ArticlePDF Available

Reabilitação dos membros inferiores na paralisia cerebral diplégica

Authors:

Abstract

A paralisia cerebral (PC) é uma das causas mais comuns de incapacidade motora na infância. Resulta de uma perturbação não progressiva no cérebro imaturo. A diplégica espástica (DE) é a forma mais comum de PC e cursa com deficiência nos membros inferiores e no padrão de marcha. Tal limitação tem impacto negativo no desempenho da criança para realizar tarefas básicas de vida diária. O presente estudo objetivou revisar a literatura científica acerca das principais técnicas utilizadas para reabilitar os membros inferiores de crianças com DE. A pesquisa bibliográfica foi realizada nas bases de dados Lilacs, Scielo, Pubmed e incluiu artigos publicados, entre 2010 e 2018, em inglês e português. Após aplicar os critérios de inclusão e exclusão, um total de 28 estudos foi selecionado para a revisão. As principais técnicas encontradas no tratamento da DE foram: método Pilates, Equoterapia, Esteira, Hidroterapia, Therasuit, Bobath, Estimulação Elétrica Funcional e Realidade Virtual. Todos os estudos encontraram efeitos positivos. Os resultados revelaram que o uso isolado de uma das técnicas não é tão eficaz quanto o uso concomitante de duas ou mais delas. A maioria dos estudos revisados são estudos de caso. Novos estudos controlados e com amostras maiores ainda são necessários.Palavras-chave: paralisia cerebral, membros inferiores, Fisioterapia.
104
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
Fisioter Bras 2020;21(1):104-11
https://doi.org/10.33233/fb.v21i1.2840
REVISÃO
Reabilitação dos membros inferiores na paralisia cerebral diplégica
Rehabilitation of lower limbs in diplegic cerebral palsy
Renata Kelen Alves Silva, Ft.*, Deisiane Oliveira Souto, Ft., M.Sc.**
*Pós-graduada em Fisioterapia Ortopédica e Desportiva UNI-BH, Fisioterapeuta especialista em
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica pelo Instituto de Ensino e Pesquisa, Santa Casa de
Belo Horizonte, Belo Horizonte/MG, **Doutoranda em Neurociências pela UFMG, Professora na
Faculdade de Santa Luzia UNIESP, Professora no Instituto de Ensino e Pesquisa da Santa Casa
de Belo Horizonte, Belo Horizonte/MG
Recebido em 25 de abril de 2019; aceito em 17 de dezembro de 2019.
Correspondência: Deisiane Oliveira Souto, Laboratório de Neuropsicológica do
Desenvolvimento, Universidade Federal de Minas Gerais, Avenida Antônio Carlos, 6627, 31270-
901 Belo Horizonte MG
Deisiane Oliveira Souto: deisiane.souto@gmail.com
Renata Kelen Alves Silva: rkfisio@yahoo.com.br
Resumo
A paralisia cerebral (PC) é uma das causas mais comuns de incapacidade motora na infância.
Resulta de uma perturbação não progressiva no cérebro imaturo. A diplégica espástica (DE) é a
forma mais comum de PC e cursa com deficiência nos membros inferiores e no padrão de marcha.
Tal limitação tem impacto negativo no desempenho da criança para realizar tarefas sicas de
vida diária. O presente estudo objetivou revisar a literatura científica acerca das principais
técnicas utilizadas para reabilitar os membros inferiores de crianças com DE. A pesquisa
bibliográfica foi realizada nas bases de dados Lilacs, Scielo, Pubmed e incluiu artigos publicados,
entre 2010 e 2018, em inglês e português. Após aplicar os critérios de inclusão e exclusão, um
total de 28 estudos foi selecionado para a revisão. As principais técnicas encontradas no
tratamento da DE foram: método Pilates, Equoterapia, Esteira, Hidroterapia, Therasuit, Bobath,
Estimulação Elétrica Funcional e Realidade Virtual. Todos os estudos encontraram efeitos
positivos. Os resultados revelaram que o uso isolado de uma das técnicas não é tão eficaz quanto
o uso concomitante de duas ou mais delas. A maioria dos estudos revisados são estudos de
caso. Novos estudos controlados e com amostras maiores ainda são necessários.
Palavras-chave: paralisia cerebral, membros inferiores, Fisioterapia.
Abstract
Cerebral palsy (CP) is one of the most common causes of motor incapacity in childhood. It results
from a non-progressive disorder in the immature brain. Spastic diplegia (SD) is the most common
form of CP with deficits in the lower limbs and walking pattern. Such a limitation has a negative
impact on the child's performance to perform basic tasks of daily living. The present study aimed
to review the scientific literature about the main techniques used to rehabilitate the lower limbs of
children with SD. This review was carried out in Lilacs, Scielo, Pubmed and included articles
published between 2010 and 2018, in English and Portuguese. After applying the inclusion and
exclusion criteria, 28 studies were selected. The main techniques found in the treatment of SD
were Pilates, Equine Therapy, Treadmill, Hydrotherapy, Therasuit, Bobath, Functional Electrical
Stimulation and Virtual Reality. All studies found positive effects. The results revealed that the
isolated use of one of the techniques is not as effective as the concomitant use of two or more of
them. Most of the studies reviewed are case studies. New controlled studies and larger samples
are still needed.
Keywords: cerebral palsy, lower extremity, Physical Therapy Specialty.
105
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
Introdução
A Paralisia Cerebral (PC), também chamada de Encefalopatia Crônica não progressiva,
é uma sequela resultante de uma lesão não progressiva no cérebro imaturo [1]. Tal lesão resulta
em transtorno neuromotor persistente, com variação do tônus, da postura e do movimento [2-5].
