ArticlePDF Available

Bolhas Sociais e seus efeitos na Sociedade da Informação: ditadura do algoritmo e entropia na Internet

Authors:

Abstract

Este artigo analisa o cenário de transformações tecnológicas, econômicas, sociais, culturais e políticas denominado Sociedade da Informação, especialmente os efeitos dos algoritmos de aplicações tecnológicas na formação das denominadas bolhas sociais, espécie de confinamento informático ao qual são submetidos os usuários das ferramentas on-line. Sua metodologia é a investigativa Jurídico Sociológica que se propõe a compreender o fenômeno jurídico no ambiente social mais amplo. Conclui que bolhas sociais, acompanhadas das Fake News e da erosão de valores republicanos e liberais podem, potencialmente, obnubilar o ambiente democrático e afastar os cidadãos de escolhas refletidas e racionais.
Organização Comitê Científico
Double Blind Review pelo SEER/OJS
Recebido em: 23.11.2019
Aprovado em: 07.12.2019
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
57
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari
1
Irineu Francisco Barreto Junior
2
RESUMO
Este artigo analisa o cenário de transformações tecnológicas, econômicas, sociais, culturais e
políticas denominado Sociedade da Informação, especialmente os efeitos dos algoritmos de
aplicações tecnológicas na formação das denominadas bolhas sociais, espécie de
confinamento informático ao qual são submetidos os usuários das ferramentas on-line. Sua
metodologia é a investigativa Jurídico Sociológica que se propõe a compreender o fenômeno
jurídico no ambiente social mais amplo. Conclui que bolhas sociais, acompanhadas das Fake
News e da erosão de valores republicanos e liberais podem, potencialmente, obnubilar o
ambiente democrático e afastar os cidadãos de escolhas refletidas e racionais.
Palavras-chave: Sociedade da Informação; Bolhas Sociais; Algoritmos; Fake News;
Democracia.
SOCIAL BUBBLES AND THEIR EFFECTS ON THE INFORMATION SOCIETY:
ALGORITHM DICTATION AND INTERNET ENTROPY
ABSTRACT
This paper analyzes the technological, economic, social, cultural and political transformations
called Information Society, especially the effects of the algorithms of technological
applications on the formation of the s called social bubbles, a kind of computer confinement
to which users of online tools are subjected. Its methodology is the Sociological Legal
Investigation that aims to understand the legal phenomenon in the wider social environment.
This research concludes that social bubbles, accompanied by Fake News and the erosion of
republican and liberal values, can potentially cloud the democratic environment and alienate
citizens from thoughtful and rational choices.
Keywords: Information society; Social bubbles; Algorithms; Fake News; Democracy.
Introdução
1
Mestrando no Programa de Mestrado em Direito da Sociedade da Informação FMU-SP. Advogado e Diretor
Social e de Divulgação da Sociedade Numismática Brasileira.
2
Pós Doutorando em Sociologia pela USP. Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP. Docente do Programa de
Mestrado em Direito da Sociedade da Informação FMU-SP. Analista de Pesquisas da Fundação Seade
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
58
A sociedade contemporânea atravessa uma série de transformações nas últimas
décadas e o ritmo célere, assim como a capilaridade dessas mudanças, podem turvar a análise
dos observadores menos atentos. Este artigo se propõe a analisar esse cenário de
transformações de ordem tecnológica, econômica, social, cultural e política denominado
Sociedade da Informação, especialmente os efeitos dos algoritmos das aplicações
tecnológicas (redes sociais, mecanismos de busca e toda espécie de direcionamento de
informações aos usuários da internet) na formação das denominadas bolhas sociais, espécie
de confinamento informático ao qual são submetidos os usuários de ferramentas on-line.
Esse confinamento deriva da programação informática que determina quais
informações serão oferecidas no ambiente on-line nas situações em que o usuário acessa suas
redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram), realiza pesquisas nos mecanismos de busca
(Google, Bing), pesquisa preços em agregadores ou lojas virtuais, entre outras inúmeras
possibilidades. Essa referida programação informática é denominada como algoritmo,
sequência de comandos formulada por analistas de sistemas computacionais e que são
alimentados pelos dados dos próprios usuários.
Como os algoritmos são abastecidos de dados pessoais, geográficos, padrões de uso
das aplicações informáticas e uma série de outros insumos gerados pela utilização das
ferramentas computacionais dos usuários das aplicações de internet, uma probabilidade
bastante elevada de que esses algoritmos confinem, cada qual, num ambiente moldado
exclusivamente pelo reflexo de si próprio. É possível afirmar que os usuários estão sendo
levados a uma experiência de entropia que, para a psicologia social (MOUAMMAR;
BOCCA, 2011, p.442), inspirada na segunda lei da termodinâmica da física moderna, se
refere ao princípio de que, a cada novo ajustamento ou transformação na conduta social, a
energia disponível para futuros ajustamentos declina cada vez mais, até um ponto em que
todo o comportamento tornar-se estático. E o conceito de estático deve aqui ser
compreendido como um legítimo confinamento virtual, no qual o algoritmo aprisiona os
indivíduos em bolhas narcísicas, entre seus iguais.
Necessário salientar que não foi a Sociedade da Informação quem criou a tendência
gregária entre os humanos de procurarem seus similares, seus iguais para convívio,
estreitamento dos laços sociais, partilha de visões de mundo ou ideologia. O que diferencia o
momento atual é que esse confinamento virtual é conduzido pelo algoritmo. Não é uma
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
59
manifestação de vontade ou movimento autônomo. E pode impulsionar a criação de
solipsismos antagonizados, visões de mundo endógenas, fechadas, que podem coexistir em
proximidade, mas jamais se encontrar. Potencialmente pode ocorrer uma erosão da
solidariedade social, perda da capacidade de empatia e que a condução das escolhas cidadãs
venham a ser pautadas por visões de mundo opacas e endógenas.
A metodologia do artigo elege a linha jurídico-dogmática que considera o direito
com autossuficiência metodológica e trabalha com os elementos internos ao ordenamento
jurídico. Essa abordagem desenvolve investigações com vistas à compreensão das relações
normativas nos vários campos do direito e com a avaliação das estruturas interiores ao
ordenamento jurídico. Concomitantemente acentua a noção de eficiência e eficácia das
relações entre e nos institutos jurídicos restringindo a análise do discurso normativo aos
limites do ordenamento. Isto não significa que deve estar voltado apenas para o interior do
ordenamento ou ali enclausurado (GUSTIN; DIAS, 2006, p. 20-25).
Aborda ainda a linha investigativa Jurídico Sociológica que se propõe a compreender
o fenômeno jurídico no ambiente social mais amplo. Para tal, analisa o direito como variável
dependente da sociedade e trabalha com as noções de eficiência, eficácia e efetividade das
relações entre direito e sociedade. Preocupa-se com a facticidade do Direito e com as relações
contraditórias que estabelece com o próprio Direito e com os demais campos: sociocultural,
político e antropológico (GUSTIN; DIAS, 2006, p. 20-25).
1. Algoritmos e o desenho informático das aplicações de internet
As aplicações informáticas atuais são capazes de oferecer respostas para as mais
diversas perguntas humanas. Essas aplicações são desenhadas na forma de algoritmos que
podem ser imaginadas como sequencias de linhas de códigos e repletas de complexos cálculos
matemáticos. Na definição de Marvin Minsky, pioneiro da inteligência artificial (apud

