ArticlePDF Available

Intoxicações em cães e gatos por alimentos humanos: o que não fornecer aos animais?

Authors:

Abstract

RESUMO As intoxicações em cães e gatos por alimentos humanos provêm do desconhecimento dos perigos que alguns alimentos podem representar e, ainda, pela falta de prudência por parte dos proprietários. Chocolates, doces, abacates, uvas e passas são alguns dos alimentos com risco em potencial de intoxicação, os quais podem levar cães e gatos à morte. Em geral, sinais clínicos de intoxicação alimentar são inespecífi cos e incluem vômitos, diarreias, tremores, apatia e depressão, além de outras apresentações clínicas, de acordo com o componente tóxico presente no alimento ingerido. A fi m de orientar os riscos alimentares na dieta de animais, esta revisão objetivou abordar os aspectos clínicos e terapêuticos dos alimentos com maiores ocorrências de intoxicação em caninos e felinos. Palavras-chaves: Intoxicação alimentar. Toxicidade por abacate. Toxicidade por cebola. Toxicidade por chocolate. Toxicidade por sal. Intoxication in dogs and cats by human food: What do not provide for animals? ABSTRACT Cases of intoxication in dogs and cats by human food comes from lack of knowledge of the dangers that some foods may represent and also by the lack of prudence by the owners. Chocolates, candies, avocados, grapes and raisins are some of the foods with potential risk intoxication, which can cause death in dogs and cats. In general, clinical signs of food intoxication are nonspecifi c and include vomiting, diarrhea, tremors, apathy and depression, as well as other clinical presentations in accordance with the toxic component present in ingested food. In order to target food hazards in the diet of animals, this review aimed to describe the clinical and therapeutic aspects of food with higher occurrences of intoxication in dogs and cats.
59
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
Intoxicações em cães e gatos por alimentos
humanos: o que não fornecer aos animais?
Stefanie Bressan Waller
Marlete Brum Cleff
João Roberto Braga de Mello
RESUMO
As intoxicações em cães e gatos por alimentos humanos provêm do desconhecimento dos
perigos que alguns alimentos podem representar e, ainda, pela falta de prudência por parte dos
proprietários. Chocolates, doces, abacates, uvas e passas são alguns dos alimentos com risco em
potencial de intoxicação, os quais podem levar cães e gatos à morte. Em geral, sinais clínicos de
intoxicação alimentar são inespecí cos e incluem vômitos, diarreias, tremores, apatia e depressão,
além de outras apresentações clínicas, de acordo com o componente tóxico presente no alimento
ingerido. A m de orientar os riscos alimentares na dieta de animais, esta revisão objetivou abordar
os aspectos clínicos e terapêuticos dos alimentos com maiores ocorrências de intoxicação em
caninos e felinos.
Palavras-chaves: Intoxicação alimentar. Toxicidade por abacate. Toxicidade por cebola.
Toxicidade por chocolate. Toxicidade por sal.
Intoxication in dogs and cats by human food: What do not provide
for animals?
ABSTRACT
Cases of intoxication in dogs and cats by human food comes from lack of knowledge of the
dangers that some foods may represent and also by the lack of prudence by the owners. Chocolates,
candies, avocados, grapes and raisins are some of the foods with potential risk intoxication, which
can cause death in dogs and cats. In general, clinical signs of food intoxication are nonspeci c and
include vomiting, diarrhea, tremors, apathy and depression, as well as other clinical presentations
in accordance with the toxic component present in ingested food. In order to target food hazards
in the diet of animals, this review aimed to describe the clinical and therapeutic aspects of food
with higher occurrences of intoxication in dogs and cats.
Keywords: Food intoxication. Avocado toxicity. Onion toxicity. Chocolate toxicity. Salt
toxicity.
Stefanie Bressan Waller é Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Veterinária, Faculdade de Veterinária,
Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). E-mail: waller.stefanie@yahoo.com.br
Marlete Brum Cleff é Professora Adjunta, Departamento de Clínicas Veterinárias, Faculdade de Veterinária,
Universidade Federal de Pelotas (UFPel).
João Roberto Braga de Mello é Professor Adjunto, Departamento de Farmacologia, Instituto de Ciências Básicas
da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
n.1v.11Veterinária em Foco jul./dez. 2013p.59-74
Canoas
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
60
INTRODUÇÃO
Embora os efeitos tóxicos de alguns produtos alimentares sejam conhecidos
na medicina veterinária, casos de intoxicações em caninos e felinos ainda ocorrem
frequentemente, devido ao acesso acidental dos animais aos alimentos tóxicos, bem como
ao desconhecimento do perigo da intoxicação de certos alimentos pelos proprietários
(HANDL; IBEN, 2010). Chocolate e alimentos ricos em açúcares são alguns dos alimentos
mais vinculados às intoxicações em cães e gatos, seguido de alho, cebola e uvas, entre
outros (KOVALKOVIČOVÁ et al., 2009).
A maioria dos casos de intoxicação alimentar é diagnosticada na espécie canina,
com ocorrências de até 80% dos casos em animais domésticos, devido a diferentes
fatores, como metabolismo, apetite menos seletivo e maior atração dos cães ao
alimento humano (KOVALKOVIČOVÁ et al., 2009). Poucos casos são relatados
na espécie felina, cuja frequência é três vezes menor que a da canina, o que ocorre
possivelmente pelo comportamento alimentar altamente seletivo dos felinos (XAVIER
et al., 2007). Entretanto, gatos são mais suscetíveis às intoxicações quando em contato
com produtos tóxicos inodoros e de pouco paladar, misturados a alimentos saborosos
(KOVALKOVIČOVÁ et al., 2009). Ainda assim, devido à crescente aproximação de
animais de estimação, em especial os felinos, os riscos da intoxicação por alimentos de
uso humano devem ser enfatizados (HANDL; IBEN, 2010). A m de orientar para os
perigos alimentares na dieta de animais, esta revisão objetivou abordar os mecanismos
de toxicidade, métodos de diagnóstico e aspectos histopatológicos, clínicos e terapêuticos
das intoxicações alimentares de maior ocorrência em caninos e felinos.
CEBOLAS E ALHOS
Plantas do gênero Allium spp, como cebola (Allium cepa), alho (A. sativum),
cebolinha (A. schoenoprasum) e alho-poró (A. porrum) podem promover disfunções
hematológicas em cães e gatos que ingeriram estes alimentos em mais de 0,5% de seu peso
vivo (COPE, 2005), ao passo que a ingestão diária de 5 g de alho inteiro por kg de peso
vivo acarreta em anemia hemolítica (LEE et al., 2000). O cozimento ou a deterioração
dessas plantas não reduzem o seu potencial de toxicidade (BURROWS; TYRL, 2001),
sendo que o alimento exclusivo para bebês contendo cebola já foi relatado como causador
de intoxicação em felinos (ROBERTSON et al., 1998).
Mecanismo de toxicidade: Diferentes componentes tóxicos estão envolvidos nas
intoxicações por plantas do gênero Allium, que parecem ser facilmente absorvidos pelo
trato gastrintestinal e metabolizados a componentes altamente reativos, capazes de oxidar
a hemoglobina em metahemoglobina em cães e gatos (YAMATO et al., 2005), resultando
em diminuição de oxigenação nos tecidos, os quais induzem à hipóxia (LEE et al., 2000).
Por ser menos solúvel, a metahemoglobina precipita-se, formando corpúsculos de Heinz
ou depositando-se nas paredes celulares dos eritrócitos, tornando-as frágeis e propensas
a sofrer hemólise intra e extravascular (TANG et al., 2008). Dentre as toxinas, citam-
se alicinas e ajoenes presentes no alho (MARTIN et al., 1992) e sulfóxidos e sulfetos
61
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
orgânicos alifáticos, dos quais acredita-se que o “n-propil dissulfeto” seja a principal toxina
redutora da atividade da enzima glicose-6-fosfato desidrogenase nas células sanguíneas,
interferindo na regeneração da glutationa reduzida, necessária para prevenir a desnaturação
oxidativa das hemoglobinas (THRALL et al., 2004). A substância 2-propil-tiossulfato
de sódio, isolada de cebolas aquecidas, também promoveu efeito hemolítico quando
testada em cães experimentalmente (YAMATO et al., 2003). Cães das raças japonesas
Akita e Shiba são mais suscetíveis à intoxicação por cebolas por apresentaram elevada
quantidade de eritrócitos hereditários e baixos níveis de glutationa e potássio séricos
(YAMATO; MAEDE, 1992). Felinos são mais propensos à oxidação eritrocitária, pois sua
hemoglobina contém oito grupos sul drila, ao invés de dois grupos, presente em outros
mamíferos, e, além disso, seu baço é menos e ciente em ltrar hemácias dani cadas no
uxo sanguíneo que nas demais espécies (CHRISTOPHER et al., 1990).
