ArticlePDF Available

Comparision of the efficacy of oral mastic (Schinus terebinthiflolius Radd) with omeprazole in patients with gastritis and dyspeptic symptons: A randomized, double-blind

Authors:

Abstract

Objective: To compare the efficacy and safety of aroeira oral (Schinus terebinthifolius Raddi) versus omeprazole in the treatment of patients with dyspeptic symptoms associated with gastritis. Methods: This was a randomized, doubleblind clinical study. Seventy two patients with gastritis were randomly assigned to receive aroeira or omeprazole daily. Efficacy was assessed by evaluating improvement on endoscopic and hystopathologics findings and by symptom disappearance rates. Safety was assessed by recording incidence of any adverse drug reactions. Upper gastro-intestinal endoscopy was conducted at baseline and after therapy. Results: There were no significant differences in the baseline characteristics between the two groups. Symptom disappearance rates were higher in the aroeirás group but the difference was not significant. There was also no significant difference in the result of endoscopic and hystopathologic data between the groups. Conclusion: Aroeira appears to be as effective as omeprazole for gastritis-associated dyspeptics symptoms in gastritis patients.
RESUMO
Objetivo: Comparar a efi cácia e segurança da aroeira
oral (
Schinus terebinthifolius Raddi
)
versus
omeprazol
no tratamento de pacientes com sintomas dispépticos
associados à gastrite. Métodos: Este estudo clínico foi
prospectivo, randomizado e duplo-cego. Setenta e dois
pacientes com gastrite confi rmada pelo exame endoscópico
e anatomopatológico foram aleatoriamente convidados a
receber comprimidos de aroeira ou omeprazol, por quatro
semanas. A efi cácia foi avaliada pelo desaparecimento
ou melhora dos sintomas e pela melhora dos achados
endoscópicos e histopatológicos. A avaliação do relato de
incidência de efeitos adversos do medicamento também foi
feita por questionário padronizado. Exames de endoscopia
digestiva alta e anatomopatológicos foram realizados antes
do tratamento e após o término da terapia. Resultados:
A melhora percentual dos sintomas foi maior no grupo
da aroeira, mas a diferença não foi estatisticamente
signifi cativa. Também não houve diferença signifi cativa nos
resultados dos achados endoscópicos e histopatológicos
entre os dois grupos. Conclusão: Aroeira se mostrou tão
efi ciente quanto omeprazol no tratamento dos sintomas
dispépticos em pacientes com gastrite.
Unitermos: Omeprazol, Aroeira, Gastrite, Dispepsia.
SUMMARY
Objective: To compare the effi cacy and safety of aroeira oral
(
Schinus terebinthifolius Raddi
) versus omeprazole in the
treatment of patients with dyspeptic symptoms associated
with gastritis. Methods: This was a randomized, double-
blind clinical study. Seventy two patients with gastritis
were randomly assigned to receive aroeira or omeprazole
daily. Effi cacy was assessed by evaluating improvement
on endoscopic and hystopathologics fi ndings and by
symptom disappearance rates. Safety was assessed by
recording incidence of any adverse drug reactions. Upper
gastro-intestinal endoscopy was conducted at baseline
and after therapy. Results: There were no signifi cant
differences in the baseline characteristics between the
two groups. Symptom disappearance rates were higher in
the aroeira´s group but the difference was not signifi cant.
There was also no signifi cant difference in the result of
endoscopic and hystopathologic data between the groups.
Conclusion: Aroeira appears to be as effective as
omeprazole for gastritis-associated dyspeptics symptoms
in gastritis patients.
Keywords: Omeprazole, Aroeira, Gastritis, Dyspepsia.
Artigo Original
Comparação da eficácia da aroeira oral (Schinus
terebinthifolius Raddi) com omeprazol em pacientes com
gastrite e sintomas dispépticos: estudo randomizado e
duplo-cego
Comparision of the efficacy of oral mastic (
Schinus terebinthiflolius Radd
)
with omeprazole in patients with gastritis and dyspeptic symptons: a
randomized, double-blind
SEVERINO BARBOSA DOS SANTOS1, AND CAIRES ALV I NO DE LIMA2, AMANDA RENATA DA SILVA MELO3, CAROLINA DA SILVA FRAZÃO3,
GUILHERME LIAUSU CHERPAK2
1. Professor Adjunto-Doutor de Gastroenterologia da Universidade Federal de Pernambuco. 2. Médicos Residentes
de Clínica Médica da UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo. 3. Internistas do 5° ano do curso médico da
Universidade Federal de Pernambuco. Endereço para correspondência: Prof. Severino Santos MD. PhD. Praça de
Casa Forte, 381 – Sala 101 Casa Forte – Recife- PE/CEP 52061-420/ santosdr@gmail.com. Recebido em: 20/10/2010.
Aprovação em: 05/11/2010.
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
118
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:118Revista GED04 02_Final.indd Sec1:118 12/13/10 2:48:08 PM12/13/10 2:48:08 PM
119
S. B. DOS SANTOS, A. C. A. DE LIMA, A. R. S. MELO, C. S. FRAZÃO, G. L. CHERPAK
INTRODUÇÃO
As gastrites, as gastropatias e a doença ulcerosa péptica
são doenças com elevada prevalência e altos índices de
morbidade, e se desenvolvem por meio de mecanismos que
culminam com a lesão da mucosa gástrica. Na medicina
popular, utiliza-se empiricamente o extrato de aroeira-da-
praia (
Schinus terebinthifolius Raddi
) no tratamento destas
doenças.1
Alguns estudos comprovaram a efi cácia da aroeira no
tratamento de vaginites e vulvovaginites2, e permitiram o
desenvolvimento de um gel à base de
Schinus terebinthifolius
Raddi
, atualmente comercializado e bem aceito pela
comunidade médica. Apesar disso, estudos clínicos que
relacionem a aroeira com o tratamento das lesões gástricas
são escassos. Esse estudo visa contribuir cientifi camente de
modo favorável ou não ao conhecimento popular, verifi cando
o papel da aroeira, já comprovadamente efi caz em relação à
mucosa vaginal, no tratamento das lesões da mucosa gástrica
a fi m de proporcionar uma nova alternativa terapêutica de
mais baixo custo e mais acessível à população.
