Conference PaperPDF Available

A hashtag #NãoVaiTerGolpe à luz do método perspectivista de Análise de Redes Sociais (ARS)

Authors:

Abstract and Figures

Objetiva-se neste artigo propor uma reflexão a respeito do atual cenário político-social brasileiro e suas repercussões, a partir de uma análise perspectivista descritivo-exploratória da rede de relações mediadas entre usuários do Twitter, por meio de publicações na rede social indexadas com a hashtag #NãoVaiTerGolpe. Através de estatísticas e grafos representativos dos dados obtidos, pretende-se aqui expor uma metodologia aplicável a estudos de ciberpolítica e análise de redes sociais (ARS), a partir de um estudo de caso correspondente a diferentes momentos sociopolíticos brasileiros recentes, cujas origens remontam a outubro de 2014, com a re-eleição da presidente do Brasil, Dilma Rousseff. PALAVRAS-CHAVE: ciberpolítica; comunicação; análise de redes sociais; ARS; SNA. I-INTRODUÇÃO Propomos neste artigo um estudo de caso por via da Análise de Redes Sociais, a fim de expormos uma metodologia que nos permite mensurar, descrever e analisar a estrutura e o significado de redes complexas, representadas por vértices (nós) e suas conexões (arestas), a exemplo de usuários de uma rede social e suas interações, e.g. comentários e compartilhamentos. Para isso, empreendemos um método composto por três etapas: mineração, análise e visualização de dados, que aplicamos como forma expositiva a um conjunto de dados referente a um ano de publicações indexadas, por usuários do Twitter, com a hashtag #NãoVaiTerGolpe: um movimento-rede que se concretiza em dinâmicas de ocupação de rua e de viralidade de conteúdos emocionais nas redes sociais contra o impeachment da presidente Dilma.
Content may be subject to copyright.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
1
A hashtag #NãoVaiTerGolpe à luz
do método perspectivista de ARS
1
Nelson Aloysio REIS de Almeida Passos
2
Fábio Luiz MALINI de Lima
3
Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória ES
RESUMO
Objetiva-se neste artigo propor uma reflexão a respeito do atual cenário político-social
brasileiro e suas repercussões, a partir de uma análise perspectivista descritivo-exploratória
da rede de relações mediadas entre usuários do Twitter, por meio de publicações na rede
social indexadas com a hashtag #NãoVaiTerGolpe. Através de estatísticas e grafos
representativos dos dados obtidos, pretende-se aqui expor uma metodologia aplicável a
estudos de ciberpolítica e análise de redes sociais (ARS), a partir de um estudo de caso
correspondente a diferentes momentos sociopolíticos brasileiros recentes, cujas origens
remontam a outubro de 2014, com a re-eleição da presidente do Brasil, Dilma Rousseff.
PALAVRAS-CHAVE: ciberpolítica; comunicação; análise de redes sociais; ARS; SNA.
I INTRODUÇÃO
Propomos neste artigo um estudo de caso por via da Análise de Redes Sociais, a fim
de expormos uma metodologia que nos permite mensurar, descrever e analisar a estrutura e
o significado de redes complexas, representadas por vértices (nós) e suas conexões
(arestas), a exemplo de usuários de uma rede social e suas interações, e.g. comentários e
compartilhamentos. Para isso, empreendemos um método composto por três etapas:
mineração, análise e visualização de dados, que aplicamos como forma expositiva a um
conjunto de dados referente a um ano de publicações indexadas, por usuários do Twitter,
com a hashtag #NãoVaiTerGolpe: um movimento-rede que se concretiza em dinâmicas de
ocupação de rua e de viralidade de conteúdos emocionais nas redes sociais contra o
impeachment da presidente Dilma.
O presente artigo é parte de um estudo em realização de métodos e técnicas de
pesquisa e análise de grandes volumes de dados, realizado em conjunto com pesquisadores
do Laboratório de Estudos em Imagem e Cibercultura (Labic), sediado na Universidade
Federal do Espírito Santo (Ufes).
1
Trabalho apresentado na Divisão Temática Comunicação Multimídia, da Intercom Júnior XII Jornada de Iniciação
Científica em Comunicação, evento componente do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação.
2
Autor do trabalho, estudante de Graduação do 8º semestre do Curso de Comunicação Social Jornalismo da
Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), email: nelsonaloysio@gmail.com.
3
Orientador do trabalho, professor e Doutor em Comunicação pela UFRJ e coordenador do Labic-Ufes (Laboratório de
estudos em Imagem e Cibercultura), e-mail: fabiomalini@gmail.com, site: www.labic.net.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
2
II REDE E SOCIEDADE
Todo o homem tem direito à liberdade de opinião e expressão;
este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de
procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e
independentemente de fronteiras.”
