ArticlePDF Available

Abstract

Resumo O materialismo lacaniano, inicialmente ligado à filosofia política, tem gradualmente expandido seus limites, alcançando agora a área dos estudos culturais, tornando-se uma forte alternativa para a análise literária. Trata-se de um pensamento humanístico que, porém, critica as limitações do marxismo tradicional, acrescentando, ainda, a importância de ler os textos literários a partir do conceito de Inconsciente, o qual se estrutura como uma linguagem. Os principais pensadores dessa corrente são Slavoj Žižek e Alan Badiou e, aqui, usamos principalmente os conceitos do primeiro para analisar o conto " Amor " de Clarice Lispector, enfocando especificamente a possibilidade de se relacionar a fábula do conto a uma representação do encontro com o traumático Real Lacaniano. Para tanto, analisamos a Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266. estrutura e conteúdo do conto em questão em busca de indícios que possam ser relacionados ao rompimento ou instabilidade da estrutura simbólica e entrada no Real. Percebemos que a própria estrutura do conto dá margem a essa interpretação, sendo construído em três partes distintas, equivalentes ao equilíbrio simbólico, desestruturação pelo contato com o Real, e reestruturação necessária da ordem simbólica.
AMOR”, ENTRE CLARICE E ŽIŽEK: UMA ANÁLISE A
PARTIR DO MATERIALISMO LACANIANO
AMOR”, BETWEEN CLARICE E ŽIŽEK: AN ANALYSIS
BASED ON LACANIAN MATERIALISM
Thays Pretti
Universidade Estadual de Maringá, Brasil
Marisa Corrêa Silva
Universidade Estadual de Maringá, Brasil
RESUMO | INDEXAÇÃO | TEXTO | REFERÊNCIAS | CITAR ESTE ARTIGO | AS AUTORAS
RECEBIDO EM 26/10/2012 APROVADO EM 03/12/2012
Resumo
O materialismo lacaniano, inicialmente ligado à filosofia política, tem gradualmente expandido
seus limites, alcançando agora a área dos estudos culturais, tornando-se uma forte alternativa
para a análise literária. Trata-se de um pensamento humanístico que, porém, critica as
limitações do marxismo tradicional, acrescentando, ainda, a importância de ler os textos
literários a partir do conceito de Inconsciente, o qual se estrutura como uma linguagem. Os
principais pensadores dessa corrente são Slavoj Žižek e Alan Badiou e, aqui, usamos
principalmente os conceitos do primeiro para analisar o conto “Amor” de Clarice Lispector,
enfocando especificamente a possibilidade de se relacionar a fábula do conto a uma
representação do encontro com o traumático Real Lacaniano. Para tanto, analisamos a
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
estrutura e conteúdo do conto em questão em busca de indícios que possam ser relacionados
ao rompimento ou instabilidade da estrutura simbólica e entrada no Real. Percebemos que a
própria estrutura do conto margem a essa interpretação, sendo construído em três partes
distintas, equivalentes ao equilíbrio simbólico, desestruturação pelo contato com o Real, e
reestruturação necessária da ordem simbólica.
Abstract
Lacanian materialism, initially related to politics philosophy, has been gradually expanding its
limits, reaching now the cultural studies and being an alternative to literary analysis. It is an
humanistic thought, which, however, criticizes the limitations of traditional Marxism, adding,
yet, the importance of reading literary texts by the concept of the Unconscious, which is
structured as a language. The main thinkers of this philosophy are Slavoj Žižek and Alan Badiou
and, here, we use mainly the concepts of the first of them to analyze the short story “Amor”,
by Clarice Lispector, focusing specially the possibility of connecting the plot of the short story
to an encounter with the traumatic Lacanian Real. Therefore, we analyzed the plot and
structure of the short story chosen searching for evidences which could be related to the
rupture or instability of Symbolic structure and entrance in the Real. We noticed that the very
structure of the short story opens the possibility to this interpretation, being constructed in
three different parts, which could be related to the Symbolic balance, the instability
occasioned by the contact with Real and the necessary restructuring of Symbolic level.
Entradas para indexação
PALAVRAS-CHAVE: Clarice Lispector. Amor. Crítica Literária. Materialismo Lacaniano. Slavoj
Žižek.
KEYWORDS : Clarice Lispector. Amor. Literary Criticism. Lacanian Materialism. Slavoj Žižek.
Texto integral
Introdução
Clarice Lispector (1920-1977) é uma escritora indubitavelmente consagrada.
