Conference PaperPDF Available

SUBMISSÃO E RESISTÊNCIA: EXPLODINDO O DISCURSO PATRIARCAL DA DOMINAÇÃO FEMININA

Authors:
  • Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
Submissão e resistência: Explodindo o discurso patriarcal da dominação feminina -
As mulheres e a religião
1
Martha Giudice Narvaz
2
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
RESUMO
O objetivo deste trabalho é discutir a contribuição da religião na produção e na reprodução de
estereótipos sexistas que normatizam relações de gênero encontradas em famílias violentas e
incestuosas. Realizou-se um estudo de caso, baseado em entrevistas, com uma mulher
vitimizada por várias formas de violência ao longo de sua trajetória de vida, mãe de meninas
vítimas de incesto. A análise do discurso da participante revelou prescrições religiosas
relativas à manutenção da família unida e à obediência ao homem-pai na família, bem como a
percepção das mulheres como sedutoras e provocadoras, fatores de vulnerabilidade aos
processos de submissão à violência na família pesquisada. Por outro lado, o suporte social foi
fator fundamental ao engendramento das estratégias de resistência no enfrentamento dos
abusos sofridos. Os resultados indicaram que as mulheres são plurais, heterogêneas; não são
sempre, ou apenas, vítimas da violência, o que explode o discurso patriarcal da dominação
feminina. Destaca-se, entretanto, a necessidade de problematizar discursos religiosos tais
como veiculados pela epistemologia do senso comum ainda na contemporaneidade, uma vez
que parecem contribuir à submissão feminina a diversas formas de violência, inclusive, ao
incesto.
Palavras-chave: religião; relações de gênero; violência; incesto; sexualidade.
1
Este trabalho baseou-se na dissertação de Mestrado em Psicologia da autora, intitulada "Submissão e
Resistência: Explodindo o discurso patriarcal da dominação feminina". Referência: NARVAZ, Martha
Giudice. Submissão e resistência: As mulheres e a religião In: II Congresso Latino-Americano de Gênero e
Religião, 2006, São Leopoldo. Epistemologia, Violência e Sexualidade. São Leopoldo: Escola Superior de
Teologia, 2006. V.1 cd.
2
Martha Narvaz é Psicóloga e Terapeuta Familiar, com especialização na área da violência doméstica (USP),
Doutoranda em Psicologia (UFGRS) sob orientação da Prof. Dra. Sílvia Helena Koller. Pesquisadora na área de
políticas públicas para as mulheres, famílias, violência e gênero. Integrante do Centro de Estudos Psicológicos
sobre Meninos e Meninas de Rua- CEP-RUA/UFRGS e do Movimento Feminista Coletivo, Feminino Plural de
Porto Alegre/RS/Brasil. Endereço para correspondência: Av. Wenceslau Escobar, 1086, ap. 919. CEP 91900-
000. Bairro Cristal. Porto Alegre, RS. E-mail: phoenx@terra.com.br.
2
1. Revisão da literatura
A necessidade de desvendar a origem do mundo, do sujeito, das coisas e da natureza,
bem como de compreender as relações que regem a vida em sociedade são objeto de estudo
de várias disciplinas séculos (Pires, 2002). Utilizando-se desde os mitos às teorias
científicas e às crenças religiosas, diferentes sociedades elegeram inúmeras e criativas
justificativas para sua organização social. Nas civilizações primitivas, estas explicações
baseavam-se nos mitos de origem divina, enquanto nas civilizações ocidentais
contemporâneas a ciência cumpre a função de buscar explicações para a ordem social
existente a fim de legitimá-la (Strey, 1998).
Mitos e tragédias gregas (Bulfinch, 2001) contam que, na origem do Universo, as
primeiras deusas eram polifacéticas, criativas e destrutivas, boas e más ao mesmo tempo,
cujos poderes eram independentes dos poderes masculinos e não estavam circunscritos à
fecundidade. Hécate, divindade misteriosa, representa tanto as trevas e os horrores, quanto o
esplendor da noite de lua cheia. Tragédias clássicas como As Bacantes e Medéia‟, de
Eurípedes, falam em mulheres independentes e poderosas, que integravam sexualidade e
maternidade, bondade e maldade em uma só figura. Medéia, que matou por ciúme os próprios
filhos ao ser traída pelo marido, encarna ora a imagem negativa de mãe má, ora a imagem de
sabedoria, poder e força da mulher que não se submete à infidelidade masculina legitimada
pela ordem patriarcal. As „Bacantes‟ são mulheres de Tebas que abandonam seus lares à noite
e celebram orgias, a ponto de uma delas matar o próprio filho sem o saber (Maluf, 1993;
Rinne, 1988). EmAntígona‟, tragédia de Sófocles, Electra e Antígona, filhas de Édipo,
representam mulheres que, mesmo vivendo sob a égide paterna, ousam desafiar a dominação
masculina reinante em Tebas (Pires, 2002). O poder feminino é também representado pelas
sacerdotisas, que conhecem a arte do amor e da adivinhação. Em O Banquete’, Platão (1966)
atribui tudo o que aprendeu sobre o amor à sacerdotisa Diotima de Mantinéia. A palavra
Mantinéia “relaciona-se com a mântica, a arte da adivinhação e do delírio. O dom de ler
sinais é poder dado a poucos. Sacerdotisa dos mistérios, tudo o que diz ou ensina Diotima
liga-se estreitamente à „doença sagrada‟, o amor” (Matos, 2002, p. 115). Os poderes
femininos, associados à capacidade reprodutiva, à sexualidade e à adivinhação eram
percebidos, no entanto, como ameaçadores. Aparece, então, o mito da criação do Universo
por Zeus, que toma para si a capacidade reprodutiva e engrandece a paternidade, destituindo
as imagens femininas de seus poderes. Em outros mitos, como os de Pandora, Perséfone e
3
Psique, as mulheres são representadas como curiosas, frívolas, dependentes e feitas apenas
para agradar aos deuses masculinos (Richlin, 1991; Tiburi, Menezes & Eggert, 2002).
