ArticlePDF Available

Abstract

Resumo No Brasil e no mundo, uma das frentes ainda pouco exploradas no contexto da Educação a Distância (EaD) é o desenvolvimento das pesquisas sobre a modalidade. Assim, com o objetivo de sistematizar elementos discutidos na literatura sobre a Educação a Distância, este texto procura fomentar respostas a questões norteadoras sobre o assunto: Que relações podem ser, atualmente, estabelecidas entre pesquisa e a modalidade Educação a Distância? Como está, atualmente, o campo investigativo sobre a EaD? Qual a agenda de pesquisa da EaD na contemporaneidade? Conclui-se que as pesquisas sobre EaD e a própria modalidade passam por redefinições, sobretudo de cariz metodológico, indicando aproximações entre a agenda de pesquisas sobre a EaD e a própria área de estudo. Observou-se também uma melhor organização desta agenda de pesquisa sobre a EaD, municiada pelas tecnologias digitais de informação e comunicação e pela grande quantidade de grupos de pesquisa envolvidos com a temática. Embora ainda
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
79
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
Subsídios para a Educação a Distância como Campo Investigativo
Daniel Mill
mill@ead.ufscar.br
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) Universidade de
Coimbra, Portugal
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Brasil
Sara Dias-Trindade
sara.trindade@uc.pt
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20)/ Faculdade de Letras
(DHEEAA), Universidade de Coimbra, Portugal
J. António Moreira
jmoreira@uab.pt
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20), Universidade de
Coimbra
Universidade Aberta, Portugal
Resumo
No Brasil e no mundo, uma das frentes ainda pouco exploradas no contexto da
Educação a Distância (EaD) é o desenvolvimento das pesquisas sobre a
modalidade. Assim, com o objetivo de sistematizar elementos discutidos na literatura
sobre a Educação a Distância, este texto procura fomentar respostas a questões
norteadoras sobre o assunto: Que relações podem ser, atualmente, estabelecidas
entre pesquisa e a modalidade Educação a Distância? Como está, atualmente, o
campo investigativo sobre a EaD? Qual a agenda de pesquisa da EaD na
contemporaneidade? Conclui-se que as pesquisas sobre EaD e a própria
modalidade passam por redefinições, sobretudo de cariz metodológico, indicando
aproximações entre a agenda de pesquisas sobre a EaD e a própria área de estudo.
Observou-se também uma melhor organização desta agenda de pesquisa sobre a
EaD, municiada pelas tecnologias digitais de informação e comunicação e pela
grande quantidade de grupos de pesquisa envolvidos com a temática. Embora ainda
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
80
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
existam muitos aspectos da EaD nas sombras, por serem elucidados
cientificamente, são positivas as perspectivas investigativas da área, pois ela tem se
mostrado como campo fértil para estudos e pesquisas, evoluindo muito
aceleradamente.
Palavras-Chave: Educação a Distância; Pesquisa em EaD; Produção científica.
Abstract
Both in Brazil and worldwide, one of the fronts still little explored in the context of
Distance Education is the development of research on this modality. Therefore, with
the aim of systematizing elements discussed on literature on Distance Education, this
text seeks to foster answers on the subject: What relationships can be currently
established between research and the Distance Education modality? Currently, how
is the research field on Distance Education? What is the contemporary research
agenda of Distance Education? The analysis shows that the research on Distance
Education and the modality itself has been going through redefinitions, mainly
methodological, indicating approximations between the research agenda on Distance
Education and the area of study itself. It was also possible to observe a better
organization of this research agenda, powered by digital technologies of information
and communication and by the great amount of research groups involved with the
subject. Although there are still many aspects of Distance Education in the shadows,
to be scientifically elucidated, the research perspectives of this area are positive, as it
has proved to be a fertile field for studies and research, evolving very rapidly.
Keywords: Distance Education; Research in Distance Education; Scientific
Production.
Aproximações sobre Pesquisa e Educação a Distância
A proposta deste texto é lançar luzes sobre as relações atuais entre os campos da
“Pesquisa” e da “Educação a Distância”, o que pode ser representado pelos
seguintes questionamentos:
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
81
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
Que relações podem ser, atualmente, estabelecidas entre pesquisa e a
modalidade Educação a Distância?
Como está, atualmente, o campo investigativo sobre a Educação a
Distância?
Qual a agenda de pesquisa da Educação a Distância na
contemporaneidade?
Seja em análises individualizadas ou articuladas entre si, essas duas
temáticas (pesquisa e Educação a Distância) o centrais para uma reflexão
profícua para entendimento do campo de estudo da Educação a Distância (EaD).
Sabe-se que a compreensão da agenda de pesquisa de um determinado campo do
conhecimento indica o estágio de desenvolvimento do conhecimento científico da
área (MILL & OLIVEIRA, 2014). Assim, o entendimento das bases científicas da
modalidade de EaD passa pela compreensão das investigações que têm sido
desenvolvidas na área. Nesse sentido, desejamos aqui lançar alguma luz sobre a
agenda de pesquisa sobre EaD.
A recente e súbita expansão da EaD, com diferenciadas propostas
pedagógicas e organizacionais, se coloca como fértil terreno para investigações. O
crescimento de ações educacionais a distância no Brasil e no exterior,
especialmente na última década, vem sendo muito discutido, especialmente com
atenção aos aspectos pedagógicos. Todavia, os aspectos investigativos sobre o
fenômeno educativo no âmbito da EaD ainda são lacunares, especialmente devido
aos desafios e oportunidades postos pelos mais recentes avanços das tecnologias
digitais de informação e comunicação (TDICs). Seguramente, podemos firmar que
uma das facetas ainda pouco exploradas em torno da EaD é analisar o crescimento
das pesquisas sobre a modalidade no Brasil e no mundo. Assim, para desenvolver a
reflexão deste artigo, perguntamo-nos sobre qual é a constituição de uma agenda de
pesquisas científicas sobre a Educação a Distância.
