Research ProposalPDF Available

Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19 - Portal Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Authors:
  • University of São Paulo, School of Medicine

Abstract

Abstract: In addition to the recognized application in chronic diseases, individualized homeopathy can also act in a resolutive or complementary way in acute cases, including epidemic diseases. However, to achieve this intent, it presents a specific semiological and therapeutic methodology that must be followed and respected, with the risk of not presenting the desired efficacy and safety. In the case of epidemic diseases, which due to the virulence of their agents causes a common symptomatological picture in most susceptible individuals, the individualized homeopathic medicine (homeopathic medicine of the epidemic genius) should present similarity with the set of characteristic symptoms and signs of the patients affected in the different stages of each epidemic outbreak. Studies show the efficacy and safety of this prophylactic and/or therapeutic practice in several epidemics of the past. Therefore, after the survey of possible homeopathic drugs individualized from the epidemic genius of each epidemic, its prophylactic and/or large-scale therapeutic application should be supported by previous clinical trials that demonstrate its efficacy and safety, in line with the ethical and bioethical aspects of research involving human beings. Fulfilling these premises of good clinical practice, we developed the current protocol with the objective of investigating, in a randomized, double-blind and placebo-controlled clinical trial, the efficacy and safety of possible individualized homeopathic drugs of epidemic genius of COVID-19, in adjuvant and complementary treatment of patients affected by the disease. If efficacy and safety are confirmed, and only in this condition, the medicine may be used in a generalized and collective manner in the treatment and prevention of the current epidemic. Resumo: Além da reconhecida aplicação nas doenças crônicas, a homeopatia individualizada também pode atuar de forma resolutiva ou complementar nos casos agudos, incluindo as doenças epidêmicas. No entanto, para atingir esse intento, apresenta uma metodologia semiológica e terapêutica específica que deve ser seguida e respeitada, com o risco de não apresentar a eficácia e a segurança desejada. No caso das doenças epidêmicas, que pela virulência dos seus agentes provoca um quadro sintomatológico comum na maioria dos indivíduos suscetíveis, o medicamento homeopático individualizado (medicamento homeopático do gênio epidêmico) deve apresentar semelhança com o conjunto de sinais e sintomas característicos dos pacientes acometidos nos diferentes estágios de cada surto epidêmico. Estudos evidenciam a eficácia e a segurança desta prática profilática e/ou terapêutica em diversas epidemias do passado. Assim sendo, após o levantamento dos possíveis medicamentos homeopáticos individualizados do gênio epidêmico de cada epidemia, sua aplicação profilática e/ou terapêutica em larga escala deve ser sustentada por ensaios clínicos prévios que demonstrem sua eficácia e segurança, em consonância com os aspectos éticos e bioéticos da pesquisa envolvendo seres humanos. Cumprindo essas premissas da boa prática clínica, elaboramos o atual protocolo com o objetivo de investigar, em ensaio clínico randomizado, duplo-cego e placebo-controlado, a eficácia e a segurança de possíveis medicamentos homeopáticos individualizados do gênio epidêmico da COVID-19, em tratamento adjuvante e complementar de pacientes acometidos pela doença. Caso a eficácia e a segurança se confirme, e tão somente nessa condição, o medicamento poderá ser utilizado de forma generalizada e coletiva no tratamento e na prevenção da atual epidemia.
PROTOCOLO DE PESQUISA CLÍNICA PARA AVALIAR
A EFICÁCIA E A SEGURANÇA DE MEDICAMENTO
HOMEOPÁTICO INDIVIDUALIZADO NO TRATAMENTO
E NA PREVENÇÃO DA EPIDEMIA DE COVID-19
Pesquisador responsável: Prof. Dr. Marcus Zulian Teixeira
Coordenador Científico do Departamento Científico de Homeopatia
da Associação Paulista de Medicina (APM)
APOIO:
Associação Paulista de Homeopatia (APH)
Associação Médica Homeopática Brasileira (AMHB)
Março/2020
Copyright © 2020 Marcus Zulian Teixeira (editor)
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida,
por qualquer processo, sem a expressa autorização do editor.
ISBN: 978-65-86826-00-5
Câmara Brasileira do Livro (CBL)
Dados de Indexação: Portal Regional da BVS
DOI: 10.13140/RG.2.2.26359.37281/3
Prof. Dr. Marcus Zulian Teixeira
Rua Teodoro Sampaio, 352/128 - CEP: 05406-000 - São Paulo/SP - Brasil
http://www.homeozulian.med.br
Currículo Lattes (CNPQ)
ORCID
Biblioteca Virtual em Saúde (BVS - Brasil)
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de
medicamento homeopático individualizado no tratamento e na prevenção
da epidemia de COVID-19.
Resumo
Além da reconhecida aplicação nas doenças crônicas, a homeopatia
individualizada também pode atuar de forma resolutiva ou complementar nos
casos agudos, incluindo as doenças epidêmicas. No entanto, para atingir esse
intento, apresenta uma metodologia semiológica e terapêutica específica que
deve ser seguida e respeitada, com o risco de não apresentar a eficácia e a
segurança desejada. No caso das doenças epidêmicas, que pela virulência dos
seus agentes provoca um quadro sintomatológico comum na maioria dos
indivíduos suscetíveis, o medicamento homeopático individualizado
(medicamento homeopático do gênio epidêmico) deve apresentar semelhança
com o conjunto de sinais e sintomas característicos dos pacientes acometidos
nos diferentes estágios de cada surto epidêmico. Estudos evidenciam a
eficácia e a segurança desta prática profilática e/ou terapêutica em diversas
epidemias do passado. Assim sendo, após o levantamento dos possíveis
medicamentos homeopáticos individualizados do gênio epidêmico de cada
epidemia, sua aplicação profilática e/ou terapêutica em larga escala deve ser
sustentada por ensaios clínicos prévios que demonstrem sua eficácia e
segurança, em consonância com os aspectos éticos e bioéticos da pesquisa
envolvendo seres humanos. Cumprindo essas premissas da boa prática clínica,
elaboramos o atual protocolo com o objetivo de investigar, em ensaio clínico
randomizado, duplo-cego e placebo-controlado, a eficácia e a segurança de
possíveis medicamentos homeopáticos individualizados do gênio epidêmico da
COVID-19, em tratamento adjuvante e complementar de pacientes acometidos
pela doença. Caso a eficácia e a segurança se confirme, e tão somente nessa
condição, o medicamento poderá ser utilizado de forma generalizada e coletiva
no tratamento e na prevenção da atual epidemia.
Unitermos: Homeopatia; Epidemias; nio epidêmico; Ética em pesquisa;
Ensaio clínico controlado aleatório; COVID-19.
Clinical research protocol to evaluate the efficacy and safety of
individualized homeopathic medicine in the treatment and prevention of
the COVID-19 epidemic.
Abstract
In addition to the recognized application in chronic diseases, individualized
homeopathy can also act in a resolutive or complementary way in acute cases,
including epidemic diseases. However, to achieve this intent, it presents a
specific semiological and therapeutic methodology that must be followed and
respected, with the risk of not presenting the desired efficacy and safety. In the
case of epidemic diseases, which due to the virulence of their agents causes a
common symptomatological picture in most susceptible individuals, the
individualized homeopathic medicine (homeopathic medicine of the epidemic
genius) should present similarity with the set of characteristic symptoms and
signs of the patients affected in the different stages of each epidemic outbreak.
Studies show the efficacy and safety of this prophylactic and/or therapeutic
practice in several epidemics of the past. Therefore, after the survey of possible
homeopathic drugs individualized from the epidemic genius of each epidemic,
its prophylactic and/or large-scale therapeutic application should be supported
by previous clinical trials that demonstrate its efficacy and safety, in line with the
ethical and bioethical aspects of research involving human beings. Fulfilling
these premises of good clinical practice, we developed the current protocol with
the objective of investigating, in a randomized, double-blind and placebo-
controlled clinical trial, the efficacy and safety of possible individualized
homeopathic drugs of epidemic genius of COVID-19, in adjuvant and
complementary treatment of patients affected by the disease. If efficacy and
safety are confirmed, and only in this condition, the medicine may be used in a
generalized and collective manner in the treatment and prevention of the
current epidemic.
Keywords: Homeopathy; Epidemics; Epidemic genius; Ethics in research;
Randomised controlled clinical trial; COVID-19.
SUMÁRIO
I. INTRODUÇÃO 1
II. REVISÃO DA LITERATURA
II.1. Epidemia de COVID-19 4
II.2. Homeopatia
II.2.1. Introdução 6
II.2.2. Premissas epistemológicas do modelo homeopático
II.2.2.1. Princípio da similitude terapêutica 7
II.2.2.2. Ensaio ou experimentação patogenética homeopática 10
II.2.2.3. Medicamento dinamizado ou potencializado (ultradiluições) 10
II.2.2.4. Medicamento individualizado (individualização terapêutica) 13
II.2.3. Diretrizes do tratamento homeopático em doenças epidêmicas
II.2.3.1. Samuel Hahnemann 15
II.2.3.2. James Tyler Kent 19
II.2.4. Evidências da eficácia da homeopatia em doenças epidêmicas 20
II.3. Estudo do gênio epidêmico da atual pandemia de COVID-19 25
II.3.1. Medicamentos homeopáticos do gênio epidêmico para a prevenção
ou o tratamento da doença leve a moderada (COVID-19) 31
II.3.2. Medicamentos homeopáticos do gênio epidêmico para o
tratamento da doença grave (COVID-19) 32
II.3.3. Medicamentos homeopáticos do gênio epidêmico para o
tratamento dos estados críticos (COVID-19) 34
II.4. Aspectos éticos e bioéticos da pesquisa em seres humanos 35
III. JUSTIFICATIVA DO ESTUDO 38
IV. OBJETIVO DO ESTUDO 39
V. PACIENTES E MÉTODO 40
V.1. Cálculo da amostra 40
V.2. Critérios de inclusão e exclusão 40
V.3. Dinâmica do estudo 41
V.3.1. Ensaio clínico randomizado, duplo-cego e placebo-controlado 41
V.3.2. Preparo e fornecimento da medicação 42
V.3.3. Análise estatística 43
V.3.4. Plano de trabalho 43
V.3.5. Orçamento 44
V.3.6. Equipe de trabalho 44
VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 45
VII. ANEXOS
VII.1. Anexo 1 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) 54
VII.2. Anexo 2 Formulário de Eventos Adversos 57
Marcus Zulian Teixeira
1
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
I. INTRODUÇÃO
Coronavírus é uma família de vírus que pode causar danos em animais e em
seres humanos. Em humanos, pode resultar em infecções respiratórias que
vão desde um resfriado até síndromes respiratórias agudas severas. O novo
coronavírus (SARS-Cov-2 ou 2019-nCoV) produz a doença classificada como
COVID-19, que teve início na cidade de Wuhan (China) em dezembro de 2019.
No manejo clínico dos casos de infecção humana pelo SARS-CoV-2, ainda não
existem medidas terapêuticas efetivas, restando muitos detalhes a serem
esclarecidos. No entanto, sabe-se que o vírus tem alta transmissibilidade e
pode provocar síndrome respiratória aguda que varia de casos assintomáticos
ou leves (em torno de 80%) a casos muito graves com insuficiência respiratória
(em torno de 5% a 10%). Sua letalidade varia, principalmente, conforme a faixa
etária e as comorbidades associadas.
Como na atualidade não existe uma vacina para a profilaxia da COVID-19, a
melhor forma de prevenção é evitar a exposição ao coronavírus através de
medidas higiênico-profiláticas (lavagem constante das mãos, evitar o contato
com pessoas infectadas e aglomerações, dentre outras).
Em vista dessa ausência de tratamento específico e/ou vacina que possam ser
utilizados no controle e/ou na prevenção da atual epidemia, respectivamente, a
busca por outras abordagens terapêuticas e preventivas faz-se necessária,
com o intuito de minimizar as consequências nefastas deste surto pandêmico
que assola a humanidade. Assim sendo, a homeopatia pode ser uma
alternativa complementar e adjuvante às medidas higiênico-profiláticas vigentes
e ao arsenal terapêutico existente, podendo ser utilizada como medida de
promoção à saúde da população, desde que a segurança e a eficácia de suas
propostas sejam validadas cientificamente.
Especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM)
desde 1980, a homeopatia é ensinada aos médicos sob a forma de pós-
graduação lato sensu e, desde 2004, residência médica. Com pressupostos
científicos estabelecidos (princípio da similitude terapêutica, experimentação
patogenética homeopática e emprego de medicamentos individualizados e
dinamizados) e aplicação clínica ampla e bissecular, apresenta um corpo de
Marcus Zulian Teixeira
2
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
evidências crescente no campo das pesquisas básicas e clínicas (Teixeira,
2011a, 2018, 2019; Cremesp, 2017a, 2017b, 2017c).
Empregando uma abordagem integrativa no diagnóstico e no tratamento dos
distúrbios orgânicos (mentais, gerais e particulares), a homeopatia pode atuar
de forma preventiva em grande parte das doenças agudas ou crônicas,
adiantando-se ao processo de instalação das mesmas. Para realizar esse
intento, o medicamento homeopático deve estimular uma reação sistêmica e
homeostática do organismo contra as diversas suscetibilidades que predispõe
ao adoecimento, sendo indispensável selecionar um medicamento
individualizado segundo a totalidade de sinais e sintomas característicos de
cada indivíduo enfermo.
Além da reconhecida aplicação nas doenças crônicas, a homeopatia
individualizada também pode atuar de forma resolutiva ou complementar nos
casos agudos, incluindo as doenças epidêmicas. No entanto, para atingir esse
intento, apresenta uma metodologia semiológica e terapêutica específica que
deve ser seguida e respeitada, com o risco de não apresentar a eficácia e a
segurança desejada.
No caso das doenças epidêmicas, que pela virulência dos seus agentes
provoca um quadro sintomatológico comum na maioria dos indivíduos
suscetíveis, o medicamento homeopático individualizado (medicamento
homeopático do gênio epidêmico) deve apresentar semelhança com o conjunto
de sinais e sintomas dos pacientes acometidos nos diferentes estágios ou
fases de cada surto epidêmico. Estudos evidenciam a eficácia e a segurança
desta prática profilática e/ou terapêutica em diversas epidemias do passado
(Teixeira 2009a, 2010a, 2013a, 2014, 2015a, 2015b).
Assim sendo, após o levantamento dos possíveis medicamentos homeopáticos
individualizados do gênio epidêmico de cada epidemia, sua aplicação
profilática e/ou terapêutica em larga escala deve ser sustentada por
ensaios clínicos prévios que demonstrem sua eficácia e segurança
(Dantas et al., 2008), em consonância com os aspectos éticos e bioéticos da
pesquisa envolvendo seres humanos (Brasil, 2012).
Cumprindo essas premissas da boa prática clínica, o protocolo atual tem como
objetivo investigar, em ensaio clínico randomizado, duplo-cego e placebo-
controlado, padrão-ouro da epidemiologia clínica (Oliveira et al., 2015), a
Marcus Zulian Teixeira
3
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
eficácia e a segurança de possíveis medicamentos homeopáticos
individualizados do gênio epidêmico da COVID-19, indicados para o tratamento
adjuvante e complementar de pacientes acometidos pela doença.
Caso a hipótese se confirme, e tão somente nessa condição, o medicamento
poderá ser utilizado de forma generalizada e coletiva no tratamento e na
prevenção da atual epidemia (Brasil, 2012).
Por outro lado, para que possamos executar esse e outros protocolos de
pesquisa, necessários à fundamentação científica dos pressupostos e das
propostas de tratamento homeopático, faz-se necessária uma postura imparcial
por parte de médicos, pesquisadores e professores, permitindo que a
homeopatia racional e científica tenha espaço para propor, discutir e aplicar
seus projetos nas instituições de pesquisa e serviços de saúde.
Marcus Zulian Teixeira
4
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
II. REVISÃO DA LITERATURA
II.1. Epidemia de COVID-19
Os coronavírus causam infecções respiratórias e intestinais em humanos e
animais; sendo que a maioria das infecções por coronavírus em humanos são
causadas por espécies de baixa patogenicidade, levando ao desenvolvimento
de sintomas respiratórios leves; no entanto, podem causar, eventualmente,
infecções graves em grupos de risco, idosos e crianças.
Previamente a 2019, duas espécies de coronavírus altamente patogênicos e
provenientes de animais (SARS-CoV e MERS-CoV) foram responsáveis por
surtos de síndromes respiratórias agudas graves. Na atual infecção humana
pelo novo coronavírus (SARS-Cov-2 ou 2019-nCoV), o espectro clínico não
está completamente descrito, assim como não se sabe seu padrão de
infectividade, transmissibilidade, morbidade e mortalidade,. Ainda não há
vacina ou medicamentos específicos disponíveis e, atualmente, o tratamento é
de suporte básico e inespecífico (Brasil, 2020).
Analogamente ao que vem ocorrendo em dezenas de outros países, em
diversos continentes, a disseminação sustentada de pessoa a pessoa
(comunitária) está ocorrendo no Brasil, veiculada por meio de gotículas
respiratórias de pessoas infectadas, semelhante à maneira como a influenza e
outros patógenos respiratórios se disseminam. De forma análoga aos surtos de
SARS-CoV e MERS-CoV do passado, os profissionais de saúde têm
representado uma parcela expressiva do número de casos infectados pelo
SARS-Cov-2, atuando como possíveis vetores na disseminação e amplificação
dessa epidemia.
O período médio de incubação da infecção pelo SARS-Cov-2 é de 5-6 dias,
com intervalo que pode chegar até 14 dias. Por sua vez, o período médio de
transmissibilidade dos pacientes infectados é de sete dias após o início dos
sintomas; no entanto, indivíduos infectados e assintomáticos também podem
transmitir o vírus (Brasil, 2020).