Seus escritos já foram analisados pelos mais diversos pontos de vista e, entretanto,
sobre ela continua pairando uma aura de mistério que parece nunca deixar
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
compreender a forma como essa autora via e entendia o mundo. Hermética e
misteriosa, sua obra continua sendo “uma experiência, no limite, indecifrável”
(ROSENBAUM, 2002, p.08). Essa resistência à explicação também foi
considerada por Bosi, que à autora a posição de “fonte inesgotável de estudos”
(BOSI, 2006, p.424). Essas seriam justificativas para o grande número de artigos,
ensaios e teses sobre a obra da autora, cuja produção literária sempre resistiu “a
todas as tentativas de enquadramentos, classificações ou definições
(ROSENBAUM, 2002, p.08).
Clarice Lispector surgiu no cenário literário brasileiro com a publicação de
seu primeiro livro, Perto do Coração Selvagem, em 1943, o qual impactou
intensamente leitores e crítica, merecendo de Antonio Candido (1918-) a definição
de “tentativa impressionante para levar a nossa língua canhestra a domínios pouco
explorados” (CANDIDO, 1970, p. 127). O estudioso afirmou também, em outra
oportunidade, que “a jovem romancista ainda adolescente estava mostrando à
narrativa predominante em seu país que o mundo da palavra é uma possibilidade
infinita de aventura, e que antes de ser coisa narrada a narrativa é forma que
narra” (CANDIDO, 1988, p. XVIII), apontando também que “dentro da linha
dominante do romance brasileiro daquele tempo, ele foi um desvio criador”
(CANDIDO, 1988, p. XVII).
Sérgio Milliet (1898-1966) também se refere ao livro dizendo que
“raramente tem o crítico a alegria da descoberta” uma vez que “os livros que
recebe dos conhecidos consagrados não lhe trazem mais emoções” (MILLIET,
1981, p. 27). Escreve ainda que
a obra de Clarisse [sic] Lispector surge no nosso mundo literário
como a mais séria tentativa de romance introspectivo. Pela
primeira vez um autor nacional vai além, nesse campo quase
virgem de nossa literatura, da simples aproximação; pela primeira
vez um autor penetra até o fundo a complexidade psicológica da
alma moderna, alcança em cheio o problema intelectual, vira no
avesso, sem piedade nem concessões, uma vida eriçada de
recalques. (MILLIET, 1981, p. 32)
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
Nascida na Ucrânia, entre os anos de 1920 e 1925 os biógrafos discordam a
esse respeito , veio com a família para o Brasil com dois meses de idade. Morou
até os quatro anos em Alagoas; dos quatro aos doze em Pernambuco e depois disso
até 1944, no Rio de Janeiro, onde frequentou a Faculdade de Direito, trabalhou
como jornalista e se casou com o diplomata Maury Gurgel Valente, pai de seus dois
filhos.
Suas obras partem, geralmente, da realidade social da família burguesa dos
centros urbanos, flagrando aí “a realidade da mulher em complexo e inevitável
processo de encontro com uma identidade feminina, nas profundezas de um ao
mesmo tempo árido e fecundo sertão interiorizado, nas difíceis relações consigo
mesma e com o outro” (GOTLIB, 1988, p. 165), encontro com a identidade que
certamente podemos estender da identidade feminina para a identidade humana.
Quanto à forma como usa a linguagem em sua produção literária, Clarice
Lispector empresta aos objetos virtudes estranhas e usa “adjetivos quase em
contraposição à natureza sintática dos substantivos” (BRASIL, 1969, p. 48). Dessa
forma, a autora “conseguiu uma renovação e uma nova feição do instrumento
literário” (BRASIL, 1969, p. 48).
Nosso interesse por Clarice Lispector, nesta pesquisa, decorre da percepção
da multiplicidade de significados de sua obra. Buscamos, assim, encontrar algum
sentido que ainda não tenha sido posto e, para tanto, aplicaremos os pressupostos
da obra filosófica de Slavoj Žižek, estudioso de Lacan, a um de seus contos: “Amor”,
do livro “Laços de Família”, de 1960, enfocando principalmente o fenômeno
epifânico presente no mesmo.
Para abordarmos as considerações de Žižek, com as quais analisaremos o
conto escolhido, é interessante que primeiramente falemos sobre o Materialismo
Lacaniano, corrente nascida a partir dos trabalhos de pensadores como Slavoj
Žižek (1949-) e Alain Badiou (1937-). É uma corrente ainda não tão explorada,
especialmente em Literatura e, segundo Silva (2009, p. 211), “inicialmente ligada à
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
filosofia política”. Sua ideia fundamental é a crítica ao pensamento marxista
tradicional, com posterior enriquecimento do mesmo com conceitos do
psicanalista francês Jacques Lacan (1901-1981), cujo objetivo inicial era o de
retomar os conceitos freudianos. Segundo Silva (2009, p. 212), essa aplicação dos
conceitos lacanianos resgata o subjetivo para o social, retomando, assim, de um
novo modo, as propostas tradicionais de esquerda, “de buscar um humanismo
possível, de defender os grupos sociais e a humanidade da lógica do Capitalismo”
(SILVA, 2009, p. 212).
