ArticlePDF Available

Abstract

O presente artigo é parte de um projeto europeu mais amplo que visou o desenvolvimento de um programa de apoio a estudantes com deficiências durante seu percurso acadêmico e no processo de sua transição ao mercado de trabalho. O objetivo específico do presente estudo consistiu em implementar e avaliar um programa de orientação acadêmica e profissional a esse público alvo. A proposta, baseada num programa já existente no contexto dinamarquês, foi implementada em três universidades italianas, e 43 pessoas foram envolvidas na avaliação de sua eficácia: 20 estudantes universitários com deficiência em fase de transição ao mundo do trabalho, 20 tutores empresariais e 3 tutores acadêmicos. Como resultado, a experiência possibilitou a identificação de elementos-chave relacionados ao percurso acadêmico, à aquisição de competências profissionais dos estudantes, à transição para a vida adulta e o mundo do trabalho. Além disso, foram identificados elementos que contribuem para a constituição do perfil dos tutores acadêmicos e profissionais no ambiente universitário e profissional. Entende- se, com este estudo, que cabe à comunidade científica avançar no processo, reunindo indicadores de boas práticas que possam contribuir para estratégias concretas que garantam a efetiva inclusão social e no trabalho das pessoas com deficiência.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 615
Orientação acadêmica e prossional dos estudantes
com deciência nas universidades italianas
Leonardo Santos Amâncio Cabral1
Enicéia Gonçalves Mendes2
Lucia de Anna3
Introdução
No decênio 2005-2014, a Unesco indicou a necessidade de se adotar novos com-
portamentos e práticas para o desenvolvimento sustentável de uma sociedade, desta-
cando a educação como promotor central desse processo (UNESCO, 2009). Todavia,
ainda segundo a Unesco, a educação das pessoas com deciência e sua plena inclusão
na sociedade continua a ser um dos mais desaadores objetivos do século XXI.
O “Plano de ação do Conselho da Europa 2006-2015 para a promoção dos
direitos e da plena participação das pessoas com deciência na sociedade: melho-
rar a qualidade de vida das pessoas com deciência na Europa” (CONSIGLIO
D’EUROPA, 2006) colocou em evidência não só a necessidade do acesso e per-
manência do público-alvo da educação especial na rede regular de ensino, mas
também a da promoção de programas de transição ecientes e ecazes às pessoas
com deciência, em nível educacional e prossional, promovendo sua efetiva in-
clusão nas escolas, nas universidades e no mundo do trabalho.
1 UFSCar – Universidade Federal de São Carlos. Programa de Pós-Graduação em Edu-
cação Especial. São Carlos – São Paulo – Brasil. prof.leonardocabral@gmail.com
2 UFSCar – Universidade Federal de São Carlos. Programa de Pós-Graduação em Edu-
cação Especial. São Carlos – São Paulo – Brasil. egmendes@ufscar.br
3 Uniroma4 – Università degli Studi di Roma “Foro Italico”. Laboratorio di Pedagogia
Speciale. Roma – Roma – Itália. lucia.deanna@uniroma4.it
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp.
616
Orientação acadêmica e prossional dos estud antes com deciência nas universidades italiana s
Na Itália, particularmente, as iniciativas nessa direção começaram a partir
da década de 1970, estimulada pela “Declaração dos Direitos das Pessoas com
Deciência” (ONU, 1975, art.3), que preconizava:
as pessoas com deciência, qualquer que sejam a origem, natureza e gravidade de
suas deciências, têm os mesmos direitos fundamentais que seus concidadãos da
mesma idade, o que implica, antes de tudo, o direito a uma vida decente, normal e
plena na medida do possível.
Foi naquele período que o governo italiano determinou, por meio da Lei
n. 517 de 1977, a matrícula compulsória de todas as crianças em idade escolar na
rede regular de ensino (CABRAL, 2010, 2013; DE ANNA, 2014).
Como consequência dessa agenda nos debates nacionais e internacionais sobre
as questões relacionadas à inclusão das pessoas com deciência, aumentou o uxo
das matrículas desse público nos contextos educacionais, de modo que, nos anos
1980, tal público foi chegando às universidades. A literatura cientíca dessa época,
em vários países, apontava uma tendência política ao desenvolvimento de programas
de suporte às pessoas com deciência, voltados à transição da escola à universidade e/
ou ao mundo do trabalho (BROWN; KAYSER, 1981; BROLIN; ELLIOTT, 1984).
Na Itália, De Anna (1989, p.3) expunha a preocupação da sociedade e associa-
ções em identicar meios de garantir às pessoas com deciência “a sua continuidade
educativa rumo aos níveis mais elevados de educação”, pois nem todos conseguiam
adquirir efetivamente o diploma de conclusão de curso. Os estudantes com deciên-
cia psíquica, por exemplo, seguiam ainda um percurso alternativo que frequente-
mente os conduzia a um mero atestado de frequência. As pessoas com deciência
física e sensorial, por outro lado, ainda que timidamente, tendiam a concluir o se-
gundo grau e a inscrever-se cada vez mais nas universidades, ainda que enfrentassem
grandes diculdades durante seu percurso acadêmico (DE ANNA, 1996).
Diante a tal fenômeno, a década de 1990 foi marcada pela necessidade de
se implementar e aprimorar serviços de orientação acadêmica e prossional aos
estudantes universitários com deciência, como apontavam Norlander, Shaw e
McGuire (1990); Rusch, Kohler e Rubin (1994) e Raskind e Higgins (1998).
Nesse sentido, a Lei italiana n. 390 de 1991, “Norme sul diritto agli studi
Universitari”, previu disposições particulares para a promoção do acesso aos es-
tudantes com deciência nas universidades e, com a demanda cada vez mais cres-
cente, a Legge-quadro per l’assistenza, lintegrazione sociale e i diritti delle persone
handicappate, n. 104/1992, deniu critérios para a disposição de equipamentos
técnicos, subsídios didáticos e recursos humanos, bem como de programas de
intervenção segundo as necessidades de cada estudante, inclusive para sua tran-
sição ao mundo do trabalho. Naquele contexto, De Anna (1996, p.2) expunha:
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 617
Leonardo S. Amâncio Cabral, Enicéia Gonçalves Mendes e Lucia de Anna
[...] nalmente foi reconhecido que a pessoa com deciência também é um recurso
econômico a partir do momento em que for auxiliada a superar as diversas dicul-
dades advindas da situação de impedimento e a inserir-se plenamente na sociedade.
A sua formação, desse modo, constitui-se em um elemento importante para o al-
cance de tal objetivo.
Frente à demanda advinda de tais iniciativas ao longo dos anos 1990, a lei
n. 17, de 28 de janeiro de 1999, determinou que cada universidade nominasse um
pró-reitor para as questões relacionadas à deciência, o qual deveria desenvolver
as funções de coordenação, monitoramento e suporte às iniciativas necessárias à
inclusão dos estudantes com deciência no âmbito da própria universidade.
Diante ao desao imposto, os pró-reitores para as questões relacionadas à
deciência reuniram-se em diversas ocasiões decidindo, em 2001, constituírem
a Conferenza Nazionale Universitaria dei Delegati per la Disabilità (CNUDD).