4
Redes sociais são plataformas focadas no compartilhamento de conteúdo notícias,
ideias, fotos, locais, experiências, sentimentos etc. entre usuários. Com a popularização da
Internet, a ampliação do acesso à web e o desenvolvimento de novas tecnologias de acesso
e interação, as redes sociais tornaram-se representativas de um conjunto de mudanças e
inovações muito maior tido no âmbito da comunicação contemporânea, em que indivíduos e
grupos sociais passam a se relacionar de modo virtual com uma frequência cada vez maior,
em detrimento da manutenção de vínculos presenciais, e.g. a visitação e as saídas em grupo.
No Brasil, o Facebook ocupa o posto de rede social mais utilizada, com mais de 100
milhões de usuários ativos número este que, a despeito do crescimento de serviços de
mensagens como o WhatsApp (adquirido pelo Facebook, Inc. em fevereiro de 2014), tende
apenas a aumentar. Isso porque, apesar de o país figurar em terceiro lugar na classificação
mundial de nações com maior índice de adesão ao site, em números absolutos, a rede social
possui mais de 1 bilhão de visitas únicas diárias, o que demonstra o seu potencial de
atrair usuários. O que não significa, no entanto, que não espaço para a utilização e o
surgimento de outros mais serviços do tipo: os usuários co-existem em diversas redes
sociais, por vezes com diferentes perfis. O Instagram (adquirido pelo Facebook, Inc. em
abril de 2012), por exemplo, lidera os serviços de compartilhamento de fotos, com mais de
300 milhões de usuários ativos mundialmente todos os dias, e encontra-se hoje em
concorrência direta com o Snapchat, este num índice crescente de mais de 150 milhões de
usuários ativos diariamente. Ao mesmo tempo, o Twitter continua sendo largamente
utilizado, em índices comparáveis ao Snapchat 150 milhões de usuários diários e 300
milhões de usuários únicos mensais , porém em contextos múltiplos: como plataforma de
feed de notícias, de interação social, de debate político, de engajamento cívico, entre outros.
Existe, no entanto, segundo Bauman (2011), um benefício de outro tipo nesta nova
forma de interação, que parece ser o principal atrativo do Twitter: a famosa “prova da
existência” de Descartes “penso, logo existo” substituída e rejeitada por uma versão
atualizada para a nossa era da comunicação de massas: “sou visto, logo existo”. O peso da
4
Artigo 19 da Declaração Univesal dos Direitos Humanos.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
3
presença de uma pessoa no mundo passa a ser medido por sua “fama”, isto é, pelo número
de seguidores que possui na sua conta como usuário, pelas republicações e menções que
obtém com cada gorjeio (tweet) aos outros pares de seu grupo, e pelo símbolo de
verificação como um “perfil real” um emblema de autenticidade da própria existência.
Neste âmbito, a ARS
5
demonstra-se como um modo inovador de estudo e
compreensão das relações existentes entre diferentes usuários e grupos sociais. Através de
seus métodos, é possível representar estruturalmente as interações mediadas entre os atores
de uma rede; identificar posicionamentos e emoções manifestas em discursos; visualizar um
panorama léxico-semântico das publicações que a compõem; analisar picos de atividade e
relacionar seus significados com eventos tidos fora da rede; compreender tendências e
prever mudanças de comportamento; entre outros. Torna-se possível, enfim, denotar uma
rede por meio de diversos aspectos que a caracterizam, desde sua estrutura até a disposição
de seus atores, não obstante a sua efemeridade, ou seja, independentemente de sua duração
por vezes, um conjunto de dados referente a um período de uma hora sobre um
determinado tema vem a revelar mais de suas características que todo um ano: períodos
menores são também mais fáceis de serem representados visualmente, por demandarem
menos recursos tanto de ordem humana (tempo e contingente de pessoas) quanto
computacional (memória, processamento e armazenamento de dados).
Essas possibilidades metodológicas contribuem para o desvelamento dos diferentes
motivos, atores e conexões que sintetizam uma rede, e proporcionam um estudo de sua
raison d’être que se permite correlacionar com aspectos sociais externos a exemplo de
acontecimentos políticos e opiniões do eleitorado , que imprimem-se por contextualização
em sua representação visual. Isso porque, conforme afirma Berry (2014), a visualização de
dados apresenta-se ou como uma meta-representação, ou como uma celebração da união
entre natureza (e.g. pessoas e interações) e números (e.g. nós e arestas), por via da
comensurabilidade numérica de ambos i.e. o mundo representado em forma de números.
A análise descritivo-exploratória de uma rede, aliada a sua compreensão contextual
e semântica, oferece uma maneira também de cartografar controvérsias, ou em outras
palavras, explorar e representar as altercações de sentido e as disputas narrativas que
5
A Análise de Redes Sociais (ARS em inglês Social Network Analysis, SNA) é uma interpelação da Sociologia, da
Psicologia Social e da Antropologia que despontou como uma técnica utilizada pela Sociologia Moderna, sendo uma
análise metódica de Redes Sociais, que por sua vez consistem em estruturas que representam pessoas ou organizações
(atores) e as relações que possuem entre si.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
4
figuram em seu cerne. Inspirada nos princípios centrais da teoria ator-rede
6
em que o ator
é definido a partir do papel que desempenha, i.e. do efeito que produz e do quão ativo e
repercussivo é na rede, essa representada pelas interligações estabelecidas por diferentes
relações e significados entre os atores a cartografia de controvérsias
7
utiliza as
particularidades das redes digitais, especialmente a rastreabilidade e a conectividade das
ações e mediações produzidas, para explorar e representar controvérsias.