Desse modo, apesar do uso de ideias da Psicanálise, o materialismo lacaniano
não se propõe a “psicanalisar” seu objeto de estudo, nem pretende permanecer
vinculado apenas à filosofia política. Žižek levou o materialismo lacaniano para
além desse campo, aplicando-o aos Estudos Culturais e a questões
contemporâneas, que envolvem, por exemplo, desde o atentado de 11 de Setembro
a filmes de Hitchcock, entre outras questões (SILVA, 2009, p. 212), percebendo o
que elas “escondem” em suas estruturas mais íntimas.
Nesse sentido, Neves esclarece que Žižek se propõe analisar a cultura de
massa do mesmo modo como Lévi-Strauss se propõe a analisar os mitos, ou seja,
desconstruindo o que parece óbvio e mostrando a possibilidade de outras relações
e interpretações (NEVES, 2005, p. 29). Para isso, segundo Neves, deve-se realizar
“uma análise estrutural e ao mesmo tempo dialética entre a forma e o conteúdo”
(2005, p. 29)
Em relação à aplicação do materialismo lacaniano à literatura, Silva (2009, p.
212) nos informa da bem sucedida empreitada de Phillip Rothwell em A Canon of
Empty Fathers, no qual o pesquisador revisita a Literatura Portuguesa. Temos
ainda O Percurso do Outro ao Mesmo: sagrado e profano em Saramago e em Helder
Macedo (2010), de autoria de Marisa Corrêa Silva, que utiliza conceitos de Lacan,
Badiou e Žižek para esclarecer sobre o sagrado e profano em dois livros de cada
autor citado no título da obra.
A escolha pela análise do conto enfocando-o como representação do encontro
com o Real lacaniano é inspirado pela sugestão de Silva (2009, p. 215), quando
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
afirma que, se considerarmos o fenômeno epifânico pelo qual passam muitas das
personagens de Clarice Lispector como encontros com o Real lacaniano, muito
mais sentido no fato de essas personagens fugirem dessa experiência como por
demais intensa e dolorosa, de modo que
recusam essa experiência porque é isso que qualquer ser humano
faz, se colocado nas mesmas circunstâncias. O encontro com o
Real é assustador, impossível de ser descrito em palavras,
traumático, uma vez que o ser humano é incapaz de apreendê-lo
(SILVA, 2009, p. 215).
Dessa forma, a epifania em “Amor” não seria um simples enlevo, uma simples
revelação, e sim a revelação de algo intenso e doloroso, o Real, como aquilo que
foge à simbolização e à compreensão tradicional. Assim, a necessidade das
personagens de retorno à realidade seria uma “tentativa de ressimbolizar a
experiência, arrastando-a, por meio da palavra, para o domínio conhecido e seguro
do Simbólico” (SILVA, 2009, p. 215), uma forma de “cicatrizar um trauma”.
O conto em questão, “Amor”, narra a história de Ana, uma dona de casa
“comum”, que cuida da casa, do marido e das crianças. Na primeira parte do conto,
percebe-se a existência de algumas reminiscências relacionadas a uma vida
anterior àquela, sua “juventude anterior” (LISPECTOR, 1998, p. 20), mas há um
grande esforço por parte de Ana para deixar esse tempo anterior “abafado”. Para
isso, precisa “tomar cuidado na hora perigosa da tarde” (Idem, 1998, p. 20), que
era quando podia irromper algo desse passado para o presente.
Para evitar essa irrupção ameaçadora, Ana se ocupava de diversas tarefas, a
despeito de a casa estar arrumada. Em um dia que vai às compras, porém, a
visão de um homem cego acaba levando-a a um estado epifânico ou de revelação
que a atordoa, de modo a deixar cair do colo o saco de tricô onde carregava as
compras, o que fez com que os ovos que comprara se quebrassem, e perder o
ponto onde deveria descer do bonde. Tendo que voltar a pé, fica durante um tempo
no Jardim Botânico, onde sua sensibilidade, aflorada pela visão do cego, pode agir
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
mais livremente. Volta para seu apartamento ainda afetada com o acontecimento,
mas, aos poucos, vai “esquecendo” o ocorrido, até que, no fim, a entender que
todo aquele arrebatamento passou e que sua vida continuará normalmente no dia
seguinte.