O espectro clínico da infecção por coronavírus é muito amplo, podendo variar
de um simples resfriado até uma pneumonia severa e fatal. Como veremos a
seguir, o conhecimento dos sinais e sintomas de cada epidemia é
Marcus Zulian Teixeira
5
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
indispensável para a escolha do respectivo medicamento homeopático
individualizado do gênio epidêmico.
De forma geral, os sinais e sintomas clínicos referidos são principalmente
respiratórios (febre, tosse e dificuldade para respirar). A avaliação de dezenas
de pacientes com pneumonia e diagnóstico laboratorial de infecção por SARS-
Cov-2 internados no Hospital Wuhan Jin Yin-tan (Wuhan, China) aponta maior
taxa de hospitalização em pacientes do sexo masculino acima de 50 anos. Os
principais sintomas observados foram febre, tosse, falta de ar, dor muscular,
confusão mental, dor de cabeça, dor de garganta, rinorreia, dor no peito,
diarreia, náusea e vômito. Exames de imagem evidenciaram que a maioria dos
pacientes apresentava pneumonia bilateral (Chen et al., 2020).
Segundo relatório da missão conjunta OMS-China sobre a COVID-19 (WHO,
2020) divulgado em fevereiro/2020, com base em dezenas de milhares de
casos com confirmação laboratorial, os sinais e sintomas típicos incluíam febre,
tosse seca, fadiga, produção de catarro, falta de ar, dor de garganta, dor de
cabeça, mialgia, artralgia, calafrios, náusea, vômito, congestão nasal, diarreia,
hemoptise e congestão conjuntival.
Esse relatório mostrou que a maioria das pessoas infectadas com o vírus
SARS-Cov-2 desenvolveu doença leve e se recuperou. Em torno de 80% dos
pacientes infectados teve doença leve a moderada, incluindo casos com e sem
pneumonia, 13,8% apresentou doença grave e 6,1% atingiram estados críticos
e fatais. Dentre os indivíduos com maior risco de desenvolver casos graves
estavam os idosos (acima de 60 anos) e portadoras de doenças crônicas, tais
como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças respiratórias
crônicas e câncer. (WHO, 2020)
Nesse estudo retrospectivo, a taxa de mortalidade bruta (CFR) foi de 3,8%,
variando com o local e a intensidade da transmissão (ou seja, 5,8% em Wuhan
vs. 0,7% em outras áreas na China). A CFR foi maior nos estágios iniciais do
surto, reduzindo pela metade após um mês do curso da doença. (WHO, 2020)
Como medidas de prevenção e controle, em vista da ausência de uma vacina
ou outro tratamento, o Ministério da Saúde (Brasil, 2020) recomenda ações
preventivas diárias que possam auxiliar na profilaxia da propagação de vírus
respiratórios em geral, tais como: higiene frequente das mãos com água e
sabão ou preparação alcoólica; evitar tocar olhos, nariz e boca sem
Marcus Zulian Teixeira
6
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
higienização adequada das mãos; evitar contato próximo com pessoas
doentes; cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar; ficar em casa e evitar
contato com pessoas quando estiver doente; limpar e desinfetar objetos e
superfícies tocados com frequência, dentre outras.
Vale ressaltar que os impactos econômicos e sociais causados pela COVID-19
serão de grande magnitude e diretamente proporcionais ao período de duração
da epidemia, em vista do isolamento social ser a única medida preventiva para
controlar a disseminação do vírus. Assim sendo, propostas que tenham
potencial para auxiliar na profilaxia e/ou no tratamento da infecção pelo SARS-
Cov-2 deverão ser experimentadas, desde que sejam de fácil implementação e
não causem riscos à população. A homeopatia de encaixa nesse perfil.
II.2. Homeopatia
II.2.1. Introdução
A homeopatia é um modelo terapêutico empregado mundialmente e que vem
despertando nas últimas décadas, juntamente com outras abordagens da
medicina integrativa, o interesse crescente de usuários, estudantes de
medicina e médicos (Teixeira et al., 2004, 2005; Teixeira e Lin, 2013), em vista
de ser uma prática médica segura e eficiente, propondo-se a compreender e
tratar o binômio doente-doença segundo uma abordagem antropológica
vitalista, globalizante e humanística (Teixeira, 2009, 2017a), valorizando os
diversos aspectos da individualidade enferma.
Fundamentada pelo médico alemão Samuel Hahnemann em 1796, a
homeopatia é uma especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal
de Medicina desde 1980 (Resolução CFM 1000/1980), com título de
especialista conferido pela Associação Médica Brasileira desde 1990
(Resolução CFM Nº 2.068/2013). (Teixeira, 2019)
Desenvolvendo suas atividades de forma paralela à medicina convencional e
hegemônica, divulga sua racionalidade teórica, prática e científica em cursos
de pós-graduação lato senso, ministrados por entidades formadoras vinculadas
à Associação Médica Homeopática Brasileira (AMHB). Em 2004, após a
Resolução CFM 1634/2002, passou a ser oferecida no programa de
residência médica da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Marcus Zulian Teixeira
7
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
(UNIRIO - Hospital Universitário Gaffrée e Guinle). Atualmente, mais dois
programas de residência médica oferecem a homeopatia como opção de
treinamento em serviço (Hospital Público Regional de Betim, Minas Gerais,
desde 2014; Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, desde 2015).
(Teixeira, 2019)
Apesar de existir há mais de dois séculos como opção terapêutica em diversos
países, a homeopatia permanece marginalizada perante a racionalidade
científica moderna, por estar fundamentada em conceitos pouco ortodoxos que
desafiam o pensamento biomédico dominante.
O modelo de tratamento homeopático emprega o princípio de cura pela
similitude, administrando doses infinitesimais de medicamentos únicos e
individualizados que, ao terem sido experimentados previamente em indivíduos
sadios, causaram sintomas semelhantes aos dos indivíduos doentes. Para se
tornar um medicamento homeopático, a substância deve ser submetida a
protocolos de experimentação patogenética em seres humanos e ter seus
efeitos primários descritos na Matéria Médica Homeopática. (Teixeira, 2011a,
2013e, 2019)
Em suma, a racionalidade científica homeopática está fundamentada em quatro
pilares ou premissas epistemológicas: (1) princípio da similitude terapêutica, (2)
ensaio ou experimentação patogenética homeopática, (3) medicamento
dinamizado ou potencializado (ultradiluições) e (4) medicamento individualizado
segundo a totalidade sintomática (individualização terapêutica).
II.2.2. Premissas epistemológicas do modelo homeopático
II.2.2.1. Princípio da similitude terapêutica
Embasado no estudo das propriedades farmacológicas de dezenas de
substâncias medicamentosas de sua época, nas quais observou uma reação
secundária (efeito indireto) do organismo após a ação primária (efeito direto) de
diversas classes de drogas, Hahnemann enunciou um aforismo para a ação
dos medicamentos na constituição humana.
“Toda força que atua sobre a vida, todo medicamento afeta, em maior ou menor
escala, a força vital causando certa alteração no estado de saúde do Homem por
um período de tempo maior ou menor. A isso se chama ação primária. [...] A essa
ação, nossa força vital se esforça para opor sua própria energia. Tal ação oposta
Marcus Zulian Teixeira
8
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
faz parte de nossa força de conservação, constituindo uma atividade automática da
mesma, chamada ação secundária ou reação. (Hahnemann, 1995, § 63)
Ilustrando esse fenômeno ou lei natural, Hahnemann descreve as ações
primárias dos medicamentos de sua época, promotoras de alterações nos
diversos sistemas fisiológicos, e as consequentes ões secundárias do
organismo (reação vital ou força de manutenção ou conservação), que se
manifesta no sentido de neutralizar os distúrbios primários promovidos pelos
fármacos, buscando retornar ao equilíbrio homeostático anterior à intervenção
medicamentosa.
“[...] À ingestão de café forte, segue-se uma superexcitação (ação primária); porém,
um grande relaxamento e sonolência (reação, ação secundária) permanecem por
algum tempo se não continuar a ser suprimido através de mais café (paliativo, de
curta duração). Após o sono profundo e entorpecedor produzido pelo ópio (ação
primária), a noite seguinte será tanto mais insone (reação, ação secundária).
Depois da constipação produzida pelo ópio (ação primária), segue-se a diarréia
(ação secundária) e, após purgativos que irritam os intestinos (ação primária),
sobrevêm obstrução e constipação por vários dias (ação secundária). Assim, por
toda parte, após a ação primária de uma potência capaz de, em grandes doses,
transformar profundamente o estado de saúde do organismo sadio, é justamente o
oposto que sempre ocorre na ação secundária, através de nossa força vital.”
(Hahnemann, 1995, § 65).
Administrando aos indivíduos doentes as substâncias simples que despertaram
sintomas semelhantes nos experimentadores sadios (similia similibus curentur),
o princípio da similitude terapêutica tem como objetivo estimular uma reação do
organismo contra os seus próprios distúrbios ou doenças, induzindo uma
resposta homeostática curativa.
Citado desde Hipócrates, o princípio da similitude (reação vital ou
homeostática) encontra sua fundamentação científica no ‘efeito rebote’ dos
fármacos modernos (reação paradoxal do organismo), sendo descrito após a
suspensão ou a alteração das doses de inúmeras classes de medicamentos
que atuam de forma paliativa (contrária ou antagônica) aos sintomas das
doenças, agravando os sintomas inicialmente suprimidos. O efeito rebote está
confirmado em centenas de estudos da farmacologia clínica e experimental.
(Teixeira, 1998, 1999, 2006, 2007a, 2007b, 2009c, 2010b, 2011b, 2012a,
2012b, 2013b, 2013c, 2016)
Marcus Zulian Teixeira
9
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Apesar do caráter idiossincrásico desse fenômeno rebote, que se manifesta em
pequena proporção dos indivíduos, evidências científicas alertam para a
ocorrência de eventos iatrogênicos graves e fatais em decorrência desta
reação paradoxal de grande intensidade, após a administração de fármacos
modernos: antiinflamatórios seletivos e não seletivos das ciclooxigenases
ocasionando eventos trombóticos (IAM e AVE), secundariamente à ação
primária antitrombótica; broncodilatadores de longa duração causando
broncoespasmos irreversíveis; antidepressivos inibidores da recaptação de
serotonina exacerbando a depressão e as ideações suicidas; imunobiológicos
desencadeando formas graves de esclerose múltipla e psoríase; dentre outras
classes de drogas. (Teixeira, 2006, 2007a, 2007b, 2009c, 2010b, 2011b,
2012a, 2012b, 2013b, 2013c, 2016)
Quando utilizado segundo o princípio da similitude terapêutica, a magnitude
deste efeito rebote também pode despertar respostas curativas proporcionais.
Assim sendo, desde 2003, vimos propondo uma sistematização para a
utilização do efeito rebote curativo de 1.250 fármacos modernos,
administrando-se aos indivíduos doentes, em doses infinitesimais
(medicamento dinamizado, potencializado ou ultradiluído), as mesmas drogas
que causam eventos adversos semelhantes, com o intuito de estimular uma
reação homeostática ou paradoxal do organismo contra os seus próprios
distúrbios (Teixeira, 2003, 2005, 2010c, 2011c, 2011d, 2013d).
Em projeto de pós-doutorado concluído em 2017, evidenciamos a eficácia e a
segurança dessa proposta no emprego do estrogênio (17-beta estradiol)
potencializado no tratamento homeopático da dor pélvica crônica em pacientes
com endometriose refratária aos tratamentos hormonais convencionais, por
meio de ensaio clínico randomizado, duplo-cego e placebo-controlado.
(Teixeira, 2017b; Teixeira et al., 2016, 2017a, 2017b). Isso foi possível pelo fato
de que a endometriose é uma síndrome estrogênio-dependente e o 17-beta
estradiol apresenta como efeitos patogenéticos (eventos adversos) um
conjunto de sinais e sintomas muito semelhante à síndrome da endometriose
(ansiedade, depressão, insônia, enxaqueca, dor abdominal, dismenorreia,
dispareunia e hiperplasia endometrial, dentre outros) (The United States
Pharmacopeial Convention, 2004).
Marcus Zulian Teixeira
10
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
II.2.2.2. Ensaio ou experimentação patogenética homeopática
Para adquirir o conhecimento das propriedades curativas das substâncias que
permitam a aplicação do princípio da similitude terapêutica, a homeopatia
utiliza o ensaio ou experimentação patogenética homeopática como modelo de
pesquisa clínica farmacológica (semelhante aos ensaios pré-clínicos fase 1),
valorizando todas as classes de manifestações sintomáticas (mentais, gerais e
físicas) despertadas pelos medicamentos nos seres humanos, denominados
pela farmacologia moderna como eventos adversos ou colaterais das drogas.
“Todos os efeitos patogenéticos de cada medicamento precisam ser conhecidos,
isto é, todos os sintomas e alterações mórbidas da saúde que cada um deles é
especialmente capaz de provocar no homem sadio devem ser primeiramente
observados antes de se poder esperar encontrar e escolher, entre eles, o meio de
cura homeopático adequado para a maioria das doenças naturais.” (Hahnemann,
1995, § 106)
Seguindo as premissas estipuladas por Hahnemann (Hahnemann, 1995, § 105-
145), em torno de 3.000 substâncias foram experimentadas seguindo diversos
protocolos de experimentação (Teixeira, 2013e), com o objetivo de se conhecer
e catalogar o “poder patogenético dos medicamentos, a fim de que, quando
precisar curar, possa-se escolher, entre eles, um cujas manifestações
sintomáticas possam constituir uma doença artificial tão semelhante quanto
possível à totalidade dos sintomas principais da doença natural a ser curada”.
Todos os sinais e sintomas observados nas diversas experimentações
patogenéticas dos medicamentos homeopáticos foram compilados para a
Matéria Médica Homeopática, seguindo uma sistematização anatômico-
funcional.
Na prática clínica, o médico homeopata utiliza também o Repertório de
Sintomas Homeopáticos, no qual todos os medicamentos homeopáticos que
despertaram o mesmo sintoma nas experimentações são agrupados numa
mesma ‘rubrica’, facilitando a seleção do medicamento homeopático que
englobe a totalidade de sinais e sintomas característicos do indivíduo.
II.2.2.3. Medicamento dinamizado ou potencializado (ultradiluições)
Contrariando o modelo farmacológico bioquímico e dose-dependente, causa
surpresa ao raciocínio biomédico o fato de que substâncias ultradiluídas
Marcus Zulian Teixeira
11
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
(dinamizadas ou potencializadas), em concentrações inferiores à constante de
Avogadro (6,02 x 1023 mol-1), possam despertar alguma resposta em sistemas
biológicos ou seres vivos, sendo este o principal alvo das críticas ao modelo
homeopático.
Com o objetivo inicial de evitar as intoxicações e as agravações sintomáticas
que o princípio da similitude terapêutica poderia causar nos pacientes,
Hahnemann propôs um método farmacotécnico para a preparação dos
medicamentos homeopáticos (dinamização ou potencialização), no qual as
substâncias são diluídas e agitadas sucessivamente com o intuito de diminuir o
efeito patogenético primário. A posteriori, observou que essas preparações
infinitesimais e imponderáveis mobilizavam atividade biológica em esferas da
individualidade não atingidas pelas doses ponderais, tais como a dinâmica
psicoemocional (Hahnemann, 1995, § 269).
De forma simplificada, o método farmacotécnico da dinamização ou
potencialização descrito na Farmacopéia Homeopática Brasileira (2011),
consiste em diluições centesimais e sucessivas da substância matriz,
acompanhadas de 100 agitações vigorosas (sucussões) por passagem
(centesimal Hahnemanniana ou cH). (Tabela 1)
Tabela 1. Método farmacotécnico de preparação dos medicamentos homeopáticos
(dinamização ou potencialização)
1 parte da substância matriz (mineral, vegetal ou animal) + 99 partes de água 100
sucussões dinamização ou potência 1cH (102 mol-1 da substância matriz);
1 parte da 1cH + 99 partes de água 100 sucussões potência 2cH (104 mol-1);
1 parte da 2cH + 99 partes de água 100 sucussões potência 3cH (106 mol-1);
1 parte da 3cH + 99 partes de água 100 sucussões potência 4cH (108 mol-1);
E assim sucessivamente...
Dinamização ou potência 12cH 1024 mol-1 da substância matriz (constante de
Avogadro: 6,02 x 1023 mol-1) ausência de molécula-grama.
cH: centesimal Hahnemanniana.
Acima da potência 12cH, essas ultradiluições apresentam concentrações
inferiores à constante de Avogadro (6,02 x 1023 mol-1), nas quais ocorre
ausência de qualquer molécula-grama da substância de origem na solução
final, tornando-as isentas de toxicidade e/ou eventos adversos (Dantas, 2017;
Dantas e Rampes, 2000), como demonstra o tratamento homeopático bisecular
com substâncias tóxicas de alto poder patogenético (Arsenicum album, Atropa
Marcus Zulian Teixeira
12
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
belladonna, Cuprum metallicum, Lachesis muta, Phosphorus e Rhus
toxicodendron, dentre inúmeras outras).
Np tratamento homeopático clássico, essas ultradiluições são administradas
nas potências 12cH, 30cH, 200cH e 1000cH, dentre outras, em doses únicas
mensais ou repetidas diariamente, conforme a indicação clínica (doenças
crônicas ou agudas, respectivamente).
A capacidade destas ‘informações’ medicamentosas (contidas nas doses
infinitesimais das substâncias ultradiluídas) promoverem alterações nos
sistemas fisiológicos, de forma análoga às doses ponderais, tem sido estudada
em trabalhos científicos que empregam modelos sico-químicos ou biológicos
de pesquisa.