máquinas capazes de fazer operações que, habitualmente, requerem inteligência humana.
Na medida em que a revolução tecnológica propicia a digitalização de quantidades
de dados, cujos volumes crescem de forma exponencial, os algoritmos se tornam cada vez
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
60
mais poderosos, pois possuem a capacidade de aprender através de exemplos. Conforme
Maranhão (2017) nas diversas atividades com aplicação de Inteligência Artificial
emprego de algoritmos capazes de coletar e classificar informações, avaliá-las, tomar decisões
e atuar com efeitos no mundo físico e consequências práticas para indivíduos que travam
relações jurídicas intermediadas pelo uso desses sistemas, ou mesmo exclusivamente entre
agentes eletrônicos (MARANHÃO, 2017)  Não é possível, assim, dissociar inteligência
artificial e os algoritmos de programação que, efetivamente, a fazem funcionar.
No livro Weapons of Math Destruction (Armas de Destruição Matemática), Cathy
 (2016), aborda aspectos importantes relacionados aos algoritmos, ao afirmar que
modelos matemáticos são o motor de nossa economia digital. Com base nessa premissa a
autora formula dois insights        veem as

1) Aplicações baseadas em matemática e que empoderam a Economia de Dados são
baseadas em escolhas feitas por seres humanos falíveis.
2) esses modelos matemáticos são opacos, e seu trabalho é invisível para todos,
exceto os cardeais em suas áreas: matemáticos e cientistas computacionais. Seus
vereditos são imunes a disputas ou apelos, mesmo quando errados ou nocivos
).
A falta de inteligibilidade dos algoritmos que forma a estrutura cognitiva da
inteligência artificial merece destaque, são indecifráveis para leitos e,  
(2016), tratam-se de formulações humanas, desde logo falíveis e voltadas a oferecer respostas
para questões eminentemente humanas.       modelos
matemáticos destrutivos micro gerenciam vastas faixas da economia real, da publicidade ao
sistema prisional, sem falar do sistema financeiro e dos efeitos posteriores à interminável crise

Afirma ainda sobre os algoritmos  matemáticos são essencialmente
opacos, não responsáveis 

despejar neles [nos sistemas] mais e mais capacidade de gerar valor . 
William Gilles, professor da Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbone, em palestra
realizada na Câmara de Vereadores de São Paulo, em janeiro de 2018, descreveu que os
algoritmos foram conceituados, originalmente,        
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
61
determinado problema (ponto de partida) e sua solução (chegada), mas que acontece sem a
             