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
82
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
Imersos nesse cenário e motivados por diferentes questões, temos envidado
esforços, para aproximar as áreas da EaD e da pesquisa. Entendemos que esta
aproximação EaD+Pesquisa pressupõe, antes, a compreensão do objeto de estudo
em sua complexidade, considerando que os fenômenos humanos repousam sobre a
multicausalidade (LAVILLE & DIONNE, 1999, p.41). Desta forma, na intenção de
melhor compreender a pesquisa em EaD, propomos esta reflexão, investindo
atenção ao desenvolvimento e constituição da área de pesquisa.
Algumas notas sobre a concepção de Educação a Distância e o seu
campo de pesquisa
Tendo a pesquisa como componente necessário para a construção de conhecimento
de uma área específica, desejamos apontar neste texto questões relevantes, que
nos auxiliam na melhor compreensão dos processos que temos experimentado na
consolidação da EaD como modalidade e como campo de pesquisa. Conforme
indicam Mill e Oliveira (2014), embora a importância da pesquisa seja reconhecida,
parece que ainda estamos tateando entre as limitações pertinentes ao campo da
EaD, como o tipo de pesquisa, os modelos e quadros teóricos, os cuidados teórico-
metodológicos, a finalidade das pesquisas da área etc..
Como argumentam alguns autores, quando consideramos apenas estudos
na área educacional, “grande parte das pesquisas [realizadas sobre EaD até
recentemente, em vários países] usou relatos, questionários do tipo survey,
entrevistas e instrumentos de autorrelato com amostras relativamente pequenas”
(RUDESTAM & SCHOENHOLTZ-READ, 2002, p. 12, tradução nossa). Também
indicam que os esforços voltaram-se, nas primeiras pesquisas sobre EAD, para a
comparação entre educação virtual e tradicional, demonstrando que há poucas
diferenças na satisfação e na qualidade da experiência de ensino-aprendizagem.
Ademais, vale ressaltar que “parece claro que a EaD não reivindica uma
epistemologia específica, diferenciada da da Educação e da de outros campos de
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
83
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
conhecimento das ciências humanas e sociais [...] que a fundamentam”
(STRUCHINER & CARVALHO, 2014, p.128).
Nesse contexto, consideramos importante tomar algumas notas sobre a
noção de Educação a Distância. Na próxima seção, apresentamos alguns elementos
definidores desta modalidade educacional para, em seguida, buscarmos
aproximações entre a pesquisa e a EaD.
Algumas notas sobre a concepção de Educação a Distância e o seu
campo de pesquisa
Numa acepção mais ampla, a Educação a Distância pode ser definida como uma
modalidade de educação, também conhecida pela sigla EaD, no feminino (MILL, 2018).
Trata-se de uma modalidade que apresenta como característica essencial a proposta
de ensinar e aprender sem que professores e alunos precisem estar no mesmo local
ao mesmo tempo. Particularmente nas últimas décadas, a Educação a Distância
(EaD) tem sido acolhida como modalidade de apoio a políticas públicas de formação
de professores, gestores e cidadãos em geral. Isto é, a EaD tem sido considerada uma
forma alternativa e complementar para a formação do cidadão (no Brasil e no mundo)
e tem se mostrado bastante rica em potenciais pedagógicos e de democratização do
conhecimento (MILL & MACIEL, 2013; KENSKI, 2013). Apesar da sua recente
popularidade e expansão, a noção de Educação a Distância ainda não é clara para
muitas pessoas, sendo por vezes adotadas concepções contraditórias e/ou
equivocadas em pesquisas e práticas pedagógicas envolvendo a modalidade.
Moore e Kearsley (2008) dizem que a ideia de EaD é muito simples: alunos
e professores estão em locais diferentes durante todo ou grande parte do tempo em
que aprendem e ensinam, comunicando-se por meio de tecnologias diversas.
Porém, ressaltam que, “quando começamos a pensar a respeito de todas as
implicações do distanciamento entre alunos e professores, uma ideia que em
princípio parece muito simples se torna, na realidade, muito complicada” (MOORE &
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
84
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
KEARSLEY, 2008). Desta forma, entendemos que a modalidade de Educação a
Distância, também conhecida pela sigla EaD, constitui-se um terreno fértil e complexo,
seja em termos teóricos ou práticos, o que justifica um melhor detalhamento do campo
e do termo. Assim, partimos do questionamento básico de uma definição
terminológica: O que é a Educação a Distância (EaD)? O que dizer da raiz
etimológica do termo? Quais são as principais características desta modalidade? O
que a constitui?
Apesar da dificuldade de estabelecer uma definição consensual para o
termo Educação a Distância, pode-se indicar alguns aspectos e/ou características
mais recorrentes na maioria das definições. Ainda hoje, carência de pesquisas
científicas mais detalhadas sobre os fundamentos desta modalidade.
aproximadamente 30 anos, Holmberg (1985) estabeleceu algumas bases e
fundamentos da EaD, firmando seus alicerces em teorias da comunicação e da
interação. Para esse autor, a expressão “Educação a Distância” abarca distintas
formas de estudo e envolve atividades realizadas sob a supervisão (contínua ou
não) de tutores/educadores, presentes com seus alunos em sala de aula, sem
dispensar os benefícios do planejamento, acompanhamento e orientação de uma
organização tutorial pedagogicamente bem estruturada. Nesse sentido, vale resgatar
a contribuição de Moreira (2018), em que apresenta alguns modelos pedagógicos
para configurar o ensino-aprendizagem por meio de tecnologias digitais, como forma
de organizar a formação a distância. Nesse texto, o autor sistematiza propostas de
estruturação de modelos pedagógicos virtuais de melhor qualidade, especialmente
pela mediação e interação entre os sujeitos envolvidos, pelos aspectos
metodológicos, organizacionais, tecnológicos e de conteúdos. Assim, a construção
coletiva e colaborativa do conhecimento pode se fazer de modo síncrono ou
assíncrono, possibilitando maior flexibilidade ao processo de ensino-aprendizagem
(MILL, 2014).