A espécie
Schinus terebinthifolius Raddi
, família
Anacardiaceae, é comum no Nordeste brasileiro e estende-
se até a Região Sul e países vizinhos, como Argentina e
Paraguai.1,3,4,29 É utilizada amplamente na medicina popular,
tendo seu primeiro registro na literatura em 1926, na
Pharmacopeia Brasileira.1 Sua utilização é mencionada contra
doenças infl amatórias2,5,6, infecciosas3,4,7 e nos processos
cicatriciais.8
Em relação à sua composição química, foi observada a
presença de taninos, saponinas, esterioides e triterpenoides
como os principais constituintes da casca da
Schinus
terebinthifolius
, de acordo com estudos realizados por
Medeiros em 2001. A literatura relata ainda a presença de óleos
essenciais e os ácidos pirogálicos na sua composição.10
Os taninos estão entre os constituintes químicos mais
pesquisados da
Schinus terebinthifolius
devido à sua alta
concentração e atividades biológicas relacionadas. Trabalhos
realizados têm demonstrado as atividades anti-infl amatória,
antimicrobiana, anticarcinogênica, antimutagênica e
antioxidante presentes nos extratos de várias espécies de
plantas ricas nesse componente.11,12,13,14,15
A apresentação de S.
terebinthifolius
em gel9 mostrou-se
efi caz no tratamento de cervicites e vaginites em mulheres
sintomáticas, melhorando inclusive a fl ora bacteriana
autóctone, o que reduz o risco de recidivas.2
De acordo com o estudo pré-clínico de efi cácia e segurança
do extrato seco de
Schinus terebinthifolius Raddi
(Anacardiaceae), realizado na Universidade Federal de
Pernambuco em 2008, concluiu-se que, nas doses de 50,
150 e 300 mg/Kg, produziu-se uma inibição das lesões
gástricas induzidas por etanol e indometacina em ratos
Wistar, demonstrando efeito antiulcerogênico, como também
esse mesmo extrato, administrado subcronicamente por via
oral, não apresentou quaisquer efeitos tóxicos nas doses
de 250, 625 e 1.562,5 mg/Kg em ratos Wistar de ambos
os sexos e cães SRD, demonstrando ser seguro nessas
espécies. Nesse mesmo estudo, a administração oral do
extrato de
Schinus terebinthifolius Raddi
não produziu efeitos
embriofetotóxicos em ratas Wistar.
Portanto, existe evidência científi ca de seu papel na
cicatrização de mucosa gastrintestinal, além de suas
atividades anti-infl amatória e antioxiadante mencionadas. Seu
uso na prática médica clínica já é reconhecido e recomendado
nas vaginoses bacterianas e, de forma empírica, tem sido
utilizada há décadas popularmente para o tratamento de
gastrites, úlcera péptica e dispepsia.
Os inibidores da bomba de prótons (IBP) têm se mostrado
como opção de tratamento efi caz em pacientes com as
patologias gastrointestinais acima mencionadas. No entanto,
após a infecção com o
H. pylori
ter sido relacionada à gastrite
crônica e recidivas frequentes de gastrite e úlcera péptica,
a erradicação da bactéria tem sido preconizada como
tratamento de primeira linha no mundo todo. Porém, quando
a erradicação da bactéria falha, ou não é indicada, não há
nenhuma opção de tratamento recomendado para pacientes
portadores de gastrite que desenvolveram sintomas
dispépticos.
Embora um regime de tratamento de curta duração com IBP
possa ser efetivo, a terapia de supressão ácida prolongada
tem sido associada ao desenvolvimento de gastrite crônica
atrófi ca e, portanto, requer cuidados nesta indicação.
Consequentemente, pacientes com gastrite crônica com
sintomas dispépticos e lesões mucosas sem indicação
de erradicação do
H. pylori
ou pacientes portadores de
dispepsia funcional, tem sido tratados empiricamente com
IBP ou Antagonista do receptor H-2 da Histamina(AH-2) ou
com outros medicamentos de uso popular.
Por estas razões, e considerando a alta prevalência das
gastrites e dispepsia em nosso meio, foi desenvolvido este
estudo clínico, randomizado e duplo-cego, para comparar
de forma inédita a efi cácia da aroeira oral com o tratamento
utilizando o omeprazol como medicamento referência (IBP)
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:119Revista GED04 02_Final.indd Sec1:119 12/13/10 2:36:06 PM12/13/10 2:36:06 PM
na gastrite com sintomas dispépticos associados e, pelos
resultados apresentados, oferecer a opção de melhora dos
sintomas por um fi tomedicamento de uso consagrado, por
um custo menor e isento de efeitos adversos nas doses
recomendadas e sem as restrições ao seu uso crônico
relacionadas aos IBP.
SUJEITOS E MÉTODOS
O estudo é do tipo prospectivo, randomizado e duplo-cego,
composto por 72 pacientes voluntários, de ambos os sexos,
com diagnóstico de gastrite, atendidos no ambulatório de
Gastroenterologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz e
no ambulatório de Clínica Médica afi liado à ONG - Afeto no
período de junho de 2008 a março de 2010. As características
antropomorfométricas como idade, peso e altura foram
similares.
O estudo foi feito de acordo com as regras da Declaração
de Helsinki e com aprovação prévia do Comitê de Ética
em Pesquisa em Seres Humanos do Hospital Universitário
Oswaldo Cruz da UPE (Universidade Federal de Pernambuco),
Parecer/CEP/HUOC 093/2006, onde também foi aprovado o
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.
Os critérios de inclusão dos pacientes na amostra foram
idade entre 16 e 80 anos (média de idade 40 anos),
diagnóstico de gastrite, confi rmados por endoscopia
digestiva alta e exame anátomo-patológico e consentimento
pós-esclarecimento para participar do estudo.