III POLÍTICA E CIBERATIVISMO
Os protestos que ocorreram no Brasil a partir de junho de 2013 demarcaram a
entrada do país num ciclo mundial de manifestações populares, marcado pelo crescente uso
das redes sociais para a mobilização e a organização tática de dissidentes, aproveitando a
inteligência coletiva disponível no ciberespaço e criando formas inovadoras de ação
política, baseadas no compartilhamento de informação e na colaboração entre usuários.
No Twitter, por exemplo, o uso de streamings e o rápido compartilhamento de fotos
e vídeos por parte de manifestantes e coletivos independentes configurou-se como um
importante mecanismo para que os próprios atores pudessem contar a história do
movimento que seguiam. A rede social foi utilizada como instrumento de engajamento,
coordenação e repercussão de ações, o que proporcionou um rompimento com o
“monopólio da fala” da mídia tradicional, conforme expressão de Sodré (1977), e estendeu
os limites espaciais da propagação de informações. Ao mesmo tempo, grupos de controle
para o fim dos protestos, como a Polícia Militar no Brasil, utilizaram da mesma rede social,
mas para vigiar e interceptar as comunicações dos manifestantes, de forma a antecipar seus
possíveis direcionamentos e produzir estratégias quanto a possíveis confrontos.
As redes, portanto, adquirem uma camada de luta e de resistência política, resultado
da apropriação do ciberespaço, o que comprova empiricamente o papel das novas
tecnologias tanto na organização tática de manifestações populares, quanto na amplificação
de discursos marginalizados. É, segundo Lazaratto (2006), com a internet que a potência
das forças antes aprisionadas e capturadas pela unificação e homogeneização das redes
analógicas (televisão, rádio etc.) é liberada, ativada e inventa outras máquinas de expressão,
6
A Teoria Ator-Rede (TAR) é uma corrente da pesquisa em teoria social que se originou na área de estudos de ciência,
tecnologia e sociedade, na década de 1980, a partir dos estudos de Latour, Callon, Akrich, entre outros acadêmicos e
pesquisadores. É utilizada para explicar novos paradigmas da comunicação que passam a existir com a cultura
contemporânea, por via do confronto entre sociedade, ator e rede. Nela, o ator é definido a partir do papel que
desempenha, i.e. do efeito que produz e do quão ativo e repercussivo apresenta-se numa rede, essa representada por meio
de interligações estabelecidas por diferentes relações de sentido entre seus atores.
7
Metodologia associada à TAR capaz de lidar com múltiplos atores humanos na exploração e visualizão de conflitos.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
5
ou seja, outros regimes de signos. Nesse sentido, uma verdadeira guerra em rede passa a ser
travada em uma dimensão capaz de imbricar a Internet e as ruas fora dela, tornando difícil a
distinção radical entre o “virtual” e o “real”; redes essas, conforme Rheingold (2004),
formadas por pessoas capazes de atuar conjuntamente mesmo que não se conheçam,
constituindo-se em grupos que cooperam de modos inconcebíveis em outras épocas, por
utilizarem-se de sistemas informáticos e de telecomunicações que lhes permitem conectar-
se com outros sistemas do entorno, assim como com outras pessoas antes inalcançáveis.
Através de scripts aplicados a publicações de usuários, é possível denotar o
posicionamento destes não somente pela análise do discurso apresentado e pelo conteúdo
do texto que publicam, mas também por via de uma representação estrutural das interações
mediadas entre estes e os demais atores da rede que constituem conjuntamente. Enuncia-se
assim a ARS como uma forma de mensurar e analisar estas atividades tidas no ciberespaço
entre diferentes atores, especialmente em tempos como os atuais, em que as guerras virtuais
(cyberwarfares
8
) figuram-se cada vez mais comuns não apenas no âmbito governamental,
militar e privado, mas também no civil, conforme as redes são ocupadas e apropriadas com
base nos objetivos dos usuários que delas participam. Segundo Castells (2009) a forma
como pensamos e sentimos é determinante na forma como atuamos, e nas redes sociais o
cenário não é diferente: os usuários imprimem em seus textos sentimentos ou mesmo
emoções identificáveis e mensuráveis por diferentes métodos de análise e modelagem de
dados, tema este que é hoje objeto de diferentes publicações, porém não encontra-se no
escopo do presente artigo.
IV METODOLOGIA
Como estudo de caso demonstrativo da metodologia, propusemo-nos a analisar as
redes constituídas por usuários do Twitter por meio de publicações com a hashtag
#NãoVaiTerGolpe. Para tanto, delimitamos um período de um ano de 1º de julho de 2015
a 1º de julho de 2016 , de maneira que capturássemos a repercussão em torno do possível
afastamento da presidente Dilma Rousseff para investigação de crime de responsabilidade.
