BookPDF Available

Formação, ação e reflexão: um curso sobre o uso de metodologias ativas para professores da Educação Profissional e Tecnológica

Authors:
Book

Formação, ação e reflexão: um curso sobre o uso de metodologias ativas para professores da Educação Profissional e Tecnológica

Abstract and Figures

Este guia tem por objetivo apresentar o planejamento e a aplicação do curso de Formação Continuada para docentes da Educação Profissional e Tecnológica usando metodologias ativas, descrever como foi o curso para que possa ser implantado e divulgado em outras instituições, possibilitando a divulgação da proposta para além dos muros do Ifes, campus Guarapari.
Content may be subject to copyright.
INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO
CAMPUS VITÓRIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
GUIA DIDÁTICO
FORMAÇÃO, AÇÃO E REFLEXÃO: UM CURSO SOBRE O USO DE
METODOLOGIAS ATIVAS PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO
PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
Morgana Simões Portugal Meriguete
Marize Lyra Silva Passos
Renata Gomes de Jesus
Produto Educacional do:
VITÓRIA ES, 2019
FICHA CATALOGRÁFICA
P 90f Meriguete, Morgana S. Portugal.
Ficha catalográfica para trabalhos acadêmicos / Morgana S. Portugal Meriguete. - Vitória,
2019.
Formação, ação e reflexão: um curso sobre o uso de metodologias ativas para professores da
Educação Profissional e Tecnológica / Morgana Simões Portugal Meriguete, Marize Lyra Silva
Passos, Renata Gomes de Jesus. Vitória: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
do Espírito Santo, 2019
90p.
Produto Educacional (Pós-Graduação Stricto Sensu) Instituto Federal do Espírito Santo,
Campus Vitória, Curso de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica
(PROFEPT), Vitória, 2019.
1. Ficha Catalográfica. 2. Método de Estudo. 3. Trabalhos Científicos. I. João de Paula. II.
Título
CDD 001.4
Catalogado por: (Nome do Bibliotecário e Registro no CRB)
Edifes
Centro de Referência em Formação e Educação a Distância Instituto Federal do
Espírito Santo Rua Barão de Mauá, 30, Bairro Jucutuquara Vitória, Espírito Santo.
CEP: 29040-860 Tel. +55(27) 3198-0934 E-mail: editora@ifes.edu.br
Comissão Científica
Azenaide Abreu Soares Vieira
Isaura Alcina Martins Nobre
Marize Lyra Silva Passos
Renata Gomes de Jesus
Coordenação do Curso
Antônio Henrique Pinto
Revisão do Texto
Morgana Simões Portugal Meriguete
Capa e Editoração eletrônica
Morgana Simões Portugal Meriguete
Produção e Divulgação
Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo
Ifes - Campus Vitória
Instituto Federal do Espírito Santo
Jadir José Pela
Reitor
Adriana Pionttkovsky Barcellos
Pró-Reitoria de Ensino
André Romero da Silva
Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação
Renato Tannure Rotta de Almeida
Pró-Reitor de Extensão e Produção
Lezi José Ferreira
Pró-Reitor de Administração e Orçamento
Luciano de Oliveira Toledo
Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional
Diretoria do Campus Vitória do Ifes
Hudson Luiz Cogo
Diretor Geral do Campus Vitória-Ifes
Marcio de Almeida Có
Diretor de Ensino
Marcia Regina Pereira Lima
Diretora de Pesquisa e Pós-graduação
Christian Mariani Lucas dos Santos
Diretor de Extensão
Roseni da Costa Silva Pratti
Diretor de Administração
Morgana Simões Portugal Meriguete
Graduada em Pedagogia com ênfase em Alfabetização (FIPAG), especialização em Inclusão
(CESAP) e em Gestão Educacional: orientação e supervisão (Uninter), mestranda do programa de
mestrado profissional em Educação Profissional e Tecnológica ProfEPT, atualmente é pedagoga do
Instituto Federal do Espírito Santo - IFES - Campus Guarapari.
Marize Lyra da Silva Passos
Doutora em Engenharia de Produção e Doutora em Educação. Mestre e Especialista em Informática,
Engenheira de Petróleo e Administradora de Empresas. Professora Titular e pesquisadora do Centro
de Referência em Formação e em Educação a Distância (Cefor) do Instituto Federal do Espírito Santo
(Ifes). Professora permanente do mestrado profissional em Educação Profissional e Tecnológica
(ProfEPT) e mestrado profissional em Educação em Ciências e Matemática (EDUCIMAT).
Pesquisadora dos grupos de pesquisa Educação e Tecnologia, Tecnologias Digitais e Práticas
Pedagógicas e Práticas Educativas em Educação Profissional e Tecnológica.
Renata Gomes de Jesus
Possui graduação em Engenharia Elétrica, especializações em Gestão de Empresas e em Gestão da
Tecnologia da Informação, mestrado e doutorado em Administração. Atualmente é professora do
Instituto Federal do Espírito Santo nos cursos Técnico em Eletrotécnica, Graduação em Engenharia
Elétrica, Pós-Graduação em Tecnologias Empresariais no Campus de Guarapari e Pós-Graduação
em Eficiência Energética e Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica no
Campus Vitória.
Autores
Sou educadora desde 1992, amo o que faço, fui professora de Educação Infantil e
Ensino Fundamental 1 durante 18 anos e atualmente sou pedagoga do Instituto
Federal do Espírito Santo (Ifes), campus Guarapari. Faço parte do NAPNE (Núcleo
de Atendimento a Pessoas de Necessidade Específicas), do FGP (Fórum de Gestão
Pedagógica), da CET (Câmara de Ensino Técnico), do NACE (Núcleo de Arte,
Cultura e Esporte) e do Conselho de Ética Discente.
Entrei para o mestrado em 2017, no Programa de Mestrado Profissional em
Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT). Desde o momento em que ingressei
no mestrado, minha cabeça fervilhava com vários temas que me intrigavam e me
encantavam, queria muito pesquisar algo que contribuísse para o meu trabalho, no
campus em que atuo, que trouxesse benefícios ao meu ambiente de trabalho e que
me enriquecesse como profissional.
Como fui professora do curso de pedagogia e para mim foi uma das melhores
experiências da minha vida, gosto de ministrar cursos, oficinas, palestras, pensei em
algo que conciliasse isso com a Educação Profissional e Tecnológica, por isso optei
pelo tema Formação Continuada de Professores no Ifes Campus Guarapari.
A formação continuada é algo necessário e imprescindível na vida do profissional,
seja ele qual for, se atualizar, analisar e refletir a prática, trocar ideias e informações,
conhecer um pouco mais as teorias que embasam o nosso trabalho, isto tudo é
muito importante para o nosso trabalho.
A proposta então foi um curso de formação continuada para os professores do Ifes,
campus Guarapari, no próprio ambiente de trabalho, envolvendo temas que fossem
elencados pelos próprios docentes, num processo reflexivo e dialógico.
As metodologias ativas vieram enriquecer a minha ideia de formação docente, quem
me apresentou esta proposta foi a minha orientadora Marize Lyra Silva Passos, a
ideia veio contribuir para transformar o curso em oficinas pedagógicas, com
atividades práticas, envolvendo teoria e prática, reflexão e ação.
O produto almejado é o próprio curso e todos os frutos alcançados advindo desta
proposta, principalmente em relação à aplicação em sala de aula e um Guia Didático
Prefácio
com a descrição minuciosa do Curso, dos temas envolvidos e das metodologias
utilizadas.
Aqui estou, finalizando este sonho que se tornou realidade, espero que este Guia
contribua com a prática dos docentes e alicerce todos aqueles que queiram replicar
o curso em suas escolas ou Institutos Federais.
O primeiro capítulo apresenta a proposta do curso, o projeto que foi enviado para
análise e aprovação do curso, com objetivos, justificativa, matriz curricular e
avaliação.
No segundo capítulo aborda os temas que foram trabalhados nas oficinas:
Metodologias Ativas, Ensino Híbrido, Avaliação, Projetos e Interdisciplinaridade, para
embasar as discussões e atividades práticas.
No terceiro capítulo relata o passo a passo de cada metodologia trabalhada nas
oficinas, com objetivos, materiais necessários, desenvolvimento, como foi trabalhada
no curso e algumas trazem sugestões de sites ou vídeos para quem quiser se
aprofundar ou entender melhor a metodologia proposta.
Este guia tem por objetivo apresentar o planejamento e a aplicação do curso de
Formação Continuada para docentes da Educação Profissional e Tecnológica
usando metodologias ativas, descrever como foi o curso para que possa ser
implantado e divulgado em outras instituições, possibilitando a divulgação da
proposta para além dos muros do Ifes, campus Guarapari.
Morgana Simões Portugal Meriguete
Autora
1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO ............................................................................. 10
2. CONCEITOS TRABALHADOS EM CADA ENCONTRO ....................................................... 15
1º ENCONTRO - METODOLOGIAS ATIVAS ........................................................................... 15
2º ENCONTRO ENSINO HÍBRIDO .......................................................................................... 19
3º ENCONTRO AVALIAÇÃO ................................................................................................... 25
4º ENCONTRO INTERDICIPLINARIDADE E PROJETOS ................................................. 31
3. METODOLOGIAS UTILIZADAS NAS OFICINAS ................................................................... 36
1º ENCONTRO METODOLOGIAS ATIVAS .......................................................................... 37
4.1. Dinâmica de Entrosamento ............................................................................................... 38
4.2 Expectativas do Curso ........................................................................................................ 39
4.3 Dinâmica para divisão de grupos BALÕES .................................................................. 40
4.4 Grupo de Verbalização e Grupo de Observação (GVGO) ............................................ 41
4.5. Word café (Café Mundial) .................................................................................................. 43
4.6. Brainstorming (Tempestade de Ideias) ........................................................................... 45
4.7. Mapa mental ........................................................................................................................ 47
2º ENCONTRO ENSINO HÍBRIDO .......................................................................................... 49
4.8. Boas vindas Mensagem do Hortelã .............................................................................. 50
4.9. Dinâmica para divisão de grupos CORES .................................................................. 51
4.10.Peer Instruction (instrução por pares) ............................................................................ 52
4.11. Kahoot ................................................................................................................................ 54
4.12. Rotação por Estações ...................................................................................................... 56
4.13. Padlet (Mural Virtual) ....................................................................................................... 58
3º ENCONTRO AVALIAÇÃO ................................................................................................... 60
4.14. Dinâmica para divisão de grupos MÚSICAS ............................................................ 61
4.15. Phillips 66 ........................................................................................................................... 62
4.16. Método de Caso (Casos de ensino) .............................................................................. 64
4.17. TBL (Aprendizagem Baseada em equipes ou times) ................................................. 66
4.18. Avaliação por pares .......................................................................................................... 68
4.19. Diário de Bordo ou Diário de Aprendizagem ................................................................ 69
4º ENCONTRO - PROJETOS E INTERDISCIPLINARIDADE ............................................... 70
4.20. Dinâmica para divisão de grupos QUEBRA -CABEÇA ........................................... 71
4.21 CANVAS .............................................................................................................................. 72
4.22. Fishbowl ............................................................................................................................. 74
Sumário
4.23. Técnica dos 6 chapéus .................................................................................................... 76
4.24. Dinâmica de confraternização O PRESENTE .......................................................... 78
REFERÊNCIAS .................................................................................................................................. 80
APÊNDICE A Questões para o Kahoot .................................................................................... 83
APÊNDICE B Instruções para Rotação por Estações ......................................................... 84
APÊNDICE C Phillips 66 - Avaliação ........................................................................................ 85
APÊNDICE D Método de Caso ................................................................................................... 87
APÊNDICE E Questões sobre avaliação TGL .................................................................... 89
APÊNDICE F Cartão de Respostas - TBL ............................................................................... 90
APÊNDICE G Mural Canvas itens do cartaz ....................................................................... 91
APÊNDICE H Questões para o Fishbowl ................................................................................ 92
APÊNDICE I Questões para a técnica dos 6 chapéus ......................................................... 93
Este guia didático-pedagógico é destinado a educadores (professores, pedagogos,
diretores de ensino) que atuam na Educação Profissional e Tecnológica.
Ele é o resultado do trabalho de conclusão do curso de Mestrado Profissional em
Educação Profissional e Tecnológica ProfEPT- sob a orientação da professora
Marize Lyra Silva Passos e coorientação da professora Renata Gomes de Jesus,
ambas do Instituto Federal do Espírito Santo.
O material foi produzido a partir da aplicação de um curso intitulado de Formação
Continuada para docentes da EPT: utilizando metodologias ativas na prática
docente”. Destinado aos educadores do Instituto Federal do Espírito Santo, campus
Guarapari, educadores dos cursos técnicos de administração, eletrotécnica e
mecânica.
Este Guia tem o propósito de auxiliar os educadores a aplicarem o curso em outras
instituições de ensino. Podendo, é claro, fazer alterações e usá-lo como norteador
de novos cursos de formação continuada para educadores em serviço.
Figura 1- Cartaz do curso
Fonte: criado pela autora no site https://www.canva.com/pt_br/ (2019). Os autores
Apresentação
10
1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO
Resumo do projeto cadastrado na Pró-reitoria de Desenvolvimento
Institucional - Prodi
Título: Formação Continuada para docentes da EPT: utilizando metodologias
ativas na prática docente
Carga Horária: 60h
Horário: 13h às 18h
Público Alvo: Educadores da
Educação Profissional e
Tecnológica
Nº de Vagas: 25
Modalidade: Presencial com atividades on-line
Resumo da Proposta:
Este curso faz parte do projeto de pesquisa do mestrado profissional em Educação
Profissional e Tecnológica, que tem como produto o curso de formação continuada
para docentes e um Guia Didático deste curso. Surge da necessidade de proporcionar
aos docentes da Educação Profissional e Tecnológica (EPT), do IFES - Campus
Guarapari, formação continuada. Com o objetivo de levar o professor a “refletir sobre a
prática docente e aplicar metodologias ativas de ensino e aprendizagem em cursos
técnicos. Será oOfertado em 4 encontros presenciais utilizando como metodologia -
oficinas pedagógicas - com temas elencados anteriormente pelos docentes, utilizando
a aprendizagem ativa como abordagem norteadora. Organizado com quatro oficinas
presenciais com os temas: Metodologias Ativas; Ensino Híbrido / Sala de Aula
Invertida; Avaliação e Projetos / Interdisciplinaridade e um Seminário Integrador como
culminância do curso. Conta com atividades on-line, atividades de práticas docentes e
um Seminário Integrador com a apresentação de intervenções realizadas pelos
docentes, utilizando as metodologias trabalhadas no curso, adaptadas para as suas
respectivas disciplinas. Te como meta formar professores reflexivos, capazes de
atuarem de forma mais consciente, percebendo seu papel de mediador, saindo do
centro do processo de ensino-aprendizagem. Os encontros presenciais serão no
Campus Guarapari com atividades teóricas, práticas e reflexivas, com carga horária de
60h.
Justificativa
Sou pedagoga do Ifes (Instituto Federal do Espírito Santo) desde 2013, até então,
tenho visto muitos professores cobrando a falta de formação continuada para os
docentes, necessidade presente nos documentos institucionais do Instituto. No
Regimento Interno dos campi do Ifes, publicado em 2016, no parágrafo V, Art. 48,
subseção I e sessão III consta que o Ifes deve “propor e desenvolver atividades de
orientação e capacitação aos docentes e técnicos administrativos ligados ao ensino”.
De acordo com o PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional) 2014-2019, outro
documento do Ifes, pág. 57:
[...] podemos dizer que a formação continuada dos docentes e
sua valorização profissional são fatores determinantes da
qualidade educacional e retroalimentam os demais princípios. O
aprender contínuo é essencial e se concentra em dois pilares: a
11
própria pessoa, como agente, e a escola como lugar de
crescimento profissional permanente [...].
Inclusive, estes documentos ressaltam que uma das funções do pedagogo é organizar
e promover, junto à Direção de Ensino, cursos de formação continuada. Portanto, isto
me deixava muito intrigada, até que ponto, palestras isoladas, assistemáticas, seriam
enquadradas como formação docente? Não seria necessário algo mais específico,
planejado, organizado e sistemático para efetivamente surtir efeito e causar reflexão e
transformações?
Outro documento importante, que não podemos deixar de citar é a LDB (Lei de
Diretrizes e Bases da Educação) n° 9394/96 (BRASIL, 1996) em seu capítulo sobre os
profissionais da Educação, ressalta a importância da formação em serviço, associando
teoria e prática, e a importância dos programas de educação continuada para os
profissionais da educação (art. 61 e 63).
Decidimos implantar o curso no Ifes-Campus Guarapari, pois acreditamos que a
formação continuada na própria escola, melhora a qualidade do processo de ensino-
aprendizagem, afinal, ela é feita a partir das necessidades e interesses da comunidade
escolar, não é algo imposto ou vertical, mas uma formação horizontal, aberta e
dialógica.
