ChapterPDF Available

O PATRIMÓNIO IMATERIAL DURIENSE: QUE CONTRIBUTO PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL?

Authors:

Abstract and Figures

Resumo Quando se aborda um território como a Região Demarcada do Douro (RDD), habitualmente focam-se as suas virtualidades paisagísticas, mas sobretudo os seus vinhos, com destaque óbvio do Vinho do Porto. Sobressai, porém, um património paisagístico, económico, social, cultural, arquitetónico e vitícola excecional que justificou, inclusivamente, a sua distinção como "Património Mundial da Humanidade". Apesar das suas indiscutíveis potencialidades, os obstáculos ao seu desenvolvimento sucedem-se, englobando aspetos de âmbito físico, mas, sobretudo, antrópicos. Destaque-se a existência de um quadro humano envelhecido e em declínio, a carência de assalariados, ou a estrutura fundiária das explorações agrícolas. Aos anteriores acrescem as precárias acessibilidades internas, a que se adicionam as dificuldades institucionais, ou ainda a deficiente preservação do património arquitetónico e a subalternização do simbólico, do imaterial. É o que sucede com as festas e romarias, que, apesar de evidenciarem uma componente religiosa, incluem também a cultural e a social, para além da turística, sendo da maior relevância, pois possibilitam não só a preservação de usos e costumes, como auxiliam na compreensão do passado coletivo. Correspondem ainda a uma revitalização de vivências, se bem que sob novas perspetivas, pois embora homenageando o santo padroeiro, sustentam dinâmicas em territórios por vezes muito problemáticos. É neste contexto que se abordará Cambres, freguesia do concelho de Lamego (NE de Portugal), onde se venera o Senhor da Aflição, questionando o atual impacte territorial e social destes festejos, bem como as estratégias a implementar num quadro onde a sustentabilidade esteja assegurada. Palavras-chave: Desenvolvimento rural, TER, sustentabilidade, património imaterial, festividades
Content may be subject to copyright.
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
O PATRIMÓNIO IMATERIAL DURIENSE: QUE CONTRIBUTO PARA O
DESENVOLVIMENTO REGIONAL?
Helena Pina
FLUP, CEGOT
mpina@letras.up.pt
Resumo
Quando se aborda um território como a Região Demarcada do Douro (RDD), habitualmente
focam-se as suas virtualidades paisagísticas, mas sobretudo os seus vinhos, com destaque óbvio do
Vinho do Porto. Sobressai, porém, um património paisagístico, económico, social, cultural, arquitetónico e
vitícola excecional que justificou, inclusivamente, a sua distinção como “Património Mundial da
Humanidade”.
Apesar das suas indiscutíveis potencialidades, os obstáculos ao seu desenvolvimento sucedem-se,
englobando aspetos de âmbito físico, mas, sobretudo, antrópicos. Destaque-se a existência de um
quadro humano envelhecido e em declínio, a carência de assalariados, ou a estrutura fundiária das
explorações agrícolas. Aos anteriores acrescem as precárias acessibilidades internas, a que se
adicionam as dificuldades institucionais, ou ainda a deficiente preservação do património arquitetónico e
a subalternização do simbólico, do imaterial.
É o que sucede com as festas e romarias, que, apesar de evidenciarem uma componente
religiosa, incluem também a cultural e a social, para além da turística, sendo da maior relevância, pois
possibilitam não só a preservação de usos e costumes, como auxiliam na compreensão do passado
coletivo. Correspondem ainda a uma revitalização de vivências, se bem que sob novas perspetivas, pois
embora homenageando o santo padroeiro, sustentam dinâmicas em territórios por vezes muito
problemáticos. É neste contexto que se abordará Cambres, freguesia do concelho de Lamego (NE de
Portugal), onde se venera o Senhor da Aflição, questionando o atual impacte territorial e social destes
festejos, bem como as estratégias a implementar num quadro onde a sustentabilidade esteja
assegurada.
Palavras-chave: Desenvolvimento rural, TER, sustentabilidade, património imaterial, festividades
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
19
Abstract
Studies on the Douro Demarcated Region (DDR) usually focus on its landscape, its wines and
especially on Port wine. However, there is also an exceptional economic, social, cultural, architectural and
winegrowing heritage that justified its distinction as World Heritage.
Despite the region’s unquestionable potential and attractions, the obstacles to its development are
manifold, including physical aspects but above all anthropic ones, amongst which we can mention an
aged local population in decline, the lack of workers, or poor land use structure of the farms. Added to
these, the region has poor internal access routes, institutional difficulties, deficient conservation of the
architectural heritage and almost total disregard for the symbolical, the immaterial.
This is the case of the popular festivals and pilgrimages that, although religious in nature, have
significant cultural and social dimensions, as well as an important role to play in tourism. They serve not
only to preserve traditions and customs but also contribute to understanding the collective past. These
festivities are also essential to revitalise experiences because, although they pay tribute to a patron saint,
they sustain dynamics in territories that are very often afflicted by a range of problems. It is in this context
that we will explore Cambres, a rural parish of the Lamego council, where the Lord of Afflictions is
worshiped, questioning the current territorial and social impact of these festivities, as well as strategies to
implement sustainable development.
Keywords: Rural development, rural tourism, sustainability, immaterial heritage, festivities.
Introdução
O mundo rural, muito heterogéneo, embora imerso em múltiplas problemáticas
(ambientais, económicas, sociais, culturais), mantém potencialidades e especificidades que
urge revitalizar. É o que se verifica quando se aborda um território como a Região Demarcada
do Douro (RDD), parcialmente classificada pela UNESCO como Património da Humanidade.
Habitualmente, focam-se as suas virtualidades paisagísticas, o seu património arquitetónico,
cultural, social e enológico, mas subalterniza-se o simbólico, o religioso, como são as festas e
romarias. Todavia, embora com uma componente religiosa, estas festividades incluem também
a vertente cultural e a social, para além da económica e da turística, constituindo ainda
auxiliares preciosos para a melhor compreensão do passado coletivo.
Tais eventos correspondem também a uma reanimação de vivências, pois, enquanto
homenageiam o santo padroeiro, estimulam a implantação de dinâmicas em territórios por
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
20
vezes muito problemáticos. Constituem, de igual modo, momentos intensos para os autóctones,
além de contagiarem um território mais ou menos amplo e corresponderem a uma oportunidade
de reencontro com aqueles que se integraram na diáspora.