etapas até que se chegue a um resultado final.
Apenas a partir do Século XIX os algoritmos passam a ser operados por máquinas
que lançaram as bases do que viria a ser o moderno computador. Para Gilles ocorre
atualmente a aceleração de projetos de inteligência artificial alicerçada em algoritmos,
traçando cenário no qual se torna muito difícil antecipar como serão as máquinas no futuro,
apesar de ser improvável imaginar que a máquina possa um dia substituir o homem.
Algoritmos, portanto, representam um dos ativos mais valiosos na era da informação
como mercadoria, como insumo para geração de dados. A inteligência artificial permite o
desenvolvimento de algoritmos inteligentes, que aprendem com a própria experiência e
passam a selecionar autonomamente as variáveis que considera mais adequadas para
solucionar o problema proposto.
2. Bolhas sociais e seus efeitos na Sociedade da Informação
A primeira definição de algo semelhante ao fenômeno vivenciado com o
aparecimento das bolhas sociais virtuais é o das comunidades virtuais, que são construídas
com base nas afinidades de interesses, de conhecimentos, sobre processos mútuos, através da
troca ou cooperação, não sendo dependente mais de proximidades geográficas e das filiações
institucionais (LEVY, 1999, p. 127). Desde o surgimento da internet as comunidades virtuais
foram criadas com o intuito de aproximar aqueles que pensam igual, sem mais a barreira
física ou geográfica. A diferença dessas bolhas pretéritas para as sociais modernas é a escolha
voluntária do usuário de se juntar aquela comunidade, sem a influência direta de um
algoritmo, como decorre do advento informático.
Na história da humanidade foi presente o fenômeno das bolhas sociais, em que
pessoas se aproximam e se relacionam com outras que reforcem suas crenças, valores,
ideologia ou visões de mundo. Com o crescimento da internet esse fenômeno se intensifica.
Entretanto, têm se o sentimento de que, antes, a convivência dos que pensam diferente era
menos endógena, com menor potencial de causar conflitos como ocorrem atualmente com a
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
62
polarização de pensamentos. Parte da responsabilidade dessa polarização é dos próprios
usuários que não se dão conta de que seu comportamento online acaba por guiar o
recebimento de informações disponibilizadas na rede. As informações recebidas são
personalizadas e filtradas com base em seus gostos pessoais.
As mídias sociais online completam essa função filtrante ou direcionadora. A
facilidade de gerar e compartilhar informações na rede, com o uso de filtros informacionais
desenhados pelo algoritmo, potencializam o acirramento de dois fenômenos alienadores
contemporâneos, as fake news e a pós-verdade, que vem comprometendo o cenário mundial.
São geradas bolhas de percepções equivocadas e perigosas, que comprometem a saúde social,
individual e coletiva, que devem ser combatidas por meio da educação, do pensamento crítico
e da ética (GABRIEL, 2009, p. 125).
Assim, bolhas, para Besley e Hakala (2007, p. 71) foram entendidas como um espaço
temporário, bem definido, que servia para juntar todas as interfaces, formatos e concordâncias
para o gerenciamento de dados pessoais, de grupos, públicos e interações informacionais.
Tinha como objetivo ser voltada para a personalização, privacidade e prioridade
(SANTAELLA, 2018).      nsparente que pode ser
sintonizada para funcionar de modo diferente dependendo do movimento e direção dos
 BESLEY; HAKALA, 2007, p. 72). As bolhas colocavam-se como espaços de
proteção e controle da privacidade, contra a invasão da vigilância (SANTAELLA, 2018).
O conceito de bolhas foi paulatinamente sofrendo modificações, em decorrência do
surgimento e popularização das redes sociais. Modificação essa também influenciada pelo
impulso dos algoritmos para detecção de perfil psíquico, social, econômico, político. Para a
detecção da forma mentis do usuário (SANTAELLA, 2018).
O usuário perde o controle sobre seu ciclo social e passa a ser controlado pela
decisão de um algoritmo, que vai classificar cada ação feita e escolher as pessoas que mais se
assemelham aos seus atos para continuar disponibilizando a informação compartilhada por
ela.
O -          
            
