicas estão distribuídas em 31 (trinta e um) anais ou periódicos
científicos, sendo que 7 (sete) destes possuem mais de uma comunicação científica publicada,
sendo 5 (cinco) periódicos científicos e 2 (dois) anais de congresso (Gráfico 1).
Gráfico 1 - Locais que foram publicadas mais de uma (n >1) comunicações científicas analisadas
Fonte: Autores.
8
Este fenômeno acontece ocasionalmente, pois algumas comunicações científicas são indexadas de forma bilíngue -
pelo título em idiomas distintos, pelos mecanismos de busca das bases de conhecimento. Todavia, ao clicar no
resultado, o hyperlink de destino é o mesmo.
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
60
Com relação aos anos de publicações todas as comunicações científicas analisadas foram
publicadas entre os anos 2003 e 2019. O Gráfico 2 apresenta a distribuição das comunicações
científicas em seus anos de publicação, por quantidade, e inclui a linha de tendência, calculada
de forma exponencial. O coeficiente de determinação (R²) foi de 0,083.
Gráfico 2 - Quantidade de Comunicações Científicas distribuídas pelo Ano de Publicação
Fonte: Autores.
Com relação às palavras-chave utilizadas nas comunicações científicas, verificou-se que
4 (quatro) comunicações científicas não possuíam palavras-chave relacionadas, todas elas
publicadas em anais de congresso. Os termos encontrados foram normalizados (e.g. siglas e
acrônimos foram colocados por extenso), contabilizando 102 (cento e duas) palavras-chave. Um
total de 20 (vinte) termos foram identificados com mais de uma ocorrência nas comunicações
científicas (Tabela 1).
Tabela 1 -Termos nas palavras-chave com mais de uma ocorrência (n > 1)
#
Palavra-chave (termo)
Ocorrên
cias
#
Palavra-chave
(termo)
Ocorrên
cias
1
BUSINESS PROCESS
MANAGEMENT
13
11
GERENCIAMENTO
DO PROCESSO DE
NEGÓCIO
2
2
GESTÃO POR PROCESSOS
8
12
GESTÃO DE
DOCUMENTOS
2
3
BUSINESS PROCESS
MANAGEMENT SYSTEM
7
13
GESTÃO DE
PROCESSOS
2
4
GESTÃO DO
CONHECIMENTO
6
14
GESTÃO DE
PROCESSOS DE
NEGÓCIO
2
5
GERENCIAMENTO DE
5
15
MAPEAMENTO DE
2
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
61
PROCESSOS DE NEGÓCIO
PROCESSOS
6
GESTÃO DE PROCESSOS DE
NEGÓCIOS
3
16
PROCESSOS
2
7
ADMINISTRAÇÃO
2
17
PROCESSOS DE
NEGÓCIO
2
8
ARQUITETURA ORIENTADA
A SERVIÇOS
2
18
QUALIDADE
2
9
ARQUIVOLOGIA
2
19
SETOR PÚBLICO
2
10
FLUXOS DE INFORMAÇÃO
2
20
WORKFLOW
2
Fonte: Autores.
Entre as palavras-chave mais utilizadas nas comunicações científicas analisadas
destacam-se as 6 (seis) primeiras, contendo mais de 2 (duas) ocorrências: “1 - Business Process
Management” identificado em 13 (treze) das 42 (quarenta e duas) comunicações e 3 - Business
Process Management System vinculadas em 7 (sete) das 42 publicações. A presença destes
termos demonstram que as comunicações científicas sobre BPM utilizam-os de forma recorrente
como palavras-chave, reforçando a aderência destas obras com o tema.
Além disso, há o uso frequente de palavras-chave que referenciam conceitos relacionados
ao BPM: “2 - Gestão por Processos” com 8 (oito) ocorrências; “4 - Gestão do Conhecimento”
com 6 (seis) ocorrências; “5 - Gerenciamento de Processos de Negócio”, em 5 (cinco) dos 42
estudos analisados; e “6 - Gestão de Processos de Negócios”, presente em 3 comunicações das
42 pesquisas analisadas.
