Conference PaperPDF Available

PCK - Conhecimento Pedagógico do Conteúdo: perspectivas e possibilidades para a formação de professores

Authors:

Abstract

O Conhecimento Pedagógico do Conteúdo (PCK, da sigla em inglês “Pedagogical Content Knowledge”) é considerado o conhecimento profissional específico de professores. Este trabalho tem por objetivo fornecer um panorama da literatura e mostrar a evolução do conceito. Além disso, pretendemos apresentar o potencial do estudo do PCK para compreender o desenvolvimento profissional docente e especialmente para contribuir, a partir do olhar da pesquisa, com a formação de professores de ciências e de professores de química em particular. Apresentaremos alguns modelos de PCK propostos na literatura, assim como maneiras estabelecidas para acessá-lo e analisá-lo. Nossa principal linha de argumentação neste trabalho é que o estudo do PCK e sua explicitação durante a formação inicial de professores pode auxiliar licenciandos no processo de se tornarem melhores professores, assim como auxiliar professores experientes a desenvolverem práticas mais reflexivas e, desse modo, promoverem maior desenvolvimento de seu PCK.
1
PCK - Conhecimento Pedagógico do Conteúdo:
perspectivas e possibilidades para a formação de
professores
PCK - Perspectives and and possibilities for teacher
education
Carmen Fernandez, carmen@iq.usp.br
Instituto de Química da Universidade de São Paulo
Resumo
O Conhecimento Pedagógico do Conteúdo (PCK, da sigla em inglês Pedagogical Content
Knowledge”) é considerado o conhecimento profissional específico de professores. Este
trabalho tem por objetivo fornecer um panorama da literatura e mostrar a evolução do
conceito. Além disso, pretendemos apresentar o potencial do estudo do PCK para
compreender o desenvolvimento profissional docente e especialmente para contribuir, a partir
do olhar da pesquisa, com a formação de professores de ciências e de professores de química
em particular. Apresentaremos alguns modelos de PCK propostos na literatura, assim como
maneiras estabelecidas para acessá-lo e analisá-lo. Nossa principal linha de argumentação
neste trabalho é que o estudo do PCK e sua explicitação durante a formação inicial de
professores pode auxiliar licenciandos no processo de se tornarem melhores professores,
assim como auxiliar professores experientes a desenvolverem práticas mais reflexivas e, desse
modo, promoverem maior desenvolvimento de seu PCK.
Palavras-chave: conhecimento de professores; conhecimento pedagógico do conteúdo;
formação de professores.
Abstract
The Pedagogical Content Knowledge (PCK) has been considered the specific professional
knowledge of teachers. This paper aims to provide an overview of the literature and show the
evolution of the concept. Beyond that, we intend to present the potential of the study of PCK
in order to understand the professional development of teachers and especially to contribute,
from the research point of view, with the science teacher’s education and chemistry teacher’s
education as well. We are going to present some PCK models proposed in the literature as
well as ways of capture it and analyze it. Our main line of argumentation in this paper is that
the study of PCK and its explanation during the initial training of teachers can assist
undergraduates in the process of becoming better teachers. Also it can help experienced
teachers to develop more reflective practice and thus promote further development of their
PCK.
Key words: teachers’ knowledge; pedagogical content knowledge; teacher education;
2
Introdução
Conhecimento Pedagógico do Conteúdo (PCK)
A idéia de conhecimento pedagógico do conteúdo (PCK) foi inicialmente apresentada por
Shulman para denominar um tipo específico de conhecimento de professores e, como
veremos no texto muitas vezes esses termos são utilizados como sinônimos o que, para alguns
autores, é o real significado. A expressão conhecimento pedagógico do conteúdo foi
nomeada pela primeira vez por Shulman numa conferência na Universidade do Texas em
1983, cujo título era sugestivo: “O paradigma perdido na pesquisa sobre ensino”. O que
Shulman denominou de paradigma perdido era a escassa atenção que o conteúdo específico
estava merecendo no caminho para ser professor (Shulman, 1986). Para ele, o PCK é uma
categoria específica do conhecimento dos professores dentro da categoria do conhecimento
prático. O construto PCK refere-se à intersecção entre conteúdo e pedagogia e supõe, na visão
original de Shulman:
[...] a capacidade de um professor para transformar o conhecimento do conteúdo que ele possui
em formas pedagogicamente poderosas e adaptadas às variações dos estudantes levando em
consideração as experiências e bagagens dos mesmos (Shulman, 1987).
Para Shulman, é essa capacidade de transformação do conteúdo que distingue um professor de
um especialista na matéria. Shulman definiu o conhecimento pedagógico do conteúdo como
aquele conhecimento:
[…] que vai além do conhecimento da matéria em si e chega na dimensão do conhecimento da
matéria para o ensino. Eu [Shulman] ainda falo de conteúdo aqui, mas de uma forma particular
de conhecimento de conteúdo que engloba os aspectos do conteúdo mais próximos de seu
processo de ensino.[...] dentro da categoria de conhecimento pedagógico do conteúdo eu
[Shulman] incluo, para os tópicos mais regularmente ensinados numa determinada área do
conhecimento, as formas mais úteis de representação dessas idéias, as analogias mais
poderosas, ilustrações, exemplos e demonstrações numa palavra, os modos de representar e
formular o tópico que o faz compreensível aos demais. Uma vez que não simples formas
poderosas de representação, o professor precisa ter às mãos um verdadeiro arsenal de formas
alternativas de representação, algumas das quais derivam da pesquisa enquanto outras têm sua
origem no saber da prática. (Shulman, 1986).
Grossman (1994) enfatiza o valor do conhecimento do conteúdo para o desenvolvimento do
currículo
[...]essa linha de investigação, predominantemente qualitativa, sugere que o conhecimento do
conteúdo pelos professores afeta tanto o que os professores ensinam como a forma como o
fazem. [...] Como ativos configuradores do currículo, os professores tornam patente nas suas
decisões curriculares os seus conhecimentos, interesses e valores; podem dar mais atenção
àquilo que mais dominam ou que tem mais interesse e, por outro lado, dar menos importância
ou até evitar aqueles conteúdos que conhecem menos; tratam assim de adaptar um determinado
currículo o mais possível a seu próprio conhecimento disciplinar, selecionando aquele em
função deste.
