Article

Relação entre os Sinais de Fragilidade e a Capacidade do Idoso Viver Só

Authors:
To read the full-text of this research, you can request a copy directly from the authors.

Abstract

A metodologia utilizada consistiu na Revisão Integrativa da Literatura. Organizou-se a revisão seguindo as etapas propostas pelas mesmas autoras, as quais foram: 1ª etapa: seleção da temática e das questões de pesquisa; 2ª etapa: estabelecimento dos critérios de inclusão e exclusão dos estudos; 3ª etapa: definição das informações a serem obtidas e categorização dos estudos; 4ª etapa: avaliação dos resultados; 5ª etapa: interpretação dos resultados e 6ª etapa: descrição da síntese dos conhecimentos. O presente trabalho tem como objetivo geral de relacionar os sinais de fragilidade nos idosos e a capacidade de permanecer vivendo só. Como resultados apresentados identifica-se O envelhecimento pode ser temporariamente uma fase da vida que começa em algum período indeterminado, que segue a maturidade havendo o momento de fragilidade que se sente isolado não querendo preocupar ou interromper a vida social de algum familiar, outra coisa a frisar é Causas que levam o idoso a viver só Sendo identificados Dificuldades enfrentadas pelos idosos principalmente os processos fisiológicos e patológicos, desenvolvendo estratégias sociais e surgindo sinais de impactos de fragilidade. Acredita-se que os resultados desse estudo possam estar contribuindo para uma melhor garantia na atenção ao idoso no momento de fragilidade.

No full-text available

Request Full-text Paper PDF

To read the full-text of this research,
you can request a copy directly from the authors.

ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
RESUMO: Este artigo teve como objetivo identificar os estudos que abordam a prevalência e os fatores associados ao fenótipo de fragilidade em idosos brasileiros. Trata-se de uma revisão sistemática, realizada nas bases de dados Scielo, Lilacs e MEDLINE. Observou-se que 80% da produção científica ocorreram em 2012, em Hospitais Universitários, Instituições de Longa Permanência para Idosos, ou na comunidade. A diversidade de locais onde são realizados os estudos permitiu visualizar as condições de saúde de uma variedade de idosos. Palavras-chave: Saúde do Idoso; Idoso Fragilizado; Envelhecimento da População. ABSTRACT: To identify studies addressing the prevalence and factors associated with frailty phenotype in Brazilian elderly. Systematic review, held in databases Scielo, Lilacs and MEDLINE. It was observed that 80% of scientific production occurred in 2012 in University Hospitals, long-stay institutions for the elderly and community. The diversity of locations where studies are conducted allowed visualize the health of a variety of seniors.
Article
Full-text available
Este estudo se propôs a realizar uma revisão narrativa sobre a temática da síndrome da fragilidade no idoso, visto que a literatura ainda carece de unanimidade quanto a sua conceituação. A revisão foi realizada nos meses de maio e junho de 2012, por meio dos descritores frailty, aged, frail elderly e aging e seus respectivos correspondentes em português nas bases de dados LILACS, MEDLINE, SciELO e PubMed. A amostra contemplou artigos publicados de 1990 a 2012, resultantes de pesquisas primárias quantitativas, qualitativas e estudos teóricos. Os 58 artigos selecionados na amostra final apontaram diferentes instrumentos metodológicos para identificar e quantificar a presença de fragilidade nos idosos. Demonstraram que a fragilidade no idoso envolve múltiplas dimensões e pode ser influenciada por fatores ligados ao próprio indivíduo ou fatores externos, os quais resultam em diferentes conceitos da síndrome da fragilidade no idoso. Conclui-se que os pesquisadores da área estão investindo na geração de conhecimento com o intuito de elaborar uma única definição que possa contemplar com mais propriedade o conceito da síndrome de fragilidade no idoso, contribuindo na mudança de desfechos adversos, podendo intervir na prevenção e promoção de saúde nesses idosos.
