ArticlePDF Available

Abstract

This research had as object the study of academic fraud (cheating, plagiarism and falsification of research data). The question that has guided was: As the practice of academic fraud is studied in different countries? The relevance of this research is to provide support for reflection about this practice that has serious implications for the training of students. The overall objective was to understand the different ways of studying the phenomenon of academic fraud. Among the speciϔic objectives are: to raise scientific papers dealing with studies on academic fraud; identify the objectives, methodology and results of the studies; compare and analyze these three elements of the articles. Were part of the methodology: a literature review, the telematic research and document analysis. The results indicated that this practice is of higher education institutions greater attention and collaboration between the educational and administrative, to define strategies to prevent fraud in the process of learning evaluation.
Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
A study on the practice of academic fraud in four
continents
Lorena Martins Costa1
Maria Alzira Pimenta2
1 Graduanda em Direito, Universidade de Uberaba, MG.
E-mail: lorena.bols18@yahoo.com.br
2 Doutora em Educação, Universidade de Sorocaba, SP.
E-mail: alzira.pimenta@gmail.com
Recebido em 3 de dezembro de 2014 e aprovado para publicação em 23 de fevereiro de 2015
110 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
RESUMO
Esta pesquisa teve como objeto os estu-
dos sobre fraude acadêmica (cola, plágio e
falseamento de dados de pesquisa). A per-
gunta que serviu de orientação foi: Como
a prática da fraude acadêmica é estudada
em diferentes países? A relevância desta
pesquisa é proporcionar subsídios para a
relexão sobre essa prática que tem sérias
implicações na formação dos estudantes.
O objetivo geral foi compreender as dife-
rentes formas de se estudar o fenômeno
da fraude acadêmica. Dentre os objetivos
especíicos, destacam-se: levantar artigos
cientíicos que tratem de estudos sobre a
fraude acadêmica; identiicar os objetivos,
metodologia e resultados dos estudos;
comparar e analisar esses três elementos
dos artigos. Fizeram parte da metodo-
logia: a revisão bibliográica, a pesquisa
telematizada e a análise documental. Os
resultados indicaram que essa prática
demanda das Instituições de Ensino
Superior maior atenção e colaboração
entre o pedagógico e o administrativo, no
sentido de deinir estratégias que evitem
a fraude no processo de avaliação da
aprendizagem.
PALAVRASǧCHAVE
fraude acadêmica
avaliação
pesquisa
ABSTRACT
This research had as object the study of
academic fraud (cheating, plagiarism
and falsiϔication of research data). The
question that has guided was: As the
practice of academic fraud is studied
in different countries? The relevance of
this research is to provide support for
reϔlection about this practice that has
serious implications for the training
of students. The overall objective was
to understand the different ways of
studying the phenomenon of academic
fraud. Among the speciϔic objectives are:
to raise scientiϔic papers dealing with
studies on academic fraud; identify the
objectives, methodology and results of
the studies; compare and analyze these
three elements of the articles. Were part
of the methodology: a literature review,
the telematic research and document
analysis. The results indicated that
this practice is of higher education
institutions greater attention and
collaboration between the educational
and administrative, to deϔine strategies
to prevent fraud in the process of
learning evaluation.
KEY WORDS
academic fraud
evaluation
research
111
COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
1 INTRODUÇÃO
A conjuntura educacional do Brasil1 apresenta dados preocu-
pantes. Bruini (2008) observa que, mesmo com o programa social que
incentivou a matrícula de 98% de crianças entre seis e 12 anos, 731 mil
crianças ainda estavam fora da escola, segundo o Instituto Brasileiro
de Geograia e Estatística (IBGE). O analfabetismo funcional de pessoas
entre 15 e 64 anos foi registrado em 28%, no ano de 2009, pelo Instituto
Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE); 34% dos alunos que
chegam ao 5º ano de escolarização ainda não conseguem ler; 20% dos
jovens que concluem o Ensino Fundamental, e que moram nas grandes
cidades, não dominam o uso da leitura e da escrita (Todos pela Educa-
ção). Esse cenário pode justiicar, em parte, a prática da fraude acadêmi-
ca uma vez que ela possibilita mascarar, ainda que momentaneamente,
os resultados. Propomos pesquisar a fraude acadêmica (cola) como um
desaio a ser vencido para se alcançar um ensino de qualidade. Sabe-se
que a educação é um processo em que deveriam estar presentes valores
imprescindíveis à formação humana. São os valores que podem ajudar a
preparar o educando para exercer a cidadania e buscar sua qualiicação
para o mundo do trabalho.
O objeto dessa pesquisa2 é a fraude acadêmica e suas diversas
formas no mundo. Por que a fraude em avaliações é um tema impor-
tante? Os resultados de exames têm servido como evidência, até mes-
mo como garantia de formação proissional. Aqueles que completam
seus estudos são certiicados para entrarem no mercado de trabalho e
como capazes de assumir responsabilidades para desempenhar suas
funções. A economia moderna é complexa e depende dessa garantia. Se
a avaliação da aprendizagem é fraudada, a sociedade, como um todo,
pode ter problemas nos serviços prestados por engenheiros, professo-
res, médicos, advogados, entre outros. Os certiicados e diplomas, que
1 O país icou com a 53ª colocação entre 65 países no Programa Internacional de Avalia-
ção de Alunos (Pisa), elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Econômico (OCDE).
2 Essa pesquisa fez parte do projeto Ética e a Qualidade do Ensino Superior Brasileiro:
um Estudo sobre a Cola como Dispositivo de Formação, aprovado pelo Comitê de Ética
em Pesquisa (Parecer PAPE 2009/022) e inanciada pela FAPEMIG (Fundação de Am-
paro a Pesquisa de Minas Gerais).
112 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
atestam a formação proissional, servem, também, como garantias de
um sistema de trabalho e de educação.
O papel das faculdades e universidades, que certiicam os estu-
dantes, não é apenas desenvolver as habilidades acadêmicas e expandir
conhecimento, mas também discutir valores, transmitir padrões de
conduta e aprimorar o caráter. Mas, atualmente, elas são chamadas a
responder a um aparente aumento de má conduta associado à prática
de fraude acadêmica.
Há alguns países que já deiniram estratégias de combate à frau-
de acadêmica, como os Estados Unidos, Alemanha, Austrália e Suécia.
Na Alemanha, alguns consideram a “cola” como um problema social e
para solucioná-lo sugeriram que as universidades formem comissões
de ética para combatê-la. Na Suécia, os casos de cola e plágio na vida
acadêmica são considerados com seriedade e as punições também são
graves (PAULSEN, 2009).