Os estudos sobre o conhecimento pedagógico do conteúdo sugerem que esse conhecimento
está relacionado com o planejamento e a instrução na sala de aula. Para Carter (1990),
conhecimento prático e conhecimento pedagógico do conteúdo são duas categorias distintas
mas interrelacionadas na aprendizagem do processo de ensino. Para tal autor, o conhecimento
pedagógico do conteúdo é uma categoria mais ampla que faz parte do conhecimento
profissional e é mais formal que a categoria conhecimento prático, que é mais pessoal e
situacional. Considerando-se as categorias de conhecimento dos professores propostas por
Fenstermacher (1994) em formal e prático, o conhecimento pedagógico do conteúdo parece
possuir mais as características próprias do conhecimento formal do que as do prático. Por
3
outro lado, Grossman (1994), defende que o PCK faz parte do conhecimento prático e sua
construção responde aos mesmos parâmetros metodológicos. Essa também é a opinião de
Shulman. Sendo assim, ainda é tema de discussão se o programa de pesquisa promovido por
Shulman se situa na categoria de conhecimento formal ou prático. Alguns autores o
consideram como participante das peculiaridades de ambos (formal e prático) pelo qual
poderia ser interpretado como uma categoria síntese.
Para Shulman, a compreensão do conteúdo disciplinar somente não é suficiente. A utilidade
de tal conhecimento recai em seu valor para o julgamento e a ação. No mesmo artigo de 1987,
Shulman apresenta o Modelo de Raciocínio Pedagógico e Ação (MRPA) que foi adaptado
posteriormente por Salazar (2005) e está apresentado na figura 1. Shulman explica que a
maior parte dos processos de ensino iniciam por alguma forma de "texto", um livro didático,
um roteiro ou um outro tipo de material que o professor ou os estudantes gostariam de
compreender. Segundo o modelo MRPA, dado um texto didático, objetivos educacionais, e
um conjunto de idéias, o raciocínio pedagógico e a ação envolve um ciclo através de
atividades de compreensão, transformação, instrução, avaliação e reflexão. O ponto de
partida e término do processo é um ato de compreensão.
Devido à sua natureza processual, o
MRPA requer processos de raciocínio do professor sobre o conteúdo para o ensino que estão
em reestruturação contínua. Sua dinâmica vai sendo enriquecida pelo contexto em que se
sucede, como resultado das interações sociais que a atividade educativa implica e os
momentos distintos que caracterizam a prática docente. O MRPA é assim, um modelo
dinâmico e cíclico de reflexão e ação docente.
Tal modelo procura abarcar os conhecimentos que o professor possui sobre o conteúdo e
sobre as abordagens metodológicas que desenvolve sobre um determinado assunto. Em cada
etapa, uma série de conhecimentos e habilidades são necessárias. Sendo assim, no modelo de
MRPA Shulman representa a série de etapas que ocorrem para o desenvolvimento da prática
profissional de um professor, particularmente frente a um determinado conteúdo. A
contribuição de Shulman é a de recuperar o “paradigma perdido” e trazer para a cena do
conhecimento de professores o conteúdo específico, porém, atrelado à sua dimensão didática.
Essa transformação do conteúdo em formas didaticamente poderosas é o que Shulman
denomina de conhecimento pedagógico do conteúdo.
Vários autores têm realizado proposições sobre os componentes do conhecimento prático de
professores. Shulman (1987) propõe sete: a.) do conteúdo, b.) pedagógico do conteúdo, c.)
pedagógico geral, d.) do currículo, e.) dos materiais e programas, f.) dos alunos, g.) do
contexto e dos fins, propósitos e valores educativos. Grossman (1990), que foi doutoranda de
Shulman, considera o PCK como a transformação do conhecimento pedagógico, de contexto e
do conteúdo específico, mas que cada conhecimento específico pode desenvolver outros
domínios do conhecimento base. Para Grossman, são quatro os componentes que interagem e
que formam o conhecimento base para o ensino. São eles: a) o conhecimento pedagógico; b) o
conhecimento do conteúdo; c) o conhecimento pedagógico do conteúdo e; d) o conhecimento
do contexto (figura 2). Desses, o conhecimento pedagógico do conteúdo é aquele que interage
com todos os demais.
Magnusson et al. (1999), adaptaram os conhecimentos base do ensino para os conhecimentos
base do ensino de ciências pelo professor, conforme citados anteriormente. Seu modelo de
construção do PCK é apresentado na figura 3.
Em trabalhos recentes a visão de Shulman de atrelar conteúdo à didática vem sendo
consolidada. Segundo Acevedo (2009) cada disciplina tem uma dimensão didática que não
está separada de seu conteúdo, pelo qual parece ser imprescindível mudar a atenção desde os
4
enfoques mais genéricos na direção de outros mais específicos durante a formação dos
professores, o que supõe reivindicar a importância das disciplinas pedagógicas específicas
nessa formação (ex. Metodologia/Instrumentação para o Ensino de Química).
Compreensão
Propósitos, estruturas de
conteúdo, idéias dentro e fora
da disciplina
Transformação
Preparação
Interpretação crítica e análise
de textos, estruturação e
segmentação,
desenvolvimento de um
repertório curricular e
esclarecimento de propósitos
Representação
Uso de repertório representativo
o qual inclui analogias,
metáforas, exemplos,
demonstrações, problemas,
explicações e outros.
Adaptação às características dos alunos
Consideração de concepções alternativas,
dificuldades, linguagem, cultura, motivação,
classe social, gênero, idade, habilidade, aptidão,
interesses, auto-estima e atenção
Seleção
Escolha entre um repertório
de docência de modos de
ensino, organização, gestão
e adaptação.
Avaliação
Aferição da compreensão dos
estudantes durante o ensino
interativo. Teste da compreensão
dos alunos ao final das aulas.
Avaliação do próprio desempenho
e ajustes.
Ensino
Gestão, apresentações, interações,
trabalhos em grupos, disciplina,
humor, questionamentos e outros
aspectos do ensino ativo, por
descoberta, ensino investigativo, e
formas observáveis do ensino em
sala de aula.
Novas compreensões
De objetivos, conteúdo, alunos, ensino
e de si próprio.
Consolidação de novos
entendimentos, e aprendizagens a
partir da experiência.
Reflexão
Revisão, reconstrução, nova prática
e análise crítica do próprio
desempenho e da classe.
Fundamentação das ações em
evidência.
Figura 1. Modelo de Raciocínio Pedagógico e Ação (MRPA) proposto por Shulman (1987) e
adaptado por Salazar (2005).