Com a ativa colaboração da Conferenza dei Rettori delle Università Italiane
(Crui), a CNUDD teve como base princípios da participação ativa, do acolhi-
mento e sensibilização, da autonomia, da igualdade de oportunidades, os quais
permearam o processo de implementação da normativa n. 17/1999.
Naquele mesmo ano, foi aprovada a “Declaração Internacional de Montreal
sobre Inclusão”, a qual determinou aos governos, empregadores, trabalhadores e
à sociedade civil a se comprometerem com a promoção da inclusão dos grupos
historicamente segregados, particularmente o grupo constituído pelas pessoas
com deciência, em todos os ambientes, produtos e serviços (CANADÁ, 2001).
Todavia, autores como Collins e O’Mahony (2001) e Konur (2002) relevavam a
existência de numerosos obstáculos em aspectos estruturais, pedagógicos, cultu-
rais e sociais que ainda deveriam ser superados, particularmente no que se referia
aos contextos universitário e do mundo do trabalho.
Frente a isso, a “Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com
Deciência”, de 2006, reforçou princípios e metas que permeariam a superação
de tais obstáculos. No que se refere à universidade e ao mundo do trabalho, após
a Convenção, houve um considerável aumento do número de serviços voltados à
orientação acadêmica e prossional, motivando os estudantes universitários com
deciência a investirem em sua formação e a colocar em prática sua prossionali-
zação (LANDMARK; JU; ZHANG, 2010; REPETTO et al., 2011; CARTER;
AUSTIN; TRAINOR, 2012).
Pode-se armar, portanto, que o segundo decênio do século XXI traz con-
sigo a herança histórica de princípios, perspectivas culturais, políticas, sociais,
econômicas e ideológicas que, atualmente, contribuem para a promoção da ple-
na participação das pessoas com deciência no contexto escolar, na sua transi-
ção da escola para a universidade e da universidade para o mundo do trabalho
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp.
618
Orientação acadêmica e prossional dos estud antes com deciência nas universidades italiana s
(DE ANNA; 1996, 2002; MENDES, 2006; EBERSOLD, 2001, 2003, 2008a;
2008b; MOLITERNI; DI STASIO; CARBONI, 2011; LASCIOLI, 2012).
Todavia, questiona-se: como as universidades vêm sendo organizadas para
que se enfrente esse processo com ecácia? Quais estratégias atuais têm sido dire-
cionadas para a orientação acadêmica e prossional do público-alvo da educação
especial nas universidades? Diante de tais questionamentos, parece necessário ex-
plorar, aprofundar e organizar um quadro de boas práticas que possa responder às
necessidades e valorizar as competências e habilidades das pessoas com deciên-
cia, com vistas a propor um efetivo programa de formação prossional que res-
ponda às exigências de um contexto socioeconômico globalizado (HOGSTEDT;
WEGMAN; KJELLSTROM, 2007; MACLEAN; LAI, 2011).
Nesta direção, a presente pesquisa teve como objetivo principal identicar,
reunir, analisar e evidenciar, particularmente no que se refere ao contexto italia-
no, as possíveis boas práticas de orientação acadêmica e prossional dos estudan-
tes universitários com deciência.
A organização das universidades italianas
O sistema universitário italiano é representado por 96 instituições de diver-
sas tipologias: estatais, não estatais, institutos especiais, universidade para estran-
geiros, escolas superiores, institutos de alta formação doutoral e telemáticas. A
organização de cada universidade vem representada pelo organograma a seguir:
Organograma das universidades/ateneus italianos
ATENEO
FACOLTÀ DIPARTIMENTI ISTITUTI CENTRI
Fonte: Cabral (2013).
Segundo os dados do Miur (2012), dos 96 ateneus italianos, 68 são esta-
tais, e foi neste tipo de instituição que o estudo foi realizado. De modo geral,
35,8% dos ateneus estatais são distribuídos no Norte da Itália, 34,4% no Centro
e 29,8% no Sul, como representa o Mapa e a Tabela 1 a seguir:
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 619
Leonardo S. Amâncio Cabral, Enicéia Gonçalves Mendes e Lucia de Anna
Mapa de distribuição dos ateneus estatais sobre o território italiano
Norte
Centro
Sul
(35,8%)
(34,4%)
(29,8%)
Fonte: Cabral (2013).
Tabela 1: Distribuição dos ateneus estatais na Itália, segundo a região
Número de Universidades Estatais na Itália
Norte Centro Sul
Trentino-Alto Adige 1Tosca n a 8Molise 1
Piemonte 3Marche 4Campania 6
Lombardia 8 Umbria 2 Puglia 4
Vêneto 4Lazio 6Basilicata 1
Friuli-Veneza Giulia 3Abruzzo 3Calábria 3
Liguria 1 - - Sicília 3
Emilia-Romagna 4 - - Sardenha 2
Tot a l 24 Tot a l 23 Tot a l 20
Fonte: Miur (2012)
Os estudantes com deciência nas universidades italianas
Foi após a Lei 17/1999 que se observa um crescimento exponencial do nú-
mero de estudantes com deciência matriculados, de 5.514 para 15.994 no ano
acadêmico 2009/2010 (MIUR, 2012), representando 5,4% do número total
de 297.441 estudantes matriculados em todo o território nacional (MIUR, 2012).
É importante ressaltar que este aumento ocorreu em um contexto no qual o
número global dos alunos matriculados diminuiu no período correspondente,
conforme indica o Istituto Nazionale di Statistica.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp.
620
Orientação acadêmica e prossional dos estud antes com deciência nas universidades italiana s
Particularmente na Università degli Studi di Roma “Foro Italico” (Uniro-
ma4), na Università degli Studi di Roma Tre (Uniroma3) e na Università degli
Studi di Messina (UniMe), que constituíram a amostra do presente estudo, esse
aumento também pôde ser observado:
Gráco 1: Evolução do número de estudantes com deciência entre o ano
letivo 2005/2006 e 2009/2010 nos ateneus Uniroma3, Uniroma4 e UniMe
800
600
400
200
0
2005/06 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10
Uniroma4
Uniroma3
UniMe
13 17 15 19 35
304 229 330
481 445
554 644 570 648 726
Fonte: Cabral (2013).
Na Itália, o serviço de Tutorato Specializzato agli studenti com disabilità e
disturbi specici dell’apprendimento é a estrutura responsável pelo acolhimento e
o apoio durante todo o percurso universitário do estudante, inclusive o momento
de sua transição à vida adulta e ao mundo do trabalho. De Anna (1996) destaca
que o acolhimento é o momento mais delicado para um estudante, principalmen-
te no caso em que a pessoa tem necessidades especiais e impedimentos.
Todavia, isso não quer dizer que o acolhimento e a orientação desta po-
pulação sejam responsabilidades atribuídas a uma única estrutura universitária,
pois promover a inclusão em todo o contexto universitário envolve esforço, co-
laboração e sinergia entre as diversas estruturas da universidade, estendendo-se
também às varias estruturas do território, segundo as Leis 104/1992 e 17/1999 e
as Diretrizes da CNUDD.
