Conference PaperPDF Available

O "quartinho de empregada" e o seu lugar na morada brasileira

Authors:

Abstract and Figures

The service room, or the housekeeper’s room, has gone through many transformations over history of Brazilian house. In the Colony-Empire period it originated as slave quarters, housing slaves. In 19th Century it was renamed purposes. As little house, positioned on the back of the urban plot. When close to the house, excused itself, walked through the door and settled down next to the kitchen. The verticalization of the 20th Century, floors were climbed by secondary circulation and squeezed along the servants rooms of apartments. Today, it became a small room that due to the loss of the original meaning, is occupied by junk. It is observed the development of new domestic technologies and especially the development of employees’ rights. Factors contributing to functional changes in the "little room" and hence to its disuse. There may be other causes, however, it is the fact that the lack of use to this room is a reality. Dealing with domesticity and relate it to the female universe, from twenty cases’ studies, designed between 1927 and 2010, this paper intend to reveal how architects position the "little room" in the hierarchy of the domestic spatiality. In a slave society, where the role of slaves and their business was known, the slave quarters was admittedly a space domestic set. With the Abolition (1888), such functions were veiled, attributed to smaller service providers whose labor rights were regulated only in 2015 with the sanction of PEC das Domésticas (work laws). In this scenario, the architects would be in the role of mere players - not questioning - these social relations, historically connected by habits, customs and servants relations? In answering this and other issues, this study directs our gaze to a domestic space often overlooked but culturally assimilated into our home environment: the service room.
Content may be subject to copyright.
Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo
Porto Alegre, 25 a 29 de Julho de 2016
O “QUARTINHO DE EMPREGADA” E SEU LUGAR NA MORADA
BRASILEIRA
SESSÃO TEMÁTICA: ARQUITETURA, GÊNERO E SEXUALIDADE
Maíra Boratto Xavier Viana
Universidade de Brasília
mairabxv@gmail.com
Ricardo Trevisan
Universidade de Brasília
prof.trevisan@gmail.com
O “QUARTINHO DE EMPREGADA”
E SEU LUGAR NA MORADA BRASILEIRA
RESUMO
A dependência de serviço, popularmente conhecida por “quartinho de empregada”, passou por muitas
transformações na história da casa brasileira. No período Colônia-Império originou-se como senzala,
abrigando escravos. Em fins do século dezenove foi renomeada. Como edícula, posicionou-se na parte
posterior do lote urbano. Quando próximo à casa, pediu licença, entrou pela porta dos fundos e
acomodou-se ao lado da cozinha. Na verticalização do século vinte, galgou pavimentos por circulação
secundária e se espremeu junto a ambientes serviçais dos apartamentos. Hoje, tornou-se um pequeno
cômodo que, devido à perda do sentido original, é ocupado por quinquilharias. Observa-se o
desenvolvimento de novas tecnologias domésticas e, principalmente, a evolução dos direitos de
empregados. Fatores que contribuíram para alterações funcionais do “quartinho” e, consequentemente,
ao seu desuso. Podem existir outras causas, porém, é fato que a falta de utilidade para esse cômodo
é uma realidade. Ao tratar da domesticidade e relacioná-la ao universo feminino, intenciona-se a partir
de vinte exemplares, projetados entre 1927 e 2010, revelar como arquitetos posicionam o “quartinho”
na hierarquia da espacialidade doméstica. Numa sociedade escravocrata, na qual era sabido o papel
do escravo e de seus afazeres, a senzala era assumidamente um espaço do conjunto doméstico. Com
a Abolição (1888), tais funções ficaram veladas, atribuídas a prestadores de serviços menores, cujos
direitos trabalhistas foram regulamentados apenas em 2015 com a sanção da “PEC das Domésticas”.
Nesse panorama, estariam os arquitetos no papel de meros reprodutores – não questionadores –
dessas relações sociais, conectadas historicamente por hábitos, costumes e relações serviçais? Ao
responder esta e outras questões, esse estudo direciona o olhar para um espaço doméstico muitas
vezes desprezado, porém culturalmente assimilado no ambiente de nossa morada: a dependência de
serviço.
Palavras-chave: Dependência de serviço; Empregado doméstico; Projeto habitacional.
THE HOUSEKEEPER’S ROOM
AND ITS PLACE IN BRAZILIAN HOUSES
ABSTRACT
The service room, or the housekeeper’s room, has gone through many transformations over history of
Brazilian house. In the Colony-Empire period it originated as slave quarters, housing slaves. In 19
th
Century it was renamed purposes. As little house, positioned on the back of the urban plot. When close
to the house, excused itself, walked through the door and settled down next to the kitchen. The
verticalization of the 20
th
Century, floors were climbed by secondary circulation and squeezed along the
servants rooms of apartments. Today, it became a small room that due to the loss of the original
meaning, is occupied by junk. It is observed the development of new domestic technologies and
especially the development of employees’ rights. Factors contributing to functional changes in the "little
room" and hence to its disuse. There may be other causes, however, it is the fact that the lack of use to
this room is a reality. Dealing with domesticity and relate it to the female universe, from twenty cases’
studies, designed between 1927 and 2010, this paper intend to reveal how architects position the "little
room" in the hierarchy of the domestic spatiality. In a slave society, where the role of slaves and their
business was known, the slave quarters was admittedly a space domestic set. With the Abolition (1888),
such functions were veiled, attributed to smaller service providers whose labor rights were regulated
only in 2015 with the sanction of PEC das Domésticas (work laws). In this scenario, the architects would
be in the role of mere players - not questioning - these social relations, historically connected by habits,
customs and servants relations? In answering this and other issues, this study directs our gaze to a
domestic space often overlooked but culturally assimilated into our home environment: the service room.
Keywords: Services’ room; Housekeeper; Housing design.
3
INTRODUÇÃO, MAS PELA PORTA DOS FUNDOS!
A evolução do espaço doméstico da morada brasileira releva-se capítulo à parte na história
da arquitetura de nosso país (REIS FILHO, 1970; LEMOS, 1978; NOVAIS et al., 1998).
Representação de nossa cultura, espaço híbrido de costumes e hábitos herdados do gentio
da terra, do colonizador português, do escravo africano, dos migrantes europeus, árabes e
asiáticos (VERISSÍMO & BITTAR, 1999), a casa brasileira muito é abordada e retratada
por pesquisadores e profissionais, garantindo a ela uma identidade própria. Por isso, à parte
de estudos similares e distinto a recortes recorrentes, este artigo pede licença para entrar pela
porta dos fundos e deter-se a um cômodo dela por vezes escondido, negligenciado e
menosprezado: o “quartinho de empregada”. Pequeno, mal ventilado e iluminado, escondido,
um espaço que, para além das condicionantes físicas precárias, carrega marcas de nossa
sociedade. Um pedaço de nossos lares impregnado de história e estórias que pretendemos
relevar.
