ArticlePDF Available

Abstract

O presente texto apresenta algumas reflexões sobre a relação professor/aluno no processo de ensino aprendizagem. Neste trabalho procurou-se discutir a relevância das relações professor-aluno nas diferentes dimensões do processo ensino aprendizagem que se desenvolve em sala de aula, e que muita vezes requer dos professores transpor os papeis formais da atividade docente, dando estrutura ao aprendizado, orientando e ajudando os alunos a estudar e aprender. Nesse sentido, o trabalho busca mostrar o quanto é recíproca a relação professor/aluno e suas implicações na aprendizagem escolar.
1
A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM
Lílian Ferreira Rodrigues Brait1 lilianbrait@yahoo.com.br
Keila Márcia Ferreira de Macedo.2 kmcarvalho@yahoo.com.br
Francis Borges da Silva3 francisdatyaia@yahoo.com.br
Márcio Rodrigues Silva.4 marcioufg@gmail.com.
Ana Lúcia Rezende de Souza5 alrezendes@bol.com.br
Resumo: O presente texto apresenta algumas reflexões sobre a relação professor/aluno no
processo de ensino aprendizagem. Neste trabalho procurou-se discutir a relevância das
relações professor-aluno nas diferentes dimensões do processo ensino aprendizagem que se
desenvolve em sala de aula, e que muita vezes requer dos professores transpor os papeis
formais da atividade docente, dando estrutura ao aprendizado, orientando e ajudando os
alunos a estudar e aprender. Nesse sentido, o trabalho busca mostrar o quanto é recíproca a
relação professor/aluno e suas implicações na aprendizagem escolar.
1 Professora do Curso de Educação Física do Campus Jataí UFG. Email: lilianbrait@yahoo.com.br
2 Professora do Curso de Educação Física do Campus Jataí UFG. Email: kmcarvalho@yahoo.com.br
3 Professor do Curso de Geografia do Campus Jataí UFG. Email: francisdatyaia@yahoo.com.br
4 Professor do Curso de Geografia do Campus Jataí UFG. marcioufg@gmail.com
5 Professora do Curso de Enfermagem do Campus Jataí UFG. Email: alrezendes@bol.com.br
2
Palavras-chave: Relação; professor/aluno; ensino-aprendizagem.
Abstract: This paper presents some reflections on the relationship between teacher and
student in teaching and learning process. In this paper it was attempted to discuss the
relevance of teacher-student relations in the different dimensions of the learning process that
are developed in the classroom, and that it often requires teachers to incorporate the roles of
formal educational activity, giving structure to learning, guiding and helping students to study
and learn. Accordingly, the work seeks to show how reciprocal teacher / student relationship
is and its implications for school learning.
Key words: Value; teacher / student, teaching and learning.
1. Introdução
O mundo, decorrente dos avanços científicos e mudanças nos padrões de vida, está
menor. Seu encolhimento nos mostra que graças às inovações dos transportes e comunicações
o tempo está aniquilando o espaço. Assim, o espaço pode ser apropriado pela ciência. O
modernismo altera o sentido de espaço e tempo: estes deveriam ser organizados e dominados
para facilitar e celebrar a libertação do homem (HARVEY, 1993). Este cenário deve ser
considerado quando pensamos na relação ensino-aprendizagem.
As relações humanas, embora complexas, são elementos fundamentais na realização
comportamental e profissional de um indivíduo. Desta forma, a análise dos relacionamentos
entre professor/aluno envolve intenções e interesses, sendo esta interação o eixo das
conseqüências, pois a educação é uma das fontes mais importantes do desenvolvimento
comportamental e elemento agregador de valores nos membros da espécie humana.
3
Neste sentido, a interação estabelecida entre o ensino/aprendizagem caracteriza-se pela
seleção, preparação, organização e sistematização didática dos conteúdos para facilitar o
aprendizado dos alunos.
Para Gomes (2006, p.233), uma prática pedagógica precisa ter dinâmica própria, que
lhe permita o exercício do pensamento reflexivo, conduza a uma visão política de cidadania e
que seja capaz de integrar a arte, a cultura, os valores e a interação, propiciando, assim, a
recuperação da autonomia dos sujeitos e de sua ocupação no mundo, de forma significativa.
Vejamos um cenário que se apresenta atualmente como espaço de construção do
processo ensino-aprendizagem e que deve ser considerado para que este seja eficaz.
Segundo Morin (2000), a separação entre sujeito e objeto do conhecimento torna cada
vez menos impraticável à possibilidade de reflexão do sujeito sobre sua pesquisa. Há uma
diversidade de informações e conhecimentos, impossível de serem armazenadas por um ser
humano, gerando cada vez mais especialidades nas pesquisas e impedindo o próprio
pesquisador de ter idéias gerais sobre outros assuntos.
Essa realidade deve ser considerada para que o processo de ensino seja completo,
culminando naturalmente na aprendizagem do aluno. O aluno, que por definição do próprio
termo não teria luz, na verdade chega com muita informação que se trabalhada corretamente
pode vir a brilhar. A diversidade de informações acessíveis aos estudantes na atualidade deve
ser um ponto a ser considerado positivamente e não como empecilho no processo
ensino/aprendizagem.
Segundo Gadotti (1999), o educador para pôr em prática o diálogo, não deve colocar-
se na posição de detentor do saber, deve antes, colocar-se na posição de quem não sabe tudo,
reconhecendo que mesmo um analfabeto é portador do conhecimento mais importante: o da
vida.
