ArticlePDF Available

Estudos Culturais, Crítica Literária e Pós-colonialismo: novos Desafios

Authors:

Abstract

Além de recuperar a trajetória inicial dos Estudos Culturais e a noção de cânone, este artigo preocupou-se com a produção do pensamento crítico nos estudos literários. A metodologia utilizada para repensar o locus do artefato literário e a enunciação na área Pós-Colonial foram os Estudos Culturais e a Semiótica. Enquanto na primeira discussão demonstrou-se a importância das esferas da cultura e das formações discursivas para o trabalho articulatório entre literatura e cânone literário, na segunda discussão, observou-se como se comporta a enunciação na disciplina de estudos pós-coloniais. Os resultados desse trabalho demonstram que tanto a repetição do ângulo discursivo quanto o uso de palavras estereotipadas prejudicam a produção do olhar crítico para o próprio alargamento da teoria Pós-Colonial.Palavras-chave: Estudos Culturais. Cânone literário. Pensamento crítico.
> Estudos Culturais, Estudos Literários
e Discussão Pós-Colonial: refletindo
sobre o pensamento crítico
> Cultural Studies, Literary Studies and Post-Colonial Discussion: reflecting
upon critical thinking
por Alisson Preto Souza
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Letras pela UFRGS, área de Literatura e
bolsista CAPES. E-mail: alissonsouzaprof@gmail.com. ORCID: 0000-0003-0548-0229.
Resumo
Além de recuperar a trajetória inicial dos Estudos Culturais e a noção de cânone, este
artigo preocupou-se com a produção do pensamento crítico nos estudos literários. A
metodologia utilizada para repensar o locus do artefato literário e a enunciação na área
Pós-Colonial foram os Estudos Culturais e a Semiótica. Enquanto na primeira discussão
demonstrou-se a importância das esferas da cultura e das formações discursivas para o
trabalho articulatório entre literatura e cânone literário, na segunda discussão,
observou-se como se comporta a enunciação na disciplina de estudos pós-coloniais. Os
resultados desse trabalho demonstram que tanto a repetição do ângulo discursivo
quanto o uso de palavras estereotipadas prejudicam a produção do olhar crítico para o
próprio alargamento da teoria Pós-Colonial.
Palavras-chave: Estudos Culturais. Cânone literário. Pensamento crítico.
Abstract
Besides recovering the initial trajectory of the Cultural Studies and the notion of the
Canon, this article concern was the production of critical thinking on the literary
studies. The methodology used to rethink the locus of the literary artifact and the
enunciation in the Post-Colonial field were the Cultural Studies and the Semiotics.
Whereas the first discussion demonstrated the importance of the cultural sphere and
the discursive formations to the articulatory work between the literature and the
literary Canon, the second discussion contemplated how the enunciation behaves in the
Post-colonial studies course. The results showed that both the repetition of the
discursive angle and the use of stereotyped words harm the production of critical view
within Post-colonial theory.
Keywords: Cultural Studies. Literary Canon. Critical Thinking.
> Artigo recebido em 02.05.2019 e aceito em 09.07.2019
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
1. À guisa de uma introdução
Além de apresentar um mapa introdutório da relação entre os Estudos
Culturais e os estudos literários, este trabalho tem como espinha dorsal duas
discussões derivadas dessa articulação. A primeira discussão corresponde a uma
proposta para perceber o cânone e o objeto literário através de um viés
culturalista. Com base nas representações culturais, levou-se em conta as
formações discursivas para o exame dos artefatos literários. A segunda discussão
corresponde a uma reflexão acerca da questão enunciativa dentro do tema
colonial. Essa reflexão traz a repetição do ângulo argumentativo e o uso do
estereótipo como os principais responsáveis pela defasagem do pensamento
crítico da teoria pós-colonial.
A aproximação entre os Estudos Culturais e pós-colonialismo acontece por
ser o segundo uma linha de estudo resultante do surgimento do primeiro, como
observa Stuart Hall. Para o autor, os Estudos Culturais possibilitaram uma
articulação interdisciplinar entre literatura, cultura e poder. O pós-colonialismo,
portanto, nasce a partir da visibilidade das condições expressas no discurso do
domínio colonial, investigando a relação entre as instituições, o poder e os
discursos, tendo sempre em vista a configuração dessas sociedades.1
Parte dos intelectuais da atualidade define os Estudos Culturais como um
campo de articulação de saberes, que tem por objetivo explorar formações
discursivas sobre objetos inseridos na cultura. Em contrapartida, outros os
definem como um conjunto de conceitos forjados pelos ingleses, para um
redirecionamento da narrativa da Inglaterra como nação.2 Silveira, Costa e
Sommer descrevem-no como uma anti-disciplina, uma vez que tensionam tanto
(...) disciplinas consagradas, como movimentos políticos, práticas
acadêmicas e modos de investigação tais como o marxismo, o pós-
1 Russel Hamilton, As Literaturas de PALOP e a Teoria Pós-Colonial. Disponível em:
http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/48809/52884 Acesso em: 14 abr. 2019
2 Bill Schwartz, Onde estão os Cultural Studies?, 2000, p. 49.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
colonialismo, o feminismo e o pós-estruturalismo. Esse é o motivo pelo qual
são frequentemente descritos como uma antidisciplina ou pós-disciplina.3
Grosso modo, pode-se dizer que o núcleo de suas preocupações iniciais
produziu reflexões acerca das manifestações da cultura. Por outro lado, essa visão
multifacetada, descentrada e menos moralista da cultura não correspondia às
configurações sociais do século XIX. Essa desconfiança sobre o discurso histórico
instaurado como verdade institucionalizada desestabilizaria a fixidez e a visão de
unidade historiográfica apenas no percurso do século XX.4 Contudo, ainda que a
visão separatista e homogênea da cultura estivesse mundando para uma visão
interdisciplinar e articulada das áreas do saber, a hierarquia e a verticalidade
produzidas pelo discurso permaneceria para garantir o abismo entre as classes
sociais.
