ArticlePDF Available

Best-seller e games: a iniciação do jovem no universo literário

Authors:

Abstract

http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2014v10n1p102 É facilmente constatável a falta de interesse pela literatura esboçada pelos jovens do Ensino Médio. Também são constantes as queixas dos professores com relação ao gosto cultural dos alunos bem como seu afastamento do universo literário. Ao contrário dessa realidade, o interesse dos adolescentes pelo universo virtual dos games cresce consideravelmente, bem como os produtos que originam-se de suas famosas franquias, como os Best-sellers. O artigo a seguir tem como objetivo refletir sobre a aplicabilidade dos games e dos Best-Sellers como ferramenta de inserção do jovem na literatura. Será abordada brevemente a conceituação e história do surgimento da Literatura de Massa, bem como as diferenças entre a literatura pertencente ao cânone e o Best-Seller. Trataremos das questões de formação de leitores por meio da narratividade dos Jogos Digitais. Em seguida será proposta uma reflexão sobre a aplicabilidade das leituras de massa e dos jogos digitais nas salas de aula, visando aumentar a adesão dos jovens à leitura.
http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2014v10n1p102
Esta obra foi licenciada com uma Licença
Creative Commons
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
102
BEST-SELLER E GAMES: A INICIAÇÃO DO JOVEM NO UNIVERSO
LITERÁRIO
Jéssica Kurak Ponciano
*
Arilda Ines Miranda Ribeiro
**
RESUMO: É facilmente constatável a falta de interesse pela literatura esboçada pelos jovens do
Ensino Médio. Também são constantes as queixas dos professores com relação ao gosto cultural
dos alunos, bem como seu afastamento do universo literário. Ao contrário dessa realidade, o
interesse dos adolescentes pelo universo virtual dos games cresce consideravelmente, bem como
os produtos que se originam de suas famosas franquias, como os Best-sellers. O artigo a seguir
tem como objetivo refletir sobre a aplicabilidade dos games e dos Best-Sellers como ferramenta de
inserção do jovem na literatura. Será abordada brevemente a conceituação e história do
surgimento da Literatura de Massa, bem como as diferenças entre a literatura pertencente ao
cânone e o Best-Seller. Trataremos das questões de formação de leitores por meio da
narratividade dos Jogos Digitais. Em seguida será proposta uma reflexão sobre a aplicabilidade
das leituras de massa e dos jogos digitais nas salas de aula, visando aumentar a adesão dos
jovens à leitura.
PALAVRAS-CHAVE: Best-seller. Game. Leitura. Jovem Leitor.
Introdução
Observa-se, em várias esferas do ensino público e privado, especialmente no
ensino médio, uma baixíssima adesão dos jovens ao universo da literatura. Fato
facilmente verificável nos discursos dos professores ao afirmarem que os alunos
não lêem nem mesmo os livros cujas indicações são requisitos para avaliações; e
dos estudantes quando esboçam sua desaprovação com relação aos livros que
lhes são solicitados para leitura. Em consonância com o obstáculo anterior, pode-
se notar ainda o uso constante e único da literatura clássica no processo de
ensino e aprendizagem de literatura. Sobre esse fator Tavela (2010) explica:
A escola assumiu para si a decisão a respeito da adequação de textos e a
legitimação de determinadas práticas de leitura, na tentativa de defender e
* Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Presidente Prudente, Brasil. Imeio:
jessica.kpp22@gmail.com
**
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Presidente Prudente, Brasil. Imeio:
arilda@fct.unesp.br
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
103
valorizar o que selecionou ser importante para formar leitores. Assim, a
escolha dos textos que serão “trabalhados” é feita de maneira arbitrária, o
que quase sempre provoca no jovem uma certa aversão pelos livros.
(TAVELA, 2010, p. 2)
O ensino de literatura dá-se de modo diacrônico e sincrônico, por isso é
necessária a teorização das obras clássicas, bem como sua contextualização no
momento histórico em que ela se encontra inserida.
