ArticlePDF Available

Bem-estar de pequenos mamíferos capturados em armadilhas de grade

Authors:
Bem-estar de pequenos mamíferos
capturados em armadilhas de grade
Vanessa V. Kuhnen¹ & Eleonore Z. F. Setz²
¹ Pós-Graduação em Ecologia, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP),
Caixa Postal 6.109, CEP 13083-970, Campinas, SP, Brasil.
² Laboratório de Ecologia e Comportamento de Mamíferos, Departamento de Biologia Animal,
Universidade Estadual de Campinas, Avenida Bertrand Russel, s/n, CEP 13083-865, Campinas, SP, Brasil.
E-mail para correspondência: vanessavk3@gmail.com
Resumo: A captura pode gerar grande estresse aos indivíduos, apesar disto, ainda são escassos
estudos que avaliem aspectos do bem-estar dos animais capturados em diferentes armadilhas.
Especificamente para pequenos mamíferos, sabe-se pouco sobre o impacto das capturas,
manipulações, e marcações individuais. Apesar da existência das diretrizes para o uso de mamíferos
em pesquisas, cada espécie, em cada bioma, possui necessidades distintas e suas particularidades
devem ser priorizadas para garantia de seu bem-estar durante o estudo. Desta forma, o presente
trabalho tem como objetivo apresentar algumas sugestões práticas para o uso destas armadilhas
em campo, visando um maior bem-estar dos indivíduos capturados. Pequenas ações como as
aqui apresentadas são de baixo custo, não aumentam o tempo despedido em campo, além de
aumentarem as chances de sobrevivência e o bem-estar dos indivíduos capturados. O bem-estar
dos animais capturados deve ser prezado tanto por questões éticas, mas também pelas implicações
na qualidade dos dados coletados.
Palavras-Chave: Boas práticas; Marsupial; Roedor; Tomahawk; Young.
Abstract: Welfare of small mammals captured in cage traps. Capture can stress individuals, although
there are still few studies that evaluate the well-being of caughtanimals in different traps. Specifically
for small mammals, little is known about the impact of catches,manipulations, and particular marks.
Despite the existence of guidelines for the use of mammals in research, each species in each biome
has specific needs, and its particularities should be prioritized to guarantee itswell-being during the
study. In this way, the aims of this work is present some practical suggestions for smallmammals
trapping, foucusing in the well-being of the captured individuals. Small actions as presented here are
inexpensive, do not increase the time dismissed in the field, and increases the chances of survival
and well-being of the individuals captured. The well-being of captured animals must be valued or
ethical reasons butalso for implications on the quality of the data collected.
Key-Words: Marsupial; Rodent; Tomahawk; Welfare; Young.
2008; Wilson & McMahon, 2006). Infelizmente, a dificul-
dade de registrar as consequências sobre os indivíduos
acaba por subsidiar esta ideia de que os efeitos nega-
tivos causados aos indivíduos são insignificantes (Krag,
2008; Wilson & McMahon, 2006). Além disto, durante o
planejamento das pesquisas em campo, custos e prazos
tendem a ser vistos como prioridade sobre o bem-estar
e a ética animal (Parris et al., 2010).
Um dos aspectos mais discutidos sobre o bem-
-estar de animais selvagens na pesquisa científica são as
metodologias de marcação individual (e.g. Loretto et al.,
2013). Já existem trabalhos que avaliam as conseqüên-
cias destas marcações para as populações (e.g. Gauthier-
-Clerc et al., 2004), para os indivíduos (e.g. Walker et al.,
2011), e também para a conservação das espécies (e.g.
Funk et al., 2005). Entretanto, ainda são escassos na lite-
ratura trabalhos que avaliem aspectos de bem-estar ani-
mal relacionados a diferentes metodologias de captura.
O bem-estar animal engloba a saúde do animal,
seus estados afetivos (e.g. dor, medo, sofrimento), e sua
capacidade para viver na maneira à qual são adaptados
(Fraser et al., 1997). Para garantia deste bem-estar todos
os animais devem ser livres de medo e estresse crônico
(distress), livres de fome e sede, de desconforto, de do-
res e doenças (FAWEC, 2012). A fundamentação destes
direitos surgiu com base no bem-estar dos animais de
criação (Broom, 2011). Já o bem-estar e a ética que en-
volve os animais selvagens ainda são pouco discutidos
(Fauvel et al., 2012; Funk et al., 2005; Minteer & Collins,
2005). O bem-estar dos indivíduos em ambiente natu-
ral ainda é comumente negligenciado em detrimento
de um benefício último para as suas populações (Fraser,
2010). O estudo das populações de espécies em vida
livre pode levar a mudanças de comportamento dos
indivíduos, evasão das áreas estudadas em função das
capturas, e até mesmo causar lesões a longo prazo (Krag,
ENSAIOS
1
Bol. Soc. Bras. Mastozool., 75: 1-7, 2016
Kuhnen, V.V. & Setz, E.Z.F.: Bem-estar de pequenos mamíferos
A captura pode gerar grande estresse aos indivíduos le-
vando a mudanças na sua fisiologia, como por exemplo:
aumentos na produção de adrenalina, na taxa metabóli-
ca, na temperatura corporal, e nas frequências cardíaca
e respiratória (Giese, 1996; Weimerskirch et al., 2002).
Algumas vezes o estresse e os riscos causados pelas cap-
turas podem levar à morte os indivíduos capturados.
