ArticlePDF Available

LISTA DOS NOMES POPULARES DOS RÉPTEIS NO BRASIL - PRIMEIRA VERSÃO

Authors:

Abstract

Popular species names have always been based on human relationships with things around them, usually reflecting species' external morphology , behavior or even the habitat they inhabit. In Brazil, the high number of popular names, in many cases for the same species, makes it difficult to comprehensively recognize these names, hampering communication between everyone interested in reptiles. This study presents a compilation of the popular names for the species of reptiles occurring in Brazil based on literature data. We listed 1264 popular names, 25 for Amphisbaenia, 29 for Crocodylia, 137 for Testudines, 301 for "Lizards" and 772 for Snakes. All Testudines and
121
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Rodrigo Castellari Gonzalez1, Arthur Diesel Abegg2, Diego Matheus de Mello Mendes³, Marcélia
Basto da Silva4, Paulo Roberto Machado-Filho5, Conrado Mario-da-Rosa6, Daniel Cunha Passos7,
Maurivan Vaz Ribeiro8, Ronildo Alves Benício9, Jane C. F. Oliveira10
1 Museu de História Natural do Ceará Prof. Dias da Rocha, Centro de Ciências da Saúde, Uni-
versidade Estadual do Ceará, 60741-000, Fortaleza, CE, Brasil.
2 Departamento de Zoologia, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, 05508-090,
São Paulo, SP, Brasil. arthur_abegg@hotmail.com
3 Programa de Pós-Graduação em Entomologia, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia,
69080-971, Manaus, AM, Brasil. diego.mello.mendes@gmail.com
4 Centro de Educação Aberta e a Distância, Universidade Federal do Piauí, 64001-280, Teresi-
na, PI, Brasil. marceliabasto@gmail.com
5 Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, 04263-000, São Paulo, SP, Brasil. prml-
ho.sbo@gmail.com
6 Laboratório de Herpetologia, Centro de Ciências Naturais e Exatas, Universidade Federal de Santa
Maria, 97105-000, Santa Maria, RS, Brasil. conradomdr@gmail.com
7 Laboratório de Ecologia e Comportamento Animal, Programa de Pós-Graduação em Ecologia
e Conservação, Departamento de Biociências, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universi-
dade Federal Rural do Semi-Árido, 59625-900, Mossoró, RN, Brasil. daniel.passos@ufersa.edu.br
8 Associação Guardiões do Cerrado, Rod. GO206, Km 3, Serranópolis, GO, 75820-000, Brazil.
9 Laboratório de Herpetologia, Programa de Pós-Graduação em Diversidade Biológica e Recursos
Naturais, Universidade Regional do Cariri, 63105-000, Crato, CE, Brasil. benicio.herpeto@gmail.com
10 Departamento de Ecologia, Instituto de Biologia Roberto de Alcantara Gomes, Universidade
do Estado do Rio de Janeiro, 20550-019, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. janeherpeto@gmail.com
LISTA DOS NOMES POPULARES DOS RÉPTEIS NO BRASIL –
PRIMEIRA VERSÃO
Abstract
Popular species names have always
been based on human relationships
with things around them, usually re-
ecting species’ external morpholo-
gy, behavior or even the habitat they
inhabit. In Brazil, the high number of
popular names, in many cases for the
same species, makes it dicult to com-
prehensively recognize these names,
hampering communication between
everyone interested in reptiles. This
study presents a compilation of the po-
pular names for the species of reptiles
occurring in Brazil based on literature
data. We listed 1264 popular names, 25
for Amphisbaenia, 29 for Crocodylia,
137 for Testudines, 301 for “Lizards”
and 772 for Snakes. All Testudines and
122
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Crocodylia have popular names, howe-
ver we found no popular names for
three (4%) species of Amphisbaenia, 66
(24%) “Lizards” and 60 (15%) Snakes.
Therefore, 15% of the 802 reptile spe-
cies currently known in the country
still have no popular names. Also, all
species of Testudines and Crocodylia
have exclusive popular names, never-
theless we found no exclusive names
for 68 (92%) species of Amphisbaenia,
191 (69%) species of “Lizards” and 218
(53%) species of Snakes. This inventory
is currently the most comprehensive ef-
fort to list the popular names of reptile
species in Brazil.
Palavras-chave
Amphisbaenidae, Ansbaenas, Cága-
dos, Chelonia, Cobras, Crocodylia, et-
noherpetologia, etnotaxonomia, Jabu-
tis, Jacarés, Lagartos, nomenclatura
popular, nomes vernaculares, nomes
vulgares, Quelônios, Reptilia, Serpen-
tes, Squamata, Tartarugas, taxonomia
popular, Testudines.
Introdução
A
taxonomia usa a língua latina
para nomear organismos, garan-
tindo a comunicação inequívo-
ca entre cientistas que utilizam diferentes
idiomas (ICZN, 1999). Por outro lado, a
sociedade tende a utilizar diversos nomes
populares para se referir aos seres vivos
ao seu redor (e.g. Costa-Neto & Marques,
2000; Pinto et al., 2013).
A classicação de organismos, a partir
de percepções populares, é chamada
de etnotaxonomia (Berlin et al., 1973).
Diferente da taxonomia cientíca, que
é impessoal e baseada em critérios ob-
jetivos, a etnotaxonomia é muito mais
plástica, incorporando múltiplas face-
tas inerentes a cada cultura (Begossi et
al., 2008; Lopes et al., 2010). Os nomes
populares possuem diversas origens
(Garrido, 2012), como a localidade em
que as espécies ocorrem, a cultura e as
crenças locais, e a idade relativa dos
espécimes (Amaral, 1978; Costa & Bér-
nils, 2012; Mota-da-Silva et al., 2019).
Assim, além de características peculia-
res de cada espécie, tais como morfolo-
gia, comportamento e ambiente utiliza-
do, a etnotaxonomia tende a enfatizar
a importância prática dos organismos,
tais como seus usos na alimentação e
ns medicinais (Hunn, 1982; Clément,
1995; Crump, 2015). Neste contexto, a
nomenclatura popular é, sobretudo, in-
uenciada pelas relações afetivas dos
seres humanos com os organismos à
sua volta, variando de predileções (e.g.
afeição carismática, veneração) a aver-
sões (e.g. repugnância, medo) (Alves
et al., 2012; Crump, 2015). Essas as-
sociações explicam o porquê de algu-
mas espécies receberem vários nomes
populares, muitas vezes com variações
regionais, enquanto outras são prati-
camente ignoradas pelo conhecimento
tradicional (Nolan & Robbins, 2001;
Alves et al., 2012; Passos et al., 2015).
123
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Diversos nomes populares são ante-
riores à vinda dos primeiros naturalis-
tas ao Brasil (Raddi, 1820; Frederico,
2009; Cardoso, 2009). Giuseppe Raddi
foi um dos mais importantes natura-
listas a chegar ao país, após a abertura
dos Portos às Nações Amigas, em 1808.
Em suas contribuições às descrições de
espécies de répteis, ele também teve
o cuidado de listar e descrever os no-
mes populares conhecidos de cada uma
(Raddi, 1820). Outros nomes aplicados
às espécies brasileiras têm origem indí-
gena (e.g. Tupi-Guarani para diversas
espécies de serpentes, Amaral, 1977).
Geralmente, esses nomes são uma tra-
dução literal de um conjunto de signi-
cados observados pelo popular. Por
exemplo, Spilotes pullatus (Linnaeus,
1758) é conhecida, principalmente, por
Caninana (do Tupi “Acaninan-a”, ou
do Guarani “Caninã”), cujo signicado
é akam- (cabeça) + inã-a (irritada) =
(de) cabeça irritada (Amaral, 1977).
Diferente de outros países (veja Frank
& Ramus, 1995; Midtgaard, 2019), no
Brasil houve poucas tentativas de se
listar os nomes populares dos répteis,
e muitas dessas tentativas são restritas
a livros e guias de campo, muitos deles
regionais (i.e. Amaral, 1978; Marques
et al., 2001, 2005, 2015, 2017, 2019;
Lema, 2002; Argôlo, 2004; Abegg &
Entiauspe-Neto, 2012; Vasconcelos-
-Neto et al., 2018; Silva et al., 2019).
Deste modo, os registros dos nomes
populares dos répteis no Brasil se en-
contram dispersos na literatura. A
criação de nomes populares articiais
por pesquisadores e o uso de nomes
de maneira indiscriminada e despreo-
cupada (i.e. cobra-verde para diversas
espécies) acabaram por se propagar
pela literatura, acumulando informa-
ções errôneas e, às vezes, redundantes
(i.e. espécies com dois ou mais nomes
diferentes, e espécies diferentes com o
mesmo nome), o que acabou por di-
cultar a comunicação entre todos aque-
les interessados em répteis (Frank &
Ramus, 1995). Além disso, muitos no-
mes populares genuínos (v. Amaral,
1973, 1977, 1978) acabaram caindo no
esquecimento.
A presente compilação é a primeira
abordagem em direção a uma listagem
completa dos nomes populares dos
répteis que ocorrem no Brasil. Contu-
do, tendo em vista a amplitude terri-
torial do país, sua elevada diversidade
cultural e riqueza de espécies, é natural
que este esforço não tenha exaurido as
referências sobre o assunto. Portanto,
versões atualizadas desta lista serão
publicadas após as esperadas contri-
buições das comunidades tradicionais
e cientíca.
Material e Métodos
A listagem dos táxons utilizados neste
estudo segue Costa & Bérnils (2018),
considerando apenas o nível especíco
para a listagem geral dos táxons, e No-
gueira et al., (2019) para atualizações
da taxonomia de serpentes. Além dis-
124
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
so, adotamos Poe (2004) para o gênero
Anolis (Daudin, 1802), consideramos
Apostolepis barrioi Lema, 1978 como
sinônimo júnior de A. dimidiata (Jan,
1862) (Entiauspe-Neto et al., 2019); A.
mariae Borges-Nojosa et al., 2016, de
A. thalesdelemai Borges-Nojosa et al.,
2016 (Entiauspe-Neto et al., 2020) e
Chironius laurenti Dixon et al., 1993,
como sinônimo objetivo de C. dixoni
Wiest, 1978 (Entiauspe-Neto & Loeb-
mann, 2019), além da alocação de Epic-
tia collaris (Hoogmoed, 1977) para Ha-
brophallos collaris (Hoogmoed, 1977)
(Martins et al., 2019). Portanto, para
esta compilação, consideramos um to-
tal de 802 espécies de répteis não voa-
dores (daqui em diante referido como
“répteis”) atuais que ocorrem no Brasil.
Para a listagem dos nomes populares,
realizamos buscas em fontes bibliográ-
cas, tais como: livros, guias de campo,
artigos cientícos, publicações ociais
de listas vermelhas estaduais e nacio-
nais, e páginas on-line (Anexo 2). Es-
sas pesquisas ocorreram entre Janeiro
e Dezembro de 2019 e todos os nomes
encontrados são apresentados nesta
compilação. Por não se tratar de uma
revisão taxonômica stricto sensu, op-
tamos por não citar a autoria dos no-
mes populares, tanto pela antiguidade
não rastreável de determinados nomes
(e.g. nomes indígenas) (e.g. Amaral,
1977; Cardoso, 2009; Frederico, 2009),
quanto pelo amplo uso e pela pulveri-
zação desses nomes na literatura, o que
dicultou a justa determinação do pri-
meiro autor. Convém ressaltar que não
foi o objetivo deste estudo identicar as
origens dos nomes populares encontra-
dos.
A organização e apresentação desta lis-
ta foram feitas da seguinte maneira: os
Répteis foram divididos em seus grandes
grupos tradicionais: Testudines, Croco-
dylia, Amphisbaenia, “Lagartos” (dora-
vante Lagartos) e Serpentes. Dentro de
cada uma dessas categorias, as espécies
são apresentadas em ordem alfabética.
A graa dos nomes populares seguiu as
normas ortográcas da língua portuguesa
para os nomes de animais (CPLP, 1990).
Para isso, os nomes populares foram gra-
fados com letras maiúsculas (exceto pre-
posições), e nomes compostos foram es-
critos com hífen entre seus elementos. Os
nomes populares encontrados para cada
espécie são listados em ordem alfabética,
sendo os nomes exclusivos (usados uma
única vez) sublinhados.
Por m, apresentamos o panorama do
que foi encontrado no esforço deste
estudo para cada uma das categorias
(Testudines, Crocodylia, Amphisbae-
nia, Lagartos e Serpentes): o número
total de nomes populares encontrados;
o número de nomes exclusivos; as es-
pécies com o maior número de nomes
conhecidos; o termo geral mais comum
para se referir às espécies; o número
de espécies com nomes populares des-
conhecidos; o número de espécies sem
nomes populares exclusivos; e o núme-
ro de espécies com nomes associados a
espécies peçonhentas.
125
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Resultados
Compilamos 1264 nomes popula-
res atribuídos a 673 das 802 espé-
cies de répteis que ocorrem no Brasil
(Anexo 1). Desse total de nomes popu-
lares encontrados, 917 (73%) são nomes
exclusivos. Não encontramos nenhum
nome para 129 (15%) espécies e não en-
contramos nomes exclusivos para 477
(59%) espécies.
Encontramos 137 nomes populares para
as 36 espécies de Testudines que ocor-
rem no Brasil, sendo 120 (88%) nomes
exclusivos. O termo mais frequente usa-
do para designar as espécies desse gru-
po foi “Cágado” (usado 59 vezes sozinho
ou em combinações), seguido por “Tar-
taruga” (usado 40 vezes). Entre as espé-
cies do grupo, Caretta caretta, Chelonia
mydas e Platemys platycephala foram
as espécies com mais nomes (respecti-
vamente 14, 13, e 12 cada). Todas as es-
pécies de Testudines possuíram ao me-
nos um nome exclusivo.
Encontramos 29 nomes populares atri-
buídos às seis espécies de Crocodylia
que ocorrem no Brasil, sendo 24 (83%)
deles nomes exclusivos. De modo geral,
o termo mais frequente para se referir
às espécies de crocodilianos foi “Jaca-
ré”, usado em 21 combinações diferen-
tes. Paleosuchus palpebrosus foi a es-
pécie que apresentou o maior número
de nomes (15 nomes diferentes). Todas
as espécies desse grupo apresentaram
ao menos um nome exclusivo.
Em relação às 74 espécies de Amphis-
baenia que ocorrem no Brasil, encon-
tramos um total de 25 nomes popula-
res, dos quais 20 (80%) foram nomes
exclusivos. No entanto, 68 espécies
(92%) não possuíram nomes exclusi-
vos, sendo chamadas indistintamen-
te de “Cobras-de-Duas-Cabeças” e/ou
“Cobras-Cega”. Outras três espécies
(4%) não possuíram quaisquer nomes
populares atribuídos a elas. A espécie
que apresentou o maior número de no-
mes populares foi Amphisbaena alba,
com seis diferentes nomes.
Em relação aos Lagartos encontramos
301 nomes populares, para um total de
275 espécies, dos quais 194 (64%) fo-
ram nomes exclusivos. Nesse caso, em-
bora o número de nomes encontrados
tenha sido superior ao número de tá-
xons, não encontramos quaisquer no-
mes para 66 espécies (24%), ou nomes
exclusivos para 191 espécies (69%) de
lagartos. A espécie com o maior núme-
ro de nomes populares diferentes foi
Salvator merianae (N = 21), seguida
por Hemidactylus mabouia (N = 19).
Em relação ao uso, o termo mais fre-
quente para designar as espécies desse
grupo foi “Calango” (usado 150 vezes),
seguido por “Lagarto” (109 vezes), e
“Lagartixa” (92 vezes).
Encontramos 772 nomes populares
para Serpentes, para o total de 411 espé-
cies no Brasil, sendo 559 (72%) exclusi-
vos. Adicionalmente, não encontramos
126
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
quaisquer nomes populares na literatu-
ra para 60 espécies de serpentes (15%),
enquanto que para 218 (53%) não en-
contramos quaisquer nomes populares
exclusivos. As espécies que possuíram
o maior número de nomes populares
na literatura foram Xenodon merremii
(N = 48) e Bothrops jararaca (N = 28).
O nome mais frequente para se refe-
rir às espécies desse grupo foi “Coral”
(usado 293 vezes), seguido por “Jara-
raca” (usado 153 vezes). A palavra “Co-
bra” (usada 498 vezes) foi amplamente
utilizada para se referir aos integrantes
desse grupo, sendo o termo “Serpente”
raramente utilizado (apenas 5 vezes).
Dos nomes listados, 10 espécies de la-
gartos tiveram pelo menos um nome
associado a animais peçonhentos. Oito
espécies foram identicadas como “Ví-
boras” (Copeoglossum nigropuncta-
tum, Diploglossus fasciatus, Dracaena
paraguayensis, Hemidactylus agrius,
H. mabouia, Phyllopezus pollicaris,
Psychosaura agmosticha e P. ma-
crorhyncha) e duas como “Corais” (Di-
ploglossus fasciatus e D. lessonae).
Entre as serpentes, 27 espécies são
consideradas apenas como Falsas-Co-
rais (Apostolepis, Atractus, Elapo-
morphus, Phalotris, Pseudoboa, Ro-
driguesophis, Tantilla e Xenopholis) e
seis espécies como “Falsas-Jararacas”
(Dipsas neuwiedi, Thamnodynastes
chaquensis, T. longicaudus, T. rutilus,
Xenodon guentheri e X. nattereri). No
entanto, 94 espécies não peçonhentas
têm ao menos um nome identican-
do-as com nomes de espécies peço-
nhentas. Atractus major, Clelia clelia
(juvenil), Drepanoides anomalus, Hy-
drops martii, Siphlophis cervinus, S.
pulcher e Xenodon matogrossensis
foram apenas identicadas como “Co-
rais”, trazendo a ideia de se tratarem
de espécies peçonhentas. Quarenta
e duas espécies foram identicadas
como “víbora, cascavel ou jararaca”,
principalmente dos gêneros Chironius,
Dipsas, Echinanthera, Epicrates, Ery-
throlamprus, Helicops, Hydrops, Hy-
drodynastes, Imantodes, Leptodeira,
Lygophis, Mastigodryas, Palusophis,
Phrynonax, Psomophis, Spilotes, Ta-
eniophallus, Thamnodynastes, Tro-
pidodryas e Xenodon. Nove espécies
foram identicadas ora como “víbora,
cascavel ou jararaca” verdadeiros ora
como falsos (Thamnodynastes almae,
T. nattereri, T. hypoconia, T. palli-
dus, Tomodon dorsatus, T. ocellatus,
Xenodon merremii, X. neuwiedii e X.
severus). Do mesmo modo, outras es-
pécies foram identicadas ora como
“Corais-verdadeiras” ora como “Falsas-
-corais” (gêneros: Anilius, Apostolepis,
Atractus, Boiruna, Coronelaps, Ery-
throlamprus, Mussurana, Oxyrhopus,
Phalotris, Pseudoboa, Rhinobothryum,
Simophis, Siphlophis e Xenodon). Por
m, para cinco espécies as identica-
ções se misturam, pois os nomes popu-
lares variam ora como víbora, cascavel
ou jararaca, ora como “Corais”, falsos
ou verdadeiros (Clelia plumbea, Ery-
throlamprus poecilogyrus, Erythro-
127
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
lamprus taeniogaster, Hydrodynastes
bicinctus e Xenopholis scalaris).
Quanto às espécies de interesse médico
(67 espécies dos gêneros Bothrocophias,
Bothrops, Crotalus, Lachesis, Leptomi-
crurus e Micrurus), quase todas possu-
íram ao menos um nome popular (exce-
to B. sazimai, M. boicora e M. diutius).
Entre estas espécies, 13 receberam mais
de 10 nomes populares cada, em sua
maioria (10 espécies) pertencentes ao
gênero Bothrops. Entre as 67, 16 espé-
cies não apresentaram nomes exclusi-
vos (13 do gênero Micrurus), enquanto
Crotalus durissus apresentou 16 nomes,
todos exclusivos (Anexo 1).
Discussão
Encontramos 1264 nomes populares
atribuídos a 673 das 802 espécies de
répteis que ocorrem no Brasil atual-
mente. Esse grande número de nomes
populares provavelmente está asso-
ciado à elevada riqueza de espécies de
répteis e de culturas populares no país.
As origens desses nomes residem na
compreensão popular acerca de vários
aspectos inerentes às espécies (Frank
& Ramus, 1995; Vizotto, 2003; Begos-
si et al., 2008; Alves et al., 2012; Cos-
ta & Bérnils, 2012; Crump, 2015). Por
exemplo, aspectos da morfologia (e.g.
Jacaré-Enferrujado para Paleosuchus
palpebrosus), do comportamento (e.g.
Dorme-Dorme para Dipsas spp.), da
dieta (Papa-Pinto para Drymarchon
corais), do habitat (Fura-Terra para
Atractus spp.), da área geográca de
principal ocorrência (Jacaré-do-Panta-
nal para Caiman yacare), do polimor-
smo (Urutu-Preta ou Urutu-Amarela
para Xenodon merremii), da variação
ontogenética (Cobra-Preta e Cobra-Co-
ral para Clelia clelia), da variação re-
gional (Lagartixa, Osga, Briba para He-
midactylus spp.) e da variação regional
na graa (Tegu, Teiú, Tejo, Teju, Tejú,
Tiju e Tiú para Salvator merianae).
Neste estudo, nós mantivemos todos os
nomes populares encontrados na lite-
ratura respeitando sua graa original,
mesmo quando se tratavam unicamen-
te de variações regionais, valorizando
assim o conhecimento popular em re-
lação aos répteis.
Apesar dessa diversidade de nomes po-
pulares presentes na literatura, não en-
contramos quaisquer nomes atribuídos
para 129 (15%) espécies de répteis que
ocorrem no Brasil, todas elas Squama-
ta. De modo geral, essas espécies pos-
suem atributos em comum, como hábi-
tos fossoriais (e.g. Amphisbaena spp.),
tamanho corporal reduzido (e.g. Cole-
odactylus spp.), ocorrência rara (e.g.
Apostolepis arenaria), ou distribuição
restrita (e.g. Dendrophidion atlanti-
ca), fatores que podem explicar a baixa
xação entre os conhecimentos tradi-
cionais. Portanto, a ausência de nomes
populares para estas espécies pode ser
explicada por elas gurarem em menor
frequência e intensidade no cotidiano
das comunidades tradicionais e, conse-
128
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
quentemente, terem menor importân-
cia prática, seja na alimentação, no uso
como fármaco-terápicos ou mesmo im-
portância médica (Crump, 2015).
Também encontramos uma considerá-
vel repetição dos mesmos nomes po-
pulares (sinonímias etnotaxonômicas)
para diferentes espécies. Alguns ter-
mos aparecem nesta lista com frequên-
cia relativamente alta, como por exem-
plo, “Calango” (150 vezes), “Jararaca”
(153) e “Coral” (293), tanto para espé-
cies distintas (e.g. Jararaca para Xeno-
don neuwiedii e Bothrops jararaca) ou
em composições diferentes para a mes-
ma espécie (e.g. Bothrops jararaca:
Jararaca-Comum, Jararaca-da-Mata-
-Virgem, Jararaca-do-Campo, Jarara-
ca-do-Rabo-Branco, Jararaca-Pregui-
çosa, Jararaca-Rabo-de-Osso). Esses
casos foram observados sobretudo em
táxons com ampla distribuição (e.g.
Bothrops spp., Micrurus spp.), mesmo
que cada espécie possua características
diagnósticas. Aparentemente, a mag-
nitude das semelhanças sugere uma
nomeação convergente na etnotaxo-
nomia (e.g. Bothrops spp. = jararaca,
Micrurus spp. = Coral). Embora esta
denominação popular de maneira ge-
neralizada se dê para táxons com pouco
interesse médico ou alimentício (Von
Ihering, 1968).
Por outro lado, Alves et al., (2011, 2012)
apontam que pelo menos 81 espécies
de répteis com ocorrência no Brasil
são reconhecidas pela cultura popular
por apresentarem conitos ou por se-
rem úteis de alguma maneira. Os usos
dessas espécies são bastante diversos,
como: fonte de alimento, medicinal,
religioso, animais de estimação e, até
mesmo, como enfeite em residências
(Alves et al., 2011, 2012). Comparan-
do os nomes aqui levantados com as
81 espécies apontadas por Alves et al.,
(2011, 2012), nota-se que todas as es-
pécies que possuem usos ou conitos
com a população apresentam ao menos
um nome popular conhecido, sendo
que 32 (40%) delas receberam mais de
10 nomes. Além disso as espécies usa-
das para alimentação têm um ou mais
nomes exclusivos, mas não necessaria-
mente um grande número de nomes.
Os quelônios amazônicos e os crocodi-
lianos, por exemplo, amplamente usa-
dos na culinária tradicional, na produ-
ção de utensílios domésticos e também
no tratamento de doenças (Alves et al.,
2011, 2012; Rhodin et al., 2017), são re-
conhecidos pelas comunidades locais,
recebendo nomes populares espécie-
-especícos relativamente conservados
entre diferentes culturas, enquanto di-
versos táxons sem importância cinegé-
tica são nomeados, em geral, com os
mesmos termos (Alves et al., 2012; Von
Ihering, 1968; este estudo).
O uso de um mesmo nome para espé-
cies diferentes pode trazer consequ-
ências graves, como em casos de aci-
dentes ofídicos (Costa & Bérnils, 2012;
Mota-da-Silva et al., 2019), assim como
a morte de animais não peçonhentos
decorrentes de identicação errônea.
129
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Os táxons ápodos (e.g. Ophiodes spp.
e Amphisbaena spp.) são comumente
mortos devido à semelhança com as
serpentes, além de serem popularmen-
te associados ao envenenamento. As
espécies não peçonhentas que são iden-
ticadas como peçonhentas formam
um grupo muito heterogêneo. Para os
lagartos, a associação com serpentes é
mais comum nos grupos que possuem
membros reduzidos (i.e. Ophiodes). Já
no caso das serpentes, de modo geral,
cinco características principais pare-
cem ser levadas em conta pelos popu-
lares para se atribuir a condição de pe-
çonhenta: padrão variegado, forma da
cabeça, manchas ou cores avermelha-
das, presença de bandas e tamanho do
corpo. Serpentes que apresentam tons
marrons (e.g. Leptodeira), ou cabeça
ligeiramente em forma de lança (e.g.
Thamnodynastes) são identicadas
como “Jararacas”, “Jararaquinha” e
suas variações na cultura popular. Es-
pécies com tons vermelhos ou bandas
são identicadas como “Corais”, falsas
ou verdadeiras. Curiosamente, alguns
Pseudoboini podem ser reconhecidos
como “Corais” nas fases juvenis (e.g.
Clelia plumbea), mas os adultos de co-
loração preta são reconhecidos como
“Muçuranas”, nome que muitas vezes
carrega o signicado de ser útil por
predar outras serpentes. Especica-
mente sobre o gênero Bothrops, indi-
víduos pequenos (juvenis ou adultos)
são chamados de “Jararacas”, enquan-
to que indivíduos de grande porte (por
vezes da mesma espécie) são chama-
dos de “Jararacussu” ou até mesmo de
“Surucucu” (Mota-da-Silva et al., 2019;
este estudo). Esse raciocínio se estende
também para espécies não peçonhen-
tas que são reconhecidas como “Jara-
racas” (i.e. Palusophis bifossatus e Hy-
drodynastes gigas). Em alguns casos,
como Erythrolamprus poecilogyrus,
os padrões de coloração diferentes ao
longo da distribuição podem explicar
o porquê dessa espécie ser reconheci-
da como “Jararaca” (padrão marrom) e
“Coral” (padrão bandeado), dependen-
do da região. Convém ressaltar que as
atribuições “falsa” ou “verdadeira” para
essas espécies não parecem seguir cri-
térios objetivos.
