Experiment FindingsPDF Available

Abstract

Realty Check A crise do COVID 19 afeta de forma profunda a vida do dia-a-dia em todo o mundo. Em Portugal, tal como na maioria dos países europeus, vivemos confinados nas nossas casas. As empresas, o comércio, os serviços foram severamente afetados. A vida do cidadão passou a estar centrada na casa sua casa. À sua volta, o núcleo familiar restrito. Ficou privado do contato com os amigos, do encontro com os outros. Ao mesmo tempo, ficou privado do trabalho. É certo que nem todos deixaram de trabalhar. Mas entre os vários setores afetados pela paragem força estão alguns setores dos serviços. Entre os serviços da saúde e assistência social, em carga plena, talvez mesmo sobrecarregados por óbvios motivos; os serviços de segurança e de emergência, mais vigilantes da chamada paz social e no controlo de estado de emergência; os serviços de educação, a enfrentarem uma atribulada transição tecnológica, entretanto recortada pelo período pascal; entre estes dizíamos há serviços completamente paralisados. Entre estes últimos está a cultura. Fechados que estão todos os equipamentos culturais, sem exceção, sejam eles públicos ou privados, uma conclusão é inevitável: Os serviços fornecidos pela cultura parecem irrelevantes para a resolução da crise do COVID 19. Será mesmo essa a realidade?
A preview of the PDF is not available
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
ResearchGate has not been able to resolve any references for this publication.