Especificamente para pequenos mamíferos, sabe-
-se pouco sobre o impacto das capturas, manipulações,
e marcações individuais, sobre o bem-estar dos indiví-
duos estudados (Fisher & Blomberg, 1995). Alguns do-
cumentos, como as diretrizes da Sociedade Americana
para o uso de mamíferos em pesquisas, indicam condu-
tas metodológicas que visam assegurar o bem-estar dos
animais capturados (Sikes et al., 2011; Trajano & Silveira,
2008). As diretrizes são simples e podem ser facilmente
adotadas para um trabalho de campo mais ético. Alguns
exemplos das boas práticas sugeridas são: cobrir a gaiola
assim que se aproximar dela, para diminuir o estresse do
indivíduo capturado enquanto o material necessário para
a manipulação é preparado; cobrir os olhos do indivíduo
enquanto ele é manipulado; e utilizar um número de ar-
madilhas condizente com a capacidade do pesquisador
de monitorá-las. Além disto, sempre que possível, verifi-
car frequentemente as armadilhas para minimizar o agra-
vamento de ferimentos e a mortalidade dos indivíduos.
Apesar da existência destas diretrizes gerais, cada
espécie, em cada bioma, possui necessidades diferen-
tes e suas particularidades devem ser priorizadas para
garantia de seu bem-estar durante o estudo (Do et al.,
2013; Drickamer & Paine, 1992; Rychlik et al., 2012;
Shonfield et al., 2013). Por isto o pesquisador deve es-
tar atento às particularidades das espécies alvo de seu
estudo. Por exemplo, animais de porte médio como Di-
delphis sp. e outros grandes marsupiais possuem neces-
sidades distintas de espécies de menor pequeno porte
como pequenos roedores e marsupiais. Porém, em estu-
dos de levantamento de fauna o ideal é otimizar o esfor-
ço amostral e capturar o maior número possível de espé-
cies através de uma única metodologia. Nesses casos o
mais indicado é adequar a metodologia buscando aten-
der as necessidades das espécies de menor porte, que
normalmente são as mais sensíveis. Consequentemente
as espécies de maior porte também irão se beneficiar
das medidas de bem-estar adotadas. Para isto, o pes-
quisador deve estar atento também às particularidades
de cada metodologia de captura e aos respectivos riscos
que elas expõem aos indivíduos capturados.
A captura através de armadilhas de interceptação
e queda (pitfalls), em função das altas taxas de mortali-
dade geradas, é a metodologia de captura de pequenos
mamíferos mais discutida na literatura (Cáceres et al.,
Figura 1: Armadilha de captura modelo Tomahawk coberta por plástico para proteger o indivíduo capturado da chuva e do sereno, e apoiada sobre
placa de compensado resinado para proteger o indivíduo capturado da umidade do solo.
ENSAIOS
2
Bol. Soc. Bras. Mastozool., 75: 1-7, 2016
Kuhnen, V.V. & Setz, E.Z.F.: Bem-estar de pequenos mamíferos
2012; Ferguson & Forstner, 2006; Karraker, 2001; Kogut,
1997; Padgett-Flohrge & Jennings, 2001; Pearce et al.,
2005; Peter, 2015). Por outro lado, quase não se discute
a exposição e a diminuição de bem-estar que os animais
estão expostos quando capturados em armadilhas de
grade. Desta forma, o presente trabalho tem como ob-
jetivo apresentar algumas sugestões práticas para o uso
destas armadilhas em campo, visando um maior bem-
-estar dos indivíduos capturados.
Os modelos Tomahawk e Young são armadilhas de
grade que consistem basicamente de uma gaiola de ara-
me que se fecha através de uma alavanca que é destrava-
da assim que o animal tenta acessar a isca. Estes mode-
los são amplamente utilizados na captura de pequenos
mamíferos para as mais diversas finalidades: pesquisas
científicas, inventário de espécies, resgate de fauna, mo-
nitoramento ambiental, entre outros. As armadilhas de
grade são capazes de capturar uma variedade de espé-
cies, desde grandes marsupiais como Didelphis spp. que
podem chegar a pesar 2 kg, até pequenos roedores que
pesam menos de 100g (Cáceres et al., 2011; Santos-Filho
et al., 2006).
Durante a noite, normalmente o período mais frio
do dia, é que a maioria das espécies de pequenos mamífe-
ros está ativa. Quando capturados, ao invés de passarem
a noite ativos, passam a noite presos e expostos às intem-
péries. Pequenos mamíferos possuem uma alta relação
corpórea de superfície/volume, o que dificulta a manu-
tenção da sua temperatura (Schmidt-Nielsen, 2002). A es-
trutura vazada destas armadilhas dificulta a manutenção
dessa temperatura, o que pode levar os indivíduos à mor-
te por hipotermia. Uma alternativa para diminuir as chan-
ces de hipotermia seria cobrir as armadilhas com folhas
grandes, cascas de árvore ou folhiço, disponíveis no pró-
prio local. Porém, este tipo de proteção seria facilmente
removido com um vento forte, e por cobrir totalmente a
armadilha, aumentaria o tempo necessário para revisar
todas as armadilhas. Outra alternativa seria ensacar parte
da gaiola com saco plástico. Esta técnica não interfere no
sucesso de captura (obs. pess.), porém a água se acumula
facilmente dentro do saco plástico. O acúmulo da água
pode ocorrer até mesmo com a entrada da gaiola posicio-
nada a favor do declínio do terreno.
Mesmo que a porção dos sacos que fica em contato
ao solo fosse furada, dificilmente a água será drenada na
velocidade necessária. Além disto, não é fácil encontrar
no comércio sacos plásticos com apenas um lado furado,
e furar manualmente demanda tempo. A melhor opção
então é que a gaiola seja apenas coberta por um plástico.