Para intelectuais estrangeiros como Stuart Hall, era evidente que ter
certos conhecimentos implicava desfrutrar de um lugar privilegiado e
prestigiado na sociedade. Como vão demonstrar os principais estudos de Hall
relacionados à representação cultural, a materialidade do discurso pode destacar
no estereótipo, por exemplo, o preconceito e a discriminação. No sistema
linguístico, os estereótipos são os principais agentes sígnicos vinculados à
verticalidade da organização social. Sendo as formas de apresentação de si cada
vez mais abertas para o reconhecimento do outro, existe uma multiplicação de
significados possíveis em diálogo com os interesses culturais dos estados
nacionais.
O sujeito das luzes, por exemplo, foi aos poucos migrando sua identidade
para reconhecer-se como sujeito moderno, impactando questões que envolvem
saber e cultura. A partir do reconhecimento da constituição do discurso e da
ressignificação do Outro, contesta-se as tradições e os aspectos centralizadores
das representações culturais. Essa transformação faz com que a relação entre
3 Marisa Costa, Rosa Silveira, Luis Sommer, Estudos Culturais, Educação e Pedagogia, 2003, p. 43.
4 Stuart Hall, . In Stuart Hall (Org.), Representantion, Cultural
Representation and Signifying Practices, 1997.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
sujeito e conhecimento mude de acordo com a nova consciência linguística que
vai se moldando nas sociedades modernas. Essa transformação foi influenciada
mais especificamente ao longo do século XX pela dicotomia entre o erudito e o
popular, e pela consciência do bem estar nas diferentes classes e papeis sociais.
Em relação a essa metamorfose do ethos cultural, Costa, Silveira e Sommer
apontam que
a cultura deixa, gradativamente, de ser domínio exclusivo da erudição, da
tradição literária e artística, de padrões estéticos elitizados e passa a
contemplar, também, o gosto das multidões. Em sua flexão plural
culturas e adjetivada, o conceito incorpora novas e diferentes
possibilidades de sentido.5
Assim como assinalam Wortmann6 e Maria da Glória Bordini7 o cânone
literário é um artefato cultural que simboliza ideologicamente a configuração da
sociedade após a revolução industrial e suas consequências. Alguns termos
antitéticos e maniqueístas foram extraídos desse contexto, como alta cultura
versus cultura de massa, cultura burguesa versus cultura operária e cultura
erudita versus cultura popular. Nessas dualidades, compreende-se sempre o
primeiro termo como reflexo do espírito humano, e o segundo termo como aquilo
que é ligado ao profano, ao inculto e irrelevante. Apesar de alguns intelectuais
acreditarem que este assunto não é relevante, é por causa dessa binarização
que ainda se pensa que um texto é literatura e outro não. Como destaca Rita
Schmidt, iss
historicamente construído em contato com obras definidas em termos de valor
inalterá 8.
Dois principais fatores influenciaram a eclosão dos Estudos Culturais: o
impacto do capitalismo com o advento das novas tecnologias, e a perda territorial
5 Marisa Costa, Rosa Silveira, Luis Sommer, Op. Cit., 2003, p. 36.
6 Maria Wortmann, Marisa Costa, Rosa Silveira, Sobre a Emergência e a Expansão dos Estudos
Culturais em Educação no Brasil. Disponível em:
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/18441/12751. Acesso em:
24 abr. 2019.
7 Maria da Glória Bordini, Estudos Culturais e Estudos Literários, 2006, p. 11 a 22.
8 Rita Schmidt, Entrevista com Rita Terezinha Schmidt, In Teresa: revista de Literatura Brasileira,
2016, p. 256.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
das colônias inglesas adjunta à configuração do fim do império. Contudo, a
transformação deste cenário binário e homogêneo num cenário de diversidade e
polissemia que se configurou ao longo do século XX tomou alguns anos. Após o
declínio e a perda de territorialidade do império britânico, muitos colonizados
migram para a casa imaginada: a Inglaterra. É a partir desse contexto que passa a
existir uma atratividade acadêmica para a produção de estudos sobre questões
coloniais. Alguns exemplos são os pensadores Stuart Hall, Edward Said e Gayak
Spivack, de nacionalidade jamaicana, palestina e indiana, respectivamente.
Na entrevista A formação de um intelectual diaspórico, realizada por Kuan-
Hsin Chen, Stuart Hall revive a trajetória migratória da Jamaica à Inglaterra.9 O
autor recupera a intensa experiência das tensões coloniais que refletiam na
subjetividade fragmentada de sua família jamaicana.
Desde o início, o que era encenado em minha família, em termos culturais,
era o conflito entre o local e o imperial no contexto colonizados. Ambas as
frações de classe se opunham à cultura da maioria, do povo negro
jamaicano pobre: altamente preconceituosas em relação a raça e cor,
identificavam-se com os colonizadores. (...). Por ter sido criada no contexto
jamaicano do engenho, minha mãe se considerava praticamente inglesa.
Ela pensava que a Inglaterra era a sua pátria e se identificava com o poder
colonial.10
Em contrapartida, os Estudos Culturais passaram a funcionar em favor de uma
educação em que a sabedoria e os interesses das pessoas comuns fossem
valorizados. Portanto, agia contra o movimento da elite, de invalidar certos
saberes ao dialogar com a tentativa estrutural de separação de conteúdos por
área de conhecimentos.