Embora o número de espécies de ser-
pentes de importância médica seja re-
lativamente baixo no Brasil (9% das
espécies de serpentes: Viperidae, N =
31 e Elapidae, N = 36), as lendas e mi-
tos que estigmatizam esse grupo ainda
são um fator potencializador de proble-
mas relacionados à conservação dessas
espécies (Argôlo, 2004; Moura et al.,
2010). Apesar da grande maioria das
espécies de importância médica rece-
berem nomes populares e de algumas
poderem ser identicadas de maneira
inequívoca, a diversidade de nomes po-
pulares atribuídas a um mesmo táxon e
a ampla ocorrência de sinonímias etno-
taxonômicas com espécies não-peço-
nhentas revela a perpetuação dos pro-
blemas de erros de identicação, com
sérias consequências no âmbito da con-
130
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
servação. Desta forma, é urgente que
projetos de educação ambiental e/ou
divulgação cientíca sejam executados
em todo o país com o objetivo de levar
conhecimento acerca das espécies com
preocupação médica e desmisticar
questões relacionadas à identicação e
periculosidade das serpentes em geral,
reduzindo assim os conitos entre hu-
manos e este grupo de répteis.
Diagnosticamos, neste estudo, que
existe um uso majoritário do termo
“Cobra” em relação à “Serpente” no co-
nhecimento popular. Há importantes
discussões a respeito do uso desses dois
termos na literatura (e.g. Amaral, 1978;
Puorto, 2001; Sandrin et al., 2005; Fer-
nandes-Ferreira et al., 2011) e o em-
prego desses nomes tem sido abordado
por diferentes autores, sem padroniza-
ção (ver discussão em Sandrin et al.,
2005). Embora as culturas tradicionais
brasileiras reconheçam as duas pala-
vras como sinônimas, o uso de “Cobra”
é bem mais frequente (Sandrin et al.,
2005; este estudo). Sendo assim, suge-
rimos o uso do termo “Cobra” no con-
texto do discurso popular, reservando
o termo “Serpente” ao âmbito técnico e
acadêmico.
A utilização de nomes populares para
espécies pouco carismáticas, como o
caso dos répteis, é fundamental para a
aproximação destes animais com a so-
ciedade em geral. Neste estudo, apre-
sentamos a lista de nomes populares
dos répteis que ocorrem no Brasil a par-
tir de dados disponíveis na literatura. É
possível, no entanto, que neste primei-
ro esforço alguns nomes populares não
tenham sido localizados, o que se justi-
ca pela enorme diversidade cultural e
riqueza de espécies no País. Esta com-
pilação contribui de maneira relevante
com a etnoherpetologia brasileira, po-
rém é notável a existência de diversas
lacunas no conhecimento tradicional
sobre os répteis no Brasil. Portanto,
recomendamos que os herpetólogos,
em trabalhos de campo, considerem,
valorizem e forneçam, nos relatórios e
publicações, os nomes populares locais
(em vez de omiti-los ou priorizar aque-
les já existentes na literatura) para as
espécies-alvo das suas pesquisas. Esta
simples iniciativa, apesar de não ter
caráter intrínseco etnológico (ciência
com objetos, métodos e abordagens
teóricas próprias), certamente proverá
um quantitativo imensurável de novos
nomes populares à literatura, contri-
buindo para revelar a real extensão da
variação geográca e cultural dos no-
mes populares dos répteis brasileiros
e, consequentemente, substanciar com
mais robustez uma futura atualização
da presente lista.
131
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Agradecimentos
RCG agradece ao Prof. Dr. Marcello
Modesto (FFLCH-USP) pelo supor-
te técnico sobre as normas da língua
portuguesa. O presente estudo foi re-
alizado com apoio da Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível
Superior - Brasil (CAPES): CMR, dou-
torado, Processo 88882.428055/2019-
01 e PRMF, doutorado, Processo
1571045/2015; Conselho Nacional de
Desenvolvimento Cientíco e Tecnoló-
gico (CNPq): ADA, mestrado, Processo
130115/2013-3, DMMM, doutorado,
Processo 141878/2018-5 e RAB, pós-
-doutorado, Processo 155556/2018-5;
e Fundação de Amparo à Pesquisa do
Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ):
JCFO, pós-doutorado, Processo
E-26/202.388/2017.
Referências
Abegg A.D., Entiauspe-Neto O.M. 2012.
Serpentes do Rio Grande do Sul. Livra-
ria & Editora Werlang, Tapera.
Alves R.R.N., Pereira-Filho G.A., Vieira
K.S., Souto W.M.S., Mendonça L.E.T.,
Montenegro P.F.G.P., ..., Vieira W.L.S.
2012. A zoological catalogue of hunted
reptiles in the semiarid region of Bra-
zil. Journal of Ethnobiology and Eth-
nomedicine 8:27. doi:10.1186/1746-
4269-8-27
Alves R.R.N., Vieira K.S., Santana G.G.,
Vieira W.L.S., Almeida W.O., Souto
W.M.S., …, Pezzuti J.C.B. 2011. A re-
view on human attitudes towards rep-
tiles in Brazil. Environmental Monito-
ring and Assessment 184:6877–6901.
doi:10.1007/s10661-011-2465-0
Amaral A. 1973. Oonímia ameríndia
na oologia brasiliense. Memórias do
Instituto Butantan 37:1–15.
Amaral A. 1977. Questões vernáculas IV
- Linguagem indianista: O Tupi-Guara-
ni na nomenclatura das serpentes do
Brasil. Revista da Academia Paulista
de Letras 87:195–218.
Amaral A. 1978. Serpentes do Brasil.
Iconograa colorida. Melhoramentos/
EDUSP, São Paulo.
Argôlo A.J.S. 2004. As serpentes dos
cacauais do sudeste da Bahia. Editus,
Ilhéus.
Begossi A., Clauzet M., Figueiredo J.L.,
Garuana L., Limca R.V., Lopes P.F.,
..., Silvan R.A.M. 2008. Are biological
species and higher-ranking categories
real? Fish folk taxonomy on Brazil’s
Atlantic Forest Coast and in the Ama-
zon. Current Antropology 49:291–306.
doi:10.1086/527437
Berlin B., Breedlove D.E., Raven P.H.
1973. General principles of classica-
tion and nomenclature in folk biology.
American Anthropology 75:214–242.
doi:10.1525/aa.1973.75.1.02a00140
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Cardoso J.L.C. 2009. José de Anchie-
ta e as Cartas. Pp. 521–522, in Cardoso
J.L.C., França F.O.S., Wen F.H., Mála-
que C.M.S., Haddad V. Jr. (Orgs.), Ani-
mais Peçonhentos no Brasil: Biologia,
Clínica e Terapêutica dos Acidentes.
Sarvier, São Paulo.
Clément D. 1995. Why is taxonomy
utilitarian? Journal of Ethnobiology
15:1–44.
Costa H.C., Bérnils R.S. 2012. Deve-
mos aplicar, na literatura médica, as
mudanças recentes na classicação das
serpentes? Gazeta Medica da Bahia
82:28–32.
Costa H.C., Bérnils R.S. 2018. Répteis
do Brasil e suas Unidades Federativas:
Lista de espécies. Herpetologia Brasi-
leira 7:11–57.
Costa-Neto E.M., Marques J.G.W.
2000. A Etnotaxonomia de recursos
ictiofaunísticos pelos pescadores da co-
munidade de Siribinha, norte do Estado
da Bahia, Brasil. Biociências 8:61–76.
CPLP (Comunidade dos Países de Lín-
gua Portuguesa). 1990. Acordo Orto-
gráco da Língua Portuguesa. Acessível
em: http://www.cplp.org/Files/Filer/
cplp/Acordos/maisAcordos/Acordo-
OrtogrLinguaPortug.pdf. Acesso: 06
de Abril de 2019.
Crump M. 2015. Eye of Newt and Toe
of Frog, Adder’s Fork and Lizard’s Leg,
the Lore and Mythology of Amphibians
and Reptiles. University of Chicago
Press, Chicago.
Entiauspe-Neto O.M., Loebmann D.
2019. Taxonomic status of Chironius
laurenti Dixon, Wiest & Cei, 1993 and
of the long-forgotten Chironius dixo-
ni Wiest, 1978 (Squamata, Serpentes).
Bionomina 16:83–87. doi:10.11646/
bionomina.16.1.4
Entiauspe-Neto O.M., Guedes T.B.,
Loebmann D., de Lema T. 2020. Ta-
xonomic status of two simultaneously
described Apostolepis Cope, 1862 spe-
cies (Dipsadidae: Elapomorphini) from
Caatinga enclaves moist forests, Brazil.
Journal of Herpetology 54:225–234.
doi:10.1670/19-053
Entiauspe-Neto O.M., Sena A., Tiutenko
A., Loebmann D. 2019. Taxonomic sta-
tus of Apostolepis barrioi Lema, 1978,
with comments on the taxonomic ins-
tability of Apostolepis Cope, 1862 (Ser-
pentes, Dipsadidae). ZooKeys 841:71–
78. doi:10.3897/zookeys.841.33404
Fernandes-Ferreira H., Cruz R.L., Bor-
ges-Nojosa D.M., Alves R.R.N. 2011.
Crenças associadas a serpentes no es-
tado do Ceará, Nordeste do Brasil. Si-
tientibus: Série Ciências Biológicas
11:153–163.
Frank N., Ramus E. 1995. A Complete
Guide to Scientic and Common Na-
mes of Reptiles and Amphibians of the
World. Reptile and Amphibian magazi-
ne, Pottsville.
133
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Frederico E.Y. 2009. O inferno são os
outros: animais peçonhentos no Bra-
sil Colonial. Pp. 515–520, in Cardoso
J.L.C., França F.O.S., Wen F.H., Mála-
que C.S., Haddad V. Jr. (Orgs.), Ani-
mais Peçonhentos no Brasil: Biologia,
Clínica e Terapêutica dos Acidentes.
Sarvier, São Paulo.
Garrido C. 2012. Divergências no inven-
tário das línguas e na constituição dos
elementos lexicais equivalentes como
fonte de discordâncias interculturais
na tradução de textos destinados ao
ensino e divulgação da ciência. Leben-
de Sprachen 57:238–264. doi:10.1515/
les-2012-0021
Hunn E. 1982. The utilitarian factor
in folk biological classication. Ame-
rican Anthropologist 84:830–847.
doi:10.1525/aa.1982.84.4.02a00070
ICZN (International Commission on
Zoological Nomenclature). 1999. The
Code. 4th ed. International code of zo-
ological nomenclature. Acessível em:
http://www.iczn.org. Acesso: 28 de
março de 2019.
de Lema T. 2002. Os répteis do Rio
Grande do Sul: atuais e fósseis, bioge-
ograa, odismo. EDIPUCRS, Porto
Alegre.
Lopes P., Silvano R., Begossi A. 2010.
Da Biologia a Etnobiologia – Taxono-
mia e etnotaxonomia, ecologia e etno-
ecologia. Pp. 69–94, in Alves R.R.A.,
Souto W.M.S., Mourão J.S. (Eds.), A
Etnozoologia no Brasil: importância,
status atual e perspectivas. NUPPEA,
Recife.
Marques O.A.V., Eterovic A., Sazima
I. 2001. Serpentes da Mata Atlântica:
guia ilustrado para a Serra do Mar. Ho-
los Editora, Ribeirão Preto.
Marques O.A.V., Eterovic A., Sazima
I. 2019. Serpentes da Mata Atlântica:
guia ilustrado para as orestas costei-
ras do Brasil. Ponto A, Cotia.
Marques O.A.V., Eterovic A., Nogueira
C.C., Sazima I. 2015. Serpentes do Cer-
rado: guia ilustrado. 1. ed., Holos Edi-
tora, Ribeirão Preto.
Marques O.A.V., Eterovic A., Strüssman
C., Sazima I. 2005. Serpentes do Panta-
nal. Holos Editora, Ribeirão Preto.
Marques O.A.V., Eterovic A., Guedes
T.B., Sazima I. 2017. Serpentes da Ca-
atinga: guia ilustrado. Ponto A, Cotia.
Martins A., Koch C., Pinto R., Folly M.,
Fouquet A., Passos P. 2019. From the
inside out: discovery of a new genus of
thread snakes based on anatomical and
molecular data, with discussion of the
leptotyphlopid hemipenial morpholo-
gy. Journal of Zoological Systematics
and Evolutionary Research 57:840–
863. doi:10.1111/jzs.12316
134
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Midtgaard R. 2019. English common
names of reptiles, a working checklist.
Acessível em: http://www.natu-
reswindow.dk/UKnames.html. Aces-
so: 28 de fevereiro de 2019.
Mota-da-Silva A., Monteiro W.M., Ber-
narde P.S. 2019. Popular names for
bushmaster (Lachesis muta) and lan-
cehead (Bothrops atrox) snakes in the
Alto Juruá region: repercussions for
clinical-epidemiological diagnosis and
surveillance. Revista da Sociedade
Brasileira de Medicina Tropical 52:1–
4. doi:10.1590/0037-8682-0140-2018
Moura M.R., Costa H.C., São-Pe-
dro V.A., Fernandes V.D., Feio R.N.
2010. O relacionamento entre pes-
soas e serpentes no leste de Minas
Gerais, sudeste do Brasil. Biota Ne-
otropica 10:133–141. doi:10.1590/
S1676-06032010000400018
Nogueira C.C., Argôlo A.J.S., Arzamen-
dia V., Azevedo J.A., Barbo F.E., Bér-
nils R.S., ..., Martins M.M. 2019. Atlas
of Brazilian snakes: veried point-lo-
cality maps to mitigate the Wallacean
shortfall in a megadiverse snake fauna.
South American Journal of Herpeto-
logy 14:1–274. doi:10.2994/SAJH-
-D-19-00120.1
Nolan J.M., Robbins M.C. 2001. Emo-
tional Meaning and the Cognitive Orga-
nization of Ethnozoological Domains.
Journal of Linguistic Anthropology
11:240–249.
Passos D.C., Machado L.F., Lopes A.F.,
Beserra B.L.R. 2015. Calangos e lagar-
tixas: concepções sobre lagartos entre
estudantes do Ensino Médio em For-
taleza, Ceará, Brasil. Ciência & Edu-
cação 21:133–148. doi:10.1590/1516-
731320150010009
Pinto M.F., Mourão J.S., Alves R.R.N.
2013. Ethnotaxonomical considera-
tions and usage of ichthyofauna in
a shing community in Ceará Sta-
te, Northeast Brazil. Journal of Eth-
nobiology and Ethnomedicine 9:17.
doi:10.1186/1746-4269-9-17
Poe S. 2004. Phylogeny of Ano-
les. Herpetological Monogra-
phs 18:37–89. doi:10.1655/
0733-1347(2004)018[0037:POA]2.0.
CO;2
Puorto G. 2001. (CD-ROM). Tudo que
você precisa saber. Museu do Instituto
Butantan, São Paulo.
Raddi G. 1820. Di alcune specie di ret-
tili e piante brasiliane. Memoria di Giu-
seppe Raddi. Memorie di Matematica
e di Fisica della Società Italiana delle
Scienze. Presso la Società Tipograca,
Modena.
Rhodin A.G.J., Iverson J.B., Bour R.,
Fritz U., Georges A., Shaer H.B., Van
Dijk P.P. 2017. Turtles of the world:
annotated checklist and atlas of taxo-
nomy, synonymy, distribution, and
conservation status. Chelonian Rese-
arch Monographs 7:1–292.
135
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Sandrin M.D.F.N., Puorto G., Nardi R.
2005. Serpentes e acidentes ofídicos:
um estudo sobre erros conceituais em
livros didáticos. Investigações em En-
sino de Ciências 10:281–298.
Silva J.L., Mota-da-Silva A., Amaral
G.L.G., Ortega G.P., Monteiro W.M.,
Bernarde P.S. 2019. The deadliest
snake according to ethnobiological
perception of the population of the
Alto Juruá region, western Brazilian
Amazonia. Revista da Sociedade Bra-
sileira de Medicina Tropical 53:1–6.
doi:10.1590/0037-8682-0305-2019
Vasconcelos-Neto L.B., Garcia-da-Silva
A.S., Brito I.A.S., Chalkidis H.M. 2018.
O conhecimento tradicional sobre as
serpentes em uma comunidade ribeiri-
nha no centro-leste da Amazônia. Eth-
noscientia 3:1–7. doi:10.22276/eth-
noscientia.v3i0.157
Vizotto L.D. 2003. Serpentes: lendas,
mitos, superstições e crendices. Plêia-
de, São Paulo.
Von Ihering R. 1968. Dicionário dos
animais do Brasil. Editora Universida-
de de Brasília, São Paulo.
Editor: Délio Baêta
136
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Lista dos Nomes Populares
dos Répteis no Brasil
Primeira Versão
REPTILIA (Répteis)
Anexo 1
Acanthochelys macrocephala (Rhodin, Mittermeier & McMorris, 1984)
Nomes populares: Cágado, Tartaruga-do-Pantanal.
Acanthochelys radiolata (Mikan, 1820) -
Nomes populares: Cágado, Cágado-Amarelo, Cágado-Pescoço-de-Cobra.
Acanthochelys spixii (Duméril & Bibron, 1835)
Nomes populares: Cágado, Cágado-D’água-Doce, Cágado-de-Canaleta, Cágado-de-Pescoço-Espi-
nhudo, Cágado-do-Cerrado, Cágado-Feio, Cágado-Preto, Tartaruga-Bunda.
Caretta caretta (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Avó-de-Aruanã, Cabeça-Grande, Cabeçuda, Careba-Amarela, Carebadura, Ca-
reba-Dura, Tartaruga, Tartaruga-Amarela, Tartaruga-Avó, Tartaruga-Cabeçuda, Tartaruga-Ca-
rei, Tartaruga-Marinha-Comum, Tartatura-Meio-Pente, Tartaruga-Mestiça.
Chelonia mydas (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Aruanã, Depeia, Falso-Carei, Jereba, Suçuarana, Tartaruga-Apedrês, Tartaru-
ga-de-Sopa, Tartaruga-do-Mar, Tartaruga-Marinha, Tartaruga-Marinha-Comum, Tartaruga-Pe-
drês, Tartaruga-Verde, Uruanã.
Chelonoidis carbonarius (Spix, 1824)
Nomes populares: Jaboti, Jabuti, Jabuti-Piranga, Jabuti-Vermelho.
Chelonoidis denticulatus (Linnaeus, 1766)
Nomes populares: Jaboti, Jabuti, Jabuti-Amarelo, Jabuti-Tinga.
Chelus mbriata (Schneider, 1783)
Nomes populares: Cágado, Matamatá, Mata-Matá.
TESTUDINES (Cágados, Jabutis e Tartarugas)
137
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Dermochelys coriacea (Vandelli, 1761)
Nomes populares: Careba-Gigante, Careba-Mole, Tartaruga-de-Cerro, Tartaruga-de-Couro, Tar-
taruga-de-Leste, Tartaruga-de-Quilha, Tartaruga-Gigante, Tartaruga-Preta.
Eretmochelys imbricata (Linnaeus, 1766)
Nomes populares: Tartaruga-de-Escamas, Tartaruga-de-Pente, Tartaruga-do-Mar, Tartaruga-
-Verdadeira, Verdadeiro-Carei.
Hydromedusa maximiliani (Mikan, 1825)
Nomes populares: Cágado-da-Serra, Cágado-Pescoço-de-Cobra.
Hydromedusa tectifera Cope, 1870
Nomes populares: Cágado, Cágado-Cabeça-de-Cobra, Cágado-de-Pescoço-Comprido.
Kinosternon scorpioides (Linnaeus, 1766)
Nomes populares: Cabeçudinho, Cágado, Jurará, Muçuã, Peito-de-Mola.
Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829)
Nomes populares: Falsa-Careta, Tartaruga-Comum, Tartaruga-Oliva, Tartaruga-Pequena, Tarta-
ruga-Verde, Xibirro.
Mesoclemmys gibba (Schweigger, 1812)
Nomes populares: Cágado, Cágado-de-Poças, Cágado-de-Poças-da-Floresta.
Mesoclemmys heliostemma (McCord, Joseph-Ouni & Lamar, 2001)
Nomes populares: Cágado, Perema-da-Cabeça-Amarela.
Mesoclemmys hogei (Mertens, 1967)
Nomes populares: Cágado, Cágado-de-Hoge, Cágado-de-Hogei, Cágado-do-Paraíba, Cágado-do-
-Paraíba-do-Sul.
Mesoclemmys nasuta (Schweigger, 1812)
Nomes populares: Cágado-da-Cabeça-de-Sapo, Lalá.
Mesoclemmys perplexa Bour & Zaher, 2005
Nomes populares: Cágado, Cágado-Goiano.
Mesoclemmys raniceps (Gray, 1856)
Nomes populares: Cágado, Cágado-de-Cabeça-de-Sapo-Comum, Lalá.
Mesoclemmys tuberculata (Lüderwaldt, 1926)
Nomes populares: Cágado, Cágado-D’água, Cágado-do-Nordeste, Cágado-Caramujeiro.
Mesoclemmys vanderhaegei (Bour, 1973)
Nomes populares: Cágado, Cágado-Cabeçudo, Galápago, Tartaruga-Cabeça-de-Sapo.
138
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Peltocephalus dumerilianus (Schweigger, 1812)
Nomes populares: Acanguaçu, Cabeçuda, Cabeçudo, Capitari (machos), Jurará, Peindu, Tartaru-
ga-Arara, Tartaruga-de-Bico-de-Arara.
Phrynops georoanus (Schweigger, 1812)
Nomes populares: Cágado, Cágado-de-Barbela, Cágado-de-Barbelas-Pintado, Cágado-de-Bar-
bicha, Cágado-de-Barbixa, Cágado-de-Esgoto, Cágado-de-Ferradura-Comum, Cágado-do-Rio,
Cangapara, Lalá, Tartaruga-do-Pescoço-de-Cobra.
Phrynops hilarii (Duméril & Bibron, 1835)
Nomes populares: Cágado-Comum, Cágado-de-Barbelas-Cinzento, Cágado-de-Barbilhão.
Phrynops tuberosus (Peters, 1870)
Nomes populares: Cágado, Cágado-de-Barbicha, Cágado-Rajado, Cangapara.
Phrynops williamsi Rhodin & Mittermeier, 1983
Nomes populares: Cágado-de-Barbela, Cágado-de-Ferradura, Cágado-de-Ferradura-Sulino.
Platemys platycephala (Schneider, 1792)
Nomes populares: Cágado, Charapa, Charapita, Charapita-de-Aguajal, Charapita-de-Altura, Cha-
ta, Jabuti-Machado, Jabuti-Mato-Grossense, Lalá, Machado, Perema, Quetijápa.
Podocnemis erythrocephala (Spix, 1824)
Nomes populares: Calalumã, Irapuca.
Podocnemis expansa (Schweigger, 1812)
Nomes populares: Capitari, Tartaruga-da-Amazônia, Viração.
Podocnemis sextuberculata Cornalia, 1849
Nomes populares: Cambéua, Iaçá, Pitiú.
Podocnemis unilis Troschel, 1848
Nomes populares: Tracajá, Zé-Prego.
Rhinemys rupes (Spix, 1824)
Nome popular: Cágado-Vermelho.
Rhinoclemmys punctularia (Daudin, 1801)
Nomes populares: Aperema, Cágado, Jabuti-Aperema, Jurará, Muçuã, Perema.
Trachemys adiutrix Vanzolini, 1995
Nomes populares: Cágado, Capininga, Jurará, Juraraca, Pininga.
Trachemys dorbigni (Duméril & Bibron, 1835)
Nomes populares: Tartaruga, Tartaruga-Imperial, Tartaruga-Verdadeira, Tartaruga-Verde-e-
-Amarela, Tigre-D’água, Tigre-D’água-Amarelo.
139
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
CROCODYLIA (Jacarés)
Caiman crocodilus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Jacaré-do-Pantanal, Jacaretinga, Jacaré-Tinga, Tinga.
Caiman latirostris (Daudin, 1801)
Nomes populares: Jacaré-Comum, Jacaré-do-Papo-Amarelo, Jacaré-de-Papo-Amarelo, Jacaré-
-Oriental.
Caiman yacare Daudin, 1801
Nomes populares: Jacaré-do-Pantanal, Jacaré-do-Paraguai.
Melanosuchus niger (Spix, 1825)
Nomes populares: Jacaré-Açú, Jacaré-Preto.
Paleosuchus palpebrosus (Cuvier, 1807)
Nomes populares: Cocodrilo, Crocodilo, Jacaré-Anão, Jacaré-Coroa, Jacaré-do-Buraco, Jacaré-
-Enferrujado, Jacaré-Ferro, Jacaré-Mirim, Jacaré-Paguá, Jacaré-Pedra, Jacaré-Preto, Jacaré-U-
na, Jacaré-Vermelho, Pretinho, Tiritiri.
Paleosuchus trigonatus (Schneider, 1801)
Nomes populares: Caimão-de-Cara-Lisa, Jacaré-de-Cara-Lisa, Jacaré-Pedra, Jacaré-Coroa,
Jacaré-Curuá.
AMPHISBAENIA (Cobras-de-Duas-Cabeças, Cobras-Cegas e
Mães-da-Saúva)
Amphisbaena absaberi (Strüssmann & Carvalho, 2001)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena acrobeles (Ribeiro, Castro-Mello & Nogueira, 2009)
Nome popular: desconhecido.
Amphisbaena alba Linnaeus, 1758
Nomes populares: Boiacica, Cobra-Cega, Cobra-de-Duas-Cabeças-Amarela-Grande, Cobra-de-
-Duas-Cabeças, Mãe-da-Saúva, Minhocão.
Amphisbaena amazonica Vanzolini, 1951
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena anaemariae Vanzolini, 1997
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
140
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Amphisbaena anomala (Barbour, 1914)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena arda Rodrigues, 2003
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-Pintada.
Amphisbaena arenaria Vanzolini, 1991
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena bahiana Vanzolini, 1964
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena bedai (Vanzolini, 1991)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena bilabialata (Stimson, 1972)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena brasiliana (Gray, 1865)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena brevis Strüssmann & Mott, 2009
Nome popular: desconhecido.
Amphisbaena caiari Teixeira Jr., Dal Vechio, Mollo Neto & Rodrigues, 2014
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena camura Cope, 1862
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena carli Pinna, Mendonça, Bocchiglieri & Fernandes, 2010
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena carvalhoi Gans, 1965
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena crisae Vanzolini, 1997
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena cuiabana (Strüssmann & Carvalho, 2001)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-de-Cuiabá.
Amphisbaena cunhai Hoogmoed & Avila-Pires, 1991
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
141
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Amphisbaena darwinii Duméril & Bibron, 1839
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-Uruguaia.
Amphisbaena dubia Müller, 1924
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena liformis Ribeiro, Gomes, Silva, Cintra & Silva Jr., 2016
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena frontalis Vanzolini, 1991
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena fuliginosa Linnaeus 1758
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-Pintada.
Amphisbaena hastata Vanzolini, 1991
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena heathi Schmidt, 1936
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena hiata Montero & Céspedez, 2002
Nome popular: desconhecido.
Amphisbaena hogei Vanzolini, 1950
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena ibijara Rodrigues, Andrade & Lima, 2003
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-da-Terra.
Amphisbaena ignatiana Vanzolini, 1991
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena kingii (Bell, 1833)
Nomes populares: Ansbena-de-Crista, Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena kraoh (Vanzolini, 1971)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena leeseri Gans, 1964
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena leucocephala Peters, 1878
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
142
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Amphisbaena littoralis Roberto, Brito & Ávila, 2014
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena lumbricalis Vanzolini, 1996
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena maranhensis Gomes & Maciel, 2012
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena mertensii Strauch, 1881
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-de-Mertens, Cobra-de-Duas-Cabeças.
Amphisbaena metallurga Costa, Resende, Teixeira Jr., Dal Vechio & Clemente, 2015
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena miringoera Vanzolini, 1971
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena mitchelli Procter, 1923
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena munoai Klappenbach, 1966
Nomes populares: Ansbena-Pequena, Cobra-Cega-Branca, Cobra-Cega-Pequena, Cobra-Cega-
-Uruguaia-Pequena.
Amphisbaena neglecta Dunn & Piatt, 1936
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena nigricauda Gans, 1966
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena persephone Pinna, Mendonça, Bocchiglieri & Fernandes, 2014
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-da-Terra.
Amphisbaena pretrei Duméril & Bibron, 1839
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena prunicolor (Cope, 1885)
Nomes populares: Ansbena-Marrom, Cobra-de-Duas-Cabeças-Marrom.
Amphisbaena ridleyi Boulenger, 1890
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena roberti Gans, 1964
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
143
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Amphisbaena sanctaeritae Vanzolini, 1994
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena saxosa (Castro-Mello, 2003)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena silvestrii Boulenger, 1902
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-Cuiabana.