O plástico deve ser de tamanho suficiente para tampar
as laterais e a parte superior da armadilha, desta forma
o animal fica protegido do sereno, da chuva, e não sofre
com a possível condensação da água caso a gaiola fosse
ensacada (Figura 1). A revisão das armadilhas será facili-
tada se o plástico for transparente, o que permite verifi-
car a curtas distâncias se algum indivíduo foi capturado
ou se ainda há isca disponível. Quando chove, a própria
pressão da água da chuva mantém o plástico no lugar, e
em regiões de muito vento é fácil apoiar qualquer peso
que mantenha o plástico posicionado corretamente.
Outra técnica que pode ser adotada para diminuir
as chances de hipotermia é colocar as armadilhas sobre
placas de compensado resinado, comumente utilizado
para tapumes (Figura 1). Estas placas permitem que a
armadilha fique isolada do contato com o solo frio e
úmido. O uso do compensado possui algumas vanta-
gens: o custo deste material é baixo; é reutilizável; é fácil
de higienizar, com um borrifador de álcool e uma esco-
vinha é possível remover as fezes com facilidade; e não
diminui o sucesso de captura (obs. pess.). Outra vanta-
gem é que o compensado possui certa rugosidade o que
impede que a armadilha deslize por cima dele. Assim é
possível utilizá-lo apenas como suporte entre o chão e a
armadilha, sem a necessidade de fixação da armadilha.
Isso gera outra facilidade que é o transporte do material.
As placas de compensado são finas, portanto além de
não ser pesado é possível carregá-las entre as armadi-
lhas dobradas. A utilização dos sacos plásticos e do com-
pensado também proporcionam ao pesquisador outras
vantagens como por exemplo a proteção das iscas. Pro-
longando a durabilidade da isca aumenta o sucesso de
captura e diminui os custos da pesquisa. Além disto, o
compensado também isola as fezes do contato com o
solo, o que é ideal para estudos de parasitologia e dieta.
Outro ponto importante e que implica diretamente
sobre o bem-estar do indivíduo capturado é a escolha
correta do ponto onde a armadilha será posicionada.
A escolha do ponto amostral deve levar em conta não
apenas o desenho amostral do estudo, mas também os
possíveis riscos que estariam expostos os animais cap-
turados. É de extrema importância estar atento se o lo-
cal escolhido não corre o risco de alagar, e se for perto
de um curso d’água qual a dinâmica deste rio durante o
período de chuvas. Estes cuidados são importantes para
evitar que as gaiolas fiquem submersas em caso de chu-
vas fortes e os indivíduos capturados morram afogados
os por hipotermia. Outra questão relevante na escolha
do ponto onde será posicionada a gaiola é a ocorrência
de predadores selvagens e também por animais domés-
ticos (Galetti & Sazima, 2006). Predadores comumente
localizam as armadilhas com indivíduos capturados e na
tentativa de retirar a possível presa de dentro da arma-
dilha acabam revirando e arrastando a armadilhas por
metros (obs. pess.). Uma prática simples que pode evitar
esta situação é amarrar as armadilhas em árvores, ou
mesmo no chão através de espécies.
Dependendo da duração do esforço amostral os
animais podem ficar debilitados em função das recap-
turas. Graipel & Santos-Filho (2006) relatam que uma
fêmea de Didelphis aurita Wied-Neuwied, 1826 foi su-
cessivamente recapturada ao longo do estudo. As re-
capturas deixaram o indivíduo extremamente debilita-
do, e após a oitava recaptura no mesmo mês, a fêmea
já tinha perdido cerca de 13% do seu peso original. O
planejamento do esforço amostral é ainda mais relevan-
te quando os estudos visam obter dados da dinâmica
populacional. Cáceres e colaboradores (2012) sugerem
que o esforço de amostragem para estudos populacio-
nais de pequenos mamíferos não deve ultrapassar 5 dias
consecutivos.
ENSAIOS
3
Bol. Soc. Bras. Mastozool., 75: 1-7, 2016
Kuhnen, V.V. & Setz, E.Z.F.: Bem-estar de pequenos mamíferos
Figura 2: a) Armadilha de captura com reentrância na porta que favorece com que o indivíduo capturado se machuque nas tentativas de fuga;
b) Indivíduo de Metachirus nudicaudatus lesionado pelas tentativas de fuga da armadilha da Figura a.
ENSAIOS
4
Bol. Soc. Bras. Mastozool., 75: 1-7, 2016
Kuhnen, V.V. & Setz, E.Z.F.: Bem-estar de pequenos mamíferos
Figura 3: a) Trinomys iheringi capturado em armadilha Tomahawk e sendo parasitado por dípteros (Calliphoridae); b) Detalhe da oviposição dos
dípteros (Calliphoridae).
ENSAIOS
5
Bol. Soc. Bras. Mastozool., 75: 1-7, 2016
Kuhnen, V.V. & Setz, E.Z.F.: Bem-estar de pequenos mamíferos
Tendo em vista que os indivíduos capturados mui-
tas vezes chegam a ficar mais de 12 horas consecutivas
presos na gaiola, é de extrema importância que sejam
utilizadas iscas com alto valor energético e que estas se-
jam ofertadas em quantidade suficiente para atender às
demandas nutricionais do animal durante o tempo que
for passar aprisionado na armadilha. Além da escolha da
isca adequada (que irá variar de acordo com o hábito ali-
mentar da espécie alvo), também é importante fazer um
planejamento do número de armadilhas e do tamanho
da área amostrada, que leve em conta a fragilidade dos
indivíduos frente ao estresse que a captura proporciona.