No Reino Unido e nos Estados Unidos, a prática do plágio é con-
siderada gravíssima chegando a casos de punições acadêmicas como a
expulsão do fraudador. Uma curiosidade, que vai contra a essa lógica de
que plagiar e “colar” são práticas imorais, ocorre na China. Lá, o plágio
é tratado de forma diferente, pois se considera que palavras e ideias
pertencem à cultura e à sociedade e devem ser compartilhadas entre
os indivíduos, assim não há violação da autoria e como também não é
valorizada a originalidade (SANTOS, 2014).
Na educação, se levarmos em conta a importância, as implicações e
a frequência da fraude acadêmica, é possível constatar que, mesmo sendo
tão presente, é pouco discutida, principalmente nos meios acadêmicos.
Sendo assim, a pergunta que orientou a pesquisa foi: como a prática de
fraude acadêmica é vista e estudada em diferentes países? A relevância
desta pesquisa está na busca de subsídios para a relexão sobre esse
fenômeno que tem sérias implicações na formação dos estudantes.
Sabe-se que a fraude acadêmica é pouco pesquisada em nosso país
(PIMENTA, 2008) e tem sido banalizada em nossas universidades. O que
se procura ressaltar nesta pesquisa é o quanto a fraude está se tornando
um problema tanto em escolas fundamentais quanto em Instituições de
Ensino Superior (IES) e como essa prática corriqueira é vista e tratada
em diferentes culturas. Faz-se necessário, portanto, investigar e analisar
como as práticas e atitudes vêm instaurando-se nas escolas para obter
113 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
subsídios que possibilitem pensar formas de intervenção. Entendemos
que conhecer as pesquisas sobre a fraude acadêmica e a forma como
está sendo enfrentada, em outros países, enriquece a discussão sobre
o que fazer no Brasil.
Para tanto, o objetivo geral da pesquisa foi comparar e analisar as
diferentes formas que o fenômeno da fraude acadêmica é estudado, a
partir de um levantamento realizado em periódicos cientíicos de qua-
tro continentes. Dentre os objetivos especíicos, destacam-se: realizar
um levantamento de artigos cientíicos que abordem pesquisas sobre
a fraude acadêmica nos continentes: europeu, americano, africano e
asiático; identiϔicar elementos constitutivos da pesquisa, especialmen-
te: os objetivos, a metodologia e os resultados; e comparar e analisar
esses três elementos dos artigos, procurando identiicar a forma como
a fraude em avaliações é tratada.
2 METODOLOGIA
Esta pesquisa foi pensada, quanto aos objetivos, como descritiva
(GIL, 1991), pois pretendeu descrever as formas como a fraude acadê-
mica tem sido estudada no mundo. Ainda, alinha-se com uma aborda-
gem qualitativa por considerar a relevância da descrição do fenômeno
e da abertura para compreendê-lo, sem perder o foco. A prática da
fraude foi examinada “com a ideia de que nada é trivial, que tudo tem
potencial para constituir uma pista que nos permita estabelecer uma
compreensão mais esclarecedora de nosso objeto de estudo(BOGDAN;
BIKLEN, 1994, p. 49).
Os procedimentos metodológicos envolveram uma revisão bi-
bliográica, uma pesquisa telematizada e uma análise documental. A
revisão bibliográica buscou a fundamentação sobre o fenômeno da
fraude acadêmica: conceitos, deinições e visões. Os autores que fazem
parte do referencial teórico são: Barbosa (2009), Pimenta (2008, 2010),
Pimenta e Pimenta (2011), Silva et al. (2006), Vasconcelos (2007),
entre outros.
A pesquisa telematizada, utilizada para encontrar informações
em meios que combinam o uso do computador e as telecomunicações
(MORESI, 2003), em especial a internet, foi imprescindível para auxiliar
na localização e deinição dos artigos sobre fraude, objeto de análise da
114 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
pesquisa. A busca na internet de resultados por associação dos termos:
cheating, academic cheating e o nome dos continentes.
Foram levantados, no Google acadêmico, quinze artigos acadêmi-
cos - três de cada um dos cinco continentes, que tinham como objeto
a fraude acadêmica, que se constituíram como documentos da análise.
Procedeu-se à tradução, à leitura e à análise deles para se entender
como esse fenômeno vem sendo estudado. Foram identiicados os ob-
jetivos, a metodologia, os resultados de cada estudo, além da pergunta
de cada um, suas justiicativas, ou seja, a relevância, os pressupostos e
as sugestões que possam ajudar a minimizar a fraude.
Essa análise ampla possibilitou a familiarização com o tema, a es-
trutura e a linguagem dos artigos acadêmicos. O quadro 1 é um exemplo
do formulário que foi elaborado para ser preenchido com informações
sobre os artigos para a primeira seleção. Os artigos eram marcados com
uma sigla. Exemplo: Artigo Europa 1, 2011, icava: AE1 – 2011.
ARTIGO _AE1, 2011
Título: Academic Cheating is Contagious: the Inluence of the Presence of
Others on Honesty: a study report
Autor(es): Agata Błachnio, Malgorzata Weremko
Abstract: The main aim of the study was to investigate the determinants of
academic dishonesty. Its scope was limited to the speciic kind of dishonest
behavior which is commonly present among students: the phenomenon of
academic dishonesty, manifested in cheating (colloquially: cribbing) on tests,
exams, etc. The author predicted that an agreement between each participant
and the experimenter would induce participants to remain honest. The
research was conducted in the form of a laboratory experiment. The results
indicated that the presence of the experimenter’s confederate was signiicant.
Participants cheated more often when the other person cheated than they did
when writing the test individually. However, it turned out that the agreement
had no inluence on the participants’ behavior. Another research problem
concerned the inluence of personality determinants on dishonesty. The
effect of self-esteem and attitude towards disloyalty on disloyal behavior was
inves-tigated. The main results showed that the participants who cheated
had lower self-esteem in comparison with those who did not cheat. As
regards attitude towards disloyalty, it was found that loyalty had a low value
for the participants who cheated, while non-cheaters valued it highly.
