ArticlePDF Available

O Estado da Arte da Pesquisa em Educação Ambiental no Brasil

Authors:

Abstract

Este artigo é o resultado de uma pesquisa que procura analisar aprodução acadêmica brasileira em educação ambiental no períodocompreendido de 1984 a 2002. As teses e dissertações defendidas nosdepartamentos de Educação, Ecologia, Saúde Pública, EducaçãoAmbiental, entre outros, são a principal fonte de consulta. A pesquisarevela a existência de pelo menos uma tese de livre-docência, 40 dedoutorado e 246 dissertações abrangendo diversos temas ambientais,concepções pedagógicas e políticas. Os principais temas abordados são:relações entre natureza e cultura, crise ambiental urbana e ecossistemasespecíficos. Nos aspectos pedagógicos, a educação ambiental éconsiderada um processo que pode ocorrer em todos os espaços deaprendizagem e estar presente no currículo de todas as disciplinas. Oestímulo ao processo de participação social visando a construção deuma sociedade democrática e sustentável é o aspecto político maisenfatizado. O artigo sugere que uma ampla e maior compreensão daeducação ambiental nas universidades, agências de fomento e nadefinição de políticas públicas será possível por meio da difusão dessaprodução.
______________________________________________________________________________
33
O Estado da Arte da Pesquisa em
Educação Ambiental no Brasil1
Marcos Reigota
Programa de Mestrado em Educação
Universidade de Sorocaba
Resumo: Este artigo é o resultado de uma pesquisa que procura analisar a
produção acadêmica brasileira em educação ambiental no período
compreendido de 1984 a 2002. As teses e dissertações defendidas nos
departamentos de Educação, Ecologia, Saúde Pública, Educação
Ambiental, entre outros, são a principal fonte de consulta. A pesquisa
revela a existência de pelo menos uma tese de livre-docência, 40 de
doutorado e 246 dissertações abrangendo diversos temas ambientais,
concepções pedagógicas e políticas. Os principais temas abordados são:
relações entre natureza e cultura, crise ambiental urbana e ecossistemas
específicos. Nos aspectos pedagógicos, a educação ambiental é
considerada um processo que pode ocorrer em todos os espaços de
aprendizagem e estar presente no currículo de todas as disciplinas. O
estímulo ao processo de participação social visando a construção de
uma sociedade democrática e sustentável é o aspecto político mais
enfatizado. O artigo sugere que uma ampla e maior compreensão da
educação ambiental nas universidades, agências de fomento e na
definição de políticas públicas será possível por meio da difusão dessa
produção.
Palavras-chave: Educação Ambiental. Linhas de Pesquisa. Políticas Públicas.
Processos Pedagógicos.
1
Texto elaborado com base na Pesquisa “Fundamentos políticos e pedagógicos da
educação ambiental brasileira: análise a partir da produção universitária”. Financiado
pela Universidade de Sorocaba.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007 DOI:http://dx.doi.org/10.18675/2177-580X.vol2.n1.p33-66
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
34
Abstract: The present study makes use of the results of a research of broader
scope. It aims to describe the production of environmental education in
Brazil and others countries by Brazilians during the period 1984-2002.
Doctoral theses and Master dissertations are the source of investigation,
particularly those written in education, ecology, public health and
environmental education post-graduate departments. The study reveals
the existence of at least 1 Full-professor thesis, 40 Dosctoral theses and
246 Master dissertations, with many environmental topics, pedagogical
concepts and processes and political emphasis. Major environmental
topics include the relationship between nature and culture, the
environmental crisis on metropolis and specific ecosystems. Regarding
the pedagogical field, it is pointed out the idea that environmental
education is a process which may be included in every educational place
and into every subject curriculum. The fomentation of participatory
processes oriented towards the construction of a democratic and
sustainable society is the most emphasized political aspect. This study
concludes by affirming that a new understanding about environmental
education in Brazilian universities and in governamental and private
research agencies provides a progress in the field and in the public
policies related to environment, education and research.
Keywords: Environmental Education. Research Policies. Public Policies.
Pedagogical Processes.
Desde 1984, a educação ambiental se tornou tema de
dissertações, sendo a primeira tese de doutorado defendida em
1989 na Universidade de São Paulo (CARVALHO, 1989). A partir
da segunda metade dos anos 90, concretizou-se a
institucionalização da educação ambiental em diferentes
departamentos de pós-graduação.
A informação sobre essa produção começou a circular,
aumentando o interesse pela sua fundamentação política e
pedagógica. Políticas públicas relacionadas com a educação
ambiental foram elaboradas, colocando em evidência a urgência de
pesquisas.
Levantamentos não sistematizados, pessoais e institucionais
foram realizados procurando dar conta dessa produção
2
. Um
2
Agradeço a colaboração dos/as colegas Arion de Castro Kurtz dos Santos, Luis
Afonso Vaz de Figueiredo, Hedy Silva Ramos de Vasconcelos, Luiz Marcelo de Carvalho
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
35
primeiro projeto de pesquisa, com o objetivo de elaboração de um
banco de dados financiado pelo CNPq, foi feito pela professora
Hedy Silva Ramos de Vasconcelos, do Programa de Pós-graduação
em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de
Janeiro.
Em outros países como Austrália, Canadá e Inglaterra, a
pesquisa em educação ambiental vem sendo discutida e analisada
apontando novos enfoques teóricos, pedagógicos, políticos e
socioambientais (GOUCH, 2000; SAUVÉ, 2000).
Considerando a importância planetária da temática
ambiental brasileira e o acúmulo e tradição em pesquisa educacional
no país, uma pesquisa como esta estava para ser feita.
Dessa forma, os dados e interpretação dos mesmos aqui
apresentados dialogam com outros estudos que procuram analisar a
produção sobre temas educacionais específicos (MENDES, 2000 e
MEGID, 1998) e, particularmente, com a temática ambiental
(DRUMMOND, 1998; SCHROEDER, 1998; GARNIER, 2000;
GOUGH, 2000; GOYA, 2000; NOVICKI, 2001; REIGOTA,
1999; ROCHA, 2002; SAUVÉ, 2000; SEVERINO, 2001;
TRAJBER; MANZOCHI, 1996, VASCONCELOS, 1999).
Tendo observado esse movimento desde o seu início
(REIGOTA, 2001) e a difusão que a educação ambiental teve nas
últimas décadas no espaço privilegiado das universidades, era o
momento de pesquisá-lo tendo como objetivo colocar em evidência
a cartografia dessa produção e as suas principais características
pedagógicas e políticas.
Ao optarmos por uma análise da produção científica, ou
seja, pelas teses e dissertações, deixamos de lado os seus produtos
anteriores e posteriores como artigos e livros para traçar o “Estado
da Arte” de uma área de conhecimento que define o seu campo
entre outras áreas específicas da educação.
As noções de “Estado da Arte” que adotamos apóiam-se
nas de Mary Jane Paris Spink no seu estudo sobre a Teoria das
Representações Sociais (SPINK, 1996), no qual a autora define o
Estado da Arte como “uma exposição sobre o nível de
conhecimento e desenvolvimento de um campo ou questão
(SPINK, 1996, p. 167).
Em resumo, nossa pesquisa tem a característica
essencialmente exploratória, com base em documentos de domínio
e Mônica Arruda, que disponibilizaram seus dados, e os pareceristas deste artigo, pelas
observações e sugestões.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
36
público, da literatura científica relativa ao objeto de estudo e cujo
objetivo é a exploração da literatura procurando elaborar uma
problemática teórica (DE KETELE; ROEGIERS, 1996, p. 33).
Nosso trabalho procura enfocar os aspectos pedagógicos e
políticos da educação ambiental presentes nas teses e dissertações
defendidas em universidades brasileiras ou por pesquisadores/as
brasileiros/as no exterior.
Para obter os dados necessários, anunciamos o projeto nas
redes e entre colegas da área. Consultamos bancos de dados, como
o Prossiga do CNPq, catálogos de programas de pós-graduação,
bibliografia de artigos, livros, documentos diversos, além das teses
e dissertações de cujas bancas participamos.
De novembro de 2000 a novembro de 2002, foram
levantadas 1 tese de livre-docência, 40 teses e 246 dissertações.
3
Esse levantamento, provavelmente, não contempla todas as
teses e dissertações defendidas desde 1984. Apesar da busca
insistente junto aos pesquisadores/as, dados sobre alguns trabalhos
não foram localizados em tempo hábil, para que fossem incluídos e
analisados.
Essa dificuldade poderá ser sanada, desde que se estabeleça
um banco de dados específico para a área.
A maior dificuldade que encontramos não foi a de
localização das informações e a precisão quantitativa, mas sim
definir o que é um trabalho de pesquisa em educação ambiental.
No levantamento inicial, e em diálogos com colegas da área,
foi comum, quando solicitava os dados de suas pesquisas, ouvir a
seguinte frase: “A minha dissertação/tese não é de educação
ambiental”.
Diante de nossa insistência, obtivemos os dados solicitados.
Foram consideradas como sendo teses e dissertações de educação
ambiental aquelas que:
1. Trazem no título: educação ambiental e palavras-chave:
meio ambiente, ensino, práticas pedagógicas ou similares.
2. Abordam temáticas ambientais defendidas em Programas
de Pós-graduação em Educação.
3
Até o momento (abril de 2005), nosso levantamento registra 1 tese de livre-docência,
48 teses e 349 dissertações.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
37
3. Abordam temáticas educacionais e ambientais defendidas
em Programas de Pós-graduação como Saúde Pública,
Ecologia, Psicologia, Sociologia, etc.
4. Os/as pesquisadores/as são conhecidos/as publicamente
como educadores/as ambientais, embora os títulos de
seus trabalhos universitários não explicitem
necessariamente suas relações com a educação ambiental.
5. Os/as pesquisadores/as não explicitam nos títulos dos
seus trabalhos nenhuma relação com a educação
ambiental, mas, quando indagados por nós, identificam
sua pesquisa como sendo de educação ambiental.
Exemplos:
Categoria 1 Teses e dissertações que trazem no título as
palavras-chave: educação ambiental, meio ambiente, ensino,
práticas pedagógicas ou similares. Para a caracterização dessa
categoria, foram utilizadas como exemplo as teses de Barcelos
(2001) e Fracalanza (1992), Matsushima (1992) e a dissertação de
Goya (2000).
Categoria 2 – Teses e dissertações que abordam temáticas
ambientais defendidas em Programas de Pós-graduação em
Educação. Como exemplo para a caracterização dessa categoria,
foram utilizadas teses e dissertações que abordam temas como
gênero e ocupação do espaço (BERGMANN, 1996), o ambiente
das comunidades de imigrantes (BRAUM, 1999), a agroecologia
(CURVELO, 1998), manifestações dos povos da floresta
(SANTOS, 2001) e a obra de Hans Jonas (ZANCANARO, 1999).
Categoria 3 – Teses e dissertações que abordam temáticas
educacionais e ambientais defendidas em Programas de Pós-
graduação como Saúde Pública, Ecologia, Psicologia,
Multidisciplinares, etc. Para exemplificar essa categoria, foram
utilizadas as teses e dissertações que analisam temas como:
interdisciplinaridade e meio ambiente (DIAZ, 2001), noções de
espaço (HIGUCHI, 1999), formação e/ou adestramento ambiental
(POMPÉIA, 1995, NEVES, 1993) e discursos das pesquisas
ambientais (SERRÃO, 1995).