Conhecimento do conteúdo especifico Conhecimento pedagógico geral
Conhecimento pedagógico do conteúdo
Conhecimento do contexto
Estudante
Estruturas
sintáticas Estruturas
substantivas
Conteúdo Alunos e
aprendizagem Gestão da sala de
aula Currículo e
instrução Outros
Concepção dos propósitos para ensinar um conteúdo específico
Conhecimento da
compreensão dos
estudantes
Conhecimento do
Currículo Conhecimento de
estratégias
instrucionais
Comunidade Distrito Escola
Conhecimento do conteúdo especifico Conhecimento pedagógico geral
Conhecimento pedagógico do conteúdo
Conhecimento do contexto
Estudante
Estruturas
sintáticas Estruturas
substantivas
Conteúdo Alunos e
aprendizagem Gestão da sala de
aula Currículo e
instrução Outros
Concepção dos propósitos para ensinar um conteúdo específico
Conhecimento da
compreensão dos
estudantes
Conhecimento do
Currículo Conhecimento de
estratégias
instrucionais
Comunidade Distrito Escola
Conhecimento do conteúdo especifico Conhecimento pedagógico geral
Conhecimento pedagógico do conteúdo
Conhecimento do contexto
Estudante
Estruturas
sintáticas Estruturas
substantivas
Conteúdo Alunos e
aprendizagem Gestão da sala de
aula Currículo e
instrução Outros
Concepção dos propósitos para ensinar um conteúdo específico
Conhecimento da
compreensão dos
estudantes
Conhecimento do
Currículo Conhecimento de
estratégias
instrucionais
Comunidade Distrito Escola
Figura 2. Modelo da relação entre os domínios do conhecimento do professor, proposto por
Grossman (1990).
No trabalho de Park & Oliver (2008), foi adicionado um sexto componente ao trabalho de
Magnusson et al.. São eles: a) Orientação para o ensino de ciências; b) Conhecimento do
currículo de ciências; c) Conhecimento da compreensão dos alunos em ciências; d)
5
Conhecimento da avaliação da aprendizagem em ciências; e) Conhecimento das estratégias
instrucionais para o ensino de ciências; f) Eficácia do professor. A perspectiva afetiva tem
tido destaque na literatura como sendo um dos componentes do PCK. Os autores
denominaram esse modelo de construção do PCK de Modelo Hexagonal (figura 4).
Rollnick et al. (2008), consideram o PCK o amálgama de quatro domínios do conhecimento
base para o ensino. São eles: a) Conhecimento da matéria; b) Conhecimento dos estudantes;
c) Conhecimento pedagógico geral e; d) Conhecimento do contexto. Nas observações em sala
de aula, concluíram que as manifestações desses domínios geram outros domínios, ou
“produtos do ensino” (figura 5). São eles: a) Representações da matéria; b) Estratégias
instrucionais de um conteúdo específico; c) Saliência curricular; d) Avaliação.
Figura 3. Os componentes do conhecimento pedagógico do conteúdo para o ensino de
ciências, segundo Magnusson et al. (1999).
Tendo por base esse panorama de modelos sobre o PCK e sobre o seu desenvolvimento,
percebe-se algumas divergências entre o modelo inicial proposto por Shulman e, sob um certo
sentido, aperfeiçoado por Grossman e Magnusson e modelos posteriores que utilizam o
conceito de PCK mas trazem outras concepções. Num recente artigo de revisão sobre o PCK,
Kind (2009) elenca os distintos enfoques de compreensão sobre o PCK e aponta para duas
diferenças básicas nas concepções em relação à posição do conhecimento do conteúdo, a
saber: i.) o conhecimento do conteúdo é um dos conhecimentos base dos professores mas não
faria parte do PCK; ii.) o conhecimento do conteúdo faz parte do conhecimento pedagógico
do conteúdo.
Na proposta inicial de Shulman (1987), o conhecimento do conteúdo não estava incluído no
conceito de PCK, mas era um dos sete conhecimentos dos professores, como apresentado
PCK
Orientações para o Ensino
de Ciências
Conhecimento do Currículo
de Ciências
Conhecimento da Avaliação no Ensino
de Ciências
Conhecimento da Compreensão
dos Alunos sobre Ciências
Conhecimento das Estratégias
Instrucionais
Currículo
Específico de
Ciências
Objetivos e Metas
das Ciências
Requisitos para a
Aprendizagem
Área de
dificuldade dos
estudantes
Estratégias E
specíficas
das Ciências (em geral)
Estratégias para um
tema específico de
Ciências
Dimensões da
aprendizagem em
Ciências a ser avaliada
Métodos de Avaliação da
Aprendizagem no Ensino de
Ciências
Representações Atividades
Inclui
que molda
que molda que molda
Incluindo Incluindo
que molda
6
anteriormente. Os modelos de Grossman (1990) e de Magnusson, Kracjik, & Borko (1999)
seguem nessa linha, deixando o conhecimento do conteúdo de fora do PCK. Outras propostas
diferem da idéia inicial de Shulman, incluindo o conhecimento do conteúdo no PCK
(FERNANDEZ-BALBOA & STIEHL, 1995; KOBALLA, GRÄBER, COLEMAN, &
KEMP, 1999; MARKS, 1990; COCHRAN, DERUITER & KING, 1993; VEAL &
MAKINSTER, 1999; BANKS, LEACH & MOON. 2005).
Figura 4. Modelo hexagonal do PCK do ensino de ciências (PARK & OLIVER, 2008).
Figura 5. Modelo adaptado para o PCK (ROLLNICK et al., 2008).
Numa tentativa de compilar dados da literatura, Gess-Newsome (1999) propõe dois modelos
teóricos para tentar explicar a formação do PCK: o Modelo Integrativo (figura 6) e Modelo
Transformativo (figura 7). O Modelo Integrativo considera o PCK como a intersecção entre
os conhecimentos pedagógico, disciplinar e de contexto (figura 6). O Modelo Transformativo
7
coloca o PCK como resultado de uma transformação do conhecimento pedagógico, do
conteúdo da matéria e do contexto (figura 7).
Segundo a autora, os dois modelos contemplam os extremos de um contínuo. No Modelo
Integrativo, o PCK não existe como um domínio de conhecimento e o conhecimento de
professores seria explicado pela intersecção de três construtos - o conteúdo, a pedagogia e o
contexto. Ensinar segunda essa visão seria o ato de integrar o conhecimento através desses
três domínios (figura 6). No outro extremo o PCK seria a síntese de todos os conhecimentos
necessários para a formação de um professor efetivo. Nesse caso, o PCK seria a
transformação do conhecimento do conteúdo, da pedagogia e do contexto até uma forma
distinta a única forma de conhecimento que traria impacto na prática dos professores. Esse
modelo recebeu o nome de Modelo Transformativo (figura 7).