Key words: Cheating, Academic Honesty, Self-Esteem, Disloyalty
Quadro 1 – Formulário para identiicação e deinição dos artigos
115 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
Posteriormente, a amostra foi reduzida e foram selecionados
três artigos dos continentes: Europa, África, América do Norte e Ásia,
totalizando 12. O quadro 2 era preenchido com o que se buscava em
cada um dos três artigos: objeto, pergunta da pesquisa, objetivos, me-
todologia e resultados. Sendo que, para efeito deste artigo, somente
os três últimos foram analisados. O período de publicação dos artigos
vai de 2001 a 2011. Nesses artigos, foi realizada a análise documental,
identiicando: os objetivos, a metodologia e os resultados, inicialmente,
considerando o conjunto de cada continente e, posteriormente, consi-
derando os quatro conjuntos.
O que se buscava Artigo I Artigo II Artigo III
Objeto
Pergunta da pesquisa
Objetivos
Metodologia
Resultados
Quadro 2 – Análise dos artigos do continente ____________
A análise documental possibilitou inferir tendências na forma
como a fraude acadêmica tem sido estudada no mundo. Para orientá-la,
foi utilizada a matriz de análise apresentada no quadro 3.
Questão O que se queria saber
Com quais objetivos se tem
pesquisado a fraude em
avaliação (cola)?
Para que os pesquisadores têm
empenhados esforços de entendimento
sobre a fraude em avaliação (cola)
Com qual metodologia se
pesquisa a fraude em avaliação
(cola)?
Quais procedimentos metodológicos
são utilizados nas pesquisas e sua
adequação aos objetivos.
Quais resultados têm sido
encontrados nas pesquisas sobre
fraude em avaliação (cola)?
O que as pesquisas têm revelado sobre o
universo da fraude em avaliação (cola):
práticas, concepções, relações.
Quadro 3 – Matriz de análise
116 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
A fraude acadêmica no mundo
A fraude acadêmica é bastante pesquisada, fora do Brasil. Green
(2004 apud PIMENTA, 2008) contribuiu para deinir o fenômeno da
traição/burla/fraude, ao tentar aplicar esse conceito ao conjunto de
leis sobre o “colarinho branco. Esse conceito fornece fundamentos para
explicar a “injustiça moral” que colabora na deinição de crimes ligados
à evasão de divisas e compras ilegais de ação. As várias manifestações da
traição/burla são associadas a um comportamento não cooperativo ou a
algum termo de desaprovação moral. Green (2004 apud PIMENTA, 2008)
sugeriu dois critérios para deinir o que deveria ser considerado traição/
burla. Primeiro, ela deve envolver a violação de uma regra prescritiva,
compulsória, regulativa e orientadora de condutas. Segundo, a regra
deve ser justa, aplicada com justiça e, ao ser violada, promover alguma
vantagem para o violador, em uma relação que se pensa cooperativa.
A deinição de normas pelas IES tem se mostrado, aparentemente,
insuiciente para conter o crescimento da fraude, muito menos eliminá-
la, completamente. Para alguns indivíduos, o ganho desejado, que é o
prêmio dos bons resultados, é tão tentador e tão valioso que compen-
sam os custos inanceiros esperados, em algumas instâncias, penal em
outras, e moral, em todos os casos. Se a fraude não pode ser eliminada
inteiramente da vida acadêmica, pode sua incidência ser reduzida? O
que os gestores de faculdades poderiam e precisariam fazer além do
que já estão fazendo? Mais que normas, não seria necessária a discus-
são do que implica a fraude? Quais mudanças são necessárias no atual
regime acadêmico? São perguntas frequentes que precisamos analisar
criticamente para se chegar a uma resposta que solucione essa pratica.
Silva e Carrilho (2006) realizaram um estudo na Faculdade de
Economia da Universidade do Porto (FEP), que avaliou 21 países, de
quatro continentes, pelo qual os resultados apontam uma “forte cor-
relação” entre o índice de corrupção do país com o índice de alunos
universitários que praticam a fraude acadêmica. Nesse estudo, foram
pesquisados mais de sete mil estudantes, e os autores observaram que:
Os países nórdicos, vistos como os menos corruptos do mundo,
apresentam igualmente níveis baixos de incidência de fraude
acadêmica. É o caso da Suécia e da Dinamarca [...] Também as
Ilhas Britânicas e a Nova Zelândia, que pontuam baixo no índice
117 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
de corrupção, apresentam porcentagens baixas de alunos que
admitem copiar nos exames. [...]
Em Portugal, 62,4% dos alunos universitários, à semelhança do
que se passa noutros Estados da Europa do Sul, admitem copiar
nos exames às vezes ou quase sempre - aparece também como
um dos países onde a corrupção percebida é mais elevada. No
topo da tabela que relaciona corrupção e fraude acadêmica sur-
gem países como Polônia, Romênia, Brasil, Eslovênia, Espanha e
França. (SILVA; CARRILHO, 2006, p. 1).
Um estudo conduzido por Bowers (1964), nos Estados Unidos da
América, mostrou que 75% dos 5.000 estudantes, entrevistados em 99
instituições, admitiram cometer algum tipo de fraude, durante a gra-
duação. A pesquisa realizada por McCabe (1999), em 31 das melhores
instituições americanas, com uma amostra de 6.097 estudantes, indicou
que 67% dos estudantes praticaram alguma forma de desonestidade
acadêmica. Esses estudos sugerem que a desonestidade acadêmica é
um problema crônico e crescente.
A alta incidência de fraude revelada pelas pesquisas levou os
estudiosos a recomendarem que as instituições de ensino desenvolvam
políticas reeducativas, ou até mesmo punitivas, para diminuir está in-
cidência. Essa alta incidência tem sido atribuída a uma crise ética cujo
responsável, segundo Moraes (s.d.), é o próprio ser humano. Esse autor
observa o equívoco de se atribuir à rede mundial de computadores a
responsabilidade da crise ética, até porque ela é um importante instru-
mento de pesquisa acadêmica e tende a ser cada vez mais valorizada
na sociedade da informação em que vivemos. Assim, três práticas são
consideradas fraude acadêmica, são elas: a) o plágio; b) a falsiϔicação
de dados de pesquisa; e c) a cola.
a) O plágio
Segundo Vasconcelos (2007), o plágio, na visão da maioria dos
países de língua inglesa é deinido como a “apropriação ou imitação da
linguagem, ideias ou pensamentos de outro autor e a representação das
mesmas como se fossem daquele que as utiliza”. Contudo o plágio é ou
pode ser considerado um dos mais graves problemas (provavelmente,
o pior) que pode haver em um trabalho acadêmico. Plagiar signiica
que alguém se apoderou das ideias alheias e as usa (ou expõe) como
se fossem suas. Existem várias formas de plágio, uma delas e, talvez a
118 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
mais usada, seria copiar um trabalho e, simplesmente, “apagar” o nome
do autor. Uma segunda forma de plágio seria quando o aluno não copia
apenas um texto por inteiro de um autor, mas sim partes de vários tre-
chos de diferentes textos.