É neste contexto que se abordará Cambres, freguesia do concelho de Lamego (NE de
Portugal). Espaço vitícola, apresenta um enquadramento paisagístico excecional e uma
localização privilegiada, pois situa-se em plena RDD, entre dois núcleos urbanos polifuncionais
da maior relevância regional, Lamego e Peso da Régua. Esta freguesia é ainda favorecida por
boas acessibilidades, sobretudo após a abertura da A24, a que acresce a linha de caminho-de-
ferro (via estruturante do espaço duriense, desde a sua implantação no século XIX) e o eixo
fluvial, o rio Douro. Não obstante, sucedem-se os entraves ao seu desenvolvimento. Com efeito,
é inquestionável o declínio demográfico e o envelhecimento estrutural da população residente,
para além de se agravar o tecido económico, particularmente o vitivinícola, o alicerce
económico da freguesia. Para desenvolver este território apostou-se estrategicamente na
multifuncionalidade da paisagem, mas ignorando parâmetros com potencial para dilatar as
dinâmicas locais como é o património construído, para além do cultural e do imaterial.
Aqui se venera o Senhor da Aflição, festividade que se concretiza na última semana de
Julho. As origens desta romaria são indissociáveis do conturbado século XIX quando alastraram
entre os vinhedos diversas pragas fitossanitárias, com destaque para a filoxera. Encontrando-se
a população sem alternativas técnicas e humanas para proteger os seus vinhedos, recorreu à
intervenção divina e, como os devotos viram as suas preces acolhidas, prosseguem desde
então as comemorações, em sinal de agradecimento.
Por outro lado, se no início do século XXI se privilegiam os núcleos urbanos e as suas
festividades, florescentes, nos meios rurais são comuns as ermidas sem manutenção, já que as
anteriores dinâmicas que mantinham intacto o seu culto, foram-se espaçando, até quase
desaparecerem. Apenas as mais proeminentes subsistem. Numa conjuntura em que se aposta
cada vez mais num desenvolvimento sustentável, é de facto também um imperativo das
sociedades atuais a preservação da diversidade cultural, arquitetónica ou paisagística,
salvaguardando-se, desta forma, a identidade local e das suas gente. É neste âmbito, aliás, que
a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), através
de diversas convenções, fomenta a preservação e integração do património material,
propiciando a revitalização de “áreas cénicas e naturais magníficas e sítios históricos do mundo,
para o presente e o futuro de toda a humanidade” (UNESCO, 1978). Tal sucedeu, em 2001,
com uma parte significativa da RDD, cenário que reflete uma intervenção humana centenária,
perpetuada na existência de uma paisagem vitícola em terraços.
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
21
Embora se tenham multiplicado as convenções da UNESCO, só em 2003 surgiu a
primeira associada à preservação cultural e do património imaterial, definindo-se no seu Art. 2º
que este património corresponde a “práticas, representações, expressões, conhecimentos e
aptidões bem como instrumentos, objetos, artefactos e espaços culturais que lhes estão
associados que as comunidades, os grupos e, sendo o caso, os indivíduos, reconheçam
como fazendo parte integrante do seu património cultural. Este património cultural imaterial,
transmitido de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos
em função do seu meio, da sua interação com a natureza da sua história, incutindo-lhe um
sentimento de identidade e de continuidade, contribuindo, desse modo, para a promoção do
respeito pela diversidade cultural e pela criatividade humana.” (UNESCO, 2003). No seu ponto
3 acrescenta que é fulcral a salvaguarda deste património, implementando “medidas que visem
assegurar a viabilidade do património cultural imaterial, incluindo a identificação, documentação,
pesquisa, preservação, proteção, promoção, valorização e transmissão, essencialmente através
da educação formal e não formal, bem como a revitalização dos diferentes aspetos desse
património” (UNESCO, 2003)
Mais recentemente, na sequência da Convenção de 2005, a UNESCO, confirmando a
importância do Património Imaterial como uma das vertentes a preservar quando se tem em
mente um desenvolvimento sustentável, holístico e distintivo, incentivou a sua preservação,
integrando-o nas dinâmicas a empreender para o desenvolvimento do espaço em causa,
motivando os responsáveis políticos e culturais à concretização deste desiderato. Assim se
distinguiu o “Fado”, por exemplo, em 2011.
É pois, pertinente, na conjuntura atual, questionar o impacte das festas e romarias em
espaços rurais como Cambres. Além disso, como conciliar cultura, tradição, preservação e
inovação, perspetivando um dinamismo consistente deste território? Não se pode ignorar que a
paisagem, sendo o reflexo de um longo historial que urge preservar, permanece, mas ancorada
na atividade humana dos autótones, a que, pontualmente, acresce a ação de outros atores, em
geral de âmbito económico.
Para a concretização deste artigo adotamos uma metodologia que conjuga uma análise
minuciosa de uma ampla bibliografia, documentos históricos e notícias de jornais, que
complementamos com um intenso trabalho de campo, incisivo sobretudo no período das
festividades. Realizaram-se, então, múltiplas entrevistas e inquéritos aos principais atores locais
(responsáveis pela organização dos festejos, residentes, comerciantes e unidades de turismo),
para além dos visitantes e turistas. Só enquadrados por esta metodologia foi possível concluir
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
22
este trabalho, em que se aborda um caso exemplificativo das festividades que persistem em
meio rural, bem como das problemáticas que as envolvem.
1. Cambres: alguns apontamentos de enquadramento sócio-económico
Freguesia do concelho de Lamego (NE de Portugal) espraia-se por uma área que totaliza
11,16 Km2, ascendendo na vertente desde a margem esquerda do rio Douro fronteiriça a Peso
da Régua, até atingir o limite norte da cidade de Lamego, a cerca de 440 metros de altitude.
Neste cenário multiplicam-se os socalcos de vinhedos tradicionais, muito exigentes em mão-de-
obra, mas também os socalcos que recentemente sofreram uma reestruturação e a
consequente mecanização, uma das formas de ultrapassar a carência de assalariados e o
elevado nível retributivo que lhe está associado. Domina, contudo, um quadro natural apelativo,
de substrato xistoso e clima de cambiante mediterrânea, onde o povoamento disperso e a
persistência de outras culturas como a oliveira, a delimitar os blocos agrícolas, justificam a
permanência de uma biodiversidade com raízes históricas e, com esta estratégia, a
manutenção de um património paisagístico único (fotos 1 e 2).
