ArticlePDF Available

O USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO APOIO AO ENSINO PRESENCIAL

Authors:

Abstract and Figures

This research aims to identify the perception of students of Accounting, Business and Economics of a public university from the state of Minas Gerais, in Brazil, in relation to the use of Moodle platform as an auxiliary resource to classroom learning. 1.063 students and 45 teachers participated of this research, 428 from the Accounting course, 498 from Business course and 349 from the Economics course. The questionnaires were applied in the 2013 school-year. The results suggest an underutilization of the platform, since most of students and professors declared accessing Moodle only to download files. This underutilization can be one of the responsible factors for the apparent dissatisfaction of these students with the platform’s quality and with the fact that most of them do not realize the advantages of this tool in the teaching-learning process. Although most students believe that the use of Moodle for classroom learning improves the quality of the professor’s work and increases the quality of subject, the professors do not know if the use of Moodle improves the student’s performance on the subject. Although there are difficulties in generalizing the research’s results to other graduate courses or other universities, these results can be useful to students, professors, education institutions and encouragement to research and development organizations to reconsider the use of Moodle on the classroom learning. This is relevant for the Brazilian context, since Moodle is the most used virtual environment on the higher education institution in Brazil.
No caption available
… 
No caption available
… 
Content may be subject to copyright.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
146
O USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO APOIO AO
ENSINO PRESENCIAL
Patrícia de Souza COSTA*
Laura de Souza MENDONÇA**
Resumo: O objetivo desta pesquisa é identificar a percepção dos
alunos dos cursos de Ciências Contábeis, Administração e Ciências
Econômicas de uma universidade pública mineira em relação à
utilização da plataforma Moodle como recurso auxiliar ao ensino
presencial. Participaram desta pesquisa 45 docentes e 1.063 alunos,
sendo 428 alunos do curso de Ciências Contábeis, 498 alunos do curso
de Administração e 349 alunos do curso de Ciências Econômicas. Os
questionários foram aplicados no ano letivo de 2013. Os resultados da
pesquisa sugerem uma subutilização da plataforma, uma vez que a
maioria dos alunos e dos professores declarou recorrer ao Moodle
apenas para download de arquivos. Essa subutilização pode ser um
dos fatores responsáveis pela aparente insatisfação dos alunos da
amostra com a qualidade da plataforma e com o fato de a maioria dos
alunos não perceber de maneira positiva as vantagens de utilização
dessa ferramenta no processo de ensino aprendizagem. Apesar da
maioria dos docentes acreditar que o uso do Moodle no ensino
presencial melhora a qualidade de trabalho do professor e aumenta a
qualidade da disciplina, eles afirmaram não saber se o uso do Moodle
melhorou o desempenho dos alunos na disciplina. Apesar da
* Professora Dra. da Faculdade de Ciências Contábeis (FACIC) da Universidade
Federal de Uberlândia (UFU); patricia@facic.ufu.br
**Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Uberlândia
(UFU); mendonca_laura@hotmail.com.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
147
dificuldade de generalização dos resultados desta pesquisa para outros
cursos de graduação ou outras universidades, os resultados desta
pesquisa podem ser úteis para alunos, professores, instituições de
ensino e órgãos de fomento repensarem a forma de utilização do
Moodle no ensino presencial. Isto é relevante no contexto brasileiro,
uma vez que o Moodle é um dos ambientes virtuais de aprendizagem
mais utilizado nas instituições de ensino superior brasileiras.
Palavras-chave: Moodle; AVA; Percepção; Ensino Presencial.
THE USE OF MOODLE PLATFORM AS A SUPPORT TO THE
CLASSRROM LEARNING
Abstract: This research aims to identify the perception of students of
Accounting, Business and Economics of a public university from the
state of Minas Gerais, in Brazil, in relation to the use of Moodle
platform as an auxiliary resource to classroom learning. 1.063 students
and 45 teachers participated of this research, 428 from the Accounting
course, 498 from Business course and 349 from the Economics
course. The questionnaires were applied in the 2013 school-year. The
results suggest an underutilization of the platform, since most of
students and professors declared accessing Moodle only to download
files. This underutilization can be one of the responsible factors for the
apparent dissatisfaction of these students with the platform’s quality
and with the fact that most of them do not realize the advantages of
this tool in the teaching-learning process. Although most students
believe that the use of Moodle for classroom learning improves the
quality of the professor’s work and increases the quality of subject, the
professors do not know if the use of Moodle improves the student’s
performance on the subject. Although there are difficulties in
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
148
generalizing the research’s results to other graduate courses or other
universities, these results can be useful to students, professors,
education institutions and encouragement to research and
development organizations to reconsider the use of Moodle on the
classroom learning. This is relevant for the Brazilian context, since
Moodle is the most used virtual environment on the higher education
institution in Brazil.
Key-words: Moodle; VLE; Perception; Classroom learning.
1.1 INTRODUÇÃO
A internet pode transformar-se em um meio de difusão de
informação cada vez mais forte e eficiente para o ensino em cursos
superiores (MORÁN, 2007). Na atualidade, essa mídia possui a
capacidade de agregar imagem, som e texto de maneira veloz, flexível
e por um preço acessível, atributos inviáveis até pouco tempo atrás.
Como consequência da inserção da internet no ensino, surgiram os
Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA), também conhecidos
como Learning Management Systems (LMS) (RODRIGUES et al.,
2011). Os Ambientes Virtuais de Aprendizagem são sistemas
baseados na internet, que auxiliam o processo de ensino-
aprendizagem regularizando a administração, o fornecimento de
conteúdo e dando assistência aos cursos. Os ambientes virtuais de
aprendizagem grátis mais acessados são: TelEduc, Amadeus, e-
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
149
Proinfo e Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment
(Moodle) (RODRIGUES et al., 2011).
Segundo Sabbatini (2007), a plataforma de aprendizagem à
distância Moodle é baseada em software livre. Essa plataforma é
desenvolvida e melhorada constantemente ao redor do mundo por
inúmeros programadores. O Moodle está presente em mais de 155
países, possui mais de 25 mil instalações e mais de 4 milhões de
alunos cadastrados (SABBATINI, 2007). Esse autor afirma que, em
algumas universidades, o método de ensino à distância é totalmente
fundamentado na plataforma Moodle. Essa ferramenta possui maior
presença no mercado internacional, com o equivalente a 54% de todas
as ferramentas de apoio via web ao processo de ensino-aprendizagem
no mundo (SABBATINI, 2007).
Para Carvalho (2008), o uso de plataformas de gestão de
aprendizagens, como recurso auxiliar no ensino presencial, deve ser
entendido como uma forma de tornar mais fácil e interessante o
processo de ensino-aprendizagem. A utilização de ambientes virtuais
de aprendizagem no ensino presencial pode facilitar a relação
discente-docente e discente-discente, por meio de elementos de
comunicação assíncrona e síncrona.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
150
Apesar do fato de a plataforma Moodle ter sido criada com o
objetivo de trazer benefícios e facilitar a vida de professores e alunos,
alguns desses usuários ainda se opõem a utilização dessa ferramenta.
Isto pode ser em razão da falta de capacidade para manuseá-la ou por
apego ao método tradicional de ensino (PRADO; FREITAS, 2012).
Segundo Paiva, Santos e Barros (2013), essa resistência pode ser
explicada pela escassez de tempo, pela dificuldade em se habituar ao
uso dessa ferramenta, pela não visualização da finalidade e resultados
inerentes ao uso do AVA.
Diante desse contexto, o objetivo geral desta pesquisa é
verificar qual a percepção dos alunos e dos professores dos cursos de
Ciências Contábeis, Administração e Ciências Econômicas, de uma
universidade pública mineira, em relação à utilização da plataforma
Moodle como recurso auxiliar ao ensino presencial.
Os resultados desta pesquisa podem ser úteis para alunos,
professores e instituições de ensino, uma vez que podem sinalizar se o
Moodle realmente contribui para a melhoria do processo de ensino
aprendizagem. Além disso, os resultados desta pesquisa podem
indicar pontos fortes e fracos dessa ferramenta, auxiliando no processo
de atualização da plataforma.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
151
O trabalho está estruturado em cinco seções. Após esta
introdução, é apresentado o referencial teórico da pesquisa. Na terceira
seção, são descritos os aspectos metodológicos. Na quarta seção, são
registrados os resultados do estudo. A quinta seção traz as
considerações finais da pesquisa.
1.2 RERENCIAL TEÓRICO
1.3 Evolução das tecnologias e sua inserção no ensino
Moran (1995) afirma que as tecnologias de comunicação vêm
causando inúmeras modificações em vários âmbitos da vida dos
indivíduos. Segundo esse autor, dentre essas tecnologias de
comunicação, destaca-se a internet, que, atualmente, é uma das
tecnologias mais empregadas, não só para pesquisas, mas também
para negócios, estudos e comunicação. A internet é a mesma de
sempre, desde a sua criação, o que mudou, com o passar dos anos, foi
que ela se tornou mais disponível e com mais recursos para as
pessoas, sendo possível criar várias formas de utilizá-la e diversos
usos para essa ferramenta, e mudou ainda a definição de tempo e
espaço (MORAN, 1995). Segundo Almeida (2008), a tecnologia vem
evoluindo e se difundindo em um ritmo altamente acelerado. Na
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
152
presente configuração mundial, até mesmo aqueles nascidos nos anos
70, que era uma época de progresso constante e achados referentes à
tecnologia, acreditam que os dias de hoje são bem mais
revolucionários. A internet surgiu com impulso total, unindo
diferentes povos, culturas, organizações; é extremamente flexível às
necessidades das pessoas e se tornou um elemento essencial na vida
de todos, fazendo com que seja necessário que a humanidade
reconheça que necessita da tecnologia em suas vidas (ALMEIDA,
2008).
Almeida (2008) alega que o universo acadêmico enfrenta hoje
um de seus maiores desafios: a internet. Segundo esse autor, a
maneira de raciocinar, comportar-se e adquirir conhecimento se
modifica diariamente em decorrência de fatos inovadores constantes.
A configuração acadêmica tradicional não condiz com a enorme
quantidade de inovações que a internet nos proporciona
frequentemente (ALMEIDA, 2008). Esse autor assegura que, diante
de tantas mudanças acarretadas pela internet, a nova geração - nativos
digitais (alunos) entram em conflito com a geração antiga imigrantes
digitais (professores). Segundo esse autor, nativos digitais, também
conhecidos como geração Y, são aqueles que nasceram em
constante convívio com a internet, enquanto imigrantes digitais são
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
153
aqueles que cresceram numa época em que não havia tecnologia e
adotaram-na só mais tarde. Almeida (2008) refere que, ante a esse
conflito, surge o seguinte questionamento: de que forma agregar e
harmonizar o método de ensino tradicional com o avanço tecnológico?