Um dos maiores desafios da Educação na contemporaneidade é a produção de
estratégias que contribuam no processo formativo de jovens e adultos que
apreciem a leitura e vejam nela um universo rico e criativo. A educação para a
literatura deve ser pautada na ampliação dos horizontes do leitor, apresentando a
literatura como uma rica fonte de busca e construção de diferentes modos de
compreensão do mundo. Para fundamentar a complexidade e o desafio na
produção de crianças e jovens apreciadores do universo literário recorre-se à
terceira edição da pesquisa "Retratos da leitura no Brasil", realizada pelo Instituto
Pró-Livro. Nessa pesquisa enfatizamos o seguinte dado: o número de Não-
leitores
1
aumentou 5% do ano de 2007 para o ano de 2011, e a pesquisa foi
realizada com um total de 173 milhões de pessoas no ano de 2007, contra 178
milhões de entrevistados no ano de 2011.
Os dados acima descritos podem ser relacionados também à existência de um
grande contingente de professores frustrados por acreditarem que não obtiveram
sucesso no propósito de despertar o gosto dos adolescentes pela literatura.
Muitos estudantes são apáticos à fruição literária, crendo que todos e quaisquer
livros são maçantes, afastando-se cada vez mais do universo literário. Apesar dos
tétricos resultados apontados pela pesquisa "Retratos da leitura no Brasil", existe
um contingente enorme de obras literárias que fazem sucesso, principalmente
entre o público jovem.
1
Definição de Leitor e Não-leitor apresentada pela pesquisa Retratos da leitura no Brasil. Leitor: é
aquele que leu, inteiro ou em partes, pelo menos um livro nos últimos três meses. Não-leitor é
aquele que não leu nenhum livro nos últimos três meses, mesmo que tenha lido nos últimos doze.
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
104
Muitas delas são oriundas de famosos games, outras tantas são adaptadas ao
cinema, lotando bilheterias do mundo todo, conquistando uma legião de fãs e
despertando o interesse de milhares de pessoas, mais especificamente do público
que se encontra em idade escolar.
Esses textos que possuem um grande impacto mercadológico dentro da cultura
de massa são muitas vezes execrados e abolidos das salas de aulas pelos
professores mais conservadores que acreditam que a academia deve primar
exclusivamente por aquilo que é efetivamente artístico e cientifico, ignorando as
expressões culturais e artísticas da contemporaneidade.
Um mercado notadamente ascendente é o mercado da literatura de massa
oriundo da releitura de narrativas digitais extraídas de famosas franquias de
games. Como exemplo pode-se mencionar a prestigiada franquia de jogos
intitulada Diablo, criada pela empresa de softwares Blizzard, que, após o grande
sucesso de vendagem dos jogos, transformou parte do seu enredo em romance.
Diante disso muitas perguntas surgem: de onde surgiram o conceito e a
diferenciação entre a alta literatura e o Best-Seller? Por que os Best-Sellers e
Games atraem tanto a atenção dos jovens em idade escolar? Como utilizar os
Best-Sellers e os Games a serviço da inserção do jovem no universo literário? O
artigo tenciona responder a algumas dessas inquietações e propõe uma reflexão
a respeito das principais questões que envolvem a polêmica dos Best-Sellers e
dos Games, principalmente no âmbito educacional.
Os Games: relações com a formação do jovem leitor
É de amplo conhecimento o modo como o universo dos Games ganha cada vez
mais espaço no cotidiano dos jovens em idade escolar. De acordo com Alves
(2008), em meados da década de oitenta, iniciam-se as investigações sobre a
relação dos jogos eletrônicos com os processos de aprendizagem; e um dos
pioneiros nessa linha foi o teórico Greenfield (1988) com o estudo do
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
105
desenvolvimento do raciocínio na era da eletrônica, enfatizando a televisão, os
computadores e os videogames (ALVES, 2008, p. 3).