Sinais clínicos: Os sinais clínicos típicos da intoxicação pela ingestão acidental de
cebola e alho nos animais são gastroentéricos, como vômito, diarreia, dores abdominais,
perda de apetite, além de desidratação e depressão. Em rupturas de eritrócitos, sinais típicos
da anemia hemolítica são observados, como mucosas pálidas, di culdade respiratória
com aumento na frequência cardiorrespiratória, pulso fraco, letargia e hemoglobinúria
(LEE et al., 2000; HANDL; IBEN, 2010; KANG; PARK, 2010). A ingestão acidental
de 60g de alho assado em um cão da raça Schnauzer desencadeou palidez nas mucosas
e hipertensão sistólica, resultante de falhas cardíacas, que complicaram em hemólise
com formação de metahemoglobina, isto é, hemoglobina incapaz de se ligar ao oxigênio
(KANG; PARK, 2010).
Diagnóstico e exames complementares: O diagnóstico da intoxicação por cebolas
e alhos pode ser feito pela anamnese relacionada à ingestão dos vegetais, bem como pela
presença de corpúsculos de Heinz no esfregaço sanguíneo (HANDL; IBEN, 2010). Os
exames hematológicos frequentemente revelam anemia regenerativa, elevada quantidade
de metahemoglobina, além de ruptura de hemácias ao exame direto do esfregaço
sanguíneo, bem como excentrócitos, que se caracterizam por apresentarem hemoglobina
concentrada em um dos polos dos eritrócitos (LEE et al., 2000; HANDL; IBEN, 2010).
Achados clínicos de trombocitose e leucograma do estresse são relatados na ingestão
acidental de alho por cães, com neutro lia e linfopenia (KANG; PARK, 2010).
Alterações anatomopatológicas: Achados de necropsia não são específicos,
embora normalmente indiquem anemia hemolítica sem evidenciar alterações a nível
gastrointestinal, devido ao intervalo de vários dias entre a ingestão de vegetais do
gênero Allium e o desenvolvimento de sinais clínicos da intoxicação. À histopatologia,
pode-se observar deposição de hemossiderina em células fagocíticas do fígado, baço e
epitélio tubular renal, além de necrose pigmentar e cilindros hemáticos nos túbulos renais
(BURROWS; TYRL, 2001).
Tratamento: Deve-se esvaziar o trato gastrintestinal e adotar terapias de suporte,
principalmente fluidoterapia com Ringer Lactato e oxigenioterapia contínua. Se
necessário, considerar transfusão sanguínea e drogas antioxidantes, como vitamina E e
acetilcisteína, principalmente para felinos, a m de evitar formação de corpúsculos de
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
62
Heinz e injúrias oxidativas, sendo que estas medidas resultam em prognóstico favorável,
e os padrões hematológicos tendem a voltar ao normal em cerca de 4 meses (HILL et al.,
2001; HANDL; IBEN, 2010; KANG; PARK, 2010).
CHOCOLATES, CHÁS E CAFÉS
Cães e gatos podem se intoxicar por alimentos que contenham elevados teores
das metilxantinas teobromina (3,7-dimetilxantina) e cafeína (1,3,7-trimetilxantina),
componentes abundantes em chocolates à base de cacau (Theobroma cacao), chás
derivados da planta Camellia sinensis L., cafés (Coffea arabica) e bebidas à base de Cola,
entre outras fontes (STIDWORTHY et al., 1997; ALBRETSEN, 2004; CARSON, 2006;
GWALTNEY-BRANT, 2013). Embora não há relatos de intoxicação por ingestão de cafés
e chás em cães e gatos na literatura veterinária, tais alimentos devem ser mantidos longe
do alcance dos animais por conterem componentes tóxicos, sendo que existem relatos de
intoxicação por ingestão de remédios humanos contendo cafeína (HANDL; IBEN, 2010).
Os efeitos tóxicos dependem da dosagem, tamanho do animal e teor de metilxantinas
no alimento, pois chocolates à base de leite contêm menor teor de cacau que chocolates
meio-amargos, e são considerados menos tóxicos (GWALTNEY-BRANT, 2013). Doses
letais mínimas capazes de matar até 50% dos cães (DL50) são descritos entre 140-150
mg/kg para cafeína (ALBRETSEN, 2004) e entre 250-500 mg/kg para teobromina
(ALBRETSEN, 2004; CARSON, 2006). Por sua vez, a DL50 em gatos é descrita nas
doses de 80-150 mg/kg para cafeína e 200 mg/kg para teobromina (ALBRETSEN,
2004). Entretanto, sinais clínicos gastrintestinais podem surgir em cães que ingeriram
20 mg/kg de cafeína e teobromina; efeitos cardiotóxicos podem ocorrem a 40-50 mg/
kg, ao passo que convulsões podem surgir em dosagens igual ou superior a 60 mg/kg
(GWALTNEY-BRANT, 2013).
Mecanismo de toxicidade: As metilxantinas inibem competitivamente os receptores
de adenosina celulares, resultando em estimulação do sistema nervoso central (SNC),
diurese e taquicardia. Ainda, provocam in uxo de cálcio às células e inibem seu sequestro
pelo retículo sarcoplasmático dos músculos, resultando em aumento da contratilidade
muscular esquelética e cardíaca, devido ao aumento dos níveis de cálcio intracelular
(STIDWORTHY et al., 1997; ALBRETSEN, 2004). Além disso, podem competir com
os receptores benzodiazepínicos no SNC e inibir a enzima fosfodiesterase, resultando em
aumento dos níveis de adenosina monofostato cíclico (AMPc) (GWALTNEY-BRANT,
2013). Uma vez absorvidas no trato gastrintestinal, são metabolizadas no fígado através
das reações de conjugação. Os cães são mais sensíveis à intoxicação por metilxantinas por
apresentarem lenta eliminação em comparação às outras espécies. Ainda, as metilxantinas
são capazes de atravessar as barreiras hematoencefálica e placentária e atingir níveis
nestes locais, o que pode ser preocupante (CARSON, 2006).
Sinais clínicos: Diarreia, vômitos, hiperatividade, tremores, fraqueza, taquicardia,
hipertermia e intensa vocalização são relatados entre 6 a 12 horas após ingestão
(STIDWORTHY et al., 1997; ALBRETSEN, 2004), além de mortes. Dor abdominal,
63
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
poliúria, taquipneia, arritmias cardíacas, convulsão, poliúria e desidratação podem ocorrer
(ALBRETSEN, 2004). A alta quantidade de gordura presente no chocolate pode provocar
pancreatite em animais suscetíveis (GWALTNEY-BRANT, 2013).
Diagnóstico e exames complementares: O diagnóstico é realizado pelo histórico
de exposição a alimentos contendo metilxantinas e pela presença de sinais clínicos
compatíveis, bem como achados de chocolate no conteúdo da lavagem gástrica
(GWALTNEY-BRANT, 2013). As metilxantinas podem ser detectadas no soro, plasma,
tecido hepático, urina e conteúdo estomacal através da cromatogra a líquida de alta
e ciência (CLAE) (STIDWORTHY et al., 1997).
Alterações anatomopatológicas: Achados post mortem não são específicos,
entretanto, hiperemia, hemorragias ou congestão em diversos órgãos podem ocorrer,
assim como edema ou congestão pulmonar devido às severas arritmias. Ainda, chocolates
ou cascas de cacau ingeridas, podem estar presentes no trato gastrintestinal durante a
necropsia (GWALTNEY-BRANT, 2013).