Algumas hipóteses fundamentadas em modelos experimentais físico-químicos
buscam uma explicação científica para o fenômeno da transmissão da
‘informação’ dos efeitos primários das substâncias nas ultradiluições
homeopáticas. Dentre elas, citamos as pesquisas que estudam as
modificações de natureza eletromagnética da água segundo a eletrodinâmica
quântica, na qual a solução aquosa não representaria um aglomerado inerte de
moléculas e sim um meio dinâmico, capaz de selecionar e catalisar as reações
moleculares de acordo com os diversos campos eletromagnéticos do soluto
dissolvido em seu interior. Através de modelos matemáticos e experimentais,
inferem que o campo eletromagnético de um soluto pode gerar certos domínios
de coerência estável no solvente (com estruturas e vibrações específicas),
produzindo aglomerados ou ‘clusters’ de moléculas de água (com tamanhos,
formas e propriedades específicas), como uma assinatura eletromagnética do
soluto na água (‘memória da água’). Assim sendo, a organização da água seria
um processo coerente, reprodutível e associado a interações eletromagnéticas
de longo alcance e baixíssima intensidade, transmitindo a ‘informação
eletromagnética do soluto’ inicialmente diluído e sucussionado pelo processo
da dinamização. (Homeopathy, 2007)
Nos modelos biológicos de pesquisa, inúmeros estudos experimentais, nas
diversas áreas do conhecimento científico e modelos de pesquisa (in vitro,
plantas e animais), fundamentam o pressuposto de que doses infinitesimais
podem despertar fenômenos biológicos semelhantes aos obtidos com doses
Marcus Zulian Teixeira
13
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
ponderais das mesmas substâncias, validando o emprego dos medicamentos
ultradiluídos pela terapêutica homeopática. (Homeopathy, 2009, 2010)
II.2.2.4. Medicamento individualizado (individualização terapêutica)
Segundo Hahnemann, o médico que se intitule um “legítimo artista da cura”
deve ser capaz de reconhecer o que deva ser curado em cada caso
individualmente e compreender o elemento curativo dos medicamentos,
adequando-os em qualidade e quantidade às necessidades do enfermo,
segundo o princípio da similitude terapêutica.
Encarando o processo de adoecimento como um enfraquecimento dos
mecanismos fisiológicos de adaptação e compensação, Hahnemann
correlacionou qualquer desequilíbrio fisiológico às correspondentes
manifestações sintomáticas apresentadas pelo indivíduo, utilizando o conjunto
de sinais e sintomas (totalidade sintomática) como o principal referencial para
diagnosticar o “padecimento da força vital” (predisposição individual,
suscetibilidade mórbida ou desequilíbrio homeostático) e para prescrever o
medicamento homeopático mais semelhante à individualidade enferma.
“[...] a totalidade de seus sintomas, esse quadro do ser interior da doença que se
reflete no exterior, isto é, do padecimento da força vital, deve ser o principal ou o
único através do qual a doença dá a conhecer o meio de cura de que ela necessita,
o único que pode determinar a escolha do meio de auxílio adequado - em suma, a
totalidade dos sintomas deve ser, para o artista da cura, a coisa principal, senão a
única que ele, em cada caso de doença, necessita conhecer e afastar através de
sua arte, a fim de que a doença seja curada e transformada em saúde.
(Hahnemann, 1995, § 7)
No conjunto dos sinais e sintomas manifestos, a semiologia homeopática
seleciona os mais evidentes, singulares, incomuns e característicos” a cada
caso, desprezando os sintomas comuns, gerais e indefinidos pela inerente
ausência de poder individualizante (idiossincrásico) nos mesmos.
“Nessa procura do meio de cura homeopático específico, isto é, nessa confrontação
do conjunto característico dos sinais da doença natural contra a série de sintomas
dos medicamentos existentes a fim de encontrar um cujas potências mórbidas
artificiais correspondam, por semelhança, ao mal a ser curado, deve-se,
seguramente, atentar especialmente e quase que exclusivamente para os sinais e
sintomas mais evidentes, singulares, incomuns e próprios (característicos) do
Marcus Zulian Teixeira
14
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
caso de doença, pois na série de sintomas produzidos pelo medicamento escolhido,
é principalmente a estes que devem corresponder sintomas muito
semelhantes, a fim de que seja mais conveniente à cura. Os sintomas mais gerais
e indefinidos: falta de apetite, dor de cabeça, debilidade, sono inquieto, mal-estar,
etc., merecem pouca atenção devido ao seu caráter vago, se não puderem ser
descritos com mais precisão, pois algo assim geral pode ser observado em quase
todas as doenças e medicamentos.(Hahnemann, 1995, § 153)
Associando a individualização medicamentosa à prescrição de “uma única
substância medicamentosa simples por vez, ele se coloca terminantemente
contrário ao uso simultâneo de mais de um medicamento homeopático (mistura
de medicamentos ou complexos homeopáticos), pois a experimentação
patogenética homeopática, referencial para a correta e segura prescrição
terapêutica, foi realizada com substâncias simples e únicas.
“Em nenhum caso de tratamento é necessário e, por conseguinte, não é
admissível administrar a um doente mais do que uma única e simples substância
medicamentosa de cada vez. É inconcebível que possa existir a menor dúvida
acerca do que está mais de acordo com a natureza e é mais racional: prescrever
uma única substância medicamentosa simples e bem conhecida num caso de
doença ou misturar várias diferentes. Na única, verdadeira, simples e natural arte
de curar, a homeopatia, não é absolutamente permitido dar ao doente duas
substâncias medicamentosas diferentes de uma só vez. (Hahnemann, 1995, §
273)
Assim sendo, o tratamento homeopático adequado deve priorizar a
individualização do medicamento único de acordo aos sinais e sintomas mais
peculiares e característicos de cada paciente, em seus diversos aspectos
constitucionais (mentais, gerais e particulares), permitindo que, para uma
mesma doença, cada indivíduo possa vir a receber medicamentos únicos
distintos, conforme as suas próprias suscetibilidades (físicas, psíquicas,
emocionais, alimentares e climáticas, dentre outras).
Diversos ensaios clínicos randomizados (ECR) que desrespeitaram esta
individualização medicamentosa, administrando o mesmo medicamento para
diversos indivíduos portadores de uma mesma doença (exemplificado no
emprego indiscriminado da Arnica montana para processos inflamatórios em
geral; Ernst e Pittler, 1998), não mostraram resultados significativos perante o
placebo, por ferirem a racionalidade científica do modelo homeopático. O
Marcus Zulian Teixeira
15
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
mesmo ocorreu com metanálises e revisões sistemáticas que agruparam ECR
com medicamentos não individualizados (Shang et al., 2005; Mathie et al.,
2017; Homeopathy Research Institute), ao contrário daquelas que valorizaram
a terapêutica individualizante (Mathie et al., 2014; Vithoulkas, 2017).
Vale ressaltar que este processo de individualização medicamentosa requer
um período de acompanhamento regular e variável, em que as respostas às
diversas hipóteses medicamentosas (medicamentos únicos individualizados)
são avaliadas sucessivamente, ajustando-se os medicamentos, as doses e as
potências homeopáticas às diversas suscetibilidades de cada paciente.
(Teixeira, 2009d)
Além dessas breves citações utilizadas para exemplificar o embasamento
científico de cada premissa epistemológica homeopática, os pressupostos
homeopáticos estão fundamentados em centenas de estudos em diversas
linhas de pesquisas contemporâneas (Teixeira, 2011a, 2018, 2019; Cremesp,
2017a, 2017b, 2017c), ao contrário do preconceito propagado indistintamente
de que ‘não existem evidências científicas em homeopatia’.
Para a constatação dessa afirmação, indicamos a leitura do Dossiê Especial:
Evidências Científicas em Homeopatia”, elaborado pela Câmara Técnica de
Homeopatia do Cremesp em 2017.
II.2.3. Diretrizes do tratamento homeopático em doenças epidêmicas
II.2.3.1. Samuel Hahnemann
De forma análoga às doenças agudas e crônicas, Hahnemann estipula
diretrizes semiológicas e terapêuticas individualizantes na abordagem das
doenças epidêmicas. (Teixeira 2009a, 2010a, 2013a, 2014, 2015a, 2015b)
Assim como cada enfermo apresenta um conjunto de sinais e sintomas
característicos que o difere dos demais indivíduos acometidos pela mesma
doença aguda ou crônica, cada doença epidêmica “é um fenômeno com suas
próprias características”, devendo ser diferenciada dos episódios anteriores.
Com esse alerta, Hahnemann critica a aplicação do conhecimento obtido em
epidemias prévias em novos surtos da mesma doença, sem que seja realizado
um “exame meticuloso do quadro puro da doença atual”.
“Na investigação da essência sintomática das doenças epidêmicas ou esporádicas,
é indiferente que tenha ocorrido algo semelhante no mundo, sob este ou aquele
Marcus Zulian Teixeira
16
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
nome. A novidade ou a peculiaridade de tal epidemia não faz diferença, quer no
exame, quer no tratamento, visto que o médico, mesmo assim, deve pressupor o
quadro puro de cada doença atual dominante como algo novo e desconhecido e
investigá-lo pela base, se pretender ser um genuíno e criterioso artista da cura, não
podendo nunca colocar a suposição no lugar da observação, nem supor, total ou
parcialmente, conhecido um caso de doença que estiver encarregado de tratar, sem
explorar cuidadosamente todas as suas manifestações, tanto mais que, em muitos
aspectos, cada doença dominante é um fenômeno com suas próprias
características e, num exame meticuloso, é identificado como completamente
diferente de todas as epidemias anteriores [...].” (Hahnemann, 1995, § 100)
Como a imagem do quadro patológico das doenças coletivas surge, apenas,
após a observação de um número considerado de doentes, Hahnemann
sugere a observação de vários casos para formar o “quadro completo da
doença”, embasado no “conjunto característico de seus sintomas e sinais”
segundo a semiologia homeopática.
“É bem provável, ao se lhe apresentar o primeiro caso de um mal epidêmico, que o
médico não obtenha, de imediato, o quadro completo do mesmo, visto que cada
uma dessas doenças coletivas apresenta o conjunto característico de seus
sintomas e sinais somente ao longo de uma observação precisa de vários casos.
No entanto, o médico investigador criterioso, logo no primeiro ou segundo doente,
pode chegar, muitas vezes, tão perto de sua verdadeira situação que apreende daí
um quadro característico - e encontra logo um medicamento adequado e
homeopaticamente conveniente.” (Hahnemann, 1995, § 101)
Na busca pela ‘essência’ ou gênio da epidemia (gênio epidêmico), que
permitirá por semelhança identificar dentre as diversas substâncias
experimentadas o medicamento mais apropriado, o quadro característico da
epidemia” será formado pela totalidade dos sinais e sintomas mais
característicos. Esse medicamento individualizado poderá ser aplicado
terapeuticamente nos pacientes acometidos pelo mesmo surto da doença.
“Ao tomar nota dos sintomas de diversos casos dessa espécie, o esboço da doença
se torna cada vez mais completo, não no sentido de extensão ou riqueza de
vocabulário, porém se torna mais significativo (mais característico), abrangendo
mais particularidades de tal doença coletiva. Os sintomas gerais (p.ex. perda de
apetite, insônia etc.) encontram suas próprias e exatas definições; por outro lado,
surgem os sintomas mais notáveis e especiais que são peculiares somente a
poucas doenças e mais raros - ao menos nessa combinação - e formam o quadro
Marcus Zulian Teixeira
17
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
característico dessa epidemia. É certamente de uma mesma fonte que provém,
consequentemente, a mesma doença de todos aqueles que contraíram a epidemia
em curso, mas toda a extensão de tal epidemia e a totalidade de seus sintomas
(cujo conhecimento faz parte da visão de conjunto do quadro completo da doença,
a fim de permitir a escolha do meio de cura homeopático mais adequado para esse
conjunto característico de sintomas) não pode ser percebida em um único doente
isoladamente, mas, ao contrário, somente será perfeitamente deduzida e
descoberta através dos sofrimentos de vários doentes de diferentes constituições
físicas.” (Hahnemann, 1995, § 102)
Discorrendo sobre a natureza e o tratamento das epidemias de febre
intermitente, Hahnemann reitera a necessidade de se individualizar o
medicamento homeopático específico” para o tratamento da manifestação
epidêmica, segundo o “conjunto característico dos sintomas comuns a todos os
pacientes”. Mantendo sua coerência de raciocínio, enfatiza a premissa
epistemológica de utilizar substâncias simples e únicas, evitando os meios
complexos, na individualização do medicamento homeopático.
“As epidemias de febre intermitente em lugares em que não são endêmicas, são da
natureza das doenças crônicas e compostas de crises agudas isoladas; cada
epidemia isolada é de caráter peculiar, uniforme e particular comum a todos os
indivíduos afetados e, quando esse caráter se encontra no conjunto característico
dos sintomas comuns a todos, aponta-nos o caminho para a descoberta do
medicamento homeopático (específico) adequado para todos os casos, o qual,
então, é praticamente eficaz em todos os doentes que gozavam de saúde razoável
antes da epidemia, isto é, que não sofriam cronicamente de psora desenvolvida.”
(Hahnemann, 1995, § 241)
Além de indicar o medicamento homeopático como medida terapêutica nos
casos manifestos da doença epidêmica, Hahnemann também descreve a
utilização da homeopatia individualizada como prática profilática.
“Um exemplo notório: antes do ano 1801, quando a escarlatina lisa de Sydenham
dominava, vez por outra, epidemicamente, atacava sem exceção todas as crianças
que dela haviam escapado em epidemia anterior; em uma epidemia semelhante
que presenciei em Königslutter, contudo, todas as crianças que haviam ingerido
previamente uma dose muito pequena de Atropa belladonna ficavam livres dessa
doença infantil altamente contagiosa. Se os medicamentos podem proteger de
alguma doença que se alastra, então têm que possuir um poder preponderante de
desviar nossa força vital.” (Hahnemann, 1995, nota do § 33)
Marcus Zulian Teixeira
18
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
“Após o ano de 1801 os médicos confundiram uma espécie de ‘purpura miliaris’
(Roodvonk) que era proveniente do ocidente, com a febre escarlate, embora
possuísse sintomas totalmente diferentes. Esta encontrou seu medicamento
curativo e profilático na beladona e aquela no acônito; sendo geralmente apenas
esporádica, enquanto que a primeira surgia sempre de forma epidêmica. Nos
últimos anos, ambas parecem ter se unido aqui e ali, dando origem a uma febre
eruptiva de tipo peculiar, contra a qual esses dois medicamentos isolados não mais
possuem ação completamente homeopática.” (Hahnemann, 1995, nota do § 73)
Apesar de reconhecer os benefícios da vacina antivariólica, introduzida pelo
seu contemporâneo Edward Jenner em 1796 (após a observação e descrição
detalhada de uma série de 27 casos imunizados), Hahnemann critica o
emprego indiscriminado de ultradiluições de subprodutos da doença ou do
agente patogênico (nosódios ou bioterápicos) como método profilático ou
tratamento isopático (princípio da identidade; aequalia aequalibus curentur),
sem a experimentação patogenética do subproduto em pessoas sadias e a
aplicação da similitude individualizante.
Tentou-se um terceiro método através da Isopatia, como é chamado, isto é, curar
uma doença com o mesmo miasma que a produziu. Contudo, mesmo supondo que
se pudesse fazer isso, visto que tal método dá ao doente o miasma altamente
potencializado, e, consequentemente alterado, ele somente ativaria a cura
mediante a oposição de um ‘simillimum’ ao ‘simillimum’. Essa pretensão de curar
mediante uma mesma força morbífica (per idem), contudo, contradiz todo bom
senso humano normal e, consequentemente, toda experiência. O benefício que a
humanidade conheceu com o uso da vacina provavelmente forneceu àqueles que
primeiramente abordaram a isopatia a vaga ideia de que a inoculação protegia
contra todos os contágios futuros, como que curando por antecipação. Ambas,
porém, a vacina e a varíola são apenas muito semelhantes, não sendo, de modo
algum, a mesma doença. Elas são diferentes uma da outra em muitos aspectos,
sobretudo na rapidez do curso e na benignidade da vacina e principalmente no fato
de que esta nunca é contagiosa pela simples proximidade. Assim, mediante a
expansão geral de sua inoculação, de tal maneira, pôs fim a todas as epidemias da
mortífera e terrível varíola, que a geração atual já não mais possui ideia alguma
daquela antiga e abominável peste variólica. Desse modo, algumas doenças
próprias aos animais, por serem semelhantes, fornecerão no futuro, forças curativas
e medicamentosas para importantes doenças humanas muito semelhantes. Mas,
daí, a pretensão de curar com uma substância morbífica humana (por ex. um
Marcus Zulian Teixeira
19
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Psorikum retirado da sarna humana) a mesma doença humana, a sarna humana ou
um mal dela decorrente, vai uma grande distância! Nada além de padecimento e
agravamento da doença resulta disso.” (Hahnemann, 1995, nota do § 56)
Lembremos que para ser considerado um medicamento homeopático e poder
ser empregado terapêutica e/ou profilaticamente de forma segura e eficaz
segundo o princípio da similitude, qualquer substância (simples ou complexa),
independente da sua origem, precisa ser submetida à experimentação em
indivíduos humanos, a fim de que seus sintomas patogenéticos sejam
conhecidos e descritos. Dessa forma, todo subproduto animal (nosódios ou
bioterápicos) pode ser utilizado homeopaticamente, desde que submetido à
experimentação patogenética prévia e seja prescrito segundo a semelhança de
sinais e sintomas característicos com a individualidade enferma.
Assim sendo, vale ressaltar que o tratamento ou medicamento isopático ou
isoterápico (utilizado segundo o princípio da identidade e desprezando a
experimentação patogenética prévia, de forma análoga à imunoterapia oral
moderna) não condiz com a episteme homeopática e não pode ser considerado
“homeopático”. (Teixeira, 2014, 2015a, 2015b)
II.2.3.2. James Tyler Kent
Em sua obra Lições de filosofia homeopática, Lição III, Kent (1998) descreve
um protocolo semiológico para diagnosticar o grupo de medicamentos do
gênio epidêmico, fundamentando-se nas premissas hahnemannianas citadas
anteriormente.