Quando falamos sobre a questão do Real, alguns esclarecimentos se fazem
necessários. Um deles é a definição dada por Žižek, a partir de seus estudos sobre
Lacan, a respeito dos três instâncias a partir das quais o psicanalista compreende a
relação sujeito/mundo. São elas o Simbólico, o Imaginário e o Real, e Žižek os
representa usando como exemplo o jogo de xadrez. Assim, o Imaginário
corresponderia à forma que cada peça tem e os nomes que lhes são dados, como
uma relação entre significado e significante, sem implicações ideológicas. As regras
que se seguem no jogo, bem como as funções desempenhadas por cada peça a
partir de ser o que é, correspondem ao Simbólico. O que resta, o Real, corresponde
a “toda a série complexa de circunstâncias contingentes que afetam o curso do
jogo: a inteligência dos jogadores, os acontecimentos imprevisíveis que podem
confundir um jogador ou encerrar imediatamente o jogo.” (ŽIŽEK, 2010, p.16-7)
Ainda a respeito do Real que é o que fundamentalmente nos importa nessa
pesquisa –, é importante que fique claro que ele não é “uma espécie de núcleo duro
a realidade verdadeira, em oposição a nossas meras ficções simbólicas” (ŽIŽEK,
2006, p. 99) nem um “tipo de natureza bruta que seja posteriormente simbolizada.
Simboliza-se a natureza, mas, para simbolizar a natureza, produz-se, nessa própria
simbolização, um excesso ou uma falta, assimetricamente: e isso é o Real” (Idem,
2006, p. 99). Ou seja, se falamos da epifania como um “retorno do Real”, ou um
“contato com o Real”, isso não quer dizer que estejamos tratando de uma coisa
concreta que escape das lacunas da simbolização e nos alcance, mas, sim, da
percepção da existência dessas lacunas; existência essa que, por não ser passível
de simbolização, acaba apresentando-se como traumática. Žižek esclarece esse
ponto quando diz que
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
se o que experimentamos como ‘realidade’ é estruturado pela
fantasia, e se a fantasia serve como o crivo que nos protege,
impedindo que sejamos diretamente esmagados pelo real cru,
então a própria realidade pode funcionar como uma fuga de um
encontro com o real. (2010, p. 73)
Entendendo-se a fantasia como a falsa impressão da não existência de
lacunas na estrutura simbólica, a compreensão do que dissemos anteriormente fica
bastante clara. No caso da epifania das personagens de Lispector, retorna-se para a
realidade em uma tentativa de fugir do encontro com o Real citado por Žižek. É isso
que buscamos analisar no conto escolhido.
O amor como fissura
Na análise de “Amor”, a primeira característica que julgamos necessário
ressaltar é o fato de que podemos dividir o conto em três partes claramente
distintas. A primeira parte equivale à viagem de bonde; a segunda, à estadia no
Jardim Botânico e, a terceira, ao retorno ao lar. Na primeira parte podemos notar
diversas intermitências, informações reticentes e reminiscências de algum
momento anterior ao momento no qual a narrativa de desenvolve. Um exemplo
disso pode ser encontrado quando o narrador afirma que
Por caminhos tortos, viera a cair num destino de mulher [...]. Sua
juventude anterior parecia-lhe estranha como uma doença de
vida. Dela havia aos poucos emergido para descobrir que também
sem a felicidade se vivia: abolindo-a, encontrara uma legião de
pessoas, antes invisíveis, que viviam como quem trabalha com
persistência, continuidade, alegria. O que sucedera a Ana antes de
ter o lar estava para sempre fora de seu alcance: uma exaltação
perturbada que tantas vezes se confundira com felicidade
insuportável. Criara em troca algo enfim compreensível, uma vida
de adulto. Assim ela o quisera e escolhera. (LISPECTOR, 1998,
p.20)
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
No excerto acima temos grande quantidade de referências à “vida anterior”
de Ana. A primeira delas liga sua vida anterior, sobre a qual não sabemos nada, a
“caminhos tortos”, que seriam como uma “doença de vida”, algo que, no mínimo,
não se enquadraria com sua vida atual. Não informações mais explícitas sobre
como seria sua vida, ou o que quer dizer “caminhos tortos” em relação ao seu
momento anterior. o que se pode saber é que ela saíra dessa situação anterior
para uma outra, mais estável e “sem felicidade”, movida apenas pela “persistência,
continuidade, alegria”
A vida anterior de Ana é mostrada como repleta de uma exaltação
perturbada, como algo incompreensível. E, apesar de a todo momento Ana tentar
se convencer de que está em uma situação melhor, algo dessa vida anterior
emerge, como quando o narrador afirma que
sua preocupação reduzia-se a tomar cuidado na hora perigosa da
tarde, quando a casa estava vazia sem precisar mais dela [...]
Olhando os móveis limpos, seu coração se apertava um pouco em
espanto. Mas na sua vida não havia lugar para que sentisse
ternura pelo seu espanto ela o abafava com a mesma habilidade
que as lides em casa lhe haviam transmitido (IBIDEM, p.20-1)
Assim, percebe-se que há desde o início um conflito entre os sentimentos de
Ana, conflito esse que ela busca abafar com suas atividades cotidianas, uma vez
que não poderia sentir “ternura pelo seu espanto”. Além disso, a repetição da frase
“assim ela o quisera e escolhera” (IBIDEM, p. 20 e p. 21), que aparece duas vezes,
no final de dois parágrafos seguidos pode ser expressão de uma tentativa de se
forçar a uma aceitação da própria realidade, como se o sujeito (Ana) tivesse o
controle sobre esta e teme-se perdê-la.