No período Colônia-Império originou-se como senzala, abrigando escravos. Em fins do século
dezenove foi renomeada. Como edícula, posicionou-se na parte posterior do lote urbano.
Quando próximo à casa, pediu licença, entrou pelos fundos e acomodou-se ao lado da
cozinha. Na verticalização do século vinte, galgou pavimentos por circulação secundária e se
espremeu junto a ambientes serviçais dos apartamentos. Hoje, tornou-se um pequeno
cômodo que, devido à perda do sentido original, é ocupado por quinquilharias. Observa-se o
desenvolvimento de novas tecnologias domésticas e, principalmente, a evolução dos direitos
de empregados. Fatores que contribuíram para alterações funcionais do “quartinho” e,
consequentemente, ao seu desuso. Espaço para o qual podemos, de antemão, aplicar
inúmeras representações.
Ao descrever a casa ideal em A poética do espaço (1957), Gaston Bachelard expôs dois
elementos compositivos necessários: uma centralidade e uma verticalidade. Se a centralidade
na casa deve garantir uma vida simples, que permita ao seu morador o contato consigo
mesmo; a verticalidade é estabelecida pela presença de dois polos extremos: o porão e o
sótão. Para o filósofo francês, a casa ideal deveria conter uma nítida bipolaridade, onde a
extremidade mais alta (sótão/teto) definiria o claro, o racional, a proteção; enquanto a mais
baixa (porão/subsolo) traria o obscuro, o irracional, o profundo. Surgida como crítica à casa
modernista, modelo de casa com único pavimento (ausência de cosmicidade, de natureza, de
intimidade), defendendo as casas tipo bangalô e chalé (contexto europeu), tal analogia não
caberia às casas brasileiras. Contudo, se adotarmos a horizontalidade, ao invés da
verticalidade, poderíamos associar os polos a dois ambientes típicos de nossa morada: a
varanda e as dependências de serviço. A varanda como representação da ligação com o céu,
4
a natureza, o divino, a beleza, o espaço da intimidade e dos momentos românticos. as
dependências de serviço (nelas incluída o “quartinho”) abrigariam as figurações das trevas
(escuridão), das raízes, dos medos, das origens, enfim tudo aquilo de ruim. Assim como os
porões, as dependências despertam em nós sentimentos negativos, representantes de
espaços secundários, ambientes a serem evitados ou de rápida permanência (sobretudo, aos
membros da família). Uma possível interpretação aqui exposta para enquadrar o “quartinho”
no ambiente doméstico. Posição de coadjuvante, alçado à protagonista por algumas tramas
cinematográficas do século vinte e um.
Figura 1 – Cartaz do filme Histórias Cruzadas
(The Help). Fonte: IMDB. Acesso em 13 Out.
2015. Disponível em: <www.imdb.com>
Figura 2 – Cartaz do filme Que horas ela volta?
Fonte: Veja São Paulo. Acesso em 13 Out. 2015.
Disponível em: <www.vejasp.abril.com.br>
O filme Histórias Cruzadas (The Help, EUA, 2011) apresenta uma narrativa interessante sobre
a questão racial e de gênero na relação entre patrão e empregada doméstica nos Estados
Unidos da América, nos anos de 1960. Mais voltado para a questão social (racial), a trama
retrata fatos que segregavam as empregadas domésticas – mulheres afrodescendentes – na
esfera residencial, como a presença de banheiro para uso em separado. O documentário
Doméstica (Gabriel Mascaro, Brasil, 2012) aborda a história de seis empregados (cinco
mulheres e um homem) filmados a partir do olhar de seis adolescentes, revelando a vida
batalhadora de tais profissionais, o convívio com os patrões e os dramas pela negligência ou
abandono à própria família. Trama similar retratada ficticiamente pelo premiado Que horas ela
volta? (Anna Muylaert, Brasil, 2015), ao revelar esse universo doméstico – a dependência de
5
serviço – e a relação entre patrão e empregada em uma família paulistana de classe média
alta. As relações sociais presentes na esfera familiar são demonstradas pelas personagens
Val (Regina Casé), seus patrões e o filho deles, quando a empregada é tida como um “quase
membro da família”. Contudo, com a chegada de Jéssica (filha de Val) na casa, tais laços são
questionados ao confrontar direitos e deveres, tendo o espaço (“quartinho”, quarto de visitas,
cozinha, sala de jantar, piscina etc.) como campo de disputas. Um filme aclamado
publicamente e apropriado a sua época, refletindo os ganhos trabalhistas dessa classe
profissional com a sanção da “PEC das Domésticas” em 2015.
E o que explicaria tal segregação, espacial e social, do “quartinho de empregada”? Há muitos
aspectos que envolvem essa pergunta. Aspectos de cunho histórico, cultural, social e
econômico que permeiam a arquitetura residencial e posicionam tal ambiente. Espaço de
segundo plano, reflexo de hierarquias sociais, o “quartinho” – também conhecido por edícula,
dependência de serviço, quartinho de despejo, quarto dos fundos, quarto de serviço etc. –,
revela-se como interessante ambiente doméstico a ser explorado, seja pela narrativa histórica
da moradia brasileira, da casa colonial à contemporânea, seja pelas personagens para as
quais tais espaço doméstico foi criado. Assim, o presente artigo tem por objetivo problematizar
e responder as seguintes questões: qual a origem desse espaço na morada brasileira? Como
se deu a evolução de tal ambiente ao longo de séculos? nele mudanças ou alterações
espaciais ao longo do tempo? Quem são seus usuários? Estariam os arquitetos no papel de
meros reprodutores não questionadores dessas relações sociais, conectadas
historicamente por hábitos, costumes e relações serviçais? Será mesmo necessário pensar
em um local para ser a dependência de serviço nas residências contemporâneas? Enfim, uma
coletânea de inquietações que, ao serem investigadas, irão auxiliar nosso entendimento sobre
a origem e as transformações das áreas de serviço sobretudo, a dependência de empregado
– ao longo dos anos, bem como a pertinência futura de sua existência.
Para além de uma narrativa histórica, este ensaio debruçar-se-á também sobre estudos de
caso específicos. A princípio, sabida a aplicabilidade do objeto nas moradias e das
possibilidades inumeráveis de casos, definiram-se por recorte de análise algumas residências
presentes na publicação Arquitetura moderna paulistana, de 1983, dos arquitetos Alberto
Xavier, Carlos Lemos e Eduardo Corona; e residências presentes na obra Casas brasileiras,
de 2010, do arquiteto Roberto Segre. O recorte se deu também geograficamente, sendo
analisadas somente casas paulistas. Dentro do universo presente nestas edições, há casas
de arquitetos renomados, num recorte temporal que vai de 1927 a 1975, para as casas
modernistas, e de 2003 a 2010, para as casas contemporâneas. Esse recorte foi pensado
para melhor comparar os dois universos da arquitetura residencial brasileira, o modernista e
6
o contemporâneo, sendo mais fácil identificar evoluções devido à distância temporal entre
eles. Especificamente, os estudos de caso foram analisados quanto a: composição do
conjunto da área de serviço, setorização da dependência de empregados, acessos,
dimensionamento, layout proposto, proporção (área) frente ao restante da habitação,
aberturas e aspectos termo acústico.