Para o cálculo do esforço amostral deve ser considera-
do o tempo necessário para visitar todas as armadilhas.
O ideal é minimizar o máximo possível o tempo que os
indivíduos capturados ficarão nas gaiolas. Dessa forma,
é indicado que a revisão das armadilhas seja feita nas
primeiras horas do dia, evitando assim que o animal fi-
que mais do que 12 horas preso na armadilha. Nos ca-
sos em que as armadilhas estão posicionadas em áreas
que não possuem uma cobertura arbórea para proteção
do calor do sol, é importante considerar o tempo que o
animal ficará exposto ao sol, principalmente por que os
indivíduos capturados não terão acesso à água. Locais
sem cobertura devem ser evitados tanto pela exposição
ao sol, mas também pela exposição à chuva.
Infelizmente, mesmo com a adoção de boas práti-
cas em campo, alguns indivíduos são mais frágeis do que
outros e mais propensos à desnutrição ou hipotermia.
Durante o inverno, ou nas épocas chuvosas, as chances
de hipotermia aumentam ainda mais. Uma alternativa
para reverter quadros de hipotermia é levar para campo
uma bolsa de látex com água quente. Estas bolsas são
ideais, pois são capazes de conservar o calor por até seis
horas. A bolsa deve ser envolta em um pano para evitar
queimaduras, e caso aconteça algum caso de hipoter-
mia, basta apoiar o animal por alguns minutos em cima
da bolsa para ele se recuperar. Outra opção possível é
forrar as armadilhas com materiais não tóxicos e que
mantenham o calor, permitindo que o animal capturado
faça o seu ninho dentro da armadilha (Barnett & Dutton,
1995). Um problema oposto à hipotermia é a exposição
excessiva ao sol. Em áreas abertas onde não há cobertu-
ra arbórea, é indicado cobrir as armadilhas com vegeta-
ção rasteira, quer seja capim ou folhagem de pequenos
arbustos, de forma a prevenir a exposição prolongada ao
sol. Este tipo de cobertura das armadilhas também per-
mite uma camuflagem da mesma, podendo aumentar o
sucesso de captura.
Outra questão relevante ao bem-estar dos animais
capturados em armadilhas de grade são as lesões causa-
das pelas tentativas de fuga. Alguns modelos possuem
reentrâncias ou folgas (Figura 2a) que o animal é capaz
de empurrar para forçar a saída e acaba se machucando.
Além dos ferimentos na pele (Figura 2b) alguns indivídu-
os chegam a ficar com os dentes presos por entre as gra-
des destas reentrâncias de tanto forçar a saída (Kuhnen
obs. pess.). Modelos com folga nas portas ou que apre-
sentem algum tipo de reentrâncias, como exemplificado
na Figura 2a, devem ser evitados para prevenir lesões.
As feridas causadas pelas tentativas de fuga são
portas para infecções. Sempre que um animal capturado
apresentar qualquer tipo de ferimento, este precisa ser
tratado antes da soltura. Sobre os machucados existen-
tes é recomendado utilizar álcool iodado 7% (Forattini
et al., 1972). Além das feridas, o tempo em que o animal
está cativo dentro da armadilha já o expõe a parasitas
oportunistas como dípteros (Calliphoridae, Figura 3), e
até mesmo a predação por formigas carnívoras. Esta ex-
posição diminui consideravelmente o bem-estar dos in-
divíduos, podendo levar à morte (obs. pess.). Porém, são
raros os estudos dos impactos causados aos indivíduos
pelas parasitoses obtidas durante o período de captura
(e.g. Bossi & Bergallo, 1992). A vulnerabilidade a para-
sitas durante o tempo em que o animal está na gaiola é
um sério fator de bem-estar animal e de difícil solução.
Desta forma, é importante que comunidade científica se
atente mais ao tema visando buscar possíveis soluções.
Prezar pelo bem-estar dos animais capturados não
envolve apenas questões éticas, mas implica também na
qualidade do dado coletado. Pequenas ações como as
aqui apresentadas são de baixo custo, não aumentam
o tempo despedido em campo, além de aumentarem
as chances de sobrevivência e o bem-estar dos indiví-
duos capturados. Práticas que aumentem o bem-estar
deveriam ser naturalmente incorporadas no desenho
amostral e nos planejamentos dos trabalhos de campo.
Esperamos que nossas sugestões aprimorem o trabalho
de campo em pesquisas, levantamentos e monitora-
mentos de pequenos mamíferos. Apesar das sugestões
apresentadas aqui terem maior aplicabilidade em áre-
as que apresentem baixas temperaturas e altos índices
de pluviosidade, gostaríamos que este trabalho servisse
para provocar a discussão sobre o bem-estar de peque-
nos mamíferos também em outros cenários.
AGRADECIMENTOS
Gostaríamos de agradecer à Juliana do Carmo Padi-
lha e aos revisores anônimos da revista pelas sugestões
para aprimorar o manuscrito; e ao Conselho Nacional
de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Brasil
(CNPq) pela bolsa de doutorado de V.V.K.
REFERÊNCIAS
Barnett A, Dutton J. 1995. Expedition Field Techniques: Small Mammals
(Excluding Bats). Royal Geographical Society with IBG, London.
Bossi DEP, Bergallo HG. 1992. Parasitism by Cuterebrid Botflies
(Metacuterebra apicalis) in Oryzomys nitidus (Rodentia: Cricetidae)
and Metachirus nudicaudatus (Marsupialia: Didelphidae) in a
Southeastern Brazilian Rain Forest. The Journal of Parasitology
78(1): 142-145.
