ArticlePDF Available

Abstract

Introdução: A prática de yoga tem se mostrado positiva na redução de insônia. Outros estudos mostram redução de sintomas de climatério. Porém nenhum estudo havia sido realizado até o momento para verificar os efeitos da prática do yoga em mulheres na pós-menopausa com diagnóstico de insônia. Objetivo: avaliar o efeito da prática de Yoga como um tratamento na saúde física e mental, nos sintomas do climatério em mulheres na pós-menopausa com diagnóstico de insônia. Métodos: Mulheres entre 50 e 65 anos na pós-menopausa sem terapia hormonal, IAH (índice de apneia-hipopnéia)<15/hora com diagnóstico de insônia foram randomizadas em 3 grupos: grupo controle, grupo alongamento passivo, grupo Yoga. Foram aplicados questionários no momento pré e 4 meses após o início para avaliação da qualidade de vida na menopausa, avaliação dos sintomas de ansiedade e depressão, sintomatologia climatérica, gravidade de insônia, sonolência diurna, estresse além da polissonografia. O estudo teve duração de 4 meses. Resultados: 44 voluntárias terminaram o estudo. Quando comparado ao grupo controle, o grupo Yoga teve escores significativamente mais baixos para sintomatologia climatérica, gravidade de insônia, qualidade de vida na menopausa e a fase de resistência do estresse na condição pós-tratamento. A melhora na gravidade de insônia no grupo Yoga foi significativamente maior que os grupos controle e alongamento passivo. Conclusão: Este estudo mostrou que uma sequência específica de Yoga pode ser eficiente para melhora da insônia, qualidade de vida e sintomas de menopausa em mulheres na pós-menopausa com insônia.
Rev bras med fam comunidade. Florianópolis, 2012 Jun; 7 Supl1: 77
Yoga para melhora dos sintomas do climatério em mulheres na pós-menopausa com
insônia
Rui Ferreira Afonso1, Helena Hachul1,2, Elisa Harumi Kozasa1,3, Denise de Souza Oliveira1, Viviane Goto1, Dinah
Rodrigues4, Sérgio Tufik1, José Roberto Leite1
1Departamento de Psicobiologia, Universidade Federal de SãoPaulo; 2Departamento de Ginecologia,
Universidade Federal de São Paulo, 3Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva e da Família, Universidade Nove de
Julho; 4International Yoga Teachers Association.
E-mails: ruiafonsobr@yahoo.com.br, helena.hachul@hotmail.com, ehkozasa@gmail.com, desool@ig.com.br,
vivi.goto@hotmail.com, yogaterapiahormonal@dinahrodrigues.com.br, tufik@psicobio.epm.br,
contato@cemco.com.br
Introdução: A prática de yoga tem se mostrado positiva na redução de insônia. Outros estudos mostram
redução de sintomas de climatério. Porém nenhum estudo havia sido realizado até o momento para verificar
os efeitos da prática do yoga em mulheres na pós-menopausa com diagnóstico de insônia. Objetivo: avaliar o
efeito da prática de Yoga como um tratamento na saúde física e mental, nos sintomas do climatério em
mulheres na pós-menopausa com diagnóstico de insônia. Métodos: Mulheres entre 50 e 65 anos na pós-
menopausa sem terapia hormonal, IAH (índice de apneia-hipopnéia)<15/hora com diagnóstico de insônia
foram randomizadas em 3 grupos: grupo controle, grupo alongamento passivo, grupo Yoga. Foram aplicados
questionários no momento pré e 4 meses após o início para avaliação da qualidade de vida na menopausa,
avaliação dos sintomas de ansiedade e depressão, sintomatologia climatérica, gravidade de insônia, sonolência
diurna, estresse além da polissonografia. O estudo teve duração de 4 meses. Resultados: 44 voluntárias
terminaram o estudo. Quando comparado ao grupo controle, o grupo Yoga teve escores significativamente
mais baixos para sintomatologia climatérica, gravidade de insônia, qualidade de vida na menopausa e a fase de
resistência do estresse na condição pós-tratamento. A melhora na gravidade de insônia no grupo Yoga foi
significativamente maior que os grupos controle e alongamento passivo. Conclusão: Este estudo mostrou que
uma sequência específica de Yoga pode ser eficiente para melhora da insônia, qualidade de vida e sintomas de
menopausa em mulheres na pós-menopausa com insônia.
Palavras chave: Yoga. Pós-menopausa. Insônia.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
ResearchGate has not been able to resolve any references for this publication.