Article
Full-text available
Introdução: O incremento no número de idosos morando sozinhos no sul do Brasil indica a necessidade de autonomia no autocuidado em saúde. Considerando a prevalência de hipertensão e diabetes nesse grupo populacional, destaca-se a maneira como cuidam da saúde bucal. Objetivos: Conhecer o autocuidado em saúde bucal de idosos hipertensos e diabéticos que vivem sozinhos. Materiais e métodos: Investigação qualitativa, exploratório-descritiva, realizada no território adscrito a uma unidade de atenção primária em saúde de Porto Alegre (RS). Oito sujeitos foram entrevistados em domicílio. Os dados sociodemográficos foram descritos e as respostas abertas foram analisadas tematicamente. Resultados e discussão: O grupo era formado predominantemente por mulheres, viúvas, maiores de 70 anos e com nível de escolaridade inversamente proporcional à idade. Procuravam atendimento odontológico para problemas pontuais e usavam prótese, quando bem adaptada. As dificuldades para seu uso eram náusea, má adaptação e obstáculos para agendar seu restauro no serviço de referência. Compreendiam que hipertensão e diabetes são agravos crônicos, precisando controlá-los. Apresentavam conhecimento nutricional satisfatório, diminuição do apetite e do prazer com alimentação por limitações na dieta e hipossalivação, cuja ocorrência era relacionada com respiração bucal, condições crônicas em questão e farmacoterapia. Usavam corretamente medicamentos indicados e compreendiam sua importância, com evidências de polifarmácia. Conclusões: Os participantes demonstraram que cuidavam da própria saúde bucal seguindo orientações prescritas e com apoio de familiares e do serviço de saúde de referência. Indicaram que assimilaram diversas orientações a seu estilo de vida. Compreendiam a relação entre determinadas terapêuticas farmacológicas e incômodos bucais. Palavras-chave: Saúde bucal; serviços de saúde para idosos; assistência odontológica para idosos; hipertensão; diabetes mellitus; autocuidado. Introduction: The increase in the number of elderly people living alone in the south of Brazil points to the need of autonomy in health self-care. Considering the prevalence of hypertension and diabetes in this age group, the relevance of their oral self-care is highlighted. Objectives: To know the oral health self-care of hypertensive and diabetic elderly people who live alone. Material and methods: Qualitative, exploratory-descriptive research, conducted in the territory under responsibility of a primary health care service in Porto Alegre (Rio Grande do Sul State, Brazil). Eight subjects were interviewed in their homes. The socio-demographic data were described and the open answers were thematically analyzed. Results and discussion: They were predominantly women, widows, older than 70 years-old and with years of schooling inversely proportional to their age. They searched for dental care for occasional problems and used prostheses, when well adapted. The restrictions to their use were nausea, ill-adaptation and obstacles to schedule its fixing in the mentioned service. Hypertension and diabetes were understood as chronic conditions, being necessary to control them. They presented an adequate nutritional knowledge, decreased appetite and low satisfaction when eating due to diet limitation and hyposalivation, which occurrence was related to oral breathing, the mentioned chronic conditions and drug therapy. They used their medication correctly, understanding its importance and evidencing polypharmacy. Conclusions: The participants followed prescribed measures and were supported by family members and the reference health service. They indicated that they have assimilated several recommendations to their lifestyle. They understood the relationship between certain pharmacological therapies and oral discomfort.
Article
Full-text available
The objectives of this study were to diagnose the nutritional status of the elderly Brazilian population and to identify associated factors. The study used data from the Brazilian Household Budget Survey (2008/2009) for 20,114 elderly, whose nutritional status was assessed by body mass index (BMI). Associated factors were tested with the Pearson chi-square test and multilevel linear models. The hierarchical analysis showed a significant effect of state of Brazil on BMI variance (p-value = 0.001). The individual level showed a negative association (p-value < 0.001) with Asian-descendant race, male gender, living alone, and older age and a positive association with per capita income. Underweight was more prevalent among elderly in rural areas (26.3%) and in the Northeast (23.7%) and Central regions (20.9%), and obesity was more prevalent in the South (45.1%) and Southeast (38.3%) and in cities (39%). The study suggests the importance of further in-depth research on nutritional status of elderly based on contextual variables.