No mesmo sentido, Moore e Kearsley (2008) afirmam que a EaD é o
aprendizado planejado que ocorre, normalmente, em um lugar diferente do local do
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
85
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
ensino. Desta forma, pode-se dizer que a Educação a Distância caracteriza-se,
fundamentalmente, pela separação física (espaçotemporal) entre aluno e professor,
bem como pela intensificação do uso de Tecnologias de Informação e Comunicação
(especialmente as tecnologias digitais) como mediadoras da relação ensino-
aprendizagem. Keegan (1996) identificou como elementos-chave do ensino-
aprendizagem a distância: existência de distância física entre professores e alunos,
adoção de mídias para interligar professores e alunos, processos de comunicação
bidirecionais, organização educacional diferenciada e peculiar e maior atenção aos
educandos, que devem ser vistos como sujeitos individuais (antes do coletivo de
estudantes). Além disso, segundo Moore e Kearsley (2008), a noção de EaD
subentende a adoção de técnicas especiais na criação do curso e no
acompanhamento dos estudantes, envolvendo processos de instrução, comunicação
por meio de várias tecnologias e disposições pedagógicas, organizacionais e
administrativas especiais.
De modo geral, pode-se dizer que todos os aspectos envolvidos no ensino-
aprendizagem da EaD são praticamente os mesmos da educação presencial,
estruturados num processo dialético, de modo articulado, complementar e dinâmico.
Ocorre que essa base diluída e fluída da Educação a Distância organiza-se em
espaços e tempos redimensionados, distintos daqueles que regiam (e ainda regem)
a tradicional organização escolar. Assim, a interlocução é possibilitada tanto por
suportes tecnológicos para comunicação síncrona/simultânea (como em
webconferências, salas de bate-papo etc.), quanto para comunicação
assíncrona/diferida (a exemplo de fóruns, ferramentas para edição de textos web e
e-mails). Como argumentam Moore e Kearsley (2008), geralmente o processo
comunicacional no ensino-aprendizagem na EaD se realiza mediante textos
impressos, por meios eletrônicos, mecânicos ou por outras técnicas especiais
capazes de superar as limitações espaçotemporais do diálogo entre docentes e
discentes. O Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação brasileiro
caracteriza a Educação a Distância como modalidade educacional na qual a
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
86
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com
a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e
docentes desenvolvendo atividades educativas em lugares e/ou tempos diversos
(BRASIL, 2016).
A definição de Educação a Distância pressupõe o esclarecimento de alguns
pontos elementares, que influenciam diretamente na sua terminologia ou acepção e,
também, condicionam e são influenciados pela prática pedagógica a distância (MILL,
2018). Primeiramente, a Educação a Distância é uma modalidade, um modo de
ensino-aprendizagem que perpassa todos os níveis do sistema educacional brasileiro
(educação básica ou superior) e pode ser articulada com outras modalidades de
ensino. Sendo um modo particular de organizar o ensino-aprendizagem, a EaD possui
características próprias e diversas. Por isso, quem pensa e faz EaD deve considerar
diferentes tipos de organização e configuração de ensinar e de aprender o que gera
uma profusão terminológica para definir o ensino-aprendizagem nesta modalidade,
tais como: educação virtual, educação online, ensino online, e-learning, blended-
learning (educação híbrida), aprendizagem aberta a distância, educação ubíqua,
ensino a distância, educação móvel, entre outros termos. Assim, existem diferentes
tipos de configuração de ensino-aprendizagem a distância, mas o termo Educação a
Distância (ou EaD) refere-se à modalidade maior, que abarca esses outros tipos de
organização do processo de ensino-aprendizagem.
Segundo ponto importante a considerar: no Brasil, a Educação a Distância é
uma modalidade educacional prevista formal e legalmente. Assim como as
modalidades de Educação Presencial, Educação de Jovens e Adultos, Educação
Profissional e Tecnológicas, entre outras, a EaD está prevista na atual Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9.394/1996) (BRASIL, 1996). Como
tal, a EaD possui um arcabouço legal que a regulamenta, orienta e suporta, tanto em
nível macro, meso e micro. Assim, a definição de EaD (e também a investigação
sobre a modalidade) deve considerar suas bases legais ou marco regulatório.
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
87
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
Ponto terceiro: como indicado em Mill (2012; 2018), com frequência a sigla
EaD tem sido tomada indistintamente como representação dos termos educação a
distância, ensino a distância ou ainda como aprendizagem a distância (e-learning),
tanto na literatura sobre EaD, na prática cotidiana dos educadores de EaD, quanto
entre os pesquisadores interessados nessa seara do conhecimento. Nesse sentido, a
realização de melhores propostas de pesquisa sobre o tema requer claro
entendimento da noção de EaD como “educação”, e não somente como “ensino” ou
“aprendizagem”. Por exemplo, a visão de EaD pode estar mais apoiada numa visão
tradicional e ser tomada como ensino a distância, na qual o foco geralmente está na
emissão de conteúdos, no professor e no ato de ensinar. Subentende-se, nesta
noção, certa despreocupação com a aprendizagem e o estudante. Por outro lado, o
termo EaD deveria ser entendido como educação a distância: agrega-se a ele uma
visão de maior interatividade e interação entre educador e educandos, destacando
mais o processo de ensino-aprendizagem, o estudante e a construção compartilhada
do conhecimento, possível pelas interações dialógicas entre os diferentes
participantes desse processo. Enfim, devemos falar em EaD no feminino, referindo-
nos à Educação a Distância.
Um quarto ponto que embasa o conceito de EaD, que também deve ser
considerado por pesquisadores da área, é o seu processo de evolução ao longo da
sua história. A EaD passou por algumas gerações, caracterizadas pelos tipos de
tecnologias adotadas para o processo de comunicação e interação entre educadores
e educandos. Em experiências mais antigas, isso dava-se por meio de
correspondências e, posteriormente, foram sendo agregadas outras tecnologias de
informação e comunicação, tais como o rádio, a televisão, o satélite, a internet etc.
Portanto, fazer um estudo sobre a Educação a Distância no século XX, por exemplo,
deve considerar as condições tecnológicas, comunicacionais e culturais daquela
época ― que, naturalmente, distinguem-se das condições postas atualmente, quando
experimentamos elementos típicos da cultura digital (KENSKI, 2018) e da sociedade
grafocêntrica digital (MILL & JORGE, 2018).