Sugere a observação cuidadosa de 20 pacientes acometidos pela doença em
questão, registrando todos os sintomas presentes de forma esquemática
(classificação repertorial), os quais ao serem considerados coletivamente
“apresentarão uma imagem, como se um único homem houvesse expressado
todos os sintomas”. Colocando na frente de cada sintoma o número de
pacientes que o manifestaram, o médico homeopata “descobrirá os traços
essenciais da epidemia” (natureza da enfermidade) através da totalidade
sintomática comum (sinais e sintomas patognomônicos) e característica (sinais
e sintomas peculiares). Utilizando um repertório de sintomas, ele selecionará
seis ou sete medicamentos que cubram a totalidade sintomática daquela
epidemia (grupo de medicamentos homeopáticos individualizados do gênio
Marcus Zulian Teixeira
20
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
epidêmico), fixando os quadros individuais de cada medicamento no estudo da
Matéria Médica Homeopática.
Em seguida, procedendo do geral para o particular, pois “não há outro modo de
proceder em homeopatia”, o médico homeopata adaptará as características de
cada enfermo às particularidades de cada medicamento selecionado
(individualização terapêutica), pois mesmo em indivíduos de uma mesma
família será observada “uma pequena diferença em cada caso”. Caso nenhum
dos medicamentos selecionados seja útil, “o médico deve retornar à sua
anamnese original para ver qual dos outros medicamentos é o adequado”. Kent
ressalta que a aplicação do gênio epidêmico na seleção dos medicamentos
homeopáticos é um trabalho árduo, mas traz resultados espetaculares.
“[...] Todo remédio tem em si próprio certo estado de peculiaridades que o identifica
como um remédio individual, e o paciente tem também certo estado de
peculiaridades que o identifica como um paciente individual, e assim o remédio é
adequado ao paciente. Nenhum remédio deve ser dado porque está na lista, pois a
lista foi feita apenas como um meio de facilitar o estudo desta epidemia. As coisas
só podem ser facilitadas com uma enorme quantidade de trabalho duro e se
fizerdes o trabalho enfadonho no começo de uma epidemia a prescrição para
vossos casos será rápida, e verificareis que vossos remédios abortam casos de
enfermidade, fazem casos malignos (se tornarem) simples; dessa forma,
simplificam a escarlatina cuja classificação seria impossível, detêm o curso da febre
tifoide em uma semana e curam febres remitentes em um dia.” (Kent, 1998, Lição
III)
II.2.4. Evidências da eficácia da homeopatia em doenças epidêmicas
Diversas iniciativas empregando medicamentos homeopáticos no tratamento e
na profilaxia de doenças epidêmicas são descritas na literatura, a maioria como
relatos de casos curados ou imunizados em que medicamentos do gênio
epidêmico foram utilizados. (Shepherd, 1996; Hoover, 2001; Shalts, 2005;
Bradford, 2007)
No escrito menor “Alguns tipos de febres contínuas e remitentes”, publicado em
1798 no Hufeland’s Journal der practischen Arzneykunde, Hahnemann (2006a)
descreve a utilização da Ignatia amara no tratamento de uma febre contínua e
esporádica que acometeu as crianças em janeiro de 1797, a qual apresentava
os seguintes sintomas característicos: em vez do calor da pele, calafrios
Marcus Zulian Teixeira
21
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
continuados e grande lassidão; fronte coberta com suor frio; debilidade da
memória; respiração excessivamente curta e espasmódica. Após dois meses,
outra febre de mesmo caráter, mas com diferentes sintomas característicos
(imobilidade da pupila, dor pressiva ao redor do umbigo, estupor, diminuição da
força, alívio pelas transpirações etc.), voltou a acometer crianças, encontrando
no Opium o seu medicamento curativo. No mês seguinte, descreve o emprego
da Camphora numa epidemia de influenza agravada pelo emprego do Opium,
em vista de apresentar um distinto conjunto de sintomas peculiares. Com esses
exemplos, Hahnemann ressalta a importância de se individualizar o
medicamento segundo os sintomas característicos de cada epidemia (ou
estágio) de caráter semelhante.
Em outro escrito menor intitulado “Cura e prevenção da febre escarlate”,
Hahnemann (2006b) descreve o emprego da Atropa belladonna na profilaxia e
no tratamento da fase inicial da epidemia de febre escarlate (escarlatina) que
ocorreu nas vizinhanças de Helmstädt para Königslutter em 1799,
medicamento escolhido segundo o gênio epidêmico da fase inicial da doença:
um remédio que é capaz de rapidamente bloquear uma doença em seus
primórdios também deve ser o seu melhor preventivo”. Descreve também o
emprego de Opium e Ipeca no tratamento de duas condições mórbidas da
doença plenamente desenvolvida, administrando esses medicamentos de
forma isolada ou alternada, conforme a avaliação de cada paciente e o
conjunto de sinais e sintomas de cada episódio: “Da minha parte, quando
chamado para casos de doença plenamente desenvolvida (em que não era
uma questão de prevenção ou de prevenir o seu começo), eu percebia que
tinha de combater dois diferentes estados do corpo que algumas vezes
rapidamente se alternavam, cada um dos quais composto de um convoluto de
sintomas”. Refere ainda o emprego da Matricaria chamomilla para o transtorno
de pele denominado “pele insana” e para a característica tosse sufocante que
poderiam sobrevir à doença.
Vale ressaltar que Hahnemann, no tratamento de qualquer doença
epidêmica, prescrevia os diferentes medicamentos de forma
individualizada e em momentos distintos (diferentes estágios da doença),
sem jamais misturar os medicamentos numa mesma prescrição
(complexos homeopáticos).
Marcus Zulian Teixeira
22
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Outros médicos descreveram os altos níveis de proteção que a beladona
conferiu às crianças expostas ao mesmo tipo de epidemia de escarlatina na
década de 1820: Dudgeon (2002) relata que dez alopatas (Bloch, Cramer,
Gelnecki, Wolf, Ibrelisle, Velsen, Berndt, Schenk, Behr e Zeuch) utilizaram a
beladona de forma profilática em 1646 crianças, observando a manifestação de
sintomas em apenas 123 casos (7,5%), alto grau de proteção numa epidemia
que acometia 90% dos expostos à época.
Uma revisão sobre esses os resultados do uso profilático da beladona na
escarlatina, publicada no Hufeland’s Journal em 1826 (Hufeland, 1826), fez
com que o governo da Prússia tornasse obrigatório o uso da mesma durante a
epidemia de 1838 (Dunham, 1994). Esses dados mostram o emprego da
beladona como profilático “específico” da escarlatina pelos médicos alopatas
da época.
No escrito menor Cura e prevenção da cólera asiática”, Hahnemann (2006c)
descreve o uso de Camphora, Cuprum metallicum e Veratrum album como
medicamentos homeopáticos ao gênio epidêmico dos sucessivos estágios da
doença (prescritos de forma individualizada, conforme a semelhança com os
sintomas de cada fase da doença), para prevenir e tratar a cólera asiática
durante a epidemia de 1831 na Alemanha. Preferencialmente, ele empregava o
Cuprum como profilático contra a cólera, a Camphora para o tratamento da
fase inicial da doença, e o Cuprum ou o Veratrum na fase posterior (de forma
isolada ou alternada, conforme os sintomas indicassem). Em sua revisão
histórica, Shalts (2005) refere que durante essa epidemia (1831-1832) as taxas
de mortalidade dos hospitais homeopáticos europeus foram de 7-10%,
enquanto que com os tratamentos convencionais atingiram 40-80%.
Estudando de forma sistematizada os sintomas que acometiam os pacientes
durante a epidemia de cólera de 1849 na Europa, Von Böeninghausen (2005),
no mês de agosto do mesmo ano, propôs a administração da Camphora por
não médicos como medicamento individualizado do gênio epidêmico para o
tratamento dos pacientes acometidos pela doença: “Somente o uso deste
remédio é que pode e deve ser confiado às mãos de um não médico”. Durante
essa epidemia, segundo Shepherd (1996) e Hoover (2001), a taxa de
mortalidade dos pacientes em tratamento homeopático foi 5-16%, enquanto
aqueles que recebiam tratamentos convencionais apresentaram 54-90%. A
Marcus Zulian Teixeira
23
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
homeopatia também foi empregada na epidemia de cólera de 1854 em Londres
(Leary, 1994, 1997), diminuindo a mortalidade de forma significativa.
Na obra Lições de filosofia homeopática, Lição XI, Kent (1998) descreve o
tratamento de alguns casos de uma mesma epidemia de diarreia infantil com a
30ª potência do medicamento Podophyllum peltatum, que apresentava em sua
patogenesia sintomas semelhantes aos observados nos pacientes doentes
(gênio epidêmico), relatando que “as curas eram quase instantâneas, parecia
como se não houvesse mais fezes após a primeira dose do medicamento”,
apesar de nem sempre utilizar dose única.
Metanálise de três ensaios clínicos homeopáticos randomizados (Jacobs et al.,
2003) evidenciou que o tratamento homeopático individualizado foi
significativamente mais eficaz que o placebo em epidemias de diarreia infantil.
Entretanto, outro ensaio clínico randomizado realizado pelos mesmos autores
(Jacobs et al., 2006) mostrou que o tratamento homeopático não
individualizado (complexo ou mistura de cinco medicamentos homeopáticos
comumente indicados no tratamento da diarreia infantil), que desprezou as
diretrizes individualizantes para o medicamento homeopático do gênio
epidêmico, não apresentou resposta significativa perante o placebo.
No escrito menor “Tratamento do tifo ou febre hospitalar que predomina no
momento”, Hahnemann (2006d) descreve o uso de Bryonia alba, Hyosciamus
niger e Rhus toxicodendron como medicamentos homeopáticos ao gênio
epidêmico do tifo (prescritos de forma única ou alternada, conforme a similitude
de sintomas entre o paciente e cada estágio da doença), no tratamento da
epidemia que acometeu a Alemanha em 1813: “Dos 183 pacientes que eu
tratei com essa afecção em Leipizig, não perdi um, o que provocou uma grande
sensação entre os membros do Governo russo que então ocupava Dresden,
mas não foi dada nenhuma notícia pelas autoridades dicas” (Hahnemann,
1994).
Uma epidemia grave de difteria também foi tratada eficazmente pela
homeopatia individualizada: nos registros históricos de três anos (1862-4) da
doença em Broome County (Nova Iorque, EUA), existem relatos de uma taxa
de mortalidade de 84% com os tratamentos convencionais e de uma taxa de
apenas 16% com o tratamento homeopático (Shalts, 2005).
Marcus Zulian Teixeira
24
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Em 1918, no início da pandemia de gripe espanhola que infectou 20% da
população mundial e matou em torno de 30 milhões de pessoas, médicos
homeopatas se reuniram na British Homeopathic Society (Londres) para
discutir os prováveis medicamentos do gênio epidêmico, através do relato de
uma série de casos e seus sintomas característicos. As discussões e os
resultados desse encontro foram publicados em periódico científico da época
(British Homoeopathic Society, 1918), orientando o tratamento individualizado
dos focos epidêmicos nas diversas regiões e países.
Diversos medicamentos homeopáticos foram utilizados para tratar esse surto
epidêmico (Arsenicum album, Bryonia alba, Baptisia tinctoria, Eupatorium
perfoliatum e Gelsemium sempervirens, dentre outros), segundo o gênio
epidêmico observado nas distintas fases da doença, épocas e regiões (Hoover,
2001; Shalts, 2005; Baker, 1920). Em estimativas publicadas no Journal of the
American Institute of Homeopathy (Dewey, 1921), McCann referiu que 26 mil
casos de gripe tratados homeopaticamente em Ohio apresentaram taxa de
mortalidade de 1%, contrastando com a taxa de 28% em 24 mil casos tratados
alopaticamente. Na Filadélfia, Pearson referiu taxas semelhantes em 26.795
casos de gripe tratados homeopaticamente.
Recentes revisões analisaram os resultados à época e descreveram os
benefícios do tratamento homeopático nessa pandemia de influenza (gripe
espanhola) que devastou a humanidade no inicio do século XX (1918-1920).
(The Canadian Academy of Homeopathy, 2013; Jahn, 2014)
Revisão sistemática de três ensaios clínicos placebos-controlados (n=2265)
que utilizaram o bioterápico Oscillococcinum (preparado com autolisado do
coração e do fígado de pato selvagem infectado, um vetor do vírus da gripe
aviária) como preventivo específico” de síndromes gripais (ignorando as
diretrizes individualizantes citadas anteriormente), não mostrou efeito
significativo desse nosódio perante o placebo. (Vichers e Smith, 2006)
Durante epidemia de conjuntivite ocorrida em Pittsburgh (USA), ensaio clínico
placebo-controlado foi realizado para avaliar a eficácia da Euphrasia officinalis
30cH (escolhida conforme o gênio epidêmico de epidemias de anos anteriores)
na prevenção da doença, desprezando a totalidade sintomática característica
da epidemia atual. O grupo tratamento foi composto por 658 escolares, que
receberam o medicamento homeopático por três dias consecutivos; o grupo
Marcus Zulian Teixeira
25
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
controle foi composto por 648 escolares, que receberam placebo na mesma
posologia. Não houve diferença estatisticamente significativa na incidência e na
gravidade da doença entre os grupos. (Mokkapatti, 1992)
Em outra epidemia de ceratoconjuntivite ocorrida em Cuba, 108 pacientes
foram distribuídos aleatoriamente para tratamento homeopático (n=58) e
alopático (n=50), empregando Pulsatilla nigricans 6cH como medicamento
homeopático individualizado do gênio epidêmico da referida epidemia. O
tratamento homeopático foi significativamente mais eficaz que o alopático na
melhora dos sintomas, num período inferior a 72 horas. (Varela et al., 1995)
No Brasil, Marino (2006, 2008) avaliou a ação do medicamento homeopático
individualizado Eupatorium perfoliatum na profilaxia da dengue durante a
epidemia de 2001 em São José do Rio Preto (SP), evidenciando que a
intervenção homeopática apresentou diminuição significativa na incidência da
doença perante o grupo controle.
II.3. Estudo do gênio epidêmico da atual pandemia de COVID-19
Seguindo as premissas estipuladas por Hahnemann e Kent, anteriormente
descritas, utilizando os relatórios e estudos que descreveram os sinais e
sintomas comuns a diversos pacientes acometidos pela COVID-19 em outros
países, podemos levantar alguns possíveis medicamentos homeopáticos
individualizados para o gênio epidêmico da atual pandemia, em seus diferentes
estágios.
Estudo observacional retrospectivo com 99 casos infectados pelo SARS-Cov-2
e internados no Hospital Wuhan Jin Yin-tan (Wuhan, China) mostrou que o
conjunto de sinais e sintomas apresentados foram: febre (83%), tosse (82%),
dispneia (31%), dor muscular (11%), confusão mental (9%), dor de cabeça
(8%), dor de garganta (5%), rinorreia (4%), dor no peito (2%), diarreia (2%) e
náusea e vômito (1%). Segundo exames de imagem, 75% apresentaram
pneumonia bilateral, 14% apresentaram manchas múltiplas e opacidade em
vidro fosco (espessamento intersticial ou colapso parcial alveolar) e 1% evoluiu
com pneumotórax. 17% dos pacientes desenvolveram síndrome do desconforto
respiratório agudo (SDRA) e, entre eles, 11% piorou em um curto período de
tempo, morrendo de falência múltipla de órgãos: insuficiência renal aguda (IRA,
Marcus Zulian Teixeira
26
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
3%), insuficiência respiratória aguda (8%) e choque séptico (4%). Pacientes
idosos e com comorbidades evoluíram mais facilmente para doenças
respiratórias graves e fatais. (Chen et al., 2020)
Segundo relatório da missão conjunta WHO-China, com base em 55924 casos
infectados pelo SARS-Cov-2, os sinais e sintomas típicos incluíram: febre
(87,9%), tosse seca (67,7%), fadiga (38,1%), produção de catarro (33,4%),
dispneia (18,6%), dor de garganta (13,9%), dor de cabeça (13,6%), mialgia ou
artralgia (14,8%), calafrios (11,4%), náusea ou vômito (5,0%), congestão nasal
(4,8%), diarreia (3,7%), hemoptise (0,9%) e congestão conjuntival (0,8%). Em
geral, o quadro clínico iniciou com febre e sintomas respiratórios leves (tosse
seca), 5-6 dias após a infecção. 13,8% dos pacientes apresentaram pneumonia
grave, com dispneia, frequência respiratória ≥30/minuto, saturação de oxigênio
no sangue ≤93%, relação PaO2/FiO2 < 300 e/ou infiltrados pulmonares > 50%
do campo pulmonar, em 24 a 48 horas. 6,1% dos pacientes tiveram quadros
críticos, com insuficiência respiratória, choque séptico e/ou disfunção de
múltiplos órgãos. Indivíduos com maior risco de doença grave foram idosos e
portadores de doenças crônicas. (WHO, 2020)
Estudo observacional retrospectivo com 52 pacientes adultos gravemente
enfermos com pneumonia por SARS-CoV-2, admitidos na UTI do Hospital
Wuhan Jin Yin-tan (Wuhan, China) entre dezembro/2019 e janeiro/2020,
mostrou que o conjunto de sinais e sintomas apresentados foi: febre (98%),
tosse (77%), dispneia (63,5%), mialgia ou artralgia (11,5%), mal estar (35%),
rinorreia (6%), e dor torácica (2%). A média de idade dos pacientes foi de 59,7
anos (com quadros mais graves progredindo com a idade) e 40% apresentava
doenças crônicas associadas. A maioria dos pacientes apresentou insuficiência
em algum órgão: SDRA (67%), insuficiência renal aguda (29%), insuficiência
cardíaca (23%), insuficiência hepática (29%) e pneumotórax (2%). 71% dos
pacientes necessitaram de ventilação mecânica (insuficiência respiratória).
