ArticlePDF Available

Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais

Authors:
299
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
Mercados agroalimentares e a agricultura
familiar no Brasil: agregação
de valor, cadeias integradas
e circuitos regionais
Renato S. Maluf Doutor em Economia pela Unicamp e
Professor do Curso de Pós-Graduação em
Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
(CPDA-UFRRJ)
Resumo
O artigo aborda a inserção da agricultura familiar nos mercados de produtos
agroalimentares e a produção de alimentos realizada em pequenos e em médios
empreendimentos agroalimentares rurais. Ele se inscreve na ótica da promoção
de estratégias autônomas de agregação de valor às matérias-primas agrícolas
por seus próprios produtores, valendo-se do enfoque da “construção de merca-
dos” adequado à realidade dos agentes econômicos de pequeno porte. Sugere-
-se incorporar à abordagem de tipo setorial a dimensão espacial-territorial da
atividade produtiva e das relações mercantis envolvidas, com base na noção de
circuitos regionais de produção, distribuição e consumo de alimentos.
Palavras-chave
Agricultura familiar; mercados agroalimentares; segurança alimentar.
Abstract
The paper analyses the participation of family farmers in agrofood product markets,
and the food production based on small and medium scale rural entrepreneurships.
It aims to highlighting autonomous strategies for adding value to raw materials
by their own producers, making use of the approach of "market construction"
reckoned as more adequate to small economic agents. The notion of regional
300 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
circuits of food production, distribution and consumption is suggested in order to
enlarging sectorial approaches by taking into account the spatial-territorial
dimension of production activities and market relations.
Classificação JEL: Q13
Os originais deste artigo foram recebidos
por esta Editoria em 25.09.03.
Este artigo trata da inserção da agricultura de base familiar nos mercados
de produtos agroalimentares, com vistas a abordar a produção de alimentos
realizada em pequenos e em médios empreendimentos rurais e as possibilida-
des para sua promoção. Três objetivos principais orientam este esforço analíti-
co. O objetivo de ordem geral relaciona-se com o fato de os empreendimentos
agroalimentares de pequeno e médio portes constituírem componente central
para uma estratégia de desenvolvimento assentada em atividades econômicas
promotoras de eqüidade e de inclusão social, em bases sustentáveis. Há um
objetivo específico ao tema agroalimentar, que é o de ampliar a oferta de alimen-
tos de qualidade de um modo que favoreça a expressão da diversidade de hábi-
tos de consumo no País, ambos aspectos essenciais à ótica da segurança
alimentar. Finalmente, há um objetivo subsidiário ao anterior, que é o de induzir
a concorrência e a diversidade em mercados (alimentares) com forte poder de
indução pelas grandes corporações.
O texto está organizado em seis seções, iniciando com observações
introdutórias sobre a perspectiva geral que orienta a proposta apresentada no
documento e sobre alguns dos seus requisitos e implicações macroeconômicas.
As duas seções seguintes abordam as novas possibilidades de inserção mer-
cantil da agricultura familiar e sugerem a incorporação da dimensão espacial-
territorial na análise das relações mercantis mantidas pelos pequenos agriculto-
res com as cadeias integradas e com os circuitos regionais de produção, distri-
buição e consumo de alimentos. A quarta seção trata dos requisitos para a
implementação de projetos de agregação de valor às matérias-primas agrícolas
por seus próprios produtores. A evolução do perfil do consumo e dos hábitos de
compra de alimentos no Brasil é analisada na quinta seção. Por fim, a sexta
301
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
seção do estudo identifica os principais obstáculos e instrumentos de apoio
para a promoção da agricultura familiar na perspectiva adotada pelo documento.
1 - Observações preliminares
As análises sobre a questão alimentar colocam ênfase na disponibilidade
de renda monetária das famílias enquanto principal condicionante do acesso
aos alimentos por uma grande parcela da população. É freqüente concluir-se
que há oferta suficiente de alimentos para abastecer adequadamente toda a
população mundial e, particularmente, a brasileira. Contudo reconhecer que o
problema está na capacidade de adquirir os alimentos não implica dar como
equacionada a questão da produção agroalimentar, principalmente quando se
vai além da mera disponibilidade física de bens para considerar os aspectos
socioeconômicos, culturais, espaciais e ambientais envolvidos na produção dos
alimentos. A forma como se organiza a produção agroalimentar reflete as op-
ções de desenvolvimento de um país (ou região) nos aspectos mencionados,
bem como determina as condições em que os alimentos são ofertados à popu-
lação em termos de disponibilidade, qualidade e preço.
Considera-se, aqui, a agricultura de base familiar como a forma mais con-
veniente de ocupação social do espaço agrário. A promoção dos pequenos pro-
dutores de alimentos promove a eqüidade e a inclusão social em simultâneo a
uma maior e mais diversificada oferta de alimentos à população produzidos sob
formas sustentáveis. Vale dizer, as atividades que se está propondo estimular
são, elas mesmas, grandes geradoras de ocupação e de renda,1 em simultâneo
à sua condição de ofertantes de alimentos de qualidade e diversificados.2
Olhada desde outro ângulo, a restrição de renda das famílias (por falta de
ocupação ou por baixa remuneração do trabalho) constitui fator macroeconômico
que limita a expansão dos mercados de produtos agroalimentares, mais além
1 Com base num modelo kaleckiano, em que a dinâmica econômica é estimulada pelo emprego,
Sachs (1999) destaca o papel das unidades familiares rurais gerando emprego e assegu-
rando uma oferta crescente de alimentos. Sugere, ademais, que as escolhas de tecnologia
preservem o pluralismo tecnológico, em contraste com o que denomina de “modernização
perversa” da agricultura.
2 O duplo benefício da promoção dos pequenos agricultores em termos da geração simultânea
de renda e de alimentos foi há muito percebido por autores como A. Sen; essa característica
constitui componente central de estratégias de desenvolvimento com eqüidade e segurança
alimentar no Brasil (Maluf, 1995).
302 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
do conhecido efeito da baixa elasticidade-renda da demanda de alimentos. As-
sim, a contínua expansão desses mercados é uma das condições para que a
promoção da pequena e da média produção de base familiar não se faça à custa
da exclusão de grande parte dos produtores, num fenômeno que se denominou
“armadilha da modernização” (Maluf, 2002). Isto é, a transposição para o plano
macro (conjunto dos agricultores) do enfoque microeconômico da modernização
agrícola com especialização produtiva, com o conseqüente aumento na produti-
vidade, resulta, a médio prazo, na exclusão do mercado respectivo de um con-
tingente significativo de pequenos produtores tornados “excessivos” (ou “não
competitivos”). Vale dizer, a agricultura de base familiar torna-se a vítima da
receita comumente formulada para sua redenção. Esse é um fenômeno mais
geral que se acirra num contexto de restrição de mercado por razões de insufi-
ciência de renda ou de crescimento lento da demanda. Além da expansão da
demanda, outros dois instrumentos que contribuem para enfrentar a referida ar-
madilha são a adoção de formas adequadas de apoio (sobretudo no crédito) e a
existência de mecanismos compensatórios das desvantagens dos pequenos
empreendimentos no acesso aos recursos (terra, dentre outros) e na concorrên-
cia com os agentes econômicos de grande porte.
