PresentationPDF Available

Abstract

Algumas possibilidades de reuso de acervos digitais culturais
REUSO DE
ACERVOS
CULTURAIS
LUIS FERNANDO SAYÃO
CNEN PPGCI/IBICT-UFRJ
LUANA FARIAS SALES
AN PPGCI/PPGCI-UFRJ
ACESSO
CONVENCIONAL
O ARMAZENAMENTO DE
INFORMAÇÃO NÃO É
MEMÓRIA E NÃO
TRANSMITE
CONHECMENTO
INERCIALMENTE, PARA
ISSO SÃO NECESSÁRIAS
AÇÕES INTENCIONAIS QUE
ATIVEM A
POTENCIALIDADE DOS
ACERVOS DIGITALIZADOS
O ARMAZENAMENTO NÃO É MEMÓRIA
E NÃO TRANSMITE CONHECIMENTO...
INSTRUMENTO
CIENTÍFICO DADOS
BRUTOS PROCESSAMENTO
DOS DADOS ANÁLISE DOS
DADOS
Selecionar subset
Mesclar mútiplos datasets
Conversão
Normalização
Limpeza dos dados
COMPUTAÇÃO EM NUVEM
COMPUTAÇÃO EM GRADE
Estatísticas
Simulação
Plotagem
Visualização
Modelos
Algoritmos
Publicações
A MAIOR PARTE DOS DADOS NÃO É DIRETAMENTE ÚTIL NO MOMENTO EM QUE COLETADA
[...] É QUE MATERIAIS DIGITAIS ENCONTRAM SUAS PRÓPRIAS
COMUNIDADES INESPERADAS DE USUÁRIOS (LINCH, 2002)
DIGITALIZAÇÃO ARTEFATOS DIGITAIS
BRUTOS
ADICIONAR
VALOR
CURADORIA
DIGITAL
OUTRAS
INTERPRETAÇÕES
USO PRÉ-DEFINIDO
e ESPECIALIZADO
CURADORIA
reuso
interoperabilidade
preservação
Representação
Tecnologias digitais
Padrões
compreender o meio digital
como um facilitador de
acesso e precursor de novas
possibilidades de imersão nos
lugares de memória,
afastando-se de uma
concepção simplista do
digital como mero
repositório de
informação (REIS et al,
2016)
~
,
Linch (2002) reforça a ideia de que é necessário empacotar
os conteúdos brutos das coleções digitais de várias formas,
tais como experiências de aprendizado, exposições curadas
ou interpretações e análises, criando novos artefatos
intelectuais e serviços.
POR QUE
Os processos de digitalização permitem que os objetos
culturais digitais possam ser agregados com outros
objetos formando novos constructos, reinterpretados
em outros contextos para outros propósitos,
compartilhados, recriados, enriquecidos, anotados com
informações que podem ser compartilhadas,
incorporadas em outras memórias e
analisados sob outros olhares.
APRESENTAÇÃO NA WEB
DOCUMENTAÇÃO
CONSERVAÇÃO
RESTAURAÇÃO
SEGURANÇA
PUBLICAÇÃO
ACESSO
MARKETING &
COMUNICAÇÃO
MÍDIA
ELETRÔNICA
MÉMORIA
PRESERVAÇÃO
DOS ORIGINAIS
Objetos digitais são flexíveis; é sempre possível agir sobre eles e modificá-los continua e
sistematicamente.
Exemplo: atualização de um catálogo de biblioteca
Oferecem caminhos alternativos através do qual agentes humanos podem ativar funções embutidas no
objeto ou explorar a organização dos itens de informação que esta subjacente a eles e o serviço que ele
intermedia.
Exemplo: navegação num site web
Os objetos digitas são passiveis de serem acessados por e modificados por meios de outros objetos
digitais , por exemplo um agente. Exemplo: modificar uma imagem via software de edição de imagens.
Os objetos digitais são distribuídos e raramente estão contidos numa única fonte ou instituição .Eles não
são mais do que montagens temporárias feitas por funções, itens de informações ou componentes de
informação espalhados em estruturas de informação e na internet. Torna o objeto digital sem
fronteiras.
Refere-se a organização dos itens e operações que compõe um objeto digital. Permite a decomposição de
elementos que formam o objeto digital e a organização destes em novas configurações.
(KALLINIKOS, 2010)
ATRIBUTOS
DOS OBJETOS DIGITAIS QUE OS
DIFEREM DE OBJETOS
FÍSICOS EDITÁVEL
INTERATIVO
ABERTO E
REPROGRAMÁVEL
DISTRIBUÍDOS
(KALLINIKOS, 2010)
NOVAS FORMAS DE
AGREGAÇÃO,
APRESENTAÇÃO,
CONTEXTUALIZAÇÃO
E INTERPRETAÇÃO
CONECTÁVEL
BITS
&
BYTES
ÁTOMOS
&
MOLÉCULAS AUTOCONTIDO/
SUPORTE FIXO
Seleção, cuidado e preservação de coleções de objetos de arte estáveis, como pintura e
esculturas, livros e manuscritos raros e únicos; espécimes naturais e físicos importantes, e
outros artefatos considerados de valor cultural ou científico. Em termos espaciais, a
curadoria ocorre em contextos organizacionais relativamente limitados como bibliotecas,
arquivos, museus, galerias de arte, herbários e instituições similares (NRC, 2015).