Fotos 1 e 2 - Alguns aspetos da freguesia de Cambres (vista parcial)
Fonte: fotos da autora.
Este cenário privilegiado ainda se incrementa perante a persistência na freguesia de um
soberbo património arquitetónico que espelha a importância que a vitivinicultura ostenta. Assim
se multiplicam as casas solarengas dos séculos XVII a XIX, dispersas pelas quintas e lugares
habitados, reflexo de uma ocupação humana em Cambres que recua no tempo, como se
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
23
comprova pela existência de morros fortificados, passagens calcetadas do período romano
(Costa, 1979), relógios de sol, mas, sobretudo, exemplares de património religioso dos séculos
XVII e XVIII.
De facto, para além da Igreja Matriz, salientam-se capelas dispersas pelos lugares
habitados ou pelas quintas de maior nomeada (Azevedo, s/d; Costa, 1999), se bem que se
sucedam os casos de degradação, sendo urgente criar uma dinâmica estrutural que sustente
um desenvolvimento polifacetado, inclusivo, de todas as componentes territoriais.
Apesar dos aspectos positivos antes apresentados, em Cambres evidenciam-se
problemas diversos, sobressaindo os que incidem na vitivinicultura. Atividade que manifesta um
longo historial e grande importância, já que há referências à presença da vinha em Cambres no
século XVI (Dias, 1957), foi, contudo, no período do Marquês de Pombal que esta cultura se
expandiu, apoiada na multiplicação dos terraços que ascendiam nas vertentes. Na atualidade,
porém, as problemáticas são múltiplas, das quais se destaca uma deficiente estrutura fundiária
das explorações agrícolas, o envelhecimento dos vinhedos, a falta de mão-de-obra e a sua
débil formação técnica, ou, ainda, o declínio demográfico (figura 1).
Tendência inegável desde a década de sessenta do século XX, reflete as sucessivas
crises vitícolas regionais, indutoras efetivas de amplos fluxos migratórios e, consequentemente,
do envelhecimento da população remanescente. Neste contexto, em 2011, dos 2066 residentes
referenciados (INE, 2011), cerca de 23% já tinha ultrapassado os 65 anos de idade,
permanecendo com uma formação essencialmente empírica, enquanto os jovens tinham
ampliado a sua formação cultural e técnica, se bem que fixando-se, maioritariamente, no nível
básico. Exercem funções terciárias nos núcleos urbanos regionais, mas apoiam os seus
progenitores na exploração agrícola familiar, ainda que em regime pós-laboral. Assim alastra a
dupla atividade entre os jovens, embora sejam os idosos que sustentam o setor vitícola, se bem
que apoiados em alguma mecanização (Pina, 2007, 2011).
É, porém, a vitivinicultura que sustenta o tecido económico local, dominando em Cambres as
pequenas explorações de estrutura familiar, pois, embora a dimensão média das explorações
agrícolas fosse, em 2009, de 4,8 hectares, 41,2% nem 1 hectare atingiam (INE, 2009, Pina, 2013).
Por outro lado, o parcelamento real ainda era mais preocupante, já que, em média, a área de cada
exploração subdividia-se por 2 a 3 blocos, dispersos, sendo comuns os blocos com menos de 0,5 ha.
Assim se adensam os pequenos proprietários, os efetivos preservadores destas paisagens, que,
impelidos sobretudo pelas suas heranças culturais e sentimentais, dão continuidade às suas
explorações vitícolas, apesar do baixo rendimento obtido (Pina, 2005, 2013). Exige-se, no entanto,
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
24
uma modernização/reestruturação dos vinhedos e a formação dos proprietários e assalariados, forma
de mitigar os obstáculos que dificultam a existência de um desenvolvimento sustentável.
Fig 1 -Evolução da população residente (HM) na freguesia de Cambres (1864-2011)
Fonte: Recenseamentos Gerais da População (1864-2011). INE: Lisboa.
Em simultâneo, tem-se feito alguma requalificação destas paisagens, apostando sobretudo
no Turismo em Espaço Rural (TER). Atividade que despertou no início dos anos oitenta,
corresponde a uma tipologia de alojamento representativo da identidade rural e cultural da região,
instalando-se em edifícios com características arquitetónicas que integram materiais de
construção típicos, como é o caso do xisto, integrando-se ambiental e culturalmente no espaço
em causa (Turismo de Portugal, 2013).
Turismo não convencional, o TER apresenta uma estrutura familiar e acolhimento
personalizado dos turistas, proporcionando ao hóspede a oportunidade de reviver práticas,
valores e tradições, nomeadamente as intangíveis. A esta tipologia adiciona-se também o
Turismo de Habitação (Casa da Azenha, por exemplo) e o enoturismo, de facto impressivo neste
território vinhateiro. Assim se favorece uma rentabilização de cariz multifuncional, sustentável,
inclusivo, do tecido económico local rural, valorizando os recursos endógenos. Assim se potencia
a diversificação das atividades agrícolas, com o consequente aumento dos rendimentos,
enquanto se revitaliza atividades económicas que dele são tributárias e que interagem
(artesanato, atividades lúdicas, culturais e desportivas)1
1 Tipologia de alojamento que até 2008 abrangia diversas modalidades de hospedagem (Turismo de Habitação,
Turismo Rural, Agro-turismo, Casa de Campo e Hotel Rural), posteriormente, na sequência do Dec. Lei nº39/2008,
0
500
1000
1500
2000
2500
3000
3500
4000
4500
5000
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
Ano
Nº habitantes (HM)
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
25
Embora se tenha incrementado na década de noventa, foi sobretudo após a distinção
concedida pela UNESCO ao espaço duriense como “Paisagem Evolutiva Viva, Património da
Humanidade” que a sua expansão foi notória. Na generalidade, os aderentes correspondem a
proprietários detentores de explorações vitícolas de média e grande dimensão, que gozam de um
enquadramento paisagístico privilegiado e de um património construído assinalável: sob
coordenação familiar, proporcionam aos hóspedes o conhecimento da vitivinicultura e da região
(Pina, 2009, 2011, 2012).