As crianças com PC constituíram um grupo bastante heterogêneo, com comprometimentos
sensório-motores variados. Os distúrbios motores na PC podem ser acompanhados por
distúrbios de cognição, comunicação, comportamento, percepção e/ou epilepsia. Na tentativa de
homogeneizar as crianças com PC, foram criadas algumas classificações, sendo a mais comum
a topográfica, que leva em consideração as partes do corpo acometidas. De acordo com essa
classificação, a PC pode ser subdividida em quadriplégica, hemiplégica e diplégica.
A forma mais frequente da PC é a diplegia espástica (DE) [1,6-10]. Nas crianças com
diplegia os membros inferiores estão gravemente comprometidos, enquanto as alterações nos
membros superiores são quase imperceptíveis [1,3,7,9-12]. As crianças com DE apresentam um
padrão de marcha anormal, caracterizado por uma semiflexão de tronco, quadris e joelhos,
[1,4,9,11] ligeira adução de quadris [1,10] e encurtamento acentuado de tríceps sural [10],
resultando em “marcha em tesoura” [6,12]. Esse padrão anormal de marcha é responsável por
um maior gasto energético e menor eficiência em tarefas de vida diária. Na prática clínica, as
estratégias de reabilitação de indivíduos com DE buscam a melhora funcional nas atividades
diárias e na mobilidade, reduzindo a necessidade de auxílio externo na deambulação [11]. É
sabido que mesmo inseridas em um programa de reabilitação completo, envolvendo a
fisioterapia, uso de toxina botulínica e órteses, as crianças com DE permanecem com algum
nível de limitação funcional [13,14]. Dessa forma, a utilização de novas abordagens terapêuticas
que visem potencializar os efeitos da terapia convencional é necessária a fim de reduzir
limitações funcionais e melhorar a qualidade de vida dessas crianças.
Crianças com DE apresentam restrições no desempenho para realizar atividades
básicas de vida diária, tais como autocuidados, higiene e alimentação, transferências posturais
e locomoção. Dessa forma, a procura por diferentes técnicas de reabilitação que ampliem as
habilidades funcionais vem ganhando cada vez mais destaque na pesquisa clínica. Atualmente
existe uma preocupação em estudar diferentes estratégias de intervenções para que a
reabilitação da criança com DE se volte para a melhora da sua capacitação funcional.
A presente revisão objetivou realizar um levantamento crítico das diferentes abordagens
terapêuticas que podem ser utilizadas na reabilitação dos membros inferiores de criança com
DE. Constitui objetivo ainda descrever os benefícios alcançados e o impacto dessas diferentes
técnicas sobre o desempenho funcional da criança com DE.
Material e métodos
No presente estudo, empregou-se a pesquisa bibliográfica por meio da análise de artigos
publicados em revistas científicas, nacionais e internacionais. A pesquisa crítica da literatura
científica foi centrada em estudos que empregaram a reabilitação de membros inferiores na DE,
utilizando as seguintes bases de indexação de dados: Publisher Medline (Pubmed), Literatura
Latino-Americana em Ciências da Saúde (Lilacs) e Scientific Electronic Library Online (Scielo). A
pesquisa foi limitada a artigos publicados nos idiomas inglês e português, entre os anos de 2010
e 2018, por ser um período amplo e atual, que contém os últimos estudos relativos ao tema. Para
a pesquisa dos artigos, as palavras-chave utilizadas foram: paralisia cerebral diplégica (diplegic
cerebral palsy), membros inferiores (lower members), fisioterapia (physical therapy). Foram
incluídos na revisão os estudos experimentais ou estudos de caso. Os artigos foram
selecionados seguindo os seguintes critérios de inclusão: a) os participantes do estudo deveriam
ser diagnosticados com paralisia cerebral do tipo diplégica; b) estudos com indivíduos com
idades entre 1 e 26 anos; c) estudos de intervenção com protocolo de treinamento no qual o foco
deveria ser os membros inferiores. Foram excluídos os estudos transversais ou estudos
experimentais que tiveram como tratamento o protocolo de terapia domiciliar não supervisionado.
A pesquisa foi realizada no dia 5 de novembro de 2018. Inicialmente, os pesquisadores
foram exaustivamente treinados quanto ao uso dos bancos de dados, palavras-chave, filtros e
critérios de exclusão e inclusão. A seleção dos artigos foi realizada nas seguintes etapas. Para
garantir a legitimidade do estudo, a busca foi realizada individualmente, por cada pesquisador, e
em seguida, as buscas foram comparadas. Posteriormente, foi realizada a leitura independente
dos títulos e resumos pelos pesquisadores. Todos os artigos selecionados foram lidos por
completo, individualmente e selecionados para o estudo.
106
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
Resultados
A busca inicial resultou em um total de 145 estudos. Após a leitura dos títulos, excluímos
58 estudos por serem transversais ou de revisão, resultando em 87 artigos. Destes, 59 foram
excluídos após a leitura dos resumos por não se enquadrarem nos critérios de inclusão. Um total
de 28 artigos (13 em língua inglesa e 15 em língua portuguesa) compôs a amostra final do estudo.
A maioria das publicações científicas selecionadas foi publicada entre 2016 e 2018.
Todos os 28 artigos selecionados foram analisados e estão caracterizados na tabela I.
Tabela I Artigos selecionados entre 2016 e 2018. (Ver anexo em PDF)
Os artigos selecionados se diferem entre estudo experimental de caso único [3-
6,9,14,16,17,22,23,26,28] e estudos experimentais ou quase-experimentais [1,2,11,12,13,18-
21,29,30]. A amostra dos estudos selecionados foi constituída por voluntários com PC do tipo
DE, com idade que variou de 1 a 26 anos. A amostra dos estudos variou de 1 a 48 voluntários.
