ArticlePDF Available

A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em perícia contábil (The perception of students on the course of accounting about the labor market and education in forensic accounting)

Authors:

Abstract

A área de Perícia Contábil é de grande importância para a sociedade e a demanda por profissionais qualificados é crescente. Para atender às necessidades do mercado da perícia contábil é preciso que se tenha um ensino de qualidade para que o perito contador desenvolva atributos mínimos de habilidade e aptidão para o exercício da profissão. Diante desse cenário, a pesquisa tem como objetivo analisar a percepção dos alunos concluintes do curso de Ciências Contábeis referente a qualidade do ensino da Perícia Contábil e sua preparação para inserção no mercado de trabalho. Nesse sentido, aplicou-se questionário a uma amostra de 128 alunos de graduação das Universidades e Centros Universitários do município de Natal/RN. Entre os principais resultados, verifica-se que as Universidades apresentam uma qualidade de ensino razoável no curso de Ciências Contábeis e que o pouco contato e conhecimento do ramo por parte dos alunos de graduação representam a grande dificuldade para expansão do mercado de trabalho em Perícia Contábil. Essa realidade demonstra a pouca relação dos alunos com profissionais já atuantes no mercado, o que leva a crer que os docentes da disciplina de perícia contábil não conseguem fazer essa integração do meio acadêmico com o ambiente profissional.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do
ensino e do mercado de trabalho em perícia contábil
The perception of students on the course of accounting about the
labor market and education in forensic accounting
Arthur Cascudo Rodrigues
1
Felipe Silva Moreira
2
José Emerson Firmino
3
Maurício Correa Silva
4
Resumo
A área de Perícia Contábil é de grande importância para a sociedade e a demanda por
profissionais qualificados é crescente. Para atender às necessidades do mercado da perícia
contábil é preciso que se tenha um ensino de qualidade para que o perito contador desenvolva
atributos mínimos de habilidade e aptidão para o exercício da profissão. Diante desse cenário,
a pesquisa tem como objetivo analisar a percepção dos alunos concluintes do curso de
Ciências Contábeis referente a qualidade do ensino da Perícia Contábil e sua preparação para
inserção no mercado de trabalho. Nesse sentido, aplicou-se questionário a uma amostra de
128 alunos de graduação das Universidades e Centros Universitários do município de
Natal/RN. Entre os principais resultados, verifica-se que as Universidades apresentam uma
qualidade de ensino razoável no curso de Ciências Contábeis e que o pouco contato e
conhecimento do ramo por parte dos alunos de graduação representam a grande dificuldade
para expansão do mercado de trabalho em Perícia Contábil. Essa realidade demonstra a pouca
relação dos alunos com profissionais já atuantes no mercado, o que leva a crer que os
1
Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do rio Grande do Norte - UFRN, Mestrando do Programa de
Pós Graduação em Ciências Contábeis da UFRN, Brasil. Contato: arthurcascudo@hotmail.com
2
Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do rio Grande do Norte - UFRN, Mestrando do Programa de
Pós Graduação em Ciências Contábeis da UFRN, Professor Substituto na Universidade Federal do Rio Grande do Norte -
UFRN e Sócio de Auditoria na Emerson Auditores e Consultores, Brasil. Contato: fsmoreira18@gmail.com
3
Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, Mestrado em Ciências
Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós Graduação em Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN,
Doutorando pelo programa multiinstitucional e inter-regional de s-graduação em Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN,
professor da UFRN, Brasil. Contato: emersonfirmino@me.com
4
Bacharel em Ciências Contábeis pela Sociedade Civil Colégio Moderno - Faculdades Integradas - Belém-PA, Especialista
em Contabilidade e Controladoria Governamental pela UFPE, Mestrado em Ciências Contábeis (Multi-institucional das
UnB/UFPB/UFPE/UFRN, Doutorado em Ciências Contábeis Multi-institucional das UnB/UFPB/UFRN, Professor Adjunto
da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN, Brasil. Contato: prof.mauriciocsilva@gmail.com
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
docentes da disciplina de perícia contábil não conseguem fazer essa integração do meio
acadêmico com o ambiente profissional.
Palavras-Chave: Perícia Contábil; Mercado de Trabalho; Ensino em Perícia Contábil.
Abstract
The area of forensic accounting is of major importance for society and the demand for skilled
workers is growing. To meet the needs of the market, we need to have a quality education so
that the expert accountant develop minimum attributes of skill and aptitude for the exercise of
the profession. Given this scenario, the research has as goal analyze the perceptions of
students graduating from the course of Accounting for the quality of the teaching of forensic
accounting and its preparation for integration into the labor market. In this sense, it applied a
questionnaire to a sample of 128 undergraduates of universities and university centers in the
city of Natal/RN. Among the main results, it turns out that universities have a reasonable
education quality in the course of Accounting and that the little contact and knowledge of the
branch by the undergraduate students represent the great difficulty for labor market
expansion in forensic accounting. This reality demonstrates the low ratio of students to
professionals already active in the market, which suggests that teachers of forensic
accounting discipline fail to do this integration to the professional field.
Keywords: Forensic Accounting; Labor Market; Learn Forensic Accounting.
1 INTRODUÇÃO
O campo da perícia contábil é fundamental para auxiliar na condução de discussões
entre duas ou mais partes envolvidas em um conflito com o objetivo de se chegar à verdade
tendo o patrimônio como objeto principal. Vale salientar que o julgamento profissional do
juiz em discussões judiciais determina a necessidade de um especialista devidamente
qualificado para auxiliar nas questões mais técnicas do qual o juiz não tem o devido
conhecimento sobre o caso específico (REZAEE; CRUMBLEY; ELMORE, 2006).
Para que o profissional possa exercer a atividade de perícia contábil é necessário
possuir o curso superior de Ciências Contábeis e estar registrado devidamente no Conselho
Federal de Contabilidade (CFC). Essas condições são fundamentais, no entanto outros
requisitos são necessários para a execução dos serviços de perícia, como por exemplo, a
competência profissional. É possível visualizar também que existe uma necessidade de
profissionais qualificados para o exercício da função à medida em que cresce a quantidade de
conflitos que demandam da perícia contábil para solucioná-los (WERMANN, 2010).
Na mesma linha da importância da atuação do perito contador está a qualidade do
ensino da perícia contábil. Para satisfazer as necessidades do mercado de trabalho, é
primordial que o profissional possua uma base acadêmica sólida e completa. Contudo, é
notória a lacuna educacional existente no Brasil, sendo minorada em detrimento de outros
interesses pessoais pelos governantes ao longo da história. A educação nunca foi levada
devidamente a sério pela sociedade e pelo governo brasileiro. (COSTA, 1988, p. 3)
Especificamente em relação ao curso de Ciências Contábeis, Iudícibus e Marion
(1986) questionam se as escolas de contabilidade estão adequadas às exigências de ensino da
ciência contábil e concluem que o aumento desenfreado da quantidade de instituições de
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
ensino superior, a falta de preparo do corpo docente e a deficiência da metodologia dessas
instituições contribuem para a piora no nível de ensino do curso de Ciências Contábeis.
Observa-se que em 1986 já havia preocupação sobre a adequação do ensino em
contabilidade na formação de profissionais qualificados. Mais recentemente, o IFAC (2014)
tem debatido sobre habilidades e atitudes necessárias ao profissional, demonstrando a
importância de integração entre o ensino e o mercado de trabalho.
Deste modo é importante verificar a percepção dos alunos de contabilidade acerca do
ensino em perícia contábil e como esta disciplina contribui no desenvolvimento profissional.
Não obstante, o resultado desta pesquisa pode contribuir com a discussão sobre o ensino em
contabilidade e a preparação de profissionais para o mercado profissional.
