Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-Heróis Blacks in Superhero Comics

Article (PDF Available) · January 2013with 1,798 Reads 
How we measure 'reads'
A 'read' is counted each time someone views a publication summary (such as the title, abstract, and list of authors), clicks on a figure, or views or downloads the full-text. Learn more
Cite this publication
Abstract
Resumo: Este artigo aborda a representação dos negros nas histórias em quadrinhos na perspectiva do contexto histórico de erupção de personagens negros, sobretudo, super-heróis, por meio de uma abordagem bibliográfica exploratória. Na primeira parte, o artigo apresenta o contexto do movimento pelo direito de igualdade na perspectiva do cenário norte-americano, lugar vivencial originário dos quadrinhos de super-heróis. Na segunda parte, se ocupa com os personagens negros e suas representações na aventura e na superaventura. Por fim, o artigo indica que a representação da identidade negra conquistou espaço nas produções artístico-culturais contemporâneas, inicialmente, motivado por uma política de cotas que, posteriormente, revelou-se não mais necessária. Os quadrinhos são, pois, palco onde questões sensíveis à comunidade são postos em discussão, atuando dessa forma como catalizadores de transformações sociais. Palavras-chave: Negros. Super-heróis. Histórias em quadrinhos. Direitos civis. Abstract: This study addresses the representations of black people in comics under the perspective of historical context of black characters mainly in the superhero genre, through a bibliographical exploratory approach. In the first part, the article presents the context of the movement for rights for equality in the perspective of the US scenario, locus vivendi of the superhero comics. In the second part, the study presents the black characters and their representation in the adventure genre and the super adventure genre. At the end, the study indicates that the representation of black identity conquered space in the contemporary art-cultural production, initially motivated by a quota policy which revealed itself no longer necessary. The comics are thus the stage where sensitive questions can be debated, acting as promoter of social changes in this way.
Advertisement
Identidade! é licenciada
sob uma Licença Creative Commons.
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Os Negros
nas Histórias em
Quadrinhos
de Super-Heróis
Blacks
in Superhero Comics
Gelson Vanderlei Weschenfelder
Graduado em Filosofia pela Unisinos
Mestre em Educação pela Unilasalle
Docente Cesuca
Resumo:
Este artigo aborda a representação dos negros nas histórias em quadrinhos na perspectiva
do contexto histórico de erupção de personagens negros, sobretudo, super-heróis, por meio
de uma abordagem bibliográfica exploratória. Na primeira parte, o artigo apresenta o
contexto do movimento pelo direito de igualdade na perspectiva do cenário norte-
americano, lugar vivencial originário dos quadrinhos de super-heróis. Na segunda parte, se
ocupa com os personagens negros e suas representações na aventura e na superaventura.
Por fim, o artigo indica que a representação da identidade negra conquistou espaço nas
produções artístico-culturais contemporâneas, inicialmente, motivado por uma política de
cotas que, posteriormente, revelou-se não mais necessária. Os quadrinhos são, pois, palco
onde questões sensíveis à comunidade são postos em discussão, atuando dessa forma como
catalizadores de transformações sociais.
Palavras-chave: Negros. Super-heróis. Histórias em quadrinhos. Direitos civis.
Abstract:
This study addresses the representations of black people in comics under the perspective of
historical context of black characters mainly in the superhero genre, through a
bibliographical exploratory approach. In the first part, the article presents the context of the
movement for rights for equality in the perspective of the US scenario, locus vivendi of the
superhero comics. In the second part, the study presents the black characters and their
representation in the adventure genre and the super adventure genre. At the end, the study
indicates that the representation of black identity conquered space in the contemporary art-
cultural production, initially motivated by a quota policy which revealed itself no longer
necessary. The comics are thus the stage where sensitive questions can be debated, acting
as promoter of social changes in this way.
Keywords: Black peoples. Superhero. Comics. Civil rights.
68 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
O movimento pelos direito de igualdade
Desde seu surgimento, as histórias em quadrinhos vêm trazendo personagens negros em
suas páginas, porém estes não possuíam um papel de destaque, muito pelo contrário, eram
coadjuvantes e eram representados como vilões, cômicos ou personagens de baixa inteligência.
Com os movimentos pelos direitos civis, tudo começou a mudar. Personagens negros começaram a
terem destaque nos quadrinhos, principalmente no gênero da superaventura. Nos quadrinhos de
super-heróis, além de romper grilhões de racismo, traziam a realidade vivenciada pelos negros nos
EUA.
A luta do negro norte-americano pelos direitos civis nos anos de 1960 era fervescente.
Grandes lideranças ganhavam forças neste período, combatendo o racismo que vinha de muito
tempo. Muito desse racismo se deu após a guerra civil americana, como subproduto desta, que foi
iniciada pelos estados do sul dos Estados Unidos da América (EUA), inconformados pelo fim da
escravidão, nasceu a Ku Klux Klan. Grupo famoso por nutrir ódio aos negros; esta irmandade tem
como sua principal função à manutenção da supremacia branca, principalmente após a guerra civil,
onde escravos dos antigos senhores eram agora homens livres.
1
Embora a Constituição Americana
garantisse direitos fundamentais a todos os cidadãos desde 1787, os negros tinham prerrogativas
legais negadas por legislações estaduais, com base no princípio dos direitos dos estados. Um dos
mandamentos desta irmandade era se opor à igualdade racial; ser a favor de um governo de brancos;
ser a favor do retorno dos direitos dos homens do sul, incluindo propriedade (e de escravos) e de
estar prontos para pegar em armas contra o abuso de poder. Essa irmandade possuía milhares de
membros em solo norte-americano.
A Ku Klux Klan se divertia aterrorizando os negros, estes eram detestados pelos membros
do clã por serem preguiçosos, inconstantes e economicamente incapazes e, por natureza,
destinados à escravidão”.
2
Não raramente usavam a violência. Por meio de linchamentos, passaram
ao terrorismo escancarado. Violência, assassinatos, estupros, bombas incendiárias a residências de
negros, todo este terror acabou criando a própria derrocada da irmandade.
3
A situação se agravou
tanto que, na década de 1950, o governo norte-americano teve que intervir, aprovando a lei
antimáscaras, que proibia o uso de máscaras (membros do grupo usavam máscara para protegerem
suas identidades e apavorarem os negros), fora de ocasiões especiais como carnaval e o Dia de
Todos os Santos.
4
Isso enfraqueceu a irmandade, mas não acabou com ela. O sentimento racista
estava enraizado no povo norte-americano.
O Movimento pelos Direitos Civis é um período histórico compreendido entre 1954 e
1980, marcado por rebeliões populares e convulsões na sociedade civil de diversos países. Estes
movimentos pediam a igualdade perante a lei, direitos iguais para toda camada da população
independente de cor, raça ou religião. Nos EUA, o mais conhecido foi o Movimento dos direitos
1
DUARTE, Fernando. Ku Klux Klan. Aventuras na História. São Paulo: Abril, n. 115, fev. 2013. p. 31.
2
BLANRUE, Paul Eric. As muitas vidas da Ku Klux Klan. História Viva. São Paulo: Dueto, n. 21, jul. 2005. p. 57.
3
DUARTE, 2013, p. 34.
4
DEMERCINO JÚNIOR. Ku Klux Klan. Brasil Escola. 2012. Disponível em:
<http://www.brasilescola.com/historiag/ku-klux-klan.htm>. Acesso em: 18 jan. 2013.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 69
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Civis dos Negros, que ocorreu entre 1955 e 1968, que consistia em adquirir reformas na
constituição norte-americana, visando os direitos iguais, a abolição da discriminação e da
segregação racial no país.
O marco inicial desse movimento se deu na cidade de Montgomery no Alabama, Estado do
sul eminentemente racista do país até então. No dia 1º de dezembro, Rosa Parks entrou para
história, conhecida como “A Mãe do Movimento pelos Direitos Civis”. Trata-se da história de uma
costureira negra que entrou em um ônibus de volta para casa após um dia de trabalho. O veiculo não
tardou a ficar lotado, e o motorista não teve vidas em mandá-la ceder o lugar a um passageiro
branco. Ela recusou a levantar.
5
Logo, foi presa imediatamente por desobedecer à lei de secreção,
sendo posteriormente julgada e condenada. Em protesto, a comunidade negra decidiu fazer um
boicote aos ônibus da cidade, liderados pelo pastor de uma igreja batista local, Martin Luther King
Jr. O protesto durou 381 dias, quase levando a empresa de ônibus à falência, pois a maioria dos
passageiros eram trabalhadores negros. Houve prisões em massa, principalmente dos lideres do
movimento. As autoridades pressionaram King Jr. a por fim no boicote, e seu domicílio foi alvo de
um atentado pela Ku Klux Klan. A Suprema Corte, em 21 de dezembro de 1956, declarou que as
leis de secreção de Montgomery eram inconstitucionais.
Martin Luther King Jr. defendia uma “revolução pacífica”. Ele foi ameaçado de morte, sua
casa sofreu um atentado à bomba, mas King Jr. jamais revidou uma agressão na vida. Com suas
ideias pacifistas, mobilizou multidões se tornando um dos maiores pacifistas do século XX, sendo o
homem mais jovem a ganhar o prêmio Nobel da Paz em 1964 aos 35 anos.
6
Mas a luta não foi como
seu líder gostaria. Houve muitas prisões, violência e assassinatos a militantes negros. Malcom X,
reconhecido como um dos mais importantes e mais influentes negros da história dos direitos civis
dos negros norte-americanos, “adotou um discurso violento e dizia que o negro precisava reagir
diante do branco opressor”.
7
Líder do grupo Nação do Islã, grupo com vertente religiosa praticava
a luta política por meios legais, mas aceitava a violência para autoproteção.
8
Este grupo recusava a
igualdade racial, pois, segundo seus integrantes, Deus criou o homem negro e o homem branco foi
criado através de um acidente, por um cientista louco negro chamado Yakub. O grupo defendia a
supremacia e o separatismo dos negros.