c-
conteúdos da rede, feita por determinadas empresas como o Google, através de seus
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
63
mecanismos de busca, e redes sociais como o Facebook, entre diversas outras plataformas e
 (MAGRANI, 2014, p. 118).
Através desses mecanismos e algoritmos, a opção de escolha intencional do usuário é
prejudicada, tendo a sua privacidade violada. Os filtros de bolhas podem ser utilizados para
controlar o conteúdo visto, permitindo uma manipulação mercadológica e política (ROUSE,
s/d).
Criam-se, assim, monoculturas viciadas nos mesmos feedbacks loops. Pior do que
isso é quando as crenças conduzem os indivíduos à prática inadvertida ou deliberada
de espalhar notícias falsas como retroalimentação de suas crenças mal fundadas
(SANTAELLA, 2018).
Ainda segundo Santaella (2018), as bolhas da pós-verdade hoje são encontradas em
grande quantidade nas redes, não indo contra os valores que tem como base a correlação entre
os discursos e os fatos ou acontecimentos que elas designam.
Perosa (2017) defende que é da natureza humana acreditar em informações que
corroboram com a sua visão de mundo particular, mesmo que não sejam baseadas na
realidade. Cita que são inúmeros os estudos clássicos na área da psicologia cognitiva que tem
como objetivo a análise dos processos mentais por trás do comportamento humano. Tais
pesquisas acabam por demonstrar que o poder da crença tende a sobrepujar a argumentação
racional baseada em fatos. Acarretando uma baixa possibilidade de mudança de opinião
quando um novo dado vai contra suas crenças pré-estabelecidas.
Em consonância com esses fatores vive-se atualmente na era da pós-verdade. A
definição proposta pelo dicionário Oxford (2016) para pós-verdade  
relacionado ou denotativo de circunstâncias em que os fatos objetivos são menos influentes na
formação da         . Ou
seja, a opinião pública é mais influenciada por fatos que apelem a sua emoção e à crença
pessoal, mesmo que não embasados em fatos concretos, dos que os fatos verdadeiros em si.
Reforçando a ideia de que as pessoas estão mais propensas a continuarem vivendo em suas
bolhas, do que saírem delas.
Diversos são os motivos que podem explicar a massiva veiculação de notícias e
informações falsas dentro das bolhas sociais. Dentre os fatores psicológicos já citados, alguns
outros fatores também são responsáveis pelo aumento de tal fenômeno. Que ampliam o raio
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
64
de alcance desses fatos, tornando as pessoas mais receptivas a essas informações, entre elas
podemos citar as seguintes:
O primeiro é o ambiente de alta polarização política, que não favorece nem o debate
racional nem o apreço pelo consenso. O segundo é a descentralização da
informação, por causa da ascensão de meios de comunicação alternativos e
independentes, propiciada pela internet. Parte dos novos canais tem uma agenda
política, e seus compromissos propagandísticos e ideológicos suplantam qualquer
compromisso com informação factual. O terceiro é o ceticismo generalizado entre as
pessoas quanto às instituições políticas e democráticas sendo os principais alvos os
governos, os partidos e os veículos de mídia tradicional (PEROSA, 2017).
A polarização de pensamentos vivenciada pela sociedade contemporânea tem sido a
mola propulsora para o crescimento da influência exercida sobre os usuários. Se aproveitando
dessa polarização, como um novo caminho para se chegar ao objetivo da veiculação daquela
informação, são criadas diversas manchetes, em sites diferentes, mas correlacionados, para
que quando o usuário pesquisa aquele informação ele tenha o sentimento de que é verdade,
pela simples justificativa de que aquilo está sendo falado em mais de um lugar. Também é
muito rápido o processo de criação de uma notícia. Em minutos é possível encontrar
informações sobre algo que acabou de acontecer.
O ciberespaço é justamente uma alternativa para as mídias de massa clássicas. De
fato, permite que os indivíduos e os grupos encontrem as informações que lhes
interessam e também que difundam a sua versão dos fatos (inclusive com imagens)
sem passar pela intermediação dos jornalistas. O ciberespaço encoraja uma troca
recíproca e comunitária, enquanto as mídias clássicas praticam uma comunicação
unidirecional na qual os receptores estão isolados uns dos outros (LEVY, 1999, p.
203).
O mecanismo de convencimento é bem arquitetado para sempre passar ao usuário o
sentimento de veracidade. Aliado ao trabalho psicológico de corroborar com suas crenças, as
informações não são pesquisadas a fundo e acabam sendo aceitas como verdadeiras. Outro
fator determinante que possibilitou a aparecimento de diversos meios de comunicação
alternativos é a descrença nos veículos midiáticos tradicionais, que não são mais revestidos de
credibilidade absoluta. Com a liberdade de expressão decorrente da expansão da internet,
qualquer pessoa pode contrapor o que está sendo veiculado. Em muitos casos essa
possibilidade de expressão é importante, visto que combate abusos de poder. Em outros casos
é negativa, já que possibilita a veiculação de informações que não tem como base a checagem
dos fatos.
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
65
Bauman (1999, p. 67) já defendia que o mais profundo significado transmitido pela
ideia da globalização era a do caráter indeterminado, indisciplinado e de autopropulsão dos
assuntos mundiais, não havendo mais um centro, ou mesmo painel de controle. E é assim que
os assuntos atualmente são transmitidos, não são mais processados e verificados. Toda e
qualquer pessoa pode publicar na rede, sem compromisso com a verdade, com o objetivo de
alcançar os seus objetivos, sejam eles econômicos, políticos ou sociais. A globalização ao
mesmo tempo em que deu voz as pessoas, também acabou por cercear a sua liberdade de
escolha, em razão da manipulação que sofrem diariamente na rede.
Na mesma linha de raciocínio segue Levy (1999, p. 111), quando explica que o
universo da cibercultura não possui nem centro nem linha diretriz. Colocando em contato um
ponto qualquer com qualquer outro, aceitando a todos. Uma década antes do crescimento das
notícias falsas já expunha que o ciberespaço não é neutro ou sem consequências, apresentando
grandes repercussões na atividade econômica, política e cultural. Transformando as condições
da vida em sociedade. Sendo um universo indeterminado, em que cada usuário se torna
produtor ou emissor de novas informações, imprevisíveis.
As redes sociais ocasionaram um grande impacto na liberdade de expressão,
diferindo das plataformas em que há uma editoria de conteúdo, como sites de jornais, onde
a seleção daquilo que será publicado, sendo as redes sociais baseadas na vontade do usuário
(BRANCO, 2017, p. 56).
As fake news podem ser explicadas como uma grande variedade de desinformações,
que englobam a correta utilização de dados manipulados, o incorreto uso de dados
verdadeiros, a utilização de dados falsos e outras possibilidades de combinação (Ferrari,
2018). São notícias que intencionalmente foram criadas com objetivos diversos e acabam
sendo compartilhadas e reproduzidas, muitas vezes sem a consciência de que são falsas, por
milhares de usuários, o que acaba por fazer com que ganhem força. Atribui-se a Joseph
Goebbels a frase        , exemplificando o
objetivo daqueles que não se valem da verdade para criar histórias.
O problema ocasionado pela veiculação e compartilhamento de fake news virou
mundial, não estando mais nenhum governo ou cidadão livre de seus efeitos. Sendo
necessário o seu combate através de debates públicos, ensinando o cidadão comum a checar
qualquer informação antes de compartilhá-la (FERRARI, 2018).
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
66
Há um sentimento de pertencimento dentro das bolhas, como se as informações e as
interações que fazemos com os nossos semelhantes fossem o respaldo para podermos
continuar agindo daquela maneira. Não percebemos que isso prejudica não a nós mesmos,
mas a sociedade como um todo, que cada vez mais se divide e se polariza, sendo marcada
como os que são iguais a nós contra aqueles que pensam diferente e automaticamente estão
errados. Reconhecer que sua visão não é única e não condenar aquele que pensa diferente é
um princípio que deve ser associado à liberdade de expressão, limitada por padrões éticos e
que não fira a liberdade alheia.
A celeridade típica da Sociedade da Informação é um dos fatores que acabam por
corroborar com a problemática de compartilhamento de informações. Somos bombardeados a
cada segundo com dezenas de notícias, imagens, vídeos e áudios, nos fazendo muitas vezes
não checar a veracidade daquele conteúdo. Dentro de nossas bolhas encontramos conforto e
estamos protegidos por uma rede criada para nos passar a sensação de que sempre estamos
com a razão.
A sociedade do fluxo informacional, a velocidade das redes sociais, dos aplicativos,
tudo nos deixa inquietos, e a inquietude causa prejuízos: compartilhamos o que
não lemos, aceitamos a sedução como verdade, pois ela nos conforta no momento de
angústia (FERRARI, 2018).
Ocorre que esse grande fluxo de informações que recebemos habitualmente é
pensado de maneira proposital para que não tenhamos tempo de analisar e verificar tudo. Na
dúvida de se aquilo é verdade ou não, se segue o mesmo padrão do que já acreditamos,
simplesmente é aceito como verdade. Ferrari (2018) discorre que vivenciamos o líquido, pelo
volume de postagens, o cérebro não tem o tempo necessário para verificar a veracidade das
informações expostas. A título exemplificativo, os usuários compartilham a informação
apenas pelo que está escrito no título, sem de fato ler o corpo do texto ou verificar a fonte
usada para aquela informação.
É importante destacar, como enfatiza Branco (2017, p. 57) que não deve ser
condenada a democratização dos meios de comunicação. Visto que é uma das maiores
virtudes da internet é a possibilidade de se ouvir a todos. O que deve ocorrer é a melhor
utilização dessa ferramenta, sempre visando torna-la um espaço de discussão pública, em que
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
67
todas as partes podem apresentarem seus argumentos e assim, através do diálogo, abrirem
linhas de raciocínio e compreensão.


