ArticlePDF Available

Do impresso ao digital: a história do Jornal do Brasil

Authors:

Abstract

O trabalho propõe uma análise comparativa dos formatos impresso e online do Jornal do Brasil (JB), a fim de investigar as transformações no perfil editorial do periódico a partir de sua transição definitiva para a plataforma digital, que ocorreu em 2010. Ao todo, foram analisadas 14 publicações do JB, entre impressas e digitais, buscando uma análise comparativa das edições nas duas mídias. O presente artigo apresenta um resgate da história do JB. Além disso, expõe a análise descritiva, com base nos indicadores de identidade levantados em revisão bibliográfica específica e, posteriormente, apresenta os resultados obtidos, tecendo comparações entre os formatos. Palavras-chave: Jornal do Brasil; Jornalismo Digital; Jornalismo Impresso; Imprensa; História do Jornalismo. Abstract: The paper proposes a comparative analysis of printed and online formats of Jornal do Brazil (JB) in order to investigate the changes in the journal's editorial profile from its final transition to the digital platform, which took place in 2010. Altogether, 14 JB issues were analyzed, both printed and digital ones. This article presents a bailout in the history of JB. In addition, it presents the descriptive analysis, based on the identity indicators raised in specific literature review and subsequently presents the results obtained, weaving comparisons between formats. Key-words: Jornal do Brasil; Digital Journalism, Journalism Printed; Press; History of Journalism. Resumen: El documento propone un análisis comparativo de los formatos impresa y electrónica de Jornal do Brasil (JB) con el fin de investigar los cambios en el perfil editorial del diario de su transición final a la plataforma digital, que tuvo lugar en 2010. En total, el estudio analizó 14 publicaciones de JB entre impresos y digitales, para esbozar un análisis comparativo de los temas en los dos medios. En este artículo se presenta un plan de rescate en la historia de JB. Además, se presenta el análisis descriptivo, basado en la identidad de los indicadores planteados en revisión de la literatura específica y, posteriormente, presenta los resultados obtenidos, tejiendo las comparaciones entre los formatos. Palabras clave: Jornal do Brasil; Periodismo digital; Periodismo de impresión; Prensa; Historia del periodismo.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Ana Cristina Menegotto Spannenberg
1, 2
Cindhi Vieira Belafonte Barros
3, 4
RESUMO
O trabalho propõe uma análise comparativa dos formatos impresso e
online
do
Jornal do Brasil (JB)
, a fim de investigar as transformações no perfil editorial do
periódico a partir de sua transição definitiva para a plataforma digital, que ocorreu
em 2010. Ao todo, foram analisadas 14 publicações do JB, entre impressas e digitais,
buscando uma análise comparativa das edições nas duas mídias. O presente artigo
apresenta um resgate da história do JB. Além disso, expõe a análise descritiva, com
base nos indicadores de identidade levantados em revisão bibliográfica específica e,
posteriormente, apresenta os resultados obtidos, tecendo comparações entre os
formatos.
PALAVRAS-CHAVE: Jornal do Brasil; Jornalismo Digital; Jornalismo Impresso;
Imprensa; História do Jornalismo.
1
Uma versão deste trabalho foi apresentada no GT de História do Jornalismo no 10º Encontro
Nacional de História da Mídia, 2015.
2
Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo da Faculdade
de Educação da Universidade Federal de Uberlândia, mestre em Comunicação e Cultura
Contemporâneas (UFBA) e doutora em Ciências Sociais (UFBA). E-mail : anaspann@gmail.com.
3
Jornalista, pós-graduanda em Comunicação e Marketing Político pela Universidade Estácio de Sá
(2014/2015) e bacharel em Comunicação Social: Habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal
de Uberlândia (2013). E-mail : cindhibelafonte@gmail.com.
4
Endereço de contato dos autores (por correio): Universidade Federal de Uberlândia. Faculdade de
Educação. Curso de Comunicação Social.
DO IMPRESSO AO
DIGITAL: a história do
Jornal do Brasil
FROM PRINT TO DIGITAL
: the
story of Jornal do Brazil
DE IMPRESA A LA DIGITAL: la
historia del Jornal do Brasil
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
ABSTRACT
The paper proposes a comparative analysis of printed and online formats of Jornal do
Brazil (JB) in order to investigate the changes in the journal's editorial profile from its
final transition to the digital platform, which took place in 2010. Altogether, 14 JB
issues were analyzed, both printed and digital ones. This article presents a bailout in
the history of JB. In addition, it presents the descriptive analysis, based on the identity
indicators raised in specific literature review and subsequently presents the results
obtained, weaving comparisons between formats.
KEYWORDS: Jornal do Brasil; Digital Journalism, Journalism Printed; Press; History of
Journalism.
RESUMEN
El documento propone un análisis comparativo de los formatos impresa y electrónica
de Jornal do Brasil (JB) con el fin de investigar los cambios en el perfil editorial del
diario de su transición final a la plataforma digital, que tuvo lugar en 2010. En total, el
estudio analizó 14 publicaciones de JB entre impresos y digitales, para esbozar un
análisis comparativo de los temas en los dos medios. En este artículo se presenta un
plan de rescate en la historia de JB. Además, se presenta el análisis descriptivo,
basado en la identidad de los indicadores planteados en revisión de la literatura
específica y, posteriormente, presenta los resultados obtenidos, tejiendo las
comparaciones entre los formatos.