Com o surgimento de movimentos de negros em defesa da sociedade negra como Black
Power e os Panteras Negras, no meio da década de 1960, os afroamericanos aumentaram seu
clamor por igualdade racial. Estes grupos se tornaram exércitos de salvação para a sociedade negra
norte-americana. Defendendo esta sociedade de ataques sofridos pela Ku Klux Klan, passaram a
enfrentar com armas os ataques de brancos racistas. Além disso, grupos como Black Power
passaram a mostrar seu orgulho de pertencer à raça negra, ganhando, assim, uma identidade
cultural. Com isso, ganhavam uma libertação dos costumes da autoridade branca do país,
5
MARCHETTI-LECA, Pascal. Martin Luther King O sonho assassinado. História Viva. São Paulo: Duetto, n. 27,
jan. 2006. p. 21.
6
MAXIMILIANO, Adriana. Malcom X América. Aventuras da História. São Paulo: Abril, n. 22, jun. 2005. p. 33.
7
MAXIMILIANO, 2005, p. 32.
8
NAVARRO, Roberto. Quem foram os Panteras Negras? Mundo Estranho. 2012. Disponível em:
<http://mundoestranho.abril.com.br/materia/quem-foram-os-panteras-negras>. Acesso em: 20 jan. 2013.
70 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
valorizando sua história, exteriorizando seus sentimentos, vestimentas coloridas, penteados que se
chamavam de estilo afro, inspirados nos tribos de antepassados do continente africano. Desse modo,
esses grupos aumentaram seu pleito pela dignidade racial.
O Partido dos Panteras Negras pela Autodefesa foi a maior organização revolucionária
negra que já existiu, durou até a década de 1980. Ficou famoso por estar sempre disposto a
conseguir a igualdade racial e políticas por quaisquer meios.
Tal foi seu sucesso que eles rapidamente cresceram para 5 mil militantes liberados em
tempo integral, organizados em 45 seções (filiais) por toda América. No seu auge, vendiam
250 mil jornais toda semana. Pesquisas de opinião na época mostravam que os Panteras
tinham 90% de apoio entre os negros nas grandes cidades. Seu impacto sobre a América
Negra pode ser medido pela resposta do estado. J. Edgar Hoover, então chefe do FBI, os
descreveu como a ameaça número um à segurança interna dos Estados Unidos”.
9
O diferencial dos Panteras Negras eram os programas sociais, tais como café da manhã e
sapatos gratuitos para crianças, clínicas de saúde e aulas sobre políticas. Muitos dos primeiros
negros a atuarem no mundo político passaram pelo partido.
A década de 1960 foi um marco para o movimento de direitos humanos negros, tanto
positiva quanto negativamente. No verão de 1964, um grupo de cem estudantes negros e brancos,
voluntários pelos direitos civis do norte do país, dirigiu-se à região sul, para iniciar uma campanha
pelo voto dos negros e pela formação de um partido político, para a liberdade do Estado do
Mississipi. Porém, três desses estudantes foram brutalmente assassinados pela irmandade Ku Klux
Klan, chocando a sociedade norte-americana. Tal atrocidade casou indignação na opinião pública
que, ajudou o então presidente norte americano Lyndon Baines Johnson (que era vice-presidente de
John F. Kennedy e assumiu o cargo de presidente com o assassinato deste) a aprovar junto ao
Congresso, em 2 de julho daquele ano, as Leis dos Direitos Civis. No final desse mesmo ano,
Martin Luther King recebeu o Prêmio Nobel da Paz.
No ano seguinte, em 1965, surgiu o Voting Rigth Act, que condenava a segregação nos
locais públicos e protegia o direito ao voto. Essa lei surgiu em decorrência do ocorrido no ano
anterior, quando uma onda de protesto pelos direitos ao voto dos negros, acabou com muitos mortos
e feridos. Além disso, em um discurso no Harlem, Malcom X foi assassinado com 14 tiros, crime
que, ainda hoje, mais de 40 anos depois, não houve solução.
Em 1966, surgiu o Partido dos Panteras Negras e os Black Powers. E no dia 4 de abril de
1968, em Memphis, é assassinado Martin Luther King, com um tiro na cabeça.
9
RAJGURU, Nutan; WOOD, Adrian. O Partido dos Panteras Negras pela Auto-Defesa. 2008. Disponível
em:<http://www.lsr-cit.org/anti-racismo/37-anti-racismo/440-o-partido-dos-panteras-negras-pela-auto-defesa>.
Acesso em: 20 jan. 2013.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 71
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Os negros nas histórias em quadrinhos
Desde o surgimento das histórias em quadrinhos, os personagens negros sempre estiveram
presentes em suas páginas. Estes personagens tinham papéis limitados, apareciam sempre como
coadjuvantes e personagens cômicos, sempre foram interpretados de forma estereotipada e racista.
Os quadrinhos tiveram inicio em 1896,
10
com o personagem Yellow Kid, de Richard Felton
Outcault. E já ali, em suas páginas, o negro era apresentado de forma cômica (tanto no sexo
masculino quanto no feminino). Em 1908, na Europa, o artista Atilio Mussino lança Bilbolbul com
sua visão extremamente racista e deturpada do povo africano.
11
A denominação inglesa para as
histórias em quadrinhos é comics, que traduzido ao pé da letra significa cômico. É importante
pontuar que os primeiros quadrinhos foram uma evolução das charges cômicas dos jornais, ambas
tinha o mesmo fim: o riso.
É importante pontuar essa origem dos quadrinhos como material produzido com a intenção
de provocar riso, pois é interessante compreender os mecanismos que levam uma pessoa a
rir. Muitas das técnicas de comédia, sabidamente, recorrem ao preconceito. [...] Ri-se do
outro, da sua exposição a situações ridículas, de sua condição supostamente inferior, seja
física quanto intelectual.
12
Rir de outro é, segundo Freud, uma maneira civilizada de agredir este, ainda mais quando
uma sociedade e seus códigos morais não permitem isso, “a possibilidade de rir da autoridade, do
inimigo, do mais fraco é fonte de prazer que explica o sucesso das sátiras e das caricaturas de
políticos”.
13
As histórias em quadrinhos da Disney também repetiam a discriminação. No quadrinho
Voodoo Hoogoo, publicado pela primeira vez em 1949, o zumbi chamado Corongo perseguia o
personagem Tio Patinhas. Este quadrinho da Disney representava os nativos africanos como seres
com inteligência limitada ou como personagens que queriam tirar proveitos dos turistas norte-
americanos. Quando os quadrinhos desta editora percorreram o mundo, várias cenas tiveram que ser
alteradas ou até apagadas por ter um conteúdo discriminatório.
14
Várias HQ’s da Disney retravam a
discriminação aos negros; não apenas o quadrinho Voodoo Hoogoo.
10
Há controvérsias. Segundo pesquisadores europeus, nasceu na Suíça em 1827. Já outros acreditam que foi o
‘mangá’, estilo japonês da arte seqüencial em 1814. Pesquisadores brasileiros defendem que o pioneiro foi o
imigrante italiano Ângelo Agostini em 1867. Mas especialistas reunidos na Itália com parceria dos americanos,
concluíram que os quadrinhos nasceram em 1896.
11
GONÇALVES, Luiz Cláudio. A saga dos heróis negros nos quadrinhos!! 2012. Disponível
em:<http://www.universosimulado.com/?p=1910>. Acesso em: 22 jan. 2013.
12
CHINEN, Nobuyoshi. Os negros nos quadrinhos brasileiros. In: CONGRESS OF LATIN AMERICAN STUDIES
ASSOCIATION. Rio de Janeiro/RJ. 2009. Disponível em: <https://lasa.international.pitt.edu/members/congress-
papers/lasa2009/files/ChinenNobuyoshi.pdf>. Acesso em: 22 jan.2013.
13
FREUD apud CHINEN, Nobuyoshi. A presença do negro nos quadrinhos Latinos-Americanos: Uma breve história,
o caso do Brasil. [s.d.] Disponível em: <http://viñetas-
sueltas.com.ar/congreso/pdf/Historieta,HistoriaySociedad/chinen.pdf>. Acesso em: 22 jan. 2013.
14
MAIO, Alexandre de. Influência nos quadrinhos. Raça Brasil. 2009. Disponível
em:<http://racabrasil.uol.com.br/cultura-gente/140/cartoons-influencia-nos-quadrinhos-161056-1.asp>. Acesso em:
21 jan. 2013.
72 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Os quadrinhos de aventura
Não foram somente quadrinhos de comédia que retrataram os negros, mais todos os
gêneros desta arte. Desde o surgimento dos quadrinhos de aventura, em 1930, assim como em
outros gêneros, o personagem negro esteve sempre presente.
Personagens heróicos como Fantasma, Jim da Selva, Mandrake, Kaser e Tarzan traziam o
personagem negro como coadjuvante das aventuras desses quadrinhos. Eram vilões, ajudantes ou
vítimas dos maquiavélicos vilões da história, sempre precisando ser salvo pelo herói branco.
A crise de 1929 nos EUA promoveu uma demanda pelo herói por parte do público, já pelo
lado político, uma necessidade de se destacar a proeminência dos norte-americanos”.
15
Necessitam
de um salvador da sociedade em crise, e os EUA passaram a se posicionar como tal, representantes
da ordem mundial, “possuindo um papel de civilizador”.
16
Este herói ariano em terras estrangeiras
tem a missão de civilizadora, porém, por trás dessa máscara, o que aparece é uma missão de
colonização.
O mágico heróico Mandrake, criado em 1934 por Lee Falk, possuía um ajudante negro, o
Lothar. Talvez esse seja o primeiro personagem que começa a ganhar mais destaque nas histórias
em quadrinhos de aventuras. Inicialmente, este personagem era muito estereotipado, com
vestimentas de pele de onça e de pouca inteligência. Entretanto, por sua força física, chegou a salvar
o herói várias vezes das mãos dos vilões. Com o tempo, ganhou prestígio e importância nestas
histórias sendo um membro importante da animação Defensores da Terra
17
.
Estes fatos (discriminação) incomodavam os militantes negros, que começavam a ganhar
força no cenário norte-americano na década de 1940. Um desses militantes era o jornalista Orrin C.
Evans membro da NAACP (Sigla em inglês para Associação Nacional pelo Progresso das pessoas
de Cor), este foi um dos primeiros negros a se destacar no jornalismo norte-americano, ganhando o
título de “patriarca dos jornalistas negros”.