A maioria dos estudos utilizou o GMFM ou GMFCS para avaliação dos resultados da intervenção
[2,4,6,9,12,14,15,18-22,25,26,29,30]. Todos os estudos encontraram resultados benéficos com
as terapias empregadas.
Discussão
A presente revisão de literatura objetivou realizar um levantamento crítico das principais
técnicas utilizadas na reabilitação dos membros inferiores na DE, ressaltando ainda os benefícios
alcançados com a realização delas. A atuação da Fisioterapia é de total importância, tendo como
objetivo melhorar a função dos membros inferiores, fazendo com que a criança desempenhe as
tarefas cotidianas de modo funcional e independente [11]. Conforme o levantamento realizado,
as principais técnicas de tratamento utilizadas na DE concentram-se na prevenção da
incapacidade e melhoria do padrão de marcha, alcançando, assim, um maior nível de
independência funcional. As principais abordagens utilizadas atualmente para esses fins são
citadas a seguir.
Esteira: A fase de balanço da caminhada é uma das etapas mais afetadas da marcha em
crianças com DE, tendo como principais características o contato inicial com antepé, aumento
da rotação interna do quadril [1,5], flexão excessiva do quadril na fase de apoio e diminuição da
fase de balanço [1]. O treinamento em esteira proporciona oportunidade de treinar todo o ciclo
da marcha e facilitar um aumento da velocidade de caminhada e distância [1]. Como evolução
do tratamento pode ser sugerida o treinamento em esteira retrógrada, ou seja, o caminhar para
trás na esteira. A marcha para trás pode proporcionar vantagens que podem refletir na melhora
da velocidade, tais como a melhora no equilíbrio e em parâmetros espaciais temporais e na
qualidade do movimento [5].
Abordagem Neuroevolutiva Bobath: Trata-se de uma abordagem utilizada para resolução de
problemas tanto para a avaliação quanto para o tratamento das disfunções neuromotoras. O
princípio dessa técnica consiste na inibição dos padrões reflexos anormais e a facilitação dos
movimentos normais [22]. As técnicas de facilitação e inibição são executadas através de pontos-
chave e são modificáveis de acordo com o paciente [2]. Devido à plasticidade do sistema nervoso,
ou seja, capacidade de reorganização e adaptação, o Bobath pode minimizar ou até mesmo
reverter padrões atípicos de movimento [22].
Integração sensorial: Tal abordagem se baseia na promoção de estímulos sensoriais
proporcionados por brincadeiras e atividades lúdicas com objetivo de aumentar as habilidades e
auxiliar na coordenação e planejamento dos movimentos durante as atividades. Engloba
atividades de coordenação motora e sensibilidade tátil, como também treino proprioceptivo de
membros inferiores. Os resultados do estudo de Vieira et al. [4] evidenciaram avanço nos ajustes
posturais compensatórios e antecipatórios para o controle do equilíbrio postural dinâmico em
107
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
ambientes de superfícies estáveis e instáveis e melhor equivalência motora em atividades
funcionais [4].
Toxina botulínica tipo A e fisioterapia convencional: Utilizadas no manejo da espasticidade em
crianças com DE para reduzir o tônus muscular, melhorar a função motora, facilitar o uso de
órteses e retardar a necessidade de cirurgia ortopédica corretiva [6,26]. A toxina é injetada no
ventre muscular difundindo rapidamente para a junção neuromuscular. A toxina injetada interfere
na liberação da acetilcolina, reduzindo, assim, o espasmo muscular. O retorno da espasticidade
no músculo aplicado deve-se ao efeito transitório do botox e à reativação da liberação de
acetilcolina pelo terminal pré-sináptico e da atividade da placa motora [26]. Os resultados
observados na literatura recomendam que haja sempre o uso da terapia combinada entre TB-A
e fisioterapia [6]. O uso da toxina botulínica deve ser associado ao alongamento intensivo e ao
uso de órtese de posicionamento. Após a aplicação, orienta-se que a criança aumente as
sessões de fisioterapia a fim de aumentar os ganhos na flexibilidade muscular.
Hidroterapia: É uma abordagem terapêutica que se utiliza da água sob suas diversas formas e
diferentes temperaturas. Acredita-se que a estabilidade postural, geralmente prejudicada na DE,
pode ser aumentada reduzindo o efeito da força gravitacional usando água. A força do empuxo
diminui a atuação da gravidade, facilitando a execução dos movimentos [7,19]. No ambiente
aquático e aquecido, os diplégicos conseguem praticar exercícios por maior tempo e condicionar
grupos musculares [19]. A temperatura aumenta quando o corpo é imerso em água morna (32º-
35ºC), o que leva a uma redução na atividade das fibras gama, que diminuem a atividade do fuso
muscular, facilitando o relaxamento da musculatura e a redução da espasticidade. Como
resultado, aumento da amplitude de movimento, melhora do alinhamento postural, refletindo
melhora na marcha [19].
Marcha com órtese: Estudo comparativo experimental mostra que o treinamento com órteses
ativas pode ter uma influência positiva na melhora do equilíbrio em crianças com PC [8]. Porém,
outro estudo [14] insinua que as órteses suropodálicas não proporcionam melhora significativa
no desempenho em tarefas de mobilidade de crianças com PC.
Pilates: Consiste em um método de treinamento que é capaz de estimular o controle muscular
[9,20]. O método é capaz de desenvolver as funções corporais de maneira uniforme, corrigindo
posturas incorretas e estimulando a vitalidade física. Permite trabalhar em sequências de
movimentos controlados precisos. A base do método está no fortalecimento do centro de força
Power house, proporcionando suporte ao tronco, ajudando a melhorar a postura [9,20]. O objetivo
é alcançar o equilíbrio muscular reforçando os músculos fracos e alongando os músculos
encurtados, aumentando, assim, o controle postural, a força muscular, a flexibilidade, a
resistência muscular, a coordenação motora, a consciência corporal e o equilíbrio [20]. Contudo,
apesar dessa gama de benefícios, o Pilates é pouco utilizado em pacientes com neurológicas
devido à escassez de literatura que suporte sua eficácia [20].