Diante desse cenário, têm-se a seguinte problemática: Qual a percepção dos alunos
concluintes do curso de Ciências Contábeis referente ao ensino da Perícia Contábil e sua
preparação para inserção no mercado de trabalho? O objetivo da pesquisa consiste em
analisar a percepção dos alunos concluintes do curso de Ciências Contábeis das instituições de
ensino superior no município de Natal/RN, acerca do ensino da perícia contábil e a sua
preparação para inserção no mercado de trabalho.
A presente pesquisa se desenvolve em decorrência da necessidade de ampliação de
estudos já realizados sobre o tema, assim como a exploração de quesitos relevantes ainda não
analisados por trabalhos anteriores. (Rezaee, Crumbley e Elmore, 2006; Gomes, Campos e
Júnior, 2012; Okoye, 2009).
É possível destacar a pesquisa de Rezaee, Crumbley e Elmore (2006), que coleta
opiniões de acadêmicos e profissionais dos Estados Unidos sobre a importância, relevância e
oferta do ensino da perícia contábil, deixando de lado a visão dos discentes e futuros
profissionais da área. o trabalho de Gomes, Campos e Júnior (2012), apesar de analisar a
percepção dos formandos dos cursos de graduação quanto à formação acadêmica que
receberam e à preparação para o mercado de trabalho, não abordou as práticas pedagógicas
utilizadas nas universidades pesquisadas, importante para a formação acadêmica dos alunos e
futuros profissionais.
Amplamente, pode-se destacar também a importância do exercício da perícia contábil
para as demandas da sociedade, posto que o compromisso moral e ético do perito contador
pode influenciar de forma direta a segurança das decisões judiciais, além do potencial de
demanda crescente da área de perícia contábil. Esta pesquisa se justifica ainda pelo fato de
fornecer subsídios para os gestores, discentes e docentes avaliarem a forma de instrução da
perícia contábil em suas Instituições de Ensino Superior, de modo a qualificar o ensino
oferecido.
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
2.1 O Ensino da Perícia Contábil no Brasil
Peleias (2006, p.26) esclarece que o Decreto Nº 1.339 de 1905 traz as primeiras
noções de perícia contábil no âmbito legal, exibe como características do curso uma formação
geral, essencialmente prático, que habilitava para as funções de guarda-livros, perito judicial e
empregos da área da Fazenda. O curso possuía disciplinas como português, francês, inglês,
aritmética, álgebra, geometria, geografia, história, ciências naturais, noções de direito civil e
comercial, legislação da fazenda e aduaneira, prática jurídico-comercial, caligrafia,
estenografia, desenho e escrituração mercantil.
Dando continuidade à difusão da área, o Decreto Nº 20.158 de 1931 se torna a
primeira norma legal que regulamenta a profissão de contador no Brasil, estabelecendo o
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
curso técnico de perito-contador, elencando as seguintes disciplinas obrigatórias para o
currículo:
Quadro 1 Disciplinas Obrigatórias
Disciplinas Obrigatórias
Primeiro ano
Segundo ano
Terceiro ano
Contabilidade (noções
preliminares)
Contabilidade mercantil
Contabilidade industrial e agrícola
Matemática comercial
Matemática financeira
Contabilidade bancária
Noções de direito constitucional e
civil
Noções de direito comercial
terrestre
História do comércio, indústria e
agricultura
Legislação fiscal
Merceologia e tecnologia
merceológica
Prática do processo civil e
comercial
Estenografia
Técnica comercial e processos de
propaganda
Seminário econômico
Mecanografia
Economia política e finanças
Estatística
Fonte: própria, 2013.
Percebe-se que a estrutura curricular do curso técnico para perito-contador é composta
por uma estrutura que exibe uma atenção razoável para disciplinas do ramo do direito,
economia e comércio, revelando assim as áreas de conhecimento mais importantes para o
profissional da época.
Em 1951 foi publicada a Lei 1.401. Nesta norma, o curso de Ciências Contábeis e
Atuariais é desdobrado em dois cursos distintos: bacharel em Ciências Contábeis e bacharel
em Ciências Atuariais, evidenciando como disciplina obrigatória “Revisões e Perícia
Contábil”. Posteriormente, de forma contrária às tendências pretéritas sobre o assunto, a nova
legislação se omitiu quanto à descrição da disciplina de Perícia Contábil. Segundo Henrique
(2008), tal fato pode ser observado pelo Parecer do Conselho Federal de Educação (CFE) Nº
397 de 1962, ratificado pela Resolução CFE de 08 de fevereiro de 1963, no qual não houve
menção explícita à disciplina de Perícia Contábil.
Após décadas de ausência legal acerca da obrigatoriedade da disciplina de Perícia
Contábil nas grades curriculares do curso de Ciências Contábeis no Brasil, em 1992 a
Resolução CFE 03 determinou que o curso deve conter 2.700 horas de carga horária
didática, devendo ser concluída em no máximo sete e no mínimo quatro anos. A norma voltou
a classificar a disciplina de Perícia Contábil como integrante do quadro de componentes
curriculares obrigatórios para o curso de graduação de Ciências Contábeis.
A Resolução CNE/CES Nº 10 de 2004 é o normativo vigente que institui as diretrizes
curriculares nacionais para o curso de graduação de Ciências Contábeis, identificando a
organização curricular a ser obedecida pelos Projetos Pedagógicos das Instituições de Ensino
Superior do país. Além disso, o artigo da resolução trata da capacitação do futuro
contabilista pelo curso de graduação, que deve, dentre outras competências, apresentar pleno
domínio das responsabilidades funcionais envolvendo aspectos de perícia.
As competências e habilidades exigidas pela Resolução CNE/CES nº 10 Diretrizes
Curriculares Nacionais para os cursos de graduação de Ciências Contábeis estão
diretamente relacionadas às atividades do perito-contador. Por integrar a base de
conhecimento de formação profissional, a Perícia Contábil envolve todos os aspectos de
competências e habilidades inerentes ao profissional contador. E, para que o especialista da
área possa atuar munido de todos esses atributos, é fundamental o papel exercido pelas
Instituições de Ensino Superior na formação acadêmica de cada um.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
Nesse sentido, é oportuno transcrever o entendimento de Da Silva e Neves Júnior
(2007, p.5), que asseveram que:
As Instituições de Ensino Superior que ministram o curso de Ciências
Contábeis devem estar atentas à qualificação do processo de ensino,
disponibilizando recursos teóricos e práticos para o exercício da
atividade pericial de seus discentes, lembrando que algumas
disciplinas do referido curso, possuem maior relevância, pois estão
ligadas diretamente a essa atividade.
Magalhães (2004, p.21) explica ainda que a perícia, no aspecto técnico/científico,
contempla o integral conhecimento da matéria, cujo exame e relato se baseiam nos princípios
da disciplina contábil e conhecimentos relacionados de Administração, Economia, Direito,
Matemática e outros complementares.
Mais recentemente, Gomes, Campos e Júnior (2012) observou a percepção dos
formandos do curso de Ciências Contábeis acerca da formação acadêmica vivenciada e da
preparação profissional que entendem possuir no mercado de Perícia Contábil, por meio de
um questionário aplicado a 151 alunos concluintes do curso de graduação em Ciências
Contábeis em Instituições de Ensino Superior do Distrito Federal e de Goiás. Entre os
resultados é possível destacar que os estudantes não têm a preparação adequada para exercer a
profissão de contador ao deixar a faculdade, assim como não possuem o conhecimento
exigido para atuação no mercado de trabalho em Perícia Contábil.
2.2 Métodos de Ensino
Conforme ditam as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em
Ciências Contábeis, instituídas pela Resolução CNE/CES nº10/2004, as Instituições de Ensino
Superior deverão estabelecer a organização curricular para cursos de Ciências Contábeis por
meio de Projeto Pedagógico.