PALABRAS CLAVE: Jornal do Brasil; Periodismo digital; Periodismo de impresión;
Prensa; Historia del periodismo.
Recebido em: 29.11.2015. Aceito em: 16.03.2016. Publicado em: 30.05.2016.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Introdução
A prática de fazer circular informações remonta à Antiguidade, mas a
consolidação do jornalismo decorre da criação da impressão com tipos móveis, no
século XV, atribuída ao ourives alemão Johannes Gutemberg, embora oficialmente
aquele que é considerado o primeiro jornal tenha surgido apenas dois séculos
depois. No Brasil, a imprensa chegou oficialmente com a transferência da Corte
Portuguesa para a colônia, em 1808.
A partir desse período, foram criados inúmeros jornais, de distintos
posicionamentos políticos, ideológicos e, por consequência, editoriais. Entre as
primeiras produções que circularam no país, destacam-se Gazeta do Rio de Janeiro,
que surgiu oficialmente em meados de 1808 e o Correio Braziliense, que datava da
mesma época, mas era produzido e editado em Londres e, por seu caráter crítico,
circulava no território nacional clandestinamente por um longo período.
De modo geral, a consolidação da imprensa no Brasil foi marcada tanto pelo
surgimento de inúmeros periódicos, como pelo desaparecimento de tantos outros,
especialmente em virtude de conjunturas políticas antidemocráticas, que colocavam
fim a produções que iam de encontro à ideologia dos líderes do poder. Ao fim do
século XIX, a transição de regimes políticos – da Monarquia para a República
favoreceu o desenvolvimento industrial e a modernização da imprensa, antes
produzida de modo artesanal. O jornalismo passou a ser uma iniciativa empresarial
de grande porte que, para sobrevivência mercadológica, exigia altos investimentos. O
caráter opinativo, cultivado desde o surgimento para fidelização política e ideológica
do leitor começou a ceder lugar ao viés informativo que é cultivado ainda hoje.
É nesse contexto mudança de regime potico, com a imprensa fortalecida
pelos diversos títulos em circulação pelo território nacional que surge o Jornal do
Brasil (JB), em 1891. Originalmente com caráter monarquista, o periódico precisou
adequar-se ao regime político nacional para manter-se como veículo de
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
comunicação e garantir a circulação pelo território.
Ao longo do século XX, outros meios de comunicação, tais como o rádio, a
televisão e, depois, a internet, foram sendo desenvolvidos e ganhando espaço como
ferramentas para a difusão de notícias. Com a criação de novas tecnologias de
informação e comunicação, possibilitada pelo avanço de técnicas e o
aperfeiçoamento da rede mundial de computadores, criou-se um novo modo de
disseminar notícias, e consequentemente, de se fazer jornalismo. Para aumentar o
fluxo de informações e oferecer notícias em tempo real, pré-requisito do meio
eletrônico e da sociedade globalizada, muitos jornais têm criado portais na Internet,
o que implica, naturalmente, na adaptação de seu conteúdo, já que a proposta é
veicular em uma plataforma diferente.
Nesse contexto de convergência digital, o JB figura com relevância, que é
um dos mais antigos jornais do país e o primeiro a ter um site jornalístico, criado em
maio de 1995, quando a internet ainda era incipiente. O periódico também ganha
destaque no cenário de aumento da influência das novas tecnologias já que é, hoje, o
único jornal inteiramente digital do país: em 2010, o JB abandonou o formato
impresso, tradicionalmente consolidado, e passou a ser veiculado apenas por meio
eletrônico.
A escolha do JB em formato digital como objeto de estudo, deu-se a partir da
ideia de que a temática está inserida numa época de profundas mudanças, em todas
as áreas, devido ao surgimento de novas tecnologias de informação e comunicação.
Estas transformações, ainda que incipientes, alteram o comportamento de toda a
sociedade e o jornalismo figura como um dos principais atores sociais desse novo
tempo.
Desse modo, tendo em vista a relevância do JB para a consolidação da
imprensa nacional, bem como sua relevância político-social no século XX,que se
trata do único impresso que suprimiu integralmente as edições sicas, o presente
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
trabalho buscou analisar as principais mudanças no perfil editorial do jornal a partir
da mudança de formato, sobretudo, no que diz respeito à linguagem e à utilização
de recursos multimidiáticos característicos da plataforma
web.
Em seu
desenvolvimento, realizou-se inicialmente um levantamento bibliográfico acerca da
história da imprensa, seguido do resgaste da história do referido jornal. Por fim, com
a proposta metodológica de uma análise de conteúdo, foram realizadas pesquisas
documentais em edições do acervo, tanto impressas quanto
online
, a partir de um
quadro de operadores definido após consulta bibliográfica e observação exploratória
do
corpus
de pesquisa, a fim de traçar comparações entre os formatos.