A partir da década de 1960, com a formação da Nova Esquerda, Hall
comenta que houve uma desintegração de pesquisadores como Raymond
Williams, Edward Thompson e Richard Hoggart dos ideais marxistas clássicos.
Os pensadores que se desintegravam negavam tanto a noção de superestrutura,
vertente do materialismo histórico marxista, quanto o exercício de críticas sobre
9 Stuart Hall, A formação de um intelectual diaspórico, 2003, p. 408 a 409.
10 Ibidem.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
temas como lutas de classe e hierarquia no local de trabalho.11 Foi essa
desintegração que possibilitou o deslocamento de estudos étnicos, os estudos das
questões raciais e os estudos de gênero para os Estudos Culturais.
2. Estudos Culturais, estudos literários e os desafios de linguagem
Ao escrever uma crítica sobre a relação entre Estudos Culturais, Literatura
e a questão mercadológica, a professora Maria da Glória Bordini assinala noções
chave entre cultura e literatura na pós-modernidade.
[...]
abarcava apenas as mais altas realizações do espírito, assim como
incluídas nos cânones pelos críticos e historiadores literários.12
A consagração e repetição de obras consideradas clássicas no circuito literário é
uma verdade irreparável tanto no contexto das literaturas mundiais como no
contexto das literaturas brasileiras. Não raro se refere aos grandes autores. No
cenário mundial, William Shakespeare é um exemplo clássico desta consagração,
enquanto no Brasil, temos, por exemplo, Machado de Assis. Mas onde estão as
outras vozes do círculo cultural literário e por que não estão nos centros de
discussão literária?
O artigo já citado de Bordini pensa justamente a relação mercadológica
que se acentua através das novas manifestações midiáticas. Evidentemente, até
mesmo a cultura pop organiza seu próprio cânone. A existência de cânones parece
natural, seja em uma estante de livros, seja na ementa de uma disciplina
acadêmica. Segundo Bordini, o cânone não é só um fenômeno que se restringe ao
mundo sagrado das literaturas universais. O cânone faz nos pensar nas escolhas
como resultados de filtros e tensões centralizadoras das manifestações culturais.
Esta peneira que exalta e repete determinados discursos expressa um
11 Giovani Bezerra, A cultura em debate: (des)encontros entre o marxismo e os estudos culturais, 2017.
12 Maria da Glória Bordini, Estudos Culturais e Estudos Literários, 2006, p. 11.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
movimento pedagógico entre os signos da cultura mundial e aqueles
representantes da cultura nacional.
Isso nos traz ao questionamento pedagógico dos termos canônicos: como
seu fenômeno influencia e tensiona o pensamento sobre as questões locais? O que
liga as questões levantadas pelo livro ao grupo social que as utiliza? O professor e
o leitor precisam pensar sempre criticamente na existência dessa ponte que liga
o literário ao mundo que o circunda. Afinal, até onde a universalidade e uma
definição autocentrada prejudicam a visibilidade de outras percepções que
poderiam se estender às necessidades da comunidade, da educação e da própria
universidade? Essas questões devem ser levado levadas em consideração na
organização de um conjunto de obras.
Avaliando a Literatura como um pressuposto, como quer Terry Eagleton,
para um diálogo estético e social entre os artistas e os leitores na sociedade,
podemos pensar que o encerramento de um discurso autoral sublinha uma
relação sociológica e econômica. Esta condição mercadológica da literatura
destaca a relação mimética do público leitor com os discursos culturais,
evidenciando o prestígio temático em um ethos social. Logo, não necessariamente
haverá privilégio na circulação de escritores cujos temas tratem de necessidades
sociais existentes na localidade. Tais produções literárias, em nivel
mercadológico, são direcionadas a um público especificamente acadêmico, onde
começam a ganhar reconhecimento para então se popularizarem.
Nesse sentido, os efeitos da seleção da literatura apontam para uma
sobreposição pedagógica do estrangeiro sobre o local, conforme as pesquisas de
Gianni Vattimo. O 13, utilizado pelo autor, passa
por uma noção relacional entre a organização de cânone e a construção da
subjetividade como processo geocultural. O discurso das manifestações globais
ou estrangeiras submete à identidade nacional a valorização de conhecimentos e
problemas do panorama histórico-social mundial. A massificação e o
13 Gianni Vattimo, A sociedade transparente, 1991.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
engessamento, citadas por Vattimo, são o tipo de condição de coerência
discursiva que se instauram no sistema mercadológico da literautra atual. O
jornalista, publicitário e escritor brasileiro Antonio Torres, por exemplo, em uma
entrevista ao programa Superlibris diz que:
[...] o imaginário global que nos chega o tempo todo está se impondo sobre
o imaginário local, e como o local não faz parte do global, também não faz
parte do imaginário nosso, da nação. A meu ver é isso, nós estamos
consumindo o imaginário que vêm de fora, porque nossa cabeça está sendo
formatada toda para isso.14
Nesse sentido, o discurso que faz com que essas literaturas consideradas
superiores permaneçam ainda carregando os resquícios de um eruditismo velado
está associado ao discurso de progresso. É na globalização e na rapidez das novas
plataformas que o espírito erudito é proliferado. Essa rapidez de textos
estereotipados e economizados da literatura podem ser encontradaspode ser
encontrada, na atualidade, em citações de pensadores, filósofos e escritores, por
exemplo, na internet. Autores consagrados são sintetizados em frases que
possuem um sentido quase espiritual para o leitor moderno. Se poderia citar um
grande número de autores, mas este não é o tema do presente artigo.