Ao mesmo tempo, acabamos por presenciar outros eventos de ordem político-social, como
a nomeação do ex-presidente Lula como ministro e as delações e denúncias surgidas por
8
Cyberwarfares (guerras virtuais, numa tradução livre) definem-se nas ações de invasão de computadores e redes,
usualmente entre nações, com o intuito de espionar ou causar danos ou prejuízos a uma parte. Outras definições abrangem
também atores não-institucionais, visto que as motivações para este tipo de ataque podem ser tanto civis quanto militares
ou privadas, isto é, tanto por parte de hacktivistas quanto de empresas e grupos extremistas. O novo conjunto de
estratégias militares dos Estados Unidos explicita que cyberwarfare é casus belli, assim como os demais atos de guerra, e
foi em 2013 pela primeira vez considerada por oficiais de inteligência do país uma ameaça maior que o terrorismo.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
6
meio da investigação Lava Jato, a vários membros das esferas públicas. Estes
acontecimentos tomaram tanto os noticiários e os veículos impressos, quanto as redes
sociais, com publicações que objetivavam o engajamento e a discussão dos fatos recentes.
Posteriormente, desenvolvemos estatísticas a fim de compreender as implicações
sociais das formas de interação entre diferentes pessoas e o conteúdo de suas mensagens,
em correlação com um possível impeachment da atual presidente do país, Dilma Rousseff, e
a ameaça de um golpe à jovem democracia brasileira. Para isso, utilizamos de um método
capaz de revelar a constituição da estrutura de relações entre atores, os papéis assumidos
pelos mesmos na discussão e a semântica que circulou no Twitter durante este período, de
forma a contextualizar histórico-socialmente a rede que se formou.
Dentro desta faixa de tempo (365,8 dias), foram coletados pela Search API
9
do
Twitter um total de 241.526 tweets únicos, resultando numa frequência de 660,2 tweets ao
dia. Ao mesmo tempo, estes tweets geraram um total de 498.204 republicações (retweets),
aproximadamente 1362 ao dia, além de 74.373 (30,7%) respostas, identificados por meio de
uma menção a um usuário no começo do texto, iniciado com um símbolo de @ (arroba).
Vale lembrar que essa disposição na estrutura do tweet faz com que a publicação apareça
apenas nas timelines de cada usuário, isto é, torna obrigatório visitar a página do tweet em
questão para encontrar respostas direcionadas ao usuário e autor da publicação.
Fig. 1: plataforma de origem das publicações capturadas.
Um total de 52.579 usuários únicos interagiu publicando de mais 163 fontes
diferentes, interagindo com 69.640 menções (14.022 remetentes, 9.825 destinatários) e
74.373 respostas (23.442 remetentes, 16.179 destinatários) a outros usuários. Do total de
9
A Search API é parte do conjunto de interfaces de programação de aplicações (API) disponibilizados pelo Twitter para
extração e análise de dados. Documentação disponível em: <https://dev.twitter.com/rest/public> (Acesso em: 15/07/2016).
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
7
tweets originais, calculam-se ainda outros dados: 196.495 (81,3%) foram indexados junto
de uma ou mais hashtags, para um total de 16.855 hashtags únicas; e 88.612 (36,6%)
apontavam para uma URL ou continham alguma mídia anexada, como fotos ou vídeos, para
um total de 76.488 links únicos. Apenas 2.130 (0,8%) tweets, porém, eram geolocalizados
com as informações de latitude e longitude onde fora publicado; no entanto, 38.978 tweets
carregavam consigo algum metadado classificado como descritivo da localização do
indivíduo, como o nome da cidade ou uma outra referência geográfica, o que possibilitou
geolocalizar outros 8.991 (3,7%) tweets por meio da correlação destas informações com um
gazetteer, i.e. um índice de topônimos ou dicionário geográfico, disponibilizado pela
GeoNames
10
. Assim, o índice de tweets geolocalizados aumentou em 422,1%.
Fig. 2: intensidade de publicações entre 01 de julho de 2015 e 01 de julho de 2016.
Observou-se um grande volume de publicações em abril de 2016, mais exatamente
no dia 17, em que se deu a votação do processo de impeachment de Dilma Rousseff (PT),
presidido pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e televisionado ao vivo. Decidimos,
portanto, utilizar um período equivalente a três dias, entre 16 e 18 de abril, para a
visualização e análise de grafos decisão essa baseada em duas principais razões: i) é um
número expressivo, quando se leva em conta que estes usuários geraram um total de 13.056
interações (5.162 remetentes, 3.968 destinatários) sem contar retweets; e ii) porque a
temporalidade se apresenta como um fator crucial na compreensão e perspectivação das
redes constituídas, sem a qual carece de sentido socio-histórico para a contextualização das
relações de interação entre usuários e entre comunidades, i.e. perspectivas.
10
O GeoNames é um database geográfico mundial, que disponibiliza gratuitamente seus dados de mais de 11 milhões de
localizações sob a licença Creative Commons. Site do projeto: <http://www.geonames.org/> (Acesso em: 15/07/2016).