Conduzido assim, o aprender se torna mais interessante quando o aluno se sente parte
e contemplado pelas atitudes e métodos de motivação em sala de aula. O prazer pelo aprender
não é uma atividade que surge espontaneamente nos alunos, pois, não é uma tarefa que
cumprem com satisfação, sendo em alguns casos encarada como obrigação. Para que o
professor consiga êxito entre os alunos, cabe uma difícil tarefa de despertá-los à curiosidade,
ao aprendizado prazeroso, e à necessidade de cultivar sempre novos conhecimentos em meio
às atividades propostas e acompanhadas pelo professor.
4
2. Ensino/aprendizagem
O processo de ensino/aprendizagem ao que tange a figura do professor e a sua relação
com os alunos, não deve ter como cerne, somente o conhecimento resultante através da
absorção de informações, mas também pelo processo de construção da cidadania do aluno.
Apesar de tal, para que isto ocorra, é necessária a conscientização do professor de que facilitar
a aprendizagem de seus alunos lhe possibilita estar aberto às novas experiências, compreender
o mundo em que estão inseridos e também numa relação empática aos sentimentos e aos
problemas de seus alunos e tentar levá-los à auto-realização.
Simplificar o conhecimento científico, sem mudar seu conteúdo essencial gera sua
popularização e aproxima o aluno de algo antes desconhecido. Seria este um caminho a se
propor: Falar a mesma língua do aluno.
Concretamente pensando, a construção do conhecimento não pode ser entendida como
algo individual. O conhecimento é produto da atividade e relações humanas marcado social e
culturalmente. Pensando a relação professor/aluno, o professor tem um importante papel que
consiste em agir como intermediário entre os conteúdos da aprendizagem e a atividade
construtiva para assimilação dos mesmos.
Morin nos mostra um conhecimento científico que busca ligar as partes em conflito,
analisando nossos problemas e necessidades através do diálogo, ultrapassando os defeitos das
especializações. Isso nos remete ao início da ciência onde não havia uma separação e neste
sentido o autor nos lembra sobre o momento da produção científica: “[...] vocês fazem
operações intelectuais e, sobretudo, elaboram um sistema de idéias Nesse sentido, vocês
fazem ideologia”. (MORIN, 2000, p.38). Tal ponto barra a idéia de separação que afasta
ciência e sociedade, e nos traz uma questão: qual é o papel social da ciência?
Não é possível pensar em um processo ensino/aprendizagem eficaz se continuarmos
elitizando o conhecimento científico. Fazer com que a ciência cumpra este papel social
constitui-se em elemento importante nesta relação.
Nos dias atuais a questão de aproximação homem/ciência se torna imprescindível para
uma melhor produção nas comunidades científicas. É importante lembrar que o “aluno”
também é “homem”. Este está em formação, mas já passou por outros períodos de
aprendizagem que devem ser valorizados para seu próprio crescimento. Humanizar a ciência é
necessário, e isto só ocorrerá com a consciência de que, independente da área, o fim principal
da ciência é o bem estar do homem.
5
As atividades exercidas pelo professor, seu relacionamento com os alunos em sala de
aula, é expresso pela relação que ele tem socialmente e culturalmente em meio a uma
sociedade cada vez mais competitiva e sedenta de novos conhecimentos.
é o modo de agir do professor em sala de aula, mais do que suas características de
personalidade que colabora para uma adequada aprendizagem dos alunos,
fundamentada numa determinada concepção do papel do professor, que por sua vez
reflete valores e paradigmas da sociedade. (ABREU & MASETTO , 1990, p. 115).
Por sermos produto de vários fatores, biológico Psicológico – Social, que nos
acompanham desde a mais tenra idade. Somos seres em permanente estado inacabado, quer
aluno ou professores na relação ensino/aprendizagem. Mediante a esta condição, a relação
professor/aluno cada vez mais se torna envolvido por um magma de representações
simbólicas que a qualquer momento pode se conflitar socialmente e culturalmente. Segundo
Freire (1996, p. 96),
o bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do
movimento do seu pensamento. Sua aula é assim um desafio e não uma cantiga de
ninar. Seus alunos cansam, não dormem. Cansam porque acompanham as idas e
vindas de seu pensamento, surpreendem suas imaginações, suas dúvidas, suas
incertezas.
Neste sentido, o ambiente reproduzido para o ensino/aprendizagem quando construído
de maneira inadequada pode se configurar em um campo minado munido de contrastes e toda
uma gama complexidade cultural. Para que o êxito na aprendizagem seja alcançado, o
professor além de buscar se capacitar para o exercício da profissão, permanentemente tem que
lidar com um universo vasto culturalmente.
Sendo assim, compartilhando com Freire, independentemente do seu comportamento,
o professor autoritário, o professor licencioso, o professor competente, sério, o
professor incompetente, irresponsável, o professor amoroso da vida e das gentes, o
professor mal-amado, sempre com raiva do mundo e das pessoas, frio, burocrático,
racionalista, nenhum deles passa pelos alunos sem deixar sua marca. (FREIRE,
1996, p. 96).
Portanto, por mais que seja necessária a existência de afetividade, confiança, e respeito
entre professores e alunos para que se desenvolva a leitura, a escrita, a reflexão, a
aprendizagem e o interesse pela a pesquisa, Siqueira (2005) afirma que os educadores não
6
podem permitir que tais sentimentos interfiram no cumprimento ético de seu dever de
professor e formador de opiniões.
Logo, a relação professor/aluno em meio ao ensino/aprendizagem, depende
fundamentalmente, do ambiente estabelecido pelo professor, da relação empática com seus
alunos, de sua capacidade de ouvir, refletir e discutir o nível de compreensão dos alunos e da
criação das pontes entre o seu conhecimento e o deles. Indica também, que o professor,
educador da era industrial com raras exceções, deve buscar educar para as mudanças, para a
autonomia no mundo real, para a liberdade possível numa abordagem global, trabalhando o
lado positivo dos alunos e para a formação de um cidadão consciente de seus deveres e de
suas responsabilidades sociais.