Tratamento: É essencial a estabilização dos sinais clínicos dos animais intoxicados
por metilxantinas. Para os tremores e/ou convulsões leves, indica-se metocarbamol
(50-220 mg/kg) pela via intravenosa (IV) lenta sem ultrapassar 330 mg/kg/dia; ou
diazepam (0,5-2 mg/kg, IV lenta), sendo que no caso de convulsões severas é indicado
o uso de barbitúricos. Nos casos de arritmias, é indicado metoprolol (0,2-0,4 mg/kg,
IV lenta) nas taquiarritmias; atropina (0,01-0,02mg/kg) nas bradiarritmias; e lidocaína
(1-2mg/kg, IV, seguido de infusão intravenosa à velocidade de 0,025-0,08 mg/kg/min
para manutenção do efeito) nas taquiarritmias ventriculares refratárias. Entretanto,
lidocaína não está recomendada para a utilização em felinos. Para promover maior
excreção urinária das metilxantinas, reforça-se a uidoterapia. Uma vez estabilizados
ou em animais que surgiram efeitos leves logo após ingestão do produto tóxico, a
descontaminação deve ser feita a partir da indução à emese, que pode ser realizada
com peróxido de hidrogênio, porém, em animais sedados devido a convulsões, pode-
se considerar lavagem gástrica. Metoclopramida (0,2-0,4 mg/kg) por via subcutânea
(SC) ou intramuscular (IM) pode ser administrada para controlar vômitos, bem como
carvão ativado (1-4 g/kg) pela via oral (VO), por adsorver os componentes tóxicos,
devendo-se repetir a cada 12 horas enquanto persistirem os sinais, devido à recirculação
enterohepática das metilxantinas. Outros tratamentos sintomáticos incluem correção
do desequilíbrio ácido-base, controle da temperatura e monitoramento cardíaco através
de eletrocardiograma. Em casos severos, os sinais podem persistir por até 72 horas
(CARSON, 2006; GWALTNEY-BRANT, 2013).
FRUTOS E CONSTITUINTES
Abacate
Potencialmente tóxico para diversas espécies animais, o abacate (Persea
americana) pode causar intoxicação através da ingestão das folhas, semente, bem
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
64
como da polpa da fruta (HANDL; IBEN, 2010). Relatos de intoxicação em cães e gatos
são escassos, entretanto, um relato de dois cães que apresentavam predileção pela fruta
e desenvolveram sinais de intoxicação, reforça o risco da ingestão da fruta à saúde
dos animais (BUORO et al., 1994), embora os cães parecem ser mais resistentes em
comparação às demais espécies animais (GWALTNEY-BRANT, 2013). Doses letais
são desconhecidas e não foram encontrados relatos de intoxicação em felinos.
Mecanismo de toxicidade: Embora ainda desconhecido, acredita-se que a toxina
fungicida denominada persina ([Z,Z]-1-[acetyloxy]-2-hydroxy-12,15-heneicosadien-
4-on) seja responsável em desencadear acúmulo de líquido nos pulmões, di cultando
a respiração, a qual priva a oxigenação adequada (OELRICHS et al., 1995). Fluidos
podem se acumular nos tecidos como coração, pâncreas e na cavidade abdominal
(BUORO et al., 1994). Ainda, por ser rico em gordura, a ingestão de alta quantidade
de abacate pode levar à pancreatite (GWALTNEY-BRANT, 2013).
Sinais clínicos: Cães intoxicados apresentaram dispneia, abaulamento abdominal,
ascite, anasarca, efusão pleural e pericárdica com edema pulmonar (BUORO et al.,
1994). Irritação gastrintestinal, vômitos, diarreia, letargia e taquicardia podem surgir
em até 24 horas após a ingestão da fruta, além de morte e, embora não relatado em
cadelas e gatas, mamíferos lactantes podem apresentar edema de glândula mamária
e produzir leite com aspecto alterado (HANDL; IBEN, 2010).
Diagnóstico e exames complementares: Histórico recente de exposição a
abacates e presença de sinais clínicos compatíveis são sugestivos, devendo-se realizar
exames complementares, como bioquímica sérica para detectar elevação das enzimas
fosfatase alcalina, alanina aminotransferase e lactato desidrogenase; hemograma para
detecção de ligeira leucocitose e neutrofília, e urinálise para proteinúria (BUORO et
al., 1994). Porém, não há testes especí cos que comprovem a intoxicação (HANDL;
IBEN, 2010).
Alterações anatomopatológicas: Em animais com insu ciência cardíaca, a
toxina persina provoca necrose do miocárdio, edema pulmonar, congestão de pulmões
e fígado, podendo apresentar uidos na cavidade torácica e abdominal (GWALTNEY-
BRANT, 2013). In ltrados mononucleares no miocárdio, fígado e rins podem estar
presentes (BUORO et al., 1994), assim como degeneração e necrose das bras
miocárdicas, em especial nos septos e nas paredes ventriculares. A nível de glândula
mamária, degeneração e necrose do epitélio secretor podem ser encontrados, com
presença de edema intersticial e hemorragia (GWALTNEY-BRANT, 2013).
Tratamento: Na intoxicação por abacate, a terapia é sintomática, sendo
recomendado diuréticos, drogas antiarrítmicas, entre outros, dependendo do
quadro clínico. Anti-in amatórios não esteroidais e analgésicos são recomendados
para animais com in amação na glândula mamária ou mastites (HANDL; IBEN,
2010).
65
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
Nozes-de-macadâmia
Presente em bolachas cookies e manteigas à base deste fruto seco
(KOVALKOVIČOVÁ et al., 2009), as intoxicações por nozes do gênero Macadamia
sp., conhecidas por nozes de macadâmia, já foram relatadas somente na espécie
canina (GWALTNEY-BRANT, 2013), cujas doses tóxicas variam de 2,4 a 64,2 g/kg,
podendo ocorrer sinais clínicos em cães com ingestão mínima de nozes, enquanto
outros demonstraram sinais após ingerir grande quantidade de nozes (HANSEN et
al., 2000).
Mecanismo de toxicidade: Embora ainda desconhecido, acredita-se que o
mecanismo possa estar envolvido com constituintes tóxicos presentes no fruto, ou
ainda devido à contaminação por micotoxinas durante o processamento dos produtos
contendo as nozes (KOVALKOVIČOVÁ et al., 2009).
Sinais clínicos: A toxina desconhecida presente nas nozes de macadâmia provoca,
inicialmente, letargia e fraqueza, com frequentes di culdades motoras, que evoluem
para inchaços nos membros, principalmente posteriores, tremores, dispneia, vômitos,
dor abdominal, permanência em decúbito, hipertermia, taquicardia, podendo surgir
pancreatite e reações alérgicas (HANSEN et al., 2000; KNOTT et al., 2008).
Diagnóstico e exames complementares: A identi cação das nozes de macadâmia
pode ser feita quando presente nos vômitos ou fezes. Exames bioquímicos indicam
elevações transitórias leves em triglicerídeos, lipases e fosfatase alcalina, com rápido
retorno aos valores siológicos em 48 horas, após a administração das nozes em cães
experimentalmente testados (HANSEN et al., 2000), sendo a maioria dos casos em no
máximo 24 horas (HANSEN, 2002).
Alterações anatomopatológicas: Alterações histopatológicas não foram relatadas,
não havendo registros de óbitos em cães intoxicados por nozes de macadâmia (HANDL;
IBEN, 2010).
Tratamento: Para os cães assintomáticos com histórico de ingestão recente de
até 2 g/kg de nozes de macadâmia, a indução ao vômito é recomendada, podendo
utilizar também carvão ativado nas ingestões de grandes quantidades. Para cães com
sinais de intoxicação, a recuperação completa tende a ocorrer, mesmo sem tratamento
especí co (GWALTNEY-BRANT, 2013). Em um cão da raça Golden Retriever com
sinais de incapacidade de locomoção e de permanecer em estação e com ausência dos
re exos espinhais nos membros posteriores, houve recuperação completa dos sinais
em 24 horas após uidoterapia com solução de Ringer intravenoso em gotejamento na
velocidade de 132 ml/h (HANDL; IBEN, 2010). Para aqueles severamente afetados, o
tratamendo de suporte com uidoterapia, analgésicos e antitérmicos deve ser adotado
(GWALTNEY-BRANT, 2013).
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
66
Uvas e passas
Nos últimos anos, diversos relatos têm atribuído a ingestão de uvas e passas (Vitis
vinifera) a intoxicações alimentares em cães, com casos fatais em animais que ingeriram
a fruta em quantidades de 10-57g/kg (EUBIG et al., 2005; MORROW et al., 2005;
CAMPBELL, 2007). Sutton et al. (2009) descreveram 168 casos de intoxicação por
Vitis vinifera em cães que ingeriram uvas e/ou passas sobre a forma bruta ou presentes
em tortas, chocolates, bolos de frutas ou barras de cereais, cujas quantidades ingeridas
variaram de duas uvas a 2 kg de uvas.
Mecanismo de toxicidade: Embora ainda desconhecido, diversas hipóteses têm sido
descritas para explicar o potencial tóxico de Vitis vinifera, os quais incluem intolerância
de cães aos taninos presente na fruta (SINGLETON, 2001), presença de micotoxinas,
pesticidas ou metais pesados (GWALTNEY-BRANT et al., 2001), sobrecarga de açúcar
presente, levando os animais ao choque (SINGLETON, 2001), reações idiossincráticas
por diferenças enzimáticas (MAZZAFERRO et al., 2004) ou excesso de vitamina D
(GWALTNEY-BRANT et al., 2001). Embora a toxicidade aumente quanto maior a
ingestão de uvas, a variabilidade na tolerância dos cães para as frutas do gênero Vitis é
grande e independe do sexo, idade ou raça, uma vez que alguns cães foram a óbito após
ingestão de poucas quantidades de uva, e outros permaneceram assintomáticos, mesmo
após ingerir 1 kg da fruta (SUTTON et al., 2009).