Vasconcellos (1995) ensina que o projeto pedagógico é um instrumento teórico-
metodológico que tem o objetivo de ajudar os profissionais da educação a enfrentar os
desafios do cotidiano da escola, de uma forma refletida, consciente, sistematizada, orgânica e,
principalmente, participativa. Já André (2001, p. 188) tem o seguinte posicionamento quanto
ao projeto pedagógico: “O projeto pedagógico deve expressar a reflexão e o trabalho realizado
em conjunto por todos os profissionais da escola, no sentido de atender às diretrizes do
sistema nacional de Educação, bem como às necessidades locais e específicas da clientela da
escola. ”
Os Projetos Pedagógicos devem conter ainda os métodos de ensino a serem
desenvolvidos no decorrer dos componentes curriculares. O método de ensino mais popular e
tradicional é a aula expositiva. Gil (1997) destaca que ela é adequada para repassar
conhecimentos, apresentar o assunto de modo organizado, além de potencializar a atenção do
aluno e repassar experiências.
Complementarmente à aula expositiva existe a resolução de exercícios. Esse método
tem o objetivo de dar fixação ao conteúdo ministrado. Garcia, Cordeiro e Marion (1999),
ensinam que a criatividade do professor é fundamental para a eficácia do método. Os resumos
também são uma ótima forma de potencializar o aprendizado dos alunos. Lowman (2004)
ensina que é objetivo de toda tarefa escrita auxiliar os estudantes a aumentar a sua habilidade
em usar a escrita de modo a abrir caminho para a exposição de seus pensamentos.
Os seminários são importantes para o senso crítico do aluno, que irá pesquisar e
posteriormente discutir o tema. Segundo Gil (1997), o seminário identifica e reformula
problemas. As palestras também têm a sua importância, pois torna possível o aluno ter contato
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
direto com profissionais da área, e abrir discussões práticas sobre o assunto. As discussões em
classe são fundamentais para desenvolver o diálogo e argumentação dos discentes. Lowman
(2004), afirma que a aplicação desse método é importante por apresentar reflexões acerca dos
conhecimentos já estudados.
O estudo de caso é uma ferramenta conveniente para o magistério, pois insere o aluno
em uma perspectiva prática do assunto, vivenciando aspectos reais da profissão. Gil (1997)
declara que o estudo de caso proporciona ao estudante uma vivência prática com a realidade
e, consequentemente, com a sua profissão.
As simulações também são alternativas oportunas para o ensino. Nesse caso, o aluno
será capaz de simular as atividades diárias da profissão, além de verificar o impacto de suas
atitudes. Gil (1997) sustenta que, por meio das simulações, os alunos terão um feedback em
tempo real sobre as suas tomadas de decisões.
Enemark e Kjaerdam (2009) trazem um visão mais recente sobre as metodologias que
podem contribuir com o desenvolvimento profissional dos alunos. Ao tratar sobre o Problem
Based Learning (PBL), enfatizam que o principal fator deve ser a integração entre ensino,
prática e pesquisa.
2.3 Cenário Internacional
No âmbito internacional, a pesquisa de Rezaee, Crumbley e Elmore (2006), reuni
opiniões de acadêmicos e profissionais dos Estados Unidos sobre a importância, relevância e
oferta do ensino da perícia contábil. Por meio dessa pesquisa, os autores concluem que a
demanda e o interesse pela perícia contábil tendem a aumentar nos próximos anos, pois mais
universidades planejam oferecer o ensino da perícia contábil em seus projetos pedagógicos.
Além disso, os resultados apontam diferenças significativas nas abordagens conceituais dos
cursos de perícia contábil, o que evidencia uma falta de integração do ensino deste
componente curricular.
Kasum (2009) traz a importância da perícia contábil em crimes financeiros nos setores
públicos e privados dos países em desenvolvimento, destacando a situação da Nigéria. A
pesquisa compara os setores públicos e privados, a fim de identificar em qual desses setores a
perícia contábil é mais importante. As conclusões sugerem que as práticas de fraude e
corrupção são comuns nos países em desenvolvimento e que o serviço do perito contador é de
fundamental relevância para o combate à fraude e à corrupção, especialmente no setor
público.
Pesquisa realizada por Okoye (2009) também discute sobre o papel da perícia contábil
nas investigações de fraude e de litígios na Nigéria, além de expor à consciência pública a
importância da área. Destaca-se que o perito contador pode ser útil na esfera investigativa de
várias maneiras, como na revisão da situação de fato, na proteção e recuperação de ativos e na
coordenação da atuação de outros especialistas (investigações privadas, examinadores de
documentos processuais e engenheiros consultores).
O autor complementa ainda que o aumento no número de fraudes na Nigéria e em todo
o mundo enfatiza a necessidade de mais peritos contadores, pois são esses profissionais que,
por meio de sua análise, auxiliarão a exposição da verdade formal. Portanto, a realidade
encontrada nas pesquisas internacionais também pode ser aplicada no Brasil no combate a
corrupção com profissionais qualificados em órgãos de controle.
3 METODOLOGIA
A pesquisa é caracterizada, quanto aos seus objetivos, como uma pesquisa de caráter
descritiva. Tal classificação se justifica pelo objetivo de descrever as características de uma
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
população frente a determinado contexto. Sobre os procedimentos utilizados, a pesquisa é de
natureza bibliográfica, pois utilizam de referências em livros, artigos, legislações e teses que
tratam do tema deste trabalho.
Quanto à abordagem do problema da pesquisa, destaca-se características quantitativas,
visto que se faz o levantamento de informações dos estudantes quanto a sua percepção do
ensino e preparação para o mercado de trabalho na área de perícia contábil. No que se refere
ao meio de investigação, a pesquisa se caracteriza como pesquisa de campo.
A pesquisa de campo foi realizada por intermédio de aplicação de questionário
direcionado aos alunos concluintes do curso de Ciências Contábeis do município de
Natal/RN, com a intenção de coletar dados acerca do ensino e preparação dos discentes para o
mercado de trabalho na área de perícia contábil.
O questionário é dividido em duas partes. A primeira parte se refere ao perfil dos
respondentes, que compreende as perguntas de 1 a 6 e que visam descrever o perfil dos alunos
concluintes de cursos de graduação em Ciências Contábeis no município de Natal/RN quanto
aos seus aspectos pessoais e de pretensão de atuação no mercado de trabalho. A segunda parte
do questionário, traz as questões de 7 a 15 e 17 a 19, que tem a intenção de verificar a
concepção dos alunos concluintes sobre o seu nível de aprendizagem e preparação para o
mercado de trabalho em perícia contábil. Ainda na segunda parte do questionário, a pergunta
16 identifica as práticas pedagógicas utilizadas no ensino da perícia contábil.
A segunda parte do questionário reúne questões elaboradas pelo autor, questões
adaptadas da pesquisa de Gomes, Campos e Júnior (2012) e questões da pesquisa de Rezaee,
Crumbley e Elmore (2006). Nessa parte do questionário é utilizada a Escala Likert de cinco
níveis, que é um tipo de escala de resultados na qual se busca avaliar a percepção dos
participantes. A Escala Likert se caracteriza por uma série de afirmações onde se pede a
percepção do participante mediante uma escala de percepção numérica (MARTINS;
THEÓPHILO, 2009).
O universo da amostra são alunos concluintes do curso de Ciências Contábeis das
instituições de ensino superior da cidade de Natal/RN e a aplicação dos questionários se deu
nas turmas do final do curso e abrangeu apenas as Universidades e Centros Universitários,
pois elas oferecem, de modo extensivo, atividades de ensino, pesquisa e extensão, que é um
fator relevante para a formação do perfil acadêmico dos participantes da pesquisa, reduzindo
os possíveis vieses da utilização dos questionários.