Categoria 4 – Teses e dissertações cujos pesquisadores/as são
conhecidos publicamente como educadores/as ambientais, embora
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
38
os títulos de seus trabalhos universitários não explicitem
necessariamente suas relações com a educação ambiental. Essa
categoria foi explicitada levando-se em consideração o
reconhecimento público de pesquisadores/as entre os profissionais
da educação ambiental.
Categoria 5 Teses e dissertações em que os/as
pesquisadores/as não explicitam nos títulos dos seus trabalhos
nenhuma relação com a educação ambiental, mas, quando
indagados por nós, identificam sua pesquisa como sendo de
educação ambiental. Essa categoria está caracterizada pelas
dissertações de: Felippe (2002), Goldgrub (1998), Portilho (1997),
Rechineli (2000) e Souza (2002).
Rediscutindo as categorias
Entre as cinco categorias, a primeira é a que,
evidentemente, oferece menos riscos de classificação, pois são
inúmeras as teses e dissertações que trazem no título as palavras-
chave educação ambiental, meio ambiente, ensino, práticas
pedagógicas ou similares. As primeiras dissertações, defendidas em
1984, trazem no título essa identificação. São elas a de Gomes
(1984) e a de Klein (1984).
A segunda categoria, “Teses e dissertações que abordam
temáticas ambientais defendidas em Programas de Pós-graduação
em Educação”, procura enfatizar como a questão ambiental, sob
suas múltiplas possibilidades temáticas, foi sendo pesquisada nos
Programas de Pós-graduação em Educação, trazendo nos títulos
referências à educação ambiental. Foram defendidas nesses
programas, no período analisado, o equivalente a 18 teses e 136
dissertações.
A terceira categoria, “Teses e dissertações que abordam
temáticas educacionais e ambientais defendidas em Programas de
Pós-graduação em Saúde Pública, Ecologia, Psicologia,
Multidisciplinares, etc.”, procura relacionar a temática ambiental
com as questões educacionais e foi pesquisada em diferentes
programas de pós-graduação.
Aqui vale destacar a produção do Programa de Pós-
graduação em Saúde Pública da Universidade de São Paulo, onde
foi defendida em 2000 a primeira tese de livre-docência, com o
título “Educação em saúde e educação ambiental: estratégias de
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
39
construção da escola promotora da saúde”, pela professora Maria
Cecília Focesi Pelicioni.
Nesse programa, foram também defendidas 6 teses e 9
dissertações.
O Programa de Pós-graduação em Educação Ambiental da
Fundação Universidade Rio Grande, pela sua especificidade, é o
que tem contribuído com maior quantidade de dissertações (41 até
o final do levantamento), apresentando ampla e profícua variedade
temática.
A quarta categoria, “Teses e dissertações cujos
pesquisadores/as são reconhecidos/as publicamente como
educadores/as ambientais, embora os títulos de seus trabalhos
universitários não explicitem necessariamente suas relações com a
educação ambiental”, enfatiza trabalhos realizados por
pesquisadores/as que ficaram conhecidos na área por suas
publicações sobre educação em editoras comerciais e/ou
universitárias, entre eles, Genebaldo Dias, Fernando Noal, Marta
Catunda. Nessa categoria, também se incluem pesquisadores/as e
professores/as como Maria Cecília Focesi Pelicioni e Roberto
Leher. Genebaldo Dias é autor de “Educação ambiental: princípios
e práticas”, que em 2002 se encontrava na edição. Fernando
Noal organizou, juntamente com Valdo Barcelos e Marcos Reigota,
“Tendências da Educação Ambiental”, cuja edição foi publicada
em 2001.
Marta Catunda tem um trabalho específico, no qual procura
desenvolver o paradigma estético (GUATTARI, 1991), aliando a
sua produção teórica a atividades artísticas e musicais, em parceria
com a cantora e compositora Tetê Spíndola. O seu livro “Canto do
céu aberto e de mata fechada”, originado de sua dissertação
defendida na Universidade de São Paulo, publicado pela editora da
Universidade Federal do Mato Grosso, é um dos mais originais da
área. Maria Cecília Focesi Pelicioni é professora da Faculdade de
Saúde Pública, da Universidade de São Paulo, tendo defendido
em 1989 a sua dissertação de mestrado em 1995, a tese de
doutorado e, em 2000, a tese de livre-docência. Participa do
Programa de Especialização em Educação Ambiental da
Universidade de São Paulo, tem vários artigos publicados,
organizou livros e orientou várias teses e dissertações sobre o tema.
Sua relação com a educação ambiental iniciou-se com
Denise Del Rey, que foi professora da Universidade de São Paulo
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
40
antes de se transferir para o Rio de Janeiro. Denise Del Rey
participou das primeiras reuniões da UNESCO na América Latina
que antecederam a conhecida Reunião de Tbilissi de 1977, na qual
foram definidos os princípios da educação ambiental (DIAS, 2002).
Na Universidade Federal do Rio de Janeiro, ela funda o
GEEA, Grupo de Estudos em Educação Ambiental, que contava
com a participação de Hedy Silva Ramos de Vasconcelos e a de,
entre outros, Carlos Frederico Loureiro, Erivaldo Pedrosa, Maria
de Lourdes Spazziani, Roberto Leher e Ronaldo de Souza Castro.
Todos os nomes citados defenderam teses e dissertações,
tornando-se referências na área.
Roberto Leher teve papel destacado nos eventos e
seminários do GEEA. Ficou nacionalmente conhecido quando foi
diretor do ANDES, Sindicato Nacional dos Docentes das
Instituições de Ensino Superior, e liderou uma das mais longas
greves de professores em 2001.
Pela sua militância, sofreu perseguições na Universidade
Federal do Rio de Janeiro, transferindo-se para a Universidade
Estadual do Rio de Janeiro, onde desenvolve pesquisas sobre
políticas públicas.
O título de sua tese, “Da ideologia do desenvolvimento à
ideologia da globalização como estratégia do Banco Mundial para
‘alívio’ da pobreza”, defendida na Faculdade de Educação da
Universidade de São Paulo, em 1998, não apresenta indícios de sua
trajetória e reflexões sobre a educação ambiental. Mas tal afirmativa
não se sustenta a partir de uma análise do seu conteúdo, razão pela
qual foi aqui incluída.
A quinta e última categoria está relacionada com os
contatos pessoais que tivemos com os/as pesquisadores/as. Em
conversas, encontros em seminários, cursos, bancas e troca de e-
mails, questionamos se o/a pesquisador/a considerava seu trabalho
como sendo de educação ambiental. Em caso afirmativo, era
incluído no levantamento.
O que dizem os números:
Numa primeira análise, pode se considerar extremamente
importante (embora não suficiente) que, em 18 anos, foram
produzidos tantos trabalhos sobre educação ambiental.
Se nos anos 80 a produção foi quantitativamente mínima,
com sete dissertações e uma tese, ela tem, no entanto, o mérito
histórico de iniciar uma temática nos meios universitários.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
41
Tabela I – Produção nos anos 80
ANO DE DEFESA MESTRADO DOUTORADO
1984 2 -
1987 1 -
1988 1 -
1989 3 1
TOTAL 7 1
Nos anos posteriores, o aumento foi significativo, como
nos mostram as tabelas II e III.
Tabela II – Produção nos anos 90
ANO DE
DEFESA
MESTRADO DOUTORADO LIVRE-
DOCÊNCIA
1990 3 1 -
1991 5 - -
1992 8 2 -
1993 10 1 -
1994 11 1 -
1995 26 3 -
1996 14 - -
1997 23 3 -
1998 29 7 -
1999 30 6 -
TOTAL 159 24 -
Tabela III – Produção nos primeiros anos do século XXI
ANO DE
DEFESA
MESTRADO DOUTORADO LIVRE-
DOCÊNCIA
2000 49 5 1
2001 20 9 -
2002 11 1 -
TOTAL 80 15 1
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
42
Cartografia
As universidades públicas, com mestrado e doutorado, são
as que mais contribuíram para a expansão da produção na área,
destacando-se a Universidade de São Paulo, Universidade Estadual
de Campinas, Universidade Estadual Paulista, Universidade Federal
do Rio de Janeiro e Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Tabela IV Universidades brasileiras com mestrado e
doutorado
MESTRADO DOUTORADO
LIVRE-
DOCÊNCIA
Universidade de
São Paulo
26 14 01
Universidade
Estadual de
Campinas
12 09 -
Universidade
Federal de São
Carlos
06 03 -
Universidade
Federal de Santa
Catarina
02 02 -
Universidade
Estadual Paulista
09 02 -
Universidade
Federal do Paraná
01 02 -
Universidade
Federal do Rio
Grande do Sul
09 01 -
Universidade de
Brasília
04 01 -
Universidade
Federal do Rio de
Janeiro
14 01 -
Universidade
Federal do Mato
Grosso
05 01 -
Universidade
Federal Rural do
Rio de Janeiro
- 2 -
TOTAL 88 38 -
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
43
Apenas duas teses foram defendidas no exterior. São elas a
de Marcos Reigota, defendida em 1990 na Universidade Católica de
Louvain (Bélgica), com o título “Les représentations sociales de
L’environnement et les pratiques pédagogiques quotidiennes de
professeurs de sciences à São Paulo-Brésil”, e a de Maria Ignes
Higuchi, defendida em 1999 na Universidade Brunel (Inglaterra),
com o título “House, street, bairro and mata: ideas of place in an
urban location in Brazil”.
Para as dissertações, aumenta consideravelmente o número
de universidades e a diversidade de programas de pós-graduação
com produção na área, destacando-se o Programa de Pós-
graduação em Educação Ambiental da Fundação Universidade Rio
Grande, a Pontifícia Universidade Católica do Rio do Janeiro, a
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, a Universidade
Federal Fluminense, a Universidade de Santa Maria e a Fundação
Getúlio Vargas do Rio de Janeiro
Tabela V – Defesas em programas de mestrado
UNIVERSIDADES DISSERTAÇÕES
Fundação Universidade Rio Grande 41
Pontifícia Universidade Católica do Rio
de Janeiro
16
Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo
09
Universidade Federal Fluminense 08
Universidade Federal de Santa Maria 07
Fundação Getúlio Vargas do Rio de
Janeiro
06
Universidade Federal do Espírito Santo
06
Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul
05
Universidade Metodista de Piracicaba 04
Universidade Federal da Paraíba 04
Universidade Estadual do Rio de
Janeiro
03
Universidade Estadual de Marin 03
Universidade de Juí 03
Pontifícia Universidade Católica do
Paraná
02
Universidade de Sorocaba 02
Pontifícia Universidade Católica de
Minas Gerais
02
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
44
Universidade Federal de Minas Gerais 02
Universidade Braz Cubas 02
Universidade Federal do Pará 02
Centro Universitário Frasciscano 02
Universidade Mackenzie 02
Universidade Guarulhos 02
Universidade do Vale do Rio dos Sinos
02
TOTAL 135
No nosso levantamento, verificamos que pelo menos uma
dissertação sobre educação ambiental foi defendida em 16
universidades. São elas: Universidade Federal de Uberlândia,
CEFET-PR, UNIMONTE, Universidade Federal do Ceará,
Universidade Estadual do Ceará, Universidade Católica de
Petrópolis, INPA-Manaus, Universidade Federal da Bahia,
Universidade Estácio de Sá, Universidade Estadual da Bahia,
Universidade de Ribeirão Preto, Universidade de Santa Cruz do
Sul, FUREG-Blumenau, Universidade Federal de Mato Grosso do
Sul, Universidade de Passo Fundo e Universidade Regional de
Joinville.