O curso será voltado para docentes da EPT, do Campus Guarapari, e fa parte de um
projeto de pesquisa do Mestrado Profissional de Educação Profissional e Tecnológica
da proponente.
Apresenta práticas pedagógicas, na educação profissional e tecnológica, que
valorizam o protagonismo dos estudantes. Justifica-se pela necessidade constante do
aprimoramento docente, da busca de alternativas viáveis, para cada vez mais alcançar
bons resultados em sala de aula. No início do ano de 2018, realizamos em nosso
campus uma semana pedagógica e na programação do evento, houve um dia de
oficina com a prof. Marize Passos do Cefor. Percebemos o quanto os professores
ficaram entusiasmados com a metodologia ativa, participaram, fizeram perguntas,
porém, um dia de oficina é muito pouco, por este motivo, deslumbramos um curso
de formação continuada para os docentes, com uma média de 5 encontros presenciais,
algumas atividades on-line para suporte do curso, proporcionando, desta forma, um
espaço de troca de experiências, de reflexão e de transformação.
Um curso com temáticas variadas, que envolvem o universo da docência, porém todos
os temas vinculados às metodologias ativas. Os temas foram escolhidos a partir de
uma enquete realizada com os docentes do IFES Guarapari, no 2º semestre de 2018.
Ao final do curso realizar-se-á um Seminário Integrador com a exposição de alguns
resultados obtidos e suas perspectivas quanto à possibilidade de continuar a utilizar
estas metodologias e tecnologias no cotidiano escolar, aberto ao público.
Objetivo Geral:
Refletir sobre a prática docente e aplicar metodologias ativas de ensino e
aprendizagem em cursos técnicos do Ifes Campus Guarapari.
Objetivos Específicos:
1. Utilizar metodologias de ensino e aprendizagem centrada no estudante;
2. Utilizar ferramentas digitais no processo de ensino e aprendizagem;
12
3. Trabalhar em grupo e gerenciar conflitos interpessoais;
4. Realizar autoavaliação de forma constante e individualizada;
5. Refletir sobre os instrumentos de avaliação e tipos de avaliação são utilizados
pelos docentes
6. Perceber a importância da interdisciplinaridade na Educação Profissional e da
elaboração de projetos interdisciplinares.
Metodologia de Trabalho:
Metodologia de trabalho: Oficinas Pedagógicas (Debates, aulas dialogadas, atividades
práticas e teóricas, jogos, dinâmicas, técnicas educacionais etc.).
Seguirá os princípios da aprendizagem ativa, os cursistas serão organizados em
grupos e trabalharão de forma colaborativa, com atividades práticas, discussões e
realizando diferentes estratégias didáticas. Utilizaremos também recursos digitais e
tecnológicos nas oficinas. Sempre em grupo, os professores serão orientados a discutir
os temas do curso e construir seus próprios entendimentos de forma colaborativa. O
coordenador do curso atuará como instigador e norteador dos caminhos a serem
trilhados. O curso contará com uma plataforma Google Sala de Aula, para atividades
on-line.
As estratégias utilizadas serão: debates, aulas dialogadas, atividades práticas e
teóricas, jogos, dinâmicas, metodologias pedagógicas centradas no aluno e recursos
digitais.
Etapas:
1- Sondagem e enquete (ver quantos professores se interessam e quais os dias e
horários melhores para as oficinas) 2º semestre de 2018.
2- Divulgação do curso e inscrições- fevereiro.
3- Entrevista inicial (avaliação diagnóstica do público alvo).
4- Atividades on-line textos e vídeos sobre o assunto 4h.
5- Encontro Metodologias Ativas aprendizagem centrada no aluno” 26/02
5h.
6- Atividades on-line textos e vídeos sobre o assunto 4h.
7- Encontro Ensino Híbrido, sala de aula invertida e Estações por Rotação
14/03 5h.
8- Atividades on-line textos e vídeos sobre o assunto 4h.
9- Encontro Avaliação (tipos e instrumentos) e Avaliação por pares 27/03
5h.
10- Atividades on-line textos e vídeos sobre o assunto. 4h.
11- 4ª Encontro - Interdisciplinaridade e Projetos 11/04 5h.
12- Atividades on-line textos e vídeos sobre o assunto 4h.
13- Práticas Docentes postagem de materiais relacionados as atividades feitas
pelos professores em sala de aula. Diário de Bordo 5h.
14- Práticas Docentes - Planejamento e orientação para a realização de uma
intervenção em sala de aula, feita pelos docentes, utilizando as metodologias
aprendidas. 10h.
13
Seminário Integrado (para exposição das práticas docentes, troca de ideias e
experiências e avaliação do curso) 07/05 -5h.
Matriz Curricular
Disciplinas
CH
Encontro 1 -
Metodologias Ativas
aprendizagem centrado
no aluno
05h
Encontro 2
Ensino Híbrido (Sala de
Aula Invertida e
Rotação por Estações)
05h
Encontro 3
Avaliação e Avaliação
por Pares
05h
Encontro 4
Projetos e
Interdisciplinaridade
05h
Práticas Docentes e
Planejamento
15h
Atividades on-line
Aprendizagem Ativa
20h
Seminário Integrador
05h
Total da carga horária
60h
O Curso está organizado em 20h de aulas presenciais através das oficinas
pedagógicas, 15h de Práticas Docentes (atividades que os docentes realizarão com
suas turmas em sala de aula), 20h de Atividades on-line e 5 h do Seminário
Integrador e Avaliação do Curso, totalizando 60h.
Avaliação:
Realizarão uma avaliação diagnóstica para perceber os conhecimentos que os
docentes têm sobre o assunto. Durante o curso a avaliação será contínua e
formativa, mediante registros dos resultados alcançadas nas atividades realizadas
14
durante a oficina e análise das atividades propostas. Ao término do curso o cursista
deverá evidenciar as competências desenvolvidas durante a oficina através de uma
autoavaliação e uma avaliação do curso. É necessário 75% de frequência no curso
para aprovação e recebimento do certificado. As atividades presenciais serão
avaliadas em cada oficina, através de estratégias avaliativas dialógicas, as tarefas
solicitadas na Sala de Aula virtual e nos encontros presenciais pontuam em 80
pontos e o seminário final totaliza mais 20 pontos. É necessário 60% de
aproveitamento para certificação.
Certificação:
O curso será cadastrado na Coordenadoria de Seleção e Departamento de Pessoas da
Prodi, como curso de capacitação de servidores.
Somente terá direito ao certificado, o aluno que obtiver o mínimo de 75% de
presença nas oficinas.
Realizar as atividades propostas na Sala de Aula Virtual, nas oficinas e no
seminário com aproveitamento de 60%.
O link para a emissão do certificado se disponibilizado por e-mail. O prazo para
emissão de certificado é de até 60 dias após a conclusão do curso.
Recursos:
-01 sala de aula (de preferência com mesas redondas para trabalho em grupo);
- Quadro branco, pincéis e apagador;
- Impressora; projetor de multimídia; computador;
- Papel A4;
- Canetas coloridas; fita lacre, blocos adesivos de nota, canetas coloridas;
- Bloco de Papel para flipchart ou papel cenário branco;
- Outros materiais que a formadora do curso providenciará de acordo com as
demandas.
Seleção dos participantes:
Pré-Requisitos:
- Educadores da Educação Profissional e Tecnológica do Ifes;
- Ter disponibilidade para frequentar as aulas;
- Ter interesse em participar de toda a formação;
Processo de Seleção:
A inscrição será através de formulário do Google Docs enviado a todos os educadores
do campus. Por ordem de inscrição, dentro do prazo estabelecido. Os professores
inscritos assinarão o TCL (Termo de Consentimento Livre e Esclarecido) e a
autorização de divulgação de imagem e voz.
A divulgação será feita por e-mail.
Para o Seminário, será feito um projeto separado, cadastrado na Extensão como
evento, divulgado para todo o campus e outras instituições de ensino. Com a previsão
de 40 participantes, e inscrição on-line. Certificação de 5h.
15
2. CONCEITOS TRABALHADOS EM CADA
ENCONTRO
1º ENCONTRO - METODOLOGIAS ATIVAS
Figura 2 Nuvem de palavras sobre o tema Metodologias Ativas
Fonte: criado pela autora no site https://www.wordclouds.com 2019.
Segundo Moran (2013) entende-se por metodologia ativa atividades centradas na
atividade do aluno, que incitam a curiosidade, propõem desafios, engajam o aluno
em vivências, propiciam trabalhos em colaboração, desenvolvem a autonomia de
educandos nas tomadas de decisões, dá ênfase ao papel protagonista do aluno,
valoriza seu envolvimento e sua participação efetiva na construção do processo de
aprendizagem.
Quanto maior a proximidade entre as atividades escolares e as atividades da vida
real, melhor. Neste sentido, as metodologias ativas se mostram como uma
alternativa, ou pelo menos um ponto inicial de mudanças substanciais na educação.
O uso de metodologias ativas pressupõe a atividade (ao contrário da passividade)
por parte dos alunos (MATTAR, 2017).
16
As metodologias ativas se constituem em práticas educativas que estimulem a
participação ativa do educando no processo, sendo corresponsável pelo seu
aprendizado. Pereira define metodologias ativas como:
[...] todo o processo de organização da aprendizagem
(estratégias didáticas) cuja centralidade do processo esteja,
efetivamente, no estudante. Contrariando assim a
exclusividade da ação intelectual do professor e a
representação do livro didático como fontes exclusivas do
saber na sala de aula (PEREIRA, 2012, p. 6).
Para Moran (2015, p. 18) [...] as metodologias ativas são pontos de partida para
avançar para processos mais avançados de reflexão, de integração cognitiva, de
generalização, de reelaboração de novas práticas”, evitando assim, a educação
tradicional, na qual o professor é o centro do processo.
Segundo Camas e Brito (2017, p. 314) entende-se por “metodologias ativas as
diferentes formas de desenvolver o processo de aprender que os professores
utilizam, com a intenção da formação crítica de futuros profissionais, em várias áreas
do saber”. Com a intenção de desenvolver a autonomia, a curiosidade, desenvolver
a tomada de decisões e proporcionar atividades coletivas e individuais.
[...] intenciona-se, com sua aplicação, favorecer a autonomia
do estudante, despertar a curiosidade e estimular tomadas de
decisões individuais e coletivas, advindas das atividades
essenciais da prática social e nos contextos do estudante
(CAMAS; BRITO, 2017, p. 314).
Paulo Freire faz uma crítica à educação tradicional, em que o professor é o
transmissor do conhecimento e os alunos são passivos no processo educacional,
denominado por ele de educação bancária (FREIRE, 2011), por ser um ensino
baseado na transmissão de informações. Na aprendizagem ativa, ressalta-se a
importância de colocar o aluno no centro do processo, ele passa a assumir uma
postura mais ativa.
Segundo Moran (2015), as metodologias ativas trabalham a autonomia, fomentam a
reflexão e desenvolve diferentes competências como as intelectuais, emocionais,
pessoais e comunicacionais.
O século XXI exige dos alunos egressos da EPT competências e habilidades antes
não evidenciadas, como capacidade de resolução de problemas, trabalho em
equipe, criatividade e inovação. Como ressaltam Barbosa e Moura:
17
A EPT requer uma aprendizagem significativa, contextualizada,
orientada para o uso das TIC, que favoreça o uso intensivo dos
recursos da inteligência, e que gere habilidades em resolver
problemas e conduzir projetos nos diversos segmentos do
setor produtivo […] deve estar cada vez mais distante da
aprendizagem tradicional, fundamentada no poder do verbo,
teórica e dependente do uso intensivo da memória
(BARBOSA; MOURA, 2013, p. 52).
Afinal, esperamos que nossos alunos se tornem profissionais autônomos, críticos,
criativos, que saibam trabalhar em equipe, que tenham responsabilidade e iniciativa.
Segundo Edgar Dale (1969), o aluno aprende melhor quando pratica e participa
ativamente, criando, explicando, como podemos ver na Figura 3, o cone da
aprendizagem, criado por ele, que ficou conhecido como The cone of learning.
Figura 3 Pirâmide da Aprendizagem
Fonte: Adaptado pelo site http://revistaferramental.com.br/site/artigo/mudanca-e-necessaria-e-
aprender-inevitavel (2019)
Portanto, para priorizarmos as habilidades descritas na base da pirâmide é
necessária uma educação que espaço à construção e a coletividade, que
trabalhe mais a prática e envolva o aluno. Uma boa alternativa para que isto se
concretize na EPT é o uso de metodologias ativas no cotidiano escolar, dando
destaque à ação do aluno em detrimento de sua passividade.
18
Barbosa e Moura (2013), em seu artigo sobre o uso das metodologias ativas na
educação profissional, sugerem o uso das metodologias ativas, como a
Aprendizagem Baseada em Problemas e a Aprendizagem Baseada em Projetos,
para atender as demandas educacionais do nosso tempo e superar o modelo
tradicional, elevando a eficácia e a eficiência da aprendizagem na Educação
Profissional.
Além das metodologias citadas por Barbosa e Moura (2013), Mattar (2017) cita,
também, outras metodologias que podem ser utilizadas em ambientes educativos
presenciais e a distância, para apoiar a aprendizagem ativa: a sala de aula invertida;
a instrução por pares (peer instruction); o método do caso; pesquisas; aprendizagem
baseada em jogos e gamificação; design thinking; a avaliação por pares e
autoavaliação.
O uso de metodologias ativas na EPT se mostra bastante viável devido às
disciplinas do currículo da EPT que são voltadas para a prática profissional, e a
presença de laboratórios que simulam o ambiente de trabalho. Estas características,
por si só, tendem a propiciar uma participação mais ativa do aluno. Há ainda,
entretanto, muito espaço para o crescimento e participação ativa do discente, que
pode ser facilitada pela adoção de técnicas de resolução de problemas, do estudo
de caso, da aprendizagem híbrida, o uso mais intenso das Tecnologias Digitais da
Informação e Comunicação (TDIC), de visitas técnicas etc.
Para isso, é necessário um ambiente ativo, que o professor assuma o papel de
orientador, facilitador e supervisor do processo, planejando atividades capazes de
estimular o trabalho em equipe, a comunicação, o trabalho colaborativo, a solução
de problemas, a produção e a criação.
IMPORTANTE:
Material postado no Google Sala de Aula para os cursistas-docentes
TEXTO: https://drive.google.com/open?id=18rn8N19qOFqdDHjbo92ZsjV0TzdHhJcs
VÍDEO: https://www.youtube.com/watch?v=9Ec3EM0X5UE
19
2º ENCONTRO ENSINO HÍBRIDO
Figura 4 Nuvem de palavras sobre o tema Ensino Híbrido
Fonte: criado pela autora no site https://www.wordclouds.com 2019.
Primeiramente torna-se necessário entender o significado do termo “híbrido”, para
compreendermos melhor esta terminologia, usada para descrever um tipo de ensino.
No início do século XXI, o termo blended learning, ou em português ensino híbrido,
emergiu como uma nova tendência de modelo de ensino e estilo de aprendizagem.
Christensen, Horn e Staker (2012) o definem como uma abordagem educacional que
mescla momentos on-line e presencial; nos momentos on-line o aluno estuda os
conteúdos e instruções usando recursos digitais e, nos momentos presenciais, pode
ocorrer interação entre alunos e desses com os professores. O resultado desse
encontro são cursos híbridos que procuram aproveitar o que de mais vantajoso
em cada modalidade, considerando contexto, custo, adequação pedagógica,
objetivos educacionais e perfis de alunos” (TORI, 2009, p. 121).
Segundo Moran (2015), o Ensino Híbrido ou “Blended Learningé uma metodologia
de educação que se caracteriza por mesclar, misturar, combinar dois modelos de
ensino: o presencial e o on-line. Dito de outra forma, compreende uma metodologia
que integra momentos de estudo sozinho e em grupo, com o professor e os colegas,
valorizando a autonomia e o trabalho coletivo.
20
No ensino presencial, conhecido como off-line, os alunos estudam em grupo, em
dupla, ou com toda a turma; é valorizado as relações, as trocas e a colaboração.
No momento de ensino on-line, os alunos dispõem da possibilidade de estudarem
em casa, mas também na escola, na biblioteca, na sala de informática ou até
mesmo na própria sala de aula. Desse modo, os próprios estudantes controlam o
seu tempo, seu ritmo e muitas vezes o modo e o local de estudos, o que favorece a
responsabilidade, a tomada de decisões e a autonomia.
Os dois momentos on-line e presencial são norteados por um objetivo central,
contudo cada parte da aprendizagem possui características próprias, que se
completam em meio ao processo.
Segundo Moran (2013, p. 4), a aprendizagem híbrida é destacada pela flexibilidade,
misturando e compartilhando espaços, tempos, atividades, materiais. “Hibrido, hoje,
tem uma mediação tecnológica forte: físico-digital, móvel, ubíquo, realidade física e
aumentada, que trazem inúmeras possibilidades de combinações, arranjos,
itinerários, atividades”.