Amphisbaena slevini Schmidt, 1938
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena steindachneri Strauch, 1881
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena supernumeraria Mott, Rodrigues & Santos, 2009
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena talisiae Vanzolini, 1995
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-do-Cerrado, Cobra-de-Duas-Cabeças-da-Pitomba.
Amphisbaena trachura Cope, 1885
Nomes populares: Ansbena-Comum, Cobra-Cega, Cobra-de-Duas-Cabeças-Comum, Cobra-de-
-Duas-Cabeças-Grande, Cobra-de-Duas-Cabeças.
Amphisbaena tragorrhectes Vanzolini, 1971
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena uroxena Mott, Rodrigues, Freitas & Silva, 2008
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena vanzolinii Gans, 1963
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena varia Laurenti, 1768
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega, Mãe-de-Saúva.
Amphisbaena vermicularis Wagler in Spix, 1824
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Amphisbaena wiedi Vanzolini, 1951
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-Pintada.
Leposternon cerradensis Ribeiro, Vaz-Silva & Santos-Jr, 2008
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças-do-Cerrado.
144
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Leposternon infraorbitale (Bertold, 1859)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Leposternon kisteumacheri Porto, Soares & Caramaschi, 2000
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Leposternon maximus Ribeiro, Nogueira, Cintra, Silva Jr.e Zaher, 2012
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Leposternon microcephalum Wagler in Spix, 1824
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Leposternon octostegum (Duméril, 1851)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Leposternon polystegum (Duméril, 1851)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Leposternon scutigerum (Hemprich, 1820)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Leposternon wuchereri (Peters, 1879)
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
Mesobaena rhachicephala Hoogmoed, Pinto, Rocha & Pereira, 2009
Nomes populares: Cobra-de-Duas-Cabeças, Cobra-Cega.
“LAGARTOS” (Bribas, Calangos, Camaleões, Cobras-de-Vidro,
Lagartos e Lagartixas)
Acratosaura mentalis (Amaral, 1933)
Nome popular: Teiú-Pigmeu.
Acratosaura spinosa Rodrigues, Cassimiro, Freitas & Silva, 2009
Nome popular: Lagarto-Espinhoso.
Alexandresaurus camacan Rodrigues, Pellegrino, Dixo, Verdade, Pavan, Argôlo & Sites, 2007
Nome popular: desconhecido.
Alopoglossus angulatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Briba, Lagartinho-do-Olho-Vermelho, Lagartixa, Lagarto-da-Terra, Lagarto-
-do-Folhiço.
145
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Alopoglossus atriventris Duellman, 1973
Nome popular: desconhecido.
Alopoglossus buckleyi (O’Shaughnessy, 1881)
Nome popular: desconhecido.
Amapasaurus tetradactylus Cunha, 1970
Nome popular: desconhecido.
Ameiva ameiva (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Bico-Doce, Calango-Bico-Doce, Calango-Tijibu, Tijibu, Calango, Calango-Ver-
de, Camaleão-Ferro, Jacaré-Pinima, Lagarto, Lagarto-Verde, Sardão-Grande, Tejubina, Tijubina.
Ameiva jacuba Giugliano, Nogueira, Valdujo, Collevatti & Colli, 2013
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Iguaninha.
Ameiva parecis (Colli, Costa, Garda, Kopp, Mesquita, Péres, Valdujo, Vieira & Wiederhecker, 2003)
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Iguaninha, Lagarto.
Ameivula cipoensis Arias, Carvalho, Zaher & Rodrigues, 2014
Nome popular: desconhecido.
Ameivula confusioniba (Arias, Carvalho, Rodrigues & Zaher, 2011)
Nomes populares: Calango, Calango-ligeiro, Tejubina, Tijubina.
Ameivula jalapensis (Colli, Giugliano, Mesquita & França, 2009)
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Iguaninha.
Ameivula mumbuca (Colli, Caldwell, Costa, Gainsbury, Garda, Mesquita, Filho, Soares, Silva,
Valdujo, Vieira, Vitt, Werneck, Wiederhecker & Zatz, 2003)
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Iguaninha.
Ameivula nativo (Rocha, Bergallo & Peccinini-Seale, 1997)
Nomes populares: Lagartinho-de-Linhares, Lagartinho-Nativo.
Ameivula nigrigula (Arias, Carvalho, Rodrigues & Zaher, 2011)
Nome popular: desconhecido.
Ameivula ocellifera (Spix, 1825)
Nomes populares: Calango, Calango-da-Praia, Calango-Ligeiro, Calango-Listrado, Calango-Pe-
queno, Calango-Tijubina, Calanguinho, Calanguinho-Pintado, Calanguinho-Sardão-Pequeno,
Calanguinho-Verde, Tijubina.
Ameivula pyrrhogularis (Silva & Avila-Pires, 2013)
Nomes populares: Calango, Calango-Ligeiro, Calango-Tijubina, Tijubina,
146
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Ameivula xacriaba Arias, Teixeira Jr., Recoder, Carvalho, Zaher & Rodrigues, 2014
Nome popular: desconhecido.
Anisolepis grilli Boulenger, 1891
Nomes populares: Camaleão, Lagartinho, Lagartixa-das-Uvas, Papa-Vento, Papa-Vento-Comum,
Papa-Vento-do-Rabo-Rajado.
Anisolepis longicauda (Boulenger, 1891)
Nome popular: desconhecido.
Anisolepis undulatus (Wiegmann, 1834)
Nomes populares: Lagartixa, Papa-Vento, Papa-Vento-do-Sul.
Anolis auratus (Daudin, 1802)
Nome popular: Papa-Vento.
Anolis bombiceps Cope, 1875
Nome popular: Papa-Vento.
Anolis brasiliensis Vanzolini & Williams, 1970
Nomes populares: Calango-Bandeira, Papa-Vento.
Anolis chrysolepis Duméril & Bibron, 1837
Nomes populares: Calango, Camaleão, Papa-Vento.
Anolis fuscoauratus (D’Orbigny, 1837 in Duméril & Bibron, 1837)
Nomes populares: Anoles, Calango, Calango-Bandeira, Papa-Vento.
Anolis meridionalis Boettger, 1885
Nomes populares: Calango-Bandeira, Lagarto-Preguiça, Papa-Vento.
Anolis ortonii Cope, 1868
Nomes populares: Anoles, Calango, Calango-Bandeira, Papa-Vento.
Anolis planiceps Troschel, 1848
Nome popular: Papa-Vento.
Anolis scypheus Cope, 1864
Nome popular: Papa-Vento.
Anolis tandai Avila-Pires, 1995
Nomes populares: Calango-Bandeira, Papa-Vento.
Anolis trachyderma Cope, 1875
Nome popular: Papa-vento.
147
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Anolis williamsii (Bocourt, 1870)
Nome popular: Papa-Vento.
Anotosaura collaris Amaral, 1933
Nome popular: desconhecido.
Anotosaura vanzolinia Dixon, 1974
Nome popular: desconhecido.
Arthrosaura kockii (Lidth de Jeude, 1904)
Nomes populares: Calango, Lagartinho-Listrado, Lagarto-do-Folhiço.
Arthrosaura reticulata (O’Shaughnessy, 1881)
Nomes populares: Calango, Lagartinho-Reticulado, Lagartixa, Lagarto-do-Folhiço.
Aspronema dorsivittatum (Cope, 1862)
Nomes populares: Calango-Liso, Lagartixa-Brilhante, Lagartixa-das-Paredes, Lagartixa-Doura-
da, Lagarto-Liso, Scinco-Comum, Scinco-Dourado.
Bachia bresslaui (Amaral, 1935)
Nomes populares: Cobra-Cega, Lagartinho, Lagarto-Ápodo, Lagarto-sem-Pata.
Bachia cacerensis Castrillon & Strüssmann, 1998
Nomes populares: Lagarto-Ápodo, Lagarto-sem-Pata.
Bachia didactyla Freitas, Strüssmann, Carvalho, Kawashita-Ribeiro & Mott, 2011
Nomes populares: Lagarto-Ápodo, Lagarto-sem-Pata.
Bachia dorbignyi (Duméril & Bibron, 1839)
Nomes populares: Lagarto-Ápodo, Lagarto-sem-Pata.
Bachia avescens (Bonnaterre, 1789)
Nomes populares: Cobra-Cega, Lagartinho, Lagarto-Ápodo, Lagarto-da-Terra, Lagarto-sem-Pata.
Bachia geralista Teixeira Jr., Recoder, Camacho, Sena, Navas & Rodrigues, 2013
Nome popular: desconhecido.
Bachia micromela Rodrigues, Pavan & Curcio, 2007
Nomes populares: Lagarto-Ápodo, Lagarto-sem-Pata.
Bachia oxyrhina Rodrigues, Camacho, Nunes, Recoder, Teixeira Jr., Valdujo, Ghellere, Mott &
Nogueira, 2008
Nomes populares: Lagarto-Ápodo, Lagarto-sem-Pata.
Bachia panoplia Thomas, 1965
Nome popular: desconhecido.
148
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Bachia peruana (Werner, 1901)
Nome popular: desconhecido.
Bachia psamophila Rodrigues, Pavan & Curcio, 2007
Nomes populares: Lagarto-Ápodo, Lagarto-sem-Pata.
Bachia pyburni Kizirian & McDiarmid, 1998
Nome popular: desconhecido.
Bachia remota Ribeiro-Júnior, Silva & Lima, 2016
Nome popular: desconhecido.
Bachia scaea Teixeira Jr., Dal Vechio, Nunes, Mollo Neto, Lobo, Storti, Gaiga, Dias & Rodrigues, 2013
Nome popular: desconhecido.
Bachia scolecoides Vanzolini, 1961
Nomes populares: Lagarto-Ápodo, Lagarto-Sem-Pata.
Bachia trisanale (Cope, 1868)
Nome popular: desconhecido.
Brasiliscincus agilis (Raddi, 1823)
Nomes populares: Briba, Calango-Liso, Cobra-de-Vidro, Lagartixa-de-Vidro, Lagarto-Liso.
Brasiliscincus caissara (Rebouças-Spieker, 1974)
Nome popular: Calango-Liso-da-Restinga.
Brasiliscincus heathi (Schmidt & Inger, 1951)
Nomes populares: Briba, Calango-Liso, Lagarto-do-Folhiço.
Calyptommatus confusionibus Rodrigues, Zaher & Curcio, 2001
Nome popular: Lagarto-Escrivão.
Calyptommatus leiolepis Rodrigues, 1991
Nome popular: desconhecido.
Calyptommatus nicterus Rodrigues, 1991
Nome popular: desconhecido.
Calyptommatus sinebrachiatus Rodrigues, 1991
Nome popular: desconhecido.
Caparaonia itaiquara Rodrigues, Cassimiro, Pavan, Curcio, Verdade & Pellegrino, 2009
Nome popular: desconhecido.
149
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Cercosaura argula Peters, 1862
Nome popular: Lagarto-do-Folhiço.
Cercosaura bassleri Ruibal, 1952
Nome popular: desconhecido.
Cercosaura eigenmanni (Grin, 1917)
Nomes populares: Calango-da-Máscara-Branca, Calanguinho-de-Máscara, Lagartinho-de-Más-
cara, Lagartinho-de-Máscara-Branca, Lagarto-do-Folhiço.
Cercosaura ocellata Wagler, 1830
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Lagartinho-do-Folhiço, Lagartinho, Lagartinho-Listra-
do, Lagartinho-Pintado, Lagartixa, Lagartixa-Listrada, Lagarto-do-folhiço, Teiú-Pigmeu.
Cercosaura oshaughnessyi (Boulenger, 1885)
Nome popular: Lagarto-da-Terra.
Cercosaura parkeri (Ruibal, 1952)
Nome popular: Lagartinho-do-Folhiço-do-Pantanal.
Cercosaura quadrilineata Boettger, 1876
Nomes populares: Lagartinho-do-Folhiço, Lagartinho-do-Rabo-Grande, Lagartixa-de-Quatro-
-Listras.
Cercosaura schreibersii Wiegmann, 1834
Nomes populares: Lagartinho-do-Folhiço, Lagartinho-de-Máscara, Lagartinho-do-Rabo-Gran-
de, Lagartinho-Liso, Lagartixa, Lagartixa-Comum, Lagartixa-Marrom.
Chatogekko amazonicus (Andersson, 1918)
Nomes populares: Lagartixa, Lagartixinha.
Cnemidophorus cryptus Cole & Dessauer, 1993
Nomes populares: Calango, Calango-Listrado, Calango-Verde, Lagarto, Violeiro.
Cnemidophorus gramivagus McCrystal & Dixon, 1987
Nome popular: Calango.
Cnemidophorus lemniscatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Calango, Calango-Azul, Calango-Listrado, Calango-Verde, Lagarto, Lagartixa-
-Azul, Lagartinho-Listrado.
Coleodactylus brachystoma (Amaral, 1935)
Nomes populares: Briba, Lagartixa, Lagartixinha-Anã.
150
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Coleodactylus elizae Gonçalves, Torquato, Skuk & Sena, 2012
Nome popular: desconhecido.
Coleodactylus meridionalis (Boulenger, 1888)
Nomes populares: Briba, Calanguinho, Lagartixa, Lagartinho, Lagartixinha-Anã, Lagarto-do-Folhiço.
Coleodactylus natalensis Freire, 1999
Nome popular: Lagarto-do-Folhiço.
Coleodactylus septentrionalis Vanzolini, 1980
Nome popular: desconhecido.
Colobodactylus dalcyanus Vanzolini & Ramos, 1977
Nome popular: Lagartinho-do-folhedo.
Colobodactylus taunayi Amaral, 1933
Nome popular: desconhecido.
Colobosaura modesta (Reinhardt & Luetken, 1862)
Nomes populares: Briba, Calango-cobra, Calanguinho, Lagartinho, Lagartinho-do-Folhiço, La-
garto, Lagarto-do-Folhiço.
Colobosauroides carvalhoi Soares & Caramaschi, 1998
Nome popular: desconhecido.
Colobosauroides cearensis Cunha, Lima-Verde & Lima, 1991
Nome popular: desconhecido.
Contomastix lacertoides (Duméril & Bibron, 1839)
Nomes populares: Lagartixa-Listrada, Lagartixa-Verde, Tiú-da-Areia, Lagartinho-Listrado-da-
-Restinga.
Contomastix vacariensis (Feltrim & Lema, 2000)
Nomes populares: Lagartinho-de-Vacaria, Lagartinho-Pintado, Lagartinho-Pintado-do-Campo,
Lagartixa-Pintada.
Copeoglossum arajara (Rebouças-Spieker, 1981)
Nome popular: Calango-Liso.
Copeoglossum nigropunctatum (Spix, 1825)
Nomes populares: Briba-Brilhante, Calango, Calango-Cobra, Calango-Liso, Lagarto-Brilhante,
Lagarto-de-Vidro, Lagarto-Liso, Víbora.
Crocodilurus amazonicus (Spix, 1825)
Nomes populares: Calango-D’água, Jacarerana, Jacaruxi.
151
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Dactyloa dissimilis (Williams, 1965)
Nome popular: Papa-Vento.
Dactyloa nasofrontalis (Amaral, 1933)
Nomes populares: Calanguinho, Papa-Vento.
Dactyloa phyllorhina (Myers & Carvalho, 1945)
Nomes populares: Calanguinho, Papa-vento.
Dactyloa pseudotigrina (Amaral, 1933)
Nomes populares: Calanguinho, Papa-vento.
Dactyloa punctata (Daudin, 1802)
Nomes populares: Anoles, Calango-Verde, Camaleão, Lagartixa-Verde-da-Amazônia, Lagarto-
-Verde, Papa-Vento.
Dactyloa transversalis (Duméril in Duméril & Duméril, 1851)
Nome popular: Papa-Vento.
Diploglossus fasciatus (Gray, 1831)
Nomes populares: Briba, Calango-Coral, Calango-Liso, Cobra-de-Patas, Lagarto-Coral, Víbora.
Diploglossus lessonae Peracca, 1890
Nomes populares: Briba, Briba-que-Vira-Cobra, Calango-Coral, Calango-Liso, Lagarto-Coral.
Dracaena guianensis Daudin, 1801
Nomes populares: Cabeça-Encarnada, Jacarerana, Jacaruxi, Jacuruxi, Lagarto-Jacaré.
Dracaena paraguayensis Amaral, 1950
Nomes populares: Lagarto-Jacaré, Víbora-do-Pantanal.
Dryadosaura nordestina Rodrigues, Freire, Pellegrino & Sites, 2005
Nome popular: Lagartinho-do-Folhiço.
Ecpleopus gaudichaudii Duméril & Bibron, 1839
Nomes populares: Lagartinho-da-Mata, Lagartinho-do-Rabo-Liso, Lagartinho-da-Serra-do-Mar.
Enyalioides laticeps (Guichenot, 1855)
Nome popular: Papa-Vento.
Enyalioides palpebralis (Boulenger, 1883)
Nome popular: desconhecido.
Enyalius bibronii Boulenger, 1885
Nomes populares: Camaleão, Lagarto-verde, Papa-Vento.
152
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Enyalius bilineatus Duméril & Bibron, 1837
Nomes populares: Camaleãozinho, Camaleãozinho-do-Cerrado, Camaleãozinho-de-Duas-Lis-
tras, Papa-Vento.
Enyalius boulengeri Etheridge, 1969
Nome popular: Camaleãozinho, Papa-Vento.
Enyalius brasiliensis (Lesson, 1828)
Nomes populares: Camaleãozinho, Papa-Vento.
Enyalius catenatus (Wied, 1821)
Nome popular: Camaleãozinho, Papa-Vento.
Enyalius erythroceneus Rodrigues, Freitas, Silva & Bertolotto, 2006
Nome popular: desconhecido.
Enyalius iheringii Boulenger, 1885
Nomes populares: Camaleão, Camaleãozinho, Iguaninha, Iguaninha-Verde, Papa-Vento, Sinimbú-Verde.
Enyalius leechii (Boulenger, 1885)
Nomes populares: Camaleãozinho, Papa-Vento.
Enyalius perditus Jackson, 1978
Nomes populares: Camaleão, Camaleãozinho, Papa-Vento.
Enyalius pictus (Schinz, 1822)
Nomes populares: Camaleãozinho, Papa-Vento.
Eurolophosaurus amathites (Rodrigues, 1984)
Nome popular: desconhecido.
Eurolophosaurus divaricatus (Rodrigues, 1986)
Nome popular: desconhecido.
Eurolophosaurus nanuzae (Rodrigues, 1981)
Nome popular: desconhecido.
Exila nigropalmata (Andersson, 1918)
Nome popular: desconhecido.
Glaucomastix abaetensis (Dias, Rocha & Vrcibradic, 2002)
Nomes populares: Calango-do-Abaeté, Lagartinho-de-Abaeté, Lagartixa-de-Abaeté.
Glaucomastix cyanura (Arias, Carvalho, Rodrigues & Zaher, 2011)
Nome popular: Calango.
153
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Glaucomastix littoralis (Rocha, Araújo, Vrcibradic & Costa, 2000)
Nome popular: Lagarto-da-Cauda-Verde.
Glaucomastix venetacauda (Arias, Carvalho, Rodrigues & Zaher, 2011)
Nome popular: Calango-da-Cauda-Azulada.
Gonatodes annularis Boulenger, 1887
Nomes populares: Briba, Lagartixa, Osga.
Gonatodes eladioi Nascimento, Avila-Pires & Cunha, 1987
Nomes populares: Briba, Lagartixa.
Gonatodes hasemani Grin, 1917
Nomes populares: Lagartinho-Pintado, Lagartixa.
Gonatodes humeralis (Guichenot, 1855)
Nomes populares: Lagartinho-Bicudo, Lagartinho-Colorido, Lagartinho-Pintado, Lagartixa, La-
gartixa-da-Mata, Lagartixinha-Amazônica, Lagarto, Lagarto-do-Folhiço.
Gonatodes nascimentoi Sturaro & Avila-Pires, 2011
Nome popular: Lagartixa.
Gonatodes tapajonicus Rodrigues, 1980
Nome popular: Lagartixa.
Gymnodactylus amarali Barbour, 1925
Nomes populares: Briba, Lagartixa.
Gymnodactylus darwinii (Gray, 1845)
Nomes populares: Lagartixa, Lagartixa-da-Mata, Lagartixa-Nativa.
Gymnodactylus geckoides Spix, 1825
Nomes populares: Briba, Lagartinho, Lagartixa, Lagartixa-do-Cerrado.
Gymnodactylus guttulatus Vanzolini, 1982
Nome popular: Briba.
Gymnodactylus vanzolinii Cassimiro & Rodrigues, 2009
Nome popular: desconhecido.
Gymnophthalmus leucomystax Vanzolini & Carvalho, 1991
Nome popular: desconhecido.
Gymnophthalmus underwoodi Grant, 1958
Nome popular: desconhecido.
154
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Gymnophthalmus vanzoi Carvalho, 1999
Nome popular: Briba.
Hemidactylus agrius Vanzolini, 1978
Nomes populares: Briba, Lagartixa, Osga, Víbora.
Hemidactylus brasilianus (Amaral, 1935)
Nomes populares: Briba, Briba-do-Rabo-Grosso, Lagartixa, Lagartixa-do-Rabo-Grosso.
Hemidactylus mabouia (Moreau de Jonnès, 1818)
Nomes populares: Briba, Briba-da-Casa, Briba-de-Casa, Camaleão, Crocodilinho-de-Parede, Ge-
co-das-Casas, Jacaré-de-Parede, Labigó, Lagartixa, Lagartixa-Africana, Lagartixa-das-Paredes,
Lagartixa-de-Casa, Lagartixa-de-Cobreiro, Lagartixa-de-Parede, Lagartixa-Doméstica, Lagarti-
xa-Doméstica-Tropical, Osga, Sardão, Taruíra, Víbora.
Hemidactylus palaichthus Kluge, 1969
Nomes populares: Briba, Jacaré-de-Parede, Lagartixa, Lagartixa-da-Parede, Osga.
Heterodactylus imbricatus Spix, 1825
Nome popular: desconhecido.
Heterodactylus lundii Reinhardt & Luetken, 1862
Nome popular: Briba, Calango-que-Vira-Cobra, Cobra-de-Pé, Cobra-de-Vidro, Cobrinha.
Heterodactylus septentrionalis Rodrigues, Freitas & Silva, 2009
Nome popular: desconhecido.
Homonota uruguayensis (Vaz-Ferreira & Sierra de Soriano, 1961)
Nomes populares: Camarãozinho, Geco-do-Campo, Geco-dos-Campos, Geco-Uruguaio.
Hoplocercus spinosus Fitzinger, 1843
Nomes populares: Jacarezinho-da-Chapada, Jacarezinho-do-Cerrado, Lagarto-Espinhoso, La-
garto-de-Cauda-Espinhosa, Lagarto-de-Cauda-Espinhuda, Lagarto-Rabo-de-Abacaxi, Lagarto-
-Roseta, Pitoco, Rabo-de-Roseta.
Iguana iguana (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Camaleão, Iguana, Iguana-Verde, Sinimbu, Tejubú, Tijubú.
Iphisa elegans Gray, 1851
Nomes populares: Briba, Calango, Calango-Cobra, Lagartinho-de-Folhiço, Lagartixa, Lagarto-da-
-Terra, Lagarto-de-Folhiço.
Kentropyx altamazonica (Cope, 1875)
Nomes populares: Calango, Calango-Verde, Calanguinho, Iguaninha Lagarto.
155
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Kentropyx calcarata Spix, 1825
Nomes populares: Calango, Calango-D’água, Calango-da-Mata, Calango-Verde, Calanguinho, La-
garto, Lagarto-da-Mata.
Kentropyx paulensis (Boettger, 1893)
Nomes populares: Calango, Calanguinho.
Kentropyx pelviceps Cope, 1868
Nomes populares: Calango, Chicote-da-Floresta, Lagarto.
Kentropyx striata (Daudin, 1802)
Nomes populares: Calango, Lagarto.
Kentropyx vanzoi Gallagher & Dixon, 1980
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Calanguinho-Listrado.
Kentropyx viridistriga (Boulenger, 1894)
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Calanguinho-de-Listras-Verdes.
Lepidoblepharis heyerorum Vanzolini, 1978
Nome popular: desconhecido.
Lepidoblepharis hoogmoedi Avila-Pires, 1995
Nome popular: desconhecido.
Leposoma annectans Ruibal, 1952
Nome popular: Teiú-Pigmeu.
Leposoma baturitensis Rodrigues & Borges, 1997
Nome popular: desconhecido.
Leposoma nanodactylus Rodrigues, 1997
Nome popular: desconhecido.
Leposoma puk Rodrigues, Dixo, Pavan & Verdade, 2002
Nome popular: desconhecido.
Leposoma scincoides Spix, 1825
Nome popular: Lagartinho, Teiú-Pigmeu.
Leposoma sinepollex Rodrigues, Teixeira Jr., Recoder, Dal Vechio, Damasceno & Pellegrino, 2013
Nome popular: desconhecido.
Liolaemus arambarensis Verrastro, Veronese, Bujes & Dias-Filho, 2003
Nome popular: Lagartixa-das-Dunas.
156
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Liolaemus lutzae Mertens, 1938
Nomes populares: Lagartixa-de-Areia, Lagartinho-Branco-da-Areia, Lagartinho-Branco-da-Praia.
Liolaemus occipitalis Boulenger, 1885
Nomes populares: Lagartinho-das-Dunas, Lagartinho-da-Praia, Lagartixa-da-Areia, Lagartixa-
-das-Dunas, Lagartixa-da-Praia.
Loxopholis ferreirai (Rodrigues & Avila-Pires, 2005)
Nome popular: desconhecido.
Loxopholis guianense (Ruibal, 1952)
Nomes populares: Briba, Calango, Lagartixa.
Loxopholis osvaldoi (Avila-Pires, 1995)
Nome popular: Lagartinho-do-Folhiço.
Loxopholis percarinatum (Müller, 1923)
Nomes populares: Calango, Lagartixa, Lagarto.
Loxopholis snethlageae (Avila-Pires, 1995)
Nomes populares: Calango, Lagartixa, Lagarto.
Lygodactylus klugei (Smith, Martin & Swain, 1977)
Nomes populares: Bribinha, Lagartixa-Anã, Osguinha.
Lygodactylus wetzeli (Smith, Martin & Swain, 1977)
Nomes populares: Briba, Lagartixa-Anã.
Manciola guaporicola (Dunn, 1935)
Nomes populares: Calango-Liso, Lagarto-Liso.
Marinussaurus curupira Peloso, Pellegrino, Rodrigues & Avila-Pires, 2011
Nome popular: desconhecido.
Micrablepharus atticolus Rodrigues, 1996
Nomes populares: Briba, Calango-do-Rabo-Azul, Calanguinho-de-Rabo-Azul, Lagarto-de-Rabo-Azul.
Micrablepharus maximiliani (Reinhardt & Luetken, 1862)
Nomes populares: Briba, Calango-do-Rabo-Azul, Calanguinho-de-Rabo-Azul, Lagarto-Cauda-
-Azul, Piolho-de-Cobra.
Neusticurus bicarinatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Lagartinho-de-Máscara-Alaranjada, Lagarto-de-Folhiço.
Neusticurus racenisi Roze, 1958
Nome popular: desconhecido.
157
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Neusticurus rudis Boulenger, 1900
Nome popular: Calango-D’água.
Nothobachia ablephara Rodrigues, 1984
Nome popular: desconhecido.
Notomabuya frenata (Cope, 1862)
Nomes populares: Calango, Calango-Liso, Lagartixa, Lagarto-Liso, Scinco-Chacoense, Scinco-
-Cinzento, Scinco-Prateado.
Ophiodes enso Entiauspe-Neto, Marques-Quintela, Regnet, Teixeira, Silveira & Loebmann, 2017
Nome popular: desconhecido.
Ophiodes fragilis (Raddi, 1820)
Nomes populares: Alicanço, Aliscanço, Cobra-de-Vidro, Cobra-de-Vidro-Comum, Cobra-de-Vi-
dro-Dourada, Cobra-de-Vidro-Grande, Cobra-de-Vidro-Verde, Cobra-Lagarto, Fura-Mato, La-
garto-de-Vidro, Licanço, Licranço, Liscanço, Luzidio, Quebra-Quebra.
