ArticlePDF Available

Abstract and Figures

A ampliação da participação cidadã na esfera pública depende diretamente do acesso as informações relativas a atuação dos representantes eleitos, principalmente no que diz respeito a suas decisões nas votações durante seus mandatos. A Ciência da Informação pode colaborar neste processo, propondo e avaliando modelos de acesso a estas informações que podem ser obtidos através de dados a serem disponibilizados pelos sítios oficiais do Poder Legislativo nas esferas Federal, Estadual e Municipal. Propõe-se neste artigo a análise do processo de coleta e uso de dados sobre votações de senadores com vistas a apropriação deste modelo para coleta e uso de dados nas demais esferas. A partir dos dados é analisada a elaboração de uma matriz de afinidades que permita identificar a relação entre cada um dos parlamentares com os demais, em função das similaridades das decisões tomadas no conjunto das votações abertas. É analisa também a elaboração de visualizações iniciais e a ampliação do escopo da pesquisa através da aplicação dos dados obtidos em todas as afinidades entre os parlamentares e na obtenção de uma afinidade média entre partidos, permitindo novas dimensões de análise aos dados coletados. A elaboração das matrizes completas das relações de afinidades entre os parlamentares, pode propiciar um horizonte rico de possibilidades para elaboração de novas formas de visualização e análise, ampliando a visibilidade das ações parlamentares junto a sociedade.
Content may be subject to copyright.
49
Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
1 INTRODUÇÃO
Mesmo com os recursos proporcionados
pelas Tecnologias da Informação
e Comunicação, são grandes as
diculdades na ampliação da participação
popular nas administrações públicas, mas pode-
se buscar novas formas de acesso a dados que
favoreçam a participação cidadã, por exemplo,
no acompanhamento de votos de parlamentares.
Apresenta-se neste artigo uma proposta de
construção de recurso de visualização destas
votações, que propiciem análises de suas inter-
relações e ainda uma breve descrição do quão
disponíveis estão os dados sobre as votações dos
parlamentares no Senado Brasileiro.
Adotou-se um modelo de grafo social para
exibir as anidades entre os senadores, conforme
trabalho realizado por Chris Wilson sobre
votações realizadas no Senado norte-americano
em que foram utilizados dados sobre votações
dos senadores para gerar uma relação de
anidade, exibindo coerência entre os votos do
senador Arlen Specter em relação as votações de
VISUALIZAÇÃO DE AFINIDADES ENTRE
PARLAMENTARES MEDIANTE DADOS DE
VOTAÇÕES NO SENADO BRASILEIRO
Ricardo César Gonçalves Sant’Ana*
Fernando de Assis Rodrigues**
RESUMO: A ampliação da participação cidadã na esfera pública depende
diretamente do acesso as informações relativas a atuação dos
representantes eleitos, principalmente no que diz respeito a
suas decisões nas votações durante seus mandatos. A Ciência
da Informação pode colaborar neste processo, propondo e
avaliando modelos de acesso a estas informações que podem
ser obtidos através de dados a serem disponibilizados pelos
sítios oficiais do Poder Legislativo nas esferas Federal, Estadual
e Municipal. Propõe-se neste artigo a análise do processo de
coleta e uso de dados sobre votações de senadores com vistas
a apropriação deste modelo para coleta e uso de dados nas
demais esferas. A partir dos dados é analisada a elaboração
de uma matriz de afinidades que permita identificar a relação
entre cada um dos parlamentares com os demais, em
função das similaridades das decisões tomadas no conjunto
das votações abertas. É analisa também a elaboração de
visualizações iniciais e a ampliação do escopo da pesquisa
através da aplicação dos dados obtidos em todas as afinidades
entre os parlamentares e na obtenção de uma afinidade média
entre partidos, permitindo novas dimensões de análise aos
dados coletados. A elaboração das matrizes completas das
relações de afinidades entre os parlamentares, pode propiciar
um horizonte rico de possibilidades para elaboração de novas
formas de visualização e análise, ampliando a visibilidade das
ações parlamentares junto a sociedade.
PalavRaS-chavE: Dados Abertos. Visualização de dados. Transparência
Pública.
* Doutor em Ciência da Informação
pela Universidade Estadual Paulista Júlio
de Mesquita Filho, Brasil. Professor do
Programa de Pós-Graduação em Ciência
da Informação da Universidade Estadual
Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus
de Marília.
E-mail: ricardosantana@marilia.unesp.br.
** Bacharel em Sistemas de Informação
pela Universidade do Sagrado Coração,
Brasil. Doutorando no Programa de Pós-
Graduação em Ciência da Informação da
Universidade Estadual Paulista Júlio de
Mesquita Filho, Campus de Marília.
E-mail: fernando@elleth.org.
artigo de revisão
50 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Ricardo César Gonçalves Sant´Ana, Fernando de Assis Rodrigues
membros dos partidos Democrata e Republicano
(WILSON, 2009).
O conceito de construção de grafos sociais
baseia-se na denição matemática da teoria dos
grafos em que são estudadas as relações entre
elementos de um conjunto. Estes elementos são
denominados vértices e cada uma das relações é
composta por um par de vértices e é denominada
aresta. O estudo destas ligações entre elementos
de um conjunto possibilita a sua aplicação em
diversas áreas do conhecimento (DIESTEL, 2000;
WILSON, 1996). Assim, obtêm-se regras para
exibição de relações entre dois ou mais objetos
em um determinado contexto, sendo necessário
escolher o conjunto de dados a ser analisado e a
regra ou fórmula que irá denir as relações entre
os elementos do conjunto, formando as arestas.
Um exemplo de uso desta teoria seria um gráco
representando parte da World Wide Web com
páginas representadas como vértices e os links
como as arestas (LOCKE, 2000)
Odewahn (2010) utilizou-se do modelo
de visualização proposto por Wilson (2009),
considerando a premissa de que o senado
norte-americano é costumeiramente entendido
pela sociedade como sendo composto por
duas coalisões bastante estáveis, em função do
conceito bipartidário. Assim, Odewahn (2010)
buscou em sua proposta criar um grafo que
pudesse exibir um quadro mais amplo, revelando
que existe um fator de variabilidade na formação
das relações dos senadores de ambos partidos
ao longo do tempo quando toma-se por base as
votações durante a legislatura.