Sinais clínicos: Os sinais clínicos tornam-se aparentes em até 24 horas após ingestão
da fruta e se caracterizam principalmente por vômitos, além de diarreia, anorexia, dor
abdominal, desidratação, fraqueza, tremores e letargia (GWALTNEY-BRANT et al., 2001;
EUBIG et al., 2005; MORROW et al., 2005; SUTTON et al., 2009). Alguns cães podem
apresentar sinais de oligúria ou anúria e polidipsia entre 24 a 72 horas, caracterizando
falha ou insu ciência renal (EUBIG et al., 2005; MORROW et al., 2005; CAMPBELL,
2007; SUTTON et al., 2009; HANDL; IBEN, 2010).
Diagnóstico e exames complementares: O diagnóstico da intoxicação por uva
ou passas é somente possível pela história de ingestão da fruta pelo proprietário e pela
identi cação das frutas no conteúdo de vômito, fezes ou da lavagem gástrica (SUTTON
et al., 2009; HANDL; IBEN, 2010). Achados laboratoriais incluem aumento da contagem
de células brancas (CAMPBELL, 2007), proteinúria, glicosúria, hematúria microscópica
e, raramente, cristalúria. A bioquímica sérica demonstra frequentemente elevações de
ureia, creatinina, glicose, cálcio, fósforo e enzimas hepáticas (MORROW et al., 2005;
CAMPBELL, 2007; SUTTON et al., 2009; HANDL; IBEN, 2010). Elevação de enzimas
pancreáticas, como amilase, foram relatadas (EUBIG et al., 2005; CAMPBELL, 2007)
e, segundo Eubig et al. (2005), dos 43 cães que apresentaram sinais toxicológicos
após ingestão de uvas, mais de 90% apresentaram relação alta de cálcio e fósforo e
hiperfosfatemia.
Alterações anatomopatológicas: Como a intoxicação por uvas provoca alteração
renal, o achado histopatológico mais consistente é a necrose no túbulo proximal renal
(EUBIG et al., 2005; MORROW et al., 2005). Cães que ingeriram 3g/kg de matéria
67
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
seca de uva ou passas apresentaram degeneração e/ou necrose, principalmente no
túbulo contorcido proximal, com membranas basais remanescentes intactas, podendo
ocorrer regeneração epitelial e calci cação renal; alterações hepáticas caracterizadas
por congestão centro-lobular e diferentes graus de injúria hepatocelular com estase
biliar intra-hepática já foram descritas (MORROW et al., 2005).
Tratamento: Todo animal que tiver ingerido uvas ou passas ou estiver sobre
suspeita de ingestão, deve ser hospitalizado e tratado, devido à alta mortalidade descrita,
que ca em 50 a 75% dos casos (CAMPBELL; BATES, 2003). Dentre as principais
recomendações terapêuticas, está a uidoterapia intravenosa agressiva nas primeiras
48 horas, a m de reidratar e manter a função renal (CAMPBELL, 2007), devendo
ser realizada imediatamente naqueles animais que apresentarem vômitos e/ou diarreia
espontânea em até 12 horas (GWALTNEY-BRANT, 2013). É indicada a desintoxicação
do trato gastrintestinal com eméticos ou lavagem gástrica (CAMPBELL, 2007). Emese
pode ser induzida com peróxido de hidrogênio a 3% (2 ml/kg, não ultrapassando os 45
ml), seguido de carvão ativado (GWALTNEY-BRANT, 2013), que pode ser bené co,
mas deve-se ter cuidado para garantir que ruídos intestinais estejam presentes antes
de sua administração (CAMPBELL, 2007). Na persistência de vômitos espontâneos,
antieméticos devem ser fornecidos, como metoclopramida (0,5-1 mg, via SC ou
IM a cada 6-8 horas ou 1-2 mg/kg, via IV, a cada 24 horas) (CAMPBELL, 2007;
HANDL; IBEN, 2010). O monitoramento da função renal e do balanço eletrolítico
deve ser feita durante a uidoterapia nas primeiras 72 horas após ingestão da fruta
(CAMPBELL, 2007). Para os cães oligúricos, a produção urinária pode ser estimulada
através da dopamina (0,5-3 μg/kg/minuto, via IV) e/ou furosemida (2 mg/kg, via IV)
(GWALTNEY-BRANT, 2013) ou manitol (0,25-0,5 g/kg, via IV, por 5-10 minutos)
(CAMPBELL, 2007). Entretanto, em casos de anúria persistente por vários dias, o
prognóstivo é desfavorável, mesmo na realização de diálise peritoneal ou hemodiálise
(GWALTNEY-BRANT, 2013).
Balas, confeitos e outros alimentos contendo xilitol
Presente em algumas frutas, como uva e morango, o xilitol é um poliálcool
utilizado como edulcorante em diversos produtos industrializados, como balas, gomas de
mascar, confeitos, compotas, caramelos, chocolates, geleias, pudins, entre outros, devido
ao sabor adocicado com baixo valor energético, além de cremes dentais e soluções para
lavagem bucal (MUSSATO; ROBERTO, 2002). O primeiro relato de intoxicação por
xilitol ocorreu em um cão da raça Labrador Retriever de nove meses de idade, que
havia ingerido cerca de 100 unidades de gomas de mascar sem açúcar, contendo 70%
de xilitol, cuja dose tóxica é medida em cerca de 3 g/kg (DUNAYER, 2004). A dose
tóxica descrita em cães é entre 0,15 a 16 g/kg (DUNAYER; GWALTNEY-BRANT,
2006), sendo a dose superior 0,5 g/kg considerada um risco para o desenvolvimento
de hepatotoxicidade (DUNAYER, 2006). Embora não provoque alterações dos níveis
de insulina ou de glicose sanguínea em humanos (DUNAYER, 2004), a ingestão de
produtos contendo xilitol pode provocar uma rápida hipoglicemia desencadeada pela
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
68
liberação de insulina em cães, podendo levar à morte (COPE, 2004; CAMPBELL;
BATES, 2008; KOVALKOVIČOVÁ et al., 2009).
Mecanismo de toxicidade: O mecanismo de toxicidade do xilitol, ainda está
desconhecido (DUNAYER, 2004; DUNAYER; GWALTNEY-BRANT, 2006).
Sinais clínicos: Presença de vômitos, depressão, ataxia, tremores e colapso em até
30 minutos após a ingestão do xilitol (DUNAYER; GWALTNEY-BRANT, 2006). Alguns
cães intoxicados apresentaram petéquias generalizadas, equimoses e hemorragias do trato
gastrintestinal (DUNAYER; GWALTNEY-BRANT, 2006).
Diagnóstico e exames complementares: Além da severa hipoglicemia, hipocalemia
e disfunção hepática são observados em exames complementares (DUNAYER, 2004;
DUNAYER; GWALTNEY-BRANT, 2006). Atividade sérica moderada e severamente alta
de enzimas hepáticas foram observados, além de hiperfosfatemia, hiperbilirrubinemia e
trombocitopenia ao exame sanguíneo, com tempo de coagulação prolongado (DUNAYER;
GWALTNEY-BRANT, 2006).
Alterações anatomopatológicas: Severa necrose hepática, perda dos hepatócitos e
atro a colapso lobular podem ser observados na necropsia (DUNAYER; GWALTNEY-
BRANT, 2006).
Tratamento: A indução ao vômito é recomendada logo após a ingestão do
produto contendo xilitol e antes dos sinais clínicos surgirem, podendo administrar
pequenas quantidade de açúcares por via oral. Entretanto, após o aparecimento dos
sinais clínicos, o tratamento de suporte com solução de Ringer dextrose intravenoso
deve ser administrado para controlar a hipoglicemia, devendo-se tratar o paciente para
hipocalemia, se necessário. O tratamento deve ser continuado até que os níveis de
glicemia retornem ao normal (DUNAYER, 2004; DUNAYER; GWALTNEY-BRANT,
2006; KOVALKOVIČOVÁ et al., 2009). Embora a ligação do carvão ativado ao xilitol
seja baixa, o mesmo pode ser utilizado em cães com alta exposição a produtos contendo
xilitol (COPE, 2004). Para proteger o fígado de maiores danos, sugere-se a inclusão de
terapia a base de N-acetilcisteína, S-adenosil-L-metionina, silimarina, bem como vitamina
E e C (DUNAYER, 2004).