Em um mundo em que tudo se torna descartável, desde copos de plástico até valores e
pessoas, a construção do conhecimento não pode entrar no mesmo processo. O aluno está em
busca, mesmo que não se dê conta desta realidade, da construção de uma imagem de si
mesmo que o inclua numa sociedade fragmentada e consumista em que os grupos estão em
constante luta para estabelecer sua identidade.
Admitir esta realidade é deixar de olhar para o espelho e ver algo que não existe. Os
espelhos refletem o que a sociedade realmente é, adquirindo, muitas vezes, vida própria e
mudando os objetivos iniciais (SANTOS, 2000). Enxergar o que claramente é refletido é
admitir que somos, enquanto professores responsáveis no processo de ensino para que se
torne também processo de aprendizagem. É claro que não temos controle ou responsabilidade
total neste processo, porém é necessário ver corretamente.
Se a imagem refletida não é a mais adequada ao processo cabe alterar o que está fora
do espelho. Este também é nosso papel.
Nesse sentido apontamos como se deu o processo de ensino/aprendizagem no decorrer
das diversas tendências pedagógicas de ensino que apontamos a seguir.
3. As tendências pedagógicas brasileiras no contexto do ensino- aprendizagem.
É importante verificarmos os pressupostos de aprendizagem empregados pelas
diferentes tendências pedagógicas na prática escolar brasileira, na tentativa de contribuir,
teoricamente, para a formação continuada de professores. Embora se reconheçam as
dificuldades do estabelecimento de uma síntese dessas diferentes tendências pedagógicas,
cujas influências se refletem no ecletismo do ensino atual, emprega-se, neste estudo, a teoria
7
de Libâneo (1990), que as classifica em dois grupos: liberais e progressistas. No primeiro
grupo, estão incluídas a tendência tradicional, a renovada progressivista, a renovada não-
diretiva e a tecnicista. No segundo, a tendência libertadora, a libertária e a crítico-social dos
conteúdos.
Este estudo se justifica pelo fato de que através do conhecimento dessas tendências
pedagógicas e dos seus pressupostos de aprendizagem, o professor terá condições de avaliar
os fundamentos teóricos empregados na sua prática.
Segundo Libâneo (1990), a pedagogia liberal sustenta a idéia de que a escola tem por
função preparar os indivíduos para o desempenho de papéis sociais, de acordo com as
aptidões individuais. Isso pressupõe que o indivíduo precisa adaptar-se aos valores e normas
vigentes na sociedade de classe, através do desenvolvimento da cultura individual. Devido a
essa ênfase no aspecto cultural, as diferenças entre as classes sociais não são consideradas,
pois, embora a escola passe a difundir a idéia de igualdade de oportunidades, não leva em
conta a desigualdade de condições. O termo liberal não tem sentido de “avançado”,
“democrático”, “aberto” como costuma ser usado. A doutrina liberal aparece como
justificação do sistema capitalista que ao defender a predominância da liberdade dos
interesses individuais da sociedade estabeleceu uma forma de organização social baseada na
sociedade de classe. A pedagogia liberal sustenta a idéia de que a escola tem por função
preparar os indivíduos para o desempenho de papeis sociais, de acordo com as aptidões
individuais, por isso os indivíduos precisam aprender a se adaptar aos valores e as normas
vigentes na sociedade de classe através do desenvolvimento da cultura individual
Segundo esse quadro teórico, a tendência liberal tradicional se caracteriza por acentuar
o ensino humanístico, de cultura geral. De acordo com essa escola tradicional, o aluno é
educado para atingir sua plena realização através de seu próprio esforço. Sendo assim, as
diferenças de classe social não são consideradas e toda a prática escolar não tem nenhuma
relação com o cotidiano do aluno. O papel da escola seria a preparação intelectual e moral dos
alunos para assumir seu papel na sociedade. Em relação aos conteúdos, são conhecimentos e
valores sociais acumulados através dos tempos e repassados aos alunos como verdades
absolutas. Seu principal método é a exposição e demonstração verbal da matéria e/ou por
meios de modelos. A relação professor/aluno é feita mediante a autoridade do professor que
exige atitude receptiva do aluno. A aprendizagem nesta tendência é receptiva e mecânica, sem
se considerar as características próprias de cada idade. As manifestações nas escolas adotam
8
filosofias humanistas clássicas ou cientificas. Para Libâneo (1990), os maiores representantes
do método tradicional foram J.F. Herbart e Pestalozzi.
Quanto aos pressupostos de aprendizagem, a idéia de que o ensino consiste em
repassar os conhecimentos para a criança é acompanhada de outra: a de que a capacidade de
assimilação da criança é idêntica à do adulto, sem levar em conta as características próprias de
cada idade. A criança é vista, assim, como um adulto em miniatura, apenas menos
desenvolvida.
Segundo Libâneo (1990), a tendência liberal renovada (ou pragmatista) acentua o
sentido da cultura como desenvolvimento das aptidões individuais.
A escola continua, dessa forma, a preparar o aluno para assumir seu papel na
sociedade, adaptando as necessidades do educando ao meio social, por isso ela deve imitar a
vida. Se, na tendência liberal tradicional, a atividade pedagógica estava centrada no professor,
na escola renovada progressivista, defende-se a idéia de aprender fazendo, portanto centrada
no aluno, valorizando as tentativas experimentais, a pesquisa, a descoberta, o estudo do meio
natural e social, levando em conta os interesses do aluno.