Na construção de seu quadro, Odewahn
(2010) teve acesso a dados primários (raw data)
sobre as votações, ou seja, utilizou dados sobre
os votos dos senadores como fonte de informação
para criar uma representação gráca das
anidades oriundas de suas decisões.
No trabalho realizado por Odewahn (2010),
para a construção de uma visualização a partir
destes dados, foi necessário o desenvolvimento
de um grafo (a partir dos dados abertos
disponibilizados) que explorasse estas questões
visualmente para a observação da antítese com
as premissas ensinadas nos colégios estudantis
americanos, que denem o senado como um
corpo inerente e conservativo, no sentido oposto
e literal ao de mudanças de opiniões entre seus
membros. De um lado os republicanos e de outro
(oposto) os democratas (ODEWAHN, 2010).
Assim foi possível exibir, tratar e visualizar os
dados já existentes, mas de uma forma em que se
conseguiu extrair e analisar “algo” oculto, não-
visível em uma outra abordagem ou em outra
visualização dos mesmos dados – demonstrando
estas conexões entre senadores (a priori ocultas
nos dados primários), ao invés de visualizar
apenas as votações singularmente em uma lista
ordenada.
O conceito de dado primário identica
dados que não tenham sido obtidos a partir de
transformações ou manipulações de tal forma
que representem valores o mais próximo possível
de suas origens, ou seja, não são resultantes
de somas, agrupamentos, análises ou qualquer
outro processamento. Assim, os dados primários
não podem permitir divisões em que partes
destes dados mantenham referência semântica
no contexto de sua aplicação. Portanto, ao
analisar o faturamento de um determinado
empreendimento, por exemplo, o valor total
de vendas de um dia é o resultado da soma das
notas emitidas e não é um dado primário, ao
contrário do valor de uma nota de venda que
representa um dado primário para este contexto
de análise.
Considera-se o acesso a dados primários
como um dos fatores-chave de sucesso na
construção de alternativas para acesso à dados
evitando-se eventuais falhas de interpretação
e ainda permitindo variados caminhos de
análise em função do alto grau de liberdade de
combinações e possíveis processamentos que um
dado primário oferece.
Embora os conjuntos de dados
primários […] requeiram agregação e
sínteses, ao mesmo tempo estes dados
apresentam uma importante vantagem,
que é precisamente o fato de que eles
podem ser analisados, sintetizados e
reagrupados de muitas formas. Em
outras palavras, dados primários são
flexíveis, e ao tornar estes dados
disponíveis ao público as agencias tem
explicitamente convidado a sociedade a
propor novos a estes dados, de acordo
com as necessidades e desejos dos
usuários destas informações. (EUA,
2011)
Outro fator importante no acesso à dados
e a possibilidade destes dados serem tratados
diretamente por máquinas, ou seja, eles deve estar
disponíveis de tal forma que sejam passíveis de
51
Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Visualização de anidades entre parlamentares mediante dados de votações no senado brasileiro
utilização sem a necessidade de redigitação ou
de tratamentos adicionais para sejam passíveis
obtenção direta. Esta característica propicia a
interoperabilidade de aplicações e o uso destes
dados por pesquisas externas com independência
do formato inicial e de especicidades ligadas a
plataforma tecnológica (BERNERS-LEE, 2009).
Assim, por exemplo, um dado que está disponível
em um arquivo que tem as características de
apresentação, tal como um arquivo em formato PDF
(Portable Document Format) pode não estar acessível
para tratamento direto pela máquina, já que exige
interpretação sobre as posições em que os valores
são apresentados para que a semântica seja obtida.
No ano de 2007, na cidade de Sebastopol
nos Estados Unidos, foi reunido um grupo de
trabalho multidisciplinar para o desenvolvimento
de princípios que possam conceituar um dado
como dado aberto (open data). Esta iniciativa
foi nomeada como “Open Government Working
Group”. A análise deste trabalho foi iniciada com
base nos registros de órgãos governamentais
norte-americanos e resultou em oito princípios
para avaliar se um determinado registro pode
ser considerado um dado aberto. Estes princípios
atribuem que um dado aberto deve ser completo,
primário, temporal (deve ser disponibilizado a
tempo de ser ainda útil), acessível, processável
por máquina, não-discriminatório (o usuário
não tem necessidade de identicar-se), não-
proprietário e livre de licença (OGD, 2007).
Portanto um dado aberto deve ser primário,
mas nem todo dado primário é um dado aberto.
Considerou-se neste artigo as duas características:
dados primários e dados tratáveis por máquinas
como sendo as principais na denição de um
dado como dado aberto (OGD, 2007).
A proposta deste artigo é o aporte do
modelo norte-americano na criação de um modelo
de visualização para o cenário brasileiro, mas
com o objetivo de analisar se os dados primários
de votações abertas (no período de 2007 a 2010) e
as Tecnologias de Comunicação e Informação do
senado brasileiro dão sustentação para armar a
existência de uma estrutura divisória das coalisões
entre os partidos que compõem a base aliada do
governo, a oposição e os independentes.
2 OBJETIvO E PROcEDIMENTOS
Este artigo tem o objetivo de apresentar
uma análise sobre o processo de coleta e
elaboração de estrutura visual dos dados das
matérias votadas pelo Senado brasileiro através
de um grafo, neste contexto, signicando uma
coleção de vértices (nodes) e arestas (edges) e não
um gráco de coordenadas (ODEWAHN, 2010, p.
123) de relações sociais, construído com base em
uma matriz de anidades, adaptada do modelo
conceitual norte-americano de Andrew Odewahn
(2010), exposto no livro “Beautiful Visualization”,
de Julie Steele e Noah Iliinsky.
Para a obtenção dos dados primários
foi utilizado apenas os canais oferecidos pelas
Tecnologias de Comunicação e Informação
(TIC) ociais do Senado Federal brasileiro, mais
precisamente os metadados dos senadores e os
dados primários de votações abertas, no período
de 2007 a 2010. Com isto, puderam ser analisadas,
de forma visual questões mais profundas, como
a possibilidade que estes resultados sintetizados
indiquem a existência ou não de anidades
entre partidos (e seus membros) que compõem
oposição e governo.