Conforme Catonné (2001), desde sua origem, a cosmo-teologia é sexualizada, objeto
de debates e reflexões filosóficas. Há evidente disjunção entre amor, erotismo e procriação, na
qual a sexualidade não é concebida como um mal. Na civilização babilônica, ainda que
fossem recusados o incesto, as relações com certas sacerdotisas sagradas reservadas aos
deuses e toda forma de violência sexual, o amor sensual e a prostituição eram sagrados. Tal
civilização não conhece o pecado da carne, o ascetismo ou a homofobia, tanto quanto a
prostituição não era objeto de condenação moral. O mal não significa o sexo, sendo que os
Antigos exortavam ao domínio de si e dos prazeres (ver Foucault, 1990b, 1990c). Tanto na
Babilônia quanto em Israel, fazer amor é uma atividade sagrada, desde que não signifique
ofensa a outrem pois, se Deus cria a diferença dos sexos e dá uma companheira a Adão, é para
falar da legitimidade do ato sexual, tal como prescrito no Gênesis, I, 28 : "Crescei e
Multiplicai-vos, e enchei a Terra". Em Eclesiastes, encontramos a seguinte recomendação:
"Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, os quais Deus te deu
aqui, neste mundo; porque esta é a tua porção nesta vida de preocupações com que te deparas
debaixo do sol" (Catonné, 2001, p. 51).
o Corão preconiza claramente as desigualdades de gênero e a violência contra as
mulheres: "Os homens são superiores às mulheres e têm autoridade sobre elas, pela
preeminência que Deus lhes concedeu...As mulheres, cuja rebelião temeis, vós podeis
repreendê-las, deixa-las sós na cama (ou mesmo) espancá-las (As mulheres, IV, p. 38, citado
por Catonné, 2001, p. 78). O” Gênesis‟ também revela um Deus-Pai-Criador violento e
autoritário (Dadoun, 1998). Dominar a natureza, extrair dela seus recursos, conquistar outros
povos e submetê-los para construir a civilização são idéias presentes desde o Adão bíblico.
Criado à imagem e semelhança de Deus, ao homem é dado o privilégio de dominar os seres
vivos, subjugar a terra, o céu, o mar e todas as suas criaturas. A mulher, criada a partir do
homem, é produto dele. Não tolerando a desobediência de Adão e Eva, que outorgam a si o
direito ao saber e à autonomia, Deus os castiga com o sofrimento do trabalho e do parto (Boff,
1997).
Segundo Catonné (2001), comer do fruto da árvore é um ato de desobediência e não
um pecado sexual. O pecado sexual é a vontade de apropriar-se sozinho do Bem e do mal, um
desejo de onipotência e não necessariamente uma transgressão sexual. Aos poucos é que as
noções de desejo, de paixão e de volúpia vão- se tornando sexuais, em especial com os
ensinamentos de Santo Agostinho, que declara guerra ao prazer e faz do desejo sexual o
4
símbolo do infortúnio da humanidade. A diabolização do sexo forja um ódio à mulher,
símbolo da tentação demoníaca. Assim, diferentemente da Antiguidade, que não exigia a
renúncia de si mesmo e dos prazeres da carne, o cristianismo preconiza a extinção de toda e
qualquer paixão, de todo e qualquer desejo, da gula à lascívia; o cristianismo que criará a
fobia do desprezo do corpo e a obsessão persecutória da carne" (Catonné, 2001, p. 25).
Estes aspectos podem ser encontrados no mito de Lilith, a deusa diaba, a outra face de
Eva. Lilith foi expulsa do paraíso por reivindicar saber, autonomia e prazer sexual (Koltuv,
1986). Por sua insubordinação, Lilith é condenada pelo Deus-Pai-Criador, que lhe diz:
“Multiplicarei as dores de tuas gravidezes, na dor darás à luz filhos. Teu desejo te impelirá ao
teu marido e ele te dominará” (Bíblia de Jerusalém, 2003, p. 38). Enquanto Lilith é castigada,
a Virgem Maria é venerada, não como deusa, mas enquanto mãe de Jesus-Deus. Maria é a
Serva do Senhor, mediadora do „Deus Criador‟, cuja sexualidade é negada, uma vez que
concebe a partir do „Espírito Santo‟. A imagem da mulher ideal passa a ser a de Maria, que
não é mulher, é apenas mãe, adorada por sua condição de humildade, resignação e
subordinação. Idealiza-se, a partir daí, a representação feminina da boa mãe, nutridora,
protetora, santa e assexuada. Entretanto, ainda que Maria seja inventada, não apaga a
Eva/Lilith, criatura dissimulada, astuta e perversa, introdutora do pecado. Maria, a nova
Eva/Lilith, lava o delito e restaura o amor de Deus entre os homens. No entanto, a imagem da
mulher permanece como a Eva/Lilith dos malefícios. Na Inquisição, durante a Idade Média, a
força ameaçadora das mulheres é simbolizada na figura da feiticeira, evidenciando o medo
dos juízes eclesiásticos das mulheres e do sexo. Ao longo do século XIX, com o
desenvolvimento das ciências, o controle das mulheres passará da Igreja à medicina que,
juntas, chegarão às mutilações genitais das mulheres nervosas, histéricas, possuídas e
"tomadas pelo apetite sexual" (Catonné, 2001; Foucault, 1990a).
O preconceito e controle em relação à sexualidade e aos corpos das mulheres, a
violência, o adultério e a prostituição são tributários das formas patriarcais de organização
familiar e social (Catonné, 2001; Engels, 1964; Reich, 1966). Segundo os ditames patriarcais,
às mulheres é prescrito, natural e esperado que sejam virgens, recatadas e fiéis. Estas
violências, naturalizadas e reificadas, são institucionalizadas pela cultura sexista através da
prescrição das relações de gênero. Os papéis estereotipados de gênero veiculados pela cultura
através da família, da igreja, da escola, da ciência e da mídia tornam invisível tanto a
produção quanto a reprodução da subordinação feminina. A valorização da virgindade
feminina e os tabus em relação à sexualidade são internalizados desde a infância pelas
mulheres, sendo a religião mediadora das normas patriarcais a serem internalizadas (Narvaz &
5
Koller, 2004). A fixação da inibição, dos medos sexuais e a repressão sexual resultam em
posturas conservadoras e reacionárias que impedem os indivíduos de tomar consciência de
sua situação social, facilitando, assim, a submissão, inclusive, a violações sexuais (Reich,
1988).
As mulheres não, são, entretanto, apenas e nem sempre, vítimas submissas. Costumes,
tradições e práticas religiosas, em especial as religiões afro-brasileiras, entre elas o
candomblé, contribuíram à libertação das mulheres, ao menos em alguns aspectos. As mães
de santo representam a força criadora do poder feminino. Também a Igreja católica, embora
associada às elites brasileiras por séculos, na década de 70, volta-se às necessidades das
massas, influenciada pela Teologia da Libertação (Boff, 1992). Formam-se, assim, grupos
comunitários, chamados comunidades eclesiásticas de base, dedicados à ação política e social,
freqüentemente liderados por mulheres, papéis que exprimem seu poder nas comunidades
locais (DeSouza & Baldwin, 2000). Mães de santo, benzedeiras e bruxas capazes de fazerem
feitiços e através dos rituais de possessão espiritual, as mulheres “possuídas” outorgavam-se o
direito de transgredir as normas patriarcais impostas, seja desobedecendo aos maridos, seja
tomando atitudes consideradas masculinas, como sair à noite sozinhas, viver sem um homem
na família ou enfeitiçarem os instrumentos de trabalho dos homens de sua comunidade
(Maluf, 1993). Estes conteúdos encontram-se nos discursos filosóficos, mitológicos e
religiosos séculos e têm sido identificados em diversas pesquisas recentes (ver Narvaz,
2005). Análise documental realizada por Fonseca (1997) em arquivos históricos brasileiros de
processos legais relativos à violência contra as mulheres revelou que nem todas as mulheres
eram vítimas. Desde a época colonial, muitas mulheres, mães e pobres abandonavam o lar e
mudavam de cidade para escapar ao juiz, para desafiar a autoridade do marido ou, quem sabe,
simplesmente para realizar um projeto de felicidade pessoal e fugir com um novo amor ou um
novo amante. Estas mulheres moviam processos de divórcio para se protegerem da violência
doméstica e para resgatar os filhos que lhe haviam sido tomados.