Para o desenvolvimento do trabalho, foram analisadas 14 edições, das quais
sete impressas e sete digitais, de 25 a 31 de agosto de 2010 e de 2012,
respectivamente. Com o intuito de investigar se houve transformação no jornal, e
levando em conta o volume de notícias de cada edição, a observação foi pautada na
distribuição gráfica das informações nas capas e, em seguida, no padrão de texto e
na estrutura narrativa de cada uma as matérias. A ideia foi examinar como o jornal
utilizava textos complementares e retrancas, boxes, infografias e imagens nos dois
suportes.
Jornal do Brasil: surgimento e consolidação
A vinda da Corte Portuguesa para o Brasil, no início do século XIX,
impulsionou transformações políticas, econômicas e sociais do território, e
possibilitou o desenvolvimento da imprensa. Ainda que no início os jornais
estivessem todos sob o tacão da Coroa, que adotava a censura prévia como
procedimento elementar, a instalação das oficinas da Imprensa Régia e a criação de
volumes impressos para propagação de notícias foi importante para o
desenvolvimento e a consolidação da imprensa que figura na atualidade.
No Brasil, o jornalismo surgiu político e opinativo, com crítica veemente e
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
modus operandi artesanal. “Em seus primórdios, a atividade jornalística era uma
iniciativa essencialmente individual, independente e estava relacionada, em termos
de produção, à pequena parcela de literatos da sociedade”. (BARROS, 2013, p.15).
no fim do século XIX, em um contexto de transição política e
estabelecimento da República como uma nova forma de governo no país, surgiu o
Jornal do Brasil
(JB). Fundado por Rodolfo de Souza Dantas em abril de 1891, o
periódico nasce com cunho monarquista e chega, segundo Sodré, “para enfileirar-se
entre os grandes. Fora montado como empresa, com estrutura sólida. Vinha para
durar” (1999, p. 257). Originalmente era composto por oito páginas de 120 por 51
centímetros, com capa em corpo 10 e textos distribuídos em colunas de seis
centímetros. Não dispunha de muitas imagens, mas era distribuído em carroças
inovação para a época – que permitiam que os exemplares chegassem ao público de
modo rápido e eficaz. Ainda antes da virada do século, precisamente em 1898, o JB
inicia a publicação de caricaturas e, em 1914, torna-se o primeiro a ter cores em suas
edições.
A primeira redação foi instalada no Rio de Janeiro, à Rua Gonçalves Dias,
número 56 e, de acordo com Bahia (2009), o exemplar custava 40 réis, as assinaturas
semestrais e anuais eram de 6$000 e 12$000 para a capital e 8$000 e 16$000 para o
interior. Essa era “uma tentativa de inovar os métodos da nossa imprensa diária”
(BAHIA, 2009, p. 122). No entanto, o autor afirma que esta estrutura não é a
definitiva.
Sodré (1999) defende que, no início, o JB começa a ocupar um lugar de
destaque na imprensa, com publicação de críticas literárias e resenhas
semanalmente.
No fim do século XIX, o Jornal do Brasil instala oficinas de fotografia e
galvanoplastia e, em 1900, volta a contar com a colaboração de Rui Barbosa
como redator de notas. Nesse ano, relata Sodré (1999), surge a Revista da
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Semana, como suplemento ilustrado do jornal e, em 2 de abril, inaugura-se a
edição vespertina do JB, que passa a ser o primeiro jornal brasileiro a ter duas
edições. O avanço nas tecnologias aumenta a tiragem para 50 mil exemplares.
(
BARROS, 2013, p. 29
).
Com o desenvolvimento tecnológico e investimento em maquinário, o JB inicia
o século XX com o melhor equipamento gráfico do país, e com tiragem de mais de
60 mil exemplares, conforme afirma Sodré (1999). Em 1904, o jornal construiu sua
sede própria e adquiriu as primeiras linotipos de impressão em cores do Rio de
Janeiro. Para se manter, devido ao alto custo dos investimentos, a empresa abriu
capital e tornou-se uma sociedade anônima. Em 1910, transferiu-se para a nova sede,
na Avenida Central, e chegou a ter cinco edições diárias.
Em 1956, com o objetivo de conservar o pioneirismo com o qual se
consolidou, o JB realizou uma reforma editorial e gráfica, que am de transformar o
perfil do diário, revoluciona a concepção de jornalismo no país. Segundo Mannarino,
“o jornal foi reformulado em todos os níveis, em um processo que atingiu tanto a
publicação e seu conteúdo gráfico e editorial como a empresa, seu funcionamento, o
método de trabalho e o perfil dos funcionários” (2006, p. 49).
Depois dessa reforma, outras mudanças significativas foram sendo testadas e
incorporadas ao perfil do jornal, tais como a editoria feminina, o Informe JB e a
Revista de Domingo, além de um tom mais leve conferido à editoria esportiva.
Durante a década de 1960, em que o Brasil vivencia o início do regime militar, o JB
buscou manter sua independência, apoiando medidas político-econômicas com as
quais concordava e criticando as que considerava inapropriadas ou abusivas.