2.1 Construção do grafo social
No artigo publicado por Chris Wilson
(2009), os vértices representam os senadores e
cada vértice recebe um rótulo oculto (hidden label)
que ao ser disparado o comportamento mouseover
do navegador (ação de deixar o ponteiro do
mouse em cima de um objeto) apresenta o
nome do respectivo senador. Os vértices são
coloridos e cada cor representa um partido
(vermelho no caso dos membros republicanos,
azul para os democratas, verde para senadores
os independentes e amarelo na falta desta
informação). As arestas representam as ligações
entre dois senadores quando os mesmos votaram
igualmente mais de 65% no período determinado.
No estudo de Odewahn (2010) foi
acrescentada em sua abordagem a separação
dos membros em função de seus partidos. O
grafo apresentou os democratas à esquerda
e os republicanos à direita para um melhor
entendimento das ligações entre os membros dos
partidos com o grupo de sua oposição. Também
foi denido que cada sessão bienal legislativa
é a unidade básica de tempo dos grafos.
Exemplicando, a centésima quinta sessão
corresponde ao período iniciado no dia três de
janeiro de 1997 e nalizado no dia três de janeiro
de 1999. Sua principal justicativa para a escolha
52 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Ricardo César Gonçalves Sant´Ana, Fernando de Assis Rodrigues
desta unidade de tempo é que o corpo do senado
norte-americano passa por mudanças a cada
período, visto as eleições de novos senadores e
o desligamento de outros (ODEWAHN, 2010, p.
125).
Para Odewahn (2010) são necessários
três passos para a criação deste modelo de
visualização: a aquisição dos dados primários;
o cálculo e a geração da matriz de anidade e; a
construção do grafo a partir destes dados.
2.2 A aquisição dos dados primários
Para a construção da visualização é
necessário a obtenção de dois conjuntos de
dados: o primeiro é o conjunto de metadados
contendo informações individuais sobre cada
senador, com elementos como o seu nome
e partido. O segundo conjunto é composto
pelos dados primários de votações feitas por
estes senadores em uma determinada matéria,
no período desejado (ODEWAHN, 2010). Os
metadados são fator chave para o funcionamento
e interoperabilidade de sistemas de informação,
principalmente quando há a necessidade de
aquisição de dados primários de uma base de
dados externa e-ou não-visível a um software, já
que são os próprios metadados que garantem a
correta representação do conteúdo informacional
de um determinado recurso (SANTOS; ALVES,
2009). Após a denição dos metadados que irão
compor uma representação de um conjunto de
dados, é necessário escolher qual o formato de
metadados possui condições de representá-lo
com eciência; e assim criar base para a correta
condução de uma conectividade com as mais
variadas TIC e aplicações ferramentais existentes.
Assim, os formatos ou padrões de metadados
são estruturas padronizadas, que através do
conjunto de dados-atributos, permitem a correta
representação do conteúdo informacional
(SANTOS; ALVES, 2009).
O principal obstáculo nesta fase foi a
ausência destes dados primários em web sites
governamentais norte-americanos de maneira
estruturada e legível por máquina (ODEWAHN,
2010, p. 125). Contudo, projetos civis como o
GovTrack (http://www.govtrack.us) organizam
e padronizam estes dados primários (sobre
senadores e seus votos em matérias) em
metadados que são legíveis por máquina – e
ainda os disponibilizam em conformidade com
o conceito de dados abertos – permitindo a
obtenção dos mesmos dados ociais dos web
sites do governo americano, mas agregando
um padrão de metadado. Esta modelagem
permite que outros softwares utilizem estes
recursos através de tecnologias que auxiliam
a interoperabilidade, como o XML (eXtensive
Markup Language), o JSON (JavaScript Object
Notation), entre outros. O GovTrack possui,
em sua base, dados primários estruturados e
completos de votações do congresso retroativas
até 1991; e estruturados, porém incompletos, pré-
1991. Esta iniciativa civil está em acordo com os
oito princípios necessários para a denominação
“dados abertos” (OGD, 2007).
No sítio do Senado do Brasil (http://
www.senado.gov.br), os dados sobre os
senadores do exercício vigente são encontradas
em um documento (http://www.senado.gov.
br/senadores), em formato HTML (Hypertext
Markup Language), com um metadado de tipo
simples, em nível básico, para indexação apenas
da página como um todo por motores de busca,
através do uso de crawlers (SENSO, 2003, p. 103),
que são algoritmos de motores de busca que
coletam informações de um conteúdo ou arquivo
disponível na Internet e armazenam em uma
base de dados, os endereços originais em que o
arquivo/página está armazenado.
Portanto, os dados ali contidos sobre os
senadores não são estruturados para um uso
facilitado por aplicativos, gerando a necessidade
de tratamento através de uma camada de
abstração, ou seja, de um algoritmo de conversão
para um determinado padrão estruturado,
legível por máquina, como, por exemplo, o
formato XML; e com isto não atende a um dos
oito princípios de dado aberto: que estes dados
devem ser processáveis por máquina (OGD,
2007). Esta característica diculta a utilização
dos dados por ferramentas tecnológicas sem a
intervenção humana.
Com relação à atividade legislativa,
ou seja, os votos do colegiado, por estarem
apenas disponíveis em documentos digitais no
formato PDF (Portable Document Format), não é
possível um acesso direto aos dados ali contidos,
também necessitando uma camada abstração
para uso automatizado e o download manual
dos resultados das matérias para tratamento e
uso. A obtenção destes resultados é feita através
de uma consulta (http://www.senado.gov.br/
53
Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Visualização de anidades entre parlamentares mediante dados de votações no senado brasileiro
atividade/votacao/default.asp) pré-formatada
e diretamente no navegador, não existindo um
acesso direto aos seus dados primários sem
intervenção humana.
Para a criação do grafo de visualização
das anidades entre os votos dos senadores, foi
necessário identicar quais senadores zeram
parte do colegiado em um exercício anterior:
de 2007 a 2010. Estes dados foram encontrados
em formato similar a página do colegiado em
exercício vigente, ou seja, em um documento
no formato HTML e também disponível para
impressão (http://www.senado.gov.br/
senadores/periodos/LegisAnter53.shtm). Neste
documento foi possível encontrar três elementos:
o nome do senador, sua unidade federativa e seu
partido na época em que foi eleito para aquele
exercício.
Para a extração destes dados, novamente
foi preciso o desenvolvimento de um algoritmo
que capturou este documento como um todo
e que transformou do formato dos dados ali
contidos, extraindo-os e convertendo-os em uma
estrutura que permitiu inserir estas informações
em um banco de dados externo ao sítio do
senado, construído especicamente para a
visualização proposta.