No Modelo Integrativo os conhecimentos podem desenvolver-se em separado para depois se
integrarem na ação docente enquanto o Modelo Transformativo não se preocupa tanto com o
desenvolvimento destes conhecimentos, mas sim de como se transformam em PCK na prática
docente, como conhecimento base para o ensino. A diferença entre esses dois modelos é a
integração vs. a transformação do conhecimento. Uma analogia química utilizada pela autora
é bastante ilustrativa. Trata-se da formação de uma mistura ou de um composto químico
quando duas substâncias são colocadas num mesmo recipiente. No caso da mistura, as
substâncias permanecem quimicamente distintas, embora seu impacto visual seja o de uma
total integração. As substâncias constituintes de uma mistura podem, entretanto serem
facilmente separadas por métodos físicos. Por outro lado, no caso da formação de um novo
composto, ou seja, como resultado de uma reação química, as substâncias iniciais não podem
mais ser separadas e as propriedades iniciais deixam de existir.
Sendo assim, em relação ao modelo de conhecimento de professores, o Modelo Integrativo se
assemelharia a uma mistura enquanto no Modelo Transformativo, os conhecimentos base
iniciais seriam totalmente combinados resultando num novo conhecimento, o PCK.
Ao final, a autora suscita dúvidas sobre se o conhecimento de professores seria do tipo de
uma mistura (Modelo Integrativo) ou um composto (Modelo Transformativo). Isso traria
implicações importantes para a pesquisa e prática em termos da identificação e
desenvolvimento dos domínios dos conhecimentos dos professores. Nesse sentido, dados
empíricos revelam que os dois modelos podem ocorrer, dependendo do momento profissional
do professor (KIND, 2009).
*
Conhecimento
Disciplinar
Conhecimento
Pedagógico
Conhecimento do
contexto
8
Figura 6. Modelo de conhecimentos de professores. Modelo Integrativo (GESS-NEWSOME,
1999). * = Conhecimento necessário para o ensino em sala de aula.
Figura 7. Modelo Transformativo do PCK segundo Gess-Newsome (1999).
O PCK e o currículo de formação de professores
Os modelos propostos por Gess-Newsome apresentados acima trazem implicações para o
currículo de formação de professores. No Modelo Integrativo o PCK não existiria realmente
como um domínio próprio e o ensino é visto como um ato de integração entre o conhecimento
do conteúdo, da pedagogia e do contexto. Os curso de formação de professores mais
tradicionais, organizados em disciplinas separadas de conteúdo, pedagogia e prática seguem
freqüentemente esse modelo de conhecimento de professores.
no Modelo Transformativo, o PCK seria a síntese de todos os conhecimentos necessários
para um professor efetivo. Nesse modelo, o PCK é a transformação do conhecimento do
conteúdo, da pedagogia e do contexto em uma nova forma de conhecimento que é mais
poderosa.
Para Nilsson (2008, 2009) ambos os modelos (integrativo ou transformativo) são um bom
ponto de partida para analisar os currículos da formação de professores, sejam eles
professores principiantes ou com alguma experiência docente.
Esses modelos de construção do PCK podem ajudar os formadores de professores a preparar
um currículo voltado para essa formação plena. As pesquisas de PCK estão iniciando e ainda
pouco material que contribua efetivamente para a formação de professores. A falta desse
material reflete em sala de aula, pelos professores iniciantes ou experientes, quando ainda
estão preocupados apenas com o conhecimento disciplinar ou o conhecimento pedagógico,
distintamente.
Da mesma maneira que o conhecimento de muitos estudantes ao terminar um curso está
caracterizado por um conjunto de ideias e conceitos desconectados, o PCK de uma grande
quantidade de docentes tem pouca coerência e carece de uma base sólida em que se apoiar.
Com os anos de prática, muitos professores acumulam uma grande variedade de exemplos,
analogias, exercícios e experimentos interessantes e atraentes para os alunos, mas os
utilizam sem uma justificativa clara e guiados pela intuição. Poucos são os que têm a
capacidade de integrar seus conhecimentos disciplinares com seus conhecimentos
pedagógicos em uma estrutura cognitiva coerente que guie seus pensamentos, decisões e
ações na aula. Esta integração não se de maneira natural e requer um nível de reflexão
que os docentes não estão preparados ou não tem o tempo para desenvolvê-lo
(TALANQUER, 2004).
9
Para Talanquer (2004) a diferença entre o professor experiente e o professor recém formado
está, por exemplo, no fato de que ao escolher uma atividade, o professor novato seleciona um
livro e segue a sequência proposta pelo autor. Já para o professor experiente, a mesma
atividade exige um desafio intelectual porque ele sabe que suas ações é que vão determinar o
êxito ou não do aluno. Assim, ele “olha” para o livro de forma completamente distinta.
Segundo o autor, “a tarefa demanda que o docente reflita sobre as metas, propósitos e a
filosofia do que fazer em química em um dado contexto de nível de desenvolvimento
intelectual, conhecimento prévio, interesse e motivações dos seus estudantes”. Segundo
Talanquer ainda, os programas de formação docente devem colaborar para a construção do
PCK dos futuros professores:
Um bom programa de formação docente deve proporcionar uma preparação disciplinar e
pedagógica sólida.[...] Os programas de formação e atualização docente necessitam abrir
espaços para que as peças chaves do conteúdo a ser ensinado sejam sujeitas à análise e
discussão didática e pedagógica. [...] A grande maioria dos atuais e futuros professores de
química se beneficiaria se lhes fosse oferecida mais oportunidades para integrar seu
conhecimento, repensar e recriar a matéria que ensinam.[...] Este tipo de reflexão não só
ajudaria os professores em formação a desenvolver seu PCK, como também a capacidade
crítica e as habilidades analíticas que lhes permitiriam conceber a aula como um espaço de
exploração e investigação contínua (TALANQUER, 2004).
Abell (2007, 2008) acredita que os educadores dos professores de ciências deveriam dar atenção
explícita para os componentes do PCK individualmente como uma forma de auxílio à aprendizagem
para os professores novatos.
Barnett e Hodson (2001) defendem que os professores experientes têm um conhecimento mais
acessível, útil e organizado do que os professores novatos. Para ele, os novatos “acessam” o
conhecimento dos conceitos, procedimentos e estratégias um por um, enquanto que os professores
experientes utilizam os conhecimentos mais relevantes de forma integrada. Segundo esses autores, “a
chave para um desenvolvimento da competência não é ignorar o conhecimento do contexto e tentar
resolver problemas sem ele, mas reconhecer quando invocá-lo e como aplicar esse conhecimento
contextual”. Assim, trabalhar com discussão em grupo, onde os membros discutem sobre suas próprias
crenças pessoais e suas práticas e sobre as crenças pessoais e práticas dos outros membros permitiria
que cada um compreendesse as características distintas dos contextos em que atuam. Esses grupos
também ajudariam na formação dos professores novos, pois suas experiências estão baseadas nos
contextos reais da sala de aula.