Ophiodes striatus (Spix, 1825)
Nomes populares: Alicanço, Aliscanço, Cobra-de-Vidro, Cobra-de-Vidro-Comum, Cobra-de-Vi-
dro-Dourada, Cobra-de-Vidro-Grande, Cobra-de-Vidro-Verde, Cobra-Lagarto, Fura-Mato, La-
garto-de-Vidro, Licanço, Licranço, Liscanço, Luzidio, Quebra-Quebra.
Ophiodes yacupoi Gallardo, 1966
Nomes populares: Alicanço, Aliscanço, Cobra-de-Vidro, Cobra-de-Vidro-Comum, Cobra-de-Vi-
dro-Dourada, Cobra-de-Vidro-Grande, Cobra-de-Vidro-Verde, Cobra-Lagarto, Fura-Mato, La-
garto-de-Vidro, Licanço, Licranço, Liscanço, Luzidio, Quebra-Quebra.
Panopa carvalhoi (Rebouças-Spieker & Vanzolini, 1990)
Nome popular: Lagarto-Liso.
Phyllopezus lutzae (Loveridge, 1941)
Nome popular: Briba, Lagartixa-de-Bromélia.
Phyllopezus periosus Rodrigues, 1986
Nomes populares: Briba, Briba-Gigante, Lagartixa.
Phyllopezus pollicaris (Spix, 1825)
Nomes populares: Briba, Briba-de-Parede, Lagartixa, Lagartixa-de-Parede, Lagartixa-de-Pedra,
Sardão, Víbora.
Phyllopezus przewalskii Koslowsky, 1895
Nomes populares: Lagartixa-de-Pedra, Lagartixa-do-Cerrado.
158
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Placosoma cipoense Cunha, 1966
Nome popular: Lagartinho-do-Cipó.
Placosoma cordylinum Tschudi, 1847
Nome popular: desconhecido.
Placosoma glabellum (Peters, 1870)
Nomes populares: Lagartinho, Lagartinho-do-Rabo-Grande.
Placosoma limaverdorum Borges-Nojosa, Caramaschi & Rodrigues, 2016
Nome popular: desconhecido.
Plica plica (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Calango-da-Árvore, Calango-da-Mata, Calango-Seringueiro, Iguaninha, La-
garto-de-Árvore, Tamaquaré.
Plica umbra (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Calango, Calango-da-Árvore, Iguaninha, Lagarto-de-Árvore, Papa-Vento,
Tamaquaré.
Polychrus acutirostris Spix, 1825
Nomes populares: Bicho-Preguiça, Calango-Cego, Camaleão, Camaleão-Preguiça, Camaleãozi-
nho, Catatau, Falso-Camaleão, Lagarto-Preguiça, Papa-Vento.
Polychrus liogaster Boulenger, 1908
Nomes populares: Camaleão, Camaleãozinho, Papa-Vento.
Polychrus marmoratus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Bicho-Preguiça, Calango-Cego, Calango-Verde, Camaleão, Catatau, Falso-Ca-
maleão, Lagarto-Preguiça, Papa-Vento, Papa-Vento-Verde.
Potamites ecpleopus (Cope, 1875)
Nome popular: desconhecido.
Potamites juruazensis (Avila-Pires & Vitt, 1998)
Nome popular: desconhecido.
Procellosaurinus erythrocercus Rodrigues, 1991
Nome popular: desconhecido.
Procellosaurinus tetradactylus Rodrigues, 1991
Nome popular: desconhecido.
Pseudogonatodes gasconi Avila-Pires & Hoogmoed, 2000
Nome popular: desconhecido.
159
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Pseudogonatodes guianensis Parker, 1935
Nomes populares: Briba, Lagartinho, Lagartinho-do-Folhiço, Lagartinho-Pequeno, Lagartixa.
Psilops mucugensis Rodrigues, Recoder, Teixeira Jr., Roscito, Guerrero, Nunes, Freitas, Fernan-
des, Bocchiglieri, Dal Vechio, Leite, Nogueira, Damasceno, Pellegrino, Argôlo & Amaro, 2017
Nome popular: desconhecido.
Psilops paeminosus (Rodrigues, 1991)
Nome popular: desconhecido.
Psilops seductus Rodrigues, Recoder, Teixeira Jr, Roscito, Guerrero, Sales-Nunes, Freitas, Fer-
nandes, Bocchiglieri, Vechio, Fortes-Leite, Campos Nogueira, Damasceno, Machado Pellegrino,
Suzart-Argôlo & Amaro, 2017
Nome popular: desconhecido.
Psychosaura agmosticha (Rodrigues, 2000)
Nome popular: Víbora.
Psychosaura macrorhyncha (Hoge, 1947)
Nome popular: Briba, Víbora.
Ptychoglossus brevifrontalis Boulenger, 1912
Nomes populares: Briba, Calango, Lagartixa, Lagarto.
Rhachisaurus brachylepis (Dixon, 1974)
Nomes populares: Lagartinho, Lagarto-do-Folhiço.
Rondonops biscutatus Colli, Hoogmoed, Cannatella, Cassimiro, Gomes, Ghellere, Nunes, Pelle-
grino, Salerno, Souza & Rodrigues, 2015
Nome popular: Lagartinho-de-Folhiço.
Rondonops xanthomystax Colli, Hoogmoed, Cannatella, Cassimiro, Gomes, Ghellere, Nunes,
Pellegrino, Salerno, Souza & Rodrigues, 2015
Nome popular: desconhecido.
Salvator duseni Lönnberg in Lönnberg & Andersson, 1910
Nomes populares: Teiú, Teiú-do-Cerrado, Teiú-Paraense.
Salvator merianae Duméril & Bibron, 1839
Nomes populares: Jacuraru, Lagarto, Lagarto-Comum, Lagarto-Tejo, Tegu, Teiú, Teiuaçu, Teiú-
-Açu, Teiú-Branco, Teiú-Brasileiro, Teiú-Comum, Teiú-Gigante, Tejo, Teju, Tejú, Tejuaçu, Tejú-
-Açu, Tejuguaçu, Tiju, Tiú, Tiú-Açu.
Scriptosaura catimbau Rodrigues & Santos, 2008
Nome popular: desconhecido.
160
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Stenocercus albolineatus Teixeira Jr., Prates, Nisa, Silva, Strüssmann & Rodrigues, 2015
Nomes populares: Dragãozinho, Iguaninha-Azul, Lagarto-das-Pedras.
Stenocercus azureus (Müller, 1882)
Nomes populares: Iguaninha-Azul, Lagartixa-Azul, Lagarto-das-Pedras.
Stenocercus caducus (Cope, 1862)
Nomes populares: Calango, Calango-de-Coleira, Dragãozinho.
Stenocercus dumerilii (Steindachner, 1867)
Nomes populares: Calango, Dragãozinho, Iguana-de-Rabo-Curto.
Stenocercus mbriatus Avila-Pires, 1995 Nome popular: desconhecido.
Stenocercus quinarius Nogueira & Rodrigues, 2006
Nomes populares: Calango, Dragãozinho, Lagarto-de-Chifres.
Stenocercus roseiventris D’Orbigny in Duméril & Bibron, 1837
Nome popular: desconhecido.
Stenocercus sinesaccus Torres-Carvajal, 2005
Nomes populares: Calango, Dragãozinho.
Stenocercus squarrosus Nogueira & Rodrigues, 2006
Nome popular: desconhecido.
Stenocercus tricristatus (Duméril in Duméril & Duméril, 1851)
Nome popular: desconhecido.
Stenolepis ridleyi Boulenger, 1887
Nome popular: desconhecido.
Strobilurus torquatus Wiegmann, 1834
Nome popular: Lagarto-de-Cauda-Espinhosa, Lagartixa.
Teius oculatus (D’Orbigny & Bibron, 1837)
Nomes populares: Lagartixa, Lagarto-Verde, Teiú, Teju-Verde, Tiú-Verdadeiro, Tiú-Verde.
Teius teyou (Daudin, 1802)
Nomes populares: Calango, Calanguinho, Lagartinho-Verde.
Thecadactylus rapicauda (Houttuyn, 1782)
Nomes populares: Briba, Lagartixa, Lagartixa-da-Amazônia, Osga, Osga-Gigante.
Thecadactylus solimoensis Bergmann & Russell, 2007
Nomes populares: Briba, Lagartixa, Lagartixão, Osga.
161
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Trachylepis atlantica (Schmidt, 1945)
Nome popular: Mabuia-de-Noronha.
Tretioscincus agilis (Ruthven, 1916)
Nomes populares: Calango, Calango-do-Rabo-Azul, Lagartinho-de-Rabo-Azul, Lagartixa.
Tretioscincus oriximinensis Avila-Pires, 1995
Nomes populares: Calango, Calango-do-Rabo-Azul, Lagartixa.
Tropidurus callathelys Harvey & Gutberlet, 1998
Nomes populares: Calango, Papa-Vento, Calango-de-Pedra-Pintado.
Tropidurus catalanensis Gudynas & Skuk, 1983
Nomes populares: Calango, Lagartixa-Cinzenta, Lagartixa-Espinhosa, Lagartixa-Preta, Papa-
-Vento, Tropiduro-Comum.
Tropidurus chromatops Harvey & Gutberlet, 1998
Nomes populares: Calango, Calango-de-Máscara-Azul, Papa-Vento.
Tropidurus cocorobensis Rodrigues, 1987
Nome popular: Calango.
Tropidurus erythrocephalus Rodrigues, 1987
Nome popular: Calango.
Tropidurus etheridgei Cei, 1982
Nomes populares: Calango, Calango-de-Colar, Papa-Vento.
Tropidurus guarani Alvarez, Cei & Scolaro, 1994
Nome popular: Calango.
Tropidurus helenae (Manzani & Abe, 1990)
Nomes populares: Calango, Labigó, Lagarto.
Tropidurus hispidus (Spix, 1825)
Nomes populares: Calangão, Calango, Calango-Comum, Calango-do-Cerrado, Calango-Grande,
Calango-Urbano, Catende, Catenga, Catexa, Labigó, Lagartixa, Lagartixa-Preta, Lagartixa-Preta-
-de-Muro, Lagarto, Papa-Vento.
Tropidurus hygomi Reinhardt & Luetken, 1861
Nome popular: Calango, Catende, Lagartixa-de-Restinga.
Tropidurus imbituba Kunz & Borges-Martins, 2013
Nome popular: Calango.
162
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Tropidurus insulanus Rodrigues, 1987
Nome popular: Calango.
Tropidurus itambere Rodrigues, 1987
Nomes populares: Calangão, Calango, Calango-Grande, Calango-Urbano, Papa-Vento.
Tropidurus jaguaribanus Passos, Lima & Borges-Nojosa, 2011
Nome popular: Calango-de-Lajeiro.
Tropidurus lagunablanca Carvalho, 2016
Nomes populares: Calango, Calango-Colorido, Calango-Pintadinho, Dragãozinho-Colorido,
Papa-Vento.
Tropidurus montanus Rodrigues, 1987
Nomes populares: Calango, Calango-da-Montanha, Lagarto-da-Pedra.
Tropidurus mucujensis Rodrigues, 1987
Nome popular: Calango.
Tropidurus oreadicus Rodrigues, 1987
Nomes populares: Calango, Calango-do-Cerrado, Calango-Urbano, Lagartixa, Lagarto, Lagarto-
-da-Pedra, Lagarto-de-Parede.
Tropidurus pinima (Rodrigues, 1984)
Nome popular: Leixa.
Tropidurus psammonastes Rodrigues, Kasahara & Yonenaga-Yasuda, 1988
Nome popular: Calango.
Tropidurus semitaeniatus (Spix, 1825)
Nomes populares: Calango-do-Lageiro, Catende, Lagartixa, Lagartixa-do-Lajedo, Lagartixa-do-
-Lajeiro.
Tropidurus sertanejo Carvalho, Sena, Peloso, Machado, Montesinos, Silva, Campbell & Rodri-
gues, 2016
Nome popular: Calango.
Tropidurus spinulosus (Cope, 1862)
Nomes populares: Calango, Calango-de-Espinho, Papa-Vento.
Tropidurus torquatus (Wied, 1820)
Nomes populares: Calango, Calango-de-Muro, Calango-do-Cerrado, Calango-Urbano, Labigó,
Lagartixa, Lagartixa-Preta, Lagarto, Lagarto-da-Pedra, Lagarto-de-Parede, Taraguira, Trauíra.
163
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Tupinambis cryptus Murphy, Jowers, Lehtinen, Charles, Colli, Peres Jr., Hendry & Pyron, 2016
Nomes populares: Teiú, Teju.
Tupinambis cuzcoensis Murphy, Jowers, Lehtinen, Charles, Colli, Peres Jr., Hendry & Pyron, 2016
Nomes populares: Teiú, Teju.
Tupinambis longilineus Avila-Pires, 1995
Nomes populares: Jacuraru, Teiú, Teiú-Comprido, Teju.
Tupinambis palustris Manzani & Abe, 2002
Nome popular: Teiú-Palustre.
Tupinambis quadrilineatus Manzani & Abe, 1997
Nomes populares: Teiú, Teiú-Amarelo, Teiú-de-Quatro-Linhas, Teju.
Tupinambis teguixin (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Jacuaru, Jacuraru, Jacuruaru, Lagartiu, Lagarto, Tegu, Teiú, Teiú-Açu, Tejo,
Tejo-D’água, Teju, Tejuaçu.
Uracentron azureum (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Calango-Verde, Lagarto-Espinhoso, Lagarto-Rabo-de-Abacaxi, Tamaquaré-
-de-Espinho.
Uracentron aviceps (Guichenot, 1855)
Nome popular: Lagarto-Espinhoso.
Uranoscodon superciliosus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Calango-Cabeçudo, Dragãozinho-Cabeçudo, Iguaninha, Lagarto, Tamacuaré,
Tamaquaré, Tamaquaré-D’água.
Urostrophus vautieri Duméril & Bibron, 1837
Nomes populares: Camaleãozinho, Iguana-Rajada, Papa-Vento, Papa-Vento-de-Barriga-Listrada.
Vanzosaura multiscutata (Amaral, 1933)
Nomes populares: Calango-do-Rabo-Vermelho, Calanguinho-do-Rabo-Vermelho, Lagartinho,
Lagarto-de-Rabo-Vermelho, Piolho-de-Cobra.
Vanzosaura rubricauda (Boulenger, 1902)
Nomes populares: Calango-do-Rabo-Vermelho, Calanguinho-do-Rabo-Vermelho, Lagartinho,
Lagarto-de-Rabo-Vermelho, Piolho-de-Cobra.
Vanzosaura savanicola Recoder, Werneck, Teixeira Jr., Colli, Sites & Rodrigues, 2014
Nomes populares: Calango-da-Savana, Calango-Listrado, Lagarto-de-Rabo-Vermelho.
Varzea altamazonica (Miralles, Barrio-Amorós, Rivas & Chaparro-Auza, 2006)
Nome popular: Calango.
164
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Varzea bistriata (Spix, 1825)
Nomes populares: Calango-Liso, Lagarto-Liso.
SERPENTES (Cobras & Serpentes)
Amerotyphlops amoipira (Rodrigues & Juncá, 2002)
Nome popular: Cobra-Cega-das-Dunas.
Amerotyphlops arenensis Graboski, Pereira-Filho, Silva, Prudente & Zaher, 2015
Nome popular: desconhecido.
Amerotyphlops brongersmianus (Vanzolini, 1976)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-Cega-de-Espinho-Comum, Cobra-Cega-de-Espinho-Mar-
rom, Cobra-Cega-Marrom, Cobra-da-Terra.
Amerotyphlops minuisquamus (Dixon & Hendricks, 1979)
Nome popular: Cobra-Cega.
Amerotyphlops paucisquamus (Dixon & Hendricks, 1979)
Nome popular: Cobra-Cega.
Amerotyphlops reticulatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-da-Terra, Minhoca, Minhocão.
Amerotyphlops yonenagae (Rodrigues, 1991)
Nome popular: Cobra-Cega-do-São-Francisco.
Amnesteophis melanauchen (Jan & Sordelli, 1866)
Nome popular: desconhecido.
Anilius scytale (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-Coral, Cobra-Coral-Falsa, Cobra-de-Duas-Cabeças, Coral,
Coral-D’Água, Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Apostolepis adhara França, Barbo, Silva-Júnior, Silva & Zaher, 2018
Nome Popular: desconhecido.
Apostolepis albicollaris Lema, 2002
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis ambiniger (Peters, 1869)
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis ammodites Ferrarezzi, Barbo & Albuquerque, 2005
Nomes populares: Cobra-de-Ferrão, Cobra-Rainha, Falsa-Coral.
165
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Apostolepis arenaria Rodrigues, 1992
Nomes populares: Cobra-de-Ferrão, Cobra-Rainha, Falsa-Coral.
Apostolepis assimilis (Reinhardt, 1861)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Cabeça-Preta-de-Rabo-Preto, Coral-Falsa, Falsa-
-Coral.
Apostolepis borelli Peracca, 1904
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis cearensis Gomes, 1915
Nomes populares: Cobra-de-Ferrão, Cobra-Rainha, Coral-Falsa, Coralzinha, Falsa-Coral.
Apostolepis cerradoensis Lema, 2003
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis christineae Lema, 2002
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis dimidiata (Jan, 1862)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Apostolepis avotorquata (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nome popular: desconhecido.
Apostolepis gaboi Rodrigues, 1992
Nome popular: Cobra-Rainha-das-Dunas.
Apostolepis goiasensis Prado, 1942
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis intermedia Koslowsky, 1898
Nome popular: Cobrinha-da-Terra.
Apostolepis kikoi Santos, Entiauspe-Neto, Silva-Araújo, Souza, Lema, Strüssmann & Albuquer-
que, 2018 - Nome Popular: desconhecido.
Apostolepis lineata Cope, 1887
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis longicaudata Gomes in Amaral, 1921
Nome popular: Cobra-da-Terra, Cobrinha-da-Terra.
Apostolepis nelsonjorgei Lema & Renner, 2004
Nome popular: Cobrinha-da-Terra.
166
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Apostolepis nigrolineata (Peters, 1869)
Nomes populares: Cobra-Cega, Falsa-Coral.
Apostolepis nigroterminata Boulenger, 1896
Nome popular: Cobrinha-da-Terra.
Apostolepis phillipsi Harvey, 1999
Nome popular: Cobrinha-da-Terra.
Apostolepis polylepis Amaral, 1922
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis quinquelineata Boulenger, 1896
Nome popular: Cobra-da-Terra.
Apostolepis quirogai Giraudo & Scrocchi, 1998
Nome popular: Cabeça-Preta-de-Rabo-Preto.
Apostolepis roncadori Lema, 2016
Nome popular: desconhecido.
Apostolepis serrana Lema & Renner, 2006
Nomes populares: Cobrinha-da-Terra, Cobra-Rainha-da-Serra-do-Roncador.
Apostolepis striata Lema, 2004
Nomes populares: Cobrinha-da-Terra, Cobra-Rainha-Estriada.
Apostolepis tertulianobeui Lema, 2004
Nome popular: Falsa-Coral.
Apostolepis thalesdelemai Borges-Nojosa, Lima, Bezerra & Harris, 2016
Nome popular: desconhecido.
Apostolepis vittata (Cope, 1887)
Nome popular: Cobrinha-da-Terra.
Atractus aboiporu Melo-Sampaio, Passos, Fouquet, Prudente & Torres-Carvajal, 2019
Nomes populares: Cobra-da-terra, Falsa-Coral-Manchada, Fura-Terra.
Atractus albuquerquei Cunha & Nascimento, 1983
Nomes populares: Cobra-da-Terra, Fura-Terra.
Atractus alphonsehogei Cunha & Nascimento, 1983
Nome popular: desconhecido.
167
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Atractus altagratiae Passos & Fernandes, 2008
Nome popular: desconhecido.
Atractus badius (Boie, 1827)
Nomes populares: Cobra-da-Terra, Fura-Terra.
Atractus boimirim Passos, Prudente & Lynch, 2016
Nome popular: desconhecido.
Atractus caete Passos, Fernandes, Bérnils & Moura-Leite, 2010
Nome popular: Cobra-da-Terra-da-Floresta.
Atractus caxiuana Prudente & Santos-Costa, 2006
Nome popular: desconhecido.
Atractus collaris Peracca, 1897
Nome Popular: desconhecido.
Atractus dapsilis Melo-Sampaio, Passos, Fouquet, Prudente & Torres-Carvajal, 2019
Nomes populares: Cobra-da-terra, Falsa-Coral-Manchada, Fura-Terra.
Atractus edioi Silva Jr., Silva, Ribeiro, Souza & Souza, 2005
Nomes populares: Cobra-da-Terra, Fura-Terra.
Atractus elaps (Günther, 1858)
Nome popular: desconhecido.
Atractus emmeli (Boettger, 1888)
Nome Popular: desconhecido.
Atractus ammigerus (Boie, 1827)
Nome popular: desconhecido.
Atractus francoi Passos, Fernandes, Bérnils & Moura-Leite, 2010
Nome popular: Cobra-da-Terra.
Atractus guentheri (Wucherer, 1861)
Nome popular: Coral-Falsa.
Atractus hoogmoedi Prudente & Passos, 2010
Nome popular: desconhecido.
Atractus insipidus Roze, 1961
Nome popular: desconhecido.
168
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Atractus latifrons (Günther, 1868)
Nomes populares: Coral, Falsa-Coral.
Atractus maculatus (Günther, 1858)
Nome popular: Coral-Falsa.
Atractus major Boulenger, 1894
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-Coral.
Atractus natans Hoogmoed & Prudente, 2003
Nome popular: desconhecido.
Atractus pantostictus Fernandes & Puorto, 1994
Nome popular: Cobra-da-Terra, Fura-Terra.
Atractus paraguayensis Werner, 1924
Nomes populares: Cobra-Coral-da-Terra, Cobra-de-Terra-Listrada, Cobrinha-da-Terra, Falsa-
-Coral.
Atractus poeppigi (Jan, 1862)
Nome popular: desconhecido.
Atractus potschi Fernandes, 1995
Nome popular: Cobra-da-Terra.
Atractus reticulatus (Boulenger, 1885)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-da-Terra, Cobra-de-Terra-Comum, Cobra-Reticulada,
Cobra-Tijolo, Cobrinha-da-Terra, Fura-Terra, Fura-Terra-Reticulada.
Atractus riveroi Roze, 1961
Nome popular: desconhecido.
Atractus ronnie Passos, Fernandes & Borges-Nojosa, 2007
Nome popular: Cobra-da-Terra.
Atractus serranus Amaral, 1930
Nome popular: desconhecido.
Atractus snethlageae Cunha & Nascimento, 1983
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-da-terra, Falsa-Coral-Manchada, Fura-Terra.
Atractus spinalis Passos, Teixeira Jr., Recoder, Sena, Dal Vechio, Pinto, Mendonça, Cassimiro &
Rodrigues, 2013
Nome popular: desconhecido.
169
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Atractus surucucu Prudente & Passos, 2008
Nome popular: desconhecido.
Atractus tartarus Passos, Prudente & Lynch, 2016
Nome popular: desconhecido.
Atractus thalesdelemai Passos, Fernandes & Zanella, 2005
Nomes populares: Cobra-da-Terra-do-Sul, Cobrinha-da-Terra.
Atractus torquatus (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nome popular: desconhecido.
Atractus trefauti Melo-Sampaio, Passos, Fouquet, Prudente & Torres-Carvajal, 2019
Nomes populares: Cobra-da-terra, Falsa-Coral-Manchada, Fura-Terra.
Atractus trihedrurus Amaral, 1926
Nome popular: Cobra-da-Terra, Coral, Coral-Falsa.
Atractus trilineatus Wagler, 1828
Nome popular: desconhecido.
Atractus zebrinus (Jan, 1862)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Rajada, Cobrinha-da-Terra, Coral-Falsa, Fura-Terra.
Atractus zidoki Gasc & Rodrigues, 1979
Nome popular: desconhecido.
Boa constrictor Linnaeus, 1758
Nomes populares: Anaconda, Boiuçu, Cobra-de-Veado, Ctaia, Jauacanga, Jiboia, Jiboia-Branca,
Jiboia-Cinzenta, Jiboia-da-Cauda-Vermelha, Jiboia-do-Cerrado, Kuong-Kuong, Salamanta-Boi,
Suaçu.
Boiruna maculata (Boulenger, 1896)
Nomes populares: Cobra-de-Leite, Cobra-Preta, Coral (juvenil), Coral-Falsa, Limpa-Mato, Lim-
pa-Pasto, Mamadeira, Muçurana, Muçurana-Comum, Mussurana.
Boiruna sertaneja Zaher, 1996
Nomes populares: Cobra-de-Leite, Cobra-Preta, Limpa-Mato, Muçurana, Mussurana.
Bothrocophias hyoprora (Amaral, 1935)
Nomes populares: Cuiama-Nariguda, Focinho-de-Porco, Jararaca, Jararaca-Bico-de-Folha, Jara-
raca-Bicuda, Jararaca-de-Focinho-Levantado, Jararaca-Nariguda.
Bothrocophias microphthalmus (Cope, 1875)
Nomes Populares: Jararaca, Jararaca-Bicuda, Jararaca-Nariguda.
170
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Bothrops alcatraz Marques, Martins & Sazima, 2002
Nome popular: Jararaca-de-Alcatrazes.
Bothrops alternatus Duméril, Bibron & Duméril, 1854
Nomes populares: Boicoatiara, Boicotiara, Coatiara, Cotiara, Cruzeira, Cruzeiro, Jararaca-de-
-Agosto, Jararaca-do-Rabo-de-Porco, Jararaca-Rabo-de-Porco, Rabo-de-Mulita, Urutu, Urutu-
-Cruzeira, Urutu-Cruzeiro.
Bothrops atrox (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Acuambóia, Boca-Podre, Cambéua, Caiçaca, Caiçara, Comboia, Cuamboia,
Japoboia, Jaracuçu, Jararaca, Jararaca-Açu, Jararaca-da-Amazônia, Jararaca-do-Amazonas, Ja-
raraca-do-Norte, Jararaca-do-Rabo-Branco, Jararaca-Grão-de-Arroz, Jararacarana, Mapanare,
Surucucu, Surucucu-da-Várzea, Surucucu-do-Barranco, Surucucurana.
Bothrops bilineatus (Wied, 1821)
Nomes populares: Bico-de-Papagaio, Cobra-Papagaio, Igbigracuã, Jararaca, Jararaca-Pinta-de-
-Ouro, Jararaca-Verde, Oricana, Ouricana, Papagaia, Paraamboia, Paramboia, Patioba, Periqui-
tamboia, Pindoba, Pinta-de-Ouro, Surucucu-de-Ouricana, Surucucu-de-Patioba, Surucucu-de-
-Pindoba, Surucucu-Pinta-de-Ouro, Uriçana.
Bothrops brazili Hoge, 1954
Nomes populares: Jararaca, Jararaca-Vermelha, Jararacuçu, Jararacuçu, Surucucurana-de-Fo-
go, Surucucu-Vermelha.
Bothrops cotiara (Gomes, 1913)
Nomes populares: Boicoatiara, Boicotiara, Coatiara, Cotiara, Jararaca, Jararaca-da-Barriga-Pre-
ta, Jararaca-Preta.
Bothrops diporus Cope, 1862
Nomes populares: Bocuda, Cabeça-de-Capanga, Jararaca-do-Chaco, Jararaca-do-Rabo-Branco,
Jararaca-Pintada, Jararaca-Pintada-Argentina, Jararaca-Pintada-do-Sul.
Bothrops erythromelas Amaral, 1923
Nomes populares: Cabeça-de-Capanga, Jararaca, Jararaca-Avermelhada, Jararaca-Malha-de-
-Cascavel, Jararaca-da-Seca, Jararaca-da-Caatinga, Jararaca-do-Sertão, Jararaca-Rosada, Jara-
raca-Vermelha, Jararaquinha, Jararacussu, Jararaca-da-Folha-Seca.
Bothrops fonsecai Hoge & Belluomini, 1959
Nomes populares: Cotiara, Cotiara-Estrela, Jararaca-das-Montanhas, Jararaca-Estrela, Urutu,
Urutu-da-Serra.
Bothrops insularis (Amaral, 1922)
Nome popular: Jararaca-Ilhoa.