No exterior, foram defendidas, entre outras, as dissertações
de Gomes (1984), Pádua (1991) e Rocha (1994) .
As dissertações e teses em educação ambiental foram
defendidas nos mais diversos programas de pós-graduação,
legitimando e expandindo a sua identidade multi, inter e
transdisciplinar. Embora se destaque a produção dos Programas de
Pós-graduação em Educação, Educação Ambiental, Ecologia,
Saúde Pública, Desenvolvimento e Meio Ambiente e Psicologia,
outros programas mostram-se aptos para o tema. Entre eles,
destacamos os de Comunicações e Artes, Engenharia, Serviço
Social, Geografia, assim como os de Tecnologia, Filosofia e Saúde
Mental.
Tabela VI Especificidades dos programas de mestrado e
doutorado
PROGRAMAS MESTRADO DOUTORADO
LIVRE-
DOCÊNCIA
Educação 142 18 -
Educação ambiental
41 - -
Ecologia 15 04 -
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
45
Saúde Pública 09 06 01
Comunicações e
Artes
04 - -
Psicologia 05 02 -
Desenvolvimento e
meio ambiente
08 01 -
Ciências ambientais 03 - -
Engenharia 03 03 -
Geociências 03 - -
Sociologia - 03 -
Serviço Social 02 01 -
Geografia 02 - -
Desenvolvimento
agricultura e
sociedade
- 02 -
Ciências florestais 02 - -
Saúde e meio
ambiente
01 - -
Tecnologia 01 - -
Saneamento, meio
ambiente e recursos
hídricos
01 - -
Antropologia 01 - -
Integração latino-
americana
01 - -
Filosofia 01 - -
Saúde mental 01 - -
TOTAL 246 40 1
Características e fundamentos da educação ambiental
brasileira
Tendo sido realizado o levantamento das dissertações e
teses seguindo as categorias estipuladas, procedeu-se a análise de
conteúdo (BARDIN, 1998; SPINK, 1999; MIRIM, 1999), a partir
dos seus títulos.
A metodologia da análise de conteúdo é definida como
um conjunto de técnicas de análise de comunicações visando, por de
processos sistemáticos e objetivos a descrição de conteúdo de
mensagens para obter indicadores (quantitativos ou não, permitindo a
inferência de conhecimentos relativos às condições de produção e
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
46
recepção (variáveis inferidas) dessas mensagens. (BARDIN, 1998, p.
47).
Em relação à análise de conteúdo de documentos, a autora
observa que esta caracteriza-se pela manipulação de mensagens
(conteúdos e expressões deste conteúdo) visando evidenciar os
indicadores que permitem inferir sobre uma realidade outra que
aquela da mensagem (BARDIN, 1998, p. 51).
Nos últimos anos, vários programas tecnológicos foram
desenvolvidos visando a análise de conteúdo (TRIVELIN, 2003);
no entanto, optamos pelo estilo do arqueólogo no qual o analista
“trabalha sobre pistas” (traces): os “documentos” que ele pode
encontrar ou provocar (suscitar). Mas essas pistas são a
manifestação do estado, de dados, de fenômenos. alguma coisa
a descobrir por meio e graças a eles. Como o etnólogo necessita da
etnologia para interpretar suas descrições minuciosas, o analista se
aproveita do tratamento da mensagem que ele manipula para inferir
(deduzir de maneira lógica) conhecimentos sobre o emissor da
mensagem ou seu contexto (BARDIN, 1998, p. 43). Consideramos
as teses e dissertações como documentos de domínio público, que
refletem duas práticas discursivas: como gênero de circulação, como
artefatos do sentido de tornar público e como conteúdo, em relação
aquilo que está impresso em suas páginas (...) os documentos de
domínio público, como registros, são documentos tornados públicos,
sua intersubjetividade é produto da interação com um outro
desconhecido, porém significativo e freqüentemente coletivo. (SPINK,
1999, p. 126).
Segundo o mesmo autor:
Os documentos de domínio público são produtos sociais tornados
públicos. Eticamente estão abertos para análise por pertencerem ao
espaço público, por terem sido tornados públicos de uma forma que
permite a responsabilização. Podem refletir as transformações lentas em
posições e posturas institucionais assumidas pelos aparelhos simbólicos
que permeiam o dia-a-dia ou, no âmbito das redes sociais, pelos
agrupamentos e coletivos que dão forma ao informar, refletindo o ir e
vir de versões assumidas ou advogadas. (SPINK, 1999, p. 136).
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
47
Baseada nessa linha de raciocínio e atendo-se à produção
científica, Lia Yara Lima Mirim (1999, p. 156) observa que:
Um artigo científico publicado pode transformar os tipos de
enunciados, e as várias posições que já constituem o campo (...)Para que
uma operação seja bem sucedida, ela depende do número de atores na
área, do caráter inédito do que está em jogo, da personalidade e da
filiação institucional dos atores, das apostas e do estilo do artigo.
Essas observações da autora nos permitem e permitiram
fazer analogias com a produção de teses e dissertações em
educação ambiental e, conseqüentemente, com a análise de
conteúdo, procurando decifrar e evidenciar as suas principais
características e redes sociais de produção. Dessa forma, temos
claro e concordamos que
a construção de um levantamento bibliográfico é um exemplo claro da
natureza social da pesquisa. Um levantamento bibliográfico é permeado
por inúmeras decisões, todas elas pautadas pelas vicissitudes do
pesquisador. Assim, o resultado de um levantamento bibliográfico,
tomado como discurso, constitui uma dentre as múltiplas versões
possíveis sobre o tema pesquisado. A possibilidade da escolha está
inevitavelmente envolvida no cotidiano de pesquisa, uma vez que as
práticas discursivas em que uma pessoa poderia se engajar são
numerosas e contraditórias. (MIRIM, op. cit., p. 181).
Com esse referencial teórico-metodológico, estabelecemos
os seguintes itens:
Temática ambiental;
Características pedagógicas;
Contexto teórico-metodológico;
Características políticas.
Temática ambiental
A temática ambiental presente na produção brasileira é
muito variada. Essa temática ampla e genérica é definida como
“degradação ambiental”, “crise ambiental”, “problemas
socioambientais”, “alterações ambientais globais”, etc. No entanto,
é a análise da relação entre natureza e cultura a que predomina,
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
48
estando presente em pelo menos 30 trabalhos, entre os quais se
destacam os de Amorim (1997), Bellavilla (1994), Coutinho (1994),
Flores (2000) e Neto (1999).
Entre as teses e dissertações, verifica-se também a busca
pela fundamentação de caráter filosófico, como nas teses de
Zancanaro (1999) e Matsushima (1992) e nas dissertações de
Dalmas (1998), Jesus (1998) e Unger (1998).
Temas específicos relacionados com ecologia, unidades de
conservação, lixo, saúde, recursos hídricos e bacias hidrográficas,
ecossistemas e ocupação de espaço são os mais explicitados.
Tabela VII Temas ambientais presentes nas teses e
dissertações
TEMA
AMBIENTAL
MESTRADO DOUTORADO LIVRE-
DOCÊNCIA
Ecologia 14 04 -
Unidades de
conservação
11 01 -
Lixo 13 - -
Recursos hídricos
e bacias
hidrográficas
01 09 -
Saúde 11 01 01
Ecossistemas 01 06 -
Ocupação do
espaço
06 01 -
Análises dos problemas socioambientais urbanos são
realizadas nos trabalhos de Campos (2001), Dias (1998), Freitas
(1997), Higuchi (1999), Pelicioni (1995), Rechineli (2000), Reigota
(1990), Roveratti (2000), Santos (2001) e Souza (2000).
Temas polêmicos, como violência (ANDRADE, 2001),
transgênicos (CAPORLÍNGUA, 2001) ou sexualidade (SOARES,
1999), foram encontrados em apenas uma dissertação.
Os dados quantitativos e os exemplos citados confirmam e
reforçam a idéia da amplitude da temática ambiental e de sua
presença em diversos programas de pós-graduação.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
49
Características pedagógicas
Subdividimos as características pedagógicas das teses e
dissertações em educação ambiental em: relações com as disciplinas
escolares; fundamentos teóricos; instituições escolares;
metodologias de ensino; formação de professores; propostas
curriculares; espaços de aprendizagem; processos de avaliação;
estrutura de ensino; material didático; e grupos sociais.
Os dados quantitativos apontam, nas dissertações, uma
predominância de estudos relacionados com as práticas
pedagógicas cotidianas (42), com o ensino fundamental (19), com a
escola pública (15), com o ensino de Ciências (13) e com a análise
de propostas curriculares (11).
Nas teses, destacam-se os estudos que relacionam a
educação ambiental com o ensino de Ciências, Biologia, Geografia,
Ecologia e o enfoque na instituição escolar, desde as creches até os
cursos de pós-graduação.
Entre as dissertações, encontramos quatro relacionadas
com o ensino de Biologia, quatro com Geografia, três com
Ecologia, três com Educação Artística. Não faltam também
trabalhos relacionados com o ensino de Química, Literatura
Infantil, Música, Matemática e Educação Sexual.
Em relação aos fundamentos teóricos, predominam estudos
sobre o cotidiano escolar e outros que lembram a obra de Paulo
Freire, pois se referem à “Pedagogia dialógica”, “Pedagogia
transformadora”, “Educação popular”, “Temas geradores” e
“Conscientização” (PELICIONI, 2002; SOARES, 2002;
MARTINELLI, 2001; MOREIRA, 2000).
As escolas públicas são as que têm contribuído com maior
quantidade de estudos, nos seus diferentes níveis, com destaque
para o ensino fundamental. No entanto, encontram-se trabalhos
voltados para a escola particular, colégios de aplicação, escola rural
e para cursos como o técnico agrícola, magistério e extensão rural.
Teses e dissertações voltadas para a análise da formação dos
professores e de outros agentes educativos também foram
produzidas (LUZ, 2001; ALMEIDA, 2000; BOTELHO, 1998).
A escola tem constituído o espaço pedagógico majoritário
nas teses e dissertações, seguida das unidades de conservação.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
50
Encontramos ainda trabalhos relacionados com museus
(ALMEIDA, 1995) e zoológicos (MERGULHÃO,1998).
Entre os estudos sobre materiais pedagógicos, predominam
os relacionados a livros didáticos (ADVERSARI, 1995; AMORIM,
1997). Nesse item, encontram-se trabalhos relacionados com
fotografia (GASTAL, 2002) e computadores (FERREIRA, 1999;
MONTEIRO, 1999).