Para manter essa realidade sob controle, Ana buscava outras atividades para
fazer, a fim de se ocupar. Podemos ver nessa situação o que Žižek chama de falsa
atividade: isso, basicamente, quer dizer que algumas ações humanas não são
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
realmente ações com vistas a um objetivo ou a uma alteração qualquer, mas sim
ações para “impedir que alguma coisa aconteça, de modo que nada venha a mudar”
(ŽIŽEK, 2010, p. 36). Assim, Ana estaria o tempo todo buscando atividades que
evitassem que sua “vida anterior” irrompesse em seu momento atual.
Além disso, o conformismo de Ana e a insistência em afirmar que aquela era a
vida que ela havia escolhido nos leva a outro ponto trabalhado por Žižek, que diz
respeito ao fato de que “o pertencimento a uma sociedade envolve um ponto
paradoxal em que cada um de nós é obrigado a abraçar livremente, como resultado
de nossa escolha, o que de todo modo nos é imposto” (IBIDEM, p. 21). Todos esses
elementos fazem com que a primeira parte do conto seja a representação de um
momento de extrema tensão, no qual a situação colocada inicialmente a todo o
momento ameaça ruir, e que é levada abaixo quando, em um momento que o
bonde onde estava pára, Ana o cego. A situação em que ela o vê, unida à sua
própria tensão íntima, faz com que aquele momento revele a Ana mesmo que ela
não formule isso em pensamentos ou palavras a existência de rupturas na rede
simbólica, impossibilidades, bloqueios. Podemos perceber isso quando o narrador
do conto questiona “o que havia mais que fizesse Ana se aprumar em
desconfiança? Alguma coisa intranqüila estava sucedendo” e também quando diz
que “a rede perdera o sentido”. Qual rede? – podemos perguntar a rede de
compras, que cai quando o bonde volta a andar, ou a rede simbólica?
Essa questão é interessante a partir do fato de essa rede de compras ou
saco de tricô ser descrita como nova, ou seja, não possuída ou existente em um
momento anterior àquele. Além disso, o saco é descrito como “deformado” (p. 19)
e “pesado” (p. 22), carregando o objeto de características negativas. Porém, o que
julgamos ser mais importante é o fato de o saco de compras ser incapaz de conter
as gemas dos ovos quebrados, que “pingavam entre os fios da rede” (LISPECTOR,
1998, p. 22), em paralelo com a rede simbólica, a partir da compreensão lacaniana,
que em alguns momentos é incapaz de impedir que o real escorra por entre suas
malhas.
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
Outro detalhe ao qual podemos dar atenção é o fato de que, quando Ana vê o
cego, o bonde está parado a interrupção de um processo contínuo e cotidiano,
para que, então, se dê a ruptura. Ou seja, é preciso para que haja uma ruptura
traumática, que as coisas mudem seu modo comum de ser, e sejam diferentes. Isso
faz com que retornemos à ideia de falsa atividade: pessoas que agem
freneticamente a partir de suas ações comuns para evitar o surgimento de uma
ação diferente.
Estruturalmente, o encontro com o cego também marca o início de uma
lacuna textual, que corresponde à segunda parte no conto, transcorrida no Jardim
Botânico. Podemos chamá-lo de lacuna tanto pelo fato de estabelecer um cenário
totalmente diverso do cenário urbano que temos nas duas outras partes do conto
bonde, cidade, apartamento - como também pelo fato de desaparecerem as
reminiscências e bloqueios constantes na primeira parte do texto, sendo
substituídos por uma profusão de metáforas e imagens naturais cujas adjetivações
são repletas de elementos contraditórios e desordenados, como ser fascinante e
gerar nojo, a ponto de o narrador dizer que, para a percepção de Ana, “a
decomposição era profunda e perfumada” (LISPECTOR, 1998, p. 25).
Ela ainda faz referência à crueza do mundo, refere-se algumas vezes à morte,
como quando fala que os caroços secos no chão eram “como pequenos cérebros
apodrecidos”, ou que “o assassinato era profundo. E a morte não era o que
pensávamos” (LISPECTOR, 1998, p.25). Outras referências à morte nessa parte do
conto são “o mundo era tão rico que apodrecia” e “o Jardim era tão bonito que ela
teve medo do Inferno” (LISPECTOR, 1998, p.25). A riqueza citada no texto também
existe nessa segunda parte do conto, nas suas descrições e metáforas alucinadas e
adjetivos luxuriosos, como é possível notar nos trechos a seguir:
Havia no chão caroços secos cheios de circunvoluções, como
pequenos cérebros apodrecidos. [...] Com suavidade intensa
rumorejavam as águas. No tronco da árvore pregavam-se as
luxuosas patas de uma aranha. [...]