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
88
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
Como afirmou Belloni (2012), a importância da EaD no contexto atual,
objetivada no seu expressivo crescimento, é parte de um processo de inovação
educacional maior, particularmente da integração das tecnologias digitais de
informação e comunicação no seio educacional. Para ela, novos formatos de EaD
vão aparecendo, relacionados com as novas tecnologias de informação e
comunicação, cujas potencialidades comunicacionais apontam para novos tipos de
aprendizagem mais abertas e mais flexíveis. Nesse sentido, a noção de EaD deve
levar em conta o período histórico considerado e as tecnologias da época. Isto
relaciona-se diretamente com os tipos de configuração do ensino-aprendizagem na
modalidade, descritos no parágrafo acima. Por exemplo, não é possível falarmos
em EaD do tipo Educação virtual ou Educação online sem considerar as tecnologias
digitais de informação e comunicação. São questões marcantes para pesquisadores
desejosos de maior coerência em seus estudos.
Em suma, a modalidade de EaD deve ser entendida como processo
planejado e não acidental de aprendizado e ensino que ocorre, normalmente, em um
lugar e momento distinto para estudantes em relação aos educadores, tendo como
formas de interação as diversas tecnologias digitais de informação e comunicação
(MOORE & KEARSLEY, 2008; PETERS, 2004). Tendo em conta essas
características da modalidade de Educação a Distância, sua importância e
possibilidades, alguns grupos de pesquisas têm surgido nos últimos anos por todo o
mundo, com foco em diversas áreas e perspectivas, sejam elas mais pedagógicas,
tecnológicas, corporativas etc..
A pesquisa no seio da Educação a Distância
Como argumentou Santos (2001), é importante cultivarmos uma progressiva
aproximação entre ensino e pesquisa. Para Carmo (2014), a agenda de investigação
no domínio da EaD tem crescido no sentido de retirar esse campo de um certo
isolamento em que andava, tornando-o um objeto de estudo atual e desejável. Além
disso, como afirmam Simonson et al. (2009), geralmente a agenda de pesquisas em
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
89
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
determinada área caminha articulada com a evolução da própria área de estudo.
Nesse sentido, cabe novamente questionar: que articulação podemos perceber entre
a evolução da EaD e as investigações da área em cada fase evolutiva? A agenda de
pesquisa da EaD segue tendência distinta ou similar à tendência adotada por
agendas de outros campos da educação?
A pesquisadora Vani Kenski vem coordenando uma investigação sobre os
Grupos de Pesquisa brasileiros que investigam a EaD (KENSKI, 2017; KENSKI et
al., 2018). Entre outros achados, o seu estudo verificou que a EaD brasileira tem
campo próprio e não se limita aos campos históricos de pesquisa da área Educação.
A título de exemplo, observa-se que, nas últimas décadas, as pesquisas em
Educação passam por significativa expansão, qualitativa e quantitativa, tanto em
relação às temáticas abarcadas quanto às formas de abordagem. O referido estudo
revelou a existência de grande número de grupos que se dedicam ao estudo da
temática EaD no Brasil. Assim, o levantamento inicial realizado no Diretório de
Grupos de Pesquisa do CNPq mostra que a EaD tem crescido bastante, também
como foco de interesse de pesquisadores de todo o país, sobretudo nesta segunda
década do século XXI. Observou-se que existem Grupos de Pesquisa de todas as
grandes áreas do conhecimento (exatas, humanas, saúde, etc.) e distribuídos por
todo o território brasileiro, vinculados a diversas instituições de ensino superior
públicas e privadas de todas as regiões do país e distribuídas por com objetivos e
finalidades diversas de pesquisa.
Para Gatti (2001), a expansão do ensino superior e da s-graduação na
segunda metade dos anos 1980 e início dos anos 1990, juntamente às experiências
científicas que pesquisadores trouxeram de outros países para as universidades
brasileiras, estimulou a diversificação dos trabalhos científicos. Para a autora, as
transformações iniciadas desde então também foram influenciadas pelas
orientações/avaliações sistemáticas dos órgãos de fomento à pesquisa e, disso,
decorreu substancial amadurecimento de grupos de investigação com diferentes
focos. A aparição da modalidade na legislação educacional, acrescida de intenso
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
90
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
desenvolvimento tecnológico e de experiências mais robustas de cursos a distância,
levou ao amadurecimento da área e à emergência de grupos de pesquisa, com
interesse nos mais diversos aspectos e perspectiva. Além desses, certamente outros
fatores estão envolvidos na constituição dos grupos de pesquisa, inclusive aqueles
interessados na EaD. Nesse sentido, vale retomar o argumento de Struchiner e
Carvalho (2014), que afirmam que a EaD está situada em um campo multidisciplinar
de saberes e práticas e, portanto, não reivindica uma epistemologia própria.
Diversas áreas têm contribuído para a consolidação da EaD como modalidade e
como campo de pesquisa.
Assim, podemos sugerir que, nesse início do século XXI, a pesquisa em
EaD também está vivendo seu mais intenso momento de amadurecimento. Como
observam Simonson et al. (2009), as investigações sobre EaD passam por
redefinições, do mesmo modo que é redefinida a própria modalidade, indicando que
a agenda de pesquisas na área da EaD também caminha articulada com a evolução
da própria área de estudo. Para Mill e Oliveira (2014), a maturidade das pesquisas
em EaD, no caso brasileiro, coincide também com a expansão da modalidade e a
emergência das TDIC, com o surgimento de grupos de pesquisa mais sólidos
preocupados ou interessados em melhor compreensão das particularidades da EaD,
com a crescente aparição da temática EaD na composição das linhas de pesquisa
de diversos Programas de Pós-Graduação de todo o país e com tradição
consagrada.
Logo na introdução do seu Handbook of Distance Education, Moore (2007)
argumenta que o ambiente de gradual amadurecimento da compreensão sobre a
modalidade impulsiona a EaD cada vez mais a se tornar parte da noção central em
experiências e estudos.