Durante o período, o JB sofreu represálias, censuras prévias, perseguições e
prisões de colaboradores, assim como outros periódicos do país. Conforme Paiva, à
época o jornal “edita algumas das páginas mais brilhantes e subversivas do período,
como as que anunciaram o AI-5, repleta de ironias e insinuações e a queda de
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Allende, com forte impacto e beleza gráfica” (2008, p. 4).
Já em 1990, apesar do agravamento da situação econômica do jornal, o
avanço tecnológico figura com destaque. Em 1995, o JB foi o primeiro periódico
brasileiro a ter uma página na internet, no que foi seguido por diversos outros que,
atentando-se para a nova tendência, começaram a considerar a convergência como
mecanismo de publicação de conteúdo. Na década de 2000, a crise econômica se
intensifica em razão das dívidas já em curso e da concorrência enfrentada pelo jornal
em relação a outros periódicos e, também, em relação a novas mídias. Em 1º de
setembro de 2010, o JB abandonou, definitivamente, o formato impresso com o qual
se ergueu e consolidou por quase 120 anos para migrar integralmente para o meio
online e se tornar, como anuncia o próprio slogan, o primeiro jornal 100% digital do
Brasil.
Na nova arquitetura, o JB permanece com inovações: inaugura uma seção
especializada em fotos e vídeos, e modifica a disposição do conteúdo em sua
página inicial. [...] No suporte
online
, o volume de informações a serem
veiculadas passa a ser maior do que o do impresso, especificamente por causa
da característica do formato em não oferecer restrições quanto ao espaço para
armazenamento (
BARROS, 2013, p. 38
).
De modo a tornar-se mais popular e a permitir mais interatividade com o
público, o JB aderiu, além da versão
online
, o uso de redes sociais e microblogs para
facilitar o contato com os leitores. À época da transição para a plataforma digital,
foram criadas contas em páginas como Facebook e Twitter, que permitem que o
leitor tenha mais acesso às informações veiculadas, o que, por consequência, garante
que o jornal se torne mais conhecido e, portanto, mais lido.
Hoje, cinco anos depois da transição, o JB permanece com divisão de editorias
semelhante às apresentadas em 2012, quando a amostra foi colhida. Cabe ressaltar
que tendo em vista a possibilidade de alteração em tempo real, inerente ao formato
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
online
, houve uma reorganização da distribuição das editorias, se comparadas com a
amostra.
Metodologia
A transição de um jornal do suporte impresso para o formato online implica,
necessariamente, em alterações estruturais e quanto à disposição da notícia. Tais
mudanças ocorrem porque formatos oferecem diferentes possibilidades de
veiculação. Tendo em vista tais preceitos, o estudo considera possível a ocorrência de
alterações no perfil editorial do Jornal do Brasil.
Para o seu desenvolvimento, foram realizadas pesquisas bibliográficas e
documentais sobre a história do jornal. Considerando que o periódico é um dos mais
antigos ainda em circulação, com 124 anos de existência, e, por essa razão, dispõe de
um acervo com inúmeros exemplares, o estudo optou por selecionar 14 edições, das
quais sete no formato impresso e as demais, no suporte online.
As publicações impressas compreendem o período de 25 a 31 de agosto de
2010, última semana em que o JB circulou no papel. As demais correspondem às
edições de 25 a 31 de agosto de 2012, o equivalente ao tempo de dois anos após a
transição. O espaço de tempo entre as duas amostras justifica-se porque, considera-
se que passados dois anos da ocorrência apenas em formato online, o periódico
ultrapassou a fase inicial de experimentação e pode ser considerado consolidado
nesse suporte.
Análise comparativa
O estudo buscou analisar aspectos semelhantes em cada uma das plataformas.
Nos dois formatos, optou-se por suprimir a análise de matérias relacionadas à cultura
e ao esporte, tendo em vista que são dois formatos com construção textual e gráfica
específicas.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Importante ressaltar que o estudo analisou apenas matérias de capa que eram
parte do caderno principal. É relevante destacar que, na versão
online
, este trabalho
considera como capa o bloco de notícias compreendido entre o cabeçalho das
editorias e a faixa da galeria de fotos e vídeos. Nos últimos meses de sua vida no
papel, o JB era editado em formato tabloide, com dimensões de 43 x 27 centímetros,
aproximadamente. Ele contava com 32 páginas, número que variava conforme a
edição, e era dividido em três cadernos. No caderno principal, as editorias Cidade,
País, Sociedade Aberta e Vida, Saúde&Ciência distribuíam-se em 16 páginas. O
segundo caderno, com oito páginas, compunha-se das editorias de Economia,
Internacional e Esportes. Por fim, o terceiro conjunto, também com oito páginas, era
dedicado ao Caderno B, suplemento que aborda conteúdos de cultura, como música,
cinema, teatro, e comportamento, além de destinar espaços para entretenimento.