171
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
Bothrops itapetiningae (Boulenger, 1907)
Nomes populares: Boipeva, Cotiarinha, Jararaca, Jararaquinha, Jararaquinha-do-Campo,
Bothrops jararaca (Wied, 1824)
Nomes populares: Boca-Podre, Cabeça-de-Patrona, Caiçaca, Caissaca, Cola-Branca, Jaraca, Ja-
racá, Jaracuçu, Jaracuçu-Quatro-Ventas, Jaracuçu-Venenoso, Jararaca, Jararaca-Comum, Ja-
raraca-da-Mata-Virgem, Jararaca-do-Campo, Jararaca-do-Mato, Jararaca-do-Rabo-Branco,
Jararaca-Dormideira, Jararaca-Dorminhoca, Jararaca-Preguiçosa, Jararaca-Rabo-de-Osso, Ja-
raraca-Verdadeira, Malha-de-Sapo, Patrona, Preguiçosa, Quatro-Ventas, Urutu, Urutu-Amarelo,
Urutu-Preto.
Bothrops jararacussu Lacerda, 1884
Nomes populares: Cabeça-de-Sapo, Jaracuçu-Malha-de-Sapo, Jaracuçu-Tapete, Jaracuçu-Vene-
noso, Jaracuçu-Verdadeiro, Jararaca, Jararacuçu, Jararacuçu-Cabeça-de-Sapo, Jararacuçu-Ta-
pete, Jararacuçu-Verdadeira, Patrona, Surucucu-Cabeça-de-Patrona, Surucucu-Cabeça-de-Sapo,
Surucucu-Dourado, Surucucu-Tapete, Urutu, Urutu-Amarelo, Urutu-Dourado, Urutu-Estrela,
Urutu-Preta, Urutu-Preto.
Bothrops leucurus Wagler in Spix, 1824
Nomes populares: Boca-Podre, Cabeça-de-Patrona, Caissaca, Capangueiro, Cobra-de-Quatro-
-Ventas, Cobra-do-Rabo-Branco, Jaracuçu, Jaracuçu-de-Quatro-Ventras, Jararaca, Jararaca-
-Baiana, Jararaca-Bahiana, Jararaca-da-Cauda-Branca, Jararaca-do-Rabo-Branco, Malha-de-
-Sapo, Quatro-Ventas.
Bothrops lutzi (Miranda-Ribeiro, 1915)
Nomes populares: Boca-de-Sapo, Jararaca, Jararaca-do-Cerrado, Jararaca-do-Sertão, Jararaca-
-Pintada, Tira-Peia.
Bothrops marajoensis Hoge, 1966
Nomes populares: Caissaca-de-Marajó, Jararaca.
Bothrops marmoratus Silva & Rodrigues, 2008
Nomes populares: Jararaca, Jararaca-Marmorata, Jararaca-Pintada.
Bothrops mattogrossensis Amaral, 1925
Nomes populares: Boca-de-Sapo, Jararaca, Jararaca-Pintada.
Bothrops moojeni Hoge, 1966
Nomes populares: Boipeva, Bopeva, Caiçaca, Caiçara, Caissaca, Jaracuçu, Jararaca, Jararaca-de-
-Vereda, Jararaca-do-Cerrado, Jararacão, Jararaquinha-do-Rabo-Branco.
Bothrops muriciensis Ferrarezzi & Freire, 2001
Nomes populares: Jararaca, Jararaca-de-Alagoas, Jararacuçu.
172
Bothrops neuwiedi Wagler in Spix, 1824
Nomes populares: Boca-de-Sapo, Bocuda, Jararaca, Jararaca-Cruzeira, Jararaca-do-Rabo-Bran-
co, Jararaca-Pintada, Jararaca-Pintada-Rabo-de-Osso, Malha-de-Sapo, Rabo-de-Osso, Tire-Peia.
Bothrops otavioi Barbo, Grazziotin, Sazima, Martins & Sawaya, 2012
Nome popular: Jararaca-de-Vitória.
Bothrops pauloensis Amaral, 1925
Nomes populares: Boca-de-Sapo, Bocuda, Cabeça-de-Capanga, Jararaca, Jararaca-Cruzeira, Ja-
raraca-de-Rabo-Branco, Jararaca-Pintada, Jararacussu, Jararaquinha, Rabo-de-Osso, Urutu.
Bothrops pirajai Amaral, 1923
Nomes populares: Jaracuçu-Tapete, Jararaca, Jararacuçu, Jararacuçu-Tapete, Jararacuçu-da-
-Bahia, Patrona, Tapete.
Bothrops pubescens (Cope, 1870)
Nomes populares: Cabeça-de-Capanga.Cruzeira, Jararaca-Cruzeira, Jararaca-do-Rabo-Branco,
Jararaca-do-Sul, Jararaca-Pintada, Jararaca-Pintada-Uruguaia.
Bothrops sazimai Barbo, Gasparini, Almeida, Zaher, Grazziotin, Gusmão, Ferrarini & Sawaya, 2016
Nome popular: desconhecido.
Bothrops taeniatus Wagler in Spix, 1824
Nomes populares: Comboia, Japoboia, Jararaca-Amarela, Jararaca-Cinza, Jararaca-Cinzenta,
Jararaca-Estrela, Jararaca-Musgo, Jararaca-Tigrina, Jararaquinha.
Caaeteboia amarali (Wettstein, 1930)
Nome popular: Cobrinha-Marrom-do-Litoral, Cobrinha-Marrom-da-Restinga.
Calamodontophis paucidens (Amaral, 1935)
Nomes populares: Cobra-Espada-dos-Pampas, Cobra-Espada-Xadrez, Falsa-Cobra-Espada.
Calamodontophis ronaldoi Franco, Cintra & Lema, 2006
Nomes populares: Cobra-Espada-do-Paraná.
Cercophis auratus (Schlegel, 1837)
Nomes populares: Bicuda, Cipó-Liquenosa, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-Metálica, Cobra-de-Bronze,
Cobra-Líquen.
Chironius bicarinatus (Wied, 1820)
Nomes populares: Cainana, Caninana-Verde, Caninana-Verde-Comum, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-
-Bicarinada, Cobra-Espada, Cobra-Verde, Espia-Caminho, Serra-Azul, Voadeira.
Chironius brazili Hamdan & Fernandes, 2015
Nomes populares: Caninana-Marrom-Listrada, Cobra-Cipó.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
173
Chironius carinatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Acutimboia, Acutioia, Boicipó, Boitiaboia, Boitipó, Cainana, Cipó, Cobra-Cipó,
Cutimboia, Sacaiboia, Sacaiboia-Cipó, Serra-Veia.
Chironius diamantina Fernandes & Hamdan, 2014
Nome popular: Cobra-Cipó.
Chironius dixoni Wiest, 1978
Nome popular: Cobra-Cipó.
Chironius exoletus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Caninana, Caninana-Verde-Oliva, Caninana-Verde-Oriental, Cipó, Cobra-Ci-
pó, Cobra-Cipó-Madura, Cobra-Espada, Espia-Caminho, Voadeira.
Chironius avolineatus (Jan, 1863)
Nomes populares: Acutimboia, Acutioia, Boitipó, Caninana-Marrom-Listrada, Cipó, Cobra-Cipó,
Cobra-Espada, Sacaiboia.
Chironius foveatus Bailey, 1955
Nomes populares: Caninana, Caninana-Verde-de-Cabeça-Preta, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-Verde,
Cipó, Cobra-Espada, Cobra-Verde, Serra-Velha.
Chironius fuscus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Araboia, Araboia, Caninana-Marrom, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-de-Rio, Cobra-
-Espada, Espia-Caminho, Papa-Ovo, Sacaiboia, Sururucu-de-Fogo, Uirápiagara, Uropiagara.
Chironius laevicollis (Wied, 1824)
Nomes populares: Caninana-Preta, Caninana, Caninana-Marrom, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-de-
-Cabeça-Preta, Cobra-Espada, Papa-Pinto.
Chironius maculoventris Dixon, Wiest & Cei, 1993
Nome popular: Cobra-Cipó.
Chironius multiventris Schmidt & Walker, 1943
Nomes populares: Cainana, Cobra-Cipó, Cobra-Verde, Sacaiboia, Serra-Veia.
Chironius quadricarinatus (Boie, 1827)
Nomes populares: Capitã-do-Campo, Capitão-do-Campo, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-Marrom,
Cobra-Espada, Corre-Campo, Sacaiboia.
Chironius scurrulus (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Acutimboia, Cobra-Cipó, Sururucu-de-Fogo.
Clelia clelia (Daudin, 1803)
Nomes populares: Cobra-Coral (juvenil), Cobra-Preta, Limpa-Mato, Muçurana, Muçurana-da-
-Amazônia, Mussurana.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
174
Clelia hussami Morato, Franco & Sanches, 2003
Nome popular: desconhecido.
Clelia plumbea (Wied, 1820)
Nomes populares: Boiru, Boiúna, Cobra-de-Leite, Coral (juvenil), Coral-Falsa (juvenil), Cobra-
-Preta, Falsa-Coral (juvenil), Limpa-Campo, Limpa-Mato, Limpa-Pasto, Mamadeira, Muçurana,
Muçurana-Comum-do-Sudeste, Muçurana-de-Barriga-Branca, Muçurana-do-Cerrado, Muçura-
na-Grande, Mussurana, Papa-Rato, Rabo-de-Veludo, Surucucu-Chumbo.
Corallus batesii (Gray, 1860)
Nomes populares: Araboia, Araraboia, Araramboia, Bico-de-Papagaio, Cobra-de-Papagaio, Co-
bra-Papagaio, Cobra-Verde, Papagaia, Periquitaboia, Periquitamboia.
Corallus caninus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Araboia, Araraboia, Araramboia, Cobra-Papagaio, Cobra-Verde, Periquita-
boia, Periquitamboia.
Corallus cropanii (Hoge, 1953)
Nomes populares: Boa-de-Cropani, Boa-de-Cropan, Jiboia-do-Ribeira, Jiboia-Dourada.
Corallus hortulanus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Boitinga, Cobra-de-Veado, Cobra-Veadeira, Jiboia-Branca, Salamanta, Suaçu-
boia, Suassuboia, Veadeira.
Coronelaps lepidus (Reinhardt, 1861)
Nomes populares: Cabeça-Preta, Cabeça-Preta-Coroada, Cabeça-Preta-de-Faixa-Amarela,
Cobra-Coral, Cobra-Coroada, Cobra-da-Terra, Cobra-Mineira, Coral-Falsa, Falsa-Coral,
Serpente-Coroada.
Crotalus durissus Linnaeus, 1758
Nomes populares: Boicinim, Boicininga, Boiçununga, Boiquira, Cascabel, Cascavé, Cascavel, Cas-
cavel-de-Quatro-Ventas, Cascavelha, Cobra-de-Chocalho, Cobra-de-Guizo, Cobra-do-Chocalho,
Maracá, Maracaboia, Maracamboia, Surucucu-Cascavel.
Dendrophidion atlantica Freire, Caramaschi & Gonçalves, 2010
Nome popular: desconhecido.
Dendrophidion dendrophis (Schlegel, 1837)
Nomes populares: Boicipó, Caçadora, Cobra-Cipó.
Dipsas albifrons (Sauvage, 1884)
Nomes populares: Come-Lesma, Dormideira, Dormideira-da-Ilha-da-Queimada-Grande, Quiriripitá.
Dipsas alternans (Fischer, 1885)
Nomes populares: Come-Lesma, Dormideira, Dormideira-de-Árvore.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
175
Dipsas bucephala (Shaw, 1802)
Nomes populares: Come-Lesma, Dormideira, Dormideira-Comum, Jararaca, Jararaquinha-
Dormideira.
Dipsas catesbyi (Sentzen, 1796)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Come-Lesma, Dormideira, Dorminhoca, Jararaquinha-Dormi-
deira, Papa-Lesma.
Dipsas incerta (Jan, 1863)
Nomes populares: Come-Lesma, Dormideira, Dormideira-de-Árvore.
Dipsas indica Laurenti, 1768
Nomes populares: Cobra-Cipó, Come-Lesma, Dorme-Dorme, Dormideira, Dorminhoca, Jarara-
ca-Preguiçosa, Jararaquinha-Pingo-de-Ouro, Papa-Lesma, Pingo-de-Ouro, Quiriripitá.
Dipsas lavillai Scrocchi, Porto & Rey, 1993
Nome popular: Dormideira.
Dipsas mikanii (Schlegel, 1837)
Nomes populares: Come-Lesma, Dorme-Dorme, Dormideira, Dormideira-de-Jardim, Dorminho-
ca, Jaracuçu-Dormideira, Jararaca-Preguiçosa, Papa-Lesma, Urutú-Péva, Urutuzinho-Pequeno.
Dipsas neuwiedi (Ihering, 1911)
Nomes populares: Dormideira, Dormideira-Anelada, Dormideira-Cinzenta, Dormideira-do-Mato,
Dormideira-Oriental, Falsa-Jararaca, Jaracuçu, Papa-Lesma, Urutú-Péva, Urutuzinho-Pequeno.
Dipsas pavonina Schlegel, 1837
Nomes populares: Cobra-Cipó, Dorminhoca, Papa-Lesma.
Dipsas sazimai Fernandes, Marques & Argôlo, 2010
Nomes populares: Come-Lesma, Dormideira.
Dipsas turgida (Cope, 1868)
Nomes populares: Cobra-Lesma, Dormideira, Dormideira-Ocidental, Dormideira-Rajada,
Dormideira-Tigrada, Papa-Lesma.
Dipsas variegata (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Come-Lesma, Dorme-Dorme, Dormideira, Dorminhoca, Jarara-
quinha-Dormideira.
Dipsas ventrimaculata (Boulenger, 1885)
Nomes populares: Dormideira, Dormideira-Comum, Dormideira-Grande, Dormideira-Marrom,
Jararaca-de-Jardim, Jararaquinha, Papa-Lesma, Urutuzinho.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
176
Ditaxodon taeniatus (Peters in Hensel, 1868)
Nomes populares: Cobra-Cipó-das-Árvores, Cobra-Cipó-Marrom, Cobra-de-Listras, Corre-Cam-
po, Corredeira, Parelheira-Listrada-do-Campo.
Drepanoides anomalus (Jan, 1863)
Nomes populares: Coral, Cobra-Coral.
Drymarchon corais (Boie, 1827)
Nomes populares: Caninana, Caninana-Balão, Guigraupiagoara, Papa-Ova, Papa-Ovo, Papa-Pinto.
Drymobius rhombifer (Günther, 1860)
Nome popular: Cobra-Cipó.
Drymoluber brazili (Gomes, 1918)
Nome popular: Cobra-Cipó.
Drymoluber dichrous (Peters, 1863)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Corredeira, Papa-Rato, Rateira.
Echinanthera amoena (Jan, 1863)
Nome popular: desconhecido.
Echinanthera cephalomaculata Di-Bernardo, 1994
Nome popular: desconhecido.
Echinanthera cephalostriata Di-Bernardo, 1996
Nomes populares: Cobrinha-Cipó, Corredeira-do-Mato, Papa-Rã.
Echinanthera cyanopleura (Cope, 1885)
Nomes populares: Cobrinha-Cipó, Corredeira-Grande-do-Mato, Papa-Rã.
Echinanthera melanostigma (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Cobrinha-Cipó, Cobra-do-Folhiço, Jararaquinha-do-Campo, Papa-Rã.
Echinanthera undulata (Wied, 1824)
Nomes populares: Corredeira-do-Mato-Ondulada, Papa-Rã.
Elapomorphus quinquelineatus (Raddi, 1820)
Nomes populares: Cabeça-Preta-Grande, Cobra-Cinco-Linhas.
Elapomorphus wuchereri Günther, 1861
Nome popular: Coral-Falsa.
Epicrates assisi Machado, 1945
Nomes populares: Cobra-Arco-Íris, Jiboia-Arco-Íris, Jiboia, Salamanta, Serpente-de-Veado, Ser-
pente-Furta-Cor, Uaçubói.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
177
Epicrates cenchria (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-Arco-Íris, Cobra-de-Veado, Jiboí, Jiboia-Arco-Íris, Jiboia-Vermelha,
Salamanta, Serpente-Furta-Cor, Serpente-de-Veado, Suaçu, Surucucu-de-Fogo, Uaçubói.
Epicrates crassus Cope, 1862
Nomes populares: Jiboia-Arco-Íris, Jiboia-Parda, Salamanta, Salamanta-do-Cerrado, Salaman-
ta-do-Sudeste, Uaçubói.
Epicrates maurus Gray, 1849
Nome popular: Salamanta.
Epictia albifrons (Wagler, 1824)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-Cega-da-Guiana, Minhoca.
Epictia borapeliotes (Vanzolini, 1996)
Nomes populares: Cobra-Chumbo, Cobra-da-Terra, Cobra-de-Chumbinho.
Epictia clinorostris Arredondo & Zaher, 2010
Nomes populares: Cobra-Cega.
Epictia munoai (Orejas-Miranda, 1961)
Nomes populares: Cobra-Cega-Amarela, Cobra-Cega-Minhoca-Comum, Cobra-Cega-Sulina.
Epictia striatula (Smith & Laufe, 1945)
Nome popular: desconhecido.
Epictia tenella Klauber, 1939 - Nome Popular: Cobra-Cega-da-Guiana.
Epictia vellardi (Laurent, 1984)
Nome popular: Cobra-Cega.
Erythrolamprus aesculapii (Linnaeus, 1766)
Nomes populares: Bacorá, Boicorá, Cobra-Corá, Cobra-Coral, Coral, Coral-da-Falsa, Coral-Falsa,
Falsa-Coral, Falsa-Coral-Anelada.
Erythrolamprus almadensis (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Cobra-Espada, Cobra-D’água, Corre-Campo-Pequena, Jararaca-de-Barriga-
-Vermelha, Jararaquinha-Comum, Jararaquinha-do-Campo, Parelheira.
Erythrolamprus atraventer (Dixon & Thomas, 1985)
Nome popular: desconhecido.
Erythrolamprus breviceps (Cope, 1860)
Nome popular: Parelheira.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
178
Erythrolamprus carajasensis (Cunha, Nascimento & Avila-Pires, 1985)
Nome popular: desconhecido.
Erythrolamprus cobellus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-de-Capim, Cobra-Selada, Jararaca-Rajada, Jararaquinha.
Erythrolamprus dorsocorallinus (Esqueda, Natera, La Marca & Ilija-Fistar, 2007)
Nome popular: desconhecido.
Erythrolamprus frenatus (Werner, 1909)
Nome popular: Cobra-D’água, Falsa-Coral, Parelheira.
Erythrolamprus jaegeri (Günther, 1858)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-D’água-Verde, Cobra-Verde, Corredeira-de-Barriga-Ver-
melha, Jararaquinha-do-Campo, Jararaquinha-D’água, Jararaquinha-Verde, Parelheira.
Erythrolamprus macrosomus (Amaral, 1935)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-da-Pastagem, Cobra-Rainha-Meridional, Cobra-Verde,
Jabotiboia, Jabutuboia, Jararaquinha, Parelheira.
Erythrolamprus maryellenae (Dixon, 1985)
Nomes populares: Cobra-Capim, Cobra-D’água, Cobra-Verde, Parelheira.
Erythrolamprus miliaris (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-D’Água-Milhete, Cobra-de-Banhado, Cobra-do-Capim,
Cobra-Lisa, Cobra-Lisa-Amazônica-de-Barriga-Imaculada, Cobra-Lisa-Serrana, Jararaca (juve-
nil), Jararaca-D’água, Parelheira.
Erythrolamprus mossoroensis (Hoge & Lima-Verde, 1973)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-Preta, Jararacuçu-D’água, Jararaquinha.
Erythrolamprus oligolepis (Boulenger, 1905)
Nomes populares: Cobra-de-Capim, Jararaquinha, Parelheira.
Erythrolamprus poecilogyrus (Wied, 1824)
Nomes populares: Boipeva, Casco-de-Burro, Cobra-Corredeira, Cobra-D’água, Cobra-de-Caçote,
Cobra-de-Caçote-Amarela, Cobra-de-Capim, Cobra-de-Jardim, Cobra-de-Lixo, Cobra-do-Capim,
Cobra-do-Lixo, Cobra-Lisa, Cobra-Verde, Cobra-Verde-Argentina, Cobra-Verde-do-Capim, Co-
ral-Falsa, Falsa-Coral, Jararaquinha, Parelheira, Peça-Nova, Rainha.
Erythrolamprus pygmaeus (Cope, 1868)
Nome popular: desconhecido.
Erythrolamprus reginae (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-Verde, Jabutuboia, Jararaquinha, Parelheira.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
179
Erythrolamprus rochai Ascenso, Costa & Prudente, 2019
Nome popular: desconhecido.
Erythrolamprus semiaureus (Cope, 1862)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-Lisa, Cobra-Lisa-Pampeana, Cobra-Preta-de-Banhado.
Erythrolamprus taeniogaster (Jan, 1863)
Nomes populares: Cobra-Coral (juvenil), Cobra-D’água, Cobra-Espada, Jararaquinha, Parelhei-
ra, Surucucu-de-Fogo.
Erythrolamprus trebbaui (Roze, 1958)
Nome popular: desconhecido.
Erythrolamprus typhlus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-de-Capim, Cobra-Lisa, Cobra-Verde, Corredeira-Verde, Jararaquinha-
-Verde, Parelheira.
Erythrolamprus viridis (Günther, 1862)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-Verde, Cobra-Verde-da-Caatinga.
Eunectes deschauenseei Dunn & Conant, 1936
Nomes populares: Anaconda, Sucuri, Sucuri-Malhada, Anaconda-de-Manchas-Escuras.
Eunectes murinus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Anaconda, Aragboia, Arigboia, Boiaçu, Boiçu, Boiguaçu, Boiúna, Suaçuboia,
Sucuri, Sucuri-Comum, Sucurijú, Sucurijuba, Sucuri-Preta, Sucuriu, Sucuriúba, Sucuriúna,
Sucuri-Verde, Sucurujuba, Viborão.
Eunectes notaeus Cope, 1862
Nomes populares: Boiguaçu, Curudiu, Curundiu, Quetomeniope, Sucuri, Sucuri-Amarela,
Sucurijú, Sucuri-do-Pantanal, Sucuriu.
Gomesophis brasiliensis (Gomes, 1918)
Nomes populares: Cobra-Bola, Cobra-Buraqueira, Cobra-D’água, Cobra-do-Lodo.
Habrophallos collaris (Hoogmoed, 1977)
Nome popular: desconhecido.
Helicops angulatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-D’água, Jararaca-D’água, Surucucurana, Trairamboia.
Helicops apiaka Kawashita-Ribeiro, Ávila & Morais, 2013
Nome popular: Cobra-D’água.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
180
Helicops boitata Moraes-Da-Silva, Amaro, Nunes, Strüssmann, Teixeira-Jr., Andrade-Jr., Sudré,
Recoder, Rodrigues & Curcio, 2019
Nome popular: desconhecido.
Helicops carinicaudus (Wied, 1824)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-D’água-Preta, Cobra-D’água-do-Litoral.
Helicops gomesi Amaral, 1922
Nome popular: Cobra-D’água.
Helicops hagmanni Roux, 1910
Nomes populares: Cobra-D’água, Jararaca-D’água, Surucucurana.
Helicops infrataeniatus (Jan, 1868)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-D’água-Meridional.
Helicops leopardinus (Schlegel, 1837)
Nome popular: Cobra-D’água, Jararaca-D’água.
Helicops modestus Günther, 1861
Nomes populares: Boipeva, Cobra-D’água, Cobra-D’água.
Helicops nentur Costa, Santana, Leal, Koroiva & Garcia, 2016
Nome popular: Cobra-D’água, Dama-D’Água.
Helicops polylepis Günther, 1861
Nome popular: Cobra-D’água.
Helicops tapajonicus Frota, 2005
Nome popular: Cobra-D’água.
Helicops trivittatus (Gray, 1849)
Nomes populares: Cobra-D’água, Surucucurana.
Helicops yacu Rossman & Dixon, 1975
Nome popular: Cobra-D’água.
Hydrodynastes bicinctus (Herrmann, 1804)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-D’água, Coral-D’água, Falsa-Cobra-D’água, Jararacuçu.
Hydrodynastes gigas (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Boipevaçu, Cobra-D’água, Jararacuçu-Piau, Pepeva, Sucuri, Sucurirana,
Surucucu-do-Brejo, Surucucu-do-Pantanal, Surucucurana, Surucutinga-do-Pantanal.
Hydrodynastes melanogigas Franco, Fernandes & Bentin, 2007
Nomes populares: Cobra-D’água-Grande-do-Tocantins, Jararacuçu-Piau, Surucucu-do-Pantanal.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
181
Hydrops caesurus Scrocchi, Ferreira, Giraudo, Ávila & Motte, 2005
Nome popular: Cobra-D’água.
Hydrops martii (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Cobra-D’água, Coral-D’água.
Hydrops triangularis (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Cobra-D’água, Jararaca-D’água.
Imantodes cenchoa (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cipó-Olhuda, Cobra-Cipó, Cobra-Fio, Dorme-Dorme, Dormideira, Dorminho-
ca, Jararaquinha, Papa-Lesma.
Imantodes lentiferus (Cope, 1894)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Dormideira, Dorminhoca.
Lachesis muta (Linnaeus, 1766)
Nomes populares: Bico-de-Jaca, Cobra-Topete, Cuiama-Pina, Daya, Pico-de-Jaca, Surucucu,
Surucucu-Bico-de-Jaca, Surucucu-Cospe-Fogo, Surucucu-de-Fogo, Surucucu-Pico-de-Jaca,
Surucucu-Rabo-de-Mucura, Surucucutinga, Surucutinga, Verrugosa.
Leptodeira annulata (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cacaual, Cobra-Cipó, Cobra-Olho-de-Gato, Dormideira, Jararaca, Jararaca-
-de-Parede, Jararaca-de-Patioba, Jararaca-de-Tabuleiro, Jararaca-do-Rabo-Fino, Jararaquinha,
Jiboia-Dormideira, Olho-de-Gato, Rabo-Fino.
Leptomicrurus collaris (Schlegel, 1837)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-de-Colar, Cobra-Coral-de-Costas-Pretas, Coral-
Verdadeira.
Leptomicrurus narduccii (Jan, 1863)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-de-Costas-Pretas-Andina,
Cobra-Coral-Pintada.
Leptomicrurus scutiventris (Cope, 1870)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-Pequena.
Leptophis ahaetulla (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Azulão-Boia, Boiubu, Cobra-Cipó, Cobra-Jericoá, Cobra-Paraíso, Cobra-Papa-
gaio, Cobra-Verde, Jericoá.
Lioheterophis iheringi Amaral, 1935
Nome popular: desconhecido.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
182
Liotyphlops beui (Amaral, 1924)
Nomes populares: Cobra-Cabelo, Cobra-Cega, Cobra-Cega-Preta, Cobra-de-Chumbinho, Fura-
-Terra.
Liotyphlops caissara Centeno, Sawaya & Germano, 2010
Nome popular: desconhecido.
Liotyphlops schubarti Vanzolini, 1948
Nome popular: Cobra-Cega-de-Pirassununga.
Liotyphlops sousai Santos & Reis, 2018
Nome Popular: desconhecido.
Liotyphlops taylori Santos & Reis, 2018
Nome Popular: desconhecido.
Liotyphlops ternetzii (Boulenger, 1896)
Nome popular: Cobra-Cega.
Liotyphlops trefauti Freire, Caramaschi & Argôlo, 2007
Nomes populares: Cobra-Cega, Minhoca.
Liotyphlops wilderi (Garman, 1883)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-Fio.
Lygophis anomalus (Günther, 1858)
Nomes populares: Cobra-Listrada, Corre-Campo, Jararaca-do-Campo, Jararaca-Listrada, Jara-
raquinha-D’água, Jararaquinha-D’água-Comum.
Lygophis dilepis Cope, 1862
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-de-Cadarço, Cobra-de-Caçote, Cobra-de-Listra-Verme-
lha, Corre-Campo.
Lygophis avifrenatus Cope, 1862
Nomes populares: Cobra-Listrada, Corre-Campo, Corredeira-Listrada, Jararaca-Listrada.
Lygophis lineatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Jararaca-Listrada, Jararaquinha.
