ArticlePDF Available

Abstract

O objetivo deste ensaio é o de trazer ao debate algumas leituras interpretativas da conjuntura ecopolítica nacional - demarcada pelo vertiginoso retrocesso ambiental -, combinada com a conjuntura global do emergente colapso climático, no marco histórico dos primeiros seis meses do governo Bolsonaro, regime político declaradamente pautado pelo signo do antiecologismo e pela crença negacionista climática. De posse desses subsídios conjunturais, nosso propósito é de refletir em que medida essa conjuntura interage com o contexto sociopolítico no campo da Educação Ambiental. A questão do debate gira em torno de saber se e como essa nova realidade ecopolítica desafia a capacidade de atualização da educação ambiental brasileira para reagir à altura da nova conjuntura da intensificação da luta ambiental democrática contra políticas ecocidas. O horizonte aqui é o de compreender sob quais condições a Educação Ambiental poderá ser afetada e modificada ante o traumático, intenso e multifacetado drama social ecopolítico brasileiro, drama social que comporta simultaneamente o risco da estagnação seguindo conformando um sujeito ecológico conservador e a oportunidade da mudança para a formação de um sujeito irreverentemente ecopolítico.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
44
ISSN 1983-7011
Manifesto por uma Educação Ambiental indisciplinada
Manifest for an unruly Environmental Education
Philippe Pomier Layrargues
1
1 Doutor em Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil – philippe.layrargues@gmail.com / 0000-0002-
7684-7334
Palavras-chave:
Educação Ambiental.
Sujeito Ecopolítico. Anti
Ecologismo. Retrocesso
Ambiental. Pedagogia da
Indignação.
RESUMO: O objetivo deste ensaio é o de trazer ao debate algumas leituras
interpretativas da conjuntura ecopolítica nacional - demarcada pelo vertiginoso
retrocesso ambiental -, combinada com a conjuntura global do emergente colapso
climático, no marco histórico dos primeiros seis meses do governo Bolsonaro,
regime político declaradamente pautado pelo signo do antiecologismo e pela crença
negacionista climática. De posse desses subsídios conjunturais, nosso propósito é de
refletir em que medida essa conjuntura interage com o contexto sociopolítico no
campo da Educação Ambiental. A questão do debate gira em torno de saber se e
como essa nova realidade ecopolítica desafia a capacidade de atualização da
educação ambiental brasileira para reagir à altura da nova conjuntura da
intensificação da luta ambiental democrática contra políticas ecocidas. O horizonte
aqui é o de compreender sob quais condições a Educação Ambiental poderá ser
afetada e modificada ante o traumático, intenso e multifacetado drama social
ecopolítico brasileiro, drama social que comporta simultaneamente o risco da
estagnação seguindo conformando um sujeito ecológico conservador e a
oportunidade da mudança para a formação de um sujeito irreverentemente
ecopolítico.
Keywords:
Environmental
Education. Eco political
Subject. Antiecologism.
Environmental Setback.
Pedagogy of Indignation
.
ABSTRACT: The aim of this essay is to bring to the debate some interpretative
readings of the national ecopolitical conjuncture - marked by the vertiginous
environmental setback - combined with the global conjuncture of the emerging
climate collapse, within the historical framework of the first six months of the
Bolsonaro government, a declared political regime by the sign of anti-ecologism and
the climate negationist belief. With these conjunctural subsidies, our purpose is to
reflect to what extent this conjuncture interacts with the socio-political context in the
field of Environmental Education. The question of debate revolves around whether
and how this new ecopolitical reality challenges the ability of Brazilian
environmental education to be updated to respond to the new conjuncture of the
intensification of the democratic environmental struggle against ecocidal policies.
The horizon here is to understand under which conditions Environmental Education
can be affected and modified in the face of the traumatic, intense and multifaceted
Brazilian ecopolitical social drama, a social drama that simultaneously carries the
risk of stagnation, continuing to shape a conservative ecological subject and the
opportunity for change. for the formation of an irreverently ecopolitical subject.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
45
ISSN 1983-7011
Não junto minha voz à dos que, falando em paz, pedem
aos oprimidos, aos esfarrapados do mundo, a sua
resignação. Minha voz tem outra semântica, tem outra
música. Falo da resistência, da indignação, da ‘justa ira’
dos traídos e dos enganados. Do seu direito e do seu
dever de rebelar-se contra as transgressões éticas de que
são vítimas cada vez mais sofridas
Paulo Freire (1996)
Prólogo: a nova realidade ecopolítica da luta ambiental no Brasil
Observando o campo social da Educação Ambiental pela perspectiva teórica dos
aparelhos ideológicos de Estado de Althusser (1970), da noção de Hegemonia de Gramsci e
dos mecanismos ideológicos de reprodução social de Bourdieu e Passeron (1992), abordando
os conceitos de Drama Social (TURNER, 1982), antiecologismo (LAYRARGUES, 2017,
2018a), sujeito ecológico (CARVALHO, 2004), armadilha paradigmática (GUIMARÃES,
2006); e adotando, por fim, a perspectiva da Pedagogia da Indignação de Paulo Freire (2000)
como horizonte estruturante desta reflexão, nosso objetivo com este ensaio é o de trazer
algumas leituras interpretativas da conjuntura ecopolítica nacional - demarcada pelo
retrocesso ambiental -, combinada com a conjuntura global do colapso climático, no marco
histórico dos primeiros seis meses do governo Bolsonaro, regime político declaradamente
pautado pelo signo do antiecologismo e pela crença negacionista climática.
Com esses subsídios conjunturais em mãos, nosso propósito é de refletir em que
medida essa conjuntura interage com o contexto sociopolítico no campo da Educação
Ambiental. A questão do debate gira em torno de saber se e como essa nova realidade
ecopolítica desafia a capacidade de atualização da educação ambiental brasileira para fazer
frente adequadamente e reagir à altura da nova conjuntura de intensificação da luta ambiental
democrática contra políticas ecocidas. O horizonte aqui é o de compreender sob quais
condições a Educação Ambiental poderá ser afetada e modificada ante o traumático, intenso e
multifacetado drama social ecopolítico brasileiro, drama social que comporta
simultaneamente o risco da estagnação seguindo conformando um sujeito ecológico
conservador e a oportunidade da mudança para a formação de um sujeito irreverentemente
ecopolítico.
O argumento que pretendemos desenvolver neste ensaio parte do pressuposto de que
as relações de poder na sociedade de classe são assimétricas e desiguais, e que envolvem
mecanismos variados de opressão simbólica e dominação cultural, que se valem de estratégias
sutis manipulação ideológica da subjetividade do sujeito, para fins de controle e manutenção
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
46
ISSN 1983-7011
da ordem social capitalista estabelecida. A tarefa de neutralizar a justa ira dos oprimidos
demanda um intenso trabalho de convencimento ideológico, a partir da imposição da
pedagogia da ordem e da obediência, que ecoa desapercebida pelos poros mais íntimos do
corpo societário, forjando um imaginário servil e subserviente ao interesse do capital,
resignado a seu papel de pequenas adaptações individuais na esfera privada.
O argumento que aqui apresentamos é o de que a Educação Ambiental brasileira se
inscreve nessa lógica. Ao curso dos anos, ela teria sofrido uma inflexão nas suas
intencionalidades pedagógicas e atualmente se encontra totalmente domesticada pelo
currículo oculto do ambientalismo de mercado. Aparelhada ideologicamente, tornou-se um
modelo conservador e reformista de Educação subserviente ao sistema; mas é justamente ante
o trágico quadro dos múltiplos prismas do drama social ecopolítico que impôs uma nova
realidade para a luta ecológica brasileira, que se encontra a semente da transmutação dos
horizontes formativos da Educação Ambiental. O tempo presente demanda uma repactuação
dos sentidos que se pretende imprimir daqui em diante; mas ao mesmo, é exatamente esse
mesmo tempo que oferece as bases para esta necessária repactuação do que se espera como
efeitos últimos da Educação Ambiental.
A anomalia da semana do meio ambiente de 2019: nada a comemorar
A semana do meio ambiente, tradicionalmente celebrada em torno do dia 5 de junho, é
uma data comemorativa anual que evoca a reflexão sobre o progresso da pauta ambiental
desde a Conferência de Estocolmo, em 1972. É uma data simbólica especial que lembra à
sociedade a importância da proteção ambiental, e serve como um momento de reflexão e
conscientização sobre a questão ambiental.
Contudo, mal completados seis meses do regime Bolsonaro no poder, a palavra de
ordem que predominou ao longo da semana do meio ambiente no ano de 2019, foi “nada a
comemorar”.
Em tom de protesto nas diversas manifestações públicas, essa parece ter sido a tônica
que surpreendentemente imperou no campo ambiental brasileiro. As avaliações dos
especialistas, para lá de pessimistas, acusavam estar em curso um severo desmonte ambiental,
corroendo a estrutura político-administrativa da gestão ambiental federal por dentro do
próprio governo. Um ataque sistemático e sem precedentes contra as instituições públicas de
proteção ambiental, que precisava ser veementemente denunciado e combatido pelos
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
47
ISSN 1983-7011
movimentos ecologistas, para evitar a eminente implosão dos instrumentos de gestão
ambiental pública pelo próprio governo executivo federal.
De fato, não havia motivo para se comemorar a semana do meio ambiente naquele ano
de 2019 no Brasil. Muito pelo contrário, não faltaram razões para se lamentar, com a abrupta
e profunda mudança de rumo na pauta ambiental no governo federal, desde que se iniciou há
praticamente cinco décadas atrás, o longo processo de institucionalização pública da defesa
ambiental no país. Desde o regime militar, com a criação da Secretaria Especial do Meio
Ambiente em 1973, a instância político-administrativa federal que precedeu o Ministério do
Meio Ambiente; e com a instituição da Política Nacional do Meio Ambiente em 1981, de
onde todo arcabouço da gestão e legislação ambiental despontaria; essa foi a primeira vez que
a sociedade brasileira se viu diante de um governo novamente militar que adotou uma
enfática narrativa conspiratória que explicitamente afirmava que a política ambiental
brasileira havia sido manipulada por ‘esquerdistas’ infiltrados no campo ambiental, cuja meta
residiria na sabotagem da economia brasileira, se a defesa ambiental fosse bem sucedida. O
regime Bolsonaro inicia sua gestão com o firme propósito de destravar o crescimento
econômico eliminando as restrições ambientais, impostas especialmente aos ruralistas,
madeireiros e garimpeiros.
Naqueles agonizantes primeiros seis meses do regime Bolsonaro, a lista de
acontecimentos acerca da desativação institucional da política ambiental brasileira já era
longa o suficiente para se perceber com clareza que o Brasil havia entrado vertiginosamente
na contramão da história. Não havia margem de dúvidas que o país estava inacreditavelmente
diante de um devastador tsunami de retrocessos ambientais, caminhando na direção da virtual
extinção dos instrumentos públicos de proteção ambiental na esfera federal, regido pelo signo
do antiecologismo
1
que invadiu o Estado nacional brasileiro como plano de governo.
Apresentada oficialmente à opinião pública como entrave ao pleno desenvolvimento
econômico do país, fruto de um radicalismo exagerado ecologista, a política ambiental
brasileira, demonizada; seria definitiva e corajosamente eliminada, para enfim destravar o
ambiente de negócios, sufocado por todos os obstáculos da defesa ambiental.
A sustentação narrativa que alicerçou essa ruptura institucional argumentava que a
política ambiental brasileira estava completamente impregnada pela agenda ideológica da
‘esquerda’ que teria se infiltrado na trincheira do movimento ambiental, cujo interesse
perverso e oculto seria o de sabotar a soberania e a economia brasileira. Nessa formulação
narrativa conspiratória, a bandeira ambiental teria sido apropriada por interesses ideológicos
1
Para um aprofundamento conceitual sobre o signo do antiecologismo, ver: Layrargues (2017, 2018 a).
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
48
ISSN 1983-7011
escusos que visariam restringir ou impedir o acesso aos recursos naturais, bloqueando a
geração de riqueza econômica no Brasil: para a comunidade ambiental, toda aquela riqueza
natural contida nas unidades de conservação, nas terras indígenas e nas áreas de preservação
permanente e de reserva legal nas propriedades privadas, que em tese poderia tornar o país
uma superpotência econômica, deveria ser mantida intocada. Nem de longe a narrativa
justificadora dessa ruptura institucional passou pelo argumento da tentativa de se reequilibrar
a tensão entre o desenvolvimentismo e a sustentabilidade, onde a proteção ambiental teria
sido rigorosa demais, e que havia então chegado a hora de se reestabelecer um equilíbrio justo
entre economia e ecologia.
As obras de Carrasco (2006), de Orleans e Bragança (2012) e de Delingpole (2012),
oferecem a sustentação argumentativa desta pueril teoria conspiratória de matriz
antiecologista, que alcançou a presidência da república e amparou o discurso presidencial, na
medida que Bolsonaro reafirmou seguidamente que iria retirar o ‘viés ecológico’ da política
ambiental brasileira
2
. Os autores, todos negacionistas climáticos, encaram o movimento
ambiental como sendo uma espécie de ‘cavalo de Tróia’ que esconderia internamente
interesses ideológicos ocultos: por trás da aparência altruísta da proteção da natureza, que
aparentaria apenas a preocupação desinteressada com a preservação da Vida no planeta Terra;
estaria o controle geopolítico de nações interessadas em limitar ou impedir o desenvolvimento
capitalista do país. Não por acaso, o rótulo depreciativo de ‘melancias’; verdes por fora e
vermelhos por dentro, seria a nova classe dos fanáticos mais interessados em destruir o
sistema capitalista do que em salvar o planeta da crise ambiental, querendo com isso afirmar
que o movimento ambiental seria descarada e cinicamente esquerdista, quando afirmam que o
problema ambiental é o capitalismo. Dando nome aos bois, e reconhecendo-se o alinhamento
narrativo com essa literatura, Bolsonaro inclusive afirmou que o Brasil era alvo de uma
‘psicose ambientalista’
3
, exatamente o título do livro do conservador porta-voz da família
imperial brasileira, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, com uma horda de ‘ongueiros de
esquerda’ ideologicamente comprometidos em denegrir a imagem do agronegócio brasileiro
perante o mercado externo e a comunidade internacional
4
.
Bolsonaro deu nome e sobrenome aos ecologistas ‘radicais’ de ‘esquerda’,
empenhados na vil sabotagem da soberania e economia brasileira: os ativistas ecologistas
militantes das ONGs, os povos indígenas, quilombolas e os servidores públicos federais da
2
https://www.oantagonista.com/brasil/ideia-e-tirar-o-vies-ideologico-que-o-setor-ambiental-ficou-associado/
3
https://oglobo.globo.com/mundo/bolsonaro-diz-ter-falado-que-brasil-alvo-de-psicose-ambientalista-para-
merkel-23773590
4
https://www.terra.com.br/noticias/brasil/ongs-rebatem-fala-de-bolsonaro-sobre-
queimadas,9f6096e641ac509c6b4ca51fcb3877cf4shslz89.html
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
49
ISSN 1983-7011
carreira ambiental, onde estes últimos teriam se infiltrado no Estado para ali criar uma política
ambiental impeditiva ao florescimento da economia primária e subserviente aos interesses
externos ferindo a soberania brasileira.
Ao longo de sua inexpressiva e insossa trajetória no baixo clero parlamentar,
Bolsonaro havia deixado claro que não manifestava qualquer simpatia à causa ambiental.
Ao contrário, apresentava fixação por atividades econômicas extrativas como a pesca e a
mineração, e enaltecia o pujante e lucrativo agronegócio ruralista brasileiro, que estaria sendo
vitimado por uma suposta ‘indústria de multas’ que atrapalharia os negócios do empresário do
campo. Mas o sinal de alerta no movimento ambiental soou quando, o então candidato à
presidência da república ainda em campanha eleitoral, afirmou despudoradamente que
pretendia extinguir o Ministério do Meio Ambiente, caso eleito presidente.
Ali as intenções até então veladas do novo governo deram corpo à grande ausência que
não passou desapercebida ao longo do período eleitoral em 2018: a total inexistência de
propostas para a pauta ambiental dentro do programa de governo do candidato do PSL. Se
naquele momento ainda não era possível antever claramente o que isso poderia significar e
qual impacto teria na política nacional do meio ambiente; ao afirmar sua intenção de acabar
com o Ministério do Meio Ambiente, ficou comprovado que a intenção do governo Bolsonaro
com relação à agenda ambiental era o seu completo desmonte. O “Caminho da Prosperidade”,
para Bolsonaro, definitivamente não passava pelo desenvolvimento sustentável.
Esse episódio representou o início do drama social (TURNER, 1982) do desmonte
institucional, a partir do qual a comunidade ambiental percebeu que poderia esperar pelo pior
quanto aos rumos da política ambiental na gestão Bolsonaro. Pretender extinguir um
ministério do meio ambiente não significa uma mera e trivial reforma político-administrativa
de um novo governo submetido ao rigoroso ajuste neoliberal; é uma política pública
escancarada e radicalmente antiecologista. Era uma ruptura histórica que precisaria ser
combatida.