18
Evans acreditava no potencial educativo que os
quadrinhos poderiam trazer às crianças afro-americanas e que personagens heroicos negros
poderiam ser um referencial positivo para estas.
Em 1947, Evans convocou vários artistas e lançou a primeira história em quadrinhos
étnicos, o All Negro Comics. Em suas páginas, dois personagens se destacavam: Ace Harlem,
detetive particular que investigava crimes no bairro do Harlem em Nova Iorque, e o Lion Man, um
agente da ONU que é enviado para a Costa do Ouro, para investigar uma misteriosa ‘montanha
mágica’. chegando, ele descobre que esta montanha era, na verdade, uma mina de Urânio.Para
proteger tal reserva, ele adota o nome de Lion Man. Este personagem conta com um ajudante,
15
VIANA, Nildo. Heróis e Super-Heróis no mundo dos quadrinhos. Rio de Janeiro: Achiamé, 2005. p. 28.
16
VIANA, 2005, p. 29.
17
É um desenho animado produzido em 1986. trazia os personagens: Flash Gordon, O Fantasma, Mandraque e Lothar.
Bem como os filhos destes: Richard Rick Gordon (Flash), Jedda Walker (Fantasma) e LJ ou Lothar Junior e o
filho adotivo de Mandrake, Kshin.
18
NOGUEIRA, Natania. O negro nos quadrinhos. 2012. Disponível em:<http://www.slideshare.net/gibiteca/o-negro-
nos-quadrinhos>. Acesso em: 21 jan. 2013.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 73
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
chamado Bubba.
19
O trabalho, porém, ficou no primeiro número, devido a muitas pressões e
problemas com a edição.
Alguns atletas negros chegaram a ter suas biografias quadrinizadas. Este foi o caso de Joe
Lewis (boxe) e Jack Robinson (beisebol). O quadrinho Judgement Day trazia a história de uma
astronauta que vai até um planeta estranho e, por lá, desafia a lei de segregação daquela sociedade
de robôs, divididos em cores azuis e laranjas. No último quadro, ele releva ser um homem negro.
20
Este quadrinho é uma crítica à sociedade norte-americana. Por pressão dos puritanos na época, a
editora desse quadrinho foi à falência.
Na década de 1960, os movimentos pelos direitos civis efervesciam. deres como Martin
Luther King e Malcom X, assim como o movimento dos Panteras Negras e os Black Power,
fortaleciam o combate à segregação. Em 1964, a Lei de Direitos Civis foi aprovada no Congresso
Norte-Americano, o racismo passou a ser condenado e a igualmente entre etnias passou a ser vista
como uma virtude. Aproveitando este momento, os quadrinhos perceberam que era hora de
aproveitar esta onda e a editora Dell Comics , um ano após a aprovação da lei dos Direitos Civis,
em 1965, lança o quadrinho Lobo, um personagem negro de faroeste criado por Tony Tallaric e D.J.
Arneson.
21
No entanto, este quadrinho não teve sucesso e acabou sendo cancelado em seu segundo
número. Neste mesmo ano, Stan Lee lançou a história em quadrinhos Sargento Fury e o Comando
Selvagem. Tratava-se de um quadrinho de guerra, que apresentava o personagem Gabe Jones, um
soldado negro e músico de Jazz que se expressava em um inglês impecável (diferente em outras
HQ’s onde personagens falavam de modo errado), e sua bravura no campo de batalha era sempre
ressaltada.
22
Os Super-Heróis negros
O surgimento do herói e super-herói corresponde a determinados contextos históricos e
sociais, marcados pela crise de 1929, a emergência da Segunda Guerra Mundial e o papel
dos Estados Unidos da América. O mundo dos super-heróis passa a ter uma função
propagandística de determinados valores hegemônicos na sociedade. Nessa conjuntura,
explicita-se o caráter político das Histórias em Quadrinhos.
23
As histórias em quadrinhos de super-heróis surgiram em 1938, com a criação dos artistas
Jerry Siegel e Joe Shuster: o Super-Homem. Desde o surgimento dos quadrinhos de superaventura,
os personagens negros ali estavam.
Muitos desses personagens, assim como nos diversos gêneros de quadrinhos, eram
limitados e tinham pouco destaque. Apareciam como vilões, ou ainda como auxiliares dos vilões,
que, na maioria das vezes, eram brancos. Este foi o caso do quadrinho do Batman de 1939,
19
NOGUEIRA, 2012.
20
MAIO, 2009.
21
GONÇALVES, 2012.
22
MAIO, 2009.
23
VIANA, 2005, p. 8.
74 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Detective Comics #29,
24
onde o vilão possui um auxiliar chamado Jabah, um mulato gigante com
turbante na cabeça, que fazia as atividades ilícitas deste, principalmente para impedir que o super-
herói Batman interferisse nos planos do vilão.
O primeiro personagem negro fixo das HQ’s foi Whitewash, lançado em 1941, na revista
Young. Este personagem fazia parte de uma equipe de super-heróis mirins chamada Young Allies,
formada por Bucky Barnes (auxiliar do Capitão América), Centelha (auxiliar do primeiro Tocha
Humana) e os garotos Knuckles e Jeff, Tubby. Diferente dos outros, Whitewash não possuía poderes
e era considerado o personagem cômico do grupo, sendo sempre salvo pelos colegas poderosos.
25
Este quadrinho foi lançado com grande destaque pela Marvel Comics, até então chamada de Timely
Comics, e o roteiro era assinado por ninguém mais e ninguém menos que Stan Lee.
Na mesma década, outro grande conhecido do mundo dos quadrinhos, Will Eisner, também
inseriu um personagem negro na série Spirit. Em 1940, no segundo número deste quadrinho, Eisner
traz o Ébano Branco, um taxista negro que se destacava pelo jeito errado de falar. Segundo o
criador, este motorista deveria ser um sujeito marcante. Nesta década, eram comuns personagens
negros serem cômicos. Porém, Eisner não ficou satisfeito com o resultado final deste personagem e
não havia mais tempo para refazê-lo. Mais tarde, mais características foram acrescentadas ao
personagem: ele se tornou o motorista oficial do personagem Spirit, inclusive, salvando o
personagem de encrencas, tornando-se, assim, parceiro do herói.
Os personagens até agora apresentados tinham características que remetiam a uma
inferioridade do afro-descendente em relação ao personagem caucasiano. Tudo começou a mudar,
no entanto, quando a Timely se tornou a Marvel Comics e Stan Lee revoluciona o conceito de
super-heróis.
26
A partir da década de 1960, com o movimento de luta pelos direitos civis, a história
começou a mudar nos quadrinhos. Movimentos como Nação do Islã, Black Power e o Partido dos
Panteras Negras tinham simpatizantes dentro do universo das histórias em quadrinhos, o que
influenciou, segundo Maio, diretamente a editora Marvel Comics.
27
Foi nessa década que os
primeiros super-heróis negros começaram a ser criados e a ter um papel de destaque no universo
dos quadrinhos.
Em 1966, a Marvel lança o primeiro super-herói negro, chamado Pantera Negra. Logo
vieram mais: Falcão, Luke Cage, Blade e Tempestade. A concorrente DC Comicso ficou atrás,
mas demorou um pouco mais para lançar seu primeiro personagem super-herói negro nas páginas
de suas revistas. O primeiro foi Vykin, em 1971, e logo após vieram Lanterna Verde (John Stewart),
Raio Negro, Ciborgue, Aço, Vixen, Super Choque, entre outros.
24
KANE, Bob. The Bat-man The Batman meets Docthos Death. In: DETECTIVE COMICS. São Paulo: Abril,
2005.
25
NOGUEIRA, 2012.
26
GUERRA, Fabio Vieira. Super-Heróis Marvel e os conflitos sociais e políticos nos EUA (1961-1981). 2011. 230 f.
Dissertação (Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Departamento de História, Rio de Janeiro. 2011.
Disponível em: <http://www.historia.uff.br/stricto/teses/Dissert-2011_Fabio_Vieira_Guerra>. Acesso em: 23 jan.
2013. p. 144.
27
MAIO, 2009.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 75
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Para Matt Morris e Tom Morris, as histórias em quadrinhos de super-heróis são um dos
mais notáveis desenvolvimentos na cultura pop da atualidade é o forte ressurgimento dos super-
heróis como ícone cultural e de entretenimento.
28
Entretanto, estes histórias não são tão inocentes
assim, como aparentam. Elas não trazem somente o entretenimento ao seu leitor, estas histórias
introduzem e abordam de forma vivida as questões de suma importância enfrentadas pelos seres
humanos ‘normais’, em seu dia a dia. Elas abordam questões tais como o direito civil dos negros e
seu reconhecimento como tal na sociedade e nos quadrinhos. Segundo Reblin, os super-heróis
trazem os desejos e anseios de seus leitores: “O super-herói nasce primeiramente na mente do ser
humano, em seus anseios e desejos de transcender suas próprias barreiras, seus próprios limites, em
superar seus problemas existenciais, físicos e imediatos.
29
Neste sentido, o aparecimento do super-herói negro nas histórias em quadrinhos, não traz
somente uma superação diante da segregação e do racismo. Ele traz um sentido de igualdade racial,
como pretendiam os líderes dos movimentos pelos direitos civis, como Martin Luther King. Vamos
conhecer agora os super-heróis negros que aparecem nas histórias em quadrinhos.
O Pantera Negra
Eis aqui o primeiro personagem super-heróico negro (conceito clássico de super-herói) da
história das HQ’s, o Pantera Negra. A Marvel Comics, sempre conhecida por sua vanguarda, lança
em 1966 seu primeiro super-herói negro na revista Fantastic Four 52, criada por Stan Lee e Jack
Kirby.
Na trama, o jovem T’challa é o herdeiro de Wakanda, um minúsculo país do continente
africano. Este era alvo de constantes ameaças, por ser a maior reserva de Vibranium’, um raro
metal capaz de absolver energia,
30
mesmo metal usado para o escudo do Capitão América. O seu
pai, o rei T’chaka, é assassinado por se recusar a fornecer o metal para um criminoso norte-
americano. O príncipe T’challa, diante do corpo de seu pai, jurou vingar esta morte. T’challa foi
enviado para o ocidente para estudar nas melhores escolas da Europa e dos EUA, se tornando um
atleta pelas universidades que passou, além de um brilhante cientista.