Lygophis meridionalis (Schenkel, 1901)
Nomes populares: Cobra-Corredeira, Corredeira-Listrada.
Lygophis paucidens Hoge, 1953
Nome popular: Cobra-Corredeira.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
183
Mastigodryas boddaerti (Sentzen, 1796)
Nomes populares: Biru, Cobra-Cipó, Corredeira, Jararaca-Listrada, Jararacuçu, Jararacuçu-do-
-Brejo, Rateira, Surucucu-Lisa.
Mastigodryas moratoi Montingelli & Zaher, 2011
Nome popular: desconhecido.
Mastigodryas pleei (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nome popular: desconhecido.
Micrurus albicinctus Amaral, 1926
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Preta-e-Branca, Cobra-Coral-de-Cinta-Branca, Co-
ral-Verdadeira.
Micrurus altirostris (Cope, 1859)
Nomes populares: Boipinima, Cobra-Coral, Cobra-Coral-Comum, Cobra-Coral-Pampeana, Co-
bra-Coral-Uruguaia, Coral-Verdadeira.
Micrurus annellatus Peters, 1871
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Anelada, Cobra-Coral-de-Anéis, Coral-Verdadeira.
Micrurus averyi Schmidt, 1939
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Vermelha, Coral-Verdadeira.
Micrurus boicora Bernarde, Turci, Abegg & Franco, 2018
Nome popular: desconhecido.
Micrurus brasiliensis Roze, 1967
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-do-Leste.
Micrurus corallinus (Merrem, 1820)
Nomes populares: Bacorá, Boicorá, Cobra-Corá, Cobra-Coral, Cobra-Coral-de-Cabeça-Preta,
Coral, Coral-de-Cintas-Simples, Coral-de-Colar-Branco, Coralina, Coral-Venenosa, Coral-Verda-
deira, Ibiboboca, Ibiboca.
Micrurus decoratus (Jan, 1858)
Nomes populares: Cobra-Corá, Cobra-Coral-do-Centro-Leste, Cobra-Coral, Cobra-Coral-de-Ca-
beça-Vermelha, Cobra-Coral-de-Cintas-Brancas, Coral-Verdadeira, Ibiboboca, Ibiboca.
Micrurus diana Roze, 1983
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Verdadeira.
Micrurus diutius Burguer, 1955
Nome Popular: desconhecido.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
184
Micrurus liformis (Günther, 1859)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Comprida, Cobra-Coral-Fina, Cobra-Coral-Verme-
lha, Coral-Verdadeira.
Micrurus frontalis (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Boipinima, Cobra-Corá, Cobra-Coral, Coral-de-Cara-Preta, Cobra-Coral-do-
-Sul, Coral, Coral-Verdadeira.
Micrurus hemprichii (Jan, 1858)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Escura, Coral-Verdadeira.
Micrurus ibiboboca (Merrem, 1820)
Nomes populares: Cobra-Corá, Cobra-Coral, Cobra-de-Coral, Coral, Coral-Verdadeira, Ibiboboca.
Micrurus isozonus (Cope, 1860)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-da-Venezuela.
Micrurus langsdor Wagler in Spix, 1824
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Amarela, Cobra-Coral-Amarela-e-Vermelha, Co-
bra-Coral-Vermelha, Coral-Verdadeira.
Micrurus lemniscatus (Linnaeus, 1758) – Nomes populares: Boichumbeguaçu, Cobra-Corá, Co-
bra-Coral, Cobra-Coral-de-Bigode, Cobra-Coral-da-Guiana, Cobra-Coral-Vermelha, Coral, Coral-
-Verdadeira.
Micrurus mipartitus (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-de-Cauda-Vermelha.
Micrurus nattereri Schmidt, 1952
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira.
Micrurus obscurus (Jan 1872)
Nomes populares: Chumbeguaçu, Cobra-Coral, Cobra-Coral-de-Pescoço-Amarelo, Coral, Coral-
-Verdadeira.
Micrurus ortoni Schmidt, 1953
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Escura-de-Orton, Coral-Verdadeira.
Micrurus pacaraimae Carvalho, 2002
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-Vermelha.
Micrurus paraensis Cunha & Nascimento, 1973
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-Paraense, Cobra-Coral-
-do-Pará.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
185
Micrurus potyguara Pires, Silva, Feitosa, Prudente, Pereira-Filho & Zaher, 2014
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira.
Micrurus psyches (Daudin, 1803)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-do-Pará, Coral-Verdadeira.
Micrurus putumayensis Lancini, 1962
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-Amarela.
Micrurus pyrrhocryptus (Cope, 1862)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-de-Mato-Grosso-do-Sul.
Micrurus remotus Roze, 1987
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-Remota, Cobra-Coral-Ornata.
Micrurus silviae Di-Bernardo, Borges-Martins & Silva, 2007 – Nomes populares: Cobra-Coral,
Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-do-Rio-Grande-do-Sul.
Micrurus spixii (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Boichumbeguaçu, Chumbeguaça, Chumbeguaçu, Cobra-Coral, Cobra-Coral-
-de-Pescoço-Amarelo, Cobra-Coral-Vermelha, Coral, Coral-Verdadeira.
Micrurus surinamensis (Cuvier, 1817)
Nomes populares: Boichumbeguaçu, Cobra-Coral, Cobra-Coral-Aquática, Cobra-Coral-D’água,
Cobra-Coral-de-Cabeça-Vermelha, Coral, Coral-Verdadeira.
Micrurus tikuna Feitosa, Silva Jr., Pires, Zaher & Prudente, 2015
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Verdadeira.
Micrurus tricolor Hoge, 1956
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Verdadeira, Cobra-Coral-de-Três-Cores.
Mussurana bicolor (Peracca, 1904)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Falsa-Coral, Muçurana, Muçurana-Bicolor.
Mussurana montana (Franco, Marques & Puorto, 1997)
Nomes populares: Coral (juvenil), Coral-Falsa (juvenil), Muçurana-das-Montanhas.
Mussurana quimi (Franco, Marques & Puorto, 1997)
Nomes populares: Cobra-Preta, Limpa-Mato, Muçurana, Mussurana.
Ninia hudsoni Parker, 1940
Nomes populares: Cobra-Preta-de-Cabeça-Branca, Cobra-do-Café.
Oxybelis aeneus (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Bicuda, Boitiaboia, Cipó, Cipó-Bicuda, Cobra-Bicuda, Cobra-Cipó, Cobra-Ci-
pó-Bicuda, Cobra-Flecha.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
186
Oxybelis fulgidus (Daudin, 1803)
Nomes populares: Bicuda, Boitiaboia, Cobra-Bicuda, Cobra-Papagaio, Cobra-Cipó, Cobra-Flecha,
Cobra-Papagaio Cobra-Verde, Paranaboia.
Oxyrhopus clathratus Duméril, Bibron & Duméril, 1854
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Preta, Coral-Falsa, Falsa-Coral, Falsa-Coral-Bandeada,
Falsa-Coral-do-Mato, Falsa-Coral-Laranja, Falsa-Coral-Serrana.
Oxyrhopus formosus (Wied, 1820)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Falsa, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Oxyrhopus guibei Hoge & Romano, 1978
Nomes populares: Cobra-Corá, Cobra-Coral, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Oxyrhopus melanogenys (Tschudi, 1845)
Nomes populares: Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Oxyrhopus petolarius (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-Coral-Falsa, Cobra-Preta, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral,
Falsa-Coral-Preta, Limpa-Campo.
Oxyrhopus rhombifer Duméril, Bibron & Duméril, 1854
Nomes populares: Bacorá, Cobra-Coral, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral, Falsa-Coral-Comum.
Oxyrhopus trigeminus Duméril, Bibron & Duméril, 1854
Nomes populares: Bacorá, Boi-Corá, Boicorá, Cobra-Coral, Cobra-Coral-Falsa, Cobra-de-Coral,
Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral-de-Barriga-Branca, Falsa-Coral-Tricolor.
Oxyrhopus vanidicus Lynch, 2009
Nome popular: desconhecido.
Palusophis bifossatus (Raddi, 1820)
Nomes populares: Biru, Cobra-Bagual, Cobra-Nova, Jaracuçu, Jaracuçu-do-Brejo, Jaracuçu-
-Não-Venenoso, Jaracuçu-Rabo-de-Fuso, Jararaca-do-Banhado, Jararaca-do-Brejo, Jararacão-
-do-Papo-Amarelo, Jararaca-Preta, Jararaca-Rabo-de-Veludo, Jararacuçu, Jararacuçu-do-Ba-
nhado, Jararacuçu-do-Brejo, Jararacuçu-Malhada-de-Pau, Malha-de-Traíra, Rabo-de-Veludo,
Terra-Nova.
Paraphimophis rusticus (Cope, 1878)
Nomes populares: Bicuda, Muçurana, Muçurana-Comum-do-Pampa, Muçurana-Marrom,
Muçurana-Pampeana, Muçurana-Parda.
Phalotris concolor Ferrarezzi, 1994
Nome popular: desconhecido.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
187
Phalotris labiomaculatus Lema, 2002
Nomes populares: Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Phalotris lativittatus Ferrarezzi, 1994
Nomes populares: Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Phalotris lemniscatus (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Cabeça-Preta, Cabeça-Preta-da-Areia, Cabeça-Preta-da-Praia, Cabeça-Preta-
-Meridional, Cabeça-Preta-Pampeana.
Phalotris matogrossensis Lema, D’Agostini & Cappellari, 2005
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral, Fura-Terra-Tricolor.
Phalotris mertensi (Hoge, 1955)
Nomes populares: Cobra-Corá, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Phalotris multipunctatus Puorto & Ferrarezzi, 1994
Nomes populares: Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral, Fura-Terra-da-Barriga-Pintada.
Phalotris nasutus (Gomes, 1915)
Nomes populares: Fura-Terra, Fura-Terra-Nariguda.
Phalotris reticulatus (Peters, 1860)
Nomes populares: Cabeça-Preta-Serrana, Coralina.
Phalotris tricolor (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Coral, Coral-Falsa, Falsa-Coral.
Philodryas aestiva (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Boiobi, Boiubi, Boiubu, Cobra-Cipó-Carenada, Cobra-de-Cipó-Verde, Cobra-
-Verde, Cobra-Verde-D’árvore.
Philodryas agassizii (Jan, 1863)
Nomes populares: Cobra-Marrom, Cobrinha-Marrom, Falsa-Parelheira, Papa-Aranha, Parelhei-
ra-dos-Formigueiros, Parelheira-Mirim.
Philodryas argentea (Daudin, 1803)
Nomes populares: Bicuda, Cobra-Cipó, Tucanaboia.
Philodryas arnaldoi (Amaral, 1933)
Nomes populares: Papa-Pinto, Papa-Rato, Parelheira-Clara, Parelheira-do-Mato.
Philodryas georgeboulengeri Grazziotin, Zaher, Murphy, Scrocchi, Benavides, Zhang & Bonatto, 2012
Nome popular: desconhecido.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
188
Philodryas laticeps Werner, 1900
Nome popular: Cobra-Verde.
Philodryas livida (Amaral, 1923)
Nomes populares: Corre-Campo, Parelheira-do-Campo.
Philodryas mattogrossensis Koslowsky, 1898
Nomes populares: Cobra-Cipó, Cobra-do-Papo-Amarelo.
Philodryas nattereri Steindachner, 1870
Nomes populares: Cobra-Cipó, Corre-Campo, Surradeira, Tabuleira.
Philodryas olfersii (Liechtenstein, 1823)
Nomes populares: Boiubu, Bojobi, Caninana, Cipó-Verde, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-Comum, Co-
bra-Cipó-Listrada, Cobra-Cipó-Verde, Cobra-Corredeira, Cobra-Facão, Cobra-Papagaio, Cobra-
-Verde, Cobra-Verde-Lisa, Corre-Campo, Papagaia, Papa-Pinto.
Philodryas patagoniensis (Girard, 1858)
Nomes populares: Boitiaporana, Boitiporana, Cobra-Cipó, Cobra-dos-Bosques, Cobra-Espada,
Cobra-Parelheira, Corre-Campo, Corredeira, Papa-Pinto, Papa-Rato, Parelheira, Parelheira-Co-
mum, Tiaporana.
Philodryas psammophidea Günther, 1872
Nomes populares: Corre-Campo.
Philodryas viridissima (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Boiobi, Boiubu, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-Verde, Cobra-Papagaio, Cobra-Ver-
de, Papagaia, Tucanaboia.
Phimophis guerini (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Bicuda, Bicuda-de-Chão, Cobra-Cinza, Cobra-de-Nariz, Cobra-Nariguda, Na-
riguda.
Phimophis guianensis (Troschel, 1848)
Nome popular: Bicuda.
Phrynonax polylepis (Peters, 1867)
Nomes populares: Caninana, Cobra-Cipó, Papa-Ovo, Papa-Pinto, Papa-Pinto-de-Papo-Verme-
lho, Papa-Rato, Rateira, Surucucu-Facão.
Pseudoboa coronata Schneider, 1801
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral-Macho, Falsa-Coral.
Pseudoboa haasi (Boettger, 1905)
Nomes populares: Cobra-Preta, Coral, Coral-Falsa, Falsa-Muçurana, Muçurana.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
189
Pseudoboa martinsi Zaher, Oliveira & Franco, 2008
Nome popular: desconhecido.
Pseudoboa neuwiedii (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Ratonel, Ratonera.
Pseudoboa nigra (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Boiru, Boiúna, Cobra-de-Leite, Cobra-Preta, Coral-Falsa, Falsa-Coral, Limpa-
-Mato, Limpa-Pasto, Mamadeira, Moçurana, Muçurana, Mussurana, Mussurana-Limpa-Campo.
Pseudoboa serrana Morato, Moura-Leite, Prudente & Bérnils, 1995
Nome popular: Coral-Falsa.
Pseudoeryx plicatilis (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-Preta, Sucuri.
Psomophis genimaculatus (Boettger, 1885)
Nomes populares: Cobra-Cabelo, Jararaca-Lançada.
Psomophis joberti (Sauvage, 1884)
Nome popular: Cobra-Corredeira.
Psomophis obtusus (Cope, 1758)
Nome popular: Corredeira-do-Banhado.
Ptychophis avovirgatus Gomes, 1915
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-D’água-Serrana, Cobra-Espada-de-Água.
Rhachidelus brazili Boulenger, 1908
Nomes populares: Cobra-Preta, Falsa-Muçurana, Muçurana.
Rhinobothryum lentiginosum (Scopoli, 1785)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Falsa-Coral.
Rodriguesophis chui (Rodrigues, 1993)
Nome popular: Muçurana-Nariguda-das-Dunas.
Rodriguesophis iglesiasi (Gomes, 1915)
Nomes populares: Cobra-Corredeira, Falsa-Coral.
Rodriguesophis scriptorcibatus (Rodrigues, 1993)
Nome popular: Muçurana-Nariguda-do-São-Francisco.
Siagonodon acutirostris Pinto & Curcio, 2011
Nome popular: Cobra-Cega.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
190
Siagonodon cupinensis (Bailey & Carvalho, 1946)
Nome popular: Cobra-Cega.
Siagonodon septemstriatus (Schneider, 1801)
Nomes populares: Cobra-Cega, Fura-Terra.
Sibon nebulatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Caracoleira, Cobra-Cipó, Cobra-Nebulosa, Come-Lesma, Dormideira, Dormi-
nhoca, Papa-Lesma.
Simophis rhinostoma (Schlegel, 1837)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Falsa-Coral, Falsa-Coral-Bicuda.
Siphlophis cervinus (Laurenti, 1768)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Cobra-Coral, Dorme-Dorme, Dormideira, Dorminhoca.
Siphlophis compressus (Daudin, 1803)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Cobra-Coral, Coral-Falsa.
Siphlophis leucocephalus (Günther, 1863)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Dormideira.
Siphlophis longicaudatus (Andersson, 1901)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-Marrom, Dormideira, Dormideira-Cipó, Dormideira-
-Cipó-Cinzenta.
Siphlophis pulcher (Raddi, 1820)
Nomes populares: Cobra-Cipó-Listrada, Cobra-Coral, Dorme-Dorme, Dormideira-Cipó-de-Lis-
tra-Vermelha.
Siphlophis worontzowi (Prado, 1940)
Nomes populares: Cobra-Coral, Coral, Falsa-Coral.
Sordellina punctata (Peters, 1880)
Nomes populares: Cobra-D’água, Cobra-Lisa, Cobra-Preta, Cobrinha-Preta-do-Litoral.
Spilotes pullatus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Araboia, Cainana, Cainana-Flor-de-Algodão, Cainana-Teiú, Caninana, Cobra-
-Tigre, Cobra-Voadora, Jacaninã, Malha-de-Teiú, Papa-Ovo, Papa-Pinto, Yacaninã.
Spilotes sulphureus (Wagler, 1824)
Nomes populares: Caçadora, Caninana, Caninana-Amarela, Caninana-Dourada, Caninana-Ver-
melha, Papa-Ova, Papa-Ovo, Papa-Pinto, Papa-Pinto-de-Papo-Amarelo, Papa-Pinto-de-Papo-
-Vermelho, Papa-Pinto-Vermelha, Papa-Rato, Rateira, Surucucu-de-Fogo, Surucucu-Dourado.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
191
Taeniophallus anis (Günther, 1858)
Nomes populares: Cobra-Cabeça-Preta, Cobra-de-Cabeça-Preta, Cobra-da-Terra, Cobra-do-Ven-
tre-Dourado, Cobrinha-Cipó, Corre-Campo, Corredeira-do-Mato-Comum, Papa-Rã.
Taeniophallus bilineatus (Fischer, 1885)
Nomes populares: Cobrinha-Cipó, Corredeira-de-Mato-Pequena, Corredeira-do-Mato-de-Duas-
-Listras, Papa-Rã.
Taeniophallus brevirostris (Peters, 1863)
Nomes populares: Cobra-Corredeira, Cobra-de-Capim, Corre-Campo, Jararaquinha.
Taeniophallus nicagus (Cope, 1863)
Nome popular: desconhecido.
Taeniophallus occipitalis (Jan, 1863)
Nomes populares: Cobra-Corredeira, Cobra-Capim, Cobra-do-Capim, Cobra-do-Folhiço, Cobra-
-Rainha, Corre-Campo, Corredeira-do-Campo, Corredeira-Pintada, Corredeirinha, Jararaquinha.
Taeniophallus persimilis (Cope, 1869)
Nome popular: desconhecido.
Taeniophallus poecilopogon (Cope, 1863)
Nomes populares: Corredeira-de-Barriga-Vermelha, Corredeira-do-Mato-de-Barriga-Vermelha.
Taeniophallus quadriocellatus Santos-Jr., Di-Bernardo & Lema, 2008
Nome popular: desconhecido.
Tantilla boipiranga Sawaya & Sazima, 2003
Nome popular: desconhecido.
Tantilla melanocephala (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cinco-Minutos, Cobra-da-Terra, Cobra-do-Folhiço, Cobra-Rainha, Coral-Fal-
sa, Falsa-Cabeça-Preta, Falsa-Coral, Onze-Horas, Tantila.
Thamnodynastes almae Franco & Ferreira, 2003
Nome popular: Jararaca, Jararaca-Falsa, Jararaquinha.
Thamnodynastes cf.nattereri (Mikan, 1828)
Nomes populares: Corre-Campo, Corredeira, Jararaca-Falsa, Jararaquinha, Tabuleiro.
Thamnodynastes chaquensis Bergna & Alvarez, 1993
Nome popular: Jararaca-Falsa.
Thamnodynastes hypoconia (Cope, 1860)
Nomes populares: Cobra-Cipó, Cobra-Espada, Corre-Campo-Carenada, Corredeira-Carenada,
Corredeira-Comum, Corredeira-do-Campo, Jararaca-Falsa, Jararaquinha.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
192
Thamnodynastes lanei Bailey, Thomas & Silva-Jr., 2005
Nomes populares: Cobra-Espada, Corre-Campo.
Thamnodynastes longicaudus Franco, Ferreira Marques & Sazima, 2003
Nome popular: Jararaca-Falsa.
Thamnodynastes pallidus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Cobra-Corre-Campo, Cobra-do-Mato, Corre-Campo, Corredeira, Jararaca-
-Falsa, Jararaquinha, Ubicorá.
Thamnodynastes phoenix Franco, Trevine, Montingelli & Zaher, 2017
Nomes populares: Cobra-Espada, Corre-Campo.
Thamnodynastes ramonriveroi Manzanilla & Sánchez, 2005 - Nome Popular: desconhecido.
Thamnodynastes rutilus (Prado, 1942)
Nomes populares: Corredeira-de-Barriga-Amarela, Jararaca-Falsa.
Thamnodynastes sertanejo Bailey, Thomas & Silva-Jr., 2005
Nomes populares: Cipó-do-Papo-Amarelo, Jararaquinha.
Thamnodynastes strigatus (Günther, 1858)
Nomes populares: Cobra-Espada, Corre-Campo, Corre-Campo-Lisa, Corredeira, Corredeira-Co-
mum, Corredeira-Grande, Corredeira-Lisa, Urutu, Urutu-Amarelo, Urutu-Preto.
Tomodon dorsatus Duméril, Bibron & Duméril, 1854
Nomes populares: Boipemi, Cobra-Cinzento-Castanha, Cobra-Espada, Cobra-Espada-Comum,
Cobra-Espada-Grande, Cobra-Espada-Verdadeira, Corre-Campo, Jararaca-da-Chuva, Jararaca-
-Falsa.
Tomodon ocellatus Duméril, Bibron & Duméril, 1854
Nomes populares: Cobra-Espada-Pampeana, Cobra-Espada-Pintada, Falsa-Cruzeira, Jararaqui-
nha-Pintada.
Trilepida brasiliensis (Laurent, 1949)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-de-Chumbinho.
Trilepida dimidiata (Jan, 1861)
Nome popular: Cobra-Cega.
Trilepida fuliginosa (Passos, Caramaschi & Pinto, 2006)
Nome popular: Cobra-Cega.
Trilepida jani (Pinto & Fernandes, 2012)
Nome popular: Cobra-Cega.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
193
Trilepida koppesi (Amaral, 1955)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-de-Chumbinho.
Trilepida macrolepis (Peters, 1857)
Nomes populares: Cobra-Cega, Minhocão.
Trilepida salgueiroi (Amaral, 1955)
Nomes populares: Cobra-Cega, Cobra-da-Terra.
Tropidodryas serra (Schlegel, 1837)
Nomes populares: Cabeça-de-Capanga, Cobra-Cipó, Jararaquinha (juvenil), Jiboinha-Rosada.
Tropidodryas striaticeps (Cope, 1870)
Nomes populares: Cabeça-de-Capanga, Caçadora, Cobra-Cipó, Cobra-Cipó-Malhada, Jararaca-
-Caçadora, Jararaca-das-Árvores, Jararaquinha, Jiboinha, Jiboinha-Comum, Jiboinha-da-Barri-
ga-Preta.
Tropidophis grapiuna Curcio, Nunes, Argôlo, Skuk & Rodrigues, 2012
Nome popular: Jiboinha-Grapiúna.
Tropidophis paucisquamis (Müller in Schenkel, 1901)
Nome popular: Jiboia-Anã, Jiboinha.
Tropidophis preciosus Curcio, Nunes, Argôlo, Skuk & Rodrigues, 2012
Nome popular: desconhecido.
Typhlophis squamosus (Schlegel, 1839)
Nomes populares: Cobra-Cega, Fura-Terra, Minhoca.
Xenodon dorbignyi (Duméril, Bibron & Duméril, 1854)
Nomes populares: Cobra-Nariguda, Jararaca-das-Dunas, Jararaca-da-Praia, Jararaca-de-Barri-
ga-Vermelha, Jararaquinha-da-Praia, Nariguda-Comum, Nariguda-Grande, Nariguda-Preta.
Xenodon guentheri Boulenger, 1894
Nomes populares: Boipeva, Chata, Cobra-Chata, Jararaca-Falsa.
Xenodon histricus (Jan, 1863)
Nomes populares: Cobra-Coral, Falsa-Coral, Nariguda-Rajada.
Xenodon matogrossensis (Scrocchi & Cruz, 1993)
Nomes populares: Cobra-Coral, Cobra-do-Papo-Amarelo, Coral.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
194
Xenodon merremii (Wagler in Spix, 1824)
Nomes populares: Achatadeira, Boca-de-Caçapa, Boca-de-Capanga, Boipeba, Boipeva, Boipe-
va-Comum, Boipeva-do-Campo, Boipeva-Grande, Cabeça-de-Patrona, Capitão-do-Campo, Ca-
pitão-do-Mato, Cobra-Chata, Corre-Campo, Cotiara, Cururuboia, Esparradeira, Falsa-Jararaca,
Focinho-de-Cachorro, Goipeba, Goipeva, Jararaca-Malha-de-Cascavel, Jaracambeva, Jaracuçu,
Jaracuçu-Capitão, Jaracuçu-de-Tapiti, Jaracuçu-do-Brejo, Jaracuçu-Dourado, Jaracuçu-Não-
-Venenoso, Jaracuçu-Tapete, Jararaca, Jararaca-Amarela, Jararacambeva, Jararacuçu-Bolacha,
Jararacuçu-Tapiti, Jericá, Jeriquá, Jurucoá, Malha-de-Sapo, Mata-Boi, Pepeua, Pepeva, Suru-
cucu-Cascuda, Urutu, Urutu-Amarelo, Urutu-Falsa, Urutu-Preto, Urutu-Tábua, Urutu-Tapete.
Xenodon nattereri (Steindachner, 1867)
Nomes populares: Achatadeira, Boipeva, Cobra-Nariguda, Cobra-Nariguda-do-Campo, Falsa-Ja-
raraca, Nariguda.
Xenodon neuwiedii Günther, 1863
Nomes populares: Boipeba, Boipeva, Boipeva-da-Mata, Boipeva-Rajada, Boipevinha, Caiçaca,
Caissaca, Capitão-do-Campo, Cobra-Correia, Corre-Campo, Falsa-Cotiara, Jaracuçu-do-Brejo,
Jaracuçu-Não-Venenoso, Jararaca, Jararaca-Falsa, Quiriripitá, Urutu, Urutu-Amarelo, Urutu-
-Preto.
Xenodon pulcher (Jan, 1863)
Nomes populares: Achatadeira, Boipeva.
Xenodon rabdocephalus (Wied, 1824)
Nomes populares: Achatadeira, Boipeva, Jaracuçu, Jararaca, Papa-Sapo, Pepéua, Surucucu-Jiboia.
Xenodon severus (Linnaeus, 1758)
Nomes populares: Achatadeira, Boipeva, Cururuboia, Falsa-Jararaca, Jaçanarana, Jararaca, Pepéua.
Xenodon werneri (Eiselt, 1963)
Nome popular: desconhecido.
Xenopholis scalaris (Wucherer, 1861)
Nomes populares: Falsa-Coral, Jararaquinha-do-Igapó.
Xenopholis undulatus (Jensen, 1900)
Nomes populares: Cobrinha-do-Folhedo, Falsa-Coral.
Xenopholis werdingorum Jansen, Álvarez & Köhler, 2009
Nomes populares: Cobra-Barriga-de-Fogo.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
195
Anexo 2
Referências
Abegg A.D., Entiauspe-Neto O.M. 2012.
Serpentes do Rio Grande do Sul. Livra-
ria & Editora Werlang, Tapera.
Aonso I.P., Oda F.H., Gambale P.G.,
Batista V.G., Gomes L.C., Bastos R.P.
2015. Publicações cientícas em Her-
petologia na região Sul do Brasil. Bole-
tim do Museu de Biologia Mello Leitão
37:409–425.
Almeida A.P., Thomé J.C.A, Baptis-
totte C., Marcovaldi M.A., Santos A.S.,
Lopez M. 2011. Avaliação do estado
de conservação da Tartaruga Marinha
Dermochelys coriacea (Vandelli, 1761)
no Brasil. Biodiversidade Brasileira
1:37–44.
Álvarez B.B., Cei J.M., Scolaro J.A.
1994. A new subspecies of Tropidurus
spinulosus (Cope, 1862) from the sub-
tropical wet mesic Paraguayan region
(Reptilia Squamata Tropiduridae).
Tropical Zoology 7:161–179.
Alves R.R.N., Vieira K.S., Santana
G.G., Vieira W.L.S., Almeida W.O.,
Souto W.M.S., …, Pezzuti J.C.B. 2012.