Quanto à questão do acesso ao mercado de trabalho e orientação prossional
das pessoas com deciência, a literatura indica que esta surgiu no contexto ita-
liano no nal dos anos 1980, ainda que, segundo De Anna (1989), as iniciativas
fossem realizadas de modo supercial e generalista.
É a partir da década de 1990 que podemos identicar e colocar em evidência
algumas normativas nacionais destinadas a propor e a colocar em prática estratégias
orientadas à garantia do acesso das pessoas com deciência ao mundo do trabalho.
Destaca-se, particularmente, a Lei n. 68, de 12 de março de 1999, a qual predispôs
diretivas para uma melhor organização em âmbito educacional, estrutural e de ges-
tão, inclusive ao membro interno da universidade, a m de consentir aos estudantes
com deciência a efetiva realização do seu projeto de vida prossional.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 621
Leonardo S. Amâncio Cabral, Enicéia Gonçalves Mendes e Lucia de Anna
As disposições dessa lei foram reforçadas pelas Diretrizes da CNUDD, as quais
dedicaram um capítulo inteiro sobre a orientação prossional dos estudantes universi-
tários com deciência bem como na sessão Lavoro e Occupazione, da Convenção sobre
os Direitos das Pessoas com Deciência (ONU, 2006), raticada pela Lei italiana n. 18,
de 3 de março de 2009.
Metodologia
O presente estudo compôs a agenda do projeto “Developing a support me-
thodology of disabled students allowing to conjugate eectively academic success and
access to employment, nanciado pelo Programa Europeu Leonardo da Vinci em
Vocational Education and Training.
A metodologia deste subprojeto envolveu um estudo de caso exploratório-
-descritivo, o qual abrangeu uma proposta de orientação acadêmica e prossional
a 20 estudantes universitários com deciência, todos em fase de transição univer-
sidade – mundo do trabalho. Dos 20 estudantes universitários com deciência,
metade tinha deciência física, 30% deciência auditiva, 10% deciência visual,
5% deciência sensorial múltipla (visual e auditiva) e 5% distúrbios de origem
médica (transplante de coração).
Os estudantes participantes eram provenientes da Università degli Studi di
Roma “Foro Italico” (10 estudantes); Università degli Studi di Roma Tre (8 estu-
dantes); e Università degli Studi di Messina (2 estudantes), sendo 50% do curso
de Educação Física, 20% das Ciências da Educação, 5% de Letras, 15% de Cine-
ma, 5% das Ciências Políticas e 5% da Economia.
Além dos 20 estudantes universitários com deciência, participaram do es-
tudo 3 tutores acadêmicos e 20 tutores empresariais de ONGs, instituições pú-
blicas e privadas.
O estudo envolveu a implementação e avaliação de um programa de orien-
tação acadêmica e prossional aos estudantes universitários com deciência par-
ticipantes, para o contexto das três universidades italianas mencionadas, tendo
como base um programa semelhante dinamarquês.4
4 O modelo dinamarquês, referência para o projeto, foi representado por práticas e
instrumentos utilizados pela Universidade de Aarhus. Vale ressaltar que o mesmo foi
implementado nos contextos da França, da Itália, da Dinamarca e da Irlanda, questio-
nado, discutido em reuniões periódicas e adaptado em cada contexto. Para conhecer
mais sobre o projeto mais amplo, acesse: www.universemploi.inshea.fr.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp.
622
Orientação acadêmica e prossional dos estud antes com deciência nas universidades italiana s
Resultados
Os resultados aqui relatados foram organizados em dois temas, sendo que o
primeiro descreve o funcionamento do programa e a sinergia entre os serviços. Em
um segundo momento são apresentadas as programas de acolhimento e orientação.
O funcionamento do programa e a sinergia entre os serviços
As diretrizes nacionais de orientação acadêmica e prossional dos estudantes
universitários com deciência destacam a importância da colaboração entre os
serviços de tutoria especializada das universidades e aqueles presentes no território
municipal, provincial, regional ou nacional.
Estão disponíveis, para tanto, serviços fornecidos pelas Unidades Locais de
Saúde (USL), articulados com associações como o Servizio Integrazione Lavora-
tiva (SIL), a Unità Operativa per l’Inserimento Lavorativo (Uoil), as agências de
mediação com o mundo do trabalho e as associações de pessoas com deciência.
Preconiza-se, sobretudo, a cooperação entre os atores envolvidos nesse processo
(universidade, serviços, familiares e estudantes), para que se promova efetivamen-
te a transição das pessoas com deciência ao mercado de trabalho.
Particularmente, no que se refere à orientação prossional dos estudantes uni-
versitários com deciência, é prevista a colaboração entre os Serviços de Estágios e
Colocação no Mercado de Trabalho e o de Tutoria Especializada da Universidade,
a m de facilitar o encontro entre a demanda e a oferta de trabalho, fornecendo,
inclusive, orientação no momento da escolha e durante a formação prossional,
principalmente por meio de estágios. O excerto da entrevista descrito a seguir, de
um dos tutores entrevistados, ilustra o funcionamento dessa tutoria:
A Tutoria Especializada tem um banco de dados no qual são inseridas todas as infor-
mações sobre os alunos, principalmente aquelas que consideramos importante para a
orientação durante sua carreira acadêmica, desde o tipo de deciência até os seus conhe-
cimentos e necessidades educacionais especiais. Em caráter complementar, o Serviço
de Estágios e Colocação no Mercado de Trabalho reúne informações sobre suas habi-
lidades e objetivos prossionais, a m de poder realizar a devida correspondência com
a demanda apresentada pelo mundo do trabalho. (Tutor Acadêmico, Universidade A)
Esses serviços contam com a colaboração direta da comunidade, por meio
do contato com os Centros de Emprego provinciais, com os projetos direcionados
à orientação de estudantes universitários com deciência, com as associações, as
empresas e as organizações. Isso permite que a universidade forneça a todos os
estudantes, e não apenas àqueles com deciências, uma visão ampla das opor-
tunidades e iniciativas promovidas pelo mundo do trabalho, a m de favorecer
que a prossionalização adquirida durante a carreira acadêmica seja efetivamente
colocada em prática na sociedade.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 623
Leonardo S. Amâncio Cabral, Enicéia Gonçalves Mendes e Lucia de Anna
Além disso, os resultados do estudo evidenciam que, tanto para o serviço de
Tutoria Especializada, quanto para o Serviço de Estágios e Colocação no Merca-
do de Trabalho, o envolvimento dos estudantes, dos professores, da família, dos
colegas de classe e dos serviços relacionados, fazendo uso também de ferramentas
especícas, é importante nas várias fases do processo de orientação acadêmica e
prossional de estudantes com deciência. Gracamente, podemos representar
o funcionamento dos serviços e atores envolvidos diretamente no programa de
orientação acadêmica e prossional dos estudantes universitários com deciência
no contexto italiano.