Não era um simples esforço neoliberal de redução do Estado, mas a total
desresponsabilização do Estado na garantia constitucional da defesa do meio ambiente. A
garantia constitucional da incumbência do poder público defender as condições ambientais
íntegras simplesmente estava em jogo. O Estado, ao se ausentar de suas responsabilidades na
garantia do meio ambiente ecologicamente equilibrado, afrontou a Constituição.
Inacreditavelmente o país se viu diante da possibilidade de se perder todas as referências
legais e institucionais historicamente construídas para assegurar minimamente a defesa
ambiental. A ameaça de fechar o Ministério do Meio Ambiente explica a incógnita da
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
50
ISSN 1983-7011
ausência de propostas do programa de governo de Bolsonaro para a agenda ambiental: era
apenas uma opção covarde de omitir a real intenção de se radicalizar a desregulação
ambiental pública, que vinha a passos largos no governo Temer, concluindo-se no regime
Bolsonaro.
Eleito, afirmando que iria acabar com a ‘briga’ da área ambiental com a pasta da
agricultura, e que perseguiria os militantes da esquerda ambientalista dentro do sistema
federal do meio ambiente; Bolsonaro quebra a lógica da indicação de nomes técnicos de
reconhecida competência na área ambiental, e nomeia justamente um representante do
agronegócio patronal para assumir o cargo de ministro do meio ambiente, o controverso
Ricardo Salles, que já acumulava em seu currículo uma condenação judicial por fraude
ambiental. Dali em diante, o sistemático e radical desmonte do aparato ambiental público
federal entrou em ação.
Pela primeira vez na história do ambientalismo no Brasil, e com razão, não havia
motivo para se comemorar o dia do meio ambiente. Havia motivos, de sobra, para se indignar
e protestar; porque agora, a luta ecologista não se resumia mais à defesa da natureza e da
qualidade ambiental.
O drama social do ataque institucional impondo o retrocesso ambiental forçou a luta
ecologista a se transmutar para além da defesa da natureza propriamente dita, passando a
envolver também a defesa das instituições públicas federais que asseguravam a qualidade
ambiental. Como se não bastasse o monumental esforço da gestão ambiental pública, com a
colaboração do movimento socioambiental, na linha de frente da luta ambiental, para
assegurar boas condições ecológicas dos biomas brasileiros em áreas de proteção ambiental,
para combater a grilagem e invasão de terras públicas, o desmatamento e as queimadas, para
licenciar atividades potencialmente poluidoras, entre outras ações de campo no território,
agora a luta ecologista precisou agregar outra inesperada frente de batalha, agora no campo
institucional. Além da fauna, flora, biomas e ativistas defensores da natureza ameaçados,
instituições e servidores públicos também ingressaram no repertório das ameaças contra a
defesa ambiental.
A feroz e sistemática investida antiecologista às institucionalidades governamentais de
defesa ambiental demarcou a nova realidade do ecologismo brasileiro a partir de 2019,
obrigando-o a reconfigurar a sua pauta programática, trazendo à ordem do dia, a mobilização
popular atuante na vida política, com movimentos coletivos de protesto e contestação para
denunciar e combater a orientação antiecologista do novo governo, nas ruas. Em certa
medida, o retrocesso implicou na recuperação do espírito subversivo do ecologismo datado
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
51
ISSN 1983-7011
dos anos 60, quando sua agenda predominante se pautava pela denúncia e protesto público da
insustentabilidade do desenvolvimento economicista, nas ruas. Afinal, em certa medida, o
retrocesso reativou a pedagogia da indignação, demarcando as consequências dessa nova
realidade no campo da luta ambiental.
A Pedagogia da Indignação e a esperança do protesto contra o retrocesso ambiental
E foi partindo exatamente desse contexto, que uma destacada expoente do
ambientalismo brasileiro, Samyra Crespo, publicou uma reflexão no site da Agência
Envolverde
5
, questionando a ênfase que a comunidade socioambiental teria dado à narrativa
catastrofista com notícias apocalípticas sobre o colapso ambiental, “apavorando as pessoas e
apontando a vilania humana”, na semana do meio ambiente.
Reconhecendo que a palavra de ordem ‘nada a comemorar’ ganhou destaque nos
noticiários e redes sociais na semana do meio ambiente de 2019, a autora condenou
exatamente aquilo que foi o ânimo fulcral dos protestos públicos ocorridos em várias cidades
brasileiras com manifestações em defesa das instituições ambientais públicas e para estancar o
vertiginoso avanço dos retrocessos socioambientais. No artigo, Crespo correlacionou essa
palavra de ordem ‘nada a comemorar’ com uma narrativa desesperada, aflita, angustiante;
correlacionou o protesto contra o retrocesso ambiental como sendo uma narrativa sombria que
representaria uma pedagogia do medo que rouba o lugar da esperança, o que poderia gerar
apatia, desalento, paralisia.
O grito de ordem ‘nada a comemorar’ na semana do meio ambiente não foi algo
despropositado ou exagerado. Foi bastante fiel à leitura da conjuntura socioambiental
contemporânea, na medida que a luta ambiental sofreu uma inflexão na sua trajetória histórica
com a quebra do pacto da sustentabilidade como orientação ao desenvolvimentismo. Ou seja,
não foi um alarme falso alardeando um problema superdimensionado por neuróticos
desesperados que teria sombreado o lugar das comemorações dos avanços em direção à
sustentabilidade. Foi o infeliz e indesejado retrato de uma época singular, que destoa
profundamente de todo histórico da semana de comemorações do meio ambiente, que contava
com espaço para o protesto ecologista contra os riscos das tentativas de retrocessos
ambientais, mas em uma proporção muito menos aguda.
5
https://envolverde.cartacapital.com.br/entre-aflitos-e-apocalipticos-e-preciso-afirmar-o-valor-da-vida-do-
belo-e-da-esperanca/
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
52
ISSN 1983-7011
No ano de 2019, realmente não havia condições na conjuntura brasileira de se afirmar
o valor da vida, do belo e da esperança na semana do meio ambiente, sem ao mesmo tempo
denunciar veementemente o desmonte ambiental que ameaçava os instrumentos públicos de
proteção da qualidade ambiental. Não havia lugar, como desejava Samyra Crespo, para o
predomínio da mensagem de celebração do crescimento da alimentação orgânica, das
florestas plantadas, dos jardins de chuva, das tecnologias sustentáveis; afinal, o desmonte
ambiental não é facilmente reconhecível à primeira vista pela opinião pública, e a semana do
meio ambiente representa uma preciosa janela política de se fazer ouvir minimamente pela
oportunidade midiática que a marca comemorativa permite acontecer, para que fosse possível
dimensionar junto à sociedade, a profunda gravidade da nova realidade da luta ambiental no
país.
Não parece de todo sensato correlacionar a palavra de ordem ‘nada a comemorar’
única e diretamente com apatia ou desesperança, como se necessariamente o protesto fosse
perigosamente vinculado a essa paralisante pedagogia do medo. Com o grito de ‘nada a
comemorar’, vários coletivos e organizações ecologistas foram às ruas manifestar sua
indignação e recusa com o retrocesso ambiental. Ali, nas ruas, não se viu desalento ou apatia;
ao contrário, se viu justamente a esperança freireana de atuar e intervir politicamente no
mundo. De denunciar o mundo que não queremos e cujo curso precisa ser imediatamente
interrompido. O protesto não é indiferença, é a reação apaixonada frente a uma situação limite
intolerável. O estranho aqui seria justamente seguir a rotina das comemorações ressaltando as
conquistas ambientais de natureza comportamental ou tecnológica, como se o tempo histórico
da consolidação definitiva do ambientalismo na sociedade brasileira tivesse permanecido
exatamente o mesmo.
Partindo do olhar freireano, há que se considerar sobre a dialética entre a combinação
do anúncio com a denúncia. Em sintonia com a Pedagogia da Indignação, Freire (2000)
afirmava que não era possível dissociar o anúncio da denúncia, que ambos deveriam ocorrer
simultaneamente.
Há que se anunciar os modos de vida sustentáveis e denunciar os modos de vida
insustáveis. Há que se defender o caminho da sustentabilidade, mas ao mesmo tempo,
combater o da insustentabilidade. Não basta apenas anunciar o caminho da sustentabilidade e
acreditar que isso seja suficiente para motivar a conversão ideológica daquele Outro que
segue convicto crendo que o caminho da insustentabilidade não se cruza com o caminho da
prosperidade, supondo que bastaria a supressão da ignorância - e não da ganância também -,
para se pôr um fim à degradação e ao crime ambiental. O antagônico da sustentabilidade não
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
53
ISSN 1983-7011
pode ser desprezado ou ignorado, posto que ele não é resultado da ignorância ecológica, mas
sim da ganância econômica; e essa é a raiz da tensão antagônica que rivaliza o poder entre
economia e ecologia, entre desenvolvimentismo e sustentabilidade e, em grande medida, entre
capital e trabalho. A fraca sustentabilidade do desenvolvimentismo brasileiro não é fruto
única e exclusivamente da ignorância ecológica, mas fundamentalmente, da ganância
econômica.
Não adianta apenas trabalhar pela regeneração da Vida sem ao mesmo tempo militar
contra a destruição da Vida. Mutirões de limpeza, boicote aos canudinhos plásticos, plantios
agroflorestais, painéis solares, carros híbridos, soluções tecnológicas e ações individuais
positivas que nos aproximam da sustentabilidade são fundamentais, mas não são garantia
alguma de uma mudança societária definitiva, exclusivamente guiada pela ética da
sustentabilidade ou pelo simples bom senso de sobrevivência.
É preciso sim reciclar e reutilizar os bens de produção além de reduzir e repensar o
consumo para se combater a prática do desperdício dos recursos naturais; mas é preciso
também combater a lógica do desperdício, configurada pela obsolescência planejada
incrustada nos planos de negócios empresariais da economia capitalista, porque é inútil
acreditar que seja possível alterar o padrão de consumo sem se alterar também o padrão de
produção. Se é a produção quem determina o consumo na economia capitalista, toda e
qualquer ação pela sustentabilidade inevitavelmente precisa questionar o modo de produção
capitalista.
Não basta aderir ao consumo de produtos orgânicos e tentar consumir produtos livres
de agrotóxicos sem concomitantemente se opor ao agronegócio ruralista exportador de
commodities, lutar pela reforma agrária e combater a liberação desenfreada de agrotóxicos
pelo governo. Não basta abolir o consumo de carne da dieta pessoal sem ao mesmo tempo
militar contra a expansão ilegal da pecuária Amazônia adentro. Não basta anunciar e valorizar
a sócio e biodiversidade do Cerrado, para estancar o aceleradíssimo processo de conversão do
bioma em celeiro mundial de plantio de grãos, sem também denunciar o Estado brasileiro que
destinou como política pública para o Centro-Oeste o território ideal da sojicultura, a exemplo
da região do MATOPIBA, considerada a última fronteira inexplorada do Cerrado que ao
longo da década dos 2020 sofreu uma conversão sem precedentes, processo esse orientado por
políticas públicas federais: isso porque a lógica predatória do setor produtivo primário
latifundiário e orientado pelo livre mercado seguirá implacavelmente determinada pelo papel
geopolítico que o país representa na periferia do sistema capitalista, como mero provedor de
commodities naturais vendidas a baixo custo na economia globalizada.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
54
ISSN 1983-7011
Enfim, o que ocorreu na semana do meio ambiente de 2019 na conjuntura do Brasil,
com a palavra de ordem carregada de protesto por não se ter ‘nada a comemorar’ e que esteve
em total sintonia com a crítica à radicalização do retrocesso ambiental, foi justamente a
quebra da prevalência da narrativa da esperança do anúncio da sustentabilidade sem a
denúncia contra a insustentabilidade. Efeito direto do drama social do pacto com a
sustentabilidade rompido pelo desenvolvimentismo desgovernado pelo governo federal, a
pedagogia da indignação trouxe à vida o protesto coletivo em massivas manifestações
públicas, exercitando o protesto nas ruas como uma nova atitude que se tornou necessária se
praticar em nome da defesa do meio ambiente.
Mas chama atenção o fato de pela primeira vez na história da comemoração da semana
do meio ambiente, justamente quando o país mergulhou na radicalização do retrocesso
ambiental, que a denúncia da insustentabilidade tenha sido condenada, porque o protesto
público sombreou o anúncio da sustentabilidade, tido como a referência moral fonte de
inspiração que deveria predominar. Há uma certa censura no ar contra o perfil ecologista que
entende que a construção da sustentabilidade não se faz apenas com o seu anúncio, mas
também com a denúncia da insustentabilidade, por meio da militância política. “O que
fizemos com a esperança? Porque não promover o amor em vez da dor? (...) Fica o alerta:
sejamos os arautos da esperança que vivifica e não os coveiros de um mundo que agoniza”,
como finaliza o texto de Samyra Crespo, é uma narrativa ideológica que apresenta o ethos
ecologista que atua politicamente combatendo as forças da insustentabilidade de modo
sutilmente depreciativo, por ter se desviado do papel social do anúncio (da esperança) da
sustentabilidade. A mensagem é clara: neste modelo, não lugar para a denúncia, apenas o
anúncio; e não a combinação freireana do anúncio conjugado com a denúncia.
O recado da rebeldia com a causa do protesto de Greta Thunberg
Enquanto o Brasil se encaminhava para a conclusão das eleições presidenciais no final
de 2018, uma foto correu o mundo e ganhou as manchetes. Era de uma jovem adolescente,
sentada no chão em uma calçada, cabisbaixa e encostada em uma fria parede de um prédio,
com um cartaz ao seu lado. Se estivesse nas ruas de São Paulo, teria sido facilmente
confundida com uma sem-teto desempregada pedindo esmola, entre tantos outros moradores
de rua nas grandes cidades brasileiras. Mas ela não estava no Brasil, e não estava pedindo
esmola. Ela estava na Suécia, e estava fazendo um protesto. Uma solitária e inusitada greve
estudantil pelo clima, que rapidamente se tornou um símbolo e uma referência mundial que
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
55
ISSN 1983-7011
passou a inspirar a juventude pelo mundo afora, revitalizando o movimento de massas,
criando a partir daí o emblemático Friday for Future.
Para manifestar seu descontentamento e protestar contra a passividade do governo
sueco em relação ao enfrentamento das mudanças climáticas, Greta recorreu à rebeldia da
desobediência civil afrontando seu dever enquanto estudante: deixou de ir às aulas entre final
de agosto e início de setembro, trocando a cadeira da escola pela calçada em frente ao prédio
do parlamento em Estocolmo.
Como ainda não podia votar, a única forma de se manifestar e intervir politicamente
no mundo foi por meio do protesto público, justificando a escolha pelo corajoso ato de
desobediência civil. Senti que não havia sentido em ir à escola se não houvesse futuro”,
afirmou em entrevista à revista Time
6
.
Passadas as eleições na Suécia, Greta manteve o protesto solitário por todas as sextas-
feiras, dia da semana que as aulas terminam mais cedo. E o recado era muito simples:
repreender as lideranças políticas e reivindicar dos governantes suecos ações consequentes
definitivas para frear as mudanças climáticas. Greta não queria aumentar a conscientização
pública sobre a crise climática. Seu protesto era especialmente direcionado a um destinatário
específico, e tinha um propósito muito claro: Greta queria que os líderes políticos da Suécia
levassem realmente a sério o Acordo de Paris. Greta queria pressionar o governo do seu país a
assumir a sua responsabilidade de Estado para implementar políticas públicas efetivas e
pautadas pela urgente transição rumo à economia de baixo carbono.
Desde que começou a se preocupar com o assunto das mudanças climáticas, ainda com
nove anos de idade, Greta se tornou vegetariana e adotou o consumo sustentável, negando-se
a comprar qualquer coisa que não fosse absolutamente necessária, e permaneceu vigilante às
suas emissões de carbono. Adotou um estilo de vida com o menor impacto ambiental
possível, sua família instalou painéis solares na residência, plantou sua própria horta e o carro
– elétrico – só sai da garagem quando é indispensável, porque o meio de transporte cotidiano
é a bicicleta. Hábitos individuais e domésticos exemplares, pra lá de ecologicamente corretos,
o tipo-ideal perfeito de um sujeito ecológico que adaptou seu comportamento para oferecer a
sua cota de contribuição individual esperada na transição à sustentabilidade.