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
8
Fig. 3: ocorrência de termos em tweets em ordem decrescente.
Ao passo que o índice de atividade contribui com a identificação de momentos
importantes na formação das redes e na repercussão de eventos, as palavras com maior
índice de ocorrência nas publicações revelam, por sua vez, um panorama semântico da rede.
Seus termos mais recorrentes permitem evidenciar tanto um caráter de reivindicação
democrática, expressada em mensagens a favor ou contra o impeachment da presidente,
quanto uma controvérsia, de ordem histórico-social, que concerne nosso conjunto de dados.
Mais a frente, utilizamos da teoria dos grafos
11
para estruturar as relações entre os
objetos de nosso conjunto, i.e. as interações entre os diferentes atores de nossa rede. Das
técnicas para a visualização de dados, enunciam-se a matemática, por via de algoritmos e
cálculos de estatísticas, e a expressão, por organizações visuais representativas destes
conceitos numéricos. Por meio de grafos direcionados para a análise de menções
(identificadas por meio de um símbolo de @ antes do nome do usuário) e mensagens diretas
entre usuários (cujo texto começa com uma menção ao usuário e destinatário da
mensagem), e de grafos não direcionados para a visualização das co-ocorrências entre
hashtags numa mesma publicação, realizamos uma análise descritivo-exploratória a fim de
identificarmos relações antes encobertas por uma grande quantidade de informações. Com a
visualização destes dados, tornou-se possível utilizar o método perspectivista de análise de
11
A teoria dos grafos é um ramo da matemática que estuda as relações entre os objetos de um determinado conjunto. Para
tal são empregadas estruturas chamadas de grafos, G(V,E), onde V é um conjunto não vazio de objetos denominados
vértices e E é um subconjunto de pares não ordenados de V, chamados arestas.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
9
redes
12
para identificar, processar e interpretar os pontos de vistas expressos nas interações
entre usuários em determinado espaço de tempo. Dessa forma, torna-se possível visualizar
agrupamentos na rede, representados em forma de clusters (conjuntos de nós altamente
conectados entre si, em relação aos demais conjuntos de nós da rede), estes identificados
por via de um algoritmo de modularidade, nos permitindo então isolar, relacionar e analisar
as conexões entre diferentes atores de uma mesma rede.
V ANÁLISE PERSPECTIVISTA POR MODULARIDADE
Embora possa parecer fácil estabelecer um grupo, em vez de mapear as
controvérsias em torno da formação de grupos, ocorre exeatamente o contrário. Como
demonstra Latour (2012), as formações de grupos deixam muito mais traços em sua esteira
do que as conexões já estabelecidas; isso porque, se um dado conjunto aí está, pura e
simplesmente, então este é invisível e nada pode se dizer a seu respeito. O conjunto,
portanto, não deixa rastros e não gera informação; se ele está visível, é porque ele está se
fazendo, e portanto gerando novos dados e conexões. A solução, então, é “substituir a lista
de agrupamentos compostos de agregados sociais tarefa impossível pela de elementos
sempre presentes em controvérsias a respeito de grupos tarefa bem mais simples” (p. 24).
Dessa forma, procurou-se durante a análise, no momento da identificação de uma
perspectiva impressa no grafo, denotar também os seus principais nós, i.e. os mais
influentes, a partir de métricas que mensuram o seu índice de participação na rede a partir
de suas relações com os demais nós. Isso porque, ainda segundo Latour, para delinear-se
um grupo, cumpre dispor de “porta-vozes” que “falem pela” sua existência, afinal, “os
grupos não são coisas silenciosas, mas o produto provisório de um rumor constante feito
por milhões de vozes contraditórias sobre o que vem a ser um grupo e quem pertence a ele”
(p. 55). Estes estão sempre em ação, justificando a existência do grupo, invocando regras e
precedentes e “opondo uma definição às demais”.
Geramos, então, dois grafos representativos: um primeiro da estrutura de rede
composta por usuários interagindo por via de menções e respostas a outros perfis; e um
segundo do panorama semântico da rede, por via de suas hashtags co-ocorrentes.