mau. E quando se juntam na mesma equação torcida ideológica + informações
imprecisas + facilidade de difusão do conteúdo e, claro, uma boa dose de má-fé, o
cenário se torna muito pouco auspicioso para o debate público (BRANCO, 2017, p.
57).
Há de se atentar ao fato de que uma informação publicada na internet pode ser
espalhar e atingir milhares de pessoas em questão de segundos. Não sendo possível reverter as
suas consequências. Razão pela qual, novamente, é muito importante a análise de qualquer
informação recebida, com o intuito de não cometer o erro de estar espalhando uma
informação falsa, que pode vir a prejudicar uma pessoa ou um grupo de pessoas.
Está acontecendo, a nível global, o crescimento do número de entidades de checagem
de fatos (fact checking) e de sites especializados em analisar e desmascarar notícias falsas que
circulam na internet. Até mesmo grandes jornais já possuem departamentos especializados na
análise de notícias veiculadas na internet por particulares. A veiculação de notícias falsas não
nasceu na era tecnológica, há relatos de noticiário falso desde o Império Romano (FERRARI,
2018). Só tomaram maior proporção com a internet.
Ferrari (2018) também expõe que o mais importante no jornalismo é veicular a
informação antes do concorrente, o que contribuiu para a avalanche de fake news. Sendo
agora uma oportunidade para os grandes canais jornalísticos assumirem um caráter mais
procedimental, através da rotina de checagem e confronto dos dados. Em que a checagem das
informações disponíveis na internet passa a ser a notícia, com resultados apurados pela
própria equipe jornalística ou por um parceiro externo (agência de fact-checking). A maior
problemática que envolve as bolhas sociais atualmente é o uso delas para influenciar o usuário
em suas decisões. Diversos exemplos foram observados nas eleições presidenciais dos
Estados Unidos e do Brasil, além da votação britânica do Brexit.
            
