ArticlePDF Available

Abstract

The study is based on initial conceptions for a thesis and has, as a modal point, the widening of the understanding of how women, in the socio-professional context, become entrepreneurial, and in what way they launch themselves as protagonists in this process. The aim of the study is to analyze the identity of the entrepreneurial woman under the aspect of cultural dynamics, entrepreneurship and the discursive ethos. The analyzis reveal that it is useful to cross-examine the themes in an interdisciplinary way to reflect on the discursive ethos constructed through scenarios on entrepreneurship, shown in the interdiscursivity of women's socio-professional practices, and to understand them. Copyright © 2018, Eliane Davila dos Santos and Ernani Cesar de Freitas. This is an open access article distributed under the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.
A preview of the PDF is not available
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
Based on an empirical study of the managerial systems of 116 small business owner-managers, the subjects were divided into two groups. A total of 74 were classified as entrepreneurs, and the remaining 42 as operators. The managerial systems of all the sample ownermanagers were analyzed from the point of view of Fayol's POCC elements (planning, organizing, commanding and controlling). Each of the two groups had an activity system of its own. For the entrepreneurs, the activities in the system were visioning, designing, animating, monitoring and learning, while for the operators they were selecting, performing, assigning, allocating, monitoring and adjusting.
Article
Gênero, Gram. Categoria que indica por meio de desinência uma divisão dos nomes baseada em critérios tais como sexo e associações psicológicas. Há gêneros masculino, feminino e neutro. Novo Dicionário da Língua Portuguesa (Aurélio B. de Hollanda Ferreira). Aqueles que se propõem a codificar os sentidos das palavras lutam por uma causa perdida, porque as palavras, como as idéias e as coisas que elas significam, têm uma história. Nem os professores de Oxford, nem a Academia Francesa foram inteiramente capazes de controlar a maré, de captar e fixar os sentidos livres do jogo da invenção e da imaginação humana. Mary Wortley Montagu acrescentava a ironia à sua denúncia do "belo sexo" ("meu único consolo em pertencer a este gênero é ter certeza de que nunca vou me casar com uma delas") fazendo uso, deliberadamente errado, da referência gramatical. Ao longo dos séculos, as pessoas utilizaram de forma figurada os termos gramaticais para evocar traços de caráter ou traços sexuais. Por exemplo, a utilização proposta pelo Dicionário da Língua Francesa de 1879 era: "Não se sabe qual é o seu gênero, se é macho ou fêmea, fala-se de um homem muito retraído, cujos sentimentos são desconhecidos". E Gladstone fazia esta distinção em 1878: "Atenas não tinha nada do sexo a não ser o gênero, nada de mulher a não ser a fama". Mais recentemente – recentemente demais para encontrar seu caminho nos dicionários ou na enciclopédia das ciências sociais – as feministas começaram a utilizar a palavra "gênero" mais seriamente, no sentido mais literal, como uma maneira de referir-se à organização social da relação entre os sexos. A conexão com a gramática é ao mesmo tempo explícita e cheia de possibilidades inexploradas. Explícita, porque o uso gramatical implica em regras que decorrem da designação do masculino ou feminino; cheia de possibilidades inexploradas, porque em vários idiomas indo-europeus existe uma terceira categoria – o sexo indefinido ou neutro. Na gramática, gênero é compreendido como um meio de classificar fenômenos, um sistema de distinções socialmente acordado mais do que uma descrição objetiva de traços inerentes. Além disso, as classificações sugerem uma relação entre categorias que permite distinções ou agrupamentos separados. No seu uso mais recente, o "gênero" parece ter aparecido primeiro entre as feministas americanas que queriam insistir na qualidade fundamentalmente social das distinções baseadas no sexo. A palavra indicava uma rejeição ao determinismo biológico implícito no uso de termos como "sexo" ou "diferença sexual". O "gênero" sublinhava também o aspecto relacional das definições normativas de feminilidade. As que estavam mais preocupadas com o fato de que a produção dos estudos femininos centrava-se sobre as mulheres de forma muito estreita e isolada, utilizaram o termo "gênero" para introduzir uma noção relacional no nosso vocabulário analítico. Segundo esta opinião, as mulheres e os homens eram definidos em termos recíprocos e nenhuma compreensão de qualquer um poderia existir através de estudo inteiramente separado. Assim, Nathalie Davis dizia em 1975: "Eu acho que deveríamos nos interessar pela história tanto dos homens quanto das mulheres, e que não deveríamos trabalhar unicamente sobre o sexo oprimido, da mesma forma que um historiador das classes não pode fixar seu olhar unicamente sobre os camponeses. Nosso objetivo é entender a importância dos sexos, dos grupos de gêneros no passado histórico. Nosso objetivo é descobrir a amplitude dos papéis sexuais e do simbolismo sexual nas várias sociedades e épocas, achar qual o seu sentido e como funcionavam para manter a ordem social e para mudá-la".
Imagens de si no discurso. São Paulo, SP: Contexto
  • Cenografia Ethos
Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso. São Paulo, SP: Contexto, 2008c. p. 69-91.
O segundo sexo. 2. ed. Rio de Janeiro
  • Simone Beauvoir
  • De
Beauvoir and Simone de, 2009. O segundo sexo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
Esboço da teoria da prática
  • Pierre Bourdieu
Bourdieu, Pierre. Esboço da teoria da prática. In: ORTIZ, Renato (Org.). Pierre
Introduction to the Special Issue: Towards Building Cumulative Knowledge on Women's Entrepreneurship. Entrepreneurship: Theory and Practice
  • Anne Bruin
  • De
  • Candida Brush
  • G Welter
Bruin, Anne de, Brush, Candida, G., Welter and Friederike, 2006. Introduction to the Special Issue: Towards Building Cumulative Knowledge on Women's Entrepreneurship. Entrepreneurship: Theory and Practice. Baylor University. Volume 30, Issue 5. p. 485-593, set. Available at: < http://onlinelibrary.wiley.com/journal/10.1111/(ISSN)1540 -6520/issues>. Access on: 20 Feb. 2018. Dornelas, Jose Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro-RJ: Campus, 2012.
Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes
  • Kathryn Woodward
Woodward and Kathryn, 2000. Identidade e Diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p. 7-72.