É importante, contudo, enfatizar que em vez de serem lidas a partir de um
efeito estético ligado ao projeto literário da obra, essas citações se fixam dentro
de um estado de espírito do leitor. Não raro, tal estado de espírito não possui
qualquer conexão com o texto, tampouco o explica. Não se pode deixar de
registrar, porém, que essas frases, quando em trânsito no mundo virtual,
instigam os usuários à prática de leitura. Por outro lado, isso não significa que
favoreçam uma leitura crítica ou mesmo o pensamento crítico.
Em oposião à ideia de cânone literário, Terry Eagleton, em Crítica e
Sociedade 15 para definir a fuga do
cânone (caracterizada como um ato critico) como uma ação significativa e
14 Antonio Torres. Entrevista em vídeo e áudio sobre a representação. In Superlibris. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=Lu2dhvzj75g Acesso em: 02 mar. 2019.
15 Terry Eagleton, Conclusão: Crítica Política, In Terry Eagleton, Teoria da Literatura: uma
introdução, 2003, p. 273.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
política, marcada pelo discernimento. Em sua perspectiva, a sensiblidade
inteligente projeta a autonomia, e, por consequência, um desvio dos constantes
encontros com estereótipos relacionados à antiga ideia de literatura como uma
cultura erudita.16 Existem, portanto, literaturas diversas, assim como existem
diferentes tipos de histórias. Nenhuma, porém, deve causar sensação de
pertencimento maior do que aquelas ligadas às geografias e à realidade da vida,
do espaço e do efeito da sociedade onde é consumida e vendida. Por que sabemos
tão poucos de nossos mitos, das origens indigenas e das histórias e causos locais?
É com esse discurso que Eagleton acrescenta a discussão sobre escolhas das obras
de literatura, que servem sob sua perspectiva como ferramenta de análise e
principal abordagem para os Estudos Culturais.
Analisar a literatura como um produto artisítico derivado de um ser
político cuja pretensão é caracterizar-se como verdadeiro traz à tona a
importância dos estudos foucaultianos. Segundo Alfredo Veiga-Neto e Tatiana
Luiza Rech em relação ao tema da verdade, o viés foucaultiano elucida os
caminhos trilhados entre discurso e poder.17 A investigação da verdade na
literatura entende a composição discursiva como principal produto humano.
Para esses pesquisadores, essas verdades devem ser questionadas em prol da
diversidade atual de discursos na cultura.
E, como nãovida acadêmica sem disputas, debates e jogos de poder, a
todo o momento se assiste a lutas entre uns e outros, veladas ou explícitas,
suaves ou encarniçadas. Quanto a isso, preferimos adotar a postura
deleuziana, segundo a qual, só aceita entrar num debate para convencer e
vencer o opositor aquele que acredita estar de posse de uma verdade acima
de si mesmo. É fácil ver que, também para Foucault, isso não faz sentido. O
que faz sentido é examinar a pertinência dos usos que se fazem das
verdades que se instituíram no nosso mundo.18
Em relação aos estudos literários, muitos intelectuais posicionam-se de
forma polivalente, extensa e metafórica quando se trata da definição da
Literatura. Andrew Milner, na obra Literatura, Cultura e Sociedade, ao investigar
16 Terry Eagleton, Op.Cit., 2003, p. 1 a 22.
17 Alfredo Veiga-Neto e Tatiana Luiza Rech, Esquecer Foucault?, 2014, p. 71.
18 Ibidem.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
a posição simbólica e social da concepção da Literatura, sublinha que no século
XIX, o artefato literário começa caracterizado por sua relação
, uma marca de privilégio social. Define-se ta
imagi sem qualquer conexão com a política e religião. 19
Eagleton em Teoria da Literatura: Uma Introdução, por exemplo, vai
relacionar o poder político e ideológico da literatura, ao poder de transformação
do campo simbólico-social. Critica, com isso, a construção discursiva da crítica
literária que atende primordialmente os elementos concretos do texto em vez da
realidade social.20 Dessa forma, o autor tece sua crítica à formação de um cânone
ou tradição literária:
Certos escritos são selecionados como mais redutíveis a esse discurso do
que outros; a eles dá-
de esse cânone via de regra ser considerado razoavelmente fixo, por vezes
até mesmo eterno e imutável, tem um sentido irônico, porque como o
discurso literário crítico não tem significado definido, ele pode, se assim
quisermos, voltar sua atenção a mais ou menos qualquer tipo de escrito.21
Ao pensarmos o ensino de Literatura em conjunção com a discussão crítica sobre
o cânone literário, são relev
contato com a literatura reside no reconhecimento de que a leitura é um saber
22. Isso não significa
necessariamente conceder poder ao aluno para uma possível desautorização ou
invalidação da obra escolhida pelo professor, de acordo com o objetivo da
disciplina. Criticar o cânone ou a tradição literária exige ponderação do docente
da literatura em relação às práticas discursivas e argumentativas. Tais práticas
enunciativas e pressupostos, como reitera Eagleton, devem guardar um olhar
atento tanto aos problemas geoculturais quanto ao conhecimento do aluno em
relação aos estudos literários.
19 Andew Milner, Literature, culture and society, 2005, p. 23 a 27. Tradução minha para,
20 Terry Eagleton, Op. Cit., 2003, p. 304.
21 Ibidem.
22 Maria da Glória Bordini, Op. Cit., 2006, p. 12.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
Exige-se tanto do critico literário quanto do professor ou aluno de
literatura, independentemente do lugar que exerce nas instituições
educacionais, que se repense as formações discursivas produzidas na cultura.