Alguns da geração Y crêem que a escola significa um ambiente de
tédio, aborrecimento e afins. Para os professores em sua maioria
imigrantes digitais, os alunos indisciplinados não levam os estudos a
sério e não manifestam interesse em adquirir novos conhecimentos.
Uma possível solução para esse impasse seria os professores
empregarem, em suas aulas, ambientes colaborativos de
aprendizagem, fazendo com que os alunos pudessem lidar com algo
lhes desperte prazer e afinidade no ambiente escolar, tornando-os mais
entusiasmados e motivados para aprender e estudar os conteúdos
ministrados (ALMEIDA, 2008).
De acordo com Moran (1997), a enorme difusão da internet fez
com que a educação brasileira tivesse que procurar novas saídas para o
ensino-aprendizagem, com a finalidade de atender os profissionais
com formação superior e capacidade para lidar com as novas
cobranças do universo do trabalho. Segundo Vilarinho e Paulino
(2010), essa busca por novas saídas para o ensino-aprendizagem, entre
os anos de 1997 e 2006, época em que houve, no Brasil, um
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
154
expressivo aumento da utilização de recursos de ensino a distância na
educação superior.
A tecnologia pode transformar de maneira relevante o ensino
presencial, uma vez que, a partir do uso dos meios eletrônicos, as
pessoas comunicam-se entre si, trocam conhecimentos, informações e
pesquisas (MORAN, 1997). Esse autor alega ainda que a educação
continuada é melhorada pela capacidade de conexão de diversas
mídias, havendo a possibilidade dos usuários acessá-las no melhor
horário para si e tornando possível haver um maior contato entre
professores e alunos.
Segundo Carvalho (2008) o uso de plataformas de gestão de
aprendizagens - Learning Management Systems (LMS), como recurso
auxiliar no ensino presencial, deve ser entendido como uma
necessidade do professor, e não como um recurso moderno e
dispensável. Segundo essa autora, LMS torna mais fácil o acesso às
matérias da disciplina e facilita a relação discente-docente e discente-
discente, por meio de elementos de comunicação assíncrona e
síncrona. Seja onde for, desde que a pessoa tenha acesso à internet,
condições de se disponibilizar recados, responder às perguntas dos
discentes, acompanhar as atividades que estão sendo realizadas pelos
alunos e participar de debates e discussões (CARVALHO, 2008).
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
155
Essas autoras argumentam que as plataformas auxiliares do ensino
ajudam a difundir o método tradicional de ensino-aprendizagem e a
promover uma aprendizagem construtivista. Os tipos de LMS mais
conhecidos são: Blackboard, WebCT, AulaNet e Moodle
(CARVALHO, 2008).
1.4 Plataforma Moodle
Os ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) são softwares
educativos através da internet que possuem finalidade de auxiliar o
processo de ensino à distância (RIBEIRO; MENDONÇA G;
MENDONÇA A., 2007). Esses autores defendem que esses ambientes
podem ser utilizados no ensino presencial (possibilitando um
crescimento nas relações extraclasse) e em atividades semipresenciais
(em encontros em sala de aula e fora dela), proporcionando apoio para
a comunicação e a transação de dados e a comunicação entre
professores e alunos. Segundo Ribeiro, Mendonça e Mendonça
(2007), os AVA’s proporcionam diversos recursos de tecnologia de
informação e comunicação, possibilitando a realização de atividades
de acordo com a disponibilidade e limitações de cada aluno.
Alves e Gomes (2007) explicam que o Modular Object-
Oriented Dynamic Learning, mais conhecido como Moodle, é um
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
156
ambiente virtual de aprendizagem de livre acesso e foi criado, em
2001, por Martin Dougiamas. O Moodle possui um grupo de
utilidades que podem ser estruturadas em quatro perspectivas
principais:
acesso protegido e gerenciamento de perfis dos usuários: esse
recurso propicia a criação de um ambiente particular para uma
determinada disciplina para a utilização por parte dos professores
e alunos.
Gerenciamento do acesso aos conteúdos: possibilita que o
professor disponibilize arquivos e matérias online para os alunos e
determine quando e como os alunos terão acesso a esses materiais.
Ferramentas de comunicação simultâneas e não simultâneas:
permitem e facilitam a comunicação extraclasse entre professor-
aluno e aluno-aluno.
Sistema de controle de atividades: torna possível o registro e a
administração de todas as atividades realizadas pelos alunos.
O Moodle abrange recursos e funções que podem ser
empregadas para o aprimoramento de diversos âmbitos pedagógicos.
Essa plataforma é eficiente devido ao fato de ser um software de livre
acesso (permite que ela seja utilizada sem haver necessidade de
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
157
desembolso) e pelo fato de já ter sido traduzido para mais de 60
idiomas.
Segundo Ribeiro, Mendonça G. e Mendonça A. (2007), a
plataforma Moodle opera com cinco categorias de usuários: o
administrador (aquele que é o encarregado da administração
necessária para a execução da plataforma); o criador de cursos (aquele
que cria, configura, cadastra e administra os cursos existentes no
ambiente); o professor (tem a função de colocar atividades, corrigir
exercícios, sanar dúvidas dos alunos etc.); o aluno (aquele faz o curso
e utiliza os recursos da plataforma e as tarefas disponibilizadas pelo
professor); e os visitantes (aqueles que acessam a plataforma e podem
visitar as disciplinas que permitem a sua visualização). Devido ao fato
de ser um ambiente open source, o Moodle torna possível a adaptação
das necessidades dos alunos dos professores e da instituição
(RIBEIRO; MENDONÇA G. ; MENDONÇA A, 2007). Isso é
possível porque, a partir do momento em que essa ferramenta é
manuseada por indivíduos do mundo todo, ela recebe melhorias e
contribuições que conduzem a um melhor desempenho e
funcionamento, contribuindo para o aprimoramento do sistema.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
158
1.5 Uso do Moodle no ensino presencial
Yunoki (2010) examinou a utilização do Moodle como recurso
de apoio ao ensino presencial no curso de biblioteconomia da
Universidade de Brasília. A amostra dessa pesquisa foi composta por
65 alunos do curso de Biblioteconomia e 7 professores do
departamento de Ciência da Informação e Documentação (CID) da
Universidade de Brasília. A coleta de dados foi realizada por meio da
aplicação de questionários e de entrevistas. Em relação aos resultados,
foi verificado que os alunos que participaram da pesquisa se
posicionaram de maneira positiva às novidades trazidas pela
plataforma Moodle, decorrente dos benefícios proporcionados pelos
seus recursos e ferramentas. Por outro lado, os professores acreditam
que a plataforma Moodle é útil para melhorar e tornar mais fácil o
processo de disponibilizar arquivos e materiais para os discentes e
viabilizar o contato entre os alunos fora do espaço físico acadêmico.
No entanto, os docentes crêem que esse recurso é subutilizado em
função da falta de conhecimento e preparação dos professores para
valer-se das ferramentas oferecidas por essa plataforma.
Rodrigues et al. (2011) desenvolveram a sua pesquisa com o
objetivo de apresentar a utilização da plataforma Moodle e de material
didático multimídia como recursos auxiliares ao ensino presencial da
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
159
disciplina de Linguagem de Programação II, do curso de graduação
em Tecnologia e Informática e Gestão da FATEC, de São José do Rio
Preto. As tecnologias da informação e comunicação (TIC’S) são
essenciais para o desenvolvimento de cursos online, pois os alunos
nasceram em uma era digital, utilizam intensivamente a tecnologia e
as mídias sociais e conseguem fazer diversas tarefas simultaneamente.
Sendo assim, a metodologia de ensino para os alunos dessa nova
geração, conhecida também como geração Y, deve ser diferente, uma
vez que, como eles estão acostumados a lidar com praticamente tudo
pelo meio digital, ministrar aulas apenas com papéis pode tornar as
aulas cansativas, e consequentemente, os alunos ficaram
desestimulados. A princípio, os alunos não confiaram que a interação
com o Moodle e a utilização de material de multimídia fossem
capazes de melhorar a absorção do conteúdo. Posteriormente, à
medida que a matéria da disciplina vai se complicando, percebe-se que
os estudantes passam a carecer de vídeos, locais em que possam
solucionar as suas dúvidas e encontrar exercícios e materiais
corrigidos para que eles possam estudar no seu tempo etc. Esses
autores relatam, ainda, que a utilização do Moodle nessa disciplina, ao
longo de dois anos, reduziu em 10% o índice de reprovação por causa
de nota. Até mesmo os alunos que não foram aprovados na disciplina
declararam ser interessante o uso do Moodle e dos recursos de
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
160
multimídia, uma vez que o material disponibilizado é um ótimo
auxilio extraclasse.
O objetivo da pesquisa de Salvador e Gonçalves (2006) foi
descrever uma experiência feita com o uso do Moodle na disciplina
presencial Métodos e de Matemática Aplicada. Esses autores
identificaram inúmeros benefícios em decorrência do uso do Moodle,
dentre eles: estabelecimento de data para envio de atividades por parte
dos alunos; disponibilização de atividades em uma data
preestabelecida; recebimento de trabalhos e atividades somente até a
data estabelecida; incorporação de fóruns e notícias, fóruns para
esclarecimento de dúvidas online etc. Além disso, as provas realizadas
presencialmente vêm sendo melhoradas pelo fato de os alunos
responderem a questionários online extraclasse. Esses autores
concluem que a plataforma Moodle, empregada como recurso
complementar ao ensino presencial, amplia as possibilidades de
ensino a serem trabalhadas, uma vez que aumenta o número de
discentes que aderem à disciplina. Nessa pesquisa, verificou-se uma
percepção positiva por parte dos alunos quanto ao uso do Moodle, o
que motiva os professores a experimentar ainda mais as ferramentas e
recursos da ferramenta (SALVADOR; PITON-GONÇALVES, 2006).
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
161
1.6 Percepção de docentes e discentes acerca do uso do Moodle
Watters (2009) ministraram a disciplina de contabilidade a
discentes de graduação e pós-graduação recorrendo a um ambiente
virtual de aprendizagem. Segundo esses autores, todos os pós-
graduandos admitiram que a didática utilizada no curso a distância foi
tão efetiva quanto a de um curso presencial. No entanto verificou-se, a
partir da análise das respostas desses alunos da pós-graduação, que, no
futuro, todos eles optariam por fazer um curso à distância, pois
gostaram da didática do curso e concluíram que ela é tão eficaz quanto
à do ensino presencial, enquanto 75% dos graduandos elegeram o
curso presencial como melhor que o curso à distância. A partir dos
resultados encontrados e de seu conhecimento adquirido com as aulas
ministradas, esses autores acreditam que, em cursos parcialmente
presenciais, os discentes se favorecem, uma vez que ficam com alguns
horários livres e têm mais tempo para tirar dúvidas com os
professores.