Após a aplicação do questionário, a amostra final compreende a 128 discentes. A
maioria dos participantes integrantes da amostra são de universidades particulares conforme
visualizado na Tabela 1 a seguir:
Tabela 1 Quantidade de Participantes da Pesquisa
Instituições de Ensino Superior
Quantidade de Participantes
%
UFRN
30
23%
UNIRN
52
41%
UNIFACEX
8
6%
UNP
38
30%
TOTAL
128
100%
Fonte: própria, 2013.
Um dos motivos pela grande participação de alunos das universidades particulares,
principalmente UNIRN, é a facilidade de acesso a várias turmas nos turnos da manhã e noite.
A baixa participação de alunos da UNIFACEX é resultante da dificuldade de acesso aos
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
discentes no processo de aplicação dos questionários pelo fato de que os alunos estavam
envolvidos em outras atividades no período de coleta de dados desta pesquisa.
4 ANÁLISE DOS RESULTADOS
Quanto ao gênero dos participantes da pesquisa, é observado total equilíbrio, pois 50%
dos estudantes são do sexo masculino e 50% do sexo feminino.
Em relação à faixa etária, destaca-se que 66% dos estudantes respondentes possuem
idade até 28 anos e apenas 34% apresentam idade superior a 28 anos, revelando o perfil jovem
dos respondentes da pesquisa conforme Tabela 2:
Tabela 2 Faixa Etária dos Participantes da Pesquisa
17 a 22 Anos
23 a 28 Anos
29 a 34 Anos
Acima de 35 Anos
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
9
30%
18
60%
1
3%
2
7%
6
12%
21
40%
16
31%
9
17%
9
24%
16
42%
9
24%
4
11%
1
13%
5
62%
2
25%
0
0%
25
19%
60
47%
28
22%
15
12%
Fonte: própria, 2013.
A relação de idade dos respondentes se assemelha às características da pesquisa de
Gomes, Campos e Júnior (2012), na qual 82,11% dos respondentes possuem idade até 28
anos, e apenas 17,89% mais de 28 anos. O trabalho de Gomes, Campos e Júnior (2012) teve o
objetivo de verificar a percepção dos formandos dos cursos de graduação em Ciências
Contábeis de instituições de ensino do Distrito Federal e de Goiás quanto à formação
acadêmica que receberam e à preparação profissional que entendem possuir para ingressarem
no mercado de Perícia Contábil. A pesquisa analisou um total de 151 estudantes da
Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade
Católica de Brasília (UCB) e Universidade Católica de Goiás (UCG).
Na Tabela 3, a terceira pergunta caracteriza os participantes quanto ao ano previsto
para a conclusão do curso de graduação em Ciências Contábeis.
Tabela 3 Previsão para Conclusão do Curso
Instituição
2013
2014
2015
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
UFRN
12
40%
16
53%
2
7%
UNI RN
43
83%
9
17%
0
0%
UNP
30
79%
8
21%
0
0%
UNIFACEX
8
100%
0
0%
0
0%
TOTAL
93
73%
33
26%
2
1%
Fonte: própria, 2013.
Verifica-se na Tabela acima que 99% dos alunos respondentes preveem que
terminarão o curso em 2013 ou 2014, corroborando com o exposto de que os participantes são
alunos concluintes. Entre os alunos da UFRN, apenas 7% espera concluir o curso após dois
anos. Em relação a pretensão de atuação profissional dos estudantes, grande parte dos alunos
tem focado a área pública, conforme o Gráfico 1:
Gráfico 1 Pretensão de Atuação Profissional
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
Fonte: própria, 2013
Do total, a área pública representa a opção mais frequente na visão dos pesquisados.
No sentido oposto a área de perícia contábil está entre as áreas menos pretendida pelos
estudantes do curso de Ciências Contábeis (3% do total da amostra). A pesquisa de Gomes,
Campos e Júnior (2012) apresentou resultado semelhante para esse questionamento. A maior
parte dos discentes participantes de sua pesquisa pretende atuar na área pública, enquanto
apenas 5,29% almejam exercer a atividade de Perícia Contábil.
O resultado acima levanta um debate interessante sobre a realidade dos alunos de
graduação do curso de contabilidade. A presente pesquisa não busca analisar, por exemplo,
qual atividade na área pública o discente pretende exercer, situação que pode revelar se o
curso está formando contadores devidamente qualificados, inclusive para atuação no setor
público ou se as universidades estão colocando no mercado “concurseiros” de nível superior.
A segunda parte do questionário foi norteada para a percepção sobre o ensino de
perícia e preparação para o mercado de trabalho na área. Na Tabela 4, a questão procura
observar se o curso de Ciências Contábeis atendeu completamente as expectativas do aluno e
se ele acredita estar preparado para atuar no mercado de trabalho.
Tabela 4 Atendimento das Expectativas do Curso de Ciências Contábeis
Instituição
Discordo
Indiferente
Concordo
Totalmente
Parcialmente
Parcialmente
Totalmente
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
UFRN
0
0%
2
6%
0
0%
20
67%
8
27%
UNI RN
2
4%
18
34%
6
12%
24
46%
2
4%
UNP
3
8%
5
13%
5
13%
25
66%
0
0%
UNIFACEX
3
37%
2
25%
1
13%
2
25%
0
0%
TOTAL
8
6%
27
21%
12
9%
71
56%
10
8%
Fonte: própria, 2013.
Nota-se que a maioria (56%) concorda parcialmente com a afirmativa apresentada.
Constata-se ainda que a maior parte dos respondentes que concordam com a afirmativa são
alunos da UFRN. Dessa forma, leva-se a crer que, por ser a universidade mais estruturada e
tradicional no curso de Ciências Contábeis, os alunos se mostram mais preparados que os
demais, visto que 94% desses discentes concordam, parcial ou totalmente, com a questão.
Aproxima-se com este resultado o produto da pesquisa de Gomes, Campos e Júnior (2012),
onde 54% concordam parcialmente e 23% discordam parcialmente com a assertiva.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
Quanto ao estudo da disciplina de Perícia Contábil e sua obrigatoriedade no currículo
acadêmico, cerca de 95% da amostra concorda que cursou a disciplina e que ela é obrigatória
em seu currículo acadêmico. Pelo fato de que a disciplina de Perícia Contábil está presente em
diferentes períodos letivos nas diferentes Universidades e que as turmas concluintes
pesquisadas reúnem alunos de diferentes períodos letivos, nem todos os discentes pesquisados
cursaram a disciplina de Perícia Contábil.
Sob o aspecto do acervo bibliográfico a disposição do aluno, 74% dos alunos
pesquisados concordam que a biblioteca de sua Universidade dispõe dos livros indicados no
programa ou pelo professor da disciplina. Vale salientar que 100% dos alunos da UNIFACEX
concordam com a assertiva e que 22% da UFRN discordam da assertiva. Observa-se que a
UFRN, como única universidade pública dentre as instituições pesquisadas, apresenta,
segundo os discentes estudados, o maior índice de discordância sobre a qualidade do acervo
bibliográfico no curso de Ciências Contábeis. Apesar da concordância total se mostrar
insatisfatória na maioria das instituições, de modo geral, a oferta de livros pelas bibliotecas
das universidades estudadas apresenta um diagnóstico satisfatório na visão dos alunos
concluintes.
Quanto ao questionamento se os alunos participantes da pesquisa tiveram contato com
peritos atuantes no mercado por meio de palestras ou seminários. Houve um baixo índice de
concordância. Cerca de 40% discordaram totalmente da afirmativa, 18% se mostraram
indiferente e apenas 26% concordaram com a assertiva. Os dados revelam uma situação
preocupante nas universidades pela ausência de integração entre alunos e profissionais.