Claro que a exclusão do mercado de um produto não leva, necessariamen-
te, ao desaparecimento de um tipo de agricultura que tende a combinar diversas
atividades produtivas no interior da unidade agrícola. Além disso, a produção de
alimentos não se constitui na única e obrigatória alternativa para assegurar tra-
balho e renda às unidades familiares rurais, pois estas são, no mais das vezes,
pluriativas. Há que chamar atenção, porém, que as rendas não agrícolas rurais
ou urbanas podem dar importante contribuição para a reprodução daquelas famí-
lias (nem todas) que dispõem de condições para desenvolver o turismo rural e o
artesanato ou para exercer um trabalho qualificado no campo ou na cidade,
dentre outros.3 Não raro, as rendas não agrícolas constituem fonte precária de
renda oriunda de ocupações pouco qualificadas e de baixa remuneração, asso-
ciadas a uma atividade agrícola fragilizada.
Assim, não obstante as importantes diferenças regionais, pode-se afirmar
que a viabilização das atividades de produção agroalimentar continua sendo ele-
mento essencial para a reprodução das famílias rurais em condições dignas,
3 O próprio agroturismo é uma atividade que requer significativa capacitação, como o revela a
experiência francesa, na qual unidades mais profissionalizadas e com maior gama de servi-
ços substituíram boa parte daquelas que integraram a grande expansão inicial e se limitavam
a oferecer alojamento rural, as quais encerraram suas atividades posteriormente (Capt,
1997).
303
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
tanto como fonte direta de renda monetária e de alimentos para o autoconsumo,
quanto por fornecerem a base necessária para muitas das atividades não agríco-
las. Alerte-se que as atividades de agregação de valor às matérias-primas anali-
sadas adiante, se classificadas como não agrícolas, dão margem a interpreta-
ções errôneas, que subestimam a centralidade da atividade agrícola, no caso, a
fonte que assegura a matéria-prima.
A principal perspectiva adotada no presente artigo é promover a agregação
de valor aos produtos agropecuários pelos próprios agricultores. O caminho mais
adequado, embora não o único, são as iniciativas autônomas dos produtores de
elaborar ou de processar a matéria-prima agrícola, de forma individual ou
associativa. Nos projetos associativos, coloca-se, ademais, a importância de
preservar vínculos estreitos entre a produção da matéria-prima agrícola e a atividade
de agregação de valor à mesma, pois o maior ganho gerado pela última pode dar
origem a processos de diferenciação econômica entre os agricultores envolvi-
dos. Esse objetivo de eqüidade é melhor contemplado pelas estratégias assen-
tadas em unidades processadoras de pequeno e médio portes, com formas de
gestão e mecanismos de apropriação dos ganhos que busquem, explicitamen-
te, o referido objetivo.
As questões de mercado despontam, ao lado do acesso ao crédito em
condições adequadas, dentre os principais determinantes das possibilidades
de êxito dos programas de apoio à produção agroalimentar realizada em
empreendimentos de pequeno e médio portes. Nos grandes países como o
Brasil — assim considerados pela dimensão territorial e pelo contingente
populacional —, o mercado doméstico desempenha papel dinâmico importante,
e tende a ser majoritária a participação da produção interna no consumo total,
particularmente no caso dos alimentos. O maior peso relativo do mercado
doméstico e a grande diversidade regional podem ampliar as oportunidades para
o florescimento de pequenos e médios empreendimentos agroalimentares.
Essas oportunidades serão tanto maiores quanto melhor distribuídas forem a
renda e a riqueza, sendo que as próprias atividades agroalimentares de pequena
escala dão, elas mesmas, importante contribuição para a geração de emprego
e de renda.
A característica de ser um grande país confere também maior relevância à
dimensão espacial ou à territorialidade da inserção mercantil da agricultura de
base familiar. O destaque à dimensão espacial deve-se à preocupação com a
amplitude das relações mercantis que os pequenos produtores são capazes de
estabelecer e também porque ela permite valorizar a relação entre a produção e
o consumo dos alimentos (Maluf, 2002).
Por fim, cabe uma breve referência à questão do mercado externo no atual
contexto de abertura comercial e em que as políticas comerciais subordinam a
304 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
implementação de políticas de desenvolvimento. O funcionamento desse merca-
do vem se caracterizando por uma logística mais complexa e competitiva de
estabelecimento de relações comerciais e por esforços dirigidos de conquista
de novos mercados, em lugar de um ambiente de liberalização generalizada e de
competição aberta imaginado pelos ideólogos dos acordos comerciais. No Bra-
sil, a agricultura de base familiar sofre, de um lado, os efeitos diretos da abertura
comercial unilateral e da constituição do Mercosul não acompanhadas de meca-
nismos protetores ou de políticas de reconversão produtiva, gerando impactos
negativos nos preços dos seus produtos e, de forma mais localizada, da ocupa-
ção de fatias dos seus mercados. De outro lado, para que os pequenos agricul-
tores participem significativamente no esperado aumento das exportações, é
requerida não apenas sua capacitação para atender às exigências de conformi-
dade e qualidade dos produtos em mercados específicos, mas também que
seus interesses logrem se expressar institucionalmente na complexa política
comercial antes referida.
2 - Agricultura familiar e os mercados
de produtos alimentares
As tendências recentes do sistema agroalimentar caracterizam-se pela
coexistência de processos de padronização e de diferenciação no consumo dos
alimentos, cujos reflexos vão até a etapa da produção agrícola. De um lado,
assiste-se à continuidade da concentração do processamento agroindustrial para
fazer frente aos requisitos da produção em grande escala, ainda que as novas
tecnologias permitam que a maior escala de produção seja acompanhada da
diferenciação dos produtos finais. Uma das conseqüências dessa tendência tem
sido o comprometimento da sobrevivência da agricultura familiar nas regiões e
nas cadeias produtivas onde ela tem presença tradicional, como o demonstra a
seleção que as grandes corporações promovem entre os agricultores integrados
que lhes fornecem matéria-prima na avicultura, na suinocultura e na pecuária
leiteira.
De outro lado, a valorização de produtos com atributos diferenciados de
qualidade cria novas oportunidades de mercado, muitas das quais acessíveis
aos agricultores de pequeno e médio portes. As novas oportunidades incluem
desde a inserção desses agricultores em mercados de nicho nacionais e inter-
nacionais, como se verifica nos produtos artesanais, nos com denominação de
origem e nos orgânicos, até o aprimoramento dos circuitos regionais de produ-
ção, distribuição e consumo de alimentos abordados adiante.
305
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
As novas possibilidades de inserção da agricultura familiar nos mercados
agroalimentares com base em estratégias autônomas requerem uma ótica de
“construção de mercados” adequada à realidade dos agentes econômicos de
pequeno porte (Maluf; Wilkinson, 1999). Os enfoques econômicos convencio-
nais baseiam-se numa concepção de “acesso a mercados” supostos existentes
ou que são considerados como um dado externo ao âmbito do empreendimento
em questão. A ênfase é, assim, colocada na capacitação empresarial
(“empresarialização”) dos pequenos empreendedores (agricultores) e em outros
aspectos internos aos empreendimentos. Diferentemente desses enfoques, ao
se considerarem os mercados como resultado de construção social, ganham
relevância elementos tais como os processos que levam à construção do próprio
valor dos produtos, as relações (muitas vezes personalizadas) que se estabele-
cem entre os agentes econômicos (produtivos, comerciais e financeiros) e a
instituição de formas associativas unindo produtores e demais envolvidos na
produção e na distribuição dos respectivos produtos.