Alimentos contendo sal
Embora seja rara a ocorrência de hipernatremia pela ingestão excessiva de sal
(HANDL; IBEN, 2010), essa intoxicação tende a ocorrer em animais com privação à
água potável (SPINOSA et al., 2008). Conforme relatos de intoxicação em cães, também
já foram observados sinais de toxicidade por ingestão de massa de modelar caseira
contendo elevadas quantidades de sal (KHANNA et al ., 1997; BARR et al., 2004),
bem como ingestão excessiva de água salgada do mar (CHEW, 1969). Considera-se 2
mg/kg de peso a dose tóxica mínima de cloreto de sódio, sendo 4 mg/kg a dose mínima
letal (BARR et al., 2004). A intoxicação por sal já ocorreu pelo seu uso como emético
em uma cadela da raça Pinscher, que recebeu 100 g de sal após ingestão de chocolate,
69
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
a qual apresentou sinais de insu ciência renal e cardiomiopatia dilatada irreversível
(POUZOT et al., 2007).
Mecanismo de toxicidade: A alta concentração de sal no organismo provoca
aumento da pressão osmótica que, por sua vez, desencadeia a saída de água das
células para o sangue, resultando em hipervolemia e, consequente, edema em caso de
incapacidade do corpo em reverter o volume adicional (MARKS; TABOADA, 1998).
Ainda, as mucosas do trato gastrintestinal são irritadas na presença de cloreto de
sódio, ocasionando úlceras e sangramentos (KHANNA et al., 1997). O íon sódio em
concentração superior à 155 mEq/L na corrente sanguínea difunde-se passivamente para
o líquido cefalorraquidiano (SPINOSA et al., 2008), provocando inibição da glicólise
anaeróbica, assim como da produção de energia para os neurônios. Entretanto, em
caso de nova diminuição do nível de sódio no cérebro, a água pode uir para o uido
cefalorraquidiano, causando edema cerebral (BARR et al., 2004).
Sinais clínicos: Sinais clínicos de letargia, vômito, diarreia, taquicardia, taquipneia,
dispneia, hipertemia, mioclonia, poliúria, ataxia, tremores, convulsões e até mesmo
morte podem surgir em período entre 24 e 48 horas (CHEW, 1969; BARR et al., 2004;
POUZOT et al., 2007; SPINOSA et al., 2008; HANDL; IBEN, 2010). Embora exista
tratamento, a morte ocorre em aproximadamente 50% dos animais intoxicados pelo
cloreto de sódio (SPINOSA et al., 2008).
Diagnóstico e exames complementares: Em geral o diagnóstico baseia-se no
histórico de ingestão de excesso de cloreto de sódio e no exame bioquímico que
comprove hipernatremia com ausência de sinal de desidratação (HANDL; IBEN, 2010).
Na análise do líquido cefalorraquidiano, podem ser encontradas altas concentrações de
cloreto de sódio (SPINOSA et al., 2008).
Alterações anatomopatológicas: Embora possa ocorrer ausência de lesões
especí cas, achados de necropsia podem demonstrar presença de congestão e ulcerações
na mucosa gástricas, fezes escurecidas, líquidas ou ressecadas, edema dos músculos
esqueléticos e edema cerebral, podendo apresentar necrose inicial e hidropericárdio
(SPINOSA et al., 2008).
Tratamento: É de extrema importância fornecer água fresca imediatamente e em
pequenas quantidades, de forma regular, pois a ingestão de altas quantidades de água de
uma só vez pode piorar o quadro de intoxicação, levando ao edema cerebral (SPINOSA
et al., 2008). Em caso de ingestão recente de até 30 minutos, o vômito deve ser induzido,
não parecendo ser e ciente o uso do carvão ativado. Entretanto, em caso de ingestão de
sal há horas, ou presença de sinais clínicos, a terapia intensiva deve ser imediata, com
objetivo primário de eliminar o excesso de sódio no organismo através de infusão com
soluções de dextrose a 5% por via endovenosa, além de diuréticos, como furosemida,
para aumentar a excreção de sódio e evitar edema (BARR et al.,2004). Entretanto,
alguns autores citam que a uidoterapia e o uso de diuréticos tem se mostrado pouco
e cientes nessa intoxicação (SPINOSA et al., 2008). De qualquer forma, recomenda-se
monitorar cuidadosamente os eletrólitos sanguíneos e a pressão arterial, assim como
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
70
administrar antieméticos e protetores gástricos, devido ao efeito ulcerativo do cloreto
de sódio. Para as convulsões e hipertermia, administração de diazepam e o resfriamento
do paciente devem ser adotados, respectivamente (HANDL; IBEN, 2010).
Informações para consulta rápida dos alimentos de consumo humano com maiores
ocorrências de intoxicações em cães e em gatos foram compilados de acordo com as
doses tóxicas e respectivas características clínicas de intoxicação, bem como informações
laboratoriais e terapêuticas, conforme as referências consultadas (Tabela 1).
TABELA 1 – Guia de consulta rápida de alimentos humanos frequentemente relacionados às intoxicações
alimentares em caninos e felinos e respectivas informações clínicas, laboratoriais e terapêuticas, segundo
bibliogra a consultada.
Alimentos Dose
Tóxica Sinais
Clínicos Exames
Laboratoriais Conduta
Terapêutica Referências
Cebolas,
alhos, ce-
bolinha,
alho-poró
Superior
a 0,5% do
peso vivo
Vômito, diarreia,
mucosas pálidas,
dispneia, taquicar-
dia, pulso fraco,
desidratação, etc.
Anemia regenerativa,
corpúsculos de Heinz,
metahemoglobina, trom-
bocitose, linfopenia, etc.
Fluidoterapia com
Ringer Lactato,
oxigenioterapia,
vitamina E, acetil-
cisteína.
Lee et al., 2000;
Hill et al., 2001;
Cope, 2005;
Kang e Park,
2010; Handl e
Iben, 2010.
Chocolates,
chás, cafés
e produtos
cafeinados
Superior a
20 mg/kg
Vômito, diarreia,
tremores, dor ab-
dominal, hiperativi-
dade, taquicardia,
hipertermia, etc.
Presença de metilxan-
tinas em soro, plasma,
tecido hepático, urina e
conteúdo estomacal.
Estabilização dos
sinais clínicos,
indução à emese,
carvão ativado,
controle da tempera-
tura, etc.
Stidworthy et al.,
1997; Albretsen,
2004; Carson,
2006; Gwaltney-
Brant, 2013.
Abacate Desconhe-
cida
Dispneia, abaula-
mento abdominal,
ascite, anasarca,
vômitos, diarreia,
taquicardia, letar-
gia, etc.
Aumento sérico de
fosfatase alcalina, al-
anina aminotransferase
e lactato desidrogenase;
leucocitose, neutro lia,
proteinúria.
Estabilização dos
sinais clínicos,
diuréticos, drogas
antiarrítmicas, etc.
Buoro et al.,
1994; Handl
e Iben, 2010;
Gwaltney-Brant,
2013.
Nozes-de-
Macadâmia
2,4 a 64,2
g/kg
Letargia, fraqueza,
tremores, ataxia,
inchaço nos mem-
bros, dispneia,
vômitos, taquicardia,
reação alérgica, etc.
Aumento sérico de
triglicerídeos, lipases e
fosfatase alcalina.
Indução à emese,
carvão ativado,
uidoterapia com
Ringer, analgésicos,
etc.
Hansen et al.,
2000; Hansen et
al., 2002; Knott
et al., 2008;
Handl e Iben,
2010.
Uvas e passas 10 a 57
g/kg
Vômitos, diar-
reia, dor abdomi-
nal, desidratação,
fraqueza, letargia,
oligúria, etc.
Aumento sérico de
ureia, creatinina, glicose,
cálcio, fósforo e enzimas
hepáticas e pancreáti-
cas; hiperfosfatemia,
leucocitose, proteinúria,
glicosúria, hematúria.
Fluidoterapia in-
travenosa, uso de
eméticos e/ou lava-
gem gástrica após
a ingestão recente;
antieméticos nos
vômitos espontâneos
persistentes; etc.
Campbell e
Bates, 2003; Eu-
big et al., 2005;
Morrow et al.,
2005; Campbell,
2007; Sutton et
al., 2009; Handl
e Iben, 2010;
Gwaltney-Brant,
2013.
Balas, con-
feitos, gomas
de mascar,
geleias e out-
ros alimentos
com xilitol
3 g/kg
Vômito, depressão,
ataxia, tremores,
colapsos, petéquias
generalizadas,
equimoses, etc.