Para que o profissional possa atuar com razoabilidade no ramo de Perícia Contábil é
importante aplicar conhecimentos de contabilidade em um processo judicial e interpretar uma
sentença judicial com clareza. Em relação a esse assunto, a Tabela 5 apresenta os resultados
encontrados:
Tabela 5 Consigo aplicar meus conhecimentos de Contabilidade em um Processo Judicial e interpreto ou
entendo uma Sentença Judicial com clareza
Instituição
Discordo
Indiferente
Concordo
Totalmente
Parcialmente
Parcialmente
Totalmente
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
UFRN
3
10%
9
30%
3
10%
14
47%
1
3%
UNI RN
8
15%
12
23%
11
21%
18
35%
3
6%
UNP
7
19%
5
13%
6
16%
18
47%
2
5%
UNIFACEX
2
25%
3
38%
1
12%
2
25%
0
0%
TOTAL
20
16%
29
22%
21
16%
52
41%
6
5%
Fonte: própria, 2013.
Os dados mostram que 41% dos respondentes concordam parcialmente com a
afirmativa e apenas 5% concordam totalmente. Os melhores índices se concentraram na
UFRN (50% da amostra concordou com a assertiva) e na UNP (52% da amostra concordou
com a assertiva). Os estudantes dessas instituições demonstraram maior segurança quanto aos
conhecimentos exigidos pelo item. Contudo, de modo geral, o índice de concordância se
revela aquém do esperado, pois somente 46% concordaram que conseguem aplicar os
conhecimentos de contabilidade em processos judiciais e entendem uma sentença judicial com
clareza, situação que pode implicar na má qualidade dos laudos periciais.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
Outro fator considerado para o aprendizado são as práticas pedagógicas adotadas pelos
professores da disciplina de Perícia Contábil. Foi questionado aos alunos quais as práticas
pedagógicas adotadas pelo professor da disciplina de Perícia Contábil.
Tabela 6 Caso tenha cursado a disciplina de Perícia Contábil, indique as práticas pedagógicas adotadas
pelo professor ministrante da disciplina
Práticas Pedagógicas
Frequência
%
Aula expositiva
72
18%
Resumos
26
6%
Seminários
8
2%
Palestras
8
2%
Discussões em classe
98
24%
Resolução de exercícios
72
17%
Estudo de caso
85
21%
Simulações
28
7%
Outras
13
3%
TOTAL
410
100%
Fonte: própria, 2013.
Observa-se um maior índice da prática de discussões em classe (24%), seguida de
estudo de caso (21%), aula expositiva (18%) e resolução de exercícios (17%), representando
79% dos métodos descritos na pesquisa. Entretanto, as práticas de seminários, resumos,
palestras e seminários foram discretas. Desse modo, é visualizado deficiência de
envolvimento dos discentes na sala de aula de acordo com as práticas apresentadas, assim
como a falta de vivência prática da profissão, tendo em vista que a estatística de uso de
simulações foi considerada baixa.
Outro ponto relevante da pesquisa é a visão dos discentes acerca do mercado de
trabalho na área de Perícia Contábil que é demonstrado por meio da Tabela 7:
Tabela 7 Opinião sobre o mercado de trabalho em Perícia Contábil
Práticas Pedagógicas
Freq.
%
Conheço a área de Perícia Contábil
e me sinto preparado para trabalhar
como perito
5
4,0%
Julgo que seria interessante, mas
conheço pouco da área
20
15,0%
Não tenho interesse e conheço
pouco da área
100
78,0%
Não conheço a área
3
3,0%
TOTAL
128
100,0%
Fonte: própria, 2013.
Apenas 4% dos alunos pesquisados conhecem a área de Perícia Contábil e se sentem
preparados para atuar como perito, enquanto 78% afirmam não ter interesse e não conhecem a
área. Sucintamente, é possível realçar que a maioria dos alunos pesquisados não tem interesse
e conhece pouco da área de Perícia Contábil, situação que está relacionada com a área de
interesse dos alunos, em sua maior parte a área pública.
Os dados da pesquisa demonstram ainda que quase 70% dos respondentes acreditam
ser importante ou muito importante o aumento da demanda por profissionais na área de
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
Perícia Contábil. Esse índice aponta que os estudantes têm ciência da necessidade de novos
peritos contadores no mercado de trabalho e que conhecimentos sobre a área são muito
relevantes para a inserção de mais profissionais qualificados.
Adicionalmente, a maioria dos alunos participantes da pesquisa estabelecem que os
benefícios dos conhecimentos em Perícia Contábil são muito importantes para a preparação
do aluno para prestação de consultoria contábil, assim como somente 4% acredita que isso
tem pouca ou nenhuma importância.
Na Tabela 8 a seguir é demonstrado pontos que são merecedores de abordagem mais
aprofundada no âmbito da perícia contábil dentro do programa da disciplina.
Tabela 8 Pontos que merecem abordagem mais aprofundada no Ensino de Perícia Contábil
Assunto
Sem importância
Pouco importante
Indiferente
Importante
Muito importante
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Freq.
%
Aspectos históricos e
conceituais
7
5%
20
15%
44
14%
30
23%
27
21%
Normas brasileiras
de contabilidade
1
1%
4
3%
16
13%
31
24%
76
59%
Código de Processo
Civil
0
0%
1
1%
15
12%
35
27%
77
60%
Legislação aplicável
à Perícia Contábil
0
0%
0
0%
9
7%
26
20%
93
73%
Planejamento da
Perícia
0
0%
3
2%
12
9%
23
18%
90
71%
Execução dos
trabalhos periciais
1
1%
3
2%
11
9%
30
23%
83
65%
Elaboração do laudo
pericial
0
0%
0
0%
8
6%
24
19%
96
75%
Prática na detecção
de fraudes
1
1%
2
2%
9
7%
19
14%
97
76%
Fonte: própria, 2013.
Os alunos avaliam os aspectos históricos e conceituais como o de menor importância
dentre as demais opções. Apenas 44% da amostra acredita que é importante ou muito
importante para o ensino da perícia estes aspectos históricos e conceituais enquanto que a
abordagem da prática na detecção de fraudes tem grande relevância na percepção dos alunos.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
É possível afirmar que o objetivo inicial da pesquisa foi atingido, que foi viável
analisar a percepção dos alunos concluintes do curso de Ciências Contábeis das Instituições
de Ensino Superior no município de Natal/RN que possuem pesquisas no campo da
contabilidade, acerca do ensino da perícia contábil e a sua preparação para inserção no
mercado de trabalho. Assim como foi possível responder o problema da pesquisa por meio
dos termos que se seguem.
A pesquisa aponta que a maioria dos estudantes se sente parcialmente preparada para o
mercado de trabalho em Perícia Contábil. É interessante destacar ainda que 78% dos discentes
da amostra não se interessam pela área de Perícia Contábil, ao passo que cerca de 4% conhece
a área, o que gera um índice de 3% do total que pretende atuar profissionalmente no mercado.
Os resultados podem interferir futuramente na resolução de discussões judiciais por falta de
profissionais técnicos que auxiliem o magistrado em suas decisões.
Sobre as atividades pedagógicas vivenciadas, verificou-se uma grande concentração de
aula expositiva, discussões em classe, resolução de exercícios e estudo de caso, frente a uma
quantidade relativamente baixa de alunos que tiveram experiência em seminários e palestras.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
Cabe analisar se outras metodologias inovadoras podem oferecer melhores práticas de ensino
e gerar melhores resultados. Como sugestão para pesquisas futuras é possível analisar se o
Problem Based Learning (PBL), como metodologia inovadora, é aplicável à disciplina de
perícia contábil.
No comparativo das Universidades estudadas, observa-se pouca variação entre as
respostas dos alunos das instituições. Nas poucas ocasiões de variação, fica evidente certo
destaque para a UFRN e UNP quanto ao atendimento das expectativas dos estudantes sobre o
ensino, o que pode ser explicado por possuírem maior tempo de atuação no ensino de
contabilidade e, consequentemente, formarem um maior número de profissionais.