Com esse fenômeno, torna-se necessária a reflexão sobre a forma como esse
fato influencia na formação intelectual e cultural dos adolescentes. Os adultos, e
mais especificamente os professores, podem utilizar esse fator de modo
estratégico, elaborando técnicas de trabalho a fim de utilizar essas mídias a seu
favor e não tê-las como inimigas, perpetuando o preconceito popular de que elas
são prejudiciais no processo de construção do conhecimento discente. Segundo
Amaral e Paula 2007:
Os jogos eletrônicos compõe um fenômeno tecnocultural recente. Em
meados da década de 1970, começaram a ser vendidos aos milhões,
tornando-se objetos de entretenimento e lazer em várias regiões do globo,
desde o mundo capitalista ocidental até boa parte dos países asiáticos.
Se inicialmente poucos eram adeptos dessa prática, o mesmo não e pode
dizer nos dias de hoje, em que o mercado de jogos já supera em
faturamento a indústria do cinema e possui previsão de um crescimento
contínuo nos próximos anos. (AMARAL; PAULA, 2007, p. 364)
Nota-se então que as questões que tangem a formação cultural contemporânea
são pautadas nas novas tecnologias, e, por isso, faz-se necessário aprender a
conviver com elas ao invés de negá-las.
Graças ao grande contingente de jovens que aderem a esse novo estilo de
entretenimento, surgem com eles uma vasta parcela de leitores, que, ávidos pelas
“narrativas” contidas em seus jogos prediletos, consomem uma significativa
quantidade de materiais relacionados a determinadas franquias de jogos digitais.
A título de exemplo podemos mencionar a famosa série de jogos denominada
“Assassin’s Creed”, que, além de obter grande sucesso na vendagem do
software, criou também uma série de romances baseada no jogo. A série
produzida pelo autor Oliver Bowden é uma das maiores campeãs de venda entre
o público jovem, caracterizando-se, portanto, como um Best-seller. Porém, como
assegura Alves (2008):
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
106
Penso que uma trilha ainda a ser seguida passa pela formação dos
nossos docentes. Como crianças e adolescentes, os professores precisam
imergir nos âmbitos semióticos que entrelaçam a presença das
tecnologias na sociedade contemporânea. Levar os jogos digitais para a
escola por que seduzem os nossos alunos, sem uma interação prévia,
sem a construção de sentidos, buscando enquadrar esse ou aquele jogo
no conteúdo escolar a ser trabalhado, resultará em um grande fracasso e
frustração por parte dos docentes e dos discentes. (ALVES, 2008, p. 3)
Surgimento e conceituação do Best-Seller
Com as mudanças ocorridas no mundo ocidental após fenômeno da Revolução
Industrial, nota-se um crescente aumento no número de pessoas alfabetizadas.
Esse crescimento iminente de pessoas letradas faz com que o mercado
capitalista comece a voltar suas atenções para um novo tipo de mercado: o
mercado livreiro e/ou literário. A partir daí descobre-se que a literatura, não mais
como imaginavam os formalistas e os críticos literários, possui, além da função
crítica e artística, a função comercial e de entretenimento.
Com a democratização do Ensino, os livros que até então circulavam apenas
entre uma pequena parcela da população, que desfrutava de bens de consumo e
de uma educação formal privilegiada, passam a fazer parte também do cotidiano
de um público que, apesar de não possuir educação acadêmica tão singularizada,
era alfabetizado. Dessa forma, o livro aos poucos tornou-se um bem acessível a
todos, ou seja, um produto para o consumo das massas. Cabe lembrar também
que, segundo Leontiev (1978), as desigualdades existentes entre as camadas são
produtos de desigualdades econômicas, de classes e também das consecutivas
desigualdades de relações com as aquisições que encarnam as aptidões e
faculdades da natureza (LEONTIEV, 1978, p. 267).
Como ponto de partida para uma nova concepção literária, como foi dito acima,
excedia as dimensões críticas e reflexivas, inicia-se um processo de simplificação
formal e produção de obras com linguagem acessível às massas. A qualidade das
obras e produções literárias e culturais passa por um processo de revalorização
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
107
no mercado consumidor e também para a parcela da população que compunha o
senso comum.