Atividade onde a sazonalidade é indisfarçável, complementa-se com outras ofertas mais
convencionais, pois em Cambres surgiram também projetos ambiciosos como “Aquapura Douro
Valley” (hotel de cinco estrelas), e “Hotel Douro River” (hotel de quatro estrelas), ambos com
Spa (Pina, 2012, 2013), ou ainda o “Hotel Rural Quinta da Pacheca”. Iniciaram funções entre
2007 e 2011, sofrendo entretanto diversas adaptações no sentido de ultrapassar o período
crítico que se abateu sobre o país a partir de 2008.
O turismo, nas suas diversas vertentes, é, de facto, uma aposta estratégica que tem
dinamizado este espaço, favorecendo ainda a preservação da paisagem, num meio onde o
setor vitivinícola, apesar de problemático, continua a ser o seu sustentáculo económico. No
entanto, há que dinamizar e usufruir também do património imaterial, das festividades locais,
com destaque óbvio das festas do Senhor da Aflição.
2. As festas do Senhor da Aflição
2.1. Alguns apontamentos introdutórios
Embora sujeitos a diferentes interpretações, as festas e romarias sempre agregaram a
atenção da população, se bem que numa perspetiva variável de acordo com o historial dos
festejos em causa, o enquadramento geográfico, as acessibilidades e, mais recentemente, a
divulgação e marketing que lhes está associado. Não obstante, há uma indiscutível diminuição
dos festejos nos meios rurais, contrastando em absoluto com o cenário vigente até à década de
oitenta do século XX, como é notório nas publicações de José Leite de Vasconcelos e de outros
autores.
Em 1940, por exemplo, embora vigorasse o racionamento alimentar e se tivesse
interrompido as exportações de vinho do Porto (uma das consequências do segundo conflito
complementado pela Portaria nº937/2008, surgiu outra classificação: Turismo de Habitação, Casa de Campo,
Agroturismo, Hotéis Rurais e Turismo de Natureza.
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
26
mundial…), ainda assim, prosseguiram os principais festejos, atraindo “…povos de todas as
freguesias da redondeza.” (Vasconcelos, 1997, 302)
Por seu lado, Ernesto Veiga de Oliveira referia que as romarias correspondiam a “uma festa
profana característica, em que coexistem elementos de todas as espécies, religiosos e profanos,
cristãos e mágicos, cerimoniais e festivos.” (Oliveira, 1984, 217). Acrescentava que as romarias
eram os acontecimentos regionais de maior vulto (…) ocasiões de encontro das gentes de todas as
áreas da respectiva província, que ali acorria para se mostrar e reavivar ou renovar conhecimentos,
saber notícias de fora, entabular relações e negócios (…) e também para luzir e se divertir (…).
Nelas afloravam, assim, de forma particularmente rica e viva, os traços característicos das culturas
locais, os seus costumes e gostos, o seu folclore, e mesmo o seu artesanato fundamental” (Oliveira,
1984, 220)
Em suma, as festas e romarias correspondiam a acontecimentos sociais com forte peso
religioso, mas também económico e cultural. Atraíam múltiplos atores e dinâmicas diferenciadas
que refletiam uma enraizada herança cultural. Na atualidade, contudo, estes festejos
restringem-se cada vez mais aos principais núcleos urbanos, associados à festa municipal,
enquanto nos meios onde a ruralidade ainda permanece, sobretudo nos mais periféricos, o
cenário se degrada. As excepções são cada vez mais raras, constituindo as festas ao Senhor
da Aflição um dos exemplos a divulgar.
2.2. O despoletar dos festejos
Embora o padroeiro da freguesia seja S. Martinho de Tours, é para o Senhor da Aflição
que é direcionada a devoção dos cambrenses e dos naturais de um vasto território que inclui os
núcleos urbanos confinantes com a freguesia. Festividade de cariz popular, desconhece-se,
contudo, a sua origem, ainda que esteja documentada a existência de uma comunidade cristã
em Cambres já no período celta (Costa, 1979).
Até ao século XVII, há alusões a um espaço onde existia uma policultura que conjugava
alguma vinha com os cereais, para além dos castanheiros e de outras árvores de fruto,
proliferando, contudo, a floresta. Esta cultura foi sendo progressivamente substituída pelos
vinhedos. Será, porém, necessário aguardar pelo século XIX, para que o culto ao Senhor da
Aflição se instituísse, propagando-se então rapidamente não só às freguesias vitícolas, mas
também à população dos núcleos urbanos envolventes. Aliás, após a inauguração da “Ponte de
Peões” em 1872, facilitou-se a participação dos reguenses nos festejos, e, após a chegada do
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
27
caminho-de-ferro, a “via acellerada” à Régua (Pina, 2007), esta influência estendeu-se até à
cidade do Porto. Todavia, até ao final do século XVIII e independentemente da fonte
documental a que se recorra, não descobrimos qualquer referência ao Senhor da Aflição.
Nessa época o espaço duriense encontrava-se mergulhado numa profunda crise, reflexo
de sucessivos maus anos agrícolas. Esta instabilidade prosseguiu no século XIX, sob o efeito
das invasões francesas e a estagnação das exportações dos vinhos, quadro que ainda se
agravou na primeira metade do século sob uma forte crise política e social e a propagação de
doenças criptogâmicas como a maromba, o oídio ou o míldio, “indutoras” de epidemias de
cólera e de febre amarela (Sousa, 2006). Foi, contudo, após 1875, quando a filoxera devastava
os vinhedos na região e se aproximava das vinhas de Cambres, que os residentes, impotentes
para a debelar, realizaram uma procissão de penitência, “…para implorar a protecção divina
contra os estragos da phylloxera. A procissão sahiu de Cambres, levando em grande pompa a
imagem do Senhor dos Passos, e seguiu até à Senhora dos Remédios, em Lamego. Os
penitentes seriam proximamente 3:000 e viam-se entre eles grande porção de senhoras.”
(“Jornal da Regoa”, 10/07/1880, p.2).
Desde então as referências ao Senhor da Aflição sucedem-se, nomeadamente através
dos jornais regionais, mas também nacionais, anunciando as festividades, como sucedeu em
1880: “Nos dias 24 e 25 deste mez teem de celebrar-se as bem conhecidas festividades e
romaria do senhor da Afflicção, na frequezia de Cambres proximo á estação do caminho de
ferro da Regoa. No dia 24, duas bandas de música tocarão durante a tarde e ao anoutecer
recolherá á egreja uma vistosa procissão. Ás 9 ½ queimar-se há grande quantidade de fogo de
artifício e subirão ao ar muitos balões (…). Há grande illuminação. No dia 25, pelas 11 da
manhã, missa solemne e sermão e às 4 horas da tarde uma procissão magestosa (…); uma
importante força militar manterá nos dous dias a boa ordem do arraial, um dos mais pacíficos e
concurridos que se conhecem.” (“O Primeiro de Janeiro”, 18/07/1880, p.1).