Como pressupostos de aprendizagem, aprender se torna uma atividade de descoberta, é
uma auto-aprendizagem, sendo o ambiente apenas um meio estimulador. Só é retido aquilo
que se incorpora à atividade do aluno, através da descoberta pessoal; o que é incorporado
passa a compor a estrutura cognitiva para ser empregado em novas situações. É a tomada de
consciência, segundo Piaget citado por Gadotti (1988).
O papel da escola nesta tendência é a preparação intelectual dos alunos para assumir
seu papel na sociedade. A preocupação acerca dos conteúdos é estabelecida a partir das
experiências vividas pelos alunos frente a situações problemas. Quanto aos métodos aplicados
são por meios de experiências, pesquisas e métodos de solução de problemas. A relação
professor/aluno gira em torno do professor auxiliador no desenvolvimento livre da criança. Já
na aprendizagem: é baseada na motivação e na estimulação de resolução de problemas. Os
mais conhecidos desta manifestação são os Montessori, Dewey, Piaget, Decroly. (LIBÂNEO,
1990).
Na tendência liberal renovada não-diretiva acentua-se o papel da escola na formação
de atitudes, razão pela qual deve estar mais preocupada com os problemas psicológicos do
que com os pedagógicos ou sociais. Todo o esforço deve visar a uma mudança dentro do
indivíduo, ou seja, a uma adequação pessoal às solicitações do ambiente.
9
Aprender nesta realidade é modificar suas próprias percepções. Apenas se aprende o
que estiver significativamente relacionado com essas percepções. A retenção se dá pela
relevância do aprendido em relação ao eu, o que torna a avaliação escolar sem sentido,
privilegiando-se a auto-avaliação. Trata-se de um ensino centrado no aluno, sendo o professor
apenas um facilitador.
O papel da escola está na formação de atitudes, onde seus conteúdos baseiam-se na
busca dos conhecimentos pelos próprios alunos, auto-realização (desenvolvimento pessoal).
Na relação professor/aluno a educação é centralizada no aluno e o professor e é quem
garantirá um relacionamento de respeito. Em relação à aprendizagem, o aluno deve aprender a
modificar as percepções da realidade e seu representante maior manifesta-se em Carl Rogers.
A tendência liberal tecnicista permite que a escola atue no aperfeiçoamento da ordem
social vigente (o sistema capitalista), articulando-se diretamente com o sistema produtivo;
para tanto, emprega a ciência da mudança de comportamento, ou seja, a tecnologia
comportamental. Seu interesse principal é, portanto, produzir indivíduos competentes para o
mercado de trabalho, não se preocupando com as mudanças sociais.
Conforme Matui (1998), a escola tecnicista, baseada na teoria de aprendizagem, vê o
aluno como depositário passivo dos conhecimentos, que devem ser acumulados na mente
através de associações. Segundo Skinner citado por Gadotti (1988, p. 32) foi o expoente
principal dessa corrente psicológica, também conhecida como behaviorista. Segundo este
mesmo autor, a visão behaviorista acredita que adquirimos uma língua por meio de “imitação
e formação de hábitos”, por isso a ênfase na repetição, na instrução programada, para que o
aluno forme hábitos do uso correto da linguagem. Portanto, para os estruturalistas, saber a
língua é, sobretudo, dominar o código.
A tendência tecnicista é de certa forma, uma modernização da escola tradicional e,
apesar das contribuições teóricas do estruturalismo, não conseguiu superar os equívocos
apresentados pelo ensino da língua. Em parte, esses problemas ocorreram devido às
dificuldades de o professor assimilar as novas teorias sobre o ensino da língua materna.
Torna-se importante ressaltar que o papel da escola é de ser modeladora do
comportamento humano através de técnicas específicas. Nesta tendência os conteúdos são
informações ordenadas numa seqüência lógica e psicológica e os métodos utilizados são
mediante aos procedimentos e técnicas para a transmissão e recepção de informações. A
10
relação professor/aluno nesta tendência é uma relação objetiva onde o professor transmite as
informações e o aluno vai fixá-las, ficando a aprendizagem baseada no desempenho.
Já em relação à tendência pedagógica progressista, segundo Libâneo (1990), designa
as tendências que, partindo de uma análise crítica das realidades sociais, sustentam
implicitamente as finalidades sociopolíticas da educação. Evidentemente a pedagogia
progressista não tem como institucionalizar-se numa sociedade capitalista; daí ser ela
instrumento de lutas dos professores ao lado de outras práticas sociais.
As tendências progressistas libertadoras e libertárias têm, em comum, a defesa da
autogestão pedagógica e o antiautoritarismo. A escola libertadora, também conhecida como a
pedagogia de Paulo Freire, vincula a educação à luta e organização de classe do oprimido.
Segundo Gadotti (1988), Paulo Freire não considera o papel informativo, o ato de
conhecimento na relação educativa, mas insiste que o conhecimento não é suficiente se, ao
lado e junto deste, não se elabora uma nova teoria do conhecimento e se os oprimidos não
podem adquirir uma nova estrutura do conhecimento que lhes permita reelaborar e reordenar
seus próprios conhecimentos e apropriar-se de outros.