Esta obtenção dos dados sobre as
atividades legislativas do Senado, mais
especicamente sobre as votações abertas
foi realizada utilizando apenas os dados
disponibilizados pelo sítio ocial do senado, sem
o uso de nenhum projeto mantido fora do escopo
ocial.
Neste trabalho foi um recurso de busca,
disponibilizado no sítio do Senado, especíco
para pesquisa das atividades legislativas sobre
matérias já votadas. O tipo de proposição das
matérias foi ignorado, bem como qualquer
outro tipo de ltro, exceto a unidade de tempo
proposta: matérias votadas entre 2007 e 2010. O
volume de matérias encontradas, com votações
abertas para este período, foi: 34 em 2007, 50 em
2008, 64 em 2009 e 28 em 2010 – totalizando 176
matérias.
Este período foi escolhido por possuir
dados mais recentes e em um período legislativo
fechado no momento da elaboração desta
pesquisa: primeiro semestre do ano de 2011
(RODRIGUES; SANTANA, 2011). Todavia,
este modelo de construção pode ser aplicado
em qualquer período e exercício legislativo,
desde que se consiga acesso aos metadados dos
parlamentares e os dados do movimento das
atividades legislativas.
Figura 1 – Representação lógica dos dados
primários e relacionamentos entre senadores,
partidos e votações
Fonte: Elaboração dos autores
Uma alternativa viável para o uso
dos dados obtidos das fontes ociais para a
geração dos grafos e posterior visualização,
é transformá-los em registros de uma base
de dados relacional (ODEWAHN, 2010),
preferencialmente instanciada em uma banco de
dados de código aberto (open source), como por
exemplo os bancos SQLite Database ou o MySQL.
Contudo, a modelagem entidade-relacionamento
bipartidária proposta por Odewahn (2010) não
se encaixa no cenário brasileiro, principalmente
devido a caraterística brasileira de representação
multipartidária. A Figura 1 apresenta o modelo
lógico proposto para os dados primários
necessários para a construção especíca do grafo
sobre as anidades entre os parlamentares com
base nas votações em plenário.
2.3 Geração da matriz de afinidade
Após a obtenção dos dados primários
e transformação para uma base relacional, o
segundo passo é a extração, a partir destes dados
primários, das informações sobre as anidades
entre os senadores no período de tempo
escolhido.
Pode-se construir estas conexões
calculando uma matriz de anidades, alimentada
com os dados (votos) destes senadores. A matriz
de anidade (Figura 2) possui uma estrutura
54 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Ricardo César Gonçalves Sant´Ana, Fernando de Assis Rodrigues
similar ao conceito de linhas, colunas e células de
uma planilha. Suas colunas e linhas representam
todas as matérias que tiveram votação aberta em
um determinado período, sendo que as matérias
da coluna representam os votos de um senador
(ex.: senador “a”) e as das linhas representam de
outro parlamentar (ex.: senador “b”).
Se caso o encontro destas linhas tenha
valores comuns para ambos, ou seja, se no
encontro de uma mesma matéria, os dois
senadores votaram igualmente, marca-se um
ponto de anidade. Posteriormente, se a soma
dos pontos de anidades, dividido pelo número
total de matérias, for maior que o fator “0,65”,
fator proposto por Odewahn (2010) a partir
do artigo de Wilson (2009), cria-se uma aresta
entre os senadores no grafo. A matriz deve ser
executada de dois em dois senadores até que
todos sejam confrontados entre si (ODEWAHN,
2010, p. 124).
Na geração das anidades das votações
abertas do Senado brasileiro foi utilizado o
mesmo algoritmo proposto por Odewahn (2010).
O tratamento destes dados pode ser feito com
qualquer linguagem de programação, já que é
irrelevante a tecnologia para criar a matriz de
anidades contando que o algoritmo respeite
a regra proposta. A matriz de anidades pode
gerar milhares de arestas em um período de
tempo, dependendo diretamente do volume de
matérias computadas e como o volume de dados
destas anidades é relativamente extenso para ser
calculado on-demand por um computador pessoal,
os resultados obtidos devem ser gravados em uma
nova instância do banco de dados.
2.4 Construção do grafo de vértices e arestas
O terceiro passo para a construção da
visualização é a transformação dos dados gerados
pela matriz de anidades, através de uma
Figura 2 – Matriz de anidade dos votos entre dois senadores
Fonte: Odewahn, 2010, tradução nossa
ferramenta tecnológica, em um grafo. Dentre as
várias ferramentas tecnológicas disponíveis para
a construção de grácos, utilizou-se o software
open source GraphViz (http://www.graphviz.
org/) que já possui a construção nativa de
grafos de vértices e arestas – chamado “neato”.
O modelo de vértices e arestas segue modelo
similar ao proposto por Wilson (2009), em
que os vértices representam os senadores e as
arestas representam as anidades entre eles.
Assim, cada vértice recebe um rótulo (label)
numérico que representa um senador em uma
lista (externa ao grafo) ordenada alfabeticamente.
Na construção do grafo para o modelo
brasileiro, foi necessário obter um elemento
adicional dos dados primários: a representação
partidária. O Brasil possui um sistema político
multipartidário e, portanto, as cores de cada
vértice representam um partido que possuiu ao
menos uma representação no período 2007-2010.
Os partidos identicados foram: Democratas;
55
Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Visualização de anidades entre parlamentares mediante dados de votações no senado brasileiro
Em seguida, é apresentada uma análise de
unidades de tempo menores e isoladas dentro do
mesmo mandato deste colegiado de senadores,
utilizando a mesma modelagem de construção
do grafo, porém com matérias votadas em apenas
um ano, com o objetivo principal de isolar fatos
importantes no período de tempo proposto.