Mas Greta entrou em depressão com essa pedagogia do medo proveniente do trauma
do colapso climático imediato que se abateria exatamente sobre a sua geração; e só conseguiu
sair da apatia quando entendeu que frente ao colapso climático, esse modelo padrão do sujeito
6
https://www.dn.pt/lusa/interior/frases-clima-principais-frases-da-ativista-sueca-greta-thunberg-
10926937.html
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
56
ISSN 1983-7011
ecológico
7
orientado pela máxima liberal de ‘cada um fazer a sua parte’, com a adoção de
boas práticas e comportamentos ambientais individuais; tinha chegado ao seu limite. Agora a
gravidade da situação exigia uma solução de outra natureza. Ante o cenário palpável do
colapso climático global, uma nova resposta foi gestada.
Quando compreendeu que a desesperança era derivada da impotência da ação
individual conformada à esfera privada, Greta rompeu o paradigma e foi além do esperado
para o papel a ser desempenhado por um sujeito ecológico civilizadamente orientado pela
sustentabilidade, com a criação desse solitário movimento subversivo de desobediência civil,
ao faltar as aulas para no seu lugar realizar um ato político de contestação contra o governo de
seu país. E em pouco tempo de ativismo, com o protesto agora direcionado aos dirigentes do
establishment - a elite político econômica mundial -, Greta inovou e saiu completamente do
lugar comum para se firmar como uma ativista ambiental militante na vida pública e no
âmbito internacional, muito além da consumidora ecologicamente consciente que adaptou
seus comportamentos na esfera privada e doméstica. Inesperadamente contrariou os poderes
estabelecidos, e enquadrou os donos do poder global a finalmente assumirem a
responsabilidade que lhes cabe no enfrentamento da crise climática, condizente com sua
decisiva influência na tomada de decisão sobre as políticas globais, enquanto lideranças das
maiores potências políticas e econômicas do setor público e privado mundial.
Greta, talvez pela condição de autista, percebeu que a clássica fórmula de cada um de
nós individualmente fazer a sua parte, comportadamente na esfera privada; e contar passiva e
esperançosamente com a conversão do restante da humanidade desconsiderando as relações
de poder na política, havia se esgotado. Chegou ao seu limite e partiu ao ataque: agora é
tempo de se revoltar, É hora de ficar com raiva”, em suas próprias palavras
8
, superando
assim o imaginário domesticado deste modelo padrão hegemônico do sujeito ecológico,
convertendo-o em um sujeito ecopolítico. Para recuperar o curso civilizatório que
progressivamente vinha reconhecendo a importância da natureza selvagem, foi preciso
recorrer à selvageria humana.
A conjuntura ambiental global, agora dramática com a aproximação a passos largos do
colapso ambiental, exigiu uma resposta à altura do desafio. E Greta demonstrou total
7
Carvalho (2004) define da seguinte forma o sujeito ecológico: Esse modo ideal de ser e viver orientado pelos
princípios do ideário ecológico é o que chamamos de sujeito ecológico. O sujeito ecológico é um ideal de ser que
condensa a utopia de uma existência ecológica plena, o que também implica uma sociedade plenamente
ecológica. O ideal de ser e de viver em um mundo ecológico se vai constituindo como um parâmetro orientador
das decisões e escolhas de vida que os ecologistas, os educadores ambientais e as pessoas que aderem a esses
ideais vão assumindo e incorporando, buscando experimentar em suas vidas cotidianas essas atitudes e
comportamentos ecologicamente orientados”. (p. 65)
8
https://www.straitstimes.com/world/time-to-get-angry-teen-climate-activist-says-in-davos
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
57
ISSN 1983-7011
afinidade com o diagnóstico catastrofista das mudanças climáticas, percebeu a urgência do
tempo presente que é outro, bem diferente do passado recente quando só se anunciava a
vizinhança de uma crise ambiental num futuro em breve. Greta pertence à geração que
finalmente será diretamente impactada pelo colapso climático, e isso se tornou simplesmente
inaceitável. Por se colocar esta geração em xeque, estava dado o choque geracional. Adultos e
jovens sofreram a primeira cisão geracional da história, porque os adultos, especialmente
aqueles que se colocam como decisores políticos, falharam em deixar um planeta saudável
como herança aos respectivos filhos. Por isso Greta qualificou a crise ambiental como uma
situação de emergência sem precedentes, e que precisaria ser enfrentada com urgência, porque
ela representa uma ameaça concreta ao futuro dos jovens:
Eu só cheguei na hora certa. Cada vez mais pessoas têm consciência da
situação de emergência em que vivemos, do fato de que estamos atravessando
uma crise existencial que não foi nunca abordada dessa forma
9
.
Como devo me sentir segura quando sei que estamos diante da crise mais
aguda da história da humanidade? Quando sei que, se não agirmos agora,
tudo logo será tarde demais? A primeira vez que ouvi sobre o aquecimento
global, pensei: isso não pode estar certo, de jeito nenhum, há algo sério o
suficiente para ameaçar nossa própria existência”.
10
Somos crianças que protestam. Não deveríamos estar fazendo isso, não
deveríamos ter que fazer, sentir que nosso futuro está ameaçado a ponto de
termos que faltar às aulas para lutar. É um fracasso das gerações
anteriores
11
.
Reverberando essa narrativa catastrofista do caos climático, Greta encarna o espírito
dos ‘profetas do apocalipse’, apavorando as pessoas com a aproximação do fim do mundo e
apontando a vilania humana responsável pelo colapso climático. Mas essa nova profeta do
apocalipse não possui rugas da idade avançada no seu rosto, ao contrário, guarda os traços da
infância, consciente de que é o seu futuro que precisa ser defendido, sem tempo a perder. E
por isso, torna-se autora de um discurso competente e se constitui como uma legítima
liderança política que de súbito passou a representar a juventude planetária.
9
https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/09/actualidad/1552146532_090042.html
10
https://eco21.eco.br/eu-quero-me-sentir-
segura/?fbclid=IwAR1QxlKqZmeCaXJe5jA0V50J6c3vNYJf2Ycmq83_pwKt4qqR4mZw_0S0_04
11
https://istoe.com.br/greta-quer-salvar-o-futuro/
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
58
ISSN 1983-7011
Esse sujeito ecopolítico rebelde chamou a atenção. O ineditismo da reação inusitada
de uma jovem adolescente indignada com a omissão dos adultos no governo, insensatos com
relação ao enfrentamento das mudanças climáticas, conquistou os holofotes da mídia, e em
pouco tempo, Greta se tornou uma pequena grande celebridade com presença garantida em
eventos globais com tomadores de decisão acerca das questões climáticas. No Fórum
Econômico em Davos em 2019, cansada de ouvir as falsas promessas de esperança de um
futuro melhor, Greta manifestou sua compreensão acerca da pedagogia do medo, ao assumir a
narrativa catastrofista de um planeta que agoniza, e que seria exatamente essa a perspectiva de
urgência que deveria ativar a mobilização social convocando o engajamento militante em uma
ação coerente com o drama climático:
Os adultos ficam dizendo: devemos dar esperança aos jovens. Mas eu não
quero a sua esperança. Eu não quero que vocês estejam esperançosos. Eu
quero que vocês estejam em pânico. Quero que vocês sintam o medo que eu
sinto todos os dias. E eu quero que vocês ajam. Quero que ajam como agiriam
em uma crise. Quero que vocês ajam como se a casa estivesse pegando fogo,
porque está”.
12
Se é preciso parar as emissões que provocam as alterações climáticas, então
é para parar . (...) Não compreendo como continuam a viver como se não
fosse nada. 30 anos que nos dizem para sermos positivos. Desculpem, mas
não vou por aí. Não resulta, ou já teríamos baixado as emissões de gases
tóxicos para o planeta. O que precisamos é ação”.
13
Em manifestação pública da juventude alemã realizada no dia 29 de março de 2009
nas ruas de Berlim, Greta critica a indiferença e a passividade das pessoas ante a nova
realidade global que deveria ser compreendida por todos como dramática, uma situação
extraordinária que surpreendentemente ainda não despertou as pessoas do torpor da
anestesiante rotina cotidiana:
12
https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/03/15/poucos-adultos-estao-escutando-diz-adolescente-
indicada-ao-nobel-que-criou-uma-greve-global-pelo-clima.ghtml
13
http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2019-01-28-Quem-e-Greta-Thunberg-a-adolescente-sueca-que-
agitou-Davos-
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
59
ISSN 1983-7011
Devemos entrar em pânico e, em pânico, não estou a falar de gritar de
pânico, quero dizer sair de nossas zonas de conforto, porque quando se está
em crise, muda-se o comportamento”.
14
Ainda em Davos, Greta sinalizou que o problema a lidar com as questões climáticas
não é exatamente a ignorância ambiental das pessoas comuns, mas a ganância da elite
político-econômica que tem total clareza do que está em jogo e não abre mão de seus
interesses na desigual relação de poder; e que portanto, há um enfrentamento político na
esfera pública democrática a ser realizado, para além dos gestos pessoais de um cidadão
ecologicamente correto. O problema agora não é mais a falta de conscientização sobre a crise
ambiental, mas a falta de compromisso e responsabilidade ambiental do mundo político e das
lideranças econômicas. O problema não é a fraca disseminação societária da mensagem
ecológica, mas a forte determinação antiecologista por parte dos donos do poder político e da
riqueza econômica global. Ou seja, não se trata unicamente de um processo de conversão de
consciência, mas de enfrentamento político objetivo:
Algumas pessoas, algumas empresas, alguns tomadores de decisão em
particular, sabem exatamente que valores inestimáveis têm sacrificado para
continuar a ganhar quantias inimagináveis de dinheiro. E eu acho que muitos
de vocês aqui hoje pertencem a esse grupo de pessoas”.
15
Por conta do boicote às aulas, Greta foi taxada por políticos conservadores de
subversiva e inconsequente por estar desprezando a escola; ao que replicou com astúcia,
afirmando que a greve estudantil tinha como propósito exatamente cuidar do futuro,
demarcando publicamente o choque geracional que colocou os adultos no banco dos réus:
Para que vamos estudar se vocês nos roubaram o futuro? ”
16
Para quê estudar para um futuro que talvez nunca aconteça quando ninguém
faz nada para o preservar? Agora é o tempo de nos enfurecermos”.
17
14
https://www.dn.pt/lusa/interior/frases-clima-principais-frases-da-ativista-sueca-greta-thunberg-
10926937.html
15
https://brasil.elpais.com/brasil/2019/02/27/opinion/1551290093_277722.html
16
https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Historias-do-Futuro/Greta-Thunberg-antes-de-20-de-
agosto/48/43761
17
https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Mae-Terra/Jovens-fazem-greve-pelo-clima/3/43142
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
60
ISSN 1983-7011
Estimulados com o protesto de Greta, em novembro de 2018, cerca de quinze mil
estudantes australianos boicotaram as aulas para dizer ao governo que deveria combater as
mudanças climáticas. Mas o então primeiro-ministro australiano, Scott Morrison reagiu mal,
condenando o ativismo dos jovens: “O que queremos nas escolas é mais aprendizagem e
menos ativismo”. E a juventude australiana respondeu ao ministro com um cartaz nas ruas na
manifestação seguinte: “Nós seremos menos ativistas se vocês fizerem menos merda
18
. E
assim, parece que o fenômeno Greta inspirou entre a juventude essa revolução no modelo
dominante do perfil do sujeito ecológico ideal, que viu diante do repertório de possibilidades
de se agir em prol da defesa ambiental, a potencialidade do ativismo político e da ação
coletiva. A contestação política por meio da desobediência civil demarcada pela ‘greve’
estudantil começou a fazer parte do perfil do sujeito ecológico, que por sua vez, começa a
transmutar-se em sujeito ecopolítico.
Em visita ao Vaticano em abril de 2019, Greta foi encorajada pelo papa Francisco, que
também engajou-se ética e politicamente na cruzada contra as mudanças climáticas, a seguir
com o compromisso: “Vá em frente e que Deus te abençoe
19
, aconselhando-a a seguir
adiante com sua mobilização pelo clima, liderando todo esse processo de militância política
como uma nova forma do agir ecológico.
Não se trata mais aqui de seguir difundindo a mensagem ecológica aos quatro ventos,
na expectativa de superar a ignorância sobre o colapso ambiental. Foi-se o tempo em que era
necessário centrar esforços educativos na ampliação da conscientização ambiental; para dar
lugar agora a uma ênfase educativa na responsabilização de quem carrega o poder de decisão
das políticas públicas e dos investimentos privados. Se o colapso climático chegou, é porque a
sustentabilidade ainda não estava devidamente encarnada no desenvolvimento a ponto de
evitar o desastre a tempo. O legado da Rio-92 com o pacto do desenvolvimento sustentável no
primeiro quarto de século desde a Conferência do Rio, foi mais discurso do que prática e não
surtiu o efeito desejado da transição ecológica. E assim, havia chegado o momento de
efetivamente se cobrar a demonstração do compromisso efetivo da sustentabilidade como
realmente orientadora do desenvolvimentismo.
Trata-se agora nesse novo contexto, de protagonizar um perfil adequado do sujeito
ecológico atualizado com a nova realidade; aquele que agora também se investe da militância
política na esfera pública cobrando responsabilidade do Estado, como mais uma forma
importante do eco cidadão contribuir com a construção do caminho da sustentabilidade.
18
https://brasil.elpais.com/brasil/2019/02/27/opinion/1551290093_277722.html
19
https://www.dn.pt/mundo/interior/papa-falou-com-jovem-ativista-sueca-pelo-clima-e-disse-va-em-frente-
10807171.html
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
61
ISSN 1983-7011
Aquele que além da coerência entre os princípios e os comportamentos ecologicamente éticos,
também luta pela defesa ambiental, se coloca como um cidadão manifestamente contrário às
forças da insustentabilidade. Não é aquele que apenas incorpora novos comportamentos
ecológicos no seu ambiente doméstico ou do trabalho, mas também luta pelos direitos
ambientais.
E isso é revolucionário, porque afronta o perfil domesticado do cidadão
ecologicamente consciente mas conformado pelo ethos capitalista a não reagir na esfera
pública com o poder transformador da ação coletiva; e é subversivo, porque afronta a ordem
socioambiental estabelecida.
A novidade aqui é a abertura à fronteira do ativismo político que afronta uma ordem
social ecologicamente nociva. E por isso, a legítima cobrança da responsabilidade
institucional do governo e das lideranças econômicas, a pressão política por um modelo
econômico não ecocida. A legítima cobrança para que se mude o sistema, não o clima.
Importa destacar que Greta, que em praticamente todas as reportagens jornalísticas é
qualificada como uma ‘ativista ambiental’, não abandonou a clássica fórmula do ‘cada um
fazer a sua parte com pequenas atitudes no dia a dia que podem fazer toda a diferença’,
mantendo-se indiferente se outros atores sociais investidos de um poder político e econômico
desproporcionalmente maior, como o governo e a elite econômica, pouco ou nada fazem pela
proteção ambiental; ou pior, caminham obstinadamente na contramão da sustentabilidade.
Tanto que por ocasião da Cúpula das Nações Unidas sobre Ação Climática em setembro de
2019, atravessou o oceano Atlântico a bordo de um veleiro que não emite carbono, para não
viajar de avião, como parte de seu compromisso pessoal pelo clima.
Enfim, Greta provocou um choque geracional, se tornou uma incontestável e legítima
liderança da juventude global; e sobretudo, acrescentou um novo papel social a ser
desempenhado nesta época de mudança de conjuntura global diante do colapso ambiental
climático: o ativismo ecológico com o tempero subversivo da desobediência civil como o
destaque inovador para o perfil clássico e conservador do sujeito ecológico.
É precisamente esse ativismo ecológico e seu engajamento mais profundo que renova
o compromisso realmente efetivo com a causa ambiental, subindo um patamar importante no
grau de exigência para que especialmente os donos do poder, não sigam com suas práticas
antiecologistas. O militante é aquele que combate, que defende, com audácia, veemência e
intransigência, a sua causa. Não faz vista grossa, não ignora e sabe que precisa reivindicar por
seus direitos, e isso é responsabilizar decisores políticos. Com essa fórmula, rompe-se a ideia
da responsabilização restrita ao indivíduo comum como estando centralmente na raiz da crise
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
62
ISSN 1983-7011
ambiental. Rompe-se a narrativa preponderante de que o indivíduo em seu cotidiano é o maior
ou o único responsável pela transição à sustentabilidade.
E na gramática do sujeito ecológico brasileiro nestes primeiros seis meses do regime
Bolsonaro, o drama social da conjuntura ecopolítica nacional com o retrocesso ambiental se
adensa com o drama social da conjuntura ecopolítica global. No Brasil, os tempos do colapso
climático global se combinam com os tempos do antiecologismo negacionista tupiniquim
como projeto político nacional da extrema-direita no poder, e isso resultou na tragédia
amazônica em chamas. Essa nova configuração explosiva do drama social exponencializa
decisivamente a militância política nacional, quando este sujeito ecológico sai da zona de
conforto da ação individual na esfera doméstica reciclando minimamente seu lixo, e se
transmuta em sujeito ecopolítico, um militante ativista ambiental que agrega à narrativa do
protesto contra o retrocesso ambiental federal, a narrativa do protesto contra o negacionismo
climático do governo brasileiro.