Desse modo, o estudo busca direcionar o olhar para um espaço doméstico muitas vezes
desprezado, porém útil e culturalmente assimilado no ambiente das casas brasileiras, bem
como atentar para as questões sociais inerentes. Assim, a necessidade de falar sobre esse
espaço surge como uma contribuição para o projeto habitacional contemporâneo ao se
conectar à realidade social atual e revelar suas características. Estruturalmente, a primeira
parte abordará a história do “quartinho” de empregados, desde seus ancestrais: as senzalas.
A segunda revelará a situação atual do “quartinho” nas residências, passando pela arquitetura
e pela realidade social dos empregados domésticos. A terceira trará a análise dos estudos de
caso, constituídos por doze casas modernistas e oito casas contemporâneas. Por fim,
aduzem-se as considerações finais, em que se ousa responder às questões iniciais e discutir
o futuro desse ambiente nas residências brasileiras.
1. ÁRVORE GENEALÓGICA DO “QUARTINHO”
Se traçarmos a árvore genealógica do “quartinho” na morada brasileira, chegaremos às
senzalas. Contudo, para melhor entender a história desse ambiente, é importante também
compreender as origens e os aspectos que definem os usuários desse espaço, os próprios
empregados domésticos.
Atualmente, o empregado doméstico é aquele que, mediante pagamento, presta serviços no
ambiente residencial para uma pessoa ou família. O universo de trabalhadores é muito
extenso, sendo considerados empregados domésticos: a mensalista, a governanta, o
mordomo, o motorista particular, a babá, a acompanhante de idosos ou doentes, o caseiro, o
jardineiro, o vigilante, o porteiro, o piscineiro, a passadeira, a lavadeira, a cozinheira, a
folguista, a faxineira ou diarista, dentre outros. A ideia de ter uma pessoa, ou mais, dentro da
residência para ajudar nos serviços domésticos vem de muito antes de se pensar em tanta
especificidade para tal cargo. Vem dos tempos do Brasil Colônia, quando havia apenas uma
denominação para designar a pessoa que fazia os trabalhos domésticos: escravo. Além dos
trabalhos realizados nas plantações de cana e, posteriormente, na mineração e na lavoura
cafeeira, os escravos realizavam todos os afazeres domésticos.
No período da escravidão – do Descobrimento a 13 de maio de 1888 –, o Brasil era um país
predominantemente rural e, dessa forma, os registros domésticos que se têm inicialmente são
7
dos casarões das fazendas de cana-de-açúcar, por exemplo. Na esfera social desses
ambientes residenciais, existiam basicamente três tipos de relações primárias: as relações
entre senhores, as relações entre os escravos e as relações cruzadas entre senhores e
escravos. Tais relações repercutiam na vida doméstica cotidiana,
1
que se dividia,
basicamente, entre a casa-grande, dos senhores, e as senzalas, dos escravos. A casa-grande
vivia sempre muito cheia e movimentada, pois, além da grande família patriarcal, havia um
número grande de escravos que faziam a casa “funcionar”. O arquiteto Lucio Costa definiu
muito bem essa relação ao dizer que:
(...) a máquina brasileira de morar, ao tempo da colônia e do império, dependia dessa
mistura de coisa, de bicho e de gente, que era o escravo. Se os casarões
remanescentes do tempo antigo parecem inabitáveis devido ao desconforto, é porque o
negro está ausente. Era ele que fazia a casa funcionar: havia negro para tudo – desde
negrinhos sempre à mão para recados, até negra velha, babá. O negro era esgoto, era
água corrente no quarto, quente e fria; era interruptor de luz e botão de campainha; o
negro tapava goteira e subia vidraça pesada; era lavador automático, abanava que nem
ventilador. (Lucio Costa apud Lemos, 1978, 111)
Figura 3 – Exemplo da vida doméstica de uma casa-grande (ao centro) e uma senzala (à direita) do
Brasil Colônia. Fonte: “Planta do Engenho Noruega (Cícero Dies, Engenho Noruega, século XX)”.
História da Vida Privada no Brasil, v. 1, p. 123.
1
NOVAIS et al. História da vida privada no Brasil, 2012, v. 1, p. 29.
8
Nessa época, havia dois tipos de senzalas: a que servia aos trabalhadores do campo, junto
ao engenho e à lavoura, e a que servia aos escravos que trabalhavam no ambiente doméstico.
Esta última ficava junto à casa-grande, porém, era locada no quintal ou no subsolo, assim
como toda a área de serviço e a “secreta” – buraco feito na terra, cercado, usado como
banheiro. Ou seja, além da senzala, a parte “molhada” das residências também se locava fora
de casa, característica que perdurou por muitos séculos, até o advento de tubulações de água
e esgoto em substituição aos “tigres” – escravos responsáveis por transportar a água negra.
Era conveniente, portanto, que a habitação dos escravos fosse próxima a esses locais de
serviço.
É importante notar a falta de importância que se dava à morada dos escravos, tanto por sua
localização, muitas vezes junto à “secreta” e ao chiqueiro, quanto pelos materiais utilizados,
que variavam de adobe, taipa, madeira, pedra, com coberturas de palha ou telha, quase
sempre mal construída. Além do descaso com a locação e a construtibilidade, havia igual
despreocupação com o layout interno. Com mobiliário improvisado ou inexistente, com
aberturas mínimas e gradeadas, poucos exemplares possuíam cômodos separados, tendo o
uso misto (abrigavam homens e mulheres), sem qualquer garantia de privacidade. As grades
apareciam também nas janelas das áreas de serviço e cozinhas, pelo mesmo motivo em que
ocorriam nas senzalas: evitar fugas.
Figura 4 – Exemplo de senzala em taipa e cobertura de palha.
Fonte: http://martaiansen.blogspot.com.br. Acesso em: 21 Set. 2015.
9
Quando a vida urbana ganha importância (a partir do ciclo mineral), as moradias localizadas
em povoados ou vilas quase não dispunham de senzalas (salvo moradias de maior padrão,
como a Casa dos Contos, em Vila Rica), restando aos escravos dormirem em qualquer lugar,
estendendo suas esteiras na cozinha, próximas ao fogão, por exemplo, como afirmam os
autores Novais e Algranti: “nos sobrados do século XVIII e XIX, os escravos dormiam no porão
ou no rés do chão”.
2
Em casas que não possuíam quarto de hóspedes, os viajantes dormiam
com os escravos. Nota-se que, mesmo os escravos sendo conhecidos da família, tinham o
mesmo tratamento dos viajantes, que eram desconhecidos. Aliás, tinham tratamento pior,
porque não podiam utilizar-se do quarto de hóspedes, quando esse existia.