A Figura 4 demonstra o grafo de anidades
entre os senadores baseados em matérias votadas
apenas no ano de 2010. São encontradas anidades
entre membros dos partidos: PMDB (9 membros),
PSDB (9 membros), DEM (7 membros), PT (6
membros), PRB (2 membros), PTB (2 membros),
PDT (2 membros), PSB (2 membros), PR (2
membros), PC DO B (1 membro), PP (1 membro),
PSOL (1 membro). No entanto, nesta gura
aparecem membros dos partidos PSDB e DEM em
uma forte anidade na parte superior do grafo e
quatro membros do PT permeados por membros
de siglas com menor número de representantes
no colegiado, como o PR, PSB e o PRB; mas estes
possuem fortes ligações com a base aliada do
governo. Partidos como o PSOL (senador de
número 43) mantém uma longa distância da base
aliada e da oposição, apesar deste partido de
estar representado naquele mandato e neste grafo
por apenas um único senador. Este grafo torna
perceptível um núcleo de membros articulados em
torno das votações do ano de 2010.
Figura 4 – Grafo de vértices e arestas representando
os senadores que possuíram anidades entre seus vo-
tos abertos no ano de 2010
Fonte: Elaborado pelos autores.
PC do B; PDT; PMDB; PP; PR; PRB; PSB; PSC;
PSDB; PSOL; PT; PTB; PV; e ainda senadores sem
aliação partidária.
3 RESUlTaDOS
Concluída a sequência de três passos
proposta por Odewahn (2010), o resultado
imagético das anidades das votações abertas
entre os senadores, no período de 2007 a
2010, é demonstrado na Figura 3. A imagem
exibe apenas os membros que possuíram uma
anidade maior ou igual ao fator utilizado (0,65).
Os senadores que não possuem anidade maior
que o valor 0,65 com nenhum outro membro da
casa não são exibidos.
Este cluster é formado principalmente
pelos partidos PMDB (5 membros), PT (3
membros), PTB (2 membros), DEM (1 membro),
PSB (1 membro) em um total de 12 membros
com grandes anidades em suas votações,
principalmente conduzida pelos senadores do
PTB (75) e do PSB (6) que apresentam alto índice
de anidade com os senadores do PT (vértices
vermelhos), com a oposição (senadores na parte
inferior do grafo) e com o PMDB (vértices azuis-
ardósia, que possuem senadores da base do
governo e centro-oposição).
Figura 3 – Grafo de vértices e arestas
representando senadores que possuíam anidades
entre seus votos abertos no período de 2007 a 2010
Fonte: Elaborado pelos autores.
56 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Ricardo César Gonçalves Sant´Ana, Fernando de Assis Rodrigues
Acrescenta-se aos resultados obtidos
o conjunto de todas as votações abertas dos
senadores e das respectivas anidades calculadas
entre todos eles, o que nos permite identicar
um quadro geral de posicionamento em relação
a anidade média dos senadores de cada partido
em relação aos demais partidos.
Esta anidade média foi obtida
pela soma entre todas as votações entre
cada um dos parlamentares em relação
aos demais parlamentares e dividindo-
se esta soma pelo número de elementos
calculados. Estes dados, coletados
em planilhas contendo um código
do parlamentar, o partido que está
liado e seguido de outras três colunas
contendo o código de cada um dos
demais parlamentares, seus respectivos
partidos e o índice calculado entre cada
um deles foi tratada pelo aplicativo
de consolidação de anidades entre
partidos (v.exe), disponibilizado no site:
http://dadosabertos.info, e que permite a
elaboração de quadros de correlação
de anidades entre as votações dos
representantes de cada partido, conforme
apresentado nas guras 5, 6, 7 e 8.
Situações em que o partido conta apenas
com um liado, no cálculo de seu índice
de anidade dentro do próprio partido
resultaram em índice 0,00.
Figura 5 - Índice de anidade entre partidos no Senado nas votações abertas de 2007
Fonte: Elaborado pelos autores.
Figura 6 -Índice de anidade entre partidos no Senado nas votações abertas de 2008
Fonte: Elaborado pelos autores.
57
Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Visualização de anidades entre parlamentares mediante dados de votações no senado brasileiro
As ocorrências de índice de anidade igual
ou superior a 0,65 no caso das relações entre os
partidos é muito menor, já que leva em conta a
participação de todos os seus parlamentares
liados. Na coleta realizada, no ano de 2007,
o maior índice de anidade encontrado foi de
0,5294, entre os membros do PC do B e do PP.
No ano de 2008, a maior anidade foi encontrada
na relação entre os próprios membros do PSB,
e entre partidos a maior anidade foi entre o
PCdoB e o PSB. Referente ao ano de 2009, mais
uma vez a anidade nas votações entre os
membros do PSB foi a maior com 0,5, e entre
partidos, foi de 0,4775, entre o PTB e o PSB.
Somente na matriz referente ao ano de 2010
foram calculados índices de anidade maiores
que 0,65, sendo que estas ocorrências encontram-
se destacadas na gura 8.
A identicação da maior anidade entre
os partidos percebida no ano de 2010 pode ser
destacada também pela obtenção da média das
anidades calculadas em cada um dos anos,
sendo que no ano de 2007 a média foi de 0,2331,
em 2008 foi 0,2584, em 2009 o cálculo indicou o
menor índice, 0,2141 e em 2010 o maior índice,
0,4175.
Outra análise que pode ser proposta é a
relação de um partido com os demais, sendo
que neste caso, optou-se pelo Partido dos
Trabalhadores por ser o principal partido do
governo executivo, para que se possa estabelecer
uma matriz das anidades entre os parlamentares
de cada partido ao longo dos anos, permitindo,
assim, percepção da utuação das anidades de
cada partido e, também a cada ano, conforme
apresentado no gura 9.
Figura 7 - Índice de anidade entre partidos no Senado nas votações abertas de 2009
Fonte: Elaborado pelos autores.
Figura 8 - Índice de anidade entre partidos no Senado nas votações abertas de 2010
Fonte: Elaborado pelos autores.
58 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Ricardo César Gonçalves Sant´Ana, Fernando de Assis Rodrigues
Percebe-se que quando analisados em seu
conjunto, pode-se ter uma percepção mais clara
de aspectos como coesão partidária, ou seja, o
índice de anidade entre as decisões tomadas
pelos membros de um mesmo partido e também
a proximidade que cada um dos partidos
apresenta entre si.
A partir de dados como estes, pode-
se elaborar diferentes visualizações, e ainda,
acompanhar a coerência entre o que é apresentado
nos discursos como linha de conduta para tomada
de decisão e a realidade das votações de cada um
dos parlamentares e de seus respectivos partidos.