12
Do ponto de vista teórico, o método perspectivista de análise de redes parte de uma reflexão que articula a teoria
antropológica formulada por Eduardo Viveiros de Castro (de onde retiram-se os conceitos de perspectiva e relação); a
concepção de Bruno Latour sobre a teoria ator-rede (de onde retiram-se os conceitos de cartografia, grupos, mediadores e
intermediários); e a teoria dos grafos (de onde retiram-se o conceito de clusterização, modularidade, centralidade e
densidade). Do ponto de vista empírico, o método apresenta os conceitos de perspectiva topológica e perspectiva temporal
nas análises de redes sociais, a partir da produção de mensagens escritas e imagens que os perfis fabricam em diferentes
"plataformas de redes sociais.” (MALINI, 2016)
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
10
Enquanto uma parte majoritária dos usuários participam da rede no Twitter por meio
de republicações, há também uma conexão entre perfis por via de menções, que fornecem
um hyperlink à página e às publicações deste usuário. Essas são utilizadas, por exemplo,
para direcionar comentários a personalidades e nós de influência, trazendo-os para
diferentes redes de atores por via de sua visibilização; e para enviar uma resposta a algum
usuário, quando a menção configura-se no começo de uma mensagem. Conforme
evidenciado por Medeiros (2016), embora as hashtags sejam atributos difíceis de se
encontrar nos tweets de resposta pois geralmente estão nas publicações originais , as suas
funções são enfatizadas e diferenciadas quando utilizadas dessa forma; com frequência,
hashtags são publicadas em forma de divulgação e convocatória, e por vezes tornam-se a
própria resposta, como é o caso dos tweets cujo único texto é “#NãoVaiTerGolpe” –
publicado com diferentes grafias e por usuários de diversos pontos nas redes, isto é, perfis
cujos laços constituem relações díspares com os demais nós ativos.
Filtramos
13
todos os tweets originais com a hashtag #NãoVaiTerGolpe e as
respostas a essas publicações, entre os dias 16 e 18 de abril, a fim de visualizar todas as
menções e mensagens direcionadas a atores da rede em questão. Ao todo, capturamos nesse
tempo um total de 32.581 tweets publicados por 14.505 usuários. O tweet mais republicado
(652 vezes) de nosso grafo, e portanto com um maior peso de aresta, foi feito na página da
presidente do Brasil (@dlmabr), em 17 de abril de 2016: “O povo marchando rumo ao
Congresso contra o golpe! #RespeiteAsUrnas #NãoVaiTerGolpe”
14
, e exprime-se numa
forma convocatória, a fim de engajar demais atores da rede em prol da repercussão no
caso, positiva deste conteúdo.
Utilizamos o algoritmo de modularidade
15
, este presente nativamente no Gephi
16
,
para definir o atributo de cor dos nós, a fim de melhorar a visualização. Este resultou em
um valor de modularidade de rede de 0,784, identificando 1.133 diferentes comunidades a
partir de uma resolução de 2,0, a fim de encontrar um número de grupos menor, mas com
13
O metadado de timestamp dos \tweets nos permitiu realizar a filtragem das publicações sem grandes esforços, a partir de
um script capaz de ler e exportar linhas de um arquivo referentes a um determinado intervalo no caso, entre os valores
1460775600 (00:00:00 de 16 de abril de 2016 BRT) e 1461034799 (23:59:59 de 18 de abril de 2016 BRT).
14
Disponível em: <https://twitter.com/diImabr/status/721755917524602880/> (Acesso em: 14/07/2016).
15
O algoritmo de modularidade presente no Gephi baseia-se no Método de Louvain para descobrir comunidades em redes
compostas por grandes volumes de dados. Sua execução baseia-se em dois momentos: primeiramente, o algoritmo procura
por “pequenas” comunidades, aplicando-se a modularidade de forma local; em seguida, ele realiza o mesmo cálculo,
porém numa nova rede, composta pelos próprios clusters que identificou, até que se atinja um máximo de modularidade.
16
O software de código aberto Gephi, utilizado em sua versão 0.9.1 para a visualização e manipulação dos grafos
utilizados neste trabalho, permite a utilização de algoritmos distintos para a representação e o estudo de redes e sistemas
complexos. Site do projeto: <https://gephi.org/> (Acesso em: 14/07/2016).
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
11
alto índice de conexões. Para a distribuição espacial da rede, executamos o algoritmo
ForceAtlas2
17
, responsável por aglomerar componente altamente conectados e afastar nós
com poucas ou nenhuma conexão entre si. Avaliamos também, para cada ator da rede, os
seus índices de autoridade e hub
18
, baseados respectivamente nos seus graus de entrada e de
saída, ou melhor, na quantidade e na qualidade de suas conexões com os demais nós de uma
rede, e atribuímos aquele proporcionalmente ao tamanho dos nós e aos seus rótulos de
texto, enquanto as arestas correspondem ao peso (espessura) e ao destino da conexão (cor)
a exceção das conexões entre hashtags, que são não-direcionadas por serem co-ocorrentes.
Fig. 4: grafo de menções e respostas entre usuários, e suas respectivas perspectivas.
17
ForceAtlas2 é um algoritmo que simula um sistema físico de forma a distribuir espacialmente uma rede. Nós exercem
forças de atração e repulsão entre si, de modo a permitir a sua visualização como num mapa. Utilizamos das configurações
adicionais de Dissuadir hubs, a fim de privilegiar nós com maior índice de Autoridade na rede, e da Gravidade mais forte,
para manter agregados em um espaço delimitado os conjuntos de nós que pretendemos analisar.
18
Os algoritmos de autoridade e hub são calculados através do algoritmo HITS (Hyperlink-Induced Topic Search). Este é
responsável por determinar dois valores para nós: autoridade, que estima o valor de seu conteúdo na página (a partir de
suas conexões de entrada), e hub, que estima o valor de suas ligações com outros nós (a partir de suas conexões de saída).