Além do mais, curadoria está preocupada também em promover a disponibilidade dos
objetos para audiências apropriadas (JISC).
Independente de uma coleção ser constituídas de objetos físicos ou digitais ou seja, de átomos e
moléculas ou de bits e bytes - um curador deve avaliar seu valor erelevância para a comunidade de usuários
reais e potenciais; determinar a necessidade de preservação;documentar a origem e autenticidade;
descrever, registrar e catalogar seu conteúdo; providenciar armazenamento e preservação a longo prazo; e
proporcionar um meio de acesso e uso para os conteúdos (NRC, 2015).
A CURADORIA
DIGITAL difere, em
termos de significado e
amplitude conceitual, da
CURADORIA como ela
vem sendo compreendida
ao longo do tempo!
Entretanto, a curadoria
digital mostra alguma
continuidade com as
praticas tradicionais
de curadoria!
oferece um
arcabouço pratico e
conceitual que permite a
elaboração de fluxos de
trabalho voltados para a
uma gestão dinâmica de
coleções digitais...
...que podem
ser aplicados aos
acervos digitais
CULTURAIS e
CIENTÍFICOS
ampliando o
seu potencial de
reuso e de
concepção e
desenvolvimento
NOVOS
PRODUTOS
SERVIÇOS
ON-LINE
INOVADORES
ESPAÇOS DE
INTERAÇÃO
METODOLOGIAS ACERVOS DIGITAIS REUSO
AGORA E NO FUTURO
METODOLOGIAS ACERVOS DIGITAIS ADICIONANDO
VALOR
Considerar os objetos digitais como matéria-prima para o
empacotamento, ressignificação, reinterpretação e agregações
Por que diários de bordo de navios de séculos passados são tão
importantes para a pesquisa atual sobre oclima?
Centenas de diários de bordo
digitalizados, registrando viagens
marítimas de três séculos
se tornam uma base de dados rica sobre
afauna, flora, corrente e ventos
oceânicos
Cientistas reconstroem a história
dos sistemas dinâmicos da Terra
e melhoram as projeções sobre
o futuro do clima
Agregações
Espaço
Colaborativo
Curadoria
Online
Educação
Aplicativos
Computacionais
Serviços
Comerciais
Pesquisa
Científica
Recriação
POSSÍVEIS
REUSOS DE ACERVOS
CULTURAIS
DIGITAIS
RECRIAÇÃO
The metadata and images of the Rijksmuseum API can be
used to develop apps or web applications or simply to
enhance your own collection. You will have automatic access
to the Rijksmuseum’s basic collection, which consists of over
111,000 objects, including the Night Watch! Read more and
register
For developers: Rijksmuseum API
Get to work on the collection Download hi-res images and create your own masterpiece
The Rijksmuseum uses Rijksstudio to make more than 125,000 objects from the
collection digitally accessible, free of charge. The entire online collection of
images is available in pin-sharp clarity. At this resolution, a single detail is still
sharp enough to decorate a whole bag. Or a dress. This page shows some
examples of other people’s creations. You might be able to use these for
inspiration.
Inspire others with your creation
We are looking forward to seeing your creations. Inspire others and share your
creation in your own Rijksstudio.
Os Pilotos serão um meio de
descobrir diferentes cenários para
a reutilização do conteúdo cultural
digital, com especial foco na
reutilização do conteúdo
acessível via Europeana.
The British Library’s collections offers access to millions of public
domain images, which the Library encourages you to explore
and re-use. The release of these collections into the public
domain represent the Library’s desire to improve knowledge of
and about them, to enable novel and unexpected ways of using
them, and to begin working with researchers to explore and
interpret large scale digital collections.
A BL oferece acesso a
milhões de imagens de
domínio público, que a
Biblioteca encoraja você a
EXPLORAR e REUSAR.
...permitir formas INÉDITAS
E INESPERADAS de usá-las
...trabalhar com
pesquisadores para
EXPLORAR E INTERPRETAR
COLEÇÕES DIGITAIS em
larga escala
LICENÇAS
INTERFACES
QUALIDADE D0S OBJETOS
DIGITAIS
OBSTÁCULOS
LICENÇAS QUEPERMITAM O REUSO
IMAGENS DE QUALIDADE
CURADORIA PARA COLEÇÕES DE GRANDE DEMANDA
INTERFACES VOLTADAS PARA O REUSO
ACESSO PARA SERES HUMANOS E COMPUTADORES
OBRIGADO
!
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
ResearchGate has not been able to resolve any references for this publication.