A sinergia entre os vários atores e serviços no programa de
orientação acadêmica e prossional na Itália
Avaliação
(competências e
necessidades)
Ativação de estágios/
Orientação Prossional
Outros Serviços
CV; Cartas de Apresentação;
Entrevistas
Banco de Dados de Empresas,
Associações e Organizações
Promoção de eventos sobre
o mundo do trabalho
Monitoramento
Suporte ao Estudante
Orientação Acadêmica
Professores
Outros Serviços
Colegas
Família
IDENTIFICAÇÃO DE
OPORT UNIDA DES
DE TRABALHO
MATCHING E
SUPORTE
TUTOR IA
ESPECIALIZADA
SERVIÇO DE ESTÁGIO E
COLOCAÇÃO NO MERCADO
DE TRABALHO
ESTUDANTE
Fonte: Cabral (2013)
Deve-se ressaltar, ainda, que durante a orientação prossional estão envol-
vidos o estudante, o sujeito promotor (a universidade) e o antrião, ou seja, a
empresa, entidade, associação.
Neste processo, é prevista a presença do tutor universitário (ou um professor
da universidade) e o tutor empresarial (não necessariamente o representante legal
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp.
624
Orientação acadêmica e prossional dos estud antes com deciência nas universidades italiana s
da empresa), que acompanham e orientam o estudante durante o processo de sua
transição para o mundo do trabalho. Assim, podemos armar que as principais
fases de uma orientação acadêmica voltadas à transição do estudante universitário
com deciência ao mundo do trabalho são:
As 9 fases de orientação prossional dos estudantes
1a FASE
2a FASE
3a FASE
4a FASE
5a FASE
6a FASE
7a FASE
8a FASE
Avaliação do estudante
Encontro entre a oferta e a demanda
Preparação para a apresentação à empresa
Apresentação e denição dos papéis ao interno da empresa
Sensibilização e colaboração entre os atores
Desenvolvimento do projeto
Realização das atividades
Monitoramento
Manutenção ou reformulação das atividades e da funções
9a FASE
Fonte: Cabral (2013).
Ressalta-se o cuidado de não se implementar um programa de orientação
acadêmica e prossional com base em um caráter essencialmente organizacional
e tecnicista, mas, sobretudo, tendo em vista os aspectos empíricos individuais,
interpessoais, acadêmicos e prossionais dos atores envolvidos no processo de
transição para a universidade e para o mundo do trabalho.
Assim, o momento de recepção de um estudante com deciência, seja na uni-
versidade, seja no ambiente de trabalho, é uma das etapas mais importantes do
processo de sua orientação acadêmica e prossional. O tutor acadêmico e o tutor
empresarial devem ter, antes de tudo, as habilidades necessárias para poder iden-
ticar, em uma abordagem holística, aspectos biopsicossociais e pedagógicos do
estudante, sem que eles se sintam em situação de desconforto e, ao mesmo tempo,
encorajando-os a uma ativa participação (DE ANNA, 2003, 2005).
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 625
Leonardo S. Amâncio Cabral, Enicéia Gonçalves Mendes e Lucia de Anna
Indicadores para programas de acolhimento e orientação para
estudantes com deciências nas universidades italianas
Tendo como base as constantes discussões no grupo de pesquisa, e junta-
mente com os atores envolvidos no estudo, foi possível identicar indicadores
de boas práticas para a orientação acadêmica e prossional dos estudantes uni-
versitários com deciência, os quais foram relatados e socializados, dentre várias
ocasiões, a todos os pró-reitores quanto às questões relacionadas à deciência da
Itália, bem como no Parlamento Europeu de Strasbourg, em 2012, a saber:
1. planejar e desenvolver, desde o início da carreira acadêmica do estudan-
te, uma avaliação inicial e um monitoramento contínuo dos objetivos,
necessidades e desenvolvimento do aluno, considerando o seu projeto de
vida, o reconhecimento de sua identidade e de suas motivações;
2. promover módulos de formação e de atualização sobre questões relacio-
nadas e voltadas aos prossionais da universidade e, particularmente,
dos serviços de tutoria especializada e de orientação prossional;
3. estabelecer atividades de aconselhamento ao estudante a m de estimular
a assunção de responsabilidade, a solução de problemas que impedem o
progresso de seus estudos ou de sua transição para o emprego;
4. promover a relação entre o estudante e o mundo do trabalho por meio
das atividades de estágio (pré e pós-graduação) e de formação relaciona-
das às suas habilidadese e aspirações;
5. incentivar a participação do estudante no programa Sócrates/Erasmus
(competências linguísticas) e Leonardo da Vinci (trabalho no exterior);
6. organizar atividades que permitam aos estudantes a aquisição de com-
petências especícas relacionadas à elaboração do Curriculum Vitae e
da apresentação pessoal;
7. estabelecer um pareamento ecaz, cruzando a procura e a oferta de
trabalho, com base no perl de cada estudante, à luz dos aspectos aca-
dêmicos, sociais e individuais identicados na avaliação inicial e no
monitoramento contínuo;
8. fornecer às empresas eventuais consultorias sobre as competências pro-
ssionais adquiridas pelos graduandos e graduados com deciência e
sobre as adequações especícas a serem implementadas no local de tra-
balho (acessibilidade física, tecnologia, recursos humanos etc.);
9. as universidades devem contactar as estruturas de centros de emprego re-
gionais e os Centros de Orientação Prossional para o trabalho ou qualquer
outro serviço responsável por esta questão, de modo a planejar em conjunto
e implementar políticas empregatícias por meio da conexão com a rede de
atores públicos e privados que operam no território regional;
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp.
626
Orientação acadêmica e prossional dos estud antes com deciência nas universidades italiana s
10. instaurar relações com as associações de empresas locais para promo-
ver, sempre em colaboração com os serviços de emprego, atividades de
sensibilização;
11. promover maiores oportunidades empreendedoras entre os jovens;
12. manter atualizado o banco de dados no qual são organizadas as informa-
ções inerentes às oportunidades de estágio e de emprego.
Ao concluir a presente pesquisa, pode-se dizer que um programa de orientação
acadêmica e prossional de um estudante com deciência deve considerar, em uma
abordagem holística sobre as habilidades do aluno, o contexto geral da universida-
de, os serviços de tutoria especializada, de colocação no mercado de trabalho e de
estágios, o território e, quando apropriado, a cooperação adequadada da família.
Diagrama representativo dos atores envolvidos no Programa de Orientação
Acadêmica e Prossional para os estudantes universitários com deciência
Tutoria
Especializada
Serviços de
Colocação no Mercado
de Tr a balho
Território
Universidade
Família
Estudante
Fonte: Elaboração dos autores.
À luz dos resultados globais deste estudo e de acordo com as indicações da Na-
tional Alliance for Secondary Education and Transition, de 2005, foi proposto um
conjunto de indicadores que poderão auxiliar as diversas estruturas universitárias
na implementação e monitoramento de seu próprio programa de orientação aca-
mica e prossional de estudantes universitários com deciência (CABRAL, 2013).