Se antes eram os aspectos artísticos e formais que davam qualidade às
produções literárias, agora elas passam a ter seus valores atribuídos a partir da
quantificação das vendas, ou seja, pelo seu sucesso ou fracasso com o público
consumidor. A escala de valorização de uma determinada obra passa a ser
diretamente redirecionada pelo mercado, inicia-se a disputa constante pelo
espaço relativo aos padrões vigentes até então, sendo que esses padrões
primavam única e exclusivamente pela quantidade de vendagens em detrimento
da qualidade do produto literário.
A respeito disso, acrescenta-se, segundo Leontiev (1978), a acentuada ausência
de condições de acesso à arte e aos bens culturais pelas classes desfavorecidas
que se dá justamente pela concentração material de bens das classes
dominantes (LEONTIEV, 1978, p. 255). Essas classes economicamente
desafortunadas por muito tempo foram submetidas a um precário
desenvolvimento cultural e um débil sistema de acesso à educação formal e
acadêmica. Em consequência desses fatores as classes dominantes utilizaram-se
dos bens materiais e culturais ao seu bel prazer, estratificando-os.
Diversos fatores, como o aumento do desenvolvimento e disseminação dos
artefatos tecnológicos, trouxeram consigo várias mudanças no cotidiano do
trabalhador braçal no período pós-Revolução Industrial. Começava-se a pensar
em seleção de mão de obra qualificada e na parcela de trabalhadores que até
então permaneciam analfabetos, bem como naqueles que começavam a fazer
parte do mundo da produção escrita e literária e passam a ver nos livros, de modo
geral, um símbolo de erudição e objeto de formação do conhecimento. Quando o
livro passa a ser ressignificado pela massa trabalhadora e pela burguesia, estes
também passam a consumi-lo com muita assiduidade.
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
108
Paralelo ao acesso dos livros pelas camadas sociais economicamente
desfavorecidas e com precária inserção no sistema educacional, os avanços
tecnológicos e as ambições capitalistas enxergam nesse mercado um crescente
índice de sucesso, instigando cada vez mais o consumo dos livros e os
produzindo em maiores escalas; buscando também uma redução de seus preços.
Redução de valores e alto número de tiragens que foram possíveis com a
difusão e a criação tecnológica de máquinas de impressão.
Alta literatura versus Best-Seller, como separar?
A noção de Best-Seller ocorreu em meados do século XIX, na França, com o
surgimento da literatura de folhetim. Essa configuração de produção textual era
publicada em uma seção do jornal, como um rodapé. Inicialmente publicavam-se
trechos adaptados de romances que haviam sido lançados em forma de livros.
Essas publicações possuíam uma ligação entre si, sendo uma sequencial à outra.
Essa estratégia de publicação foi bastante aceita pelo público, aumentando
consideravelmente os índices de vendagem dos jornais; sendo, portanto, mais
comercializado, carecendo assim de um número maior de tiragens. A
consequência direta desse evento foi a queda do valor dos jornais, tornando-os
mais acessíveis a todos, inclusive àqueles que não pertenciam às camadas
sociais mais abastadas. Tempos depois, essas histórias publicadas nos jornais
são copiladas e transformam-se em romances que serão considerados os
campeões de venda. Eliana Paz (2004) afirma que nas listas dos livros mais
vendidos da contemporaneidade circulam, em sua grande maioria, quase que de
forma unânime, as obras literárias voltadas para o entretenimento, sendo muito
raro de ser encontrada uma obra literária clássica (PAZ, 2004, p. 5).
A escrita e a seleção dos conteúdos dos folhetins eram feitas a partir da análise
do gosto e da capacidade de abstração do operariado e da burguesia. Desse
modo, as produções começaram a buscar a utilização da linguagem cotidiana, a
busca de arranjos gramaticais simples, contendo períodos curtos e fabricando
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
109
enredos que se assemelhassem com a vida cotidiana daqueles que a
consumissem. Segundo Aranha e Batista (2009):
O folhetim, antecessor do best-seller, instaurou um modelo de narrativa
fracionado, constituindo-se em uma corrente cujos elos eram
acrescentados a cada volume do jornal em que eram publicados,
edificando-se lentamente perante o leitor. (ARANHA; BATISTA, 2009, p.