Como se constata, as acessibilidades já então eram enfatizadas, sendo também evidente
a notoriedade dos festejos, como se confirma pela existência de duas procissões, concessão
especial para um meio rural. Acresce que, como em 1880 os vinhedos locais foram
salvaguardados das investidas da filoxera, desde então integrou-se a procissão de penitência
nos festejos já existentes. Por outro lado, com o aproximar do século XX, a vertente religiosa
via-se cada vez mais constrangida pelo profano, pelo social, como se constata em 1894, já que
cerca de 51,3% das despesas globais ficaram adstritas às festas, valor muito vultuoso, apesar
das dificuldades existentes no escoamento das produções vínicas; por seu turno, nos serviços
religiosos apenas se destacava o ordenado do capelão, enquanto 3,3% dos fundos estavam
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
28
associados a subsídios, obrigatórios (Fonte: Livro de receitas e despesas”, Irmandade N. S.
Afflicção (manuscrito).
Com o avançar do século XX, apesar das contingências políticas, económicas e sociais já
referidas, sobretudo aquelas que interferiam com o escoamento dos vinhos, e o subsequente
avolumar dos problemas sociais e económicos, os festejos prosseguiram, bem como os
associados aos santos protetores dos diferentes lugares da freguesia. Tratava-se, efetivamente,
de acontecimentos essenciais para a população residente, pois embora valorizassem a vertente
religiosa, progressivamente neles sobressaía a vertente social e a económica. Neste contexto,
em 1900 esta romaria era considerada “uma das mais concorridas e das de maior nomeada
d’esta região”, possuindo três procissões e “illuminação vistosa, abundante fogo d’artificio, (…)
facilidade de communicações d’esta cidade (Lamego) e de todas as terras proximas para o local
da romaria”, já que se disponibilizaram transportes públicos: “…De Lamego para a freguezia de
Cambres havera todos os 3 dias um bem montado serviço de transportes de passageiros em
automoveis a preços reduzidos.” ( “A Semana”, 21/07/1900, p.1 e 2)
Com o avançar do tempo surgiram também “inovações” que aprofundavam a vertente
profana, sobremaneira a social. Entre elas destaque-se, em 1905, a alusão à “dansa de pretos” e
aos arraiais que se prolongavam pela noite dentro, com as filarmónicas a procederem à
animação, para além das referências contínuas às iluminações e ao fogo de artifício. Sobressai,
contudo, a conexão existente entre a festa e a introdução da energia elétrica na freguesia (1909),
algo excecional que alterou muitos hábitos e cuja divulgação foi potenciada com os festejos.
Era também inquestionável o impacte económico destes festejos, já que se através dos
arraiais se facilitava a socialização (muitos casamentos nasceram nos arraiais…), em simultâneo
ampliava-se o movimento nas tabernas e nas casas comerciais da freguesia, escoando-se os
produtos agrícolas endógenos (vinhos, azeite, frutas e enchidos). Acresce que, fatores locativos
ainda hoje evidenciados como são o património paisagístico e as acessibilidades, já então o
eram, referindo-se em 1907 que se aguardava uma grande afluência de visitantes provenientes
da cidade de Lamego e da Régua, até porque a romaria tinha conquistado “foros d’uma das
primeiras da Beira Alta, não só pela situação da terra, muito perto da estação ferro-viaria da
Regoa, mas pela diversidade e originalidade dos attractivos d’estas festas.” (“A Esperança”,
16/07/1907, p.1).
Neste alinhamento, não se estranha que, em 1912, mais de 60% dos gastos anuais com
os festejos fossem direcionados para a vertente profana (fogo de artifício, enfeites e iluminação
- Quadro 1).
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
29
Quadro 1 - Despesas da festa de Nosso Senhor d'Afflicção, 1912
Fonte: “Despesas da Irmandade Senhor Afflicção”, Arquivo Distrital Viseu, cx. 2185, nº 13.
Apenas 18,5% dos recursos financeiros se destinavam à parte religiosa, apesar de
sempre importante2. Assim foi crescendo o profano, por solicitação quer dos residentes, quer
dos forasteiros, quer ainda dos descendentes de cambrenses instalados nos principais núcleos
urbanos que regressavam à freguesia nestes dias festivos.
2 Fonte: “Despesas da Irmandade Senhor Afflicção”, Arquivo Distrital de Viseu, cx. 2185, nº13.
312$480
TOTAL
24$000
5 padres, sermão e festa de egreja N. S. Afflicção
9$780
armar a Egreja e andor de N. S. Afflicção
24$000
28 figuras de anjos e virgem para a procissão
P
Pa
ar
rt
te
e
r
re
el
li
ig
gi
io
os
sa
a
6$400
8 kg de cêra vendida para a festividade
4$500
Fazer 3 palanques para as músicas
30$000
trabalho nos arraies e festividades
31$000
Trabalho da phylarmonica de Cambres (arraies e
3$000
Zés Pereiras durante os 3 dias
25$000
1340 balões venezianos para illuminação
6$500
200 bandeiras para adornar a Egreja
6$480
24 balões para arraiaes a $270 reis cada
10$500
10 descargas demonstrativas a annunciar a festa
4$000
8 duzias de fogo para as procissões
3$000
5 duzias de fogo para as procissões
54$00
36 duzias de fogo a 1$500 cada
54$000
36 duzias de fogo a 1$500 reis
F
Fo
og
go
o
d
de
e
a
ar
rt
ti
if
fí
íc
ci
io
o -
6$300
31 praças de Infantaria 9
5$500
7 policias no arraial
P
Po
ol
li
ic
ci
ia
am
me
en
nt
to
o
-
-
1$300
Licença de fogo
1$120
4 dúzias de archotes
2$100
Impressos
valor (reis)
Descrição
3
3,
,8
8%
%
2
23
3%
%
1
8
,
5
%
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
30
Entretanto, associavam-se aos festejos eventos sociais e até económicos como a Feira
Franca anual de gados” (década de trinta), e a inclusão de jogos tradicionais e partidas de
futebol. Um outro aspeto a destacar relacionava-se com a importância atribuída à música,
sempre executada por bandas filarmónicas que abrilhantavam os atos religiosos e os lúdicos,
criando um ambiente recetivo à confraternização. Assim se dinamizava a freguesia.