O estudo realizado na Itália, portanto, permitiu-nos não só reconstruir o
diálogo internacional sobre o tema desta pesquisa, mas também propor novos
instrumentos que dispõem de indicadores para o desenvolvimento de um pro-
grama de orientação acadêmica e prossional para a realização do projeto de vida
dos estudantes universitários com deciência no século XXI.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 627
Leonardo S. Amâncio Cabral, Enicéia Gonçalves Mendes e Lucia de Anna
Referências
BROLIN, D.; ELLIOTT, T. R. Meeting the lifelong career development needs of students
with handicaps: A community college model. Career Development for Exceptional Individuals,
v.7, p.12-21, 1984.
BROWN, J. M.; KAYSER, T. F. Articulation: enhancing special needs students’ transitions
from secondary to postsecondary vocational education programs. Career Development for
Exceptional Individuals, v.4, p.3-7, 1981.
CABR AL, L. S. A. A legislação brasileira e italiana sobre educação especial: da década de 1970
aos dias atuais. 2010. 137f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial). Programa de
Pós-Graduação em Educação Especial, Universidade Federal de São Carlos, 2010.
CABR AL, L. S. A. Orientação acadêmica e prossional dos estudantes universitários com deciên-
cia: perspectivas internacionais. 226f. 2013. Tese (Doutorado em Educação Especial). Pro-
grama de Pós-Graduação em Educação Especial, Universidade Federal de São Carlos, 2013.
CANADÁ. Canadian Council on Rehabilitation and Work (CCRW). Declaração internacional
de Montreal sobre inclusão. Trad. Romeu Kazumi Sassaki. In: International Congress Inclusive
Society. Montreal, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec_inclu.
pdf. Acesso em: 15 maio 2014.
CARTER, E. W; AUSTIN, D; TR AINOR, A. A. Predictors of postschool employment
outcomes for young adults with severe disabilities. Journal of Disability Policy Studies, v.23.
n.1, p.50-63, 2012.
CNUDD. Conferenza Nazionale Universitaria dei Delegati per la Disabilità. Linee Guida
CNUDD. 2001. Disponível em: http://cnudd.di.unipi.it/Documenti%20condivisi/Forms/
AllItems.aspx. Acesso em: 15 abr. 2014.
COLLINS, B.; O’MAHONY, P. Perceiving success? An investigation of disabled students’
and academic sta ’s perceptions of the factors that hinder a disabled student’s occupational
performance in Trinity College Dublin. Irish Journal of Occupational erapy, v.31, n.1, p.15-
19, 20 01.
CONSIGLIO D’EUROPA. Comitato dei Ministri. Piano d’Azione del Consiglio d’Europa
2006-2015 per la promozione dei diritti e della piena partecipazione nella società delle persone
con disabilità: migliorare la qualità di vita delle persone con disabilità in Europa. 2006.
Disponível em: http://ops.provincia.lecco.it/les/documenti/1182937069.pdf. Acesso em: 10
dez. 2010.
DE ANNA, L. Università e invalidità: un percorso ancora poco agibile. In: Linee del Dipar-
timento Educazione Scuola dell’Associazione Nazionale Mutilati ed Invalidi Civili (Anmic).
Roma: Edizione Tempi Nuovi, 1989.
DE ANNA, L. L’accoglienza degli studenti disabili nelle Università. Roma. In: MINISTE-
RO dell’Università e della Ricerca Scientica e Tecnologica. Collana Università Ricerca.
Notiziario bimestrale, ano VII, p.24-48, mar.-abr. 1996.
DE ANNA, L. Pedagogia speciale: i bisogni educativi speciali. 5. ed. Milano: Guerini Studio,
2002. 197p. (Coleção Processi Formativi e Scienze dell’Educazione).
DE ANNA, L. Alla ricerca del proprio futuro. Universitas, v.89, p. 17-22, set. 2003.
DE ANNA, L. Le esperienze internazionali sull’accoglienza degli studenti Universitari con
disabilità. Lintegrazione scolastica e sociale, v.4, n.2, p.103-113, 2005.
DE ANNA, L. Pedagogia speciale. Integrazione e inclusione. Roma: Carocci, 2014. 344p.
EBERSOLD, S. La naissance de linemployable, ou linsertion aux risques de l’exclusion. Ren-
nes: Presses Universitaires de Rennes, 2001.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp.
628
Orientação acadêmica e prossional dos estud antes com deciência nas universidades italiana s
EBERSOLD, S. Les étudiants handicapés dans l’enseignement supérieur. Paris: OCDE, 2003.
EBERSOLD, S. Disability in higher education: a key factor for improving quality and
achievement. 2008a. Disponível em: www.oecd.org/dataoecd/26/49/41887103.ppt.
Acesso em: 30 set. 2010.
EBERSOLD, S. L’adaptation de l’enseignement supérieur au handicap : évolution, enjeux
et perspectives. In: OCDE (Ed.). L’enseignement supérieur à l’ horizon 2030 – Démographie.
Paris: OCDE, 2008b. p.241-261.
HOGSTEDT, C.; WEGMAN, D. H.; KJELLSTROM, T. e consequences of economic
globalization on working conditions, labor relations and workers’ health. In: KAWACHI,
I.; WAMAL, S. (Eds.). Globalization and health. Oxford: Oxford University Press, 2007.
KONUR, O. Assessment of disabled student in higher education: current public policy is-
sues. Assessment and Evaluation in Higher Education, v.27, n.2, p.131-152, 2002.
LANDMARK, L. J.; JU, S.; ZHANG, D. Substantiated best practices in transition: fteen
plus years later. Career Development for Exceptional Individuals, v.33. n.3. p.165-176, 2010.
LASCIOLI, A. L’Inserimento lavorativo della persona con disabilità intellettiva. L’integrazio-
ne Scolastica e sociale, v.11, n.2, p.114-124, 2012.
MACLEAN, R.; LAI, A. Future of technical and vocational education and training: global
challenges and possibilities. International Journal of Training Research, v.9, n.1, p.2-15, 2011.
MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasilei-
ra de Educação, Campinas, v.11, n.33, p.387-405, set.-dez. 2006. Disponível em: http://www.
scielo.br/pdf/rbedu/v11n33/a02v1133.pdf. Acesso em: 4 maio 2014.
MIUR. Ministero dell’Istruzione, dell’Università e della Ricerca. Atenei. 2012. Disponível
em: http://hubmiur.pubblica.istruzione.it/web/universita/home. Acesso em: 13 abr. 2014.
MOLITERNI, P.; DE STASIO, S.; CARBONI, M. Studiare all’Università: strategie di
apprendimento e contesti formativi. Milano: Franco Angeli, 2011. 144p. (Collezione Scienze
della Formazione).
NORLANDER, K. A.; SHAW, F. M.; MCGUIRE, H. M. Competencies of postsecondary
education personnel serving students with learning disabilities. Journal of Learning Disabili-
ties. v.23. p.426-432, 1990.
ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração dos Direitos das Pessoas Decientes. Nova
York, 1975. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec_def.pdf. Acesso
em: 15 maio 2011.
ONU. Organização das Nações Unidas. Convenzione sui Diritti delle Persone con Disabilità.
2006. Disponível em: http://www.cesq.it/Convenzione_diritti_persone_con_disabilit__int.
pdf. Acesso em: 12 set. 2010.