Obaidat e Alqatamin (2011) realizaram sua pesquisa com o
objetivo de examinar o que os discentes do curso de contabilidade
pensam a respeito de emprego de tecnologias da informação (TI) no
procedimento de ensino-aprendizagem. A pesquisa desses autores
teve, ainda, como objetivo verificar se a opinião dos discentes é
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
162
influenciada por aspectos demográficos. O questionário foi aplicado a
32 alunos do curso de contabilidade da Faculdade de Ciências
Administrativas e Financeiras da Universidade cnica de Tafila. Foi
constado, a partir dos resultados, que os estudantes julgaram de
maneira favorável e consideraram útil a utilização de algumas
ferramentas de TI no processo de procedimento de ensino-
aprendizagem, sendo que a percepção desses alunos em relação à
utilização dessas ferramentas foi influenciada pelas seguintes
características: gênero/sexo, acesso à internet, e a média de tempo
navegando na internet. Os resultados apontaram, ainda, que os alunos
julgaram a internet como um recurso de aprendizagem vantajoso, uma
vez que possibilita o acesso a informações recentes demandadas pelo
processo de ensino-aprendizagem. Por fim, esses autores concluíram
que os discentes julgaram que a utilização de e-mail é benéfica e
vantajosa para estabelecer contatos com os docentes, para enviar
trabalhos e para sanar dúvidas. No entanto, entre o auxílio online e o
presencial, os alunos optam pelo auxílio online.
Lisbôa et al. (2009) identificaram quais recursos da plataforma
Moodle estão sendo empregados pelos professores e como as
ferramentas ofertadas por essa plataforma colaboram para reformar as
suas maneiras de ensinar. Em relação à metodologia, o estudo foi
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
163
realizado em duas escolas no norte de Portugal e caracterizou-se como
empírico descritivo, e a amostra da pesquisa foi constituída por 77
professores de escola pública e 233 de escola particular. Em relação
aos resultados, esses autores verificaram que a maior parcela dos
docentes entrevistados não recorre ao uso da plataforma Moodle e
contataram ainda que, os professores que empregam o Moodle, não o
utilizam o mesmo explorando todos os recursos que ele tem a
oferecer, servindo-se da plataforma apenas para disponibilizar
arquivos e informações. Foi constatado ainda que, praticamente, todos
os professores entrevistados admitiram haver vários benefícios
inerentes ao uso da plataforma. No entanto alegam que o Moodle
demanda muito tempo para a elaboração das atividades, e alguns
explicam não possuir muita habilidade para manusear essa tecnologia.
Delgado (2009) desenvolveu uma análise acerca dos
procedimentos metodológicos de ensino empregados na utilização da
plataforma Moodle como ferramenta auxiliar ao ensino presencial, em
uma disciplina do sexto período do curso de Engenharia. Para alcançar
o objetivo do trabalho, baseou-se em um estudo de caso, etnografia
virtual, entrevistas e observação não participante. Para a realização da
análise dos resultados, foi empregada uma análise qualitativa
mesclada com características de análise quantitativa. Em relação aos
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
164
resultados, notou-se que a interação no ambiente virtual de
aprendizagem limitou-se em professor e aluno e que a interação entre
aluno e aluno inexistiu. Por meio de análise do discurso de um
professor, esses autores constataram que é necessário haver uma
modificação na modalidade do ensino. Quando o professor adota o
Moodle como recurso auxiliar, ele insere novas práticas e recursos
modernos para que suas aulas se tornem mais interativas e dinâmicas.
Foi observado, ainda, que o professor da disciplina ficou realizado
com os resultados do uso da plataforma e que, na função de diretor,
pretende propagar a experiência com a plataforma Moodle para outras
disciplinas do curso. Em relação à percepção dos alunos, estes não
detectaram bons resultados nas atividades disponibilizadas pelo
professor, pois, segundo eles, havia muitos exercícios para serem
solucionados em um espaço de tempo muito curto.
1.7 Aspectos metodológicos
Itens
Questionário aplicado aos alunos
Questionário aplicado aos professores
1
Acesso à internet
Acesso à internet
1.1
Possui acesso a internet em sua residência?
Possui acesso a internet em sua residência?
1.2
Se trabalha, possui acesso à internet no trabalho?
Se trabalha, possui acesso à internet no
trabalho?
1.3
Acessa a internet frequentemente
Acessa a internet frequentemente
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
165
Essa pesquisa fundamenta-se em caráter qualitativo,
exploratório e dedutivo. O levantamento foi realizado por meio da
aplicação de questionários para os alunos e professores dos cursos de
Ciências Contábeis, Administração e Ciências Econômicas, dos turnos
noturno e integral, de uma universidade pública mineira (QUADROS
1 e 2).
Quadro 1- Questionários da Pesquisa Itens 1, 2 e 3
Fonte: Questionários elaborados pelas autoras.
O questionário aplicado aos alunos estava constituído por 41
questões e o dos professores composto por 37, segregadas em três
partes. A primeira parte referiu-se à identificação (idade, sexo,
período, turno e formação). A segunda parte (itens 1 e 2 do QUADRO
1) estava constituída por cinco questões acerca da modalidade e da
frequência de acesso à internet e se o respondente possuía cadastro no
2
Cadastro
Cadastro
2.1
Já utilizou o Moodle em algum curso/ disciplina?
Já cadastrou algum curso/disciplina no Moodle
2.2
Possui cadastro no Moodle
Possui cadastro no Moodle
3
Alunos que nunca utilizaram
Professores que nunca utilizaram
3.1
Conheço o Moodle
Conheço o Moodle
3.2
Tenho interesse em me cadastrar no Moodle
Sinto necessidade de usar esse tipo de
ferramenta nas disciplinas que ministro
3.3
Nunca utilizei o Moodle, mas tenho curiosidade de usar essa
ferramenta
Nunca utilizei o Moodle, mas tenho curiosidade
de usar essa ferramenta
3.4
Tenho cadastro no Moodle, mas nunca me cadastrei em um curso/
disciplina
Sinto-me excluído tecnologicamente por ainda
não utilizar o Moodle
3.5
Sinto-me excluído tecnologicamente por ainda não utilizar o
Moodle
Tenho cadastro no Moodle, mas nunca cadastrei
um curso/disciplina
3.6
Meus professores nunca utilizaram o Moodle
Não utilizo o Moodle por receio de trocar o
método tradicional de ensino por um mais
moderno
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
166
Moodle ou havia utilizado a ferramenta em alguma disciplina. A
terceira parte do questionário (itens 3 do QUADRO 1 e 4 ao 9 do
QUADRO 2) estava composta por questões objetivas sobre o uso do
Moodle.
As questões 3.1 à 3.6 deveriam ser respondidas por alunos e
professores que nunca recorreram ao Moodle (QUADRO 1). As
perguntas de número 4.1 a 9.3 deveriam ser respondidas por alunos e
professores que usam ou já usaram a plataforma (QUADRO 2).
A aplicação do questionário para os alunos e para os
professores do curso de Ciências Contábeis ocorreu no primeiro
semestre letivo de 2013. Nos cursos de Administração e Ciências
Econômicas, a aplicação dos questionários deu-se no segundo
semestre letivo de 2013. A amostra da pesquisa é ilustrada nos
Quadros 3 e 4.
Quadro 2- Questionários da Pesquisa Itens 4 ao 9
Questionário aplicado aos alunos
Questionário aplicado aos professores
4
Uso do Moodle
Uso do Moodle
4.1
Meus professores me obrigam a utilizar o Moodle
Utilizo o Moodle apenas para
disponibilizar arquivos para os alunos
4.2
Considero-me um usuário intensivo do Moodle
De uma forma geral, considero que
utilizo o Moodle de forma satisfatória
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
167
4.3
Aprender a usar o Moodle foi fácil para
mim
4.4
Antes de decidir usar o Moodle, eu pude
experimentá-lo adequadamente
5
Imagem
Imagem
5.1
O uso do Moodle é valorizado em minha instituição
O uso do Moodle é valorizado em minha
instituição
5.2
Recomendo a utilização do Moodle para os professores e que ainda não
utilizam essa ferramenta
É fácil observar outras pessoas utilizando
o Moodle em minha instituição
6
Vantagem Relativa
Vantagem Relativa
6.1
No Moodle, sinto-me mais entusiasmado (a) a estudar
O uso do Moodle me permite aproveitar
melhor o horário das aulas presenciais
6.2
Sinto-me mais desinibido (a) ao participar de discussões no Moodle
O uso do Moodle melhora a qualidade do
meu trabalho
6.3
Com o Moodle, sinto-me mais autônomo (a) e independente no que diz
respeito ao aprendizado
O uso do Moodle me permite criar
soluções para os alunos antes impensadas
6.4
O uso do Moodle me permite acesso a novos conhecimentos
O Moodle tem ferramentas que
melhoram a qualidade da minha
disciplina
6.5
Prefiro fazer avaliações no Moodle a fazê-las em sala de aula
6.6
O uso do Moodle torna mais fácil o aprendizado
6.7
A disciplina se tornou mais interessante após a adesão ao Moodle
6.8
Usando o Moodle, posso realizar minhas tarefas mais rapidamente
7
Resultados
Resultados
7.1
Quando há atividades a serem realizadas no Moodle, sou disciplinado (a)
e comprometido (a)
O desempenho dos alunos na disciplina
melhorou após a adoção do Moodle
7.2
Minhas expectativas em relação ao Moodle foram atendidas
A minha instituição oferece um bom
suporte ao uso do Moodle
7.3
As minhas notas aumentaram depois do Moodle
Os alunos participam mais de discussões
no Moodle do que em sala de aula
7.4
Estou satisfeito com a qualidade da plataforma Moodle
Recomendo a utilização do Moodle para
os professores que ainda não utilizam
essa ferramenta
7.5
Minhas dúvidas com relação ao uso do Moodle são sanadas de forma
satisfatória pelo suporte
8
Ferramentas
Ferramentas
8.1
Utilizo o Moodle apenas para fazer download de arquivos
disponibilizados pelos professores
Utilizo com frequência a ferramenta
CHAT
8.2
Utilizo com frequência a ferramenta CHAT
Utilizo com frequência a ferramenta
GLOSSÁRIO
8.3
Utilizo com frequência a ferramenta QUESTIONÁRIO
Utilizo com frequência a ferramenta
QUESTIONÁRIO
8.4
Utilizo com frequência a ferramenta FÓRUM
Utilizo com frequência a ferramenta
FÓRUM
8.5
Utilizo com frequência a ferramenta WIKI
Utilizo com frequência a ferramenta
WIKI
8.6
Utilizo com frequência a ferramenta TAREFAS
Utilizo com frequência a ferramenta
TAREFAS
8.7
Utilizo com frequência a ferramenta PESQUISA
Utilizo com frequência a ferramenta
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
168
PESQUISA
8.8
Utilizo com frequência a ferramenta BLOG
Utilizo com frequência a ferramenta
BLOG
8.9
Utilizo com frequência a ferramenta LIÇÃO
Utilizo com frequência a ferramenta
LIÇÃO
8.10
Utilizo com frequência a ferramenta LINK PARA ARQUIVO OU SITE
Utilizo com frequência a ferramenta
LINK PARA ARQUIVO OU SITE
9
Facilidade do uso
Uso voluntário
9.1
Tenho dificuldades para navegar pelo Moodle
Aderi ao Moodle por influência de
colegas que já utilizavam a plataforma
9.2
Aprender a usar o Moodle foi fácil
Meus superiores não me obrigam a
utilizar o Moodle
9.3
Adequei-me bem ao Moodle devido à sua praticidade e simplicidade de
utilização
Fonte: Questionários elaborados pelas autoras
No primeiro semestre letivo de 2013, o curso de Ciências
Contábeis estava constituído por 814 alunos, sendo 494 alunos
pertencentes ao turno noturno e 320 no turno integral (QUADRO 3).