Foram excluídos os pacientes que estavam em tratamento
com inibidor da bomba de prótons, anti-infl amatórios não-
esteroides, bloqueadores do receptor H2 e/ou antiácidos
durante o mês anterior ao início do estudo.
Os pacientes incluídos na amostra realizaram dois exames
de endoscopia digestiva alta (EDA) com biópsia e pesquisa
para
Helicobacter pylori
. O primeiro, feito anteriormente ao
tratamento, e o segundo, após quatro semanas do uso da
medicação. Os participantes preencheram um questionário
com auxílio de um entrevistador que, na ocasião, realizou
exame médico e fez a solicitação do exame endoscópico e
anátomo-patológico.
O questionário foi feito antes e após o tratamento de 4
semanas, e nele constava, além dos dados de identifi cação
do participante, perguntas que incluíram: Sente náusea com
frequência? (mínimo de 3 vezes por semana); Sente azia com
frequência?; Apresenta sensação de saciedade precoce?
Apresenta desconforto abdominal agravado/aliviado com as
refeições? Apresenta dor epigástrica frequente? (pelo menos
3 vezes por semana).
A amostra foi dividida ao acaso em dois grupos: o que usou
aroeira (
Schinus terebinthifolius Raddi
) e o grupo controle que
usou omeprazol, com 38 e 34 pacientes, respectivamente. Os
pacientes foram randomicamente divididos em 2 grupos para
receberem ou a apresentação de
Schinus terebinthifolius
Raddi
233,6mg 2x/dia, durante quatro semanas ou omeprazol
20mg 2x/dia, durante quatro semanas, via oral.
Ao término da terapia, foi realizado um exame endoscópico
para a avaliação da efi cácia do
Schinus terebinthifolius Raddi
.
A classifi cação com gradações e intensidade das gastrites foi
baseada no Sistema de Sidney. Os voluntários responderam a
um questionário no qual foi avaliada a evolução dos sintomas
depois do tratamento. Após o estudo, todos os pacientes
tiveram a chance de receber tratamento convencional.
MÉTODO DE ANÁLISE DOS DADOS
Para análise dos dados, foram utilizados os programas
EpiInfo v.3.5.1 e o Microsoft Excel 2007. Por se tratarem de
variáveis categóricas, foram avaliadas as Razões de Risco e
de Chance, e verifi cadas as signifi câncias pelo teste de Qui-
quadrado bruto ou com correção de Yates, quando aplicável,
e alternativamente o teste exato de Fisher, quando indicado.
Também foi utilizado o teste “z” para comparação de
proporções quando as frequências esperadas foram maiores
ou iguais a 5. Os intervalos de confi ança foram calculados
para 95% de confi ança, sendo signifi cativas as diferenças
menores que 5%.
RESULTADOS
Foi realizado um estudo randomizado, duplo-cego,
comparativo, com 72 pacientes que apresentaram
diagnóstico de gastrite, confi rmado através de endoscopia
digestiva alta e biópsia com estudo histopatológico. Os
voluntários foram divididos aleatoriamente em dois grupos
formados por 38 e 34 pacientes, cada, sendo tratados,
respectivamente, com aroeira (
Schinus terebinthifolius
) e
omeprazol durante 28 dias.
Na análise do questionário, a que os pacientes foram
submetidos antes e depois do tratamento, verifi cou-se
que aqueles tratados com aroeira apresentaram uma
COMPARAÇÃO DA EFICÁCIA DA AROEIRA ORAL (SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI) COM OMEPRAZOL EM
PACIENTES COM GASTRITE E SINTOMAS DISPÉPTICOS: ESTUDO RANDOMIZADO E DUPLO-CEGO
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
120
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:120Revista GED04 02_Final.indd Sec1:120 12/13/10 2:36:06 PM12/13/10 2:36:06 PM
121
melhora percentual da náusea, da azia e da dor epigástrica
superior quando comparados aos tratados com omeprazol.
Em relação à sensação de saciedade precoce e desconforto
abdominal agravado com as refeições, o omeprazol
apresentou uma melhora percentual superior à aroeira, e
quanto ao desconforto abdominal aliviado com as refeições,
as duas drogas foram equivalentes (Tabela 1).
De acordo com a análise estatística, não houve diferença
signifi cativa (ao nível de 5%) na proporção de pacientes
que perceberam melhora com o uso dos medicamentos,
exceto quando questionados sobre o desconforto
abdominal agravado com as refeições, cuja signifi cância
estatística observada foi de 3%.
Na comparação dos resultados obtidos, verifi cou-se que a
proporção de pacientes tratados com aroeira, que relatou
redução na sensação de náusea, azia e dor epigástrica,
foi respectivamente de 1,2; 1,1 e 1,2 vezes maior que os
tratados com omeprazol. Quanto à saciedade precoce,
observou-se que a proporção de pacientes tratados com
omeprazol, que obteve melhora de 1,1 vez maior do que
naqueles tratados com aroeira. Finalmente, quanto ao
desconforto abdominal aliviado com as refeições, não se
verifi cou diferença nas proporções dos dois grupos.
Comparando-se as endoscopias digestivas altas (EDA)
realizadas antes e depois do tratamento, observou-se
que 5,3% (0,6 < IC < 17,7) dos pacientes tratados com
aroeira apresentaram desaparecimento da lesão mucosa
endoscópica na 2ª endoscopia. Porém, não há diferença
estatística signifi cativa com o resultado atingido pelo grupo
tratado com omeprazol (gráfi co 1 e tabela 2).