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
Ao mesmo tempo que imaginário era um mundo de se comer
com os dentes, um mundo de volumosas dálias e tulipas. [...] Como
a repulsa que precedesse uma entrega era fascinante, a mulher
tinha nojo, e era fascinante.
[...] A moral do Jardim era outra. Agora que o cego a guiara até ele,
estremecia nos primeiros passos de um mundo faiscante, sombrio,
onde vitórias-régias boiavam monstruosas (IBIDEM, p.25 grifos
nossos).
No excerto acima, uma das coisas que logo chama a atenção é o uso dos
adjetivos terminados em –osas: “luxuosas”, “volumosas”, “monstruosas”, todas
sendo, ao mesmo tempo que qualitativas, quantitativas, por darem ideia de algo
“cheio de” alguma característica – luxuosa como cheia de luxo; volumosa como
cheia de volume; monstruosa como cheia de monstruosidade.
Além disso, diversas expressões que intensificam o teor obscuro e
misterioso da experiência, como a menção a “cérebros apodrecidos”, o oximoro
“suavidade intensa”, o paradoxo que se estabelece entre a “repulsa” e a “entrega”,
os adjetivos “faiscante” e “sombrio” e a ideia de que o jardim seja “um mundo de se
comer com os dentes”, ideia essa que ainda traz consigo tons de voracidade,
animalidade e instinto, o que também se relaciona com o adjetivo “monstruosas”
na sequência.
Todas essas caracterizações do Jardim Botânico dão a leitor a impressão de
que o ambiente seria mais aproximado de uma selva, uma mata virgem (e não
escapará ao leitor atento a simbologia dessa mata primordial, os atavismos que
evoca e as imagens da vida não como o oposto da decomposição, mas como um
ciclo que alegremente inclui e abraça essa decomposição), do que um Jardim no
meio de uma cidade.
O processo de passagem para a terceira parte do conto, quando Ana volta
para o apartamento, janta e vai dormir, é gradual, uma vez que ela tem que
ressimbolizar toda a situação anterior, ou seja, reestruturar a fantasia de que a
estrutura simbólica não possui lacunas. Isso é necessário para que consiga voltar a
viver normalmente, uma vez que, em razão do caráter traumático e excessivo do
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
real, “não somos capazes de integrá-lo na nossa realidade (no que sentimos como
tal), e portanto somos forçados a senti-lo como um pesadelo fantástico” (ŽIŽEK ,
2003, p. 33).
A estrutura textual do conto segue o mesmo processo, deixando pouco a
pouco as imagens contraditórias e metafóricas para trás e voltando para uma
linguagem e ritmo mais tranquilos e diretos. Isso pode ser notado nos dois
excertos a seguir. O primeiro deles é do início da terceira parte do conto, e ainda
trás algumas marcas da linguagem utilizada na parte anterior, ambientado no
Jardim Botânico. O segundo, mais próximo do final do conto, traz uma linguagem
bem mais direta e cotidiana.
A piedade pelo cego era tão violenta como uma ânsia, mas o
mundo lhe parecia seu, sujo, perecível, seu. Abriu a porta de casa.
A sala era grande, quadrada, as maçanetas brilhavam limpas, os
vidros da janela brilhavam, a lâmpada brilhava que nova terra
era essa? E por um instante a vida sadia que levara até agora
pareceu-lhe um modo moralmente louco de viver. (LISPECTOR,
1998, p.26)
Acima, ainda se percebe a influência da experiência no Jardim Botânico nas
comparações entre o mundo e seu mundo; um mundo “sujo”, perecível”
contrapondo-se a um mundo limpo e brilhante. Além disso, há um estranhamento,
após a experiência com o cego, em relação a sua vida cotidiana. Podemos perceber
isso na expressão “– que nova terra era essa? E por um instante a vida sadia que
levara até agora pareceu-lhe um modo moralmente louco de viver”. No segundo
excerto, a seguir, percebemos a contradição e a dualidade se esvaírem:
Jantaram com as janelas todas abertas, no nono andar, Um avião
estremecia, ameaçando no calor do céu. Apesar de ter usado
poucos ovos, o jantar estava bom. Também suas crianças ficaram
acordadas, brincando no tapete com as outras. Era verão, seria
inútil obri-las a dormir. Ana estava um pouco pálida e ria
suavemente com os outros. (IBIDEM, p.28)
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
Nesse caso, tudo se refere ao cotidiano, a atividades comuns de uma casa.
Jantar com amigos, as crianças brincando, o clima. O único traço de sua experiência
está em sua palidez, imperceptível para aqueles ao redor.