Nilsson (2006) salienta que a reflexão pelo licenciando do seu próprio desenvolvimento profissional
torna-o consciente da sua própria aprendizagem. Assim, “o bom professor experimenta e não tem
medo de fracassar”. A prática proporciona experiências para os licenciandos, mas eles também
precisam da discussão dessa experiência nos seminários para a sua reflexão.
De Jong, Veal e Van Driel (2002) investigaram sobre quais seriam os elementos formativos que
ajudariam a construir o PCK dos licenciandos e concluíram que seria necessário que houvesse a
incorporação da prática docente no processo de formação, juntamente com a discussão de artigos
sobre o trabalho educativo, como as concepções alternativas dos estudantes e como eles raciocinam.
Nilsson (2008) também salienta que a falta de experiência de sala de aula dos licenciandos reflete no
seu PCK. A autora sugere que para estimular o desenvolvimento do PCK desses licenciandos, é
razoável que se reconheçam os conhecimentos por partes, a fim de melhorar o desenvolvimento do
todo. Assim, o PCK dos futuros professores se formaria através da relação dinâmica entre esses
conhecimentos.
Rollnick et al. (2008) defendem que o PCK deve ser inserido na formação dos professores:
O PCK é considerado um dos pilares do conhecimento dos professores, então é
importante compreender a sua composição. Se for possível descrever e modelar a
sua formação, é possível definir áreas de melhoria na formação de professores. Se a
10
experiência pode ser acessada e retratada, pode então ser transferida para professores
inexperientes e, assim ajudá-los no seu progresso em direção à competência
reforçada no ensino. Desenvolver o entendimento mais profundo do fenômeno que é
o PCK pode também ajudar a criar novas formas adequadas de discussão das
questões inerentes à complexidade e aplicação do conhecimento do conteúdo na
prática. Encontrar, acessar e elucidar o PCK pode muito bem representar o que
alguns poderiam descrever como o santo graal da formação de professores!
Acesso, documentação e análise do PCK de professores
O estudo do PCK de um professor é bastante complexo, devido, entre outros aspectos, ao fato
de se tratar de um conjunto de conhecimentos implícitos, que devem ser de alguma forma
explicitados. Assim, diversas maneiras foram propostas e avaliadas para que se procure
documentar e investigar o PCK de um professor. Baxter e Lederman (1999) realizaram uma
compilação das investigações que buscavam acessar o PCK de professores de ciências e
propuseram três grupos de acordo com as metodologias utilizadas para acessar o PCK: (a)
técnicas convergentes e inferenciais; (b) as representações em forma de mapas conceituais,
cartões de classificação e representações pictóricas; (c) avaliações multimétodos.
Dentre as técnicas convergentes e inferenciais destacam-se os questionários de tipo Likert,
testes de múltipla escolha e formatos de respostas curtas. O que há de comum nesses métodos
é o fato deles utilizarem descrições verbais pré-determinadas a respeito do conhecimento
desejável do professor como um critério para comparação das respostas verbais de
licenciandos e professores. Mapas conceituais têm sido utilizados pelos pesquisadores
cognitivistas para medir as estruturas do conhecimento, representadas pelos conceitos chave e
as relações entre esses termos. Os de cartões de classificação foram uma das estratégias mais
utilizadas por Shulman e seus estudantes. Nessas atividades, uma série de cartões é fornecida
pelo pesquisador com cada um contendo um conceito particular, ideia, princípio, etc. Solicita-
se ao professor que organize os cartões numa ordem que melhor ilustre as relações entre os
itens contidos nos cartões. Ambas as técnicas, mapas conceituais e cartões de classificação
têm sido criticadas com a argumentação de serem muito restritivas, pois apenas algumas
ideias particulares são utilizadas na representação de um esquema conceitual. Como
consequência, ao pesquisador é fornecido apenas o modo como o sujeito investigado enxerga
as ideias apresentadas pelo pesquisador ou a uma representação que é restrita a um formato
hierárquico particular (BAXTER E LEDERMAN, 1999).
Nos estudos de PCK, as avaliações do tipo multimétodos são as mais utilizadas. Em geral
esses estudos utilizam uma variedade de técnicas como entrevistas, mapas conceituais,
reflexão vídeo-estimulada e outras para a coleta de dados. Depois, os pesquisadores realizam
uma triangulação dos dados a partir dessas múltiplas fontes e finalmente eles inferem um
perfil geral do PCK dos professores (BAXTER E LEDERMAN, 1999). Um exemplo de
trabalho que se utilizou dessa triangulação pode ser visto em Sales (2010).
Na área de ensino de ciências, destacam-se os instrumentos propostos por Loughran e
colaboradores (LOUGHRAN, BERRY & MULHALL, 2004, 2006, 2008; LOUGHRAN et
al., 2001). São eles: CoRe (Representação do Conteúdo) e PaPeRs (Repertório de
experiência Pedagógica e Profissional). O CoRe é uma ferramenta que propõe questões de
investigação sobre como o professor seleciona os conteúdos refletindo sobre estratégias,
metodologias e aspectos sócio-econômico-culturais. O PaPeR é um registro da aula e da
reflexão do que o professor acredita ser necessário para uma aprendizagem efetiva.
11
Considerações Finais
A partir deste breve panorama da literatura sobre o PCK esperamos ter conseguido explicitar
sua importância em termos de linha de pesquisa para compreender o desenvolvimento
profissional docente. Atualmente, o PCK tem sido considerado o melhor
arcabouço teórico
para examinar e compreender as habilidades de professores. Sendo assim, o estudo do PCK de
professores em diferentes momentos profissionais (formação inicial, estagiários, novatos,
experientes, em formação contínua, etc) visa trazer subsídios para a formação de professores.
Seu acesso e explicitação durante a formação inicial de professores pode auxiliar licenciandos
no processo de se tornarem melhores professores, assim como auxiliar professores experientes
a desenvolverem práticas mais reflexivas e, desse modo, promoverem maior desenvolvimento
de seu PCK.
Referências
ABELL, S. K. Research on science teacher knowledge. Handbook of research on science
education. p. 1105-1149, 2007.
ABELL, S. K. Twenty years later: Does pedagogical content knowledge remain a useful idea?
International Journal of Science Education, v. 30, n. 10, p. 1405-1416, 2008.
ACEVEDO, J. A. Conocimiento didáctico del contenido para la enseñanza de la naturaleza de
la ciencia (I): el marco teórico. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las
Ciencias, v. 6, n. 1, p. 21-46, 2009.
BARNETT, J.; HODSON, D. Pedagogical Context Knowledge: Toward a fuller
understanding of what good science teachers know. Science Teacher Education, v.84, n.4,
p.426-453, 2001.