4 cONclUSÕES
A descrição do processo de obtenção dos
dados sobre as votações abertas demonstram que
a escassez na disponibilização de dados primários
das votações do senado brasileiro reduz as
alternativas para construção de visualizações
das votações dos parlamentares; bem como a
falta de estrutura e formato destes dados no sítio
ocial diculta a recuperação e o tratamento da
informação. Fica claro a não consideração dos
oito princípios de dado aberto na apresentação
destes dados pelo Senado até o momento, o que
facilitaria uso diversicado destas informações
possibilitando a construção de aplicações para
estes dados pela própria sociedade.
A partir do acesso a dados e da elaboração
de visualizações destes dados como os obtidos
sobre cada uma das votações dos parlamentares,
podem ser construídas análises, como a identicação
de clusters partidários, da real posição de cada
representante em relação aos demais e aos partidos,
bem como a coerência de cada um de nossos
representantes nas votações durante seus mandatos.
Não podemos associar nenhum cluster
partidário no período de 2007-2010 a partir dos
dados coletados, nem entre os partidos aliados
e os opositores. Também não é possível armar
a existência de grupos de senadores dentro de
partidos. Não há um padrão a partir dos dados
coletados que identique a existência de dois
grupos em oposição (de senadores da oposição e
governo) no senado brasileiro. Considera-se que os
demais senadores, que participaram do colegiado
entre 2007-2010 e estão ausentes no grafo por falta
de anidade com todos os colegiados em mais
de 65%, tiveram uma postura dispersa nos votos
abertos. ou seja, em nenhum momento são parte
de um grupo xo de senadores.
No grafo do ano de 2010 (Figura 4), a
quantidade de associações aumenta devido à
articulação da oposição e governo em prol da
aprovação (ou veto) de matérias. Entretanto,
é importante a ressalva que, no ano de 2010, o
número de matérias em votação capturadas no
sítio do Senado Federal foi o menos expressivo em
comparação aos outros anos no período escolhido –
28 matérias. Todavia, este período também possui
votações abertas de matérias importantes para a
sociedade como a inelegibilidade de candidatos
visando à proteção da probidade administrativa
pública; a criação do Fundo Social (FS); a cessão
onerosa ao exercício de atividades da PETROBRAS
na pesquisa e lavra de petróleo, de gás natural
e hidrocarbonetos uidos; a prorrogação de
benefícios para a Zona Franca de Manaus; a
permanência atemporal do Fundo de Combate e
Erradicação da Pobreza; a nova redação que impede
a utilização da aposentadoria dos magistrados
como medida disciplinar e a permissão à perda
de cargo; e o aumento para cento e oitenta dias na
duração do período da licença à gestante, muitas
delas com forte apelo popular.
O acesso a dados e as muitas possibilidades
de construção de visualização para estes dados, é
elemento chave para construção de uma participação
cidadã e para a concretização de uma relação mais
transparente entre o legislativo e a sociedade.
Figura 9 - Índice de anidade entre partidos em relação ao Partido dos Trabalhadores (PT) nas votações
abertas de 2007 a 2010
Fonte: Elaborado pelos autores.
Artigo recebido em 26/06/2012 e aceito para publicação em 17/03/2013
59
Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.23, n.1, p. 49-59, jan./abr. 2013
Visualização de anidades entre parlamentares mediante dados de votações no senado brasileiro
REFERÊNcIaS
BERNERS-LEE, Tim. On the next web. TED
Conference 2009. Disponível em: <http://www.
ted.com/index.php/talks/tim_berners_lee_on_
the_next_web.html>. Acesso em: 28 set. 2011.
DIESTEL, R. Graph theory. New York: Springer-
Verlag. 2000.
EUA. The Obama Administration’s Commitment to
Open Government: status report. Disponível em: <
http://www.whitehouse.gov/sites/default/les/
opengov_report.pdf>. Acessado em: 29 jan. 2011.
LOCKE, Stephen. Graph Theory. Department
of Mathematical Sciences at Florida Atlantic
University: Boca Raton, FL. 2000. Disponível
em: <http://math.fau.edu/locke/GRAPHTHE.
HTM>. Acesso em: 25 set. 2011.
ODEWAHN, Andrew. Visualizing the U.S.
Senate Social Graph (1991-2009). In: STEELE,
Julie; ILIINSK Noah. Beautiful Visualization:
looking at data through the eyes of experts.
O’Reilly: Sebastopol, CA, 2010.
OGD - Open Government Data. 8 Principles
of Open Government Data. 2007. Disponível
em: <http://www.opengovdata.org/
home/8principles >. Acesso em: 22 set. 2011.
RODRIGUES, F. A. ; SANTANA, R. C. G. .
Visualizando grafos sociais do Senado brasileiro
(2007-2010) através de ferramentas de Tecnologia
da Informação e Comunicação. In: ENCONTRO
INTERNACIONAL DE INFORMAÇÃO,
CONHECIMENTO E AÇÃO (EIICA), 7., 2011,
Marília,SP. Resumos... Marília,SP : UNESP, 2011.
p. 27-28.
SANTOS, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da
Costa; ALVES, Rachel Cristina Vesú. Metadados e
web semântica para estruturação da web 2.0 e web
3.0. DataGramaZero, v. 10, n. 6, nov./dez. 2009.
Disponível em: <http://www.dgz.org.br/dez09/
Art_04.htm>. Acesso em: 28 jun. 2011.
SENSO, J. A.; ROSA PIÑERO, A. de la. El
concepto de metadato. Algo más que descripción
de recursos eletrónicos. Ciência da Informação,
Brasília, v. 32, n. 2, p. 95-106, maio/ago. 2003.
Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/
index.php/ciinf/article/view/126/107>. Acesso
em: 29 jun. 2011.
WILSON, R. Introduction to graph theory. 4. ed.
Harlow, UK: Longman. 1996.
WILSON, Chris. The Senate Social Network.
Slate Magazine, Washington, abr. 2009.