É importante observar que os avanços tecnológicos tornaram a
prática da fraude mais fácil. A aquisição de trabalhos prontos “originais”
de sites da web, desde pequenos trabalhos até teses de doutorado, pelos
estudantes tornou-se tão barato e banal quase como comprar o lanche
da escola. Ao mesmo tempo, telefones celulares e MP3 players deram
aos estudantes novas ferramentas: mensagens com foto permitem que
eles contatem amigos fora da sala de aula com cópias do exame.
b) A falsiicação de dados de pesquisa
Recentemente, a mídia3 tem divulgado vários casos de fraude
em pesquisa, inclusive com a exposição pública dos envolvidos. As de-
núncias envolvem desde a falsiicação até a apropriação de dados de
pesquisa. A análise da incidência desse tipo de fraude está associada a
pressão por publicações sofrida pelos pesquisadores.
Torresi, Pardini e Ferreira (2009) apresentam diversas maneiras
de fraudes nas publicações cientiicas, como por exemplo:
Na autoria com exclusão de autores ou inclusão de autores que
não tiveram participação no trabalho, apropriação de dados de
outros, ausência intencional de citação de fontes ou referências,
ocultação ou fabricação de dados de um experimento, tratamento
de dados intencionalmente feito de forma a provar algum aspecto
que interessa os autores etc. (TORRESI; PARDINI; FERREIRA,
2009, p. 1).
Estes autores chamam atenção para o fato da fraude na pesquisa
representar a falta de honestidade em relação ao trabalho alheio, pelo
qual o “fraudador tenta levar alguma vantagem sobre seus colegas,
além do dano que pode causar dependendo da área cientíica que esteja
atuando” ( TORRESI; PARDINI; FERREIRA, 2009).
Hossne e Vieira (2007, p. 40) ressaltam o que pode ser considera-
do fraude em ciência, que: “legalmente, considera-se fraude em ciência
3 A mais recente divulgação: “Pela primeira vez, Fapesp torna públicas fraudes cien-
tíicas”, de 28/11/2014, disponível em: <http://www.abc.org.br/article.php3?id_
article=3708>.
119 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
uma apresentação de fatos ou dados deliberadamente errados, feita por
quem sabe a verdade. Essa apresentação visa enganar a comunidade
cientíica e, disso, tirar proveito”.
c) A cola
Esta, provavelmente, é o tipo de fraude mais frequente e disse-
minada com praticantes de diversas classes e idades. Segundo Pimenta
(2008), a cola é o ato de copiar respostas em exames e pode se apresen-
tar de várias formas: um pequeno lembrete utilizado na hora da prova,
como forma de consulta; um aluno passar a resposta para o colega; ou
até mesmo aquela olhadinha para a prova do colega ao lado. É possível
dizer que este comportamento esteja se banalizando e associá-lo aos
valores de uma sociedade em que o importante não é ser, mas parecer
que se é. Neste caso, o importante não é saber, conhecer, aprender, mas
parecer que sabe, que conhece, que aprendeu.
De acordo com Barbosa (2009), a cola nas Instituições de Ensino
Superior (IES), quando abordada, é dada pouca importância, por isso,
não é discutida nem reprimida, apenas parece que não é vista como um
problema educacional grave a ser resolvido. O autor apresenta alguns pos-
síveis motivos para a prática da cola, identiicando dois responsáveis por
essa ocorrência: os próprios professores e os alunos. Segundo Barbosa
(2009), a responsabilização da cola por parte do professor é pelo fato de:
Preparar aulas direcionadas apenas para os seus exames;
Não conhecer o que realmente é avaliação;
Não trabalhar suas aulas de modo contextualizado e participativo;
Sua igura em sala de aula ser de um narrador com muitos ouvintes
e, somente, a memorização poderá guardar sua fala, como se esses
ouvintes fossem recipientes vazios que de, pouco em pouco, são cheios
pelos conhecimentos do narrador;
Excesso de aulas expositivas;
Incapacidade de orientar as pesquisas dos alunos;
Descaso na elaboração do Plano de Ensino e das aulas;
Falta de criticidade nas aulas e discussões sobre os temas em sala
de aula.
Quanto à responsabilidade dos alunos, o autor observa que:
Os alunos não conseguem realizar as leituras, porque trabalham
entre oito e dez horas por dia para pagar a faculdade/universidade;
120 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
Já chegam cansados para assistir às aulas depois de um longo dia de
trabalho;
Não têm tempo de estudar porque além das atividades proissionais e a
necessidade de icarem sentados assistindo aula das 18h30 às 22h, de
segunda a sexta-feira, eles ainda têm outros compromissos pessoais.
É possível observar que o autor responsabiliza muito mais os
professores, o que pode ser questionado, mas a partir de aspectos
presentes no cotidiano das escolas. Barbosa (2009) faz uma analogia
da fraude acadêmica com a que ocorre nos esportes. Nestas situações,
acontece um incentivo claro e deinido: aprovar e reprovar, no caso da
prova; vencer e perder, no caso da competição esportiva. Nos dois casos,
avaliação e competição esportiva, a presença da fraude tem se tornado
frequente e banal. Na avaliação, a fraude é a cola; no esporte, a fraude
pode ser o dopping, o descumprimento de regras.
Barbosa (2009) expressa seu entendimento sobre como os alu-
nos veem a prova. Para eles, ao fazerem a prova, estão preocupados
em tirar nota para que no inal do período, tenham uma média boa.
A aprendizagem e a formação icam em segundo plano. Não seria um
erro valorizarem mais a nota que o conhecimento? Não seria necessário
repensar quais valores estão respaldando esta atitude?
Barbosa (2009) apresenta algumas maneiras para combater a
cola. A primeira delas é envergonhar os alunos, se possível no momento
que colam. Essa estratégia, também questionável, parece o oposto da
“vista grossa”, feita por alguns professores.
Entendemos que ao propor a adoção de uma política educacio-
nal de estado, focada no estudo, na leitura e escrita, e, sobretudo, em
práticas educativas que se concretizassem com o apoio, o interesse e
a valorização da pesquisa, Barbosa (2009) trata do aspecto essencial
dessa questão, qual seja, a falta de valorização do conhecimento e da
escola como instituição de educação e transformação.