Parafraseando Andrade e Souza (2016) no Ensino Híbrido os alunos aprendem mais
e melhor, de forma mais dinâmica, mais ativa, gerando muitos benefícios como o
aproveitamento melhor do tempo, maior engajamento dos estudantes na
aprendizagem.
Nas salas de aula tradicionais os professores são os detentores do saber, o tempo é
fixo. Não espaço para flexibilidade, individualidade, participação. Quando a
escola opta por uma abordagem mais centrada no aluno, isto tudo muda.
Neste processo o professor é o facilitador da aprendizagem, designer de caminhos.
Moran complementa o papel do professor na aprendizagem ativa ao afirmar que ele
se torna cada vez mais gestor e orientador em uma construção mais aberta e
criativa (MORAN, 2018):
Falar em educação híbrida significa partir do pressuposto de que não
uma única forma de aprender e, por consequência, não uma
única forma de ensinar. Existem diferentes maneiras de aprender e
ensinar. O trabalho colaborativo pode estar aliado ao uso das
tecnologias digitais e propiciar momentos de aprendizagem e troca
que ultrapassam as barreiras da sala de aula (BACICH; MORAN,
2015, p. 45).
21
Segundo Christensen, Horn e Staker (2012), a operacionalização do uso do modelo
de ensino híbrido permite definir quatro modelos que combinam práticas
diferenciadas de contato direto com o professor em sala de aula com práticas de
aprendizagem on-line gerenciadas essencialmente pelo estudante. Estes modelos
estão dispostos em um continuum entre os modelos mais tradicionais de aula
presencial e, no outro extremo, práticas de ensino exclusivo à distância. São eles:
Modelo Rotacional, Modelo Flex, Modelo à La Carte e Modelo Virtual Enriquecido,
como visto na Figura 5.
Figura 5 - Modelos de Ensino Híbrido
Fonte: adaptado de Christensen, Horn e Staker (2012, p. 8)
Enfatizaremos a sala de aula invertida e a rotação por estações de aprendizagem,
pois são os modelos que utilizaremos nas oficinas.
SALA DE AULA INVERTIDA (FLIPEED CLASSROOM)
De acordo com Valente (2014), a sala de aula invertida, ou flipped classroom,
constitui um modelo de Ensino Hibrido no qual os alunos estudam os conteúdos em
casa, antes das aulas e de forma on-line, de maneira que, em sala de aula, realizem
atividades de aprendizagem relacionadas aos conteúdos estudados.
22
Dessa forma, o processo de ensino em sala de aula se torna mais ativo, com
atividades prazerosas, nas quais os alunos deslocam-se para o centro das
atividades como protagonistas, ao passo que o professor atua na condução das
ações didáticas, sanando dúvidas, aprofundando os temas abordados e estimulando
discussões.
Essa metodologia é chamada de invertida, pois, normalmente, no ensino tradicional,
o aluno ouve e estuda o conteúdo em sala de aula, por intermédio do professor, que
atua como protagonista do processo com metodologias pedagógicas, normalmente
expositivas, posteriormente, o discente realiza suas atividades práticas individuais,
em casa.
Na Sala de Aula Invertida é ao contrário, como visto no Quadro 1, os alunos têm
acesso ao conteúdo on-line, testam suas habilidades e quando estão em sala
interagem com atividades colaborativas.
Quadro 1- Sala de aula Invertida
ANTES DA AULA
DURANTE A AULA
APÓS A AULA
O aluno estuda o
conteúdo em casa, se
preparando para a aula.
Os alunos aplicam os
conceitos estudados em
atividades práticas com a
mediação do professor.
O aluno verifica seu
desempenho, a partir do
feedback do professor e
se for necessário,
aprofunda os estudos.
Fonte: elaborado pela autora (2019)
Quando o professor usa esta metodologia desenvolve habilidade desejáveis diante
do cenário sócio tecnológico que caracteriza o século XXI, como a resolução de
problemas, o pensamento crítico, a colaboração e a criatividade. Este modelo
favorece a valorização do ritmo próprio de cada aluno, pois o aluno estuda em casa
no seu tempo, dentro do seu ritmo. Podemos citar, dentre várias possibilidades de
atividades: vídeo aulas, textos para leitura, atividades on-line e podcasts.
Compete ressaltar que o professor, neste processo, desempenha a função de
mediador, consultor e encorajador diante dos alunos, sendo o seu papel de extrema
importância, pois ele que planejará as atividades que o aluno fará on-line, podendo
usar plataformas como Moodle, Khan Academy, Geekie Lab, Knewton, Smarth,
Edmodo, entre outras; e também, programar quais atividades sobre o conteúdo
estudado promoverá em sala de aula, para tirar dúvidas e estimular a aprendizagem.
23
Parafraseando Bergmann e Sams (2018), inverter a sala de aula é também uma
mudança de postura e mentalidade, pois desloca a atenção do professor para os
alunos e sua aprendizagem. O professor assume a atitude de orientador, de tutor,
personalizando o ensino.
Um dos grandes benefícios da inversão é o de que os alunos que
têm dificuldade recebem mais ajuda. Circulamos pela sala de aula o
tempo todo, ajudando os estudantes na compreensão de conceitos
em relação aos quais se sentem bloqueados (BERGMANN; SAMS,
2018, p. 12).
É orientado que o professor no início da aula, disponibilize alguns minutos para tirar
dúvidas do conteúdo estudado on-line, antes de iniciar as atividades práticas. Ele
também deve ficar atento às dificuldades, às dúvidas, às evoluções e conquistas dos
alunos, mediando todo este processo.
ROTAÇÃO POR ESTAÇÕES DE APRENDIZAGEM
A rotação por estações de aprendizagem é uma metodologia do ensino híbrido, ele
cria um circuito dentro da sala de aula. Os alunos são divididos em pequenos
grupos, que participarão de algumas estações de trabalho, sendo uma delas com
acesso ao conteúdo on-line. Após as orientações necessárias, os alunos realizam
um rodízio pelas estações, cada uma com uma atividade acerca do objetivo central
da aula (ANDRADE; SOUZA, 2016), como representado na Figura 6.
Figura 6 - Modelo de rotação por estações
Fonte: Criado pela autora no site https://www.canva.com 2019.
24
Normalmente, as estações são planejadas de forma independentes, sem exigência
de algum pré-requisito ou exercício prévio. Pois, cada grupo começará em uma
estação diferente.
Segundo Andrade e Souza (2016), “os modelos de rotação permitem que os
estudantes de um curso ou de uma disciplina, em um roteiro pré-estabelecido pelo
professor, passem algum tempo imersos em diferentes estações de ensino, em que
pelo menos um tem que ser on-line.
Neste modelo, o professor precisa se organizar previamente, se preocupando com
diferentes ações que nortearão a metodologia como, por exemplo: definir quantas e
quais são as estações fixas e a quantidade de alunos em cada estação, de acordo
com o número de alunos da classe; organizar o espaço, que pode ser a própria sala
de aula; delimitar o tempo necessário para cada estação e qual o tempo limite para a
mudança de estação de trabalho; e deve pensar nos recursos necessários para as
atividades planejadas, evitando improvisos e distrações.
As atividades planejadas para cada estação vão depender do conteúdo e da
disciplina do professor, há muitas possibilidades, como por exemplo: tarefas de
leitura, de escrita e produção, de discussão, de exercícios, de atividades em
plataformas virtuais, aplicativos e recursos tecnológicos, de atividades práticas.
Os benefícios destacados pelos autores estudados são: o trabalho do professor com
grupos menores, favorecendo a aprendizagem; o diálogo, a escuta e a percepção
das dificuldades; a oportunidade de os professores darem feedbacks em tempo
hábil; o trabalho colaborativo; a personalização e o acesso a recursos tecnológicos e
on-line.
Enfim, o professor pode usar sua imaginação para criar as estações, de forma a
auxiliar na aprendizagem do conteúdo proposto. Normalmente, as atividades são
colaborativas, podendo ter uma estação com o professor, uma que realizem
atividades individualizadas e uma com computadores ou laptop para atividade on-
line.
IMPORTANTE:
Material postado no Google Sala de Aula para os cursistas-docentes
TEXTO
https://drive.google.com/open?id=1XvWFIffcKh8xEl78QbWkrafr21ALiSqX
25
3º ENCONTRO AVALIAÇÃO
Figura 7 Nuvem de palavras com o tema Avaliação
Fonte: criado pela autora no site https://www.wordclouds.com 2019.
O êxito dos alunos depende de alguns fatores: o esforço e interesse do aluno, os
processos de ensino que ele viveu e a qualidade dos instrumentos avaliativos que
foram usados para mensurar o que ele aprendeu.
Do século XVI ao século XX a avaliação se baseava nas seguintes palavras:
classificatória, seletiva, burocrática, excludente, sentenciva, punitiva, autoritária,
julgadora, porém após o século XX até os dias atuais em muitas escolas estas
palavras mudaram e agora se trabalha com uma avaliação: diagnóstica, dialógica,
investigativa, mediadora, formativa, emancipadora, qualitativa, significativa.
Grandes pensadores, estudiosos e pesquisadores começaram a repensar e criticar o
significado da avaliação, segundo Cipriano Luckesi, citado por Libâneo (1994, p.
196) a avaliação “[...] é uma apreciação qualitativa sobre dados relevantes do
processo de ensino e aprendizagem que auxilia o professor a tomar decisões sobre
o seu trabalho”. Luckesi baseia sua ideia de avaliação sobre a disposição de
acolher, a disposição de transformar a realidade do aluno, ao acolher, o professor
está dando ao aluno uma chance de mudança (LUCKESI, 2000).
26
Libâneo (1994, p. 196) diz que a avaliação é um [...] componente do processo de
ensino que visa, através da verificação e qualificação dos resultados obtidos,
determinar a correspondência destes com os objetivos propostos e daí, orientar a
tomada de decisões em relação às atividades didáticas seguintes.
Hoffmann (1997, p. 18) diz que a avaliação é a [...] reflexão permanente do
educador sobre sua realidade e acompanhamento, passo a passo, do educando, na
sua trajetória de construção do conhecimento.
Para Perrenoud (1999), a avaliação da aprendizagem é um processo mediador na
construção do currículo e se encontra intimamente relacionada à gestão da
aprendizagem dos alunos. O professor não deve supervalorizar os resultados das
provas periódicas em detrimento de suas observações diárias e da evolução do
aluno. Segundo Vasconcelos (2005), a avaliação é um processo que precisa de
reflexão crítica sobre a prática, podendo, desta forma, verificar os avanços,
dificuldades e procurar soluções para superar os obstáculos.
Santos (2005, p. 23) diz que [...] a avaliação é algo bem mais complexa do que
apenas atribuir notas sobre um teste ou prova que se faz, ela deve estar inserida ao
processo de aprendizagem do aluno”. Bevenutti (2002) diz que avaliar é mediar o
processo ensino e aprendizagem, é oferecer a recuperação imediata, é promover
cada ser humano, é vibrar junto a cada aluno em seus lentos ou rápidos progressos.
Ao longo do século XX, a avaliação da aprendizagem ganhou outros contornos,
enriquecida pelas discussões teóricas e pelo desenvolvimento das teorias de
aprendizagem e passou a ser vista como um processo complexo e dinâmico que se
utiliza dos instrumentos avaliativos para levantar as informações relevantes que
permitam comparar a situação atual do aluno aos objetivos pretendidos. Não se
limita a procedimentos, tais como constatar os erros, as dificuldades, as dúvidas e
as incompreensões, o professor precisa ter como foco a reflexão a fim de identificar
as raízes dos problemas. Somente esta análise criteriosa permite a reorientação do
percurso e a promoção de novas oportunidades de aprendizagens (PASSOS, 2014).
A avaliação, a partir deste entendimento, pode ser considerada um processo
dinâmico, aberto e contextualizado, que se desenvolve ao longo de um período de
tempo, e não em momentos pontuais. Este processo compreende três etapas: a
27
obtenção de informações; a formulação de juízo de valores e a tomada de decisão
conforme visto na Figura 8.
Figura 8 - Etapas do processo avaliativo
Fonte: adaptado de Arredondo (2002, p. 7)
A maioria dos pesquisadores citados fala de uma avaliação que envolve ação e
reflexão, onde a maioria dos professores passa a refletir sobre sua ação, sua forma
de ensinar e também se os objetivos propostos foram atingidos ou não.
Ressaltam também a importância de utilizar diferentes instrumentos avaliativos e
encarar a avaliação como um processo e não como um resultado final, deixando de
somente mensurar e quantificar o saber, passando a identificar e estimular os
potenciais individuais e coletivos.
Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei 9394/96 (BRASIL; 1996),
em seu Art. 24, inciso V, a verificação da aprendizagem deve observar alguns
critérios como: avaliação contínua e cumulativa, sobressaindo os aspectos
qualitativos sobre os quantitativos.
A LDB nos traz um avanço na forma de pensar a avaliação, antes uma verificação
da aprendizagem, que tinha como objetivo dar ao aluno notas ou conceitos, agora
um processo permanente que tem como objetivo o ajuste da intervenção
28
pedagógica, a melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem; levando à
reflexão contínua do professor e do aluno.
A avaliação não deve acontecer em momentos isolados e estanques, e sim, durante
todo o processo, no início, no meio e no fim. Quando pararmos de pensar em
avaliação como objeto (prova) e percebermos que a avaliação é uma atividade
dimensionada que traduz a prática pedagógica e auxilia a aprendizagem, a nossa
prática avaliativa vai mudar. Então, percebemos que a avaliação serve para
aconselhar, informar, indicar mudanças, interpretar, diagnosticar as falhas, atribuir
sentidos e significados ao processo educacional, refletir a forma de ensino do
professor e a aprendizagem do aluno,
Para que o instrumento avaliativo seja mais eficaz é necessário que ele seja claro,
fugindo de ambiguidades, com a intenção de verificar os conhecimentos adquiridos
pelo discente e não o que ele não aprendeu.
Existem diversos instrumentos avaliativos, os mais usuais são: provas com
resolução de exercícios, produções textuais, resolução de problemas, questionários
e questões de múltiplas escolhas e discursivas. Porém, existem outros tipos de
instrumentos avaliativos como podemos ver na Figura 9.
Figura 9 - Instrumentos Avaliativos
Fonte: criado pela autora no site https://www.canva.com, 2019.
29
A avaliação no ensino profissional deve preparar o aluno para o ingresso no mundo
do trabalho, para uma atuação crítica e eficaz no contexto social, evidenciando
noções de ética e cidadania e da profissão que pretende ter. Machado (2008, p. 18)
evidencia que “[...] o professor da educação profissional deve ser capaz de permitir
que seus alunos compreendam, de forma reflexiva e crítica os mundos do trabalho,
dos objetos e dos sistemas tecnológicos dentro dos quais estes evoluem”.
Sua função e tipos são os mesmos das outras modalidades, a diferença deve ser na
forma de execução, nos tipos de avaliação, nos métodos de aplicação, no
instrumento avaliativo que o professor escolhe para cada conteúdo, objetivo
planejado e executado, levando em consideração as especificidades do ensino
profissional e tecnológico.
AUTOAVALIAÇÃO
Processo pelo qual o próprio discente reflete seu desenvolvimento, as atividades
desenvolvidas por ele, suas percepções, seus progressos e entraves, seus
sentimentos e identifica futuras ações, mudanças e necessidades para que haja
avanço na aprendizagem.
Sant’Ana (2009) ressalta que a autoavaliação é capaz de conduzir o discente a
analisar o seu processo, suas aptidões, atitudes, comportamentos, pontos fortes,
necessidades e êxitos.
Pode ser realizada tanto pelo aluno quanto pelo professor, para se analisar e refletir
sobre a teoria e a prática no processo ensino-aprendizagem. Só tem sentido quando
proporciona reflexão e tomada de consciência individual.
TIPOS DE AVALIAÇÃO:
Segundo Bloom (1993), a avaliação pode ser classificada em três categorias:
somativa, diagnóstica e formativa.
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA
Para avaliar um grupo de alunos, antes de tudo é necessário diagnosticar o
conhecimento prévio deste grupo, coletando dados essenciais para o planejamento
30
e a avaliação. Permite conhecer a realidade na qual o processo de ensino-
aprendizagem irá acontecer, afinal, cada turma é diferente uma da outra.
Normalmente realizada no início do período escolar, ou do ciclo, ou do conteúdo.
Serve para detectar os conceitos adquiridos sobre o conteúdo/disciplina,
auxiliando o professor no seu planejamento. É uma sondagem do que o aluno
aprendeu ou não e assim retomar ou avançar nos conteúdos.