Com o passar dos anos, a área destinada aos serviços domésticos se aproxima do volume
principal da habitação, passando a compor um puxado ou corpo anexo nos fundos das casas.
Na roça e nas fazendas, foi se acostumando à cozinha dentro de casa, em puxados
bem feitos ou em alas de taipa, pois as casas já não eram mais retangulares. (...) Agora
era normal, como sempre fora no litoral, a casa estar agenciada no lado do engenho, no
mesmo espaço arquitetônico. Os poucos escravos negros deveriam estar sob o controle
direto do senhor sem muito cabedal ou sem muita arrogância de chefe.
(Lemos, 1978,
79)
Ou seja, na virada do século dezenove, começou-se a cozinhar dentro das casas por
comodidade. Nas casas bandeiristas, os escravos dividiam o mesmo ambiente que os
senhores, e isso trazia também maior controle sobre os serviçais.
A partir da segunda metade do século dezenove, na zona rural, imigrantes de diversas origens
começavam a exigir modificações na forma de morar como novos trabalhadores. Devido à
crise do sistema escravocrata, iniciada em 1830 (proibição do comércio legal) e finalizada em
1888 (Lei Áurea), imigrantes vindos da Europa foram trabalhar nas grandes fazendas.
3
O fim
da escravidão tornou os grandes casarões nada funcionais, além de dispendiosos, sem os
escravos.
Em fins daquele século, os principais centros urbanos, como Rio de Janeiro e São Paulo,
veem sua população crescer exponencialmente, com uma classe burguesa habitando
casarões e pequenos palacetes. As oportunidades de trabalho eram melhores para os
imigrantes do que para os mulatos e negros libertos
4
. Nessa época, as habitações urbanas já
2
NOVAIS & ALGRANTI, História da vida privada no Brasil, 2012 (1998), v. 1, p. 95.
3
NOVAIS et al., História da vida privada no Brasil, 1998, v. 2, p. 286.
4
LEMOS, Cozinhas, etc., 1978, p. 125.
10
não contavam com muitos cômodos de serviço em seus quintais. Não existia mais o escravo
o serviçal permanente nas residências coloniais –, sendo mais simples mandar lavar e
passar as roupas fora de casa com as negras recém-libertas. As cidades começam a contar
com seus primeiros sistemas de abastecimento de água encanada.
5
O início da instalação de
tubulações permitiu que as áreas molhadas (cozinha, lavanderia e banheiros) adentrassem
em definitivo o interior das residências, na parte posterior ou em “puxados”.
Figura 5 – Residência urbana típica da classe alta em São Paulo (1896), com detalhe para a
presença do quarto da “criada”. Fonte: Lemos, Cozinhas, etc., p. 141.
Na virada do século vinte, poucos eram os pedidos pela inclusão de dependências de
empregados nas casas, algo que se alterou com o passar dos anos. As cozinhas continuavam
como um anexo, sempre ligadas aos quintais e à copa novo ambiente surgido nas casas
urbanas, que isolava a cozinha e o empregado doméstico do restante da casa e da família.
Nas moradias abastadas, os arquitetos, principalmente os estrangeiros, projetavam
quartos de criadas dentro de casa, com comunicação interna, como se elas fossem, na
verdade, agregadas à família e não simples serviçais de convívio muito limitado, e para
alguns até desagradável. (Lemos, 1978, p. 138)
A edícula surge, então, como substituta natural da senzala. Trata-se de uma construção à
parte do corpo principal da casa, localizada no fundo do lote, voltada ao trabalhador
5
Fonte: http://www.aegea.com.br/portfolio/a-historia-do-saneamento-basico-no-brasil/. Acesso em: 10 Dez. 2015.
11
doméstico, geralmente com um quarto, um banheiro e uma saída independente para a área
externa. Posteriormente, tal espaço foi incorporado ao conjunto edilício, porém próximo às
áreas menos valorizadas (cozinha e lavanderia). Algo perpetuado nos edifícios residenciais
em altura a partir da década de 1930.
Em decorrência do aumento populacional nas grandes cidades e respectivo crescimento do
déficit habitacional, a necessidade de construir várias habitações em espaços que antes
serviriam a apenas uma foi a solução encontrada. Edifícios de apartamentos surgem em áreas
centrais de modo tímido, rejeitados inicialmente, mas apreciados pela classe média nos anos
1950.
6
Tentativas de reprodução de um palacete (atrair clientela), essas residências se
tornaram mais compactas do que as casas unifamiliares. Mesmo assim, repetiam os espaços
e cômodos presentes nas casas tradicionais, com as áreas acompanhando a mesma
setorização burguesa tripartite (social, íntimo e serviços).
Nessa lógica, o “quartinho”, mesmo desvinculado de qualquer quintal, herdou características
pregressas e permaneceu em ambiente excluído e isolado, na área de serviço, próximo à
cozinha, e, em muitos casos, como uma alcova, sem janela para o exterior. Para acessá-lo a
partir da rua, criou-se a entrada, o elevador e a porta de serviço – raramente vistos em países
europeus e norte-americanos onde a presença de um empregado doméstico é algo pouco
usual.
Figura 6 – A diferenciação entre elevador “social” e elevador de “serviço” em edifício de apartamentos
(foto de 1988). Fonte:
Novais et al.,
História da vida privada no Brasil, 1998, v. 4, p. 212.
6
VERÍSSIMO & BITTAR, 500 anos da casa no Brasil, 1999, p. 127.
12
Tais comunicações serviçais, secundárias, próximas a lixeiras e caixas de esgoto, com
iluminação e ventilação deficitária, estão presentes em grande parte dos edifícios
multifamiliares brasileiros do século passado, materializando no espaço clara distinção social
entre patrões e empregados. Algo visível inclusive em edifícios de menor padrão econômico,
refletindo uma reverberação dos costumes de classes mais abastadas nos hábitos e modos
de vida de classes proletárias.
O século vinte foi marcado por várias e rápidas mudanças sociais, com ressonâncias na
arquitetura residencial e, consequentemente, na área de serviço. Por volta de 1930, começam
a surgir novos equipamentos para a cozinha, como os eletrodomésticos. Surgem também os
alimentos industrializados e os produtos de limpeza, que facilitavam a vida das donas de casa.
Estas, por sua vez, lutam por seus direitos e reivindicam seu lugar fora do ambiente
doméstico. Para aquelas que permaneceram nele, como empregadas (17% das trabalhadoras
brasileiras são domésticas), criam-se as primeiras leis trabalhistas, que regulam e normatizam
os direitos e deveres. A necessidade de ter muitos empregados domésticos começa a diminuir
por impor um custo à renda familiar –, porém, ainda persiste espacialmente, tanto nas
residências unifamiliares quanto nos edifícios de apartamentos, como o “quartinho dos
fundos”. Mas por que isso ocorre?