Um número crescente de estudantes está à procura de oportunidades para
estudos acadêmicos na área e um número crescente de instituições
educacionais está oferecendo programas de formação em EaD,
nomeadamente no nível de pós-graduação. Evidência disto, por exemplo,
pode ser vista no aumento do número de teses de doutorado, que incluem
os termos de educação a distância ou ensino a distância em seus títulos,
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
91
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
que, em média, numa estimativa mais modesta, chega a cerca de 100 a
cada ano desde o início da década (MOORE, 2007, p. ix ― tradução
nossa).
Para Struchiner e Carvalho (2014), as primeiras tentativas de sistematizar o
conhecimento e teorizar sobre as bases da EaD como modalidade e como campo de
pesquisa datam de meados da década de 60. Todavia, autores, como Zawacki-
Richter (2009), que defendem o trabalho de Holmberg (1985, 1987 e 1989) como
marco da estruturação teórica e epistemológica da EaD. Ao tratar da evolução da
agenda de pesquisa sobre a EaD, Simonson et al. (2009) afirmam que o foco das
pesquisas na área tem se aprofundado aos poucos.
O foco mudou para uma abordagem mais centrada no aluno. Pesquisadores
não estão apenas olhando para conquistas, mas também estão examinando
os atributos e percepções dos estudantes, bem como padrões de interação
e como estes contribuem para o ambiente integral de aprendizagem.
Embora haja interesse contínuo em tecnologia, o foco não é sobre qual
meio é melhor, mas em quais atributos do meio podem contribuir para uma
experiência de aprendizagem positiva (SIMONSON et al., 2009, p. 65 ―
tradução nossa).
Esse processo evolutivo dos estudos sobre EaD indica amadurecimento
metodológico e das perspectivas de análise da área. Indica também uma evolução
da agenda de pesquisa sobre a EaD, decorrente das tecnologias digitais, que têm
forçado a redefinição da modalidade (SIMONSON et al., 2009). Conforme Rudestam
e Schoenholtz-Read (2002), é grande e crescente o volume de estudos que visam
avaliar empiricamente os resultados e processos de Educação a distância ou on-
line. Nesse sentido, vale considerar os trabalhos de Gunawardena e McIsaac (2004)
e Garrison (2000).
Enfim, nos últimos anos, a EaD tem se mostrado como campo fértil para
estudos e pesquisas no Brasil e no exterior, saltando aos olhos alguns indícios de
que a agenda de pesquisas em EaD, tal como sugerem Simonson et al. (2009),
caminha articulada com a evolução da própria área de estudo. Isto é, a vultuosa
expansão da modalidade é acompanhada, por exemplo, pelo aumento na
quantidade de teses de doutorado sobre EaD; pela criação, reestruturação e
manutenção de redes de instituições e pesquisadores envolvidos com a modalidade
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
92
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
de EaD (UAB
1
, UNIREDE
2
, ABED
3
etc.), o que representam estratégias de
valorização e delimitação da área; pelo aumento na quantidade e qualidade de
eventos científicos, nacionais ou internacionais, institucionais ou interinstitucionais,
envolvendo a Educação a Distância, seja na área da Educação, computação, saúde,
administração ou outras.
Considerações finais
Em outras palavras, assim como sugerem Simonson et al. (2009), entendemos que,
nessas duas primeiras décadas do século XXI, as pesquisas sobre EaD e a própria
modalidade passam por redefinições, indicando aproximações entre a agenda de
pesquisas sobre a EaD e a própria área de estudo argumento também
apresentado por Moore (2007). Nesse sentido, recomenda-se atenção aos
elementos básicos da investigação no campo da EaD, anunciados por Holmberg
(1987), que sugeriu os seguintes pontos estruturais da pesquisa em EaD:
filosofia e teoria da EaD;
alunos a distância e seu meio, suas condições e motivações para estudo;
apresentação do objeto;
comunicação e interação entre os alunos e demais sujeitos envolvidos
(tutores, conselheiros, administradores, outros alunos etc.);
sistemas de educação a distância (EaD comparativa, tipologias, avaliação
etc.); administração e organização da EaD;
economia e financiamento da EaD; e
história da EaD.
Esses aspectos podem nortear a concepção de estudos sobre a EaD e
também indicam que são muitas e diversas as frentes da EaD ainda silenciadas
pelas investigações da área. Por isso, entendemos que os grupos de pesquisa, de
modo articulado e em rede, poderiam investigar maior número de questões
1
Universidade Aberta do Brasil. Saiba mais em: www.capes.gov.br/uab
2
Associação Universidade em Rede. Saiba mais em: www.aunirede.org.br
3
Associação Brasileira de Educação a Distância. Saiba mais em: www.abed.org.br
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
93
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
tangentes à modalidade. Por enquanto, pelas evidências observadas na
mencionada pesquisa brasileira coordenada por Kenski (2017), parece que ainda
não há sinergias e/ou articulações entre os grupos interessados em EaD, tendo cada
um deles realizado seus estudos isoladamente, duplicando e reinventando focos de
pesquisa, estratégias metodológicas etc.
Do ponto de vista teórico-científico, como recomendação a pesquisadores
interessados no desvelamento de aspectos da EaD, destacamos elementos ainda
carentes de reflexões mais aprofundadas, que compõem (ou deveriam compor) a
agenda investigativa da área:
Desvelar a agenda de pesquisa da área;
Identificar, caracterizar e documentar pesquisas sobre EaD;
Caracterizar os fundamentos epistemológicos da EaD em cada área do
conhecimento;
Desvelar características da comunidade epistêmica da EaD constituída
atualmente em cada área;
Fomentar a criação de redes de pesquisadores, com vistas à inserção
internacional da EaD brasileira;
Promover e fomentar intercâmbios científicos, nacionalmente e no
exterior, com estudos coletivos, eventos luso-brasileiros, publicações
conjuntas etc.;
Constituir, embasar e fortalecer a modalidade de EaD como área do
conhecimento;
Evidenciar possíveis particularidades dos temas da área, lançando luz
sobre as tendências, lacunas, recorrências e saturação dos estudos da
área;
Valorizar a investigação como estratégia de melhoria da qualidade do
ensino-aprendizagem na EaD; e
Mapear e socializar possíveis estratégias/protocolos/indicadores especiais
típicos de investigações desta interdisciplinar área do conhecimento.