Tabela 2 - Autores com mais de uma ocorrência (n > 1)
#
Autor
Ocorrên
cias
#
Autor
Ocorrê
ncias
1
ELISÂNGELA CRISTINA
AGANETTE
3
6
GEORGE LEAL JAMIL
2
2
JOSÉ OSVALDO DE
SORDI
3
7
JULIANA AMARAL
BARONI CARVALHO
2
3
ALESSANDRO MARCUS
AFONSO DE OLIVEIRA
2
8
LIANE MAHLMANN
KIPPER
2
4
BENILDES COURA
MOREIRA DOS SANTOS
MACULAN
2
9
RODRIGO BARONI DE
CARVALHO
2
5
ELPÍDIO OSCAR
BENITEZ NARA
2
10
SILVIA INÊS
DALLAVALLE DE
PÁDUA
2
Fonte: Autores.
Com relação a autoria das comunicações científicas, foram identificados 112 (cento e
doze) autores, sendo que um total de 10 (dez) autores possuem mais de uma comunicação
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
62
científica no conjunto de documentos analisado (Tabela 2): 2 (dois) autores com 3 (três)
ocorrências e 8 (oito) com 2 (duas) ocorrências.
Quanto aos autores que mais publicaram comunicações científicas sobre BPM, destacam-
se os autores: Elisângela Cristina Aganette e José Osvaldo de Sordi. Buscando compreender
acerca da produção científica destes autores, realizou-se uma busca de seus currículos
acadêmicos na Plataforma Lattes. A primeira autora está vinculada à Universidade Federal de
Minas Gerais (UFMG), coordena projetos de extensão e de pesquisa acerca da temática BPM, e
orienta discentes de graduação, mestrado e doutorado com pesquisas sobre. Possui artigos
publicados em periódicos científicos e em anais de congresso também sobre BPM e atua como
consultora especialista em mapeamento de processos e em Business Process Modeling (BPM).
O segundo autor está vinculado à Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) onde
ministra disciplina de gestão por processos. Coordenou projetos de pesquisa sobre práticas de
gestão por processos, é autor do livro “Gestão por Processos: uma abordagem da moderna
administração” e orientou discentes de graduação e mestrado com pesquisas voltadas à gestão de
processos de negócios.
Vinculados aos autores, foram identificadas 35 (trinta e cinco) instituições de ensino
superior, sendo que apenas 1 (uma) é estrangeira: a Universidade de Michigan, com apenas 1
(uma) ocorrência. Destas instituições, um total de 21 (vinte e uma) instituições são mencionadas
mais de 1 (uma) vez, conforme ilustrado na Tabela 3.
Tabela 3 - Instituições mencionadas em mais de uma ocorrência (n > 1)
#
Instituição
Ocorrê
ncias
#
Instituição
Ocorrê
ncias
1
UNIVERSIDADE DE SÃO
PAULO
18
12
UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SANTA
MARIA
4
2
UNIVERSIDADE FEDERAL
DE MINAS GERAIS
16
13
UNIVERSIDADE
FEDERAL DO RIO
GRANDE DO NORTE
4
3
UNIVERSIDADE DE
SANTA CRUZ DO SUL
9
14
UNIVERSIDADE
FEDERAL DO RIO
GRANDE DO SUL
4
4
UNIVERSIDADE FEDERAL
DO RIO DE JANEIRO
9
15
UNIVERSIDADE NOVE
DE JULHO
3
5
UNIVERSIDADE FEDERAL
DA BAHIA
5
16
CENTRO
UNIVERSITÁRIO DE
BRASÍLIA
2
6
UNIVERSIDADE FEDERAL
DE PERNAMBUCO
5
17
CENTRO
UNIVERSITÁRIO PADRE
ANCHIETA
2
7
UNIVERSIDADE FEDERAL
DE SANTA CATARINA
5
18
FUNDAÇÃO PEDRO
LEOPOLDO
2
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
63
8
UNIVERSIDADE FEDERAL
DO ESPÍRITO SANTO
5
19
UNIVERSIDADE DE
FORTALEZA
2
9
PONTIFÍCIA
UNIVERSIDADE
CATÓLICA DE MINAS
GERAIS
4
20
UNIVERSIDADE
FEDERAL RURAL DO
RIO DE JANEIRO
2
10
UNIVERSIDADE
CATÓLICA DE SANTOS
4
21
UNIVERSIDADE
METODISTA DE
PIRACICABA
2
11
UNIVERSIDADE FEDERAL
DA PARAÍBA
4
-
-
-
Fonte: Autores.