Ante o exposto, destaca-se que a área de Perícia Contábil ainda é pouco pretendida e
difundida pelos estudantes de graduação em Ciências Contábeis, criando pouca expectativa
dos alunos em se inserir no mercado de trabalho nessa área. De modo geral, o ensino da
Perícia Contábil se mostra satisfatório nas Universidades pesquisadas, com uma pequena
ressalva referente ao pouco contato dos alunos com profissionais atuantes no mercado de
trabalho, seja por meio de palestras ou de outro tipo de prática pedagógica.
Por fim, é possível depreender que as Instituições de Ensino Superior analisadas
oferecem uma qualidade de ensino razoável aos discentes do curso de Ciências Contábeis. A
grande deficiência observada no que tange à expansão da área de Perícia Contábil é o pouco
contato e conhecimento da área por parte dos alunos de graduação, o que gera falta de
interesse e incentivo em atuar profissionalmente como perito contador. Essa dificuldade pode
ser ocasionada pela falta de informação disponível aos alunos sobre a área de Perícia
Contábil, assim como, determinadas características do ensino da disciplina como a sua
aplicação no final do curso de graduação.
Como limitação deste estudo está a baixa participação dos discentes da UFRN e
UNIFACEX. A pesquisa também não descreve de forma mais precisa a atividade pública que
os discentes pretendem exercer, dado importante para futuras discussões sobre o tipo de
profissional que os cursos de contabilidade estão formando. Adicionalmente, não foram
utilizados métodos estatísticos para analisar se há diferença estatisticamente significativa
entre as universidades.
Sugere-se que futuras pesquisas analisem a utilização de outros métodos de pesquisa,
extensão da pesquisa aos discentes de outras Instituições de Ensino Superior, incluindo as
faculdades, ou de outros municípios, como também a ampliação para profissionais da área de
Perícia Contábil e docentes dos cursos de graduação em Ciências Contábeis. Dessa forma, é
válido fazer uma conexão entre os anseios dos discentes perante o mercado de trabalho frente
às experiências e opiniões dos docentes e profissionais atuantes na área de Perícia Contábil.
REFERÊNCIAS
ANDRÉ, M. E. D. O projeto pedagógico como suporte para novas formas de avaliação. IN.
CASTRO, A. D. C. de.; CARVALHO, A. M. P. de. (orgs.). Ensinar a Ensinar. São Paulo,
2001.
BRASIL. Congresso Nacional. Decreto 1.339, de 9 de janeiro de 1905. Declara
instituições de utilidade publica a Academia de Commercio do Rio de Janeiro, reconhece os
diplomas por ella conferidos, como de caracter oficial; e dá outras providencias. Diário
Official, Rio de Janeiro, RJ, 1905. Disponível em:
<http://www.camara.gov.br/sileg/integras/214141.pdf>. Acesso em 15 de abr. 2013.
BRASIL. Congresso Nacional. Senado Federal. Decreto 20.158, de 30 de junho de 1931.
Organiza o ensino comercial, regulamenta a profissão de contador e dá outras providências.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
Diário Oficial, Rio de Janeiro, RJ, 1931. Disponível em:
<http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-20158-30-junho-1931-
536778-norma-pe.html>. Acesso em 20 de abr. 2013.
BRASIL. Congresso Nacional. Lei 1.401, de 31 de julho de 1951. Inclui, no curso de
ciências econômicas, a cadeira de História Econômica Geral e do Brasil, e desdobra o curso
de Ciências Contábeis e atuariais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1951. Disponível
em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1950-1959/lei-1401-31-julho-1951-375767-
publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em 20 de abr. 2013.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução 10,
de 16 de dezembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de
Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. Diário Oficial da
União, Brasília, DF, dez.2004. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces10_04.pdf>. Acesso em: 22 abr. 2013.
BRASIL, Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Resolução s/n., de 08 de
fevereiro de 1963. Fixa os mínimos de conteúdo e duração dos cursos de Ciências Atuariais,
Ciências Contábeis e Ciências Econômicas. Passarinho, Yesis Ilícia (org). Resoluções e
Portarias do Conselho Federal de Educação -1962/1978. Brasília: DF-CFE, 1979.
BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Resolução 3, de 5 de
outubro de 1992. Fixa os Mínimos de Conteúdo e Duração do Curso de Graduação em
Ciências Contábeis. Resoluções e Portarias do Conselho Federal de Educação. Disponível em:
<http://www.valdecicontabilidade.cnt.br/index.htm?http%3A//www.valdecicontabilidade.cnt.
br/contabilistas/leg_prof_contab/Res3.htm>. Acesso em: 20 abr. 2013.
COSTA, J. M. R. da. O Ensino da Contabilidade na universidade brasileira: Quem é e
como pensa seu corpo docente. 1988. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências
Contábeis, Fundação Getúlio Vargas/isec. Rio de Janeiro, 1988.
ENEMARK, S.; JKAERSDAM, F. A ABP na teoria e na prática: a experiência de Aalborg na
inovação do projeto no ensino universitário. In: U. F. Araújo & G. Sastre (Orgs.).
Aprendizagem baseada em problemas no ensino superior. (pp. 17-42). São Paulo: Summus,
2008.
GARCIA, E.; CORDEIRO, M.; MARION, J. C. Discussão sobre metodologias de ensino
aplicáveis à contabilidade. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná.
Curitiba: CRC-PR, ano 25, n. 124, p. 32-36, jun. 1999.
GIL, A. C. Metodologia do Ensino Superior. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1997.
GOMES, A. A. B.; CAMPOS, E. S.; JÚNIOR, I. J. N. da. III Congresso Brasileiro de
Administração e Ciências Contábeis - AdCont 2012. Percepção de Formados em Ciências
Contábeis Sobre sua Preparação Para Ingresso no Mercado de Trabalho na área de
Perícia Contábil. Rio de Janeiro, 2012.
HENRIQUE, M. R. Análise das condições de ensino de perícia contábil em cursos de
Ciências Contábeis na grande São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis).
São Paulo, 2008. Disponível em:
<http://200.169.97.106/biblioteca/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=209>. Acesso
em: 15 abr. 2013.
IFAC. Handbook of International Education Pronouncements. 2014. Disponível em: <
http://www.ifac.org/publications-resources/handbook-international-education-
pronouncements-2010-edition>. Acesso em 20 mai. 2013.
A percepção dos alunos do curso de ciências contábeis acerca do ensino e do mercado de trabalho em
perícia contábil
Revista Capital Científico Eletrônica (RCCe) ISSN 2177-4153 Vol. 14 n.2 Abril/Junho 2016.
Recebido em 18/12/2015 Revisado em 03/02/206 - Aprovado em 02/03/2016 Publicado em 30/06/2016.
IUDÍCIBUS, S. de; MARION, J. C. Revista Brasileira de Contabilidade. As faculdades de
Ciências Contábeis e a formação do contador. Rio de Janeiro: CFC, n. 56, p. 50-56, 1986.
JÚNIOR, I. J das N; SILVA, S. A. da. Proposições ao Ensino da Perícia no Distrito
Federal. São Paulo, 2007.
KASUM, A. S. A Relevância da Perícia Contábil a Crimes Financeiros em setores
públicos e privados das economias do Terceiro Mundo: Um Estudo da Nigéria. Avaliado
por SSRN. Nigéria, 2009. Disponível em:
<http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1384242>. Acesso em: 23 abr. 2013.
LOWMAN, J. Dominando as técnicas de ensino. São Paulo: Atlas, 2004.
MAGALHÃES, A. de D. F. Perícia Contábil: uma abordagem teórica, ética, legal,
processual e operacional. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
MARTINS, Gilberto de Andrade; THÉOPHILO, Carlos Renato. Metodologia da
Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas, 2009.
OKOYE, E. I. The role of Forensic Accounting in fraud investigation and litigation support.
Avaliado por SSRN. Nigéria, 2009. Disponível em:
<http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1788822>. Acesso em 23 abr. 2013.