As matérias veiculadas nas edições possuíam a mesma padronização gráfica,
distribuídas em cinco colunas nas páginas e fazem uso de elementos como imagens,
fotos, infografias e artes para, de modo semelhante às retrancas e intertítulos,
complementarem a informação. também a utilização de “olhos”, ou seja, trechos
de frases de autoria das fontes destacados com tipologia maior que o corpo do
texto, o que tem o propósito de despertar a atenção visual e o interesse do leitor, de
modo a conferir à matéria um caráter mais atrativo.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Figura 1 - Fac-símile da última capa do exemplar impresso do
Jornal do Brasil
Fonte:
Jornal do Brasil
– CPDOC (2012) – BARROS, 2013.
no formato online, o JB contava em 2012 com dez editorias, sendo:
Capa, País – que se subdivide em Sociedade Aberta e Política – Rio, Economia,
Internacional, Esportes, Ciência e Tecnologia – que possui a subeditoria Ambiental –
Cultura, Colunistas – que possui outras 12 subeditorias – e Fotos e Vídeos. É possível
observar que, mesmo com a transição, algumas editorias foram mantidas, como
Economia, Esportes, Internacional e País, inclusive com a subeditoria Sociedade
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Aberta, advinda do impresso. A editoria Rio, veio a substituir a de Cidades e outras,
como Vida, Saúde&Ciência e o Caderno B foram suprimidas nesse novo formato.
Figura 2 - Capa do Jornal do Brasil Online, com destaque nos itens analisados
(31/ago/2012)
Fonte: Jornal do Brasil
(2012)
BARROS, 2013.
De modo geral, nota-se que as reportagens analisadas no formato
online
tinham a mesma estrutura narrativa daquelas observadas no formato impresso, cuja
construção é embasada no lide e na técnica da pirâmide invertida. Observa-se
também que o formato fazia uso de retrancas e intertítulos como recurso para
complementar as informações das notícias principais.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Entre as diferenças, pode-se ressaltar no
online
a disposição em um único
bloco, sem distribuição em colunas e ausência de imagens no corpo da reportagem.
Havia uma editoria específica para imagens e vídeos, mas não encontrava-se, nas
matérias, qualquer orientação para acessá-la. Com essa seção exclusiva, pode-se
inferir que o internauta teria à disposição uma gama de opções para vislumbrar, de
forma plena, o cenário descrito na reportagem. No entanto, essa iniciativa privava o
leitor de enxergar, de uma vez, a totalidade da notícia jornalística. Enquanto no
formato impresso ele via texto e imagem lado a lado, a disposição adotada na web o
coloca em contato com apenas um dos elementos por vez.
Com relação às imagens, nota-se que no formato impresso, havia mais de uma
foto por página. Das 41 notícias examinadas, localizou-se 44 imagens e/ou artes,
enquanto no formato online, das 51 matérias, apenas nove foram encontradas junto
da diagramação do texto (ver gráfico 1).
ISSN nº 2447-
4266
DOI:
http://dx.doi.org/10
Gráfico 1 -
Análise comparativa das imagens encontradas nas reportagens dos
No texto impresso, a narrativa ocorre em blocos de informações,
recursos que a
web
oferece.
Para Canavilhas, “usar a técnica da pirâmide invertida na web é cercear o
4266
Vol. 2, Especial 1,
maio
http://dx.doi.org/10
.20873/uft.2447-
4266.2016v2especial1p
Revista Observatório, Palmas, v. 2,
n. Especial 1, p.
Análise comparativa das imagens encontradas nas reportagens dos
formatos impresso e
online
Fonte:
BARROS, 2013.
No texto impresso, a narrativa ocorre em blocos de informações,
hierarquizadas conforme sua relevância e é complementada por recursos como
retrancas e intertítulos, a fim de possibilitar ao leitor um entendimento pleno da
notícia exposta. Nas publicações
online
, por sua vez, a análise permite observar que
as características textuais e gráficas vão de encontro às especificidades do formato. A
construção textual é hierarquizada e fundamenta
-
se no uso de lide e pirâmide
invertida, assemelhando
-se à particulari
dade do impresso, o que configura mera
reprodução de técnicas de redação impressa e impossibilita a exploração plena dos
oferece.
Para Canavilhas, “usar a técnica da pirâmide invertida na web é cercear o
maio
. 2016
4266.2016v2especial1p
230
n. Especial 1, p.
230-250, maio. 2016
Análise comparativa das imagens encontradas nas reportagens dos
No texto impresso, a narrativa ocorre em blocos de informações,
hierarquizadas conforme sua relevância e é complementada por recursos como
retrancas e intertítulos, a fim de possibilitar ao leitor um entendimento pleno da
, por sua vez, a análise permite observar que
as características textuais e gráficas vão de encontro às especificidades do formato. A
se no uso de lide e pirâmide
dade do impresso, o que configura mera
reprodução de técnicas de redação impressa e impossibilita a exploração plena dos
Para Canavilhas, “usar a técnica da pirâmide invertida na web é cercear o
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
webjornalismo de uma de suas potencialidades mais interessantes: a adoção de uma
arquitetura noticiosa aberta e de livre navegação” (2008, p. 7). Importante ressaltar
que o autor defende que o lide na web seja distribuído em uma nova lógica de
leitura, denominada pirâmide deitada. Segundo ele, essa técnica, tal como a do lide,
permite que o leitor abandone a leitura a qualquer momento, sem comprometer seu
entendimento do fato, mas nesse modelo, “é-lhe oferecida a possibilidade de seguir
apenas um dos eixos de leitura ou navegar livremente dentro da notícia”
(CANAVILHAS, 2008, p. 14).