Entre as instituições vinculadas aos autores destaca-se a presença de 12 (doze)
Instituições Públicas, sendo 11 (onze) Instituições Federais e 1 (uma) Instituição Estadual, além
de 4 (quatro) Instituições Particulares, 2 (duas) Instituições Comunitárias e 3 (três) Instituições
Filantrópicas - todas brasileiras, dentro do espectro lusófono.
A quantidade de referências encontradas nas comunicações científicas analisadas foi de
1303. A quantidade de autores encontrados nestas referências foi de: 1259. Foi aplicada a Lei do
Elitismo de Price como quantificador da elite, ou seja, para computar a quantidade de autores
mais referenciados nas comunicações científicas. Esta lei estabelece que a quantidade de autores
a ser analisada é resultado da raiz quadrada da quantidade autores encontrada nas referências, no
caso √1258, onde o resultado é de aproximadamente 35,4682957019364 autores.
A raiz quadrada da quantidade de Autores das Referências arredondada para cima é de
36. Foram adicionados mais 3 (três) autores, pois a citação desses autores era igual do 36º e,
portanto, foram analisados 39 autores citados nas referências (Tabela 4).
Tabela 4 - Autores das referências x quantidade citações nas comunicações científicas analisadas
#
Autor
Quantida
de de
Citações
#
Autor
Quantidade
de Citações
1
DAVENPORT, T. H.
36
21
YIN, R. K.
11
2
HAMMER, M.
33
22
GIL, A. C.
10
3
VAN DER AALST, W.
M. P.
28
23
NONAKA, I.
10
4
BRASIL
22
24
VALLE, R.
10
5
CHAMPY, J.
22
25
REIJERS, H. A.
9
6
GONÇALVES, J. E. L.
18
26
TRKMAN, P.
9
7
ABPMP
17
27
BAX, M. P.
8
8
DE SORDI, J. O.
16
28
CARDOSO, J.
8
9
SMITH, H.
15
29
CARDOSO, V.
8
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
64
10
AGANETTE, E.
14
30
CLEMENTE, R.
8
11
HOLLINGSWORTH, D.
14
31
FINGAR, P.
8
12
TEIXEIRA, L. M. D.
14
32
JENNINGS, N. R.
8
13
ARMISTEAD, C.
13
33
KIPPER, L. M.
8
14
PAIM, R.
13
34
MENDLING, J.
8
15
ZAIRI, M.
13
35
NARA, E. O. B.
8
16
HARRINGTON, H. J.
12
36
RECKER, J.
8
17
BALDAM, R.
11
37
ROSEMANN, M.
8
18
CRUZ, T.
11
38
SONG, M.
8
19
OLIVEIRA, S. B.
11
39
WHITE, S. A.
8
20
CAULLIRAUX, H.
10
-
-
-
Fonte: Autores.
Dos autores mais citados apresentados na Tabela 4, destaca-se os autores que possuem
mais de 20 (vinte) citações, neste caso os 5 (cinco) primeiros autores. Thomas H. Davenport
lidera com 36 citações e está vinculado à Babson College, localizada nos Estados Unidos da
América (EUA). Michael Hammer, com 33 (trinta e três) citações, foi fundador da empresa
Hammer and Company, localizada nos EUA, onde contribui com pesquisas na área de negócios
até o seu falecimento em 2008. Will M. P. Van Der Aalst com 28 (vinte e oito) citações, está
vinculado à Rheinisch-Westfälische Technische Hochschule Aachen University, localizada na
Alemanha.
O Brasil aparece com 22 (vinte e duas) citações de autoria institucional, trata-se de leis e
documentos governamentais que pesquisadores de BPM geralmente utilizam como parte da
fundamentação teórica em suas pesquisas. James Champy, vinculado ao Instituto de Tecnologia
de Massachusetts nos EUA, possui 22 citações nos artigos analisados.
Foi gerada uma matriz bidimensional de relações entre os autores das referências
analisadas. As relações entre as referências foram estabelecidas a partir das comunicações
científicas. É definido que há relação (R) entre dois autores das referências (a1 e a2), se e
somente se, as referências destes autores são citadas (estão contidas) na mesma comunicação
científica (P1), expressado por meio da fórmula
𝑅(𝑎1, 𝑎2) ↔ 𝑎 ∃ 𝑃1
Após a definição da relação, utilizou-se o total de vezes que dois autores das referências
se relacionam como forma de gradação para definir quão forte é a relação entre si. Por exemplo,
se os autores das referências a1 e a2 são citados em 10 (dez) comunicações científicas
analisadas, o valor é 10. Se os autores das referências a1 e a3 são citados em 5 (cinco)
comunicações científicas analisadas, o valor da relação é de 5.