Desse total de alunos, 428 (53%) responderam ao questionário da
pesquisa. No curso de Administração, havia 912 alunos matriculados
no segundo semestre letivo de 2013, sendo que 498 (55%) alunos
participaram da pesquisa. O curso de Ciências Econômicas oferece
turmas apenas no período integral. Do total de alunos matriculados
nesse curso (349), 39% (137 alunos) responderam ao questionário da
pesquisa.
Quadro 3- População e Amostra da Pesquisa Discentes
Curso
Turno
População
Amostra
Quant.
% em relação à População
Ciências Contábeis
Integral
320
213
67%
Noturno
494
215
44%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
169
Total
814
428
53%
Administração
Integral
363
235
65%
Noturno
549
263
48%
Total
912
498
55%
Ciências Econômicas
Integral
349
137
39%
Total
Integral
1.032
585
57%
Noturno
1.043
478
46%
Total
2.075
1.063
51%
Fonte: Elaborado pelas autoras
A população de docentes é constituída por professores efetivos
e substitutos, que lecionavam nos cursos de Ciências Contábeis,
Administração e Ciências Econômicas no horizonte temporal de
estudo.
Quadro 4 População e Amostra da Pesquisa Docentes
Curso
População
Quant.
Amostra
Quant.
% em relação à População
Ciências Contábeis
31
15
48%
Administração
67
10
15%
Ciências Econômicas
52
19
37%
Total
150
45
30%
Fonte: Elaborado pelas autoras
No primeiro semestre letivo de 2013, o curso de Ciências
Contábeis contava com 31 professores efetivos e substitutos
(QUADRO 4). Desse número de professores, 16 (52%),
voluntariamente, aceitaram participar da pesquisa. No segundo
semestre letivo de 2013, os cursos de Administração e Ciências
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
170
Econômicas contavam com 67 e 52 professores, respectivamente.
Desse total, apenas 10 (15%) professores do curso de Administração e
19 (37%) dos docentes do curso de Ciências Econômicas aceitaram
participar da pesquisa.
1.8 RESULTADOS DA PESQUISA
1.9 Percepção dos discentes
A Tabela 1 apresenta a amostra dos alunos dos cursos de
Ciências Contábeis, Administração e Ciências Econômicas segregada
em dois grupos: alunos que nunca utilizaram o Moodle (NUNCA
USOU) e alunos que utilizaram ou utilizam a plataforma Moodle
(JÁ USOU). Verifica-se que a maioria dos respondentes é do sexo
feminino (54%), pertence ao turno integral (54,9%) e possui internet
em casa (97,6%), com acesso diário (96,2%). A maioria dos alunos
que responderam ao questionário está cursando Administração
(46,8%) ou Ciências Contábeis (40,3%). Do total de respondentes,
90,6% possuem cadastro no Moodle, porém 10,5% nunca se
aproveitaram da ferramenta em nenhuma disciplina. Dos alunos que
trabalham, 70,9% podem acessar a internet no local de serviço.
Tabela 1 - Alunos por grupo: "nunca usou ou "já usou" o Moodle
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
171
Variáveis
Categorias
NUNCA USOU
JÁ USOU
TOTAL
%
%
%
Sexo
Feminino
47
41,6%
527
55,5%
574
54,0%
Masculino
66
58,4%
423
44,5%
489
46,0%
Total
113
100,0%
950
100,0%
1.063
100,0%%
Turno
Integral
78
69,0%
506
53,3%
584
54,9%
Noturno
35
31,0%
444
46,7%
479
45,1%
Total
113
100,0%
950
100,0%
1.063
100,0%
Curso
Ciências Contábeis
52
46,0%
376
39,6%
428
40,3%
Administração
14
12,4%
484
50,9%
498
46,8%
Ciências Econômicas
47
41,6%
90
9,5%
137
12,9%
Total
113
100,0%
950
100,0%
1.063
100,0%
Possui internet em casa
Sim
109
96,5%
925
97,8%
1.034
97,6%
Não
4
3,5%
21
2,2%
25
2,4%
Total
113
100,0%
946
100,0%
1.059
100,0%
Tipo de internet que
possui em casa
Banda larga
86
78,9%
771
83,9%
857
83,4%
3G
13
11,9%
105
11,4%
118
4,9%
Ambos
10
9,2%
40
4,4%
50
4,9%
Discada
0
0,0%
3
0,3%
3
0,3%
Total
109
100,0%
919
100,0%
1.028
93,4%
Possui acesso à internet no
trabalho
Sim
49
62,8%
551
71,7%
600
70,9%
Não
29
37,2%
217
28,3%
246
29,1%
Total
78
100,0%
768
100,0%
846
100,0%
Periodicidade de acesso à
internet
Diariamente
104
94,5%
906
96,4%
1.010
96,2%
Semanalmente
6
5,5%
31
3,3%
37
3,5%
Outro
0
0,0%
3
0,3%
3
0,3%
Total
110
100,0%
940
100,0%
1.050
100,0%
Possui cadastro no
Moodle
Sim
21
18,6%
940
99,2%
961
90,6%
Não
92
81,4%
8
0,8%
100
9,4%
Total
113
100,0%
948
100,0%
1.061
100,0%
Já utilizou o Moodle em
alguma disciplina
Sim
7
6,2%
943
99,4%
950
89,5%
Não
106
93,8%
6
0,6%
112
10,5%
Total
113
100,0%
949
100,0%
1.062
100,0%
Fonte: Elaborada pelas autoras
Do total de alunos que nunca usaram o Moodle, 96,5%
possuem internet em casa, fato que torna pouco provável a hipótese de
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
172
eles não utilizarem a ferramenta em decorrência da impossibilidade de
acessar a internet. Ressalta-se que 46% dos alunos que nunca usaram
a plataforma pertencem ao curso de Ciências Contábeis e 41,6% ao
curso de Ciências Econômicas.
Em relação aos alunos que já recorreram ao Moodle, a maioria
é do turno integral (53,3%) e pertence ao curso de Administração
(50,9%), seguido do curso de Ciências Contábeis (39,6%). Diante do
fato da baixa representatividade de alunos do curso de Ciências
Econômicas no total da amostra da pesquisa (12,9%) e na quantidade
de alunos que usaram o Moodle (9,5%), optou-se por apresentar os
resultados desta pesquisa comparados entre dois grupos: Ciências
Contábeis e Áreas Afins (Administração e Ciências Econômicas).
A Tabela 2 registra os resultados das questões respondidas por
alunos que nunca empregaram o Moodle (NUNCA USOU).
Tabela 2 - Alunos que nunca usaram o Moodle (NUNCA USOU)
Questões
Respo
sta
CONT
ADM + ECO
TOTAL
Fem.
Masc.
Total
%
Fem.
Masc.
Total
%
%
3.1
Conhece
o Moodle
Sim
17
16
33
63%
7
13
20
33%
53
47%
Não
10
8
18
35%
12
27
39
64%
57
50%
Não sei
0
1
1
2%
1
1
2
3%
3
3%
Total
27
25
52
100%
20
41
61
100%
113
100%
3.2
Interesse
em
cadastrar
Sim
10
7
17
33%
6
12
18
30%
35
31%
Não
13
13
26
50%
9
21
30
49%
56
50%
Não sei
4
5
9
17%
5
8
13
21%
22
19%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
173
Total
27
25
52
100%
20
41
61
100%
113
100%
3.3
Tenho
curiosida
de de
utilizar o
Moodle
Sim
12
6
18
35%
6
11
17
28%
35
31%
Não
12
14
26
50%
10
26
36
59%
62
55%
Não sei
3
5
8
15%
4
4
8
13%
16
14%
Total
27
25
52
100%
20
41
61
100%
113
100%
3.4
Nunca
fez
cadastro
em curso
Sim
3
2
5
10%
4
7
11
18%
16
14%
Não
23
20
43
83%
14
32
46
75%
89
79%
Não sei
1
3
4
8%
2
2
4
7%
8
7%
Total
27
25
52
100%
20
41
61
100%
113
100%
3.5
Excluído
tecnologi
camente
Sim
1
0
1
2%
4
8
12
20%
13
12%
Não
24
24
48
92%
15
30
45
74%
93
82%
Não sei
2
1
3
6%
1
3
4
7%
7
6%
Total
27
25
52
100%
20
41
61
100%
113
100%
3.6
Professor
es não
usam
Sim
4
7
11
21%
8
15
23
38%
34
30%
Não
19
15
34
65%
6
18
24
39%
58
51%
Não sei
4
3
7
13%
6
8
14
23%
21
19%
Total
27
25
52
100%
20
41
61
100%
113
100%
Fonte: Elaborada pelas autoras.
Do total de alunos que nunca usaram o Moodle, 63% dos
alunos que cursam Ciências Contábeis (CONT) e 33% dos alunos dos
cursos de Administração e Ciências Econômicas (ADM + ECO)
afirmaram conhecer a ferramenta (item 3.1). Além disso, a maioria
dos alunos dos cursos de Ciências Contábeis (83%), Administração e
Ciências Econômicas (75%) declararam possuir cadastro no Moodle,
mas nunca terem se cadastrado em um curso/disciplina.