126)
Os personagens passam a ser planos e rasos, não há grandes conflitos, bem
como grandes ideias que necessitem de um prévio apreço pela arte para serem
compreendidas.
também o modo negativo de tratamento e recepção da literatura de massa
pela crítica literária. Considerada uma leitura de cunho “inferior”, destinada
apenas à fruição, o Best-Seller foi por muito tempo visto apenas por esse
meandro. Porém, sabiamente Umberto Eco (2000) diferencia o conceito de baixa
literatura e literatura de massa do conceito de literatura de entretenimento (ECO,
2000, p. 37). Tomamos como exemplo uma das obras de maior sucesso da
atualidade: As Crônicas do Gelo e do Fogo, de autoria do romancista e roteirista
norte-americano George R. R. Martin, sendo muito bem recebida pela crítica em
geral e vendendo aproximadamente quinze milhões de exemplares
mundialmente. Essa saga (composta até agora por cinco livros já publicados) vem
sendo indicada a vários prêmios de fantasia e ficção científica (ARAÚJO, 2011).
Essa produção trata de um período de guerra civil entre diferentes famílias, todas
elas buscam conquistar o trono de ferro. A guerra é ambientada em um universo
fantástico. Na busca sobre informações oficiais sobre o escritor, verifica-se o
trabalho intelectual de Martin ao debruçar-se arduamente sobre conflitos e
guerras históricas para, assim, obter verossimilhança em sua produção. Desse
modo depreende-se que, durante a escrita de seus romances, George Martin
elabora um caro trabalho de produção e escrita, visando elaborar artisticamente
seus escritos.
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
110
É justamente o trabalho de valorização estética dada à obra pelo autor que vai ou
não lhe conferir um status de alta literatura ou apenas de literatura de mercado.
Nas Crônicas do Gelo e do Fogo nota-se claramente a presença de vários
elementos que compõe também as obras clássicas como: linguagem rebuscada,
personagens complexos e esféricos, descrições longas e detalhadas, entre
outras; e, ao lado delas, observamos também características de romances de
folhetim como: catarse, tensão e clímax.
Buscar exemplos de literatura de massa e baixa literatura não é custoso quando a
contemporaneidade é analisada enquanto período de produção literária. Dentre
os livros que circulam como os mais vendidos nas famosas revistas em circulação
do país, pode-se elencar a saga Crepúsculo. A trilogia produzida pela escritora
Stephenie Meyer atingiu grande sucesso de bilheterias em suas adaptações
cinematográficas, que geraram lucros milionários. Porém, a obra em si foi alvo de
severas críticas. Razão pela qual essa obra é intitulada baixa literatura pela crítica
literária.
As personagens da saga Crepúsculo são rasas, os conflitos são aparentes, há, ao
longo do romance, algumas falhas na verossimilhança; a obra toda foi escrita e
pautada no gosto popular de adolescentes, preferencialmente do sexo feminino.
Consideram-se também as questões formais e de acessibilidade da língua
presentes na saga Crepúsculo. A obra é composta de vocabulário simples, que
pouco exige conhecimento vocabular do público consumidor, isso se dá de modo
intencional por parte da autora; não sendo, portanto, um desleixo em relação aos
seus leitores, mas sim um meio de tornar sua obra facilmente compreensível ao
público que a mesma pretende atingir.
Após definir e exemplificar as conceituações de alta literatura e Best-Seller, pode-
se inferir que uma determinada obra, ainda que o seja considerada clássica
pelo cânone literário, pode, ao mesmo tempo, ser qualificada como Best-Seller e
possuir características semelhantes àquelas encontradas em produções literárias
tidas como clássicas. A Alta literatura pertence a um núcleo de produção que
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
111
contempla aspectos estéticos de produção literária, enquanto os Best-Sellers
representam a baixa literatura, ou sub-literatura, valendo-se de uma investigação
apurada sobre os gostos culturais vigentes, umas vez que quanto mais uma obra
atenda aos anseios populares, maior será seu índice de vendagem e mais êxito
ela apresentará diante do mercado livreiro.