A educação ambiental está voltada para vários grupos
sociais. No entanto, pelo menos 18 trabalhos priorizam os
professores. Outros grupos sociais, como o dos estudantes, vêm
logo em seguida, com pelo menos 15 teses e dissertações.
No nosso levantamento, encontramos, ademais, trabalhos
relacionados com pesquisadores ambientais, jovens em situação de
risco, profissionais do lixo, adolescentes, imigrantes alemães,
mulheres trabalhadoras, portadores de deficiência, recursos
humanos, pescadores, favelados, operários, classes populares,
povos da floresta, comunidades indígenas e grupos de terceira
idade.
Contexto teórico-metodológico
No conjunto da produção brasileira, poucas referências
explícitas ao contexto teórico-metodológico nos títulos das teses e
dissertações.
Podemos identificar um predomínio de trabalhos que
procuram analisar as percepções, signos, significados,
representações, representações sociais, concepções e conceitos
prévios de grupos específicos.
Ainda nessa perspectiva, mas sem explicitar os conceitos e,
portanto, a matriz teórico-metodológico adotada, encontramos
uma série de trabalhos que analisam as falas, perspectivas, valores,
crenças, visões, pensamentos e opiniões de grupos sociais.
Assim, temos as correntes cognitivistas (cujos conceitos de
percepção e concepções se sobressaem) e as voltadas para o estudo
do imaginário, nas quais, além do estudo das representações, signos
e significados, destacava-se o uso da Teoria das Representações
Sociais (MOSCOVICI, 1978), retomada em pelo menos 8
dissertações (ANGONES, 2000; FIGUEIREDO, 2000; LEÃO,
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
51
1996; OKAMURA, 1996; SILVA, 2000) e uma tese de doutorado
(REIGOTA, 1990).
Entre os trabalhos cognitivistas, apenas um faz referência
explícita ao sociocognitivismo de Vigotsky (SPAZZIANI, 1999).
A interdisciplinaridade é a referência teórica explicitada em
pelo menos uma tese (DIAZ, 2001) e em 8 dissertações, entre elas:
Assunção (1995), Cascino (1998), Piovesan (1998).
Além das concepções teóricas acima explicitadas,
encontramos trabalhos relacionados com os estudos culturais,
perspectiva de gênero, complexidade, teoria sistêmica, memória
cultural, transdisciplinaridade, epistemologia, ecofeminismo, teoria
literária, semiótica, etc. Entre os trabalhos que enfatizam a opção
metodológica, temos um grande predomínio de estudos de caso (18
dissertações).
Entre as propostas metodológicas, encontramos, também,
histórias de vida, análise de discursos, pesquisa-ação, pesquisa
participante, modelagem semiquantitativa e estudos comparativos.
Características Políticas
As características políticas dos trabalhos em educação
ambiental são pouco explicitadas nos títulos das teses e
dissertações. No entanto, encontram-se referências à ideologia do
desenvolvimento, estratégia do Banco Mundial, pensamento de
esquerda, sociedade civil, transformação social, ideologia
empresarial, poder, nacionalismo, utopias concretizáveis, classes
populares e intervenção.
A contribuição da educação ambiental à participação e
construção da cidadania está explicitada em pelo menos 2 teses e 10
dissertações.
A análise e sugestões de políticas públicas também se
destacam, estando explicitadas em pelo menos 12 dissertações.
As experiências de desenvolvimento local estão presentes
em pelo menos 10 dissertações.
Os estudos relacionados com a sociedade civil, movimentos
sociais e ONGs estão explicitados em pelo menos 6 dissertações e
2 teses.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
52
As referências e os exemplos dados apontam para uma
crescente análise dos aspectos políticos da educação ambiental,
caracterizada, principalmente, para as políticas públicas,
movimentos sociais e construção da cidadania.
Que singularidade atribuir à educação ambiental?
Isabelle Stengers faz essa questão acima em relação às
ciências e argumenta que a atividade científica “integra uma forma
de polêmica e rivalidade, promove um ‘compromisso’ que liga
interesse, verdade e história” (STENGERS, 2002, p. 159).
Poderíamos utilizar o mesmo argumento da autora, que
analisa principalmente as ciências modernas teórico-experimentais,
para uma análise da singularidade da educação ambiental no
contexto contemporâneo das atividades científicas?
Apoiados nos seus argumentos, podemos procurar traçar e
identificar o processo pelo qual a educação ambiental brasileira tem
se constituído como um campo de atividade científica da área
educacional, mas não ficando restrita aos seus limites, dialogando e
se fazendo presente em diversos outros espaços de produção de
conhecimento, tais como: ecologia, saúde pública, sociologia,
psicologia, filosofia, etc.
Stengers não nos oferece a resposta imediata; no entanto, o
seu trabalho pode contribuir para a reflexão sobre o processo de
visibilidade e legitimidade da educação ambiental nas universidades
e institutos de pesquisa (STENGERS, 1993; 2002).
Usando os seus termos e com os dados que nossa pesquisa
mostra, podemos dizer que a educação ambiental brasileira provoca
“interesse” e rompeu o “muro de indiferença”, podendo assim
“existir” (STENGERS, 2002, p. 114/117).
Mas onde, afinal, se encontra a sua singularidade?
Ao longo deste artigo, procuramos exemplificar situações
que mostram que a atividade científica da educação ambiental está
profundamente relacionada com sujeitos que foram buscando e
criando espaços para a produção de conhecimento nessa área.
Esses sujeitos, que foram aqui nominados, mas que não são
os únicos, formam o “núcleo histórico”, que pode ser analisado na
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
53
perspectiva das “minorias ativas”, conforme as define Moscovici
(1996; 2003).
Diz o autor que “as minorias não são os únicos inovadores,
porém, através da história, elas se mostraram, muitas vezes, como
os principais agentes de inovação na arte, ciência, política e assim
por diante” (MOSCOVICI, 2003, p. 349).
Mas quais são as inovações dessa minoria ativa, depois que
conseguiu romper o muro de indiferença e provocar interesse,
constituindo assim a sua singularidade?
É bastante conhecido o contexto histórico brasileiro e
internacional sobre o surgimento da educação ambiental
(PELICIONI, 2002). Quando os sujeitos do núcleo histórico, com
ações no movimento social e em busca de fundamentação teórica,
decidiram pesquisar, tiveram que buscar professores/as e
departamentos que pudessem acolhê-los. Dessa forma, a produção
de conhecimento está intimamente ligada às trajetórias dos sujeitos,
relacionando “produção de saber e produção de existência”
(STENGERS, 2002, p. 202).
Foram muitos os professores/as que acolheram essa
demanda em departamentos tão diferenciados, passando da
engenharia à comunicação, das geociências ao serviço social, da
saúde mental às ciências florestais, da antropologia ao saneamento,
mas se concentrando sobretudo na educação.
Esse movimento dos sujeitos precisa ser analisado em
outros estudos para que se possa identificar todo o seu significado
no processo de inovação ao mesmo tempo social, político e
científico (MOSCOVICI, 1996; 2003) e no tocante às
singularidades (STENGERS, op. cit.).
A cartografia da produção brasileira em educação ambiental
também tem um significado digno de análise, pela sua concentração
regional e pelas ausências.
Não são poucas as universidades brasileiras onde o muro da
indiferença foi rompido; no entanto, essa possibilidade precisa ser
ampliada principalmente nas universidades do norte do país.
A educação ambiental tende a se ampliar, saindo dos temas
clássicos para abordar uma temática cada vez mais conflituosa e
cujas representações e interesses são múltiplos e com forças
políticas extremamente diferenciadas. Questões como as
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
54
relacionadas aos transgênicos, à biodiversidade, à saúde mental nas
metrópoles e aos saberes tradicionais e étnicos deverão estar
presentes com maior freqüência em trabalhos futuros.
A produção de conhecimentos sobre essa temática, por
meio da educação ambiental, permitirá que ações políticas e
pedagógicas estejam pautadas em competência técnica mais sólida.
Se, como se tem afirmado, a educação ambiental é uma
educação política (PELICIONI, 2000 e 2002; REIGOTA, 1990),
cabe a esse movimento ampliar e deixar claro o seu compromisso
político.
Portanto, a competência técnica está intimamente
relacionada com o compromisso político, sendo esse voltado para a
consolidação de uma sociedade democrática, livre, autônoma, justa
e sustentável.
Se a educação ambiental brasileira conseguir ampliar a sua
influência e presença, como uma atividade científica e política, a sua
singularidade ficará melhor explicitada não só para nós, sujeitos,
mas o que é mais importante e fundamental para a sociedade
que financia e aguarda os resultados de nossas atividades.
A educação ambiental, assim definida, é herdeira do
pensamento pedagógico crítico e propositivo iniciado por Anísio
Teixeira, Paulo Freire, Darcy Ribeiro e tantos outros professores e
professoras que não abandonam, em nome de uma competência
técnica específica, o compromisso político de intervir e participar
constantemente da transformação social. A sua singularidade é
colocar a perspectiva ecológica em evidência.
A pretensão da educação ambiental em formar cidadãos e
cidadãs críticos e participativos não é de transformá-los em
ecologistas e/ou ambientalistas inseridos num partido ou num
movimento, mas sim formar pessoas “em situação de exigir que os
cientistas respondam às suas perguntas, se esforcem por tornar a
´informação´ que possuem pertinente e utilizável, em suma, se
dirijam a eles como a interlocutores de quem seu trabalho
depende” (STENGERS, op. cit., p. 195).
A característica rizomática do estado da arte da educação
ambiental fica evidente ao observarmos os lugares/espaços de
produção. Tendo em vista que o rizoma implica a conexão entre
heterogêneos (STENGERS, op. cit.; GALLO, 2003), resta saber
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
55
como essa conexão se nas práticas pedagógicas cotidianas, no
interior das escolas, universidades e outros espaços de
aprendizagem.
Estará a educação ambiental, mediante as práticas
cotidianas explicitadas nas teses e dissertações, alterando,
modificando, fazendo a diferença no cotidiano escolar? Estarão
essas práticas pedagógicas cotidianas fundamentando e exercitando
o que num devir próximo poderá ser conhecido como perspectiva
ecologista, do mesmo modo como em outros tempos se
solidificaram e ganharam visibilidade e legitimidade as perspectivas
anarquista, liberal, socialista e tecnicista de educação?
Para que possamos dar uma resposta mais clara e
abrangente à questão inicial sobre a singularidade da educação
ambiental, necessitamos responder essas questões intermediárias.
Nossa pesquisa levanta algumas questões que poderão ser
respondidas com o acúmulo de estudos sobre o mesmo tema.
Conclusão
No momento em que iniciamos esta pesquisa, a educação
ambiental já havia consolidado a sua legitimidade em muitos
espaços políticos, sociais e acadêmicos.
Ao concluí-la, nos surpreendemos com a quantidade e a
diversidade temática abordada nas teses e dissertações defendidas
em vários programas de pós-graduação, no Brasil e no exterior.
É oportuno observar que, no período analisado (1984-
2002), a maior parte dessa produção foi defendida em programas
de pós-graduação em educação (18 teses e 142 dissertações), num
total de 1 tese de livre-docência, 40 teses e 246 dissertações.