Do sujeito ecológico ao sujeito ecopolítico
Em 1994, um expoente educador ambiental brasileiro, Marcos Reigota, escreveu um
livro emblemático que respondia à pergunta “o que é Educação Ambiental”. Inevitável,
portanto, não relembrar aqui o que já definia, há vinte e cinco anos atrás, a essência da
Educação Ambiental: ela já era explicitamente reconhecida como Educação Política. O que se
esperava da Educação Ambiental era a formação de sujeitos políticos, tanto quanto a
disseminação de valores para uma consciência ecológica que fosse capaz de criar
comportamentos individuais ecologicamente corretos, como a redução do consumo de água, a
destinação correta do lixo e a adoção de um consumo sustentável. Se esperava formar
cidadãos com capacidade de leitura crítica, de indignação e de mobilização contra a realidade
socioambiental injusta e predatória. Essa concepção superava o reducionismo da visão
conservadora da Educação Ambiental. Para além do cuidado individual com o lixo, a água, o
solo, ou os seres do mundo natural, a Educação Ambiental busca não mudanças
comportamentais que anunciam a sustentabilidade; mas, sobretudo, mudanças políticas, que
denunciam e combatem a insustentabilidade. Visa a formação de sujeitos críticos,
participativos e comprometidos com uma sustentabilidade socioambiental enquanto opção
ético-política. O caminho da sustentabilidade não é apenas uma questão ética e moral, é
também questão política e econômica e assim, não basta formar sujeitos ecologicamente
conscientes se eles também não forem politicamente atuantes.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
63
ISSN 1983-7011
Carvalho (2004), por sua vez, se indaga dez anos mais tarde, mas “afinal, quem é esse
sujeito ecológico enquanto entidade ideal? Quais são os efeitos que uma identidade ecológica
produz na vida cotidiana dos que se identificam com esse universo de valores? (p. 66). Na
sequência, a autora pontua que há uma apreensão ingênua da ideia contida na Educação
Ambiental, onde se dissemina frequentemente a ideia simplista de que as pessoas serão
ensinadas a serem mais gentis e cuidadosas com a natureza, como uma premissa suficiente
para fundamentar a orientação educativa. Carvalho frisa então que é necessário superar essa
visão ingênua de Educação Ambiental, porque ela não se reduziria a uma intervenção
pedagógica centrada no indivíduo, entendido como uma unidade atomizada e isolada das
condições sociais e da relação com o mundo.
Ademais, acrescenta a autora, é frequente constatar que as atividades de Educação
Ambiental enfatizam a transmissão de conhecimentos e procedimentos ambientalmente
corretos, ensinando como ‘fazer o certo’ seguindo o princípio do cuidado com a natureza e a
preocupação com a sustentabilidade; mas que no limite, tal aprendizagem se resume a
obediência às regras que se espera de um cidadão civilizado e literalmente comportado. Diz a
autora que cabe reconhecer que gerar comportamentos individuais ordeiros, preocupados
com a limpeza de uma área ou com a economia de recursos ambientais como a água ou a
energia elétrica, pode ser socialmente desejável e útil, mas não significa necessariamente que
tais comportamentos sejam integrados na formação de uma atitude ecológica e cidadã (...) O
grande desafio da Educação Ambiental é, pois, ir além da aprendizagem comportamental
(p. 181), porque a visão comportamental tende a operar promovendo o reforço de
comportamentos ambientalmente corretos e evitando ou punindo os inadequados;
‘adestrando’ mais do que educando (p. 184), o que carrega implicitamente uma
aprendizagem sutil da disciplina e da norma, a obediência civilizada ao comportamento
ecológico esperado dentro de uma sociedade de controle e da ordem capitalista. O currículo
oculto aqui é a aprendizagem da subserviência.
É neste contexto que Carvalho (2004) corrobora que o processo educativo deve ser
compreendido como um ato político, “cuja vocação é a formação de sujeitos políticos,
capazes de agir criticamente na sociedade(p. 186), lembrando que para a filósofa Hannah
Arendt, “a capacidade de ação política é a expressão mais acabada da condição humana” (p.
187). E aqui a autora faz a importante distinção entre comportamento e ação:
Diferentemente dos comportamentos, que repetem padrões aprendidos, a ação passa-
se no plano da atribuição de sentidos às experiências humanas, no qual se criam as
regras do jogo social e da convivência. Arendt critica a sociedade moderna porque
constata nela a progressiva perda da capacidade de agir em face da sociedade de
massas, cuja tendência conformista e homogeneizadora acaba por restringir as
possibilidades de ação. Em vez de dar a seus membros a possibilidade de agir e
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
64
ISSN 1983-7011
interferir, a sociedade de massas trata-os como indivíduos isolados dos quais se espera
certos tipos de comportamentos, impondo padrões preestabelecidos e esforçando-se
por ‘normalizar’, no sentido de padronizar a conduta dos grupos sociais. (...) A ideia
de que os sujeitos se comportam em vez de agirem tomou conta do imaginário
moderno. O comportamento substituiu a ação como principal forma de atividade
humana. (...) Outro aspecto importante da diferença entre agir e comportar-se é que a
ação se dá sempre como expressão de um sujeito no mundo, ou seja, um sujeito que se
constitui socialmente e não se reduz a uma interioridade privada, uma existência
individual isolada da vida em comum. A ideia de comportamento vem carregada da
visão que supõe um sujeito atomizado, apartado e, nesse sentido, ‘privadoda esfera
das relações históricas e sociais coletivas. Um sujeito sem história e sem vínculos, que
apenas se modela aos padrões preestabelecidos e age de forma que consiga a melhor
adaptação possível. Uma felicidade adaptativa é a meta da satisfação que esse sujeito
do comportamento busca alcançar, em uma sociedade tirânica que o ameaça com a
exclusão e o não reconhecimento, se ele fugir às normas (p. 188-189).
O que fica evidente com as observações de Carvalho (2004), que cunhou o conceito de
‘sujeito ecológico’ em um momento histórico que era inimaginável que quinze anos mais
tarde a comunidade ambiental brasileira tivesse que enfrentar o sistemático desmonte
ambiental por dentro do próprio governo federal, é que o perfil do sujeito ecológico
idealizado abarcaria em seu repertório identitário, também a ação política, buscando a
superação da visão hegemônica que eternamente responsabiliza o indivíduo atomizado pelas
respostas à crise ambiental. E agora, diante desse cenário dominado pelo retrocesso ambiental
como programa de governo, acrescido pelo colapso climático, torna-se imperativo à Educação
Ambiental concentrar esforços na formação do sujeito ecopolítico.
Não estamos mais no período da expansão ou consolidação do ambientalismo pelo
tecido social brasileiro, essas foram fases do processo evolutivo do movimento ambiental que
definitivamente ficaram no passado. Entramos em uma nova era, em um novo ciclo
reiniciando todo processo de defesa ambiental que vigorou a partir dos anos 60. Estamos na
fase da retração do ambientalismo, do signo do antiecologismo.
É preciso ter clareza que os tempos são outros, e por esse motivo, as respostas
precisam ser as adequadas à essa nova realidade. Diante do retrocesso e do desmonte
ambiental, não espaço para saudar as iniciativas demonstrativas exitosas que merecem ser
visibilizadas, as ações positivas prenhes de exemplos de sustentabilidade, na expectativa de
fazer acreditar possível construir o caminho da sustentabilidade sem ao mesmo tempo
denunciar vigorosamente a insustentabilidade, para desligar automaticamente os motores da
degradação ambiental. Os tempos atuais, regidos pelo signo do antiecologismo, exigem uma
reação proporcional à mudança de conjuntura: exigem luta, protesto, manifestação; exigem
ação política e coletiva. Mas exigem também a capacidade de indignação, exigem a
desobediência civil; exigem, no limite, a superação da pedagogia do conformismo e da
obediência que acabou por predominar no campo da Educação Ambiental. Exige superar a
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
65
ISSN 1983-7011
conformidade do modelo conservador de Educação Ambiental aos interesses do capital. Não é
possível seguir indiferente e alienado diante do abrupto e profundo retrocesso ambiental,
anunciando ingenuamente a prática individual dos bons exemplos de sustentabilidade. Exige
um tipo de militância ecologista que se faz nas ruas, não em casa nos comportamentos
individuais ou nos hábitos de consumo no mercado.
Não basta apenas fazer o que é certo individualmente para se alcançar os resultados
almejados, porque o problema é estrutural, não pessoal. O problema é de outra natureza, outra
dimensão, que apenas o somatório das ações individuais não conta de resolver. As reais e
profundas causas da crise ambiental ou simplesmente dos impactos ambientais particulares
ficam ocultadas.
A autora afirma ainda, que atualmente parece predominar menos ousadia e mais
resignação do que no tempo das origens do ecologismo nos anos 60, sinalizando para uma
grande mudança que subtraiu o espírito subversivo do ecologismo contemporâneo. O
movimento ecológico estaria domesticado, estagnado em uma subjetividade conformista, com
o espírito da contestação e do protesto controlado.
O vocábulo ‘sustentabilidade’ se afirmou como uma palavra-chave decisiva no pós-
Rio-92; contudo, toda palavra possui uma carga ideológica capaz de formatar a compreensão
do contexto segundo um enquadramento específico. Subliminarmente, o vocábulo
‘sustentabilidade’ carrega consigo a mensagem ideológica da agenda positiva, demarcada pela
construção da sustentabilidade apartada da desconstrução da insustentabilidade.
‘Sustentabilidade’ ficou dissociada da ‘luta ambiental’. Sustentabilidade rima com bons
comportamentos ecológicos individuais, mas não rima com contestação e embate contra
políticas públicas ecocidas. O farol da sustentabilidade apontou para uma única direção,
iluminando apenas um caminho a seguir, enquanto orientação para o sujeito ecológico não se
perder em sua travessia individual e solitária rumo à sustentabilidade.
A subversão civilizatória do ecologismo
O ecologismo é um qualificado como novo movimento social que carrega a marca da
subversão da ordem no seu DNA. A ideia da proteção da natureza contra a degradação das
condições da Vida no planeta desponta como uma reação no momento histórico que
principiavam os diagnósticos científicos de uma crise ambiental que se avizinhava num
horizonte próximo se o rumo civilizatório não fosse alterado. O ecologismo surgiu como uma
reação contrária à expansão ilimitada e descontrolada do voraz desenvolvimentismo
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
66
ISSN 1983-7011
economicista orientado pelo livre mercado, que se mostrava incapaz de saciar a demanda do
metabolismo urbano-industrial de uma sociedade de consumo e ao mesmo tempo manter as
bases de sustentação da Vida preservadas, por conta do imperativo do crescimento econômico
capitalista que forçou o ritmo da natureza a acompanhar o ritmo industrial para além da
capacidade suporte planetária.
Carvalho (2004) afirma que:
Discutir o ecologismo sem situá-lo em relação ao ambiente utópico que lhe dá origem
e à sua filiação contracultural seria reduzir a compreensão daquilo que
fundamentalmente o inspira e lhe confere poder de atração e convocação à ação. Nele,
a visão da natureza como contraponto da vida urbana, tecnocrática e industrial aparece
combinada com o sentimento da contestação. O repúdio a uma racionalidade
instrumental, aos ideais de progresso, ao individualismo e à lógica do custo-benefício
meramente econômico pode ser observado no ideal de uma sociedade ecológica que se
afirma como via alternativa à sociedade capitalista de consumo. Ao levar a
problemática ambiental para a esfera pública, o ecologismo confere ao ideário
ambiental uma dimensão política. A crítica ecológica situa-se entre as vozes
contestatórias do estilo de vida contemporâneo, denunciando sua face materialista,
agressora do meio ambiente e bélica (p. 48, grifos nossos).
Nesse cenário alarmista, de imediato e como uma forma de ampliar a sensibilização
pública à causa ambiental, despontou a narrativa ecologista dos ‘profetas do apocalipse’
(McCORMICK, 1992) que denunciavam a chegada do colapso ambiental se a civilização
moderna não mudasse radicalmente sua trajetória suicida. O signo ameaçador da denúncia, do
combate, da cruzada ambiental, passou a acompanhar o inquieto e indignado ethos ecologista.
Diante da necessidade imperativa de frear o binômio produção econômica-predação da
natureza, estabelecendo limites à economia do livre mercado que implicassem em
esgotamento dos recursos naturais, erosão genética, perda de ecossistemas, extinção de
espécies, desmatamento, acidentes ambientais, poluição, lixo doméstico, industrial, hospitalar;
resíduos sólidos, líquidos e gasosos; rejeitos tóxicos, químicos e radioativos; é que o
movimento ecológico se estabelece. Ele se funda como um anteparo para estancar o processo
de degradação ambiental, o que o faz naturalmente carregar a chaga da subversão por ousar
contestar a ordem instituída. E assim, em plena era desenvolvimentista nos anos 60, surge o
ecologismo, um estraga-prazeres que invadiu a festa da prosperidade econômica, dizendo que
a balbúrdia da economia desgovernada acabou.
A obra do Clube de Roma intitulada “Limites do Crescimento” (MEADOWS et al,
1978) e publicada em 1972, alimentada pela narrativa apocalíptica do colapso ambiental, foi
decisiva e emblemática, porque explicita literalmente a ideia da imposição de limites à
economia para que os limiares planetários de sustentação da Vida na Terra não sejam
ultrapassados. A ideia de se limitar o livre desenvolvimento da economia, absolutamente
contra-hegemônica, se forja com o caráter subversivo, contestador da ordem socioeconômica
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
67
ISSN 1983-7011
estabelecida. A rigor, o American Way of Life, paradigma que fundou a sociedade de consumo
e de desperdício, estava ameaçado pela contestação ecologista, com o respectivo repúdio a
todo o programa da doutrina neoliberal, que prega a não intervenção estatal na economia, para
que as leis de mercado possam se expressar livremente, sem controle nem regulamentação.
E a partir de então, na contracorrente do desenvolvimentismo economicista, o
ecologismo se institucionaliza progressivamente nos governos por meio de autoridades e
colegiados ambientais blicos que definiram políticas, programas, legislações e
regulamentações ambientais e tratados internacionais com o exato propósito de demarcar os
limites que a economia não poderia ultrapassar para não comprometer a capacidade suporte
planetária que poderia colocar em risco a sustentabilidade da Vida e terminar por provocar um
colapso ambiental.
É também sintomático o título da obra de Aguilera (1980), “Ecologia, ciência
subversiva”, publicada em 1980, testemunho evidente de como na época se percebia a ousadia
do ecologismo nos seus primeiros passos, dizendo “não” à economia desgovernada, à revelia
do contexto das leis ecológicas que apresentam limites a serem obedecidos. Desponta desse
contexto, a tensão que passou a antagonizar o desenvolvimento com a sustentabilidade, uma
delicada tensão político-ideológica que veio a ser minimamente superada por ocasião da
Conferência do Rio, quando se institui o paradigma do Desenvolvimento Sustentável, ou seja,
o desenvolvimentismo finalmente orientado pelo ecologismo. No limite, acabou prevalecendo
o bom senso com algum equilíbrio regulatório sobre o poder absoluto do capital.
Para caracterizar o ecologismo com essa marca da subversão, importa lembrar também
que, ainda nos tempos da maturação do pensamento ecologista, no século IX, a ideia da
subversão ecologista já se fazia presente na obra de Henry David Thoreau, um dos pensadores
clássicos da literatura ecologista; autor de “Desobediência Civil” (THOREAU, 2016) e de
“Walden, ou Uma Vida nos Bosques” (THOREAU, 2014). Em Desobediência Civil,
publicado em 1849, Thoreau elaborou um manifesto revolucionário à sua época, desafiando
obrigações e deveres de governos considerados injustos.
Algo muito similar ao conceito da Objeção de Consciência, que é a invocação do
direito de se abster de realizar um dever comum a toda sociedade, posto que essa obrigação
seria contrária às convicções religiosas, éticas ou políticas do sujeito reivindicante desse
direito; mas desde que ele se responsabilize como contrapartida, por cumprir atividade
alternativa. Silva e Santos (2012), que efetuam uma análise da objeção de consciência no
contexto do uso de animais em laboratórios dos cursos de ciências naturais nos
estabelecimentos universitários, frisam inclusive que essa recusa ética é uma garantia
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
68
ISSN 1983-7011
constitucional no país. A prática da vivissecção de animais, mesmo que para fins didáticos ou
científicos, se resume em crueldade animal penalizada pela Lei de Crimes Ambientais.
Em Walden, publicado em 1854 como um protesto contra a civilização industrial e sua
face capitalista, Thoreau (2014) elabora um ensaio autobiográfico de sua experiência de
absoluta imersão na natureza, em busca de um estilo de vida simples e frugal, para descobrir
quais seriam as verdadeiras necessidades essenciais do ser humano, longe da influência da
vida domesticada no espaço urbano-industrial.