Aplicabilidade do Best-Seller como ferramenta de inserção do adolescente
no universo da alta literatura
Na tentativa de romper com o preconceito existente contra os Best-Sellers e
utilizá-los na constituição e inserção dos adolescentes no universo literário por
meio da fruição, e considerando sempre a evolução do jovem que tomará contato
com essa literatura, pode-se recorrer à interessante reflexão de José Paulo Paes,
defensor da “Teoria do Degrau”, que aborda a questão da literatura de
entretenimento e da ficção científica despido de relativismos:
Talvez cause estranheza ter-se falado até agora só de um nível popular e
de um nível médio na literatura de entretenimento, deixando de fora um
eventual nível superior. Este já seria o da literatura erudita ou de proposta,
onde há de igual modo um propósito de entretenimento, embora de
natureza mais sutil e menos “fisiológica”, se assim se pode dizer que nos
dois outros níveis. E em relação a esse nível superior aliás que uma
literatura média de entretenimento, estimuladora do gosto e do hábito da
leitura, adquire o sentido de degrau de acesso a um patamar mais alto
onde o entretenimento não se esgota em si, mas traz consigo um
alargamento da percepção e um aprofundamento da compreensão das
coisas do mundo. (PAES, 1990, p. 28)
Os meios educacionais tendem a acompanhar as evoluções sociais, históricas e
sociais; razão pela qual os métodos pedagógicos necessitam se adaptar a essas
novas realidades postas. Sendo assim é seguro que os métodos educativos
devam buscar pontos comuns entre as vivências da juventude no mundo atual, e
a literatura de fruição pode, com sucesso, subsidiar tal relação.
Trabalhar, incentivar, bem como discutir a função social da literatura na sala de
aula é papel do professor, porém despertar o real gosto pela leitura se torna uma
tarefa árdua quando esse trabalho se utiliza apenas de obras eruditas e
consagradas pelo cânone literário. Muitos estudantes não se identificam com
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
112
obras clássicas, julgando-as maçantes e obsoletas, pois esses livros não
apresentam uma conexão direta com as vivências do público que se pretende
atingir. Dessa forma, nota-se a importância da iniciação do aluno no universo
literário primeiramente através de leituras de fruição.
Outro aspecto que possibilitará as discussões em sala de aula é a
problematização das formas de opressão que afastam a cultura erudita das
camadas populares, levando aos estudantes a ideia de alienação cultural e
econômica, trabalhada por Leontiev (1978) ao afirmar que a alienação econômica,
fruto da divisão social do trabalho, acarreta não só o afastamento da cultura
intelectual das massas, resultando também uma formação de cultura declinante
produzida para atingir e ser consumida por essa mesma massa (LEONTIEV,
1978, p. 239). A produção da qual trata o autor pode ser associada à baixa
literatura.
Ao longo do processo de ensino, é esperada a evolução do conhecimento
acadêmico do alunado, e, nessa etapa, torna-se fundamental a associação dentre
a literatura de fruição e as obras literárias eruditas. Nesse quesito Vygotsky afirma
que:
[...] as formas mais desenvolvidas da arte são a chave das formas
atrasadas, como a anatomia do homem o é em relação à dos macacos e
não ao contrário. [...] Análise da reação estética indica que a finalidade da
investigação não consiste na exposição sistemática da doutrina
psicológica da arte em todo seu volume e amplitude (todas as variedades
da arte, todos os problemas, etc) nem sequer a investigação indutiva de
uma série determinada de fatos, mas sim justamente a análise dos
processos em sua essência. (VYGOTSKY, 1991, p. 374-375)
Na citação acima Vygotsky enfatiza a importância da realização de um trabalho
centrado nas obras clássicas, umas vez que elas são a gênese da apropriação e
da essência das formas mais atrasadas de arte.