A review on human attitudes towards
reptiles in Brazil. Environmental Mo-
nitoring and Assessment 184:6877–
6901. doi:10.1007/s10661-011-2465-0
Alves R.R.N., Léo-Neto N.A., Santa-
na G.G., Vieira W.L.S., Almeida W.O.
2009. Reptiles used for medicinal
and magic religious purposes in Bra-
zil. Applied Herpetology 6:257–274.
doi:10.1163/157075409X432913
Alves R.R.N., Vieira W.L.S., Santana
G.G. 2008. Reptiles used in traditional
folk medicine: conservation implica-
tions. Biodiversity and Conservation
17:2037–2049. doi:10.1007/s10531-
007-9305-0
Amaral A. 1932. Estudos sobre lacerti-
lios neotropicos. I. Novos gêneros e es-
pécies de Lagartos do Brasil. Memórias
do Instituto Butantan 7:53–74.
Amaral A. 1937. Estudo sobre lacerti-
lios neotropicos. 4. Lista remissiva dos
lacertilios do Brasil. Memórias do Ins-
tituto Butantan 11:167–212.
Amaral A. 1973. Oonímia ameríndia
na oologia brasiliense. Memórias do
Instituto Butantan 37:1–15.
Amaral A. 1977. Questões vernáculas IV
- Linguagem indianista: O Tupi-Guara-
ni na nomenclatura das serpentes do
Brasil. Revista da Academia Paulista
de Letras 87:195–218.
Amaral A. 1978. Serpentes do Bra-
sil. Iconograa colorida. Melho-
ramentos/EDUSP, São Paulo.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
196
Andrade M.J.M., de Carvalho G.A.B.,
Kolodiuk M.F., Silva N.J. Jr., Frei-
re E.M.X. 2016. Phyllopezus periosus
(Paraiba Gecko) Tree Sap Foraging.
Herpetological Review 47:672–673.
Argôlo A.J.S. 2004. As serpentes dos
cacauais do sudeste da Bahia. Editus,
Ilhéus.
Arteaga A., Salazar-Valenzuela D., Me-
bert K., Peñael N., Aguiar G., Sánche-
z-Nivicela J.C., ..., Torres-Carvajal O.
2018. Systematics of South American
snail-eating snakes (Serpentes, Dipsa-
dini), with the description of ve new
species from Ecuador and Peru. ZooKe-
ys 766:79–147. doi:10.3897/zooke-
ys.766.24523
Ascenso A.C., Costa J.C.L., Pruden-
te A.L.C. 2019. Taxonomic revision of
the Erythrolamprus reginae species
group, with description of a new spe-
cies from Guiana Shield (Serpentes:
Xenodontinae). Zootaxa 4586:65–97.
doi:10.11646/zootaxa.4586.1.3
Assis C.L., Guedes J.J.M., Costa H.C.,
Feio R.N. 2018. Herpetofauna da Zona
da Mata de Minas Gerais. UFV, Viçosa.
Assis C.L., Guedes J.J.M., Costa H.C.,
Feio R.N. 2018. Serpentes de Viçosa e
Região. FAPEMIG, Viçosa.
Avila-Pires T.C.S. 1995. Lizards of Brazi-
lian Amazonia (Reptilia: Squamata). Zo-
ologische Verhandelingen 299:1–706.
Avila-Pires T.C.S., Alves-Silva K.R.,
Barbosa L., Correa F.S., Cosenza J.F.,
Costa-Rodrigues A.P.V., ..., Sturaro
M.J. 2018. Changes in amphibian and
reptile diversity over time in Parque
Estadual do Utinga, Pará State, Brazil,
a protected area surrounded by urbani-
zation. Herpetology Notes 11:499–512.
Balestra R.A.M. 2016. Manejo conser-
vacionista e monitoramento populacio-
nal de quelônios amazônicos. Ibama-
-Instituto Brasileiro do Meio Ambiente
e dos Recursos Naturais Renováveis,
Brasília.
Baptista G.C.S., Costa-Neto E.M., Val-
verde M.C.C. 2008. Diálogo entre con-
cepções prévias dos estudantes e co-
nhecimento cientíco escolar: relações
sobre os Amphisbaenias. Revista Ibe-
roamericana de Educación 47:1–16.
Barbo F.E., Gasparini J.L., Almeida
A.P, Zaher H., Grazziotin F.G., Gusmão
R.B., ..., Sawaya R.J. 2016. Another
new and threatened species of lancehe-
ad genus Bothrops (Serpentes, Viperi-
dae) from Ilha dos Franceses, Southe-
astern Brazil. Zootaxa 4097:511–529.
doi:10.11646/zootaxa.4097.4.4
Barbosa R.A., Nishida A.K., Costa
E.S., Cazé A.L.R. 2007. Abordagem et-
noherpetológica de São José da Mata
– Paraíba – Brasil. Revista de Biolo-
gia e Ciências da Terra 7:117–123.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
197
Bartlett R.D., Bartlett P. 2003. Repti-
les and amphibians of the Amazon. An
ecotourist’s guide. University Press of
Florida, Gainesville.
Benício R.A., Fonseca M.G. 2014. Guia
ilustrado de anfíbios e répteis de Picos,
Piauí. EDUFPI, Teresina.
Berlin B. 2014. Ethnobiological classi-
cation: Principles of categorization of
plants and animals in traditional so-
cieties (Vol. 185). Princeton University
Press, New Jersey.
Bernarde P.S. 2011. Mudanças na clas-
sicação de serpentes peçonhentas
brasileiras e suas implicações na litera-
tura médica. Gazeta Médica da Bahia
1:55–63.
Bernarde P.S. 2014. Serpentes peço-
nhentas e acidentes ofídicos no Brasil.
Anolisbooks, São Paulo.
Bernarde P.S. 2019. Corais (Falsas,
Verdadeiras) do Brasil. Herpetofauna.
Acessível em: http://www.herpeto-
fauna.com.br/Corais.htm. Acesso: 26
de fevereiro de 2019.
Bernarde P.S., Turci L.C.B., Abegg
A.D., Franco F.L. 2018. A remarkable
new species of coralsnake of the Mi-
crurus hemprichii species group from
the Brazilian Amazon. Salamandra
54:249–258.
Bernarde P.S., Albuquerque S., Bar-
ros T.O., Turci L.C.B. 2012. Serpentes
do estado de Rondônia, Brasil. Biota
Neotropica 12:154–182. doi:10.1590/
S1676-06032012000300018
Begossi A., Avila-Pires F.D. 2005.
WSSD 2002, Latin America and Bra-
zil: Biodiversity and Indigenous Peo-
ple. Pp. 223–239, in Hens L., Nath B.
(Eds.), The World Summit on Sustai-
nable Development. Springer, Dordre-
cht. doi:10.1007/1-4020-3653-1_10
Borges R.C. 2001. Serpentes peçonhen-
tas brasileiras: manual de identica-
ção, prevenção e procedimentos em ca-
sos de acidentes. Editoria Atheneu, São
Paulo.
Borges-Leite M.J., Borges-Nojosa
D.M., Lima D.C. 2012. Guia de Anfíbios
e Répteis em São Gonçalo do Amaran-
te. Dedo de Moças Editora e Comunica-
ção Ltda., Fortaleza.
Borges-Martins M., Alves M.L.M.,
Araujo M.L., Oliveira R.B., Anés A.C.
2007. Répteis. Pp. 292–315, in Becker
F.G., Ramos R.A., Moura L.A. (Eds.),
Biodiversidade: Regiões da Lagoa do
Casamento e dos Butiazais de Tapes,
Planície Costeira do Rio Grande do Sul.
Ministério do Meio Ambiente, Brasília.
Borges-Nojosa D.M., Cascon P. 2006.
Herpetofauna da Área Reserva da Ser-
ra das Almas, Ceará. Pp. 245–260, in
Araújo F.S., Rodal M.J.N., Barbosa
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
198
M.R.V. (Orgs.), Análise das Variações
da Biodiversidade do Bioma Caatinga.
Ministério do Meio Ambiente, Brasília.
Borges-Nojosa D.M., Caramaschi U.
2003. Composição e análise compa-
rativa da diversidade e das anidades
biogeográcas dos lagartos e ansbe-
nídeos (Squamata) dos brejos nordes-
tinos. Pp. 489–540, in Leal I., Silva J.
M. C., Tabarelli M. (Orgs.), Ecologia e
conservação da Caatinga. Universidade
Federal de Pernambuco, Recife.
Borges-Nojosa D.M. 2007. Diversidade
de Anfíbios e Répteis da Serra de Ba-
turité, Ceará. Pp. 225–247, in Oliveira
T.S., Araújo F.S. (Orgs.), Diversidade e
Conservação da Biota na Serra de Batu-
rité, Ceará. Edições UFC, Fortaleza.
Borges-Nojosa D.M., Prado F.M.V.,
Borges-Leite M.J., Filho N.M.G, Baca-
lini P. 2010. Avaliação do impacto do
manejo orestal sustentável na herpe-
tofauna de duas áreas de Caatinga nos
municípios de Caucaia e Pacajus no es-
tado do Ceará. Pp. 315–330, in Gariglio
M.A., Sampaio E.V.S., Cestaro L.A., Ka-
geyama P.Y. (Orgs.), Uso sustentável e
Conservação dos recursos orestais da
Caatinga. Serviço Florestal Brasileiro,
Brasília.
Bour R., Zaher H. 2005. A new species
of Mesoclemmys, from the open for-
mations of northeastern Brazil (Che-
lonii, Chelidae). Papéis Avulsos de
Zoologia 45:295–311. doi:10.1590/
S0031-10492005002400001
Brandão S., Santana F.T., Mariani D.B.,
Brum A., Koproski L. 2017. Reabilita-
tion of a hawksbill turtle (Eretmochelys
imbricata Linnaeus, 1766). Anais do
XX Congresso e o XXVI Encontro da
Associação Brasileira de Veterinários
de Animais Selvagens 101–103.
Brazil V. 1911. A Defesa contra o Ophi-
dismo. Pocai, Weiss, São Paulo.
Breitman M.F., Domingos F.M.C.B.,
Bagley J.C., Wiederhecker H.C., Fer-
rari T.B., Cavalcante V.H.G.L., ..., Colli
G.R. 2018. A new species of Enyalius
(Squamata, Leiosauridae) endemic
to the Brazilian Cerrado. Herpetolo-
gica 74:355–369. doi:10.1655/0018-
0831.355
Caixeta B.T., Monteiro E.M., Rocha P.
V.P., Santos A.L.Q. 2015. Concentra-
ções bioquímicas séricas de Jacaré-açú
(Melanosuchus niger) machos, adul-
tos de vida livre. Pesquisa Veteriná-
ria Brasileira 35:51–55. doi:10.1590/
S0100-736X2015001300009
Campbell J.A., Lamar W.W. 2004. The
Venomous Reptiles of the Western He-
misphere. Volume II. Cornell Universi-
ty Press, Ithaca.
Campos C.E.C., Lima J.D., Lima J.R.F.
2015. Riqueza e composição de répteis
Squamata (lagartos e ansbenas) da
Área de Proteção Ambiental da Fazen-
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
199
dinha, Amapá, Brasil. Biota Amazônia
5:84–90. doi:10.18561/2179-5746/
biotaamazonia.v5n2p84-90
Campos Z., Marioni B., Farias I., Ver-
dade L. M, Bassetti L., Coutinho M.E.,
..., Magnusson W.E. 2013. Avaliação do
risco de extinção do jacaré-coroa Pale-
osuchus trigonatus (Schneider, 1801)
no Brasil. Biodiversidade Brasileira
3:48–53.
Campos Z., Marioni B., Farias I., Ver-
dade L.M., Bassetti L., Coutinho M.E.,
..., Magnusson W.E. 2013. Avaliação do
risco de extinção do jacaré-paguá Pa-
leosuchus palpebrosus (Cuvier, 1807)
no Brasil. Biodiversidade Brasileira
3:40–47.
Campos Z., Zucco C.A., Batista G. 2007.
Registro de ocorrência de Jacaré-Paguá
(Paleosuchus palpebrosus), na RPPN
Engenheiro Eliezer Batista, Pantanal,
Brasil. Comunicado Técnico 60:1–4.
Cardim F. 1925. Tratados da Terra e
Gente do Brasil, introdução e notas de
Baptista Caetano, Capistrano de Abreu
e Rodolpho Garcia. J. Leite & Cia, Rio
de Janeiro.
Cardoso J.L.C., França F.O.S., Wen
F.H., Malaque C.M.S., Haddad V. Jr.
2009. Animais peçonhentos no Brasil:
biologia, clínica e terapêutica dos aci-
dentes. Sarvier, São Paulo.
Carvalho A.L. 1951. Os jacarés do Brasil.
Arquivos do Museu Nacional 43:127–
152.
Cassimiro J., Rodrigues M.T. 2009. A
new species of lizard genus Gymnodac-
tylus Spix, 1825 (Squamata: Gekkota:
Phyllodactylidae) from Serra do Sinco-
rá, northeastern Brazil, and the status
of G. carvalhoi Vanzolini, 2005. Zoota-
xa 2008:38–52.
Castilhos J.C., Coelho C.A., Argolo J.F.,
Santos E.A.P., Marcovaldi M.A., Santos
A.S., Lopez M. 2011. Avaliação do Es-
tado de Conservação da Tartaruga Ma-
rinha Lepidochelys olivacea (Eschs-
choltz, 1829) no Brasil. Biodiversidade
Brasileira 1:28–36.
Castro T.M., Silva-Soares T. 2016. Rép-
teis da restinga do Parque Estadual
Paulo César Vinha: Guarapari, Espírito
Santo, Sudeste do Brasil. Centro Uni-
versitário São Camilo, Cachoeiro do
Itapemirim.
Coelho H.R.P. 2005. Guia de Campo de
Bonito, MS: conhecendo a fauna e a o-
ra da Serra da Bodoquena. Impressão
dos Autores.
Colli G.R., Fenker J.A., Tedeschi L.G.,
Bataus Y.S.L., Uhlig V.M., Lima A.S.,
Rocha C.F.D., ..., Avila-Pires T.C.S.
2016a. Avaliação do Risco de Extinção
de Dactyloa pseudotigrina (Amaral,
1933), no Brasil. Processo de avaliação
do risco de extinção da fauna brasileira.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
200
ICMBio. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/faunabrasilei-
ra/carga-estado-de-conservacao/
8180-repteis-dactyloa-pseudotigrina.
Acesso: 08 de abril de 2019.
Colli G.R., Fenker J.A., Tedeschi L.G.,
Bataus Y.S.L., Uhlig V.M., Lima A.S.,
Rocha C.F.D., ..., Avila-Pires T.C.S.
2016b. Avaliação do Risco de Extin-
ção de Amphisbaena alba Linnaeus,
1758, no Brasil. Processo de avaliação
do estado de conservação da fauna bra-
sileira. ICMBio. Acessível em: http://
www.icmbio.gov.br/portal/faunabra-
sileira/carga-estado-de-conservacao/
8777-repteis-amphisbaena-alba. Aces-
so: 26 de fevereiro de 2019.
Costa, H.C., R.S. Bérnils. 2012. Deve-
mos aplicar, na literatura médica, as
mudanças recentes na classicação das
serpentes? Gazeta Medica da Bahia
82:28–32.
Costa H.C., R.S. Bérnils. 2018. Répteis
do Brasil e suas Unidades Federativas:
Lista de espécies. Herpetologia Brasi-
leira 7:11–57.
Crump M.L. 2015. Eye of Newt and Toe
of Frog, Adder’s Fork and Lizard’s Leg:
The Lore and Mythology of Amphi-
bians and Reptiles. University of Chi-
cago Press, London.
Cunha O.R.D., Nascimento F.P.D.
1993. Ofídios da Amazônia. As cobras
da região leste do Pará. Boletim do Mu-
seu Paraense Emílio Goeldi, série Zoo-
logia 19:1–191.
Curcio F.C., Nunes P.M.S., Argôlo A.
J.S., Skuk G., Rodrigues M.T. 2012. Ta-
xonomy of the American Dwarf Boas of
the genus Tropidophis Bibron, 1840,
with the description of two new spe-
cies from the Atlantic Forest (Serpen-
tes: Tropidophidae). Herpetological
Monographs 26:80–121. doi:10.1655/
HERPMONOGRAPHS-D-10-00008.1
Fraga R., Lima A.P., Prudente A.L.C.,
Magnusson W.E. 2013. Guia de Cobras
da Região de Manaus – Amazônia Cen-
tral. Editora INPA, Manaus.
Diário Ocial/SC. 2011. Lista de Espé-
cies da Fauna Ameaçadas de Extinção
no Estado de Santa Catarina por Níveis
de Ameaça (categoria). Anexo II. Nº
19.237, de 20.12.2011, 2–8.
Di-Bernardo M., Borges-Martins M.,
Oliveira R.B. 2002. Répteis. Pp. 165–
188, in Marques A.A.B., Fontana C.S.,
Vélez E., Bencke W.G.A., Schneider M.,
Reis R.E. (Eds.), Livro Vermelho da fau-
na ameaçada de extinção no Rio Gran-
de do Sul. FZB/MCTPUCRS/PANGEA,
Porto Alegre.
Domingues Â. 2008. O Brasil nos re-
latos de viajantes ingleses do século
XVIII: produção de discursos sobre o
Novo Mundo. Revista Brasileira de
História 55:133–152.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
201
Dutra-Araújo D., Marioni B., Fraga
R., Silveira R. 2017. Snakes as prey of
Cuvier’s Dwarf Caiman (Paleosuchus
palpebrosus: Alligatoridae), with a new
observation from central Amazonia,
Brazil. Herpetology Notes 10:169–170.
Entiauspe-Neto, O.M., Loebmann D.
2019. Taxonomic status of Chironius
laurenti Dixon, Wiest, Cei, 1993 and
of the long-forgotten Chironius dixo-
ni Wiest, 1978 (Squamata, Serpentes).
Bionomina 16:83–87. doi:10.11646/
bionomina.16.1.4
Entiauspe-Neto O.M., Sena A., Tiutenko
A., Loebmann D. 2019. Taxonomic sta-
tus of Apostolepis barrioi Lema, 1978,
with comments on the taxonomic ins-
tability of Apostolepis Cope, 1862 (Ser-
pentes, Dipsadidae). ZooKeys 841:71–
78. doi:10.3897/zookeys.841.33404
Entiauspe-Neto O.M., Guedes T.B.,
Loebmann D., de Lema, T. 2020. Ta-
xonomic status of two simultaneously
described Apostolepis Cope, 1862 spe-
cies (Dipsadidae: Elapomorphini) from
Caatinga Enclaves moist forests, Brazil.
Journal of Herpetology 54:225–234.
doi:10.1670/19-053
Etheridge R. 1968. A review of the igua-
nid lizard genera Uracentron and Stro-
bilurus. Bulletin of the British Museum
(Natural History), Zoology 17:47–64.
Feio R.N., Assis C.L., Lessa G., Ribon
R. 2019. Fauna da Serra do Brigadeiro,
Minas Gerais. UFV, Viçosa.
Fernandes D.S., Hamdan B. 2014. A
new species of Chironius Fitzinger,
1826 from the state of Bahia, Northe-
astern Brazil (Serpentes: Colubridae).
Zootaxa 3881:563–575. doi:10.11646/
zootaxa.3881.6.5
Fernandes-Ferreira H., Cruz R.L., Bor-
ges–Nojosa D.M., Alves R.R.N. 2012.
Crenças associadas a serpentes no es-
tado do Ceará, Nordeste do Brasil. Si-
tientibus: Série Ciências Biológicas
11:153–163.
França D.P.F., Barbo F.E., Silva N.J.
Jr., Silva H.L.R., Zaher H. 2018. A
new species of Apostolepis (Serpen-
tes, Dipsadidae, Elapomorphini) from
the Cerrado of Central Brazil. Zootaxa
4521:438–552. doi:10.11646/zoota-
xa.4521.4.3
França D.P.F., Fermiano E.C., Macha-
do-Filho P.R., Zaher H. 2020. Taxono-
mic contributions and rst record of
the poorly known species Apostolepis
tenuis Ruthven, 1927 in Brazil (Serpen-
tes, Dipsadidae). Herpetologia Brasi-
leira 8:44–49.
Frederico, E.Y. 2009. O inferno são os
outros: animais peçonhentos no Bra-
sil Colonial. Pp. 515–520, in Cardoso
J.L.C., França F.O.S., Wen F.H., Mála-
que C. M.S., Haddad Jr V. (Orgs.), Ani-
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
202
mais Peçonhentos no Brasil: Biologia,
Clínica e Terapêutica dos Acidentes.
Sarvier, São Paulo.
Freitas, M.A. 2003. Serpentes brasilei-
ras. Malha-de-Sapo Publicações e Con-
sultoria Ambiental/Proquigel/CIA/
Bahia, Lauro de Freitas.
Freitas, M.A., Silva T.F.S. 2007. Guia
ilustrado: a herpetofauna das caatingas
e áreas de altitudes do Nordeste brasi-
leiro. USEB, Pelotas.
Gasparini J.L. 2012. Anfíbios e Répteis
de Vitória e Grande Vitória, Espírito
Santo. GSA, Vitória.
Gliesch R. 1925. As cobras do estado do
Rio Grande do Sul. Almanak Agricola
Brasileiro 1925:97–118.
Gonçalves U., Torquato S., Skuk G.,
Sena G.A. 2012. A new species of Co-
leodactylus Parker, 1926 (Squamata:
Sphaerodactylidae) from the Atlan-
tic Forest of northeast Brazil. Zootaxa
3204:20–30.
Grantsau R. 1991. As cobras venenosas
do Brasil, Bandeirante, São Paulo.
Grantsau R. 2013. As serpentes peço-
nhentas do Brasil, Vento Verde, São
Paulo.
Guedes T.B., Nogueira C.C, Marques
O.A.V. 2014. Diversity, natural history
and geographic distribution of snakes
in the Caatinga, Northeastern Brazil.
Zootaxa 3863:1–93. doi:10.11646/zoo-
taxa.3863.1.1
Guerra J.A.O., Paes M.G., Coelho
L.I.A.R., Barros M.L.B., Fé N.F., Barbo-
sa M.G.V., Guerra M.V.F. 2007. Estudo
de dois anos com animais reservatórios
em área de ocorrência de leishmanio-
se tegumentar americana humana em
bairro de urbanização antiga na cidade
de Manaus-AM, Brasil. Acta Amazo-
nica 37:133–138. doi:10.1590/S0044-
59672007000100017
Haddad V. Jr, Puorto G., Cardoso
J.L.C., Duarte M.R. 2012. Sucuris: bio-
logia, conservação, realidade e mitos de
uma das maiores serpentes do mundo.
Technical Books, Rio de Janeiro.
Hoogmoed M.S., Fernandes R., Ku-
charzewski C., Moura-Leite J.C., Bér-
nils R.S., Entiauspe-Neto O.M., San-
tos F.P.R. 2019. Synonymization of
Uromacer ricardinii Peracca, 1897
with Dendrophis aurata Schlegel,
1837 (Reptilia: Squamata: Colubridae:
Dipsadinae), a rare South American
Snake with a disjunct Distribution.
South American Journal of Herpeto-
logy 14:88–102. doi:10.2994/SAJH-
-D-17-00014.1
ICMBIO (Instituto Chico Mendes
de Conservação da Biodiversidade).
2018a. Livro Vermelho da Fauna Brasi-
leira Ameaçada de Extinção. Vol. I. Ins-
tituto Chico Mendes de Conservação
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
203
da Biodiversidade/Ministério do Meio
Ambiente, Brasilia.
ICMBIO (Instituto Chico Mendes
de Conservação da Biodiversidade).
2018b. Livro Vermelho da Fauna Bra-
sileira Ameaçada de Extinção. Vol. IV
- Répteis. Instituto Chico Mendes de
Conservação da Biodiversidade/Minis-
tério do Meio Ambiente, Brasília.
IDELFLOR-BIO. 2019. Lista de Répteis
e Anfíbios do Parque do Utinga, Belém,
Pará. Acessível em: http://ideorbio.
pa.gov.br/utinga/biodiversidade/rep-
teis-e-abios/. Acesso: 08 de abril de
2019.
Kawashita-Ribeiro R.A., Arruda L.A.G.,
Carvalho M.A., Silva A.F., Silva J.P.,
Ávila R.W., ..., Mott T. 2011. Leposoma
osvaldoi Avila-Pires, 1995 (Squamata:
Gymnophthalmidae): New records and
distribution map in the state of Mato
Grosso, Brazil. Check List 7:852–853.
Lagos A.R., Fontes A.F., Marques
C.A.R., da Silva C.S.P., Cardoso C.A.C.,
Belote D.F., ..., Borde L.Q. 2017. Guia
dos Anfíbios e Répteis da área de inu-
ência da Usina Hidrelétrica de Batalha.
Furnas Centrais Elétricas, Rio de Ja-
neiro.
de Lema, T. 1994. Lista comentada dos
répteis ocorrentes no Rio Grande do
Sul, Brasil. Comunicações do Museu de
Ciências e Tecnologia da PUCRS, série
Zoologia 7:41–150.
de Lema, T. 2002. Os répteis do Rio
Grande do Sul: atuais e fósseis, bioge-
ograa, odismo. EDIPUCRS, Porto
Alegre.
de Lema T., Renner M.F., Di-Bernar-
do M., Abegg A.D., Malta-Borges L.,
Mario-da-Rosa C. 2018. Herpetofauna
do Planalto Oriental do Rio Grande do
Sul. USEB, Pelotas.
Lopes P.F.M., Silvano R., Begossi A.
2010. Da Biologia a Etnobiologia – Ta-
xonomia e etnotaxononia, ecologia e et-
noecologia. Pp. 69–94, in Alves R.R.N.,
Souto W.M.S., Mourão J.S. (Eds.), A
etnozoologia no Brasil: importância,
status atual e perspectivas. NUPEEA,
Recife.
López A., Prado W. 2012. Anbios y
Reptiles de Misiones–Guía de Campo.
María Luiza Petraglia de Bolzón Edito-
ra, Buenos Aires.
Loveridge A. 1941. Bogertia lutzae- A
new genus and species of gecko from
Bahia, Brazil. Proceedings of the Bio-
logical Society of Washington 54:195–
196.
Malta-Borges L., Abegg A.D., Mario-
-da-Rosa C. 2017. Herpetofauna da
Universidade Federal de Santa Maria –
Campus Sede. USEB, Pelotas.
Manzani P.R., Abe A.S. 1990. A new
species of Tapinurus from the Caatinga
of Piauí Northeastern Brazil (Squama-
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
204
ta: Tropiduridae). Herpetologica
46:462–467.
Marra-Santos F.J., Reis R.E. 2018. Two
new blind snake species of the genus
Liotyphlops (Serpentes: Anomalepi-
didae), from Central and South Brazil.
Copeia 106:507–514. doi:10.1643/CH-
18-081
Marçal A.S., Gomes I.B.S.R., Coragem
J.T. 2011. UHE Santo Antônio: Guia
das espécies de fauna resgatadas. Scri-
ba Comunicação Corporativa, São Pau-
lo.
Marcovaldi M.A., Lopez G.G., Soares
L.S., Santos A.J.B, Bellini C., Santos
A.S., Lopez M. 2011. Avaliação do Es-
tado de Conservação da Tartaruga Ma-
rinha Eretmochelys imbricata (Lin-
naeus, 1766) no Brasil. Biodiversidade
Brasileira 1:20–27.
Marioni B., Farias I., Verdade L.M.,
Bassetti L., Coutinho M.E., Mendonça
S.H.S.T., ..., Campos Z. 2013. Avaliação
do risco de extinção do Jacaré-açu Me-
lanosuchus niger (Spix, 1825) no Bra-
sil. Biodiversidade Brasileira 3:31–39.
Marques O.A.V., Nogueira C.C., Sawaya
R.J., Bérnils R.S., Martins M., Molina
F.B., ..., Germano V.J. 2009. Répteis.
Pp. 285–327, in Bressan P.M., Kierul-
 M.C.M., Sugieda A.M. (Orgs.), Fauna
ameaçada de extinção no estado de São
Paulo: vertebrados. Fundação Parque
Zoológico de São Paulo, Secretaria do
Meio Ambiente, São Paulo.