2. O “QUARTINHO” HOJE
“Quartinho” talvez seja a palavra mais utilizada hoje em dia para designar o quarto de
empregado nas residências brasileiras. Porém, há um sentido pejorativo nessa palavra, não
pela palavra em si, mas pelo que ela possa significar, dado o contexto. Ao ser utilizada no
diminutivo, pode indicar um lugar pequeno, mas também menosprezado ou, até mesmo, ruim.
Esse ambiente ainda aparece em considerável número de habitações da atualidade. Se já o
compreendemos no passado, nada mais natural do que compreendê-lo no presente.
A estrutura básica de uma habitação comum brasileira é formada por três áreas distintas: a
de estar (social), a de repouso (íntima) e a de comer (serviço) – a tripartição burguesa.
7
Em
casas e apartamentos, essas três áreas são geralmente bem determinadas e subdivididas em
cômodos com funções específicas. Atualmente, a dependência de empregado (quarto e
banheiro) encontra-se na área de serviço, junto à cozinha, à lavanderia, à despensa e à
entrada de serviço.
7
Conceito originário das características presentes nas casas da classe burguesa após a Revolução Industrial. Uma nova classe
social no cenário urbano, tendo a cidade como seu habitat e cuja moradia apresentava características peculiares, dentre elas a
setorização funcional em três áreas distintas: social, íntima e de serviço – a tripartição burguesa.
13
Durante muitos anos, o fato de possuir quarto de empregado valorizava e encarecia os preços
das casas e apartamentos. Esse fato era indicativo de alto poder aquisitivo, principalmente se
houvesse mais de um quarto, ou uma ala de serviço com vários quartos, significando que a
família possuía mais de um empregado doméstico.
Figura 7 – Exemplo da tripartição burguesa: área social (em amarelo), área íntima (em rosa) e área
de serviço (em roxo), com dependência de empregado. Fonte: Acervo pessoal.
Com a herança histórica dos escravos em nossa sociedade, e seu trabalho nas casas rurais
e urbanas do período Colônia-Império, o empregado doméstico do século vinte assumiu no
Brasil um papel de ajudante do lar que, inicialmente, não possuía direitos trabalhistas como
outros assalariados. A regularização da profissão começa apenas em 11 de dezembro de
1972, com a Lei presidencial n.º 5.859 que a conceitua e lhe atribui direitos. Em 1988, com a
nova Constituição Federal, aparecem outros direitos, como o repouso semanal remunerado,
que começaria a mudar certos hábitos dentro das residências. Antes disso, era comum
encontrar uma cultura nas classes média e alta de que a empregada doméstica, vinda muitas
vezes do interior, sem perspectiva de melhores condições de vida na cidade natal, dormisse
na casa onde trabalharia, assim como acontecia desde a época das senzalas. Dessa forma,
havia a necessidade de manter o quarto de serviço na composição funcional das habitações.
Uma vez dormindo, tais empregados, na grande maioria mulheres, trabalhavam sem turno
definido, manhã, tarde, noite e, também, de madrugada, caso fosse necessário.
14
Toda a questão do “quartinho” gira em torno dessa cultura. Mesmo que o empregado
doméstico não tivesse vindo do interior, mesmo que ele tivesse residência fixa e família na
mesma cidade onde trabalha, foi “acordado” culturalmente, durante anos, que ele dormisse
na casa dos patrões durante a semana, pois, dessa forma, poderia trabalhar desde muito cedo
até muito tarde, sem “desculpas” para faltar ao serviço, retornando ao seu lar nos fins de
semana (quando liberado). E, além de trabalhar mais que o justo pelo salário comparado a
outras profissões, que já previam o direito à hora extra e ao adicional noturno, os empregados
domésticos habitavam um ambiente da casa que tinha, na maioria das vezes, pouca
privacidade, por estar localizado próximo às movimentadas e barulhentas cozinhas e
lavanderias, e pouquíssimo conforto, dada a dimensão diminuta do cômodo e sua baixa
salubridade (falta de ventilação e iluminação naturais).
Esse costume durou por muitos anos, até que começou a decrescer o número de empregados
domésticos residentes nas casas dos patrões. Dados apresentados pelo Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística (IBGE), coletados nos anos de 1996, 2000 e 2010, revelam esse
declínio:
Número e percentual de empregadas domésticas no total da população
Ano População Total Nº de Empregados Domésticos Percentual
1996 157.070.163 571.168 0,36%
2000 169.282.561 401.053 0,23%
2010 190.755.799 247.335 0,13%
Tabela 1 – Número e percentual de empregados domésticos.
Fonte: IBGE, (http://www.sidra.ibge.gov.br). Acesso em: 02 Nov. 2015.
A queda desse número ocorre desde muito antes de 1996 e pode ter várias razões, como: a
facilidade causada pela evolução dos eletrodomésticos, dos produtos de limpeza e das
comidas industrializadas; as refeições não mais realizadas em casa com tanta frequência; a
queda da fecundidade e, consecutivamente, do número de membros de uma família; ou a
simples preferência pela privacidade de não ter uma pessoa de fora da família em casa todos
os dias, por exemplo. Em 1978, Carlos Lemos havia previsto tal acontecimento com
algumas justificativas um pouco exageradas, mas bastante pertinentes:
Fatalmente, um dia, a morada burguesa irá superpondo funções, até eliminar a cozinha,
trocando o fogão pela mesa-quente aquecedora de comidas congeladas vindas dos
15
supermercados. E na era do plástico e dos papéis e cartões impermeabilizados, talvez
a louça nossa do diário e os talheres venham a ser lembranças malqueridas de um
passado que não prescindia da humildade solícita e resignada da empregada
doméstica. Tudo estará facilitado. As próprias roupas não mais serão lavadas, as vestes
de papel serão jogadas fora. Tudo será fácil nestes trópicos sorridentes em
desenvolvimento. E um dia, as edículas dos quintais ficarão sem utilidade e todas as
mulatinhas vindas do interior estarão em suas próprias salas de suas casas próprias,
enquanto a Princesa Isabel sorrirá em seu túmulo vendo que seu trabalho finalmente
chegou ao fim. (Lemos, 1978, p. 202)
Além de todas as razões citadas para a diminuição do número de empregados domésticos, é
preciso lembrar que em 2013 foi aprovada a Proposta de Emenda à Constituição n.º 478, de
2010 (mais conhecida como “PEC das Domésticas”). Entre os direitos concedidos ao
trabalhador doméstico está o pagamento de hora extra e o dever de registrar empregadas
que trabalham por três dias ou mais em uma mesma residência. A lei que regulamentou a
emenda constitucional foi sancionada em 2015, acrescentando ainda o direito a adicional
noturno. Ainda não dados que confirmem a influência de tal legislação na diminuição do
número de empregados domésticos, mas devido aos novos direitos concedidos à profissão e
os correspondentes deveres patronais, tornar-se-ão mais raros a presença de tais prestadores
de serviço – principalmente aqueles que pernoitam – dividindo os ambientes dos lares
brasileiros.