Parece pertinente, na contemporaneidade, que a crítica à seleção de um cânone
literário não deve estar ligada apenas a uma nova seleção de obras literárias nas
ementas. A preocupação deve ter como foco o recorte da literatura que é
trabalhado, e a forma como se trabalha-o. Sobretudo, o ato de criticar a tradição
deve estar relacionado ao exame do estado do pensamento crítico-social. O
pensamento crítico social está diretamente ligado ao reconhecimento do lugar-
comum, do estereótipo e do cliché como funções de linguagem utilizadas para
produção de discurso.
Nesse sentido, o pensamento crítico e a consciência das políticas locais são
resultados de um trabalho baseado na articulação dos saberes e na exploração
das formações do discurso. Assim, só é possivel compreender o propósito dos
artefatos culturais através da investigação das formações discursivas. Como pode
a literatura ajudar na compreensão da vida política da contemporaneidade
enquanto não dialogar com as preocupações relevantes ao campo de visão
cultural do aluno? Como poderia a literatura surtir algum efeito no aluno, se as
discussões derivadas da obra não o colocam em uma posição de interlocução com
a mesma? Como essas obras são trabalhadas na sala de aula; como elas
repercutem fora do ambiente de ensino? Como são representadas nas mídias
sociais?
Um noticiário de televisão, as imagens, gráficos etc. de um livro didático ou
as músicas de um grupo de rock, por exemplo, não são apenas
manifestações culturais. Eles são artefatos produtivos, são práticas de
representação, inventam sentidos que circulam e operam nas arenas
culturais onde o significado é negociado e as hierarquias são
estabelecidas.23
O pensamento crítico permite que o estudioso enxergue os lugares de fala
alinhavados pelo discurso. Ele possibilita o diálogo com a realidade do aluno,
23 Maria Wortmann et al., Op.Cit., 2003, p. 38.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
brasileiro, de uma academia composta de pensamentos não-indígenas24, e,
portanto, de fraca atividade reflexiva. Pensar a respeito dessa problemática
possibilita tanto a retomada do conceito e propósito da Literatura, quanto uma
crítica aos resquícios do discurso de validação da dicotomia cultura alta versus
cultura popular que ainda reverberam nas instituições educacionais pós-
modernas. Tais resquícios ainda circulam pelos discursos, especialmente em
redes sociais e outras comunidades virtuais. Portanto, através da análise cultural
crítica é possível aprender de que forma ideologias se insurgem em relação ao
artefato literário.
3. Estereotipagem e o uso da língua: a emulação de um inimigo
A segunda discussão está efetivamente ligada ao uso de vocabulário que
resultam em desinteresse, e à redução de espaços de debates críticos da teoria pós-
colonial, ou anti-colonial, como quer o viés decolonial. A crítica que se tece aqui
é em relação à performance no Pós-colonialismo. Conforme Eagleton, o uso da
linguagem e discursos encerra pressupostos ideológicos cruciais em sala de aula.
Observa-se, neste estudo, como a enunciação pode ajudar ou prejudicar a criação
de novas formas de perceber o campo teórico em questão.
Tanto os Estudos Culturais quanto as Teorias Culturais Contemporâneas,
em síntese, exibem em seu acervo de publicações e artigos relacionados a
investigação de um tema, que quase sistematicamente e através da linguagem
está programado para descrever o objeto de estudo através da emulação de um
inimigo.
O ethos do inimigo é configurado através de uma análise discursiva que
busca elucidar ao leitor um conjunto de características; características essas que
24 substantivo e adjetivo - e alguns usos como (1)
relativo à população autóctone de um país, vítimas de um processo de colonização; (2) a arte ou
artefatos produzidos por grupos sociais pela população autóctone; (3) o que é originário do país,
região ou localidade em que se encontra.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
objetivam afiliar a representação de inimigo a significantes que se opõem aos
movimentos políticos s-modernos das sociedades democráticas de base
marxista. Alguns desses significantes sobrecarregados de sentidos negativos são
homogeneidade; ocidente; hegemonia; universalismo; colonizador; global e moderno.
Tal preocupação também está associada à escrita deste trabalho. Procurou-se
evitar um discurso homogêneo e passional a favor das margens, justamente para
retirar delas o estatuto de vítima produzido pelo discurso Pós-Colonial na área
dos estudos pós-coloniais. Nesse sentido, através da argumentação, o trabalho
também traz a ideia de que a paralisia crítica não se dá somente devido a ausência
da recuperação da visão socio-histórica.
Por outro lado, sabe-se que tais significantes deram suporte - nas décadas
de 60 a 80, com as manifestações jovens antibelicistas vistas nos hippies, e com os
movimentos negro e feminista, conforme Bordini não só para a ênfase dos
estudos engatilhados pela dissipação do poder, mas também para a importância
da literatura como ferramenta da conscientização histórica, cuja natureza
política é sempre aberta e dialogável.25
Entretanto, o enfoque no sujeito oprimido empobrece a busca pela
diversidade teórica, uma vez que ela monotematiza a crítica social. A redução do
pensamento crítico do investigador através do uso repetido destas angulações
contradiz o pensamento central dos Estudos Culturais e das próprias intenções
de um estudo pós-colonial. Afinal, se sabe quem são essas identidades
descentradas. Por outro lado, o pressuposto de que a culpa é do Ocidente na
avaliação de literaturas de minorias, como as literaturas indígenas, feministas,
LGBTQI+
campo da produção acadêmica, que lida com discernimento e pensamento crítico.
Isso acontece especialmente quando a ênfase argumentativa for somente uma
visão culpatória e binária das representações culturais. Esses resultados
negativos advêm de noções concebidas por meio do estereótipo, levando a uma
25 Maria da Glória Bordini, Op. Cit., 2006.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
redução da prática da reflexividade estabelecida na performance teórica.