Além da ótica da construção de mercados, o conjunto diversificado de
atividades produtivas desenvolvidas pela agricultura de base familiar requer com-
binar a costumeira abordagem de tipo setorial com a consideração da dimensão
espacial-territorial da atividade produtiva e das relações mercantis dela deriva-
das. A abordagem setorial focaliza os produtos ou cadeias produtivas e as ca-
racterísticas dos mercados segundo o tipo de produto, sendo necessária para
tratar dos aspectos específicos ligados à elaboração e à colocação dos produ-
tos nos seus respectivos mercados. Aos elementos extraídos das avaliações
por produto, deve-se acrescentar uma abordagem espacial-territorial que consi-
dere os agentes econômicos (no caso, a unidade familiar rural) e seus ambien-
tes (o território ou região).
Essa abordagem implica que a unidade familiar rural é considerada como
um conjunto composto de atividades complementares, que conformam a dinâ-
mica de reprodução econômica dessas unidades, em lugar de se avaliarem ape-
nas as possibilidades oferecidas por produto individualmente considerado, de
um modo que segmenta as atividades desenvolvidas pelos pequenos agriculto-
res. Outra implicação é combinar a utilização das noções de sistema alimentar,
regime alimentar e cadeias produtivas, com a de redes socioeconômicas —
enquanto relações “situadas”4 —, tornando possível identificar a amplitude e a
4 Referindo-se à atividade produtiva, Pecqueur (2001) diz que, por ser “situada”, ela é função
das características do seu meio sociofísico, isto é, a produção tem um enraizamento (o
embeddedness de Granovetter) num espaço físico e em práticas constituídas histori-
camente.
306 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
natureza diferenciada das relações mantidas pela agricultura familiar com os
mercados dos produtos agroalimentares.
O aspecto territorial está também presente em três outros componentes
importantes para o tema em questão. Primeiro, muitas das estratégias fundadas
na agregação de valor aos produtos agrícolas pelos próprios agricultores familia-
res assentam-se na construção de uma identidade territorial de onde deriva boa
parte do próprio valor que se quer atribuir aos bens. Os principais exemplos são
os produtos com denominação de origem e os artesanais típicos de uma cultura
regional.5 Segundo, o aspecto territorial permite introduzir a perspectiva de apro-
ximar as relações entre a produção e o consumo dos alimentos (ótica da segu-
rança alimentar), cujas vantagens se localizam não apenas no menor custo de
transporte, mas também na qualidade e na confiabilidade dos produtos e na sua
maior identificação com hábitos de consumo diferenciados. Terceiro, ao inserir
os projetos produtivos dos agricultores numa dada dinâmica regional, a aborda-
gem espacial-territorial amplia as possibilidades de aproveitamento de eventuais
vantagens de aglomeração (clustering). Como vem sendo destacado, a aglome-
ração de micro e pequenas empresas pode dar origem, dentre outros, a efeitos
benéficos na geração e na difusão de inovações adequadas, a ganhos de escala
(transporte, comercialização, etc.) e à apropriação de competências regionais
(qualificação do trabalho, recursos naturais específicos, etc.). Ela requer a exis-
tência de relações horizontais de cooperação, reciprocidade e ação coletiva,
nesse caso, construídas com base em estratégias autônomas dos pequenos
agricultores.6
Essas estratégias podem estar assentadas em caminhos individuais, po-
rém com base numa identidade regional (produtos com denominação de ori-
gem), ou na associação de produtores em busca de escala, implicando alguma
especialização produtiva associada à segmentação de mercado. De todo modo,
configura-se um padrão de desenvolvimento mais eqüitativo do que, por exem-
plo, aquele que resulta da relação de integração mantida pela grande agroindústria
com seus fornecedores concentrados numa determinada região.7
5 A espacialização que se faz com base na diversidade cultural requer uma base originária
comum (hábitos culturais comuns), porém, para que as diferenças se perenizem, é preciso
que elas se institucionalizem como no caso dos produtos com denominação de origem
controlada, dentre outros.
6 Neste ponto, são de grande valia os enfoques (como o de Putnam) que trazem para o primeiro
plano as características da organização social, como redes, normas e confiança, que faci-
litam a coordenação e a cooperação para benefício mútuo.
7 O território que interessa às grandes empresas são as vantagens comparativas. No caso da
agroindústria, a territorialidade da sua estratégia manifesta-se na relação entre a origem da
307
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
3 - Cadeias integradas e circuitos regionais
Esta seção procura caracterizar as relações mantidas pela agricultura fa-
miliar com os mercados de alimentos, incorporando um critério espacial que
se encontra esquematizado no Diagrama 1. Pode-se afirmar que a agricultura
familiar mantém dois tipos de vínculos simultâneos com os mercados dos seus
produtos: um deles com cadeias integradas nacional e internacionalmente; e
outro com o que denominei circuitos regionais de produção, distribuição e con-
sumo de alimentos (Maluf, 1995).
Participam das cadeias integradas as cooperativas de grande porte, as
corporações agroindustriais, a indústria alimentar, a intermediação mercantil e
as redes de supermercados. Seu horizonte de atuação são os mercados nacio-
nal e internacional, ainda que os agentes de grande porte (corporações
agroindustriais e redes de supermercados) possam definir estratégias regionais
diferenciadas no interior do País. A vinculação da agricultura familiar a essas
cadeias pode se dar sob formas contratuais (como na chamada agricultura inte-
grada) ou através de elos comerciais normais.
Os principais produtos agrícolas que transitam por essas cadeias são: os
grãos (soja e milho) destinados à exportação ou à agroindústria (óleos e ra-
ções); o trigo destinado à indústria de massas e à panificação; os animais des-
tinados à agroindústria de carnes; o leite destinado aos laticínios; as frutas para
consumo in natura ou para produção de sucos, doces e conservas. Claro está
que a maioria desses produtos é comercializada também pelo varejo tradicional
de pequeno porte, fato que não altera o argumento principal quanto à dinâmica
diferenciada desse tipo de encadeamento em relação aos circuitos regionais
abordados a seguir.
Os circuitos regionais de produção, distribuição e consumo de alimentos
formam-se no âmbito das regiões no interior do País ou no entorno dos núcleos
urbanos de pequena e média dimensões. Além dos produtores agrícolas, esses
circuitos são integrados por cooperativas ou associações de pequenos agricul-
tores, constituídas para beneficiar ou processar as matérias-primas agrícolas, e
por empreendimentos urbanos industriais e comerciais, também de pequeno
matéria-prima agrícola e a localização das plantas industriais, cuja expansão ou retração
numa dada região repercute sobre as respectivas cadeias produtivas, especialmente sobre
os fornecedores da matéria-prima, favorecendo ou comprometendo a reprodução dos pe-
quenos produtores e a adoção de alternativas mais autônomas pelos últimos.
308 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
porte, ligados à transformação, à distribuição e ao consumo de produtos alimen-
tares, a saber: pequena indústria alimentar, pequenos supermercados, um con-
junto diversificado que compõe o varejo tradicional e o comércio especializado
de alimentos e de refeições prontas (armazéns, empórios, quitandas, padarias,
açougues, rotisseries, casas de frios, etc.), equipamentos de abastecimento
(feiras livres, varejões, sacolões, etc.). Nos circuitos regionais, está incluída,
ainda, a venda direta aos consumidores realizada pelos próprios agricultores.8
Apesar de o critério para delimitar os circuitos regionais ser, em primeira
instância, geográfico, pois ele se baseia na proximidade física entre os agentes,
o desenvolvimento de tais circuitos é uma resultante de processos socioespaciais.
A proximidade física não é suficiente para gerar relações sistemáticas e sinérgicas
entre os agentes econômicos instalados numa determinada região, relações
que constituem condição para a conformação dos referidos circuitos regionais.