Bandagem: Após uso continuado da bandagem, ocorre melhora do ajuste e alinhamento postural
na diparesia espástica [6,26].
Suspensão: Além de atuar como uma ferramenta de integração sensorial, a terapia de suspensão
pode ser combinada com exercícios seletivos e contribuir para o ganho de força dos pacientes
com DE [18], promovendo o ganho de habilidades motoras quando associada à esteira [12]. O
treinamento de suspensão com peso corporal promove a estabilidade postural adequada, bom
controle do equilíbrio e menor esforço, o que facilita a marcha segura e eficiente.
Plataforma Biodex Balance System: Usada geralmente dentro da avaliação, afere a capacidade
de deslocamento do centro de gravidade sem perda de equilíbrio. No entanto, foi usada por El-
Gohary et al. como instrumento de treino de equilíbrio em graus variados de instabilidade.
Verificou-se, então, que seu uso (como método de treinamento proprioceptivo) associado à
fisioterapia convencional é mais efetivo que um treino convencional de equilíbrio associado à
fisioterapia [13].
108
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
Terapia Neuromotora Intensiva (TNMI): Constitui protocolos terapêuticos desenvolvidos com o
auxílio de um traje ortopédico para promover o realinhamento biomecânico [15,21]. Acredita-se
que os exercícios intensivos promovem efeitos em tempos menores do que os realizados em
pequenas intensidades. O protocolo é realizado durante 4-5 semanas, por 5 dias na semana, por
mais de duas horas diárias. Para o tratamento fisioterapêutico, deve-se considerar o
alongamento muscular, estabilidade articular e a força para a realização das atividades diárias,
visando manter ou adquirir diferentes posturas e a realização de movimentos. Alguns protocolos
de fisioterapia intensiva associada ao uso de suits (órtese dinâmica em forma de trajes) têm sido
indicados, entre eles, o PediaSuit®, o TheraSuit®, o PinguinSuit®, e o AdeliSuit® [21].
Fortalecimento muscular: Pesquisas demonstram que o treino de força muscular eficiente na
melhoria do desempenho motor na DE [16,25]. Contudo, devido à diversidade de protocolos
utilizados pelos estudos, não é possível definir a quantidade de séries e repetições que resultaria
em maiores ganhos. A fraqueza muscular pode ser considerada como um dos principais
problemas nesses pacientes, sendo explicada por fatores como a diminuição no recrutamento
das unidades motoras, aumento da co-ativação do antagonista durante contrações do agonista,
a imobilidade e variações no tipo de fibra muscular. Em decorrência disso, contraturas, atrofias
musculares e deformidades articulares podem acometer esses pacientes, prejudicando a
deambulação [16]. O fortalecimento muscular proporciona o aumento do recrutamento de
unidades motoras, melhorando a capacidade de geração de força e diminuindo a rigidez articular
[16]. Algumas evidências sugerem maiores ganhos de funcionalidade após treinamento funcional
comparado ao fortalecimento muscular isolado [25].
Equoterapia: Consiste em um método terapêutico, que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem
multidisciplinar cujo objetivo é o desenvolvimento biopsicossocial de crianças com disfunções
neuromotoras variadas [17]. Emprega impulsos de locomoção que são emitidos durante a
andadura de um cavalo. Esses impulsos estimulam reflexos posturais e afetam múltiplos
sistemas simultaneamente, como os sistemas sensitivo, musculoesquelético, límbico, vestibular
e ocular [29]. A presença de desequilíbrio de tronco em crianças com DE pode ser devida à
discrepância funcional do comprimento dos membros inferiores, mau alinhamento da pelve e
tronco, fraqueza muscular e reflexos posturais fracos. Em cima do cavalo, essas crianças
aprendem automaticamente a adaptar-se ao padrão de marcha do cavalo. De acordo com a
teoria dos sistemas dinâmicos de desenvolvimento motor, os ritmos e variações no movimento
do cavalo imprimem no praticante o estímulo necessário para desenvolver estratégias posturais
e se auto-organizar [29]. Acredita-se que a equoterapia pode proporcionar muitos ganhos:
regulação do tônus muscular, controle postural, melhora da força muscular, coordenação motora,
dissociação de cinturas, equilíbrio, propriocepção, autoconfiança e autoestima [17].
Realidade Virtual (RV): Consiste em uma tecnologia de interface capaz de estimular a ativação
e controle muscular por meio de um ambiente virtual, criado a partir de um sistema computacional
[24]. Este novo paradigma de intervenção pode ser utilizado como uma forma de intervenção
física, cognitiva ou psicológica que se baseiam no uso de jogos e ambientes virtuais para
viabilizar função a diferentes deficiências. A realidade virtual é uma abordagem lúdica capaz de
induzir efeitos visuais, sonoros e táteis, o que contribui para maior envolvimento da criança no
tratamento. Por meio desse recurso, o paciente consegue executar tarefas que não tem
habilidade para desempenhar no ambiente real [23]. Uma das vantagens da realidade virtual é
possibilidade de oferecer controles clínicos sobre a duração do exercício, a intensidade e o
ambiente. Além disso, a RV pode ser empregada na reabilitação domiciliar e fornecida para
escolas especiais para ajudar crianças que não praticam atividades esportivas devido a sua
deficiência física [24].