Broom DM. 2011. A history of animal welfare science. Acta
Biotheoretica 59(2): 121-137.
Cáceres NC, ME Graipel, Cherem JJ. 2012. Amostragem de marsupiais.
Pp. 111-126, in: Cáceres NC (Ed.), Os marsupiais do Brasil –
Biologia, Ecologia e Conservação, Segunda Edição. Editora UFMS,
Campo Grande.
Cáceres NC, Nápoli RP, Hannibal W. 2011. Differential trapping success
for small mammals using pitfall and standard cage traps in a
ENSAIOS
6
Bol. Soc. Bras. Mastozool., 75: 1-7, 2016
Kuhnen, V.V. & Setz, E.Z.F.: Bem-estar de pequenos mamíferos
woodland savannah region of southwestern Brazil. Mammalia 75:
45-52.
Do R, Shonfield J, Mcadam AG. 2013. Reducing accidental shrew
mortality associated with small-mammal livetrapping II: a field
experiment with bait supplementation. Journal of Mammalogy
94(4): 754-760.
Drickamer LC, Paine CR. 1992. Sex, age, nest construction and trap
mortality for six species of rodents. American Midland Naturalist
128(2): 360-365.
Fauvel T, Brischoux F, Briand MJ, Bonnet X. 2012. Do researchers impact
their study populations? Assessing the effect of field procedures in
a long term population monitoring of sea kraits. Amphibia-Reptilia
33(3-4): 365-372.
FAWEC (Farm Animal Welfare Education Center). 1992. What is
animal welfare? The Farm Animal Welfare Fact Sheet Number
1. Disponível em: http://fawec.org/download/I-what-is-animal-
welfare.pdf (julho/2016)
Ferguson AW, Forstner MRJ. 2006. A device for excluding predators
from pitfall traps. Herpetological Review 37(3): 316-317.
Fisher DO, Blomberg SP. 1995. Toe-bud clipping of juvenile small
marsupials for ecological field research: No detectable negative
effects on growth or survival. Austral Ecology 34(8): 858-865.
Forattini OP, Pattoli DBG, Rabello EX, Ferreira OA. 1972. Infecções
naturais de mamíferos silvestres em área endêmica de
leishmaniose tegumentar do Estado de São Paulo, Brasil. Revista
de Saúde Pública 6(3): 255-2651.
Fraser D, Weary DM, Pajor EA, Milligan BN. 1997. A scientific
conception of animal welfare that reflects ethical concerns.
Animal Welfare 6: 187-205.
Fraser D. 2010. Toward a synthesis of conservation and animal welfare
science. Animal Welfare 19(2): 121-124.
Funk WC, Donnelly MA, Lips KR. 2005. Alternative views of amphibian
toe-clipping. Nature 433: 193.
Galetti M, Sazima I. 2006. Impact of feral dogs in an urban Atlantic
forest fragment in southeastern Brazil. Natureza & Conservação
4(1): 146-151.
Gauthier-Clerc M, Gendner JP, Ribic CA, Fraser WR, Woehler EJ,
Descamps S, Gilly C, Bohec C LE, Maho YLE. 2004. Long-term
effects of flipper bands on penguins. Proceedings of the Royal
Society B 271: S423-26.
Giese M. 1996. Effects of human activity on Adelie penguin Pygoscelis
adelie breeding success. Biological Conservation 75(2): 157-64.
Graipel ME, Santos-Filho M. 2006. Reprodução e dinâmica populacional
de Didelphis aurita Wied-Neuwied (Mammalia: Didelphimorphia)
em ambiente periurbano na Ilha de Santa Catarina, Sul do Brasil.
Biotemas 19(1): 65-73.
Karraker NE. 2001. String theory: reducing mortality of mammals in
pitfall traps. Wildlife Society Bulletin 29(4): 1158-1162.
Kogut N. 1997. A method for reducing mortalities in pitfall traps.
Transactions of the western section of the wildlife society 33:
75-78.
Krag A. 2008. Field research: the animal welfare view. Disponível em:
http://norecopa.no/norecopa/vedlegg/30Krag.pdf (julho/2016).
Loretto D, Weksler M, Lazar A, Percequillo AR, Bonvicino CR, Cordeiro
JL, Bezerra AMR, Carmignotto AP, Delciellos AC, Testoni AF, Grelle
CEV, Astúa D, Setz EZF, Vieira EM, Melo F, Prevedello JÁ, Marinho
JR, Voltolini JC, Kajin M, Ferreira M, Martín R. MR, Dalloz MF,
Graipel ME, Aragona M, Perissé M, Olifiers N, Ferreira P, D’Andrea
PS, Zangrandi PL, Crouzeilles R, Moratelli R, Santori RT, Gentile R,
Cerqueira R, Pacheco SM, Ribeiro SE, Rademaker V. 2013. On the
practice of toe clipping for small mammal studies in Brazil. Boletim
da Sociedade Brasileira de Mastozoologia 66: 12-14.
Minteer BA, Collins JP. 2005. Why we need an “ecological ethics”.
Frontiers in Ecology and the Environment 3(6): 332-337.
Padgett-Flohr GE, Jennings MR. 2001. An economical safe-house for
small mammals in pitfall traps. California Fish and Game 87(2):
72-74.
Parris KM, McCall SC, McCarthy MA, Minteer BA, Steele K, Bekessy S,
Medvecky F. 2010. Assessing ethical trade-offs in ecological field
studies. Journal of Applied Ecology 47(1): 227-234.