Essas relações são construídas por processos que refletem as formas sociais
de ocupação do território, as opções de estratégia dos agentes econômicos
envolvidos e as ações públicas voltadas para promover as atividades econômicas
locais e regionais.
Com relação às formas de ocupação do território, pode-se afirmar que a
predominância de uma agricultura especializada de grande escala é muito me-
nos favorável para a conformação dos circuitos regionais e, menos ainda, para a
promoção desses circuitos com a perspectiva sugerida no presente documento.
A agricultura diversificada de pequena escala, por seu turno, oferece possibilida-
des de se estabelecerem vínculos produtivos e comerciais, em âmbito regional,
voltados para a produção, a distribuição e o consumo de alimentos diferencia-
dos. Sendo objeto de construção, os circuitos regionais são passíveis de domí-
nio ou de controle por parte de um ou mais agentes econômicos privados que se
dediquem a organizá-los, nem sempre resultando em benefícios para os peque-
nos agricultores e para os consumidores. Também por essa razão, cabe a
implementação de ações públicas visando promover a produção e o consumo de
alimentos regionais de qualidade, sob a forma de programas governamentais e
de projetos envolvendo organizações não-governamentais de apoio e entidades
representativas dos agricultores e dos consumidores.9
8 Cabe registrar o pequeno desenvolvimento da venda direta ao consumidor na zona rural —
em contraste com a França (Capt, 1997) —, possivelmente pela importância dos núcleos
urbanos de maior porte e pelas dificuldades de acesso às comunidades rurais. Contudo são
crescentes as iniciativas de criação de espaços de comercialização direta ao lado das
estradas e mesmo nas referidas comunidades.
9 Veja-se, por exemplo, a idéia de "mercado de proximidade", que já vem sendo adotada em
administrações municipais no Brasil.
309
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
Cooperativas
(médias e
grandes)
Mercado nacional
Agroindústria-
-indústria alimentar
(pequen
Intermediação
comercial
(atacado)
Agroindústria-
-
indústria alimentar
(médias e grandes
empresas)
Cooperativas-
-associações
(produtores)
Mercado internacional
Mercados locais e regionais
Redes de distribuição
supermercados
AGRICULTURA FAMILIAR
Autoconsumo
Cadeias integradas
nacionais-internacionais
Circuitos regionais de produção,
distribuição e consumo
Agricultura familiar e os mercados de alimentos
Diagrama 1
Varejo tradicional-
-
especializado
310 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Os bens típicos dos circuitos regionais são as carnes diferenciadas (como
a galinha caipira), derivados de carne (embutidos), farinhas (mandioca, milho,
trigo colonial, etc.), queijos típicos e requeijões, frutas (frescas ou em polpa),
hortaliças, pescados frescos, conservas e doces em geral, condimentos, etc.
Esses produtos são, na maioria das vezes, expressões de diversidade por uma
ou mais das seguintes razões: são de cultivo tradicional de uma região, refletem
hábitos de consumo peculiares, guardam relação com uma dada base de recur-
sos naturais, preservam as características da produção artesanal. O horizonte
dos agentes envolvidos nos referidos circuitos são os mercados local e regional,
apesar de serem cada vez mais freqüentes as iniciativas voltadas para destinar
a mercados distantes os produtos diferenciados oriundos da agricultura familiar
(artesanais, com identificação de origem ou orgânicos).
4 - Produção diversificada e
agregação de valor
Como mencionado na seção anterior, a agricultura familiar mantém víncu-
los simultâneos de distintos tipos com os mercados de produtos agroalimentares
em razão do seu perfil produtivo diversificado. Assim, a reprodução das unidades
familiares rurais baseia-se no conjunto das atividades produtivas por elas desen-
volvidas e nos vínculos com os mercados que lhes são correspondentes. Há
sempre que mencionar a parcela da produção que é destinada ao autoconsumo,
importante componente da reprodução dessas famílias (da sua segurança ali-
mentar).
No que se refere aos fatores “dentro da porteira”, as opções de estratégia
de inserção nos distintos mercados dependem da disponibilidade de recursos e
implicam distintas combinações dos recursos produtivos disponíveis no interior
das unidades familiares. Uma tentativa de caracterização geral das atividades
produtivas da agricultura familiar destinadas à comercialização revela a predomi-
nância da combinação “cultivo de grãos e criação animal (carnes e leite)” com
variações regionais na composição específica e no peso relativo dos componen-
tes. A essa combinação acrescentam-se os hortícolas (verduras e legumes) e
as frutas, que, em alguns casos, podem integrar o núcleo principal dos cultivos
comerciais.
Ao se considerar a unidade familiar rural no seu conjunto, tendo em conta
as várias atividades produtivas e os correspondentes vínculos com os mercados,
nota-se que a diversificação que a caracteriza se vale da complementaridade
311
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
existente entre suas atividades. Contudo ela pode também se ver frente a pres-
sões competitivas ou a opções de estratégia que dificultam a manutenção do
perfil produtivo diversificado ou tornam incompatível uma dada combinação dos
recursos.
A complementaridade entre as diversas atividades da agricultura familiar
fica bastante evidente na elaboração de derivados a partir de matéria-prima agrí-
cola própria. Não raro, a elaboração de derivados constitui apenas um subproduto
da atividade mercantil principal, que é o produto primário destinado às cadeias
integradas, com os derivados sendo comercializados de forma ocasional nos
circuitos regionais. Dois exemplos desse tipo de combinação são os queijos
feitos com o leite extracota ou com aquele que é rejeitado pelos laticínios e os
embutidos produzidos com base nos animais (suínos) não entregues aos frigorí-
ficos.
A complementaridade constitui, também, fator explicativo da permanência
numa determinada atividade mesmo que esta apresente um retorno insuficiente
quando avaliado segundo cálculos convencionais de rentabilidade do capital apli-
cado. Veja-se, por exemplo, o papel cumprido pela pecuária leiteira para boa
parte dos pequenos agricultores, que nela permanecem devido ao aporte de uma
renda monetária regular essencial ao financiamento da unidade familiar, mesmo
que recebam um baixo preço por litro de leite entregue. Como destacado nas
análises clássicas sobre o campesinato, a complementaridade entre atividades
diversificadas é um dos componentes da lógica econômica peculiar da reprodu-
ção dos agricultores familiares, em que as decisões se orientam mais por um
forte sentido de preservação patrimonial do que pelo estrito cálculo da taxa de
retorno do capital investido.
A manutenção do perfil diversificado das unidades familiares rurais, com
seus múltiplos vínculos mercantis, tende a se ver comprometida pelas pressões
competitivas na direção da elevação da escala de produção e, conseqüentemen-
te, de um maior grau de especialização produtiva. A aplicação dos recursos
(terra, mão-de-obra e recursos financeiros) passa a se concentrar num leque
reduzido de produtos, e a inserção mercantil dirige-se mais fortemente às
cadeias integradas e ao(s) mercado(s) correspondente(s), nacional ou interna-
cional. No limite, chega-se às unidades familiares especializadas em um ou
dois produtos, como ocorreu nos cultivos mecanizados de grãos e da cana-de-
-açúcar e pode vir a ocorrer na pecuária leiteira. Os eventuais benefícios gerados
pelas economias de escala são acompanhados de maior vulnerabilidade
econômica frente aos insucessos de safra, às oscilações de mercado e às rup-
turas dos compromissos de aquisição do produto, ao que se somam os impac-
tos ambientais negativos da agricultura especializada. Foi o movimento nessa
direção, sob os rótulos da capitalização ou da modernização, que fez desapare-
312 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
cer um grande contingente de pequenos estabelecimentos rurais que não dispu-
nham dos recursos necessários para participarem daquele movimento ou que
simplesmente se tornaram supérfluos em face do aumento da oferta.