Em suma, o ecologismo na sua origem é subversão. Porém, com a instauração do
pacto do desenvolvimento sustentável, a subversão foi apaziguada em nome da confiança
depositada no pacto estabelecido por ocasião da Rio-92. Porém, com a quebra do pacto da
sustentabilidade na medida que a ascensão ao poder do signo do antiecologismo impôs o
retrocesso ambiental como política de governo, a nova conjuntura ecopolítica recolocou o
ecologismo diante da agenda da refundação do ânimo subversivo, rompendo os grilhões da
ordem domesticada do sujeito ecológico conformado a um enquadramento específico de
como comportar-se individualmente na transição ecológica.
A hegemonização do modelo conservador de Educação Ambiental no Brasil
Em outra ocasião (LAYRARGUES, 2018 b) argumentamos que a Educação
Ambiental brasileira possui fortes indícios de estar hegemonicamente alinhada ao espírito
capitalista, reproduzindo acriticamente suas lógicas e valores, e renunciando ao seu papel
problematizador na crítica anticapitalista e na transformação social do status quo. A Educação
Ambiental brasileira foi instrumentalizada e tornou-se um aparelho ideológico de Estado
hegemonicamente dominado pelo interesse econômico da burguesia a serviço de um modelo
conservador e reprodutivista de Educação, obediente à reprodução social da formação
capitalista e subserviente à sociabilidade do livre mercado. A Educação Ambiental brasileira
teria se enquadrado fielmente na perspectiva que se espera de uma educação voltada à questão
ambiental dentro de uma sociedade capitalista: reformista na forma, pragmática no conteúdo.
Assim ajustada, a Educação Ambiental passou a contribuir funcionalmente com a reprodução
do ethos capitalista, servindo como a mesma referência uniforme e indistinta para a mesma
sociedade de classes.
Camuflada pelo legítimo processo pedagógico de formação e de conscientização
ambiental, a cultura capitalista sutil e subliminarmente passou a ser disseminada na
intencionalidade político-pedagógica da Educação Ambiental, por meio da sua recorrente
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
69
ISSN 1983-7011
associação com a mensagem ecológica, insistindo-se na mensagem de que a solução para a
sustentabilidade passa pelo mercado. O capitalismo expressou claramente seu poder de
controle, por meio do exercício da força simbólica de dominação, transmitindo
incessantemente seu estilo de pensamento para dentro do campo da Educação Ambiental.
Agora, salvo em poucos espaços entrincheirados da perspectiva Crítica da Educação
Ambiental numa fração do setor acadêmico e dos movimentos sociais, a Educação Ambiental
brasileira é exatamente a mesma Educação Ambiental que se esperaria encontrar em uma
sociedade capitalista. Se investiu da ideia do fim das ideologias e naturalizou o capitalismo,
aceitando-o passivamente como a doutrina societária definitiva e inquestionável, que basta
reformar para corrigir suas distorções; sem jamais combater sua intrínseca lógica predatória,
contribuindo assim com sua reprodução sob as melhores condições de temperatura e pressão:
sem contestação ou oposição alguma.
Naturalizando o capitalismo e ignorando a luta de classes do seu enquadramento no
ato pedagógico, esse modelo conservador e reprodutivista se forja a partir da ideia de que a
missão civilizatória da Educação Ambiental seja a de avançar sobre o terreno da ignorância,
mas não o da ganância. Assim posto, o problema a lidar está no fomento à disseminação do
conhecimento científico-ambiental para superar o comportamento individual ecologicamente
inadequado, marginalizando a dimensão estrutural dos conflitos sociais na esfera política e
econômica em torno de interesses de classe contraditórios e relações de poder de acesso e uso
dos bens ambientais entre capital e trabalho totalmente desigual. Assumindo esse postulado,
adota uma perspectiva difusionista e normativa, torna-se uma educação de deveres, e não de
direitos, e assim o êxito da tarefa educadora dependerá unicamente da divulgação apropriada
da mensagem ecológica a todos indistintamente, o que é na verdade uma impossibilidade para
uma sociedade de classe.
Esse modelo conservador e reprodutivista da Educação Ambiental cumpre seu papel
funcional quando conquista hegemonia a partir do controle de toda a poderosa estrutura de
difusão ideológica investida pelo robusto sistema público institucional e legal que é o campo
político da Educação Ambiental brasileira, que conta com uma Política e um Programa
Nacional de Educação Ambiental e diversos instrumentos de gestão pública, organizado de
modo a garantir a veiculação da mensagem sobre a formação e conscientização ambiental
influenciando a mais ampla audiência na escola e na sociedade acerca do papel social a ser
desempenhado pelo sujeito ecológico diante dos constrangimentos ambientais. Esse modelo
passa a controlar seletivamente a mensagem que deve fluir pelo sistema político da Educação
Ambiental, bem como pela Comunicação Ambiental midiática em geral, para todos os
espaços escolares e não escolarizados, difundindo orientações precisas sobre o pensar e fazer
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
70
ISSN 1983-7011
as práticas pedagógicas vinculadas à questão ambiental, sempre alinhadas à perspectiva do
ambientalismo de mercado. E ao mesmo tempo, com a imposição da ordem e disciplina da
norma, impede a veiculação de mensagens de natureza subversiva e contestatória que
eventualmente ofereçam resistência ou ameaça à ordem social capitalista. Em nome da
salvação da natureza, difunde-se a propaganda doutrinadora do capital e do apaziguamento
social, posto que aqui nesta fictícia sociedade sem classes, todos estariam de mãos dadas
juntos pela cruzada ambiental. Assim feita essa associação subliminar, o caminho da salvação
da natureza necessariamente passa pelo mercado.
Exercendo seu poder de controle seletivo sobre a mensagem, esse modelo conservador
e reprodutivista conquista hegemonia quando dissemina consensos absolutos e
inquestionáveis que giram em torno da difusão exclusiva da agenda positiva, em torno da
pauta dos louváveis ‘bons exemplos’, das ‘boas práticas’ exitosas de sustentabilidade, que
merecem o título de inspiradoras para pavimentar o caminho certo a seguir pelo cidadão
ambientalmente responsável; enquanto necessariamente omite a pauta negativa, ocultando os
elementos estruturais da insustentabilidade inerente à lógica do capitalismo. Esse ocultamento
torna invisível o racismo, o conflito e a desigualdade socioambiental, fenômenos que
evidenciaram a dimensão conflituosa intrínseca da sociedade capitalista. Torna invisível as
lutas populares de resistência dos movimentos sociais, contribuindo assim com o fictício
apaziguamento social, e é negada a compreensão da lógica da degradação ambiental ser
atravessada pela luta de classes e determinada pelo capitalismo.
Nesse duplo papel da difusão ideológica, o estabelecimento da honrosa norma-padrão
e a interdição da problematização do contraditório; o ocultamento das contradições é
fundamental para assegurar a estabilidade da ordem social sem necessidade de se recorrer aos
aparelhos repressores de Estado para reprimir a sua contestação, pois desempenha função
preponderante na conformação e acomodação dos sujeitos, apaziguando o poder subversivo e
eliminando a paisagem da arena pública como espaço de manifestação cidadã comprometida
com a defesa ambiental.
Via de regra, a transmissão desses consensos inquestionáveis abrange variados
aspectos da sociabilidade do mercado, que reverberam maciçamente sobre os atos
pedagógicos, como por exemplo, em torno do mantra da reciclagem como ideia-chave
exclusiva para a Educação Ambiental no contexto dos resíduos sólidos. Mantra reproduzido
fiel e cotidianamente pelo Estado e pela escola, sem contextualização sobre o ciclo de vida da
mercadoria, nem problematização acerca do limitado alcance da reciclagem no combate ao
desperdício dos recursos naturais. Mantra que permanece intrinsecamente vinculado à ciranda
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
71
ISSN 1983-7011
do comprar e vender do mercado, posto que agora se adere à reciclagem e ao mercado da
logística reversa. Sim, para o capitalismo, a salvação da natureza decididamente passa pelo
mercado. Por outro lado, esse modelo conservador e reprodutivista não estabelece um
consenso igualmente absoluto e inquestionável para eliminar a lógica estruturante do
desperdício dos recursos naturais, por meio da negação da raiz do problema, a obsolescência
planejada e a propaganda do consumismo, abrigados sob o manto cultural do amplamente
disseminado American Way of Life’. A obsolescência planejada e a propaganda do
consumismo são os motores determinantes da lógica do desperdício, que na sociedade
capitalista, não podem ser desligados, porque são determinados pela produtividade e
competividade em uma economia de livre mercado.
Daí o caráter meramente reformista, deste modelo conservador de educação, pois
aponta para soluções que ambientalmente apenas atenuam os efeitos, enquanto silencia as
causas estruturais do desperdício dos recursos naturais no metabolismo industrial capitalista,
mantendo intactos os fundamentos do modo de produção orientado pelo lucro. Na balança
entre os benefícios ambientais e os econômicos, a reciclagem certamente assegura a criação
de um novo e robusto mercado dentro da indústria da despoluição, o da logística reversa,
mercado dependente da manutenção da gica do desperdício vigorando no estilo de vida
capitalista: a reciclagem é parte constituinte intrínseca da lógica de mercado, e a Educação
Ambiental se tornou parte indissociável dessa engrenagem. Em outras palavras: para ativar o
mercado da logística reversa, é fundamental que haja consumo excessivo e de mercadorias
‘feitas para quebrar’; e a Educação Ambiental funcionalmente contribui com a formação da
mentalidade passiva e subserviente a essa lógica (LAYRARGUES, 2018 c).
O mesmo atualmente vêm ocorrendo recentemente com relação à guerra mundial
declarada contra os canudinhos plásticos
20
; inacreditavelmente apontado como ‘um dos
principais vilões do meio ambiente’ a ser combatido em nome da limpeza dos oceanos. Como
se fosse possível a eliminação da produção do canudo plástico por meio do boicote individual
no ato do consumo, ao se praticar o princípio do Recusar. E como se a eliminação do canudo
plástico realmente fosse um pontapé inicial para a internalização de atitudes mais coerentes
com a responsabilidade ambiental, premissa sustentada pela lógica liberal do somatório das
ações individuais contribuírem decisivamente para o bem comum, apostando-se que é apenas
uma questão de tempo para que todos acabem adotando o mesmo comportamento individual.
Mas é uma fórmula que ignora a política, que ignora especialmente a conjuntura que poderia
20
https://g1.globo.com/bemestar/noticia/mundo-declara-guerra-ao-canudo-de-plastico-um-dos-principais-
viloes-do-meio-ambiente.ghtml
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
72
ISSN 1983-7011
demonstrar ser esse um problema menor, mas colocado convenientemente no centro das
atenções para se desviar o olhar daquilo que realmente importa.
Mas essa postura apenas naturaliza a essência do canudinho de plástico, que é sua
descartabilidade. E assim, combate-se uma mercadoria descartável, mas não se combate a
descartabilidade das mercadorias.
A angústia humana com o trágico diagnóstico da crise ambiental segue capturada e
canalizada para o enfrentamento de uma batalha inócua que em nada resultará na mudança do
sistema econômico ecocida. E não se preocupem aqueles tarados preocupados com a extinção
dos canudinhos plásticos, que não conseguem ver um refrigerante sem abrir mão do prazer da
sucção para saborear o conteúdo da sua latinha: o mercado eco friendly, claro, oferece
alternativas ‘ecológicas’ ao canudo plástico, com incríveis modelos de metal, vidro e até
comestíveis, portadores do nobre signo da biodegradabilidade. Um produto moderno,
diferenciado, que ao ser triunfalmente inserido na latinha, demonstrará a todos ao seu redor
que aquele proprietário dessa mercadoria ecológica é um sujeito em dia com seu
compromisso servil com a causa ambiental, dando a sua cota de contribuição individual para
evitar a poluição dos oceanos. Menos uma mercadoria descartável sendo consumida,
enquanto que o paradigma da descartabilidade segue inabalado, com seu acelerado ritmo de
desperdício dos recursos naturais, lá na produção, como uma decisão empresarial estratégica;
e bem longe do alcance do consumo.
Não é só a maneira como o cidadão se veste, come, mora, se locomove, compra.
Aquilo que se entende por ‘estilo de vida’ deveria comportar também a maneira como o
cidadão interage com as lideranças políticas. Ou não interage.
Não basta apenas o voto em um candidato com perfil ecológico depositado numa urna
a cada quatro anos. Essa fraca interação com o governo pode se tornar mais ativa, mais
constante, mais consistente. Afirma-se que sete bilhões e meio de pessoas tomam decisões
diariamente, ou seja, potencialmente esses sete bilhões e meio de pessoas poderiam causar
uma revolução se agissem em sintonia com o mesmo propósito orientado pela transição
ecológica. Nessa perspectiva, a questão é apenas de dar escala ao processo de conscientização
ambiental. Mas diante dos inexpressivos números que mostram a quase inexistente presença
de consumidores verdes ou conscientes, não parece muito sensato apostar na conversão
comportamental do indivíduo como uma via única que confia no poder de transformação do
comportamento do consumo e despreza o poder de transformação da ação política.
Não parece muito promissor o futuro de uma sociedade preenchida majoritariamente
por consumidores verdes. Até que ponto esse engajamento individual nos hábitos de consumo
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
73
ISSN 1983-7011
conseguem interferir na obsolescência planejada? E na descartabilidade das mercadorias em
geral e das embalagens especificamente? Esse consumidor verde vai deixar de trocar seu
celular anualmente? Vai abrir mão do consumo repetitivo de novas mercadorias porque a
antiga quebrou ou se tornou tecnologicamente obsoleta? Vai eliminar por completo os
legumes e verduras de sua mesa produzidos com agrotóxicos? E mesmo que toda a população
brasileira deixe de consumir legumes e verduras sem agrotóxicos, a Empresa Brasileira de
Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) vai mudar sua orientação política e a sojicultura no
Cerrado vai deixar de despejar agrotóxicos? Vai zerar suas emissões de carbono? Vai destinar
à reciclagem seu óleo usado de fritura? E que tipo de ação individual no âmbito privado o
cidadão hoje e agora pode fazer para estancar o acelerado ritmo de desmatamento e conversão
do solo no Cerrado? Qual papel o consumidor verde pode cumprir para frear a degradação
ambiental na região do MATOPIBA
21
, quando o próprio governo federal decidiu que esse
território representa a última fronteira do agronegócio no Cerrado? Deixar os canudinhos de
plástico de lado vai cessar a produção de descartáveis? Deixar de consumir produtos feitos à
base do óleo de palma da Malásia vai assegurar que essa indústria extrativa feche suas
atividades, salvando o orangotango da iminente extinção que se encontra em função da
expansão do plantio da palma? Abrir mão do luxo do ouro na indústria das joias cessará o
garimpo ilegal de ouro na Amazônia? Como o consumidor verde vai provocar na mega-
mineração a responsabilidade ambiental? Para salvar as abelhas da extinção por causa da ação
devastadora dos agrotóxicos, não seria mais sensato que o governo interditasse a produção e
uso dos agrotóxicos comprovadamente nocivos às abelhas?
E como ficam os interesses dos setores econômicos do setor primário da economia,
esse que concentra riqueza a partir da extração dos recursos naturais, esses entendidos como
banalmente como commodities que são comercializadas em um mercado global regido pelo
menor preço? Como vão assegurar competitividade num cenário que têm a proteção
ambiental como um entrave aos negócios porque o aparato de defesa ambiental encarece a
produção? Como esse consumidor ecologicamente consciente vai individualmente frear o
ímpeto da expansão da propriedade privada latifundiária adentro de territórios indígenas,
quilombolas ou de áreas protegidas? Como o seu empenho em economizar água evitando o
desperdício doméstico vai impedir os conflitos socioambientais em torno do acesso privado
da água como uma mercadoria? E isso em um país que é campeão nas estatísticas de
assassinatos de lideranças ambientais, não parece mesmo nada sensato.
21
MATOPIBA é o acrônimo formado com as iniciais dos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, para
designar a extensão territorial que abrange parcialmente essas quatro Unidades Federativas.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
74
ISSN 1983-7011
Como o consumidor verde reverterá o tsunami antiecologista que varreu o país no
regime Bolsonaro? Que tipo de comportamento individual no âmbito doméstico é capaz de
reverter o retrocesso ambiental? Que ato de consumo consciente no mercado é capaz de
alinhar o governo brasileiro novamente ao firme combate das mudanças climáticas?
E no limite, cabe lembrar que soluções da ordem do mercado estão presas dentro do
paradigma da ditadura da economia comandando tiranicamente o destino da humanidade. As
narrativas justificadoras que reconhecem haver um monumental prejuízo econômico ao Brasil
em função do retrocesso ambiental, são narrativas dentro da ordem onde a própria economia
se encarrega de promover a auto regulação do mercado.