Variável de estudo Tipo de tratamento Estatística
Aroeira Omeprazol Teste z Signifi cância
Náusea 86,40 72,20 1,112 0,13299
Azia 79,40 71,40 0,77 0,22083
Dor epigástrica com frequência 84,40 72,70 1,04 0,14819
Desconforto abdominal agravado com as refeições 74,10 95,00 -1,89 0,02956
Desconforto abdominal aliviado com as refeições 85,70 85,70 0,00 0,50000
Sensação de saciedade precoce 69,20 79,20 -0,8 0,21179
Tabela 1 - Percentual de melhora nos sintomas após o tratamento
100%
90%
94,7%
5,3%
IC 95%
0,6% a 17,7%
100,0%
0,0%
IC 95%
0% a 10,4%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0% Aroeira
Gráfi co 1 - Distribuição percentual da melhora dos achados na 2a EDA nos pacientes tratados com
aroeira em relação ao omeprazol
Omeprazol
Sem gastrite na 2a EDA
Com gastrite na 2a EDA
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
S. B. DOS SANTOS, A. C. A. DE LIMA, A. R. S. MELO, C. S. FRAZÃO, G. L. CHERPAK
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:121Revista GED04 02_Final.indd Sec1:121 12/13/10 2:36:06 PM12/13/10 2:36:06 PM
RESULTADOS DO EXAME RISCO
RELATIVO
IC 95%
ESTASTICA SIGNIFICÂNCIA
Tratamento Presente Ausente
No%N
o%
Gastrite
Aroeira 36 94,74 2 5,26 0,95
0,88<RR<1,02
X²MH
1,82 0,1779
Omeprazol 34 100,00 0 0
H. Pylori
Aroeira 29 82,86 6 17,14 Z
0,93 0,35167313
Omeprazol 29 90,63 3 9,38
Tabela 2 - Resultados dos pacientes tratados com Aroeira e Omeprazol, que apresentaram gastrite após o tratamento
RESULTADOS DO EXAME RISCO
RELATIVO
IC 95%
ESTASTICA SIGNIFICÂNCIA
Tratamento Presente Ausente
No%N
o%
H. Pylori
Aroeira 29 82,86 6 17,14 Z
0,93 0,35167313
Omeprazol 29 90,63 3 9,38
Tabela 3 - Resultados dos pacientes tratados com Aroeira e Omeprazol que apresentaram H. pylori positivo após o tratamento
INTENSIDADE DEPOIS DO TRATAMENTO OR
IC 95%
X2
p-valor
Intensidade antes do
tratamento
Leve/Discreta Moderada
No%N
o%
Leve/Discreta
Aroeira 13 65,00 7 35,00 1,55
0,45<OR<5,37
0,48
0,49058
Omeprazol 12 54,50 10 45,50
Moderada
Aroeira 9 64,29 4 30,77 6,00
1,02<OR<35,37
4,20
0,04053
Omeprazol 3 27,30 8 72,70
Tabela 4 - Comparativo dos níveis de intensidade da gastrite através do exame histopatológico, antes e depois do tratamento
Quando analisada a chance de evolução para cura da gastrite,
após o tratamento, não houve diferença signifi cativa entre os
pacientes submetidos aos dois tratamentos com um nível de
5% de confi ança.
Com relação ao percentual de erradicação do
H. pylori
, após
o tratamento com os dois medicamentos, percebe-se que,
embora os pacientes tratados com aroeira tenham apresentado
um percentual de cura maior que os tratados com omeprazol
(17,1% contra 9,4% respectivamente), não há evidências
de diferença signifi cativa entre estes percentuais ao nível
de 5% de signifi cância (Tabela 3). Quanto à intensidade da
gastrite, verifi cou-se que 64,3% dos pacientes tratados com
aroeira, diagnosticados inicialmente como gastrite moderada,
apresentaram signifi cativa melhora, sendo esse percentual
2,3 vezes maior que os tratados com omeprazol.
Por outro lado, 35% dos pacientes que tiveram diagnóstico
inicial de gastrite leve ou discreta tratados com aroeira,
evoluíram para gastrite moderada, enquanto que 45,5% dos
tratados com omeprazol apresentaram essa mesma evolução
negativa (Tabela 4), podendo-se atribuir a diferença entre
os resultados ao acaso. Também não houve evidência de
associação entre as duas terapias e a evolução da intensidade
da gastrite após o tratamento.
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
COMPARAÇÃO DA EFICÁCIA DA AROEIRA ORAL (SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI) COM OMEPRAZOL EM
PACIENTES COM GASTRITE E SINTOMAS DISPÉPTICOS: ESTUDO RANDOMIZADO E DUPLO-CEGO
122
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:122Revista GED04 02_Final.indd Sec1:122 12/13/10 2:36:06 PM12/13/10 2:36:06 PM
123
DISCUSSÃO
O presente estudo é o primeiro estudo duplo-cego e
randomizado, que compara a efi cácia de um fi tofármaco
de uso popular com um inibidor de bomba de prótons no
tratamento de gastrite com sintomas dispépticos associados.
Ficou evidente que a aroeira melhorou os sintomas associados
à gastrite de forma signifi cativa e de modo percentualmente
mais efi caz que o omeprazol, usado como medicamento de
referência nesses casos.
O objetivo do tratamento é melhorar a qualidade de vida
dos pacientes, proporcionando rápido alívio dos sintomas e
reduzindo dano tecidual na mucosa. Portanto, um importante
ponto em ensaios clínicos acessando a efi cácia do tratamento
em gastrites é o potencial para o alívio completo dos sintomas,
especialmente os sintomas comuns como dor epigástrica,
azia, náusea e saciedade precoce, tão presentes nesse grupo
de doenças. Os achados endoscópicos e histopatológicos
também apontam para uma melhora além dos sintomas
apresentados.
As gastrites e dispepsia constituem-se nas patologias de maior
prevalência nos consultórios médicos de gastroenterologia.
No entanto, a terapia de escolha para pacientes com gastrite
crônica com lesão mucosa ainda não foi determinada.
Portanto, é necessário considerar qual a melhor forma de
abordar o tratamento dos pacientes portadores de gastrite
crônica com lesão mucosa e sintomas dispépticos associados
ou não à dispepsia funcional. Em geral, quando a terapia de
erradicação não é indicada a pacientes com gastrite e
H.
pylori
, a terapia de supressão ácida ou tratamento com drogas
mucoprotetoras são continuados ou teremos retorno dos
sintomas ou recorrência das lesões gástricas.