Zabala (2010, p. 199) afirma que, nessa fase, o educador precisa ter resposta às
seguintes perguntas sobre os alunos: “Que experiências tiveram? O que são
capazes de aprender? Quais são seus interesses? Quais são seus estilos de
aprendizagem?”, com o objetivo de conhecer o que cada um sabe, o que sabe fazer,
se pode chegar a saber, se sabe fazer ou ser, e, se não, como aprendê-lo? A
avaliação diagnóstica pode ser entendida como o conhecimento do que Vygotsky
(2007, p. 94) chamou de “[...] nível de desenvolvimento real, isso é, o nível de
desenvolvimento das funções mentais”, ou seja, aquilo que sabemos sobre um
determinado objeto de conhecimento.
Nem sempre precisa vir acompanhada de notas, pode ser feita em forma de
atividades para detectar os conhecimentos prévios dos discentes. Após a coleta de
dados, é fundamental refletir e analisar as informações adquiridas pelo instrumento
de avaliação. Com base nos dados, o educador poderá redefinir seus objetivos,
traçar estratégias e conteúdos, determinar os instrumentos avaliativos necessários
para esta turma ou grupo, tornando o processo de aprendizagem mais eficiente e
eficaz.
AVALIAÇÃO FORMATIVA
A avaliação formativa tem esse nome, pois indica como os alunos estão se
modificando em direção aos objetivos. Seu foco se concentra no processo de
ensino-aprendizagem, nas construções, nas descobertas, na evolução. A avaliação
formativa fornece aos professores e alunos um feedback a fim de ajustar o processo
ensino-aprendizagem. Ela não é uma ferramenta, mas um processo.
É importante para verificar se os objetivos propostos pelo professor em relação aos
conteúdos estão sendo atingidos durante o processo de ensino-aprendizagem.
Utilizada para levantar informações, detectar dificuldades, perceber o
31
desenvolvimento dos alunos, permitindo a reflexão da prática docente e ajustes do
processo.
Para os alunos, tem a função de mostrar seus avanços, dificuldades, acertos e
erros. Para os docentes, permite detectar e identificar deficiências na forma de
ensinar, auxiliando na reformulação do trabalho didático, visando aperfeiçoá-lo.
Os resultados da avaliação formativa servirão de base para o professor identificar
falhas, deficiências, dificuldades, oportunizando aprimorar as práticas pedagógicas
para desenvolver as competências e habilidades necessárias no processo.
AVALIAÇÃO SOMATIVA
A avaliação somativa tem a função de classificar os alunos ao final da unidade,
semestre ou ano letivo. Tem o propósito de atribuir notas e conceitos para o aluno
ser promovido ou não. Seria a junção de uma ou mais avaliações trabalhadas
durante o processo, por isso que se chama somativa.
Também chamada de somatória ou classificatória, compreende a soma dos vários
instrumentos avaliativos utilizados pelo professor no período letivo (bimestre,
semestre). O aluno recebe uma nota única refletindo o desempenho e as
aprendizagens adquiridas.
O problema de o professor optar somente pela avaliação somativa é que ele acaba
resumindo a avaliação em duas vertentes: a classificação e a aprovação. O que
pode ocasionar danos ao processo educacional como a comparação e a exclusão.
Jussara Hoffmann (1997, p. 57) argumenta que a avaliação classificatória “considera
as tarefas numa linearidade, sem a articulação de uma com a outra, o que as torna
independentes e estáticas”. Assim cada atividade se torna estanque, sem vínculos e
ligações com outras, sem ser parte de outro conhecimento maior.
IMPORTANTE:
Material postado no Google Sala de Aula para os cursistas-docentes
TEXTO
https://drive.google.com/open?id=1-8XWjNI5Q52oGHlA5dp9TDaX_r-a2S1X
https://drive.google.com/open?id=1Z3TQ5XMeeFAQgWwEHXdYdJIHsX6n2F2W
32
4º ENCONTRO INTERDICIPLINARIDADE E PROJETOS
Figura 10 Nuvem de palavras com o tema Interdisciplinaridade e Projetos
Fonte: criado pela autora no site https://www.wordclouds.com 2019.
INTERDISCIPLINARIDADE
A interdisciplinaridade é uma forma de ensinar inter-relacionando os conteúdos de
diferentes disciplinas, para estudar um mesmo tema, porém, utilizando diferentes
conhecimentos sobre este tema em diferentes áreas.
Trabalhar com a interdisciplinaridade exige do professor uma mudança de postura,
pois ele precisa contextualizar os conhecimentos, ir além dos limites da disciplina,
conseguir fazer um link entre os diferentes saberes.
Presente nas Diretrizes Curriculares Nacionais, a interdisciplinaridade é um dos
princípios pedagógicos para o Ensino Médio e Ensino Técnico e Tecnológico de
nível médio, uma opção capaz de favorecer a integração curricular.
Por que interdisciplinaridade? Como diz a Prof.ª Amélia Hamze (s/d):
Todos ganham com a interdisciplinaridade. Os alunos, porque
aprendem a trabalhar em grupo, habituam-se a essa experiência de
aprendizagem grupal e os professores, porque se veem compelidos
e melhoram a interação com os colegas. Pelos próprios alunos, a
ampliar os conhecimentos de outras áreas; têm menos problemas de
disciplina e melhoram a interação com os colegas de trabalho. A
33
escola porque a sua proposta pedagógica é executada de maneira
ágil e eficiente; tem menos problemas com disciplina e os alunos
passam a estabelecer um relacionamento de colaboração e parceria
com o pessoal da equipe escolar, assim como, com a comunidade
onde está inserida a escola.
O trabalho interdisciplinar supõe perpassar a concepção fragmentária à unidade das
áreas do conhecimento. É romper com o individualismo gerando a interação e
transformação entre as diferentes áreas do saber. Sabemos que temos que quebrar
diversos paradigmas, o que não leva a negar as especificidades de cada disciplina.
Não é um trabalho fácil, mas é possível.
Segundo Fazenda (1994, p. 9), “[...] a interdisciplinaridade se consolida na ousadia
da busca, de uma busca que é sempre pergunta, ou melhor, pesquisa”. A autora
ressalta que a interdisciplinaridade deve ser vivida, vivenciada e exercida no dia a
dia da sala de aula.
Para Piaget (1972), as disciplinas podem se articular de três formas: multidisciplinar,
interdisciplinar e transdisciplinar.
Multidisciplinaridade
Na multidisciplinaridade não cooperação entre as disciplinas, cada professor
trabalha a sua disciplina e seus conteúdos de forma isolada, sem relação entre
elas.
Segundo Berger (1972) é a justaposição de disciplinas diversas, sem aparente
relação entre elas.
Interdisciplinaridade
A interdisciplinaridade é a relação entre as disciplinas de forma harmônica.
Berger (1972) a define como a interação entre duas ou mais disciplinas, podendo
integrar mútuos conceitos.
Parafraseando Piaget (1972), interdisciplinaridade é a integração recíproca entre
as várias ciências.
Talvez a interdisciplinaridade seja a mais viável e possível de acontecer, é
encontrada em algumas escolas em forma de Projeto Interdisciplinar. Quando um
34
grupo de professores, de disciplinas diferentes, se junta para a resolução de um
problema real, de forma integrada.
Para que a dinâmica da interdisciplinaridade dê certo é necessário planejamento,
reuniões, troca de ideias, para determinar os objetivos, os conteúdos e os
caminhos que serão trilhados.
Figura 11 - Características da Interdisciplinaridade
Fonte: elaborado pela autora slide do curso 2019.
Transdisciplinaridade
Piaget (1972) define a transdisciplinaridade como uma etapa superior, que não
atinge as interações, mas é a interação global das várias ciências.
Nas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (BRASIL, 2013, p. 184),
a transversalidade é entendida como forma de organizar o trabalho didático-
pedagógico em que os temas, eixos temáticos são integrados às disciplinas [...]”.
35
PEDAGOGIA DE PROJETOS
Segundo o dicionário Michaelis, projeto significa: propósito de executar algo; plano
detalhado de um empreendimento a ser realizado; conjunto de ideias iniciais; esboço
de trabalho que se pretende realizar; portanto, projeto significa um plano, um
esboço, uma intenção. É, oriunda do latim projectum que significa “algo lançado à
frente”. Por isso, projeto significa um planejamento de algo que vai ser realizado.
A Pedagogia de Projetos pode ser definida como uma metodologia didática utilizada
em sala de aula por alguns professores, no qual a turma toda se ocupa com
atividades significativas, práticas, contextualizadas, em volta de um tema comum.
Prioriza a experiência, a criação, a prática, o trabalho colaborativo, a pesquisa, a
descoberta. Procura desenvolver nos alunos a autonomia, a criatividade, a
capacidade de síntese, de planejamento, de análise, de decisão.
Segundo Oliveira (2006), trabalhar com projetos na prática docente estimula a
iniciativa, o respeito às diferenças, a pesquisa, o falar em público e a autonomia.
O conhecimento é construído pelo próprio aluno, com a mediação do professor. O
projeto deve resultar na resolução de um problema, com objetivos claros e bem
definidos. O que pretendemos fazer? Quais resultados esperamos? Quais
habilidades e competências serão trabalhadas?
É importante seguir os pilares da educação propostos por Delors (1996) para se
trabalhar com projetos: aprender a conhecer, a conviver, a fazer e a ser. Segundo
este mesmo autor, a educação tem que ser vista como um todo.
Outro ponto importante na pedagogia de projetos é o planejamento, apesar de ser
flexível, deve ser claro e sistemático, com a previsão de tempo, recursos, atividades,
avaliação. Os projetos extrapolam os limites da sala de aula e favorecem a
interdisciplinaridade (SILVA, 2011).
A pedagogia de Projetos deve ser centrada no aluno, nos seus anseios, dúvidas,
dificuldades, problemas que os cercam. Segundo Leite (1996), o projeto tem maior
êxito se partir das dúvidas e curiosidades do aluno ou do grupo.
36
Quadro 2 - Planejamento de um projeto
CONTEXTUALIZAÇÃO
Definição do tema, do público, do tempo e das
turmas.
PROBLEMA
Definição do problema, área de conhecimento e
disciplinas envolvidas.
OBJETIVOS
Definição de competências e habilidades que serão
desenvolvidas
ATIVIDADES
Definição das estratégias e atividades
RECURSOS
Definição dos recursos materiais e pessoais necessários
CRONOGRAMA
Etapas e datas do projeto
AVALIAÇÃO
Definição dos critérios e instrumentos de avaliação
Fonte: Elaborada pela autora, 2019.
Portanto, o projeto parte da problematização que deriva o tema, as outras ações
acontecem para solucionar o problema, o planejamento é feito para se chegar ao
objetivo do projeto. O professor junto com os alunos discute o tema, propõem
atividades, sugerem propostas, traçam um cronograma de trabalho, buscam juntos
decidir o que será feito, como, em quanto tempo e dividem tarefas.
IMPORTANTE:
Material postado no Google Sala de Aula para os cursistas-docentes
TEXTO
https://drive.google.com/open?id=1s1jwaYJSqifYXkBOplTL99l1UUpusBoh
https://drive.google.com/open?id=1xl3Bws4p77ylr2jUvG-XLl2ixrlERVcm
37
3. METODOLOGIAS UTILIZADAS NAS OFICINAS
1º ENCONTRO METODOLOGIAS ATIVAS
PROGRAMAÇÃO
Objetivos:
Geral: Refletir sobre o uso de Metodologias Ativas em sala de aula.
Específicos:
- Entrosar com o grupo de trabalho;
- Discorrer sobre suas práticas, necessidades, anseios, dúvidas;
- Refletir e discutir sobre metodologias ativas, princípios, estratégias didáticas, utilização e
importância;
- Enumerar estratégias didáticas que têm o aluno como centro da aprendizagem;
- Criar um mapa mental sobre Metodologias Ativas.
HORÁRIO
ATIVIDADE
OBSERVAÇÕES
13h
Boas Vindas Dinâmica de
Entrosamento (4.1)
Refletir sobre a importância de ouvir o outro.
Criar as primeiras conexões do grupo.
- Nome e por que escolheu ser professor
13h20min
Bate papo
Técnica de
Expectativas (4.2.)
Expectativas do curso, dúvidas com blocos
adesivos de nota
- O que espero deste curso?
- Como será a minha participação?
- Espero que aconteça!
- Espero que não aconteça...
13h40min
Slide Metodologias Ativas
Dinâmica para divisão de
grupos Balões (4.3)
Objetivo, ementa, fundamentos,
características e passo a passo das
metodologias.
14h20min
Debate sobre Metodologias
Ativas Técnica GVGO (4.4)
- O que são metodologias ativas?
- O que você já fez em sala de aula que
considera metodologia ativa?
- Quais os entraves para utilizar as
metodologias ativas em sala de aula?
- Como as metodologias ativas podem
auxiliar no ensino da ETP?
14h50min
World Café (4.5)
Princípios das Metodologias ativas:
- Aluno no centro do processo
- Professor mediador
- Autonomia
- Trabalho em equipe
- Problematização da realidade
- Reflexão e inovação
15h30min
Intervalo
16h
Brainstorming “tempestade de
ideias” (4.6)
Estratégias didáticas
Papel do professor e do aluno
16h30min
Mapa mental utilizando o
aplicativo coogle (4.6)
(https://coggle.it/ (em grupo)
Metodologias ativas
17h
Avaliação do Dia
O que aprendemos? Quais das metodologias
propostas são possíveis fazer no Ifes?
17h30min
Atividade Reflexiva
Atividade na sala virtual
38
4.1. Dinâmica de Entrosamento
Objetivo: Entrosar o grupo, estabelecer vínculos, conhecer melhor os colegas.
Materiais: bichinho de pelúcia ou uma bola.
Desenvolvimento: Forma-se um círculo com todos os participantes, com um objeto
que possa ser jogado de um para outro (um bichinho de pelúcia ou bola), o
coordenador inicia explicando a dinâmica. Cada um que receber o objeto irá falar
seu nome e por que se tornou professor (pode ser outras coisas como: significado
do nome, características, etc.). Joga-se o objeto e responde à questão, Figura 12.
Quando todos tiverem falado, o coordenador diz: é muito importante ouvir, prestar
atenção no outro, por isso, jogue o objeto para outro participante e conte o que ele
falou e assim por diante.
Figura 12 - Dinâmica do 1º Encontro
Fonte: Elaborado pela autora, slide do curso, 2019.
39
4.2 Expectativas do Curso
Objetivos: Analisar as expectativas do grupo quanto ao curso; perceber o público-
alvo, seus anseios, necessidades e dúvidas.
Materiais: blocos adesivos de nota de diferentes cores e um cartaz ou quadro para
depois o grupo colar os blocos adesivos de nota.
Desenvolvimento: Entregar a cada mesa de participantes (grupo) um bloco de
nota. Falar do curso, e pedir que escrevam nos respondendo as questões solicitadas
conforme a Figura 13.
Figura 13 Expectativas do curso Questões levantadas
Fonte: Elaborado pela autora, 2019.
Depois, pedir para colarem no quadro ou painel os blocos adesivos de nota no lugar
certo. O professor ao final da atividade alguns, faz comentários e deixa os alunos
comentarem também.
Pode-se guardar o painel e compará-lo no final do curso ou período letivo,
realizando uma avaliação e se as expectativas foram alcançadas ou não.
Esta técnica pode ser realizada no início de período letivo, de disciplinas e cursos.
40
4.3 Dinâmica para divisão de grupos BALÕES
Objetivo: Dividir os grupos para trabalho de forma aleatória para evitar panelinhas,
trabalhar a cooperação e o respeito pelo outro.
Materiais: balões coloridos.
Desenvolvimento: O coordenador entrega um balão para cada participante e um
palito de dente. Dentro de cada balão tem uma palavra, ou letra, ou número,
repetidos na quantidade que se quer dividir os grupos. Exemplo: 4 grupos de 5. São
20 balões com 5 letras repetidas (ou número, ou palavra ou cor).
O coordenador diz aos participantes que o objetivo é que eles cheguem ao final da
dinâmica com o seu balão intacto, ganha quem conseguir ficar com o balão cheio.
Ao sinal todos precisam defender seus balões. Normalmente, um vai furando o do
outro. Ao final, o coordenador aproveita para falar em colaboração, trabalho em
equipe e seguir ordens. Não foi pedido para furar o do outro e sim deixar o balão
intacto.
Solicitar que peguem no chão o papelzinho que caiu do balão. Quem estiver com o
balão cheio ainda, pode estourar e pegar o papel. Ver o que tem e procurar os
colegas que tem o mesmo símbolo e se agrupar.
Figura 14 - Foto da Dinâmica com balões
Fonte: arquivo da autora, 2019.
41
4.4 Grupo de Verbalização e Grupo de Observação (GVGO)
Objetivos: desenvolver a capacidade de ouvir, de se manifestar, de aceitar
diferentes opiniões; exercitar a síntese; desenvolver a oratória e a liderança.
Estimular a capacidade de observação e julgamento, bem como saber ouvir e
esperar a vez de falar.
Materiais: dois círculos de cadeiras um dentro do outro.
Desenvolvimento:
Esta estratégia de ensino chamada de GV-GO, consiste em criar dois círculos, um
de fora que será o de observação e o círculo do centro que será o de verbalização.