A estratégia aqui sugerida apóia-se na combinação das atividades desen-
volvidas nas unidades familiares rurais, base para a implementação de iniciati-
vas autônomas pelos agricultores de agregação de valor ao produto primário, em
forma individual ou associativa. Sua vantagem mais evidente está na apropria-
ção, pelas famílias rurais, de maior parcela do valor do produto final de consumo.
Contudo é importante que a estratégia seja gradual e tenha em conta processos
já existentes, buscando preservar e aprimorar um padrão diversificado e susten-
tável de agricultura em bases familiares.
O desenvolvimento dos projetos de agregação de valor às matérias-primas
agrícolas e as novas formas de inserção nos mercados fazem-se, em geral, de
forma gradativa, sem romper, imediatamente, as relações comerciais
preexistentes, principalmente aquelas tradicionalmente mantidas com as
cadeias integradas através do cultivo comercial de grãos e da pecuária leiteira
presentes na maioria das unidades familiares. A consolidação e a expansão dos
projetos de agregação de valor afetarão os vínculos preexistentes e a combina-
ção dos recursos produtivos, na medida em que a produção de derivados deixar
de ser secundária, ou que o processamento do bem primário absorver toda a
quantidade disponível do mesmo. Pode ocorrer, ainda, que o projeto autônomo
de agroindustrialização venha a constituir alternativa às formas usuais de
integração agroindustrial.
Esses projetos materializam-se através de processos graduais de
reconversão produtiva, visando à agregação de valor às matérias-primas agríco-
las, com metas parciais tanto para o que será produzido, como para a amplitude
dos mercados a serem atingidos. De fato, a elaboração ou o processamento das
matérias-primas comporta resultados intermediários em termos do grau de ela-
boração e da diferenciação dos produtos finais, assim como é progressiva a
construção dos mercados para esses produtos. O realismo que se busca ao
destacar o caráter gradual dos referidos processos de reconversão não implica
incorrer na rigidez dos modelos com etapas ou seqüências necessárias, senão
que os projetos devem ter como ponto de partida os recursos existentes e con-
siderar as alternativas colocadas para os agricultores, inclusive a dinâmica dos
processos que já estejam em curso.10
10 Nas regiões do sul do Brasil, por exemplo, coloca-se o desafio de promover a transição de
sistemas tradicionais — notadamente os mais especializados, como arroz e fumo, mas
313
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
Os projetos a que se está referindo oferecem a possibilidade de não se
reproduzirem os conhecidos mecanismos de apropriação diferenciada dos ga-
nhos gerados na atividade de processamento da matéria-prima em detrimento
dos que a produziram. Para tanto, requer-se um porte limitado das unidades
processadoras e uma forma organizativa (no caso das associações de produto-
res) que evite a separação entre a produção da matéria-prima e seu
processamento.11 A esse objetivo somam-se as dificuldades de gestão de uni-
dades de processamento maiores, facilmente verificáveis na prática, ratificando
a correção da opção por unidades menores.12
Essa estratégia pretende evitar também as formas danosas de especiali-
zação produtiva da agricultura familiar. Nos casos em que os agricultores devem
se concentrar num cultivo ou numa atividade criatória para atender à exigência
de maior volume de matéria-prima, seria conveniente buscar-se a diferenciação
dos produtos finais ou a ampliação do leque dos derivados.
O horizonte imediato desse tipo de empreendimento é a “construção de
mercados” no âmbito dos já referidos circuitos regionais. A essa perspectiva
mais geral, acrescente-se a alternativa de explorar os chamados “mercados de
ocasião” em regiões com afluxo turístico (litoral e serras), o qual requer estraté-
gia e requisitos específicos.13 A busca simultânea de mercados mais distantes
é possível quando a atividade produtiva em questão preenche os requisitos ne-
também os baseados no trigo, no milho e no feijão — para modelos mais diversificados,
especialmente após o impacto da abertura comercial e da integração do Mercosul; regis-
tram-se, inclusive, casos de retrocesso de áreas de agricultura colonial para a pecuária
extensiva.
11 É bastante comum que as unidades de processamento combinem a elaboração de maté-
rias-primas dos seus associados com a prestação de serviços para terceiros, para o
melhor aproveitamento inicial da capacidade instalada ou em face de insuficiente produção
própria.
12 Essa alternativa vem sendo defendida mesmo para projetos destinados a assentamentos
rurais que reúnem um grande número de famílias, casos em que a rápida saturação da
capacidade das pequenas unidades implicaria instalar outras (pequenas) unidades.
13 Bastante próximo dessa alternativa é o modelo do cesto (panier) de bens e serviços
territorializados proposto por Pecqueur (2001), baseado em estratégias de produção de
uma oferta ao mesmo tempo composta (combinando diversos bens e serviços) e situada
(ligada a um espaço particular), visando apropriar-se de uma “renda de qualidade territorial”
(Mollard). O modelo possibilita a compra de um conjunto de bens privados livremente
escolhidos pelo consumidor em simultâneo ao usufruto de bens públicos sob a forma de
externalidades positivas territoriais. Segundo o autor, esse modelo empresta característi-
cas dos modelos do pacote (bundle) predefinido de bens e da denominação de origem
controlada.
314 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
cessários para tanto em termos do volume e da regularidade da produção, dos
atributos de qualidade do produto e de sua certificação.
A delimitação da área de mercado depende da natureza do bem (homogêneo
ou heterogêneo) e da arbitragem entre economias de escala e custo de transpor-
te: quanto mais importantes as economias de escala e menos importantes os
custos de transporte, mais concentrada espacialmente tende a ser a produção e
mais abrangente a área de mercado dos respectivos produtores (Capt, 1997).
Esse é mais um fator que corrobora a opção por produtos diferenciados, nos
quais o vendedor interessa, podendo haver a superposição de áreas de merca-
do. No caso dos pequenos núcleos urbanos, o fator escala atua também como
barreira à entrada do grande capital na produção e no varejo e dá margem ao
aparecimento de vantagens locacionais dos pequenos agricultores, porém, no
Brasil, os municípios muito pequenos oferecem um limitado potencial de merca-
do.14
A proposição principal deste documento é, portanto, implementar ações de
estímulo à elaboração ou ao processamento de alimentos em unidades de tipo
artesanal (pequenas agroindústrias e indústrias caseiras) ou em agroindústrias
de pequena e média escalas, incorporando os requisitos de qualidade dos pro-
dutos e de regularidade da produção.15 Essas ações ganham em efeito sistêmico
se acompanhadas do apoio ao varejo de alimentos de pequeno porte. Cabe
ressaltar que não se trata de preservar um comércio local marginal (não raro,
ilegal), abastecido por produtores empobrecidos com produtos de baixa qualida-
de ofertados para consumidores de baixa renda.
5 - Perfil do consumo e formas de aquisição
dos alimentos
Nesta seção, far-se-á uma breve referência aos condicionantes e às possi-
bilidades colocadas pelo lado do consumo dos alimentos e das formas de aqui-
sição desses bens. Mencionou-se, na primeira seção, que o constrangimento
14 Nos 4.025 municípios brasileiros (90% do total) com até 50 mil habitantes, residiam, em
1991, 56 milhões de habitantes (40%), os quais, segundo estimativa de Assumpção (2000),
detinham apenas 20% do total da renda nacional.