Pacientes que vieram a óbito eram mais velhos. (Yang et al., 2020)
Estudo observacional retrospectivo de 81 pacientes internados com pneumonia
por COVID-19 entre dezembro/2019 e janeiro/2020 descreveu os achados
radiológicos (TC de tórax). Os sintomas iniciais mais comuns foram febre (73%)
e tosse seca (59%). Outros sintomas não específicos incluíam tontura (2%),
diarreia (4%), vômito (5%), dor de cabeça (6%) e fraqueza generalizada (9%).
Marcus Zulian Teixeira
27
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Nas imagens pulmonares, 79% apresentaram envolvimento pulmonar bilateral,
54% com distribuição periférica e 44% com distribuição difusa, envolvendo,
principalmente, os lobos inferiores direitos (27%). O padrão predominante de
anormalidades observado foi opacidade em vidro fosco (65%), margens mal
definidas (81%), espessamento septal interlobular liso ou irregular (35%),
broncograma aéreo (47%) e espessamento da pleura adjacente (32%). A
pneumonia por COVID-19 manifestou-se com anormalidades radiológicas
mesmo em pacientes assintomáticos (fase pré-clínica), com rápida evolução de
opacidade em vidro fosco unilateral focal para bilateral difusa, transformando-
se em consolidações ao longo de três semanas. (Shi et al., 2020)
Utilizando os dados desses estudos e seguindo as orientações de Kent (Lição
III, 1998), inicialmente, devemos registrar “os sintomas de forma esquemática
(classificação repertorial), colocando na frente de cada sintoma o mero de
pacientes (%) que o manifestaram, descobrindo os traços essenciais da
epidemia através da totalidade sintomática comum (sinais e sintomas
patognomônicos) e característica (sinais e sintomas peculiares)”. (Tabela 2)
Tabela 2. Totalidade de sinais e sintomas da COVID-19
Totalidade de sinais
e sintomas
WHO, 2020
(n=55924)
Yang et al.,
2020 (n=52)
Shi et al., 2020
(n=81)
Febre
87,9%
98%
73%
Calafrios
11,4%
Tosse seca
67,7%
77%
59%
Dispneia
18,6%
63,5%
não relatado
Fadiga / Fraqueza
38,1%
9%
Mal estar
35%
Tontura
2%
Produção de catarro
33,4%
Mialgia ou artralgia
14,8%
11,5%
Confusão mental
Dor de cabeça
13,6%
6%
Dor de garganta
13,9%
Rinorreia
6%
Congestão nasal
4,8%
Hemoptise
0,9%
Congestão conjuntival
0,8%
Dor torácica
2%
Diarreia
3,7%
4%
Náusea e vômito
5,0%
5%
Insuficiência
respiratória (aguda) /
SDRA
aguda (6,1%)
71% /
67% (SDRA)
não relatado
Pneumonia
(maior risco em idosos
e portadores de
grave (13,8%)
grave (100%)
grave (100%)
não relatado
bilateral (79%)
periférica (54%)
Marcus Zulian Teixeira
28
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
doenças crônicas)
difusa (44%)
lobo inf. D (27%)
Opacidade em vidro
fosco
65%
Margens mal definidas
81%
Espessamento septal
35%
Espessamento pleural
32%
Broncograma aéreo
47%
Pneumotórax
2%
Insuficiência de
múltiplos órgãos /
sepse
6,1%
IRA (29%), IC
(23%), IH
(29%)
não relatado
Obs.: ‘não relatadose refere à inquestionável existência do sinal/sintoma, embora não tenha
sido quantificado e computado.
Apesar da ausência de estudos científicos que fundamentem a ocorrência de
anosmia nessa epidemia, médicos de diversos países (China, Coreia do Sul, Itália,
Inglaterra, Alemanha, Fraa, Estados Unidos e Irã, dentre outros) têm relatado a
perda do olfato (e a consequente perda do paladar) em grande porcentagem de
pacientes acometidos pela COVID-19, sugerindo que a presença de anosmia súbita
(associada ou não a sintomas respiratórios) pode indicar a infecção pelo SARS-Cov-
2, assim como foi observado em outras viroses (Suzuki et al., 2007).
Outro dado epidemiológico relacionado aos fatores cliticos, aspecto bastante
valorizado pela homeopatia individualizante como um sintoma geral (suscetibilidade
climática), vale ressaltar que essa pandemia, assim como outras epidemias
causadas por vírus respiratórios (sorotipos da influenza), está se disseminando
nas estações da primavera (Hemisfério Norte) e do outono (Hemisfério Sul),
nas quais predomina o tempo frio e seco.
De posse da descrição deste conjunto de sinais e sintomas, constatados em
centenas a milhares de pacientes, devemos selecionar os mais frequentes e
peculiares, a fim de que tenhamos o ‘gênio epidêmico’ da COVID-19. Em
seguida, é preciso transformar a linguagem comum desses sinais e sintomas
em linguagem repertorial’ (“classificação repertorial” dos sinais e sintomas,
segundo as rubricas homeopáticas repertoriais descritas no Repertório
Homeopático de Sintomas) (Ribeiro Filho, 1998) (Tabelas 3 e 4).
Acrescentaremos a esse conjunto de rubricas homeopáticas repertoriais aquela
que agrupa os medicamentos homeopáticos que apresentaram eficácia clínica
em outras epidemias de vírus respiratórios (influenza) no passado, conforme
descrevemos no histórico citado anteriormente (II.4. Evidências da eficácia da
homeopatia em doenças epidêmicas).
Marcus Zulian Teixeira
29
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Tabela 3. Totalidade sintomática geral da COVID-19
Sinais e sintomas na linguagem
comum
Sinais e sintomas na linguagem repertorial
(rubricas homeopáticas repertoriais)
Febre + tosse seca (início do quadro
em geral)
TOSSE SECA - Febre, durante
Dispneia
RESPIRAÇÃO DIFICIL
Mialgia + Artralgia
GENERALIDADES DOR - Músculos, dos
GENERALIDADES DOR - Articulações, das
Insuficiência respiratória (aguda) /
Síndrome do desconforto respiratório
agudo (SDRA)
RESPIRAÇÃO IMPEDIDA, obstruída
RESPIRAÇÃO PARADA, interrompida
RESPIRAÇÃO ANSIOSA
Pneumonia: em idosos, bilateral,
periférica (pleuropneumonia), difusa e
em lobo inferior D
Alterações radiológicas: opacidade em
vidro fosco (espessamento intersticial
ou colapso alveolar); espessamento
septal e pleural (infiltração ou fibrose)
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, velhos
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, direito
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, direito, lobo
inferior
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, pleuropneumonia
PEITO INFLAMAÇÃO, Pleura
Insuficiência de múltiplos órgãos /
sepse
RINS SUPRESSÃO da urina (anúria)
PEITO INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
GENERALIDADES - SEPTICEMIA
Anosmia
NARIZ E OLFATO OLFATO, falta, perda
Tempo frio e seco agrava (estações
do outono e da primavera)
GENERALIDADES ESTAÇÕES, no outono, agr.
GENERALIDADES ESTAÇÕES, na primavera, agr.
GENERALIDADES TEMPO, frio e seco, agr.
Medicamentos homeopáticos
utilizados em epidemias no passado
GENERALIDADES - INFLUENZA
Tabela 4. Totalidade sintomática geral da COVID-19 na linguagem repertorial
Marcus Zulian Teixeira
30
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Em seguida (Kent, Lição III, 1998), “utilizando um repertório de sintomas, o
médico homeopata selecionará seis ou sete medicamentos que cobrem a
totalidade sintomática daquela epidemia (grupo de medicamentos
individualizados do gênio epidêmico da COVID-19), fixando os quadros
individuais de cada medicamento no estudo da Matéria Médica Homeopática.
Realizando a repertorização da totalidade sintomática geral da COVID-19
(Tabela 5), surgem diversas possibilidades de medicamentos homeopáticos
individualizados do gênio epidêmico para serem empregados nessa epidemia,
tais como: Bryonia Alba, Phosphorus, Rhus toxicodendron e Arsenicum album,
dentre outros.
Tabela 5. Repertorização da totalidade sintomática geral da COVID-19
Em seguida (Kent, Lição III, 1998), procedendo do geral para o particular, pois
“não outro modo de proceder em homeopatia”, podemos adaptar as
características de cada enfermo às particularidades de cada medicamento
selecionado (individualização terapêutica), pois mesmo em indivíduos de uma
mesma família será observada “uma pequena diferença em cada caso”.
Marcus Zulian Teixeira
31
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Assim sendo, também devemos selecionar sinais e sintomas particulares a
cada estágio da doença e, posteriormente, repertorizar e selecionar os
medicamentos individualizados para administrar aos respectivos pacientes.
“A maioria das pessoas infectadas pelo vírus COVID-19 tem doença leve e se
recupera. Aproximadamente 80% dos pacientes confirmados laboratoriais tiveram
doença leve a moderada, o que inclui casos com e sem pneumonia; 13,8% têm
doença grave (dispneia, frequência respiratória ≥ 30/minuto, saturação de oxigênio
no sangue ≤ 93%, razão PaO2/FiO2 < 300, e/ou infiltrado pulmonar > 50% do
campo pulmonar em 24-48 horas); e 6,1% são críticos (insuficiência respiratória,
choque séptico e/ou disfunção/falência de múltiplos órgãos).(WHO, 2020, p. 12)
II.3.1. Medicamentos homeopáticos do nio epidêmico para prevenção
ou tratamento da doença leve a moderada (COVID-19)
Para esses estágios da doença, utilizaremos os sinais e sintomas de
acometimento leve a moderado (WHO, 2020), incluindo a pneumonia sem
maiores complicações. (Tabelas 6 a 8)
Tabela 6. Totalidade sintomática para prevenção ou doença leve a moderada
Sinais e sintomas na linguagem
comum
Sinais e sintomas na linguagem repertorial
(rubricas homeopáticas repertoriais)
Febre + tosse seca (início do quadro
em geral)
TOSSE SECA - Febre, durante
Dispneia
RESPIRAÇÃO DIFICIL
Mialgia + Artralgia
GENERALIDADES DOR - Músculos, dos
GENERALIDADES DOR - Articulações, das
Pneumonia em idosos
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, velhos
Anosmia
NARIZ E OLFATO OLFATO, falta, perda
Tempo frio e seco agrava (estações
do outono e da primavera)
GENERALIDADES TEMPO, frio e seco, agr.
Medicamentos homeopáticos
utilizados em epidemias no passado
GENERALIDADES INFLUENZA
Tabela 7. Totalidade sintomática para prevenção ou doença leve a moderada
Marcus Zulian Teixeira
32
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Tabela 8. Repertorização da totalidade sintomática para prevenção ou doença
leve a moderada
Assim como na repertorização da totalidade sintomática geral da COVID-19,
teríamos diversas possibilidades de medicamentos homeopáticos
individualizados do gênio epidêmico para serem empregados na prevenção ou
nos estágios iniciais (doença leve a moderada), tais como: Bryonia Alba, Rhus
toxicodendron, Nux vomica e Arsenicum album, dentre outros.
II.3.2 Medicamentos homeopáticos do gênio epidêmico para o tratamento
da doença grave (COVID-19)
Para esse estágio da doença, utilizaremos os sinais e sintomas de
acometimento grave (Chen et al., 2020). (Tabelas 9 a11)
Tabela 9. Totalidade sintomática para doença grave
Sinais e sintomas na linguagem
comum
Sinais e sintomas na linguagem repertorial
(rubricas homeopáticas repertoriais)
Febre + tosse seca (início do quadro
em geral)
TOSSE SECA - Febre, durante
Dispneia
RESPIRAÇÃO DIFICIL
Mialgia
GENERALIDADES DOR - Músculos, dos
Insuficiência respiratória (aguda) /
Síndrome do desconforto respiratório
agudo (SDRA)
RESPIRAÇÃO IMPEDIDA, obstruída
RESPIRAÇÃO PARADA, interrompida
RESPIRAÇÃO ANSIOSA
Marcus Zulian Teixeira
33
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Pneumonia: em idosos e bilateral
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, velhos
Tempo frio e seco agrava
GENERALIDADES TEMPO, frio e seco, agr.
Tabela 10. Totalidade sintomática para doença grave
Tabela 11. Repertorização da totalidade sintomática para doença grave
Assim como nas repertorizações anteriores, poderíamos supor diversas
possibilidades de medicamentos homeopáticos individualizados do gênio
epidêmico para serem empregados no quadro grave da COVID-19, tais como:
Bryonia alba, Arsenicum album, Opium e Nux vomica, dentre outros.
Marcus Zulian Teixeira
34
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
II.3.3 Medicamentos homeopáticos do gênio epidêmico para o tratamento
do estado crítico (COVID-19)
Para pacientes em estado crítico, utilizaremos os sinais e sintomas do
acometimento gravíssimo da COVID-19 (Yang et al., 2020; Shi et al., 2020).
(Tabelas 12 a 14)
Tabela 12. Totalidade sintomática para o estado crítico
Sinais e sintomas na linguagem
comum
Sinais e sintomas na linguagem repertorial
(rubricas homeopáticas repertoriais)
Insuficiência respiratória aguda
RESPIRAÇÃO PARADA, interrompida
Pneumonia: em idosos, bilateral,
periférica (pleuropneumonia), difusa e
em lobo inferior D
Alterações radiológicas: opacidade em
vidro fosco (espessamento intersticial
ou colapso alveolar); espessamento
septal e pleural (infiltração ou fibrose)
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, velhos
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, direito, lobo
inferior
PEITO INFLAMAÇÃO, Pulmões, pleuropneumonia
PEITO INFLAMAÇÃO, Pleura
Insuficiência de múltiplos órgãos /
sepse
RINS SUPRESSÃO da urina (anúria)
PEITO INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
GENERALIDADES - SEPTICEMIA
Tabela 13. Totalidade sintomática para o estado crítico
Tabela 14. Repertorização da totalidade sintomática para o estado crítico
Marcus Zulian Teixeira
35
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Por sua vez, para os estados críticos da COVID-19, a repertorização dos
respectivos sinais e sintomas sugerem outras possibilidades de medicamentos
homeopáticos individualizados do gênio epidêmico, tais como: Phosphorus,
Bryonia alba, Arsenicum album e Carbo vegetabilis, dentre outros.
Aos que questionam a possibilidade do uso da homeopatia individualizada em
pacientes graves, alguns estudos foram desenvolvidos na área (Centro de
Terapia Intensiva, CTI), evidenciando os benefícios da atuação complementar
e adjuvante do tratamento homeopático nesses casos. (Oberbaum et al., 2005;
Teixeira et al., 2008; Frass et al., 2011; Frass et al., 2015)
Conforme citado nos ensinamentos de Hahnemann e Kent, os diversos
medicamentos homeopáticos individualizados do gênio epidêmico,
selecionados para os diferentes estágios da COVID-19, devem ser
individualizados segundo as particularidades de cada enfermo, pois “nenhum
remédio deve ser dado porque está na lista, pois a lista foi feita apenas como
um meio de facilitar o estudo desta epidemia(Kent, 1998, Lição III). Trabalho
árduo do médico homeopata perante os seus pacientes, aos quais dedica o
seu cuidado individual e assume a responsabilidade pelos seus atos.
No entanto, caso se queira indicar um medicamento homeopático do
gênio epidêmico para tratar ou prevenir uma doença epidêmica numa
determinada população ou coletividade, sem um acompanhamento e uma
prescrição individual, é imprescindível submetê-lo a protocolo de
pesquisa clínica corretamente delineado, a fim de que se possa avaliar
sua eficácia e segurança.
Só então, em conformidade com os princípios bioéticos da beneficência e da
não maleficência, poderia ser sugerido para o uso em larga escala. Como
dizia Hipócrates, “primum non nocere”.
II.4. Aspectos éticos e bioéticos da pesquisa em seres
humanos
Todo projeto de pesquisa envolvendo seres humanos, tais como a
administração de um suposto medicamento homeopático do gênio epidêmico
para uma população ou coletividade, sem comprovação científica prévia de sua
eficácia e segurança, deve atender à Resolução 466, de 12 de Dezembro
Marcus Zulian Teixeira
36
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
de 2012 do Ministério da Saúde/ Conselho Nacional de Saúde (Brasil, 2012),
que incorpora, sob a ótica do indivíduo e das coletividades, referenciais da
bioética, tais como, autonomia, não maleficência, beneficência, justiça e
equidade, dentre outros, e visa a assegurar os direitos e deveres que dizem
respeito aos participantes da pesquisa, à comunidade científica e ao Estado”.
Dentre os aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos, inúmeros
fundamentos devem ser observados, tais como: respeito ao participante da
pesquisa, ponderação entre riscos e benefícios, garantia de que danos
previsíveis serão evitados e relevância social da pesquisa.
Por outro lado, a pesquisa deve observar inúmeras exigências, dentre as quais:
ser adequada aos princípios científicos que a justifiquem e com possibilidades
concretas de responder a incertezas; estar fundamentada em fatos científicos,
experimentação prévia e/ou pressupostos adequados à área específica da
pesquisa; ser realizada somente quando o conhecimento que se pretende obter
não possa ser obtido por outro meio; buscar sempre que prevaleçam os
benefícios esperados sobre os riscos e/ou desconfortos previsíveis; obter
consentimento livre e esclarecido do participante da pesquisa e/ou seu
representante legal; assegurar aos participantes da pesquisa as condições de
acompanhamento, tratamento, assistência integral e orientação, enquanto
necessário; dentre outras.
Toda pesquisa envolvendo seres humanos deve ser submetida à apreciação
de Comitês de Ética em Pesquisa (CEP) ou do Comitê Nacional de Ética em
Pesquisa (CONEP), que, ao analisar e decidir aprová-lo, se torna
corresponsável por garantir a proteção dos participantes. A revisão ética dos
projetos de pesquisa envolvendo seres humanos deverá ser associada à sua
análise científica, que deve estar corretamente fundamentada no texto.