Segundo a semioticista francesa Ruth Amossy:
A estereotipagem, lembremos, é a operação que consiste em pensar o real
por meio de uma representação cultural preexistente, um esquema
coletivo cristalizado. Assim, a comunidade avalia e percebe o indivíduo
segundo um modelo pré-construído da categoria por ela definida e no
interior da qual ela o classifica.26
Um exemplo dessas generalizações frequentes no âmbito da teoria da crítica
colonial está no uso combinatório de jogos de palavras do enunciado pós-colonial.
Não raro se pode escutar expressões como: inglês-colonizador, americano-
capitalista, homem-sexista, ou branco-racista como forma de crítica, mas que
não expressam qualquer intenção de buscar ou racionalizar dados, construir
novas redes de informações, ou realizar novas conexões. O que se percebe,
sobretudo, é uma vontade de punição e a presença de um ethos inimigo.
Contudo, esta análise da presença do estereótipo e do clichê no uso da
teoria pós-colonial contra as manifestações da colonização não implica num ato
de esquecimento dos discursos construídos na história. A questão não é dar voz
ao antigo colonizador, mas objetivar uma ênfase na busca, em detrimento da
banalização da história e, por consequência, na própria existência de um campo
teórico que trate de questões identitárias como etnia, gênero, sexualidade e raça.
designar os modos de raciocínio próprios a um grupo e os conteúdos globais no
seto 27. Em outras palavras, o estereótipo tem uma
função econômica na prática discursiva, com a capacidade de reunir um conjunto
de informações acerca de um determinado ethos.
A preocupação com a evocação do uso das palavras remete à reflexão
fundamental do papel tanto do crítico literário como do professor de Literatura,
descrito por Eagleton no capítulo intitulado Conclusão: Crítica Política:
26 Ruth Amoussy, Imagens de si no Discurso: a construção do ethos, 2005, p. 125.
27 Ibidem.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
Os teóricos, críticos e professores de literatura são, portanto, menos
fornecedores de doutrina do que guardiões de um discurso. Sua tarefa é
preservar esse discurso, ampliá-lo e desenvolvê-lo como for necessário,
defendê-lo de outras formas de discurso, iniciar os novatos ao estudo dele
e determinar se eles conseguiram dominá-lo com êxito ou não. O discurso,
em si, não tem um significado definido, o que não quer dizer que não
encerre pressupostos: é antes uma rede de significantes capaz de envolver
todo um campo de significados, objetos e práticas. 28
Esta discussão está pautada por pedagogias que tencionam tanto um
encontro da estabilidade conceitual do trabalho investigativo quanto um
desencontro. Produz, assim, no quadro de publicações acadêmicas que se utilizam
de estudos da cultura, certos binarismos e antagonismos ideológicos.
Paradoxalmente, tais binarismos e antagonismos contradizem toda a prática
pedagógica dos Estudos Culturais.
4. Considerações Finais: Como tratar o discurso Pós-Colonial?
No que concerne à literatura, o presente artigo permite enxergar que a
abertura crítica proposta pelos Estudos Culturais possibilita um diálogo em
articulação, sustentado pela visibilidade pluritemática de inúmeras polifonias.
Esse diálogo é tecido por uma argumentação de diferentes áreas de saber, agindo
sobre a produção, circulação e crítica literária da obra. Seu viés está pautado,
sobretudo, pela aceitação das diferenças, pluralidades, singularidades e
particularidades. Tal relação envolve uma preocupação, sobretudo, com o uso da
língua e as formas de representação. Levando em consideração as instruções
hallianas do conceito de sistemas de representações, no texto Representantion,
Cultural Representation and Signifying Practices, compreendemos que
[...] existem dois processos, dois sistemas de representação envolvidos.
Primeiro, existe o sistema pelo qual todos os tipos de objetos, pessoas e
eventos estão correlacionados com um conjunto de conceitos ou
representações mentais que carregamos em nossas cabeças. Sem elas, nós
não poderíamos interpretar o mundo com algum sentido se quer. Em
primeiro lugar, então, os significados dependem de um sistema de
conceitos e imagens formadas em nossos pensamentos, que podem
28 Terry Eagleton, Op. Cit., 2003, p. 304.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
substituir ou representar o mundo, capacitando-nos fazer referências às
coisas dentro e fora de nossas cabeças.29
Através dos Estudos Culturais, os cânones literários e a circulação de
certas obras são tratados por uma observação analítica das formações discursivas
inseridas na cultura: nas mídias, nas expressões de ruas, nas novelas e no teatro,
nas revistas e jornais eletrônicos e em outros produtos culturais. A partir deste
viés, observa-se a relação entre os críticos literários e as obras que procuram
consagrar. É possivel, também, investigar a presença dessas repetições
discursivas no sistema educacional, ou mesmo sua ausência. Entende-se, assim, o
modo como a cultura se apropria dos fenômenos literários, além de avaliar as
causas dessas ocorrências.