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
12
Fig. 5: filtro aplicado às perspectivas identificadas na rede, pelo método de Louvain.
Da esquerda para a direita: redes de cor magenta (14,45% dos nós); rosa (8,93%);
amarelo (7,31%); verde (7,18%); laranja (5,69%); e azul (5,26%).
A partir do algoritmo utilizado, conseguimos isolar diferentes perspectivas da rede,
as quais imprimem nas ligações entre seus nós uma conotação política diferente, i.e. uma
razão distinta para constituírem a rede em questão naquele determinado instante. Percebe-se
que as perspectivas de cor rosa, amarelo e verde compõem-se de usuários cujo ponto de
vista exprime-se como da situação, i.e. a favor do governo Dilma e contra o processo de
impeachment; enquanto a perspectiva azul denota-se como oposicionista, composta por
atores de partidos antagônicos, e a laranja por nós cujas relações vão de encontro a canais
de mídia tradicional e de humor, pautado este no tema em questão. Desse modo, torna-se
possível extrair de cada uma das redes as suas publicações e demais atributos que as
caracterizam, agora cartografados. É possível reaplicar esee método investigativo a fim de
encontrar, nas redes formadas, comunidades menores e disputas narrativas antes
despercebidas, num movimento de análise das partes que busca a compreensão do todo.
Para Malini (2016), três aspectos do perspectivismo devem ser realçados em toda
cartografia baseada na análise perspectivista de rede: que i) os pontos de vistas se
apresentam como força conceitual aglutinadora, que é baseada em relações de afinidades,
representadas na forma de clusters, que na]/alisados separadamente operam discursos,
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
13
imagens, laços sociais e discussões internos que dão a substância para o conceito existir e a
comunidade prosperar de relações; ii) pontos de vistas estão sempre em uma posição
(temporal ou espacial), possuem uma topologia que os permite se localizarem numa relação
de proximidade ou distanciamento, de antagonismo ou de convergência; de centralidade ou
periferia a outras perspectivas em um mapa de relaçõe; e iii) pontos de vistas empreendem
dinâmicas de poder, que se traduzem em disputa pela hegemonia das narrativas sobre fatos,
ideias, marcas e produtos, elegendo seus operadores (perfis) mais influentes, numa tentativa
de neutralização ou de sobreposição da perspectiva alheia.
Geramos, num segundo instante, uma visualização das co-ocorrências de hashtags
presentes nas publicações, em todo o período de um ano do dataset, a fim de evidenciar os
sentidos que essas exprimem a partir das ligações que possuem com outras, método esse
que pode também ser aplicado a redes compostas e.g. por palavras ou outras combinações.
Fig. 6: grafo de hashtags sem acento em co-ocorrência, com exceção de #NãoVaiTerGolpe.
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
14
Os mesmos algoritmos de distribuição e estatística foram utilizados, permitindo-se
estabelecer relações entre, por exemplo, as hashtags do cluster verde e vermelho, com
respectivamente 19,32% e 16,69% dos nós da rede, ambos situacionistas, a modo que
apontam-se semanticamente contra o pedido de impeachment da presidente; do cluster azul,
com 5,25% da rede, composto por hashtags oposicionistas, i.e. contra o governo da
presidente Dilma Rousseff e a favor do impeachment por crime de responsabilidade; e do
cluster laranja, com 2,43% da rede, utilizado principalmente por perfis da imprensa nas
redes sociais, a fins de indexação de suas publicações na rede social, e de impulsionar suas
interações com outros usuários.
De posse das combinações possíveis entre hashtags e dos grupos formados,
podemos extrair esses dados e utilizar como método de entrada para um novo filtro,
formando-se então uma nova rede que pode ser analisada e contextualizada
semanticamente. Nota-se ainda uma riqueza de informações não explorada e disposta nas
comunidades periféricas dos grafos, composta por publicações que não obtiveram a mesma
repercussão que das perspectivas analisadas, porém não menos constituintes de suas redes;
isso porque uma nova rede, formada e.g. por todas as hashtags restantes, provar-se-ia
também possuidora de significados, estes delimitados, a despeito da finitude de suas
conexões, por uma pluralidade de contextos histórico-sociais e significativos passíveis de
compreensão.
VI CONSIDERAÇÕES FINAIS
As redes sociais demonstram-se, por fim, capazes de empoderar os discursos
marginalizados e oferecer um palco de luta e de resistência, de disputas de sentido, de
embates semânticos e de confrontos narrativos entre atores e perspectivas. Para as
comunidades marginalizadas e camadas sociais antes inalcançáveis em seus discursos umas
às outras, essas redes apresentam-se tanto como um território de interação social quanto de
transformação da realidade, por via da informação e da apropriação do ciberespaço como
forma não somente de fazerem-se ouvidos num paralelo direto à ocupação das ruas nas
Jornadas de Junho de 2013 , mas também como forma de dialogar e encontrar semelhantes
e opositores, sem os limites antes impostos por barreiras físicas e espaciais.