PELEIAS, I.R Didática do Ensino da Contabilidade: aplicáveis a outros cursos
superiores. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.
REZAEE, Z.; CRUMBLEY, D.L.; ELMORE,R.C. Forensic Accounting Education: A
Survey of Academicians and Practitioners. Avaliado por SSRN. Estados Unidos, 2006.
Disponível em: < http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=518263>. Acesso em:
12 abr. 2013.
VASCONCELLOS, C. S. Planejamento: Plano de Ensino-Aprendizagem e Projeto
Educativo. São Paulo: Libertat, 1995.
WERMANN, J. J. Perícia Contábil e o Laudo de Exame Contábil. 2010. Monografia.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: <
http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/27217/000763015.pdf?...1>. Acesso em 13
abr. 2013.
... Os achados permitem inferir que os alunos têm interesse pelo assunto, mas não o veem como o mais relevante para o futuro profissional. Rodrigues et al. (2016) analisaram a percepção dos alunos concluintes do curso de Ciências Contábeis referente à qualidade de ensino da disciplina de perícia contábil e sua preparação para inserção no mercado de trabalho. Por meio de questionário, com uma amostra de 128 alunos de graduação do município de Natal/RN, verificaram que as universidades apresentam uma qualidade de ensino razoável e o pouco contato e conhecimento no ramo representam as grandes dificuldades para expansão do mercado de trabalho em perícia. ...
... Com base na Tabela 1, 53,54% dos respondentes são do sexo masculino e, a faixa etária concentra-se entre 16 e 35 anos, o que corresponde a 90,9% da amostra. Tal resultado assemelha-se a Rodrigues et al. (2016), no qual cerca de 88% dos respondentes possuem entre 17 e 34 anos. ...
... Esses coeficientes de variação indicam amplitude de respostas na afirmação, ou seja, baixa homogeneidade na amostra. Esse dado pode demonstrar que os respondentes não trabalham ou já atuaram diretamente em setores cuja atividade principal corresponde à análise das demonstrações contábeis, assemelhando-se ao estudo de Rodrigues et al. (2016), o qual identificou pouco contato e conhecimento dos estudantes no ramo de perícia, representando uma grande dificuldade para expansão do mercado de trabalho. ...
Article
Full-text available
O objetivo deste estudo é analisar a percepção dos discentes do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sobre a absorção e o domínio do conteúdo da disciplina de análise das demonstrações contábeis. A pesquisa é classificada como quantitativa, descritiva e de levantamento, com coleta de dados por meio da aplicação de um questionário a 99 estudantes. Os resultados demonstram que os discentes presumem possuir maior conhecimento em indicadores tradicionais, como análises vertical e horizontal seguido dos indicadores de liquidez ou solvência e menor conhecimento em alavancagem financeira e alavancagem operacional. Quanto ao efetivo domínio do conteúdo, destacam-se os indicadores de rentabilidade (65% de acertos), seguido dos indicadores de estrutura de capital (63% de acertos) e das análises horizontal e vertical (55% de acertos). Os achados também sinalizam que os discentes não se sentem suficientemente preparados para atuar no mercado de trabalho, tanto elaborando pareceres sobre a estrutura de capital e a situação econômica e financeira de uma empresa, quanto aplicando metodologias de análises das demonstrações contábeis de empresas. Trata-se de relevante discussão em relação à formação profissional dos discentes, pois influencia na qualidade dos trabalhos referentes à interpretação de dados e informações contábeis. Ainda, é possível inferir que o desempenho abaixo do esperado implica necessidade de alterações na metodologia de ensino adotada, bem como maior dedicação e esforço dos discentes.
... No G2, destacaram-se as seguintes ambições: "Perícia Contábil" (32%), "Auditoria Contábil" (26%) e "Área Pública" (21%). Chama a atenção a vontade dos respondentes de atuarem no setor público, indo ao encontro dos resultados encontrados em Rodrigues et al. (2016). ...
Article
Full-text available
Objetivo: O objetivo do estudo é identificar a percepção dos discentes do curso de Ciências Contábeis (Grupo 1) e da Especialização em Perícia e Auditoria (Grupo 2) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) acerca do ensino e do conteúdo de auditoria para a preparação e inserção no mercado de trabalho. Metodologia: Pesquisa quantitativa, descritiva e de levantamento por meio da aplicação de questionário (questões abertas e fechadas) aos alunos dos dois cursos, buscando identificar as características dos grupos e sua compreensão quanto aos métodos de ensino e aprendizagem da disciplina de auditoria para o mercado de trabalho. Resultados: Verificou-se que a maioria dos dois grupos se encontra no mercado de trabalho, e que os atuantes em auditoria pretendem permanecer na área. Quanto às práticas pedagógicas, nos dois grupos destacou-se: “Aula Expositiva”; “Discussões em Sala de Aula”; “Resoluções de Exercícios”; e “Estudos de Caso”. Já, os aspectos apontados que carecem de aprofundamento no Grupo 1 são: “Normas Brasileiras de Contabilidade”, “Planejamento da Auditoria”, e “Práticas na detecção de fraudes”, e no Grupo 2 foram: “Legislação Aplicável à Auditoria Contábil”, “Planejamento da Auditoria” e “Execução dos trabalhos de auditoria”. Em relação à percepção sobre a suficiência do conteúdo da disciplina para desempenho da função, 37% do Grupo 1 e 46,7% do Grupo 2 acreditam que é insuficiente e se preocupam com o impacto disso no desenvolvimento das atividades no mercado de trabalho. Ainda, como motivação para estudar auditoria, os discentes alegam que tal conhecimento é indispensável para o bom desempenho da profissão, a fim de ter domínio do conteúdo sobre a prática contábil em relação à legislação e normas de auditoria. Contribuições do Estudo: Os resultados auxiliam os responsáveis dos cursos a propor melhorias no desenvolvimento da disciplina, no curso e, consequentemente, do profissional contábil.
... No G2, destacaram-se as seguintes ambições: "Perícia Contábil" (32%), "Auditoria Contábil" (26%) e "Área Pública" (21%). Chama a atenção a vontade dos respondentes de atuarem no setor público, indo ao encontro dos resultados encontrados em Rodrigues et al. (2016). ...
Article
Full-text available
Purpose: This study aims to identify Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Accounting Sciences (Group 1) and Specialization in Skills and Auditing (Group 2) students’ perception regarding teaching and content of auditing for preparation and insertion into the job market. Methodology: Quantitative, descriptive and survey research through a questionary application (open and closed questions) to students of the two courses, seeking to identify the groups’ characteristics and their understanding concerning teaching and learning methods from the audit discipline for the labor market. Results: It was verified that the majority of the two groups are in the labor market and that auditors intend to remain in this work area. As for the pedagogical practices, in the two groups stood out: "Exhibition Classroom"; "Classroom Discussions"; "Resolutions of Exercises"; and "Case Studies". Group 1 pointed out the aspects that need to be deepened: "Brazilian Accounting Standards", "Audit Planning", and "Practices in fraud detection", and for Group 2 these aspects are: "Legislation Applicable to Accounting Audit", "Audit Planning" and "Audit Execution". In relation to the sufficiency perception of discipline content to perform the function, 37% of Group 1 and 46.7% of Group 2 believe that it is insufficient and they are concerned with the impact on the activities’ development in the labor market. Still, as a motivation to study auditing, students claim that such knowledge is indispensable for the profession good performance in order to master accounting practice content in regard to legislation and auditing standards. Contributions of the Study: The results help courses’ responsible to propose improvements for course development, for the course itself and, consequently, for accounting professional.