Em relação à reflexão de Milner sobre os excessos críticos no âmbito da
expressão literária, de salientar-se que a forma como as literaturas são
discutidas e abordadas em aula precisam ter uma relação genuína com o aluno, a
cultura e a sociedade. A obra convida os programas de graduação e pós-
graduação da área de Literatura para realizar um levantamento de análise crítica
das últimas produções científicas sobre o cânone literário. Tal sugestão de
postura procura incentivar a busca de conflitos socioculturais, dos quais esses
alunos se encontram interpelados.30
O viés milneriano coloca a sala de aula das universidades, a literatura e a
comunidade a favor da transformação cultural. Essa abordagem abre espaço para
uma avaliação criteriosa de lugar e trânsito de poder na sociedade; permitindo,
sobretudo, interagir com narrativas e sabedorias de forma dialética na
29 Stuart Hall, The Work of Representation, In Stuart Hall (Org.). Representantion, Cultural
Representation and Signifying Practices, 1997, p. 17. Tradução Minha.
people and events are correlated with a set of concepts or mental representations which we carry
around in our heads. Without them, we could not interpret the world meaningfully at all. In the
first place, then, meaning depends on the system of concepts and images formed in our thoughts
ing us to refer to things both inside and outside
30 Noção criada por Althusser, um dos expoentes da crítica do marxista dos anos 70, cujo
pensamento aponta que toda ideologia interpela os indivíduos concretos enquanto sujeitos
concretos, através do funcionamento da categoria de sujeito.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
construção do professor e do aluno como pesquisadores. Nesse viés, o espaço de
aprendizagem se torna mais real à medida que permite uma agência maior do
sujeito sobre a diversidade cultural, a ética e a moral nas questões locais,
transfigurando o duplo alta cultura versus baixa cultura numa possibilidade
articulatória de saberes.31
Logo, o debate em torno da função e insurgência dos Estudos Culturais e
sua influência na literatura está diretamente ligado às questões identitárias e
políticas. Contemporaneamente, na literatura, essa abordagem articulatória e
interdisciplinar é vital, pois visibiliza literaturas não canônicas e consideradas
inferiores. Permite, além disso, refletir sobre novas contestações que vão além de
tratar da hegemonia, do branco, do ocidente e do colonizador; sem, ao mesmo
tempo, esquecer seu ethos discursivo.
Portanto, a compreensão dos estereótipos e consciência de produção de
linguagem percorre um trajeto de amadurecimento saudável e produtivo, uma
vez que os estereótipos estão diretamente atrelados à construção de identidades.
Embora o uso do estereótipo traga toda carga semântica negativa relacionada ao
preconceito e ao julgamento, ele tem outra faceta positiva, que segundo Harkot-
De-La-
32.
A busca por um culpado empreendida pelo pesquisador da linha de
estudos pós-coloniais precisa ser repensada em prol da própria contribuição
efetiva dos estudos articulatórios da área. Afinal, uma das riquezas dos estudos
que se preocupam com as questões coloniais é pensar o outro lado da história.
Contudo, em vez de emular-se um inimigo, parte constitutiva da justificativa da
costura da crítica colonial, poderia se pensar em responsáveis por conjunturas e
problemas sociais. Enquanto a argumentação se resumir a binarismos como
culpado versus vítima, todo discurso a favor das minorias se rebaixa,
31 Maria Wortmann, Op. Cit., 2015, p. 34.
32 Elizabeth Harkot-De-La-Taille, Sentir, saber, tornar-se: estudo semiótico do percurso entre o
sensório e a identidade narrativa, 2013, p. 134.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
apresentando sua imagem própria como coitada, inculta, inferior ou incapaz de
argumentar sobre os acontecimentos, fragilizando seu movimento retórico.
No âmbito da retomada de uma enunciação crítica e versada no tempo da
crítica colonial contemporânea, se poderia adotar uma postura argumentativa
que exponha o contexto histórico específico, a nação, ou um determinado ethos
enuciativo como responsável por determinados acontecimentos, assim
problematizando e enfatizando a argumentação dos fomentos desiguais do
cenário local. Principalmente, deslocando-o de um espaço fantasmagórico, da
presença da ausência, como quer Platão, para uma faceta temporal, palpável e
penetrável.
Através de uma preocupação com os mecanismos de produção de sentido,
levando em conta os efeitos desse sentido em um aluno de literatura, a conclusão
deste trabalho aponta mais para alguns questionamentos ou sugestões de
reflexão: como pode o pós-de-anticolonialismo livrar-se de seus aspectos
negativos que lhe são caricaturados e reforçar o caráter positivo de sua imagem?
Como poderiam as disciplinas de Literatura elevar o leitor em detrimento das
preocupações sociais efetivamente interpeladoras de suas subjetividades? Em
que extensão a Literatura está entendida como parte da Cultura e das relações
sociais? Seria a transformação da produção dos enunciados um meio de cessar
retrocessos e estagnações na cultura e na literatura? Ficam os questionamentos.
Referências
AMOSSY, R. Imagens de si no Discurso: a construção do ethos. São Paulo:
Contexto, 2005.
BEZERRA, Giovani Ferreira. A cultura em debate: (des)encontros entre o
marxismo e os estudos culturais. In: Cultura e Sociedade v. 30, n. 46, 2017.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
BORDINI, Maria da Glória. Estudos Culturais e Estudos Literários. In: Letras de
Hoje. Porto Alegre, v.41, n.3, p.11-22, setembro, 2006.
COSTA, Marisa V.; SILVEIRA, Rosa Hessel; SOMMER, Luis Henrique. Estudos
Culturais, Educação e Pedagogia. 36. Nº 23 Maio/Jun/Jul/Ago., 2003
EAGLETON, Terry. Conclusão: Crítica Política. P.1-22 In: EAGLETON, Terry.
Teoria da Literatura: uma introdução. 5. ed. Trad. Waltencir Dutra. São Paulo.
Martins Fontes, 2003.
HALL, Stuart. A formação de um intelectual diaspórico. In: Da diáspora:
Identidades e mediacoes culturais / Stuart Hall; Organizacao Liv Sovik;
Traducao Adelaine La Guardia Resende ... let all. - Belo Horizonte: Editora
UFMG; Brasilia: Representacao da UNESCO no Brasil, 2003.