O fato de a maioria dos alunos que nunca usaram o Moodle
terem assegurado que seu professor já usou essa ferramenta (item 3.6),
demonstra a falta de curiosidade desses alunos em usá-la (item 3.3) e
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
174
o fato de a maioria desses estudantes não se sentir excluída
tecnologicamente por não usar a plataforma (item 3.5).
Na Tabela 3, são exibidos os resultados das questões que
foram respondidas por alunos que usam ou usaram o Moodle (JÁ
USOU). Percebe-se que a maioria dos alunos que usam o Moodle o
faz por vontade própria, uma vez que 68% dos respondentes do curso
de Ciências Contábeis e 49% dos alunos que cursam Administração e
Ciências Econômicas declararam que seus professores não os obriga a
utilizar a ferramenta (item 4.1). Além disso, 78% dos alunos que se
servem do Moodle não se consideram usuários intensivos (item 4.2).
Com relação à imagem (item 5), apenas 17% dos alunos do
curso de Ciências Contábeis e 38% dos alunos dos cursos de
Administração e Ciências Econômicas, que recorrem ao Moodle,
percebem que esse uso é valorizado na instituição de ensino à qual
pertencem. Isto pode explicar o fato de apenas 34% dos alunos do
curso de Ciências Contábeis e 45% dos alunos dos cursos de
Administração e Ciências Econômicas recomendarem a utilização da
plataforma para os professores que ainda não a utilizam (item 5.2).
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
175
Os resultados sugerem insatisfação dos alunos que usam a
ferramenta em relação à sua qualidade, uma vez que, do total de
alunos da amostra da pesquisa que usufruem a ferramenta:
49% não tiveram suas expectativas atendidas (item 7.2);
46% não estão satisfeitos com a qualidade da plataforma (item
7.4); e,
44% não foram atendidos satisfatoriamente pelo suporte do
Moodle (item 7.5).
Apesar dessa aparente insatisfação, a maioria dos alunos
declarou não ter dificuldades para navegar pelo Moodle (61%, item
9.1) e que aprender a utilizá-lo foi fácil (56%, item 9.2).
A maioria dos alunos que se servem da ferramenta declarou
que, quando há atividades a serem realizadas no Moodle, eles são
disciplinados e comprometidos (43%, Tabela 3). Isto pode ser devido
à possibilidade de estabelecimento de prazos rígidos na plataforma de
maneira impessoal. Ou seja, o professor programa o sistema para não
aceitar respostas dos alunos após uma determinada data e horário.
Tabela 3 - Alunos que usam ou já usaram o Moodle
Questões
Resposta
CONT
ADM+CONT
TOTAL
Fem
Masc
Total
%
Fem
Masc
Total
%
%
4
Uso do
Moodle
4.1
Professores
Sim
58
45
103
27%
148
115
263
46%
366
39%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
176
obrigam
Não
159
95
254
68%
134
146
280
49%
534
56%
Não Sei
12
6
18
5%
15
16
31
5%
49
5%
Total
229
146
375
100%
297
277
574
100%
949
100%
4.2
Usuário
intensivo
Sim
27
16
43
11%
81
56
137
24%
180
19%
Não
198
128
326
87%
209
206
415
72%
741
78%
Não Sei
5
2
7
2%
7
15
22
4%
29
3%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
5
Imagem
5.1
O Moodle é
valorizado
Sim
38
26
64
17%
117
100
217
38%
281
30%
Não
139
80
219
58%
127
129
256
45%
475
50%
Não Sei
53
40
93
25%
53
48
101
18%
194
20%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
5.2
Recomenda a
utilização
Sim
72
55
127
34%
142
117
259
45%
386
41%
Não
119
71
190
51%
105
121
226
39%
416
44%
Não Sei
39
20
59
16%
50
39
89
16%
148
16%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
7
Resultados
7.1
Disciplinado e
comprometido
Sim
110
60
170
45%
130
113
243
42%
413
43%
Não
91
65
156
41%
112
113
225
39%
381
40%
Não Sei
29
21
50
13%
55
51
106
18%
156
16%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
7.2
Expectativas
atendidas
Sim
64
42
106
28%
103
86
189
33%
295
31%
Não
124
79
203
54%
137
129
266
46%
469
49%
Não Sei
42
25
67
18%
57
62
119
21%
186
20%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
7.3
As notas
aumentaram
Sim
14
13
27
7%
18
30
48
8%
75
8%
Não
164
98
262
70%
220
189
409
71%
671
71%
Não Sei
52
35
87
23%
59
58
117
20%
204
21%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
7.4
Satisfeito com
a qualidade
Sim
64
51
115
31%
111
105
216
38%
331
35%
Não
121
61
182
48%
133
125
258
45%
440
46%
Não Sei
45
34
79
21%
53
47
100
17%
179
19%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
7.5
Suporte
Sim
54
30
84
22%
68
63
131
23%
215
23%
Não
113
65
178
47%
123
117
240
42%
418
44%
Não Sei
63
51
114
30%
106
95
201
35%
315
33%
Total
230
146
376
100%
297
275
572
100%
948
100%
9
Facilidades
do uso
9.1
Dificuldades
Sim
99
49
148
39%
106
95
201
35%
349
37%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
177
para navegar
Não
123
96
219
58%
184
172
356
62%
575
61%
Não Sei
8
1
9
2%
7
10
17
3%
26
3%
Total
230
146
376
100%
297
277
574
100%
950
100%
9.2
Aprendizado
fácil
Sim
114
88
202
54%
165
168
333
58%
535
56%
Não
107
55
162
43%
116
95
211
37%
373
39%
Não Sei
9
3
12
3%
15
14
29
5%
41
4%
Total
230
146
376
100%
296
277
573
100%
949
100%
9.3
Adequou-se
bem
Sim
70
53
123
33%
122
131
253
44%
376
40%
Não
93
52
145
39%
141
114
255
45%
400
42%
o Sei
67
41
108
29%
34
30
64
11%
172
18%
Total
230
146
376
100%
297
275
572
100%
948
100%
Fonte: Elaborada pelas autoras.
A percepção dos alunos que utilizam o Moodle em relação às
notas pode ser preocupante e instigar um aprofundamento das
pesquisas (item 7.3, Tabela 3). A maioria esclareceu que as suas notas
não aumentaram após a adoção do Moodle (71%, item 7.3). Esse
resultado é contrastante com o objetivo dos ambientes virtuais de
aprendizagem de auxiliar no processo de ensino aprendizagem e com
os resultados encontrados por Rodrigues et al. (2011). Esses autores
relatam que a utilização do Moodle em uma disciplina presencial do
curso de Tecnologia e Informática e Gestão da FATEC, ao longo de
dois anos, reduziu em 10% o índice de reprovação por causa de nota.
Uma possível explicação para essa divergência de percepções pode
estar na forma de utilização da plataforma. Rodrigues et al. (2011)
apontam que várias ferramentas do Moodle (por exemplo: vídeo, chat,
fórum e disponibilização de arquivos) foram utilizadas pelos
professores da disciplina objeto de estudo na FATEC. Enquanto os
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
178
alunos da amostra desta pesquisa relataram que recorrem ao Moodle
de maneira significativa para fazer download de arquivos (54% dos
alunos do curso de Ciências Contábeis e 67% dos alunos dos cursos de
Administração e Ciências Econômicas) (Gráfico 1).
Gráfico 1 - Alunos que já utilizaram o Moodle Grupo Ferramentas
Fonte: Elaborado pelas autoras.
Além disso, os alunos da amostra desta pesquisa que já se
valeram do Moodle não percebem que as vantagens na utilização
dessa plataforma sejam representativas (Gráfico 2). É possível
observar que, na Gráfico 2, os alunos dos cursos de Administração e
Ciências Econômicas, quando comparados com aqueles do curso de
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
179
Ciências Contábeis, revelam uma posição mais otimista das vantagens
relativas do uso do Moodle (exceto para o item entusiasmo e
desinibição). Porém a utilização do Moodle, na percepção da maioria
dos alunos da amostra, não aumentou o entusiasmo pelo estudo, não
reduziu a inibição em participar de debates, não aumentou a
autonomia no processo de aprendizagem, não permitiu o acesso a
novos conhecimentos, não tornou o processo de aprendizado mais
fácil, não tornou a disciplina mais interessante e não possibilitou a
realização de tarefas mais rapidamente (Gráfico 2).
Gráfico 2 - Alunos que já utilizaram o Moodle - Grupo Vantagem
relativa
Fonte: Elaborado pelas autoras.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
180
Diferentemente de Yunoky (2010) e Salvador e Gonçalves
(2006), que constataram que os alunos tiveram uma percepção
positiva acerca da utilização do Moodle, verificou-se, pelos resultados
desta pesquisa, que 54% dos alunos do curso de Ciências Contábeis e
46% dos alunos do curso de Administração e Ciências Econômicas
afirmaram que suas expectativas em relação ao Moodle não foram
atendidas (item 7.2 - Tabela 3). Além disso, 48% dos graduandos em
Ciências Contábeis e 45% dos graduandos em Administração e
Ciências Econômicas (item 7.4 - Tabela 3) declararam que não estão
satisfeitos com a qualidade da plataforma Moodle.
Assim como Rodrigues et al. (2011) verificaram, em sua
pesquisa, que os alunos recomendavam o emprego do Moodle para os
professores que ainda não o utilizavam, constatou-se, a partir dos
resultados desta pesquisa, que 45% dos alunos dos cursos de
Administração e Ciências Econômicas afirmaram que recomendam o
uso da ferramenta para professores que ainda não a utilizam (item
5.2). No entanto, divergindo dos resultados encontrados por Rodrigues
et al. (2011), quando a mesma pergunta (item 5.2) foi dirigida ao
graduandos em Ciências Contábeis, verificou-se que a maioria dos
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
181
alunos declarou não recomendar o emprego dessa ferramenta para os
professores que ainda não o fazem.
1.10 Percepção dos docentes
A Tabela 4 registra a amostra dos docentes dos cursos de
Ciências Contábeis, Administração e Ciências Econômicas segregada
em dois grupos: aqueles que nunca utilizaram o Moodle (NUNCA
USOU) e aqueles que utilizaram ou utilizam a plataforma Moodle
(JÁ USOU). É possível verificar que a maioria dos professores que
usaram o Moodle é do sexo masculino (62,5%) e dos cursos de
Ciências Econômicas e Administração (40%). A maioria dos
professores dos três cursos (97,7%) acessa a internet diariamente e
possui cadastro no Moodle (58,1%).