Estimulação Elétrica Funcional (FES): A FES é uma modalidade de corrente alternada de baixa
frequência que provoca contrações musculares e estimula o fortalecimento dos grupos
musculares estimulados [27]. Essacnica é benéfica, pois facilita a ativação do grupo muscular
adequado no momento apropriado. Assim, o FES pode ser usado para controlar os músculos
dorsiflexores e prevenir a queda do na fase de balanço da marcha ou nos músculos
quadríceps durante a extensão de joelho, para reduzir o padrão de marcha agachada [31].
Recomenda-se um ciclo temporal de cinco segundos ligado e dez segundos em repouso e
intensidade de acordo com a tolerância do paciente ao estímulo por 40 minutos [27].
109
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
Educação postural: Consiste em uma técnica que se utiliza de posturas específicas para o
alongamento de músculos organizados em cadeias musculares [30]. Acredita-se que as cadeias
musculares são constituídas por músculos gravitacionais que trabalham de forma sinérgica para
manter o equilíbrio do corpo. Posturas de alongamentos globais associadas à respiração e a
estímulos proprioceptivos visam o equilíbrio das tensões miofasciais e de toda a postura.
Portanto, o correto posicionamento das articulações e o fortalecimento dos músculos
proporcionado por essa técnica pode ser uma alternativa de conduta fisioterapêutica para
pacientes com DE [30]. Porém, resultados mais eficazes com esse método podem estar
associados com o tratamento contínuo, uma vez que se observou no estudo de Silva [30] uma
diminuição do equilíbrio durante os intervalos da intervenção.
Conclusão
Com o aumento da expectativa de vida na DE, uma maior preocupação com
dependência funcional e qualidade de vida. Em geral, a perda da funcionalidade está relacionada
à diminuição da flexibilidade, força, resistência, aumento da espasticidade e outras alterações
musculoesqueléticas, que resultam em limitações na marcha. A fim de reduzir essas
incapacidades e melhorar o padrão de marcha, diversas técnicas podem ser utilizadas a fim de
potencializar os efeitos da fisioterapia convencional. Os indivíduos acometidos pela DE
apresentam deficiências neuromotoras variadas, constituindo um grupo heterogêneo, apesar
disso, consideramos os participantes deste estudo como um grupo, e como tal, verificamos que
as deficiências motoras dos membros inferiores podem ser minimizadas com a aplicação de
diferentes terapias. Apesar de todas as terapias revisadas mostrarem resultados positivos, é
importante destacar que a maioria dos estudos são estudos de caso. Além disso, os estudos
realizados até o momento apresentam limitações significativas no que se refere ao design
experimental, bem como ao tamanho amostral reduzido. Estudos experimentais randomizados,
com amostras que sejam representativas da população e com maior controle de variáveis que
possam influenciar nos resultados ainda são necessários a fim de confirmar sua efetividade na
reabilitação da DE.
Referências
1. Ameer M, Khallaf M. Effect of treadmill gait training on diplegic children swing phase
gait parameters. International Journal of Physiotherapy and Research 2017;5(1):1829-
35. https://doi.org/10.16965/ijpr.2016.200
2. Hartcopff P, Camargo C. Diplegia espástica: Abordagem neuroevolutiva centrada na
mobilidade pélvica relato de caso. Pleiade 2018;12(23):101-12.
3. Teixeira E, Sassá P, Silva D. Equoterapia como recurso terapêutico na espasticidade
de membros inferiores em crianças com paralisia cerebral diplégica. Revista Conexão
Eletrônica 2016:13(1).
4. Vieira E, Cistia C. Evolução do treino de equilíbrio dinâmico em adolescente diparético
espástico submetido à programa de exercícios proprioceptivos estudo de caso. Cad
Pós-Grad Distúrb Desenvolv 2016;16(2):77-88. https://doi.org/10.5935/1809-
4139.20160009
5. Sanad A. Conditioning effects of backward treadmill training in children with spastic
diplegic cerebral palsy. International Journal of Physiotherapy and Research
2017;5(5):2294-300. https://doi.org/10.16965/ijpr.2017.194
6. Flemban A, Elsayed W. Effect of combined rehabilitation program with botulinum toxin
type A injections on gross motor function scores in children with spastic cerebral palsy.
J Phys Ther Sci 2018;30:902-5.
7. Badaway W, Ibrahem M. Comparing the effects of aquatic and land-based exercises on
balance and walking in spastic diplegic cerebral palsy children. Med J Cairo
2016;84(1):1-8.
8. Druzbicki M, Rusek W, Szczepanik M, Dudek J, Snela, S. Assessment of the impact of
orthotic gait training on balance in children with cerebral palsy. Acta Bioeng Biomech
2010;12(3):53-8.
110
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
9. Paes K. Efeito da aplicação do Pilates no alinhamento dos membros inferiores de um
paciente com paralisia cerebral espástica do tipo diplégica relato de caso. 10ª
Amostra Acadêmica UNIMEP, 23 a 25 de outubro de 2012.
10. Machado L, Matos V. Efeito da bandagem elástica nas alterações posturais do paciente
com paralisia cerebral: estudo de caso [TCC]. Pindamonhangaba/SP: Faculdade de
Pindamonhangaba; 2014.
11. Martins E, Fernandes J, Ferreira A. Movement patterns during the process of standing
up in children with spastic diplegia. Motriz 2015;21(3):230-6.
https://doi.org/10.1590/S1980-65742015000300002
12. El-Banna M, Darwesh A, Aboeleneen A, El-Gendy S and Elsayed E. Effect of
suspension therapy on balance in spastic diplegic cerebral palsied children. Middle East
Journal of Scientific Research 2016;24(1):29-33.
https://doi.org/10.5829/idosi.mejsr.2016.24.01.10212
13. El-Gohary T, Emara H, Al-Shenqiti A and Hegazy F. Biodex balance training versus
conventional balance training for children with spastic diplegia. Journal of Taibah
University Medical Sciences 2017;12(6):534-40.
https://doi.org/10.1016/j.jtumed.2017.07.002
14. Miranda A, Lorena D. Efeito do uso de órteses suropodálicas no desempenho do TUG
em crianças com paralisia cerebral espástica e sua correlação com o GMFCS [TCC].