Disponível em: <http://www.slate.com/
id/2217204/>. Acesso em: 01 jun. 2011
VIEWING BY PARLIAMENTARY AFFINITIES BETWEEN
DATA VOTES IN THE SENATE BRAZILIAN
ABSTRACT: The expansion of citizen participation in the public sphere depends directly of access information
on the performance of elected representatives, especially with regard to their voting decisions
during their terms. The Information Science can assist in this process, proposing and evaluating
models of access to such information that may be obtained from data to be provided by the official
websites from legislative, in levels federal, state and municipal. It is proposed in this paper to
analyze the process of collecting and using of data about votes of senators in order to promote the
use of this model in other spheres. From analyzed data a affinity matrix was developed to identifying
the relationship between each of the parliamentary with others, based on the similarities of the
decisions taken in all the open votes. It was also analyzed the development of initial visualizations
and the extension of the scope of the search through the application of data obtained in all the
affinities between parliamentarians and to obtain an average affinity between parties, enabling
new dimensions of analysis to the data collected. The preparation of the full matrix of relations
of affinity among parliamentarians can provide a new horizon of possibilities for developing new
forms of visualization and analysis, increasing the visibility of parliamentary actions with society.
Keywords: Open Data. Data Visualization. Public Transparency.
Article
Full-text available
Environments for access to government data, via Information and Communications Technologies, may increase possibilities for citizens overseeing it, providing feedback for future demands. The aim of this study is to identify, in the available data by active transparency, the existence of elements that allow for the creation of new proposals for dimensional models, enabling anticipation of demands on data access. The theoretical-methodological framework, the text uses the concepts of Citizen Intelligence and Business Intelligence. As a result, a dimensional model was proposed, building on a dimensional model from a daily expenses query, available in the Transparency home-page of the Brazilian Federal Government.
Chapter
Full-text available
Este texto descreve estudo realizado a partir de documentos propostos pelo Open Data for Development, na fase de recuperação e focando no objetivo da qualidade dos dados, em especial ao analisar estruturas de páginas com especificações descriti- vas de datasets governamentais, no intuito de identificar formas de mensurar nestes ambientes os critérios de qualidade. A metodologia adotada foi a pesquisa explorató- ria, descritiva, de caráter qualitativo, com amostra delimitada ao conjunto de páginas com especificações descritivas de datasets do ‘Portal e-Cidadania’. Como resultado, propõe-se 7 dimensões de análise: Relevância, Precisão, Temporalidade e Pontuali- dade, Acessibilidade e Clareza, Comparabilidade e Coerência e Padronização.
Article
Full-text available
A internet pode ser considerada uma importante alternativa para viabilizar maior interação entre a administração pública e a sociedade, como, por exemplo, no compartilhamento de bases de dados governamentais. Esse fluxo informacional envolve questões específicas que são alvo de estudos na Ciência da Informação, que apresenta característica interdisciplinar em função da complexidade de seu objeto, da utilização de teorias e metodologias oriundas de outras áreas, e da diversidade de seu corpo científico. A pesquisa objetivou identificar os campos do conhecimento que apresentam interação interdisciplinar com a Ciência da Informação, evidenciar quais deles podem contribuir para o estudo do compartilhamento de dados governamentais na internet e relacionar disciplinas da área com a análise dos aspectos presentes nesse fluxo informacional. Aplicou-se o método Análise de Conteúdo, a partir da coleta de dados nos portais oficiais da Universidade de São Paulo, campus de Ribeirão Preto, Universidade Federal de São Carlos e Universidade Federal de Santa Catarina, a fim de identificar a estrutura curricular dos cursos de graduação com enfoque na área de Ciência da Informação no Brasil e analisar seus respectivos planos de ensino. Os resultados indicam quais áreas do conhecimento são interdisciplinares à Ciência da Informação e que podem contribuir com o estudo dos aspectos envolvidos no processo de compartilhamento de dados governamentais na internet. Além disso, destaca, também, quais são as disciplinas que compõem a estrutura dos cursos analisados e que, efetivamente, podem contribuir para o estudo desse fluxo informacional.
Chapter
Full-text available
This paper describes a study conducted from Open Data for Development documents, in the retrieval phase and focusing on data quality, especially in analyzing structures found on government datasets pages, in order to identify ways to measure data quality aspects. The methodology used was exploratory analysis, descriptive, qualitative, with sample bounded to the set of pages with datasets information in 'Portal e-Cidadania' (Brazilian Senate data's web site). As a result, it is proposed 7 dimensions to analyze: Relevance, Accuracy, Timeliness and Punctuality, Accessibility and Clarity, Comparability and Coherence and Standardization.
Article
Full-text available
Resumo Ambientes para acesso a dados governamentais, via Tecnologias de Informação e Comunicação, podem ampliar possibilidades de acompanhamento pelo cidadão, retroalimentando futuras demandas. O objetivo deste estudo é identificar nos dados disponíveis via transparência ativa, a existência de elementos que permitam a elaboração de propostas de modelos dimensionais, propiciando a antecipação de demandas de acesso a dados. Como referencial teórico-metodológico, o texto utiliza os conceitos Business Intelligence e Citizen Intelligence. Como resultado, foi elaborada a proposta de um modelo dimensional a partir da consulta de despesas diárias, disponível no Portal de Transparência do Governo Federal. Palavras-chave Transparência Pública, Tecnologias de Informação e Comunicação, Coleta de Dados, Citizen Intelligence, Data Warehouse. Abstract Environments for access to government data, via Information and Communications Technologies, may expand possibilities for citizen monitoring, providing feedback for future demands. The aim of this study is to identify, in the available data via active transparency, the existence of elements that allow the construction of new proposals of dimensional models, enabling an anticipation of demands on data access. The theoretical-methodological framework, the text uses the concepts Citizen Intelligence and Business Intelligence. As a result, a dimensional model was proposed, building on a dimensional model from a daily expenses query, available in the Transparency home-page of the Brazillian Federal Government. Keywords Public Transparency, Information and Communication Technologies, Collecting Data, Citizen Intelligence, Data Warehouse.
Article
Full-text available
A Web pode ser considerada um recurso promissor para o compartilhamento de informações públicas. O crescente interesse dos governos em viabilizar a implantação de seus portais a fim de obter maior eficiência e transparência em suas ações comunicacionais impacta na distribuição de dados governamentais. Pelo fato de o dado não transmitir uma mensagem ou representar algum conhecimento, características complexas podem ser observadas no processo de distribuição de dados. Esta pesquisa tem como objetivo descrever a relação entre propriedades da Complexidade com características identificadas no processo de disponibilização e acesso a dados governamentais na Web, apontando como estas propriedades podem se manifestar no fluxo informacional. A metodologia foi baseada em pesquisa qualitativa, por meio de um estudo exploratório realizado a partir de um levantamento bibliográfico que identificou conceitos sobre a Teoria dos Sistemas Complexos e aspectos envolvidos no compartilhamento de dados governamentais na Web.