O papel da escola nesta tendência é justamente de não atuar em escolas, porém, visa
levar professores e alunos a atingir um nível de consciência da realidade na busca pela
transformação social. Os conteúdos são tratados através de temas geradores. Seus métodos
são de grupos de discussão. A relação professor/aluno é de igual para igual, horizontal. A
aprendizagem gira em torno da resolução da situação problema O autor que mais se destaca
nesta tendência é Paulo Freire
Assim, para Freire citado por Gadotti (1988), no contexto da luta de classes, o saber
mais importante para o oprimido é a descoberta da sua situação de oprimido, a condição para
se libertar da exploração política e econômica, através da elaboração da consciência crítica
passo a passo com sua organização de classe. Por isso, a pedagogia libertadora ultrapassa os
limites da pedagogia, situando-se também no campo da economia, da política e das ciências
sociais.
Libâneo (1990), afirma que aprender é um ato de conhecimento da realidade concreta,
isto é, da situação real vivida pelo educando, e só tem sentido se resultar de uma aproximação
crítica dessa realidade. Portanto o conhecimento que o educando transfere representa uma
resposta à situação de opressão a que se chega pelo processo de compreensão, reflexão e
crítica.
11
A escola progressista libertária parte do pressuposto de que somente o vivido pelo
educando é incorporado e utilizado em situações novas, por isso o saber sistematizado só terá
relevância se for possível seu uso prático. A ênfase na aprendizagem informal via grupo, e a
negação de toda forma de repressão, visam a favorecer o desenvolvimento de pessoas mais
livres.
O papel da escola nesta tendência é de transformação da personalidade num sentido
libertário (autogestão). Seus conteúdos são tratados de forma que as matérias são colocadas,
mas não exigidas. O método utilizado é mediante a vivência grupal na forma de autogestão. A
relação professor/aluno é não diretiva, onde o professor é orientador e os alunos livres. E sua
aprendizagem é ocorrida informalmente via grupo. Seus maiores representantes são: Celestin
Freinet, Miguel Gonzáles e Arroyio.
Conforme Libâneo (1990), a tendência progressista crítico-social dos conteúdos,
diferentemente da libertadora e libertária, acentua a primazia dos conteúdos no seu confronto
com as realidades sociais. A atuação da escola consiste na preparação do aluno para o mundo
adulto e suas contradições, fornecendo-lhe um instrumental, por meio da aquisição de
conteúdos e da socialização, para uma participação organizada e ativa na democratização da
sociedade. Na visão da pedagogia dos conteúdos, admite-se o princípio da aprendizagem
significativa, partindo do que o aluno já sabe. A transferência da aprendizagem só se realiza
no momento da síntese, isto é, quando o aluno supera sua visão parcial e confusa e adquire
uma visão mais clara e unificadora.
Após a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de n.º 9.394/96, revalorizam-
se as idéias de Piaget, Vygotsky e Wallon. Um dos pontos em comum entre esses psicólogos é
o fato de serem interacionistas, porque concebem o conhecimento como resultado da ação que
se passa entre o sujeito e um objeto. De acordo com Aranha (1998), o conhecimento não está,
então, no sujeito, como queriam os inatistas, nem no objeto, como diziam os empiristas, mas
resulta da interação entre ambos. As idéias desses psicólogos interacionistas vêm ao encontro
da concepção que considera a linguagem como forma de atuação sobre o homem e o mundo e
das modernas teorias sobre os estudos do texto, como a Análise do Discurso, a Semântica
Argumentativa e a Pragmática, entre outros.
De acordo com esse quadro teórico de Libâneo (1990), deduz-se que as tendências
pedagógicas liberais, ou seja, a tradicional, a renovada e a tecnicista, por se declararem
neutras, nunca assumiram compromisso com as transformações da sociedade, embora, na
12
prática, procurassem legitimar a ordem econômica e social do sistema capitalista. No ensino
da língua, predominaram os métodos de base ora empirista, ora inatista, com ensino da
gramática tradicional, ou sob algumas das influências teóricas do estruturalismo e do
gerativismo, a partir da Lei 5.692/71, da Reforma do Ensino.
Nesta tendência o papel da escola é baseado na difusão dos conteúdos. Seus conteúdos
são culturais universais que são incorporados pela humanidade frente à realidade social. O
método utilizado parte de uma relação direta da experiência do aluno confrontada como saber
sistematizado. A relação professor/aluno enfoca o papel do aluno como participador e do
professor mediador entre o saber e o aluno. A aprendizagem é baseada nas estruturas
cognitivas já estruturadas nos alunos. E os autores que mais se destacam nesta tendência são:
Makarenco, Dermeval, Saviane.
Já as tendências pedagógicas progressistas, em oposição às liberais, têm em comum a
análise crítica do sistema capitalista. De base empirista (Paulo Freire se proclamava um deles)
e marxista (com as idéias de Gramsci), essas tendências, valorizam o texto produzido pelo
aluno, a partir do seu conhecimento de mundo, assim como a possibilidade de negociação de
sentido na leitura.
A partir da LDB 9.394/96, principalmente com as difusões das idéias de Piaget,
Vygotsky e Wallon, numa perspectiva sócio-histórica, essas teorias buscam uma aproximação
com modernas correntes do ensino, que consideram a linguagem como forma de atuação
sobre o homem e o mundo, ou seja, como processo de interação verbal, que constitui a sua
realidade fundamental.
Partindo desse estudo de como se deu o ensino/aprendizagem e conseqüentemente a
relação professor/alunos através das tendências pedagógicas, passamos ao estudo de como
essa relação professor/aluno ocorre, ou como ela deve ocorrer nos dias de hoje. Abordaremos
a seguir, reflexões a respeito de tal relação na atualidade.
4. A relação professor aluno em busca da melhoria do ensino aprendizagem na
atualidade
De acordo com Bariani e Pavani (2008), no processo ensino-aprendizagem, a relação
professor-aluno deve ser marcada pela bi-direcionalidade, ou seja, pela influencia existente do
professor sobre o aluno, assim como do aluno sobre o professor, portanto tendo efeitos
recíprocos.