Barbosa (2009) fez uma projeção que nos instiga a pensar sobre
os desdobramentos da cola:
No futuro não muito distante, provavelmente um proissional não
praticante da “cola” quando estudante, não convidará um daque-
les alunos que “colavamna faculdade, para, juntos, estabelecerem
uma sociedade de negócios, ou mesmo para participarem de um
mesmo grupo de trabalho especíico.
121 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
Uma pessoa que na faculdade colava, pois, ao invés de estudar,
optava pelo meio mais fácil de obter a média para ser aprovada, não se
tornaria de certa forma um proissional de competência duvidosa? E
assim sendo, não seria provavelmente a última opção de alguém para
algum negócio ou parceria?
Por que os alunos colam?
Há várias motivações para a cola. É possível airmar que as cau-
sas são complexas. No Brasil, as provas diϔíceis e a necessidade de ter
média é a motivação para colar segundo a grande maioria dos estu-
dantes pesquisados por Pimenta e Pimenta (2011). A preocupação dos
estudantes com a média obtida nas avaliações está relacionada com a
competitividade instaurada não só no interior da formação acadêmica
como também aquela competitividade que se instaura no mercado de
trabalho. De fato, quanto maior a média, mais competitivo e adequado
ao mercado estaria o estudante.
Apesar de muitos estudantes admitirem que colar é errado mo-
ralmente, eles raramente contam se outro estudante está colando. É
de se notar que alguns estudantes veem a cola como um meio legítimo
para seguir em frente, essa percepção pode ser reforçada pelas poucas
ou inexistentes sanções à cola. Silva et al. (2006) analisaram a cola
comparando essa prática em dois tipos de cursos de graduação em En-
genharia de universidades públicas do Estado de São Paulo com graus
de competição distintos. Os autores relacionaram a prática da cola a
altruísmo, e observaram que no curso em que a competição pratica-
mente não existia, os alunos admitiam que colavam, frequentemente.
Já no curso, em que sabidamente havia competição, ocorria o contrário,
ou seja, a incidência de cola era bem menor.
É importante considerar que a cola também depende de caracte-
rísticas da sala de aula ou instituição, assim como o planejamento das
avaliações e seu nível de diiculdade. Esses aspectos remetem a outros
ligados à prática pedagógica e ao sistema avaliativo, que precisaria
ser mais discutido nas IES. Estas, apesar da preocupação com a cola,
raramente discutem regras sobre fraude acadêmica em suas salas de
aula. Além disso, frequentemente, a cola é tratada como um problema
isolado.
122 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
Fraude acadêmica e ética
Para o enfrentamento da fraude acadêmica, é fundamental que
se discuta mais a partir da ética, do que da moral, apesar de esta ser
uma dimensão importante também. Aristóteles deinia a ética como a
busca pelo bem comum. Considerando esta concepção, a fraude não é
ética uma vez que sua prática favorece somente o indivíduo que dela
fez uso. Pensando no bem de todos, da sociedade, a fraude possibilita,
pela certiicação, o desempenho proissional de pessoas com lapsos de
aprendizagem que podem comprometer a vida, a educação, a segurança
de outras pessoas. Isso não é ético. Pimenta (2008) relaciona a prática
da cola com a desvalorização do conhecimento e com o “jeitinho bra-
sileiro”, em que os brasileiros simulam e tiram vantagens de variadas
situações, relacionando também a cola com toda a corrupção e a crise
ética presente na sociedade.
3 DISCUSSÃO
Após a leitura dos artigos pesquisados e análise documental, foi
identiicado que:
• na Europa (AE1 - 2011, AE2 - 2011 e AE3 - 2009)
Quanto aos objetivos, o AE1 procurava compreender os fatores
determinantes da desonestidade acadêmica; o AE2, explorar e entender
as justiicativas dadas pelos alunos para o comportamento desonesto e
compreender até que ponto as justiicativas dadas podem inluenciar a
denúncia e a prática da fraude; e o AE3, informar aos educadores sobre
o compra de trabalhos para prepará-los para lidar com esse fenômeno.
Quanto à metodologia, no AE1 foi realizado um experimento com
observação do comportamento de estudantes ao responderem a um
teste de ortograia, se colavam ou não; no AE2, um levantamento com
aplicação de questionário; e, no AE3, revisão bibliográica.
Quanto aos resultados, no AE1, concluiu-se que os participantes
que burlavam tinham baixa autoestima, em comparação com aque-
les que não burlavam. Veriicou-se, também que a lealdade tinha um
valor baixo para os que burlavam, enquanto os que não burlavam a
123 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
valorizavam muito; no AE2, os resultados suportam a noção de que
contexto exerce forte inluência na decisão de fraudar. A pressão dos
pares e as atitudes normalizadas para com a desonestidade acadêmica
são as principais inluências sobre a propensão a fraudar; e, o AE3,
propôs estratégias para lidar com o problema da compra de trabalhos.
• na África (AF1 - 2009, AF2 - 2007 e AF3 - 2011)
Quanto aos objetivos, o AF1 pretendia avaliar a percepção e as
respostas à desonestidade acadêmica entre os estudantes da Univer-
sidade de Addis Abeba e da Universidade Jimma; o AF2, analisar as
relações entre os traços de personalidade e frequência de premeditação
de fraude em testes e exames entre os estudantes universitários; e o
AF3, identiicar a porcentagem de estudantes que praticam fraude em
exames internos e externos e quais tipos de fraude.
Quanto à metodologia, no AF1, foi realizado um levantamento
com aplicação de questionário e realização de entrevistas; no AF2, e,
no AF3, foi realizado um levantamento com aplicação de questionário.
Quanto aos resultados, no AF1, 89% dos professores entrevistados
relataram incidência de fraude acadêmica por parte dos alunos, com
magnitude variando entre uma e mais de dez vezes; e é um problema
sério tanto na Faculdade de Educação quanto na Faculdade de Negócios
e Economia; no AF2, a falta de esforço e uma necessidade para buscar
alta excitação podem predispor a praticar a fraude acadêmica. Um mo-
delo para explicar fraude acadêmica é apresentado; e, o AF3, resultados
do estudo indicaram que todos os participantes praticaram fraude em
algum exame e 53,44% já fraudaram duas vezes.