Estudos têm demonstrado que a inibição da secreção ácida
de longa duração poderá levar ao desenvolvimento de gastrite
crônica atrófi ca em pacientes com gastrite associada ao
H.
pylori
.31,32,33 Portanto, no presente estudo, escolhemos não
testar o efeito dos IBP nas lesões da gastrite, mas testar
o efeito da aroeira em doses terapêuticas para alívio dos
sintomas associados.
Foi observado que pacientes portadores de gastrite crônica
com lesão mucosa e sintomas dispépticos associados
responderam mais favoravelmente ao tratamento com
aroeira oral do que ao omeprazol, administrado como o
controle, nas doses terapêuticas de 20mg, duas vezes ao
dia. Portanto, recomendamos o fi tofármaco aroeira para o
tratamento de lesões mucosas leve/moderada, que foram
as lesões mais comuns no presente estudo.
Este estudo é o primeiro ensaio clínico para avaliação da
efi cácia da aroeira no tratamento de pacientes com alterações
da mucosa gástrica associada à gastrite com
H. pylori
e
sintomas dispépticos. Existem vários relatos indicando que
a aroeira exerce seu efeito benéfi co nas mucosas genitais e
gastrointestinal pelas suas atividades antiulcerogênicas, anti-
infl amatória, cicatrizante e antimicrobiana.2,19,21,26
As atividades farmacológicas podem ser atribuídas à
diversidade dos constituintes químicos desse extrato, como
os taninos e os polifenóis que possuem ainda propriedades
adstringente, antisséptica e hemostática.18
O uso medicinal da aroeira é descrito desde a primeira
edição da Pharmacopédia Brasileira em 1926. É uma planta
bastante comum da vegetação litorânea do Nordeste
brasileiro e se constitui como uma das plantas de uso
ginecológico mais frequente e mais antiga na medicina
popular brasileira, na qual também tem sido utilizada no
tratamento de pacientes com doença ulcerosa péptica.
Portanto, as várias ações atribuídas ao uso da aroeira
devem estar envolvidas na melhora clínica, endoscópica
e histológica quando comparado ao tratamento com
omeprazol no presente estudo.
Os dados deste ensaio clínico também apontam para uma
provável ação anti
H. pylori
da aroeira, ainda que esta ação
não tenha tido signifi cância estatística quando comparada ao
grupo do omeprazol (17,1% contra 9,4% respectivamente), o
que indica a necessidade de se estender este estudo para
um grupo maior de pacientes, na qual se poderia ratifi car esta
tendência.
Nos pacientes que apresentaram melhora dos sintomas após
o tratamento, analisados através da aplicação do questionário,
o grupo omeprazol não apresentou vantagens sobre o grupo
aroeira, exceto no item desconforto abdominal agravado com
as refeições (Tabela 1). O mesmo ocorreu com relação aos
achados endoscópicos e histológicos da gastrite, antes e após
o tratamento, em que não houve superioridade do omeprazol
sobre o grupo da aroeira.
Quanto à intensidade da gastrite, utilizando-se a classifi cação
de Sidney, 64,3% dos pacientes tratados com aroeira,
diagnosticados inicialmente como “gastrite moderada”,
apresentaram signifi cativa melhora, sendo esse percentual
2,3 vezes maior que os tratados com omeprazol ( Tabela 3 ).
Não podemos afastar a possibilidade do tratamento com
aroeira com maior dose ou por um período de tempo mais
longo na ulcera gástrica para que possa então produzir
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
S. B. DOS SANTOS, A. C. A. DE LIMA, A. R. S. MELO, C. S. FRAZÃO, G. L. CHERPAK
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:123Revista GED04 02_Final.indd Sec1:123 12/13/10 2:36:06 PM12/13/10 2:36:06 PM
resultados mais favoráveis. No presente estudo, não houve
diferença signifi cativa entre os efeitos do tratamento com
aroeira e omeprazol na taxa de qualquer sintoma individual
testado, exceto para desconforto abdominal agravado com as
refeições (95%
versus
74% respectivamente para omeprazol
e aroeira) com percentual de qualquer dos tratamentos.
Esse quadro mostra uma melhora dos sintomas signifi cativa,
embora a taxa de solução dos sintomas tende a ser maior
no grupo tratado com aroeira, de acordo com resultado
dos questionários de sintomas e achados endoscópicos
e histológicos. Não houve relato de reações adversas
secundárias ao uso das medicações durante o estudo em
qualquer dos grupos avaliados.
CONCLUSÃO
Em resumo, os dados anteriores apontam para uma ligeira
vantagem da terapia com aroeira oral sobre o tratamento com
omeprazol na melhora dos sintomas relacionados à gastrite
e abre novas perspectivas na pesquisa sobre o uso clínico
desse fi tofármaco relacionadas às doenças gastrointestinais.
Nossos resultados indicam que a aroeira pode ser de valor
clínico no tratamento de sintomas dispépticos em pacientes
com gastrite e na erradicação do
H. pylori
, de forma não
menos efi caz que o omeprazol, além das vantagens de ser
um fi tomedicamento, de baixo custo, fácil acesso, podendo
ser usado por um período mais prolongado, sem apresentar
complicações conhecidas dos tratamentos propostos
atualmente.
AGRADECIMENTOS
Os autores agradecem à Hebron Farmacêutica Ltda. o
fornecimento das medicações, omeprazol 20mg e aroeira oral
233,6mg comprimidos.
REFERÊNCIAS
1. MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. 2.ed. Fortaleza: EUFC, 1994.
320p.
2. AMORIM, Melania Maria Ramos de e SANTOS, Luiz Carlos.
Treatment of bacterial vaginosis with
Schinus terebinthifolius
Raddi
vaginal gel: a randomized controlled trial. Rev. Bras.
Ginecol. Obstet., Mar. 2003, vol.25, no.2, p.95-102. ISSN
0100-7203.
