ArticlePDF Available

Abstract and Figures

Ao instrumentalizar vivências realizamos mas não esgotamos possibilidades. A magia se constitui em drama à medida que insinua o temer esgotar e o não poder esgotar. As possibilidades se transformam em limite. Os significados existem. Diante do limite o ser humano se unifica ou se divide, vive o uno ou o múltiplo. Falaremos disso enfocando paixão e razão.
Content may be subject to copyright.
Publicado*na*Boca*Bilingüe*-*Revista*de*Cultura*en*Español*y*Portugués*-*Consejeria*
de*Educacion*de*La*Embajada*de*España*en*Lisboa*-*Lisboa,*Octubre*1994,*ps.*80-83*
1*
Boca%Bilingüe
Tudo que significa, significa alguma coisa para alguém. Não há significado, sentido e
valor independentes de malhas relacionais; linguagem, comunicação, cultura,
civilização bem atestam isso. O único absoluto é o relativo.
O homem é ser no mundo, não podemos sequer falar do homem enquanto ele mesmo.
Paradoxalmente toda vivência humana é sempre vivenciada como única; essa
absolutização do relativo é o que permite a percepção, o saber quem sou eu,
independente do outro que me estrutura e do mundo que me situa. Para a Gestalt
Psychology a percepção sempre se enquanto processo de Figura/Fundo, embora o
percebido seja sempre a Figura. Quando o Fundo é percebido esse já é Figura - graças
à reversibilidade perceptiva.
Perceber é vivenciar e quando percebemos/vivenciamos, coagulamos, focamos; as
relações estruturantes são absolutizadas, percebidas como únicas (1). O saber, o
conhecer, o perceber assim configurado, ganha condição de fundamentante do ser: ser
é perceber, ser é conhecer. Quando nos detemos nisso, distorcemos, entramos em um
Paixão e Razão
Vivência e Significado
VERA FELICIDADE DE ALMEIDA CAMPOS
2*
Boca%Bilingüe
desvio ontológico, metafísico; não estamos falando do significado do ser, mas sim de
suas vivências, daí que, saber que eu sou eu, nada significa; as vivências não
significam, não situam, não explicam, desde que elas são o instantâneo absoluto não
contextuado, não categorizado - é o não incluído, pois que é integrado (2).
As vivências nada significam enquanto não existirem códigos, referenciais, símbolos -
relações constituintes que possibilitem significado. Esse é o drama humano, tanto
quanto sua magia, sua vara de condão para estabelecer seus relacionamentos e efetivar
sua possibilidade de estar no mundo.
A instrumentalização (usamos de propósito 'vara de condão') das vivências tornam-se
significativas (rápido podemos pensar em todo o processo cultural, psicológico,
filosófico, social, econômico, do homem, do ser no mundo. É uma magia
transformadora, é o acesso ao outro, ao mundo, a mim mesma. É o ajuste, é o
desajuste. É a sobrevivência, é a realização de ser o mais evoluido animal da escala
zoológica, é a criação dos símbolos, da linguagem etc.).
Ao instrumentalizar vivências realizamos mas não esgotamos possibilidades. A magia
se constitui em drama à medida que insinua o temer esgotar e o não poder esgotar. As
possibilidades se transformam em limite. Os significados existem. Diante do limite o
ser humano se unifica ou se divide, vive o uno ou o múltiplo. Falaremos disso
enfocando paixão e razão.
Para mim, como psicoterapeuta, dizer que as vivências não têm significado é possível
pela globalização do humano.
Paixão é a percepção do único. É a vivência absolutizada. Quebrar o relativo é
absolutizar, é deixar sem categorização o percebido, o vivenciado e nesse sentido
paixão é vivência. A vivência humana é sempre apaixonada, única, absolutizada.
Contextuando-se é instrumentalizada, surgindo, então, como desejo, ódio, ambição,
compaixão, alegria, prazer etc. - é toda gama emocional considerada caractarística do
humano.
A apreensão linear do humano, como receptáculo de vivências, é responsável pelas
ideias de mundo interno, mundo externo, subjetivo, objetivo.
A vivência apaixonada, a paixão quando instrumentalizada, quando transformada em
varinha de condão, é a cogitação do que vai suprir minha necessidade - é o desejo. A
obsessão com que os toxicômanos buscam a droga revela esse aspecto único, esse
aspecto residual da vivência, da paixão.
O conceito de paixão como pathos, a ideia do estar submetido, passivo, do estar
tomado por uma força estranha, é a ideia de paixão como destruidora da ordem,
criadora da desordem. Essa ideia revela um posicionamento, uma visão parcializada
do homem e do mundo: de um lado o racional, o lógico, o objetivo; do outro lado o
irracional, o 'instintivo', o subjetivo. No meio, esta areia movediça, abismal que serve
de campo para semeadura de ideias obscurecedoras do humano. A busca de clareza no
emaranhado da complexidade humana, ensejou as antinomias das visões excludentes.