Hipoglicemia,
hipocalemia, aumento
sérico de enzimas hepáti-
cas, fósforo e bilirrubina;
trombocitopenia, tempo
de coagulação prolon-
gado.
Indução à emese e
quantidades pequenas
e regulares de açúcar
via oral, na ausência
de sinais. Com sinais
clínicos, uidoterapia
com Ringer, carvão
ativado, etc.
Cope, 2004;
Dunayer, 2004;
Dunayer e
Gwaltney-Brant,
2006; Campbell
e Bates, 2008;
Kovalkovičová
et al., 2009.
71
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
Alimentos Dose
Tóxica Sinais
Clínicos Exames
Laboratoriais Conduta
Terapêutica Referências
Alimento rico
em sal 2 mg/kg
Letargia, vômitos,
diarreia, taquicardia,
taquipneia, ataxia,
hipertermia, con-
vulsões, etc.
Hipernatremia
Água potável em
pequenas quanti-
dades e regular-
mente e indução à
emese nas ingestões
recentes; uidot-
erapia com Ringer,
diuréticos, protetores
gástricos, etc.
Chew, 1969;
Barr et al., 2004;
Pouzout et al.,
2007; Spinosa et
al., 2008; Handl
e Iben, 2010;
Fonte: os autores (adaptado).
OUTROS ALIMENTOS
Alguns alimentos de origem animal também merecem destaque por provocarem
reações adversas quando ingeridos por cães e gatos. A baixa atividade da enzima lactase
em mamíferos adultos, pode provocar diarreia osmótica naqueles animais que ingerirem
altas quantidades de produtos contendo lactose (HANDL; IBEN, 2010). A quantidade
máxima diária de ingestão de lactose em lhotes é de até 5 g/kg de peso corporal, ao
passo que um cão adulto tolera até 2 g/kg de peso corporal (MEYER; ZENTEK, 2005).
Por sua vez, produtos lácteos fermentados são mais digeríveis, como queijo e iogurte
(HANDL; IBEN, 2010).
Alimentos como ovos podem ser fornecidos quando bem cozidos, entretanto,
deve-se evitar alimentar os animais com ovos crus, uma vez que a clara contém enzimas
inibidoras da tripsina, que é prejudicial à digestão proteica de cães e gatos, além de conter
avidina, substância que inibe a absorção da biotina, levando à de ciência desta vitamina
(HANDL; IBEN, 2010). Essencial para a síntese de ácidos graxos, aminoácidos, purinas
e ácidos nucleicos, a de ciência de biotina em cães e gatos provoca alterações a nível
tegumentar, além de sinais inespecí cos, como anorexia, perda de peso e até mesmo
quadros neurológicos (NOGUEIRA et al., 2010).
Dentre outros alimentos de origem vegetal, os caroços das frutas do gênero
Prunus sp., como maçãs, pêras, damascos, pêssegos e cerejas, não devem ser ingeridos
pelos animais quando se encontrem rachados ou abertos. Estes caroços contêm uma
substância glicosídea cianogênica denominada amigdalina, a qual, ao ser degradada
pelas enzimas digestivas, provoca a liberação do ácido cianídrico (HANDL; IBEN,
2010). A ingestão de cinco a 25 caroços pode provocar a intoxicação em animais
(FITZGERALD, 2006).
Ainda, tem sido relatado que a ingestão de feijões do gênero Phaseolus pode
provocar indigestão e danos à parede gastrintestinal, devido à presença de lectinas, taninos,
enzimas inibidoras da tripsina, glicosídeos cianogênicos, entre outros componentes
prejudiciais (HANDL; IBEN, 2010). Aipim e mandioca também contém glicosídeos
cianogênicos, devendo-se evitar o seu uso na forma crua na dieta de animais (HANDL;
IBEN, 2010).
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
72
CONCLUSÃO
Alimentos de consumo humano podem causar intoxicações em animais de
companhia e até mesmo levar ao óbito, devido às substâncias prejudiciais à saúde animal.
Devido ao desconhecimento dos perigos de alguns alimentos pelos proprietários, médicos
veterinários devem conhecer estes riscos a m de orientá-los corretamente, evitando o
fornecimento e bloqueando o acesso de cães e gatos a determinados alimentos, a m de
evitar intoxicações acidentais.
REFERÊNCIAS
ALBRETSEN, J. A. Methylxanthines. In: PLUMBLEE, K. H. Clinical Veterinary
Toxicology. Missouri: Mosby, 2004. p.323-326.
BARR, J. M. et al. Hypernatremia secondary to homemade play dough ingestion in dogs:
A review of 14 cases from 1998 to 2001. 2004. Journal of Veterinary Emergency and
Critical Care, v.14, n.3, p.196-202, 2004.
BUORO, I. B. J. et al. Putative avocado toxicity in two dogs. The Onderstepoort Journal
of Veterinary Research, v.61, n.1, p.107-109, 1994.
BURROWS, G. E.; TYRL, R. J. Toxic plants of North America. Ames: Iowa State Press,
2001. 1390p.
CAMPBELL, A. Grapes, raisins and sultanas, and other foods toxic to dogs. Companion
Animal, v.12, n.1, p.1-3, 2007.
CAMPBELL, A.; BATES, N. Raisin poisoning in dogs. Veterinary Record, v.152, n.12,
p.376, 2003.
CAMPBELL, A.; BATES, N. Xylitol toxicity in dogs. Veterinary Record, v.162, n.8,
p.254, 2008.
CARSON, T. Methylxanthines. In: PETERSON, M.E.; TALCOTT, P. A. Small Animal
Toxicology. 2.ed. Missouri : St. Louis, 2006. p.845-852.
CHEW, M. Salt poisoning in a boxer bitch. Veterinary Record, v.85, n.24, p.685-686, 1969.
CHRISTOPHER, M. M.; WHITE, J. G.; EATON, J. W. Erythrocyte pathology and
mechanisms of Heinz body-mediated hemolysis in cats. Veterinary Pathology, v.27, n.5,
p.299-310, 1990.
COPE, R. B. A screening study of xylitol binding in vitro to activated char-coal. Veterinary
and Human Toxicology, v.46, n.6, p.336-337, 2004.
COPE, R. B. Allium species poisoning in dogs and cats. Veterinary Medicine, v.100,
n.8, p.562-566, 2005.
DUNAYER, E. K. Hypoglycemia following canine ingestion of xylitol-containing gum.
Veterinary and Human Toxicology, v.46, p.87:88, 2004.
DUNAYER, E. K. New findings on the effects of xylitol ingestion in dogs. Veterinary
Medicine, v.101, p.791-798, 2006.
DUNAYER, E. K.; GWALTNEY-BRANT, S. M. Acute hepatic failure and coagulopathy
associated with xylitol ingestion in eight dogs. Journal of the American Veterinary Medical
Association, v.229, n.7, p.1113-1117, 2006.
73
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
EUBIG, P. A. et al. Acute renal failure in dogs after the ingestion of grapes or raisins: a
retrospective evaluation of 43 dogs (1992-2002). Journal of Veterinary Internal Medicine,
v.19, n.5, p.663-674, 2005.
FITZGERALD, K. T. Cyanide. In: PETERSON, M. E.; TALCOTT, P. A. Small Animal
Toxicology. 2.ed. Missouri: St. Louis, 2006. p.674-684.
GWALTNEY-BRANT, S. et al. Renal failure associated with ingestion of grapes or
raisins in dogs. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.218, n.10,
p.1555-1556, 2001.
GWALTNEY-BRANT, S. M. Food Hazards. In: The Merck Veterinary Manual Online.
Disponível em: http://www.merckmanuals.com/vet/toxicology.html. Acesso em 21 nov. 2013.
HANDL, S.; IBEN, C. Foodstuffs toxic to small animal – A review. The European Journal
of Companion Animal Practice, v.20, n.1, p.36-44, 2010.
HANSEN, S.R. Macadamia nut toxicosis in dogs. Veterinary Medicine, v.97, n.2, p.274-
276, 2002.
HANSEN, S. R. et al. Weakness, tremors, and depression associated with macadamia
nuts in dogs. Veterinary and Human Toxicology, v.42, n.1, p.18-21, 2000.
HILL, A. S.; O’NEILL, S.; ROGERS, Q. R. Antioxidant prevention of Heinz body
formation and oxidative injury in cats. American Journal of Veterinary Research, v.62,
n.3, p.370 –374, 2001.
KANG, M. H.; PARK, H. M. Hypertension after ingestion of baked garlic (Allium sativum)
in a dog. The Journal of Veterinary Medical Science, v.72, n.4, p.515-518, 2010.