RASKIND, M. H.; HIGGINS, E. L. Assistive technology for postsecondary students with
learning disabilities: an overview. Journal of Learning Disabilities, v.31, p.27-40, 1998.
REPETTO, J. B. et al. e High School experience: what students with and without disa-
bilities report as they leave school. Career Development for Exceptional Individuals, v.34, n.3,
p.14 2 -152 , 2 011.
RUSCH, F. R; KOHLER, P. D.; RUBIN, S. Descriptive analysis of OSERS-sponsored post-
secondary education model programs. Career Development for Exceptional Individuals, v.17,
p.53-63, 1994.
UNESCO. e UN Decade of Education for Sustainable Development: 2005-2014. 2009. 64p.
Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.10, n. esp. 629
Leonardo S. Amâncio Cabral, Enicéia Gonçalves Mendes e Lucia de Anna
Resumo
Orientação acadêmica e prossional dos estudantes com deciência nas universidades italianas
O presente artigo é parte de um projeto europeu mais amplo que visou o desenvolvimento de
um programa de apoio a estudantes com deciências durante seu percurso acadêmico e no
processo de sua transição ao mercado de trabalho. O objetivo especíco do presente estudo
consistiu em implementar e avaliar um programa de orientação acadêmica e prossional a
esse público alvo. A proposta, baseada num programa já existente no contexto dinamarquês,
foi implementada em três universidades italianas, e 43 pessoas foram envolvidas na avaliação
de sua ecácia: 20 estudantes universitários com deciência em fase de transição ao mundo
do trabalho, 20 tutores empresariais e 3 tutores acadêmicos. Como resultado, a experiência
possibilitou a identicação de elementos-chave relacionados ao percurso acadêmico, à aqui-
sição de competências prossionais dos estudantes, à transição para a vida adulta e o mundo
do trabalho. Além disso, foram identicados elementos que contribuem para a constituição
do perl dos tutores acadêmicos e prossionais no ambiente universitário e prossional. En-
tende-se, com este estudo, que cabe à comunidade cientíca avançar no processo, reunindo
indicadores de boas práticas que possam contribuir para estratégias concretas que garantam
a efetiva inclusão social e no trabalho das pessoas com deciência.
Palavras-chave: Educação Superior. Pessoas com Deficiência. Orientação Acadêmica.
Orientação Prossional. Inclusão. Educação Especial.
Abstract
Academic and Professional Orientation of Students with Disabilities in Italian Universities
is paper is part of a larger European project that aimed to develop a program for support-
ing students with disabilities during their academic lives and guide them towards the labor
market. e specic objective of this study was to implement and evaluate an academic
and vocational guidance program to students with disabilities. Based on a Danish existing
program, the proposal was implemented in three Italian universities, and 43 people were
involved in the evaluation of its eectiveness: 20 students with disabilities in transition to
the labor market, 20 professional tutors and 3 academic tutors. Results showed identication
of key factors related to the academic process, the acquisition of students’ professional skills,
adulthood and labor market transition. Furthermore, elements were identied that helped
elaborate a prole of professional and academic tutors both in the university and labor envi-
ronment. It is understood that the scientic community needs to move within this process,
gathering indicators of good practices that can contribute to propose concrete strategies in
order to ensure eective social and professional inclusion for people with disabilities.
Keywords: Higher Education. People with Disabilities. Academic Guidance. Vocational
Guidance. Inclusion. Special Education.
... Nessa mesma direção, vale considerar a relação entre a universidade e o mercado de trabalho, sobretudo no que se refere à orientação profissional do PAEE, não só oferecendo apoio para que o estudante universitário desenvolva as competências necessárias à realização do seu projeto de vida, mas também assegurandolhe as condições para enfrentar os desafios do mundo do trabalho, que culminam no baixo índice de inserção dessa população no mercado de trabalho (Auad & Conceição, 2008;Cabral et al., 2015;Duarte et al., 2013;Manente et al., 2007;Moreira et al., 2011;Pereira, 2008;Pereira et al., 2015). ...
Article
Full-text available
Resumo O presente estudo se propõe a reunir, sistematizar e analisar a produção do conhecimento na área da Educação Especial dos últimos dez anos (2006 a 2016), especificamente no que tange à inclusão do público-alvo da Educação Especial nas Instituições de Ensino Superior. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura, respaldada pela metodologia de pesquisa bibliográfica integrativa. A pesquisa foi conduzida nos ambientes virtuais das bases de dados de acesso público, a saber. Como resultado, foram identificados elementos que compuseram cinco grandes eixos, a saber: (1) Políticas de Acesso e Permanência; (2) Percurso Acadêmico do Estudante Público-Alvo da Educação Especial; (3) Identificação e Identidade do Estudante Público-Alvo da Educação Especial; (4) Construção da Cultura Inclusiva; e (5) Impeditivos para a Permanência e Sucesso Acadêmico. As correlações entre os elementos que emergiram do presente estudo revelaram que não deve haver uma centralidade dos atores, ambientes ou estratégias no processo de construção de uma cultura universitária sob a perspectiva inclusiva, o que indica que é chegado o momento de transcender as práticas isoladas no âmbito do contexto universitário, bem como avaliar cuidadosamente as ações praticadas, que frequentemente são centralizadas somente nas dificuldades do estudante que compõe o Público-Alvo da Educação Especial. Palavras-chave: Análise integrativa. Deficiências. Educação especial. Pesquisa bibliográfica. Universidade. Abstract This study aims to assemble, systematize and analyze the production of knowledge in the field of Special Education over the last ten years (2006-2016), specifically regarding the inclusion of the target audience of Special Education in higher education institutions. This systematic review of the literature is supported
Article
Full-text available
As discussões inerentes às pessoas com deficiências que têm ingressado na Educação Superior e no mundo de trabalho incitam a necessidade de subsídios teóricos, políticos e práticos para a promoção de sua orientação acadêmico-profissional. Nesse sentido, a presente pesquisa objetivou: a) identificar produções científicas nacionais e internacionais que tiveram como foco temático a orientação profissional de estudantes universitários com deficiência; b) analisar a inter-relação entre os conteúdos das produções científicas e os documentos oficiais nacionais; e c) identificar e analisar elementos que possam constituir a elaboração e implantação de serviços de orientação profissional. Trata-se de uma revisão bibliográfica sistemática integrativa, valendo-se de descritores Thesaurus e operadores booleanos. Por meio do Portal de Periódicos Capes e Redalyc, foi possível a identificação, análise e discussões no âmbito das seguintes unidades temáticas: Documentos Norteadores Governamentais; Medidas Administrativas Institucionais; Estratégias Didático-Pedagógicas e Curriculares; Programas e Atividades de Extensão; Atores e Formação para a Orientação Profissional; Materiais e Instrumentos. A análise integrativa indicou que um programa adequado de orientação profissional para estudantes universitários com deficiência deva ser proposto sob uma perspectiva biopsicossocial, envolvendo as instituições de ensino e o mundo do trabalho, fomentando a autonomia, o reconhecimento de suas identidades, diferenças, expectativas profissionais e de vida, sob a perspectiva do lifelong learning.