Tabela 4Docentes por grupo: "nunca usou ou "já usou" o Moodle
Variáveis
Categorias
NUNCA USOU
JÁ USOU
TOTAL
%
%
%
Idade
Média
51,77
39,65
Sexo
Feminino
9
37,5%
14
70,0%
23
52,3%
Masculino
15
62,5%
6
30,0%
21
47,7%
Total
24
100%
20
100%
44
100%
Formação
Graduação
1
4,2%
0
0,0%
1
2,3%
Especialização
2
8,3%
1
5,0%
3
6,8%
Mestrado
7
29,2%
6
30,0%
13
29,5%
Doutorado
14
58,3%
13
65,0%
27
61,4%
Total
24
100%
20
100%
44
100%
Curso
Ciências Contábeis
11
45,8%
4
20,0%
15
34,1%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
182
Administração
2
8,3%
8
40,0%
10
22,7%
Ciências Econômicas
11
45,8%
8
40,0%
19
43,2%
Total
24
100%
20
100%
44
100%
Periodicidade
de acesso à
internet
Diariamente
23
95,8%
20
100,0%
43
97,7%
Semanalmente
1
4,2%
0
0,0%
1
2,3%
Total
24
100%
20
100%
44
100%
Possui cadastro
no Moodle
Sim
5
21,74%
20
100,0%
25
58,1%
Não
18
78,26%
0
0,0%
18
41,9%
Total
23
100%
20
100%
43
100%
Fonte: Elaborada pelas autoras.
A Tabela 5 mostra as respostas dos professores que nunca se
serviram da plataforma Moodle. Enquanto 36,4% (item 3.2) dos
professores do curso de Ciências Contábeis declararam sentir
necessidade de utilizar o Moodle nas disciplinas que ministram,
apenas 15,4% dos professores dos cursos de Administração e Ciências
Econômicas afirmaram sentir essa necessidade. No curso de Ciências
Contábeis, a maioria dos professores (54,5%) mencionou ter
curiosidade de utilizar o Moodle (item 3.3), enquanto a maioria dos
professores dos cursos de Administração e Ciências Econômicas
(76,9%) respondeu que não possuem essa curiosidade.
Tabela 5 Docentes que nunca usaram o Moodle (NUNCA USOU)
N.
Questões
Resposta
CONT
ADM + ECO
TOTAL
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
183
por
grupo
Fem
Mas
c
Total
%
Fem
Mas
c
Tot
al
%
N
º
%
3.1
Conhece
m o
Moodle
Sim
2
2
4
36,4
%
3
1
4
30,8
%
8
33,3%
Não
1
5
6
54,5
%
3
6
9
69,2
%
1
5
62,5%
Não Sei
0
1
1
9,1
%
0
0
0
0,0%
1
4,2%
Total
3
8
11
100
%
6
7
13
100%
2
4
100%
3.2
Necessid
ade de
usar
Sim
1
3
4
36,4
%
1
1
2
15,4
%
6
25,0%
Não
1
4
5
45,5
%
3
5
8
61,5
%
1
3
54,2%
Não Sei
1
1
2
18,2
%
2
1
3
23,1
%
5
20,8%
Total
3
8
11
100,
0%
6
7
13
100%
2
4
100%
3.3
Curiosida
de de
usar
Sim
2
4
6
54,5
%
1
2
3
23,1
%
9
37,5%
Não
1
2
3
27,3
%
5
5
10
76,9
%
1
3
54,2%
Não Sei
0
2
2
18,2
%
0
0
0
0,0%
2
8,3%
Total
3
8
11
100
%
6
7
13
100,0
%
2
4
100%
3.4
Excluído
s
tecnologi
camente
Sim
1
0
1
9,1
%
2
2
4
30,8
%
5
20,8%
Não
2
5
7
63,6
%
3
5
8
61,5
%
1
5
62,5%
Não Sei
0
3
3
27,3
%
1
0
1
7,7%
4
16,7%
Total
3
8
11
100
%
6
7
13
100%
2
4
100%
3.5
Nunca
cadastrou
curso
Sim
1
2
3
27,3
%
1
1
2
15,4
%
5
20,8%
Não
2
6
8
72,7
%
3
6
9
69,2
%
1
7
70,8%
Não Sei
0
0
0
0,0
%
2
0
2
15,4
%
2
8,3%
Total
3
8
11
100
%
6
7
13
100%
2
4
100%
3.6
Não
utiliza
por
receio
Sim
0
1
1
9%
1
1
4
31%
5
21%
Não
3
5
8
73%
2
2
9
69%
1
7
71%
Não Sei
0
2
2
18%
0
0
0
0%
2
8%
Total
3
8
11
100
3
3
13
100%
2
100%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
184
%
4
Fonte: Elaborada pelas autoras.
A Tabela 6 apresenta as respostas dos docentes que já se
serviram do Moodle. A maioria dos professores dos cursos de
Ciências Contábeis, Administração e Ciências Econômicas (75%),
disseram que se servem do Moodle apenas para disponibilizar
arquivos (item 4.1), que foi fácil aprender a utilizar o Moodle (item
4.3) e que os seus superiores não os obrigam a utilizá-lo (item 9.2). No
item 7.1, enquanto todos (100%) os professores do curso de Ciências
Contábeis declararam não saber se o desempenho dos alunos
melhorou após a adoção do Moodle, nos cursos de Administração e
Ciências Econômicas, a maioria dos professores acredita que o
desempenho dos discentes não melhorou após a utilização dessa
ferramenta (Tabela 6).
Tabela 6 - Docentes que usam ou já usaram o Moodle
N.o
Questões por
grupo
Resposta
CONT
ADM + ECO
TOTAL
Fem
Masc
Total
%
Fem
Masc
Total
%
%
4
Uso do Moodle
4.1
Disponibilizar
arquivos
Sim
2
1
3
75,0%
8
4
12
75,0%
15
75,0%
Não
1
0
1
25,0%
2
1
3
18,8%
4
20,0%
Não Sei
0
0
0
0,0%
1
0
1
6,3%
1
5,00%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
4.2
Usa de forma
satisfatória
Sim
2
0
2
50,0%
7
1
8
50,0%
10
50,0%
Não
1
1
2
50,0%
4
4
8
50,0%
10
50,0%
Não Sei
0
0
0
0,0%
0
0
0
0,0%
0
0,00%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
185
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
4.3
Fácil
aprendizado
Sim
3
0
3
75,0%
8
4
12
75,0%
15
75,0%
Não
0
1
1
25,0%
3
1
4
25,0%
5
25,0%
Não Sei
0
0
0
0,0%
0
0
0
0,0%
0
0,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
4.4
Experimentar
antes
Sim
1
0
1
25,0%
5
1
6
37,5%
7
35,0%
Não
2
1
3
75,0%
5
4
9
56,3%
12
60,0%
Não Sei
0
0
0
0,0%
1
0
1
6,3%
1
5,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
5
Imagem
5.1
Uso
valorizado
Sim
1
1
2
50,0%
5
1
6
37,5%
8
40,0%
Não
1
0
1
25,0%
0
2
2
12,5%
3
15,0%
Não Sei
1
0
1
25,0%
6
2
8
50,0%
9
45,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
5.2
Fácil observar
o uso
Sim
0
0
0
0,0%
4
2
6
37,5%
6
30,0%
Não
1
1
2
50,0%
7
3
10
62,5%
12
60,0%
Não Sei
2
0
2
50,0%
0
0
0
0,0%
2
10,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
7
Resultados
7.1
Melhor
desempenho
Sim
0
0
0
0,0%
2
0
2
12,5%
2
10,0%
Não
0
0
0
0,0%
5
3
8
50,0%
8
40,0%
Não Sei
3
1
4
100,0%
4
2
6
37,5%
10
50,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
7.2
Bom suporte
Sim
0
0
0
0,0%
4
1
5
31,3%
5
25,0%
Não
0
0
0
0,0%
5
1
6
37,5%
6
30,0%
Não Sei
3
1
4
100,0%
2
3
5
31,3%
9
45,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
7.3
Participação
em discussões
Sim
0
0
0
0,0%
1
0
1
6,3%
1
5,0%
Não
0
0
0
0,0%
8
2
10
62,5%
10
50,0%
Não Sei
3
1
4
100,0%
2
3
5
31,3%
9
45,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
7.4
Recomenda a
utilização
Sim
2
1
3
75,0%
9
2
11
73,3%
14
73,7%
Não
1
0
1
25,0%
1
0
1
6,7%
2
10,5%
Não Sei
0
0
0
0,0%
1
2
3
20,0%
3
15,8%
Total
3
1
4
100%
11
4
15
100%
19
100%
9
Uso voluntário
9.1
Aderiu por
influência
Sim
1
1
2
50,0%
4
3
7
43,8%
9
45,0%
Não
2
0
2
50,0%
7
2
9
56,3%
11
55,0%
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
186
Não Sei
0
0
0
0,0%
0
0
0
0,0%
0
0,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
9.2
Superiores
não obrigam
Sim
3
0
3
75,0%
8
4
12
75,0%
15
75,0%
Não
0
1
1
25,0%
3
1
4
25,0%
5
25,0%
Não Sei
0
0
0
0,0%
0
0
0
0,0%
0
0,0%
Total
3
1
4
100%
11
5
16
100%
20
100%
Fonte: Elaborada pelas autoras.
O Gráfico 3 exibe os resultados do grupo “Ferramentas”.
Constata-se, a partir desse gráfico, que os professores de nenhum dos
dois cursos se valem da ferramenta Glossário e que a quantidade de
professores do curso de Ciências Contábeis que utiliza o questionário,
tarefas, pesquisa, lição e link para arquivo/site é maior que a dos
cursos de Administração e Ciências Econômicas.
Gráfico 3 - Docentes que já utilizaram o Moodle - Grupo Ferramentas
Fonte: Elaborado pelas autoras.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
187
O gráfico 4 apresenta os resultados do grupo “Vantagem
Relativa”. Nota-se que a maioria dos docentes do curso de Ciências
Contábeis explicou que, com a utilização do Moodle, foi possível
pensar em novas soluções para os alunos, antes impensadas, e que a
utilização da ferramenta melhorou a qualidade de sua disciplina.
Verifica-se, ainda, que 62,5% dos docentes dos cursos de
Administração e Ciências Econômicas acreditam que o Moodle
melhora a qualidade do seu trabalho.
Gráfico 4- Docentes que já utilizaram o Moodle Grupo Vantagem
Relativa
Fonte: Elaborado pelas autoras.