Estudo de Maluf (1993) descreve narrativas sobre bruxas e bruxarias de mulheres que,
à semelhança das „Bacantes de Eurípedes, saem de suas casas, abandonam seus lares e,
encontrando-se em lugares ermos, celebram orgias homossexuais durante a noite; atacam os
homens e enfeitiçam as embarcações e as redes de pesca, instrumentos de trabalho dos
homens do povoado. O feitiço é quebrado quando estes homens olham „fundo nos olhos das
bruxas‟, descobrindo quem elas são. Evidencia-se força do contra-poder masculino. Em
bairros populares de Porto Alegre encontramos narrativas espontâneas de mulheres descritas
como valentes, malandras, interesseiras e transgressoras, que não admitem ser traídas pelos
6
maridos. Estes, em piadas e fofocas, são os “guampudos” (Fonseca, 1992, p. 310). A tentativa
de enclausuramento das mulheres é percebida nestes estudos como estratégia de controle dos
homens diante do medo da transgressão feminina. Sentindo sua masculinidade ameaçada por
homens de grupos dominantes, mais abastados, há a crença implícita de que, se o homem não
oferece adequado conforto à mulher, esta não tem a obrigação de ser fiel, indo procurar um
“melhor casamento” (Fonseca, 1992). Os homens são vítimas das mulheres também em
alguns mitos indígenas investigados por Rodrigues (1995):
“Os mitos Javaé falam de irmãs que seduzem o próprio pai, praticando o incesto; falam
de mães esfomeadas que negam comida para a própria filha biológica; falam de avós que
enganam os netos e os obrigam a comer a carne de sua própria mãe, representando o incesto
simbólico; falam de esposas que escondem a água do próprio marido, obrigando-o a
inventar o rio e de esposas que traem os maridos com um amante cujo falo é imenso (...).
Estes temas se repetem em vários mitos. As mulheres são caracterizadas como seres cujos
desejos individuais m preponderância sobre a ordem coletiva. Ante de tudo, elas m
fome de comida ou de sexo e, para saciar esses desejos, são capazes de violar as mais
básicas regras sociais, negando a continuação da sociedade (...). Enquanto as mulheres são
punidas, os homens transcendem à condição anterior, adquirindo algum tipo de poder,
como forma de se defender ou de controlar a atitude das agressoras imorais” (p. 137 138).
Os mitos de Lilith (Koltuv, 1986), das índias Javaé (Rodrigues, 1995), de Medéia e
das Bacantes (Rinne, 1988), bem como as narrativas sobre bruxas e bruxarias (Maluf, 1993)
falam que as mulheres se insurgem contra o poder patriarcal, abandonam seus lares, seduzem
os homens, traem os maridos, judiam das filhas, cometem incesto com os filhos e os matam.
Na análise desses mitos e dessas diversas práticas e costumes religiosos desvelam-se poderes,
transgressões e insubordinações femininas, geralmente associadas, contudo, a mulheres e a
mães „más‟. O controle masculino teria surgido como tentativa de dominação dos poderes
femininos: “A necessidade da domesticação do feminino, no sentido de colocar o selvagem
dentro dos limites do domus, a casa, deve-se ao fato de que as mulheres eram vistas como
perigosas e ameaçadoras” (Tiburi, 2002, p. 45).
Paradoxalmente, percebidas como passivas, acusadas de permanecerem em relações
violentas e de não protestarem contra os abusos sofridos, as mulheres e meninas são também
percebidas como provocadoras, sedutoras e, portanto, culpadas pela violência que sofrem
(Koltuv, 1986; Narvaz & Koller, 2004; Narvaz, 2005). Nos discursos higienistas, as mulheres
brancas são vistas como respeitáveis e assexuadas, enquanto as mestiças, as negras e as índias,
seres exclusivamente sexuados. As perversões sexuais marcaram a representação dos índios
pelos colonizadores e historiadores que chegavam ao Brasil (Leite, 1993; Raminelli, 1997).
7
Essas percepções, embora possam representar discursos religiosos e higienistas que tinham
por objetivo regular os costumes sociais e as populações (D' Incao, 1989), também podem ser
entendidas como resgate do direito ao prazer destituído das mulheres pela família e pela
igreja. Submissão e resistência das mulheres às normas patriarcais, heterossexuais e fálicas
ditadas, inclusive, por discursos religiosos, têm sido encontradas há muito tempo e em muitos
lugares ao longo da história (Greene, 1996; Perrot, 1988,1998; Rago, 1997).
2. Estudos e pesquisas com mulheres e meninas vítimas de violência
Ao gênero feminino tem sido prescrita a obediência e a submissão aos desejos
masculinos. Tais prescrições são encontradas desde a filosofia antiga, passando por diversas
religiões. A prescrição da obediência e da submissão às mulheres e às crianças, em especial
às meninas, ao domínio masculino tem sido identificada em pesquisas recentes (Carrasco,
2003; Cecconello, 2003; De Antoni & Koller, 2000; Meneghel & cols., 2003) com meninas e
com mulheres vítimas de várias formas de violência. Estudo recentemente realizado (ver
Narvaz, 2005) sobre as posições ocupadas por uma mulher diante dos abusos sofridos por ela
e pelas filhas, perpetrados pelo padrasto, então companheiro da mãe, revelou que diferentes
posições foram ocupadas diante das violências sofridas, ora de submissão, ora de resistência.
Os processos constitutivos da posição de submissão, caracterizada pelo silenciamento diante
das violências sofridas, foram: vivências de violência na família de origem; a re-vivência do
abuso sexual sofrido em sua infância e a falta de modelos de família protetiva; as estratégias
de culpabilização das vítimas, acusadas de sedutoras pelo perpetrador do abuso; o desejo de
ter uma família e de manter a família unida; a dependência emocional e econômica dos
parceiros abusivos; o medo do companheiro abusivo, que era violento fisicamente e fazia uso
de álcool; a prescrição de obediência e submissão aprendida na família e na igreja; e, a falta
de apoio familiar, comunitário e/ou social. A posição de resistência da participante às
violências sofridas envolveu várias formas de transgressão aos ditames patriarcais a ela
impostos, tais como a fuga, a separação do companheiro a denúncia das violências sofridas.