A matriz bidimensional de relações entre os autores das referências serviu como matéria
prima para dois subprodutos para análise: a) as relações entre a elite que ampara os estudos de
BPM, e b) somatória do valor de relações entre um autor e os demais pares da rede para
definição do peso do autor na rede.
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
65
Gráfico 3 - Representação gráfica das relações entre autores das referências dos artigos
analisados
Fonte: Autores.
Após a definição das relações entre autores (Gráfico 3), foi realizada a somatória dos
valores da relação de um autor com os demais, gerando um valor que representa o peso que o
autor possui na rede. Nesse sentido, quão maior total, mais o autor se relaciona com os pares da
rede, apresentando um efeito gravitacional que o coloca no centro dos relacionamentos
(denominado como centróides).
Tabela 5 - Somatória do valor de relações entre 1 autor e os demais pares
#
Autor
Total
#
Autor
Total
1
DAVENPORT, T.
H.
220
21
AGANETTE, E.
19
2
HAMMER, M.
185
22
GIL, A. C.
19
3
CHAMPY, J.
122
23
CRUZ, T.
16
4
ABPMP
86
24
YIN, R. K.
16
5
SMITH, H.
81
25
TEIXEIRA, L. M.
D.
15
6
GONÇALVES, J. E.
L.
78
26
CARDOSO, J.
14
7
VAN DER AALST,
W. M. P.
78
27
FINGAR, P.
13
8
DE SORDI, J. O.
67
28
CARDOSO, V.
12
9
BRASIL
64
29
JENNINGS, N. R.
8
10
HARRINGTON, H.
J.
52
30
MENDLING, J.
6
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
66
11
PAIM, R.
51
31
CLEMENTE, R.
5
12
OLIVEIRA, S. B.
42
32
RECKER, J.
5
13
ZAIRI, M.
40
33
NONAKA, I.
4
14
ARMISTEAD, C.
38
34
BAX, M. P.
3
15
BALDAM, R.
32
35
ROSEMANN, M.
2
16
VALLE, R.
29
36
KIPPER, L. M.
1
17
TRKMAN, P.
25
37
NARA, E. O. B.
0
18
CAULLIRAUX, H.
24
38
SONG, M.
0
19
HOLLINGSWORT
H, D.
22
39
WHITE, S. A.
0
20
REIJERS, H. A.
20
-
-
-
Fonte: Autores.
Nota-se que após uma reestruturação das informações sobre autores mais citados em uma
rede que permita inferir as relações entre eles, identificando e atribuindo pesos nas suas relações,
verificou-se ao centro do Gráfico 3 uma forma geométrica triangular - irregular - formada por 3
(três) autores que possuem mais relações com os demais pares, sendo eles: Thomas. H.
Davenport, Michael Hammer e James Champy. Isso demonstra a influência das pesquisas desses
3 (três) autores como material de referência e aportes teóricos para subsidiar as pesquisas sobre
BPM publicadas no Brasil e em países lusófonos.
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
O BPM é um tema com pesquisas recorrentes no Brasil e, embora o período de 2015 a
2019 apresente um número menor de publicações em relação ao período de 2010 a 2014
(Gráfico 2), é possível perceber uma tendência de crescimento de pesquisas sobre BPM.
A presença das palavras-chave Business Process Management” e “Business Process
Management System” são termos que de fato definem o conteúdo das comunicações analisadas,
reforçando que tratam-se de pesquisas centradas neste domínio de estudo, além da presença dos
termos “Gestão por Processos”, “Gestão do Conhecimento”, “Gerenciamento de Processos de
Negócio” e “Gestão de Processos de Negócios”.
Em relação a autoria dos artigos, observou-se que, apesar do extenso currículo do autor
José Osvaldo De Sordi, a autora Elisângela Cristina Aganette foi a que mais publicou artigos
sobre BPM. Entretanto, o autor De Sordi aparece como o oitavo autor mais citado em artigos
científicos, enquanto Aganette ocupa a décima posição.