Outro aspecto observado no conteúdo
online
foi a distribuição de textos
extensos na mesma página, evitando a utilização de
links
5
para relacionar assuntos
afins, o que seria mais apropriado para a plataforma, que na web prima-se pelo
texto rápido, direto e fluido. Segundo com Ward (2006), a possibilidade de o leitor
percorrer os próprios caminhos na web, aliada ao desconforto inerente da leitura em
telas digitais exige a produção de matérias curtas, apenas com as informações
elementares. Para o autor:
Dividir a reportagem em blocos maximiza o potencial de leitura. As
reportagens podem ser complexas, com vários assuntos, ângulos e áreas de
cobertura. Como resultado, os leitores irão se sentir atraídos pelas
diferentes partes da reportagem e por diferentes razões. Quando
apresentadas em uma única reportagem pirâmide, os leitores precisam
separar a informação que não os motiva daquela que desejam. Alguns não
se incomodam e buscam algo novo. Isso minimiza o potencial de leitura.
Porém, se a reportagem for segmentada em diferentes seções que podem
ser localizadas pelo leitor (...) e lidas separadamente, sem a necessidade de
recorrer a outras seções, será possível satisfazer o potencial do usuário
médio e maximizar o potencial de leitura. (WARD, 2006, p. 127-128)
5
Links são palavras ou pequenos blocos de texto que conectam assuntos semelhantes em diferentes
páginas na web. Foge aos interesses desse trabalho detalhar o conceito de tal terminologia. Para mais
informações ler: MIELNICZUK, Luciana; PALACIOS, Marcos. Considerações para um estudo sobre o
formato da notícia na Web: o link como elemento paratextual. Pauta Geral, Salvador, 2002.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
Constatou-se, portanto, na amostra do JB
online
analisada, a sub-exploração
das ferramentas de que o suporte dispõe, para adotar a mera reprodução do que é
feito segundo preceitos tradicionais de jornalismo para veículos impressos. Nesse
caso, para uma plena utilização do potencial multimidiático da plataforma, seria
necessário exibir algumas imagens no corpo do texto, a título de ilustração da
matéria e, posteriormente, utilizar a seção específica para fornecer imagens e vídeos
complementares. Isso permitiria que os leitores que optassem por cessar a leitura em
algum ponto do texto, o fizessem de modo a não terem o prejuízo visual e pudessem
ter entendimento mais completo do que estavam lendo.
De outro lado, cabe ressaltar que a alteração do formato do JB modificou
significativamente o tempo de veiculação das notícias. Para atender à necessidade da
sociedade globalizada, ávida por notícias em tempo real, e considerando que esta é
uma funcionalidade do formato web, a disponibilização de conteúdos ocorre com
frequência, conforme o surgimento das notícias.
Além da mudança do nome das editorias, a mudança de formatos trouxe uma
alteração nas principais temáticas abordadas pela capa. Na versão impressa, percebe-
se um relativo equilíbrio na abordagem das temáticas. Os principais assuntos são,
assim como no
online
, País e Cidade, com 12 e 11 ocorrências. Em segundo lugar,
estão Economia, Esporte, Internacional e Caderno B, com sete aparições no último
item e oito em cada um dos demais. As outras temáticas, como Vida, Ciência&Saúde,
Carro&Moto e o caderno de Domingo têm pouca representação no escopo
analisado.
ISSN nº 2447-
4266
DOI:
http://dx.doi.org/10
Gráfico 2 -
Editorias que figuram na capa do
Já nas
edições em formato digital, há predominância dos temas País, Rio,
analisadas.
4266
Vol. 2, Especial 1,
maio
http://dx.doi.org/10
.20873/uft.2447-
4266.2016v2especial1p
Revista Observatório, Palmas, v. 2,
n. Especial 1, p.
Editorias que figuram na capa do
Jornal do Brasil
FONTE: BARROS, 2013.
edições em formato digital, há predominância dos temas País, Rio,
Internacional e Economia, com 23, 13, sete e seis ocorrências, respectivamente. As
demais editorias, de Esporte, Ciência e o Informe JB aparecem com menos
representatividade e a editoria de
Cultura não possui nenhum destaque nas edições
maio
. 2016
4266.2016v2especial1p
230
n. Especial 1, p.
230-250, maio. 2016
Jornal do Brasil
Impresso
edições em formato digital, há predominância dos temas País, Rio,
Internacional e Economia, com 23, 13, sete e seis ocorrências, respectivamente. As
demais editorias, de Esporte, Ciência e o Informe JB aparecem com menos
Cultura não possui nenhum destaque nas edições
ISSN nº 2447-
4266
DOI:
http://dx.doi.org/10
Gráfico 3 -
Editorias que figuram na capa do
Outra mudança notória relaciona
que foi alterada para
Ciência e Tecnologia. O Caderno B foi substituído por Cultura.
Considerações finais
Após as análises dos 14 exemplares do
online,
pode representar uma abordagem inédita do jornal.