A posição de resistência constituiu-se a partir da revolta contra as violências sofridas e do
acesso a recursos de apoio familiar, comunitário e social.
Destaca-se, no presente trabalho, a mediação institucional da Igreja como legitimadora
da prescrição da obediência aprendida na família e da percepção das meninas e das mulheres
como sedutoras, perigosas, tentadoras e, portanto, culpadas pelos abusos sofridos. Segundo a
participante do referido estudo, aprendeu, na infância, a partir dos ensinamentos da mãe, a
obedecer. Mais tarde, ao participar em grupos da igreja, estas crenças foram reforçadas.
Recorrendo à mãe e à igreja em busca de auxílio ao saber do abuso sexual da filha, foi
8
orientada a manter a família unida, uma vez que tinha outros filhos e filhas, permanecendo ao
lado do companheiro abusivo e culpabilizando a filha por ter seduzido o padrasto e consentido
com o abuso. Diante disso, a filha foge de casa e é abrigada em uma instituição para meninas
vítimas de violência doméstica.
Para Luthar (1999), crenças religiosas atuam como uma fonte de apoio, às quais as
pessoas recorrem em momentos de angústia. Estudo desenvolvido por Cecconello (2003)
encontrou que o envolvimento de pais com a religião e a comunidade religiosa pode atuar
como um importante fator de proteção para o desempenho de práticas educativas eficazes em
famílias pobres, produzindo resultados positivos em crianças e adolescentes. Já Yunes (2001)
entende que a religião pode favorecer aspectos de acomodação e de aceitação a realidades
adversas vividas pelas famílias, o que se constitui em fator de vulnerabilidade ao invés de ser
fator de proteção em famílias pobres. Em nossa experiência com mulheres vítimas de
violência (ver Narvaz, 2005), valores de obediência, veiculados tanto pela igreja quanto pela
família consistem em fator de risco (Koller, 1999), uma vez que legitimam várias formas de
submissão a abusos. Os tabus que envolvem a sexualidade (Fontes, 1993), produzidos e
veiculados por diversos discursos religiosos, também são fatores que dificultam a revelação
dos abusos sexuais. A valorização da virgindade e da fidelidade da mulher, bem como as
representações das mulheres e das meninas como sedutoras, provocadoras e, portanto,
culpadas pelos abusos sexuais sofridos aparecem em vários momentos no discurso da
participante do referido estudo (ver Narvaz, 2005).
A igreja e a família constituem-se em mecanismos disciplinares e disciplinantes à
submissão dos corpos e das subjetividades às relações de violência, sobretudo às
subjetividades femininas. De acordo com Foucault (1975/2002, p. 175): “Há, na sociedade,
uma ramificação dos mecanismos disciplinares, em que grupos religiosos e associações de
beneficência desempenharam esse papel de disciplinamento das populações”. Mesmo em uma
sociedade secularizada como a nossa, na qual se relativiza o poder subjetivante da religião,
esta ainda opera como um mecanismo eficaz de construção e de redefinição das identidades
de gênero. Com suas crenças misóginas, os discursos religiosos naturalizam e legitimam
diversas formas de assimetrias, hierarquias, estereótipos e violências (Souza, 2004), sobretudo
na regulação da sexualidade, na demonização dos corpos, dos desejos e da subjetividade
femininas (Catonné, 2001).
A questão da submissão das mulheres às violências que sofrem e do silenciamento das
mães das vítimas de incesto diante do abuso das filhas é, no entanto, campo tenso de debate.
Deslizamentos de sentidos revelam posições-sujeito ora de submissão, ora de resistência das
9
mulheres vítimas de violência e das mães das vítimas de incesto. A pluralidade de
experiências encontrada pela participante de nosso estudo (ver Narvaz, 2005) evidenciou que
“não há relação de poder sem resistência, sem escapatória ou fuga, sem inversão eventual;
toda relação de poder implica, pelo menos de modo virtual, uma estratégia de luta” (Foucault,
1995, p. 248). Foram identificadas no referido estudo várias situações nas quais os ditames
patriarcais foram transgredidos. Apesar da prescrição da obediência, os dispositivos de poder
encontrados nas prescrições patriarcais e religiosas suscitam formas de resistência nas vítimas
à opressão por ele imposta. Embora as mulheres não detenham o poder, elas têm poderes. O
poder não é, portanto, apenas coercitivo ou repressor, mas produtivo, heterogêneo, e atua
através de práticas e técnicas que foram inventadas, aperfeiçoadas e se desenvolvem sem
cessar. Existe uma verdadeira tecnologia do poder, ou melhor, de poderes, que têm cada um
sua própria história” (Foucault, 1999, p. 241). A pluralidade de poderes coexiste nas tramas
das relações familiares e sociais com o poder patriarcal. As formas específicas de poder
feminino que ocorrem nas famílias e nas comunidades locais têm sido, no entanto,
tradicionalmente ocultadas pelos discursos históricos oficiais, inclusive pelo discurso
científico, ao que as teóricas feministas têm procurado resgatar (Del Priore, 2001; Perrot,
1988, 1998). Como diz Foucault (1995, 1999), o poder também é criativo, gerativo e a
subversão é uma parte do poder, seu contra-poder, sua auto-subversão. Estes elementos
demonstram que submissão e resistência sempre estiveram presentes na vida das mulheres
(Strey, 2000).
As mulheres não são, portanto, apenas vítimas submissas da violência masculina. Elas
transgridem e resistem a normatizações e violações. Estes elementos aparecem em diversos
mitos e narrativas populares o que pode representar discursos sobre que não podem circular
livremente na realidade, ficando apenas no imaginário mítico, lendário ou paródico. De toda
forma, tais discursos revelam a heterogeneidade das posições ocupadas pelas mulheres diante
do poder patriarcal. A possibilidade de transgressão ao poder patriarcal representada pelas
feiticeiras e pelas bruxas não aparece em mitos, tendo sido encontrada em estudos com
mulheres e meninas vítimas de violência (ver Narvaz, 2005).