BAXTER, J. A.; LEDERMAN, N. G. Assessment and measurement of pedagogical content
knowledge. In: GESS-NEWSOME, J.; LEDERMAN, N. G. (Eds.). Examining pedagogical
content knowledge: the construct and its implications for science education Dordrecht, The
Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 1999, p. 147-161.
CARTER, K. Teachers’ knowledge and learning to teach. In W. R. Houston (Ed.), Handbook
of research on teacher education. New York: Macmillan, pp. 291–310, 1990.
DE JONG, O.; VEAL, W.R., VAN DRIEL, J.H. Exploring chemistry Teachers’ Knowledge
Base In: GILBERT, J.K. et al. Chemical Education: Towards Research-based Practice. The
Netherlands: Kluwer Academic Publishers, p. 369-390, 2002.
FENSTERMACHER, G.D. The knower and the known: the nature of knowledge in research
on teaching. Review of Research in Education, v. 20, p. 3-56, 1994.
GESS-NEWSOME, J. Pedagogical Content knowledge: an introduction and orientation. In:
GESS-NEWSOME, J. & LEDERMAN, N.G. (eds.) Examining Pedagogical Content
Knowledge, Dordrecht, The Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 3-17, 1999.
GROSSMAN, P. L. The making of a teacher: teacher knowledge and teacher education. New
York: Teachers College Press, 1990.
_______________Teacher knowledge. In: HUSEN, T.; POSTLETHWAITE, T. N. (Eds.),
The international encyclopedia of education (2nd ed.). London: Pergamon Press, 1994.
KIND, V. Pedagogical content knowledge in science education: perspectives and potential for
progress. Studies in Science Education, v. 45, n. 2, p. 169-204, 2009.
12
MAGNUSSON, S.; KRAJICK, J.; BORKO, H. Nature, sources, and development of
pedagogical content knowledge for science teaching. In: GESS-NEWSOME, J.;
LEDERMAN, N. G. (Org.). Examining pedagogical content knowledge: the construct and its
implications for science education Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, p. 95-132, 1999.
LOUGHRAN, J. J., BERRY, A.; MULHALL, P. Understanding and developing science
teachers' pedagogical content knowledge. Rotterdam, The Netherlands: Sense Publishers.,
2006, 230.
LOUGHRAN, J., MILROY, P., BERRY, A., GUNSTONE, R.; MULHALL, P. Documenting
science teachers' pedagogical content knowledge through PaPeRs. Research in Science
Education, v. 31, n. 2, p. 289-307, 2001.
LOUGHRAN, J., MULHALL, P.; BERRY, A. In search of pedagogical content knowledge in
science: developing ways of articulating and documenting professional practice. Journal of
Research in Science Teaching, v. 41, n. 4, p. 370-391, 2004.
LOUGHRAN, J.; MULHALL, P. ; BERRY, A. Exploring pedagogical content knowledge in
science teacher education. International Journal of Science Education, v. 30, n. 10, p. 1301-
1320, 2008).
NILSSON, P. Teaching for understanding: The complex nature of pedagogical content
knowledge in pre-service education. International Journal of ScienceEducation, v. 30, n. 10,
1281-1299, 2008.
NILSSON, P. From lesson plan to new comprehension: Exploring student teachers’
pedagogical reasoning in learning about teaching. European Journal of Teacher Education, v.
32, p. 239–258, 2009.
SALAZAR, S. F. El conocimiento pedagógico del contenido como categoría de estudio de la
formación docente. Actualidades investigativas en educación, v.5, n. 2, 2005. Versão on-
line<http://revista.inie.ucr.ac.cr/>
SALES, M. G. P. Investigando o conhecimento pedagógico do conteúdo sobre “soluções” de
uma professora de Química. Dissertação (Mestrado) apresentada ao Instituto de Física, ao
Instituto de Química, ao Instituto de Biociências e à Faculdade de Educação da Universidade
de São Paulo, São Paulo, 2010, 253 f.
SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational
Researcher, v. 15, n. 4, p. 4-14, 1986.
__________ Knowledge and teaching: foundations of a new reform. Harvard Educational
Review, v. 57, n. 1, p. 1-22, 1987.
PARK, S.; OLIVER, S. Revisiting the conceptualization of pedagogical content knowledge
(PCK): PCK as a conceptual tool to understand teachers as professionals. Research Science
Education, n. 38, p.261-284, 2008.
ROLLNICK, M.; BENNETT, J.; RHEMTULA, N. D.; NDLOVU, T. The place of subject
matter knowledge in pedagogical content knowledge: a case study of South African teachers
teaching the amount of substance and chemical equilibrium. International Journal of Science
Education, vol. 30, n. 10, p.1365-1387, 2008.
TALANQUER, V. Formación docente: Qué conocimiento distingue a los buenos maestros de
química? Revista Educación Química, v.15, n.1, p.60-66, 2004.
... Para tanto, visando romper com essa segregação, Shulman (1986) recomenda que se deve trabalhar com a interseção dessas categorias como aspectos particulares do conhecimento científico, adaptados e representados para o ensino. A essa intersecção, Shulman denominou de conhecimento pedagógico do conteúdo, ou apenas PCK (Pedagogical Content Knowledge), sugerindo-a como uma categoria específica de conhecimento por parte do docente (Fernandez, 2011). ...
... Em 1987, Shulman publica um novo estudo, o qual apresenta outros conhecimentos necessários ao docente e Fernandez (2011) comenta que, a partir da divulgação do PCK, diversos outros estudos surgiram nessa área. Vários autores têm realizado proposições sobre os componentes do conhecimento prático de professores, cujas ideias são discutidas em Fernandez (2011). Neste artigo optou-se por explorar com maior aprofundamento as três categorias definidas por Shulman (1986), que serão abordadas a seguir. ...