3. LIMA, Edeltrudes de Oliveira, PEREIRA, Felipe de Oliveira,
LIMA, Igara Oliveira, TRAJANO, Vinícius Nogueira e SOUZA,
Evandro Leite de.
Schinus terebinthifolius Raddi
: Avaliação
do espectro de ação antimicrobiana de seu extrato aquoso.
Infarma, 2004, vol.16, no.7-8, p.83-85.
4. MARTINEZ, Maria Julia, GONZÁLEZ, Nancy Alonso e
BADELT, José Betancourt. Actividad antimicrobiana del
Schinus
terebinthifolius Raddi
(COPAL). Rev. Cubana Plant. Med., Set.-
Dez. 1996, vol.1, no.3, p.37-39.
5. JAIN, M.K., YU, B.Z., ROGER S, J.M., SMITH, A.E., BOG ER, E.T.,
OSTRANDER, R.L. e RHEINGOLD, A.L. Specifi c competitive
inhibitor of secreted phospholipase A2 from berries of Schinus
terebinthifolius. Phytochemistry, Jun. 1995, vol.39, no.3, p.537-
547. ISSN 0031-9422
6. YUEQI N, Zeng, RECIO, M. Carmen, MÁÑEZ, Salvador, GINER,
Rosa M., CERDÁ-NICOLÁS, M. e RÍOS, José-Luis. Isolation
of Two Triterpenoids and a Bifl avanone with Anti-Infl ammatory
Activity from Schinus molle Fruits. Rev. Planta med, 2003,
vol.69, p.893-898.
7. DIKSHIT, Anupam, NAQVI, Ali A. e HUSAIN, Akhtar. Schinus
molle: a New Source of Natural Fungitoxicant. Applied and
Environmental Microbiology, Mai. 1986, vol. 51, no.5, p.1085-
1088.
8. CAVALCANTE, Antonio Rubens Soares Martins, RODRIGUES,
Lusmar Veras e MENEZES, Dalgimar Beserra de et al. Tensional
and morphologic analysis of the colonic anastomosis on 10%
acetic acid induced colitis, in Wistar rats, treated with 10%
aroeira-do-sertão (Myracrodruon urundeuva fr. all.) aqueous
extract. Acta Cir. Bras., Mar./Abr. 2005, vol.20, no.2, p.180-186.
ISSN 0102-8650.
9. SILVA, Leila Bastos Leal da. Preparação e avaliação
biofarmacêuticas de formas semi-sólidas da aroeira-da-
praia (
Schinus terebinthifolius Raddi
) [dissertação]. Recife:
Universidade Federal de Pernambuco: 1999.
10. MATOS, F. J. A. O formulário fi toterápico do Professor Dias da
Rocha. 2. ed. Fortaleza: UFC, 1997.
11. DESMARCHELIER, C.; ROMÃO, R. L.; COUSSIO, J.; CICCIA,
G. Antioxidant and free radical scavenging activities in
extracts from medicinal trees used in the ‘Caatinga’ region in
northeastern Brazil. J. Ethnopharmacol. 67: 69–77, 1999.
12. FURONELES, M.J.A. Anti-infl ammatory activity of Schinus
terebinthifolius (Copal) in rats. Rev. Cub. Farm. 27: 139-144,
1993.
13. RUI Z, A. R.; DE LA TORRE, R.A.; ALON SO, N.; VILLAE SCUSA,
A.; BETANCOURT, J.; VIZOSO, A. Screeing of medicinal plants
for induction of somatic segregation activity in Aspergillus
nidulans. J. Ethnopharmacol. 52: 123-127, 1996.
14. SOLEAS, G. F.; GRASS, L.; JOSEPHY, P. D.; GOLDBERG, D.
M.; DIAMANDIS, E. P. A comparison of the anticarcinogenics
properties of four red wine polyphenols. Clinical Biochemistry,
35: 119–124, 2002.
15. YEN, G.; DUH, P.; TSAI, H. Antioxidant and pro-oxidant
properties of ascorbic acid and gallic acid. Food Chemistry 1:
1–6, 2002.
16. ARAÚJO, E.L. Aroeira da praia – Estudo farmacognóstico
e da atividade biológica de Schinus terebinthifolius, Raddi
(Anacardiaceae). Dissertação de Mestrado do Departamento
de Ciências Farmacêuticas / UFPE, Recife, 2002.
17. SANTOS, S.C.; MELLO, J.C.P. Taninos. In: SIMÕES, C.M.O.;
SCHENKEL, E.P.; GOSMANN, G.; ME LLO, J.C.P.; MENTZ, L.A.;
PETROVICK, P.R. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 2º
ed. Porto Alegre:UFRGS, Florianópolis:UFSC, 2000. Cap. 24.
18. CHUNG, K. T. et al . Tannis and human health: A review. Food
Science and Nutrition, 38: 421–464, 1998.
19. FORMIGONI, M. L. O.; CARLINI, E. A Efeitos dos decoctos de
aroeira da praia (
Schinus terebinthifolius Raddi
) e da aroeira do
sertão (Astronium urundeuva Engl) sobre a úlcera experimental
em ratos. In: X SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
COMPARAÇÃO DA EFICÁCIA DA AROEIRA ORAL (SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI) COM OMEPRAZOL EM
PACIENTES COM GASTRITE E SINTOMAS DISPÉPTICOS: ESTUDO RANDOMIZADO E DUPLO-CEGO
124
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:124Revista GED04 02_Final.indd Sec1:124 12/13/10 2:48:08 PM12/13/10 2:48:08 PM
125
BRASIL, 10, 1988, São Paulo. Resumos..., São Paulo, 1988.
20. MENESES, A M.; RAO, V. S. Effect of Astronium urundeuva
(aroeira) on gastrointestinal transit in mice. Braz. J. Med. Biol.
Res. 21: 531–533, 1988.
21. RAO, V. S.; VIANA, G. S. B.; MENEZES, A. M. S.; GADELHA,
M. G. T. Studies on the anti-ulcerogenic activity of Astronium
urundeuva Engl. II. Aqueous extract. Braz. J. Med. Biol. Res. 20:
803–805, 1987.