algorítmicas pouco claras, que o debate democrático encontra seus maiores
obstáculos para consolidação na grande ágora que poderia ser a internet (BRANCO,
2017, p. 57).
Não é possível falar em democracia e livre arbítrio quando são usados algoritmos
com o objetivo de influenciar eleitores indecisos para que tomem uma decisão em prol de A
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
68
ou B. O processo democrático de escolha dos representantes foi pensado para ser um sistema
em que cada um pudesse expressar, através do voto, o seu desejo. Quando essa decisão não é
mais feita de maneira consciente, não se pode mais falar em democracia.
O conceito de democracia teve incluído a garantia de certas liberdades intelectuais,
como a liberdade de consciência, de maneira que uma ordem social que não disponha dessa
garantia não poderia ser considerada democrática, ainda que em seu processo de criação e
aplicação fosse garantido a participação dos governados no governo (Kelsen, 2000, p. 143).
A internet ao mesmo tempo em que aumentou a liberdade de expressão também
acaba por aumentar a eficácia dos mecanismos pelos quais somos influenciados. As bolhas
sociais digitais são o espaço perfeito para possibilitar esse fenômeno. E em razão disso não é
mais possível falar que nossas ações e escolhas partam conscientemente de nós. Por mais que
sempre tenha havido tentativas de se influenciar as ações humanas, a grande quantidade de
informações disponibilizadas e acessadas pelas pessoas diariamente faz com que esse
mecanismo logre maior êxito.
Se, em um caso concreto, a ordem social não for criada de um modo que
corresponda a e          
            
porque a democracia foi abandonada. Essa crítica confunde a ideia de democracia
com uma realidade política que      

             
checagem dos fatos é em prol de um mundo onde o senso crítico prevaleça, onde os cidadãos
   
possível para as pessoas decidirem melhor, conscientes daquilo que estão escolhendo,
tornando as decisões democráticas. Ferrari complementa    
educação compartilham mais bobagens de famosos, mais fake news, mais filmes e séries do

nossa sociedade é a do investimento maciço em educação, visto que será através dela que
poderemos romper as nossas bolhas e tomarmos decisões mais conscientes, duvidando e
checando de todos os fatos disponibilizados na rede informacional.
Com a advento e crescimento do uso da internet, temos um novo tipo de democracia,
a democracia digital. A materialização dessa democracia ocorre através de formas diversas,
que vão desde a participação em simples enquetes e referendos eletrônicos nos portais
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
69
governamentais, até processos mais sofisticados de interação (BERNARDES, 2017, p. 24).

rede, o anúncio dos endereços eletrônicos dos líderes políticos, ou a organização de
referendos pela internet nada mais são do que cari    
complementa dizendo que:
A verdadeira democracia eletrônica consiste em encorajar, tanto quanto possível
graças às possibilidades de comunicação interativa e coletiva oferecidas pelo
ciberespaço , a expressão e a elaboração dos problemas da cidade pelos próprios
cidadãos, a auto-organização das comunidades locais, a participação nas
deliberações por parte dos grupos diretamente afetados pelas decisões, a
transparência das políticas públicas e a sua avaliação pelos cidadãos. (LEVY, 1999,
p. 186).
Marques Junior
3
aponta aspectos divergentes e aponta aspectos favoráveis da
polarização política ao defender a hipótese de que a polarização, em si, não é algo nefasto, e
             
confundamos divergências políticas com ataque às minorias, defesa do estado de exceção,
repressão às manifestações políticas, postulados de censura prévia aos meios de comunicação,
discurso de ódio que atente à vida e irresponsabilidades com o meio ambiente. Não, caro