Outros programas de pós-graduação, como os de Saúde
Pública, Ecologia, Educação ambiental e multidisciplinares,
também apresentam uma significativa produção.
O movimento da educação ambiental nas universidades
brasileiras enfatiza a sua amplitude para além de uma área específica
e a sua institucionalização como área de conhecimento.
Apesar de nossa pesquisa procurar ser a mais ampla
possível, sabemos que a mesma encontra-se longe de ser conclusiva
e que não esgotamos o assunto. Possivelmente, estamos apenas
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
56
iniciando o processo de análise dos fundamentos políticos e
pedagógicos da produção brasileira.
Acreditamos que este trabalho inicial será ampliado e
aprofundado com a constituição de um banco de dados específico,
que poderá auxiliar futuras pesquisas com base nos fundamentos e
categorias aqui enunciados.
Gostaríamos de enfatizar que nossa pesquisa aponta para a
necessidade de se ampliar, estimular e diversificar a pesquisa em
educação ambiental nos Programas de Pós-graduação (em qualquer
área). Aponta também para a necessidade de intensificar os
intercâmbios internacionais nos quais os/as pesquisadores/as
brasileiros/as possam dialogar com os seus pares e vivenciar outros
contextos políticos, culturais, sociais, educacionais e ecológicos.
A difusão da produção brasileira deve ser também
estimulada, para que os/as pesquisadores possam ampliar a sua
participação e influência (inter)nacional na definição de políticas
públicas para a educação ambiental, linhas de pesquisa e docência
sobre o tema.
A consolidação, em 2004, do grupo de trabalho em
educação ambiental na ANPEd (Associação Nacional de Pós-
Graduação e Pesquisa em Educação), depois de um longo processo
iniciado por pesquisadores e pesquisadoras da área em 1997,
constitui um marco fundamental na visibilidade e legitimidade da
produção científica. Espera-se também que com o GT em
Educação Ambiental da ANPED se amplie (e se justifique) a
influência de pesquisadores/as da área, junto aos programas de
pós-graduação, nas agências financiadoras de pesquisa e nas
instituições responsáveis pela elaboração e condução de políticas
públicas pautadas em sólidos referenciais teóricos e metodológicos.
Essa produção científica (em muitos casos realizada com
dinheiro público) é uma contribuição valiosa para o
desenvolvimento da educação ambiental no Brasil e o será até o
momento em que não seja mais necessário adjetivar a educação.
Referências bibliográficas
ADVERSARI, O.A. O enfoque da educação ambiental nos livros didáticos de
primeiro e segundo graus. Mestrado em Ecologia, Universidade Guarulhos,
Guarulhos, 1995.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
57
ALMEIDA. A.M. A relação do público com o Museu do Instituto Butantã:
Análise da exposição “Na natureza o existem vilões”. Mestrado em
Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
ALMEIDA, M.M. Plano de capacitação em educação ambiental formal para o
município de Rancho Queimado, Santa Catarina. Mestrado em Engenharia
Ambiental, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,
2000.
AMORIM, M.A.L. A relação homem-mundo natural nos livros didáticos de
ciência. Mestrado em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa
Maria, 1997.
ANDRADE, A.L.C. Educação ambiental e construção da cidadania: Uma prática
com classes populares. Mestrado em Educação, Universidade Federal do Rio de
Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.
ANGONESI, M.A.G. Educação ambiental e representações sociais: Diálogos,
ações educativas e desafios com professores de séries iniciais. Mestrado em
Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2000.
ASSUNÇÃO, L. W. Educação ambiental como um processo interdisciplinar:
uma experiência com a coleta de lixo na escola estadual Joaquim Saraiva.
Mestrado em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 1995.
BARCELOS, V. e NOAL, F.; REIGOTA, M. (Orgs.). Tendências da educação
ambiental. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001, 2ª edição.
______. Ecologia, literatura e educação ambiental: a contribuição de Octávio
Paz. Doutorado em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis, 2001.
BARDIN, L. L´analyse de contenu. Paris: PUF, 1998, 9ème édition.
BELLAVILLA, E.P. Educação ambiental: um imperativo da nova relação
homem-natureza. Mestrado em Educação, Universidade Federal Fluminense,
Niterói, 1994.
BERGMANN, H.M.B. As relações entre gênero e meio ambiente no processo
de ocupação do espaço: Terra Vermelha – Vila Velha – ES. Mestrado em
Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 1996.
BOTELHO, J.M.L. A educação ambiental na formação do professor para o
ensino fundamental em Porto Velho RO. Mestrado em Educação,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
58
BRAUM, M.C. Do vale das matas nativas ao vale do progresso: um estudo sobre
as representações de ambiente em comunidades de imigrantes alemães. Mestrado
em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.
CADEI, M. S. Uma perspectiva de construção da cidadania: Educação
Ambiental no Curso de Formação de Professores. Mestrado em Educação,
Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.
CAMPOS, A.C. Resíduos sólidos urbanos: educação ambiental e análise de
comportamento de estudantes de escolas de Feira de Santana. Mestrado em
Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001.
CAPORLÍNGUA, V.H. Alimentos transgênicos: análise da problemática jurídica
através da ética e educação ambiental. Mestrado em Educação Ambiental,
Fundação Universidade Rio Grande, Rio Grande, 2001.
CARVALHO, L.M. A temática ambiental e a escola de primeiro grau.
Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.
CARVALHO, V. S. Educação Ambiental e desenvolvimento comunitário:
desafios e perspectivas. Mestrado em Educação, Universidade Federal do Rio de
Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.
CASCINO, F. Princípios interdisciplinares para a construção de uma educação
ambiental. Mestrado em Educação (Currículo), Pontifícia Universidade Católica
de São Paulo, São Paulo, 1998.
CATUNDA, M. O canto do céu aberto e de mata fechada. Mestrado em
Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.
______. O canto do céu aberto e de mata fechada. Cuiabá: ed. da Universidade
Federal do Mato Grosso, 1994.
COUTINHO, M. Reflexões acerca da estrutura do conhecimento ecológico:
representações da natureza e representações de sociedade. Doutorado em
Sociologia. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.
CURVELO, M.A. A presença do enfoque agro-ecológico em currículo técnico
agrícola. Mestrado em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de
Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.
DALMAS, G. O conceito filosófico de ambiente e a reconstrução da
sustentabilidade ética: uma contribuição à educação ambiental. Mestrado em
Educação Ambiental, Fundação Universidade Rio Grande, Rio Grande, 1998.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
59
DE KETELE, J.M. e ROEGIERS, X. Méthodologie du recueil d´informations:
Fondements dês méthodes d´observations, de questionnaires, d´interviews et
d´études de documents, Bruxelles, De Boeck Université, 1996, 3 ème édition.
DIAS, G. Educação ambiental: princípios e práticas. edição. São Paulo: Gaia,
2002.
DIAS, G.F. Estudo sobre o metabolismo socioecossistêmico urbano da região
de Taquatinga DF e as alterações ambientais globais. Doutorado em Ecologia,
Universidade de Brasília, Brasília, 1998.
DIAZ, R.P. Interdisciplinaridade e meio ambiente em cursos de pós-graduação
no Brasil. Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade.
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.
DRUMMOND, J.A. e SCHROEDER, A. Programas de Pós-graduação em
Ciências Ambientais e similares no Brasil – uma listagem preliminar. Ambiente &
Sociedade, nº2, p. 10-20, 1998.
FELIPPE, C. Capital social e familismo amoral. Mestrado em Antropologia,
Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2002.
FERREIRA, T. R. Complexidade e adequação pedagógica de um projeto
ambiental via internet: o programa educ@r. Mestrado em Educação,
Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 1999.
FIGUEIREDO, L.A.V. O meio ambiente prejudicou a gente...: Políticas públicas
e representações sociais de preservação e desenvolvimento; desvelando a
pedagogia de um conflito no Vale do Ribeira (Iporanga – SP), Mestrado em
Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.
FLORES, J.A.V. Natureza, cultura, objeto e arte: o ambiente em situação de
fronteiras: um estudo para a educação ambiental. Mestrado em Educação
Ambiental, Fundação Universidade Rio Grande, Rio Grande, 2000.
FRACALANZA, D.C. Crise ambiental e ensino de ecologia: o conflito na
relação homem-mundo natural.. Doutorado em Educação, Universidade
Estadual de Campinas, Campinas, 1992.
FREITAS, E.Y. A floresta amazônica na concepção de professores e alunos da
série das escolas estaduais do município de Manaus. Mestrado em Biologia
Tropical, INPA-Manaus, Manaus, 1997.
GALLO, S. Deleuze e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
60
GARNIER, C. Contribution de la théorie des représentations sociales au champ
de l’éducation relative à l’environment. Les dossiers des sciences de l’education,
nº4, p. 23-42, 2000.
GASTAL, A.L. Do olhar à reflexão: a vivência fotográfica em ecossistemas
como proposta de educação ambiental. Mestrado em Educação Ambiental,
Fundação Universidade Rio Grande, Rio Grande, 2002.
GOLDGRUB, R. Papéis no mundo: escritas do silêncio, silenciadas
subterrâneas. Mestrado em Educação (Currículo), Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, São Paulo, 1998.
GOMES, L. O serviço social e a questão ecológica: uma articulação a ser
construída. Mestrado em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo, São Paulo, 1997.
GOMES, M.M.P.L. Environmental education as an approach to improve science
teaching: a study of a group of science teachers in Niterói, Rio de Janeiro, Brazil.
Mestrado em Educação, Universidade de Kansas, Kansas, 1984.
GOUGH, N. Repensar el sujeto: (de)construyendo la acción humana en la
investigación en educación ambiental. Tópicos en educación ambiental, vol. 2,
nº4, 2000.
GOYA, E.M.M. Deconstrucción de las representaciones sobre el medio
ambiente y la educación ambiental. Tópicos en educación ambiental, vol.2,
nº4,p.33-40, 2000a.
______. Desvelando a história da educação ambiental em Sorocaba. Mestrado
em Educação, Universidade de Sorocaba, Sorocaba, 2000.
GUATTARI, F. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1991.
GUEVARA, G.A.U. A educação ambiental num órgão governamental: A
FEEMA. Mestrado em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio
de Janeiro, 1994.
GUIMARÃES, L. B. O educativo nas ações e lutas e movimentos de defesa
ambiental: Uma história de descontinuidade. Mestrado em Educação,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1998.
HALBRITTER, L. Método ludo-artístico para o ensino de adolescentes
hipossuficientes na faixa etária de 14 a 17 anos. Mestrado em Educação,
Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2000.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
61
HIGUCHI, M.I.G. House, street, bairro and mata: ideas of place and space in an
urban location in Brazil. Doutorado em Psicologia, Brunel University of West
London, London, 1999.
JESUS, E.L. Sociodiversidade no Jaú: a ética de (com)viver. Mestrado em
Educação Ambiental, Fundação Universidade Rio Grande, Rio Grande, 1998.
KLEIN, E.J. A abordagem das relações entre os componentes ambientais dos
livros didáticos degrau. Mestrado em Educação, Universidade Federal do Rio
de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984.
LEÃO, V. F. A representação social da fauna: uma contribuição à educação
ambiental. Mestrado em Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói,
1996.