Marques O.A.V., Eterovic A., Sazima
I. 2001. Serpentes da Mata Atlântica:
guia ilustrado para a Serra do Mar. Ho-
los Editora, Ribeirão Preto.
Marques O.A.V., Eterovic A., Sazima
I. 2019. Serpentes da Mata Atlântica:
guia ilustrado para as orestas costei-
ras do Brasil. Ponto A, Cotia.
Marques O.A.V., Eterovic A., Nogueira
C.C., Sazima I. 2015. Serpentes do Cer-
rado: guia ilustrado. Holos Editora, Ri-
beirão Preto.
Marques O.A.V., Eterovic A., Strüss-
man C., Sazima I. 2005. Serpentes do
Pantanal. Holos Editora, Ribeirão Pre-
to.
Marques O.A.V., Eterovic A., Guedes
T.B., Sazima I. 2017. Serpentes da Ca-
atinga: guia ilustrado. Ponto A, Cotia.
Martins A., Koch C., Pinto R., Folly M.,
Fouquet A., Passos P. 2019. From the
inside out: discovery of a new genus of
threadsnakes based on anatomical and
molecular data, with discussion of the
leptotyphlopid hemipenial morpholo-
gy. Journal of Zoological Systematics
and Evolutionary Research 57:840–
863. doi:10.1111/jzs.12316
Martins M., Molina F.D.B. 2008. Pa-
norama geral dos répteis ameaçados
do Brasil. Pp. 327–373, in Machado
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
205
A.B.M., Drummond G.M., Paglia A.P.
(Eds), Livro vermelho da fauna bra-
sileira ameaçada de extinção. MMA e
Fundação Biodiversitas, Brasília e Belo
Horizonte.
Martins M.T., Oliveira M.E. 1993. The
snakes of the genus Atractus Wagler
(Reptilia: Squamata: Colubridae) from
the Manaus region, central Amazo-
nia, Brazil. Zoologische Mededelingen
67:21–40.
Martins M.T., Oliveira M.E. 1999. Na-
tural history of snakes in forest of the
Manaus region, Central Amazonia,
Brazil. Herpetological Natural History
6:78–150.
Massary J.C., Hoogmoed M.S. 2001.
Crocodilurus amazonicus Spix, 1825:
The valid name for Crocodilurus la-
certinus auctorum (nec Daudin,
1802) (Squamata: Teiidae). Jour-
nal of Herpetology 35:353–357.
doi:10.2307/1566133
Massary J.C., Hoogmoed M.S., Blanc
M. 2000. Comments on the type spe-
cimen of Dracaena guianensis Dau-
din, 1801 (Reptilia: Sauria: Teiidae),
and rediscovery of the species in Fren-
ch Guiana. Zoologische Mededeelingen
74:167–180.
Mattison C. 2006. Snakes – From
the deadliest to the longest on earth.
Collins, New York.
Mattison C. 2011. Reptiles. Pp. 370–
435, in Burnie D. (Ed.), Animal: the de-
nitive visual guide to the world’s wil-
dlife. Dorling Kindersley, London.
Mausfeld P., Vrcibradic D. 2002. On the
nomenclature of the skink (Mabuya)
endemic to the Western Atlantic Archi-
pelago of Fernando de Noronha, Brazil.
Journal of Herpetology 36:292–295.
doi:10.2307/1566004
Mendes R. 2009. Lagartinho da Serra
do Mar – Ecpleopus gaudichaudii. A
Fauna da Mata Atlântica do Estado do
Rio de Janeiro. Acessível em: http://
riodejaneiroambiental.blogspot.
com/2009/11/ecpleopus-gaudichau-
dii-lagartinho-da.html. Acesso: 26 de
fevereiro de 2019.
Mesquita P.C.M.D., Passos D.C., Bor-
ges-Nojosa D.M., Cechin S.Z. 2013.
Ecologia e história natural das ser-
pentes de uma área de Caatinga no
nordeste brasileiro. Papéis Avulsos
de Zoologia 53:99–113. doi:10.1590/
S0031-10492013000800001
Montero R., Céspedez J. 2002. New
Two-Pored Amphisbaena (Squama-
ta: Amphisbaenidae) from Argentina.
Copeia 2002:792–797. doi:10.1643/
0045-8511(2002)002[0792:NTPA-
SA]2.0.CO;2
Montingelli G.G., Grazziotin F.G., Bat-
tilana J., Murphy R.W., Zhang Y.P.,
Zaher H. 2019. Higher-level phyloge-
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
206
netic anities of the Neotropical ge-
nus Mastigodryas Amaral, 1934 (Ser-
pentes: Colubridae), species-group
denition and description of a new
genus for Mastigodryas bifossatus.
Journal of Zoological Systematics and
Evolutionary Research 57:205–239.
doi:10.1111/jzs.12262
Moraes-da-Silva A., Amaro R.C., Nu-
nes P.M.S., Strüssmann C., Teixeira
M.J., Andrade A., …, Curcio, F.F. 2019.
Chance, luck and a fortunate nding: a
new species of watersnake of the genus
Helicops Wagler, 1828 (Serpentes: Xe-
nodontinae), from the Brazilian Panta-
nal wetlands. Zootaxa 4651:445–470.
doi:10.11646/zootaxa.4651.3.3
Morales-Betancourt M.A., Lasso C.A.,
Ossa J.L., Fajardo-Patiño A. 2013. Bio-
logía y conservación de los Crocodylia
de Colombia. Serie Recursos Hidrobio-
lógicos y Pesqueros Continentales de
Colombia, VIII. Instituto de Investiga-
ción de Recursos Biológicos Alexander
von Humboldt, Bogotá.
Morato S.A.A., Calixto P.O., Mendes
L.R., Gomes R., Galatti U., Trein F.L.,
Ferreira G.N. 2014. Guia fotográco de
identicação da herpetofauna da Flo-
resta Nacional de Saracá-Taquera, Es-
tado do Pará. STCP Engenharia de Pro-
jetos Ltda, Curitiba.
Morato S.A.A., Ferreira G.N., Scupino
M.R.C. 2018. Herpetofauna da Ama-
zônia Central: Estudos na FLONA de
Saracá-Taquera. STCP Engenharia de
Projetos Ltda, Curitiba.
Morato S.A.A., Bérnils R.S., Moura-
-Leite J.C. 2017. Répteis de Curitiba:
Coletânea de registros. Hori Cadernos
Técnicos, Curitiba.
Mota-da-Silva A., Monteiro W.M.,
Bernarde P.S. 2019. Popular names
for bushmaster (Lachesis muta) and
lancehead (Bothrops atrox) snakes in
the Alto Juruá region: repercussions
for clinical-epidemiological diagnosis
and surveillance. Revista da Sociedade
Brasileira de Medicina Tropical 52(e-
20180140):1–4. doi:10.1590/0037-
8682-0140-2018
Moura M.R., Costa H.C., São-Pedro
V.A., Fernandes V.D., Feio R.N. 2010.
People and snakes: the relationship be-
tween humans and snakes in eastern
Minas Gerais, southeastern Brazil. Bio-
ta Neotropica 10:133–141. doi:10.1590/
S1676-06032010000400018
Neiva A.O., Cury K. 2018. Plano de Ma-
nejo Estação Ecológica Niquiá. Volume
III. Instituto Chico Mendes de Conser-
vação da Biodiversidade, Brasília.
Nogueira, C.C., Rodrigues M.T. 2006. The
genus Stenocercus (Squamata: Tropiduri-
dae) in extra-Amazonian Brazil, with the
description of two new species. South Ame-
rican Journal of Herpetology 1:149–165.
doi:10.2994/1808-9798(2006)1[149:T-
GSSTI]2.0.CO;2
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
207
Nogueira C.C., Argôlo A.J.S., Arzamen-
dia V., Azevedo J.A., Barbo F.E., Bér-
nils R.S., ..., Martins M.M. 2019. Atlas
of Brazilian snakes: veried point-lo-
cality maps to mitigate the Wallacean
shortfall in a megadiverse snake fau-
na. South American Journal of Herpe-
tology 14:1–274. doi:10.2994/SAJH-
-D-19-00120.1
O’Shea M., Halliday T. 2002. Reptiles
and amphibians. Dorling Kindersley
Ltd, London.
Passos D.C., Machado L.F., Lopes A.F.,
Beserra B.L.R. 2015. Calangos e lagarti-
xas: conceptions on lizards among High
School students in Fortaleza, Ceará,
Brazil. Ciência & Educação 21:133–148.
doi:10.1590/1516-731320150010009
Passos D.C., Pinheiro L.T., Galdino
C.A.B., Rocha C.F.D. 2014. Tropidurus
semitaeniatus (Calango de Lagedo).
Tail bifurcation. Herpetological Re-
view 45:138.
Passos P., Caramaschi U., Pinto
R. 2006. Redescription of Lepto-
typhlops koppesi Amaral, 1954, and
description of a new species of the
Leptotyphlops dulcis group from
Central Brazil (Serpentes: Leptotyphlo-
pidae). Amphibia-Reptilia 27:347–357.
doi:10.1163/156853806778190006
Pavan D., Dixo M. 2004. A Herpetofau-
na da área de inuência do reservató-
rio da Usina Hidrelétrica Luís Eduardo
Magalhães, Palmas, TO. Humanitas
4:13–30.
Pires M., Silva N.J. Jr., Feitosa D.T.,
Prudente A.L.C., Filho G.A., Zaher H.
2014. A new species of triadal coral
snake of the genus Micrurus Wagler,
1824 (Serpentes: Elapidae) from nor-
theastern Brazil. Zootaxa 3811:569–
584. doi:10.11646/zootaxa.3811.4.8
Poe S. 2004. Phylogeny of Ano-
les. Herpetological Monogra-
phs 18:37–89. doi:10.1655/
0733-1347(2004)018[0037:POA]2.0.
CO;2
Pontes J.A.L., Rocha C.F.D. 2008. Ser-
pentes da Serra do Mendanha, Rio de
Janeiro, RJ - ecologia e conservação. Te-
chnical Books Editora, Rio de Janeiro.
Portillo J.T.M. 2012. Composição, etno-
ecologia e etnotaxonomia de serpentes
no Vale do Paraíba, Estado de São Pau-
lo. Dissertação de mestrado, Universi-
dade Federal de Ouro Preto, Brasil.
Powell R., Crombie R.I., Boos H.E.A.
1998. Hemidactylus mabouia (More-
au de Jonnés). Catalogue of American
Amphibians and Reptiles 674:1–11.
Puorto G. 2001. (CD-ROM). Tudo que
você precisa saber. Museu do Instituto
Butantan, São Paulo.
Quintela F.M., Loebmann D. 2009. Os
répteis da região costeira do extremo
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
208
sul do Brasil. USEB, Pelotas.
Ribeiro L.B., Gomides S.C., Costa H.C.
2018. A new species of Amphisbaena
from Northeastern Brazil (Squamata:
Amphisbaenidae). Journal of Herpeto-
logy 52:234–241. doi:10.1670/17-028
Ribeiro S., Silveira A.L., Santos A.P Jr.
2018. A new species of Leposternon
(Squamata: Amphisbaenidae) from
brazilian Cerrado with a key to po-
red species. Journal of Herpetology
52:50–58. doi:10.1670/16-125
Ribeiro M.A. Jr., Amaral S. 2016. Cata-
logue of distribution of lizards (Repti-
lia: Squamata) from the Brazilian Ama-
zonia. III. Anguidae, Scincidae, Teiidae.
Zootaxa 4205:401–430. doi:10.11646/
zootaxa.4205.5.1
Ribeiro M.A. Jr. 2015. Catalogue of dis-
tribution of lizards (Reptilia: Squamata)
from the Brazilian Amazonia. I. Dacty-
loidae, Hoplocercidae, Iguanidae, Leio-
sauridae, Polychrotidae, Tropiduridae.
Zootaxa 3983:1–110. doi:10.11646/
zootaxa.3983.1.1
Ribeiro M.A. Jr. 2015. Catalogue of dis-
tribution of lizards (Reptilia: Squama-
ta) from the Brazilian Amazonia. II.
Gekkonidae, Phyllodactylidae, Sphae-
rodactylidae. Zootaxa 3981:1–55.
doi:10.11646/zootaxa.3981.1.1
Ribeiro M.A. Jr., Amaral S. 2017. Ca-
talogue of distribution of lizards (Rep-
tilia: Squamata) from the Brazilian
Amazonia. IV. Alopoglossidae, Gym-
nophthalmidae. Zootaxa 4269:151–
196. doi:10.11646/zootaxa.4269.2.1
Roberto I.J., Ribeiro S.C., Loebmann
D. 2013. Amphibians of the state of
Piauí, Northeastern Brazil: a preli-
minary assessment. Biota Neotropi-
ca 13:322–330. doi:10.1590/S1676-
06032013000100031
Rocha C.F.D., Siqueira C.C., Ariani C.V.
2009. A conservação de Liolaemus lu-
tzae: lagarto endêmicos das restingas
do Estado do Rio de Janeiro ameaçado
de extinção. Instituto Biomas, Rio de
Janeiro.
Rocha, C.F.D., Van Sluys M., Puorto G.,
Fernandes R., Barros-Filho J.D., Néo
R.R.S.F.A, Melgarejo A. 2000. Répteis.
Pp. 11–16, in Bergallo H.G., Rocha C.
F.D., Alves M.A.S., Van Sluys M. (Eds.),
A fauna ameaçada de extinção do Esta-
do do Rio de Janeiro. EdUERJ, Rio de
Janeiro.
Rodrigues M.T. 1987. Sistemática, eco-
logia e zoogeograa dos Tropidurus do
grupo torquatus ao sul do Rio Amazo-
nas (Sauria, Iguanidae). Arquivos de
Zoologia 31:105–230. doi:10.11606/
issn.2176-7793.v31i3p105-230
Rodrigues M.T. 2000. A new species of
Mabuya (Squamata: Scincidae) from
the semiarid Caatingas of northeas-
tern Brazil. Papéis Avulsos de Zoologia
41:313–328.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
209
Rodrigues M.T., Juncá F.A. 2002.
Herpetofauna of the quaternary sand
dunes of the middle Rio São Fran-
cisco: Bahia: Brazil. VII.: Typhlops
amoipira sp. nov., a possible relative
of Typhlops yonenagae (Serpentes,
Typhlopidae). Papéis Avulsos de Zoo-
logia 42:325–333. doi:10.1590/S0031-
10492002001300001
Romeu R., Alves N. 2008. Commercia-
lization of Uranoscodon superciliosus
Linnaeus, 1758 (Tropiduridae) for ma-
gical–religious purposes in North and
Northeastern of Brazil. Sitientibus: Sé-
rie Ciências Biológicas 8:257–258.
Sandrin M.D.F.N., Puorto G., Nardi R.
2005. Serpentes e acidentes ofídicos:
um estudo sobre erros conceituais em
livros didáticos. Investigações em En-
sino de Ciências 10:281–298.
Santos A.S., Soares L.S., Marcovaldi
M.A., Monteiro D.S., Gioni B., Al-
meida A.P. 2011. Avaliação do Estado
de Conservação da Tartaruga Marinha
Caretta caretta Linnaeus, 1758 no Bra-
sil. Biodiversidade Brasileira 1:3–11.
Santos E. 1981. Anfíbios e répteis do
Brasil: vida e costumes. Itatiaia, São
Paulo.
Santos E. 1994. Anfíbios e Répteis. Villa
Rica, Rio de Janeiro.
Santos F.M., Entiauspe-Neto O.M.,
Araújo J.S., Souza M.B., de Lema T.,
Strüssmann C., Albuquerque N.R. 2018.
A new species of burrowing snake (Ser-
pentes: Dipsadidae: Apostolepis) from
the state of Mato Grosso, Central-West
region of Brazil. Zoologia 35:e26742.
doi:10.3897/zoologia.35.e26742
Sawaya R.J., Marques O.A.V., Mar-
tins M. 2008. Composition and natu-
ral history of a Cerrado snake assem-
blage at Itirapina, São Paulo state,
southeastern Brazil. Biota Neotro-
pica 8:129–151. doi:10.1590/S1676-
06032008000200015
Sazima I., Haddad C.F.B. 1992. Rép-
teis da Serra do Japi: notas sobre histó-
ria natural. Pp. 212–237, in Morellato
L.P.C. (Ed.), História natural da Serra
do Japi: ecologia e preservação de uma
área orestal no sudeste do Brasil, Edi-
tora da Unicamp/FAPESP, Campinas.
Sazima I., Manzani P.R. 1995. As co-
bras que vivem numa reserva orestal
urbana. Pp.78–82, in Morellato P.C.,
Leitão-Filho H.D.F. (Eds.), Ecologia e
preservação de uma oresta tropical
urbana: Reserva de Santa Genebra.
Editora da UNICAMP, Campinas.
Secretaria de Estado do Meio Am-
biente e Sustentabilidade de Per-
nambuco. 2017. Lista Estadu-
al Ocial de Espécies da Fauna
Ameaçadas de Extinção - Répteis. Por-
taria SEMA Nº 01 de 15 de Maio de 2017.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
210
Secretaria do Meio Ambiente do Estado
da Bahia. 2017. Lista Ocial das Espé-
cies da Fauna Ameaçadas de Extinção
do Estado da Bahia. Portaria SEMA Nº
37 de 15 de Agosto de 2017.
Silva A.L. 2008. Animais medicinais:
conhecimento e uso entre as popula-
ções ribeirinhas do rio Negro, Amazo-
nas, Brasil. Boletim do Museu Paraen-
se Emílio Goeldi. Ciências Humanas
3:343–357.
Silva J.L., Mota-da-Silva A.M., Amaral
G.L.G., Ortega G.P., Monteiro W.M.,
Bernarde P.S. 2019. The deadliest
snake according to ethnobiological
perception of the population of the Alto
Juruá region, western Brazilian Ama-
zonia. Revista da Sociedade Brasileira
de Medicina Tropical 53:e20190305.
doi:10.1590/0037-8682-0305-2019
Silva M.B., Ribeiro M.A. Jr., Avila-Pi-
res T.C.S. 2018. A new species of Tu-
pinambis Daudin, 1802 (Squamata:
Teiidae) from Central South America.
Journal of Herpetology 52:94–110.
doi:10.1670/16-036
Soerensen B. 2000. Acidentes por ani-
mais peçonhentos: reconhecimento,
clínica e tratamento. Atheneu, São Pau-
lo.
Sturaro M.J., Avila-Pires T.C.S. 2011.
Taxonomic revision of the geckos of
the Gonatodes concinnatus complex
(Squamata: Sphaerodactylidae), with
description of two new species. Zoota-
xa 2869:1–36.
Teixeira M. Jr., Dal Vechio F., Recoder
R., Cassimiro J., de Sena M.A., Rodri-
gues M.T. 2019. Two new highland spe-
cies of Amphisbaena Linnaeus, 1758
(Amphisbaenia, Amphisbaenidae)
from Bahia State, Brazil. South Ame-
rican Journal of Herpetology 14:213–
232. doi:10.2994/SAJH-D-17-00097.1
Tinoco M.S., Hampel M.S., Rossi M.L.
2019. Restinga: Herpetofauna do Lito-
ral Norte da Bahia. Barro de Chão, Sal-
vador, Bahia.
Tomas W.M., Chiaravalotti R.V., Ca-
milo A.R., Freitas G.O. 2015. Kinoster-
non scorpioides scorpioides Linnaeus,
1766: range extension and rst records
in the upper Paraguay River basin and
Mato Grosso do Sul, Brazil. Check List
11:1–5. doi:10.15560/11.3.1631
Uetz P., Freed P., Hošek J. 2019. The
Reptile Database. Acessível em: http://
www.reptile–database.org. Acesso: 16
de julho de 2019.
Valencia J.H., Garzón-Tello K., Barra-
gán-Paladines M.E. 2016. Serpientes
venenosas del Ecuador: sistemática,
taxonomía, historia natural, conserva-
ción, envenenamiento y aspectos an-
tropológicos. Fundación Herpetológica
Gustavo Orcés, Quito.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
211
Vanzolini P.E. 2004. Episódios da zoo-
logia brasílica. Hucitec, São Paulo.
Vanzolini P.E., Ramos-Costa A.M.M.,
Vitt L.J. 1980. Répteis das Caatingas.
Academia Brasileira de Ciências, Rio
de Janeiro.
Vasconcelos-Neto L.B., Garcia-da-Silva
A.S., Brito I.A.S., Chalkidi H.M. 2018.
O conhecimento tradicional sobre as
serpentes em uma comunidade ribeiri-
nha no centro-leste da Amazônia. Eth-
noscientia 3:1–7. doi:10.22276/eth-
noscientia.v3i0.157
Vieira L.G., Santos A.L.Q., Lima F.C.,
Mendonça S.H.S.T., Menezes L.T.,
Sebben A. 2016. Osteologia de Me-
lanosuchus niger (Crocodylia: Alli-
gatoridae) e a evidência evoluti-
va. Pesquisa Veterinária Brasileira
36:1025–1044. doi:10.1590/s0100-
736x2016001000018
Vitt L.J., Caldwell J.P., Colli G.R., Gar-
da A.A., Mesquita D.O., França F.G.R.,
..., Novaes-e-Silva V. 2005. Uma atua-
lização do guia fotográco de répteis e
anfíbios da região do Jalapão no Cer-
rado Brasileiro. Special Publications
in Herpetology, Sam Noble Oklahoma
Museum of Natural History 2:1–24.
Vitt L.J., Magnusson W.E., Avila-Pires
T.C., Lima A.P. 2008. Guia de lagartos
da Reserva Adolpho Ducke: Amazônia
Central. Editora Attema, INPA, Ma-
naus.
Vizotto L.D. 2003. Serpentes: lendas,
mitos, superstições e crendices. Plêia-
de, São Paulo.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Ava-
liação do Risco de Extinção de Rhino-
clemmys punctularia (Daudin, 1801)
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conser-
vacao/7428-repteis-rhinoclemmys-
-punctularia-perema.html. Acesso: 07
de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Ava-
liação do Risco de Extinção de Phry-
nops georoanus (Schweigger, 1812)
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conserva-
cao/7418-repteis-phrynops-geoffro-
anus-cagado-de-barbicha.html. Aces-
so: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Ava-
liação do Risco de Extinção de Phry-
nops hilarii (Duméril & Bibron, 1835)
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conserva-
cao/7419-repteis-phrynops-hilarii-ca-
gado-de-barbelas.html. Acesso: 07 de
abril de 2019.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
212
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Phrynops tubero-
sus (Peters, 1870) no Brasil. Acessível
em: http://www.icmbio.gov.br/por-
tal/biodiversidade/fauna-brasileira/
estado-de-conservacao/7420-repteis-
-phrynops-tuberosus-cagado-de-bar-
bicha.html. Acesso: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avalia-
ção do Risco de Extinção de Phrynops
williamsi Rhodin & Mittermeier, 1983
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conserva-
cao/7421-repteis-phrynops-william-
si-cagado-rajado.html. Acesso: 07 de
abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Ava-
liação do Risco de Extinção de Hydro-
medusa maximiliani (Mikan, 1825)
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conserva-
cao/7403-repteis-hydromedusa-ma-
ximiliani-cagado-da-serra.html. Aces-
so: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Hydromedusa
tectifera Cope, 1869 no Brasil. Acessí-
vel em: http://www.icmbio.gov.br/
portal/biodiversidade/fauna-brasilei-
ra/estado-de-conservacao/7402-rep-
teis-hydromedusa-tectifera-cagado-
-de-pescoco-de-cobra.html. Acesso: 07
de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Mesoclemmys tu-
berculata (Lüderwaldt, 1926) no Bra-
sil. Acessível em: http://www.icmbio.
gov.br/portal/biodiversidade/fauna-
-brasileira/estado-de-conservacao/
7416-repteis-mesoclemmys-tubercula-
ta-cagado-do-nordeste.html. Acesso:
07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Mesoclemmys
heliostemma (McCord, Joseph-Ouni
& Lamar, 2000) no Brasil. Acessível
em: http://www.icmbio.gov.br/por-
tal/biodiversidade/fauna-brasileira/
estado-de-conservacao/7412-repteis-
-mesoclemmys-heliostemma-cagado.
html. Acesso: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Mesoclemmys ho-
gei (Mertens, 1967) no Brasil. Acessível
em: http://www.icmbio.gov.br/por-
tal/biodiversidade/fauna-brasileira/
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
213
estado-de-conservacao/7385-repteis-
-mesoclemmys-hogei-cagado-de-ho-
gei-2.html. Acesso: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Ava-
liação do Risco de Extinção de Meso-
clemmys nasuta (Schweigger, 1812)
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conserva-
cao/7413-repteis-mesoclemmys-na-
suta-cagado-da-cabeca-de-sapo-co-
mum.html. Acesso: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Ava-
liação do Risco de Extinção de Meso-
clemmys perplexa Bour & Zaher, 2005
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conserva-
cao/7414-repteis-mesoclemmys-per-
plexa-cagado.html. Acesso: 07 de abril
de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Mesoclemmys
raniceps (Gray, 1855) no Brasil. Aces-
sível em: http://www.icmbio.gov.br/
portal/biodiversidade/fauna-brasilei-
ra/estado-de-conservacao/7415-rep-
teis-mesoclemmys-raniceps-lala.html.
Acesso: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Mesoclemmys tu-
berculata (Lüderwaldt, 1926) no Bra-
sil. Acessível em: http://www.icmbio.
gov.br/portal/biodiversidade/fauna-
-brasileira/estado-de-conservacao/
7416-repteis-mesoclemmys-tubercula-
ta-cagado-do-nordeste.html. Acesso:
07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Ava-
liação do Risco de Extinção de Meso-
clemmys vanderhaegei (Bour, 1973)
no Brasil. Acessível em: http://www.
icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/
fauna-brasileira/estado-de-conserva-
cao/7440-repteis-mesoclemmys-van-
derhaegei-tartruga-cabeca-de-sapo.
html. Acesso: 07 de abril de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus Y.S.L.,
Balestra R.A.M., Batista F.R.W., Uhlig
V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avaliação do
Risco de Extinção de Peltocephalus du-
merilianus (Schweigger, 1812) no Bra-
sil. Acessível em: http://www.icmbio.
gov.br/portal/biodiversidade/fauna-
-brasileira/estado-de-conservacao/
7417-repteis-peltocephalus-dumerilia-
nus-cabecudo.html. Acesso: 07 de abril
de 2019.
Vogt R.C., Fagundes C.K., Bataus
Y.S.L., Balestra R.A.M., Batista F.R.W.,
Uhlig V.M., ..., Luz V.L.F. 2015. Avalia-
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis
214
ção do Risco de Extinção de Acantho-
chelys radiolata (Mikan, 1820) no Bra-
sil. Acessível em: http://www.icmbio.
gov.br/portal/biodiversidade/fauna-
-brasileira/estado-de-conservacao/
7439-repteis-acanthochelys-radiola-
ta-cagado-amarelo.html. Acesso: 07
de abril de 2019.
Vogt R.C., Ferrara C.R., Bernhard R.,
Carvalho V.T., Balensiefer D.C., Bo-
nora L., Novelle S.M.H. 2007. Capí-
tulo 9: Herpetofauna. Pp. 127–143, in
Rapp Py-Daniel L., Deus C.P., Henri-
ques A.L., Pimpão D.M., Ribeiro O.M.
(Orgs.), Biodiversidade do Médio Ma-
deira: Bases cientícas para propostas
de conservação. INPA, Manaus.
Von Ihering, R. 1968. Dicionário dos
animais do Brasil. Editora Universida-
de de Brasília, Brasília.
Waldez F., Vogt R.C. 2011. Las serpientes
ponzoñosas de la Reserva Piagaçu-Purus
y accidentes ofídicos en La Region Baja de
la Cuenca del Rio Purús, Amazonía cen-
tral. Revista Colombiana de Ciencia Ani-
mal-RECIA 3:327–334. doi:10.24188/
recia.v3.n2.2011.403
Wallach V., Williams K.L., Boundy J.
2014. Snakes of the world: a catalogue of
living and extinct species. CRC, Flórida.
Wikispecies. 2019. Wikispecies: Free spe-
cies directory. Acessível em: https://spe-
cies.wikimedia.org. Acesso: 12 de Maio
de 2019.
Herpetologia Brasileira vol. 9 no. 2 - Listas de Anbios e Répteis