Este cenário manteve-se sem grandes alterações nas décadas imediatas, verificando-se
apenas pequenas oscilações consentâneas com o ano agrícola e a retribuição dos vinhos, pois
daí surgiam as dádivas ao Senhor da Aflição. Neste contexto, a interrupção esteve eminente
por diversas vezes nas décadas de cinquenta e sessenta, mas tal foi evitado.
Já no início da década de setenta, prosseguia a conjugação da vertente religiosa com a
profana, mas controlando-se os gastos em fogo de artifício e com as bandas filarmónicas, pois
o quadro vitícola não era o mais favorável. Entretanto, interrompeu-se a feira franca, bem como
os jogos de futebol e outras atividades paralelas, enquanto se diversificavam as atuações de
grupos musicais, que se intercalavam com as bandas. As festas do Senhor da Aflição
continuavam a ser o período mais dinâmico da freguesia, incrementando-se os contactos
sociais, as atividades económicas, bem como a manutenção dos edifícios e do quadro
paisagístico envolvente.
Outro acontecimento a destacar nas festividades regionais, pelos seus reflexos, foi a
Revolução de 25 de Abril de 1974. Na realidade, apesar de sobressaírem as transformações
políticas, também se registaram grandes repercussões económicas e sociais,
designadamente na RDD, pois não só aumentou o quantitativo de vinho do Porto a produzir,
como se dilatou o valor monetário por pipa, criando-se condições para alguma recapitalização
do setor produtivo. Assim se investiu na reestruturação dos vinhedos e na melhoria da
qualidade dos vinhos, aproveitando os fundos europeus disponíveis. Consequentemente,
dinamizou-se a sociedade civil e apostou-se mais nas festas do Senhor da Aflição, se bem
que estes investimentos conjugassem a tradição com a modernidade, como foi notório nos
festejos em 1986 nos quais, para além dos gastos exigidos por lei (policiamento, bombeiros,
licenças), sobressaiam os dispêndios com a iluminação e o fogo de artifício, mas, sobretudo,
com os espetáculos musicais, diversificados. Os atos religiosos abarcaram menos de 10%3.
2.3. O quadro atual: potencialidades e obstáculos à sua continuidade
Era o profano, o social, mas sobretudo o lúdico, que captava cada vez mais a atenção de
todos, particularmente dos grupos etários mais jovens e dos não residentes. Neste âmbito, no
3 Fonte: “Livro de Despesas da Irmandade do senhor da Aflição”, Cambres, 1986.
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
31
programa das festas de 2013 (Fig. 3) destacava-se a vertente lúdica e musical, enquanto o
valor dispensado às bandas filarmónicas se restringia, embora permanecendo significativo.
Fig 3 Programa das festas de 2013
Aliás, as bandas atuam nos quatro dias e despedem-se com um cerimonial próprio,
acontecimento que, pela sua raridade, atrai muitos visitantes, incluindo os jovens. Não obstante,
estes apostam sobretudo nos concertos musicais noturnos. Subsistem também as três
procissões (Fotos 3 e 4) e as missas solenizadas, bem como as iluminações e os enfeites das
principais vias e o fogo de artifício, enquanto se dinamiza o comércio local, para além das vendas
ambulantes.
O dinamismo na sede da freguesia é inquestionável, impulsionado nestes dias pelos
autóctones, mas sobretudo pelos crentes das freguesias envolventes e pelos cambrenses da
Grupo musical
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
32
diáspora que regressam acompanhados por amigos. Assim se facilita a revitalização dos festejos
locais, a sua preservação e difusão.
Fotos 3 e 4 Algumas imagens da procissão triunfal e da banda filarmónica
Fonte: Fotos da autora.
Evolução distinta sofreram, porém, os restantes festejos associados aos santos e capelas
dispersas pela freguesia: sucumbiram! Num espaço onde o declínio demográfico é notório,
persistindo apenas os idosos, estes, embora colaborem com todas as iniciativas associadas às
festas do Senhor da Aflição (peditórios, leilões e outros eventos), não tomam a iniciativa de
reativar o do santo do lugar onde residem. Apenas ocasionalmente acontece, e sempre nos
lugares de maior dimensão, como foi o caso de Rio Bom em 2012 e 2013 (figura 4).
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
33
Fig. 4- Programa das festas de S. Roque (2013).
Lugar atravessado por um “Caminho de Santiago”, envolto por vinhedos, os seus residentes
após uma longa interrupção, recuperaram a festa ao santo padroeiro, S. Roque. Estávamos em 2012.
Incumbência de um só residente, transmitiu a realização dos festejos de 2013 a uma comissão
constituída por mulheres jovens residentes no lugar, a exercerem as suas atividades nos núcleos
urbanos envolventes da freguesia. Dinâmicas, recuperaram a apresentação oficial da lista de festeiros
ao pároco no final da missa solene, proposta que seria confirmada (ou não…) no final dos festejos
quando a banda musical termina a sua atuação em frente à residência do proposto presidente das
festas do ano seguinte. Caso aceite, estão assegurados os festejos do ano seguinte, estruturando-se
os eventos para a angariação dos fundos necessários (patrocínios, leilões mensais realizados no
largo da capela, …).
Os festejos a S. Roque alongam-se por três dias. Incluem a atuação noturna de conjuntos
musicais, mas também arruadas de bombos, fogo de artifício, para além da missa solene e da
procissão que percorre as ruas principais da aldeia. Para a sustentabilidade destes festejos, a
comissão cria um espaço de venda de bebidas e carne de porco no espeto, assado no local,
outro atrativo recuperado.
Apesar do impacte muito positivo em termos de sociabilização e de coesão social, que se
distende por todo o ano, nomeadamente com os leilões e a recolha dos produtos a leiloar, está
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
34
em causa a continuidade destes festejos mais localizados, pois a sua organização exige recursos
financeiros vultuosos. Aliás, estes festejos foram interrompidos em 2014, por falta de voluntários e
de meios financeiros, mantendo-se também inativas todas as outras… Entretanto, degrada-se o
património arquitetónico e perdem-se tradições, um pedaço da cultura local…
Apesar de serem evidentes as potencialidades associadas às festividades inscritas em
meios rurais, estas vão-se perdendo!...