Article
Full-text available
O objetivo deste estudo foi identificar o perfil de fragilidade e os fatores associados a idosos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família. Trata-se de um estudo observacional de corte transversal, exploratório de base domiciliar, realizado com 139 idosos. Os dados foram coletados por meio de um questionário estruturado, contendo as seguintes informações: antecedentes pessoais, familiares e doenças autorreferidas, sociodemográficas, nível de atividade física, variáveis comportamentais, eventos de quedas no último ano, sintomatologia depressiva, perda de peso não intencional e fadiga. Foram ainda realizadas medidas antropométricas (peso e altura) e calculado o Índice de Massa Corpórea (IMC). Foram realizadas análises descritivas e o teste de qui-quadrado de Pearson, ou exato de Fisher, com nível de significância (p < 0,05). Para as análises, foi utilizado o programa estatístico SPSS®, versão 21.0. Encontrou-se uma prevalência de idosos frágeis de 16,9%, pré-frágeis de 61,8% e não frágil de 21,3%. Foram observadas associações de fragilidade com grupo etário (p < 0,001), IMC (p = 0,018), arranjo familiar (p = 0,014), atividade física (p < 0,001) e quedas (p = 0,043). Neste estudo, observou-se uma alta prevalência de idosos pré-frágeis e frágeis e identificou fatores associados com esta síndrome.
Article
Full-text available
A fragilidade apresenta elevada variabilidade na prevalência e é pouco investigada em países em desenvolvimento. O objetivo deste estudo foi identificar a prevalência e fatores associados à fragilidade em idosos comunitários de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Aspectos clínicos, funcionais e sociodemográficos foram avaliados. Foi utilizado o modelo de regressão ordinal, para verificar condições associadas à fragilidade e determinar a razão de chance (α = 0,05). A prevalência de pré-fragilidade foi 46,3% e de fragilidade de 8,7%. Os idosos pré-frágeis e frágeis apresentaram, respectivamente, maiores e crescentes razão de chances para dependência em atividades instrumentais de vida diária; restrição em atividades avançadas de vida diária; utilização de dispositivos auxiliares da marcha; comorbidades; quedas; sintomas depressivos; menor autoeficácia para prevenir quedas; hospitalização e idade avançada. Foi identificado elevado percentual de estados de fragilidade associados a maiores chances para condições adversas de saúde, especialmente as relacionadas à incapacidade.
Article
Full-text available
From a critical analysis of experiments in the use of screening tools for functional loss in the elderly, it was observed that the main motiva- tion to develop and implement a screening instru- ment is to improve health care for the frail elderly or those at risk of functional loss and repeated hos- pital admissions. The instruments are preferably short questionnaires with no more than 16 self- reported questions. The main intervention per- formed after screening was monitoring the elderly by a specialized nursing service that, when neces- sary, referring them to the medical service. The results of this approach included the reduction of functional loss, hospital admissions, deaths, lower health expenses and greater consumer satisfac
Article
Objetivos: verificar se características sociodemográficas, estilo de vida e estado da saúde estão associados ao fato de o idoso morar sozinho, analisando amostras populacionais de duas capitais brasileiras de regiões distintas, Porto Alegre e Manaus, e as possíveis diferenças entre seus residentes. Metodologia: fora realizada análise secundária de dados de dois estudos transversais com base populacional – realizados nas cidades citadas, em 2006 – que utilizaram idênticas metodologias e instrumentos de pesquisa. Modelos de regressão logística utilizaram a variável dependente morar sozinho, dicotômica. A amostra total foi de 1547 idosos (com idade igual ou superior a 60 anos) de ambos os sexos: 1078 em Porto Alegre e 469 em Manaus; 291 idosos moravam sozinhos (Manaus 39, Porto Alegre 252). Resultados: fatores significativamente relacionados com a chance maior de morar sozinho foram: ser mulher, ter renda individual de dois ou mais salários mínimos, ter menor número de filhos e receber ajuda para “habitação”. A idade da aposentadoria foi fator preditor significativo somente em idosos de Porto Alegre, enquanto a escolaridade foi significativa somente para Manaus. Estado de saúde, autopercepção de saúde e prevalência de comorbidades não foram fatores significativos para morar sozinho nas duas cidades. Conclusões: fatores socioeconômicos são preditores importantes para o idoso residir sozinho. Contrário ao que se supunha, ter pior estado de saúde não foi importante. Observamos mais idosos morando sozinhos em Porto Alegre, sendo estes influenciados por terem se aposentado com maior idade. Já em Manaus, ser alfabetizado foi um fato significante para morar sozinho.