Tendo como base as reflexões anteriores, pode-se afiançar que o docente deve
explorar a possibilidade de trabalho com obras que não são clássicas, cuidando
sempre da intencionalidade educacional que cada obra literária terá junto ao
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
113
processo de ensino e aprendizagem de seus discentes. Se por um lado é
necessário despertar nos jovens em idade escolar o interesse pela leitura, é
também conveniente que esse indivíduo, após a aquisição do hábito de leitura, se
torne crítico com relação àquilo que se selecionado futuramente por ele
enquanto leitor.
Conclusão
Após as conceituações e reflexões realizadas, nota-se que o trabalho com a
instrumentalização da literatura de massa e a utilização de jogos digitais com a
finalidade de formação de leitores jovens apresenta-se como potente ferramenta.
A complexidade desse trabalho é óbvia, porém necessária, exigindo
primeiramente uma ruptura com os preconceitos atribuídos aos Best-Sellers e aos
Games e um conhecimento sistematizado deles para que sua leitura não se
decline apenas no quesito do entretenimento e do relativismo.
É preciso pautar o trabalho com a leitura em aspectos de construção de
consciência humana e política. Trazer um Best-Seller para a sala de aula significa
abordar com os discentes todos os seus aspectos positivos, bem como
estabelecer críticas em relação ao seu modo de produção e a sua função
ideológica e mercadológica. O professor deve primar pelo aluno crítico e reflexivo
e não apenas voltar sua atenção à leitura única e exclusivamente alienante e
consumidora.
Muitos docentes caem nessa armadilha também com as obras clássicas; pois, a
partir do momento que não possuem o domínio do conteúdo das mesmas,
passam-nas aos alunos, que muitas vezes não compreendem sua finalidade e
não avançam no processo de construção do conhecimento e no acesso aos bens
culturais. Afinal o papel da escola é o de promoção da emancipação e reflexão e
não apenas reprodutor de conteúdos prontos.
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
114
BEST-SELLER E GAMES: INITIATION OF THE YOUNG IN LITERARY UNIVERSE
ABSTRACT: It is easily verifiable lack of interest in literature sketched by young high school
students. Are also constant complaints from teachers in relation to the cultural liking of the students
as well as their distance from the literary universe. Contrary to this fact, teenage interest in the
virtual world of games grows considerably, as well as products that originate from their famous
franchises such as best-sellers. The following article aims to reflect on the applicability of the
games and Best-Sellers as the young insertion tool in the literature. Will be briefly discussed the
concept and history of the emergence of Literature Mass, as well as differences between literature
belonging to the canon and the best-seller. We’ll tackle the issues of educating readers by means
of the narrative of Digital Games. And then will be proposed reflection on the applicability of the
readings and mass of digital games in the classroom, to increase the adhesion of young people to
read.
KEYWORDS: Bestseller. Game. Reading. Young Reader.
REFERÊNCIAS
ALVES, Lynn. Relações entre os jogos digitais e aprendizagem: delineando
percurso. Educação, Formação & Tecnologias; v.1, n. 2, p. 3-10, nov. 2008.
Disponível em: <http://eft.educom.pt>. Acesso em: 18 jul. 2014.
AMARAL, S. C. F.; PAULA, G. N. A nova forma de pensar o jogo, seus valores e
suas possibilidades. Pensar a Prática, Goiânia, v.10, n. 2, 2007.
ARANHA, Gláucio; BATISTA, Fernanda. Literatura de massa e
mercado. Contracampo, Niterói, v. 20, n. 1, p.121-131, ago. 2009. [Semestral]
ARAÚJO, Mayara de. O inverno está chegando. Diário do Nordeste Caderno
n. 3, 2011. Disponível em
<http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1047294>. Acesso em:
25 fev. 2013.
ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. Série Debates 19. São Paulo:
Perspectiva, 2000.