Se na versão impre
4266
Vol. 2, Especial 1,
maio
http://dx.doi.org/10
.20873/uft.2447-
4266.2016v2especial1p
Revista Observatório, Palmas, v. 2,
n. Especial 1, p.
Editorias que figuram na capa do
Jornal do Brasil Online
Fonte: BARROS, 2013.
Outra mudança notória relaciona
-
se à alteração do nome de algumas
editorias, como Cidades, que passou a
ser denominada Rio, e Vida, Ciência&Saúde,
Ciência e Tecnologia. O Caderno B foi substituído por Cultura.
Após as análises dos 14 exemplares do
Jornal do Brasil,
indícios de alteração no perfil do periódico. A mudança de temas abordados na capa,
o que denota uma diferenciação no destaque dos assuntos do impresso para o
pode representar uma abordagem inédita do jornal.
Se na versão impre
ssa os temas apareciam com mais equilíbrio, tratando de
diversas editorias do periódico, na web, havia predominância dos assuntos ligados ao
País e ao Rio, principalmente com relação à política. Infere
-
se que estas sejam as
maio
. 2016
4266.2016v2especial1p
230
n. Especial 1, p.
230-250, maio. 2016
Jornal do Brasil Online
se à alteração do nome de algumas
ser denominada Rio, e Vida, Ciência&Saúde,
Ciência e Tecnologia. O Caderno B foi substituído por Cultura.
Jornal do Brasil,
é possível constatar
indícios de alteração no perfil do periódico. A mudança de temas abordados na capa,
o que denota uma diferenciação no destaque dos assuntos do impresso para o
ssa os temas apareciam com mais equilíbrio, tratando de
diversas editorias do periódico, na web, havia predominância dos assuntos ligados ao
se que estas sejam as
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
categorias de maior interesse do público, tendo em vista que abordam temas
factuais tanto na região em que o jornal é produzido quanto em outras áreas do país.
Há que se destacar, ainda, que a transição provocou, naturalmente, uma
alteração na estrutura do jornal, tanto em aspectos editoriais, com a troca de
nome de algumas seções, como nos elementos gráficos e no modo de dispor
o conteúdo. Contudo, no que se refere ao padrão de textos adotado, cabe
destacar que mesmo com a mudança de plataforma e o surgimento de novas
possibilidades de construção narrativa e transmissão de informações, o
modelo textual foi quase integralmente mantido. (
BARROS, 2013, p. 54
)
No que se refere às características da plataforma digital, nota-se que o JB está
em conformidade com o que preconiza Palácios (2003). O autor afirma que os
principais elementos da web são a multimidialidade, que é a convergência de
formatos tradicionais de mídia; a interatividade, que permite ação do internauta
como também produtor da notícia; a hipertextualidade, que é a conexão de assuntos
por meio de links, e a personalização, que permite acesso a conteúdos antigos mais
facilmente.
No caso específico do
Jornal do Brasil,
verifica-se a existência, ainda que
incipiente, desses elementos. A multimidialidade é representada pela seção de Fotos
e Vídeos que aparece na página inicial e também em uma das abas superiores de
acesso. Por meio dessa editoria, além do texto, o internauta pode visualizar imagens
da situação descrita e, desse modo, complementar o entendimento.
No que se refere à interatividade, o JB enquanto veículo
online
apresenta
mecanismos de interagir com o público e possibilitar que este interaja com as
notícias. O primeiro mecanismo desenvolvido pelo jornal é o de oferecer ao
internauta, assinante, a possibilidade de tecer comentários abaixo das notícias. Outo
mecanismo foi a criação de páginas em redes sociais como o Facebook e Twitter.
Com essas contas, o JB se populariza e atualiza periodicamente o seu conteúdo,
fazendo com que os leitores tenham acesso cada vez mais facilitado às informações e
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
possam replicar as notícias, comentá-las, contestá-las a qualquer tempo.
Sobre a memória, percebe-se sua existência na plataforma, que a
localização do conteúdo pode ser facilitada por meio da ferramenta de busca por
palavras-chave, disponível no topo direito da página, abaixo do cabeçalho. Em
relação à personalização, há que se considerá-la presente, já que o conteúdo é
disposto no site e fica à critério do internauta selecionar o que vai ler.
Por fim, no que diz respeito à hipertextualidade, ou seja, à interconexão de
assuntos por meio de
links
, é necessário enfatizar a escassez desse recurso. Com base
nas observações, em lugar de utilizar os links para relacionar conteúdos semelhantes
ou comuns, o periódico apresenta a notícia em blocos textuais, por vezes extensos.
Isso, aliado à falta de exploração de recursos multimídias na matéria, como imagens
e vídeos, dificulta a leitura do internauta, pois exige uma imersão no conteúdo para
pleno entendimento.
Portanto, é possível sinalizar que, embora a transição para o formato
online
ainda não tenha sido plena, no sentido de possibilitar a exploração de todos os
recursos multimidiáticos oferecidos, na amostra observada em 2012 havia
alterações significativas na estrutura do periódico na sua plataforma online. Há
também indícios de transformações no perfil, já que pela amostra observada, o
destaque no novo formato descarta algumas das editorias elencadas na capa do
impresso. “Por esses motivos, acredita-se não ser possível afirmar que houve
mudança efetivamente plena no perfil editorial do JB, mas, sim, que esta mudança
está em curso, tendo avançado em alguns itens, mas com outros ainda mantidos”
(BARROS, 2013, p. 54).