Além desses trechos, é interessante notar como acaba o conto. Depois de os
amigos terem ido embora e as crianças terem ido dormir, Ana olha pela janela,
questionando-se apenas levemente sobre o que lhe ocorrera: “O que o cego
desencadeara caberia nos seus dias? Quantos anos levaria até envelhecer de
novo?” (IBIDEM, p. 29). No meio dessa reflexão, ouve um ruído na cozinha, assusta-
se e vai verificar. O marido percebeu que ela estava um pouco estranha e a
abraçou. Na sequência, temos os três últimos parágrafos do conto:
Ela continuou sem força nos seus braços. Hoje de tarde alguma
coisa tranqüila se rebentara, e na casa toda havia um tom
humorístico, triste. É hora de dormir, disse ele, é tarde. Num gesto
que não era seu, mas que pareceu natural, segurou a mão da
mulher, levando-a consigo sem olhar para trás, afastando-a do
perigo de viver.
Acabara-se a vertigem de bondade.
E, se atravessara o amor e o seu inferno, penteava-se agora diante
do espelho, por um instante sem nenhum mundo no coração.
Antes de se deitar, como se apagasse uma vela, soprou a pequena
flama do dia. (IDEM, Ibidem, p.29)
Esses três parágrafos mostram o que, segundo nossa interpretação a partir
de Žižek, podemos considerar como o final da ressimbolização. A vivência da tarde
foi pouco a pouco ganhando um significado e se “naturalizando”, de modo que, no
final, “acabara-se a vertigem de bondade” e ela apagou a “flama do dia”, fechando a
lacuna que havia sido aberta pela visão do cego e “curando” o trauma.
Assim, retomando de forma sucinta toda a análise realizada, temos aqui,
tanto em forma quanto em conteúdo, a apresentação de um equilíbrio simbólico;
sua desestruturação pelo Real, o qual emerge a partir de um fato que não foi bem
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
simbolizado pela personagem; e a “sutura” desse “rasgo”, desenvolvida no último
trecho, com o retorno da personagem ao lar o que, metaforicamente, pode
representar o retorno à ordem simbólica inicial, ou a um novo estado de equilíbrio.
Cada um dos estados da personagem equilíbrio, desequilíbrio, reequilíbrio está
bem marcado textualmente a ponto de podermos dividir o conto em partes
especialmente a partir da linguagem, que tem um “teor” diferente em cada uma das
partes mais cotidiano, mais simbólico e, depois, mais cotidiano novamente, como
pudemos ver no trabalho aqui realizado.
Considerações finais
A partir da aplicação teórica realizada, pudemos mostrar brevemente o
quanto forma e estrutura dialogam de modo a desenvolver a ideia da narrativa.
Pudemos também notar que esta relação dialética entre a forma e o conteúdo
auxilia na construção do enredo do conto, de modo a sermos levados pelos
acontecimentos que envolvem a personagem. Além disso, pudemos notar que,
ainda que a aplicação do Materialismo Lacaniano em Literatura seja recente, ele é
válido e bastante profícuo, gerando interpretações interessantes para a Crítica
Literária. Por ser uma aplicação bastante recente, o campo de pesquisa é bastante
vasto e, além de ser possível visualizar em outras narrativas situações como a
presentemente trabalhada, pode-se explorar os diversos outros conceitos
abordados por essa corrente, de modo a alcançar um grande número de novas
interpretações mesmo para textos literários já bastante visitados.
Referências
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.
BRASIL, Assis. Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1969. (Ensaio)
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
CANDIDO, Antonio. Liminar: No começo era de fato o verbo. In: NUNES, Benedito (coord.). A
paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latino-
americaine, des Caraïbes et africaine do XXe siècle; Brasília, DF: CNPQ, 1988.
______. No raiar de Clarice Lispector. In: ______. Vários Escritos. São Paulo: Duas cidades,
1970. p. 125-131.
GOTLIB, Nádia Battella. Um Fio de Voz: Histórias de Clarice. In: NUNES, Benedito (coord.). A
paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latino-
americaine, des Caraïbes et africaine do XXe siècle; Brasília, DF: CNPQ, 1988.
LISPECTOR, Clarice. Laços de família. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
MILLIET, Sérgio. Diário Crítico (1944). Vol. II. 2. ed. São Paulo: Livraria Martins Editora, Editora
da Universidade de São Paulo, 1981.
NEVES, Elsa Santos. Tudo o que você gostaria de saber sobre Lacan e ousou perguntar a Slavoj
Žižek: Psicanálise e Cinema. Estudos de Psicanálise. Rio de Janeiro, n. 28, set., 2005. Disponível
em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ep/n28/n28a04.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2011.
ROSENBAUM, Yudith. Clarice Lispector. São Paulo: Publifolha, 2002. (Folha Explica)
SILVA, Marisa Corrêa. Materialismo Lacaniano. In: BONNICI, Thomas e ZOLIN, Lúcia Osana
(orgs.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3ªed. rev. e
ampl. Maringá: Eduem, 2009. p. 211-216.