31
Ao retornar ao seu país,
ansioso para se tornar o líder de sua nação, o príncipe T’challa foi incumbido de derrotar seis dos
maiores guerreiros de Wakanda num combate corpo a corpo.
32
Nesta passagem, a história mostra
um pouco da cultura das tribos africanas, nas quais seu soberano deveria ser um guerreiro, pronto
para defender seu povo.
28
MORRIS, Matt; MORRIS, Tom. Homens em collants coloridos, lutas ferrenhas e grandes alturas; e, claro, algumas
mulheres também!. In: IRWIN, William (Coord.). Super-heróis e a filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático.
São Paulo: Madras, 2005. p. 9-12. p. 9.
29
REBLIN, Iuri Andréas. Para o alto e avante: Uma analise do universo criativo dos super-heróis. Porto Alegre:
Asterisco, 2008. p. 110.
30
FRANCO, Gabriela, SALVATORE, Taches. Heróis negros. Mundo dos Sapir Heróis. São Paulo: Europa, n. 11,
Julho/Agosto de 2008. p. 10.
31
LEE, Stan. A história de um rei. In: SUPERAVENTURAS MARVEL. São Paulo: Abril, n.7, Janeiro de 1983.
32
ENCICLOPÉDIA MARVEL. São Paulo: Panini, 2002. p. 11.
76 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Ao se tornar vitorioso nesta prova, o príncipe teria sua última prova antes de se tornar rei
de sua nação. Para tanto, ele deveria obter uma erva sagrada específica em formato de coração. Esta
erva secreta concede aos chefes de sua nação, após ingerida, uma força física grandiosa, velocidade,
resistência, agilidade e sentidos superaguçados. Após a realização dessa última prova com sucesso,
T’challa vestiu o traje cerimonial que simboliza o animal sagrado de seu povo, a pantera negra.
“Como chefe do clã da Pantera de seu país, ele é o mais recente numa longa linhagem de reis
guerreiros marcados pela tradição, tribalismo e um profundamente enraizado senso de honra”.
33
Sob sua liderança, T’challa torna seu país, Wakanda, uma das nações mais ricas e
tecnologicamente avançadas do planeta. Pela primeira vez, é mostrado um país do continente
africano rico, assim como destaca Morrison, que comenta que Wakanda é “uma nação africana do
universo Marvel, rica monetária e culturalmente, além de tecnologicamente avançada, distante das
imagens estereotipadas de cabanas de lama e pastores esquálidos, como se imaginava nos anos de
1960”.
34
Stan Lee e Jack Kirby, ao criar o super-herói Pantera Negra, trazem um outro olhar sobre
os países do continente africano na década de 1960, período onde os afro-americanos lutavam por
direitos civis e contra a segregação.
Muitos alegam que Stan Lee e Jack Kirby se inspiraram no Partido dos Panteras Negras
para criar seu personagem, algo que a dupla de criadores sempre negou, pois tanto o grupo quanto o
super-herói nasceram no ano de 1966. No entanto, ao analisarmos as datas de criação de ambos,
veremos que o super-herói Pantera Negra surgiu pela primeira fez em julho de 1966, enquanto que
o Partido dos Panteras Negras foi fundado apenas em outubro do mesmo ano.
35
Isso confirma a
negação da influência na criação do super-herói. No entanto, esta influência poderia ser às avessas:
o movimento poderia ter se inspirado no personagem.
O personagem ganhou grande destaque, tornando-se um dos principais super-heróis da
Marvel Comics. Pantera Negra despertou o interesse dos leitores e logo se tornou membro dos
Vingadores
36
,
37
a convite do Capitão América, em 1968, na revista Avengers 52.
Mesmo sendo um personagem negro, Pantera Negra tinha um uniforme que cobria todo
seu rosto, não aparecendo a cor de sua pele quando estava em combate. Porém, em suas histórias, o
personagem aparecia sem a máscara em alguns momentos, mostrando sua cor ou mostrando seu
país no continente africano. Mesmo não tendo influências no movimento social por direitos civis
dos afro-americanos, o personagem trazia características dessa luta. Como mostrado, foi a primeira
vez que um país do continente africano não foi estereotipado; trazendo questões culturais e
históricas deste continente. A temática do preconceito racial esteve presente em diversas vezes
nas páginas das HQ’s do Pantera Negra. Na revista Avengers 73, os Vingadores lutam contra um
33
ENCICLOPÉDIA MARVEL, 2002, p. 11.
34
MORRISON, Grant. Superdeuses. Tradução Érico Assis. São Paulo: Seoman, 2012. p. 184.
35
GUERRA, 2011, p. 150.
36
É um grupo de super-heróis de HQ’s publicados pela editora Marvel Comics, onde se encontram os maiores super-
heróis desta editora, como os fundares Thor, Hulk, Homem de Ferro, Vespa, homem Formiga e logo após capitão
América.
37
FRANCO, SALVATORE, 2008, p. 10.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 77
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
grupo chamado ‘Filhos da Serpente’, um grupo racista que prega a superioridade da “América
Branca”, aqui fácil de notar similaridades fictícias com o grupo racista Ku Klux Klan. Tal grupo
ataca personalidades negras, tentando assim instalar medo na comunidade afro-americana e
fomentar o ódio racial”.
38
O grupo Filhos da Serpente cometia alguns ataques terroristas assim
como a Ku Klux Klan. Na trama, destruíram a casa de uma cantora negra, chamando à atenção o
super-herói Pantera Negra, que vai ao seu auxílio. O personagem pede para seus colegas de time,
os Vingadores, se afastarem do caso, pois este seria o seu povo e ele clama por cuidar disso
sozinho.
39
O roteirista Roy Thomas quis inserir na discussão a questão da honra e possibilidade do
povo negro em resolver seus problemas. O Pantera Negra exibe uma postura semelhante a
de seus homônimos do partido marxista do Black Power. Ao dispensar a ajuda dos
Vingadores - todos brancos -, ele decide partir para o ataque contra a organização racista
por conta própria.
40
No dia seguinte ao ataque, Pantera Negra pede para a cantora (ele a ameaça) para não ir a
TV notificar o ataque, pedindo como um ‘irmão de alma’, fazendo entender que é um irmão de cor,
onde ela o indaga o porquê de não tê-la informado sobre sua cor, no qual ele responde “que seus
atos eram suficientes para ser um homem.”.
41
Segundo Guerra, tal resposta vem ao encontro da
democracia racial, onde homens e mulheres seriam julgados por seus atos e não por sua cor de pele,
assim como o discurso de Martin Luther King Jr.
42
Eu tenho um sonho que minhas quatro
pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele,
mas pelo conteúdo de seu caráter. Eu tenho um sonho hoje!.
43
No final da trama, Pantera Negra consegue vencer os vilões do Grupo ‘Filhos da Serpente’,
porém não sozinho. Os Vingadores aparecem para auxiliar o colega neste conflito. Esta ajuda,
segundo Guerra, “tem como objetivo consolidar o ideal de união entre as raças para combater a
intolerância de alguns que insistem na ideia de superioridade de uma raça sobre a outra”.
44
Assim
como Martin Luther King Jr. aclamava:
Eu tenho um sonho que um dia [...] os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos
desdentes dos donos de escravos poderão se sentar junto à mesa da fraternidade. [...] Eu
tenho um sonho que um dia, [...] meninos negros e meninas negras poderão unir as mãos
com meninos brancos e meninas brancas como irmãs e irmãos. Eu tenho um sonho hoje!.
45
38
GUERRA, 2011, p. 152.
39
GUERRA, 2011, p. 152.
40
GUERRA, 2011, p. 152.
41
GUERRA, 2011, p. 152.
42
GUERRA, 2011, p. 152.
43
KING JR., Martin Luther. Eu tenho um sonho. 1963. Disponível
em:<http://www.dhnet.org.br/desejos/sonhos/dream.htm>. Acesso em: 06 fev. 2013.
44
GUERRA, 2011, p. 152.
45
KING JR., 1963.
78 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Falcão
Logo após o sucesso do Panter Negra, a Marvel Comics abriu as portas para outros
personagens negros super-heróis. O segundo personagem lançado por esta editora (e seguindo
também da história dos quadrinhos) é o Falcão, o primeiro super-herói afro-americano (pois
Pantera Negra era de um país do continente africano). Este super-herói foi primeiramente
apresentado na revista Captain América 117, em 1969.
Na trama, Capitão América é enviado para uma ilha de exilados, repleto de criminosos, em
um plano do seu arqui-inimigo Caveira Vermelha. Durante um confronto, “no exato momento em
que o Capitão estava sendo subjugado pelos bandidos, um falcão surge dos céus e o socorre dos
malfeitores”.
46
Este falcão, chamado ‘Asa Vermelha’, é controlado telepaticamente por Samuel
“Sam” Wilson, um afro-americano que vivia no bairro do Harlem, bairro da cidade de Nova Iorque
de população majoritariamente negra, bairro onde Malcolm X foi assassinado. Antes de ser enviado
pelo Caveira Vermelha, assim como o Capitão, Sam era um honrado voluntário de sua comunidade,
que viu seus pais serem assassinados e se entregou a dor e a amargura, tornando-se assim um
estelionatário egoísta.
47
Ali na ilha, Sam Wilson era escravizado e ajudou o forasteiro (Capitão).
Capitão América reconhece o potencial de Sam e o acolhe como aprendiz, “treinando na
luta corpo a corpo. O codinome Falcão veia da sua habilidade de se comunicar com os pássaros,
principalmente um falcão de estimação”,
48
o ‘Asa Vermelha’, que veio salvar o Capitão de um
confronto. Juntos, ambos conseguem enfrentar e vencer os exilados e, mais tarde, o Caveira
Vermelha, saindo da ilha e voltando para o solo norte-americano.