3. Considerações Finais
Faz-se fundamental compreender os fatores que contribuem à submissão das mulheres
vítimas de violência (Narvaz & Koller, 2006), destacando-se aqui a contribuição dos
discursos religiosos. Entretanto, a percepção estereotipada, unívoca e homogeneizante das
mulheres como submissas e assujeitadas pode operar a favor da dominação. Há discursos que
podem repetir-se contra sua própria origem (Butler, 2000; Foucault, 1995) e continuar
10
capturados pela formação discursiva original, ou seja, o discurso patriarcal da dominação
feminina. Nesse sentido, perceber as mulheres apenas e sempre como vítimas pode funcionar
como discurso que as mantêm numa posição de subordinação, o que facilita a dominação
(Strey, 2000). Há, portanto, que se explodir com a lógica patriarcal homogeneizante e unívoca
implícita no discurso da vitimização. As mulheres são plurais, tensas, heterogêneas e se
constituem enquanto sujeitos em um campo político de relações que deslizam entre o „livre
assujeitamento‟ e a resistência. Os recursos de apoio e de suporte social são necessários para a
superação da condição de risco e de subordinação que caracterizaram a posição-sujeito de
submissão. No entanto, alguns cânones religiosos veiculados ainda hoje parecem constituir-se
em fator de vulnerabilidade para a violência sexual contra as mulheres e meninas, uma vez
que normatizam: 1) a obediência ao marido-pai-padrasto; 2) a valorização da família conjugal
nuclear, que deve ser mantida unida a despeito das relações violentas; 3) a representação
demoníaca e pecaminosa da sexualidade, sobretudo feminina, que passa a ser responsabilizada
pela violência sexual, dificultando atitudes protetivas em relação às vítimas de incesto não só
por suas mães, mas por toda a comunidade científica e social. Tais cânones necessitam ser
problematizados, ao que pretendemos contribuir com o presente trabalho.
Referências
Bíblia de Jerusalém. (2003). São Paulo: Paulus.
Boff, L. (1997). O masculino no horizonte do novo paradigma civilizacional. In W. Boechat
(Org.), O masculino em questão (pp. 96-108). Petrópolis: Vozes.
Boff, L. (1992). Teologia da libertação. Petrópolis: vozes
Bulfinch, T. (2001). O livro de ouro da mitologia: Histórias de deuses e heróis. (15.ed.). Rio
de Janeiro: Ediouro.
Butler, J. (2000). Subjection, resistence and resignification. The psychic life of power:
Theories in subjection (pp. 83-105). California: Standford University.
Carrasco, L.K. (2003). A mulher vítima de violência conjugal: Uma perspectiva
transgeracional. Tese de Doutorado não publicada, Programa de Pós-Graduação em
Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Catonné, J. (2001). A sexualidade, ontem e hoje. 2.ed. São Paulo: Cortez.
Cecconello, A. M. (2003). Resiliência e vulnerabilidade em famílias em situação de risco.
Tese de Doutorado não publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia do
Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
11
Dadoun, R. (1998). A violência: Ensaio acerca do homo violens. Rio de Janeiro: DIFEL.
De Antoni, C. & Koller, S. H. (2000). A visão de família entre as adolescentes que sofreram
violência intrafamiliar. Estudos de Psicologia, 5(2), 347-381.
Del Priore, M. (2001). História das mulheres do Brasil. (2.ed.). São Paulo: Contexto.
DeSouza, E. & Baldwin, J. (2000). A construção social dos papéis sexuais femininos.
Psicologia Reflexão & Crítica, 13(3), 23-34.
D‟Incao, M. A. (1989). O amor romântico e a família burguesa. In M. A. D‟Incao (Org.),
Amor e família no Brasil (pp.57-71). São Paulo: Contexto.
Engels, F. (1964). El origem de la familia, de la propiedad privada e del estado. Buenos
Aires: Clariedad. (Original publicado em 1884)
Fonseca, C. (1992). Honra, humor e relações de gênero: Um estudo de caso. In A. Costa & C.
Bruschini (Orgs.), Uma questão de gênero (pp. 310-333). Rio de Janeiro: Rosa dos
Tempos.
Fonseca, C. (1997). Ser mulher, mãe e pobre. In M. Del Priore (Org.), História das mulheres
do Brasil (pp. 510-553). São Paulo: Contexto.
Fontes, L. (1993). The oppression and cultural barriers to disclosure of child sexual abuse.
Journal of Child Sexual Abuse, 2(1), 304-310.
Foucault, M. (1990a). História da sexualidade I: A vontade de saber. (7. ed.) Rio de Janeiro:
Graal.
Foucault, M. (1990b). História da sexualidade II: O uso dos prazeres. (7 ed.). Rio de Janeiro:
Graal.
Foucault, M. (1990c). História da sexualidade III: O cuidado de si. (7. ed.). Rio de Janeiro:
Graal.
Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In H. Dreyfus & P. Rabinow (Orgs.), Michel
Foucault: Uma trajetória filosófica (pp. 231-249). Rio de Janeiro: Forense.
Foucault, M. (1999). Michel Foucault: Estética, ética e hermenêutica. Obras Essenciales,Vol.
III. Buenos Aires: Paidós.
Foucault, M. (2002). Vigiar e punir: Nascimento da prisão (25. ed.). Petrópolis: Vozes.
(Original publicado em 1975)
Greene, E. (1996). Sappho, Foucault and women‟s erotics. Arethusa, 29,114. Oklahoma:
Johns Hopkins University Press.
Koller, S. H. (1999). Violência doméstica: Uma visão ecológica. In Amencar (Org.),
Violência doméstica (pp.32-42). Brasília: UNICEF.
Koltuv, B. B. (1986). O livro de Lilith. São Paulo: Cultrix.
12
Leite, M. L. M. (1993). Fontes históricas e estilos acadêmicos. Estudos Feministas, 1(1), 83-
95.
Luthar, S. S. (1999). Poverty and children’s adjustment. Thousand Oaks, Ca: Sage.
Maluf, S. (1993). Encontros noturnos: Bruxas e bruxarias na Lagoa da Conceição. Rio de
Janeiro: Rosa dos Tempos.
Matos, O. (2002). Benjamin e o feminino: Um nome, o nome. In M. Tiburi, M. M. Menezes
& E. Eggert (Orgs.), As mulheres e a filosofia (pp. 103-122). São Leopoldo: Unisinos.
Meneghel, S., Barbiani, R., Steffen, H., Wunder, A. P., Dalla Roza, M., Rotermund, J., Brito,
S. & Korndorfer, C. (2003). Impacto de grupos de mulheres em situação de
vulnerabilidade de gênero. Cadernos de Saúde Pública, 19(4), 15-22.
Narvaz, M. (2005). Submissão e resistência: Explodindo o discurso patriarcal da dominação
feminina. Dissertação de Mestrado não publicada. Programa de Pós-Graduação em
Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto
Alegre/RS.
Narvaz, M. & Koller, S. H. (2004). Famílias, gêneros e violências: Desvelando as tramas da
transmissão transgeracional da violência de gênero. In M. Strey, M. P. R. de Azambuja
& F. P. Jaeger (Orgs.), Violência, gênero e políticas públicas (Vol. II, pp. 149- 176).
Coleção Gênero e Contemporaneidade. Porto Alegre: Edipucrs.