13
Deve-se ainda considerar que as interações estabelecidas entre os alunos também
influenciam a construção do conhecimento dos mesmos. Por isso é preciso estar atento à
multidimensionalidade dessa relação (MORALES, 2006).
O processo ensino-aprendizagem sofre influencias dos participantes da relação
professor-aluno, pois nessa dinâmica relacional é preciso considerar a complexidade entre o
pessoal e o social, só compreendidos no contexto de influencias que surgem em cada
experiência intersubjetiva (TUNES, TACCA e JUNIOR, 2005).
O papel de cada um, professor e aluno, é inerente e tido como esperado. Mas, segundo
os autores supracitados, a relação está mergulhada numa diversidade de possibilidades
interativas que, se integrarem histórias de vida com experiências e vivencias, podem gerar
novas possibilidades de relação, mesmo que professor e aluno não percebam o impacto que
sofrem e causam um no outro.
As atitudes do professor e o modo como o mesmo se vê, de acordo com Morales
(2006), influenciará na maneira que conduz a sala, e na qualidade e no impacto global da sua
relação com o aluno.
Na promoção da aprendizagem dos métodos só serão eficazes se estiverem
coordenados com os modos de pensar do aluno. Segundo Tunes, Tacca e Junior (2005), as
ações do professor têm como intenção a realização por parte do aluno, o que não se garante
que a mesma exista por parte do aluno. Por isso é fundamental o diálogo para se estabelecer o
ensino-apredizagem.
A partir do momento que se estabelecer o diálogo, de acordo com os mesmos autores,
brota a relação das ações do professor e do aluno, considerando as situações interpsicológicas.
Apesar do professor ser uma pessoa vulnerável à alteridade do aluno, o
desenvolvimento psicológico resulta da possibilidade de realização futura, resultado do
diálogo da relação professor e aluno.
Na sala de aula há momentos que se prestam a potencializar a relação professor-aluno
e há situações importantes que se dá por ocasião da avaliação e das provas.
O processo avaliativo deve ser garantido na sua função fundamental da tarefa do
ensino, sendo de orientar e motivar a aprendizagem. E tanto para o aluno quanto para o
professor a avaliação é uma via clara de informação de retorno (feedback) do ensino-
aprendizagem. (MORALES, 2006).
14
O impacto e a influencia do professor sobre o aluno vai além dos conhecimentos e
habilidades que o mesmo ensina. Por isso é preciso pensar nos efeitos não intencionais
alcançados, como a aquisição de valores, atitudes, hábitos e motivação, os quais podem
transformar em finalidades conscientemente intencionais, refletindo significativamente no
ensino-aprendizagem para o aluno.
5. Breves considerações
A relação professor-aluno abrange todas as dimensões do processo ensino
aprendizagem que se desenvolve em sala de aula, e muitas vezes é importante transpor os
papeis formais da atividade docente, dando estrutura ao aprendizado, orientando e ajudando
os alunos a estudar e aprender.
Assumir-se como professor, de acordo com Tunes, Tacca e Junior (2006), requer a
clareza de ter metas e objetivos, saber sobre o que vai ensinar, para quem se está ensinando e
o como realizar. Integrar tudo traduz as diversas facetas do processo ensino-aprendizagem, e
conjugar isso exige compromisso e responsabilidade com o aluno, avançando na compreensão
da pessoa no processo de ensinar e aprender.
Nesse sentido, não temos como desvincular o ensino aprendizagem da relação
professor-aluno, sabendo que se influenciam reciprocamente, ou seja, um fator depende do
outro para que se possa haver a verdadeira aprendizagem escolar.
6. Referências Bibliográficas
ABREU, Maria C. & MASETTO, M. T. O professor universitário em aula. São Paulo: MG
Editores Associados, 1990.
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Editora Moderna,
1998.
BARIANI, Isabel Cristina; PAVANI, Renatha. Sala de aula na universidade: espaço de
relação interpessoais e participação acadêmica. Revista Estudos de Psicologia / 25(1) / 67-
75/ Janeiro – março / 2008.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São
Paulo: Paz e Terra, 1996.
GADOTTI, Moacir. Pensamento Pedagógico Brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.
GADOTTI, M. Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione, 1999.
15
GOMES, A. M. A. et al. Os saberes e o fazer pedagógico: uma integração entre teoria e
prática. Educar, Curitiba, n. 28, p. 231-246, 2006. Editora UFPR.
HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1993. Parte III.
p.219-276.
LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública. São Paulo: Loyola, 1990.
MATUI, Jiron. Construtivismo. São Paulo: Editora Moderna, 1998.
MORALES, Pedro. A relação professor-aluno – o que é como se faz. São Paulo: Loyola,
1999.
MORIN, Edgar. Ciência e consciência da complexidade. In: MORIN, Edgar; LE MOIGNE,
Jean-Louis. A inteligência da complexidade. Trad. Nurimar Maria Falci. São Paulo:
Petrópolis, 2000. p.27-41.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Da ciência moderna ao novo senso comum. In: _________.
A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. V.1. São Paulo: Cortez,
2000. p.45-93
SIQUEIRA, Denise de Cássia Trevisan. Relação professor-aluno: uma revisão crítica.
2005.
TUNES, Elizabeth; TACCA, Maria C. V. R.; JUNIOR, Roberto dos Santos B. O professor e
o ato de ensinar. Cadernos de pesquisa, v. 35, n. 126, p. 689-698, set./dez. 2005.