KHANNA, C.; BOERMANS, H. J.; WILCOCK, B. Fatal hypernatremia in a dog from salt
ingestion. Journal of the American Animal Hospital Association, v.33, n.2, 113-117, 1997.
KNOTT, E. et al. Macadamia nut allergy. Journal of the European Academy of
Dermatology and Venereology, v.22, n.11, p.1394-1395, 2008.
KOVALKOVIČOVÁ, N. et al. Some food toxic for pets. Interdisciplinary Toxicology,
v.2, n.3, p.169-176, 2009.
LEE, K.W. et al. Hematologic changes associated with the appearance of eccentrocytes
after intragastric administration of garlic extract to dogs. American Journal of Veterinary
Research, v.61, n.11, p.1446-1450, 2000.
MARKS, S. L.; TABOADA, J. Hypernatremia and hypertonic syndromes. The Veterinary
Clinics of North America and Small Animal Practice, v.28, n.3 , p.533-543, 1998.
MARTIN, N.; BARDISA, L.; PANTOJA, C. Experimental cardiovascular depressant
effects of garlic (Allium sativum) dialysate. Journal of Ethnopharmacology, v.37, n.2,
p.145-149, 1992.
MAZZAFERRO, E. M. et al. Acute renal failure associated with raisin or grape ingestion
in 4 dogs. Journal of Veterinary Emergency and Critical Care, v.14, n.3, p.196-202, 2004.
MEYER, H.; ZENTEK, J. Nutrition of the dog. 5.ed. Stuttgart : Paul Parey, 2005. 37p.
MORROW, C. et al. Canine renal pathology associated with grape or raisin ingestion: 10
cases. Journal of Veterinary Diagnostic Investigation, v.17, n.3, p.223-231, 2005.
MUSSATO, S. I.; ROBERTO, I. C. Xilitol: edulcorante com efeitos benéficos para a saúde
humana. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v.38, n.4, p.401-413, 2002.
NOGUEIRA, S. P. et al. Dermatose responsiva à biotina em cão. Ciência Rural, v.40,
n.3, p.682-685, 2010.
Veterinária em Foco, v.11, n.1, jul./dez. 2013
74
OELRICHS, P. B. et al. Isolation and identification of a compound from avocado (Persea
americana) leaves which causes necrosis of the acinar epithelium of the lactating mammary
gland and the myocardium. Natural Toxins, v.3, n.5, p.344-349, 1995.
POUZOT, C. et al. Successful treatment of severe salt intoxication in a dog. Journal of
Veterinary Emergency and Critical Care, v.17, n.3, p.294-298, 2007.
ROBERTSON, J. E.; CHRISTOPHER, M. M.; ROGERS, Q. R. Heinz body formation in
cats fed baby food containing onion powder. Journal of the American Veterinary Medical
Association, v.212, n.8, p.1260-1266, 1998.
SINGLETON, V. L. More information on grape or raisin toxicosis. Journal of the
American Veterinary Medical Association, v.219, p.434-436, 2001.
SPINOSA, H. S.; GÓRNIAK, S. L.; PALERMO-NETO, J. Toxicologia aplicada à
medicina veterinária. Manole: Barueri, 2008. 942p.
STIDWORTHY, M. F. et al. Chocolate poisoning in dogs. Veterinary Record, v.141,
n.1, p.28, 1997.
SUTTON, N. M.; BATES, N.; CAMPBELL, A. Factors influencing outcome of Vitis
vinifera (grapes, raisins, currants and sultanas) intoxication in dogs. Veterinary Records,
v.164, n.14, p.430-431, 2009.
TANG, X.; XIA, Z.; YU, J. An experimental study of hemolysis induced by onion (Allium
cepa) poisoning in dogs. Journal of Veterinary Pharmacology and Therapeutics, v.31,
n.2, p.143-149, 2008.
THRALL, M. A. et al. Veterinary hematology and clinical chemistry. Williams & Wilkins:
Philadelphia, 2004. 618p.
XAVIER, F. G.; RIGHI, D. A.; DE SOUZA SPINOSA, H. Fatal poisoning in dogs and
cats – A 6-year report in a veterinary pathology service. Brazilian Journal of Veterinary
Research and Animal Science, v.44, n.4, p.304–309, 2007.
YAMATO, O. et al. Heinz body hemolytic anemia with eccentrocytosis from ingestion
of Chinese chive (Allium tuberosum) and garlic (Allium sativum) in a dog. Journal of the
American Animal Hospital Association, v.41, n.1 p.68-73, 2005.
YAMATO, O.; MAEDE, Y. Susceptibility to onion-induced hemolysis in dogs with
hereditary high erythrocyte reduced glutathione and potassium concentrations. American
Journal of Veterinary Research, v.53, n.1, p.134-137, 1992.
YAMATO, O. et al. Isolation and identification of sodium 2-propenyl thiosulfate from
boiled garlic (Allium sativum) that oxidizes canine erythrocytes. Bioscience, Biotechnology,
and Biochemistry, v.67, n.7, 1594-1596, 2003.
... Outros alimentos que também podem causar intoxicação em pets são alho, cebolinha, abacate, uvas e passas, chocolate, dentre outros (GIANNICO et al., 2014;LIRA et al., 2014;WALLER;CLEFF;MELLO, 2013). As intoxicações em pets por alimentos humanos são consequência do desconhecimento dos perigos que alguns alimentos podem representar, bem como da proximidade da convivência dos pets com os tutores/responsáveis, o que favorece o acesso e a ingestão desses alimentos tóxicos. ...
... Outros alimentos que também podem causar intoxicação em pets são alho, cebolinha, abacate, uvas e passas, chocolate, dentre outros (GIANNICO et al., 2014;LIRA et al., 2014;WALLER;CLEFF;MELLO, 2013). As intoxicações em pets por alimentos humanos são consequência do desconhecimento dos perigos que alguns alimentos podem representar, bem como da proximidade da convivência dos pets com os tutores/responsáveis, o que favorece o acesso e a ingestão desses alimentos tóxicos. ...
Article
O aumento da população pet no Brasil causou maior proximidade da convivência de gatos com o ser humano e a falta de conhecimento do proprietário quanto às particulares felinas pode favorecer a ocorrência de toxicoses. Assim, o presente estudo apresenta as principais causas de intoxicações em gatos registrados no Hospital Veterinário (Hovet) da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP), no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2021. Os resultados mostraram que a frequência de ocorrência anual de casos de intoxicações em gatos variou de 0,71% (5/704) a 2,68% (9/336), e os principais agentes responsáveis por intoxicações foram os praguicidas anticolinesterásicos, como carbamatos e organofosforados (50% - 48/96), e os medicamentos, em particular, os anti-inflamatórios não esteroidais (31,25% - 30/96). Houve casos em que não foi identificada a substância envolvida (7,29% - 7/96), o que dificulta a abordagem terapêutica. Em casos de urgência, devem ser inicialmente instituídas as medidas destinadas à manutenção das funções vitais do animal, e, posteriormente, de suporte ao animal. Nestes casos, é importante a realização do diagnóstico diferencial das possíveis causas de intoxicação de acordo com os sinais e histórico clínico, bem como a colheita de amostras para análise toxicológica.
Article
Animais com sinais clínicos de intoxicação são atendidos com cada vez mais frequência nas clínicas veterinárias do país e representam uma emergência clínica na maioria dos episódios. Com o objetivo de determinar os principais agentes tóxicos e a frequência das intoxicações em cães e gatos no município de Fortaleza e região metropolitana, esse estudo epidemiológico foi realizado em cem clínicas veterinárias com cem profissionais médicos veterinários acerca dos casos de intoxicação em cães e gatos ocorridos entre o período de janeiro de 2015 a dezembro de 2020. No período estudado foram registrados 9.951 casos. Desses, 7.039 casos foram de intoxicação em cães (70,7%) e 2.533 de intoxicação em gatos (25,5%). As principais categorias de agentes intoxicantes em ordem decrescente de prevalência foram alimentos (31,7%), pesticidas (25,5%), medicamentos (16,2%), animais venenosos e peçonhentos (14,5%), plantas tóxicas (4,6%), produtos de limpeza (3,7%) e drogas de abuso (2,9%). Diante disso, conclui-se que casos de intoxicação exógena permanecem frequentes na clínica médica de pequenos animais. Nesse contexto, foi possível delinear um perfil de alerta acerca dos casos de intoxicação em cães e gatos e salienta-se a importância da prática de métodos de prevenção de intoxicações em animais domésticos.