Article
Full-text available
Resumo: O presente artigo objetivou a investigação sobre a formação continuada em probabilidade, no âmbito conceitual e didático-pedagógico, com professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental de uma escola da rede privada de Porto Alegre, mediante a realização de um minicurso distribuído em dois encontros. O primeiro foi subdividido em quatro momentos: questionário inicial, contextualização, teoria e atividades para o 1º ano. Já o segundo encontro foi organizado em duas etapas: atividades do 2º ao 5º ano e aplicação de questionário final. Os pressupostos teóricos foram desenvolvidos tendo como aporte as concepções estabelecidas por Lee Shulman no que se refere ao conhecimento curricular, pedagógico e de conteúdo. Os dados coletados foram analisados mediante a categorização das respostas dadas pelas participantes nos questionários inicial e final. Tais dados revelaram que houve aprimoramento em relação aos conceitos referentes à probabilidade, bem como ao emprego de um vocabulário mais apropriado. Este minicurso de probabilidade foi apenas uma ação dentre tantas outras possíveis para melhor preparar professores pedagogos que pouco têm formação e informação sobre essa temática. Constatou-se a necessidade de oportunizar outros momentos para aprimorar o entendimento mais aprofundado dos significados de probabilidade e de seus conceitos subjacentes, tais como: aleatoriedade, acaso e incerteza. Defende-se, portanto, que o estudo deve ser contínuo por parte dos professores, uma vez que a graduação é insuficiente para fornecer uma sólida formação. Palavras-chave: Probabilidade. Anos Iniciais. Formação Continuada. Abstract: This article aims to investigate the continued education in probability, in the conceptual and the didactic-pedagogical scopes, with teachers from the early years of elementary school at a private institution in Porto Alegre. The investigation consisted of a minicourse distributed in two sessions. The first meeting was subdivided into the following moments: initial questionnaire, contextualization, theory, and activities for the 1st grade. The second meeting was organized in two stages: activities from the 2nd to the 5th grades and application of a final questionnaire. The theoretical assumptions were developed based on the conceptions established by Lee Shulman with regard to curricular, pedagogical and content knowledge. The collected data were analyzed by categorizing the answers given by the participants in the initial and final questionnaires. Such data revealed that there was an improvement in relation to the concepts related to probability, as well as the use of a more appropriate vocabulary. This probability minicourse was just one action among many others possible to better prepare pedagogues who have little training and information on this subject. There is a need to provide other moments to improve the deeper understanding of the meanings of probability and its underlying concepts, such as: randomness, chance and uncertainty. It is claimed, therefore, that the study should be continuous on the part of teachers since graduation is insufficient to provide a solid training. Keywords: Probability. Elementary School. Continued Education.
... Abell (2008) acredita que se deve dar mais atenção para os componentes do PCK assim auxiliando na formação docente. Fernandez (2015) complementa tal ideia ao destacar que: "Atualmente, o PCK tem sido considerado o melhor arcabouço teórico para examinar e compreender as habilidades de professores. Sendo assim, o estudo do PCK de professores em diferentes momentos profissionais (formação inicial, estagiários, novatos, experientes, em formação contínua, etc.) visa trazer subsídios para a formação de professores. ...
... Research, Society andDevelopment, v. 9, n. 12, e2691210573, 2020 (CC BY 4.0) | ISSN 2525-3409 | DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i12.10573 6 conteúdo" (Fernandez, 2011;Goes, 2014). ...
Article
Full-text available
O livro didático é um importante instrumento no aprendizado escolar, servindo de ponte para abordagem de conteúdos complexos e tornam a linguagem acadêmico-científica acessível a faixa etária estudantil. Levando em consideração a sua relevância, o objetivo deste trabalho foi caracterizar o conhecimento especializado sobre o tema Crise Climática presente nos livros didáticos de Biologia, indicados pelo Programa Nacional do Livro Didático (2018-2020), utilizando o modelo do Conhecimento Especializado de Professores de Biologia como ferramenta metodológica. A temática foi analisada nos livros de primeiro ou terceiro ano de seis coleções didáticas, onde destacamos trechos dos livros que se configurassem como episódios de ensino contendo conhecimento especializado. Nas seis obras analisadas, identificamos o total de 148 conhecimentos especializados segundo o modelo do Conhecimento Especializado de Professores de Biologia. Percebemos que a temática crise climática é trabalhada de forma crítica e reflexiva nos livros didáticos, mas alguns trechos analisados podem desenvolver nos estudantes a sensação de que nada se faz para resolução desta problemática, descaracterizando o esforço de instituições de pesquisas nacionais e internacionais em produzir estudos sobre os impactos provenientes da crise climática e suas medidas de mitigação. No atual panorama político de nosso país, é de grande importância falar sobre a crise climática, uma vez que o negacionismo cresce à medida que os governantes se aproveitam da incredulidade social quanto as catástrofes ambientais, comumente vivenciados no Brasil e no mundo, intensificados pelo desenvolvimento nos diversos setores econômicos, que invisibilizam seus impactos a longo prazo para o ambiente e a sociedade.
Article
Full-text available
This article discusses teacher training to work in Elementary School based on the perceptions of students in two undergraduate courses: one in Biological Sciences and the other in Natural Sciences. The methodology used involves the application of dissertative and multiple-choices questionnaire that allows us to list points of convergence and divergence between the two training paths investigated. For undergraduates, their courses develop the basic knowledge to act as teachers and reinforce their profession choice. On the other hand, they believe that the courses should review their curriculum courses in regard to the approach to disciplinary knowledge. We believe that this discussion is valid to think about training processes that value teaching at this stage of schooling.
Article
Full-text available
Neste texto recuperamos o quadro teórico proposto por Lee S. Shulman para dar resposta à seguinte questão: Qual o conhecimento de base do professor alfabetizador? A partir desta questão, entende-se que o ensino da alfabetização implica a convocação e a operacionalização de conhecimentos de diferentes naturezas, alguns dos quais subinvestigados e, por isso mesmo, ainda dependentes das intuições e práticas não sistematizadas e dificilmente passíveis de aprendizagem nos contextos de formação académica. Argumenta-se que é pela mesma ordem de razões que a tarefa pedagógica de ensinar a ler se torna difícil de conceber para os jovens professores. Defende-se que o modelo do conhecimento do professor alfabetizador que apresentamos se configura como basilar na concepção da formação do professor alfabetizador no atual contexto formativo português, que também é brevemente caracterizado.
Article
Full-text available
Resumo: Nesse trabalho investigamos o Conhecimento Pedagógico do Conteúdo de uma professora de Química experiente, do nível Superior de ensino, com histórico de bom desempenho. Um estudo de caso qualitativo foi desenvolvido a partir: do registro audiovisual de suas aulas, aplicação do instrumento Representação do Conteúdo (CoRe), realização de entrevistas semiestruturadas, e reflexão estimulada. Observamos que a professora consegue mobilizar, em sua prática, a maioria das categorias do Conhecimento Pedagógico do Conteúdo (PCK), adotando a “Didática” como orientação para o ensino de ciências e demonstrando grande preocupação com a transmissão dos fatos científicos. Apesar de suas aulas serem predominantemente expositivas e centradas na figura do professor, foi possível identificar momentos de abordagem interativa, na qual considera os diferentes pontos de vista dos alunos sobre o conteúdo ministrado. Finalmente, constatamos que a professora apresenta uma prática pedagógica refletida, sobretudo no que se refere às suas estratégias de ensino.