O grupo de verbalização (GV) debate o tema e o grupo de observação (GO) presta
atenção nas discussões sem fazer nenhum comentário, Figura 15.
O grupo de verbalização (GV) deverá eleger um coordenador para conduzir a
discussão do assunto, um secretário ou redator para anotar as conclusões do grupo
e um relator para que depois leia as conclusões do grupo.
Começa-se a discussão, quando se esgotar a discussão sobre o tema ou ao sinal do
professor (de acordo com um tempo pré-definido) as posições são trocadas. O grupo
de observação vira grupo de verbalização e vice-versa. Sugestão: 10 minutos para
cada grupo e 10 para conclusão.
Num terceiro momento os dois grupos apresentam as suas conclusões e o
coordenador/professor organiza este momento. Pode ser feito também, neste
momento, uma avaliação da metodologia, da participação e do que foi discutido.
O grupo de observação pode fazer anotações, formular questões, já que não podem
falar, no final se faz uma grande roda para estas discussões, discordâncias, dúvidas
e fechamento.
Antes de utilizar a estratégia em sala o professor pode enviar para os alunos um
material sobre o assunto: vídeo, apostila, etc. para que os alunos tenham mais
interesse pelo assunto e um embasamento teórico sobre o tema.
Muita coisa que foi discutida pelos grupos pode ser abordada pelo professor
posteriormente, como uma tempestade de ideias. Nesta metodologia, o aluno é o
protagonista, o professor só faz as perguntas.
42
O professor tem um papel importante como facilitador da aprendizagem, saber
resolver conflitos que podem surgir, incentivar para que todos participem, criar
perguntas instigantes.
Como foi trabalhado no curso?
Perguntas feitas pela formadora do curso durante a técnica:
- O que são Metodologias Ativas?
- O que você já faz em sala de aula que considera como metodologia ativa?
- O que ainda falta para você usar as metodologias ativas em sala de aula?
- Por que utilizar as metodologias ativas em sala de aula?
- O que as metodologias ativas podem auxiliar no ensino da EPT?
- Quais dificuldades podemos encontrar ao utilizar metodologias ativas?
Saiba mais: https://www.youtube.com/watch?v=Z0EPj7jwxd4
Figura 15 Disposição dos alunos na técnica GV GO
Fonte: elaborado pela autora, 2019.
Figura 16- Foto GVGO
Fonte: Arquivo da autora, 2019.
43
4.5. Word café (Café Mundial)
Objetivos: Encorajar os alunos a falar, desenhar, escrever, expor ideias, criar.
Proporcionar momentos de diálogo, de reflexão, de trocas. Estimular o ouvir, a
tolerância, o respeito pela fala e ideia do outro.
Materiais: local amplo com mesas e cadeiras, cartolina, pincéis coloridos.
Desenvolvimento:
Também chamado de Café Diálogo ou Learning Café. É uma técnica colaborativa
para discussão em grupo bastante utilizada em todo o mundo. Criada por Juanita
Brown e David Isaacs, em 1995 na Califórnia/EUA, a técnica é muito útil para
estimular a criatividade, explorar temas relevantes para o grupo e criar espaço para
a inteligência coletiva emergir. O nome café é por causa da informalidade, da forma
descontraída, do diálogo, como se estivessem numa mesa de café/restaurante. É
um processo participativo que tem a capacidade de trabalhar a diversidade e
complexidade do grupo, emergindo a coletividade. Trata-se de um processo de
diálogo em grupos, nos quais os participantes se dividem em mesas, e conversam
em torno de uma pergunta ou tema central. O processo é organizado de forma que
as pessoas circulem entre os diversos grupos e conversas, conectando as ideias,
fazendo trocas, aumentando a produtividade. Ao final do processo faz-se necessário
uma síntese, ou colheita das percepções e aprendizados coletivos.
Passo a passo:
- Organize os alunos em grupos de mais ou menos 4 (pode ser feita uma dinâmica
para a escolha dos grupos). O ideal é que os grupos sejam pequenos;
- Cada mesa deve estar abastecida com o material que será necessário para a
atividade: cartolina, flipchart, canetas coloridas ou bloco adesivo de notas;
- Explique que a técnica durará em média 1h, com 3 rodadas de conversa (20 min) e
cada rodada será norteada por uma pergunta ou tema. Este tempo pode variar de
acordo com o grupo ou com o tema, de 20 a 30 minutos cada rodada;
- Escolhe-se um “anfitrião para cada grupo, que permanecerá fixo na mesa
enquanto os outros irão para outra mesa. Este anfitrião terá o papel de atualizar os
novos convidados/alunos sobre as ideias e discussões da rodada anterior, com o
44
auxílio gráfico do cartaz, para que o grupo que acabou de chegar fique ciente do que
o grupo anterior já fez e dê continuidade ao cartaz e às discussões;
- Pode-se criar uma atmosfera de café, com mesas redondas, ao ar livre, toalhas,
música ambiente (oferecer café, um lanche da tarde partilhado);
- Quando o grupo retornar ao seu grupo de origem, existe o momento de
compartilhamento (chamado de colheita), em que todos os participantes relatam o
que mais chamou atenção nas conversas das mesas. Ou o grupo de origem faz uma
síntese para o grupão do que foi discutido e criado;
Para que esta metodologia dê certo é importante: criar um espaço hospitaleiro e
receptivo, criar e escolher perguntas e temas relevantes, estimular a participação e
contribuição de todos e por fim, compartilhar as descobertas e criações.
Como foi trabalhado no curso?
- Os professores foram divididos em 4 grupos. O formador distribuiu o texto com os
Princípios das Metodologias Ativas (Aluno no centro do processo, professor
facilitador, trabalho em equipe, autonomia, reflexão, problematização) e cada grupo
escolheu um dos princípios. Como podemos ver nos cartazes confeccionados na
Figura 17.
Saiba mais:
https://cocriar.com.br/biblioteca/metodologias/world-cafe/
Figura 17 - Cartazes criados no Word Café
Trabalho em equipe Autonomia Professor facilitador
Fonte: Arquivo da autora, 2019.
45
4.6. Brainstorming (Tempestade de Ideias)
Objetivos: Desenvolver a criatividade, a oralidade, a capacidade de iniciativa e
liderança. Criar um clima de otimismo no grupo, de participação e coletividade.
Expandir o pensamento divergente (pensamento que busca soluções diferentes para
os mesmos problemas).
Materiais: blocos adesivos de nota, canetas coloridas, cartaz, painel ou quadro.
Desenvolvimento:
Tempestade de ideias ou brainstorming é uma técnica usada em dinâmicas de
grupo, sua principal característica é explorar as habilidades, potencialidades e
criatividade de uma pessoa, direcionado ao serviço de acordo com o interesse.
Normalmente, o brainstorming tem por objetivo compreender conceitos e gerar uma
tempestade de ideias, estimulando a participação dos alunos. Em sala de aula a
prática pode ajudar a criar repertório e pensamento crítico, estimulando os alunos a
exporem suas ideias e a acostumarem com diferentes opiniões e interpretações. É
importante pontuar que nesta técnica não tem críticas, todas as ideias são aceitas, o
professor deve estimular a quantidade de ideias diferentes e o ambiente deve ser
aberto.
Passo a passo:
Siga os 5 passos: a) Defina o problema ou tema; B) Monte um grupo ou círculo; c)
Explique as regras; d) Inicie a geração de ideias; e) Conclua o processo.
Esse tipo de dinâmica é importante, pois o aluno expõe seus conhecimentos
adquiridos ao longo de sua vida. Além de fazer com que o aluno se posicione diante
de um determinado tema, respeite as ideias do colega e também exercite a prática
da participação no cotidiano das aulas.
- Blocos adesivos de nota - Criar um ambiente no qual não julgamento. Aceitar
todas as ideias, com os blocos adesivos de nota o objetivo é criar o máximo de
ideias possíveis em um curto espaço de tempo. Reunir os alunos em círculo,
disponibilizar um marcador permanente e uma pilha de blocos adesivos de nota.
Explique o objetivo do brainstorming: “Criem ideias sobre/para...”. As ideias podem
ser escritas ou desenhadas. Dar um prazo de tempo, entre 10 a 15 minutos.
46
Cada um escreve a sua ideia, compartilha com os colegas, prioriza as melhores,
apresenta para o restante do grupo a síntese das melhores ideias.
Como foi trabalhado no curso?
- A formadora entregou blocos adesivos de notas para cada grupo e solicitou que
escrevessem nos blocos todas as estratégias de ensino que normalmente
eles usam, no seu cotidiano. Depois que todos escreveram, pediu que
separassem as estratégias usadas em: Centradas no aluno, centradas no
professor. Após todos colarem os blocos adesivos de nota, perguntamos se
todos concordam, podendo mudar a posição dos blocos adesivos de nota se
necessário. Figura 18. Os professores concluíram que a maioria das
estratégias escritas eram centradas no aluno, porém, eram pouco utilizadas
no dia a dia, priorizando as centradas no professor.
Saiba mais:
https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=video&cd=1&cad=rja&ua
ct=8&ved=0ahUKEwi12d3mw6TdAhWIIpAKHYoVC0UQtwIIKDAA&url=https%3A%2
F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DOLOaBqffexc&usg=AOvVaw39teBRLT
GccXzvoX49NcJH
Figura 18 - Foto do Brainstorming
Fonte: Arquivo da autora, 2019
47
4.7. Mapa mental
Objetivos: Ajudar a condensar informações em um só gráfico visual. Estimular a
criatividade e a habilidade de fazer associações. Favorecer a memorização, a
organização e a análise de um conteúdo.
Materiais: computadores, internet, folhas A4, canetas coloridas
Desenvolvimento:
Mapas Mentais são poderosas ferramentas para estudo. Podem ser utilizados para
anotações em aulas e palestras, discussões estilo brainstorming, resumos de livros
e outros materiais, organização do pensamento, indexação de grandes volumes de
informação, etc. Pode ser usado em várias atividades do dia a dia, e principalmente
para maximizar a aprendizagem.
É um tipo de diagrama sistematizado, voltado para a gestão de informações e de
conhecimento. Há sempre uma ideia central a partir da qual se conectam outras
ideias. A organização é feita de forma a encadear o pensamento. E vale tudo:
trabalhar com as cores, inserir imagens, vídeos, reportagens, etc. Ajuda muito a
organizar informações, memorizar conteúdos, compreender melhor o tema
estudado.
Passo a passo:
- colocar no centro o tema central;
- puxar elementos que se ligam diretamente a ele e criar ramos principais;
- depois de criar ramos principais você cria sub-ramos e assim sucessivamente;
- coloque imagens, desenhos, códigos e diferentes cores para ficar visualmente mais
fácil de entender;
- não escreva várias frases, use palavras-chave;
- as informações vêm da própria cabeça, mas é importante também pesquisar e
utilizar conceitos, princípios, informações adicionais.
Como foi trabalhado no curso?
A formadora enviou o link do coogle, com o início do Mapa Mental, com o título
“Metodologias Ativas”. No dia da oficina, abriu no projetor de multimídia o programa
48
e foi ensinando o passo a passo para fazer o mapa. Cada grupo foi acrescentando
suas ideias sobre o tema, sintetizando o que foi trabalhado. Figura 19.
Dicas: Ferramentas e software que podem ajudar: Coogle, Mind Map, FreeMind,
XMind, Cmap Tools
Saiba mais:
https://www.youtube.com/watch?v=8Fgexqy5c9E
https://www.sbcoaching.com.br/blog/atinja-objetivos/mapa-mental/
Figura 19 - Print do Mapa Mental criado no curso
Fonte: Arquivo da autora (imagem extraída do site https://coggle.it/), 2019.
49
2º ENCONTRO ENSINO HÍBRIDO
PROGRAMAÇÃO
Objetivos:
Geral: Conhecer o Ensino Híbrido e seus modelos como a Sala de Aula Invertida e a
Rotação por Estações.
Específicos:
- Diferenciar os modelos de Ensino Híbrido;
- Explicar para o colega o que entendeu sobre o assunto;
- Participar de estações de trabalho sobre o tema;
- Demonstrar os conhecimentos adquiridos através do jogo Kahoot;
- Analisar as metodologias propostas: suas possibilidades e características.
HORÁRIO
ATIVIDADE
OBSERVAÇÕES
13h
Boas Vindas (4.8)
Mensagem “Bala de Hortelã”
Entregar um cartãozinho e uma bala de
hortelã
13h10min
Bate papo Avaliação do 1º
modulo
Novas expectativas
Se alguém tentou fazer em sala uma das
estratégias apresentadas
Ver se leram o texto sobre Sala de Aula
Invertida e Ensino Híbrido
- Utilização de Flipchart (Entraves,
possibilidades, sugestões)
13h30min
Dinâmica para dividir grupos
(4.9)
Cores debaixo da cadeira
13h40min
Slides
Objetivos, ementa, fundamentos,
características e passo a passo de cada
metodologia.
14h
Peer Instruction Instrução
por pares (4.10)
Exposição do conteúdo
Conversa entre duplas sobre o conteúdo
(texto enviado)
14h30min
Kahoot (4.11)
https://kahoot.com/
Continuação do Peer Instruction
Uso do Kahoot como uma ferramenta
(manter a mesma dupla da atividade anterior)
15h20min
Intervalo
15h40min
Breve explanação da
metodologia “Rotação por
estações” e explicação da
atividade.
(4.12)
1- Vídeo Ensino Híbrido / Sala de aula
invertida Tópicos
2- Texto sobre o tema, leitura e discussão.
Produção de texto coletiva
3- Frase embaralhada e discussão, formar
um cartaz
4-Cartaz sobre o tema Mapa mental
16h40min
Padlet (4.13)
https://pt-br.padlet.com/
Uso do Padlet Revisão sobre ensino
Híbrido e Sala de Aula Invertida. (uso de
pesquisa, imagens, vídeos) 20min
17h10min
Feedback sobre as
metodologias, outras
possibilidades, dúvidas,
sugestões para as estações,
avaliação
Atividade domiciliar Criar um post no Padlet
sobre Ensino Híbrido prazo 1 semana
18h
Encerramento do Dia
50
4.8. Boas vindas Mensagem do Hortelã
Objetivo: Proporcionar um ambiente acolhedor e acolher os participantes.
Materiais: Mensagem impressa e uma balinha de hortelã.
Desenvolvimento: Ler com o grupo a mensagem (Figura 20).
Discutir com o grupo a importância do acolhimento. Perguntar como eles estão se
sentindo em relação ao grupo, se sentiram este acolhimento. O que falta para que
possamos acolher melhor?
Figura 20 Mensagem “A arte de acolher”
Fonte: elaborado pela autora, 2019.
Mensagem usada para início de ano letivo, de curso, de disciplina. Pode ser pedido
para os alunos-cursistas demonstrarem por meio de gestos esta hospitalidade, este
acolhimento.
51
4.9. Dinâmica para divisão de grupos CORES
Objetivo: separar grupos de forma aleatória, possibilitando o envolvimento e a
formação de grupos diferentes.
Materiais: blocos adesivos de nota de cores variadas ou cartões coloridos, sendo a
quantidade de cor de acordo com a quantidade de grupos. Ex.: 4 grupos e 20
participantes. São 4 cores diferentes, sendo 5 cartões de cada cor.
Desenvolvimento: faça um círculo de cadeiras, cole aleatoriamente uma cor
debaixo de cada cadeira. Quando os alunos chegarem, peça que sentem no círculo.
Quando todos estiverem sentados, peça que olhem debaixo da cadeira que estão
sentados e procurem o seu par (a pessoa que pegou a mesma cor) e se juntem em
duplas. Para formar grupos maiores, coloque a quantidade de cartões/cores
desejadas. Para esta dinâmica utilizamos dois cartões de cada cor, pois queríamos
formar duplas para as atividades do dia.
Pode ser colocado também as cores em forma de crachás, ou entregue quando o
aluno chegar, ou dentro de uma caixa para cada um pegar um papel sem olhar.
Imagem pixabay.com
52
4.10.Peer Instruction (instrução por pares)
Objetivos: Desenvolver a arte da argumentação, da perguntação, do senso crítico,
da atenção e da síntese. Estimular a participação e o comprometimento.
Materiais: flashcards, perguntas sobre o conteúdo estudado, slides de revisão do
conteúdo, material de estudo para enviar aos alunos.
Desenvolvimento:
Criado por Eric Mazur (Harvard) para o ensino de Física, hoje usado em diferentes
disciplinas. É a arte da perguntação, têm forte ênfase no processo de análise e
resolução de questões. O professor sai do centro do processo de aprendizagem e o
foco é o estudante. O professor passa a ser o perguntador, o estrategista, o design
do processo. O momento da aprendizagem deixa de ser de “transferência de
informação”, o aluno busca informações primárias, através do texto fornecido
anteriormente e depois no encontro presencial discute com os colegas seu ponto de
vista.