A responsabilidade do pesquisador é indelegável e indeclinável e compreende
os aspectos éticos e legais, cabendo ao pesquisador: apresentar o protocolo
devidamente instruído ao CEP ou à CONEP, aguardando a decisão de
aprovação ética, antes de iniciar a pesquisa; elaborar o Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE); desenvolver o projeto conforme
delineado; elaborar e apresentar os relatórios parciais e final; dentre outros
deveres e responsabilidades.
Marcus Zulian Teixeira
37
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Dentre inúmeros outros aspectos éticos e bioéticos da pesquisa envolvendo
seres humanos, trouxemos algumas premissas básicas para exemplificar as
faltas graves cometidas por aqueles que se propõe a distribuir,
indiscriminadamente, medicamentos homeopáticos para toda uma coletividade
sem a observância dos princípios éticos e bioéticos, fundamentais para que a
segurança dos participantes e a eficácia da medida sejam garantidas.
Para a administração de determinado medicamento homeopático do gênio
epidêmico para uma população, ou qualquer outra proposta terapêutica sem
comprovação científica, é necessário que se realizem, previamente, ensaios
clínicos controlados, em conformidade com os passos citados nessa
Resolução.
Este protocolo tem o intuito de exemplificar os aspectos indispensáveis para a
elaboração de um projeto de pesquisa clínica, assim como a dinâmica
necessária para executar um protocolo segundo as diretrizes éticas e
científicas, esclarecendo os colegas homeopatas quanto às premissas que
devem ser seguidas na pesquisa clínica envolvendo seres humanos.
Por outro lado, estamos submetendo o referido protocolo a pesquisadores e
gestores da saúde, solicitando uma oportunidade para propor, discutir e aplicar
esse projeto nas instituições de pesquisa e serviços de saúde que trabalham
e/ou administram, com o intuito de pesquisar e selecionar medicamentos
homeopáticos do gênio epidêmico da COVID-19 apropriados para os diversos
estágios da doença, assim como, em um segundo momento, poder aplicá-lo de
forma preventiva e comunitária.
Além das expectativas anteriores, a divulgação desse protocolo na forma online
e de livre acesso (indexado no Portal Regional da BVS) também objetiva
sensibilizar e convidar outros pesquisadores, homeopatas ou não, a aplicarem
o método proposto em suas unidades de trabalho ou pesquisa, permitindo o
aumento da amostra de pacientes (maior acurácia dos resultados) e a
elaboração de um projeto multicêntrico de pesquisa do uso da homeopatia em
doenças epidêmicas.
Marcus Zulian Teixeira
38
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
III. JUSTIFICATIVA DO ESTUDO
Em vista da ausência de terapias preventivas e/ou curativas para o atual surto
do SARS-Cov-2 que assola a humanidade, das centenas de milhares de
indivíduos infectados em todo o mundo, das dezenas de milhares de doentes
acometidos pela COVID-19, dentre os quais milhares foram a óbito, e sendo o
Brasil o próximo epicentro dessa pandemia, com aumento exponencial de
doentes e mortes, torna-se imprescindível a busca por outras abordagens
terapêuticas e/ou profiláticas que possam atuar de forma adjuvante e
complementar às medidas higiênicas e de isolamento vigentes, estando na
homeopatia uma alternativa de baixo custo e segura.
Assim como atuou na prevenção e no tratamento de diversas epidemias no
passado, o medicamento homeopático individualizado para o gênio epidêmico
da COVID-19 poderia ser adotado em todos os segmentos dos serviços de
sáude e da sociedade, desde que se mostre efetivo e seguro.
Após o estudo aprofundado e o levantamento de algumas hipóteses
medicamentosas que podem atuar terapêutica e preventivamente na atual
epidemia, estamos propondo a realização de um estudo duplo-cego e placebo-
controlado para testar a eficácia e a segurança do(s) medicamento(s)
homeopático(s) X, Y e/ou Z (deve-se escolher qual ou quais os medicamentos
a serem testados) no tratamento adjuvante e complementar dos diversos
estágios da COVID-19.
Caso a hipótese se confirme no tratamento das fases iniciais da doença
(doença leve a moderada), o medicamento também poderá ser utilizado em
larga escala na prevenção da atual epidemia, pois, como Hahnemann observou
no emprego da Atropa belladonna no tratamento e na prevenção da
escarlatina, um remédio que é capaz de rapidamente bloquear uma doença
em seus primórdios também deve ser o seu melhor preventivo (“Cura e
prevenção da febre escarlate”, Hahnemann, 2006b).
Marcus Zulian Teixeira
39
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
IV. OBJETIVO DO ESTUDO
O objetivo deste estudo será avaliar a eficácia do(s) medicamento(s)
homeopático(s) X, Y e/ou Z (deve-se escolher qual ou quais os medicamentos
a serem testados) nas potências 30, 200 e 1000cH como tratamento adjuvante
e complementar nos diversos estágios da COVID-19, por meio de ensaio
clínico randomizado, duplo-cego e placebo-controlado.
Marcus Zulian Teixeira
40
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
V. PACIENTES E MÉTODO
Com este projeto, propomos realizar um ensaio clínico randomizado, duplo-
cego e placebo-controlado de curto prazo (2-3 meses) administrando o(s)
medicamento(s) homeopático(s) X, Y e/ou Z (deve-se escolher qual ou quais os
medicamentos a serem testados) (dinamizações 30, 200 e 1000cH)
1
ou
‘placebo’ a pacientes portadores da COVID-19 nos diversos estágios da
doença, concomitante às medidas de suporte e tratamento convencionais.
Esse estudo será realizado com pacientes admitidos em enfermarias ou CTIs
do W (Instituição onde será realizado o estudo).
Serão respeitados os princípios éticos, práticos e de biossegurança estipulados
pelo Ministério da Saúde e pelas Comissões de Ética em Pesquisa com Seres
Humanos da instituição, bem como os protocolos técnicos do hospital e dos
médicos envolvidos. O estudo será iniciado somente após a aprovação do
Comitê de Ética em Pesquisa da Instituição.
V.1. Cálculo da amostra
Para cada estágio da COVID-19 (doença leve a moderada, doença grave e
estados críticos), serão estudados 50 pacientes (25 em cada grupo: ‘ativo’ e
‘placebo’) com doença manifesta e diagnosticada por meio de exame
quantitativo da carga viral (RT-qPCR), acompanhados no T e/ou U (enfermaria
e/ou CTI da referida Instituição). Todos os pacientes e/ou seus
acompanhantes/responsáveis serão previamente informados do estudo e
assinarão o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) (Anexo 1)
antes de ingressarem no protocolo.
V.2. Critérios de inclusão e exclusão
Serão considerados critérios de inclusão: ? (se houver, incluir segundo a
população escolhida para participar no projeto)

1
‘cH’ significa ‘Centesimal Hahnemanniana’, que corresponde ao número de diluições
centesimais (1/100 ou 10-2), seguidas por 100 sucussões, às quais a substância matriz é
submetida no processo farmacotécnico da dinamização, segundo a Farmacopéia Homeopática
Brasileira. Na dinamização 30cH, a substância matriz encontra-se na concentração 10-60 M
(30x10-2 M), inferior ao Número de Avogadro (10-23 M), na qual ocorre ausência de molécula-
grama da substância matriz na solução.
Marcus Zulian Teixeira
41
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Serão considerados critérios de exclusão: ? (se houver, incluir segundo a
população escolhida para participar no projeto)
V.3. Dinâmica do estudo
Para participação no projeto, os prontuários dos pacientes acompanhados no T
e/ou U (enfermaria e/ou CTI da referida Instituição) serão avaliados visando
confirmar os critérios gerais de inclusão/exclusão. Em caso positivo, os
pacientes e/ou seus acompanhantes/responsáveis legais assinarão o TCLE
(Anexo 1).
V.3.1. Ensaio clínico randomizado, duplo-cego e placebo-controlado
Preenchidos os critérios de inclusão/exclusão e assinado o TCLE, os pacientes
e/ou seus acompanhantes/responsáveis legais serão encaminhados ao
pesquisador executante para serem esclarecidos sobre a dinâmica do
tratamento homeopático proposto e receberão o(s) medicamento(s) ‘ativo’ (X, Y
e/ou Z na potência 30CH) ou ‘placebo’, segundo escala de randomização
previamente estipulada conforme o número de entrada da paciente no
protocolo (01, 02, 03, etc.) ou número do leito/quarto de enfermaria/UTI, cada
qual com o seu frasco específico, previamente randomizado e ‘cegado’ para o
medicamento em uso (‘ativo’ ou ‘placebo’), de forma que pesquisador e
pacientes não tenham conhecimento do grupo alocado.
Todo paciente permanecerá no mesmo grupo alocado (‘ativo’ ou ‘placebo’) até
o término do seu tratamento hospitalar e a administração do(s) medicamento(s)
(‘ativo’ ou ‘placebo’) aos pacientes será realizada pela equipe de enfermagem
na posologia prescrita.
O(s) medicamento(s) (‘ativo’ ou ‘placebo’) serão administrados, inicialmente, na
posologia de 5 gotas, 4 vezes ao dia (podendo ser individualizada, aumentada
ou diminuída, em conformidade com o estágio da doença e a evolução do
quadro). Toda mudança na posologia deve constar no prontuário do paciente, a
fim de que possibilite análise futura da evolução dos grupos (‘ativo’ e ‘placebo’).
No caso da randomização por número do leito/quarto de enfermaria/UTI,, com
a alta do paciente, o novo paciente permanecerá no mesmo grupo (ativo ou
Marcus Zulian Teixeira
42
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
placebo) do leito/quarto inicialmente randomizado, facilitando o trabalho de
distribuição e administração do medicamento pela equipe de enfermagem.
Os pacientes serão avaliados diariamente (ou várias vezes ao dia) pelo(s)
pesquisador(es) executante(s), durante o período de internação/tratamento. A
cada dia, os efeitos do medicamento (‘ativo’ ou ‘placebo’) na evolução geral do
quadro clínico serão avaliados pela leitura do prontuário, conversa com a
equipe médica e/ou anamnese individual, permitindo um ajuste na posologia
(doses e potências) em função da resposta clínica: em caso de resposta
constante e progressiva, a potência 30cH será mantida; em caso de ausência
ou resposta insuficiente, a potência será aumentada para 200cH e 1000cH,
sucessivamente.
Essa ‘individualização da potência’ torna-se necessária para a obtenção de
ganhos progressivos na resposta terapêutica homeopática, em função da
tolerância a uma mesma potência observada após um período de uso
(analogamente à imunoterapia oral).
Como premissa obrigatória para avaliar a segurança da proposta, os possíveis
eventos adversos serão avaliados periodicamente, sendo notificados em
Formulário de Eventos Adversos (Anexo 2).
As pacientes e seus acompanhantes/responsáveis legais terão fácil acesso ao
pesquisador (telefones e whatsapp), a fim de que possíveis mudanças no
quadro clínico sejam comunicados e as medidas inerentes (ajuste na
posologia) sejam rapidamente instituídas.
Ao término do período de tratamento hospitalar, os dados dos pacientes serão
computados e armazenados, a fim de que a evolução dos grupos possa ser
analisada estatisticamente.
V.3.2. Preparo e fornecimento da medicação
O preparo e fornecimento dos medicamentos ‘ativo’ (X, Y e/ou Z nas
dinamizações 30, 200 e 1000cH)) e ‘placebo’ para o período de estudo será
realizado pelo Laboratório ou Farmácia ? (farmacêutico responsável e contato).
O medicamento será disponibilizado na forma líquida, em solução
hidroalcoólica a 20%, acondicionado em frascos de 60ml com conta-gotas e
aviado segundo a Farmacopéia Homeopática Brasileira (Farmacopéia
Homeopática Brasileira, 2011). Os frascos com volume de 60 ml serão
Marcus Zulian Teixeira
43
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
suficientes para a dosagem proposta para cada paciente pelo período de 2
meses (3 gotas, 4 vezes ao dia, que corresponde a 720 gotas), sendo
substituídos quando terminarem.
V.3.3. Análise estatística
As diferentes variáveis de evolução clínica da COVID-19 serão analisadas
estatisticamente (análise global entre grupos ‘ativo’ e ‘placebo’), para verificar a
possível existência de resposta clínica significativa às intervenções. As
variáveis quantitativas serão descritas segundo grupos com uso de medidas
resumo e comparadas entre os grupos através de testes comparativos, testes t-
Student ou testes Mann-Whitney conforme distribuição de probabilidade das
variáveis.
V.3.4. Plano de trabalho
Este projeto tem perspectiva de duração de n (semanas ou meses), sendo n1
(dias ou semanas) para a seleção das pacientes, n2 (semanas ou meses) para
o ensaio clínico e n3 (semanas ou meses) meses para análise e publicação
dos resultados, conforme plano de trabalho abaixo. (Tabela 15)
Tabela15. Plano de trabalho com fases do projeto e procedimentos
Fases do Projeto
Responsáveis
Procedimentos
Seleção das
pacientes
Profissional do W
Pesquisador(es)
executante(s)
Anamnese e/ou leitura do prontuário para
confirmação dos critérios de inclusão/exclusão e
assinatura do TCLE.
Início do
tratamento
Pesquisador(es)
executante(s)
Esclarecimento sobre a dinâmica do tratamento
e início da dispensação dos medicamentos
‘ativo’ e ‘placebo’ conforme a escala de
randomização.
Durante todo o
período de
tratamento
Pesquisador(es)
executante(s)
Avaliação diária dos pacientes, a fim de realizar
o ajuste da posologia em conformidade com a
evolução do quadro clínico.
Final do período de
tratamento
Pesquisador(es)
executante(s)
Os dados dos pacientes serão computados e
armazenados.
Análise e
publicação dos
resultados
Pesquisador(es)
executante(s)
Tabulação dos dados, análise estatística,
redação e publicação dos resultados.
Marcus Zulian Teixeira
44
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
V.3.5. Orçamento
O orçamento previsto para a realização deste projeto baseia-se no custo das
medicações, sendo estimado em R$ ?.
V.3.6. Equipe de Trabalho
1. Prof. Dr. Marcus Zulian Teixeira: Pesquisador responsável.
2.
3.
Marcus Zulian Teixeira
45
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Baker WF. Research work in Gelsemium sempervirens and Bryonia alba in
influenza. J Am Inst Homeopath 1920; 12: 695-8.
Bradford TL. The logic of figures or comparative results of homeopathic and
other treatments. Montana: Kessinger Publishing; 2007.
Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS
466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em:
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Especializada à Saúde
(SAES). Protocolo de manejo clínico para o novo coronavírus (SARS-Cov-2).
Brasília, 2020a. Disponível em:
https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/fevereiro/11/protocolo-
manejo-coronavirus.pdf.
British Homoeopathic Society (Meeting). Discussion on the treatment of
influenza and its complications as seen in the present epidemic. British
Homoeopathic Journal 1918; 8(12): 305-12.
Chen N, Zhou M, Dong X, et al. Epidemiological and clinical characteristics of
99 cases of 2019 novel coronavirus pneumonia in Wuhan, China: a descriptive
study. Lancet 2020; 395(10223): 507-13. Disponível em:
https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30211-7.
Cremesp. Câmara Técnica de Homeopatia. Dossiê Especial: Evidências
Científicas em Homeopatia. Rev Homeopatia (São Paulo. Online) 2017a;
80(1/2). Disponível em: http://revista.aph.org.br/index.php/aph/issue/view/41.
Cremesp. Câmara Técnica de Homeopatia. Dossiê Especial: Evidências
Científicas em Homeopatia. Rev Homeopatia (São Paulo. Impressa) 2017b;
80(Supl 1/2). Disponível em:
http://www.bvshomeopatia.org.br/revista/RevistaHomeopatiaAPHano2017VOL8
0Supl1-2.pdf.
Cremesp. Technical Chamber of Homeopathy. Special Dossier: Scientific
Evidence for Homeopathy. Rev Homeopatia (São Paulo. Online) 2017c;
80(3/4). Disponível em: http://revista.aph.org.br/index.php/aph/issue/view/42.
Marcus Zulian Teixeira
46
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Dantas F. Do homeopathic medicines cause drug-dependent adverse effects or
aggravations? Rev Homeopatia (São Paulo) 2017; 80(3/4): 142-50.
Dantas F, Rampes H. Do homeopathic medicines provoke adverse effects? A
systematic review. Br Homeopath J 2000; 89(Suppl. I): S35-8.
Dantas F, Mathie RT, Frye J, Nayak C. Homeopathy in the treatment of
influenza: a data collection proposal. Int J High Dilution Res 2008; 7(23): 56-62.
Dewey WA. Homeopathy in influenza: a chorus of fifty in harmony. J Am Inst
Homeopath 1921; 11: 1038-43.
Dudgeon RE. Hahnemann‟s discovery of the prophylactic powers of belladonna
in scarlet fever: allopathic testimony to this prophylactic. In: Dudgeon RE,
Lectures on the theory & practice of homoeopathy. New Delhi: B Jain
Publishers; 2002.
Dunham C. Lectures on materia medica. New Delhi: B Jain Publishers; 1994
Farmacopéia Homeopática Brasileira. 3. ed. Brasília: Anvisa, 2011. Disponível
em: http://portal.anvisa.gov.br/farmacopeia-homeopatica.
Frass M, Linkesch M, Banyai S, et al. Adjunctive homeopathic treatment in
patients with severe sepsis: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial
in an intensive care unit. 2005. Homeopathy 2011; 100(1-2): 95-100.
Frass M, Bünder M, Teixeira MZ, et al. Homeopathy in Intensive Care and
Emergency Medicine. Editor: Michael Frass; Martin Bünder. Publisher:
Narayana Verlag; 2015. Disponível em: https://www.amazon.com/Homeopathy-
Intensive-Care-Emergency-Medicine/dp/3955820777.
Ernst E, Pittler MH. Efficacy of homeopathic arnica: a systematic review of
placebo-controlled clinical trials. Arch Surg 1998; 133(11): 1187-90.
Hahnemann S. Materia medica pura. New Delhi: B Jain Publishers; 1994.