Article
Full-text available
In recent years the profession of teaching has reached a maturity to the point of being considered a producer of own knowledge necessary to the practice. The teacher is no longer seen as a technician, but as an intellectual actor and the specialized literature advocates teaching as a profession, and it recognizes that the teacher has “knowledge base”, a set of skills that are developed during his teaching activity. The Pedagogical Content Knowledge (PCK) is a concept that seeks to represent the teachers’ professional knowledge and it has been widely used in the literature about teachers’ knowledge. It has proved a fruitful model for investigations aimed to document the knowledge that makes one a good teacher. Despite the relevance that the PCK is, the consensus on what is the PCK is still far from being achieved and many researches propose different models and concepts for the PCK, sometimes conflicting. Many works brings the PCK and speak of it as if it were a clear concept and do not clarify which model / conception are using, which makes investigations on the PCK difficult and ends up attracting a lot of criticism. Thus, this study aims to look critically at the various models proposed in the literature most used and point differences and similarities so that an overview can be built with more insight and analyze their use and validity. The study will also present some ways to have access to PCK and the relation between PCK and teacher education is also discussed.
Article
Full-text available
span>Los resultados de la investigación educativa desarrollada en los últimos treinta años han transformado nuestras concepciones más elementales sobre el proceso de enseñanza-aprendizaje. Las teorías constructivistas del aprendizaje, que enfatizan el rol central de los alumnos en la construcción del conocimiento en el aula, se han convertido en el paradigma dominante ( Jenkins, 2000; Gil-Pérez et al., 2002), y su influencia se ha extendido al proceso mismo de formación del profesorado. Los planteamientos constructivistas no sólo han puesto en la mesa del debate el qué deben saber y saber hacer los profesores de ciencia (Brooks, 1999), sino también el cómo crear las condiciones para preparar buenos docentes (Richardson, 1997.)</span
Article
Full-text available
This paper presents two South African case studies designed to explore the influence of subject matter knowledge on pedagogical content knowledge (PCK). In the first case study on teaching the mole in two township schools, the findings illustrate that the participant teachers favoured procedural approaches at the expense of conceptual understanding. The second case study examines the teaching of chemical equilibrium to students on a bridging programme in a tertiary institution. Through these data the authors present a model to assist in understanding the amalgamation of subject matter knowledge (SMK) with other teacher knowledge domains to produce what we describe as ‘manifestations’. The model was useful in interpreting the teachers’ practice, especially to highlight the role of SMK, and therefore offers interesting insights into the nature of PCK and its influence on science teaching.
Book
Since its emergence over two decades ago, the construct of pedagogical content knowledge (PCK) has significantly impacted preservice and inservice teacher education, educational policy, and educational research. PCK has served to re-focus educators' attention on the important role of subject matter in educational practice and away from the more generic approach to teacher education that dominated the field prior to 1975. This ambitious text is the first of its kind to summarize the theory, research, and practice related to pedagogical content knowledge. The audience is provided with a functional understanding of the basic tenets of the construct as well as its applications to research on science teacher education and the development of science teacher education programs. The authors are prominent educators representing a variety of subject matter areas and K-12 grade levels. Although the focus of the text is science education, it should provide valuable reading for any individuals with interests in professional teacher education.
Book
There has been a growing interest in the notion of a scholarship of teaching. Such scholarship is displayed through a teacher's grasp of, and response to, the relationships between knowledge of content, teaching and learning in ways that attest to practice as being complex and interwoven. Yet attempting to capture teachers' professional knowledge is difficult because the critical links between practice and knowledge, for many teachers, is tacit. Pedagogical Content Knowledge (PCK) offers one way of capturing, articulating and portraying an aspect of the scholarship of teaching and, in this case, the scholarship of science teaching. The research underpinning the approach developed by Loughran, Berry and Mulhall offers access to the development of the professional knowledge of science teaching in a form that offers new ways of sharing and disseminating this knowledge. Through this Resource Folio approach (comprising CoRe and PaP-eRs) a recognition of the value of the specialist knowledge and skills of science teaching is not only highlighted, but also enhanced. The CoRe and PaP-eRs methodology offers an exciting new way of capturing and portraying science teachers' pedagogical content knowledge so that it might be better understood and valued within the profession. This book is a concrete example of the nature of scholarship in science teaching that is meaningful, useful and immediately applicable in the work of all science teachers (preservice, in-service and science teacher educators). It is an excellent resource for science teachers as well as a guiding text for teacher education. Understanding teachers' professional knowledge is critical to our efforts to promote quality classroom practice. While PCK offers such a lens, the construct is abstract. In this book, the authors have found an interesting and engaging way of making science teachers' PCK concrete, useable, and meaningful for researchers and teachers alike. It offers a new and exciting way of understanding the importance of PCK in shaping and improving science teaching and learning. Professor Julie Gess-Newsome Dean of the Graduate School of Education Williamette University This book contributes to establishing CoRes and PaP-eRs as immensely valuable tools to illuminate and describe PCK. The text provides concrete examples of CoRes and PaP-eRs completed in "real-life" teaching situations that make stimulating reading. The authors show practitioners and researchers alike how this approach can develop high quality science teaching. Dr Vanessa Kind Director Science Learning Centre North East School of Education Durham University.
Article
This paper considers how the notion of pedagogical content knowledge (PCK) has developed and changed over the past 20 years. It draws on the preceding papers in this special issue to reflect on the big picture issues and ideas that are important in shaping understandings of PCK and the nature of research on PCK. The paper is structured around four sections. The first section offers analysis of the characteristics of PCK as employed by the researchers in this volume, raising some issues related to the construct. The second section considers the implications for research design that result from these authors’ views of PCK. The third section suggests an agenda for future research on science teacher knowledge. The concluding section examines the continuing value of the PCK construct for the science education community.
Article
While the development of pedagogical content knowledge (PCK) is considered to be a goal of teacher education, teaching about the concept itself is an unusual practice. In this case study, we explore the outcomes when a teacher educator explicitly introduces student‐teachers to ideas about PCK through the use of a CoRes and PaP‐eRs conceptualisation. The case study explores how, through this purposeful use of PCK in a pre‐service science teacher programme, student‐teachers’ thinking about their teaching and about their development as science teachers is shaped.
Article
The research reported in this paper is based on an exploration of the ways in which student teachers learn about the issues and concerns that shape their own professional learning. Shulman’s process of pedagogical reasoning and action was used as a conceptual framework to systematically elucidate different critical incidents that student teachers experienced and to then apply it as an analytic framework for developing deeper understandings of the complex task of learning to teach primary science. Primary science student teacher participants (n = 22) were stimulated to reflect upon critical incidents in order to facilitate identifying their teaching concerns and teaching needs. The results indicate that by helping student teachers to focus on critical incidents in their learning to teach, they come to question their practice more deeply and, through such reflection, gain new insights into teaching as being problematic.