Pearce JL, Schuurman D, Barber KN, Larrivée M, Venier LA, McKee J,
McKenney D. 2005. Pitfall trap designs to maximize invertebrate
captures and minimize captures of nontarget vertebrates.
Canadian Entomologist 137: 233-250.
Peter H. 2015. Further notes on the welfare of small mammals captured
during pitfall trapping. The Victorian Naturalist 132(2): 51-53.
Rychlik L, Churchfield S, Taylor JRE, Kardynia P, Oldakowski L. 2012. Live-
trapping small mammals under snow: a protocol for maximising
captures and minimising mortality. Polish Journal of Ecology 60(3):
621-628.
Santos-Filho M, Silva DJ, Sanaiotti TM. 2006. Efficiency of four trap
types in sampling small mammals in forest fragments, Mato
Grosso, Brazil. Mastozoología Neotropical 13(2): 217-225.
Schmidt-Nielsen K. 2002. Fisiologia Animal: Adaptação e Meio
Ambiente. Editora Santos, São Paulo.
Shonfield J, Do R, Brooks RJ e McAdam AG. 2013. Reducing accidental
shrew mortality associated with small-mammal livetrapping I:
an inter- and intrastudy analysis. Journal of Mammalogy 94(4):
745-753.
Sikes RS, Gannon W, The Animal Care and Use Committee. 2011.
Guidelines of the American Society of Mammalogists for the
use of wild mammals in research. Journal of Mammalogy 92(1):
235-253.
Trajano E, Silveira LF 2008. Conservação, ética e legislação brasileira:
uma proposta integrada em defesa dos animais não-humanos.
Ciência e Cultura 60(2): 27-33.
Walker KA, Mellish JE, Weary DM. 2011. Effects of hot-iron branding on
heart rate, breathing rate and behaviour of anaesthetized Steller
sea lions. Veterinary Record 169(14): 363-367.
Weimerskirch H, Shaffer SA, Mabille G, Martin J, Boutard O, Rouanet JL.
2002. Heart rate and energy expenditure of incubating wandering
albatrosses: basal levels, natural variation, and the effects of
human disturbance. The Journal of Experimental Biology 205:
475-83.
Wilson RP, McMahon CR. 2006. Measuring devices on wild animals:
what constitutes acceptable practice? Frontiers in Ecology and
Environment 4(3): 147-154.
Submetido em 24/02/2016
Aceito em 18/07/2017
ENSAIOS
7
Bol. Soc. Bras. Mastozool., 75: 1-7, 2016
Kuhnen, V.V. & Setz, E.Z.F.: Bem-estar de pequenos mamíferos
... A exposição a um fator repentino ao qual o animal não está habituado, como a contenção, pode levar a um estresse agudo ou reação de alarme (Giralt, 2002). Esse processo pode alterar condições fisiológicas, como aumento na produção de adrenalina, na taxa metabólica, na temperatura corporal, nas frequências cardíaca e respiratória, na temperatura retal (Giese, 1996;Giralt, 2002;Weimerskirch et al., 2002) ou até mesmo causar a morte dos indivíduos capturados (Kuhnen e Setz, 2016). Mendonça-Furtado et al. (2017) registraram o aumento do nível de cortisol fecal em todas as cinco fêmeas de macaco-prego (Sapajus libidinosus) de um grupo de 11 indivíduos em cativeiro, distantes 20 metros de um grupo de S. flavius. ...
... Lesões de pele já foram descritas em cuícas-cauda-de--rato (Metachirus nudicaudatus) na tentativa de fuga da armadilha quando capturadas (Kuhnen e Setz, 2016). A miopatia já foi descrita em pica-pau-orelhudo (Dryocopus pileatus) de vida livre, resultando em morte de indivíduos ao serem capturados por três diferentes métodos: com redes de neblina, armadilha de modelo covo e armadilhas do tipo canopy (Ruder et al., 2012). ...
Article
Full-text available
Resumo Estudos sobre primatas muitas vezes requerem captura utilizando armadilhas ou dardos tranquilizantes. Entretanto, mesmo empregando a metodologia adequada, podem ocorrer injúrias devido ao estresse. Nosso objetivo foi relatar um caso de agressão durante a captura conjunta de dois macacos-prego (Sapajus nigritus) em armadilha, resultando na morte de um deles. Os primatas foram capturados em armadilha Tomahawk na Reserva Biológica de Poço das An-tas, Silva Jardim, RJ, Brasil. O incidente foi registrado por câmera trap. Ao revisar a armadilha, foi verificada a dupla captura e um deles encontrava-se prostrado. No laboratório, constatou-se o óbito desse indivíduo. Ao exame clínico, foram visualizadas injúrias na pele e foram tomadas as medidas morfométricas. O indivíduo que veio a óbito era uma fêmea adulta e o outro, um macho subadulto. O vídeo revelou a agressão do macho à fêmea, que tentava fugir batendo a cabeça contra a armadilha. O restante do grupo de primatas permaneceu ao redor da armadilha durante uma hora. O termômetro da câmera registrou temperatura máxima de 41 °C. À necropsia, foram detectadas feridas perfurantes nos membros superiores, hematomas subcutâneos peitorais e faciais, e hemorragia submeningeana. A encefalopatia traumática aguda foi a causa mortis. As atividades do nosso grupo de pesquisa têm por base a captura de indivíduos de macaco-prego para coleta de amostras biológicas e análise genética, tendo sido este o primeiro caso de óbito após 40 capturas. Fatores como a temperatura elevada e o tempo de permanência na armadilha provavelmente aumentaram o estresse. Este caso enfatiza a necessidade de monitoramento frequente da armadilha a fim de minimizar a ocorrência de injúrias aos animais capturados, que podem ser fatais em capturas conjuntas. Palavras-chave: Primatas, manejo em campo, agressão intraespecífica, monitoramento ambiental. Abstract Primate studies often require capture using traps or tranquilizer darts. However, even using the appropriate methodology , injuries can occur due to stress. Our objective was to report the occurrence of aggression during the joint capture of two black-horned capuchin monkeys (Sapajus nigritus) in a trap, resulting in the death of one of the individuals. The primates were captured in a Tomahawk trap at Poço das Antas Biological Reserve, Silva Jardim, RJ, Brazil. The incident was recorded using a camera trap. Reviewing the trap, the double capture was noticed and, one individual was observed to be lying face down on the ground. In the laboratory, the death of this primate was verified. On clinical examination, skin injuries were seen and morphometric measures were taken. The dead individual was an adult female and the other, a subadult male. The video revealed the male's aggression toward the female, who tried to escape by hitting her head against the trap. The rest of the primate group remained around the trap for an hour. The camera thermometer recorded a maximum temperature of 41 °C. At necropsy, the following injuries were detected: perforating wounds in the upper limbs, subcutaneous hematoma in the pectoral and facial regions, and submeningeal hemorrhage. Acute traumatic en-cephalopathy was the cause of death. The activities of our research group are based on the capture of capuchin monkey individuals for the collection of biological samples and genetic analysis, this being the first case of death after 40 captures. Factors such as high temperature and the time spent in the trap probably increased stress. This case emphasizes the need for frequent monitoring of the trap to minimize the occurrence of injuries to captured animals, which can be fatal in joint captures.