15 A experiência do Sebrae-SP é um indicador da potencialidade dessas iniciativas, pois o
programa Sistema Agroindustrial Integrado (SAI) tornou a área chamada de “agronegócios”
o principal setor de atuação do Sebrae no estado mais industrializado do País. O SAI
315
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
de renda que afeta o consumo de alimentos (Lei de Engels) realça a importância
da distribuição de renda para o êxito das estratégias de inserção mercantil da
agricultura familiar. Acrescente-se a esse fator geral o papel determinante de-
sempenhado pela demanda na definição das principais tendências técnico-pro-
dutivas do sistema agroalimentar como amplamente aceito pelos analistas. Par-
ticularmente, a grande distribuição moderna (redes de supermercados) desfruta
de condição privilegiada para captar e transmitir os sinais de mercado daí advindos
em função da hegemonia que detém no varejo dos alimentos.
Contudo tais premissas gerais devem ter em conta a evolução do perfil do
consumo e do varejo de alimentos no Brasil, cuja síntese é apresentada, a se-
guir, com base na Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE referente a 11
regiões metropolitanas, no período 1987-96 (Maluf, 2000). Interessa-nos consi-
derar tanto a quantidade consumida per capita, que indica o volume da deman-
da, como a participação relativa nos gastos com alimentação das famílias pelo
seu significado econômico (dispêndio monetário e preço relativo dos bens). Não
serão feitas referências aos contrastes entre as 11 regiões.
A evolução no perfil do consumo de alimentos no Brasil configura, em ter-
mos gerais, um padrão de alimentação em que a refeição fora do domicílio e a
utilização de alimentos preparados têm grande ou crescente importância. O
crescimento da alimentação realizada em bares, em restaurantes, nas redes de
alimentação ligeira (fast food) e mesmo em vendedores ambulantes fez com que
ela absorvesse, em 1996, em média, 25,3% dos gastos totais das famílias com
alimentação, variando de 12,4% nas famílias com renda mensal até dois salá-
rios mínimos para 36,2% naquelas acima de 30 salários mínimos. Os alimentos
preparados consumidos no domicílio representam uma parcela ainda pequena,
porém crescente, das despesas totais com alimentação (2,2% em média, che-
gando a 3,3% no estrato superior de renda) e têm um significado análogo ao da
alimentação fora do domicílio no tocante à forma de consumo dos alimentos
(pré-elaborados ou prontos).
Quanto aos principais grupos de alimentos consumidos nos domicílios:
- o principal aumento de consumo verificou-se nas carnes (aves, bovina,
suína e de outros animais), acompanhado da redução na sua participação
trabalha com micro e pequenos produtores rurais em projetos de agregação de valor a
produtos primários em cinco cadeias prioritárias: mandioca (principal), plantas medicinais,
flores, produtos orgânicos e fruticultura. Estimula a constituição de associações para
comercialização e oferece o apoio de uma incubadora agroindustrial com um rótulo esta-
dual (Incubadora Agroindustrial Paulista). Contudo o programa não se prende ao critério da
verticalização (elaboração de matéria-prima própria) aqui adotado.
316 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
percentual na despesa total das famílias pelo barateamento relativo da
carne de frango: houve forte redução no consumo per capita de ovos e
menos acentuada no de pescados;
- no grupo leite e derivados, houve redução no consumo e no gasto percentual
com leite fluido, enquanto ambos aumentaram para queijos e requeijão;
- os casos mais notórios de redução tanto da quantidade consumida quan-
to da participação nas despesas com alimentação foram os do arroz e do
feijão;
- a aquisição dos panificados foi percentualmente maior, porém com uma
pequena redução no consumo per capita dos pães e um significativo au-
mento no dos biscoitos;
- o consumo de farinhas foi mais elevado nos estratos inferiores de renda
(devido, sobretudo, à farinha de mandioca), mas sofreu redução em todos
eles;
- as massas apresentaram um consumo pouco maior nos estratos de ren-
da mais elevada, sendo que ele decresceu em todos os estratos, exceto
naquele entre dois e cinco salários mínimos;
- nas frutas, deu-se a paradoxal situação de decréscimo do consumo per
capita de frutas tropicais, enquanto se elevou o de frutas de clima tempe-
rado (possivelmente pelo barateamento da maçã, com o Mercosul), ape-
sar de o consumo das primeiras ser várias vezes superior ao das últimas;
- no caso das hortaliças (legumes e verduras), houve queda significativa no
consumo per capita e na participação nas despesas familiares em todos
os estratos de renda;
- o consumo per capita e os gastos elevaram-se bastante nas bebidas e
infusões, com grande diferença entre os estratos superiores e inferiores
de renda, neste último caso.
Não há grandes surpresas quanto à composição do núcleo da dieta alimen-
tar dos brasileiros, mesmo se considerando a ligeira redução havida no consu-
mo de arroz e de feijão e a presença generalizada das massas. Faz parte dessa
dieta o crescimento do consumo de carnes pelo aumento da renda média, em-
bora com significativa diferença entre os segmentos de renda, registrando-se a
presença da carne de aves em todos os segmentos, sobretudo por razões de
preço, e o início de uma diversificação na direção de caprinos e ovinos em re-
giões como a Nordeste. A desejada ampliação do consumo de frutas, legumes e
verduras parece enfrentar mais uma forte restrição de renda do que apenas de
hábitos alimentares, mesmo porque o preço relativo dos produtos é um dos
determinantes desses próprios hábitos. Trata-se de bens relativamente caros
em se considerando sua capacidade de “saciar a fome”. A recente ampliação do
processamento de frutas (polpas e sucos) pode vir a ampliar seu consumo.
317
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
No que interessa mais de perto, o fornecimento de alimentos para o merca-
do das refeições prontas depende da capacidade dos agricultores de atenderem
às exigências de qualidade, de um grau mínimo de elaboração dos produtos e
da entrega em embalagens adequadas e com regularidade, todas elas apontan-
do na direção do estabelecimento de relações comerciais menos eventuais en-
tre fornecedores e compradores. Quanto aos alimentos preparados, aos enlata-
dos e às conservas, haveria que explorar os requisitos para que prolifere a produ-
ção de tipo artesanal em pequena escala, alternativa mais desejável por sua
contribuição à equidade social, à aproximação entre produção e consumo e à
valorização de hábitos alimentares culturalmente estabelecidos. Por fim, os de-
rivados lácteos permanecem como uma importante alternativa acessível aos
pequenos agricultores.
Com relação aos locais em que as famílias compram os alimentos, os
supermercados são o principal local de compra de alimentos em geral, apesar
do pequeno recuo de 45,7% para 44,9% da parcela por eles representada nos
gastos totais com a compra de alimentos pelas famílias. Há, porém, fenômenos
particularmente relevantes quando se consideram os diversos grupos de produ-
tos. A redução do peso dos supermercados ocorreu nos grupos em que manti-
nham forte liderança (mais de 70% das compras totais): cereais, farinhas e
massas, açúcares, óleos e gorduras, enlatados. A participação dos supermer-
cados cresceu, simultaneamente, nos produtos nos quais eles respondiam por
50% ou menos das compras totais, com a única exceção dos panificados: legu-
mes e verduras, frutas, carnes, aves e ovos, leite e derivados.