Brasília: Universidade de Brasília UnB, Faculdade de Ceilândia; 2014.
15. Horchuliki J, Antoniassi D, Chiarello C, Mélo T. Influência da terapia neuromotora
intensiva na motricidade e na qualidade de vida de crianças com encefalopatia crônica
não progressiva da infância. Revista Brasileira de Qualidade de Vida 2017;9(1):17-29.
https://doi.org/10.3895/rbqv.v9n1.5158
16. Rizzetti D, Fabbrin A, Trevisan C. Efeitos do fortalecimento muscular na marcha de
adolescentes portadores de paralisia cerebral espástica diplégica. Arq Ciênc Saúde
2011;15(2):181-7. https://doi.org/10.25110/arqsaude.v15i2.2011.3714
17. El-Meniawy G, Thabet N. Modulation of back geometry in children with spastic diplegic
cerebral palsy via hippotherapy training. The Egyptian Journal of Medical Human
Genetics 2012;13(1):63-71. https://doi.org/10.1016/j.ejmhg.2011.10.004
18. Emara H, El-Gohary T, Al-Johany A. Effect of body-weight suspension training versus
treadmill training on gross motor abilities of children with spastic diplegic cerebral palsy.
Eur J Phys Rehabil Med 2016;52(3):356-60.
19. Espindula A, Guimarães C, Jammal M, Abate D. Avaliação da flexibilidade pelo método
do Flexômetro de Wells em crianças com paralisia cerebral submetidas a tratamento
hidroterapêutico: estudo de casos. Acta Sci Health Sci 32(2):163-7.
https://doi.org/10.4025/actascihealthsci.v32i2.8019
20. Zanobi J. A influência do método Pilates na paralisia cerebral do tipo diparesia
espástica relato de caso. Revista Científica da FHO 2016;4(1):59-67.
21. Neves E, Krueger E, Pol S, Oliveira MCN, Szinke AF, Rosário MO. Benefícios da
Terapia Neuromotora Intensiva (TNMI) para o controle do tronco de crianças com
paralisia cerebral. Rev Neurociênc 2013;21(4):549-55.
https://doi.org/104181/RNC.2013.21.876.7p
22. Novakoski K, Weinert L, Mélo T. Intervenção Fisioterapêutica em crianças com
paralisia cerebral. Revista Uniandrade 2018;18(3):122-30.
https://doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v18n3p122-130
23. Kalantari M, Ghorbani N, Mokhtarpur P. The effects of intensive Wii sport training on
adolescents with spastic diplegic cerebral palsy: case study. J Physiother Res
2017;2(1):48-50. https://doi.org/10.22037/jcpr.2017.08
24. Silva P, Santos A, Oliveira E, Ventura G, Gonzaga I and Araújo V. Efeitos da
intervenção de jogos X-Box 360 nas habilidades sensório-motoras de uma criança com
paralisia cerebral: estudo de caso. Revista Diálogos & Ciências 2016;16(36):73-87.
25. Furtado S, Vaz D, Moura L, Pinto T, Mancini N. Fortalecimento muscular em
adolescentes com paralisia cerebral: avaliação de dois protocolos em desenho
experimental de caso único. Rev Bras Saúde Mater Infant 2015;15(1):67-80.
https://doi.org/10.1590/S1519-3829015000100006
26. Souza ME. O efeito da toxina botulínica tipo A sobre a espasticidade e funcionalidade
da criança com paralisia cerebral espástica. São Paulo: Uninove; 2008.
https://bibliotecatede.uninove.br/handle/tede/1811
111
Fisioterapia Brasil 2020;21(1):104-113
27. Fernandes T, Lima K, Silva P, Oshiro M, Paula A. Avaliação da marcha em paciente
com paralisia cerebral submetido à estimulação elétrica dos compartimentos anterior e
lateral da perna. Acta Fisiátr 2011;18(1):42-4.
28. Midha D, Uttam M, Neb M. Journey of a child with spastic diplegic cerebral palsy from
doldrums to hope. Indian Journal of Cerebral Palsy 2015;1(2):127-30.
https://doi.org/10.4103/2395-4264.173459
29. Ferreira J, Carvalho D, Cristina F, Campos D. Análise qualitativa do efeito da
equoterapia para crianças com paralisia cerebral. Cadernos de Pós-Graduação em
Distúrbios do Desenvolvimento 2017;17(1):62-8.
https://doi.org/10.5935/cadernosdisturbios.v17n1p62-
30. Silva F, Martinello M, Medeiros D, Schwertner D, Ries L. Reeducação postural global
em um adulto com paralisia cerebral: um estudo de caso. Fisioter Pesqui
2015;22(1):90-6. https://doi.org/10.590/1809-2950/12636522012015
31. Khamis S, Martikaro R, Wientroub S, Hemo Y, Hayek S. A functional electrical
stimulation system improves knee control in crouch gait. J Children’s Orthop
2015;9:137-43. https://doi.org/10.1007/s11832-015-0651-2
... A Paralisia Cerebral (PC), também chamada de Encefalopatia Crônica não progressiva, é uma sequela resultante de uma lesão não progressiva no cérebro imaturo SILVA; SOUTO, 2020). Tal lesão resulta em transtorno neuro motor persistente, com variação do tônus, da postura e do movimento (SILVA; SOUTO, 2020). ...