... The total sampling effort was 9,600 trap nights. The traps were placed on a hardboard platform and covered with plastic to protect it from rain and to provide greater thermal comfort to the animals (Kuhnen & Setz, 2016). After the second night of trapping, all baits were replaced with new ones. ...
Article
According to the mesopredator release theory, when top predators are eradicated from an area, mesopredators become overabundant. Didelphis aurita is the largest marsupial in the Atlantic Rainforest, and it occurs in higher abundances in the absence of top predators. This mesopredator has similar ecological requirements to the sympatric marsupial Metachirus nudicaudatus. Considering the similar requirements, and that D. aurita is about three times the size of M. nudicaudatus, our hypothesis is that the increase in D. aurita's abundance may negatively affect M. nudicaudatus' population. To test this hypothesis, we conducted a two‐year capture‐mark‐recapture study in an area in the Southeast of Brazil where top predator community is depauperated. The relationship between the population dynamics of these two marsupials was analyzed by including abundance of D. aurita and environmental conditions as explanatory variables of the population parameters of M. nudicaudatus. We observed that all demographic parameters of M. nudicaudatus fluctuated over time and responded negatively to D. aurita abundance. Our conclusion is that, at least on a monthly timescale, the interspecific relationship with D. aurita seems to influence more M. nudicaudatus' population than any other environmental covariate. These findings suggest that mesopredator release can promote negative effects on population parameters of other species within the same trophic level. Considering that top predators are no longer present in most of the remaining Atlantic Rainforest fragments, the marsupial D. aurita has become a key species in this biome, with relevant consequences arising from its interspecific interactions.
... However, both methods presented low capture success (only 4 individuals caught in 6 months); therefore, we settled the traps in the forest understory in order to reduce the time between each sample station, and to arrive more readily at stations with captured animals. [47]. Five sample stations were excluded because of hard access. ...
Article
Full-text available
Species co-existence depends on how organisms utilize their environment and resources. When two sympatric species are similar in some ecological requirements, their coexistence may arise from differences in resource use over time and/or space. Interactions among coexisting marsupials remain poorly understood, especially in the Neotropics. Here we combine spatial niche measurements, individual-resource networks, and isotopic niche approaches, to investigate the ecological strategies used by the Neotropical marsupials Didelphis aurita and Metachirus nudicaudatus to co-occur in an area of Serra do Mar State Park (southeast of Brazil). Both individual-resource networks and isotopic niche approaches indicate similar patterns of omnivory for both species. Isotopic analysis showed the species’ trophic niche to be similar, with 52% of overlap, and no differences between proportional contributions of each resource to their diets. Moreover, individual-resource network analysis found no evidence of diet nestedness or segregation. The trophic niche overlap observed was associated with spatial segregation between species. Despite using the same area over the year, D. aurita and M. nudicaudatus exhibited spatial segregation among seasons. These results illustrate that the detection of spatial segregation is scale-dependent and must be carefully considered. In conclusion, our findings provide a new perspective on the ecology of these two Neotropical marsupials by illustrating how the association of distinct but complementary methods can be applied to reach a more complete understanding of resource partitioning and species coexistence.
Article
Full-text available
Feral domestic dogs are one of the main predators of native wildlife in protected areas all over the world. However, the number of prey killed by feral dogs is poorly recorded. A total of 46 carcasses of at least 12 vertebrate species killed by dogs were found along 44 months in an urban, 250 ha Atlantic forest fragment in southeastern Brazil. Feral dogs showed no apparent selection towards different species of prey, killing from small frogs to deer. Mammals were the most frequent prey found (75%). Our data indicate that feral dogs have a great impact on wildlife in the Atlantic forest, especially in areas where wildlife needs to move between forest fragments. Eradication programs, although controversial, are the only way to reduce wildlife predation by feral dogs.