Article
Diversas patologias podem atingir os cães e afetar tanto a rotina do animal quanto a do seu dono. Fatores como raça, sexo e estação do ano podem intensificar o aparecimento de certas doenças. Este artigo teve como objetivo identificar a ocorrência das doenças registradas em cães atendidos em uma clínica veterinária no município de Poções – BA e verificar se fatores como raça, sexo e estação climática interferem no aparecimento de determinadas enfermidades. Para isso foram analisadas fichas de atendimentos durante os meses de outubro de 2016 a setembro de 2017. Dentre as doenças registradas as infecciosas, gastrointestinais e dermatológicas foram as mais frequentes. Com prevalência alta para erliquiose, verminose, cinomose, intoxicação alimentar, dermatite infecciosa e tumor venéreo transmissível (TVT). Foi verificado que os cães sem raça definida foram mais acometidos por erliquiose, enquanto os com raça definida por intoxicação alimentar seguida de erliquiose. Não existe predisposição sexual para as doenças: erliquiose, cinomose, intoxicação alimentar, TVT e verminose. Enquanto que a estação climática influenciou no aparecimento de doenças como doenças dermatológicas, erliquiose e TVT. Sugere-se realização de ações conscientizadoras para a população sobre medidas preventivas, principalmente para erliquiose e intoxicação alimentar a fim de diminuir o número de casos.
Article
Full-text available
A retrospective evaluation (1999 to 2004) of all 1,875 necropsies was performed at one Veterinary Pathology Service in Brazil with the aim of characterizing the cases of fatal poisonings in dogs and cats. During this period, 261 (13.9%) cases of dog or cat poisoning were identified. For all animals the exposures were of acute nature, caused by a single substance, occurred by ingestion and the most them were of intentional nature. The main agent was aldicarb responsible for 88.6% of the intoxications in dogs and 95.0% in cats. Other agents were anticoagulants (10.0% in dogs and 0.8% in cats), sodium monofluoracetate (1.4% in dogs) and no specified organic solvent (4.2% in cats).
Article
Full-text available
Objective: Description of a case series of 4 dogs with acute renal failure after ingestion of raisins or grapes.Case summary: Four dogs were presented with acute oliguric or anuric renal failure after a known ingestion of varying quantities of raisins or grapes. Prior to the onset of vomiting, all dogs were healthy, had no previous history of renal insufficiency, and had no exposure to other potentially nephrotoxic agents. This case series describes the clinical course and various treatment modalities used in the 4 dogs.New or unique information provided: This is the first report of clinical signs, treatment, and clinical outcome in dogs that developed renal failure after ingestion of raisins or grapes. The pathogenesis of nephrotoxicity associated with raisins and grapes remains unknown. Outcome was favorable in 2 out of the 4 cases of acute renal failure associated with raisin or grape ingestion in these dogs.
Article
Once thought to cause only hypoglycemia in dogs, this sugar substitute has recently been discovered to also produce acute, possibly life-threatening liver disease and coagulopathy. And the number of reported exposures to xylitol has been increasing.
Article
Objective: To correlate the sodium chloride dosage and the serum sodium concentration to clinical signs, to determine if the dosage of homemade play dough (and, therefore, sodium chloride) is the most reliable way to predict clinical signs and prognosis, and to review previously reported treatment options. Design: Retrospective case series. Animals: Fourteen dogs with a history of homemade play dough ingestion. Procedure: Cases were examined for each animal's signalment including body weight, age, approximate amount of play dough ingested, the estimated sodium chloride dosage, clinical signs, serum sodium concentration, and outcome when available. The literature was reviewed to determine pathophysiology and treatment regimens. Results: Twelve of 14 dogs (86%) that ingested homemade play dough showed clinical signs. Vomiting (9 of 14, 64%), polydipsia, and seizures (4 of 14 each, 29%) were the most common signs followed by polyuria, tremors (3 of 14 each, 21%), and hyperthermia (2 of 14, 14%). The lowest calculated dosage associated with objective clinical signs was 1.9 g/kg. Seizures were reported in all animals with serum sodium levels greater than 180 mEq/L. Conclusions and clinical relevance: Homemade play dough ingestion can be a serious and life-threatening problem. Many factors can contribute to the toxicity of homemade play dough. This study indicates that the serum sodium concentration is a more reliable indicator of the clinical course of the toxicity rather than the amount of play dough and, therefore, the dosage of sodium chloride ingested. Treatment should be based on a clinical evaluation of the patient and laboratory results, and consists of controlling seizures, reducing serum sodium concentrations slowly, and supportive care.
Article
Macadamia nuts are cultivated in the United States from Macadamia integrifolia and Macadamia tetraphylla trees commonly found in Hawaii. The commercially produced nuts are popular as party treats and as ingredients in cookies and candies. Each year, the ASPCA Animal Poison Control Center (APCC) receives calls concerning dogs consuming varying amounts of macadamia nuts (see boxed text). These relatively infrequent calls involve remarkably consistent findings and outcomes. Clinical signs From 1987 to 2001, the ASPCA APCC received 48 calls concerning dogs consuming macadamia nuts. Clinical signs commonly reported from most to least frequent were weakness, depression, vomiting, ataxia, tremors, and hyperthermia (Figure 1). 1 In 94% of cases from 1998 to 2001, dogs that had consumed macadamia nuts were reported to be showing at least one of these clinical signs (ASPCA APCC AnTox Medical Record Database: Unpublished data, 1987-2001). Clinical signs were reported over a wide dosage range. Based on ASPCA APCC data, weakness was reported after dogs ingested as little as 2.4 to as much as 62.4 g/kg. Vomiting was reported to occur after the ingestion of 7 to 62.4 g/kg. The mean amount of macadamia nuts ingested was estimated to be 11.7 g/kg (range 2.2 to 62.4 g/kg). The reported time from ingestion of nuts to development of clinical signs was less than 12 hours in 79% of the cases. 1 These clinical signs of toxicosis were reproduced in the laboratory after administering 20 g/kg (about 2 tsp/lb) of commercially prepared roasted macadamia nuts to four healthy dogs via a stomach tube. 1 The dogs developed marked weakness with the inability to stand on their rear legs by 12 hours after dosing. Extensive blood tests were performed, but only serum lipase activities were elevated. All dogs appeared normal within 48 hours. Tremors were not noted in the experimentally exposed dogs. The reports of tremors in the field cases were probably related to muscle weakness. 1
Article
Objective: To report successful treatment of severe salt intoxication and hypernatremia in a dog.Case summary: A 5-year-old intact female Doberman Pinscher was admitted to the intensive care unit with a history of seizures and coma. The owner had administered approximately 100 g of cooking salt to induce vomiting following ingestion of a nontoxic dose (10 g) of chocolate. Upon admission, the dog was comatose with intermittent seizures and vomiting. Diagnostic tests confirmed salt intoxication (Na: 200 mEq/L, Cl: 180 mEq/L) and metabolic acidosis (pH: 7.18; pCO2: 39 mmHg; HCO3: 14.3 mmol/L). Immediate treatment included intravenous fluid therapy, an anticonvulsant, antiemetic, diuretic, low molecular weight heparin, and supplemental oxygen. A fluid therapy protocol was initiated to decrease serum sodium concentration by approximately 2 mEq/L/hr. After 24 hours of intensive care, the patient regained consciousness and volume and acid-base abnormalities improved. The patient developed a variety of abnormal clinical signs as a result of the severe hypernatremia. After 5 days of treatment, the serum sodium concentration returned to the established reference range. The patient recovered completely in 10 days.New information provided: Severe hypernatremia due to salt ingestion is a rare condition in dogs. All dogs in previous case reports of salt intoxication have died. This case report is the first to report survival of a dog with severe salt intoxication.
Article
SIR, — The Veterinary Poisons Information Service (London) would like to warn veterinarians urgently about the hazard that xylitol, a sweetening agent, presents to dogs. It is found in some chewing gums and sweets, but recently has been marketed in the uk as a sugar substitute for use in baking.
Article
A 6-year-old, intact male Schnauzer was referred 2-days after accidental ingestion of baked garlic. Regenerative anemia (Hematocrit 22%) and the elevated methemoglobin (8.7%) concentration were detected upon hematological examination. Eccentrocytes, Heinz bodies and ruptured red blood cells were also noted on blood smear films, which were the results from the oxidative injury of the Allium species. The dog was hypertension (systolic mean 182 mmHg) concurrent with other clinical signs, such as vomiting and dark brown urination. Treatment with continuous oxygen, antioxidant drugs and antihypertensive therapy resulted in good progress. The dog was discharged 4 days after hospitalization. There were no remarkable findings in the follow up hematologic examination 24 days after discharge, but the dog still had a high blood pressure and continued on antihypertensive therapy. No recurrence was noted and the blood pressure returned to normal levels 4 months later.