É uma metodologia ativa que inova a forma de ensinar e de aprender, integrando
mais a turma, permitindo o trabalho colaborativo, permitindo ao aluno questionar,
duvidar, argumentar, aplicar conceitos e construir seu próprio conhecimento.
Alguns dos principais ingredientes do método são:
Estudo prévio (através de textos, vídeo aulas);
Feedback constante aluno-professor;
Interação com os colegas.
Passo a passo:
- Leitura do material antes da aula (enviado pelo professor);
- Apresentação Oral - rápida exposição do tema (7 a 10 minutos);
- Indagação - Aplica um teste conceitual (Concept test), uma pergunta sobre o
conteúdo, de preferência de múltipla escolha;
- Reflexão Individual os alunos têm um minuto para pensar sobre a questão;
- Votação Individual - através do uso de Clickers para coletar respostas, Flashcards
(cartões com letras ou números), aplicativos de Quizzes ou até mesmo com os
dedos (neste primeiro momento os colegas não sabem das respostas uns dos
outros);
- Discussão Os alunos discutem a questão com seus colegas;
53
- Analise de dados e redefinição do caminho
A partir do nível de acertos e erros dos alunos, a aula tomará diferentes rumos:
abaixo de 30% de acertos: o professor repete a exposição
entre 30% e 70% de acertos: debate entre os alunos sobre o tema
acima de 70% de acertos: breve explicação sobre o tema e passa para outro
1) Explicação O professor explica a questão e pode apresentar uma nova
questão sobre o mesmo conceito ou passar para o próximo tópico.
2) Recolocação das questões, discussão e explicação das respostas
3) Nova questão. Fluxograma do passo a passo na Figura 21.
Como foi trabalhado no curso?
Foi postado na Sala de Aula virtual um texto sobre Ensino Híbrido, no encontro os
participantes foram divididos em grupos: explicar aos colegas o que entenderam do
texto; pontuar as questões discutidas no grupo e as dúvidas que surgiram e elaborar
duas perguntas sobre o tema. O quiz foi feito depois com o Kahoot.
Saiba Mais:
https://cristianopalharini.wordpress.com/2018/07/25/peer-instruction-uma-
metodologia-ativa-para-o-processo-de-ensino-e-aprendizagem/
Figura 21 Fluxograma do Peer Instruction
Fonte: Mazur, 1997
54
4.11. Kahoot
Objetivos: Promove o trabalho colaborativo, a troca de ideias, o raciocínio rápido, a
discussão. Fortalece as competências socioemocionais. Trabalha a comunicação.
Favorece a avaliação formativa.
Materiais: projetor de multimídia, computador, tela para projeção ou quadro branco.
Preparar as perguntas antes no Kahoot.
Figura 22- Game Kahoot sobre Ensino Híbrido
Fonte: Arquivo da autora (imagem extraída do site https://play.kahoot.it/
Desenvolvimento:
O Kahoot é uma ferramenta para questionário on-line criado em 2013, na Noruega,
que ganhou espaço nas escolas dos EUA. Funciona como um jogo. Os professores
fazem uma pergunta de múltipla escolha sobre o conteúdo da sua disciplina e os
alunos, com um tempo pré-determinado devem clicar na resposta certa em seus
computadores, tablets ou smartphones.
É um aplicativo gratuito disponível on-line, que faz uso da simplicidade e acaba
cativando os alunos, tornando as aulas mais divertidas, dinâmicas e lúdicas.
Serve para revisar um conteúdo, introduzir um novo tópico, realizar uma avaliação
diagnóstica ou formativa (pois é possível exportar os resultados para uma folha de
cálculos facilmente editável).
55
Passo a passo:
- Faça um cadastro em https://create.kahoot.it/login, no ícone SIGN UP. Este login é
necessário para ter acesso a qualquer funcionalidade do sistema como cadastro de
perguntas e busca por quizzes existentes. Escolha a opção AS A TEACHER,
Escolha a opção FREE;
- Criação de perguntas: Clique no topo da página o link KAHOOTS, “My Kahoots”,
em seguida “Create new”, selecione a opção “Quiz”. Dê o título (Ex: nome do
conteúdo), descrição com hashtag, uma imagem e outras configurações que achar
necessário e clique em “OK, GO”.
- Cadastre a sua primeira pergunta em “ADD QUESTION”, clique no mais, escreva a
questão, determine o tempo para a resposta. Você pode adicionar uma imagem, um
link de vídeo. Escreva as opções de respostas e marque qual (quais) a verdadeira.
Depois clique no link em cima (NEXT Próximo);
- Faça quantas questões você quiser, observe se colocou o tempo e a opção certa.
Terminada as questões salve. E na próxima tela clique no ícone I’M DONE;
- Para jogar com seus alunos, entre na página, clique em play, aparecerá um
número chamado “game pin”. Este número deverá ser repassado para os alunos,
que entrarão em seus dispositivos. O ideal é que o professor solicite aos alunos que
baixem o aplicativo no seu dispositivo móvel com antecedência;
- Os alunos digitam o pin, acessando assim o quiz. O professor inicia o jogo, assim
que todos estão conectados apertando o botão “start now”;
- Ao final do jogo é possível realizar um feedback, o professor pode também fazer o
download do relatório de acerto dos alunos.
Como foi trabalhado no curso?
A formadora preparou o jogo com perguntas de múltipla escolha (Apêndice A)
projetou no projetor de multimídia (Figura 22), solicitou com antecedência que
baixassem o aplicativo.
Saiba mais:
http://www.gqs.ufsc.br/wp-content/uploads/2015/07/Kahoot-PM-Quiz-Manual.pdf
http://ferramentaseducativas.com/index.php/aplicacoes/online/112-kahoot-ensina-
conteudos-de-uma-forma-divertida-e-a-jog
56
4.12. Rotação por Estações
Objetivos: Analisar o desempenho individual e do grupo, atender mais
individualmente os alunos, proporcionar diferentes tipos de aprendizagem, trabalhar
diferentes habilidades, proporcionar atividades colaborativas e individuais.
Materiais: Os materiais necessários para cada estação, Ficha com a descrição da
atividade para colocar nas estações.
Desenvolvimento:
Criar um circuito dentro da sala de aula. Divida os alunos em pequenos grupos. Os
alunos em grupo fazem rodízio entre as estações, cada uma com atividades acerca
do mesmo tema central. Em pelo menos uma das estações é importante ter uma
atividade on-line ou com uso da tecnologia digital. As atividades devem ser
independentes uma das outras, pois cada grupo começará em uma estação
diferente e circular a partir daí. O tempo mínimo para cada estação costuma ser de
10 a 15 min. Pode ter quantas estações quiser, no mínimo 3 estações. Exemplos de
atividades para as estações: simuladores, leitura, debate, produção textual, vídeos,
games, cartazes, mapa mental, criação de perguntas, resolução de problemas,
atividades práticas.
Passo a passo:
- Defina o conteúdo da aula e os objetivos;
- A partir dos objetivos e do conteúdo, defina as atividades para cada estação, sendo
uma on-line (aplicativo, vídeo, mural virtual, quiz, mapa mental, simuladores);
- Mescle atividades bem diferentes que envolvam criação, argumentação, análise,
discussão, reflexão, síntese, leitura, escrita, produção, exercícios;
- Pense no tempo que seja suficiente para a realização das atividades em todas as
estações;
- Envie com antecedência um material sobre o tema (sala de aula invertida) para os
alunos estudarem;
- Providencie os materiais necessários para as estações;
- Organize a sala para as estações;
- Os primeiros minutos são para explicar o conteúdo, tirando dúvidas (de 5 a 10
minutos);
- Explique a dinâmica da aula, e as atividades de cada estação.
57
Como foi trabalhado no curso?
Foi enviado na sala de aula virtual um material para os professores estudarem. No
dia da oficina, os professores foram divididos em 4 grupos, o tema central era
Ensino Híbrido e Sala de Aula Invertida, foi explicado a atividade e cada estação. As
estações foram as seguintes (Apêndice B): texto coletivo, frase embaralhada, vídeo,
cartaz. Figura 23.
Saiba mais:
https://novaescola.org.br/conteudo/3352/blog-aula-diferente-rotacao-estacoes-de-
aprendizagem
https://www.geekie.com.br/blog/infografico-estacoes-aprendizado/
Figura 23 - Foto das estações de trabalho
Fonte: Arquivo da autora (2019)
58
4.13. Padlet (Mural Virtual)
Objetivos: Favorece o trabalho colaborativo, a interação, a troca de conhecimentos
o compartilhamento de ideias. Estimula a criatividade, a síntese, a pesquisa e o
aprofundamento do tema. Facilita a organização de fóruns.
Materiais: acesso à ferramenta
Desenvolvimento:
O Padlet é uma ferramenta on-line gratuita, que permite a criação de mural ou
quadro virtual para registrar, guardar e compartilhar conteúdo. Serve também para
expressar seus sentimentos, conhecimentos itens sobre um tema. Pode ser inserido
texto, imagens, vídeo, links. Ferramenta dinâmica de aprendizagem que possibilita o
trabalho colaborativo, a interação, qualquer usuário convidado para participar do
espaço pode colar um post, pode curtir, fazer um comentário no post do outro.
Passo a Passo:
- Entre no site Padlet. Crie uma conta em “registre-se”;
- Clique no botão “Fazer”. Você encontrará vários layouts, que são modelos de
organização. Selecione uma das opções. Usamos a opção “mural” – Selecionar;
- Clique no canto direito no ícone de configuração. Personalize seu mural (título,
descrição, papel de parede, o tema (cor e fonte), ícones do mural;
- Utilize a opção postando (permite que o nome do autor de cada postagem apareça,
os comentários, reações...). Clique em próximo;
- No item reações você pode escolher: curtir, votar, dar estrelas e avaliar. SALVE;
- Clique duas vezes no mural e comece a postar. Você pode postar um arquivo, um
link, uma imagem ou vídeo do golpe ou outras opções;
- No canto direito você tem a opção de compartilhar por e-mail, no Google Sala de
aula, num site ou enviando o link. Você também pode salvar ou imprimir.
Como foi trabalhado no curso?
- Após o 2º Encontro que foi tratado sobre o Ensino Híbrido e Sala de Aula Invertida,
cada participante teria que postar uma reflexão ou síntese ou material sobre o tema.
Além do post, cada participante tinha que comentar em dois posts dos colegas.
59
Figura 24. O link do mural foi disponibilizado na Sala de Aula do Google para
acessarem.
Figura 24 - Mural Virtual criado no Padlet, sobre Ensino Híbrido
Fonte: Arquivo da autora (imagem extraída do site https://padlet.com/features), 2019.
O uso de tecnologias digitais nas aulas faz do aluno o
protagonista da sua própria aprendizagem, as aulas
ficam mais dinâmicas, favorece a interação, a
criatividade, possibilita aos alunos uma melhor
assimilação do conteúdo.
(Adaptado do site http://www.programainspira.com.br/blog/conheca-os-
beneficios-e-a-importancia-do-uso-da-tecnologia-na-educacao/) - 2019
60
3º ENCONTRO AVALIAÇÃO
PROGRAMAÇÃO
Objetivos:
Geral: Refletir sobre os tipos de avaliação: formativa, somativa e diagnóstica, os
instrumentos avaliativos, a função da avaliação e as possíveis metodologias ativas para se
aplicar uma avaliação.
Específicos:
- Analisar charges sobre avaliação;
- Discutir um caso e criar estratégias de resolução;
- Nomear os tipos de avaliações existentes;
- Compartilhar experiências de êxito com os colegas em relação à avaliação;
- Identificar possíveis estratégias avaliativas que envolva os alunos e os coloque no centro
do processo.
HORÁRIO
ATIVIDADE
OBSERVAÇÕES
13h
Boas Vindas
Bate papo Avaliação do
modulo
Novas expectativas
- Texto “A arte de acolher”
Apresentação do mural virtual Padlet
Se alguém tentou fazer em sala uma das
estratégias apresentadas
13h10min
Slides sobre Avaliação
Dados do curso, o que é avaliação, tipos de
avaliação, passo a passo das estratégias
trabalhadas.
Nuvem de Palavras Avaliar é...
Dinâmica de divisão de
grupos (4.14)
Músicas
14h
Phillips 66 (4.15)
Em grupo
Analisar charges sobre “avaliação”
14h30min
Método de Caso (4.16)
Explicação da metodologia 5min
Leitura do Caso
Discussão em grupo das questões 10 min
Criação de soluções e estratégias
Plenária
15h10min
Intervalo
15h30min
TBL Aprendizagem baseada
em equipes (4.17)
1- Avaliação Individual
2- Avaliação em grupo, discussão
3- Gabarito final
5- Plenária
16h40min
Avaliação por Pares (4.18)
Avaliar a participação dos componentes na
atividade anterior.
Avaliar o registro dos colegas no Diário de
Bordo
17h10min
Autoavaliação (4.19)
Diário de Aprendizagem on-line
Drive partilhado
17h30min
Conversa sobre o Seminário
Final
Apresentação dos professores de uma
prática docente utilizando uma das
metodologias
61
4.14. Dinâmica para divisão de grupos MÚSICAS
Objetivo: Separar grupos para trabalhar na sala de aula, de forma aleatória.
Materiais: Imprimir uma música na quantidade dos componentes do grupo.
Desenvolvimento: Entregue a cada aluno a música (pode ser qualquer música, ou
até mesmo uma cantiga). Ao sinal, todos começam a cantar, procurando os colegas
que estão cantando a mesma música.
EX.: Se quiser fazer grupos de 4 componentes e tiver 20 alunos, imprima 5 músicas
diferentes, 4 vezes cada.
Músicas usadas:
[...] É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã
Por que se você parar pra pensar
Na verdade não há
Me diz por que o céu é azul
Explica a grande fúria do mundo
São meus filhos que tomam conta de mim
Eu moro com a minha mãe
Mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua não tenho ninguém
Eu moro em qualquer lugar
Já morei em tanta casa que nem me lembro
mais
Eu moro com os meus pais
[...] Viver
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz
Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita
Moro
Num país tropical
Abençoado por Deus
E bonito por natureza (mas que beleza)
Em fevereiro (em fevereiro)
Tem carnaval (tem carnaval)
Eu tenho um fusca e um violão
Sou Flamengo e tenho uma nega chamada
Tereza
É muito importante revezar as dinâmicas para divisão de grupos, para mesclar a
turma e os grupos ficarem bem heterogêneos. O mais importante, envolver todos,
pois os mais tímidos, normalmente se excluem, ficam de lado e acabam não fazendo
parte de nenhum grupo. Há também aqueles que a turma exclui. As dinâmicas
ajudam a resolver estas situações.
62
4.15. Phillips 66
Objetivos: Aumentar o grau de participação operativa e efetiva dos alunos,
expressando opiniões e posições, tomando decisões, formulando perguntas.
Promover a divisão de trabalho e de responsabilidade. Desenvolver a capacidade de
sintetizar.
Materiais: cartões com números de 1 a 6 para cada participante.
Desenvolvimento:
Esta cnica visa a participação de todos numa discussão, fracionando o grande
grupo em pequenos grupos, para facilitar a discussão, a troca de ideias e as
conclusões. Foi criado por J. D. Phillips, tem este nome pois, os grupos são
formados por 6 pessoas que discutem um assunto durante 6 minutos. Porém, esta
característica não é estática, podendo ser alterada a quantidade de participantes e o
tempo, de acordo com as diferentes realidades. A técnica favorece a participação de
todos os presentes numa atmosfera informal, estimula a troca de ideias, encoraja a
divisão de trabalho e a responsabilidade.
O professor planeja com antecedência as perguntas, problemas ou roteiro para a
discussão. Explica para a turma a técnica, sua finalidade e as regras. Divide a turma
em pequenos grupos, solicita que cada grupo escolha um coordenador e um relator
ou secretário para fazer as anotações. Distribui aos grupos cópias escritas do
assunto ou roteiro. Quando o tempo termina cada elemento do grupo recebe um
número, os alunos com números iguais se reagrupam, cada um apresentará o que
foi discutido no seu antigo grupo. Depois é feito um grupão para o relato das
discussões pelos relatores.
Quando usar?
a) Para obter informações sobre os interesses do grupo, problemas, dúvidas,
opiniões.
b) Para levantar dados e sugestões dos participantes auxiliando o planejamento do
professor.
c) Para analisar e buscar soluções para um problema.
d) Para obter ou verificar se existe consenso.
e) Para reunir informações e ideias de forma rápida.
63
Passo a passo:
- Organizar o material para os grupos (questões para resolver, textos para analisar,
charges, exercícios, vídeo);
- Dividir a turma em grupos, cada grupo deve escolher um coordenador e um relator;
- O professor explica a atividade e o que os grupos irão fazer;
- Inicia a atividade, no primeiro minuto se reflete, nos minutos seguintes se discute e
no final se conclui, durante toda a discussão o relator anota tudo o que está sendo
discutido e o coordenador organiza o grupo e monitora o tempo;
- Ao sinal do professor, os alunos mudam de grupo, sendo que um dos integrantes
fica no grupo, devido aos números que são dados, é bom que seja o relator;
- Os grupos voltam ao grupo original fazem a conclusão do tema;
- Encerrada as discussões, é realizado uma plenária para exposição dos grupos.