LEONTIEV, Alexis. O homem e a cultura. In: O desenvolvimento do psiquismo.
Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.
PAES, José Paulo. Por uma literatura brasileira de entretenimento (ou: o
mordomo não é o único culpado). São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
PAZ, Eliane H. Massa de Qualidade. In: I Seminário Brasileiro sobre o Livro e
História Editorial, 2004, Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro. Disponível em:
<www.livroehistoriaeditorial.pro.br/pdf/elianehpaz.pdf>. Acesso em: 25 fev. 2013.
Texto Digital, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 102-115, jan./jul. 2014. ISSNe: 1807-9288
115
TAVELA, Maria Cristina Weitzel. Literatura de massa na formação do leitor
literário. Darandina Revisteletrônica, Juiz de Fora, v. 3, n. 1, p. 1-10, nov. 2010.
Texto recebido em: 05/06/2014.
Texto aceito em: 14/07/2014.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
O presente artigo apresenta algumas pesquisas na área de jogos digitais e eletrônicos que articulam a relação dessas novas mídias com os espaços de aprendizagens escolares na Europa, Estados Unidos e Brasil, sinalizando possíveis percursos para efetivar essa parceria. Neste texto as palavras games, videogame, videjogos serão utilizados como sinônimos para se referir aos jogos comerciais que podem ser jogados em consoles e PC e fazem parte da 3ª e 4ª geração de jogos. Em contraponto, utilizarei a expressão �jogos digitais� para me referir aos elementos tecnológicos que são utilizados nos PC que apresentam narrativas, interatividade, interface, qualidade e realismo das imagens de forma diferenciada dos primeiros, isto é, mais simples, mais elementar. Palavras-chave: Jogos eletrônicos; jogos digitais; aprendizagem; professores.
Literatura de massa na formação do leitor literário Juiz de Fora
  • Maria Cristina Weitzel
TAVELA, Maria Cristina Weitzel. Literatura de massa na formação do leitor literário. Darandina Revisteletrônica, Juiz de Fora, v. 3, n. 1, p. 1-10, nov. 2010. Texto recebido em: 05/06/2014. Texto aceito em: 14/07/2014.
Literatura de massa na formação do leitor literário. Darandina Revisteletrônica, Juiz de Fora
  • Maria Cristina Weitzel
TAVELA, Maria Cristina Weitzel. Literatura de massa na formação do leitor literário. Darandina Revisteletrônica, Juiz de Fora, v. 3, n. 1, p. 1-10, nov. 2010. Texto recebido em: 05/06/2014. Texto aceito em: 14/07/2014.
A nova forma de pensar o jogo, seus valores e suas possibilidades
  • S C F Amaral
  • G N Paula
AMARAL, S. C. F.; PAULA, G. N. A nova forma de pensar o jogo, seus valores e suas possibilidades. Pensar a Prática, Goiânia, v.10, n. 2, 2007. ARANHA, Gláucio;
Diário do Nordeste -Caderno n. 3
  • Mayara De Araújo
ARAÚJO, Mayara de. O inverno está chegando. Diário do Nordeste -Caderno n. 3, 2011. Disponível em <http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1047294>. Acesso em: 25 fev. 2013.
Apocalípticos e integrados. Série Debates 19. São Paulo: Perspectiva
  • Umberto Eco
ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. Série Debates 19. São Paulo: Perspectiva, 2000.
Por uma literatura brasileira de entretenimento (ou: o mordomo não é o único culpado)
  • José Paes
  • Paulo
PAES, José Paulo. Por uma literatura brasileira de entretenimento (ou: o mordomo não é o único culpado). São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
Disponível em: <www.livroehistoriaeditorial.pro.br/pdf/elianehpaz
  • Eliane H Paz
  • Massa De Qualidade
PAZ, Eliane H. Massa de Qualidade. In: I Seminário Brasileiro sobre o Livro e História Editorial, 2004, Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro. Disponível em: <www.livroehistoriaeditorial.pro.br/pdf/elianehpaz.pdf>. Acesso em: 25 fev. 2013.