Os resultados encontrados nesta pesquisa corroboram aqueles
encontrados por Lisbôa et al. (2009), sugerindo que a maior parte dos
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
188
docentes dessas pesquisas não utiliza o Moodle e, quando o fazem,
não usufruem de todas as ferramentas que a plataforma oferece. Ou
seja, a maioria dos docentes utiliza a ferramenta somente para a
disponibilização de arquivos para os alunos. Assim como o professor
entrevistado na pesquisa de Delgado (2009), a maioria dos docentes
que responderam ao questionário desta pesquisa declarou que
recomenda a utilização do Moodle para aqueles professores que ainda
não o fazem.
1.11 CONSIDERAÇÕES FINAIS
O objetivo desta pesquisa foi verificar qual a percepção dos
alunos e dos professores dos cursos de Ciências Contábeis,
Administração e Ciências Econômicas, de uma universidade pública
mineira, referente à utilização da plataforma Moodle como recurso
auxiliar ao ensino presencial. Participaram da pesquisa 1.063 discentes
e 45 docentes dos turnos noturno e integral desses cursos, no ano
letivo de 2013.
A maioria dos discentes e dos docentes que participaram desta
pesquisa declarou possuir acesso diário à internet em casa e/ou no
trabalho. Assim, o acesso à internet não parece ser uma limitação ao
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
189
uso do Moodle e nem justificativa para alguns respondentes não se
interessarem pelo cadastro na plataforma.
Os resultados desta pesquisa sugerem que a utilização do
Moodle pelos alunos componentes da amostra não causou mudanças
significativas no processo de ensino aprendizagem. Esse fato pode ser
comprovado pelo fato de a maioria dos alunos dos cursos de Ciências
Contábeis, Administração e Ciências Econômicas ter declarado que,
após a adoção dessa ferramenta, suas notas não aumentaram, a
disciplina não se tornou mais interessante, a utilização do Moodle não
possibilita acesso a novos conhecimentos e que não se sentiram mais
desinibidos ao participar de discussões no Moodle. Além disso, é
maioria dos alunos da amostra utiliza o Moodle apenas para fazer
download de arquivos disponibilizados pelos professores, sendo as
demais ferramentas da plataforma subutilizadas por eles. Essa
subutilização dos recursos do Moodle pode ser um dos fatores
responsáveis pela aparente insatisfação dos alunos da amostra com a
qualidade da plataforma e com o fato de a maioria dos alunos não
perceberem de maneira positiva as vantagens do uso dessa ferramenta
no processo de ensino aprendizagem.
A maioria dos professores dos cursos de Ciências Contábeis,
Administração e Ciências Econômicas afirmaram não saber se o uso
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
190
do Moodle no ensino presencial melhorou o desempenho dos alunos
na disciplina. No entanto esses docentes asseguraram que o uso dessa
ferramenta melhora a qualidade de trabalho do professor e aumenta a
qualidade da disciplina. Por outro lado, os alunos não conseguem
verificar essa melhoria, visto que a maioria dos discentes dos três
cursos componentes da amostra desta pesquisa declarou que a
disciplina não se tornou mais interessante após a adoção do Moodle.
Além disso, a maioria dos docentes desses cursos acredita que o
Moodle é valorizado na instituição, porém essa opinião não é
compartilhada pelos discentes, que, em sua maioria, não enxerga a
valorização dessa ferramenta.
As percepções dos alunos e professores componentes da
amostra desta pesquisa não podem ser generalizadas para outros
cursos de graduação e nem para outras universidades. No entanto os
resultados desta pesquisa podem ser úteis para alunos, professores,
instituições de ensino e órgãos de fomento repensarem a forma de
utilização do Moodle no ensino presencial. Ou seja, o como, onde,
quando e para quem buscar os recursos do Moodle pode fazer
diferença no processo de ensino aprendizagem. Além disso, repensar a
utilização do Moodle é relevante no contexto brasileiro, uma vez que
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
191
esse ambiente virtual de aprendizagem é um dos mais utilizados nas
instituições de ensino superior brasileiras.
REFERÊNCIAS
ALMEIDA, R. de Q. Ensino Aprendizagem em tempos de Internet.
In: Fórum Permanente de Desafios do magistério; 2008, Centro de
Convenções da UNICAMP. Disponível em:
http://alb.com.br/arquivo-morto/anais-
jornal/jornal4/palestrasPDF/rubensqueiroz.pdf. Acesso em: 15 dez.
2013.
ALVES, A. P.; GOMES, M. J. O ambiente Moodle no apoio a
situações de formação não presencial. Working Paper: Universidade
de Moinho, 2007. Disponível em:
http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/7048. Acesso em: 19
jan. 2014.
CARVALHO, A. A. A. Os LMS no Apoio ao Ensino Presencial: dos
conteúdos às internações. Revista Portuguesa de Pedagogia, v. 42, n.
2, p.101 122, 2008.
DELGADO, L. M. M.; HAGUENAUER, C. J. Uso da Plataforma
Moodle no Apoio ao Ensino Presencial: um Estudo de Caso.
Educaonline: Educação e novas tecnologias, Rio de Janeiro, v. 4, n.
1, p.11-26, abr. 2010. Quadrimestral
LISBÔA, E. S. et al. LMS em contexto escolar: estudo sobre o uso da
Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
192
Portugal. Educação, Formação & Tecnologias, v. 2, n. 1, p. 44-57,
2009.
MORAN, J. M. Novas tecnologias e o reencantamento do mundo.
Tecnologia educacional, v. 23, n. 126, p. 24-26, 1995.
MORAN, J. M.. Como utilizar a Internet na educação. Ciência da
informação, v. 26, n. 2, 1997.
MORÁN, J. M.. Internet no ensino. Comunicação & Educação, v. 5,
n. 14, 2008.
OBAIDAT, A. N.; ALQATAMIN, R. M. Integrating Information
Technology (IT) into Accounting Courses. International Journal of
Business & Management, v. 6, n. 10, 2011.
PAIVA, K. C. M. de et al. Percepções de alunos e professores do
curso de Administração a respeito da educação à distância: um estudo
em uma instituição particular brasileira. Tourism & Management
Studies, v. 1, p. 354-366, 2013.
PRADO, B. M. P. do; FREITAS, F. S. de. O moodle e o ensino à
distância: resistência ao uso da ferramenta. In: Anais do Congresso
Nacional Universidade, EAD e Software Livre. 2012.
RIBEIRO, E. N.; MENDONÇA, G. A. de A.; MENDONÇA, A. F. A
importância dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem na busca de
novos domínios na EAD. In: Anais do 13º Congresso Internacional
de Educação a Distância. Curitiba, Brasil. 2007. Disponível em
<http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/4162007104526AM.pdf>:
Acesso em: 18 dez. 2013.
DiversaPrática
Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente (http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica)
v. 2, n.1 1° semestre 2014 ISSN 2317-0751
Costa; Mendonça DiversaPrática, v. 2, n. 1, p. 146-194 1° semestre 2014
193
RODRIGUES, L. C et al. Uso de ambiente virtual de aprendizagem
como auxílio ao ensino presencial de linguagem de programação. VI
Workshop de Pós-Graduação e Pesquisa do Centro Paula Souza.
2011. Disponível em: http://www.centropaulasouza.sp.gov.br/pos-
graduacao/workshop-de-pos-graduacao-e-
pesquisa/anais/2011/trabalhos/ti-aplicada/uso-de-ambiente-virtual-de-
aprendizagem-como-auxilio-ao-ensino.pdf. Acesso em: 18 dez. 2013.
SABBATINI, R. M. E. Ambiente de Ensino e Aprendizagem via
internet: a plataforma moodle. São Paulo: Instituto EduMed, 2007.
Disponível em:
http://www.renato.sabbatini.com/papers/PlataformaMoodle.pdf:
Acesso em: 18 dez. 2013.
SALVADOR, J. A.; PITON-GONÇALVES, J. O Moodle como
ferramenta de apoio a uma disciplina presencial de ciências exatas. In:
Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo, 2006.
VILARINHO, L. R. G.; PAULINO, C. L.. Educação a Distância no
Ensino Superior Brasileiro: das experiências pioneiras ao sistema de
rede. Revista Eletrônica de Educação, v. 4, n. 1, p. 64-79, 2010.
WATTERS, M. P. et al. Online delivery of accounting courses:
student perceptions. Academy of Educational Leadership Journal,
v. 13, n. 3, 2009.
YUNOKI, B. T. Utilização do Moodle como ambiente de apoio ao
ensino presencial: estudo de caso do curso de Biblioteconomia da
Universidade de Brasília. Trabalho de Conclusão (Graduação em
Biblioteconomia) Departamento de Ciência da Informação e
Documentação, Brasília , DF, 2009. Disponível em:
http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/975/1/2009_BrigitteTsurueYunoki.pd
f. Acesso em: 26 nov. 2013.
... It is a consequence of the technological innovations offered by microelectronics, information technology, and new communication technologies. Delgado (2009) states that society's knowledge enables rapid changes, tailored products and information as a bargaining chip, with market value. In this context, the era of technology experienced by today's society presents several technological options daily. ...
Article
Full-text available
This study developed a virtual learning environment to support face-to-face teaching of the subject of Mobile Cellular Telephony of a federal institution of professional and technological education that operates in Northern Brazil. The methodology used consisted of quantitative-qualitative research, of a technological nature, developed in seven stages: 1) installation of the XAMPP and Moodle software, 2) configuration of the teaching environment, 3) allocation of the Moodle platform, 4) use of virtual resources interactive, 5) production of learning objects, 6) measurement of environmental performance indicators and 7) analysis and generation of results. The results showed that a) this was the first virtual learning experience for almost all participating students and teachers interviewed, b) teachers and students were motivated to use virtual environments in their teaching and learning activities, since c) the environment proved to be highly efficient and effective in generating effective learning and d) almost all students carried out the evaluation questions without much difficulty, as usually happens with traditional classes. The conclusion was that a discipline planned from the Moodle platform's perspective has several advantages, such as optimizing study time and the dynamics of classes.
Article
Full-text available
O presente estudo investiga o uso das potencialidades pedagógicas do SIGAA como parte integradora das ações educativas em cursos técnicos na modalidade presencial. Esta pesquisa foi desenvolvida usando a metodologia da pesquisa-ação e considerou a percepção dos sujeitos participantes e suas reflexões sobre o uso dos recursos do ambiente. Para a coleta de dados foram usados um questionário e recursos de Estatística do SIGAA, os registros e constatações dos pesquisadores e um questionário semiestruturado aplicado aos participantes. Os três instrumentos de coleta de dados fornecem dados quantitativos e qualitativos usados para afirmar e/ou infirmar as percepções acerca do ambiente. Os resultados mostram que os participantes percebem a contribuição do Sistema no processo ensino-aprendizagem e o inferem como subutilizado. Com algumas ressalvas sobre o acesso via dispositivos móveis e instabilidades pontuais, o SIGAA facilita e amplia o acesso aos materiais e conteúdos didáticos trabalhados, contribui com a interação entre professor e aluno e auxilia nas ações avaliativas, destacando-se como provável aliado no cotidiano do ensino presencial.