Como foi trabalhado no curso?
Os grupos foram formados por 4 professores com um tempo de 6 minutos para
discussão (Figura 25). Foi entregue a cada participante do grupo um número de 1 a
4. Em cada mesa havia uma charge sobre avaliação para os professores discutirem
(Apêndice C). Ao sinal do professor os grupos se reagruparam de acordo com o
número recebido (números iguais ficavam no mesmo grupo). O integrante que
permaneceu no grupo explica aos novos membros o que já foi discutido.
Saiba mais:
https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/idiomas/dinamica-de-grupo-
tecnica-do-phillips-66/58779
Figura 25 - Foto da Técnica Phillips 66 com charges
Fonte: arquivo da autora (2019)
64
4.16. Método de Caso (Casos de ensino)
Objetivos: Desenvolver habilidades de trabalhar em equipe, de analise, de síntese,
de tomada de decisões. Contextualizar conhecimentos adquiridos na teoria.
Materiais: Caso criado pelo professor, de acordo com o objetivo da aula, um para
cada grupo. Pode ser enviado antecipadamente para os alunos.
Desenvolvimento:
Desenvolvido por Christopher Langdell, em Harvard (EUA) na década de 80, na
escola de Direito e posteriormente nos cursos de Administração. Hoje também
usado nos cursos de enfermagem, medicina, além de marketing e contabilidade. O
método de caso inverte o modelo tradicional de ensino, pois os alunos é que são
desafiados a aprender analisando casos práticos. Normalmente é para resolver um
problema, que até então não tem uma solução pré-definida, exigindo empenho dos
alunos para identificar o problema, analisar evidências, desenvolver argumentos
lógicos, avaliar e propor soluções.
Em geral não parte de uma pergunta, o primeiro desafio dos estudantes é o de
identificar qual é o problema. Como na vida cotidiana, não uma resposta pronta,
absolutamente certa ou errada, o que importa aqui é a jornada de aprendizagem.
É feita uma análise minuciosa e objetiva de uma situação (real ou fictícia) que
necessita ser investigada. É um processo para chegar a uma decisão, que passa
pela análise, pela discussão coletiva, promovendo o raciocínio crítico e
argumentativo dos alunos.
O papel do professor não é o de apresentar respostas, mas sim o de estimular as
análises, desafiar premissas e promover a troca de ideias, o senso crítico e a
argumentação fundamentada em conceitos teóricos sólidos.
É considerado um valioso instrumento pedagógico, pois desafia os alunos a pensar,
raciocinar, argumentar, negociar, ouvir, refletir, buscar alternativas, tomar decisões
todo de Caso
65
habilidades bastante importantes nos cursos técnicos e de graduação atuais,
preparando nossos alunos para o mercado de trabalho.
Passo a passo:
- Estudo individual - Seu desafio é elaborar sua própria estratégia e sugerir
encaminhamento para as questões propostas;
- Trabalho em equipe organizados em pequenas equipes, os participantes expõem
suas análises e soluções, reafirmam sua linha de pensamento e argumentação ou
encontram alternativas construídas com a equipe;
- Sessão plenária o grupo se reúne para uma sessão plenária conduzida pelo
professor, que dirige a discussão e avalia as diferentes soluções exploradas. Nesse
momento, são alinhados conceitos, decisões e riscos.
Como elaborar um estudo de caso?
Um estudo de caso deve conter: resumo do caso, objetivos de aprendizagem,
conjunto de perguntas e esboço de como a discussão poderia se desenvolver, dicas
para ajudar os alunos a chegarem à uma solução, recursos como glossário ou
bibliografia.
Como foi trabalhado no curso?
A formadora do curso criou um caso relacionado à avaliação e a aprendizagem.
Separou os cursistas em grupos e entregou a cada grupo uma cópia do caso
(Apêndice D), para os docentes lerem, refletirem a situação, discutirem e
responderem as questões propostas. Após o tempo estipulado, realizamos uma
plenária para a exposição das questões discutidas pelos grupos.
Saiba mais:
https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos12/21316352.pdf (neste artigo um
exemplo detalhado de Método de Caso na área de Administração)
http://www.anpad.org.br/Normas_Casos_para_Ensino_2012.pdf (tutorial de como
montar um estudo de caso)
https://www.insper.edu.br/casos/ (banco de casos- casos prontos na área de
Administração para serem usados)
http://www2.espm.br/pesquisa/central-de-cases/banco-de-casos (banco de casos)
66
4.17. TBL (Aprendizagem Baseada em equipes ou times)
Objetivo: Proporcionar a interação e a colaboração entre os colegas de turma,
resolver problemas, fomentar o diálogo, a instrução, a troca de opiniões, a
comunicação e o trabalho colaborativo.
Materiais: elaboração do teste, do cartão de resposta e material para estudo.
Desenvolvimento:
É uma metodologia ativa lúdica baseada nos conceitos da Sala de Aula invertida.
Criada nos anos 70, nos cursos de Administração, por Larry Michaelsen. Os alunos
devem ser responsáveis por se prepararem para a atividade em equipe, chamado de
Preparação (pré-classe), assistindo um vídeo, um experimento, lendo um texto,
resolvendo problemas, etc. A falta desta preparação dificulta o trabalho em equipe, a
contribuição e o desempenho. O que normalmente garante a preparação do aluno é
o teste de preparo individual, a primeira etapa, que deve ser respondido
individualmente, sem consulta.
Passo a passo:
- Prova individual - O aluno recebe o material didático e orientações para estudo
antes da classe. No dia a aula começa com uma avaliação individual, para que os
estudantes façam uma autoavaliação da compreensão do assunto. Consiste em 10
a 20 questões de múltipla escolha, no qual os alunos assinalam a resposta num
cartão de respostas;
- Prova em equipes: Em seguida, monta-se os grupos o Team da sigla e a prova
é refeita, sem consulta. Nesta etapa há argumentações entre os alunos, para chegar
à uma conclusão comum, que todos os membros concordem ser a correta. Deve ser
feito um cartão de feedback com a resposta correta (sugestão, um cartão impresso
com as alternativas, na resposta certa uma estrela, em cima adesivos circulares, que
os alunos devem retirar ou um cartão tipo raspadinha, ou até mesmo mostrar as
respostas no projetor de multimídia para a correção das equipes);
- Apelação é a fase dos alunos recorrerem, caso não concordem com a resposta
indicada. O apelo deve ser feito pelo grupo, por escrito, acompanhado de
argumentos e nesta fase, pode ser usada a consulta à bibliografia, para auxiliar na
argumentação e enviada ao professor com os argumentos, a equipe deve também
propor a reformulação da questão e a resposta correta;
67
- Feedback do professor: Durante todo o tempo, o professor está junto aos alunos,
circulando e tirando dúvidas, no final, se houver alguma dúvida ainda, aí sim o
professor faz uma breve exposição, apenas para ter certeza que a turma inteira
tenha ficado no mesmo nível de entendimento. O professor oferece feedback aos
alunos simultaneamente.
É um pouco trabalhoso, pois o professor precisa elaborar as questões ou problemas
bem estruturados para atingir os objetivos de aprendizagem desejados. Os testes
podem ser de múltipla escolha, questões de verdadeiro ou falso, exercícios e
questões para resolver.
As equipes são divididas previamente, em grupos heterogêneos, com uma média de
5 a 7 alunos, tentar mesclar os alunos de forma aleatória e equilibrada, evitando que
os próprios alunos escolham suas equipes (BOLLELA et al., 2014).
Os alunos são avaliados individualmente e em grupo, terão o resultado da avaliação
individual, em equipes e em pares, podendo ser somativa ou uma média entre elas.
Como foi trabalhado no curso?
Os cursistas, individualmente, receberam um cartão de respostas e, foi projetado no
projetor de multimídia as questões para eles responderem individualmente
(Apêndice E). Após o tempo solicitado, quando todos já haviam respondido as
questões de múltipla escolha, eles se agruparam em equipes, discutiram as
questões novamente, só que desta vez, marcaram as respostas na coluna de pontos
por equipe, do cartão de respostas (Apêndice F). Após as discussões e
preenchimento do cartão, o coordenador projetou as respostas corretas para eles
corrigirem. Individualmente os cursistas acertaram de 60 a 70% e em equipe
acertaram de 70 a 90% das questões.
Saiba mais:
http://www.abed.org.br/congresso2017/trabalhos/pdf/400.pdf (experiência do uso da
TBL num curso de medicina)
http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/86618/89548 (o passo a passo da
metodologia)
68
4.18. Avaliação por pares
Objetivos: Envolver os alunos no processo; favorecer a reflexão; aumentar a
conscientização e aceitação das falhas, dos erros e das potencialidades.
Desenvolvimento:
Avaliação por pares é a avaliação dos colegas. Os alunos refletem e julgam o
trabalho do outro, para ver se os objetivos estabelecidos foram alcançados.
Primeiramente, deve ser criado os critérios que serão utilizados na avaliação, junto
com os alunos.
Pede-se aos alunos para criar uma redação, um artigo, um relato, uma questão
discursiva, uma pesquisa, etc. Cada aluno vai avaliar a produção de 2 ou 3 colegas,
segundo os critérios estabelecidos.
Após estas análises é bom fazer um feedback com todos os colegas. Segue abaixo
uma sugestão de perguntas que podem ser feitas:
1- Você acha que a nota foi justa? Por quê?
2- O que você acha que você e seu colega fizeram de melhor nesta tarefa?
3- O que você acha que você e seu colega poderiam ter feito melhor? Justifique:
4- Que parte desta tarefa você achou mais difícil? Por quê?
5- Qual foi a coisa mais importante que você aprendeu nesta tarefa?
Outra opção é dividir em grupo e propor um trabalho que todos tenham tarefas.
Depois do trabalho feito pode-se solicitar que um grupo corrija o trabalho do outro,
ou do próprio grupo. É importante que após esta atividade em grupo eles possam
realizar uma atividade adicional, individualmente, avisado anteriormente aos alunos.
Todo este processo não é só de avaliação, mas que isso, é um processo de
aprendizagem.
Saiba mais:
https://www.youtube.com/watch?v=pGEQIQCcE4s
https://www.professorideal.com/avaliacao-desempenho/metodologias-ativas-
vantagens-de-usar-avaliacoes-por-pares/
69
4.19. Diário de Bordo ou Diário de Aprendizagem
Objetivos: Estimular a escrita de sentimentos, aprendizagens, dúvidas, evoluções.
Descrever as etapas de um projeto de pesquisa, de um evento. Incentivar a
pesquisa, o detalhamento dos fatos, a retrospectiva, a análise e reflexão dos fatos.
Materiais: Um documento no drive partilhado entre alunos e professor (pode ser
também um caderno para o registro).
Desenvolvimento:
O diário de bordo é um caderno ou uma pasta ou até mesmo um texto na internet
(no drive, na sala virtual) no qual o estudante registra a sua aprendizagem, o seu
desenvolvimento, ou a realização do passo a passo de um projeto. Este registro
precisa ser detalhado, conciso, com datas, exemplos, locais, descobertas,
indagações, resultados, dúvidas. Deve ser preenchido de forma processual, ao
longo do trabalho, do desenvolvimento de um projeto, de um curso. Pode ser
conhecido também como caderno de campo ou diário de aprendizagem.
O Diário de Bordo também pode servir para autoavaliar, desabafar, confessar,
criticar, sugerir, teorizar e refletir sobre o processo de aprendizagem.
O que deve conter em um diário de bordo: (cabeçalho, registro de fatos,
descobertas, aprendizagens, evoluções, resultados alcançados, reflexões).
Na verdade, não existem regras, pois o diário de bordo é muito pessoal, porém, o
professor pode direcionar esta escrita instruindo o que ele quer dos alunos e a
periodicidade de escrita.
Como foi trabalhado no curso?
Foi criada uma planilha do Excel, na Sala de aula virtual e compartilhada com os
cursistas, permitindo a todos editar. A planilha de autoavaliação continha questões
sobre participação, assiduidade, aprendizagem, possibilidades, pontos negativos. O
link abaixo mostra a planilha que os professores foram preenchendo.
https://docs.google.com/spreadsheets/d/1mNyeKWvvqwzn65QUd17UXWQPo19kof6
i9fahGxz1Oas/edit?usp=sharing
Quando usar? Para o registro das etapas de um projeto, de uma pesquisa, de um
evento, para autoavaliar e promover um feedback do curso ou da disciplina.
70
4º ENCONTRO - PROJETOS E INTERDISCIPLINARIDADE
PROGRAMAÇÃO
Objetivos:
Geral: Perceber a importância de se trabalhar utilizando a interdisciplinaridade,
aproximando os conteúdos ao cotidiano dos alunos, envolvendo disciplinas em projetos
comuns.
Específico:
- Construir/ Planejar um projeto interdisciplinar
- Expor opiniões sobre o assunto
- Analisar possibilidades de se realizar a proposta no Ifes
HORÁRIO
ATIVIDADE
OBSERVAÇÕES
13h
Bate papo Avaliação do 3º
módulo
Novas expectativas
Objetivos e ementa do 4º módulo
O que já fizeram... (experiências
compartilhadas)
13h30min
Slides sobre
Interdisciplinaridade e Projetos
Dinâmica para divisão de
Grupos Quebra-cabeça
(4.20)
Explanação dialogada breve sobre o tema
13h50min
Método CANVAS (4.21)
Dividir em grupos, cada grupo recebe um
painel pronto, blocos adesivos de nota e
canetas coloridas. O grupo vai criar um
projeto interdisciplinar com objetivos,
estratégias, metodologia, recursos, etc.
14h30min
Apresentação dos projetos
14h40min
Fishbowl (4.22)
-É possível criar projetos interdisciplinares
no Ifes?
-Quais os entraves e as possibilidades?
-Qual a sua maior dificuldade para
trabalhar com Projetos?
-Quais as vantagens da
Interdisciplinaridade?
-Qual a diferença em se trabalhar de
forma multidisciplinar e interdisciplinar?
15h30m
Intervalo
15h50m
Técnica dos 6 chapéus (4.23)
Variação 3
O uso de projetos interdisciplinares no Ifes
- Informação
- Ideias
- Possibilidades
- Entraves
- Emoções
- Avaliação
16h50min
Recurso tecnológico: Prezzi
https://prezi.com/
Cada grupo criará uma apresentação
sobre Interdisciplinaridade e Projetos
17h20min
Explicação do Trabalho Final -
Seminário
“Intervenção em Sala utilizando as
metodologias”
17h30min
Dinâmica de confraternização
O presente (4.24)
Providenciar o presente e o texto para a
dinâmica
71
4.20. Dinâmica para divisão de grupos QUEBRA -CABEÇA
Objetivo: separar grupos de trabalho de forma aleatória, favorecendo o
entrosamento e a participação de todos.
Materiais: uma figura dividida em partes virando um quebra cabeça.
Desenvolvimento: Quando os alunos chegarem entregue a cada um, uma peça do
quebra-cabeça.
Quando todos estiverem com sua peça do quebra-cabeça peça que encontre os
colegas que estão com o mesmo quebra cabeça e montem.
Ex. Se tiver 14 participantes, e quiser 2 grupos, são necessários 2 quebra-cabeças
com 7 peças cada.
Imagem do pixabay.com
Para montar o quebra cabeça imprima em papel colorido uma imagem, ela pode ser
um escudo (brasão) ou uma imagem relacionada ao tema que será abordado no dia.
Cole em papel duro (papelão ou cartão), plastifique e recorte em partes de acordo
com a quantidade de pessoas da equipe. Pode também cada participante receber
mais de uma peça. Pode ser também uma frase, para o grupo tentar montar. Pode
ser também imagens de um mesmo grupo. Ex.: animais, frutas, meios de
transportes, etc.
72
4.21 CANVAS
Objetivos: Criar projetos com os alunos de maneira dinâmica e criativa. Elaborar
eventos, programas, roteiros. Classificar e ordenar conteúdo.
Materiais: Cartaz com o Quadro, pinceis, blocos adesivos de nota, canetas
coloridas.
Desenvolvimento: Canvas é um método muito utilizado na área de gerenciamento
de projetos. A palavra Canvassignifica quadro ou tela. O primeiro modelo Canvas
foi criado pelo suíço Alexandre Osterwalder que criou o Business Model Canvas
BMC para ser utilizado em empresas. Este modelo tinha como objetivo planejar e
visualizar as principais demandas de um negócio, de uma forma mais clara, rápida e
barata. Muito usado também na área de Recursos Humanos, Administração de
Empresas. No Brasil quem criou o primeiro modelo Canvas de projetos foi José
Finocchio, um pouco diferente do criado pelo suíço Alexandre. O painel original é
com os seguintes itens: oferta de valor, relacionamento com o cliente, canais de
venda, segmentos de clientes, parceiros chave, atividades chave, recursos, fontes
de custos, fontes de receitas.