Sam Wilson volta para seu bairro, acompanhado pelo Capitão América. A vizinhança do
Harlem se sentia incomodada com a presença de um branco no bairro e perplexa com o aperto de
mãos dos dois na despedida. Neste período histórico, era o auge do movimento Black Power, que
defendia o orgulho racial, de se ter muito orgulho de ser negro, de instituições culturais e de
políticos negros para cultivar e promover interesses coletivos, valores, e assegurar autonomia para
os negros. A editora Marvel Comics vem mostrar uma possível integração entre brancos e negros.
O aperto de mãos de dois personagens de raças diferentes, expõe a intenção da editora em
promover a integração racial na sociedade estaduniense. [...] Stan Lee apresentava uma
outra possibilidade: a cooperação entre os diferentes componentes étnicos americanos,
superando uma desconfiança inicial.
49
Capitão América chamou Falcão para ser seu parceiro. Com o tempo, o personagem deixa
de ser somente um auxiliar, “sendo retratado sempre em condição de igual do Sentinela da
Liberdade”.
50
O sucesso da aventura desses dois super-heróis foi grandioso, tanto que, na edição da
revista do Capitão de número 134, a revista passou a se chamar Captain America and the Falcon,
46
BASÍLIO, Cláudio Roberto. Os negros nas histórias em quadrinhos parte 2. HQManiacs.com. 2005. Disponível
em: <http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=materias&cod_materia=300>. Acesso em: 07 fev. 2013.
47
ENCICLOPÉDIA MARVEL, 2002, p. 19.
48
GUERRA, 2011, p. 153.
49
GUERRA, 2011, p. 154.
50
BASÍLIO, 2005.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 79
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
ficando com este título até a edição de número 223.
51
Mais tarde, Falcão recebeu de presente do
Pantera Negra um novo traje com asas a jato, criado pela tecnologia de Wakanda, ganhando, assim,
a habilidade de voar.
Por pressão do governo norte-americano, Falcão foi convidado para ingressar ao time os
Vingadores, para criar uma simpatia na comunidade negra.
52
Porém, o super-herói não atuou por
mundo tempo, “ressentiu-se do fato de ter se tornado membro por permanecer a uma minoria que o
governo queria ver representada no grupo”.
53
Em todo o caso, não deixou a vida de super-herói,
continuou ao lado do Capitão América em suas aventuras. Em várias sagas, Falcão está presente nas
páginas dos ‘maiores heróis da terra (Vingadores), tornando-se um membro de grande sucesso.
As questões raciais são vistas nas páginas de aventura desse super-herói. Na revista Marvel
Millennium 2 de 2007, Falcão se une ao Capitão América para investigar e combater um antigo
inimigo do Capitão, um cientista nazista chamado Armin Zola, que todos pensavam que estava
morto. Este fazia experimentos com afro-americanos, experiência chamada “Poeira Branca”, que
deixava suas cobaias com peles brancas, porém, as cobaias não sobreviviam. Falcão, em uma
conversa com Capitão, deixa claro que está neste conflito para ajudar seus irmãos de cor.
54
Na trama, Capitão América se indigna com o preconceito que os afro-americanos sofrem,
principalmente, após uma tentativa de pedir carona, onde um branco (Capitão) consegue mais fácil
e rápido a carona do que um negro (Falcão). O superssoldado que viu soldados afro-americanos
terem tratamento diferenciados durante a Segunda Guerra, por sua cor de pele, se irrita com o
resultado nos dias de hoje:Me dizem que eu devo vencer uma guerra que vai tornar o mundo livre
e todos iguais... Não olhar pro triste resultado de sessenta anos de compromissos vazios e
expectativas reduzidas.
55
Esta história ainda mostra o racismo do partido nazista e, o arqui-inimigo
do Capitão, Zola, se alinhando a simpatizantes da Ku Klux Klan para por em prática seu
experimento.
Falcão traz em suas aventuras um forte desejo de ver as pessoas se ajudarem e umas as
outras. Auxiliando sempre a comunidade do Harlem, assim como fazia os movimentos Panteras
Negras e Black Power, onde auxiliavam as comunidades negras nos EUA.
Armado de forte senso de comunidade, ele acredita que ser herói é algo que vem de casa.
Por isso, mantém-se sempre perto do seu bairro, o Harlem. Lá, ele pode agir tanto como
modelo de conduta quanto como protetor do povo. [...] O Falcão devota quase tanto tempo
às ações como homem comum quanto às suas atividades como super-herói. Alterando entre
seu trabalho como planejador urbao em Nova York e a participação efetiva nos Vingadores,
o herói concentra seus esforços em deixar uma marca positiva no mundo.
56
51
BASÍLIO, 2005.
52
FRANCO, SALVATORE, 2008, p. 13.
53
ENCICLOPÉDIA MARVEL, 2002, p. 19.
54
DEODATO JR, Mike, HUSTON, Charlie. Os Supremos. In: MARVEL MILLENNIUM. São Paulo: Panini, n.2,
Outubro de 2007.
55
DEODATO JR, HSTON, 2007.
56
ENCICLOPÉDIA MARVEL, 2002, p. 19.
80 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Isso é o que o filósofo grego Aristóteles (384-322 a.c.), vem chamar de um ser virtuoso.
Segundo ele, precisamos buscar pessoas virtuosas como modelos, pois, se quisermos saber o que
significa ser justo, ou moderado, ou corajoso, devemos observar pessoas a quem atribuímos tais
virtudes.
57
Falcão é um ativista comunitário, herança dos grupos de direitos raciais das décadas de
1960-70.
Os super-heróis negros na DC Comics
A editora DC Comics demorou mais para retratar histórias de super-heróis negros nas
páginas de seus quadrinhos. A editora sempre foi considerada mais conservadora em relação a
novas tendências, diferente da concorente Marvel Comics. Em 1969, ela traz uma história que é
marcada como uma mancha na história da DC Comics. Muitos roteristas na época acusaram a
editora de racista. A primeira tentativa de trazer um super-herói negro para suas páginas causou
uma crise editorial gigantesta, destaca Basílio.
58
Na revista Teen Titans 20, os jovens escritores
Marv Wolfman e Lein Wein escreveram a história chamada Titan Fit the Batle of Jerico, na qual os
super-heróis jovens enfrentavam criminosos que manipulavam gangues de jovens negros. Nesta
trama surge um misterioso herói, chamado Jericó, que ajuda os Titãs no combate a esses
criminosos. O que ninguém sabe é que esse herói misterioso é negro e seu irmão mais velho faz
parte da gangue que é manipulada pelos vilões (revelado somente no final da trama).
Jericó, disfarçado de herói, queria provar ao irmão que mais importante que o uso da
violência era a luta pacífica pela igualdade entre as raças.
59
Este roteiro tinha sido aprovado, estava
quase sendo publicado, quando os editores chefes invadiram a gráfica, proibindo a publicação desta
revista, pois, segundo eles, pregava o ‘racismo ao contrário’, por meio de frases contidas nesta
trama como “... eu vou dar um jeito nesses últimos 300 anos de racismo, seus brancos metidos!”,
que indicavam tal segregação.
60
Segundo Basílio, os editores da DC Comics tinham receio de uma
reação negativa nos estados sulistas, os mais conservadores dos EUA. Para resolver o problema,
trouxeram outra equipe e refizeram a história, transformando o herói negro comobranco, refazendo
vários diálogos. O herói trocou de nome, de Jericó para Joshua, os negros foram pintados de azul,
fazendo com que, qualquer contexto racial desaparecesse do roteiro da trama.
61
Segundo Maio, tais
mudanças, enfureceram os roteiristas que saíram da DC Comics, acusando esta de racismo, por
estarem censurando a estreia do primeiro super-herói negro da editora.
62
Se super-heróis afrodescendentes eram raros na editora, a união inter-racial era mais
problemático. Em 1970, na revista Superman’s Girlfriend Lois Lane 106, Lois Lane, a namorada do
Super-Homem, vira negra. Ela estava atrás de uma matéria, “queria saber como era a vida entre os
57
ARISTÓTELES, 2007, VI, 1140 a1, 20-25.
58
BASÍLIO, 2005.
59
MAIO, 2009.
60
BASÍLIO, 2005.
61
BASÍLIO, 2005.
62
MAIO, 2009.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 81
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
negros que viviam em uma parte de Metrópolis chamada ‘Little África’”.
63
Após a transformação,
Lois questiona o Super-Homem, perguntando se, agora que era negra, ele casaria com ela. A
resposta do azulão foi “você continua vulnerável aos meus inimigos”.
64
Outra questão racial veio a aparecer nas aventuras da revista Lanterna Verde e Arqueiro
Verde 76, de 1970. Após ambos os heróis se confrontarem sobre a questão de expulsar ou não os
moradores de um cortiço. Um senhor idoso veio até o super-herói Lanterna Verde e disse:
Eu andei lendo sobre ti ... cê trabalha pruns anõezinhos azuis ... E ajudou uns sujeitos
laranjas e outro planeta. Também deu uma forcinha prum povo roxo! Só que cê andou
esquecendo duma cor... Por que nunca ajudou os negros?! Responde aí, se. Lanterna
Verde!.
65
A resposta do herói foi: “eu não sei”. A revista Lanterna Verde e Arqueiro Verde foi um
marco para DC Comics, pois foi uma revista que trazia muitas questões sociais em suas páginas. E
esta revista foi, segundo Morrison, a introdução de questões raciais nos quadrinhos. O provocante
capítulo, abriu uma ferida da época com precisão laminar e foi muitas vezes citada como exemplo
da nova disposição para lidar com questões do mundo real na ficção super-heróica.
66
Nos anos de 1970, houve uma explosão da cultura afro nas mídias, na música, no cinema e
nos quadrinhos (Marvel Comics). Com isso, em 1971, após o fiasco da acusação de racismo, a DC
Comics começa a lançar seus super-heróis negros. O primeiro super-herói negro da DC Comics foi
Vykin, que surgiu na revista Forever People 1, em 1971. Criado por Jack Kirby, ele era dotado de
poderes magnéticos e pertencia aos Novos Deuses. No mesmo ano, Kirby cria outro personagem
negro, o Corredor Negro, que surgiu na revista New Gods 3. Este personagem é uma entidade
cósmica que representa a morte.