22. MAHENDRA, K. J.; BAO-ZHU, Y.; JOSEPH, M. R.; AMY,
E. S.; ERIC, T. A.; BOGER, R. L. O.; ARNOLD, L. R. Specifi c
competitive inhibitor of secreted phospholipase A2 from
berries of Schinus terebinthifolius. Phytochemistry, 39: 537–
547, 1995.
23. RAPOSO, M. J.; MELO, Jr. E. J. M.; NETO, J. A. L.; DINIZ, M.
F. A.; MARCELINO, Jr. C. A. C.; SANT’ÁNA, A. E. G. Medicinal
plants in the healing of dry socket in rats: microbiological and
microscopic analysis. Phytomedicine, 9: 109–116, 2002.
24. LIMA, C.R.; COSTA-SILVA, JR.; LYRA, M.M.A.; ARAÚJO,
A.V.; ARRUDA, V.M.; DIMECH, G.S.; BARATELLA-EVÊNCIO,
L.; FRAGA, M.C.C.A.; LAFAYETTE, S.L.; WANDERLEY, A.G.
Atividade Cicatrizante e Estudo Toxicológico Pré-Clínico do
Fitoterápico Sanativo®. Acta Farm. Bonaerense, 25: no 4, 544-
549, 2006.
25. COUTINHO I.H., TORRES O.J., MATIAS J.E., COELHO
J.C., STAHLKE JÚNIOR H.J., AGULHAM M.A., BACHLE E.,
CAMARGO P.A., PIMENTEL S.K., DE FREITAS A.C.
Schinus
terebinthifolius Raddi
and it’s infl uence in the healing process
of colonic anastomosis: experimental study in rats. Acta Cir
Bras. 21 Suppl 3: 49-54, 2006.
26. WANICK, M.C. Ação anti-infl amatória e cicatrizante da Schinus
aroeira Well em pacientes portadores de cervicites e cérvico
vaginites. Rev. Inst. Antib. 14: 105-106, 1974.
27. SANTANA, D. P., ALBUQUE RQUE, E. M., ARAUJO, E. L., SILVA,
L.B.L. Avaliação clínica preliminar de diferentes formulações de
uso vaginal à base de aroeira (
Schinus terebinthifolius Raddi
).
Rev. Bras. Medicina 61: 381-384, 2004.
28. SANTOS, Orlando José dos et al. Evaluation of the
aroeira (
Schinus terebinthifolius Raddi
) extract on
the healing process of gastroraphy in rats. Acta Cir.
Bras., São Paulo, 2010. Available from <http://www.
scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
86502006000800007&lng=en&nrm=iso>. access on 20 Mar.
2010. doi: 10.1590/S0102-86502006000800007.
29. CERUKS, M., ROMOFF, P., FÁVERO O. A., LAGO, J.H.G.
Constituintes fenólicos polares de
Schinus terebinthifolius
Raddi
(Anacardiaceae). Quím. Nova (online). 2007, vol. 30, n.3
ISSN 0100-4042.
30. MARTINEZ, M. J., LOPEZ, M. B., MOREJON, Z. R.,
RUBALCABA, Y. Actividad antimicrobiana de un extracto fl uido
al 80 % de
Schinus terebinthifolius raddi
(copal). Rev Cubana
Plant Med [online]. 2000, vol.5, n.1, pp. 23-25. ISSN 1028-
4796.
31. BERSTAD AE., HATLEBAKK JG, MARRATMANN-MOE H,
BERSTAD A, BRANDTZAEG P: Helicobacter pylori gastritis and
epithelial cell proliferation in pacients with refl ux oesophagitis
after treatment with lanzoprazole. Gut 1977; 41:740-747.
32. LOGAN RP, WALKER MM, MISIEWICZ JJ, GUMMETT PA,
KARIM QN BARON JH: Changes in the intragastric distribution
of Helicobacter pylori during treatment with omeprazole. Gut
1995;36: 12-16.
33. EISSELE R, BRUNNER G. SIMON B, SOCIA E, ARNOL
R: Gastric mucosa during treatment with lanzoprazole:
Helicobacter pylori is a risk factor for argyrophil cell hyperplasia.
Gastroenterology 1997;112:707-717.
34. LEILA BASTOS LEAL DA SILVA, EUGÊNICA MARIA
ALBUQUERQUE, DAVI PEREIRA DE SANTANA: Avaliação
clínica preliminar de diferentes formulções de uso vaginal á
base de Aroeira(
Schinus terebinthifolius Raddi
). Moreira Jr.
Editora 04/2003 pág.381-384.
29(4):118-125
GED gastroenterol. endosc.dig. 2010: 29(4):118-125
S. B. DOS SANTOS, A. C. A. DE LIMA, A. R. S. MELO, C. S. FRAZÃO, G. L. CHERPAK
Revista GED04 02_Final.indd Sec1:125Revista GED04 02_Final.indd Sec1:125 12/13/10 2:48:08 PM12/13/10 2:48:08 PM
... In Hawaii and Florida it is 52 considered as an invasive species, endangering native ecosystems. In Brazilian folk medicine, barks and leaves of this tree are used to treat ulcers (Santos et al., 2010), flu, toothache, sores in the mouth, sore throat, feminine diseases (Moura- , respiratory disorders, arthritis and in leprosy therapy (Dvorkin-Camiel et al., 2008). ...
Full-text available
Thesis
Countercurrent Chromatography is a versatile separation technique, especially used in the field of natural product isolation. Neglected tropical diseases (NTDs) are a group of infections that predominantly affect the poorest and most vulnerable populations. New drugs for the therapy and control of NTDs are urgently needed and natural products may offer an easily accessible, less toxic and sustainable source of bioactive chemicals. Therefore, the present project aimed to contribute by optimizing analytical methods that could be useful for the purification of lead natural compounds for the discovery of new drugs against NTDs.