... Portanto, conclui-se, no resultado da pesquisa, que os alunos de ciências contábeis das Estes achados coincidem com a pesquisa de Rodrigues et al. (2016), em que os alunos percebiam a falta de uma integração com profissionais na área, possibilitando, assim, uma aplicação prática dos conhecimentos adquiridos. De certa forma se assemelha aos achados de Cavalcante et al. (2017), visto que a aplicação dos conceitos teóricos em termos práticos também foi uma das deficiências percebidas nos estudos envolvendo a contabilidade ambiental. ...
Article
Full-text available
O presente trabalho tem como objetivo verificar a percepção dos alunos de graduação dos cursos de ciências contábeis da grande Natal e Mossoró sobre a prática da contabilidade aplicada ao terceiro setor. Essa pesquisa é caracterizada como descritiva, e sendo auxiliada por uma pesquisa bibliográfica, para tanto foi utilizado para a coleta de dados um questionário aplicado em seis Instituições de Ensino Superior de Natal e uma de Mossoró para traçar um perfil dos estudantes de contabilidade acerca do tema terceiro setor. Os resultados da pesquisa levaram a concluir que os alunos de contabilidade das IES analisadas possuem pouco conhecimento sobre o assunto, o que demonstra que as instituições de ensino estão deixando falhas no que diz respeito ao cumprimento do conteúdo programático sugerido para o ensino disciplina. Palavras–chave: Terceiro setor. Contabilidade. Ensino.
Article
Full-text available
Forensic accounting is the specialty practice area of accounting that describes engagements that result from actual or anticipated dispute or litigation. It provides an accounting analysis that is sustainable to the court which will form the basis for discussion, debate and ultimately dispute resolution. While certainly ideal for court testimony, in broad terms, 'forensic', is about fact finding and interpretation. The increase in number of fraud and fraudulent activities in Nigeria and around the world has emphasized the need for forensic accounting. Engagements of forensic accountants on criminal matters typically arise as the aftermath of fraud. Fraud examination in forensic accounting is different from that of 'traditional accounting' because the forensic accountant has the intuitive ability to analyze fraud. The aim or this paper is to identify the role of forensic accounting in fraud investigations and litigation support and proffer suggestions that will, hopefully, bring to public awareness the importance of this area of accounting.
Article
Full-text available
We have recently witnessed significant emphasis on improving investor confidence and public trust in financial reports. Reported financial scandals (e.g., Enron, WorldCom, Global Crossing, Qwest, Parmalat) have eroded investor confidence and made forensic accounting an attractive career opportunity for accountants to combat fraud. Forensic accounting is defined in this study as the practice of rigorous data collection and analysis in the areas of litigation support consulting, expert witnessing, and fraud examination. At present, there appears to be a gap between forensic accounting practices and education in the sense that forensic accounting is viewed as one of the most secure career tracks, yet there are only a limited number of accounting programs offering forensic accounting courses. There is little background data available, and rarely any evidence post-Enron, Andersen, and other financial scandals, with respect to the integration of forensic accounting education into the accounting curricula and particularly whether academicians' actions are consistent with the needs of practitioners for well-trained and knowledgeable forensic accountants. This study gathers opinions of both academicians and practitioners regarding the importance, relevance, and delivery of forensic accounting education. Results indicate that the demand for and interest in forensic accounting is expected to continue to increase; more universities are planning to provide forensic accounting education; both groups of respondents viewed forensic accounting education as being relevant and beneficial to accounting students, the business community, the accounting profession, and accounting programs; and the majority of 49 suggested forensic accounting topics are considered as important for integration into the accounting curriculum by both groups of surveyed academicians and practitioners. Results also indicate that some significant differences exist regarding topical coverage of forensic accounting between academicians and practitioners. These results are useful to universities and colleges that are considering integrating forensic accounting education into their curriculum or redesigning their forensic accounting courses.
Article
Resumo A Perícia Contábil é uma opção profissional para os Contadores. A Resolução CNE/CES N o. 10/2004 determinou que os cursos de Ciências Contábeis devem formar profissionais aptos a interagir com o contexto atual, o que requer boas condições de ensino e professores qualificados nas disciplinas e conteúdos, inclusive Perícia Contábil. O objetivo desta pesquisa foi identificar e analisar as condições de ensino de Perícia Contábil em cursos de Ciências Contábeis na grande São Paulo. Foram analisados os planos de ensino da disciplina em dois grupos de cursos: o primeiro. com 7 dos 10 melhores classificados pelo ENADE de 2006, e o segundo com 10 cursos escolhidos por acessibilidade. A pesquisa é descritiva, apoiada por investigação bibliográfica e documental, e análise de conteúdo para avaliação dos planos de ensino obtidos. A revisão da literatura revelou a evolução histórica no ensino de Perícia Contábil no Brasil, refletida na legislação nacional sobre o ensino Comercial e da Contabilidade, e que na América do Norte o estímulo para a oferta de conteúdos vem da sociedade e do mercado de trabalho, ao contrário do Brasil, cujo comando é a legislação. Os resultados obtidos com a análise dos planos de ensino indicam que o grupo das IES melhor classificadas no ENADE possui melhores condições de ensino para a disciplina Perícia Contábil. Constatou-se, para este grupo, maiores preocupações e cuidados em relação a: estratificação dos grupos de conteúdos oferecidos, completude dos planos de ensino, variação nas estratégias de ensino, ênfase em determinados grupos de conteúdos e variedade nos critérios de avaliação. Palavras-chave: Perícia contábil. Ensino superior. Brasil. Contabilidade.
O Ensino da Contabilidade na universidade brasileira: Quem é e como pensa seu corpo docente Dissertação (Mestrado) -Curso de Ciências Contábeis, Fundação Getúlio Vargas/isec
  • J M R Da
COSTA, J. M. R. da. O Ensino da Contabilidade na universidade brasileira: Quem é e como pensa seu corpo docente. 1988. Dissertação (Mestrado) -Curso de Ciências Contábeis, Fundação Getúlio Vargas/isec. Rio de Janeiro, 1988.
Handbook of International Education Pronouncements Disponível em: < http://www.ifac.org/publications-resources/handbook-international-education- pronouncements-2010-edition>
IFAC. Handbook of International Education Pronouncements. 2014. Disponível em: < http://www.ifac.org/publications-resources/handbook-international-education- pronouncements-2010-edition>. Acesso em 20 mai. 2013.
Perícia Contábil: uma abordagem teórica, ética, legal, processual e operacional. 4
  • A De
MAGALHÃES, A. de D. F. Perícia Contábil: uma abordagem teórica, ética, legal, processual e operacional. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
III Congresso Brasileiro de Administração e Ciências Contábeis -AdCont 2012. Percepção de Formados em Ciências Contábeis Sobre sua Preparação Para Ingresso no Mercado de Trabalho na área de Perícia Contábil
  • A A B Gomes
  • E S Campos
  • I J N Júnior
  • Da
GOMES, A. A. B.; CAMPOS, E. S.; JÚNIOR, I. J. N. da. III Congresso Brasileiro de Administração e Ciências Contábeis -AdCont 2012. Percepção de Formados em Ciências Contábeis Sobre sua Preparação Para Ingresso no Mercado de Trabalho na área de Perícia Contábil. Rio de Janeiro, 2012.
A Relevância da Perícia Contábil a Crimes Financeiros em setores públicos e privados das economias do Terceiro Mundo: Um Estudo da Nigéria
KASUM, A. S. A Relevância da Perícia Contábil a Crimes Financeiros em setores públicos e privados das economias do Terceiro Mundo: Um Estudo da Nigéria. Avaliado por SSRN. Nigéria, 2009. Disponível em: <http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1384242>. Acesso em: 23 abr. 2013.
As faculdades de Ciências Contábeis e a formação do contador
  • S Marion
  • J C Brasileira De Contabilidade
IUDÍCIBUS, S. de; MARION, J. C. Revista Brasileira de Contabilidade. As faculdades de Ciências Contábeis e a formação do contador. Rio de Janeiro: CFC, n. 56, p. 50-56, 1986.