O objetivo é preenchê-lo, por meio de anotações breves em blocos adesivos de
nota, de forma que todos os participantes contribuam com ideias para a definição
desses componentes. O uso de blocos adesivos de nota é para permitir a mudança
de ideia, o reposicionamento, novas contribuições e desistência de ideias.
Passo a passo:
- Crie o cartaz com os itens que precisa para o trabalho com a turma. Os itens do
cartaz dependem muito do objetivo da aula. O cartaz pode ser feito e plastificado
conforme a Figura 26 para que possa ser usado outras vezes.
- Esta técnica pode ser usada para resolver um problema, planejar um projeto,
organizar um evento, discutir um problema para chegar a conclusões.
- Leve os cartazes para a aula, explique a atividade, divida os grupos e deixe que
eles planejem de acordo com a instrução do professor.
- Após o planejamento com blocos adesivos de nota, cada grupo pode apresentar
seu cartaz ou o professor pode fazer rodízio no estilo Word Café (metodologia 4.2),
para aumentar as discussões e aprimorar o planejamento.
73
Figura 26 Foto do cartaz (CANVA)
Fonte: Elaborado pela autora (2019).
Como foi trabalhado no curso?
Os cursistas foram divididos em grupos, cada grupo recebeu um cartaz como na
Figura 26. Foi entregue aos docentes blocos adesivos de nota e a proposta era: criar
um projeto interdisciplinar envolvendo as suas disciplinas e seus conteúdos. Após o
tempo estipulado foi feito um rodízio, como no Word Café (ficando um para explicar
o que o grupo já tinha planejado). No final foi feita as apresentações dos grupos. Os
itens do cartaz se encontram no Apêndice G.
Figura 27 Canvas elaborado pelo grupo 1 no curso.
Fonte: arquivo da autora (2019)
74
4.22. Fishbowl
Objetivos: Promover o diálogo, a troca de experiência entre os participantes.
Fomentar a discussão, a expressão e a troca de opiniões sobre um tema.
Materiais: 5 cadeiras dispostas em círculos (essas cadeiras são chamadas de
Fishbowl (aquário).
Desenvolvimento:
É um método de discussão bastante colaborativo e dinâmico que serve para
investigar um tema, aprofundar um conteúdo ou até chegar a conclusões finais
depois de um estudo temático, atividade ou avaliação.
Criado por Renate Fruchter, diretora do Project Based Learning Laboratory (PBL
Lab), da Universidade de Stanford, Estados Unidos. O método foi inspirado nos
cursos de medicina, onde especialistas operam seus pacientes em salas de cirurgias
com paredes de vidro e os estudantes ficam do lado de fora observando.
Passo a passo:
Escolhe-se um grande tema de debate
- Organiza-se a turma em um grande círculo. Coloca-se no centro da sala 5
cadeiras, quatro alunos sentam nelas, deixando sempre uma vazia. Este grupo é o
que vai discutir o tema;
- A cadeira vazia é para ser ocupada por algum aluno que queira responder ou
participar da discussão. Só pode falar se estiver sentado em uma das cadeiras;
- Quando alguém do círculo maior ocupar a cadeira livre, outra pessoa do círculo
menor deverá espontaneamente se levantar e ir para o círculo maior.
A dinâmica de entrada e saída dos participantes na discussão acontece de forma
contínua, sem interrupções. Cada participante pode entrar na discussão quantas
vezes quiser.
Ao final da sessão de Fishbowl pode ser solicitado aos alunos sugestões de
melhorias, de ressalvas.
Quando usar?
- Quando estiver trabalhando um tema polêmico, com diversas soluções ou
alternativas, com diferentes opiniões, um tema que precisa de sugestões, de novas
ideias, um tema que possa promover a criatividade;
75
- Para fazer uma revisão do conteúdo ou da disciplina;
- Para condensar as ideias de um conteúdo.
Como foi trabalhado no curso?
A formadora do curso preparou as questões do Fishbowl (Apêndice H), explicou a
metodologia, organizou a sala, foi colocado 4 cadeiras no centro e o restante em
volta (Figura 28). Convidou os participantes a sentarem nas cadeiras, deixando uma
cadeira do centro vazia. Como regra disse que todos deveriam participar pelo menos
uma vez e que a pessoa que deveria sair do centro seria alguém que já tivesse
falado.
Figura 28 Foto da realização do Fishbowl
Fonte: arquivo da autora (2019)
Saiba mais: http://agiletrendsbr.com/fishbowls/
https://silabe.com.br/blog/fishbowl-metodo-aquario-o-que-e-exemplos-e-como-usar-
em-aula/
76
4.23. Técnica dos 6 chapéus
Objetivos: Analisar situações, tomar decisões, avaliar propostas. Gerar ideias,
discussões, posicionamentos e soluções.
Materiais: 6 chapéus nas cores branco, vermelho, amarelo, azul, preto, verde ou um
chapéu para cada aluno da sala.
Desenvolvimento:
Este método foi criado por Edward de Bono, na década de 60, muito utilizado para
fazer reuniões rápidas, objetivas, colaborativas e produtivas, evitando discussões
desnecessárias, longas e improdutivas. Também chamado de método dos seis
chapéus pensantes. Permite analisar várias perspectivas de um problema, tomar
decisões e ajudar nos processos de inovação. Essa técnica é extremamente
poderosa para discutir temas mais complexos e com muitos pontos de vista
diferentes. O facilitador delimita um tempo, orienta o trabalho. São seis chapéus,
cada um com uma cor, cada cor tem um significado. Cada chapéu pode ser usado
quantas vezes forem necessárias. A sequência de uso dos chapéus é determinada
pelo facilitador, dependendo do assunto abordado e das características do grupo
Chapéu branco Informação Está relacionado com a informação, usar o chapéu
branco permite a apresentação de informação (fatos, figuras, citações, dados), de
forma neutra e objetiva: - Quais são os fatos? Qual a informação de que dispomos e
quais precisamos? Onde obter a informação que falta? O que já sabemos sobre este
assunto?
Chapéu vermelho Emoções Está relacionado à intuição, sentimentos, palpites,
emoções: - Como nos sentimos em relação a isso? O que a situação nos diz? Como
se sente com esta realidade? Estamos confortáveis ou não com a ideia?
Chapéu preto Crítico Está relacionado ao julgamento, à crítica, aos riscos, à
reflexão da realidade, aos pontos negativos da questão, aos erros: - Quais são os
riscos? Quais as dificuldades? Quais os potenciais problemas?
Chapéu amarelo Otimismo Está relacionado aos aspectos positivos, benefícios,
viabilidade: - Quais as vantagens? Quais os pontos positivos? Podemos fazer
funcionar?
77
Chapéu verde Criatividade Este chapéu está relacionado à criação de ideia,
alternativas, possibilidades, soluções.: - O que podemos fazer diante dessa
situação? Quais as possibilidades de mudança? O que ainda falta fazer?
Chapéu azul Controle normalmente usados pelo facilitador, este chapéu está
relacionado ao controle da sequência: - Quais as nossas conclusões? O que
podemos fazer?
Como foi usado no curso? O professor lança um questionamento. Ex.: O uso de
projetos e Interdisciplinaridade na escola (o tema que o professor estiver
trabalhando). Entrega um chapéu para cada aluno de forma aleatória. Todos
recebem chapéus (algumas cores vão se repetir). Sugestão: para um grupo de 20
alunos sugiro: 3 brancos, 3 vermelhos, 4 pretos, 4 amarelos, 4 verdes, 2 azuis.
Figura 29. Quem está com o chapéu branco começa dizendo o que sabe sobre o
assunto (informações, dados), agora, quem está com o chapéu verde me responda:
O que podemos fazer para que haja mais projetos interdisciplinares? Quais projetos
poderiam ser feitos? Quem está com os chapéus amarelo diga ao grupo: Quais
benefícios de se utilizar projetos interdisciplinares? Quais aspectos positivos
encontramos? Agora, me diga, quem está com os chapéus preto, quais aspectos
negativos? Por que pode não dar certo? Quais os entraves? Quem está com os
chapéus vermelhos que sentimentos vocês têm sobre este assunto? Quais
intuições e emoções? Agora os alunos com chapéus azuis façam um resumo do
que foi discutido, uma síntese.
Figura 29 Fotos da técnica dos 6 chapéus
Fonte: Arquivo da autora (2019)
Saiba Mais: Método dos seis chapéus detalhado.
https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4179369/mod_resource/content/1/6chapeus.
pdf
78
4.24. Dinâmica de confraternização O PRESENTE
Objetivo: Confraternizar, estabelecer empatia, aumentar o entrosamento do grupo.
Materiais: Uma caixa de presente embrulhada (pode ser bombons).
Desenvolvimento: O organizador com o presente nas mãos diz (exemplo): Caros
amigos, eu gostaria de aproveitar este momento para satisfazer um desejo que
muito venho querendo fazer. Eu queria presentear uma pessoa muito especial que
durante o ano (ou o curso) foi um(a) grande amigo(a) e companheiro(a) e que
participou bastante e me surpreendeu. Abraça a pessoa e entrega o presente. Em
seguida pede um pouquinho de silêncio e lê o parágrafo 1:
1. PARABÉNS! Você foi escolhido para receber esse presente que simboliza a
confraternização, a união do grupo, porém, este presente não é seu, olhe em
volta e entregue este presente a quem você acha que é mais ALEGRE.
2. ALEGRIA! ALEGRIA! Hoje é festa, pessoas como você transmitem felicidade e
alto astral contagiando a todos que estão ao redor. Parabéns, com sua alegria passe
o presente a quem acha mais INTELIGENTE.
3. A inteligência é um grande dom, que recebemos quando nascemos ou
conquistamos com estudo e dedicação. Mas o presente ainda não é seu. Passe-o a
quem lhe transmite PAZ.
4. O mundo inteiro clama por paz e você, gratuitamente, transmite esta riqueza.
Parabéns! Você está fazendo falta às grandes potências do mundo, responsáveis
por tantos conflitos entre a humanidade. Com muita Paz, passe o presente a quem
você considera AMIGO.
5. Diz uma música de Milton Nascimento, que “amigo é coisa para se guardar do
lado esquerdo do peito, dentro do coração”. Parabéns por ser amigo, mas o
presente, ainda não é seu. Passe-o a quem você considera DINÂMICO.
6. Ser dinâmico é aquele que toma decisões rápidas, forte, prestativo, movimenta o
grupo, sabe que o tempo não para. Seja sempre agente multiplicador de boas ideias
e boas ações em seu meio. Parabéns! Mas passe o presente a quem acha mais
SOLIDÁRIO.
7. Parabéns! A Solidariedade é mais do que uma palavra da moda, é ajudar o
próximo, se preocupar, ir ao encontro do outro. Olhe para os amigos e passe o
presente a quem você considera ORGANIZADO
8. Parabéns! Você é uma pessoa muito organizada e isso é muito bom, gosta das
coisas no lugar certo, no tempo certo, não deixa para depois suas obrigações, faz
79
tudo muito bem feito. Mas o presente ainda não é seu, passe-o a quem você acha
OTIMISTA.
9. Otimista é aquele que sabe superar todos os obstáculos com alegria, esperando o
melhor da vida e transmite aos outros a certeza de dias melhores. Parabéns por
você ser uma pessoa otimista! É bom conviver com você, mas o presente ainda não
será seu. Passe-o a quem você acha COMPETENTE.
10. Competentes são pessoas capazes de fazer bem todas as atividades a elas
confiadas e em todos os empreendimentos são bem-sucedidas, porque foram bem
preparadas para a vida. Mas o presente ainda não é seu. Passe-o a quem você
considera PRESTATIVO.
11. Prestativo é aquele que serve a todos com boa vontade e está sempre pronto a
ajudar em qualquer momento, como é bom ter alguém que podemos contar. Vo
bem merece o presente. Mas ele ainda não é seu. Passe-o a quem você acha que
tem LIDERANÇA.
12. Líderes são pessoas que sabem guiar, orientar e dirigir pessoas ou grupos, com
capacidade, dinamismo e segurança. Confiamos muito em você, que é líder, mas o
presente ainda não é seu. Passe-o a quem você acha mais JUSTO.
17. Justiça! Ser justo é querer sempre que as coisas aconteçam de forma correta,
olhando sempre para todos os lados, ponderando e analisando cada situação para
ninguém ser prejudicado. Mas que você é muito justo, não vai querer o presente
só para você. Abra e distribua com todos, desejando-lhes FELICIDADES! E assim o
presente é distribuído entre todos!
Figura 30 Foto da Dinâmica do Presente
Fonte: Arquivo da autora, 2019.
80
REFERÊNCIAS
ANDRADE, Maria do Carmo F de; SOUZA, Priscila Rodrigues de. Modelos de
Rotação do ensino híbrido: estações de trabalho e sala de aula invertida. E-Tech:
Tecnologias para Competitividade Industrial, Florianópolis, SENAI, v.9, n.1, p. 03-
16, 2016.
ARREDONDO, S. C. Compromisos de la Evaluación Educativa. Madri: Espanha.
Pearson Educación, 2002.
BACICH, Lilian; MORAN, José. Aprender a ensinar com foco na educação
híbrida. Revista Pátio, n. 25, jun. 2015, p. 45-47.
BACICH, Lilian; MORAN, José (Org). Metodologias ativas para uma educação
inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.
BARBOSA, Eduardo Fernandes; MOURA, Dácio Guimarães de. Metodologias ativas
de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do
Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 48-67, mai/ago. 2013.
BENVENUTTI, D. B. Avaliação, sua história e seus paradigmas educativos.
Pedagogia: a Revista do Curso. Brasileira de Contabilidade. São Miguel do
Oeste SC: ano 1, n.1, p.47-51, jan. 2002.
BERGER, Guy. Conditions d’une problématique de I’interdisciplinarité. In: Ceri
L’interdisciplinarité. Problèmes d’enseignement et de recherche dans les
Université. Paris: UNESCO/OCDE, 1972, p. 21-24.
BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia
ativa da aprendizagem. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2018.
BLOOM, B. S.; HASTINGS, J. T.; MADAUS, G. F. Evaluación del aprendizaje.
Buenos Aires: Troquel, 1993.
BOLLELA, V. et al. Aprendizagem baseada em equipes: da teoria à prática.
Medicina (Ribeirao Preto. Online), 2014, p. 293-300.
<https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i3p293-300>. Acesso em: 13 fev. 2019.
BRASIL. Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.
BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da
Educação Básica. Brasília: MEC, 2013.
CAMAS, N. P.; BRITO, G. S. da. Metodologias ativas: uma discussão acerca das
possibilidades práticas na educação continuada de professores do ensino superior.
Revista Diálogo Educacional. Curitiba, PUC-PR. Disponível em:
<https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/1981-
416X.17.052.DS01>. Acesso em: 04 jan. 2017.
81
CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; STAKER, H. Classifying K-12 Blended
Learning. May 2012. Disponível em: <http://www.christenseninstitute.org/which-
blended-model-should-schools-choose>/. Acesso em: 10 jan. 2019.
CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; STAKER, H. Ensino Híbrido: uma Inovação
Disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Mai. 2013. Disponível em:
<http://porvir.org/wp-content/uploads/2014/08/PT_Is-K-12-blended-learning-
disruptive-Final.pdf> Acesso em: 01 nov. 2018.
DALE, Edgar. Audiovisual Methods in Teaching, 3. ed. New York: Dryden Press,
1969.
DELORS, Jacques (Org.) Os quatro pilares da educação. In: Educação: um
tesouro a descobrir. São Paulo: Cortezo, 1996. p. 89-102.
FAZENDA, Ivani C. Arantes. Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa.
Campinas, SP: Papirus, 1994. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho
Pedagógico).
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática
educativa. 43. ed. (1ª edição 1996). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.
HAMZE, Amélia. O que é aprendizagem? Disponível
em:<https://educador.brasilescola.uol.com.br/trabalho-docente/o-que-e-
aprendizagem.htm> Acesso em: 13 fev. 2019
HOFFMANN, J. M. L. Avaliação mito e desafio. Porto Alegre: Mediação, 1997.
LEITE, Lúcia Helena Alvares. Pedagogia por Projetos: Intervenção no presente.
Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v.2, n.8, p.24-33, 1996. Bimestral.
Disponível em: <https://edufisescolar.files.wordpress.com/2011/03/pedagogia-de-
projetos-de-lc3bacia-alvarez.pdf> Acesso em: 07 mai. 2014.
LIBÂNEO, José C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.
LUCKESI, Cipriano Carlos. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem?
Revista Pátio. Porto Alegre: ARTMED. Ano. 3, n. 12, fev. /abr. 2000.
MACHADO, Lucília Regina de Souza. Diferenciais inovadores na formação de
professores para a educação profissional. Revista Brasileira de Educação
Profissional e Tecnológica. Brasília: MEC: SETEC, 2008.
MATTAR J. Metodologias Ativas: para a