Referências
BAHIA, Benedito Juarez. História, jornal e técnica: história da imprensa brasileira.
Rio de Janeiro: Mauad X, 2009, 5ª edição.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 2, Especial 1, maio. 2016
DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2especial1p230
Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. Especial 1, p.230-250, maio. 2016
BARROS, Cindhi Vieira Belafonte. O Jornalismo no século XXI: estudo de caso do
Jornal do Brasil. 2013. 69 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em
Comunicação Social: habilitação Jornalismo) Universidade Federal de Uberlândia,
Uberlândia (MG), 2013.
CANAVILHAS, João. Webjornalismo: Da pirâmide invertida à pirâmide deitada.
Biblioteca Online de Ciências da Comunicação (BOCC), Universidade Beira-
Interior, Covilhã, Portugal, 2008. Disponível em
http://www.bocc.ubi.pt/pag/canavilhas-joao-webjornalismo-piramide-invertida.pdf.
Acesso em 20 mar. 2012
CPDOC. Jornal do Brasil
JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro: Redação do Jornal do Brasil, ano 120, n. 139-145,
25-31 ago. 2010.
JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro: Redação do Jornal do Brasil, ano 122,25-31 ago.
2012. Disponível em http://www.jb.com.br/. Acesso em 25-31 ago. 2012.
MANNARINO, Ana de Gusmão. Amilcar de Castro e a página neoconcreta. 2006,
147 fls. Dissertação (Mestrado em História)-Pontifícia Universidade Católica do Rio de
Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.
PAIVA, José Ferreira. Trajetória histórica do Jornal do Brasil. Revista do Núcleo
Interdisciplinar de Pesquisas Midiáticas Intermídia. Alagoas, vol1 n. 2 jan./jun.
2008.
SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. 4.ed. Rio de Janeiro:
Mauad, 1999.
WARD, Mike. Jornalismo online. Tradução Moisés Santos, Silvana Capel dos Santos,
colaboração da tradução, Tatiana Gerasimezuk Castellani. São Paulo: Roca, 2006.
Título original: Journalism online.
Article
Full-text available
Este trabalho tem como objetivo entender a repercussão da encefalopatia espongiforme bovina (EEB), popularmente conhecida como "doença da vaca louca", no Jornal do Brasil, entre os anos de 1990 e 1996. Analisaremos a emergência da doença na Europa, seus impactos econômicos, científicos e culturais, e a circulação da temática no Brasil. Faremos uma discussão, tendo como base empírica o tema da EEB, sobre as relações entre história das doenças e história ambiental. Algumas hipóteses também serão levantadas a respeito da mudança da posição econômica do Brasil no mercado global da carne após a epidemia. This paper aims to understand the impact of bovine spongiform encephalopathy (BSE), popularly known as "mad cow disease", in the Jornal do Brasil, between the years 1990 and 1996. We will analyze the emergence of the disease in Europe, its economic impacts, scientific and cultural, and the circulation of the theme in Brazil. We will have a discussion, based on the BSE theme, on the relationship between the history of diseases and environmental history. Some hypotheses will also be raised about the change in Brazil's economic position in the global meat market after the epidemic.
Jornalismo no século XXI: estudo de caso do Jornal do Brasil. 2013. 69 fls. Trabalho de Conclusão de Curso
  • Cindhi Barros
  • Vieira Belafonte
BARROS, Cindhi Vieira Belafonte. O Jornalismo no século XXI: estudo de caso do Jornal do Brasil. 2013. 69 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social: habilitação Jornalismo) -Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG), 2013.
Dissertação (Mestrado em História)-Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
  • Ana Mannarino
  • De Gusmão
MANNARINO, Ana de Gusmão. Amilcar de Castro e a página neoconcreta. 2006, 147 fls. Dissertação (Mestrado em História)-Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.
Trajetória histórica do Jornal do Brasil. Revista do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Midiáticas Intermídia. Alagoas
  • José Paiva
  • Ferreira
PAIVA, José Ferreira. Trajetória histórica do Jornal do Brasil. Revista do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Midiáticas Intermídia. Alagoas, vol1 n. 2 -jan./jun.
História da Imprensa no Brasil. 4.ed. Rio de Janeiro: Mauad
  • Nelson Sodré
  • Werneck
SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. 4.ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.
Tradução Moisés Santos, Silvana Capel dos Santos, colaboração da tradução, Tatiana Gerasimezuk Castellani
  • Mike Ward
  • Online
WARD, Mike. Jornalismo online. Tradução Moisés Santos, Silvana Capel dos Santos, colaboração da tradução, Tatiana Gerasimezuk Castellani. São Paulo: Roca, 2006. Título original: Journalism online.
Webjornalismo: Da pirâmide invertida à pirâmide deitada
  • João Canavilhas
CANAVILHAS, João. Webjornalismo: Da pirâmide invertida à pirâmide deitada.