• na América do Norte (AM1 - 2009, AM2 - 2006 e AM3 - 2011)
Quanto aos objetivos, o AM1 procurava analisar uma série de
recur sos relacionados com questões que envolvem a fraude acadêmica
e casos de violação de direitos autorais nos campi universitários; o AM2,
conhecer as atitudes dos estudantes sobre o uso antiético da tecnologia
de informação (como por exemplo, cortar e colar trechos de sites da
Web sem atribuição de autoria) em duas instituições; e o AM3, analisar
124 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
o engajamen to de estudantes de graduação a partir de auto-relato de
atos de desonestidade acadêmica.
Quanto à metodologia, no AM1 revisão bibliográica; no AM2, pri-
meira fase: grupo focal; e segunda fase: um levantamento com aplicação
de questionário; e, no AM3, levantamento com aplicação de questionário,
amostra de 321 participantes de uma universidade pública.
Quanto aos resultados, no AM1, a tecnologia tem ajudado a faci-
litar uma habilidade do estudante para cometer atos de desonestidade
acadêmica e infringir as leis de direitos autorais, mas não tem sido a
única razão por trás destes atos. Invés de desenvolver a compreensão,
a educação tem obtido como resultado a incapacidade do aluno de es-
crever ensaios com sucesso usando citações apropriadas; no AM2, os
estudantes que desaprovam os comportamentos que buscavam altas
sensações em atividades que envolviam álcool, drogas e sexo, em geral,
são mais sérios, idealistas, têm como princípios éticos não fazer mal
aos outros; e, no AM3, mais de metade dos participantes admitiram
envolvimento em pelo menos um dos três tipos de comportamentos
desonestos pesquisados, durante a sua permanência na universidade.
Envolvimento com o curso, as estratégias para a aprendizagem, além de
identiicar as percepções e avaliações de fraude acadêmica pelos pares
e os seus pedidos de ajuda são contribuições únicas para a prevenção
da mesma. Elevada auto-eicácia atuou como um fator de proteção,
que interagia com motivos instrumentais para estudar, reduzindo a
propensão dos alunos a se envolver em comportamentos acadêmicos
desonestos.
• na Ásia (AS1 - 2011, AS2 - 2011 e AS3 - 2009)
Quanto aos objetivos, o AS1 propunha investigar a fraude aca-
dêmica entre estudantes do Instituto Técnico, na Malásia, mais espe-
ciicamente: as técnicas, as medidas preventivas e que tipo de apoio é
dado aos professores para lidar com incidentes de fraude; no AS2, os
autores pretendiam estudar a fraude acadêmica entre os estudantes
de contabilidade em uma universidade, de Jacarta; e, no AS3, examinar
a percepção de estudantes de Cingapura em relação à prevalência e à
severidade da fraude acadêmica e a disposição para denunciar à auto-
ridade competente casos observados.
125 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
Quanto à metodologia, no AS1, foram aplicados questionários com
perguntas abertas para identiicar as técnicas de fraude e uma entre-
vista para obter percepções de docentes e de estudantes sobre fraude;
no AS2, foi aplicado um formulário adaptado da pesquisa de Newstead,
Frankly-Stokes, e Armsted (1996) para detectar fraude acadêmica; e no
AS3, um levantamento com aplicação de questionário;
Quanto aos resultados, no AS1, constatou-se que os participantes
acreditavam que, mesmo se medidas preventivas fossem tomadas, não
seria possível parar com a fraude acadêmica inteiramente; no AS2,
indicam que a maioria dos participantes realizavam vários tipos de
fraude acadêmica e que este fato tende a diminuir sua honestidade no
local de trabalho; que as instituições de ensino e suas equipes precisam
levar a sério esta tendência; e, no AS3, alunos consideraram grave a
cola, enquanto que o plágio foi classiicado como menos grave; a fraude
em projetos coletivos também foi considerada má conduta acadêmica,
embora a maioria dos estudantes admita ter se envolvido em tal compor-
tamento. Os resultados indicam, ainda, que os alunos são moralmente
ambivalentes, bastante tolerantes com essa prática entre os seus pares
e que preferem ignorar o problema, em lugar de relatá-lo.
A análise conjunta das categorias presentes nos 12 artigos dos
quatro continentes indica que quanto:
aos objetivos, a busca de conhecer quantos estudantes praticam frau-
de acadêmica, suas justiicativas para a prática e como a percebem
é preponderante. Além desse objetivo, também ocorre a tentativa de
relacioná-la com traços de personalidade e se as Tecnologias da In-
formação e Comunicação (TICs) facilitam, ou não, a prática. Em nossa
visão, apesar dos artigos pesquisados terem menos de 12 anos, esses
objetivos revelaram um estágio inicial de enfrentamento do fenômeno;
à metodologia, observou-se a preponderância de aplicação de ques-
tionários, acompanhados, ou não, de entrevistas ou grupo focal. A
escolha dessa técnica de coleta de dados deve-se ao fato do tema ser
extremamente complexo e delicado. Poucos estudantes se colocam
a disposição para falar, a maioria evita. O questionário, sendo res-
pondido sem identiicação, possibilita a expressão do que realmente
pensam e fazem;
aos resultados, as respostas dos questionários indicaram que: a) mui-
tos praticam a fraude acadêmica, apesar de entender sua gravidade;
126 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
b) foram elencados vários fatores que se considera a possibilidade de
estarem associados, de alguma forma, à prática da fraude. São eles,
em relação aos estudantes: baixa autoestima, pouca valorização da
lealdade e do esforço, entre outros; em relação ao contexto: este, tal
qual, a pressão dos pares exerce inluência; envolvimento; e c) há uma
preocupação em buscar estratégias de enfrentamento do fenômeno.
4 CONCLUSÃO
A análise e interpretação dos resultados revelaram que muito é
necessário fazer para o enfrentamento do fenômeno da fraude acadê-
mica, pois várias pesquisas restringem-se, ainda, a identiicar quem
pratica e a visão que têm dessa prática. Nos artigos estudados, não
foi apresentada a hipótese de a fraude estar associada a problemas
de ordem metodológica, por exemplo, inadequação das estratégias de
ensino e instrumentos de avaliação. Quanto à metodologia, as técnicas
são limitadas, no nosso entendimento, em função da delicadeza e com-
plexidade do tema. Dentre os resultados, o mais relevante diz respeito
ao fato de os estudantes verem a fraude como um mau comportamento,
mas ainda assim praticá-la.
Os resultados e sua discussão possibilitam reletir sobre os desa-
ios para a implementação de um sistema educacional eicaz e sobre o
que as instituições têm feito para amenizar e até sensibilizar os alunos
de que a fraude prejudica a sua formação acadêmica. O fácil e pronto,
que não demanda esforço, não promove a aprendizagem.