... O professor tem papel fundamental no processo de construção do conhecimento, entretanto, o aluno não é apenas um mero aprendiz nesse processo, tendo em vista que a escola possui como uma das suas principais políticas o processo de ensino-aprendizagem, ou seja, o ensino somente será efetivo, quando houver aprendizagem. Lopes (2009), diz que só é possível acontecer uma educação adequada se houver uma interação entre as ideias no âmbito educacional, seguindo a perspectiva de que a valorização do conhecimento só ocorre quando os envolvidos pensam e agem em conjunto. ...
... Ainda o referido autor Lopes (2003) complementa: O homem, ainda que a corrupção procure cegar-lhe o entendimento, jamais pode extinguir de si o anelo pelo conhecimento e pela sabedoria. Assim sendo, depende de nos reavivar a mente humana de tal modo que os homens se beneficiem com uma educação correta. ...
Article
A afetividade tem se constituído em assunto bastante debatido no meio educacional, já que pressupõe-se que o vínculo afetivo na relação educando e educador, exerce grande influência no desenvolvimento cognitivo do discente. Torna-se importante pois, uma maior compreensão histórica e epistemológica sobre esta terminologia, de forma a que possamos apreender melhor seus significados e contribuições para a aprendizagem, principalmente nas séries iniciais. É preciso que sejam desenvolvidas políticas públicas que dêem maior ênfase a conteúdos e atividades que levem em conta a afetividade. Este é, sem dúvida, um recurso interno que ajuda o aluno em seu desempenho relacional, nas diversas atividades escolares.
... Diante disso, o professor é também uma peça fundamental para operar na transformação de concepções que encaram a resiliência pelo viés reducionista para o que visa a construção de sujeitos constituintes de sua realidade histórica e cultural, assim sujeitos que caminham rumo à emancipação humana que considera os múltiplos elementos psicossociais e culturais presentes nas diversas relações e espaços. Lopes (2017) pontua que o comprometimento do professor na escola é fundamental no processo educativo dos alunos, muito mais que apropriação e repasse de conteúdo, o professor é um agente de transformação com grande responsabilidade de implicação social e política. Tal afirmação fica perceptível quando os estudantes falam sobre a importância de o professor respeitar sua voz, pois isso diz de um respeito do lugar de fala desse aluno, do ser expresso na fala e impresso no corpo e nas atitudes de cada estudante. ...
Article
Este estudo objetiva analisar a emergência da resiliência em meio à resolução de problemas no processo de escolarização de estudantes do Ensino Médio. Participaram 204 estudantes, 54,4% do sexo feminino e 44,6% do sexo masculino, com idade média de 15 anos. Utilizou-se um questionário sociodemográfico e uma pergunta norteadora. As análises foram feitas pelo software IramuteQ®. Os resultados indicam que os estudantes utilizam diversas estratégias de enfrentamento das adversidades, a maioria delas mediadas pela relação com o outro. Pontua-se a necessidade de investimento na formação docente, para que estes apreendam os sentidos do desenvolvimento da resiliência e na parceria família e escola, pois podem atuar como redes de proteção e promoção de uma educação integral e contextualizada.
Article
Full-text available
A presente pesquisa teve como objetivo analisar essas características do professor ideal na percepção da população selecionada de uma universidade comunitária do estado de Santa Catarina. Quanto à metodologia, este estudo se classifica como quantitativo quanto à sua abordagem, descritivo quanto ao objetivo e, no que diz respeito aos procedimentos, conta com uma pesquisa de levantamento. Como instrumento de coleta de dados, aplicou-se um questionário validado e utilizado por Guelfi, Tumelero, Antonelli e Voese (2018), que contém 34 questões sobre quais características definem um professor ideal. A população desta pesquisa foi de 138 alunos, matriculados em 2018/2, resultando em uma amostra de 102 respondentes, que representa 73,91% da população. Os dados foram tabulados no software Microsoft Excel e foram utilizadas como técnicas de análise a estatística descritiva e univariada, por meio da frequência relativa, média, desvio-padrão, correlação e teste T, calculadas com o software IBM SPSS Statistics 22. Como principais resultados, verificou-se que as características mais relevantes indicadas pelos discentes foram ter conhecimento da teoria do assunto que está lecionando, ter conhecimento da prática do assunto que está lecionando e saber fazer a ligação entre teoria e prática. Já as características menos enfatizadas estão relacionadas aos atributos e ter beleza física, ser asseado (bem-vestido, cabelo penteado, sempre arrumado) e ter tom de voz agradável.
Article
Este estudio presenta los resultados de una investigación cuyo objetivo es conocer la percepción que tienen los estudiantes universitarios de lo que caracteriza a un buen profesor para poder aplicar esa información en el proceso de enseñanza aprendizaje. Se analiza la importancia que otorgan a cualidades personales, profesionales y metodológicas. Para ello se aplicó un cuestionario a 216 estudiantes que aborda los diferentes aspectos que definen a un buen docente universitario. Los resultados muestran que los alumnos valoran especialmente que el profesor universitario sea respetuoso, abierto, responsable, comprensivo y con capacidad de escucha; que domine la materia, que prepare las clases y sea un buen comunicador; que cuente con una metodología diversa, que fomente la participación y elabore explicaciones claras, con ejemplos prácticos y reales; que resuelva dudas en clase (metodología) y practique una evaluación formativa, continua y flexible. Se encontraron diferencias significativas en las variables curso y género.