Narvaz, M. & Koller, S. H. (2006). Mulheres vítimas de violência doméstica:
Compreendendo subjetividades assujeitadas. Psico,37 (1), 7-13.
Perrot, M. (1988). A mulher popular rebelde. In Os excluídos da história: Operários,
mulheres e prisioneiros (pp.185-231). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Perrot, M. (1998). Mulheres públicas. São Paulo: UNESP.
Pires, C. (2002). Antígona: Hermenêutica do público e do privado. In M. Tiburi, M. M. de
Menezes & E. Eggert (Orgs.), As mulheres e a filosofia (pp. 123-134). São Leopoldo:
Unisinos.
Platão (1966). O Banquete: Do amor. São Paulo: Difusão Européia do Livro.
Rago, M. (1997). Do cabaré ao lar: A utopia da cidade disciplinar. Brasil 1890-1930 (3.ed.).
Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Raminelli, R. (2001). Eva Tupinambá. In M. Del Priore (Org.), História das mulheres do
Brasil (2.ed.; pp. 11-44). São Paulo: Contexto.
Reich, W. (1966). A revolução sexual. São Paulo: Círculo do Livro.
Reich, W. (1988). Psicologia de massas do fascismo. (2. ed.). São Paulo: Martins Fontes.
(Original publicado em 1933)
13
Richlin, A. (1991). Zeus and Metis: Foucault, feminism and classics. Helios, 18,160180
Rinne, E. (1988). Medéia. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.
Rodrigues, P. (1995). Alguns aspectos da construção de gênero entre os Javaé da Ilha do
Bananal. Cadernos Pagu, 5, 131-147.
Souza, S. D. (2004). Revista Mandrágora: Gênero e religião nos estudos feministas. Revista
Estudos Feministas, 12, 122-131.
Strey, M. N. (1998). Gênero. In M. G. C. Jacques, M. N. Strey, N. M.G. Bernardes, P.
Guareschi, S.A. Carlos & T. M. G. Fonseca (Orgs.), Psicologia social contemporânea:
Livro-texto (pp. 181-198). Petrópolis: Vozes.
Strey, M. N. (2000). Será o século XXI o século das mulheres? In M. N. Strey, F. Mattos, G.
Fensterseifer & G. C. Werba (Orgs.), Construções e perspectivas em gênero (pp. 09-
18). São Leopoldo: Unisinos.
Tiburi, M. (2002). “Toda beleza é difícil”. Esboço de crítica sobre as relações entre
metafísica, estética e mulheres na filosofia. In M. Tiburi, M. M. de Menezes & E. Eggert
(Orgs.), As mulheres e a filosofia (pp. 23-46). São Leopoldo: Unisinos.
Tiburi, M; Menezes, M. & Eggert, E. (2002). Prefácio. As mulheres e a filosofia (pp. 7-12).
São Leopoldo: Unisinos.
Yunes, M. A. M. (2001). A questão triplamente controvertida em famílias de baixa renda.
Tese de Doutorado não publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Educação,
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, SP.
... Os achados teóricos demonstram tratar-se de um tipo de violência relacionada às questões de gênero, pois, embora exista incidência em meninos, a maior prevalência encontra-se associada às meninas (Amazarrey & Koller, 1998;Araújo, 2002;Furniss, 1993;Gabel, 1991;Habigzang & Caminha, 2004;Habigzang et al., 2005;Libório, 2005;Libório & Souza, 2004;Mees, 2001;Narvaz, 2005;Pfeiffer & Salvagni, 2005). A literatura apresenta como possíveis determinantes desta prevalência de gênero os aspectos sócio-históricos que nutrem as mais antigas formações sociais, associadas ao patriarcado. ...
... No contexto da relação de gênero, a mãe aparece na posição social do sujeito dominado, mas que, ao mesmo tempo, é cobrada socialmente que assuma postura protetiva aos filhos(as) e que se responsabilize pelo equilíbrio familiar (Narvaz, 2005). Como se trata de atitudes e comportamentos modelados historicamente, as mulheres-mães terminam por também apresentarem os registros familiares históricos através de suas condutas (Lima, 2008). ...
... Diversos autores (Felipe, 1999;Furniss, 1993;Habigzang et al., 2005;Narvaz, Saffioti, 1999) discutem acerca das reações e sensações maternas diante da realidade do abuso intrafamiliar contra o filho ou a filha, destacando-se sentirem-se confusas, desconfiadas e experimentarem sentimentos ambivalentes, tais como culpa, raiva, ciúme e tristeza. ...
Article
Full-text available
Apresenta-se dados de uma pesquisa enfocando as concepções que as mães possuem acerca do abuso sexual sofrido por suas filhas. Utilizou-se de metodologia qualitativa, entrevista semiestruturada e, para análise dos dados, utilizou-se da Análise de Conteúdo de Bardin. Os dados revelam que as mães expressam o entendimento sobre os abusos das filhas discorrendo sobre as características desses abusos, suas concepções de abuso e do lugar de mãe diante do fato. São mulheres que se baseiam em experiências pessoais para compreenderem a situação do abuso praticado contra a filha e protegerem-na.
... Uma vez que o apoio social é suporte necessário à superação das situações de vulnerabilidade impetradas pela violência, é fundamental que exista uma rede de apoio competente e articulada para o acolhimento das mesmas. O que se percebe, no entanto, na realidade brasileira, é o despreparo das instituições para cumprirem com sua tarefa, seja por falta de recursos humanos, materiais e/ou pouca e inadequada qualificação, inscrevendo-se aí a Psicologia acadêmica, que passam a funcionar como dispositivo de violência institucional (Brino & Willians, 2003;Negrão, 2004;Oliveira, 2004;Strey, Werba & Nora, 2004 Comprometida com a denúncia da violência e dos dispositivos mantenedores das meninas e das mulheres em situações de vulnerabilidade e de subordinação investiguei, durante meus estudos de mestrado (Narvaz, 2005), os discursos de culpabilização das mulheres e das meninas diante das violências sofridas. A análise destes discursos demonstrou que diversas formas de violência contra o gênero feminino são engendradas por formações discursivas patriarcais que ambicionam normatizar as subjetividades, os lugares e as relações dos gêneros, prescrevendo-lhes as posições possíveis de serem ocupadas nas estruturas sociais e institucionais. ...
... No que tange à violência, um dos motivos para as mulheres não abandonarem os parceiros é a precária condição econômica, seguida pela preocupação com os filhos e filhas (Narvaz, 2005). ...