Article
O envelhecimento é um processo que todo indivíduo experimenta em algum momento de sua existência e pode ser conceituada como uma fase da vida onde o ser humano enfrenta diversas dificuldades, principalmente nas atividades rotineiras, pois a senescência traz vulnerabilidade, além da constante dependência dos outros. De acordo com a Organização Mundial da Saúde - OMS, a população acima e 60 anos aumentará nas próximas décadas, pois seus estudos apontam que no ano de 2025 haverá mais 800 milhões de pessoas com idade superior a 65 anos em todo o mundo (NUNES, et al., 2009). Assim analisamos a importância de conhecer as reais condições de vida da pessoa idosa e como estas, enfrentam os desafios comuns a esse fase da existência. O estudo delimita como objetivo geral avaliar o perfil de idosos que moram sozinhos. Será realizado com pessoas idosas participantes do Projeto Vida Ativa. Iniciaremos identificando o perfil sócio/cultural/demográfico da população estudada; analisar a qualidade de vida dos participantes do estudo e investigar os motivos que os levaram a residirem sozinhos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, baseada nos pressupostos etnográficos, que inclui a observação participante, entrevistas semi-estrutradas e elaboração de diário de campo. As informações serão obtidas, a princípio no Centro de Cultura Camilo de Jesus Lima, lócus de desenvolvimento do projeto e posteriormente nas residências dos idosos selecionados. Para análise das informações obtidas utilizaremos a metodologia interpretativa sugerida pelo antropólogo Clifford Geertz (1997).
Article
O objetivo do estudo foi conhecer a percepção do idoso que vive só com relação à constituição dos domicílios unipessoais. Estudo exploratório, de abordagem qualitativa, realizado com 20 residentes do Condomínio do Idoso do mu­nicípio de Maringá, Paraná. Os dados foram coletados no mês de fevereiro de 2012, mediante entrevistas semiestruturadas realizadas no próprio condomínio e submetidos à análise de conteúdo. Alguns dos idosos consideram que a constituição do domicílio unipessoal é oriunda da separação ou morte do companheiro, outros reconhecem como uma oportunidade de recomeço. Além disso, morar só foi relacionado à autonomia, o que gera insegurança para o idoso em situações de adoeci­mento. Entretanto, alguns referiram que, por residirem no Condomínio, sentem-se aliviados. Portanto, faz-se necessária a atuação do enfermeiro junto a esta população com o intuito de reduzir os fatores de risco, estimulando a adoção de ações de autocuidado com vistas à manutenção da saúde. ABSTRACT The objective was to study the perceptions of older adults living alone as to the constitution of single-person households. This qualitative, exploratory study involved 20 elderly residents of the Condomínio do Idoso in Maringá, Paraná, Brazil. Data collected in February 2012 by semi-structured interviews conducted at the condominium were then subjected to content analysis. Some of the older adults regarded the single-person home as arising from separation or partner’s death, while others recognized it as an opportunity for a new start. In addition, living alone was related to autonomy, which creates insecurity in older adults in situations of illness. However, some said that, as they lived in the condo, it was a relief. Accord­ingly, it is necessary for nurses to work with this population to reduce risk factors and encourage self-care actions with a view of maintaining health. RESUMEN El objetivo fue estudiar la percepción del anciano que vive solo en relación con el establecimiento de los hoga­res unipersonales . Estudio exploratorio , cualitativo, realizado con 20 residentes del Condominio del Anciano de Maringá , Paraná-Brasil . Los datos fueron recogidos en febrero de 2012, a través de entrevistas semiestructuradas realizadas en el propio condominio y sometidos al análisis de contenido. Algunos de los ancianos sienten que la constitución de la casa unipersonal es oriunda de la separación o fallecimiento del compañero , otros lo reconocen como un nuevo comienzo. Por otra parte, la vida solo estaba relacionado con la autonomía , lo que crea inseguridad para el anciano en situaciones de enfermedad. Sin embargo, algunos dijeron que, por vivir en el condominio, se sienten aliviados . Por lo tanto, es necesario el trabajo de las enfermeras en esta población con el fin de reducir los factores de riesgo , estimulando la adopción de acciones de autocui­dado con el fin de mantener la salud. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2014.6565
  • F S Silva
  • P S Envelhecendo Para Viver
ALENCAR, F. S; SILVA, P. S. Envelhecendo Para Viver Só. Memorialidades, n. 19, p. 117, 2013.