As principais perdedoras foram as feiras livres nos casos de legumes, de
verduras e frutas, produtos nos quais os mercados e os “sacolões” aumentaram
bastante sua participação. Os estabelecimentos especializados — que incluem
os açougues, as padarias e os estabelecimentos que vendem alimentos prepa-
rados — mantiveram participação significativa nos respectivos grupos de produ-
tos, embora seu peso tenha sofrido um pequeno recuo. Eles têm conseguido
reter parcela importante das vendas de panificados (padarias) e também no co-
mércio de carnes bovina e suína (açougues), coisa que vem se revelando mais
difícil no de aves e ovos e no de leite e derivados.
As observações anteriores parecem apontar, no caso dos alimentos com
maior durabilidade, para a consolidação de uma fatia de mercado (“franjas”) não
desprezível para os pequenos e os médios estabelecimentos varejistas de, no
mínimo, 25% a 30% das compras totais, cabendo aos supermercados a parte
majoritária. No caso dos alimentos mais perecíveis, é possível enxergar uma
forte disputa em curso, promovida pelos supermercados na tentativa de amplia-
rem sua participação nas vendas, porém a parcela dos pequenos e médios esta-
318 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
belecimentos especializados na venda total desses bens pode chegar, mesmo
assim, a mais de 50%.
A problemática do comércio varejista de pequena escala tem duas implica-
ções importantes a mencionar, à semelhança do que já se disse anteriormente
quanto ao processamento de alimentos em unidades de tipo artesanal (peque-
nas agroindústrias e indústrias caseiras). Os pequenos e os médios empreendi-
mentos comerciais contribuem para a eqüidade social pelos empregos e pelas
oportunidades de trabalho que geram e têm maior propensão a refletir a diversi-
dade de hábitos alimentares no âmbito de circuitos regionais de produção, distri-
buição e consumo de alimentos, nos quais participam os pequenos agricultores
e suas associações. Promover a aproximação desse tipo de agricultor com os
pequenos e os médios empreendimentos antes citados constitui-se num cami-
nho que, ademais, possibilita uma inserção mercantil na qual os agricultores
podem apropriar-se de um maior valor pelos produtos que fazem.16
Nunca é demais repetir que as ações nessa direção devem ter em conta o
requisito da qualidade dos produtos (e regularidade da produção), já que não se
está sugerindo a preservação de um comércio marginal (ilegal), com produtos de
baixa qualidade. Ao contrário, pretende-se superar a perversidade contida nos
modelos excludentes em que um número expressivo de produtores e de fornece-
dores de baixa renda ofertam alimentos com pouca qualidade a um contingente
também expressivo de consumidores de baixa renda. À insuficiência dos crité-
rios de consumo de quem dispõe de pouca renda junta-se a ação pública que,
quase sempre, se limita a penalizar agentes (produtores e vendedores) em con-
dições também precárias. Daí que o desafio consiste em ter uma ação promoto-
ra da passagem de pequenos produtores e fornecedores ao mercado formal, em
paralelo à educação alimentar e à defesa dos direitos do consumidor.
O ponto anterior traz para o primeiro plano a legislação sobre o registro dos
alimentos, bem como a estrutura e o modo de atuação dos serviços de controle
sanitário dos alimentos ligados aos Ministérios da Agricultura (inspeção animal)
e da Saúde (vigilância sanitária).17 O sistema de registro de produtos preserva
16 Ambos os motivos (eqüidade e diversidade) encontram-se entre as razões que fundamen-
tam o Programa de Apoio à Modernização do Comércio, posto em marcha pela Comunidade
Econômica Européia.
17 Verificam-se uma dicotomia e um paralelismo entre a Agência Nacional de Vigilância Sani-
tária, do Ministério da Saúde, e a Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da
Agricultura, e destas com os serviços estaduais e municipais correspondentes. A legisla-
ção de alimentos revela a falta de diretrizes claras e de prioridade para a descentralização
(Paz, 2001).
319
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
ainda uma forte característica cartorial (modelo de controle “pré-market”), que
nem de longe assegura a qualidade dos mesmos. Além do que, ele não é ade-
quado à realidade dos pequenos fornecedores em face das exigências quanto a
ter empresa constituída, ao número de papéis requeridos, etc. As dificuldades
encontradas por pequenos produtores de alimentos (agrícolas, agroindustriais e
industriais urbanos) para registrar seus produtos têm gerado iniciativas em vá-
rios estados do País, visando normatizar os produtos artesanais de modo a
permitir sua legalização, preservada a preocupação com a segurança do alimen-
to. Crescem também as iniciativas voltadas a dotar os serviços de inspeção e
vigilância com uma perspectiva promotora e não meramente punitiva.
A atuação das próprias entidades de defesa do consumidor precisaria ser
sensibilizada quanto ao significado social desse tipo de iniciativa, pois nota-se
que os elos entre consumidores e pequenos produtores no que se refere aos
alimentos e à segurança alimentar ainda estão por serem construídos. A hegemonia
do sistema de transformação e de distribuição dos alimentos em grande escala
é uma das principais responsáveis pela distância e pelas diferenças de expecta-
tivas entre (pequenos) produtores e consumidores.
6 - Observações finais
Em lugar de conclusões, chama-se atenção, a seguir, para quatro desdo-
bramentos da análise sobre os aspectos envolvidos na promoção de estratégias
autônomas de processamento dos alimentos, com base em unidades artesanais
(pequenas agroindústrias e produção domiciliar) ou em pequenas e médias
agroindústrias associativas.
Os obstáculos e as principais demandas de apoio dos agricultores para
implementarem empreendimentos nessa direção referem-se à sua organização,
visando estimular o associativismo baseado em pequenos grupos, às técnicas
de produção para aprimorar o processamento ou a transformação da matéria-
-prima e à gestão dos empreendimentos nos seus componentes administrativo-
-contábil, mercadológico e financeiro. No aspecto organizativo, sugerem-se em-
preendimentos que mantenham vinculadas a produção da matéria-prima e seu
processamento, mesmo nos casos em que várias famílias se associam ao mes-
mo empreendimento, com formas de gestão que permitam a apropriação dos
ganhos com o processamento pelos próprios produtores da matéria-prima. O
recurso à compra de matéria-prima de terceiros seria eventual ou suplementar,
possivelmente requerendo procedimentos diferenciados para assegurar seu for-
necimento em face da concorrência com compradores de maior porte.
320 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Os projetos de agregação de valor pelos próprios agricultores defrontam-se
com as exigências próprias da participação no mercado formal de alimentos. De
fato, num bom número de casos, trata-se de promover a transição a esses mer-
cados de pequenos produtores que já se dedicam ao processamento de alimen-
tos comercializados informalmente, em condições ainda insuficientes para aten-
der àquelas exigências. Porém não se trata apenas de fazê-los atender aos
requisitos dos serviços de inspeção e vigilância sanitária, mas também de atualizar
e adequar a legislação sanitária aos pequenos produtores, incorporando uma
perspectiva promotora (mais do que punitiva) na forma de atuação desses servi-
ços.18 Carece-se, ainda, do desenvolvimento da certificação para produtos dife-
renciados (pelo conteúdo, forma de produção ou origem socioespacial), ao lado
da assimilação, pelos produtores, de cuidados ligados aos direitos dos consu-
midores e à educação alimentar.
As decisões sobre os projetos a serem implementados pelos pequenos
agricultores e a gestão dos mesmos carecem da disponibilidade de informações
de mercado adequadas às necessidades desses agentes, no tocante aos mer-
cados de produtos e de insumos, à oferta de equipamentos e de tecnologia,
dentre outros. Essa necessidade requer, de um lado, a adequação (“tradução”)
das inúmeras fontes existentes que fornecem informações próprias ao mundo
integrado das commodities. De outro lado, esforço especial deve ser feito no
sentido de construir um sistema regionalizado de informações de mercado volta-
do para indicadores de âmbito local-regional e para os novos mercados tanto
locais como os mais distantes (Maluf; Wilkinson, 1999).