Para fazer parte da solução da crise ambiental, não basta ser um consumidor
ecologicamente consciente; é também necessário ser um cidadão politicamente atuante. Não
basta ser ecologicamente alfabetizado, é preciso também ser sociologicamente formado. Não
basta adotar atitudes altruístas exemplares dando o bom exemplo do ‘bom civilizado’, que não
passa de uma idealização semelhante a do bom selvagem rousseauniano. É preciso também
revolta, indignação, sangue nos olhos e punhos cerrados, encarando furiosamente aquele que
compromete as condições ambientais e ameaça o sistema da Vida.
Esse modelo conservador e reprodutivista da Educação Ambiental investe muita
energia no combate ao desperdício dos recursos naturais, silenciando a existência de conflitos
socioambientais que atravessam essa pauta. Esse modelo combina fielmente com a
perspectiva do “Evangelho da Ecoeficiência” de Alier (2007), que representa a visão de
mundo dogmática do setor econômico sobre a questão ambiental: um mero problema técnico
de gestão de recursos naturais, que passa longe do problema da negociação política dos
conflitos socioambientais. Nesta formulação clássica, os recursos naturais são apresentados
ideologicamente como bens raros e escassos, mas jamais como bens submetidos a distintos
regimes de propriedade, em disputa por interesses antagônicos de apropriação e de uso. Nesse
cenário, abençoado pelo deus mercado, ganha o reino do céu aquele que professa a sua na
cruzada individual contra a prática do desperdício; e não contra a avidez e ganância dos donos
do poder, fator determinante da lógica do desperdício que permanece intacto.
O resultado desse modelo conservador e reprodutivista da Educação Ambiental que
conquistou hegemonia é a formação de um sujeito ecológico manipulado, ingenuamente
alinhado ao pensamento social capitalista: sujeitado pelo adestramento ambiental para se
adaptar voluntariosa e altruisticamente a novos comportamentos individuais.
Assim capturado, absorve obediente e passivamente o repertório de valores,
conhecimentos e habilidades que o condicionam a pensar e a agir na direção da
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
75
ISSN 1983-7011
sustentabilidade apontada exclusivamente pela perspectiva do ambientalismo de mercado,
reproduzindo acriticamente sentidos ideológicos que em nome da ‘conscientização
ambiental’, se prestam a realizar o interesse do capital.
Assim conformado, esse sujeito ecológico se investido sempre pela
responsabilização individual de si próprio como um ‘bom consumidor’, calcado na ação
individual na esfera privada, tornando-se plenamente capaz de contribuir com mudanças
superficiais e reformistas, e totalmente incapaz e privado do exercício cidadão na luta política
coletiva pela transformação socioambiental, pautada pela crítica anticapitalista do fundamento
estrutural da insustentabilidade do modelo societário baseado na propriedade privada e no
livre mercado. Combinando, como diria Paulo Freire (2000) eficácia técnica e ineficácia
cidadã a serviço da minoria dominante”.
Assim domesticado, esse sujeito ecológico civilizado mas despolitizado, se torna
pacificamente instrumental ao sistema, porque atua a favor de uma sustentabilidade muito
particular, fazendo individualmente a ‘sua parte’ estritamente dentro da regra, ignorando a
crítica ecopolítica e a luta coletiva para interromper a lógica predatória intrínseca ao
capitalismo: cobrando políticas públicas regulatórias do Estado sobre o Mercado, para
orientar de uma vez por todas o desenvolvimento econômico na direção da sustentabilidade,
porque o tempo está se esgotando. Temos formado então o sujeito ecológico, mas não o
sujeito ecopolítico, que foi privado da formação e exercício do seu direito político.
E dessa forma, instrumentalizada para se tornar subserviente ao capital, a Educação
Ambiental brasileira abraçou o conservadorismo pedagógico e teve como resultado final, seu
conteúdo crítico ecopolítico esvaziado, seu poder subversivo pacificado, sua possibilidade de
formação de ativistas ecológicos suprimida, seu potencial contestatório neutralizado, sua
resistência anticapitalista sufocada, sua radicalidade do rumo civilizatório orientado pela
transformação social anulada.
Assim constitui-se o papel funcional do modelo conservador e reprodutivista da
Educação Ambiental, que parece ter alcançado plena hegemonia no Brasil: um aparelho
ideológico de Estado que visa reproduzir a cultura, os valores e o modo de vida próprio de
uma sociedade capitalista e sua economia de livre mercado; mantendo sutilmente o controle
sobre a ordem social que exige obediência ao sacrifício dos direitos ambientais e humanos
para satisfazer o voraz apetite neoliberal por recursos naturais, evitando por conseguinte, a
dissidência subversiva do ecologismo popular, ou seja, impedindo a manifestação e o protesto
do ativismo ecológico que poderia ameaçar a ordem capitalista que só pode funcionar à base
da opressão.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
76
ISSN 1983-7011
Atendendo aos interesses do capital e contrariando os interesses da classe
trabalhadora, essa Educação Ambiental estaria forjando um sujeito ecológico ideologicamente
manipulado pelos interesses do mercado, estimulado a se esforçar altruisticamente em atitudes
exclusivamente individuais e unicamente dentro da esfera privada.
De modo coerente com o pressuposto funcional básico da sociedade capitalista, onde
se espera que cada um faça voluntaria e conscientemente a sua parte, porque assim todos
estariam contribuindo com a sociedade como um todo, essa Educação Ambiental estaria
privando o educando do estímulo ao exercício da cidadania na esfera pública, na ação política.
Se espera que ele, o educando, mude seus hábitos e comportamentos considerados
condenáveis do ponto de vista ambiental, mas não se espera que esse mesmo educando passe
a agir na condenação de políticas públicas ou planos de negócios empresariais predatórios do
ponto de vista ambiental; protagonizados por governos, parlamentares e empresários regidos
pelo signo do antiecologismo e empenhados no desmonte ambiental para destravar a
economia.
Parece haver uma significativa prevalência na Educação Ambiental brasileira marcada
pela potencialização da formação da consciência ecológica de modo totalmente
desproporcional em relação à formação da consciência ecopolítica, como objetivos últimos de
aprendizagem. Não neste modelo conservador e reformista ora predominante no país, um
estímulo ao engajamento coletivo na luta política na mesma proporção em que se estimula o
engajamento individual na redução do desperdício dos recursos naturais.
E é deste horizonte, de uma Educação Ambiental controlada e domesticada, que o
tempo histórico do drama social ecopolítico brasileiro demarcado pelo signo antiecologista e
negacionista climático justificador do desmonte ambiental, se põe como desafio para a
superação dessa condição da subjetividade amordaçada, na medida que o espírito subversivo e
o poder da contestação desapareceram do campo da Educação Ambiental no Brasil. A
superação da histórica e densa cooptação ideológica é a condição básica para a esperada e
necessária formação de sujeitos ecopolíticos.
Epílogo: a formação do sujeito ecopolítico na contestação do antiecologismo
Se a fraca sustentabilidade no desenvolvimentismo brasileiro e a incapacidade do
Estado de resguardar as boas condições ecológicas das florestas e das águas sob jurisdição
nacional não é fruto única e exclusivamente da ignorância ecológica da população em geral;
mas fundamentalmente, da ganância econômica da elite brasileira com sua insaciável sede de
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
77
ISSN 1983-7011
poder, que se acostumou a prosperar em um país inventado com nome de árvore a partir do
saque sistemático aos recursos naturais, e que na defesa ambiental um obstáculo ao livre
mercado que precisa ser eliminado simplesmente para se reduzir os custos de produção das
commodities nacionais no mercado global; os sentidos dessa frágil sustentabilidade no
desenvolvimentismo do país, determinados pela ganância econômica, precisam ser
incorporados no vocabulário da Educação Ambiental, mesmo que isso implique em um
desconforto de adequação das premissas convencionais já consolidadas no campo.
O desafio do educador ambiental não é somente de enfrentar a ignorância,
contribuindo com o desenvolvimento de uma consciência ecológica; é também o de enfrentar
a ganância, contribuindo com o desenvolvimento de uma consciência política. Mas
fundamentalmente, agora não se trata mais de ensinar o credo da obediência plena à norma-
padrão exemplar da cartilha da sustentabilidade elaborada pelo mercado, mas de ensinar a
atitude da desobediência civil e da rebeldia contestatória contra este sistema opressor, para se
aprender a fazer oposição política civilizadamente, segundo as regras democráticas de
participação e controle social, infelizmente como uma atitude ainda bastante incomum de se
contribuir atualmente com a pavimentação da sustentabilidade.
Aprender a contestar, aprender a reivindicar, aprender a protestar, aprender a agir
coletiva e politicamente para defender o ambiente: essas são as novas aprendizagens que
emergem da libertação do espírito subversivo e do sentimento de indignação, sufocados em
nome da ordem de uma compreensão muito particular e limitada de sustentabilidade, restrita
ao universo do mercado, que só se interessa em ensinar a obedecer e cumprir ordens
disciplinadamente.
Essa premissa revela novas agendas programáticas ao campo da Educação Ambiental,
impondo um repensar sobre o repertório dos objetivos desse campo educativo. A pergunta
essencial aqui é: a Educação Ambiental ensina a fazer política como um dos meios de
enfrentar a crise ambiental? Qual é o papel civilizatório atual da Educação Ambiental nesta
dramática inflexão do retrocesso ambiental regido pelo signo do antiecologismo negacionista?
Nessa conjuntura, cai o predomínio ou quase exclusividade da ampla agenda da
alfabetização ecológica na expectativa de formação de cidadãos-consumidores
individualmente eco responsáveis, para compartilhar as luzes do palco do ato pedagógico, a
agenda da alfabetização ecopolítica, na expectativa de que esses cidadãos-consumidores
individualmente eco responsáveis não sejam politicamente ingênuos, e assim possam
desenvolver conhecimentos, atitudes e valores coerentes para a atuação coletiva na defesa
ambiental na vida política, participando e cobrando a participação e controle social na
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
78
ISSN 1983-7011
construção de políticas públicas orientadoras do desenvolvimentismo pautado pela
sustentabilidade.
Os novos tempos regidos pela barbárie do signo do antiecologismo no coração do
poder nacional, exigem da Educação Ambiental um redobrado empenho na formação do
sujeito ecopolítico, aquele sujeito ecológico que descoloniza seu imaginário cooptado e
ultrapassando os limites do reducionismo do individualismo meritocrático, se investe do papel
social da militância ecológica, exercitando sua cidadania política enquanto um ‘ativista’ da
causa ambiental, para subversivamente retomar o caminho da civilidade no convívio humano
com e no planeta Terra. Desse drama social ecopolítico, afinal, a promissora esperança da
emersão de uma nova pedagogia a preencher de ânimo o campo da Educação Ambiental.
Assim, a resistência contra o desmonte ambiental, que representa o ponto de inflexão
dessa oportunidade para a superação do drama social ecopolítico brasileiro na encruzilhada do
signo antiecologista; a partir do campo social da Educação Ambiental, inevitavelmente passa
por dois caminhos simultâneos: pela recuperação do espírito subversivo e contestatório da
origem do ecologismo presente nos anos 60, e pela agenda programática de formação de
ativistas ambientais com valores, conhecimentos e habilidades suficientemente capazes de
preencher o espaço público com o necessário controle e participação social na arena
democrática decisória, mas também na militância reivindicatória de direitos, na ausência
deles.
É neste pano de fundo que, quatro dias depois do primeiro turno das eleições
presidenciais em 2018, admitindo que a questão ambiental representava um entrave ao
desenvolvimento, Bolsonaro afirmou que, além de fundir o Ministério do Meio Ambiente ao
Ministério da Agricultura, de explorar economicamente a Amazônia, e de tirar o Brasil do
Acordo de Paris sobre as Mudanças Climáticas, pretenderia também acabar com o que
chamou de ‘ativismo ambiental xiita
22
, além de ter levantado suspeitas sobre a idoneidade
das ONGs, e por esta razão, ter suspendido os convênios e parcerias do Ministério do Meio
Ambiente com essas entidades da sociedade civil organizada
23
.
Rebeldia, protesto, reivindicação, contestação, subversão, são vocábulos pertencentes
a um mesmo universo de personalidade reativa que afronta o poder instituído e desobedece
indisciplinadamente os limites do proibido imposto pela ordem social disciplinadora; e
possuem sentidos que estão muito próximos daquilo que se convencionou pejorativamente
22
https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/10/bolsonaro-diz-que-pretende-acabar-com-ativismo-
ambiental-xiita-se-for-presidente.shtml
23
https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/01/16/ministerio-do-meio-ambiente-suspende-convenios-e-
parcerias-com-ongs-por-tres-meses.ghtml
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
79
ISSN 1983-7011
como ‘radical’ ou equivocada e preconceituosamente como xiita’, tido como termo
equivalente pejorativo ao extremismo irracional. É contra esse espírito que anima o agir
político do humano que Bolsonaro se coloca contra e se empenha em eliminar.
A contestação ecopolítica, o espírito subversivo do ecologismo que
inquestionavelmente se levantaria contra o desmonte ambiental público, não seria tolerado em
seu governo. Afinal, o protesto da resistência ecologista é outra dimensão do ‘entrave
ambiental’ que necessariamente viria a ser reprimida e domesticada no seu governo, para
erigir o seu ‘Caminho da Prosperidade’, que definitivamente não cruza com o caminho da
sustentabilidade. Para Bolsonaro, na mesma medida que os obstáculos ambientais do
desenvolvimento a qualquer custo devem ser suprimidos, também esses sujeitos de vontade
política, estorvos que devem ser suprimidos para que toda resistência popular contra o projeto
de governo da economia de rapina que sequestrou o país seja neutralizada e não incomode a
ordem.
Bolsonaro nunca esclareceu quem seriam esses ‘perigosos’ ativistas ambientais xiitas
que deveriam ser eliminados; em nenhum momento explicitou qual seria o perfil de um
ativista qualificado pejorativa e equivocadamente como xiita. Mas apesar disso, por meio de
outras falas com linguagem ameaçadora, fica claro quem é esse sujeito incômodo que precisa
ser eliminado. Quando Bolsonaro dizia que no seu governo o Ministério do Meio Ambiente
não iria mais atrapalhar o desenvolvimento do país, ele automaticamente define o perfil dos
ativistas ambientais xiitas: aqueles que vinham se colocando como obstáculo contra o
interesse econômico dos setores produtivos causadores de degradação ambiental e dos
conflitos socioambientais. Na concepção da presidência da república, é exatamente quem
‘atrapalha’ a vida de quem quer “produzir e empreender no Brasil”. E exatamente por isso, o
ativismo ambiental passou a ser compreendido pelo governo como uma postura radical e
extremada que deve ser censurada e eliminada.
Os xiitas são aqueles que não limitam o exercício de sua cidadania ambiental pelo
anúncio das boas práticas de sustentabilidade restritas ao seu universo privado, mas que
buscam ações mais consequentes, tomando posições políticas pública e coletivamente, ou
seja, lutando contra as práticas produtivas predatórias em todas as áreas onde a prática social
se realiza.
Esses xiitas investem sua ‘consciência ecológica’ não apenas na assimilação de novos
comportamentos individuais de uma gestão ambiental doméstica; mas com suas consciências
políticas, atuando nos espaços públicos e democráticos, porque guardam a compreensão
esclarecida que não tem nenhum sentido cuidar ingenuamente dos efeitos sem ao mesmo
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
80
ISSN 1983-7011
tempo combater as causas estruturais do modelo produtivo baseado na economia de rapina e
na exploração dos recursos naturais e humanos adotado no seu território.
Esses ativistas ambientais (des) qualificados como xiitas não apenas sonham, como
também constroem o futuro; denunciam e lutam por um outro modelo de desenvolvimento
que não seja mais instrumentalizado pela economia de mercado e que recoloque o bem estar
humano e a proteção da natureza na centralidade desse desenvolvimento.
Esses ativistas ambientais demonizados como xiitas são sim os militantes ecologistas
alinhados ao pensamento ideológico de esquerda, os ecos socialistas, mas não se
entrincheiraram ardilosa e sub-repticiamente no campo ambientalista apenas para atacar
deslealmente o capitalismo. São os ecologistas que compreendem que a lógica e a dinâmica
do capitalismo é intrinsecamente insustentável e produtora de injustiça e desigualdade social e
ambiental, e que portanto, compreendem que a degradação ambiental no capitalismo é
inevitavelmente atravessada pelos interesses da luta de classes.
Esses ativistas ambientais demonizados como xiitas nem precisam ser identificados
como os ‘melancias’, esses eco socialistas verdes por fora e vermelho por dentro. Qualquer
um com uma consciência mínima de que com a Vida não se negocia, se cuida; se soma ao
esforço coletivo de defender a Vida quando esta se encontra ameaçada.