... A Paralisia Cerebral (PC), também chamada de Encefalopatia Crônica não progressiva, é uma sequela resultante de uma lesão não progressiva no cérebro imaturo SILVA; SOUTO, 2020). Tal lesão resulta em transtorno neuro motor persistente, com variação do tônus, da postura e do movimento (SILVA; SOUTO, 2020). A PC é a deficiência motora mais comum na infância, o atraso motor, na maioria das vezes, pode vir acompanhado de alterações de comunicação, cognição, percepção, comportamento, funções sensoriais e crises convulsivas (KIM et al., 2018). ...
Book
Full-text available
Todo o conteúdo deste livro está licenciado sob uma Licença de Atribuição Creative Commons. Atribuição-Não-Comercial-Não Derivativos 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0). O conteúdo dos artigos e seus dados em sua forma, correção e confiabilidade são de responsabilidade exclusiva dos autores, inclusive não representam necessariamente a posição oficial da Atena Editora. Permitido o download da obra e o compartilhamento desde que sejam atribuídos créditos aos autores, mas sem a possibilidade de alterá-la de nenhuma forma ou utilizá-la para fins comerciais. Todos os manuscritos foram previamente submetidos à avaliação cega pelos pares, membros do Conselho Editorial desta Editora, tendo sido aprovados para a publicação com base em critérios de neutralidade e imparcialidade acadêmica. A Atena Editora é comprometida em garantir a integridade editorial em todas as etapas do processo de publicação, evitando plágio, dados ou resultados fraudulentos e impedindo que interesses financeiros comprometam os padrões éticos da publicação. Situações suspeitas de má conduta científica serão investigadas sob o mais alto padrão de rigor acadêmico e ético.
Article
Full-text available
Estudos científicos ainda questionam se a fisioterapia intensiva asso­ciada ao uso da roupa com elásticos (suit-órteses dinâmicas) produzem ou não desfechos benéficos para indivíduos com déficits neurológi­cos. Objetivo. Determinar os ganhos na função motora de tronco de crianças com diagnóstico de paralisia cerebral submetidas à cinco semanas de Terapia Neuromotora Intensiva (TNMI) com uso do traje do PediaSuit. Trata-se de um estudo observacional longitudinal de caráter quantitativo. Resultados. Foram avaliadas 22 crianças de 03 a 08 anos de idade, com déficitsneuromotores relacionados a parali­sia cerebral. Foram utilizados dois instrumentos de medida: A esca­la GMFM 88 e um sistema de eletrogoniometriawi-fi (com sensores sem fio) denominado Biofeed® (Biosmart®). Os resultados do GMFM mostraram diferença estatística (p<0,05) para as dimensões A, Be To­tal (média das dimensões avaliadas) entre os escores Pré e Pós TNMI. No mesmo sentido, a eletrogoniometriawi-fi apontou redução média (Pós - Pré) de 7,70’’ e 5,73’’ para o tempo de oscilação do tronco fora dos 4º e 10º, respectivamente, e ambos com p<0,05. Conclusão. Conclui-se que a TNMI associada ao uso do suit (órtese dinâmica) pode promover melhoras significativas no controle de tronco de crian­ças com diagnóstico de paralisia cerebral.
Article
Full-text available
[Purpose] To examine whether combining botulinum toxin type A with physiotherapy is better than botulinum toxin type A alone in reducing muscle tone and improving gross motor function in spastic diplegia. [Subjects and Methods] Forty-six ambulatory children with spastic diplegia (age: 25–154 months) were recruited. Patients were assigned to Groups 1 (n=18) and 2 (n=28). After baseline assessment, all children received botulinum toxin type A injections (6 units/kg) into the lower limb muscles. A second botulinum toxin type A injection was given 6 months later. The ankles were placed in plaster casts for 2 weeks after the first injection and an orthosis was prescribed after cast removal. Group 2 received 2 weeks of intensive physiotherapy. The gross motor function scores for the 2 groups were recorded at baseline, 4, 6, and 52 weeks. [Results] The improvement in gross motor function scores was significant for Group 2 and non-significant for Group 1. After 4, 6, and 52 weeks, Groups 1 and 2 showed 2.6% and 6.3% improvement, 4.8% and 12% improvement, and 5.5% and 19.4% improvement, respectively. [Conclusion] The addition of a 2-week physiotherapy programme after the initial botulinum toxin type A injections produced significantly greater improvements in gross motor function scores.
Article
Full-text available
A Paralisia Cerebral (PC) acomete o encéfalo e prejudica diretamente o desenvolvimento motor da criança. Intervenções fisioterapêuticas podem minimizar ou até mesmo reverter padrões atípicos de movimento, promovendo assim melhor repertório funcional. Participaram deste estudo duas crianças: criança 1 com diparesia, sexo feminino (14 anos) e criança 2 com coreoatetose, sexo masculino (11 anos). Como instrumentos de avaliação utilizou-se as escalas Quality of Extremity Skills Test, a Gross Motor Function Measure e a Gross Motor Function Classification System, para detectar as necessidades de cada indivíduo, então seguiu-se um protocolo de 10 intervenções, com frequência semanal de uma vez por semana e duração de aproximadamente 60 minutos. As intervenções foram baseadas no Conceito Neuroevolutivo de Bobath e Psicomotricidade. A intervenção fisioterapêutica foi eficiente para manter o repertório motor e estimular a aprendizagem motora das crianças especialmente nas dimensões de ficar em pé, andar, correr e pular da GMFM-88 para a criança 1, com efeito teto para habilidades manuais pela QUEST e manutenções dos escores da GMFM e QUEST da criança 2, a qual pelo seu nível de GMFCS e idade esperava-se declínio de habilidades motoras.