3. Algumas notas conclusivas
O mundo rural, apesar de se encontrar muito fragilizado, inclui múltiplas potencialidades que
nem sempre são aproveitadas. Efetivamente, embora surjam novas estratégias que incluem a
multifuncionalidade das paisagens, subalterniza-se o impacte do património construído, e,
sobremaneira, o imaterial, como são as festas e romarias.
Embora, nestes eventos, se saliente uma componente religiosa, eles incluem também a
vertente cultural, a social e a económica, quadro que facilita a preservação dos usos e
costumes, de valores históricos, do património construído e do imaterial, implantando-se
dinâmicas fulcrais nestes meios rurais. Assim se contagia não só o território em que se inserem,
mas um mais amplo, numa orgânica que não se restringe aos dias dos festejos, mas que
abarca todo o ano, ampliando a sociabilização dos residentes, os contactos com as entidades
económicas, para além da projeção das tradições entre os estratos sociais mais jovens, agora
com formação e capacidade de inovação, enquanto se revitalizam e preservam as tradições.
As festas dedicadas ao Senhor da Aflição na freguesia de Cambres, Lamego, constituem
um exemplo a realçar, se bem que se adivinhem também dificuldades. Com efeito, apesar de
este território gozar de um enquadramento paisagístico privilegiado e boas acessibilidades, os
problemas adensam-se, apostando-se para a sua mitigação, sobretudo na multifuncionalidade
da paisagem, onde o turismo se destaca, mas ignorando-se outras potencialidades,
nomeadamente a sua cultura, as tradições e o mítico. Urge, porém, que se dinamizem as
potencialidades endógenas na sua globalidade, sensibilizando os agentes regionais e locais
para a requalificação, preservação e dinamização deste património, mas sem ignorar um
marketing territorial apelativo que afirme, consolide e melhore a imagem duriense. Tais
estratégias devem ser implantadas numa perspetiva abrangente, em rede, sem ofuscar os
meios rurais apesar da ascendência dos atrativos urbanos. Recorde-se que, o êxito e a
continuidade dos festejos em meios rurais, depende não só dos agentes endógenos e da
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
35
coesão social existente, mas também das estratégias e dos apoios oficiais, públicos e privados,
sobremaneira os autárquicos e os eclesiásticos. Felizmente esta dinâmica está a despertar,
como ficou patente com a adesão da Diocese de Lamego, em 2009, à “Turel Desenvolvimento
e Promoção do Turismo Cultural e Religioso” (Resende, 2006).
Por seu turno, apesar da aposta no turismo duriense ser estratégica, nunca se poderá
ignorar a vitivinicultura, de facto o sustentáculo económico da freguesia e da RDD, mas também o
seu quadro social, os efetivos preservadores do património local. Integrando-se as festas e
romarias na programação de eventos potenciadores do turismo, reduzir-se-á, de igual modo, a
sazonalidade do turismo na região, muito concentrada ainda no período das vindimas. Assim se
devem multiplicar ações tendentes a complementar as dinâmicas já existentes, integrando as
festas e romarias que ainda sobrevivem nesta dinâmica, criando, por exemplo, o “Roteiro das
Festas e Romarias”.
Em síntese, só numa perspetiva conjuntural, envolvendo todos os atores,
particularmente os jovens com o seu empreendedorismo e capacidades inovadoras, para além
das potencialidades do território em causa, numa complementaridade entre o meio rural e o
urbano, em rede, se conseguirá dinamizar de uma forma sustentada estes espaços rurais. Há,
pois, que apostar em dinâmicas que não subestimem nem desvirtualizem as múltiplas
potencialidades endógenas, designadamente as associadas às festividades. Está em causa a
manutenção de um espaço classificado pela UNESCO como Património da Humanidade!
Bibliografia
Azevedo, C. (s/d). O Douro Maravilhoso. s/l: Porto.
CCDRN (2007). Plano de Desenvolvimento Turístico do Vale do Douro. Comissão de Coordenação
e Desenvolvimento Regional do Norte: Porto.
Costa, M. G. (1992). História do Bispado e Cidade de Lamego Barroco II. Oficinas Gráficas de
Barbosa e Xavier, Lda: Braga.
Dias, A. 1957. Lamego no século XVIII. Edições Beira Douro: Vila Nova de Famalicão.
Oliveira, E. V. (1984). Festividades cíclicas em Portugal., Publicações Dom Quixote: Lisboa.
Pina, H. (2005). Alguns aspectos da estrutura fundiária das explorações vitivinícolas durienses.
Actas do 2º Encontro Internacional da História da Vinha e do Vinho do Porto no Vale do Douro.
GEHVID, ano 10, vol. III, 19; Porto, 203-236.
PINA, Helena (2014). O património imaterial durienseThe overarching issues of the european space: the territorial diversity of
opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
36
Pina, H. (2007). O Alto Douro - um espaço contrastante em mutação. col, Temas Portugueses,
Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa.
Pina, H. (2009). The multi-functionality of the Douro landscapes, one of the strategies for its
sustainability. New ruralities and sustainable use of territory. Department of Geography and Spatial
Management, University of Saragossa: Spain, 405-429.
Pina, H. (2011). O turismo e o desenvolvimento da Região Demarcada do Douro, património mundial
da humanidade”, in Actas do 3º Congresso Internacional “Casa Nobre, um património para o futuro”,
Universidade do Minho e Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, Arcos de Valdevez.
Pina, H. (2012). The Douro Region, a heritage to develop and innovate while preserving, Major
Issues of the European Space: planning policies and territorial restructuring in European Peripheries,
Milena Press, Bucareste (CD), 22 p.
Pina, H. (2013). A estrutura fundiária duriense: um quadro problemático que urge reverter e
dinamizar. Direito Rural, org. Glória Teixeira, Vida Económica Editorial S.A., Porto, 203-244.
INE, “Recenseamentos Geral da População” (1864 a 2011). Instituto Nacional de Estatística, Lisboa.
INE (2009). Recenseamento Agrícola de Portugal de 2009l Instituto Nacional de Estatística, Lisboa
Resende, N. (cord.) (2006). Lamego- um inventário em construção. Edições Diocese de Lamego,
Tipografia Voz de Lamego Lda: Lamego.