Article
Full-text available
Guidelines for use of wild mammal species are updated from the American Society of Mammalogists (ASM) 2007 publication. These revised guidelines cover current professional techniques and regulations involving mammals used in research and teaching. They incorporate additional resources, summaries of procedures, and reporting requirements not contained in earlier publications. Included are details on marking, housing, trapping, and collecting mammals. It is recommended that institutional animal care and use committees (IACUCs), regulatory agencies, and investigators use these guidelines as a resource for protocols involving wild mammals. These guidelines were prepared and approved by the ASM, working with experienced professional veterinarians and IACUCs, whose collective expertise provides a broad and comprehensive understanding of the biology of nondomesticated mammals in their natural environments. The most current version of these guidelines and any subsequent modifications are available at the ASM Animal Care and Use Committee page of the ASM Web site (http://mammalsociety.org/committees/index.asp).
Article
Full-text available
On November 8th, 2012, the Brazilian Ministry of Environment (MMA), through The Chico Mendes Insti- tute of Biodiversity Conservation (ICMBio/MMA), issued the Circular Letter no. 01/2012/COINF/CGPEQ /DIBIO, regarding toe clipping as a method of individual iden- tification for studying small mammals, and requested expert opinion on the subject. We provide below the response we submitted to the Ministry, which is the official position of the Brazilian Society of Mammalogists (SBMz) on the subject.
Article
Full-text available
Shrews (Soricomorpha: Soricidae) are particularly vulnerable to mortality associated with small-mammal livetrapping. We compiled data on mortality rates and protocols from 16 different small-mammal studies and analyzed 16 years of livetrapping data from a single study in Algonquin Provincial Park, Ontario to assess factors affecting shrew mortality. In the comparison across studies, accidental mortality ranged from 10% to 93%. Mortality was lower in studies conducted in locations and at times of year with warmer average temperatures. We found no differences in mortality among bait and trap types across these 16 studies. In our intrastudy analysis from Algonquin Park, Sorex spp. experienced high mortality (81%) regardless of environmental conditions. In contrast, northern short-tailed shrews had low overall mortality (13%), but mortality increased on rainy nights and on colder nights when overnight temperatures dropped below 10°C. Comparisons between 2 trapping protocols within Algonquin Park suggested that both Blarina brevicauda and Sorex sp. experienced higher mortality in Sherman compared with Longworth traps, but these effects were confounded by other differences in methodology between studies. Although we found evidence consistent with some shrew mortality being caused by caloric constraints, experimental studies on bait supplements are necessary to test whether providing high-calorie baits is an efficient method to reduce the widespread shrew mortality that occurs in small-mammal livetrapping studies.
Article
Full-text available
Accidental mortality is pervasive in small mammal livetrapping studies and presents a welfare concern for the particularly vulnerable shrews (Soricomorpha: Soricidae). Although small mammal researchers are aware of this problem and generally suspect that high mortality rates are caused by nutritional constraints and potentially high moisture requirements, these hypotheses have not been widely tested and the problem persists for lack of a practical solution. We conducted a field experiment to assess the effects of providing either high-energy palatable food or water supplements on mortality rates of Blarina brevicauda and Sorex spp. using standard small mammal livetrapping techniques. Water supplements had no effect on shrew mortality, but mortality rates declined by 49% for B. brevicauda and by 64% for Sorex spp. when sunflower seed bait was supplemented with 4 g of mealworms (Tenebrio molitor) compared to controls. Furthermore, the addition of mealworms as a bait supplement eliminated the adverse effect on mortality of the length of time that Sorex were in traps prior to release. The supplementation of live-trap baits with mealworms, therefore, represents a practical method for small mammal researchers to reduce accidental shrew mortality during small mammal livetrapping.
Article
Researchers conducting trapping surveys of vertebrate fauna are required to use a range of measures to ensure the wellbeing of captured animals. These include procedures to protect small mammals captured during pitfall trapping. Various materials can be placed in pitfall traps to provide shelter for small mammals, especially those captured overnight. During long-term studies at three sites in southern and western Victoria, two species of small marsupials used polystyrene cups that were placed in pitfall traps for shelter. © 2015, Field Naturalists Club of Victoria. All rights reserved.
Article
Data gathered during spring and autumn for 12 yr were used to assess the effects of sex, age and nest construction on trap mortality for Microtus pennsylvanicus, Microtus ochrogaster, Clethrionomys gapperi, Peromyscys leucopus noveboracensis, P maniculatus gracilis and Mus musculus. There were no sex differences in mortality rates for any of the species. The three species of voles did not build nests as often as the deer mice; more voles than deer mice died in traps. For all species, nest construction in a trap was associated with lower mortality regardless of age or sex.
Article
Pitfall traps are commonly used to sample reptiles and amphibians, but their use often results in high levels of mortality in small mammals. I tested a method intended to allow mammals to escape pitfall traps but retain captured amphibians and reptiles. I established 2 pitfall trap transects in each of 10 forested sites. Each transect contained 7 arrays of 4 pitfall traps each, with 28 traps/transect and 56 traps/site. I attached jute twine to the undersides of coverboards in one of the 2 transects at each site and suspended it into pitfall traps to provide escape routes for mammals; the other transect included pitfall traps without twine. Sampling occurred October 1999-June 2000, with some traps being closed during winter because snow made them inaccessible. Number of mammals retained in pitfall traps without escape strings differed significantly (234/3) from those with strings. Numbers (90/76) of amphibians captured in traps without strings did not differ significantly from those with strings. Reptile captures differed significantly (63/34) between traps without strings and those with strings. My results indicated that this method reduces mammal mortality in pitfall traps while preventing amphibians from escaping. However, reptiles may be capable of using strings to escape pitfall traps.