A principal ideia que se pretendeu chamar a atenção, aqui, é de
que a fraude acadêmica constitui uma prática generalizada, naturalizada
e banalizada, no espaço escolar, a qual precisa ser enfrentada como um
problema educacional e não como um tabu.
Consideramos que as instituições de ensino tanto públicas como
privadas precisam rever o que têm feito para enfrentar essa prática.
Assim, cabe perguntar: Quais foram os resultados e se houve mudan-
ça? Qual a melhor atitude a ser tomada quando se lida com um caso
de fraude? De que maneira a prática da fraude pode afetar a formação
proissional dos jovens? São questões que devem ser analisadas com
cuidado não pelo sistema educacional como também pela sociedade
como um todo.
127 COSTA, L.M.; PIMENTA, M.A. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em
quatro continentes
Portanto, se considerarmos que a fraude acadêmica não qualiica
a formação do aluno e não gera conhecimento, ao enfrentarmos esse
problema poderíamos aprimorar o ensino brasileiro. Finalmente, para
enfrentar a fraude acadêmica, é necessária uma ação proativa em vários
níveis do sistema de ensino.
REFERÊNCIAS
BARBOSA, E. B. “Cola” em sala de aula: a taxionomia é o antídoto. 2009. Dis-
ponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/cola_em_sala_de_
aula_a_taxionomia_e_o_antidoto/27874/>. Acesso em: 5 mar. 2010.
BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma
introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, 1994.
BOWERS, W. J. Student dishonesty and its control in college. New York: Bureau,
1964.
BRUINI, Eliane da Costa. Educação no Brasil. 2008. Disponível em: <http://www.
brasilescola.com/educacao/educacao-no-brasil.htm>. Acesso em: 12 set. 2012.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
HOSSNE, W.S.; VIEIRA, S. Fraude em ciência: onde estamos? Revista Bioética,
15: 39-47, 2007.
MCCABE, D. L. Academic dishonesty among high school students. Adolescence,
34(136), 681-687, 1999.
MORAES, Rodrigo. O plágio na pesquisa acadêmica: a proliferação da deso-
nestidade intelectual. [s.d.]. Disponível em: <http://faculdadesocial.edu.br/
dialogospossiveis/artigos/4/06.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2011.
MORESI, Eduardo (Org.). Metodologia da pesquisa. Brasília, DF: UCB, 2003.
PAULSEN, Sandra. O problema da cola. Blog do Noblat, 2009. Disponível em:
< http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2009/01/30/o-problema-da-
cola-157509.asp>. Acesso em: 19 set. 2012.
PIMENTA, M. A. A. Fraude em avaliações na visão de professores e de estudantes:
uma relexão sobre formação proissional e ética. Revista Proϔissão Docente,
Uberaba, v. 10, n. 22, p. 124-138, jul./dez. 2010.
______. Ética e a formação de professores: uma relexão sobre a cola. Revista
Educação & Cidadania, v. 7, n. 1, p. 67- 74, jan./jun. 2008.
128 Multitemas, Campo Grande, MS, n. 47, p. 109-128, jan./jun. 2015
PIMENTA, Maria Alzira de Almeida; PIMENTA, Sônia de Almeida. Fraude em
avaliações de aprendizagens: estudo comparativo entre o Nordeste e o Sudeste
do Brasil. CONGRESO NACIONAL, 4./ ENCUENTRO INTERNACIONAL DE
ESTUDIOS COMPARADOS EN EDUCACIÓN - ¿Hacia dónde va la Educación en
la Argentina y en América Latina? Construyendo una Nueva Agenda, 3. Anais...
2011. Disponível em: <http://www.revistajuridica.uniube.br/index.php/anais/
article/view/436>. Acesso em: 13 jun. 2012.
SANTOS, Fábio Rocha. Plágio discente no contexto da Educação a distância.
SEMINÁRIO MULTIDISCIPLINAR ENIAC 2014, 6. Anais... v. 1, n. 6, P. 7-26. Dis-
ponível em: <http://www.eniac.com.br>. Acesso em: 22 out. 2014.
SILVA, Gabriela Andrade da et al. Um estudo sobre a prática da cola entre uni-
versitários. Psicol. Reϔlex. Crit. [online], v.19, n. 1, p. 18-24, 2006. DOI: http://
dx.doi.org/10.1590/S0102-79722006000100004.
SILVA, Elsa Costa e; CARRILHO, André. Alunos copiam mais nos países mais
corruptos. Diário de Notícias, 18 de junho de 2006. Disponível em: <http://
www.isa.utl.pt/iles/pub/noticias/recortes/alunoscopiam.pdf>. Acesso em:
8 fev. 2012.
TORRESI, Susana I. C.; PARDINI, Vera L.; FERREIRA, Vitor F. Fraudes, plágios
e currículos. Quím. Nova [online], v. 32, n. 6, p. 1371-1371, 2009. DOI: http://
dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000600001.
VASCONCELOS, Sonia M. R.. O plágio na comunidade cientíica: questões cul-
turais e linguísticas. Cienc. Cult., São Paulo, v. 59, n. 3, set. 2007. Disponível
em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-
67252007000300002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 nov. 2012.