Turismo de Portugal (2007). Plano Estratégico Nacional do Turismo 2007-2013. Ministério da
Economia e da Inovação, Turismo de Portugal: Lisboa.
Vasconcelos, J. L. V. 1997. Etnografia Portuguesa. Edição fac-similada. INCM: Lisboa.
Jornais regionais e nacionais
O Primeiro de Janeiro. Julho de 1880: Porto
Jornal da Regoa. Julho de 1880, Peso da Régua
A Semana. Julho de 1900, 1903, 1905 a 1909, Lamego
A Esperança. Julho de 1907, 1908, Lamego
Varanda do Douro. 1950 a 1995, Cambres, Lamego
Documentos Manuscritos
Livro de Receitas e Despezas. Irmandade de Nosso Senhor da Aflição, Cambres.
Despezas da Irmandade Senhor d’Aflicção. Arquivo Distrital de Viseu, cx. 2185, nº13.
Despesas da Irmandade Nosso Senhor Aflição. Irmandade de Nosso Senhor da Aflição, Cambres.
... Although served by good access ways, demographic decline and structural aging of the resident population is unquestionable, with the consequent deterioration of the economic fabric. To develop this territory, the strategic focus was placed on the multifunctionality of landscape and on tourism, but minimising parameters with potential, for e.g., built, cultural, and intangible heritage (Pina, 2014a). ...
... Note also the existence of family-run guest houses and wine tourism, the multipurpose function of which is to value endogenous resources and add cultural, entertainment, and agricultural activities to farming. Overall, they are a strategy to boost this region, assisting in the preservation of landscape, viticulture, and the social foundations (Pina, 2012;Pina, 2014a). But the intangible heritage and local festivities should also be enjoyed. ...
Chapter
Full-text available
The Douro Demarcated Region (NE Portugal) stands out at the national level for its specific and multifaceted heritage which includes its landscape and its architectural, oenological, social, cultural and religious dimensions. This paper intends to highlight the importance of popular festivities and pilgrimages which abounded until the 1990s, but gradually disappeared with clear negative effects. In a territory with a mostly aged population and a degraded economic fabric, how can we revert this trend, revitalising the festivities and pilgrimages, and combining innovation and development with tradition and culture? This is possible when joint efforts are made by the regional and local agents, as the examples presented show. Thus, this paper will analyse two situations located within the DDR but with very different socioeconomic features (Cambres and Parada do Bispo). To answer the questions raised, we have opted for a methodology that combines exhaustive bibliographic research with intensive fieldwork, which includes interviews with managers of Rural Tourism and Wine Tourism units, with technical staff and local authorities, as well as other local and regional agents and, of course, the residents, the region's effective custodians.
Book
Full-text available
In Europe, which is such a heterogeneous but also multifaceted region full of potential, inequality has been increasing and severe problems persist, giving rise to a generalised crisis, spanning all sectors of society. In order to revitalise the European territory, within a framework that promotes constructive change, it is vital to analyse all the dynamics capable of triggering such revitalisation and to implement structuring, innovative and sustainable strategies, which mitigate the problems and enhance this region. Within this context and facing the current critical context of the European region, it becomes urgent to draw the attention of the scientific community to such scenarios, as well as the civil society sector, capable of intervening in the management and planning of the territory. It is within this framework that the present publication is edited, focusing on the European region and rethinking territorial and spatial policies at different scales and in multiple perspectives – geographical, historical, environmental, economic, social and cultural. It is crucial to reflect on several matters and rethink inclusive spatial policies, not disregarding the diversity of scenarios, in a world which is continuously changing and where uncertainties grow everyday. Incisive topics will, therefore, be addressed, such as the those selected for Part I of this E‐book, called “Society and Spatial Planning”, in a context where conservation interacts with innovation, giving particular attention to the economic dimension and its contingencies. Within this scope, typological cases and their impacts are highlighted, namely the exploration of abandoned mines (S. Pedro da Cova, Portugal) and the implementation of timber industry units (Galicia, Spain). However, what stands out in the first part of this publication is the importance of specific regional characteristics, namely the ones of peripheral areas with strong rural traits, as exemplified through the analysis of the Bulgarian agriculture framework, which, although representing a problematic scenario, actually offers enormous potential and is open to new opportunities.
s/d). O Douro Maravilhoso. s/l: Porto
  • C Azevedo
Azevedo, C. (s/d). O Douro Maravilhoso. s/l: Porto.
Plano de Desenvolvimento Turístico do Vale do Douro
  • Ccdrn
CCDRN (2007). Plano de Desenvolvimento Turístico do Vale do Douro. Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte: Porto.
História do Bispado e Cidade de Lamego -Barroco II
  • M G Costa
Costa, M. G. (1992). História do Bispado e Cidade de Lamego -Barroco II. Oficinas Gráficas de Barbosa e Xavier, Lda: Braga.
Lamego no século XVIII. Edições Beira Douro: Vila Nova de Famalicão
  • A Dias
Dias, A. 1957. Lamego no século XVIII. Edições Beira Douro: Vila Nova de Famalicão.
Festividades cíclicas em Portugal
  • E V Oliveira
Oliveira, E. V. (1984). Festividades cíclicas em Portugal., Publicações Dom Quixote: Lisboa.
Alguns aspectos da estrutura fundiária das explorações vitivinícolas durienses
  • H Pina
Pina, H. (2005). Alguns aspectos da estrutura fundiária das explorações vitivinícolas durienses.
O património imaterial duriense … The overarching issues of the european space: the territorial diversity of opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto
  • Helena Pina
PINA, Helena (2014). O património imaterial duriense … The overarching issues of the european space: the territorial diversity of opportunities in a scenario of crisis. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Pp. 18-36
O Alto Douro -um espaço contrastante em mutação. col, Temas Portugueses, Imprensa Nacional Casa da Moeda
  • H Pina
Pina, H. (2007). O Alto Douro -um espaço contrastante em mutação. col, Temas Portugueses, Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa.
The multi-functionality of the Douro landscapes, one of the strategies for its sustainability. New ruralities and sustainable use of territory. Department of Geography and Spatial Management
  • H Pina
Pina, H. (2009). The multi-functionality of the Douro landscapes, one of the strategies for its sustainability. New ruralities and sustainable use of territory. Department of Geography and Spatial Management, University of Saragossa: Spain, 405-429.