Chapter
The project “Promoting Digital Inclusion in Public Schools Through Integration of Innovative Low-Cost Technologies in the Teaching of STEM Subjects” has been carried out by the Remote Experimentation Laboratory (RExLab), Federal University of Santa Catarina, since 2008. This project has trained 363 teachers from 6 schools, since it is an initiative of technology integration in the basic education of the Brazilian public-school system. The present study focuses on the benefits of the project in relation to the teachers involved in its scope. The positive results acquired by the project over the years demonstrate that the integration of technologies in education by teachers in the public network is a practice to be encouraged.
Book
Full-text available
Apresentamos neste livro algumas experiências trabalhadas por alunos/as do curso de Ciência da Computação, da Universidade Federal de Alfenas, abordando as tecnologias digitais educacionais, iniciando com uma visão histórica, apresentando os desenvolvimentos de aplicativos para dispositivos móveis e para o Moodle, além de vivências com cursos abordando o pensamento computacional.
Article
Full-text available
A atuação do professor como mediador do conhecimento é imprescindível para aproximar a realidade da ciência à realidade do aluno. Zoonoses emergentes e re-emergentes como a hantavirose, leptospirose e peste bubônica acometem populações humanas em todas as partes do globo, incluindo o Brasil, e podem ser evitadas se forem tomados cuidados simples. A escola tem papel fundamental nesse processo conscientizando funcionários, pais, alunos e a comunidade em geral. Atualmente, a leptospirose e, especialmente, a hantavirose são alvo de atenção nos estados do sul do Brasil destacando PR e SC pelos elevados índices de transmissão e mortalidade dessa última zoonose. Nesse sentido, o presente estudo das zoonoses teve como objetivo utilizar metodologias alternativas para abordar o tema de zoonoses que auxiliassem no processo de ensino e aprendizagem dos alunos matriculados no Ensino Fundamental II do Colégio Estadual Quilombola Maria Joana Ferreira situado no município de Palmas do estado do Paraná. O ensino das zoonoses na disciplina de Ciências, com o uso de métodos lúdicos, de forma prazerosa, pode tornar o conteúdo significativo para os alunos ao estimular o aprendizado e a busca pelo conhecimento. Nesta perspectiva, foram propostos trabalhos em grupo, uso de tecnologia no processo de ensino e atividades lúdicas extraclasse. Observou-se que as atividades diferenciadas e as brincadeiras ajudaram a criar um clima de interesse e entusiasmo sobre os conteúdos abordados os quais foram bem entendidos conforme mostram as letras dos raps. Acredita-se que desta forma que as atividades lúdicas propostas foram ferramentas metodológicas importantes na aquisição dos conhecimentos científicos, soma-se as atitudes sociais de respeito ao colega, das regras dos concursos, de cooperação, e iniciativa pessoal.
Democratização da Escola Pública
  • José Libâneo
  • Carlos
LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública. São Paulo: Loyola, 1990.
A relação professor-aluno – o que é como se faz
  • Pedro Morales
MORALES, Pedro. A relação professor-aluno – o que é como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.
São Paulo: Editora Moderna
  • Jiron Construtivismo
MATUI, Jiron. Construtivismo. São Paulo: Editora Moderna, 1998.
Da ciência moderna ao novo senso comum
  • Boaventura Santos
  • De Sousa
SANTOS, Boaventura de Sousa. Da ciência moderna ao novo senso comum. In: _________. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. V.1. São Paulo: Cortez, 2000. p.45-93
Relação professor-aluno: uma revisão crítica
  • Denise Siqueira
  • De Cássia Trevisan
SIQUEIRA, Denise de Cássia Trevisan. Relação professor-aluno: uma revisão crítica.
A inteligência da complexidade. Trad. Nurimar Maria Falci. São Paulo: Petrópolis
  • Jean-Louis
Jean-Louis. A inteligência da complexidade. Trad. Nurimar Maria Falci. São Paulo: Petrópolis, 2000. p.27-41.
Sala de aula na universidade: espaço de relação interpessoais e participação acadêmica
PAVANI, Renatha. Sala de aula na universidade: espaço de relação interpessoais e participação acadêmica. Revista Estudos de Psicologia / 25(1) / 6775/ Janeiro-março / 2008.
Article
Full-text available
As the increase of research into interpersonal relationships in the sphere of university education is regarded as fundamental, this study has aimed to describe and analyze teacher-pupil and pupil-pupil relationships and the reasons why students behave in different ways in the classroom, in terms of their interest and participation, according to the pupils themselves and their teachers. The information was collected from 21 teachers and 90 students of a Psychology Course by way of open questionnaires. The data was submitted to categoric analysis and, subsequently, to quantitative analysis. The following categories were formulated: structural, interactional, pedagogic, behavioral and commitment. The aspects associated with interpersonal relationships in the classroom are seen to be positive for the practical classes and negative for the theoretical ones. Those aspects related to the Pedagogic category are shown to be the main reason for interest and participation in the classroom, especially those relating to the Classroom Procedures sub-category.
Article
Full-text available
The teaching know-how arouses the interest of educators who deal with this subject from different points of view: teacher's competence; integration of the student's hidden knowledge; the reflexive-critical teacher; proposal for liberating education and political practice; the recognition of educational complexity and reflection on the fragmentation of disciplines which make difficult the interdisciplinariety. This descriptive-qualitative study is about a teaching process based on theoretical and empirical analyses, proposed by Edgar Morin, and took place in the discipline of didactics from the Master Course of Health and Education at UNIFOR in 2004. Twenty Master students from several professional categories participated in the event. The outcomes showed that the dynamics applied to the study provided greater understanding of concepts, integration, as well as relaxing environment concerning the learning process. It is concluded that strategies such as games, group dynamics and pedagogical psychodrama provide participation and the expression of feelings, interaction, assimilation and experiences shared through the collective construction of knowledge.