Esses ativistas ambientais rotulados como xiitas estariam, segundo a “cruzada
bolsonariana”, espalhados em muitos espaços em nossa sociedade, tanto nos órgãos
ambientais governamentais como nas organizações da sociedade civil, tanto nos movimentos
sociais que militam por direitos humanos e ambientais em busca de justiça socioambiental
como nas escolas e universidades públicas. Contudo, se os ativistas ambientais xiitas no
interior do governo podem ser controlados pelo terror do poder hierárquico institucional do
órgão público, com sua força da retaliação como política de silenciamento alinhada ao
discurso do ‘desaparelhamento ideológico’ do Estado na área da gestão ambiental; os ativistas
ambientais xiitas na sociedade organizada, além de ser distorcidamente criminalizados,
precisam ser demonizados como vilões infernais a serem expurgados pelo poder simbólico da
desqualificação de todas as suas virtudes que lhe conferem legitimidade pública pelo agir em
nome do interesse comum e do patrimônio coletivo.
Assim, entre tantos outros descalabros, a pretensão de colocar um ponto final no
ativismo ambiental xiita, segue seu caminho quando constrange e limita a participação da
sociedade civil nos órgãos colegiados que democraticamente dão sustentação às políticas
públicas ambientais; como o Conselho Nacional do Meio Ambiente. Redução de um
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
81
ISSN 1983-7011
importante espaço público democrático justificado tão somente em nome do ilusório e
ideológico ‘enxugamento da máquina pública’.
Vem acrescentar a esse contexto da censura ideológica de Estado contra o sujeito
ecopolítico, o comprometedor Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, do Ministério
da Educação, destinado especificamente a implantar a pedagogia da ordem e disciplina no
batalhão da juventude brasileira que convive com a realidade escolar destinada
majoritariamente à classe trabalhadora; reforçando o poder de controle do aparelho ideológico
de Estado exatamente sobre aqueles que devem manter-se aprisionados pela opressão e
exclusão, inculcando a obediência servil como expressão acabada deste singular patriotismo
nacional, domesticando a desobediência civil como expressão ética do agir humano. Importa
observar que Bolsonaro qualificou a disciplina na escola com tutela de militares, como
‘fundamental para o desenvolvimento do país”
24
. Importa observar também, que a falta de
disciplina entre os alunos na escola nunca foi exatamente o problema mais grave a se
enfrentar por meio de novas políticas públicas federais de Educação como esta, que vêm dar
garantias de manutenção da ordem e disciplina para o jovem dentro da escola pública
periférica.
Acrescenta-se por fim, a esse cenário de múltiplos controles ideológicos do Estado
sobre esse caráter subversivo que ânimo à ação política, adicionando assim outra
lamentável camada trágica sobre o amplo e multifacetado drama social ecopolítico brasileiro -
agora particularmente dentro do campo da Educação Ambiental -, o desmonte da Política
Nacional de Educação Ambiental (PNEA).
O presente momento histórico aponta para uma ruptura radical da tendência histórica
da Educação Ambiental brasileira; fenômeno sinalizado primeiro pela surpreendente extinção
das institucionalidades administrativas da PNEA nos organogramas do Ministério da
Educação e do Meio Ambiente: o Órgão Gestor da PNEA foi desligado. Segundo, pela
interrupção do modelo democrático de gestão pública da PNEA com suas instâncias político-
administrativas, a exemplo do Comitê Assessor da PNEA, que teve suas funções suspensas.
Com isso, todo o contato do Estado com a sociedade civil se desfez. E terceiro, pela
descontinuidade da árdua evolução da trajetória conceitual da Educação Ambiental,
compreendida pelo menos desde os anos 90 como um ato político de formação cidadã para a
participação social na defesa ambiental, que conseguiu ultrapassar o reducionismo biológico
da simples ‘conscientização ambiental’ individual e das fórmulas pedagógicas conteudistas e
24
http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=79931
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
82
ISSN 1983-7011
normativas, embora ainda não tenha traduzido tal conteúdo na criação de políticas públicas
declaradamente orientadas por essa perspectiva de formação de um sujeito ecopolítico.
Se o ativismo ambiental não será tolerado, tampouco a formação de ativistas
ambientais será admitida. Talvez resida parte da explicação da suspensão das atividades
sobre Educação Ambiental no governo federal. A Educação Ambiental brasileira pode ter
sofrido essa radical inflexão no seu rumo histórico justamente porque ela tem o potencial de
ser uma grande escola de formação de ativistas ambientais ‘xiitas’. O Estado pode ter
encerrado os programas e ações federais da Educação Ambiental na lógica do
desaparelhamento ideológico para interromper a possibilidade de incentivar a formação de
sujeitos ecopolíticos.
Ocorre que a interrupção na gestão da PNEA provocada por essa descontinuidade
política com a instalação do novo governo federal, não necessariamente significa um
problema em função da perda desse espaço político absolutamente central e imprescindível.
Com o encerramento das atividades do Órgão Gestor da PNEA, nenhuma mensagem flui mais
por este sistema educacional. Nem a mensagem crítica, libertária e emancipatória; mas
também não a mensagem domesticadora e disciplinar. Ou seja: para a fração crítica do campo
da Educação Ambiental, a interrupção dos programas e ações da PNEA pode representar um
front a menos para se preocupar com o bombardeio do controle ideológico de Estado. A
sociedade de certa forma fica imune ao trabalho de cooptação ideológica que poderia seguir
exercendo sua influência na conversão dos educandos em sujeitos dóceis e funcionais ao
sistema, se a energia da PNEA fosse religada novamente.
É precisamente nessa conjuntura de súbito desmonte completo da Educação Ambiental
no governo federal, com a também despropositada suspensão de interlocução democrática, e
na esperança do protesto mobilizado pela ação política de oposição à ordem imposta, que tão
logo o novo governo tomou posse, educadores ambientais de todo o país criaram o
OBSERVARE, um movimento social que se constitui político-pedagogicamente como um
observatório militante de políticas públicas em Educação Ambiental, função desempenhada
no pleno exercício cidadão do controle social sobre o Estado.
É nesse contexto, portanto, que nossa bandeira de luta é a da firme convicção que
seguiremos empenhados com o compromisso com a Educação Ambiental que se faz no
convívio democrático e em permanente diálogo com a sociedade.
Seguiremos empenhados com a renovação dos quadros dos militantes ambientais que
compreendem a necessidade de intervir político-pedagogicamente nos fundamentos do
mecanismo da insustentabilidade.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
83
ISSN 1983-7011
Seguiremos empenhados em formar sujeitos ecopolíticos que possuem as habilidades,
conhecimentos e valores para prosseguir na luta pelo direito a um outro modelo de
desenvolvimento para além do capital.
Seguiremos empenhados na formação de atores políticos, com plena capacidade de
leitura crítica da realidade, com plena capacidade de indignação e de mobilização subversiva
em oposição contra uma ordem socioambiental injusta e predatória.
Seguiremos empenhados na formação de eco cidadãos que mantenham vivos o direito
constitucional de expressão política e o espírito da luta política contra o saque do patrimônio
ambiental brasileiro.
Seguiremos empenhados em trabalhar pela manutenção de uma Educação Ambiental
que embora minoritária, já superou o reducionismo do modelo conservador há décadas, e que
almeja a formação de humanos empoderados e interessados pelo fortalecimento da
participação social na gestão do patrimônio social e ambiental brasileiro.
Estamos conscientes que o desmonte da Educação Ambiental brasileira é proposital e
faz parte do projeto político do regime Bolsonaro de quebrar todas as engrenagens
socioeducativas que atuam na formação de quadros da militância política, aí incluído ativismo
ecopolítico. A Educação Ambiental brasileira ganhou projeção mundial pela sua capacidade
de imaginar a formação de ativistas ambientais, superando o clássico reducionismo que
insistia na formação de um sujeito com consciência ecológica limitada à sua esfera privada no
mundo doméstico, sem qualquer consciência política. A Educação Ambiental brasileira,
entranhada pela bênção da pedagogia freireana, tem plenas condições de formar eco cidadãos
com consciência crítica, que mantêm vivo seu potencial de indignação e contestação contra
todas as formas de opressão, injustiça e desigualdade.
Então vamos lá: não deixe de reciclar, nem de economizar água, nem de se preocupar
com os hábitos de consumo. Não deixe de buscar uma alimentação saudável e orgânica.
Sobretudo não deixe de visitar parques e nutrir a alma com a paz e tranquilidade da natureza
selvagem, mas terapêutica. Não deixe de anunciar com toda disciplina, o caminho da
sustentabilidade; mas não deixe especialmente, de denunciar o caminho da insustentabilidade,
porque por enquanto, são muito poucos esses ativistas indisciplinados que assumiram a
responsabilidade da oposição ecopolítica. Traga a ação política para o seu estilo de vida
ecológico; porque ela tem o poder da pressão coletiva capaz de realmente mudar as coisas. E
vamos combinar: a sensação de impotência e paralisia que vêm tomando conta de muitas
mentes apaixonadas pela natureza e preocupadas com as injustiças socioambientais, é também
uma manifestação explícita do que essa sensação de impotência e incapacidade para reverter
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
84
ISSN 1983-7011
definitiva e imediatamente esse quadro da completa desordem socioambiental, deriva
justamente do atingimento do limite da ação individual. Daqui para frente, é o poder da ação
política que carrega a potência adequada para a superação do desafio.
Diz o ditado popular que o governo atende quem aperta mais forte a campainha.
Então, em tempos de retrocesso ambiental combinado com a iminência do colapso climático,
a contestação ecopolítica não precisaria estar incorporada na rotina de um cidadão que se
reconhece como preocupado com a causa ambiental, para guiar os tomadores de decisão a
seguir por outro caminho, abandonando definitivamente essa absurda trajetória ecocida, como
têm demonstrado Greta Thunberg neste curto mas intenso e inesquecível primeiro semestre de
2019?
Posfácio: para não se perder na encruzilhada da Educação Ambiental
Um mês após as manifestações com protestos espalhados por todo o país ao longo da
semana do meio ambiente, em julho de 2019, a Associação Nacional dos Servidores da
Carreira de Especialista em Meio Ambiente (ASCEMA) convocou mais um grande ato de
protesto para o dia 15 de agosto, intitulado “Fora Ministro da Destruição do Meio Ambiente”.
Marcando esse contexto, a exigência da imediata correção do rumo da (des) política ambiental
de Bolsonaro, começando pela destituição do ministro que até então só havia advogado contra
a causa ambiental.
Mas a questão que fica é: as pessoas presentes nas manifestações de rua passaram a
compreender atos dessa natureza como ações ecologistas inadiáveis em prol da
sustentabilidade? Compreenderam que a ação coletiva integra e complementa o vocabulário
do cidadão ecologicamente atuante?
O campo da Educação Ambiental percebeu que a mudança da conjuntura ecopolítica
implicou na necessidade de se promover um rearranjo político-pedagógico para lidar com esta
nova realidade? Os processos educadores acerca da temática ambiental passarão a partir deste
drama social a formar sujeitos ecológicos imbuídos desse espírito de luta e protesto, ou seja,
formar sujeitos politicamente atuantes para agir na esfera pública? O drama social ecopolítico
brasileiro servirá como uma expressiva lição a aprender, para superar o desafio dessa nova
realidade?
No histórico e infindável dilema existencial de ser ou não ser uma disciplina, a
Educação Ambiental acabou sendo disciplinada. Sua vontade de transgredir a forma do
compartimento disciplinar não lhe permitiu perceber que seu conteúdo acabou sendo
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
85
ISSN 1983-7011
domesticado. Devidamente disciplinado. E assim permaneceu capturada pela armadilha
paradigmática, conceito criado por Guimarães (2006), para expressar a situação quando o ato
pedagógico engrena sempre a mesma lógica, contínua e obstinadamente, reproduzindo
acrítica e passivamente incorporados, sempre os mesmos objetivos de aprendizagem
determinados pela forma capitalista de praticar a Educação Ambiental. Ao se pensar em
Educação Ambiental no âmbito dos resíduos sólidos por exemplo, automática e
exclusivamente se apresenta o ato pedagógico convencional da aprendizagem do
comportamento correto de destinar o lixo, agora repaginado com o pomposo nome de resíduo,
para distinguir o inservível da nova mercadoria a circular na economia da logística reversa,
movimentada pela reciclagem. A armadilha paradigmática é um artefato explosivo do modelo
conservador de Educação, que inculca a ideia fragmentária de que a causa primordial da crise
ambiental resulta preponderantemente de um desvio comportamental individual. Portanto, a
solução do impasse ecológico na sociedade de classe é a responsabilização desproporcional
do indivíduo atomizado na horda populacional em relação à desresponsabilização da elite
político-econômica e do próprio Estado. Implicitamente culpabilizando o indivíduo, ele deve
obediente e disciplinadamente passar por um processo de purificação para expurgar a culpa e
então modificar seu condenável comportamento, sob o critério da moral dos donos do poder.
Disciplinado, esse cidadão assujeitado se torna incapaz de ver algo além da estreita janela
desta cela individual que é a armadilha paradigmática.
uma Educação Ambiental indisciplinada carrega a potencialidade de se evadir da
armadilha paradigmática. Apenas uma Educação Ambiental desobediente, que não se submete
dócil e facilmente, possui a habilidade necessária para desarmar essa armadilha
paradigmática.
É no calor do apertado atravessamento nessa fatal encruzilhada das colossais chamas
na Amazônia, da iminência do colapso climático, do estridente atrito do retrocesso ambiental,
do choque geracional que separou os velhos habitantes humanos deste mundo dos que agora
estão chegando e se estarrecendo com a irresponsabilidade da farra desenvolvimentista dos
adultos que andaram pelo planeta e cagaram para seu futuro; e finalmente, da bomba de
fragmentação individual de imposição da ordem e disciplina obediente; que enfim, com o
coração aquecido do calor humano, a Educação Ambiental pode se reinventar saindo da doce
anestesia domesticadora a que foi vítima, submetida pela armadilha paradigmática. Mas pode
também ficar irremediavelmente presa ainda nesta armadilha, caso desperdice a chance
oferecida pelo drama social ecopolítico para sair dessa submissão, se não estiver disposta a
sair da zona de conforto oferecida pelo ethos consumista.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
86
ISSN 1983-7011
As últimas linhas deste ensaio foram escritas na noite no dia 20 de setembro, logo após
a marcha pelo clima na esplanada dos ministérios, como movimento coletivo articulado à
manifestação global que ocorreu simultaneamente em mais de 150 países, nessa que foi mais
uma famosa sexta-feira das greves juvenis pelo clima em 2019. Revigorado e nutrido pela
energia contagiante do pertencimento coletivo mobilizado pela mesma causa.
Data estrategicamente definida, a véspera da Cúpula do Clima das Nações Unidas em
Nova Iorque, exatamente para que o recado rebelde das milhares de vozes da indignação no
protesto nas ruas, pudesse ser ouvido por quem realmente precisa ouvir mais. E fazer
diferente. Eis a preciosa receita para não se perder na encruzilhada desta travessia da
Educação Ambiental.
Referências Bibliográficas
AGUILERA, J.A. Ecologia, ciência subversiva. Caracas: Monte Avila Editores. 1980.
ALIER, J.M. O ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto. 2007.
ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa: Presença. 1970.
BOURDIEU, P.; PASSERON, J.C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema
de ensino. 3ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1992.
CARRASCO, L. Máfia Verde: o ambientalismo a serviço do governo mundial. 10ª edição.
Rio de Janeiro: Capax Dei. 2006.
CARVALHO, I.C.M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo:
Cortez. 2004.
DELINGPOLE, J. Os melancias: como os ambientalistas estão matando o planeta,
destruindo a economia e roubando o futuro de vossos filhos. Rio de Janeiro: Topbooks.
2012.
FREIRE, P. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo:
Editora Unesp. 2000.
FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo:
Paz e Terra. 1996.
GUIMARÃES, M. A armadilha paradigmática na educação ambiental. In: LOUREIRO,
C.F.B.; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R.S. de. (org): Pensamento complexo, dialética e
educação ambiental. São Paulo: Cortez. pp. 15-29. 2006.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
87
ISSN 1983-7011
LAYRARGUES, P.P. Antiecologismo no Brasil: reflexões ecopolíticas sobre o modelo do
desenvolvimentismo-extrativista-predatório e a desregulação ambiental pública. In:
OLIVEIRA, M.M.D.; MENDES, M.; HANSEL, C.M.; DAMIANI, S. (org): Cidadania,
Meio Ambiente e Sustentabilidade. Caxias do Sul: EDUCS, p.325-356. 2017.
LAYRARGUES, P.P. Quando os ecologistas incomodam: a desregulação ambiental pública
no Brasil sob o signo do antiecologismo. Revista Pesquisa em Políticas Públicas, n. 12, pp.
1-30. 2018 a.
LAYRARGUES, P.P. Subserviência ao capital: educação ambiental sob o signo do
antiecologismo. Pesquisa em Educação Ambiental, 13(1):28-47. 2018 b.