67
Em 1977, surge Raio Negro, o primeiro super-herói afrodescendente a ganhar um título na
editora DC Comics. O campeão olímpico Jefferson Pierce resolve voltar apara casa, um bairro
pobre e violento em Metrópolis, chamado Beco do Suicídio, para trabalhar como professor. Com
seus poderes elétricos, resolve enfrentar criminosos da região, tornando-se o Raio Negro. Tal
personagem traz símbolos das comunidades afro-americanas, como uma peruca Black Power e
roupas coloridas.
A primeira mulher super-heroína da DC foi a Vixen. Sua primeira aparição foi em 1981 na
revista Action Comics 521. Embora tivesse sido criada em 1978, não havia sido lançada até 1981. A
história de Vixen conta que Mari McCabe nasceu em um pequena vila africana, chamada
M’Changa. Ela cresceu escutando a lenda de Tantu, um guerreiro que pediu a deusa Ananse, uma
63
FRADE, Renan Martins. Falando em Quadrinhos! Negros, gays, casamentos e como as HQs devem ser um retrato
da evolução da sociedade. Judão. 2012. Disponível em:<http://www.judao.com.br/livros-hqs/falando-em-
quadrinhos-negros-gays-casamentos-e-como-as-hqs-devem-ser-um-retrato-da-evolucao-da-sociedade/>. Acesso em:
11 fev, 2012.
64
FRADE, 2012.
65
O’NEIL, ADAMS, 2006, p. 17.
66
MORRISON, 2012, p. 182.
67
BASÍLIO, 2005.
82 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
aranha, para criar um totem’ que daria a quem usasse todos os poderes do reino animal, desde que
esses fossem usados para o bem. Este totem estava em poder de seus pais. Com o assassinato deles,
Mari muda-se para os EUA e se torna uma modelo bem sucedida na cidade de Nova Iorque. Com
seu dinheiro, viaja pelo mundo e retorna a África, onde consegue o totem de volta. Com os poderes
deste, ela se torna a super-heroína Vixen.
Outra personagem afrodescendente do universo DC de grande destaque é Amanda Wallen,
que surgiu em 1986, na revista Legends 1. Wallen foi líder do Esquadrão Suicida e do Projeto
Cadmus.
Muitos personagens negros nas histórias em quadrinhos eram representados como de baixa
inteligência, atrapalhados e cômicos como já mencionado, entretanto, o personagem Sr. Incrível é
considerado um dos mais inteligentes do universo da DC Comics. Este super-herói é o único dos
quadrinhos que dois personagens afrodescendentes usaram o mesmo uniforme.
Outro personagem negro que está ganhando um grande destaque, com a reformulação da
DC Comics, os Novos 52, tornando-se um dos membros fundadores da Liga da Justiça, é o
Ciborgue. O super-herói surgiu em 1980 na revista DC Comics Presents 26. Victor Stone é filho de
um renomado cientista, era um atleta que, após um acidente, teve seu corpo mutilado. Seu pai,
desesperado, substituiu partes do seu corpo por próteses robóticas, nascendo, assim, o super-herói
Ciborgue.
68
Originalmente, este personagem pertencia ao grupo dos Jovens Titãs, sendo o primeiro
negro a liderar uma equipe no universo DC. Com a reformulação dos quadrinhos, este se tornou um
membro da Liga da Justiça.
Em 1993, surge mais um personagem afro-americano na DC Comics, na revista
Adventures of Superman 500: Aço, um especialista em armas que, quando descobriu que as armas
que projetou estavam sendo usadas para o crime organizado, desenvolveu uma armadura de
combate inspirado no super-herói Super-Homem.
69
No mesmo ano, 1993, surge um super-herói
adolescente de 15 anos, Super Choque, conhecido aqui no Brasil pela animação televisiva. Um
acidente com gás experimental dá origem a seus poderes eletromagnéticos.
Lanterna Verde John Steward
A ‘Tropa dos Lanternas Verdes’ é uma polícia intergaláctica que patrulha o universo
defendendo-o contra o mal. Seus fundadores, os Guardiões do Universo, são uma raça avançada,
superinteligente e nobre. Estes dividiram o universo em 3600 setores e escolheram um nativo de
cada setor (com o passar do tempo, dois nativos) para servir em suas fileiras de batalha. Este nativo
se torna o ‘Lanterna Verde’ de seu setor. Existem aproximadamente 7200 membros da Tropa dos
Lanternas Verdes. Cada Lanterna Verde recebe um anel, considerado uma das armas mais
poderosas do universo, pois permite a seu usuário criar praticamente qualquer coisa que imaginar.
68
FRANCO, SALVATORE, 2008, p. 12.
69
FRANCO, SALVATORE, 2008, p. 14.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 83
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Este anel só escolhe os seres mais honestos, mais destemidos e de maior força de vontade (a qual
ativa os poderes do anel).
O Planeta Terra está localizado no setor 2814 e seu primeiro protetor foi Hal Jordan (uma
lenda entre a tropa), o segundo Lanterna Verde da terra foi Gay Gardner, que, após salvar crianças
em um terremoto, ficou gravemente ferido. Para ser o reserva de Hal Jordan, os Guardiões da
Galáxia selecionaram John Stewart, o primeiro afrodescendente da Tropa dos Lanternas Verdes. Ele
foi treinado por Jordan, mas decidiu não usar uma máscara. De acordo com ele, não havia nada
esconder.
70
“Eu não vou usar máscara nenhuma! Eu sou 100% autêntico, amizade! Não tenho nada
pra esconder”.
71
De certa forma, John Stewart foi o primeiro afro-americano do mundo dos
quadrinhos com orgulho de si mesmo, o não querer se esconder atrás de uma máscara, escondendo
seu rosto e a cor dela, diferente do Pantera Negra, primeiro super-herói negro das histórias em
quadrinhos, cujo uniforme escondia todo o corpo e, com isso, a cor de sua pele.
John Stewart surgiu na revista Green Lantern 87, volume 2, de 1971, pelas mãos de Dennis
O’neil e Neal Adams, os mesmo da trama ‘Lanterna Verde e Arqueiro Verde’ de 1970, que trazia
questões sociais às histórias desses super-heróis. Segundo Morrison, as histórias do super-herói
Lanterna Verde até então eram típicas de uma sociedade branca, esquecendo todas as questões
sociais. Com O’neil, tudo muda.
[...] podemos ver o Lanterna como representação do típico jovem leitor branco e de classe
média e perceber o engajamento político do Lanterna Verde como um “traje ficcional” ou
palanque para O’neil, usando sua arte para abrir alguns olhos juvenis para as verdades da
vida.
72
O teste de aprovação de Stewart como membro da Tropa dos Lanternas Verdes foi de
proteger um senador racista que estava envolvido em um crime forjado para incriminar ativistas
negros.
73
John Stewart desvendou o crime, protegeu o senador criminoso e assim foi aceito como
membro da tropa. Aqui a história mostra uma questão histórica: a culpabilização de ativistas negros
em crimes, algo habitual nas décadas de 1960 à 1980 nos EUA.
Foi somente em 1984 que Stewart assumiu o lugar de Hal Jordan como protetor do setor
2814, quando Jordan abandonou sua vida super-heroica temporariamente. Após 2001, John Steward
participou da animação ‘Liga da Justiça’ e da Liga da Justiça Sem Limites’, que alcançou grande
sucesso junto ao público, consagrando-o como membro da Liga da Justiça também nos quadrinhos.
Luke Cage
Mark Lucas nasceu nas ruas do Harlem, ex-membro de uma gangue. Preso por um crime
que não cometeu, ele voluntariou-se como cobaia em um experimento que iria fortalecer o sistema
70
FRANCO, SALVATORE, 2008, p. 11.
71
MORRISON, 2012, p. 184.
72
MORRISON, 2012, p. 183.
73
FRANCO, SALVATORE, 2008, p. 11.
84 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
imunológico. Porém, foi vítima de uma sabotagem de um guarda racista no experimento e, com
isso, seu destino mudou. Sobrevivendo a sabotagem, ao invés de se tornar imune a doenças, seu
corpo adquiriu invulnerabilidade e uma força sobre-humana.
74
Fugiu do presídio e decidiu começar
uma vida nova, como o herói de aluguel Luke Cage. Vendia seus serviços como guarda-costas e
viveu aventuras ao lado de outros super-heróis (tudo por dinheiro). O surgimento de seus
superpoderes trata também de uma mancha na história da ciência. Muitos experimentos científicos
eram feitos em pessoas negras, o caso de maior repercussão na mídia norte-americana, o ‘caso
Tuskegee’.
De 1932 a 1972 o Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos da América realizou uma
pesquisa, cujo projeto escrito nunca foi localizado, que envolveu 600 homens negros, sendo
399 com sífilis e 201 sem a doença, da cidade de Macon, no estado do Alabama. O objetivo
do Estudo Tuskegee, nome do centro de saúde onde foi realizado, era observar a evolução
da doença, livre de tratamento.
75
Nenhum dos pacientes sabia que tinham sífilis, nem os efeitos colaterais de tal
experimento. Tal tratamento utilizava mercúrio e bismuto e estas substâncias utilizadas geravam
muitos efeitos tóxicos, levando em muitos dos casos a morte da cobaia. O diagnóstico dado era
somente de ‘sangue ruim’, denominação também usada por eugenistas no final da década de 1920,
para justificar a esterilização de portadores de deficiências.
76
Tal tratamento utilizava mercúrio e
bismuto e estas substâncias geravam muitos efeitos tóxicos, levando em muitos casos a morte da
cobaia. Este experimento só foi interrompido após denúncia no The New York Times em 1972, onde
restavam somente 74 pessoas vivas e sem tratamento.
E foi neste mesmo ano, 1972, que surge nos quadrinhos Luke Cage, na revista Luke Cage
Hero for Hire, o primeiro super-herói negro a receber uma série própria. Seu uniforme lembra as
vestimentas frequentes de afro-americanos, principalmente lembradas pelo movimento Black
Power, expresso no uso de uma corrente em volta da cintura, e, segundo Morrison, “para lembrar
das crueldades da história”.
77
Cage convivia com a pobreza, diferentes dos outros super-heróis
negros dos quadrinhos. Suas histórias traziam questões enfrentadas pelo povo negro, jogados a
marginalidade dos guetos.