Hahnemann S. Organon der Heilkunst. Organon da arte de curar. 6ª ed.
Traduzido por Edméa Marturano Villela e Izao Carneiro Soares. Ribeirão Preto:
Museu de Homeopatia Abrahão Brickmann, 1995. Disponível em:
http://homeoint.org/books4/organon/index.htm.
Hahnemann S. Alguns tipos de febres contínuas e remitentes. In: Dudgeon RE,
Escritos menores de Samuel Hahnemann. São Paulo: Editora Organon; 2006a.
Hahnemann S. Cura e prevenção da febre escarlate. In: Dudgeon RE, Escritos
menores de Samuel Hahnemann. São Paulo: Editora Organon; 2006b.
Marcus Zulian Teixeira
47
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Hahnemann S. Causa e prevenção da cólera asiática. In: Dudgeon RE,
Escritos menores de Samuel Hahnemann. São Paulo: Editora Organon; 2006c.
Hahnemann S. Tratamento do tifo ou febre hospitalar que predomina no
momento. In: Dudgeon RE, Escritos menores de Samuel Hahnemann.o
Paulo: Editora Organon; 2006d.
Homeopathy. Special Issue: The Memory of Water. Homeopathy 2007; 96(3):
141-230. Disponível em:
https://www.sciencedirect.com/journal/homeopathy/vol/96/issue/3.
Homeopathy. Special Issue: Biological models of homeopathy Part 1.
Homeopathy. 2009; 98(4): 183-302. Disponível em:
https://www.sciencedirect.com/journal/homeopathy/vol/98.
Homeopathy. Special Issue: Biological models of homeopathy Part 2.
Homeopathy. 2010; 99(1): 1-88. Disponível em:
https://www.sciencedirect.com/journal/homeopathy/vol/99/issue/1.
Homeopathy Research Institute. The homeopathy debate. Disponível em:
https://www.hri-research.org/resources/homeopathy-the-debate/.
Hoover TA. Homeopathic prophylaxis: fact or fiction. J Am Inst Homeopath.
2001; 94(3): 168-175.
Hufeland CW. Prophylactic power of Belladonna in scarlet fever. Hufeland‟s
Journal der practischen Arzneykunde, 1826.
Jacobs J, Jonas WB, Jiménez-Pérez M, Crothers D. Homeopathy for childhood
diarrhea: combined results and metaanalysis from three randomized, controlled
clinical trials. Pediatr Infect Dis J 2003; 22(3): 229-34.
Jacobs J, Guthrie BL, Montes GA, et al. Homeopathic combination remedy in
the treatment of acute childhood diarrhea in Honduras. J Altern Complement
Med 2006; 12(8): 723-32.
Jahn S. [The flu epidemic after World War I and homeopathy--an international
comparison]. Med Ges Gesch 2014; 32: 231-72.
Kent JT. Lições de filosofia homeopática. São Paulo: Editorial Homeopática
Brasileira; 1998.
Leary B. Cholera 1854: update. Br Homeopath J 1994; 83: 117-21.
Leary B. The homeopathic management of cholera in the nineteenty century
with special reference to the epidemic in London, 1854. Med Ges Gesch 1997;
16: 125-44.
Marcus Zulian Teixeira
48
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Marino R. Homeopatia em saúde coletiva: contribuição ao estudo das
epidemias [Dissertação]. São José do Rio Preto: Faculdade de Medicina de
São José do Rio Preto; 2006.
Marino R. Homeopathy and collective health: the case of dengue epidemics. Int
J High Dilution Research 2008; 7(25): 179-85.
Mathie RT, Lloyd SM, Legg LA, et al. Randomised placebo-controlled trials of
individualised homeopathic treatment: systematic review and meta-analysis.
Syst Rev. 2014; 3:142.
Mathie RT, Ramparsad N, Legg LA, et al. Randomised, double-blind, placebo-
controlled trials of non-individualised homeopathic treatment: systematic review
and meta-analysis. Syst Rev. 2017; 6(1):63.
Mokkapatti R. An experimental double-blind study to evaluate the use of
Euphrasia in preventing conjunctivitis. Br Homoeopath J 1992; 81(1): 22-4.
Oberbaum M, Singer SR, Friehs H, Frass M. Homeopathy in emergency
medicine. Wien Med Wochenschr 2005; 155(21-22): 491-7.
Oliveira MAP, Velarde LGC, Sá RAM. Ensaios clínicos randomizados: Série
Entendendo a Pesquisa Clínica 2. Femina 2015; 43(1). Disponível em:
http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2015/v43n1/a4842.pdf.
Ribeiro Filho A. Repertório Homeopático Digital II (Edição Eletrônica). São
Paulo: Organon, 1998.
Shalts E. Consistently proven effective. In: The American Institute of
Homeopathy handbook for parents. San Francisco: Jossey-Bass; 2005.
Shang A, Huwiler-Müntener K, Nartey L, et al. Are the clinical effects of
homoeopathy placebo effects? Comparative study of placebo-controlled trials of
homoeopathy and allopathy. Lancet 2005; 366(9487): 726-32.
Shepherd D. Homeopathy in epidemic diseases. London: The C.W. Daniel
Company Limited; 1996.
Shi H, Han X, Jiang N, et al. Radiological findings from 81 patients with COVID-
19 pneumonia in Wuhan, China: a descriptive study. Lancet Infect Dis 2020 Feb
24. [Epub ahead of print]. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S1473-
3099(20)30086-4.
Suzuki M, Saito K, Min WP, et al. Identification of viruses in patients with
postviral olfactory dysfunction. Laryngoscope 2007; 117(2): 272-7.
Marcus Zulian Teixeira
49
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Teixeira MZ. Semelhante cura semelhante: o princípio de cura homeopático
fundamentado pela racionalidade médica e científica. São Paulo: Editorial
Petrus, 1998.
Teixeira MZ. Similitude in modern pharmacology. Br Homeopath J 1999; 88(3):
112-20.
Teixeira MZ. Homeopathic use of modern medicines: utilisation of the curative
rebound effect. Med Hypotheses 2003 ;60(2): 276-83.
Teixeira MZ. Paradoxical strategy for treating chronic diseases: a therapeutic
model used in homeopathy for more than two centuries. Homeopathy 2005;
94(4): 265-6.
Teixeira MZ. Evidence of the principle of similitude in modern fatal iatrogenic
events. Homeopathy 2006; 95(4): 229-36.
Teixeira MZ. NSAIDs, Myocardial infarction, rebound effect and similitude.
Homeopathy 2007a; 96(1): 67-8.
Teixeira MZ. Bronchodilators, fatal asthma, rebound effect and similitude.
Homeopathy 2007b; 96(2): 135-7.
Teixeira MZ. Homeopathy: a preventive approach to medicine? Int J High
Dilution Res 2009a; 8(29): 155-72. Disponível em:
http://highdilution.org/index.php/ijhdr/article/view/360.
Teixeira MZ. Possíveis contribuições do modelo homeopático à humanização
da formação médica. Rev Bras Educ Med 2009b; 33(3): 454-63.
Teixeira MZ. Antidepressants, suicidality and rebound effect: evidence of
similitude? Homeopathy 2009c; 98(2): 114-21.
Teixeira MZ. Ensaio clínico quali-quantitativo para avaliar a eficácia e a
efetividade do tratamento homeopático individualizado na rinite alérgica perene
[tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo;
2009d.
Teixeira MZ. Homeopatia nas doenças epidêmicas: conceitos, evidências e
propostas. Rev Homeopatia (São Paulo) 2010a; 73(1-2): 36-56. Disponível em:
http://revista.aph.org.br/index.php/aph/article/view/36.
Teixeira MZ. Statins withdrawal, vascular complications, rebound effect and
similitude. Homeopathy 2010b; 99(4): 255-62.
Marcus Zulian Teixeira
50
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Teixeira MZ. Novos Medicamentos Homeopáticos: uso dos fármacos modernos
segundo o princípio da similitude. São Paulo: Marcus Zulian Teixeira; 2010c, 3
vol. Disponível em: http://www.novosmedicamentoshomeopaticos.com.
Teixeira MZ. Scientific evidence of the homeopathic epistemological model. Int
J High Dilution Res 2011a; 10(34): 46-64.
Teixeira MZ. Rebound acid hypersecretion after withdrawal of gastric acid
suppressing drugs: new evidence of similitude. Homeopathy 2011b; 100(3):
148-56.
Teixeira MZ. New homeopathic medicines: use of modern drugs according to
the principle of similitude. Homeopathy 2011c; 100(4): 244-52.
Teixeira MZ. Homeopathic use of modern drugs: therapeutic application of the
organism paradoxical reaction or rebound effect. Int J High Dilution Res 2011d;
10(37): 338-52.
Teixeira MZ. Rebound effect of drugs: fatal risk of conventional treatment and
pharmacological basis of homeopathic treatment. Int J High Dilution Res 2012a;
11(39): 69-106.
Teixeira MZ. Antiresorptive drugs (bisphosphonates), atypical fractures and
rebound effect: new evidence of similitude. Homeopathy 2012b; 101(4): 231-42.
Teixeira MZ. Homeopatía: ¿Un enfoque preventivo de la medicina? La
Homeopatia Méx 2013a; 82(687): 7-21. Disponível em:
https://lahomeopatiademexico.com.mx/687_files/687%20LHM-2013%20dic-
nov.pdf.
Teixeira MZ. Immunomodulatory drugs (natalizumab), worsening of multiple
sclerosis, rebound effect and similitude. Homeopathy 2013b; 102(3): 215-24.
Teixeira MZ. Efeito rebote dos fármacos modernos: evento adverso grave
desconhecido pelos profissionais da saúde. Rev Assoc Med Bras 2013c; 59(6):
629-38.
Teixeira MZ. New Homeopathic Medicines database: A project to employ
conventional drugs according to the homeopathic method of treatment. Eur J
Integr Med 2013d; 5(3): 270-8.
Teixeira MZ. Protocolo de experimentação patogenética homeopática em
humanos. Rev Med (São Paulo) 2013e; 92(4): 242-63.
Teixeira MZ. Homeopatía: ¿Un enfoque preventivo de la medicina? La Teixeira
MZ. Isoprophylaxis is neither homeoprophylaxis nor homeopathic immunization,
Marcus Zulian Teixeira
51
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
but isopathic immunization unsupported by the homeopathic epistemological
model: A response to Golden. Int J High Dilution Res 2014; 13(46): 54-82.
Disponível em: http://highdilution.org/index.php/ijhdr/article/view/707.
Teixeira MZ. La isoprofilaxis no es homeoprofilaxis ni inmunización
homeopática, sino inmunización isopática, y no se fundamenta en el modelo
epistemológico homeopático: respuesta a Golden (parte 1 de 2). La
Homeopatia Méx 2015a; 84(696): 13-26. Disponível em:
https://lahomeopatiademexico.com.mx/696_files/696%20LHM-2015%20may-
jun.pdf.
Teixeira MZ. La isoprofilaxis no es homeoprofilaxis ni inmunización
homeopática, sino inmunización isopática, y no se fundamenta en el modelo
epistemológico homeopático: respuesta a Golden (parte 2 de 2). La
Homeopatia Méx 2015b; 84(697): 5-19. Disponível em:
https://lahomeopatiademexico.com.mx/697_files/697%20LHM-2015%20jul-
ago.pdf.
Teixeira MZ. Biological therapies (immunomodulatory drugs), worsening of
psoriasis and rebound effect: new evidence of similitude. Homeopathy 2016;
105(4): 344-55.
Teixeira MZ. Antropologia Médica Vitalista: uma ampliação ao entendimento do
processo de adoecimento humano. Rev Med (São Paulo) 2017a; 96(3): 145-58.
Teixeira MZ. Therapeutic use of the rebound effect of modern drugs: New
homeopathic medicines. Rev Assoc Med Bras 2017b; 63(2): 100-8.
Teixeira MZ. Special Dossier: Scientific Evidence for Homeopathy”. Rev Assoc
Med Bras 2018; 64(2): 93-4. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-
9282.64.02.93.
Teixeira MZ. Homeopatia: o que os médicos precisam saber sobre esta
especialidade médica. Teixeira MZ. Diagn Tratamento 2019; 24(4): 143-152.
Teixeira MZ, Lin CA, Martins MA. O ensino de práticas não-convencionais em
saúde nas faculdades de medicina: panorama mundial e perspectivas
brasileiras. Rev Bras Educ Méd 2004; 28(1): 51-60.
Teixeira MZ, Lin CA, Martins Mde A. Homeopathy and acupuncture teaching at
Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: the undergraduates’
attitudes. Sao Paulo Med J 2005; 123(2): 77-82.
Marcus Zulian Teixeira
52
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Teixeira MZ, Leal SM, Ceschin VM. Homeopathic practice in Intensive Care
Units: objective semiology, symptom selection and a series of sepsis cases.
Homeopathy 2008; 97(4): 206-13.
Teixeira MZ, Lin CA. Educação médica em terapêuticas não convencionais.
Rev Med (São Paulo). 2013; 92(4): 224-35.
Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Protocol of randomized controlled trial of
potentized estrogen in homeopathic treatment of chronic pelvic pain associated
with endometriosis. Homeopathy 2016; 105: 240-9.
Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Potentized estrogen in homeopathic
treatment of endometriosis-associated pelvic pain: A 24-week, randomized,
double-blind, placebocontrolled study. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 2017a;
211: 48-55.
Teixeira MZ, Podgaec S, Baracat EC. Reply to Letter to the Editor by Moran et
al. Comment on Potentized estrogen in homeopathic treatment of
endometriosis associated pelvic pain: A 24-week, randomized, double-blind,
placebo-controlled study’”. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 2017b; 214: 195-
7.
The Canadian Academy of Homeopathy. Debates. Homeopathy: Great
Medicine or Dangerous Pseudoscience? What do you consider to be the best
clinical evidence supporting the efficacy of homeopathy for any indication? Part
II of Dr. Saine’s Answer: Pneumonia during the 1918-1920 Influenza Pandemic.
2013.
The United States Pharmacopeial Convention. The United States
Pharmacopeia Dispensing Information. Easton: Mack Printing Co; 2004.
Vithoulkas G. Serious mistakes in meta-analysis of homeopathic research. J
Med Life. 2017; 10(1): 47-9.
Varela JMR, Rodriguez MC, Diaz JHT, Diaz OC, Palau MAV, Arguelles RAF.
Terapeutica homeopatica en la queratoconjuntivitis epidemica. Homeopatia
Méx 1995; 64(574): 2-9.
Vickers AJ, Smith C. Homoeopathic Oscillococcinum for preventing and treating
influenza-like syndromes. Cochrane Database Syst Rev 2006; 3: CD001957.
Von Bönninghausen CMF. Brief instructions for non-physicians concerning the
prophylaxis and treatment of asiatic cholera. In: von Bönninghausen CMF, The
Marcus Zulian Teixeira
53
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
lesser writings of C.M.F. von Boenninghausen. New Delhi: B Jain Publishers,
2005.
WHO. Report of the WHO-China Joint Mission on Coronavirus Disease 2019
(COVID-19). Disponível em: https://www.who.int/docs/default-
source/coronaviruse/who-china-joint-mission-on-COVID-19-final-report.pdf.
Yang X, Yu Y, Xu J, et al. Clinical course and outcomes of critically ill patients
with SARSCoV-2 pneumonia in Wuhan, China: a single-centered, retrospective,
observational study. Lancet Respir Med 2020 Feb 24. [Epub ahead of print].
Disponível em: https://doi.org/10.1016/S2213-2600(20)30079-5.
Marcus Zulian Teixeira
54
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
VII. ANEXOS
VII.1. Anexo 1 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE)
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE)
Dados da pesquisa
Título da pesquisa: Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a
segurança de medicamento homeopático individualizado no tratamento e na
prevenção da epidemia de COVID-19
Pesquisador principal:
Departamento/ Instituição:
Dados de identificação do participante da pesquisa ou responsável legal
1. Nome: .........................................................................................................................
Documento de identidade Nº: ........................................................... Sexo : M□ F□
Data nascimento: .........../.........../.........
Endereço: ........................................................................................... Nº:...... Apto: ......
Bairro: ................ Cidade: ..................... CEP:............ Telefone:.....................................
2. Responsável legal: ......................................................................................................
Natureza (grau de parentesco, tutor, curador etc.): .......................................................
Documento de identidade Nº: ........................................................... Sexo : M□ F□
Data nascimento: .........../.........../.........
Endereço: ........................................................................................... Nº:...... Apto: ......
Bairro: ................ Cidade: ..................... CEP:............ Telefone:.....................................
Introdução: Você está sendo convidado como voluntário a participar desta pesquisa
clínica, porque é portador de doença causada pelo coronavírus (COVID-19), está
apresentando sintomas da doença e está recebendo tratamento convencional. Este é
um estudo sobre a eficácia e a segurança do tratamento homeopático em
pacientes portadores da COVID-19, associado ao tratamento convencional
(tratamento homeopático complementar). O objetivo deste estudo será avaliar a
eficácia do medicamento homeopático X, Y e/ou Z dinamizado, comparado ao uso do
‘placebo’, no tratamento complementar da COVID-19. Para isto, todos os participantes
receberão medicamento homeopático ‘ativo’ (X, Y e/ou Z) ou o medicamento ‘inativo’
ou ‘placebo’ (substância inerte sem efeito farmacológico) durante o período de n
semanas (ensaio clínico randomizado, duplo-cego e placebo-controlado). Todos os
pacientes serão distribuídas nestes dois grupos (medicamento ‘ativo’ ou medicamento
‘placebo’) de forma aleatória (randomizada ou sorteada) e, assim como o médico, não
saberão em qual grupo foram alocados (duplo-cego). O tratamento home
Procedimentos: Serão incluídos nesse estudo pacientes em tratamento convencional e
em todos os estágios da doença.