Full-text available
Book
Este livro é sobre o revisor de textos profissional, sua atuação, sua formação, sua messe e as relações funcionais de sua jornada de mediação. Para evidenciá-lo, temos que tratar da revisão de textos – sua prática, pois o ofício se define pelo exercício. Adotamos o conceito de mediação como inerente à revisão e ao papel do linguista e analisamos essa visão ao longo dos capítulos. É resultado impresso do percurso pelo qual temos evoluído e pelo qual temos exercido o ofício. Trata-se de uma obra para revisores ou para quem pretende se tornar um de nós. Não é tese nem gramática: não nos arriscaríamos a isso, existem em número suficiente e melhores que seríamos capazes de produzir. Também não é uma obra tratadística ou um compêndio de linguística aplicada – claro que tangenciamos tudo isso ao tentar a panorâmica que fazemos, mas não temos a veleidade de dar cabo das questões; apenas passaremos por elas, aprofundando-nos em alguns pontos sobre os quais nossas leituras e reflexões se fixaram nos últimos anos. A contribuição é na direção de suprir parcialmente a enorme lacuna que existe de discussão teórica sobre o campo em que atuamos. Nossa opção foi por dar abordagem bem abstrata às questões, inclusive aquelas que refletem a prática da revisão. Fizemos isso para maior generalidade. Assim, não cansaremos o leitor com exaustivos exemplos, preferindo diretamente ir às conclusões que obtivemos. Incluímos algumas experiências decorrentes de nossa prática na formação de revisores com sugestões que podem ser adaptadas em diversas circunstâncias; com isso, esperamos encontrar, ao longo de nosso curso, profissionais sempre mais qualificados. Esperamos, inclusive, que esta obra contribua nesse sentido. Queremos que este livro se preste à evolução do pensamento sobre a revisão, que sirva para o crescimento pessoal de alguns colegas e que ele contribua para a valorização de nosso ofício e daqueles que nele colhem os frutos de seu trabalho. O revisor é o ator principal da revisão profissional, pois ele é tão essencial para o trabalho de revisão quanto o texto, ele é o foco desta obra e seu trabalho, a revisão do texto, é a prática e o produto que o define. O revisor profissional é aquele que tem a tarefa de corrigir e aprimorar o escrito de outrem, fazendo as modificações e as adequações necessárias, em diálogo aberto com o autor, de forma a contribuir para a qualidade da publicação. Neste livro, a natureza do serviço de revisão é vista em função da pessoa do revisor; vamos discutir e procurar subsidiar a formação de revisores e a mediação que ele exerce em relação aos escritos e ao mercado linguageiro e livresco.
Full-text available
Article
The goal of the present research was to investigate cheating among undergraduates in two different contexts: low competitiveness versus high competitiveness. Participants were 56 undergraduates from Faculties of Engineering of two kinds of public universities located at Sao Paulo State. In one of the kinds, named Without Competition, students enter knowing the Engineering specialization they will follow, whereas in the other, named With Competition, the students' grades during the two first years of a basic cycle will determine the Engineering specialization they will follow. The participants completed a questionnaire about cheating during the last months. In both universities, communication of answers during examinations occurred between friends. Cheating was less frequent in the university with high competitiveness. Results were discussed from the perspective of the Theories of Social Interchange and Reciprocal Altruism.
Article
Resumo: Muitos acham impossível fraudar a ciência. Infelizmente, tal consideração não é verdadeira. Este trabalho relata alguns dos casos mais famosos de fraude em ciência e discute as possíveis razões de sua ocorrência. Sabe-se estar longe de explicá-las, bem como preveni-las. Entretanto, existe a convicção de que a fraude em ciência necessita aberta discussão. Faz-se necessário criar formas de prevenção e mecanismos de punição. Não há crise de ética em ciência, mas como algumas falhas foram detectadas é preciso aprender a eliminá-las.
Article
ACADEMIC DISHONESTY ON COLLEGE CAMPUSES WAS STUDIED. DATA WERE COLLECTED BY A QUESTIONNAIRE TO A NATIONWIDE REPRESENTATIVE SAMPLE. QUESTIONNAIRES WERE FIRST SENT TO DEANS OF STUDENTS AND STUDENT BODY PRESIDENTS. RESPONSES WERE OBTAINED FROM MORE THAN 600 DEANS AND 500 STUDENT BODY PRESIDENTS. THE DATA PROVIDED IDEAS AND PROBLEMS TO BE STUDIED MORE INTENSIVELY IN THE SECOND STAGE OF THE STUDY. QUESTIONNAIRES WERE THEN SENT TO A SAMPLE OF STUDENTS DRAWN FROM 99 SCHOOLS REPRESENTED BY DEANS AND STUDENT BODY PRESIDENTS OF THE PREVIOUS STAGE. COMPLETED QUESTIONNAIRES WERE RECEIVED FROM 5,000 STUDENTS. THE REPORT OF ANALYSES INCLUDED (1) THE PROBLEM OF ACADEMIC DISHONESTY IN CONTEXT, (2) THE SETTING IN WHICH ACADEMIC DISHONESTY OCCURS, (3) MEASURES OF CHEATING, (4) ACADEMIC PERFORMANCE AND CHEATING, (5) VALUE-ORIENTATION AND CHEATING, (6) HIGH SCHOOL EXPERIENCES AND CHEATING, (7) PEER DISAPPROVAL AND CHEATING, (8) COLLEGE CHARACTERISTICS AND THE LEVEL OF ACADEMIC DISHONESTY, AND (9) INSTITUTIONAL ARRANGEMENTS FOR CONTROLLING ACADEMIC DISHONESTY. A MAJOR FINDING INDICATED THAT MEMBERS OF THE CAMPUS COMMUNITY GROSSLY UNDERESTIMATED THE MAGNITUDE OF THE PROBLEM--AT LEAST HALF THE STUDENTS HAD ENGAGED IN SOME FORM OF ACADEMIC DISHONESTY. FURTHER ACTIVITIES WERE SUGGESTED TO EXPLORE THE EFFECTS OF VARIOUS BACKGROUND FACTORS ON A STUDENT'S PERSONAL SENSE OF DISAPPROVAL OF CHEATING. (RS)
Article
Research on academic dishonesty has generally relied on survey techniques, which may fail to capture students' true feelings about cheating. The present investigation used focus group discussions to gain a fuller understanding of students' beliefs about academic dishonesty. The results suggest that, in regard to their cheating, students generally place the blame on others.
Cola " em sala de aula: a taxionomia é o antídoto Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos
  • E B Barbosa
BARBOSA, E. B. " Cola " em sala de aula: a taxionomia é o antídoto. 2009. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/cola_em_sala_de_ aula_a_taxionomia_e_o_antidoto/27874/>. Acesso em: 5 mar. 2010.
Disponível em: <http://www. brasilescola.com
  • Eliane Da
BRUINI, Eliane da Costa. Educação no Brasil. 2008. Disponível em: <http://www. brasilescola.com/educacao/educacao-no-brasil.htm>. Acesso em: 12 set. 2012.
Como elaborar projetos de pesquisa
  • Antônio Gil
  • Carlos
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
O plágio na comunidade cientííica: questões culturais e linguísticas São Paulo, v. 59, n. 3, set
VASCONCELOS, Sonia M. R.. O plágio na comunidade cientííica: questões culturais e linguísticas. Cienc. Cult., São Paulo, v. 59, n. 3, set. 2007. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009- 67252007000300002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 nov. 2012.
Plágio discente no contexto da Educação a distância
  • Fábio Santos
  • Rocha
SANTOS, Fábio Rocha. Plágio discente no contexto da Educação a distância.