Article
Full-text available
Objective The purpose of this study was to compare the effectiveness of balance training using the Biodex balance system and a conventional balance training programme on balance score and on gross motor skills of children with spastic diplegia. Methods A randomized controlled study was conducted on 48 spastic diplegic children with cerebral palsy (26 boys and 22 girls) in the age range of 5–8 years. The children were randomly allocated to two equal groups. The investigators performed balance and gross motor function assessments for every child using the paediatric Berg balance scale and the gross motor function measure −88 scale (dimensions D and E) before and after the treatment programme. Passive repositioning sense was measured by a Biodex III isokinetic dynamometer. The study group received Biodex balance training and traditional physical therapy programme training, whereas the control group received conventional balance training in addition to the traditional physical therapy programme training, 3 times per week for 12 weeks. Results Significant improvement was observed in all outcome measures of the two groups, comparing their pre- and post-treatment mean values. Furthermore, the results revealed a significant (P < 0.05) improvement in mean post-treatment values for the Biodex balance training group. Conclusion Balance training using the Biodex balance system is superior to conventional balance training for improving the balance abilities and gross motor functions of children with cerebral palsy and spastic diplegia.
Article
Full-text available
OBJETIVO: Analisar a influência da terapia neuromotora intensiva na motricidade e na qualidade de vida de crianças com encefalopatia crônica não progressiva da infância. MÉTODOS: Como instrumentos de avaliação foram utilizados o Gross Motor Function Classification System (GMFCS), a Gross Motor Function Measure (GMFM-88) e o questionário Pediatric Quality of Life Interventory 3.1 – Cerebral Palsy Module Modificado (PedsQl 3.1), aplicado aos responsáveis pelas crianças. Por meio desses instrumentos, oito crianças de 4 a 10 anos com diagnóstico de encefalopatia crônica não progressiva da infância foram avaliadas por comparação dos valores médios pré e pós avaliação. RESULTADOS: Pela escala GMFM observou-se diferença estatística positiva entre o pré e o pós de p=0,0005 e na escala PedsQl obteve-se p=0,051. CONCLUSÕES: A terapia neuromotora intensiva influencia de maneira positiva na motricidade global. A qualidade de vida apresentou uma tendência a melhora, podendo ter seu resultado influenciado pelo número pequeno da amostra.
Article
Full-text available
Background: Swing phase of walking is considered as one of the most affected phase of gait in diplegic children.This study aimed at studying the effect of task oriented intervention on the Kinetic and kinematic parametersduring swing phase of spastic diplegic children.Materials and Methods: Twenty diplegic children were selected and distributed into two equal groups. Controlgroup received a traditional treatment and an experimental group treated with traditional treatment and tread-mill gait training. Gait analysis was done by 3-dimensional motion analysis system with 10 infrared camerasand two force platforms.Results: Cadence, walking speed, step length, stride length, maximum knee flexion angle, maximum ankle dorsi-flexion angle, maximum knee flexion moment and maximum ankle dorsiflex moment showed statistically signifi-cant improvement in both groups at Pd” 0.05. Single limb support time showed non-significant improvements inboth groups at Pd” 0.05.Conclusion:The results indicated that the use of task oriented training in the form of treadmill gait training andthe conventional physical therapy treatment improve spatiotemporal parameters, knee flexion angle and ankledorsiflexion moment and decrease the knee flexion moment in swing phase.
Article
Full-text available
Performance of daily living activities for children with cerebral palsy is often a major challenge required main training for postural control. The purpose of this study was to investigate the effect of suspension therapy on balance in spastic diplegic cerebral palsied children. Twelve spastic diplegic cerebral palsied children participated in this study. The children were assigned randomly into two equal groups; control group and study group. All children were assessed for functional performance by Gross Motor Function Measure and balance by Pediatric balance scale. Both groups received specially designed physical therapy program to improve balance while the study group received the same specially designed physical therapy program but inside the suspension therapy. The treatment continued for eight successive weeks, three times/ week. Pre-treatment results revealed non significant difference in Gross Motor Function Measure and Pediatric balance scale mean values between the two groups. Pre and post treatment results for the control and study groups revealed significant improvement in all measuring variables of the two groups. Post treatment results of the both groups revealed significant improvement in all measuring variables in favor of the study group. Conclusion: suspension therapy was effective in improving motor functions and balance in spastic diplegic cerebral palsied children.
Article
Full-text available
Background: Suspension training and treadmill training are commonly used for promoting functional gross motor skills in children with cerebral palsy. Objective: The aim of this study was to compare the effect of body-weight suspension training versus treadmill training on gross motor functional skills. Design: Assessor-blinded, randomized, controlled intervention study. Setting: Outpatient rehabilitation facility. Population: Twenty children with spastic diplegia (7 boys and 13 girls) in the age ranged from 6 to 8 years old were randomly allocated into two equal groups. All children were assessed at baseline, after 18-session and after 36-session. Methods: During the twelve-week outpatient rehabilitation program, both groups received traditional therapeutic exercises. Additionally, one group received locomotor training using the treadmill while the other group received locomotor training using body-weight suspension through the spider cage. Assessment included dimensions "D" standing and "E" walking of the gross motor function measure, in addition to the 10-meter walking test and the five times sit to stand test. Training was applied three times per week for twelve consecutive weeks. Results: No significant difference was found in standing or walking ability for measurements taken at baseline or after 18-session of therapy. Measurements taken at 36- session showed that suspension training achieved significantly (P<0.05) higher average score than treadmill training for dimension D as well as for dimension E. No significant difference was found between suspension training and treadmill training regarding walking speed or sit to stand transitional skills. Conclusion: Body- weight suspension training is effective in improving walking and locomotor capabilities in children with spastic diplegia. After three month suspension training was superior to treadmill training. Clinical rehabilitation impact: Body-weight suspension training promotes adequate postural stability, good balance control, and less exertion which facilitates efficient and safe gait.