Article
Full-text available
Environments for access to government data, via Information and Communications Technologies, may expand possibilities for citizen monitoring, providing feedback for future demands. The aim of this study is to identify, in the available data via active transparency, the existence of elements that allow the construction of new proposals of dimensional models, enabling an anticipation of demands on data access. The theoretical-methodological framework, the text uses the concepts Citizen Intelligence and Business Intelligence. As a result, a dimensional model was proposed, building on a dimensional model from a daily expenses query, available in the Transparency home-page of the Brazillian Federal Government. Ambientes para acesso a dados governamentais, via Tecnologias de Informação e Comunicação, podem ampliar possibilidades de acompanhamento pelo cidadão, retroalimentando futuras demandas. O objetivo deste estudo é identificar nos dados disponíveis via transparência ativa, a existência de elementos que permitam a elaboração de propostas de modelos dimensionais, propiciando a antecipação de demandas de acesso a dados. Como referencial teórico-metodológico, o texto utiliza os conceitos Business Intelligence e Citizen Intelligence. Como resultado, foi elaborada a proposta de um modelo dimensional a partir da consulta de despesas diárias, disponível no Portal de Transparência do Governo Federal.
Article
Full-text available
O presente trabalho tem como objetivo identificar, na fase de recuperação, atributos disponíveis nos momentos em que se realiza pesquisas por conjuntos de dados em repositórios governamentais, a partir do modelo de Ciclo de Vida de Dados para a Ciência da Informação (CVD-CI) proposto por Sant'Ana (2013). A pesquisa fora delimitada a realização de buscas por conjuntos de dados através do mecanismo oferecido pelo sítio Portal Brasileiro de Dados Abertos, utilizando os termos 'Educação' e 'Saúde'. O uso do termo 'Saúde' resultou na recuperação de 14 conjunto de dados e o termo 'Educação' recuperou 23, totalizando 37 conjuntos de dados. A análise destes conjuntos de dados dividiu-se em duas etapas: na primeira foram identificados quais atributos estavam disponíveis na página contendo o resultado das buscas a partir termos utilizados. A segunda etapa consistiu em identificar os atributos disponíveis nas páginas referentes a cada um dos conjuntos de dados recuperados na busca. Como resultado, fora construído dois quadros: o primeiro identifica os atributos que estão disponíveis nas páginas com resultados da pesquisa pelo mecanismo de busca do site; o segundo, identifica os atributos disponíveis em cada conjunto de dados recuperado pela pesquisa. Os resultados demonstraram que na primeira etapa, não há diferença nos atributos disponíveis nos resultados de busca por ambos os termos. Entretanto, na segunda etapa houve discrepâncias nos atributos identificados em cada conjunto de dados.
Article
Full-text available
Resulta evidente la necesidad de establecer mecanismos que permitan una descripción más exhaustiva de los recursos electrónicos. En este trabajo se propone como solución el uso de metadatos. Por ese motivo se estudia el concepto de metadato con el fin de determinar tanto su campo de acción como los diferentes presupuestos subyacentes en este.
Disponível em: <http://math.fau
  • Stephen Graph Theory Boca Raton
LOCKE, Stephen. Graph Theory. Department of Mathematical Sciences at Florida Atlantic University: Boca Raton, FL. 2000. Disponível em: <http://math.fau.edu/locke/GRAPHTHE. HTM>. Acesso em: 25 set. 2011.
Principles of Open Government Data Disponível em: <http://www.opengovdata.org/ home/8principles > Acesso em: 22 set Visualizando grafos sociais do Senado brasileiro (2007-2010) através de ferramentas de Tecnologia da Informação e Comunicação
  • Ogd-Open Government Data
  • F A Santana
  • R C G Encontro
  • Conhecimento E De Informação
  • Ação
OGD -Open Government Data. 8 Principles of Open Government Data. 2007. Disponível em: <http://www.opengovdata.org/ home/8principles >. Acesso em: 22 set. 2011. RODRIGUES, F. A. ; SANTANA, R. C. G.. Visualizando grafos sociais do Senado brasileiro (2007-2010) através de ferramentas de Tecnologia da Informação e Comunicação. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE INFORMAÇÃO, CONHECIMENTO E AÇÃO (EIICA), 7., 2011, Marília,SP. Resumos... Marília,SP : UNESP, 2011. p. 27-28.
El concepto de metadato. Algo más que descripción de recursos eletrónicos
  • J A Rosa Piñero
  • A De La
SENSO, J. A.; ROSA PIÑERO, A. de la. El concepto de metadato. Algo más que descripción de recursos eletrónicos. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 2, p. 95-106, maio/ago. 2003.
The Obama Administration's Commitment to Open Government: status report
  • Eua
EUA. The Obama Administration's Commitment to Open Government: status report. Disponível em: < http://www.whitehouse.gov/sites/default/files/ opengov_report.pdf>. Acessado em: 29 jan. 2011.
Disponível em: <http://www.opengovdata.org/ home/8principles >. Acesso em: 22 set
  • F A Santana
OGD-Open Government Data. 8 Principles of Open Government Data. 2007. Disponível em: <http://www.opengovdata.org/ home/8principles >. Acesso em: 22 set. 2011. RODRIGUES, F. A. ; SANTANA, R. C. G..
Metadados e web semântica para estruturação da web 2
  • Rachel Cristina Alves
  • Vesú
ALVES, Rachel Cristina Vesú. Metadados e web semântica para estruturação da web 2.0 e web 3.0. DataGramaZero, v. 10, n. 6, nov./dez. 2009. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/dez09/ Art_04.htm>. Acesso em: 28 jun. 2011.
OGD -Open Government Data. 8 Principles of Open Government Data
  • F A Rodrigues
  • R C G Santana
OGD -Open Government Data. 8 Principles of Open Government Data. 2007. Disponível em: <http://www.opengovdata.org/ home/8principles >. Acesso em: 22 set. 2011. RODRIGUES, F. A. ; SANTANA, R. C. G..
The Senate Social Network. Slate Magazine, Washington, abr
  • Chris Wilson
WILSON, Chris. The Senate Social Network. Slate Magazine, Washington, abr. 2009. Disponível em: <http://www.slate.com/ id/2217204/>. Acesso em: 01 jun. 2011