LEHER, R. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização como
estratégia do Banco Mundial para ‘alívio’ da pobreza. Doutorado em Educação,
Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
LIMOEIRO, R. Concepções socioculturais de uma comunidade favelada sobre o
meio ambiente: subsídios para um programa educacional. Mestrado em
Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1991.
LUZ, G.O. Formação de formadores em educação ambiental. Doutorado em
Meio Ambiente e Desenvolvimento, Universidade Federal do Paraná, Curitiba,
2001
MARTINELLI, N.R.B. Educação ambiental no cotidiano das escolas: teorias e
realidade. Mestrado em Educação Ambiental, Fundação Universidade Rio
Grande, Rio Grande, 2001.
MATSUSHIMA, K. Perspectiva arquetípica e holística em educação ambiental..
Doutorado em Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.
MEGID, N.J. (coord.). O ensino de ciências no Brasil: catálogo analítico de teses
e dissertações 1972-1995. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1998.
MENDES, E.G., et al. A produção discente da pós-graduação e áreas afins:
análise crítica das teses e dissertações sobre educação especial. Anais da XXX
Reunião Anual de Psicologia, Universidade de Brasília, outubro, p. 11-12, 2000.
MERGULHÃO, M. C. Zoológico: uma sala de aula viva. Mestrado em
Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
62
MIRIM, L.Y.L. “Garimpando sentidos em bases de dados”. In: SPINK, M.J.
(Org.). Práticas discursivas e produção de sentido. São Paulo: Cortez, p. 153-182,
1999.
MONTEIRO, A.F.B. A educação ambiental pela rede mundial de computadores.
Mestrado em Educação, Universidade Braz Cubas, Mogi das Cruzes, 1999.
MOREIRA, M.K.W. A dimensão ambiental no currículo escolar através de
temas geradores de ensino na escola rural da região de Coxipó do Ouro – Cuiabá
MT. Mestrado em Educação, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá,
2000.
MOREIRA, R.J. e ROCHA, P.E.D. Interdisciplinaridade na pós-graduação:
notas de pesquisa. Redes Revista do Mestrado e Doutorado em
Desenvolvimento Regional. UNISC, v. 7, nº2, p. 9-45, 2002.
MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em Psicologia Social.
Petrópolis: Vozes, 2003.
______. Psychologie des minorités actives. Paris: PUF, 1996, 2ème édition.
______. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
NETO, B.M. Ecologia e imaginário nos Cariris Velhos do Estado da Paraíba:
Memória cultural e natureza no cerimonial da vida. Mestrado em
Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal da Paraíba, João
Pessoa, 1999.
NEVES, P.C.B. Educação ou adestramento ambiental? Mestrado em Ecologia.
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1993.
NOAL, F. O movimento ecologista no Rio Grande do Sul: uma abordagem
histórico-social no período de 1970 a 1995. Mestrado em Desenvolvimento
Regional, Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 1999.
NOVICKI, V. Educação ambiental: produção discente dos Programas de Pós-
graduação do Rio de Janeiro (1981-1996). Anais do I Encontro de Pesquisa em
Educação Ambiental, Rio Claro, 29,30 e 31 de julho, Universidade de São Paulo,
Universidade Estadual Paulista e Universidade Federal de São Carlos, 2001.
OKAMURA, C. As representações sociais de meio ambiente de professores de
educação ambiental. Mestrado em Psicologia Social, Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
63
PÁDUA, S.M. Conservation awareness through an environmental education
school program at the Morro do Diabo State Park, São Paulo state, Brazil.
Mestrado em Artes, Universidade da Flórida, Flórida, 1991.
PELICIONI, A.F. Educação ambiental: limites e possibilidades de uma ação
transformadora. Doutorado em Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São
Paulo, 2002.
PELICIONI, M.C.F. Qualidade de vida das mulheres trabalhadoras das creches
conveniadas do bairro Bela Vista do município de São Paulo. Doutorado em
Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
______. Serviços de saúde: utilização e opinião dos usuários. Mestrado em Saúde
Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.
PIOVESAN, E.J. A visão sistêmica do ensino com pesquisa, como paradigma
para uma abordagem interdisciplinar na educação ambiental. Mestrado em
Educação, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 1998.
POMPÉIA, S. Formação ambiental de agentes locais. Mestrado em Ciência
Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
PORTILHO, M.F. Profissionais do lixo no Rio de Janeiro. Mestrado em
Ecologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.
RECHINELI, I. Mudas da cidade: inclusão pela educação e cidadania. Mestrado
em Educação, Universidade de Sorocaba, Sorocaba, 2000.
REIGOTA, M. Educação ambiental no Brasil: fragmentos de sua história. In:
BARCELOS, V.; NOAL, F. e REIGOTA, M. (Orgs). Tendências da educação
ambiental brasileira. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001, 2ª edição, 07:17.
______. Ecologia, elites e intelligentsia na América Latina: um estudo de suas
representações sociais. São Paulo: Annablume, 1999.
______. Les representations sociales de l'environnement et les pratiques
pedagogiques quotidiennes des professeurs de sciences à São Paulo – Bresil.
Doutorado em Educação. Louvain : Universite Catholique de Louvain, 1990.
ROCHA, I.M. Protected áreas and no-governamental organizations in
partnerships for conservation: case studies from Brazil and recommendations for
the future. Mestrado em Artes, Universidade da Flórida, Flórida, 1994.
ROVERATTI, D.S. Diagnósticos de projetos de educação ambiental em escolas
públicas das áreas de proteção de mananciais da represa Billings. Doutorado em
Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
64
SANTOS, E.C. Meio ambiente através das manifestações dos povos da floresta –
uma análise crítica do festival folclórico de Parintins. Doutorado em Educação,
Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, 2001.
SANTOS, K.J.V. Saúde e educação ambiental em Vargem Grande Paulista.
Mestrado em Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
SAUVÉ, L. Para construir un patrimônio da investigación em educación
ambiental. Tópicos en Educación Ambiental, v.2, nº5, p. 51-69, 2000.
SERRÃO, M.A. Da lógica dicotomizante à busca de novos paradigmas: o
discurso dos pesquisadores ambientais do Rio de Janeiro. Mestrado em Ecologia
Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.
SERRÃO, S. A educação ambiental feita por organizações governamentais e
não-governamentais na região de Campinas, Mestrado em Educação,
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.
SEVERINO, A.J. A relevância social e a consistência epistêmica da pesquisa em
educação: alguns subsídios para se avaliar a pesquisa em educação ambiental”.
Educação: teoria e prática, vol. 9, nº 16 e 17 p. 10-16, 2001.
SILVA R.L.F. A educação ambiental nos cursos de licenciatura do Estado de São
Paulo: Análise dos planos de ensino e representações sociais dos(as)
professores(as). Mestrado em Ecologia, Universidade Guarulhos, Guarulhos,
2000.
SOARES, D.G.F. Educação ambiental na Vila do Ananin-PA: conscientizando e
integrando comunidades nas estratégias de conservação na Amazônia Oriental.
Mestrado em Psicologia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2002.
SOARES, G.F. Sexualidade e gravidez indesejada: um estudo sobre a educação
sexual e sua articulação com a questão ambiental. Mestrado em Educação
Ambiental, Fundação Universidade Rio Grande, Rio Grande, 1999.
SOUZA, D.V. As águas e o lugar: a vida e o meu refúgio. Mestrado em Saúde
Pública, Universidade de São Paulo, 2002.
SPAZZIANI, M.L. Ouvindo Vigotski...dialogando com crianças... possibilidade
de uma nova prática pedagógica para o ensino da saúde na escola. Doutorado em
Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.
SPINK, P. Análise de documentos de domínio público. In: SPINK, M.J. (Org.).
Práticas discursivas e produção de sentido. São Paulo: Cortez, p. 123-152, 1999.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
65
______. Representações sociais: questionando o Estado da Arte. Psicologia e
Sociedade, volume 8, nº. 02, 1986, p. 166-186.
STENGERS, I. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Ed. 34, 2002.
______. La volonté de faire science: a propôs de la psychanalyse. Paris, Éditions
Synthélabo/Delagrange, 1993.
TRAJBER, R. e MANZOCHI, L.H. (Orgs.). Avaliando a educação ambiental no
Brasil: materiais impressos. São Paulo: Gaia, 1996.
TRIVELIN, B. Note pratique: une aide à l´analyse de contenu: le tableau excel,
Recherches Sociologiques, Université Catholique de Louvain, vol. XXXIV, nº1,
2003, p. 135-147.
UNGER, M.N. Cosmos e polis: Fundamentos filosóficos do pensamento
ecológico. Doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas,
Campinas, 1998.
VASCONCELLOS, H.S.R. (Coord.). A educação ambiental na universidade: um
banco de dados. Educação, 51, Departamento de Educação, Pontifícia
Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1999.
ZANCANARO, L. O conceito de responsabilidade em Hans Jonas. Doutorado
em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.
Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1 – pp. 33-66, 2007
______________________________________________________________________________
66
... O presente estudo buscou mapear as teses e dissertações (T&D) em Educação Ambiental Crítica (EAC), caracterizando-as através dos centros de pesquisas dos quais são oriundas. As T&D em Educação Ambiental (EA) como objeto de pesquisa têm se consolidado com vistas a caracterizar cada vez mais o campo brasileiro, em suas diversas faces, como, por exemplo, nos estudos de Vasconcellos (1999), Novicki (2003), Reigota (2007), entre outros. Dessa forma, avançamos, no sentido de realizar uma análise epistemológica de T&D que versam sobre Sequências Didáticas (SD) com viés da EAC. ...
... De caráter exploratório e descritivo (BOGDAN; BIKLEN, 2003), o presente artigo faz um levantamento bibliográfico de T&D em EAC, bem como avança para realização da análise epistemológica dos trabalhos levantados sobre práticas pedagógicas propostas, embasadas nessa macrotendência da EA. A pesquisa bibliográfica busca mapear os estudos e conhecimentos produzidos e desenvolvidos em uma área ou problemática, de modo a elucidar a trajetória e suas transformações (REIGOTA, 2007). A escolha pela da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) se baseou na importância que essa ferramenta possui para o processo de comunicação científica, visto que consiste em um acervo eletrônico da produção acadêmica no nível de Pós-Graduação stricto sensu das Instituições de Ensino Superior (IES) do Brasil. ...
... Fica ainda mais evidente a importância dessa produção -normalmente vinculada às atividades e/ou projetos em EA -em regiões do nosso país que apresentam comunidades de povos originários em diversas localidades, que possuem saberes e dinâmicas relevantes que devem ser levados em conta em processos críticos, transformadores e emancipatórios da EAC. O registro de produção acadêmica na região Norte do país, encontrado pelo presente artigo, também aponta para uma mudança no campo acadêmico da área, visto que outros autores (VASCONCELLOS, 1999;NOVICKI, 2003;REIGOTA, 2007), ao elaborarem estudos do tipo Estado da Arte em EA, analisando a produção em períodos históricos anteriores ao do presente estudo, também encontraram uma baixa incidência de T&D oriundas daquela região. ...