Nos últimos anos, as famílias estão optando por contratar um tipo de empregado doméstico
relativamente recente: as(os) diaristas, que fazem os serviços da casa durante tempo
previamente determinado e são pagos por hora ou por dia, voltando para suas casas ao final
da jornada e começando tudo de novo no dia seguinte, em geral em outra residência. Desse
modo, é possível perceber que o “quartinho” começou a ficar sem sua função de origem nas
habitações atuais. Como muitos apartamentos e casas hoje são projetos do século passado,
o quarto de serviço ainda se faz presente, não tendo sido eliminado do programa habitacional.
Esse quarto, então, começou a ter outras utilidades, podendo servir como despensa,
escritório, quarto de despejo ou de visitas ou, até mesmo, quarto para membro da família em
busca de maior privacidade.
As incorporadoras e seus arquitetos descobriram algumas maneiras flexíveis de projetar ao
longo dessa transição entre ter ou não quarto de serviço. Em pleno século vinte e um é comum
encontrar apartamentos vendidos com a dependência de empregado posicionada de tal modo
na planta que, modificando-se uma ou outra parede, é possível transformá-la em um ambiente
diferente, como: escritório, closet, sala de televisão ou outro quarto voltado para as áreas de
16
estar ou para o corredor, e não mais para a cozinha, como acontece com o “quartinho”. Assim,
o cliente tem a opção de escolher pela manutenção do quarto na área de serviço ou agregá-
lo ao núcleo íntimo residencial.
É importante perceber que, cada vez mais, o “quartinho” não faz sentido dentro das casas
brasileiras a partir do momento em que os trabalhadores domésticos passam a não dormir
mais nas residências onde trabalham, gerando uma necessidade de refletir sobre e propor
novos modelos de habitação que se adequem a esse novo estilo de vida.
Figura 8 – Exemplo de anúncio de apartamento à venda com quarto de empregado reversível.
Fonte: http://www.construtoramontecristo.com.br/site/Empreendimento.aspx?id=17.
Acesso em: 04 Nov. 2015.
A profissão de empregado doméstico, assim como outras profissões de esforço manual, exige
um ambiente no local de trabalho onde se possa trocar de roupa ou tomar um banho no fim
do expediente, por exemplo. Dessa forma, é importante lembrar que, apesar do “quartinho”
estar se tornando obsoleto, o banheiro de serviço seja talvez o único remanescente desse
conjunto na área de serviço. Mas, para além de previsões futuras, cabe-nos entender como
arquitetos renomados trataram tal espaço em seus projetos residenciais.
3. O “QUARTINHO” DE GRIFE
Arquitetura residencial, como já dito, é um campo à parte nos estudos arquitetônicos.
Arquitetura residencial assinada por arquitetos renomados é um campo ainda mais restrito,
17
voltado a obras potencialmente referenciais. Tal qual produtos de uma grife, esses projetos
são altamente personalizados e estão impregnados do modo de pensar e conceber de seu
criador, ou seja, são representações materiais de uma identidade emblemática. Sendo assim,
como arquitetos modernistas e contemporâneos trataram o “quartinho” em seus projetos
residenciais?
Para responder a tal questão, estabeleceu-se por recorte a seleção de habitações
unifamiliares, modernistas e contemporâneas, construídas no estado de São Paulo e
projetadas por arquitetos renomados. Foram doze habitações modernistas (projetos de 1927
a 1975) presentes na publicação Arquitetura moderna paulistana, de 1983, dos arquitetos
Alberto Xavier, Carlos Lemos e Eduardo Corona;
8
e oito contemporâneas (projetos de 2003 a
2010) presentes no livro Casas brasileiras, de 2010, de Roberto Segre.
9
Figura 9 – Capa do livro Arquitetura moderna
paulistana. Fonte: Acervo pessoal.
Figura 10 – Capa do livro Casas brasileiras.
Fonte: Acervo pessoal.
8
1) Casa Modernista da rua Itápolis (Gregori Warchavchik, 1927); 2) Residência do Arquiteto (Lina Bo Bardi, 1949); 3) Residência
José Taques Bittencourt (Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi, 1956); 4) Residência Castor Delgado Perez (Rino Levi, Roberto
Cerqueira e Luiz Roberto Franco, 1958); 5) Residência Mário Masetti (Paulo Mendes da Rocha, 1968); 6) Residência Tomie
Ohtake (Ruy Ohtake, 1968); 7) Residência Dino Zamataro (Rodrigo Lefèvre, 1970); 8) Residência James Francis King (Paulo
Mendes da Rocha, 1972); 9) Residência Juvenal Juvêncio (Vilanova Artigas, 1972); 10) Residência Antônio Teófilo de Andrade
Orth (Décio Tozzi, 1973); 11) Residência Fabrizio Beer (Joaquim Guedes, 1975); e 12) Residência Jorge Flaks (Nadir Curi
Mezerani, 1975).
9
1) Casa Alto de Pinheiros (UNA Arquitetos, 2003-5); 2) Casa Sumaré (Isay Weinfeld, 2003-7); 3) Casa Alcântara (Forte, Gimenes
& Marcondes Ferraz, 2004-5); 4) Casa Corten (Marcio Kogan, 2006-8); 5) Casa JH (Bernardes Jacobsen, 2007-8); 6) Casa
Madalena (Brasil Arquitetura, 2007-8); 7) Casa Santo Amaro (Isay Weinfeld, 2005-9); e 8) Casa Piracicaba (Isay Weinfeld, 2006-
9).
18
Com uma lacuna temporal entre um grupo e outro de 25 anos, intencionalmente assumida e
talvez arbitrária, é possível verificar as evoluções e modificações geradas no ambiente da
área de serviço e, mais especificamente, nas dependências de empregado entre casas
projetadas por arquitetos modernistas e arquitetos contemporâneos.
Os parâmetros utilizados para a análise foram: composição da área de serviço; setorização
das dependências de serviço; formas de acesso; dimensionamento da área destinada ao
trabalhador doméstico e sua proporção em relação à área total da residência; quantidade e
qualidade das aberturas (portas e janelas); conforto termo acústico; e layout sugerido (caso
disponibilizado). Balizadores que permitem analisar os estudos selecionados a fim de
responder às indagações inicialmente formuladas.
Após a análise dos vinte exemplares, ficou perceptível peculiaridades e destaques que alguns
arquitetos trazem ao tratar de modo diferente a questão das dependências de serviço, além
das transformações e semelhanças nas características dos “quartinhos” de grife projetados
de uma geração para outra, do modernismo à contemporaneidade.
A começar pela Casa Modernista da rua Itápolis, de Gregori Warchavchik, e pela Casa de
Vidro, de Lina Bo Bardi, que, ao seu jeito, resgatam um pouco das casas do início do século
vinte, pela localização e disposição das dependências de serviço, isoladas no fundo do lote
como edícula ou como “apêndice” ao corpo principal da residência.