Thesis
Full-text available
Esta Tese foi construída com base na pesquisa documental com o objetivo de investigar as possibilidades de enunciação, os lugares ocupados e as filiações dos discursos de gênero na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e, em particular, no Instituto de Psicologia desta Universidade. Esta pesquisa emergiu do diálogo entre a Análise de Discurso Francesa de Michel Pêcheux, os Estudos Feministas e de Gênero e a Arqueogenealogia de Michel Foucault. Conceituando gênero como a forma de organização sócio-histórica e política da diferença (sexual), analisamos a inscrição do indexador „gênero‟ em Linhas de Pesquisa, Projetos de Pesquisa e Teses e Dissertações disponíveis na base de dados digital da UFRGS. A análise do corpus investigado revelou a (in)visibilidade dos discursos de gênero na universidade, na qual ocupa posição periférica de enunciação. Conceito politizado que desvela as hierarquias sobre as quais a ordem social e a própria universidade brasileira estão assentadas, gênero resiste à tentativa de silenciamento que lhe é imposta e se enuncia, embora sitiado em alguns poucos campos do saber. Associados aos Grupos e Núcleos de Estudos de Gênero existentes na UFRGS, dentre eles, na Educação, nas Letras e nas Ciências Sociais e Humanidades, os discursos de gênero filiam-se às teorias feministas e às teorias pósestruturalistas de gênero. Em outros campos do saber, gênero é ocultado, negado, reprimido, amordaçado. No Instituto de Psicologia, os discursos de gênero também são periféricos, materializando-se em poucas disciplinas eletivas e em poucas Teses e Dissertações. Filiadas a diferentes discursos que fazem(se) política na produção de subjetividades (en)gendradas, as teorias e práticas psi regulam as possibilidades de gênero, podendo estar a serviço de manter a ordem social hierárquica. Buscando dar visibilidade às implicações das teorias e das práticas psicológicas ensinadas na universidade é que foi construída esta Tese, que deseja também instigar à reflexão sobre nossos próprios discursos. Sugestões para a transversalização das questões de gênero na estrutura curricular das universidades são oferecidas, alinhadas a políticas de formação de psicólogos e psicólogas comprometidos(as) contra todas as formas de opressão geradoras de sofrimento psíquico, sobretudo às mulheres e àqueles e àquelas, de todos os (trans)gêneros, designados menos humanos ao longo da história.
... Ou seja, a representação social dos homens executivos é que os cuidados que envolvem a casa e os filhos ainda são obrigações femininas, representações características de países com valores machistas e patriarcais como o Brasil, conforme indica a Disponível em: www.univali.br/periodicos ISSN: 1983-716X literatura (Carvalho Neto, Tanure, & Andrade, 2010Tanure, Carvalho Neto, & Andrade, 2006;Narvaz, 2005;Narvaz & Koller, 2006). ...
Article
Full-text available
The aim of this article is to investigate, from the perspective of male executives, the social representations about woman executives in regard to their actions in the work environment. The methodology uses a qualitative approach; in regard to the objectives, it is descriptive and the method adopted was a multiple case study. Three large Brazilian companies were analyzed. The sample consisted of 31 executives in positions of high strategic level. From the data analysis, five categories emerged: effort and commitment; loyalty to the company; willingness to take risks; ability to make decisions; and negotiation skills. Most of the respondents believe that women are more committed and strive harder; that they are less loyal to the company; that they are less centralized and have less decisionmaking power; that they are emotionally fragile and passive; and that they should adopt a more aggressive stance when negotiating. These data indicate a maintenance of the traditional social representations of gender, in which women are assigned characteristics of submission, dependence, fragility, emotionality and responsibility for domestic tasks and child care
... Ou seja, a representação social dos homens executivos é que os cuidados que envolvem a casa e os filhos ainda são obrigações femininas, representações características de países com valores machistas e patriarcais como o Brasil, conforme indica a Disponível em: www.univali.br/periodicos ISSN: 1983-716X literatura (Carvalho Neto, Tanure, & Andrade, 2010Tanure, Carvalho Neto, & Andrade, 2006;Narvaz, 2005;Narvaz & Koller, 2006). ...
Article
Full-text available
O objetivo deste artigo é identificar, a partir da perspectiva dos homens executivos, as representações sociais sobre a mulher executiva quanto à sua atuação no ambiente de trabalho. A metodologia tem abordagem qualitativa; quanto aos objetivos, é descritiva; e o método adotado foi o estudo de casos múltiplos. Foram analisadas três empresas de grande porte do Brasil. A amostra foi composta por 31 executivos com posições de alto nível estratégico. A partir da análise de dados emergiram cinco categorias: esforço e comprometimento; lealdade à empresa; disposição para assumir riscos; capacidade de tomar decisões; e capacidade de negociação. A maioria dos entrevistados acredita que as mulheres são mais comprometidas e se esforçam mais; que são menos leais à empresa; que são menos centralizadoras e possuem menor poder de decisão; que são emocionalmente frágeis e passivas; e que precisam adotar uma postura mais agressiva para negociar. Estes dados indicam uma manutenção das representações sociais tradicionais de gênero, em que são atribuídas às mulheres traços de submissão, dependência, fragilidade, emotividade e responsabilidade pelas tarefas domésticas e cuidados relativos aos filhos.
... A ideologia da ordem patriarcal foi forjada para dar cobertura a uma estrutura de poder pela qual as mulheres se convencem de que a submissão é natural. Essa naturalização ganha proporções sociais a medida em que surge a ocorrência do termo "feminicídio", que consiste na feminização da palavra homicídio e tratase um fenômeno bastante recorrente, principalmente nos tempos atuais (NARVAZ, 2004;SAFFIOTI, 1987SAFFIOTI, , 2004 ...
... 45). Nesse sentido, ainda assim, há silêncio da mãe quanto à violência, compreendido como forma de manter o equilíbrio familiar, havendo um acordo tácito entre o casal sobre o desvio da sexualidade do pai em relação à filha, apesar do aparente segredo.Quando isso ocorre, percebe-se um desvio implícito de responsabilidade do real agressor na situação, sendo voltado contra a mulher, a mãe(Furniss, 1993;Narvaz, 2005). Surgem, então, as teorias que apresentam e até mesmo estigmatizam as mulheres como culpadas pelas violências que elas ou suas filhas sofreram, o que faz surgir a teoria de que a mãe é conivente ou cúmplice do agressor. ...
Conference Paper
Full-text available
Este artigo tem como objetivo analisar as implicações do abuso sexual intrafamiliar praticado contra crianças observadas por suas mães. Para isso, situa-se a categoría de abuso sexual intrafamiliar infantil enquanto categoría de violencia, conforme entendimento no Brasil. A estratégia metodológica utilizada foi a Análise do Discurso a partir das categorías de Bakhtin, utilizando-se a linguagem como ferramenta de aproximação das realidades das mulheres/mães entrevistadas. Os dados revelaram que ao enunciarem sobre as consequências do abuso sexual intrafamiliar geradas para suas filhas e filhos os discursos versam sobre retraimento social, liberdade restringida, culpa, ameaça, aumento da agressividade e o segredo da experiência de vitimação para a família. Palabras clave: abuso sexual intrafamiliar, consequências, crianças, adolescentes, mães.