Técnicas de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas
  • E M Marconi
LAKATOS, E.M.; MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas. 2006. 289 p.
Idosos sozinhos: razões para o envelhecer em domicílio UNIPES. Memorialidades, n. 19
  • J L C Ramos
  • E C Meira
  • M Menezes
  • R Do
RAMOS, J. L. C.; MEIRA, E. C.; MENEZES, M. do R. Idosos sozinhos: razões para o envelhecer em domicílio UNIPES. Memorialidades, n. 19, p.19-28, 2013.
Modificações Ocorridas Na Vida De Familiares Que Cuidam De Idosos No Ambiente Doméstico
  • A Santos
  • M T Leite
SANTOS, A. M; LEITE, M. T. Modificações Ocorridas Na Vida De Familiares Que Cuidam De Idosos No Ambiente Doméstico. Revista Contexto & Saúde, v. 6 n. 12. 2007.
Brasil: dados do Estudo FIBRA
  • Em Edição Eletrônica
  • Vieira Journal
Edição eletrônica em http://idonline.emnuvens.com.br/id Id on Line Multidisciplinary and Psycology Journal VIEIRA, R. A et al. Prevalência de fragilidade e fatores associados em idosos comunitários de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: dados do Estudo FIBRA. Cad Saude Publica 2013; 29(8):1631-1643.
prevalência e fatores associados à síndrome da fragilidade em idosos
  • L Colaço
COLAÇO, L. V et al., prevalência e fatores associados à síndrome da fragilidade em idosos. Anais CIEH (2015) -V. 2, N.1.
Estratégias desenvolvidas pelos idosos para viverem só. Documento saúde
  • M F Costa
COSTA, M. F. Estratégias desenvolvidas pelos idosos para viverem só. Documento saúde, ano 2013.
Comparação da percepção subjetiva de qualidade de vida e bem-estar de idosos que vivem sozinhos, com a família e institucionalizados
  • D S Dias
  • C Carvalho
  • C V Araújo
DIAS, D. S. G; CARVALHO, C. S; ARAÚJO, C. V. Comparação da percepção subjetiva de qualidade de vida e bem-estar de idosos que vivem sozinhos, com a família e institucionalizados. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. n.16n. 1, p. 127-138, 2013.
Levantamento e planejamento de uma abordagem para o cuidado a idosos que vivem sozinhos na Estratégia de Saúde da Família. Monografia. Rio de janeiro
  • L C Goulart
GOULART, L. C. Levantamento e planejamento de uma abordagem para o cuidado a idosos que vivem sozinhos na Estratégia de Saúde da Família. Monografia. Rio de janeiro, 2016. 15 folhas.
Técnicas de pesquisa. 6
  • E M Lakatos
  • M A Marconi
LAKATOS, E.M.; MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas. 2006.
Avaliação da fragilidade e intervenções de enfermagem indicadas para idosos. v.13 (suppl I)
  • G M Maciel
MACIEL, G. M. C. Avaliação da fragilidade e intervenções de enfermagem indicadas para idosos. v.13 (suppl I): p. 402-4, 2014.