Article
Full-text available
O trabalho analisou a política educacional, com ênfase na legislação educacional, dos países lusófonos e a escolarização de jovens e adultos. Foi realizado um estudo documental em diretrizes e bases educacionais dos países, por meio de um Protocolo de Análise Documental. Os resultados apontaram que a Educação Especial vem se constituindo nos países lusófonos enquanto serviço de escolarização dos mais diferentes públicos. Para isso, torna-se necessário que as políticas educacionais se configurem enquanto elementos necessários para a universalização do atendimento escolar aos estudantes com deficiência e demais públicos que integram a clientela da Educação Especial nos diferentes países que integram a lusofonia. Palavras-Chave: Política educacional. Deficiência. Jovens e Adultos. Países Lusófonos.
Thesis
Full-text available
This doctoral research was developed in the Graduate Program in Education of the Faculty of Science and Technology of São Paulo State University (FCT / UNESP) and it belongs to the research line Formative Processes, Teaching and Learning. The investigation was based on the need to deepen the research on inclusion in courses offered in the distance modality in higher education. The following question guided the research: how can inclusion, in its pedagogical aspect, be defined considering the context of higher education in the distance modality and the principle of education for all? This research is qualitative, analytical-descriptive and it is configured as a case study, since the data was collected from a specialization course, called Special Education on the Perspective of Inclusive Education, offered in the hybrid modality to the teachers of public schools, through São Paulo Network for Teacher Training Program. The courses which composed this Program were designed to be accessible to all the enrolled students. The main objective of the research was to define the concept of pedagogical inclusion of the online part of a specialization course, considering the organizational and pedagogical aspects. This research was carried out in three phases: conceptualization of the term “pedagogical inclusion”, course analysis and data triangulation. The conceptualization was developed from the analysis of the literature related to inclusion and distance education, considering the concept of difference in education. For the second phase, data was selected from the Virtual Learning Environment, considering the interactions and documents available on it. The virtual rooms for communication between the teams and three virtual rooms with students were analyzed. The selected data was analyzed from the theoretical categories which permeate the concept of pedagogical inclusion, defined on the first step of the research. In the third step, considering the analyzed data and the literature, indicators for the production of courses were evidenced, in order to contemplate the pedagogical inclusion, which defines actions to guarantee the participation and the success of all. This research evidenced that to achieve pedagogical inclusion in a course, it is necessary that the whole process, from planning to execution, follows the principles of inclusive education, as valuing differences
Article
Full-text available
Resumen El artículo forma parte de un estudio sobre la inclusión en la educación superior en Cuba y su objetivo es describir las prácticas de orientación educativa a los alumnos con necesidades educativas especiales o que se encuentran en situación de vulnerabilidad. Se realiza un estudio de casos en las universidades de Holguín y Cienfuegos. El resultado muestra que la orientación educativa auxilia los procesos formativos mediante la ayuda a los profesores, para la atención a la diversidad del alumnado; a los alumnos, en la organización de la actividad de aprendizaje, la resolución de problemas y los proyectos de vida y, a los padres, para apoyar sus hijos en la toma de decisiones. El estudio evidencia que la articulación de postulados de la psicología histórico cultural, la pedagogía sobre las necesidades educativas especiales y el modelo social de la discapacidad, constituye un fundamento congruente con la inclusión en la educación superior.
Thesis
Full-text available
As perspectivas de diversos países sobre como efetivar a escolarização das pessoas com deficiência fomentam os debates internacionais que visam identificar elementos, sejam eles de âmbito político, organizacional ou metodológico, que possam equacionar os problemas presentes nos respectivos contextos educacionais. Essencialmente, há países que asseguram o ensino somente em estabelecimentos especializados, como é o caso da Irlanda, ou predominantemente nas classes comuns da rede regular de ensino, assim como ocorre na Itália, ou ainda, sob forma de continuum de serviços, com o estabelecimento de parceria entre a rede regular de ensino e as instituições especializadas, como é o caso predominante no Brasil. Frente a isso, e considerando-se a atual perspectiva inclusiva da Educação Especial no nosso país e as discussões que tendem a defender a inserção de absolutamente todos os alunos nas classes comuns da rede regular de ensino, vimos a necessidade de investigar como é organizado o atendimento educacional às pessoas com deficiência na Itália, por ser este o país que, há quase quarenta anos, instituiu a inclusão escolar considerada, por muitos, a mais radical. Para tanto, optamos por desenvolver um estudo comparativo referente à legislação sobre Educação Especial do Brasil e da Itália, por meio da exploração de documentos oficiais, mediante protocolo específico, tais como constituições, leis, decretos e resoluções, instituídos entre os anos de 1970 e de 2009, que trataram sobre questões relacionadas às pessoas com deficiência. Portanto, este é um estudo documental, tendo a análise de conteúdo como principal abordagem. Foi apresentado, inicialmente, um breve histórico da Educação Especial referente aos dois países até a década de 1970 e, além disso, esforçamo-nos em contextualizálos no que se refere às características sócio-econômicas e educacionais, bem como diferenciamos os conceitos de integração e inclusão para os dois países e os critérios de identificação das pessoas elegíveis para o atendimento especializado por meio de recursos e serviços da educação especial. Em seguida, apresentamos, analisamos e discutimos com a literatura os dados identificados referentes a cada país. Concluímos, sob a perspectiva comparativa, que: 1) enquanto o Brasil institui dispositivos legais normas para incentivar mudanças, na Itália, as normas são instituídas coletivamente para fundamentar práticas já existentes; 2) a perspectiva médica para a identificação do alunado da Educação Especial na Itália reduz para 1,5% a população a ser atendida, o que no Brasil é estimado em 14,5%, o que influencia diretamente da canalização dos investimentos em educação para esse segmento populacional, dentre outros serviços; 3) enquanto as famílias italianas reivindicaram a educação dos seus filhos nos espaços comuns da sociedade, no Brasil, a luta foi para o funcionamento de instituições especializadas. Entretanto, por mais que a inclusão escolar na Itália seja tida como a mais radical, ela ainda reconhece a necessidade de manutenção do funcionamento das instituições especializadas para surdos e cegos; 4) em ambos os contextos identificam-se dificuldades de articulação entre os serviços da saúde e da educação; e 5) existe uma tendência comum em professores das classes comuns delegarem o aluno com deficiência ao professor especializado. Enfim, considerando que a comparação com outro país nos faz refletir sobre as nossas próprias práticas, o estudo possibilitou-nos ponderações acerca do atual discurso de inclusão radical que permeia a política educacional brasileira e vimos, ao analisar a experiência italiana, que diversos problemas ainda não foram equacionados naquele contexto o que pode indicar que o caminho da radicalização da inclusão escolar talvez não seja, necessariamente, aquele que o Brasil deva adotar. Deve-se sim, mais que elaborar novas leis, implementar efetivamente as já existentes, respeitando-se o direitos das pessoas com deficiência. The opinions of several countries on how to enforce the education of people with disability promote international discussions aimed at identifying elements, whether from the political, organizational or methodological sphere, that can solve the existing problems in their respective educational contexts. Essentially, there are countries which provide education only in specialized centers, such as Ireland, or predominantly in the classrooms of the regular school system, such as Italy, or like a continuum of services, with the establishment of a partnership between the regular school system and the specialized centers, such as Brazil, predominantly. With that in mind, and considering the current inclusive perspective of Special Education in our country and discussions that tend to defend the inclusion of all students in common classes of regular school, we saw the need to investigate how the educational services to