LAYRARGUES, P.P. É só reciclar? Reflexões para superar o conservadorismo pedagógico
reprodutivista da Educação Ambiental e resíduos sólidos. In: RUSCHEINSKY, A.;
CALGARO, C.; WEBER, T. (org): Ética, Direito Socioambiental e Democracia. Caxias do
Sul: EDUCS. p.194-211. 2018 c.
McCORMICK, J. Rumo ao Paraíso. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. 1992.
MEADOWS, D. et al. Limites do crescimento. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva. 1978.
ORLEANS e BRAGANÇA, D.B. Psicose ambientalista: os bastidores do ecoterrorismo
para implantar uma religião ecológica, igualitária e anticristã. São Paulo: Instituto Plínio
Corrêa de Oliveira. 2012.
REIGOTA, M. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense. 1994.
SILVA, S.E.L.; SANTOS, R.S. Escusa de consciência e alternativas ao uso de animais no
curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Pará – UFPA. Revista Brasileira
de Direito Animal, 7(11):79-95. jul.-dez. 2012.
TURNER, V. From ritual to theatre. New York: PAJ Publications. 1982
THOREAU, H.D. Walden. Porto Alegre: L&PM. 2014.
THOREAU, H.D. Desobediência Civil. São Paulo: EDIPRO. 2016.
Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 44-88, Junho. 2020
88
ISSN 1983-7011
SOBRE O AUTOR
Possui graduação em Ciências Biológicas, especialização em Planejamento e Educação
Ambiental, mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social e doutorado em
Ciências Sociais. Trabalhou no Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio
Ambiente na gestão de Marina Silva. É Professor do curso de Gestão Ambiental da UnB e
pesquisador do Laboratório de Investigações em Educação, Ambiente e Sociedade da UFRJ.
... Diversos pesquisadores e educadores ambientais (CARVALHO, 2015;GUIMARÃES, 2013;LAYRARGUES, 2020;SORRENTINO, 2020), comungam da convicção de que a Educação é um dos meios de enfrentamento dessa crise. Neste ponto, destacam o indispensável papel da EA, que muito mais do que uma dimensão da educação, representa uma nova função social, responsável pela "transformação da educação como um todo, em busca de uma sociedade sustentável" (LUZZI, 2005, p. 383) e da formação de sujeitos críticos e ecopolíticos (LAYRARGUES, 2020 (1997), o Programa Nacional de Educação Ambiental (1994Ambiental ( , 2003; Política Nacional de Educação Ambiental (1999) e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental (2012). ...
... Diversos pesquisadores e educadores ambientais (CARVALHO, 2015;GUIMARÃES, 2013;LAYRARGUES, 2020;SORRENTINO, 2020), comungam da convicção de que a Educação é um dos meios de enfrentamento dessa crise. Neste ponto, destacam o indispensável papel da EA, que muito mais do que uma dimensão da educação, representa uma nova função social, responsável pela "transformação da educação como um todo, em busca de uma sociedade sustentável" (LUZZI, 2005, p. 383) e da formação de sujeitos críticos e ecopolíticos (LAYRARGUES, 2020 (1997), o Programa Nacional de Educação Ambiental (1994Ambiental ( , 2003; Política Nacional de Educação Ambiental (1999) e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental (2012). No decorrer dessas décadas, a EA tem se realizado por concepções e práticas diversas, as quais se "diferem quanto ao posicionamento político pedagógico e vão desde as mais preservacionistas, até as socioambientalistas voltadas à participação e à transformação social (SORRENTINO; PORTUGAL, 2020, p.80). ...
... O ensino educacional em Ciências e educação ambiental sempre esteve associado ao desenvolvimento científico nacional ou regional e ao desenvolvimento científico mundial, conforme salienta Layrargues (2020). Deste modo, alguns países como França, Inglaterra, Itália e Alemanha passaram a dar prioridade aos conteúdos e a forma como se deve ensinar ciências desde a educação básica até ao nível superior, a partir de políticas nacionais para educação geral e para o ensino de Ciências em particular. ...
Article
Full-text available
O artigo teve como foco conhecer a prática interdisciplinar dos professores em relação aos alunos do ensino médio referente a educação ambiental. A prática interdisciplinar no âmbito escolar tem sido considerada primordial no processo de ensino e aprendizagem por possibilitarem que esta, ocorra de forma inovadora, integradora, participativa, dinâmica, dentre outras. A pesquisa teve como objetivo geral demonstrar como são feitas as práticas pedagógicas interdisciplinares dos docentes de Ciências do Ensino Médio em relação a educação ambiental. Considerando-se que a Educação Ambiental está relacionada com a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, a prática interdisciplinar dos docentes de Ciências pode contribuir neste processo, na medida em que capacitar o alunado para a efetiva participação na defesa do meio ambiente. Portanto, o estudo foi desenvolvido a partir da pesquisa literária, descritiva, por meio de uma abordagem qualitativa, onde foi possível a observação das atividades curriculares desenvolvidas pelos docentes de Ciências do Ensino Médio, além da coleta de dados por meio do INEP, descrevendo a rotina de professores e gestora onde foi possível identificar as práticas pedagógicas voltadas para a preservação do meio ambiente. Dessa forma, conclui-se que a prática pedagógica e interdisciplinar dos docentes influencia diretamente na percepção dos alunos trazendo mudanças no desenvolvimento para as práticas educacionais e formação do aluno como protetor do meio ambiente.
... Novos contextos, como a educação sobre o colapso climático, exigem novos métodos de ensino, a construção coletiva de um novo currículo, um currículo que possa cuidar da vida, contudo, isso não significa somente a adição de mais um tema ao currículo, não basta apenas uma flexibilização curricular (LAYRARGUES, 2020b;. ...
... Entretanto, a escola que se pretende laica e politicamente neutra serve, antes de tudo, aos interesses da classe dominante, mesmo não estando totalmente fechada aos modelos e às ideias das outras classes sociais. Ela é, ao mesmo tempo, uma vítima e uma fonte de propagação da ideologia dominante, porque confunde os modelos, as normas e as ideias da classe dominante com os da sociedade e, ainda assim, com os da humanidade (NEPOMUCENO, 2017, p. 146 Layrargues (2018Layrargues ( , 2020. ...
Article
Full-text available
O Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE), situado na Universidade Federal de Sergipe, realiza reuniões de estudos e discussões epistemológicas embasadas na tendência crítica da Educação Ambiental. Nesse sentido, este trabalho, do tipo Estado da Arte, tem como objetivo avaliar a produção científica ligada ao GEPEASE, referente ao interstício 2017-2021, a fim de compreender as tendências teórico-metodológicas que orientaram as pesquisas desenvolvidas no grupo, ancorando-se nos princípios da Educação Ambiental Crítica. Os resultados mais expressivos dos trabalhos analisados, emergentes da Análise Textual Discursiva, estão ligados: a) aos autores e às autoras referências desses trabalhos, b) às discussões voltadas para a dimensão socioambiental não reducionista, c) ao enfrentamento a práticas conservadoras e d) ao movimento de ruptura com o paradigma vigente do capital. Dessa forma, o GEPEASE se reafirma como espaço de resistência, discussão e construção.
Article
A gravidade da crise socioambiental vivenciada nos impõe o dever de transformação das relações entre homem-natureza-sociedade, e Paulo Freire em muito pode contribuir nesta almejada mudança. O trabalho tem por objetivo o mapeamento e análise crítica das pesquisas em Educação Ambiental - EA que se articulam com os ensinamentos Freireano. Foram analisados artigos científicos de periódicos brasileiros da área de EA , no período de 2012 a 2021. A pesquisa classifica-se como descritiva e documental, realizada numa abordagem qualitativa, com uso do método de revisão sistemática. Foram identificados 60 artigos científicos. Como resultado, a pesquisa evidencia inúmeras possibilidades de aplicação dos pressupostos educacionais, teóricos, políticos e filosóficos de Paulo Freire no contexto da EA e no enfrentamento da crise socioambiental, com possibilidades de articulação teórica com outras teorias pedagógicas e outros teóricos que comungam do objetivo de superar os paradigmas e crises múltiplas da contemporaneidade. Concluímos que os ensinamentos de Paulo Freire são atuais e de relevante importância para o aprimoramento da educação como um todo e, especialmente, da EA.
Article
Full-text available
O objetivo desde artigo é compreender como a mineração toma lugar em parte das produções de pesquisa em educação ambiental. Para isso, investigamos os anais do EPEA - Encontro Pesquisa em Educação Ambiental entre os anos 2001-2019, usando do referencial teórico metodológico da Análise Crítica do Discurso (ACD) por meio de duas categorias construídas, as quais indicam relações da educação ambiental com impactos e conflitos ambientais advindos da mineração. A temática da mineração presente nos Anais do EPEA enuncia pesquisa sobre práticas educativas nas escolas e nos movimentos sociais. Sinalizamos neste artigo discursos ideológicos que operam sobre o campo da educação ambiental, assim como identificamos discursos que potencializam o desvelamento dos aspectos problemáticos da mineração.
Article
Full-text available
A Educação Ambiental Crítica e transformadora deve ser um processo de problematização do cotidiano, emancipação do sujeito e superação da tendência de se pensar o ser humano dissociado da natureza. O presente artigo busca nela por maneiras de estabelecer diálogos e ações que possam contribuir com a redefinição de relações que populações tradicionais da Amazônia desenvolvem com a fauna silvestre. Foi realizada pesquisa por mecanismos de busca online, a partir da qual se reuniram nove trabalhos, investigados através da Análise de Conteúdos. Os principais caminhos percorridos pelas pesquisas envolveram: organização de concepções de biodiversidade em categorias de sentido e metodologias participativas de reflexão crítica e de elaboração de materiais e espaços. As incertezas que persistem estão associadas a visões estereotipadas da natureza e a recorrência de aspectos da abordagem conservacionista mesmo entre as práticas da EA Crítica, dentre outras. A análise permite concluir que os caminhos já percorridos podem ser adaptados para a realidade Amazônica.
Article
Full-text available
Atualmente a relação homem e meio ambiente é um tema bastante discutido na educação ambiental (EA). A EA atua na formação de cidadãos conscientes em proteger e cuidar do meio ambiente. E apesar de ser um tema conhecido pela sociedade em geral, muito precisa ser feito em relação a divulgação e conscientização da população sobre EA. Neste trabalho buscamos acessar os conhecimentos básicos dos ribeirinhos das margens do rio Parauaú a respeito do destino dado ao do lixo doméstico e a educação ambiental. A pesquisa foi realizada em dezembro de 2021 e contou com a participação de ribeirinhos da comunidade vila Monte Tabor, localizada as margens do Rio Parauaú, interior do município de Breves na Ilha de Marajó, Estado do Pará. Para acessar os conhecimentos prévios dos ribeirinhos utilizamos um questionário contendo 9 questões do tipo fechadas e abertas, abordando o descarte do lixo doméstico, saneamento básico na comunidade e questões relacionadas a EA. Como resultados, constatamos que os ribeirinhos possuem conhecimentos básicos em relação ao destino correto que precisam dar ao lixo doméstico, aos princípios do saneamento básico e noções básicas de EA. O estudo mostrou que os ribeirinhos tentam mitigar o impacto do lixo doméstico e das condições sanitárias no meio ambiente a partir da conscientização básica sobre EA que possuem. Acreditamos que essa abordagem pode gerar resultados úteis para a tomada de decisões sobre ações futuras que possam solucionar ou mitigar as problemáticas ambientais nas comunidades ribeirinhas. Sugerimos que a abordagem da EA na região seja expandida de modo que possamos ter um panorama geral do problema, e propor melhorias junto aos tomadores de decisões voltadas para EA.
Article
Full-text available
O etnoconhecimento, ou seja, o conhecimento criado a partir das concepções de diferentes grupos tradicionais, que desenvolvem padrões específicos de interpretar e se relacionar com o meio ambiente, pode ser interpretado como um ponto de partida para a construção dos saberes ambientais necessários à transformação de nossa racionalidade econômica atual. De modo que, com o objetivo de investigar a produção de artigos sobre etnoconhecimentos em revistas de Educação Ambiental (EA), realizamos uma pesquisa do tipo “estado do conhecimento”, que resultou em um mapeamento das investigações a respeito de conhecimentos tradicionais em três periódicos brasileiros com enfoque na EA. E, ainda que seja possível vislumbrar uma valorização crescente da temática dos etnoconhecimentos na EA, se faz necessário uma ampliação do número de pesquisas a partir das lacunas aqui encontradas.
Article
Full-text available
O objetivo do presente estudo é o de investigar o fenômeno que se constitui em torno das recentes e recorrentes narrativas no campo ambiental que alertam sobre o acúmulo de severos ‘retrocessos’, ‘derrotas’ ou ‘perdas’ na luta ambiental brasileira. Amparado na perspectiva ecopolítica e no Pensamento Ambiental Latino-americano, e fundamentado pela teoria althusseriana dos aparelhos ideológicos de estado; a análise de reportagens na mídia acerca dessas narrativas e dos projetos de lei implicados na matéria, efetuada de 2006 a 2017, evidenciou haver uma determinação comum que demarca um amplo, diversificado e complexo conjunto de práticas que envolvem a degradação ambiental não apenas com os conflitos socioambientais, mas também com o desmonte da gestão ambiental pública, a alteração de marcos regulatórios da legislação ambiental, a desqualificação do ethos ecologista ‘preservacionista’ e ‘crítico’, a violência simbólica e o assassinato de lideranças ambientais. Na raiz dessas situações aparentemente desconexas, mas que juntas implicam no recuo da regulação ambiental pública brasileira, está presente de forma hegemônica o novo signo da reconfiguração da luta socioambiental: o Anti-ecologismo.
Article
Full-text available
p>A presente reflexão, partindo dos pressupostos da Ecologia Política e ancorada na perspectiva teórica de Althusser, Bourdieu e Passeron, Gramsci e Freire, contextualiza o atual quadro conjuntural histórico-crítico da luta ambiental, caracterizada como estando sob o signo do Antiecologismo por estar impregnada pelo receituário neoliberal, que enseja a desregulamentação ambiental pública para promover o ambiente de negócios ideal ao setor extrativo primário da economia; para analisar como, quando e porque o campo da Educação Ambiental brasileira se converteu em um aparelho ideológico de Estado a serviço de um modelo reprodutivista de educação, pautado pela pedagogia do consenso da ideologia do ambientalismo de mercado como estratégia da manutenção da hegemonia burguesa subserviente ao capital. Analisa, também, os desafios políticos para a recuperação do seu inerente poder subversivo e contestatório, que lhe foi subtraído, condição necessária à superação da cooptaçãoideológica da sociabilidade neoliberal, para pavimentar a hegemonização da Educação Ambiental Crítica, pensada e praticada a partir da perspectiva anticapitalista e do oprimido; comprometida,simultaneamente, com a denúncia da insustentabilidadedo desenvolvimentismo e com o anúncio das Sociedades Sustentáveis.</p
Chapter
Full-text available
Desde fins da primeira década do século XXI vive-se um período histórico no Brasil em que se verifica uma intensificação do modelo do desenvolvimento extrativista predatório, aprofundando o papel de país exportador de commodities no mercado da economia capitalista globalizada, ao mesmo tempo em que se reconhece estar em curso um profundo processo de desregulação da política e da gestão ambiental em todo continente. Contudo, se por um lado se tece fortes críticas no âmbito da Ecologia Política contra esse modelo desenvolvimentista que está na raiz da intensificação da degradação ambiental e dos conflitos socioambientais; por outro lado não se verifica o mesmo vigor crítico que coloque esse mesmo modelo de desenvolvimento como responsável pelos graves retrocessos na institucionalização ambiental no Brasil. Paradoxalmente, não se verifica no caso brasileiro, o debate ecopolítico norte-americano em torno da crítica ao movimento ‘Wise Use’ e ‘Green Backlash’ como força indutora da desregulação ambiental para facilitar a instalação de empreendimentos extrativistas. O presente ensaio objetiva debater os motivos da invisibilidade do conceito ‘Anti-Ecologismo’ no campo ambiental brasileiro, bem como analisar as perspectivas de reconfiguração da luta ambiental à luz do marco conceitual do Anti-Ecologismo.
Article
A escusa de consciência é garantia constitucional ao direito de liberdade de pensamento, que pode ser instrumentalizada para eximir alunos dos cursos de ciências biológicas em determinações que infrinjam suas concepções morais e éticas quanto ao uso de animais para fins didáticos. Além desse respaldo legal, as alternativas ao uso de animais vêm se mostrando mais eficazes no ensino através de recursos como vídeos, software ou modelos sintéticos. Portanto, neste artigo, busca-se a exposição de vias legais e didáticas que possibilitem aos discentes uma formação plena, mas com respeito aos animais.
Caracas: Monte Avila Editores
  • J A Aguilera
  • Ecologia
AGUILERA, J.A. Ecologia, ciência subversiva. Caracas: Monte Avila Editores. 1980.
O ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto
  • J M Alier
ALIER, J.M. O ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto. 2007.
Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa: Presença
  • L Althusser
ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa: Presença. 1970.