Ao produzirmos uma historiografia e realizarmos uma análise da rede de
publicações no Twitter contendo a hashtag #NãoVaiTerGolpe, conseguimos identificar os
maiores momentos de atividade na rede social e correlacionarmos seus significados com os
Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo - SP 05 a 09/09/2016
15
recentes eventos tidos no cenário político brasileiro. Provou-se empiricamente, portanto, o
papel das redes sociais como formas de engajamento e lugar de debates, ampliando
discursos marginalizados ou previamente monopolizados por consensos majoritários e
grandes veículos tradicionais midiáticos. Se quem controla os acontecimentos produz os
fatos, os atos, as falas, os saberes, serviços e produtos que nutrem os conteúdos
jornalísticos, vemos este pela primeira vez sair da mão dos jornalistas, editores e veículos
de mídia tradicionais para a ação do grande público, antes espectador e, agora na rede, ator.
REFERÊNCIAS
BAUMAN, Z. 44 Cartas ao Mundo Líquido Moderno. São Paulo: Ed. Jorge
Zahar, 2011.
BLONDEL, V. D. et. al. Fast unfolding of communities in large networks.
Disponível em: <http://arxiv.org/abs/0803.0476v2> (Acesso em: 15/07/2016).
CASTELLS, M. Comunicación y Poder. Madrid: Ed. Alianza, 2009.
CHAPARRO, M. C. O jornalismo na estratégia dos conflitos. In: Revista
Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, Vol. XXII, nº 1, 1999, p. 169-175.
CUBITT, S. Data Visualization and The Subject of Political Aesthetics. In: BERRY,
D. e DIETER, M. Postdigital Aesthetics: Art, Computation and Design. London:
Palgrave Macmillan, p. 179-190.
LATOUR, B. Reagregando o Social. Salvador: EDUSC, 2012.
LAZZARATO, M. As revoluções do Capitalismo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização
Brasileira, 2006.
LÉVY, P. A Inteligência Coletiva. São Paulo: Ed. Edições Loyola, 1998.
MATHIEU, J. et al. ForceAtlas2, a Continuous Graph Layout Algorithm for
Handy Network Visualization Designed for the Gephi Software. Disponível em:
<http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0098679> (Acesso em:
15/07/2016).
MALINI, F. Um método perspectivista de Análise de Redes Sociais:
cartografando topologias e temporalidades em rede. Goiânia. 2016.
MEDEIROS, J. Um outro Junho: O movimento #NaoVaiTercopa, o diálogo no
Twitter e as controvérsias sobre a Copa do Mundo de 2014. Vitória. 2016.
RHEINGOLD, H. Multitudes Inteligentes: la próxima revolución social.
Barcelone: Gedisa, 2004.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
We propose a simple method to extract the community structure of large networks. Our method is a heuristic method that is based on modularity optimization. It is shown to outperform all other known community detection methods in terms of computation time. Moreover, the quality of the communities detected is very good, as measured by the so-called modularity. This is shown first by identifying language communities in a Belgian mobile phone network of 2 million customers and by analysing a web graph of 118 million nodes and more than one billion links. The accuracy of our algorithm is also verified on ad hoc modular networks.
Book
Postdigital Aesthetics presents a constellation of contributors who seek to unpack, explore and critically reflect on the questions raised by the notion of the postdigital and its relation to our computational everyday lives. Through a number of interventions, each chapter subjects the concept and ideas that surround our ideas of an aesthetic of the postdigital to critical examination to understand the new asterism of material digital culture in the twenty-first century. From Minecraft to post-internet art, each contributor offers an original perspective on network culture and its distinctive aesthetics and politics, and the relations between art, computation and design. © David M. Berry and Michael Dieter 2015 and Respective authors 2015.
O jornalismo na estratégia dos conflitos
  • M C Chaparro
CHAPARRO, M. C. O jornalismo na estratégia dos conflitos. In: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, Vol. XXII, nº 1, 1999, p. 169-175.
Handy Network Visualization Designed for the Gephi Software
Handy Network Visualization Designed for the Gephi Software. Disponível em: <http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0098679> (Acesso em: 15/07/2016).
44 Cartas ao Mundo Líquido Moderno
  • Z Bauman
BAUMAN, Z. 44 Cartas ao Mundo Líquido Moderno. São Paulo: Ed. Jorge Zahar, 2011.
As revoluções do Capitalismo
  • M Lazzarato
LAZZARATO, M. As revoluções do Capitalismo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2006.
ForceAtlas2, a Continuous Graph Layout Algorithm for
  • J Mathieu
MATHIEU, J. et al. ForceAtlas2, a Continuous Graph Layout Algorithm for
Um método perspectivista de Análise de Redes Sociais: cartografando topologias e temporalidades em rede
  • F Malini
MALINI, F. Um método perspectivista de Análise de Redes Sociais: cartografando topologias e temporalidades em rede. Goiânia. 2016.
Um outro Junho: O movimento #NaoVaiTercopa
  • J Medeiros
MEDEIROS, J. Um outro Junho: O movimento #NaoVaiTercopa, o diálogo no