Se você concordar em participar, será encaminhado ao médico homeopata para iniciar
o tratamento durante o seu período de internação nesse hospital, com avaliações
diárias do médico homeopata em conjunto com as demais equipes.
O medicamento será ministrado na dose de 5 gotas, na boca, 4 vezes ao dia (de 6 em
6 horas). Essas doses poderão ser aumentadas ou diminuídas conforme a avaliação
do médico homeopata, buscando uma melhora progressiva do seu estado.
Marcus Zulian Teixeira
55
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Desconfortos e riscos: Todo tipo de pesquisa clínica pode envolver algum risco, sendo
que nem todos são previsíveis. Você poderá vir a sentir algum desconforto durante o
tratamento, devido à ocorrência de reações adversas. Embora o tratamento
homeopático não costume apresentar efeitos adversos graves, é importante que
qualquer evento incomodativo que venha a ocorrer durante o estudo seja
prontamente relatado ao médico homeopata.
Benefícios: Não são garantidos benefícios diretos aos participantes. Trata-se de
estudo experimental testando a hipótese de que o tratamento homeopático pode
auxiliar na melhora de pacientes portadores da COVID-19. Somente no final do estudo
poderemos concluir sobre a presença de algum benefício. Sua participação pode
contribuir para o desenvolvimento de uma alternativa terapêutica para a atual epidemia
causada pelo coronavírus.
Tratamentos alternativos: Existem diversos medicamentos convencionais para tratar
os distúrbios causados pela doença e você não precisa participar deste estudo para
que o seu problema seja tratado com as terapêuticas aprovadas. Se você decidir
não participar do estudo, vai receber o tratamento considerado adequado para a sua
condição.
Garantia de acesso: Em qualquer etapa do estudo, você terá acesso aos profissionais
responsáveis pela pesquisa para esclarecimento de eventuais dúvidas. O investigador
principal é o Dr. xxx que pode ser encontrado nesta enfermaria ou CTI ou pelo
telefones/whatsapp yyy . Se você tiver alguma consideração ou dúvida sobre a ética
da pesquisa, entre em contato com o Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) (endereço e
contatos).
Participação/ encerramento: Você é livre para recusar-se a participar ou retirar seu
consentimento e interromper o tratamento a qualquer momento. A participação é
voluntária e a recusa em participar não irá acarretar qualquer penalidade ou perda de
benefícios. A recusa ou interrupção não prejudicará de forma alguma o benefício de
receber qualquer tratamento, agora ou no futuro, nesta Instituição.
Sigilo/ confidencialidade: Seus médicos vão tratar sua identidade com padrões
profissionais de sigilo. Seu prontuário vai permanecer confidencial. As informações
obtidas serão analisadas em conjunto com outros pacientes, o sendo divulgada a
identificação de nenhuma paciente. O pesquisador se compromete a utilizar os dados
e o material coletado somente para esta pesquisa. Uma cópia deste consentimento
informado será arquivada em seu prontuário médico e uma será fornecida a você.
Atualização sobre os resultados: Durante o decorrer do estudo, você será informada
sobre os resultados parciais da pesquisa. Se estes novos achados tornarem
necessário reavaliar a sua situação individual ou interromper a sua participação no
estudo, o médico homeopata irá lhe informar. Pode haver circunstâncias em que você
será afastado do estudo. Estas incluem piora marcante da sua condição, não adesão à
medicação em estudo, se o pesquisador considerar que é de seu melhor interesse ou
se o estudo for interrompido. Você poderá ser afastado sem a necessidade de seu
consentimento. Em caso de dano pessoal, diretamente causado pelos procedimentos
ou tratamentos propostos neste estudo (nexo causal comprovado), a participante terá
direito a tratamento médico na Instituição.
Despesas/ compensações: Não despesas pessoais para o participante em
qualquer fase do estudo. Também não compensação financeira relacionada à sua
participação.
Marcus Zulian Teixeira
56
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
Declaração do paciente: Eu acredito ter sido suficientemente esclarecido a respeito
das informações que li ou que foram lidas para mim, descrevendo o estudo
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de
medicamento homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da
epidemia de COVID-19”. Eu discuti com o Dr. xxx sobre a minha decisão em
participar nesse estudo. Ficaram claros para mim quais são os propósitos do estudo,
os procedimentos a serem realizados, seus desconfortos e riscos, as garantias de
confidencialidade e de esclarecimentos permanentes. Ficou claro também que minha
participação é isenta de despesas e que tenho garantia do acesso ao tratamento
convencional. Concordo voluntariamente em participar deste estudo e poderei retirar o
meu consentimento a qualquer momento, antes ou durante o mesmo, sem
penalidades, prejuízos ou perda de qualquer benefício que eu possa ter adquirido,
incluindo o meu atendimento neste Hospital.
________________________________________
Assinatura do paciente ou representante legal Data: _____ / _____/ _____
________________________________________
Assinatura da testemunha Data: _____ / _____/ _____
(Somente para o responsável do projeto)
Declaro que obtive de forma apropriada e voluntária o Consentimento Livre e
Esclarecido deste paciente ou representante legal para a participação neste estudo.
________________________________________
Assinatura do responsável pelo estudo Data: _____ / _____/ _____
Marcus Zulian Teixeira
57
Protocolo de pesquisa clínica para avaliar a eficácia e a segurança de medicamento
homeopático individualizado no tratamento e na prevenção da epidemia de COVID-19
VII.2. Anexo 2 Formulário de Eventos Adversos
Paciente: Identificação:
Formulário de Eventos Adversos
(incluir todos os eventos adversos que o paciente tenha tido desde a visita anterior,
esteja ou não relacionado ao fármaco)
Evento
Adverso
Início/
Término
Tipo de
Evento
(C) Constante
(I) Intermitente
(A) Após a dose
Relação
0. Não
relacionado
1. Possível
2. Provável
3. Relacionado
Ação do
Investigador
0. Nenhuma
1. Mudança na
dose
2. Suspensão da
medicação
3. Introdução de
nova medicação
4. Descontinua-
ção do estudo
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Full-text available
Article
The article discussed the immanent problems of meta-analyses selecting a number of independent trials in homeopathy, within which, the purpose was to examine the effectiveness of homeopathic treatment. Our focus lied in clarifying that the complex effects of homeopathic treatment known from history and day-to-day practice have not been respected so far. The examination of most of the homeopathic trials showed that studies rarely account for homeopathic principles, in order to assess the effectiveness of the treatment. The main flaw was that trials reflect the point of view that the treatment with a specific remedy could be administered in a particular disease. However, homeopathy aims to treat the whole person, rather than the diseases and each case has to be treated individually with an individualized remedy. Furthermore, the commonly known events during the course of homeopathic treatment, such as “initial aggravation” and “symptom-shift” were not considered in almost all the studies. Thus, only few trials were eligible for meta-analyses, if at all. These and other factors were discussed and certain homeopathic principles were suggested to be respected in further trials. It is expected, that a better understanding of homeopathic principles would provide guidelines for homeopathic research, which are more acceptable to both homeopathy and conventional medicine.
Full-text available
Article
BackgroundA rigorous systematic review and meta-analysis focused on randomised controlled trials (RCTs) of non-individualised homeopathic treatment has not previously been reported. We tested the null hypothesis that the main outcome of treatment using a non-individualised (standardised) homeopathic medicine is indistinguishable from that of placebo. An additional aim was to quantify any condition-specific effects of non-individualised homeopathic treatment. Methods Literature search strategy, data extraction and statistical analysis all followed the methods described in a pre-published protocol. A trial comprised ‘reliable evidence’ if its risk of bias was low or it was unclear in one specified domain of assessment. ‘Effect size’ was reported as standardised mean difference (SMD), with arithmetic transformation for dichotomous data carried out as required; a negative SMD indicated an effect favouring homeopathy. ResultsForty-eight different clinical conditions were represented in 75 eligible RCTs. Forty-nine trials were classed as ‘high risk of bias’ and 23 as ‘uncertain risk of bias’; the remaining three, clinically heterogeneous, trials displayed sufficiently low risk of bias to be designated reliable evidence. Fifty-four trials had extractable data: pooled SMD was –0.33 (95% confidence interval (CI) –0.44, –0.21), which was attenuated to –0.16 (95% CI –0.31, –0.02) after adjustment for publication bias. The three trials with reliable evidence yielded a non-significant pooled SMD: –0.18 (95% CI –0.46, 0.09). There was no single clinical condition for which meta-analysis included reliable evidence. Conclusions The quality of the body of evidence is low. A meta-analysis of all extractable data leads to rejection of our null hypothesis, but analysis of a small sub-group of reliable evidence does not support that rejection. Reliable evidence is lacking in condition-specific meta-analyses, precluding relevant conclusions. Better designed and more rigorous RCTs are needed in order to develop an evidence base that can decisively provide reliable effect estimates of non-individualised homeopathic treatment.
Full-text available
Book
This is a unique work, which documents how homeopathy can achieve predictably successful results in emergencies such as anaphylactic shock, acute abdomen, acute asthma, myocardial infarction of the inferior wall, and oedema of the glottis. The book contains 145 well-documented case histories, similar to those written by the old American homeopathic clinicians. In each case it is clearly demonstrated how to quickly find the best remedy using straightforward Kentian repertorisation. The results are impressive. The authors show that conventional treatment and homeopathy can perfectly complement each other. This work offers also a lot of general information on homeopathy like potentisation, source materials used in homeopathic remedies and methods of administration. It also comprises a stringently edited materia medica of the most important 70 remedies for ICU and emergency situations. Both editors have extensive experience in emergency medicine and homeopathy. Michael Frass is former head of the intensive internal medicine unit at the Medical University of Vienna and Martin Bünder also has long-standing service in rescue and emergency medicine. Available at: http://www.narayana-verlag.com/homeopathy/pdf/Homeopathy-in-Intensive-Care-and-Emergency-Medicine-Michael-Frass-Martin-Buendner.14188_1.pdf
Full-text available
Article
Em virtude da valorização dos aspectos técnico-científicos no modelo biomédico, aspectos subjetivos da individualidade foram desprezados, tornando a medicina moderna desumanizada e reducionista na abordagem do processo de adoecimento humano. Com o intuito de resgatar a relação médico-paciente e a atenção integral ao indivíduo enfermo, com nítidos reflexos na qualidade e eficácia dos serviços prestados, a preocupação com a humanização da saúde passou a ser uma prioridade dos sistemas públicos, com a implantação de iniciativas nos diversos níveis de atenção. Desta forma, propostas humanísticas estão sendo incorporadas à formação médica nos cursos de graduação em Medicina e na rede de Atenção Básica em Saúde, visando contemplar, entre outros aspectos, "a compreensão dos determinantes sociais, culturais, comportamentais, psicológicos, ecológicos, éticos e legais, nos níveis individual e coletivo do processo saúde-doença". Neste contexto, o modelo homeopático, por aplicar em sua prática clínica diária uma abordagem semiológico-terapêutica individualizante e humanística na compreensão do processo saúde-doença e no tratamento das enfermidades, valorizando os determinantes éticos, filosóficos, antropológicos, psicológicos e socioambientais, poderia contribuir de forma adjuvante e complementar a humanização da formação médica, desde que seus preceitos sejam incorporados de forma regular e gradativa ao processo ensino-aprendizagem das instituições públicas e acadêmicas.
Article
Background: A cluster of patients with coronavirus disease 2019 (COVID-19) pneumonia caused by infection with severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) were successively reported in Wuhan, China. We aimed to describe the CT findings across different timepoints throughout the disease course. Methods: Patients with COVID-19 pneumonia (confirmed by next-generation sequencing or RT-PCR) who were admitted to one of two hospitals in Wuhan and who underwent serial chest CT scans were retrospectively enrolled. Patients were grouped on the basis of the interval between symptom onset and the first CT scan: group 1 (subclinical patients; scans done before symptom onset), group 2 (scans done ≤1 week after symptom onset), group 3 (>1 week to 2 weeks), and group 4 (>2 weeks to 3 weeks). Imaging features and their distribution were analysed and compared across the four groups. Findings: 81 patients admitted to hospital between Dec 20, 2019, and Jan 23, 2020, were retrospectively enrolled. The cohort included 42 (52%) men and 39 (48%) women, and the mean age was 49·5 years (SD 11·0). The mean number of involved lung segments was 10·5 (SD 6·4) overall, 2·8 (3·3) in group 1, 11·1 (5·4) in group 2, 13·0 (5·7) in group 3, and 12·1 (5·9) in group 4. The predominant pattern of abnormality observed was bilateral (64 [79%] patients), peripheral (44 [54%]), ill-defined (66 [81%]), and ground-glass opacification (53 [65%]), mainly involving the right lower lobes (225 [27%] of 849 affected segments). In group 1 (n=15), the predominant pattern was unilateral (nine [60%]) and multifocal (eight [53%]) ground-glass opacities (14 [93%]). Lesions quickly evolved to bilateral (19 [90%]), diffuse (11 [52%]) ground-glass opacity predominance (17 [81%]) in group 2 (n=21). Thereafter, the prevalence of ground-glass opacities continued to decrease (17 [57%] of 30 patients in group 3, and five [33%] of 15 in group 4), and consolidation and mixed patterns became more frequent (12 [40%] in group 3, eight [53%] in group 4). Interpretation: COVID-19 pneumonia manifests with chest CT imaging abnormalities, even in asymptomatic patients, with rapid evolution from focal unilateral to diffuse bilateral ground-glass opacities that progressed to or co-existed with consolidations within 1-3 weeks. Combining assessment of imaging features with clinical and laboratory findings could facilitate early diagnosis of COVID-19 pneumonia. Funding: None.
Article
Background: An ongoing outbreak of pneumonia associated with the severe acute respiratory coronavirus 2 (SARS-CoV-2) started in December, 2019, in Wuhan, China. Information about critically ill patients with SARS-CoV-2 infection is scarce. We aimed to describe the clinical course and outcomes of critically ill patients with SARS-CoV-2 pneumonia. Methods: In this single-centered, retrospective, observational study, we enrolled 52 critically ill adult patients with SARS-CoV-2 pneumonia who were admitted to the intensive care unit (ICU) of Wuhan Jin Yin-tan hospital (Wuhan, China) between late December, 2019, and Jan 26, 2020. Demographic data, symptoms, laboratory values, comorbidities, treatments, and clinical outcomes were all collected. Data were compared between survivors and non-survivors. The primary outcome was 28-day mortality, as of Feb 9, 2020. Secondary outcomes included incidence of SARS-CoV-2-related acute respiratory distress syndrome (ARDS) and the proportion of patients requiring mechanical ventilation. Findings: Of 710 patients with SARS-CoV-2 pneumonia, 52 critically ill adult patients were included. The mean age of the 52 patients was 59·7 (SD 13·3) years, 35 (67%) were men, 21 (40%) had chronic illness, 51 (98%) had fever. 32 (61·5%) patients had died at 28 days, and the median duration from admission to the intensive care unit (ICU) to death was 7 (IQR 3-11) days for non-survivors. Compared with survivors, non-survivors were older (64·6 years [11·2] vs 51·9 years [12·9]), more likely to develop ARDS (26 [81%] patients vs 9 [45%] patients), and more likely to receive mechanical ventilation (30 [94%] patients vs 7 [35%] patients), either invasively or non-invasively. Most patients had organ function damage, including 35 (67%) with ARDS, 15 (29%) with acute kidney injury, 12 (23%) with cardiac injury, 15 (29%) with liver dysfunction, and one (2%) with pneumothorax. 37 (71%) patients required mechanical ventilation. Hospital-acquired infection occurred in seven (13·5%) patients. Interpretation: The mortality of critically ill patients with SARS-CoV-2 pneumonia is considerable. The survival time of the non-survivors is likely to be within 1-2 weeks after ICU admission. Older patients (>65 years) with comorbidities and ARDS are at increased risk of death. The severity of SARS-CoV-2 pneumonia poses great strain on critical care resources in hospitals, especially if they are not adequately staffed or resourced. Funding: None.
Article
Background: In December, 2019, a pneumonia associated with the 2019 novel coronavirus (2019-nCoV) emerged in Wuhan, China. We aimed to further clarify the epidemiological and clinical characteristics of 2019-nCoV pneumonia. Methods: In this retrospective, single-centre study, we included all confirmed cases of 2019-nCoV in Wuhan Jinyintan Hospital from Jan 1 to Jan 20, 2020. Cases were confirmed by real-time RT-PCR and were analysed for epidemiological, demographic, clinical, and radiological features and laboratory data. Outcomes were followed up until Jan 25, 2020. Findings: Of the 99 patients with 2019-nCoV pneumonia, 49 (49%) had a history of exposure to the Huanan seafood market. The average age of the patients was 55·5 years (SD 13·1), including 67 men and 32 women. 2019-nCoV was detected in all patients by real-time RT-PCR. 50 (51%) patients had chronic diseases. Patients had clinical manifestations of fever (82 [83%] patients), cough (81 [82%] patients), shortness of breath (31 [31%] patients), muscle ache (11 [11%] patients), confusion (nine [9%] patients), headache (eight [8%] patients), sore throat (five [5%] patients), rhinorrhoea (four [4%] patients), chest pain (two [2%] patients), diarrhoea (two [2%] patients), and nausea and vomiting (one [1%] patient). According to imaging examination, 74 (75%) patients showed bilateral pneumonia, 14 (14%) patients showed multiple mottling and ground-glass opacity, and one (1%) patient had pneumothorax. 17 (17%) patients developed acute respiratory distress syndrome and, among them, 11 (11%) patients worsened in a short period of time and died of multiple organ failure. Interpretation: The 2019-nCoV infection was of clustering onset, is more likely to affect older males with comorbidities, and can result in severe and even fatal respiratory diseases such as acute respiratory distress syndrome. In general, characteristics of patients who died were in line with the MuLBSTA score, an early warning model for predicting mortality in viral pneumonia. Further investigation is needed to explore the applicability of the MuLBSTA score in predicting the risk of mortality in 2019-nCoV infection. Funding: National Key R&D Program of China.