Já outras moradias, modernistas e contemporâneas, se diferenciam por apresentarem a
inversão dessa proposta de setorização do “quartinho” nos fundos do lote, dispondo-o logo na
fachada principal ou muito próximo ao acesso principal, como acontece na Residência Castor
Delgado Perez, de Rino Levi e equipe (volume suspenso); na Casa Alto de Pinheiros, do
escritório UNA Arquitetos; e na Casa Corten, do arquiteto Marcio Kogan. Trata-se de uma
inversão proposital, pois os arquitetos sabiam que a proximidade à rua não era algo tão
conveniente (poluição sonora, falta de segurança etc.) numa cidade grande.
A localização do “quartinho” no subsolo ou no pavimento térreo é a mais comum, ocorrendo
em dezesseis dos estudos de caso analisados. Apenas quatro destes apresentam as
dependências de serviço no pavimento ou patamar superior, sendo todas do período
modernista: a Casa de Vidro, de Lina Bo Bardi; a Residência Castor Delgado Perez, de Rino
Levi e equipe; a Residência Juvenal Juvêncio, de Vilanova Artigas; e a Residência Fabrizio
Beer, de Joaquim Guedes. Isso ocorre, talvez porque os ideais socialistas eram ainda
defendidos pela classe de arquitetos junto a seus clientes, levando igualdade a todos os
moradores, sem exceção ou exclusão.
19
Algo de destaque acontece na Residência Tomie Ohtake, a qual passou por duas ampliações.
O projeto original possuía duas dependências para empregados e, em uma das reformas, um
dos quartos se transformou em depósito, mostrando a obsolescência dos “quartinhos” com o
passar do tempo.
Com relação às áreas, verificou-se que, no universo analisado, as casas contemporâneas
apresentam o “quartinho” com proporção menor de área em relação ao restante da residência
se comparado às casas modernistas. A porcentagem nas casas modernistas varia entre 2%
e 12%, enquanto que nas contemporâneas ela não passa de 5%, indicando a importância
cada vez menor dessas áreas no conjunto residencial. Apesar disso, quatro das oito casas
contemporâneas apresentam a dependência de serviço como um “pequeno apartamento”,
com sala, quarto(s), banheiro(s) e, às vezes, cozinha. Nas três residências projetadas pelo
arquiteto Isay Weinfeld, esse “pequeno apartamento” destinado aos empregados
domésticos. Fato um tanto quanto contraditório se assumirmos o rumo que os “quartinhos”
vêm tomando na morada brasileira: de sair pela porta dos fundos, ou da frente, para nunca
mais voltar!
CONSIDERAÇÕES FINAIS: DO “QUARTINHO” À CASA PRÓPRIA
Em tempos de “bela, recatada e ‘do lar’”, quando a primeira-dama interina, Marcela Temer,
possui uma legião de empregados (dentre os quais: uma babá, uma cozinheira e duas
mensalistas) para se dedicar ao ofício “do lar” e de mãe de um único filho, em sua residência
no Alto de Pinheiros em São Paulo;
10
a maioria da população brasileira se adapta às novas
realidades correspondentes ao trabalho doméstico e suas implicações nos ambientes da
morada brasileira, em especial, no “quartinho”. Um espaço doméstico historicamente presente
em nossos lares, que, mesmo aparentemente insignificante, traz à tona a história das relações
sociais presentes em nosso país.
O “quartinho” passou por muitas transformações ao longo da história da casa brasileira, assim
como a evolução, mesmo que lenta, dos direitos da profissão de empregados domésticos.
Conquistas sociais reveladas não por dados como refletidos nos projetos habitacionais
atuais. Contudo, é comum ainda encontrar projetos, assinados por arquitetos reconhecidos
pelo mercado, com dependências de empregado, principalmente nas residências das
camadas mais abastadas da população mesmo sendo cada vez mais raros os casos em
que esses profissionais durmam nessas casas.
10
Fontes: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/bela-recatada-e-do-lar; http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1766537-
marcela-temer-mudara-de-palacio-mas-tende-a-seguir-encastelada.shtml. Acesso em: 12 Abril 2016.
.
20
A presença desse ambiente em uma habitação pode ser reflexo direto da renda da família e
da quantidade de empregados que trabalham para ela, pois, caso não haja empregados
domésticos para ocuparem os “quartinhos”, mesmo que durante o período de trabalho, a
dependência de serviço ganhará nova utilidade.
A questão mais delicada sobre os “quartinhos” diz respeito ao fato de serem quase sempre
um ambiente menosprezado dentro das residências, seja: por sua localização, pelo espaço
que ocupam, pela falta de conforto termo acústico, pela falta de privacidade, dentre outros
motivos. Por isso é tão comum relacionar as dependências às antigas senzalas, que eram
ambientes de péssima qualidade.
O “quartinho”, portanto, assume o papel do “escondidinho”. Salvo poucos projetos, a maioria
dos arquitetos trata o “quartinho” como um cômodo de baixo escalão na hierarquia da
espacialidade doméstica, buscando escondê-los das vistas dos familiares e usuários daquela
residência. Se numa sociedade escravocrata, onde era sabido o papel do escravo e de seus
afazeres no espaço doméstico, a senzala era assumidamente um espaço do conjunto
doméstico, com a Abolição, percebe-se que tais funções ficaram veladas, atribuídas a
prestadores de serviço menores (cujos direitos trabalhistas demoraram mais de um século
para ser efetivamente regulamentados). Ficaram escondidos também seus espaços na
morada brasileira, fato que pode ser percebido quando nenhuma das fotos das residências
utilizadas como estudo de caso revela tal espaço, salvo a Residência Castor Delgado Perez.
A maior parte dos projetos analisados foi feita para um perfil socioeconômico de classes média
e alta, cujos valores culturais e sociais trazem ainda heranças do estilo de vida dos antigos
coronéis, fazendeiros etc. Desse modo, os arquitetos assumem papel de meros reprodutores
não questionadores dessas relações sociais, conectadas historicamente por hábitos,
costumes e relações serviçais. Os projetos contemporâneos revelam a persistência em incluir
tais espaços no programa de necessidades, o que demonstra a permanência de hábitos e
costumes típicos de séculos passados.
Nesse sentido, o estudo sobre esse ambiente nas residências brasileiras se faz importante
para auxiliar em projetos futuros, para analisar a pertinência de sua existência e o quanto ela
pode influenciar na sociedade e na forma como as pessoas se relacionam. Muitas vezes o
“quartinho” se torna um ambiente de segregação social e, para que isso não aconteça,
algumas providências e cuidados podem ser tomados durante o processo de projeto. É
preciso parar de pensar na profissão de empregado doméstico como uma profissão
diferenciada apenas por ser realizada dentro das casas e não em um escritório. As
necessidades são as mesmas para qualquer profissional que trabalhe algumas horas do dia,
em casa ou em um escritório. Dessa forma, o banheiro de empregados, antes relacionado ao
21
“quartinho”, seja talvez o único cômodo necessário para o conforto dos funcionários
domésticos atuais.