A vivência sem significado, a vivência absolutizada é sempre paixão. É o estar
Publicado*na*Boca*Bilingüe*-*Revista*de*Cultura*en*Español*y*Portugués*-*Consejeria*
de*Educacion*de*La*Embajada*de*España*en*Lisboa*-*Lisboa,*Octubre*1994,*ps.*80-83*
3*
Boca%Bilingüe
tomado ou submetido. Quando essa vivência se relativiza, significando, quando
adquire um sentido, temos a razão. É a força transformada em vetor, com direção e
intensidade. A vivência direcionada é a motivação, é a ação categorizada, é a
percepção percebida ou o que é comumente conhecido como conduta racional, é a
razão.
A razão é a vestimenta da paixão. Nós, seres humanos, somos racionais por sermos
apaixonados. É exatamente esse núcleo - vivência-paixão - que permite a psicologia
comparada, a psicologia animal ou que, enfocado de outro modo, possibilitou a Lévi-
Strauss a abolição da dicotomia entre pensamento mágico e pensamento científico.
A psicoterapia busca uma uniformização (uniforme é também vestimenta) das paixões
vistas como obsessões e desejos coercitivos, avassaladores.
Nossa razão, nosso raciocínio, enfim, nossa categorização, nossas normas, são
diagramas, arrumações das vivências, das paixões. Essa interferência ordenada é uma
superposição causadora de desordens, mudança, relativização do absoluto vivencial.
A vivência de dor, de perda, de amor, os estados de consciência alterada, dos êxtases
místicos e das vivências de droga, são incomunicáveis, sem significado enquanto
vivência.
Vivenciar, apaixonar-se sem configurar, sem categorizar, sem perceber a paixão
significativamente é o drama do humano, é o desespero, é a sobrevivência, é a
angustia, a alegria, o prazer, é a sensação de finitude, de limite, é a realização das
possibilidades do estar no mundo. A busca de realização, de resultados, é esvaziadora.
Precisamos sempre instrumentalizar nossas possibilidades para satisfazer nossas
necessidades, conseguindo assim uma pontualização absurda, uma adaptação, um
posicionamento (3).
Os significados resultam de nossos posicionamentos. Traçamos o caminho de posição
em posição e isso passa a ser a linha definidora do estar no mundo. A paixão vira
desejo, obsessão, loucura, desequilíbrio da razão, e a razão passa a ser a explicação
necessária, o símbolo redentor, o condificador, a grande metáfora. Cada vez temos
mais canais e aquedutos, menos fontes e poços. Evitar exaustão de recursos obriga a
toda uma significativa e bem construída rede de circulação para a vivência humana. É
a massificação, a sobrevivência. Homens ordenados, racionais, sobrevivem,
participam. Loucos, drogados, desorganizados sucumbem às paixões mal
administradas.
Fica a questão: colocando três pontos, arbitrariamente configurados em um plano e
ligando-os por duas retas, temos apenas três possibilidades (fig.1) de ligação. Por que
se escolhe uma delas? Acaso? Imposição contextual? Unilateralização apriorística?
4*
Boca%Bilingüe
fig. 1
---------------------------------------------------
(1) Dizer que a vivência é única, falar dessa absolutização do relativo é se deter no
presente. Toda vivência é única e como tal sem significado. A vivência do presente
contextuada no presente não significa, pois o presente é o estruturante relacional do
estar no mundo. Perceber o presente como estruturante relacional sem significado,
possibilita apreender e globalizar o humano, sua essência como possibilidade de
relacionamento. Podemos dizer que o presente não significado, é um vazio, e é
exatamente a vivência disso, do presente, que humaniza o homem, possibilitando a
não pregnância de suas necessidades contingentes, biológicas e limitadas.
Pregnância é a lei gestaltista da Boa Forma, da melhor direção.
(2) "incluído" pode ser significado como explicitado, posicionado, situado.
"Integrado" é o vivenciado, é a percepção não significativa.
(3) No livro "Terra e Ouro São Iguais - Percepção em Psicoterapia Gestaltista", vera
Felicidade de Almeida Campos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1993, conceituo
e desenvolvo os temas da "instrumentalização", do "posicionamento" etc.
* Vera Felicidade de Almeida Campos é baiana, formada em psicologia pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro. Iniciou seu trabalho inovador de psicoterapia
gestaltista em 1968, no rio de Janeiro, e, a partir de 1974, transferiu-se para Salvador.
É autora de diversos livros: Psicoterapia gestaltista - conceituações (1973), Mudança
e psicoterapia gestaltista (1978), Individualidade, questionamento e psicoterapia
gestaltista (1983), Relacionamento trajetória do humano (1988), Terra e ouro são
iguais (1993). "Se a autora vivesse no Primeiro Mundo, escrevia Paulo César
Coutinho num artigo aparecido no jornal O Globo de 25-07-93 comentando este
livro, sua obra seria internacionalmente reconhecida como intervenção de gênio.
Como vive na Bahia, totalmente integrada na teoria que criou, seus livros ainda são
objeto de discussão de raros conhecedores".
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
ResearchGate has not been able to resolve any references for this publication.