HALL, Stuart. The Work of Representation. In: HALL, S. (Org.). Representantion,
Cultural Representation and Signifying Practices. London, Sage/Open
University, 1997.
HARKOT-DE-LA-TAILLE, E. Sentir, saber, tornar-se: estudo semiótico do percurso
entre o sensório e a identidade narrativa. São Paulo, 2013, Tese de Livre Docência.
2013.
MILNER, Andrew. Literature, culture and society. 2 ed. Londres & Nova
Yorque: Routledge, 2005.
SCHMIDT, Rita. Entrevista com Rita Terezinha Schmidt. In: Teresa: revista de
Literatura Brasileira, N.17, São Paulo: USP, 2016, p. 251-264.
SCHWARZ, Bill. Onde estão os Cultural Studies? Revista de Comunicação e
Linguagens, Universidade Nova de Lisboa, n°28, out, 2000.
VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Rio de Janeiro: Edições 70.
Tradução de Carlos Aboim de Brito, 1991.
Alisson Preto Souza | Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial:
refletindo sobre o pensamento crítico
Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte
vol. 1, nº 2, outubro de 2019
ISSN 2596-0911
VEIGA-NETO, Alfredo. RECH, Tatiana Luiza. Esquecer Foucault? In: Pro-
Posições | v.25, n.2 (74) | p. 67-82 | maio/ago, 2014.
WORTMANN, M.L; COSTA, M; SILVEIRA, Rosa. Sobre a emergência e a expansão
dos Estudos Culturais em educação no Brasil. Porto Alegre: Editora Educação,
2015. Disponível em:
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/18441/0
Acesso em: 02 mar. 2019.
Referência para citação deste artigo
SOUZA, Alisson. Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-
Colonial: refletindo sobre o pensamento crítico. Revista PHILIA | Filosofia,
Literatura & Arte, Porto Alegre, volume 1, número 2, p. 22 41, outubro de
2019.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
Este ensaio discute as implicações do conceito de cultura em duas grandes abordagens do conhecimento, que têm, direta ou indiretamente, influenciado e polarizado as pesquisas e discussões acadêmicas no século XX e no começo do século XXI, quais sejam as teorizações marxistas, herdeiras da racionalidade moderna, e os Estudos Culturais. Com essa discussão, intenta-se realizar um encontro possível entre as duas concepções, a fim de recuperar o equilíbrio na definição de cultura, para além dos reducionismos, das polarizações ou das generalizações presentes nessas teorizações. Ressalta-se que o ensaio não adota um enfoque antropológico stricto sensu, mas parte de formulações gerais dessas vertentes mencionadas. Ao final, apresenta-se o entendimento de cultura não apenas em sua dimensão simbólica, discursiva, subjetiva e subjetivante, mas também em sua dimensão material, econômica, política e social.
Article
Full-text available
Apresenta amplo panorama sobre o surgimento, a constituição e o desenvolvimento dos Estudos Culturais como área multifacetada de estudos que concebe a cultura como campo de luta e arena política. Suas conexões e embates com os marxismos, os feminismos e sua oposição ao racismo são focalizados, bem como suas aproximações e cruzamentos, com vertentes teóricas e tendências metodológicas. Apresenta um esboço do seu desenvolvimento na América Latina, com especial ênfase à identificação das temáticas mais abordadas e dimensões mais freqüentemente polemizadas. Ressalta, nesse caso, sua profunda imersão em questões culturais do continente, tais como a tensão local-global, a hibridação de identidades, as audiências, dentro de uma crescente multiplicidade temática. A partir do panorama desenhado, são discutidas as relações entre Estudos Culturais, educação e pedagogia, exemplificando-se com um breve esboço da pluralidade de trabalhos já realizados em nosso país dentro desse campo, assim como através de uma reflexão específica sobre a articulação entre os Estudos Culturais e a escola.
let all. -Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasilia: Representacao da UNESCO no Brasil
  • . Traducao Adelaine La Guardia Resende
Traducao Adelaine La Guardia Resende... let all. -Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasilia: Representacao da UNESCO no Brasil, 2003.
Sentir, saber, tornar-se: estudo semiótico do percurso entre o sensório e a identidade narrativa
HARKOT-DE-LA-TAILLE, E. Sentir, saber, tornar-se: estudo semiótico do percurso entre o sensório e a identidade narrativa. São Paulo, 2013, Tese de Livre Docência.
Literature, culture and society. 2 ed. Londres & Nova Yorque: Routledge
  • Andrew Milner
MILNER, Andrew. Literature, culture and society. 2 ed. Londres & Nova Yorque: Routledge, 2005.
Onde estão os Cultural Studies?
  • Bill Schwarz
SCHWARZ, Bill. Onde estão os Cultural Studies? Revista de Comunicação e Linguagens, Universidade Nova de Lisboa, n°28, out, 2000.
Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial: refletindo sobre o pensamento crítico
  • Referência
  • Alisson Estudos Souza
  • Culturais
Referência para citação deste artigo SOUZA, Alisson. Estudos Culturais, Estudos Literários e Discussão Pós-Colonial: refletindo sobre o pensamento crítico. Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte, Porto Alegre, volume 1, número 2, p. 22 41, outubro de 2019.
Imagens de si no Discurso: a construção do ethos
  • R Amossy
AMOSSY, R. Imagens de si no Discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.
A formação de um intelectual diaspórico
  • Stuart Hall
HALL, Stuart. A formação de um intelectual diaspórico. In: Da diáspora: Identidades e mediacoes culturais / Stuart Hall; Organizacao Liv Sovik;