A construção do conhecimento parte de ideias e projetos opostos que, por meio da
dialética, leva a outras ideias e projetos. Gerar consensos sem as polarizações é
aceitar sempre o status quo. Política, por natureza, é negociação, conflito e
interesses distintos. Acostumemo-nos. O problema central da democracia não são as
polarizações ou multipolarizações, como nos tentam convencer, mas como se
governa e como se utiliza o poder por meio das diferentes tonalidades políticas. Um
governo, mesmo sendo eleito democraticamente, pode ser altamente truculento e
antidemocrático, carreando a polarização não de ideias, projetos e propostas, mas a
estandardização da violência como prática ou seja, cevar com selvageria,
bestialidade e crueldade o pensamento. O problema do Brasil não é a polarização
política, mas como tem sido exercido o poder. Afinal, o exercício do poder, seja ele
governamental ou não, requer sustentação em pilares democráticos e apreço pela
humanidade. (MARQUES JUNIOR, 2019).
Com o correto uso das tecnologias disponíveis é possível fomentar a participação da
sociedade nas decisões públicas. Cabe a cada pessoa empregar da melhor maneira as
informações que circulam na internet, sempre verificando cada uma delas. As bolhas podem
ser usadas para os mais diversos objetivos, incumbindo aos usuários usá-las com a finalidade
3
MARQUES JUNIOR, Nelson Ferreira. A face positiva da polarização política. Jornal Folha de S. Paulo,
seção Tendência e Debates, 27 ago. 2019.
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
70
de disseminar informações verídicas e que ajudem os grupos sociais na busca de seus
propósitos.
Considerações Finais
Democracias são sistemas vivos, exigem reforços perenes dos seus princípios,
preservação de seus valores basilares e a manutenção de um ambiente no qual as liberdades
são asseguradas, para seu franco desenvolvimento e que os cidadãos possam usufruir daquilo
que oferecem.
Na base das democracias vigorosas e duradouras está a capacidade de que seus
cidadãos possam fazer escolhas racionais e possuir o imprescindível discernimento para que
possam ter participação nos sufrágios, deliberar sobre quem serão seus governantes,
influenciar na tomada de decisão das políticas públicas e cobrar os governantes quanto à
transparência da gestão pública a da alocação de recursos financeiros geridos pelo Estado. As
bolhas sociais, acompanhadas das Fake News e da erosão de valores republicanos e liberais
podem, potencialmente, obnubilar o ambiente e paulatinamente afastar os cidadãos das
escolhas racionais.
É dessa forma que algumas democracias têm perecido nos últimos tempos. Sem que,
necessariamente, ocorram golpes de Estado ou rupturas na institucionalidade jurídica/política,
países têm vislumbrado que autocratas sejam eternizados no poder com evidente prejuízo para
a democracia e sociedade civil.
De certo não é a persecução penal que trará resposta a esses desafios. Política de
compliance das megaempresas de tecnologia para que afrouxem o efeito bolha dos seus
algoritmos, associada à publicidade que deve ser oferecida sobre suas linhas de código e
principalmente a responsabilização de políticos que são eleitos amparados por estratégias de
disseminação de notícias falsas, em alguns casos com perda do mandato, são alternativas para
frear efeitos da bolha algorítmica e manter a oxigenação do ambiente democrático.
Referências bibliográficas
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
71
BARRETO JUNIOR, Irineu Francisco. Atualidade do Conceito Sociedade da Informação
para a pesquisa jurídica. In: PAESANI, Liliana Minardi (coord.). O Direito na Sociedade da
Informação. São Paulo: Atlas, 2007.
BARRETO JUNIOR, Irineu Francisco. Proteção da Privacidade e de Dados Pessoais na
Internet: O Marco Civil da rede examinado com fundamento nas teorias de Zygmunt Bauman
e Manuel Castells. In: DE LUCCA, Newton; SIMÃO FILHO, Adalberto; DE LIMA; Cintia
Rosa Pereira. (Org.). Direito & Internet III. São Paulo: Quartier Latin, 2015. p. 100-127.
BARRETO JUNIOR, Irineu Francisco; SAMPAIO, Vinícius Garcia Ribeiro; GALLINARO,
Fábio. Marco civil da internet e o direito à privacidade na sociedade da informação. Direito,
Estado e Sociedade, n.52, p. 114 a 133, jan/jun. 2018.
BARRETO JUNIOR, Irineu Francisco; VENTURI JÚNIOR, Gustavo. Dados pessoais na
internet: análise do seu status enquanto mercadoria na sociedade da informação. Anais do 41º.
Encontro Anual da ANPOCS. Disponível em: http://www.anpocs.com/index.php/papers-40-
encontro-2/gt-30/gt02-25/10599-dados-pessoais-na-internet-analise-do-seu-status-enquanto-
mercadoria-na-sociedade-da-informacao/file> Acesso em 10.nov. 2107.
BARRETO JUNIOR, Irineu Francisco; VIGLIAR, José Marcelo Menezes. As funções da
jurisprudência na Sociedade da Informação. Rev. Fac. Direito UFMG, Belo Horizonte, n. 73,
pp. 391-417, jul./dez. 2018.
BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Tradução de Marcus
Penchel. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.
BAUMAN, Zygmunt. Vigilância Líquida: diálogos com David Lyon. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar Editores, 2013.
BERNARDES, Marciele Berger. Democracia na sociedade informacional. Editora Saraiva,
2017.
BESLAY, Laurent e HAKALA, Hannu. Digital territory: Bubbles. In: KIDD, Paul T.
European visions for the knowledge era. Grã-Bretanha: Cheshire Henbury, 2007. pp. 69-
78.
BIONI, Bruno Ricardo. Proteção de Dados Pessoais: a função e os limites do consentimento.
Rio de Janeiro: Forense, 2019.
BRANCO, Sérgio. Fake news e os Caminhos para Fora da Bolha. Revista Interesse
Nacional, São Paulo, Ano 10, n. 38, p. 51-61, ago.-out. 2017. Disponível em: <
http://interessenacional.com.br/wp-content/uploads/2017/09/Interesse_Nacional_ed38.pdf>.
Acesso em: 01 ago. 2019.
CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura. 5 ed. São Paulo:
Paz e Terra, 2001. v I, a sociedade em rede.
CASTELLS, Manuel. Redes de Indignação e Esperança: Movimentos sociais na era da
Internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