Thesis
Full-text available
A formação dos profissionais em saúde é um tema de grande relevância no cenário atual. Se faz necessário fornecer uma formação qualificada para quem forma esses profissionais de saúde. Sendo assim, o presente estudo teve como objetivo analisar aspectos da formação em saúde relacionados ao uso de metodologias ativas no processo de ensino-aprendizagem na graduação em Fonoaudiologia do Instituto de Saúde de Nova Friburgo da Universidade Federal Fluminense, a partir das práticas pedagógicas dos docentes do curso. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob o CAAE 08783819.3.0000.5243. Participaram do estudo 17 professores, que foram convidados a responder um questionário autoaplicável e uma entrevista com perguntas abertas sobre as suas percepções da sua prática docente. Os dados foram tabulados e as entrevistas foram gravadas por intermédio de um dispositivo móvel e posteriormente transcritas para a sistematização de dados e análise do conteúdo., conforme a técnica Hermenêutico-Dialética proposta por Minayo. Como resultado, foram citadas as motivações para ser docente, sendo elas: gostar de ensinar, compartilhar conhecimentos e desenvolver pesquisa. Os principais recursos educacionais utilizados pelos professores foram subdivididos em cinco categorias: multimidia, gamificação, criação de recursos educacionais, trabalho em grupo e aproximação com a realidade. Nos relatos dos professores, foi possível perceber que apesar de não estarem aplicando o modelo fechado das metodologias ativas, os professores já utilizam alguns dos seus princípios em sala de aula. Os principais desafios encontrados na prática docente foram a falta de formação para ser professor, dificuldades em avaliar o aprendizado dos alunos, o uso de tecnologias em sala de aula, o currículo desatualizado e como engajar os alunos em suas disciplinas. Sugere-se que mais estudos sejam realizados neste campo, a fim de compreender a prática docente universitária, assim como se faz necessário construir caminhos que viabilizem a capacitação continuada dos professores para tornar o processo de ensino aprendizagem mais eficaz.
Article
Full-text available
Este artigo tem o objetivo de reconhecer algumas formas de apropriação dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) nos Ambientes Complexos de Aprendizagem (ACAs), dadas às suas especificidades, buscando refletir se estão contribuindo, efetivamente, para o processo de aprendizagem nos cursos superiores e verificar se apenas funcionam como mecanismos de reafirma- ção de um status quo. Para tanto, foi realizada uma investigação exploratória descritiva, que se iniciou como um estudo bibliográfico, seguida por uma pesquisa de amostragem a partir de 150 artigos de periódicos publicados no período de 2009 a 2014 sobre o tema em questão. Os resultados são paradoxais, pois, apesar de demonstrarem certa constância de práticas ainda recursivas, também apresentam 21 requisitos que parecem demonstrar potencial, desde que inseridos em um movimento de constante ascendência, para atender as demandas das novas gerações de discentes da educação superior. Ressalva-se que, apesar das dificuldades que a tomada de uma decisão em ACAs pode representar, a importância de se estudar este tema, de refletir sobre ele e de se encontrarem as melhores opções de ações didático-pedagógicas é tão significativa que pode representar a diferença entre desmotivar e fomentar o fracasso ou motivar e proporcionar opções efetivas de sucesso nos processos de aprendizagem.
Conference Paper
Full-text available
Este trabalho descreve uma experiência com o sistema de gerenciamento de cursos Moodle em uma disciplina de Métodos de Matemática Aplicada presencial oferecida pelo DM-UFSCar. Dentre as suas formas de utilização, focamos seu uso como ferramenta de apoio ao processo de ensino aprendizagem. O Moodle fornece um espaço de aprendizagem como um processo dinâmico, baseado no construcionismo social e vem atender as necessidades do professor e aluno. É facilitado pela internet e destaca-se por proporcionar a colaboração mutua dos participantes, o cooperativismo, a troca e compartilhamento de materiais, fóruns, salas de bate-papo, questionários, pesquisas, coleta e revisão de tarefas, diários, avaliação entre colegas e o registro de notas no ensino a distância e que podem ser utilizadas numa disciplina presencial ou parcialmente presencial. Mostramos que uma disciplina presencial planejada na perspectiva do Moodle apresenta vantagens com relação a disciplinas que apenas utilizam métodos tradicionais de ensino
Article
Full-text available
Given the wide range of Information Technologies (IT) available to use in accounting education, this study aims to investigate the accounting students' perceptions toward using IT in the learning process. Four tools of IT were used: Internet, Email, MS PowerPoint, and MS Excel. Also, this study aims to investigate whether these perceptions are affected by students' demographic factors. For these purposes, a questionnaire was designed and administered to 32 accounting students at the Faculty of Administrative and Financial Sciences at Tafila Technical University (TTU). The results showed that accounting students had positive perceptions toward the use of the four tools of IT in the learning process, and these perceptions were affected by the students' gender, access to Internet, and the average hours using the Internet.
Article
Full-text available
O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. Ele foi e continua sendo desenvolvido continuamente por uma comunidade de centenas de programadores em todo o mundo, que também constituem um grupo de suporte aos usuarios, acréscimo de novas funcionalidades, etc., sob a filosofia GNU de software livre. Uma fundação (www.moodle.org) e uma empresa (www.moodle.com) fornecem, respectivamente, o apoio para o desenvolvimento do software e sua tradução para dezenas de idiomas, e apoio profissional à sua instalação. Atualmente o Moodle é um sistema consagrado, com uma das maiores bases de usuários do mundo, com mais de 25 mil instalações, mais de 360 mil cursos e mais de 4 milhões de alunos em 155 países, sendo que algumas universidades baseiam toda sua estratégia de educação a distância na plataforma Moodle. O sistema é extremamente robusto, suportando dezenas de milhares de alunos em uma única instalação. O Moodle tem a maior participação de mercado internacional, com 54% de todos os sistemas de apoio on-line ao ensino e aprendizado. O Moodle é também um sistema de gestão do ensino e aprendizagem., ou seja, é um aplicativo desenvolvido para ajudar os educadores a criar cursos on-line, ou suporte on-line a cursos presenciais, de alta qualidade e com muitos tipos de recursos disponíveis. Este artigo técnico revê as suas principais características, ferramentas e aplicabilidade na educação.
Article
Full-text available
O objetivo deste estudo foi analisar percepções de discentes e docentes do curso de graduação em Administração de uma instituição particular brasileira, relativas à educação à distância (EaD). Após refletir sobre educação à distância, plataforma moodle, e competências profissionais e docentes, realizou-se uma pesquisa exploratória, descritiva e qualitativa nos moldes de um estudo de caso. A instituição e os sujeitos (seis professores e 12 alunos) foram escolhidos pelo critério de acessibilidade. Os dados das entrevistas (roteiro semiestruturado) foram submetidos à análise de conteúdo. Nas atividades de EaD, foram apontadas limitações nas relações, desfavorecimento do trabalho em equipe, ambiente didático-pedagógico confuso, observando-se significativa resistência por parte dos sujeitos, principalmente em função da falta de tempo e de dificuldades de adaptação. Conhecimentos de informática e habilidades em utilizar o moodle foram apontados como competências ideais dos envolvidos. Diante dos achados e das limitações do estudo, traçou-se uma agenda para pesquisas futuras. PALAVRAS CHAVE Educação à distância; Plataforma moodle; Competências profissionais docentes; Administração; Discentes.
Article
Full-text available
Relato e análise de experiências pessoais e institucionais que utilizam a Internet na educação presencial como pesquisa, apoio ao ensino e como comunicação. Avalia os avanços e problemas que estão acontecendo atualmente e mostra que a Internet é mais eficaz, quando está inserida em processos de ensino-aprendizagem e de comunicação que integram as dimensões pessoais, as comunitárias e as tecnológicas.
Article
The article reports on and analyzes didactic work using the Internet in communications courses as a research instrument, teaching support mechanism, and for information exchange. It evaluates the advancements and problems that are currently taking place and reveals that the Internet is most effective when it is inserted in innovative and participative communications teaching and learning processes.
Article
A utilizacao de LMS (Learning Management Systems) no apoio ao ensino presencial tem vindo a ganhar adeptos pelas vantagens que traz aos docentes e aos discentes, nomeadamente por ser um espaco privado de partilha e de interaccao, sempre acessivel. A facilidade de disponibilizacao de conteudos, de interaccao atraves de ferramentas de comunicacao sincronas e assincronas, e de colaboracao fazem das plataformas espacos apeteciveis para os agentes educativos. O papel do professor tem vindo a sofrer profundas alteracoes e o LMS tem funcionalidades que suportam mais facilmente as exigencias da actividade docente, permitindo-lhe apoiar os alunos, ajuda-los a reflectir e a debater as tematicas abordadas. Alem disso, os alunos ao desenvolverem colaborativamente um trabalho encontram nas ferramentas disponiveis no LMS a possibilidade de continuarem a trabalhar para alem dos momentos presenciais, podendo contar com o apoio privado do professor.
Article
Resumo Desde meados da década de noventa do século passado verifica-se uma expansão da oferta da Educação a Distância no ensino superior brasileiro. Esta expansão responde, de um lado, a demandas do mundo do trabalho dirigidas à formação de profissionais capazes de garantir a competitividade de organizações no cenário de globalização da economia e, de outro, a políticas educacionais que visam ampliar a oferta de vagas no ensino de graduação. Nos discursos que defendem a EAD no ensino superior tem sido destacada a relação desta modalidade educativa com a possibilidade de inclusão educacional e formação de professores. Tal visão exige estudos abrangentes, a começar pelo conhecimento de sua trajetória neste nível de ensino. É nesta exigência que se ancora o presente trabalho: trata-se de esforço que buscou resgatar experiências de EAD no ensino superior brasileiro e que, ao ser concretizado, permitiu a visualização de dois momentos distintos: as experiências pioneiras e o sistema de redes. Para concretizá-lo, foram tomados como referência autores que abordam a expansão da EAD no Brasil e sites de universidades. Não houve a pretensão de esgotar as experiências, até por que foram privilegiadas as realizadas em universidades. Espera-se que este trabalho contribua para o entendimento e questionamento de implicações desta expansão. Palavras-chave: Educação a distância; Ensino superior; Experiências pioneiras, Sistema de redes.