Quantos às instituições identificou-se uma presença maior de instituições públicas com
pesquisas acerca do BPM, destacando-se a Universidade de São Paulo e a Universidade de
Minas Gerais.
No caso das referências que subsidiam estas pesquisas, entre os autores mais citados 3
(três) possuem vínculo em instituições internacionais, sendo 2 (duas) estadunidenses e 1 (uma)
alemã. Dos 4 (quatro) principais autores apenas 1 (um) é nacional, dado a presença de
legislações brasileiras citadas nas pesquisas analisadas que colocou o Brasil na terceira posição
dos autores mais citados. Os resultados apresentados no Gráfico 3 e na Tabela 5 mostram a
Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 15, n. 3, p.55-067, 2020.
67
influência de Davenport, Hammer e Champy como autores mais importantes para fundamentar
pesquisas sobre BPM.
Como trabalhos futuros, entende-se que o BPM pode ser relacionado de forma mais
aprofundada com a Ciência da Informação, Arquivologia e Biblioteconomia, principalmente por
ser um tema vinculado à Gestão do Conhecimento, que inclusive é uma das palavras-chave mais
utilizada para indexação dos trabalhos publicados acerca desta temática.
REFERÊNCIAS
ASSOCIATION OF BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROFESSIONALS (ABPMP)
BRASIL, 2008. Sobre a ABPM. Disponível em: https://www.abpmp-br.org/. Acesso em: 16
ago. 2020
ASSOCIATION OF BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROFESSIONALS (ABPMP).
Guia para o gerenciamento de processos de negócio: corpo comum de conhecimento (BPM
CBOK). versão 3.0. Chicago: Association of Business Process Management Professionals, 2013.
Primeira liberação em português. Disponível em:
http://ep.ifsp.edu.br/images/conteudo/documentos/biblioteca/ABPMP_CBOK_Guide__Portugue
se.pdf. Acesso em: 16 ago. 2020.
DANDA, P. Gerenciamento de processos utilizando BPM CBOK. Faculdade de Tecnologia
TecBrasil, 2011. Disponível em: https://pt.slideshare.net/petersondanda/artigo-gerenciamento-
de-processos-utilizando-bpm-cbok. Acesso em: 10 ago. 2020.
DE CAMARGO, L. S. Gestão de Processos de Negócios e Arquivos: reflexões iniciais a partir
do guia CBOK. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 7, n. 1, 2017. Disponível
em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/moci/article/view/17024 Acesso em: 10 jul. 2020.
NETO, M. V. S.; JUNIOR, J. V. M. Afinal, o que é Business Process Management (BPM)? Um
novo conceito para um novo contexto. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, v. 7, n.
2, 2008. Disponível em: http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/reinfo/article/view/53.
Acesso em: 07 abr. 2020.
TESSARI, R. Gestão de processos de negócio: um estudo de caso da BPMN em uma empresa
do setor moveleiro. 2014. Dissertação (Mestrado em Administração) - Pós-Graduação em
Administração, Universidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, 2014. Disponível em:
http://livros01.livrosgratis.com.br/cp114963.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Faculdade de Tecnologia TecBrasil
  • P Danda
  • Bpm Gerenciamento De Processos Utilizando
  • Cbok
DANDA, P. Gerenciamento de processos utilizando BPM CBOK. Faculdade de Tecnologia TecBrasil, 2011. Disponível em: https://pt.slideshare.net/petersondanda/artigo-gerenciamentode-processos-utilizando-bpm-cbok. Acesso em: 10 ago. 2020.
Afinal, o que é Business Process Management (BPM)? Um novo conceito para um novo contexto. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação
  • M V S Neto
  • J V M Junior
NETO, M. V. S.; JUNIOR, J. V. M. Afinal, o que é Business Process Management (BPM)? Um novo conceito para um novo contexto. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, v. 7, n. 2, 2008. Disponível em: http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/reinfo/article/view/53. Acesso em: 07 abr. 2020.
Gestão de processos de negócio: um estudo de caso da BPMN em uma empresa do setor moveleiro
  • R Tessari
TESSARI, R. Gestão de processos de negócio: um estudo de caso da BPMN em uma empresa do setor moveleiro. 2014. Dissertação (Mestrado em Administração) -Pós-Graduação em Administração, Universidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, 2014. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp114963.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.