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
94
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
Enfim, a proposição deste ensaio teórico foi fazer um movimento de lançar
luzes sobre as relações atuais entre os campos da “Pesquisa” e da “Educação a
Distância”. Acreditamos ter contribuído com alguns achados, especialmente
apontando que houve um claro processo evolutivo qualiquantitativo dos estudos
sobre EaD, especialmente nas duas últimas décadas, com perceptível
amadurecimento metodológico e das perspectivas de análise das produções
científicas da área; registrando ainda que as pesquisas sobre EaD e a própria
modalidade passam por redefinições, indicando aproximações entre a agenda de
pesquisas sobre a EaD e a própria área de estudo; e observando também uma
melhor organização da agenda de pesquisa sobre a EaD, municiada pelas
tecnologias digitais de informação e comunicação e pela grande quantidade de
grupos de pesquisa envolvidos com a temática. Embora ainda existam muitos
aspectos da EaD nas sombras, por serem elucidados cientificamente, são positivas
as perspectivas investigativas da área, pois ela tem se mostrado como campo fértil
para estudos e pesquisas; um campo em acelerada evolução, em diversas
perspectivas.
De modo sumário, com esse ensaio teórico-exploratório resultante de
revisão de literatura, esperamos ter contribuído para melhor entendimento da
aproximação pesquisa+EaD. Resta o nosso convite aos investigadores interessados
em contribuir para esta reflexão, na perspectiva da metapesquisa (pesquisar sobre
pesquisas) em torno da Educação a Distância.
Bibliografia
BELLONI, M. L. Educação a Distância. 6.ed., Campinas: Autores Associados.
2012.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Ministério da Educação. Resolução nº 1,
de 11 de março de 2016. Estabelece Diretrizes e Normas Nacionais para a Oferta de
Programas e Cursos de Educação Superior na Modalidade a Distância. Brasília,
2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2016-pdf/35541-res-
cne-ces-001-14032016-pdf/file
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
95
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional. Brasília: D.O.U. n° 24 de 23.12.96, 1996. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm
CARMO, H. A pesquisa em EaD nos últimos cinco anos: a agenda internacional. In:
REALI, A.; MILL, D. (org.). Educação a Distância e tecnologias digitais. São
Carlos: EdUFSCar, 2014. p.57-68.
GARRISON, R. Theoretical challenges for distance education in the 21st century: a
shift from structural to transactional issues. International Review of Research in
Open and Distance Learning, v.1, n.1, 2000.
GATTI, B. A. Implicações e perspectivas da pesquisa educacional no Brasil
contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, n. 113, p. 65-81, 2001.
GUNAWARDENA, C.N.; MCISAAC, M.S. Distance education. In: JONASSEN, D.H.
(Ed.). Handbook of research for educational communications and technology. 2.ed.,
Mahwah: Erlbaum, 2004. p.355-396.
HOLMBERG, B. Educación a distancia: situación y perspectivas. Buenos Aires:
Kapeluz, 1985.
HOLMBERG, B. The development of distance education research. The American
Journal of Distance Education, v. 1, n. 3, p. 16-23, 1987.
HOLMBERG, B. Theory and practice of distance education. Londres: Routledge,
1989.
KEEGAN, D. Foundations of distance education. 3rd ed. London: Routledge,
1996.
KENSKI, V. (org.). Grupos que pesquisam EAD no Brasil. São Paulo: ABED, 2017.
eBook. Disponível em:
http://abed.org.br/congresso2017/Grupos_que_pesquisam_EAD_no_Brasil.pdf
KENSKI, V. Cultura Digital. [Verbete]. In: MILL, D. (Org.). Dicionário Crítico de
Educação e Tecnologias e de Educação a Distância. Campinas: Papirus, 2018. p.
139-144.
KENSKI, V. Tecnologias e ensino presencial e a distância. 9.ed. Campinas:
Papirus, 2013. 157p.
KENSKI, V.; MEDEIROS, R.A.; ORDEAS, J. Grupos que pesquisam EaD no Brasil:
primeiras aproximações. In: MILL, D.; SANTIAGO, G.; PINO, D. Educação,
Tecnologias e Cultura digital: reflexões sobre o ensino-aprendizagem presencial e
a distância. São Paulo: Artesanato Educacional, 2018.
LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do Saber. Porto Alegre: Artmed; Belo
Horizonte: Editora UFMG, 1999.
MILL, D. (Org.). Dicionário Crítico de Educação e Tecnologias e de Educação a
Distância. Campinas: Papirus, 2018. p. 585-589.
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
96
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
MILL, D. Docência virtual: uma visão crítica. Campinas: Papirus. 2012
MILL, D. Educação a Distância. [Verbete]. In: MILL, D. (Org.). Dicionário Crítico de
Educação e Tecnologias e de Educação a Distância. Campinas: Papirus, 2018. p.
585-589.
MILL, D.; JORGE, G.; Sociedade Grafocêntrica Digital. [Verbete]. In: MILL, D. (Org.).
Dicionário Crítico de Educação e Tecnologias e de Educação a Distância.
Campinas: Papirus, 2018. p. 585-589.
MILL, D.; MACIEL, C. (Orgs.). Educação a Distância: elementos para pensar o
ensino-aprendizagem contemporâneo. Cuiabá: EdUFMT, 2013.
MILL, D.; OLIVEIRA, M.R. A Educação a Distância em pesquisas acadêmicas: uma
análise bibliométrica em teses do campo educacional. Educar em Revista, p.15-36,
2014. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/educar/article/view/38642. Acesso em: 01
fev. 2017.
MILL, D. Flexibilidade educacional na cibercultura: analisando espaços, tempos e
currículo em produções científicas da área educacional. RIED Revista
Iberoamericana de educación a distancia, v. 17, n. 2, pp. 97-126. Madrid: julho,
2014. Disponível em:
<https://ried.utpl.edu.ec/sites/default/files/files/file/archivo/volumen17-2/ried17-2.pdf>.
Acesso: 14 set. 2018.
MOORE, M. G.; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São
Paulo: Thompson, 2008.
MOORE, M. Handbook of Distance Education. 2. ed. Mahwah/New Jersey: LEA,
2007.