Article
Full-text available
Para melhor compreender a dinâmica da violência contra a mulher, interessa investigar aspectos cognitivos que possam dificultar o rompimento do ciclo de violência por parte da vítima. Com base na teoria de Jeffrey Young, tais aspectos podem se referir aos Esquemas Iniciais Desadaptativos (EID’s) e seus respectivos domínios esquemáticos. O objetivo deste estudo é identificar domínios esquemáticos e tipos de violência sofrida em um grupo de mulheres. Participaram do estudo 16 mulheres em situação de violência conjugal atendidas no Plantão Psicológico de uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, localizada no Rio Grande do Sul, que responderam ao Inventário de Esquemas de Young (YSQ-S3). Os domínios Supervigilância/inibição e Desconexão/rejeição tiveram os dois maiores escores. As características dos EID’s que compõem os domínios podem dificultar o empoderamento da mulher perante a violência. Desse modo, os achados deste estudo podem indicar possibilidades de assistência psicológica às mulheres vítimas de violência conjugal, ao descrever e analisar os dilemas cognitivos vivenciados pelas mesmas.
Article
RESUMO Sustentada como resquício do modelo de família patriarcal, a violência doméstica foi responsável pela triste e persistente luta de Maria da Penha Maia Fernandes contra o Estado brasileiro, buscando por justiça. Em 2006, finalmente, entrou em vigor a Lei 11.340, conferindo proteção ao gênero socialmente vulnerável, o feminino. PALAVRAS-CHAVE: Violência Doméstica. Gênero. Transgênero. Travesti.
Article
O presente artigo pretende realizar uma discussão preliminar acerca das representações femininas contidas em canções brasileiras de diferentes gêneros musicais que popularizaram-se no país, em meados do século XX. Subsidiada pela teoria feminista, as reflexões pretendem analisar as seguintes músicas contidas no cancioneiro local popular: “Morocha”, de Mauro Ferreira e Roberto S. Ferreira; “Mulher Indigesta”, de Noel Rosa; “Cabocla Tereza”, de João Pacífico; “Me Lambe”, da banda Raimundos e “Mulheres Vulgares”, dos Racionais Mc’s explicitando os discursos patriarcais à elas relacionados, a fim de comprovar que a cultura patriarcal se naturaliza através da cultura musical no Brasil. Neste sentido, cada música eleita para a análise pertence a um gênero musical distinto, fato que corrobora com a prerrogativa de que a misoginia perpassa por todos os estilos musicais, que expressam culturas plurais e distintas. Cada uma das canções avaliadas trazem uma perspectiva diferente sobre a imagem feminina, entretanto, possuem em comum o fato de depreciarem a mulher, colocando-a em uma posição de inferioridade em relação ao homem. A visão androcêntrica reiterada e propalada através do cancioneiro popular, perpetua uma cultura de exclusão e violência contra as mulheres, neste sentido, propõem-se através destas discussões, contribuir para a desconstrução de uma visão estereotipada e convencionalista dos papéis de gênero. Submissão: 2018-03-15 Aceito: 2018-07-25
Article
Full-text available
The literature has indicated that mothers of children victims of sexual abuse, when taking knowledge of the abuse situation of their children, can present a variety of manifestations that can include anxiety, depression and post-traumatic stress disorder. Moreover, the reaction facing abuse disclosure can be support and protection or, still, avoidance, indifference or ambivalence. This study aimed at investigating how mothers of sexually abused girls reacted when they had taken knowledge of the abuse. Ten participants who were being sheltered at a specialized service for victims of domestic violence and sexual assault in a public hospital of Porto Alegre were interviewed. The mother's reactions were classified in positive and ambivalent. The majority of the mothers believed in the report of their daughters and denounced the abuse, although not all had been protective in the sense of keeping their children safe from the abuser or immediately looking for help and carrying out the denunciation. The factors that contribute to mother's reactions are also discussed.
Article
Full-text available
Este trabalho propõe-se a apresentar algumas considerações relativas à hipótese da transmissão transgeracional da violência. Baseia-se em dezenas de casos de famílias sexualmente abusivas em que ambas, mãe e filha, haviam igualmente sido vítimas de incesto, segredo só revelado agora a partir do relato da filha na Terapia Familiar.
Article
Full-text available
Este trabalho propõe-se a problematizar as crenças que legitimam a violência. Tais crenças se reproduzem silenciosamente através de gerações, no cotidiano do processo de socialização das crianças. A família e a escola são destacadas como contextos fundamentais de socialização, espaços privilegiados tanto de reprodução quanto de possibilidades de resistência às relações abusivas e de aprendizagem de formas dialógicas e pacíficas de resolução de conflitos. A punição física para o disciplinamento corporal é apontada como uma prática abusiva e deseducativa de disciplina, uma vez que "ensina" e legitima a violência como forma de lidar com conflitos e diferenças. UNITERMOS: castigo físico, violência, educação.
Article
Full-text available
A violência contra crianças e adolescentes sempre esteve presente na história da humanidade e é atualmente considerada um grave problema de saúde pública no Brasil, constituindo a principal causa de morte a partir dos 5 anos de idade. Trabalhar com casos de violência doméstica contra crianças e adolescentes (VDCA) não é uma tarefa fácil, uma vez que o médico pode se defrontar com situações complicadas, notadamente no Programa de Saúde da Família (PSF), que mantém estreito vínculo com comunidades inseridas em cenários propícios a esse fenômeno e expostas a risco social. Esta pesquisa exploratória, com análise qualitativa, foi esenvolvida com o objetivo de identificar a percepção de médicos atuantes no PSF sobre o processo de atendimento às vítimas de VDCA no município de São Paulo (SP). O estudo confirmou a falta ou do pouco conhecimento sobre as imbricações e impactos da VDCA ― consequência da não abordagem do tema nos cursos de graduação e da carência de educação continuada. Além disso, revelou que os médicos dedicados a programas de atenção básica se confrontam com dilemas éticos e sentimentos que desembocam na percepção de impotência diante das vítimas de maus-tratos, associada ao medo de represálias por parte dos agressores e ao descrédito nas instituições que têm atribuição legal de dar encaminhamento aos casos. Os resultados obtidos nesta pesquisa indicam que esses fatores associados resultam em deficiências no sistema de notificação que acabam por ampliar as lacunas das estatísticas das ocorrências de violência doméstica no Brasil.
Article
Este artigo enfatiza o papel educacional da familia e aponta para a necessidade de instrumentá-la, através de intervenções educativas, nessa sua função socializadora. Esse trabalho de apoio pode ser realizado pela Escola, Universidade e Serviço de Saúde, que somados ao desenvolvimento de pesquisas na área e à formaçao de profissionais delineiam o campo de Educação para a FamDia.