Por fim, sugere-se a arquitetos refletir sobre, ampliar os horizontes sobre tais prestadores de
serviço e, ao invés de projetarem seu “quartinho” de grife, poderiam projetar a casa própria
de tais trabalhadores. E isso vem ocorrendo, como o caso de Dona Dalva, diarista, que após
economias acumuladas ao longo de trinta anos de trabalho doméstico conquistou, com apoio
técnico do escritório Terra & Tuma, o projeto de sua casa própria na Vila Matilde, na cidade
de São Paulo.
11
Figuras 11 e 12 – A diarista D. Dalva e sua residência, projeto do escritório Terra & Tuma.
Fonte: https://orascunhosingular.wordpress.com/2016/02/12/a-melhor-casa-do-mundo-pelo-archdaily/.
Acesso em: 16 Jun. 2016.
BIBLIOGRAFIA
Bachelard, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2008 (1957).
Corona, Eduardo; Lemos, Carlos A. C.; Xavier, Alberto. Arquitetura moderna paulistana. São
Paulo, PINI, 1983.
Freyre, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. Rio de Janeiro, Record, 1998 (1933).
11
Fontes: http://www.caubr.gov.br/?p=52368. Acesso em: 20 Abril 2016.
.
22
Guerra, Abílio; Castroviejo Ribeiro, Alessandro José. “Casas brasileiras do século XX”. In:
Arquitextos, São Paulo, ano 07, n. 074.01, Vitruvius, jul. 2006. Disponível em:
<http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/07.074/335>. Acesso em 07 Ago.
2015.
IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). “Situação atual das trabalhadoras
domésticas no país”. In: Comunicados do IPEA, n.90, 5 de maio de 2011.
Jesus, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática,
2016 (1960).
Lara, Fernando Luiz Camargos. “Modernismo popular: elogio ou imitação?”. In: Cadernos de
Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, v. 12, n. 13, p. 171-184, dez. 2005.
Lemos, Carlos Alberto Cerqueira. Cozinhas, etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da
casa paulista. São Paulo: Perspectiva, 1978.
_____. História da casa brasileira. São Paulo: Contexto, 1996.
_____. “Uma nova proposta de abordagem da história da arquitetura brasileira”. In:
Arquitextos, São Paulo, ano 12, n. 141.00, Vitruvius, fev. 2012. Disponível em:
<http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.141/4214>. Acesso em: 15 Jul.
2015.
Mello, Bruno César Euphrasio de. “E o negro na arquitetura brasileira?”. In: Arquitextos, São
Paulo, ano 13, n. 145.01, Vitruvius, jun. 2012. Disponível em:
<http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/13.145/4372>. Acesso em: 15 Jul.
2015.
Novais, Fernando A. et al. História da vida privada no Brasil (Volumes 1-4). São Paulo:
Companhia das Letras, 1998.
Reis Filho, Nestor Goulart. Quadro da arquitetura no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2004
(1970).
Rossetti, Eduardo Pierrotti. “Morar brasileiro. Impressões e nexos atuais da casa e do
espaço doméstico”. In: Arquitextos, São Paulo, ano 15, n. 169.01, Vitruvius, jun. 2014.
Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.169/5220>. Acesso
em: 15 Jul. 2015.
Segre, Roberto. Casas brasileiras. Rio de Janeiro: Viana & Mosley, 2010.
Silva, Marilu A. Cozinha: espaço de relações sociais (Mestrado). Natal: Programa de Pós-
Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2008.
Veríssimo, Francisco Salvador; Bittar, William Seba Mallmann. 500 anos da casa no Brasil.
As transformações da arquitetura e da utilização do espaço de moradia. Rio de Janeiro:
Ediouro, 1999.
Villar, Maria. Batuque na cozinha. Estudo sobre os espaços de cozinhar no Brasil colônia,
através dos relatos de viajantes (Mestrado). Brasília: Programa de Pós-Graduação em
Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, 2013.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
2003-5); 2) Casa Sumaré (Isay Weinfeld, 2003-7); 3) Casa Alcântara
  • Casa Alto De Pinheiros
Casa Alto de Pinheiros (UNA Arquitetos, 2003-5); 2) Casa Sumaré (Isay Weinfeld, 2003-7); 3) Casa Alcântara (Forte, Gimenes
Residência Castor Delgado Perez
  • José Taques Bittencourt
José Taques Bittencourt (Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi, 1956); 4) Residência Castor Delgado Perez (Rino Levi, Roberto Cerqueira e Luiz Roberto Franco, 1958); 5) Residência Mário Masetti (Paulo Mendes da Rocha, 1968); 6) Residência Tomie
Quadro da arquitetura no Brasil. São Paulo: Perspectiva
  • Reis Filho
  • Nestor Goulart
Reis Filho, Nestor Goulart. Quadro da arquitetura no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2004 (1970).
Cozinha: espaço de relações sociais (Mestrado) Natal: Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social
  • Marilu A Silva
Silva, Marilu A. Cozinha: espaço de relações sociais (Mestrado). Natal: Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2008.
Modernismo popular: elogio ou imitação?
  • Fernando Luiz Lara
  • Camargos
Lara, Fernando Luiz Camargos. "Modernismo popular: elogio ou imitação?". In: Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, v. 12, n. 13, p. 171-184, dez. 2005.
Residência Juvenal Juvêncio
  • Rocha Mendes
Mendes da Rocha, 1972); 9) Residência Juvenal Juvêncio (Vilanova Artigas, 1972); 10) Residência Antônio Teófilo de Andrade Orth (Décio Tozzi, 1973); 11) Residência Fabrizio Beer (Joaquim Guedes, 1975); e 12) Residência Jorge Flaks (Nadir Curi Mezerani, 1975).
Quarto de despejo: diário de uma favelada
  • Carolina Maria Jesus
  • De
Jesus, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2016 (1960).
Cozinhas, etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da casa paulista
  • Carlos Alberto Lemos
  • Cerqueira
Lemos, Carlos Alberto Cerqueira. Cozinhas, etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da casa paulista. São Paulo: Perspectiva, 1978.
História da vida privada no Brasil (Volumes 1-4)
  • Fernando A Novais
Novais, Fernando A. et al. História da vida privada no Brasil (Volumes 1-4). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
Morar brasileiro Impressões e nexos atuais da casa e do espaço doméstico
  • Eduardo Rossetti
  • São Pierrotti Arquitextos
  • Paulo
Rossetti, Eduardo Pierrotti. " Morar brasileiro. Impressões e nexos atuais da casa e do espaço doméstico ". In: Arquitextos, São Paulo, ano 15, n. 169.01, Vitruvius, jun. 2014.