MOREIRA, J. A. Modelos pedagógicos virtuais no contexto das tecnologias digitais.
In: MILL, D.; SANTIAGO, G.; SANTOS, M.; PINO, D. Educação a Distância:
dimensões da pesquisa, da mediação e da formação. São Paulo: Artesanato
Educacional, 2018.
PETERS, O. A educação a distância em transição: tendências e desafios. São
Leopoldo, RS: Unisinos, 2004.
RUDESTAM, K. E.; SCHOENHOLTZ-READ, J. (Orgs.). Handbook of online
learning: innovations in higher education and corporate training. California: Sage,
2002.
SANTOS, L. L. Dilemas e perspectivas na relação entre ensino e pesquisa. In:
ANDRE, M. O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. 9.
ed. Campinas: Papirus, 2001. p. 11-26.
SIMONSON, M.; SMALDINO, S.; ALBRIGHT, M.; ZVACEK, S. Research and
Distance Education. In: ______. Teaching and Learning at a Distance: foundations
of distance education. São Paulo: Pearson, 2009. p. 64-88.
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
97
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
STRUCHINER, M.; CARVALHO, R.A. Reflexões sobre os conceitos e fundamentos
de pesquisa em Educação a Distância. In: REALI, A.; MILL, D. (org.). Educação a
Distância e tecnologias digitais. São Carlos: EdUFSCar, 2014. p.57-68.
ZAWACKI-RICHTER, O. Research areas in distance education: a Delphi study. The
International Review of Research in Open and Distance Learning, v.10, n.3,
2009.
Sobre os autores
Daniel Mill
Professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).
Docente e gestor de Educação a Distância (EaD). Doutor em
Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com
pós-doutorado em Gestão Estratégica da EaD. Membro dos
Programas de Pós-Graduação em Educação e em Ciência,
Tecnologia e Sociedade. Líder do Grupo Horizonte (Grupo de
Estudos e Pesquisas sobre Inovação em Educação, Tecnologias e
Linguagens). Investigador no Grupo Humanidades Digitais do
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20-UC) da
Universidade de Coimbra. Pesquisador com interesse particular
pela interseção das temáticas: Trabalho Docente, Tecnologias,
Linguagens, Cognição e Educação a Distância. Entre suas
principais produções (artigos, livros e outros), está o Dicionário
Crítico de Educação e Tecnologias e de Educação a Distância,
lançado em 2018.
Sara Dias-Trindade
Doutorada em História Didática da História e Pós-Doutorada em
Tecnologias Educacionais e da Comunicação pela Universidade de
Coimbra. Professora auxiliar convidada no Departamento de
História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes da Faculdade de
Letras da Universidade de Coimbra. Investigadora no Grupo
Humanidades Digitais e no Núcleo de Estudos em Pedagogia no
Ensino Superior do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século
XX (CEIS20-UC) da Universidade de Coimbra, integrando,
atualmente, a equipa de coordenação do referido Centro. É também
investigadora na Unidade Móvel de Investigação em Estudos do
Local da Universidade Aberta e em vários grupos de pesquisa de
diferentes universidades brasileiras. Tem participado em diferentes
projetos internacionais relacionados com as Tecnologias Educativas
e com a Formação de Professores. As suas áreas de interesse e
investigação são as da Didática, da Formação de Professores, das
Tecnologias Educativas e do Cinema na Educação.
Volume 13 Nº 1 Janeiro / Abril de 2019
98
Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Escola de Belas Artes
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação LATEC/UFRJ
Grupo de Estudos de Representação Gráfica em Ambientes Virtuais - GERGAV
J. António Moreira
Doutorado e Mestre em Ciências da Educação pela Universidade
de Coimbra (UC). Licenciado em História da Arte pela UC e Pós-
Doutorado em Tecnologias Educacionais e da Comunicação
também pela UC. Possui Curso de Mestrado em Multimédia pela
Universidade do Porto. É Professor Auxiliar, de nomeação definitiva,
no Departamento de Educação e Ensino a Distância (DEED) da
Universidade Aberta (UAb). Atualmente é Diretor da Delegação
Regional do Porto da UAb e Coordenador da Unidade de
Desenvolvimento dos Centros Locais de Aprendizagem (UMCLA)
da mesma universidade. É Coordenador Científico da Unidade
Móvel de Investigação em Estudos do Local (ELO) da UAb e
investigador no Grupo de Políticas e Organizações Educativas e
Dinâmicas Educacionais (GRUPOEDE) do Centro de Estudos
Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da UC e no Laboratório de
Educação a Distância e eLearning (LE@d) da UAb. É Coordenador
do Núcleo de Estudos de Pedagogia do Ensino Superior, sediado
no CEIS20 da UC.
Revista EducaOnline Volume 13, Nº 1, Janeiro/Abril de 2019. ISSN: 1983-2664. Este artigo foi
submetido para avaliação em 27/02/2019. Aprovado para publicação em 01/03/2019.
... Tais ações passaram por transformações em suas formas de execução, devido à expansão e o aprimoramento das tecnologias digitais (Raymond, Alena, Clarke & Klein, 2014;Bell et al, 2017). As características fundamentais da EAD consistem na separação física entre aluno e professor, bem como na utilização massiva das tecnologias digitais como mediadoras da relação ensino-aprendizagem (Mill, Dias-Trindade & Moreira, 2019). ...
... Tais ações passaram por transformações em suas formas de execução, devido à expansão e o aprimoramento das tecnologias digitais (Raymond, Alena, Clarke & Klein, 2014;Bell et al, 2017). As características fundamentais da EAD consistem na separação física entre aluno e professor, bem como na utilização massiva das tecnologias digitais como mediadoras da relação ensino-aprendizagem (Mill, Dias-Trindade & Moreira, 2019). ...
Article
The effectiveness of e-learning in teacher education and training is an issue that, although not recent, proves to be a theoretical and practical challenge. Organizational change is related to the effects produced by the training, development and education of people programs that cause changes in the institution's processes, without configuring the fulfillment of organizational objectives. This research aimed to adapt and verify evidence of validity of the organizational change instrument in e-learning. The instrument was applied to 793 graduates of a teacher education course in the state of São Paulo and subsequently underwent descriptive, exploratory, and confirmatory analyses. The results showed evidence of construct validity and good fit of the model, with the instrument having its factor structures proven. The study is relevant due to the scarcity of instruments that measure this variable in the context of e-learning.