Article
Full-text available
The purpose of this article is to provide an overview of scientific production in Critical Environmental Education (CEE) regarding its occurrence and characterization, advancing to an epistemological analysis from the theoretical and methodological approaches privileged by the theses and dissertations (T&D) that had as their object Instructional Sequences with CEE bias. With qualitative nature, it comprises a bibliographic study of the State-of-the-Art, and the data collection took place through searches by descriptors named by the themes on the website of the Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) [Digital Library of Theses and Dissertations] conducted in April 2019.. We applied the Paradigmatic Scheme (PS) as a data analysis tool for logical reconstitution, that is, the technical, theoretical, methodological, epistemological, gnosiological and ontological levels of the selected T&D. The predominance of scientific production in the Southeast region is evident; also, Graduate Programs in Education and, consequently, the large area of Human Sciences is linked to most of the studies raised. It appears that the majority of T&D is classified as diachronic, although there is caution in the sense of criticism with the potential for further theoretical and ontological deepening necessary for social desalination and transformation.
... Segundo Reigota (2007), a singularidade da EA está em colocar a perspectiva ecológica em evidência, com a pretensão de formar cidadãos críticos e participativos, sem transformá-los em ecologistas ou ambientalistas repetidores de ocasião. Stengers (2002) formula essa questão em relação às ciências modernas e argumenta que "a atividade científica integra uma forma de polêmica e rivalidade que promove um compromisso que liga interesse, verdade e história". ...
... Apoiado nesses argumentos, Reigota (2007) faz uma análise de singularidade da Educação Ambiental no contexto contemporâneo das atividades científicas, traçando e identificando o processo pelo qual a Educação Ambiental Brasileira tem se constituído como um campo de atividade científica da área educacional, não ficando restrita aos seus limites, dialogando e se fazendo presente em outros espaços de produção de conhecimento, tais como ecologia, química ambiental, saúde pública, sociologia, filosofia etc. Dessa forma, pode-se dizer que o processo de visibilidade e legitimidade da EA nas Universidades e Institutos de Pesquisa provocou interesse e rompeu a barreira da indiferença, podendo, assim, expandir. ...
... O projeto "O que sabemos sobre a Educação Ambiental no Brasil: análise da produção acadêmica" (FRACALANZA, 2005) teve como foco a produção acadêmica brasileira constituída por dissertações e teses realizada em diversos programas de pós-graduação que identificou 807 referências de trabalhos acadêmicos brasileiros que tratam da EA até o ano de 2004. A produção acadêmica no período de 1984 a 2002 foi avaliada por Reigota (2007). Os trabalhos de Lorenzetti e Delizoicov (2007) também fazem tal análise, em resumos de 812 dissertações e teses compreendidas no período de 1981 até 2003. ...
Article
Full-text available
Este artigo descreve a pesquisa sobre Educação Ambiental no contexto dos cursos de Química/Engenharia Química entre os anos de 2003 a 2012. O estudo considerou 33 trabalhos mapeados a partir da pesquisa realizada no portal da CAPES. A partir dos dados obtidos verificou-se que as instituições que mais contribuíram para a produção na área foram as universidades públicas, com destaque para as dissertações de Mestrado, com o maior número de dissertações e teses entre 2008 e 2010, com maior produção no estado de São Paulo. A abordagem pedagógica foi predominante nos trabalhos pesquisados e não foi identificada produção voltada para os cursos de Engenharia Química.
... Conclui-se que a Universidade de São Paulo (USP) publicou 15,2% das pesquisas na área; respectivamente, a UNESP com 10,9%; UNICAMP foi responsável por 8,7%; a UFSCAR totalizou 6,5%; a USFC e a UNB apresentaram 4,3%; e outras instituições de ensino superior permaneceram em 2,2%, por exemplo, UFRGS e UFSM entre outras. A categorização e a análise das produções foram orientadas a partir das categorias de análise propostas por Reigota (2007). Nessa direção, cabe destacar que o tema gerador é a bacia hidrográfica, a qual está presente na categoria temática ambiental, perpassando todas as demais categorias apresentadas. ...
...  Temática ambiental: refere-se à degradação ambiental, à crise ambiental, aos problemas ambientais, às unidades de conservação, ao lixo, à saúde, à água, às bacias hidrográficas, às mudanças climáticas, aos ecossistemas -ou seja, a transformação do espaço geográfico, associado diretamente à relação sociedade e natureza (REIGOTA, 2007). ...
... Contexto teórico-metodológico: refere-se às percepções, aos signos, aos significados, às representações, às representações sociais, às concepções e aos conceitos prévios de grupos específicos, por meio das falas, perspectivas, valores, crenças, visões, pensamentos e opiniões de grupos sociais. Destaque dessa categoria é o uso da Teoria das Representações Sociais(REIGOTA, 2007). Características políticas:Reigota (2007, p. 51) faz "*...+ referências à ideologia do desenvolvimento, estratégia do Banco Mundial, pensamento de esquerda, sociedade civil, transformação social, ideologia empresarial, poder, nacionalismo, utopias concretizáveis, classes populares e intervenção". ...
Article
Full-text available
Neste artigo objetivou realizar uma revisão integrativa das pesquisas sobre a Educação Ambiental em contextos de Bacias Hidrográficas. A coleta de dados ocorreu a partir da leitura dos resumos das 46 produções científicas publicadas entre 1996 e 2020, nas seguintes plataformas digitais: REMEA, REDIB e BDTD. A metodologia tomou como base a pesquisa quantitativa e qualitativa. Para categorizar e analisar as produções, foram utilizadas as categorias de análise propostas por Reigota (2007). Como resultado, constatou-se a interdisciplinaridade imanente à temática. As pesquisas apontam que as temáticas que envolvem os descritores foram desenvolvidas de forma pontual, fragmentada, naturalista e conservadora. Destacam que é fundamental a potencialização do tema nas escolas, nas universidades e nos comitês de bacias, a fim de superar os problemas socioambientais emergentes nessas realidades.
... Conclui-se que a Universidade de São Paulo (USP) publicou 15,2% das pesquisas na área; respectivamente, a UNESP com 10,9%; UNICAMP foi responsável por 8,7%; a UFSCAR totalizou 6,5%; a USFC e a UNB apresentaram 4,3%; e outras instituições de ensino superior permaneceram em 2,2%, por exemplo, UFRGS e UFSM entre outras. A categorização e a análise das produções foram orientadas a partir das categorias de análise propostas por Reigota (2007). Nessa direção, cabe destacar que o tema gerador é a bacia hidrográfica, a qual está presente na categoria temática ambiental, perpassando todas as demais categorias apresentadas. ...
...  Temática ambiental: refere-se à degradação ambiental, à crise ambiental, aos problemas ambientais, às unidades de conservação, ao lixo, à saúde, à água, às bacias hidrográficas, às mudanças climáticas, aos ecossistemas -ou seja, a transformação do espaço geográfico, associado diretamente à relação sociedade e natureza (REIGOTA, 2007). ...
... Contexto teórico-metodológico: refere-se às percepções, aos signos, aos significados, às representações, às representações sociais, às concepções e aos conceitos prévios de grupos específicos, por meio das falas, perspectivas, valores, crenças, visões, pensamentos e opiniões de grupos sociais. Destaque dessa categoria é o uso da Teoria das Representações Sociais(REIGOTA, 2007). Características políticas:Reigota (2007, p. 51) faz "*...+ referências à ideologia do desenvolvimento, estratégia do Banco Mundial, pensamento de esquerda, sociedade civil, transformação social, ideologia empresarial, poder, nacionalismo, utopias concretizáveis, classes populares e intervenção". ...
Article
Full-text available
Neste artigo objetivou realizar uma revisão integrativa das pesquisas sobre a Educação Ambiental em contextos de Bacias Hidrográficas. A coleta de dados ocorreu a partir da leitura dos resumos das 46 produções científicas publicadas entre 1996 e 2020, nas seguintes plataformas digitais: REMEA, REDIB e BDTD. A metodologia tomou como base a pesquisa quantitativa e qualitativa. Para categorizar e analisar as produções, foram utilizadas as categorias de análise propostas por Reigota (2007). Como resultado, constatou-se a interdisciplinaridade imanente à temática. As pesquisas apontam que as temáticas que envolvem os descritores foram desenvolvidas de forma pontual, fragmentada, naturalista e conservadora. Destacam que é fundamental a potencialização do tema nas escolas, nas universidades e nos comitês de bacias, a fim de superar os problemas socioambientais emergentes nessas realidades.
... For each article, we extracted the following information: (i) geographical Research, Society and Development, v. 11, n. 4, e45211427598 2022 (CC BY 4.0) | ISSN 2525-3409 | DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i4.27598 4 location of the institution, (ii) type of institutionsprivate or public, (iii) gender of the first authorwoman or men, (iv) educational attainmentdoctoral, masters, specialist or graduate levels, (v) the number of authors, (vi) the number of international co-authors, (vii) the number of educational institutions, and viii) methodological approachqualitative or quantitative. The categories implemented here can be considered an extension of more than a decade of research in Environmental Education and is supported by previous efforts by several other authors Carvalho et al. 2019;Carvalho & Farias 2011;Farias et al. 2018;Filho 2019;Matos, unpublished data;Reigota 2007 ...
... Our results demonstrate a predominance article published by authors from public institutions (n = 596; 86%) than from private institutions (n = 97; 13,99%; Figure 3). The prevalence of public institutions reported was also supported by other studies (Carvalho & Farias 2011;Farias et al. 2018;Reigota 2007). This finding reinforces the importance and leadership of public educational institutions within the Brazilian scientific context. ...
Article
Full-text available
Here we carried out a review of the open-access literature concerning Environmental Education in the prominent Brazilian journals from 2015 to 2019, aiming to provide trends in the field of Environmental Education Research in Brazil and highlighted well-studied areas and potential research gaps. We found a total of 695 articles from four scientific journals that met the selection criteria, and identified five key results: i) a predominance of qualitative research approach; ii) sex-biased authorship skewed towards women; iii) high educational attainment, led by authors with doctoral degrees; iv) a majority of authors affiliated to public institutions, and v) a predominance of authors from institutions at the southeast region of Brazil. Therefore, our results highlight that the major gaps to be filled in Environmental Education are the lack of quantitative studies, low scientific production by private universities, and centralization of production in the southeast and south regions.
... Mas manter sempre essa atitude, não deixar de trabalhar esses conceitos, pequenos hábitos, pequenas mudanças" afirmou a diretora da escola. Baseado em trabalhos como este, o projeto elaborou atividades educativas ambientais para crianças do Ensino Fundamental I, onde, além de receber informações sobre a importância do recurso natural água, e os principais assuntos ambientais que cercam este tema, o projeto utilizou de atividades informativas, lúdicas e fomentadoras de debates ecológicos frisando a preservação das águas e, principalmente, a "ideia de uma formação ambiental crítica dos alunos" (REIGOTA, 2007). O projeto contou com uma atividade de apresentação e introdução das temáticas que seriam abordadas, três atividades práticas em sala de aula e uma avaliação final, que visou estimar os resultados do projeto. ...
... Segundo Costa e Lopes (2018) a verificação do público e dos atrativos em unidades de conservação devem ser contínuas, a fim de embasar não só o planejamento, mas a atualização constante dos planos de Educação Ambiental de acordo com idade e/ou escolaridade e a finalidade das visitas (COSTA; LOPES, 2018). De acordo com Reigota (2007), existem poucos estudos tratando das relações entre escolas e Unidades de Conservação, reforçando a importância deste trabalho para as ações de Educação Ambiental e uso público para o território sob influência da ARIE Mata de Santa Genebra. ...