Full-text available
Article
RESUMO Objetivos: testar a eficácia e a tolerância do gel de aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi) para tratamento da vaginose bacteriana. Métodos: quarenta e oito mulheres com vaginose bacteriana sintomática (de acordo com os critérios de Amsel) foram incluídas em ensaio clínico randomizado, duplo-cego, controlado, comparando-se o uso do gel vaginal de aroeira (25 casos) com placebo (23 casos). Os principais desfechos avaliados foram: taxa de cura, presença de lactobacilos na colpocitologia depois do tratamento e efeitos colaterais. Realizou-se análise estatística usando os testes χ2e exato de Fisher, ao nível de significância de 5%. Resultados: adotando-se os parâmetros clínicos de Amsel para vaginose bacteriana, a taxa de cura foi de 84% no grupo da aroeira e 47,8% no grupo placebo (p = 0,008). Observou-se freqüência significativamente maior de lactobacilos na colpocitologia entre as pacientes tratadas com aroeira (43,5%) em relação ao placebo (4,3%) (p = 0,002). Efeitos adversos relacionados ao tratamento não foram freqüentes em ambos os grupos. Conclusões: o presente estudo indica que o gel vaginal de aroeira é efetivo e seguro para o tratamento da vaginose bacteriana. Além disso, sugerem-se potenciais efeitos benéficos na flora vaginal. PALAVRAS-CHAVE: Vaginose bacteriana. Infecções vaginais. Aroeira. Schinus. Ensaio clínico.
Article
The infusion or decoction of aroeira is a preparation much used in folk medicine in the treatment of benign lesions of the cervix, cervicitis, vaginitis and cervico-vaginitis. However, these forms are not always easy to apply. For this reason, the first stage of this study included the development of gelatinised and emulsified formulations based on aroeira-da-praia and the verification of their healing and anti-inflammatory action on animals. From a clinical point of view (effectiveness and tolerability), this work analysed the pharmaceutical forms (decoction, gel and emulsion) of aroeira-da-praia (Schinus terebinthifolius Raddi) and aroeira-do-sertão (Myracadruon urundeuva). The preparations were administedered vaginally for 10 consecutive days in patients who displayed benign lesions of the cervix and compared with conventional oral and/or topical therapy. The clinical trial carried out was blind, comparative, unicentric and radomised with a total of 100 patients. The results provided us with data that indicates a great possibility of treatment with the aforementioned formulations based on aroeira, in comparison with the conventional treatments, since the groups compared do not display statistically significant differences. A double-blind randomised clinical study is currently being carried out at the Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP) and its preliminary results corroborate our data. The set of pre-clinical and clinical results obtained have lead to the commercial production of the aroeira-da-praia - based vaginal gel developed by us. It is manufactured by Hebron Indústria Química e Farmacêutica S/A, under the commercial name of Kronel®.
Article
The wound healing activity of phytotherapy Sanativo®(SAN) and the possible hazard effects of the subchronic administration of SAN were evaluated in rats. SAN induced significant decrease in the area of the open wound in the rat dorsum. In the sub-chronic toxicity studies, SAN in doses of 1,675 g/kg, decreased the gain in body mass, but this was significant only in the first week of administration. SAN produced only a few significant alterations in the hematological and biochemical parameters, although without dose-response correlation and were within the parameters of this species. The histological analysis of the tissues did not show changes. In conclusion, Sanativo® possesses significant healing property in the open wound model and low toxicity in Wistar rats.
Article
Antimicrobial activity of different concentrations of a fluid extract (30 % ethanol) from leaves of Schinus terebenthifolius Raddi (copal) was studied, with a bacterium having a minimum of strains of microorganisms, including Staphylococcus aureus and Bacillus subtilis as gram-positive agent and Escherichia coli, and Pseudomonas aeruginosa as gram-negative agent as well as yeast (Candida albicans), by means of agar diffusion method. Results show that in the smallest concentration used (10 % of fluid extract), there was not inhibition of none of microorganisms assessed, while in concentration of 50 and 100 % of fluid extract, there is a response of inhibition to gram-positive and gram-negative bacteria, but not with the yeast. Results contribute experimentally to ratify the traditional use of this plant as a antimicrobial agent. It is suggested that processing of pharmaceutical forms allowing amplify more efficiently its use to that purpose.
Article
We studied antimicrobial activity of different concentrations of a fluid extract (80% ethanol) from leaves of Schinus terebinthifolius Raddi (copal). An small serie of strains of microorganisms was used, including Staphylococcus aureus, e.g. Gram positive, Escherichia coli and Gram negative Pseudomonas aeruginosa, and Candida albicans yeast, by means of agar diffusion method. Results obtained suggest that even in smallest concentration (1%), growth inhibition of all microorganisms is evident, and response is gradually increased with concentration up to 80%. These results scientifically support traditional use of this plant as antimicrobial, in addition to suggest processing of pharmaceutical formulations allowing to extend its application.
Article
The antioxidant and pro-oxidant properties of ascorbic acid (AA) and gallic acid (GA) were investigated. AA and GA, at a concentration of 1.65 mM, accelerate the oxidation of deoxyribose induced by Fe3+–EDTAJH2O2. The reducing power of these two compounds increased upon increasing the concentration. AA and GA showed no chelating ability toward iron (II). At a concentration of 4.17 mM, AA and GA exhibited 42.1 and 43.9% scavenging effects on DPPH radicals, respectively. They exhibited 60% scavenging effects on hydrogen peroxide at a concentration of 4.17 mM. No toxicity was found in AA and GA toward human lymphocytes. AA, at 0.82 mM, and GA, at 0.6 mM, exhibited the maximal DNA damage, the means of tail DNA% were 14.8 and 28.8%, respectively. When AA and GA were mixed with H2O2, they exhibited a slight inhibitory effect on DNA damage induced by H2O2 on pre-incubating both the compounds with human lymphocytes for 30 min before exposure to H2O2. The antioxidant activities of AA and GA at a higher concentration were mainly due to the scavenging of hydrogen peroxide in this system. The pro-oxidant mechanism for AA and GA acid is most likely due to the strong reducing power and weak metalchelating ability.