Bruno Henrique Miniuchi Pellizzari & Irineu Francisco Barreto Junior
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
72
CAVALCANTI; Ana Elizabeth Lapa Wanderley; LEITE, Beatriz Salles Ferreira; BARRETO
JUNIOR, Irineu Francisco. Sistemas de Responsabilidade Civil dos provedores de aplicações
da internet por ato de terceiros: Brasil, União Europeia e Estados Unidos da América. Revista
Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, v. 13, n. 2 / 2018 p.506-531.
CUKIER, Kenneth; MAYER-SCHÖNBERGER, Viktor. Big Data Como Extrair Volume,
Variedade, Velocidade e Valor da Avalanche de Informação Cotidiana. Rio de Janeiro:
Campus, 2012.
FERRARI, Pollyana. Como sair das bolhas. São Paulo: EDUC, 2018. Não paginado.
GABRIEL, Martha Carrer Cruz. Digital Oracles and the Search Dictatorship. In: Ascott R.,
Bast G., Fiel W., Jahrmann M., Schnell R. (eds) New Realities: Being Syncretic. Edition
Angewandte. Springer, Vienna. Disponível em:
<https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-211-78891-2_28>. Acesso em: 15 ago.
2019.
GUSTIN, Miracy B.S.; DIAS, Maria Teresa Fonseca. (Re)pensando a pesquisa jurídica.
2.ed. ver., ampl. e atual. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.
KELSEN, Hans. A democracia. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
LEVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.
MAGRANI, Eduardo. Democracia conectada: a internet como ferramenta de
engajamento político-democrático. Rio de Janeiro: FGV Direito, 2014.
MARANHÃO, Juliana. A pesquisa em inteligência artificial e Direito no Brasil. Disponível
em: https://www.conjur.com.br/2017-dez-09/juliano-maranhao-pesquisa-inteligencia-
artificial-direito-pais. Acesso em: 09. Dez. 2017.
MARQUES JUNIOR, Nelson Ferreira. A face positiva da polarização política. Jornal Folha
de S. Paulo, seção Tendência e Debates, 27 ago. 2019.
MOUAMMAR, Christiane Carrijo Eckhardt; BOCCA, Francisco Verardi. Civilização,
sexualidade e entropia no pensamento de Freud. Rev. Filos., Aurora, Curitiba, v. 23, n. 33, p.
441-452, jul./dez. 2011
Weapons of Math Destruction: How Big Data Increases Inequality and
Threatens Democracy. Crown Publishing Group’s, 2016.
PEROSA, Teresa. O império da pós-verdade. Disponível em:
<http://epoca.globo.com/mundo/noticia/2017/04/o-imperio-da-pos-verdade.html>. Acesso
em: 15 ago 2019.
ROUSE, Margaret. Filter bubble. Disponível em:
<http://whatis.techtarget.com/definition/filter-bubble>. Acesso em: 10 ago 2019.
SANTAELLA, Lucia. Prefácio. In: FERRARI, Pollyana. Como sair das bolhas. São Paulo:
EDUC, 2018. Não paginado.
BOLHAS SOCIAIS E SEUS EFEITOS NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:
DITADURA DO ALGORITMO E ENTROPIA NA INTERNET
Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias | e-ISSN: 2526-0049 | Belém | v. 5 | n. 2 |
p. 57 - 73 | Jul/Dez. 2019.
73
TEIXEIRA, João de Freitas. O cérebro e o robô: inteligência artificial, biotecnologia e a
nova ética. Coleção Ethos. São Paulo: Paulus, 2015.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
Diversos programas de computador têm sido criados, divulgados e distribuídos para aumentar a eficiência da atuação de operadores jurídicos, escritórios de advocacia, tribunais, órgãos legislativos e administrativos. São frutos das chamadas lawtechs, startups que surgem e crescem cada vez mais no país, reunindo programadores e advogados. Por outro lado, sistemas computacionais que empregam inteligência artificial são parte corrente de relações sociais e econômicas e seu uso tende a aumentar exponencialmente, com relações jurídicas constituídas e executadas automaticamente, todas envolvendo processos decisórios. [...]
Atualidade do Conceito Sociedade da Informação para a pesquisa jurídica
  • Irineu Barreto Junior
  • Francisco
BARRETO JUNIOR, Irineu Francisco. Atualidade do Conceito Sociedade da Informação para a pesquisa jurídica. In: PAESANI, Liliana Minardi (coord.). O Direito na Sociedade da Informação. São Paulo: Atlas, 2007.
Dados pessoais na internet: análise do seu status enquanto mercadoria na sociedade da informação. Anais do 41º. Encontro Anual da ANPOCS
  • Gustavo Venturi Júnior
VENTURI JÚNIOR, Gustavo. Dados pessoais na internet: análise do seu status enquanto mercadoria na sociedade da informação. Anais do 41º. Encontro Anual da ANPOCS. Disponível em: http://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro-2/gt-30/gt02-25/10599-dados-pessoais-na-internet-analise-do-seu-status-enquantomercadoria-na-sociedade-da-informacao/file> Acesso em 10.nov. 2107.
Globalização: as consequências humanas. Tradução de Marcus Penchel
  • Zygmunt Bauman
BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Tradução de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.
Democracia na sociedade informacional
  • Marciele Bernardes
  • Berger
BERNARDES, Marciele Berger. Democracia na sociedade informacional. Editora Saraiva, 2017.
European visions for the knowledge era. Grã-Bretanha: Cheshire Henbury
  • Laurent E Beslay
  • Hannu Hakala
BESLAY, Laurent e HAKALA, Hannu. Digital territory: Bubbles. In: KIDD, Paul T. European visions for the knowledge era. Grã-Bretanha: Cheshire Henbury, 2007. pp. 69-78.
Proteção de Dados Pessoais: a função e os limites do consentimento
  • Bruno Bioni
  • Ricardo
BIONI, Bruno Ricardo. Proteção de Dados Pessoais: a função e os limites do consentimento. Rio de Janeiro: Forense, 2019.
Fake news e os Caminhos para Fora da Bolha
  • Sérgio Branco
BRANCO, Sérgio. Fake news e os Caminhos para Fora da Bolha. Revista Interesse Nacional, São Paulo, Ano 10, n. 38, p. 51-61, ago.-out. 2017. Disponível em: < http://interessenacional.com.br/wp-content/uploads/2017/09/Interesse_Nacional_ed38.pdf>. Acesso em: 01 ago. 2019.
Redes de Indignação e Esperança: Movimentos sociais na era da Internet
  • Manuel Castells
CASTELLS, Manuel. Redes de Indignação e Esperança: Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
Como sair das bolhas
  • Pollyana Ferrari
FERRARI, Pollyana. Como sair das bolhas. São Paulo: EDUC, 2018. Não paginado.