Luke Cage aparece em uma posição que exprime um misto de raiva e dor pelas lembranças
do passado. O desenhista George Tuska (criador do personagem) parece querer exprimir
ali, toda a dor do povo afro-americano, que a vida de Cage representaria a de muitos deles:
a vida na pobreza, envolvimento em atitudes criminosas, e repressão pelo Estado por meio
da força.
78
74
FRANCO, SALVATORE, 2008, p. 11.
75
GOLDIN, José Roberto. O Caso Tuskegee: quando a ciência se torna eticamente inadequado. Bioética. [s.d.].
Disponível em:<http://www.bioetica.ufrgs.br/tueke2.htm>. Acesso em: 14 fev. 2013.
76
GOLDIN, 1999.
77
MORRISON, 2012, p. 185.
78
GUERRA, 2011, p. 161.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 85
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Diferente do que aconteceu com o super-herói Falcão, que era o ‘parceiro’ de um herói
branco, em 1978, Cage ganha um parceiro: o Punho de Ferro, na revista Luke Cage Power Man
102. Pela primeira vez, -se um super-herói negro com um parceiro branco.
Tempestade
Uma das primeiras super-heroínas negras dos quadrinhos surgiu na revista Giant-Size X-
Men 1, em 1975. A população diversificada em X-men inclui a personagem afro-americana Ororo
Munroe, codinome Tempestade, filha de uma princesa africana com um fotografo norte
americano.
79
Ela ficou órfã ainda muito nova. Seus pais morreram soterrados sob escombros de um
prédio, ficou abandonada e sozinha nas ruas do Cairo, Egito.
Considerada uma deusa, por uma tribo africana, suas habilidades mutantes incluem
controle do voo e das condições climáticas, daí vem seu codinome: Tempestade. Tempestade deixa
o isolamento e a segurança do Quênia onde é venerado como uma deusa por seus incríveis poderes,
para juntar-se ao Professor Xavier nos EUA, atravessando aquele limiar e enfrentando pesadas
provações, tudo em nome da justiça e do bem.
80
Tempestade consegue tomar sempre decisões
corretas, pois não tem ânsia alguma, não tem a tentação de fugir da responsabilidade. Ela é uma
líder nata, e, por isso, ela se torna a líder dos X-Men, a primeira mulher e negra a liderar uma
equipe de super-heróis.
Considerações finais
Vários super-heróis negros conquistaram os quadrinhos, tais como Blade, O Caçador de
Vampiros, criado em 1973, na revista Tomp of Dracula 10; Máquina de Combate, armadura usada
por James Rhodes, que surgiu em 1979, na revista Iron Man 118, ambos pela Marvel Comics; ou
ainda Spawn, da Image Comics, que surge em 1992 e foi um sucesso da década de 1990; e Batwing,
um Batman negro do continente africano, criado em 2011; suas história retratam muito bem os
conflitos políticos e sociais deste continente tais como guerrilhas, pobreza, crimes, estupros, AIDS,
etc. Os negros ganharam seu espaço nas histórias em quadrinhos, porém, este processo demorou
muito e ainda está caminhando lentamente. Muito se modificou desse o surgimento dos
quadrinhos, onde personagens negros eram tratados como cômicos, vilões ou de baixa inteligência.
A partir da década de 1960 com o auge das lutas por direitos civis encabeçadas por grande
líderes negros, tais como Martin Luther King e Malcom X, e movimentos como o Partido dos
Panteras Negras e Black Power, os quadrinhos começam a retratar os negros de forma diferente. Os
quadrinhos começam a dar destaque a estes personagens, protagonizando suas próprias histórias e
superaventuras. A eleição do primeiro presidente negro, Barack Obama, nos Estados Unidos da
América, mostra o quanto a sociedade está vencendo a discriminação em solo norte-americano,
79
HOUSEL, Rebecca. Mito, moralidade e as mulheres dos X-Men. In: IRWIN, William (Coord.). Super-heróis e a
filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo: Madras, 2005. p. 83-97. p. 86.
80
HOUSEL,2005, p. 86.
86 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
assim como em Hollywood, onde atores negros como Will Smith, Samuel L. Jackson, Morgan
Freeman entre outros são grande destaque.
inúmeras adaptações no universo dos quadrinhos, onde personagens brancos são hoje
negros. O caso mais famoso é no universo Ultimate Marvel, um universo paralelo dessa editora, que
apresentou um Coronel Nick Fury (que no universo tradicional é um personagem branco) negro. Na
adaptação dos quadrinhos dos Vingadores para o cinema, o personagem também é negro, sendo
vivido pelo ator Samuel L Jackson, inspirado no universo Ultimate. Outro personagem negro neste
universo dos quadrinhos é o Homem Aranha que, após o falecimento de Peter Parker (o alterego
original do Homem Aranha) é assumido por Miles Morales, um adolescente negro e de
descendência latina. O personagem estreou no uniforme do herói aracnídeo em Ultimate Fallout 4
em 2011.
Há também adaptações de etnias em séries e filmes de adaptações de quadrinhos. No filme
Demolidor, de 2003, um ator negro (o falecido Michael Clarke Duncan) vive o vilão Rei do Crime,
que, nos quadrinhos, é um personagem branco. Nas séries de TV Smallville, que conta a origem do
Super-Homem, e Arrow, que traz a origem do super-herói Arqueiro Verde, alguns personagens
sofreram mudanças étnicas. Em Smallville, o personagem Peter Ross é vivido por um ator negro,
assim como o personagem Walter Steele em Arrow. Outra adaptação étnica é o personagem Perry
White, editor chefe do ‘Planeta Diário’, jornal onde o alterego do Super-Homem, Clark Kent,
trabalha. No filme Homem de o, o personagem será interpretado por um ator afro-americano
(Laurence Fishburne).
Os negros estão ganhando um maior destaque nos quadrinhos e no cinema neste novo
século. Muitas acreditam que isso é motivado por um sistema de cotas nas mídias norte-americanas,
onde programas e shows devem apresentar personagens negros, homossexuais e latinos. Muito
usado a partir da década de 1960, o sistema foi criado por John Kennedy que “passou a validar
ações que tinham como objetivo auxiliar as pessoas pobres e diminuir a desigualdade entre
classes”.
81
Atualmente, o sistema de cotas se tornou desnecessário e foi abolido, pois, segundo a
declaração dos direitos humanos, todos são iguais perante a lei.
Os super-heróis apresentam muito bem essas tensões e transformações em suas páginas das
histórias em quadrinhos. Nelas, todos têm vez, todos são iguais, indiferentemente de sua etnia,
todos podem se tornar super-heróis.
O sonho enraizado em solo norte-americano de Martin Luther King Jr. é visto no decorrer
desses anos, nas páginas das histórias em quadrinhos de super-heróis negros: “Eu tenho um sonho
que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença - nós
celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais.
82
81
LESME, Adriano. Lá fora: a história das cotas raciais nos EUA. Brasil Escola. [s.d.]. Disponível
em:<http://vestibular.brasilescola.com/cotas/la-fora-historia-das-cotas-raciais-nos-eua.htm>. Acesso em: 14 fev.
2013.
82
KING JR., 1963.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 87
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
Referências
BASÍLIO, Cláudio Roberto. Os negros nas histórias em quadrinhos parte 2. HQManiacs.com.
2005. Disponível em:
<http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=materias&cod_materia=300>. Acesso em: 07 fev.
2013.
BLANRUE, Paul Eric. As muitas vidas da Ku Klux Klan. História Viva. São Paulo: Dueto, n. 21,
Julho de 2005.
CHINEN, Nobuyoshi. A presença do negro nos quadrinhos Latinos-Americanos: Uma breve
história, o caso do Brasil. [s.d.] Disponível em: < http://viñetas-
sueltas.com.ar/congreso/pdf/Historieta,HistoriaySociedad/chinen.pdf>. Acesso em: 22 jan. 2013.
CHINEN, Nobuyoshi. Os negros nos quadrinhos brasileiros. In: CONGRESS OF LATIN
AMERICAN STUDIES ASSOCIATION. Rio de Janeiro/RJ. 2009. Disponível em: <
https://lasa.international.pitt.edu/members/congress-papers/lasa2009/files/ChinenNobuyoshi.pdf>.
Acesso em: 22 jan.2013.
DEMERCINO JÚNIOR, Demercino. Ku Klux Klan. Brasil Escola. 2012. Disponível em: <
http://www.brasilescola.com/historiag/ku-klux-klan.htm>. Acesso em: 18 jan. 2013.
DEODATO JR, Mike, HUSTON, Charlie. Os Supremos. In: MARVEL MILLENNIUM. São
Paulo: Panini, n.2, Outubro de 2007.
DUARTE, Fernando. Ku Klux Klan. Aventuras na História. São Paulo: Abril, n. 115, Fevereiro de
2013.
ENCICLOPÉDIA MARVEL. São Paulo: Panini, 2002.
FRADE, Renan Martins. Falando em Quadrinhos! Negros, gays, casamentos e como as HQs devem
ser um retrato da evolução da sociedade. Judão. 2012. Disponível em:
<http://www.judao.com.br/livros-hqs/falando-em-quadrinhos-negros-gays-casamentos-e-como-as-
hqs-devem-ser-um-retrato-da-evolucao-da-sociedade/>. Acesso em: 11 fev. 2012.
FRANCO, Gabriela, SALVATORE, Taches. Heróis negros. Mundo dos Sapir Heróis. São Paulo:
Europa, n. 11, Julho/Agosto de 2008.
GOLDIN, José Roberto. O Caso Tuskegee: quando a ciência se torna eticamente inadequado. In:
Bioética. S[s.d.].A. Disponível em:<http://www.bioetica.ufrgs.br/tueke2.htm>. Acesso em: 14 fev.
2013.
GONÇALVES, Luiz Cláudio. A saga dos heróis negros nos quadrinhos!! 2012. Disponível em:
<http://www.universosimulado.com/?p=1910>. Acesso em: 22 jan. 2013.