people with disability is organized in Italy, since this is the country that, almost forty years ago, have established the school inclusion which is considered by many the most radical one. To do so, we have chosen to develop a comparative study on legislation of Special Education in Brazil and Italy, through the study of official documents, following a specific protocol, such as constitutions, laws, decrees and resolutions, taken place between the 1970s and 2009, which dealt with issues related to persons with disabilities. So, this is a documentary study, having content analysis as the main approach. It has been presented, at the beginning, a brief history of special education concerning the two countries until the 1970s and we have also made an effort to contextualize them in relation to social-economic and educational characteristics, and we have also differentiated the concepts of integration and inclusion for both countries and the criteria for identifying people with special educational needs. In the next section, we have presented, analyzed and discussed the data identified for each country. We have concluded, from the comparative perspective, that: 1) while Brazil establishes legal mechanisms to encourage changes, in Italy, the standards are drawn up collectively to support existing practices; 2) the medical perspective to the identification of Special Education students in Italy decreases the population to be served to 1.5%, which in Brazil is estimated at 14.5%, which directly influences the targeting of investments in education for this particular segment, among other services; 3) while the Italian families claimed the education of their children in public spaces of society, in Brazil, the fight was for the operation of specialized institutions. However, despite the fact that inclusive education in Italy is considered the most radical one, it still recognizes the need to maintain the operation of specialized institutions for the deaf and blind; 4) in both contexts one can identify difficulties of coordination between health services and education; and 5) there is a common trend in the common classroom teachers to delegate the disabled student to a specialized teacher. Finally, considering that the comparison with another country makes us reflect on our own practices, the study allowed us considerations about the current speech of radical inclusion that permeates the brazilian educational policy and we have seen, when considering the Italian experience, that many problems have not yet been solved in that context, which may indicate that the path of radicalization of school inclusion may not be necessarily the one Brazil should take. Instead, we should, rather than coming up with new laws, effectively implement the existing ones, respecting the rights of disabled people.
Thesis
Full-text available
O aumento exponencial de alunos com deficiência matriculados em universidades de diferentes países incitou tais instituições a ativar alguns serviços voltados à sua orientação, tanto a nível acadêmico, quanto profissional. No entanto, a literatura internacional mostra que tais iniciativas, em algumas realidades, ainda estão desconectadas do mais amplo contexto sócio-econômico. Isso pode inibir significativamente as oportunidades que permitiriam estudantes do ensino superior colocar em prática o seu profissionalismo em benefício da sociedade. A fim de encontrar possíveis soluções para este problema, em princípio identificado empiricamente no Brasil pelo pesquisador, o objetivo desta pesquisa foi o de explorar, em nível internacional, iniciativas relacionadas à orientação acadêmica e profissional dos alunos com deficiência. Neste sentido foi realizado o presente estudo de caso de campo, cujos resultados foram apresentados em três partes, de acordo com as condições, os participantes, a temporalidade e os métodos adotados: a) estudo de caso longitudinal descritivo na Itália: durante três anos, em condições de full immersion junto ao Serviço para alunos com Deficiência da Universidade de Roma "Foro Italico", foi posto em prática uma proposta empírica de orientação acadêmica e profissional, a qual envolveu 20 alunos com deficiência, matriculados em três universidades italianas, utilizando-se de estratégias objetivas e ferramentas específicas de observação, avaliação e monitoramento, com a participação de quatro tutores acadêmicos e 20 tutores profissionais, b) estudo de caso exploratório na Inglaterra e na França: durante a mobilidade internacional de três meses, prevista pelo Doctor Europeaus, foram realizadas atividades de observação e entrevistas aos tutores acadêmicos e profissionais de duas universidades francesas e duas universidades britânicas. c) estudo de caso exploratório na Dinamarca e na Irlanda: através da participação ativa no projeto Univers'Emploi do programa europeu Leonardo da Vinci, foram realizadas visitas técnicas presenciais e reuniões transnacionais com os responsáveis pelos Serviços para os alunos com deficiência das universidades dinamarqueses e irlandesas, permitindo a coleta de dados por meio de observação e diários de campo. A análise global dos resultados emersos desta pesquisa permitiu identificar, em uma perspectiva internacional, as boas práticas em cada realidade explorada. As reflexões sobre tais elementos direcionaram a proposição de indicadores que podem contribuir com a comunidade científica e universitária para eventual implementação, avaliação e acompanhamento de um programa de orientação acadêmica e profissional para estudantes universitários com deficiência.
Article
This chapter highlights the health risks of globalization without preventive systems and makes reference to the international efforts to ensure effective worker protection programs are in place. The improved global information and communications systems create new opportunities for occupational health advocacy that can help bring about such programs.
Article
Although entry into the world of work is a prominent marker of postschool success in the United States, students with severe disabilities often leave high school without the skills, experiences, and supports that lead to meaningful employment. The authors examined the extent to which an array of student, family, and school factors was associated with employment during the 2 years following high school. Having held a paid, community-based job while still in high school was strongly correlated with postschool employment success. In addition, being male and having more independence in self-care, higher social skills, more household responsibilities during adolescence, and higher parent expectations related to future work were all associated with increased odds of employment after school for young adults with severe disabilities. Implications for transition policy and practice are presented along with recommendations for future research addressing the career development of youth with intellectual disabilities, multiple disabilities, and autism.
Article
Results of the Florida High School Exit Survey collected in 2006–2007 and 2007–2008 are presented. Participants include 2,520 students with and without disabilities across 40 school districts. Survey items cover questions relating to employment, postsecondary education and training, daily living, quality of life, agency connections, in-school experiences, and school-based work experiences. Findings suggest that students with disabilities feel better about knowing what they want to do after high school and how to achieve their goals but have few interactions with friends in social activities. Conversely, students without disabilities feel better prepared academically and participate more with friends in social activities. Identifying these trends can assist districts in improving school programs and student outcomes.
Article
Although there are over 68,000 disabled students in higher education programmes in the UK, a laissez-faire policy has been adapted regarding the provision of assessment services for these students, with a result that there have been no statutory duties for these programmes not to discriminate against them. With the introduction of the Special Educational Needs and Disability Act (2001) amending Part IV of the Disability Discrimination Act (1995), it would be timely to consider assessment related issues and benefits from the experiences of the US higher education programmes and educational testing agencies in this area since the mid-1970s. This paper argues that it is the academic achievement of disabled students that should be measured by the assessment services, not their disabilities. Without the provision of reasonable assessment adjustments, as the research shows, it is inevitable that disabilities of disabled students would be measured not their academic achievements, contrary to the main argument put forward by Sharp and Earle (2000) among others. The paper argues for a historical role for the educators and administrators of higher education programmes in eliminating discrimination against disabled students in provision of assessment services at every stage of their studies in the long run.