Article
Full-text available
Distance learning is a teaching strategy in higher education institutions (HEIs) as well as organizations and work (O& W). In this modality of instruction, the learning styles provide information for the improvement of instructional methods. Learning strategies are employed in virtual learning environments (VLEs) as a set of indispensable skills and abilities for student success. The objective of this study was to investigate the conceptual differences and similarities between strategies and learning styles through the convergent validation between instruments that evaluate such constructs. One hundred and thirty five students enrolled in a distance learning higher education course from a public university, taking part in this research online. The results indicated that the concept of learning strategies sometimes converges with the concept of learning styles, presenting low correlation indexes in the most part. Future researche should review the instruments from the discussions put forward in this study.
Book
Full-text available
Pesquisa realizada a distância de forma colaborativa com autoria por uma equipe formada por 38 pesquisadores de diferentes IES do Brasil. Todos se integraram e compartilharam online suas investigações sobre os grupos que desenvolvem pesquisas acadêmicas sobre "educação a distância" no Brasil. Foram estudados 329 grupos ativos e atualizados em 2016/2017 que estavam registrados no Diretório Geral de Pesquisas (DGP) do CNPq.
Article
Full-text available
Este artigo apresenta uma análise das relações entre os temas "Pesquisa" e "Educação a Distância" (EaD), buscando identificar as articulações entre a agenda de pesquisa sobre EaD e a evolução da área. Esta modalidade educacional tornou-se um fértil terreno para investigações, especialmente depois da sua recente expansão, decorrente do desenvolvimento das tecnologias digitais de informação e comunicação. Assim, foi feita uma análise bibliométrica das produções científicas (teses de doutorado em Educação), catalogadas pelo Grupo Horizonte (UFSCar). Foram identificadas 83 teses sobre EaD, que foram analisadas detalhadamente. Os dados indicaram que a aproximação entre EaD e pesquisa ainda é tímida, mas foram encontrados indícios de que, também na EaD, a agenda de pesquisas caminha articulada com a evolução da própria área de estudo. Observou-se que a quantidade de estudos sobre EaD tem aumentado nos últimos anos, em consonância com a recente expansão da EaD, indicando a redefinição ou emergência de um campo investigativo mais maduro. Todavia, ainda carecemos de estudos mais densos sobre muitos aspectos da modalidade.
Article
Full-text available
O texto analisa os principios da flexibilidade na educacao e aborda suas implicacoes na qualidade do ensino e da aprendizagem na Educacao a Distância (EaD). As categorias espaco, tempo e curriculo sao analisadas como elementos fundantes da flexibilidade, com base na virtualizacao das atividades humanas promovida pela emergencia da cibercultura. Primeiro, foi realizado um estudo teorico sobre flexibilidade educacional, conceituando termos, caracterizando seus elementos constitutivos, evidenciando sua importância para a melhoria do ensino e da aprendizagem. Depois, como trabalho de campo, a tematica foi mapeada em duas bases de publicacoes educacionais: 1.540 teses (doutorado) e 3.988 artigos (periodicos). Como resultado, as analises quali-quantitativas denunciaram a escassez de pesquisas voltadas para a compreensao da flexibilidade na EaD. Todavia, observamos que a estruturacao de modelos pedagogicos mais adequados a nossa epoca requer conhecimento aprofundado da maleabilidade pedagogica: onde (espaco), quando (tempo) e como (organizacao curricular) ocorre o ensino-aprendizagem na cibercultura?
Article
Full-text available
RESUMO Este artigo busca recuperar no tempo aspectos do desenvolvimento das pesquisas educacionais no Brasil, associando-os a conjunturas histórico-sociais. Trabalham-se algumas questões de teo-rias e métodos, hegemonias de grupos de investigação e questões institucionais. Ressalta-se o papel da década de 80, na qual vigorosos debates são travados, a partir dos quais vêm à luz problemas intrínsecos a procedimentos de pesquisa e sua validade. Discute-se em que condições se pode falar de impacto social das pesquisas educacionais, analisando-se a possível porosidade dos conhecimentos advindos de pesquisas em educação nas ações de educadores e em políticas educacionais, perguntando-se também se a consistência metodológica desempenha, nessa porosidade, algum papel. PESQUISA EDUCACIONAL – POLÍTICAS EDUCACIONAIS – BRASIL – METODOLOGIA DA PESQUISA ABSTRACT IMPLICATIONS OF AND PERSPECTIVES ON EDUCATIONAL RESEARCH IN CONTEMPORARY BRAZIL. This article studies the development of educational research in Brazil over time, relating it to the social and historical context, working on such issues as theory and method, hegemony of the research groups and institutional questions. The 1980s stand out as a time when vigorous debates were engaged based on which problems intrinsic to research procedures and their validity came to light. The article discusses under what conditions we can speak of the social impact of educational studies on educational action and policy, analyzing the possible fallibility of knowledge derived from such research and also asking whether methodological consistency plays some role in this fallibility.
Article
Full-text available
Incl. bibl., index.
Chapter
Describing research as 'relevant' implies that there is an aim that it should serve; asking further how such work can be fostered raises questions about the encouragement and control of research practices. This chapter explores the idea of relevance in the context of research on educational communications and technology, and considers the mechanisms through which groups such as researchers and policy makers foster work that serves their interests. Firstly, historical patterns of cycles of promise then disappointment for technologies are noted. Then, the idea of relevance is considered in relation to the audiences with interests in work in this field. Next, mechanisms for fostering particular kinds of research are discussed, using concepts from Communities of Practice to frame the discussion. The chapter concludes by identifying ways of fostering relevant research that are distinctive to work in this field, such as the use of templates for knowledge representation and processes such as participative design, and problems that will persist in achieving this, such as the need to contextualize research claims in relation to specific teaching contexts. © Springer Science+Business Media New York 2014. All rights reserved.