ŽIŽEK, Slavoj. Como Ler Lacan. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
______. Bem-vindo ao deserto do Real!: cinco ensaios sobre o 11 de Setembro e datas
relacionadas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003. (Estado de Sítio)
ŽIŽEK, Slavoj e DALY, Glyn. Arriscar o Impossível: Conversas com Žižek. São Paulo: Martins,
2006.
Para citar este artigo
PRETTI, Thays; SILVA, Marisa Corrêa. Macabéa Revista Eletrônica do Netlli,
Crato, v. 1., n. 2., Dez. 2012, p. 250-266.
As Autoras
Thays Pretti é Mestranda em Estudos Literários pela Universidade Estadual de
Maringá (UEM). Possui graduação em Letras pelo Centro Universitário de Maringá
(2009). Tem interesse por materialismo lacaniano, crítica literária feminista e
psicanalítica.
Marisa Corrêa Silva possui graduação em Letras pela Universidade Estadual de
Campinas, mestrado em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de
Mesquita Filho e doutorado em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de
Macabéa Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
Mesquita Filho. Fez pós-doutorado na Rutgers - the State University of New Jersey.
Atualmente é professor associado no Departamento de Letras da Universidade
Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Letras, incluindo as Literaturas
brasileira e portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: Helder
Macedo, narrativa contemporânea, teoria do romance, personagem feminina.
Também tem publicações contemplando Teoria Literária e leituras
intersemióticas. Nos próximos anos, pretende dar continuidade aos estudos de
materialismo lacaniano.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Psychoanalysis is mostly interested in moving pictures that put in perspective the fundamental psychoanalytical concepts. Cinematographic language provides a rich illustration of the fundamental concepts of the lacanian theory, rather than an object for interpretation. Having the analytical proposal of Slavoj Žižek to analyze the lacanian concepts in moving pictures in the background, the kernel of this essay is to highlight the movie makers proceeding where the lacanians concepts comes to light such as the Big Other, Object a, Barred Subject and Fantasy.
A paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latinoamericaine, des Caraïbes et africaine do XXe siècle
  • Antonio Candido
CANDIDO, Antonio. Liminar: No começo era de fato o verbo. In: NUNES, Benedito (coord.). A paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latinoamericaine, des Caraïbes et africaine do XXe siècle; Brasília, DF: CNPQ, 1988.
Materialismo Lacaniano Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3ªed. rev. e ampl
  • Marisa Corrêa
SILVA, Marisa Corrêa. Materialismo Lacaniano. In: BONNICI, Thomas e ZOLIN, Lúcia Osana (orgs.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3ªed. rev. e ampl. Maringá: Eduem, 2009. p. 211-216.
Arriscar o Impossível: Conversas com Žižek
  • Slavoj Daly
ŽIŽEK, Slavoj e DALY, Glyn. Arriscar o Impossível: Conversas com Žižek. São Paulo: Martins, 2006.
  • Pretti Para Citar Este Artigo
  • Thays
  • Marisa Silva
  • Corrêa
Para citar este artigo PRETTI, Thays; SILVA, Marisa Corrêa. Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli, Crato, v. 1., n. 2., Dez. 2012, p. 250-266.
Um Fio de Voz: Histórias de Clarice A paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latinoamericaine , des Caraïbes et africaine do XXe siècle
  • Nádia Battella
GOTLIB, Nádia Battella. Um Fio de Voz: Histórias de Clarice. In: NUNES, Benedito (coord.). A paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latinoamericaine, des Caraïbes et africaine do XXe siècle; Brasília, DF: CNPQ, 1988.
História concisa da literatura brasileira
  • Alfredo Bosi
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.
Rio de Janeiro: Organização Simões, 1969. (Ensaio) Macabéa-Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ
  • Assis Clarice Lispector
BRASIL, Assis. Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1969. (Ensaio) Macabéa-Revista Eletrônica do Netlli | V.1., N.2., DEZ. 2012, p. 250-266.
A paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latinoamericaine, des Caraïbes et africaine do XXe siècle
  • Nádia Gotlib
  • Battella
GOTLIB, Nádia Battella. Um Fio de Voz: Histórias de Clarice. In: NUNES, Benedito (coord.). A paixão segundo G.H.: edição crítica. Paris: Association Archives de la littérature latinoamericaine, des Caraïbes et africaine do XXe siècle; Brasília, DF: CNPQ, 1988.
Tem interesse por materialismo lacaniano, crítica literária feminista e psicanalítica
  • Maringá
Maringá (UEM). Possui graduação em Letras pelo Centro Universitário de Maringá (2009). Tem interesse por materialismo lacaniano, crítica literária feminista e psicanalítica.