Article
Full-text available
Environmental Education and interpretation, recreation in contact with nature and ecological tourism are part of the objectives of the National System of Conservation Units. According to the Guidelines for visitation to Conservation UnitsUC), visitation may allow society to approach the nature, through living inthe natural environment. Thus, managers of protected areas need to know the characteristics of their visitors, aiming to develop planning and management strategies for public use tomake the tourist experience satisfactory. This work constitutes a profile analysis of the schools that visited in 2019 the Area of Relevant Ecological Interestof Mata de Santa Geneva, located in the city of Campinas(SP, Brazil). Data were consolidatedand analyzed using Excel. Using the Google Earth Pro application, the distribution of schools was mapped. Through data analysis, it was identified that most institutions that visited the Protected Areain 2019 were municipal, mainly schools from the city of Campinas. In addition, the early childhood education cycle was the one that most participated in the Monitored Visit to Schools Program.Knowing the profile of the schools that visit the Protected Areais an essential tool to identify essential weaknesses and potentials for the management, helping to evaluate the activities developed at the UC and continuously improve the implemented projects.
... No Brasil, o reconhecimento da Educação Ambiental (EA) como instituição distinta do conhecimento acadêmico base (biologia, ecologia, geologia, etc.) se consolidou a partir da metade da década de 90, e apresenta ampla diversidade temática e prática (Reigota, 2007). O firmamento da EA como área do conhecimento que dialoga entre a pedagogia, as ciências da natureza, a política e a filosofia seguem a tradição brasileira no campo de pesquisa da educação. ...
Article
Full-text available
Com o estabelecimento da pandemia de COVID-19, salientou-se a indispensabilidade da Educação Ambiental. As limitações trazidas pelo isolamento conceberam o desenvolvimento de ferramentas digitais capazes de mobilizar a juventude a favor da consciência sustentável, eficientes dentro do contexto escolar. A partir da produção de material didático interativo virtual de educação ambiental sobre espécies ameaçadas de fauna da Restinga da Lagoa-dos-Patos, ambiente crescentemente degradado pela expansão antrópicaurbana, analisamos a aplicação de duas atividades virtuais interativas (um jogo e um teste de personalidade referentes à fauna da Restinga) em uma turma de primeiro ano do Ensino Médio em uma escola particular de Porto Alegre, RS. Resultados dos questionários aplicados mostraram que a maioria significativa dos alunos desfrutaram das atividades e retiveram conhecimentos objetivos sobre as espécies, além de contemplar a ação e importância da Educação Ambiental. O amplo aproveitamento de todo o processo deste trabalho tanto pelos pesquisadores quanto pelos alunos estimula decorrentes discussões e propostas concernentes ao dinamismo didático.
... Já estudos que almejam um maior aprofundamento em relação às características das pesquisas de interesse necessitam que as análises sejam realizadas considerando o trabalho completo, na íntegra (FRACALANZA et al., 2008). Reigota (2007), Fracalanza et al. (2008), Carvalho, Tomazello e Oliveira ) e Lorenzetti e Delizoicov (2007 apontam, em suas pesquisas, que a primeira dissertação de EA defendida no Brasil ocorreu no início da década de 1980, e que a produção desse tipo de pesquisa aumentou a partir da década de 1990, em razão de dois movimentos: a ascensão das discussões sobre o meio ambiente, e a ampliação de Programas de Pós-Graduação (PPG) no país (principalmente nas regiões Sul e Sudeste, contribuindo para uma maior concentração de pesquisas nessas duas regiões). Fracalanza et al. (2008), a partir de um levantamento bibliográfico de teses e dissertações em EA até o ano de 2004, evidenciaram que a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal do Rio Grande (FURG) são as Instituições de Ensino Superior com maior produtividade de teses e dissertações em EA. ...
Chapter
Full-text available
No Capítulo 7 as autoras apresentam um estudo a respeito das tendências de pesquisa sobre formação dos professores de Física, tomando como referencial para análise a relação entre o desenvolvimento das pesquisas e o sistema corrosivo que tem adentrado nas Universidades e pesquisas, conforme apontado por Nóvoa (2015). Com uma metodologia qualitativa, foram selecionados sete periódicos, nos quais foram identificados 131 artigos sobre a formação inicial dos professores de Física, no período de 2002 a 2018. Concluíram que a pesquisa na área apresenta elementos com tendência para o sistema corrosivo de expansão e para combater esta tendência, sugere-se: embasar teoricamente de forma mais robusta os trabalhos, justificando as medidas adotadas; valorizar as produções brasileiras; pesquisar sobre os temas silenciados; diversificar os temas e sujeitos; e não colocar metas de produtividade ou um curto prazo para a finalização das pesquisas, valorizando o que elas trazem em seu conteúdo e não só a quantidade de publicações que geram.
Article
Foi objetivo deste estudo fazer uma análise cienciométrica da produção em Educação Ambiental (EA) formal do Brasil na última década. Os artigos foram obtidos por filtros no SciELO. Obteve-se 92 artigos, principalmente do eixo sul-sudeste, publicados em 11 revistas, por 207 autores, de 89 instituições e aplicando 12 metodologias. No período avaliado, o número de publicações oscilou, autores e locais de produção foram estáveis e as citações diminuíram. O principal eixo de EA foi o socioambiental. A temática apresentou grande diversificação com o passar dos anos. Concluiu-se que a produção da EA na educação formal ainda está sujeita a oscilações e tem no eixo sul-sudeste seu principal local de produção.
Article
Full-text available
In this article I critically analyse some of the ways in which human subjectivity and agency are constructed in contemporary discourses of environmental education research, with particular reference to conceptual change discourses such as those borrowed from ‘misconceptiosns’ research in science education. I argue that the methods of constructivist science education research are not necessarily applicable to either the (human) ‘subjects’ or subject-matters (in an epistemological sense) of environmental education, and that postestructuralist methodologies may provide useful frames for rethinking the ways in wich understandings of human subjectivity and agency are deployed in environmental education research.
Book
O livro reúne algumas das afirmações clássicas de Moscovici sobre a teoria das representações sociais, bem como elaborações das principais características dessa perspectiva na psicologia social. A obra inclui também alguns ensaios recentes que reexaminam a história intelectual das representações sociais, pesquisando as diversas maneiras em que esta teoria respondeu a uma tradição de pensamento nas ciências sociais, que envolve não só as contribuições de Durkheim e Piaget, mas também as de Lévy-Bruhl e Vygotsky.
Article
Objetivos. Conhecer os motivos que levaram um grupo de 21 educadores /as ambientais a participar do Curso de Especializaçäo em Educaçäo ambiental da Faculdade de Saúde Pública da USP, entre 1998 e 2000; conhecer os impactos do curso na sua vida pessoal e profissional; identificar as representações sociais a respeito da EA, do papel do educador, das origens da problemática socioambiental e das possíveis formas de enfrentamento; identificar as praticas sociais desses/as educadores/as e as dificuldades enfrentadas por eles/as no âmbito da Educaçäo Ambiental. A metodologia utilizada para a pesquisa foi qualitativa, tendo como instrumentos questionários complementados por entrevistas. O principais resultados mostraram que os motivos que levaram os/as educadores/as a fazer o curso foram: a busca de subsídios teóricos e práticos a fim de aprimorar a sua atuaçäo, a necessidade de avaliar suas próprias praticas, a possibilidade de troca de experiências e a expectativa de valorizaçäo profissional na área. Quanto aos impactos, foram positivos, pois o curso colaborou para ampliar o entendimento sobre a EA, solidificou conceitos, estabelecendo vínculos entre interlocutores da área e facilitando o intercâmbio de informações e experiências. Possibilitou articular teoria e pratica, e o exercício de interdisciplinaridade. Pela analise dos discursos foram identificados quatro tipos de representações sociais a respeito dos objetivos e estratégias da EA fre. (Continuação) conferem possibilidades significativas de aprimorar a qualidade das praticas em EA e gerar ações transformadoras na sociedade. Tese (Doutorado).
Article
Typescript. Thesis (M.A.)--University of Florida, 1991. Vita. Includes bibliographical references (leaves 93-102).
Article
Typescript. Thesis (M.S.)--University of Florida, 1997. Vita. Includes bibliographical references (leaves 138-145).
Article
TAQUARAL/UNIMEP; INEP NESTE FINAL DE SÉCULO VIVEMOS UMA PROFUNDA REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA, QUE TRANSFORMA O NOSSO CONTEXTO DE VIDA NUM RITMO JAMAIS EXPERIMENTADO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. COMO ENTÃO LECIONAR CIÊNCIAS DE FORMA A CONTRIBUIR NA FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CONSCIENTES E PARTICIPATIVOS NUMA SOCIEDADE CARACTERIZADA CADA VEZ MAIS PELAS REALIZAÇÕES DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA? NESTE SENTIDO, O ENSINO DE CIÊNCIAS ATUAL E FUTURO APONTA PARA FINALIDADES QUE LEVEM EM CONTA UM CONHECIMENTO ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE C.T.S., POIS O DESENVOLVIMENTO DE UMA SOCIEDADE RESULTA NA CAPACIDADE DOS SEUS CIDADÃOS EM RESOLVER E EVITAR NOVOS PROBLEMAS. ENTRETANTO, QUALQUER INOVAÇÃO NO ENSINO CAPAZ DE DAR RESPOSTAS A ESTAS NOVAS EXIGÊNCIAS DE FORMAÇÃO, COM ORIENTAÇÃO CTS, PASSA POR UMA MUDANÇA DE CONCEPÇÃO DE CIÊNCIA E DE TECNOLOGIA. NECESSITA-SE PROMOVER UMA NOVA IMAGEM ONDE NÃO SE OMITA A DIMENSÃO SOCIAL DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA. ESTA PESQUISA, QUE TEM POR OBJETIVO CONHECER AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS COM RELAÇÃO A QUESTÕES DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE E A INFLUÊNCIA DA ESCOLA PRETENDE CONTRIBUIR NESSE SENTIDO. OS DADOS FORAM OBTIDOS ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DE UM QUESTIONÁRIO COM 25 QUESTÕES FECHADAS E QUATRO ABERTAS, A ALUNOS DE 4º E 8ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO, E ÚLTIMO ANO DO ENSINO SUPERIOR, ENVOLVENDO LINGUAGENS DIFERENTES: ESCRITA E DESENHO, ABRINDO DESTA FORMA O LEQUE DE POSSIBILIDADES DE ANÁLISE DAS IDÉIAS DOS ALUNOS, NA BUSCA DE INFORMAÇÕES SIGNIFICATIVAS E PERTINENTES AO OBJETIVO DA PESQUISA. OS RESULTADOS INDICAM QUE, DE MODO GERAL, AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS PERMANECEM SEM GRANDES ALTERAÇÕES AO LONGO DA TRAJETÓRIA ESCOLAR.
Na natureza não existem vilões
  • Análise Da Exposição
Análise da exposição " Na natureza não existem vilões ". Mestrado em Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.