88 WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
GUERRA, Fabio Vieira. Super-Heróis Marvel e os conflitos sociais e políticos nos EUA (1961-
1981). 2011. 230 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Departamento de
História, Rio de Janeiro. 2011. Disponível em: <http://www.historia.uff.br/stricto/teses/Dissert-
2011_Fabio_Vieira_Guerra>. Acesso em: 23 jan. 2013.
HOUSEL, Rebecca. Mito, moralidade e as mulheres dos X-Men. In: IRWIN, William (Coord.).
Super-herois e a filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo: Madras, 2005, p. 83-
97.
KANE, Bob. The Bat-man The Batman meets Docthos Death. In: DETECTIVE COMICS. São
Paulo: Abril, 2005.
KING JR., Martin Luther. Eu tenho um sonho. 1963. Disponível em:
<http://www.dhnet.org.br/desejos/sonhos/dream.htm>. Acesso em: 06 fev. 2013.
LEE, Stan. A história de um rei. In: SUPERAVENTURAS MARVEL. São Paulo: Abril, n.7,
Janeiro de 1983.
LESME, Adriano. Lá fora: a história das cotas raciais nos EUA. Brasil Escola. [s.d.]. Disponível
em:< http://vestibular.brasilescola.com/cotas/la-fora-historia-das-cotas-raciais-nos-eua.htm>.
Acesso em: 14 fev. 2013.
MAIO, Alexandre de. Influência nos quadrinhos. Raça Brasil. 2009. Disponível em:
<http://racabrasil.uol.com.br/cultura-gente/140/cartoons-influencia-nos-quadrinhos-161056-1.asp>.
Acesso em: 21 jan. 2013.
MARCHETTI-LECA, Pascal. Martin Luther King O sonho assassinado. História Viva. São
Paulo: Duetto, n. 27, Janeiro de 2006.
MAXIMILIANO, Adriana. Malcom X América. Aventuras da História. São Paulo: Abril, n. 22,
Junho de 2005.
MORRIS, Matt; MORRIS, Tom. Homens em collants coloridos, lutas ferrenhas e grandes alturas;
e, claro, algumas mulheres também! In: IRWIN, William (Coord.). Super-heróis e a filosofia:
verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo: Madras, 2005. p. 9-12.
MORRISON, Grant. Superdeuses. Tradução Érico Assis. São Paulo: Seoman, 2012.
NAVARRO, Roberto. Quem foram os Panteras Negras? Mundo Estranho. 2012. Disponível em:
<http://mundoestranho.abril.com.br/materia/quem-foram-os-panteras-negras>. Acesso em: 20 jan.
2013.
NOGUEIRA, Natania. O negro nos quadrinhos. 2012. Disponível em:
<http://www.slideshare.net/gibiteca/o-negro-nos-quadrinhos>. Acesso em: 21 jan. 2013.
WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis 89
Identidade! | São Leopoldo | v.18 n. 1 | p. 67-89 | jan.-jun. 2013 | ISSN 2178-0437X
Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade>
O’NEIL, Dennis, ADAMS, Neal Adams. O mal sucumbirá ante minha presença! In: GRANDES
CLÁSSICOS DC: Lanterna Verde, Arqueiro Verde, vol. 1. São Paulo: Panini, Março, n. 6, março
2006.
RAJGURU, Nutan; WOOD, Adrian. O Partido dos Panteras Negras pela Auto-Defesa. 2008.
Disponível em: < http://www.lsr-cit.org/anti-racismo/37-anti-racismo/440-o-partido-dos-panteras-
negras-pela-auto-defesa>. Acesso em: 20 jan. 2013.
REBLIN, Iuri Andréas. Para o alto e avante: Uma analise do universo criativo dos super-heróis.
Porto Alegre: Asterisco, 2008.
VIANA, Nildo. Heróis e Super-Heróis no mundo dos quadrinhos. Rio de Janeiro: Achiamé, 2005.
  • Article
    Neste artigo aborda-se a representação do personagem Luke Cage, inspirado nos quadrinhos da Marvel e adaptado pela empresa Netflix. Objetiva-se observar a questão racial, considerando a história e o contexto de alguns personagens, como também se apresenta uma reflexão sobre a emancipação política da comunidade negra no Harlem. Nesse sentido, a pesquisa trata da análise das características do herói na trama e suas representações no espaço de uma comunidade sitiada, observado nos primeiros onze episódios. Para tanto, a pesquisa bibliográfica baseia-se no conceito de representação (HALL, 2000; FERRO, 1975), de racismo e emancipação política (FANON, 2010), como também, sobre o gueto (WACQUANT, 2008). Esta abordagem proporcionou uma análise sobre personagens que simbolizam o processo de emancipação de um povo submetido às vicissitudes de uma sociedade racista.
  • Article
    Full-text available
    Esse artigo apresenta uma análise de vinte e oito (28) posts gerados por fãs da comunidade Pantera Negra. O objetivo principal deste estudo é compreender os discursos dos fãs a respeito do filme Pantera Negra. Para tanto os fãs foram classificados em negros e não-negros, tendo em vista a diferença de impacto que as questões ideológicas e culturais explicitadas no filme podem possuir para cada um destes grupos. Sendo assim, buscou-se investigar a frequência de discursos textuais e os conteúdos expressados por estes fãs. Além disso, procurou-se identificar os discursos/comentários com caráter de expressão ideológica e crítica bem como a sua relação com as postagens em negros e não-negros. A Análise de Conteúdo de Bardin (2006) foi utilizada como suporte para eleger categorias.
  • Article
    Full-text available
    O presente trabalho teve como objetivo construir e investigar uma prática pedagógica significativa com o conteúdo Lutas em interface com o tema violência da discriminação e do preconceito utilizando histórias em quadrinhos (HQs). A pesquisa de caráter descritivo exploratório foi realizada no 3º ano do Ensino Fundamental numa escola pública de Catalão/GO. Os dados foram coletados através da observação e da roda de conversa e registrados em caderno de campo após intervenções pedagógicas envolvendo práticas de Lutas no contexto de duas narrativas dos super-heróis X-Men; houve ainda a exibição de animação, a produção de debates e práticas corporais envolvendo jogos de combate, em um enredo de narrativas à semelhança simplificada do sistema RPG (Rolling Play Games). A análise qualitativa dos dados permitiu concluir que as HQs são significativas no processo de ensino e aprendizagem de Lutas, sendo um recurso que instiga a imaginação, a curiosidade e a criatividade das crianças, contribuindo para a compreensão das diferenças e o respeito ao outro. Ensinar sobre as Lutas na escola e o combate à discriminação e ao preconceito é uma escolha pertinente frente às contradições sociais da contemporaneidade que ameaçam retroceder conquistas sociais e culturais no campo da diversidade.
  • Para o alto e avante: Uma analise do universo criativo dos super-heróis
    • Iuri Reblin
    • Andréas
    REBLIN, Iuri Andréas. Para o alto e avante: Uma analise do universo criativo dos super-heróis. Porto Alegre: Asterisco, 2008.
  • Heróis negros. Mundo dos Sapir Heróis São Paulo: Europa, n. 11, Julho/Agosto de 2008. p. 10. 31 LEE, Stan. A história de um rei
    • Salvatore Gabriela
    , Gabriela, SALVATORE, Taches. Heróis negros. Mundo dos Sapir Heróis. São Paulo: Europa, n. 11, Julho/Agosto de 2008. p. 10. 31 LEE, Stan. A história de um rei. In: SUPERAVENTURAS MARVEL. São Paulo: Abril, n.7, Janeiro de 1983. 32 ENCICLOPÉDIA MARVEL. São Paulo: Panini, 2002. p. 11.
  • é visto no decorrer desses anos, nas páginas das histórias em quadrinhos de super-heróis negros Eu tenho um sonho que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença -nós celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais
    • O Sonho Enraizado Em Solo Norte-Americano De
    • King Jr
    O sonho enraizado em solo norte-americano de Martin Luther King Jr. é visto no decorrer desses anos, nas páginas das histórias em quadrinhos de super-heróis negros: " Eu tenho um sonho que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença -nós celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais ". 82
  • As muitas vidas da Ku Klux Klan. História Viva. São Paulo: Dueto, n. 21, Julho de
    • Paul Blanrue
    • Eric
    BLANRUE, Paul Eric. As muitas vidas da Ku Klux Klan. História Viva. São Paulo: Dueto, n. 21, Julho de 2005.
  • Aventuras na História
    • Fernando Ku Klux Klan
    DUARTE, Fernando. Ku Klux Klan. Aventuras na História. São Paulo: Abril, n. 115, Fevereiro de 2013.
  • Falando em Quadrinhos! Negros, gays, casamentos e como as HQs devem ser um retrato da evolução da sociedade. Judão. 2012. Disponível em: <http://www.judao.com.br/livros-hqs/falando-em-quadrinhos-negros-gays-casamentos-e-como-ashqs-devem-ser-um-retrato-da-evolucao-da-sociedade
    • Renan Martins
    FRADE, Renan Martins. Falando em Quadrinhos! Negros, gays, casamentos e como as HQs devem ser um retrato da evolução da sociedade. Judão. 2012. Disponível em: <http://www.judao.com.br/livros-hqs/falando-em-quadrinhos-negros-gays-casamentos-e-como-ashqs-devem-ser-um-retrato-da-evolucao-da-sociedade/>. Acesso em: 11 fev. 2012.
  • Heróis negros. Mundo dos Sapir Heróis
    • Gabriela Franco
    FRANCO, Gabriela, SALVATORE, Taches. Heróis negros. Mundo dos Sapir Heróis. São Paulo: Europa, n. 11, Julho/Agosto de 2008.
  • A saga dos heróis negros nos quadrinhos!! 2012 Disponível em: <http://www.universosimulado.com/?p=1910>
    • Luiz Cláudio
    GONÇALVES, Luiz Cláudio. A saga dos heróis negros nos quadrinhos!! 2012. Disponível em: <http://www.universosimulado.com/?p=1910>. Acesso em: 22 jan. 2013. WESCHENFELDER, G. V. Os Negros nas Histórias em Quadrinhos de Super-heróis
  • The Bat-man -The Batman meets Docthos Death
    • Bob Kane
    KANE, Bob. The Bat-man -The Batman meets Docthos Death. In: DETECTIVE COMICS. São Paulo: Abril, 2005.