Por fim, uma proposta de estímulo à implementação de estratégias
autônomas de agregação de valor pelos pequenos agricultores deve, forçosa-
mente, fazer referência à importância de se instituirem, no Brasil, programas de
apoio ao varejo de alimentos de pequeno porte, realizado sob múltiplas formas,
nas quais se incluem o varejo convencional (armazéns, quitandas, padarias,
açougues, etc.), as lojas especializadas, os pequenos supermercados, etc. O
apoio sugerido visaria capacitar esses agentes a atenderem às novas exigên-
cias colocadas pela comercialização de alimentos (em termos da qualidade dos
produtos e dos direitos do consumidor) e a explorarem as possibilidades ofereci-
das pela diferenciação do consumo, buscando, em paralelo, aproximar esse tipo
de varejo e os pequenos produtores da própria região.
18 A maioria dos estados apenas se adaptou à nova legislação pós-Constituição de 1988,
mantendo-se o caráter burocrático, cartorial e fechado à participação social (consumido
res) desses serviços (Paz, 2001).
321
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil:...
Referências
ASSUMPÇÃO, R. Uma nova estratégia: ocupar o mercado... S. Paulo, Concrab,
2000.
ASSUMPÇÃO, R. Relatório sobre o comportamento de quatro cooperati-
vas ligadas à CONCRAB. S. Paulo, Concrab, 2001.
BNDES. Exportações de sucos e polpas. Informe Setorial: agroindústria, n.
18, dez. 2000.
CAPT, D. Différenciation des produits de consommation finale et agriculture de
service. Économie Rurale, Paris, n. 242, p. 36-44, nov./dez.1997.
COLETTI, T. et al. Agricultura familiar e socioeconomia solidária.
Florianópolis, SC, Escola Sindical Sul, 2000.
MALUF, R. S. Consumo de alimentos no Brasil: traços gerais e ações públi-
cas locais de segurança alimentar. São Paulo, PÓLIS, 2000. (PÓLIS Paper; 6).
MALUF, R. S. (2000a). Liberalização comercial e os mercados de produtos
agroalimentares para a agricultura famíliar. Brasília, ÁGORA/FIDA, 2000. (Rela-
tório de pesquisa).
MALUF, R. S. Produtos agroalimentares, agricultura multifuncional e desenvolvi-
mento territorial no Brasil. In: MOREIRA, R. J.; COSTA, L. F. C. (Org.). Mundo
rural e cultura. Rio de Janeiro: Mauad, 2002. p. 241-261.
MALUF, R. S. Segurança alimentar e desenvolvimento econômico na América
Latina: o caso do Brasil. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 15, n.
1(57), p. 134-140, jan./mar.1995.
MALUF, R.; WILKINSON, J. Projeto “Ações de suporte ao Pronaf-
-agroindústria na área de informações e gerenciamento de mercado”:
relatório parcial. Rio de Janeiro, CPDA/UFRRJ, 1999.
PAZ, S. P. A. A Competência de estados e municípios em matéria de vigi-
lância sanitária. São Paulo: IDEC, 2001.
PECQUEUR, B. Qualité et développement territorial: l’hypothèse du panier de
biens et de services territorialisés. Économie Rurale, Paris, n. 261, p. 37-49,
2001.
322 Renato S. Maluf
Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004
SACHS, I. L’économie politique du développement des économies mixtes selon
Kalecki: croissance tirée par l’emploi. Monde em Développement, t. 27, p.
106-123, 1999.
VEGRO, C. L. R. Café: realidade e perspectivas. S. Paulo: SAA, 1997. (Ca-
deias de Produção da Agricultura; 2).
... Also, in many cases, the connection with consumers provides an autonomy that is threatened by the conventional system. Thus, family agribusinesses avoid being absorbed by situations that may undermine their autonomy, defining short circuits as achievable objectives to resiliently increase their economic/productive activities while focusing on protecting the well-being of their families, in the face of disadvantages of conventional markets linked to uncertainty (MALUF, 2004). ...
... And, in addition to strengthening the link between agro-industries and society, it prints farmers in a greater social role, which is increasingly recognized by larger segments of the population and by their representative institutions. This attributes to them the potential to be an active part of the local agricultural metabolism (MALUF, 2004). Finally, there are also other synergies practiced with other food sales channels: Operations mediated by public institutions, which encompass a public policy around the access of family farmers to public food procurement markets. ...
Article
Um dos principais dilemas enfrentados pela agricultura familiar está no controle sobre o processo em que esta desempenha suas atividades econômicas/produtivas. Uma das formas que permitem a construção de sistemas alimentares alternativos e seu efeito combinado, para facilitar uma transição sustentável, reside em novos arranjos que combinam a produção e o consumo. Nesse sentido, o modelo de negócio adotado pelos pequenos agricultores que integram o processamento e comercialização nas atividades agrícolas é uma das soluções para as dificuldades enfrentadas. O artigo avança neste cenário. Utilizando uma abordagem qualitativa, buscou-se verificar estas iniciativas adotadas pelos agricultores familiares em Tupanciretã-RS, que estão situados em um contexto produtivista, coordenado por agentes vinculados às cadeias de valor global, privilegiados por altos fatores produtivos, produzindo, desse modo, uma das maiores lavouras de soja do Rio Grande do Sul, identificada como a capital da soja. Entretanto, uma série de atividades econômicas/produtivas operadas pelas famílias agricultoras heterogeneízam um contexto marcado pela homogeneidade socioeconômica no município. Com isso, uma das diretrizes que os agricultores familiares adotam para aumentar o valor agregado encontra-se na produção interna e na orientação de mercado. Em suas estratégias econômico-produtivas, a agroindustrialização dos produtos em alimentos finais emprega técnicas peculiares inerentes às tradições e heranças dos agricultores que os produzem. Isso se traduz no método adotado, condensado em um alimento com atributos vinculados à aspectos coloniais, caseiros e artesanais, o qual se desassocia do imperativo modo de produção especializado e intensificado que é praticado no setor agrícola do município.
... Dado a este conjunto de características que as agroindústrias possuem, elas são experiências que geram várias contribuições aos processos de desenvolvimento rural e regional. Maluf (2004) demonstra tal realidade ao formular que se assiste à continuidade da concentração do processamento agroindustrial para fazer frente aos requisitos da produção em grande escala, ainda que as novas tecnologias permitam que a maior escala de produção seja acompanhada da diferenciação dos produtos finais. Por outro lado, o uso de estratégias de valorização de produtos com atributos diferenciados de qualidade cria novas oportunidades de mercados, muitas das quais acessíveis aos agricultores de pequeno e médio portes. ...
... Além disso, os aspectos socioculturais também se fazem presentes em suas práticas, pois agem na valorização dos costumes, receitas e tradições culinárias e gastronômicas da agricultura familiar e das regiões. Neste sentido, Maluf (2004) destaca que as agroindústrias rurais geram movimentação econômica local, ocupações e renda para os agricultores, além de abastecerem a população consumidora regional e urbana, a partir do consumo de alimentos artesanais e elaborados de acordo com as dietas saudáveis. ...
Article
O trabalho analisa o perfil das agroindústrias rurais (AGRs) da Região Sul do Brasil, procedendo-se comparações com os dados brasileiros e, ainda, entre os três estados sulinos. Adicionalmente, procedem-se comparações de indicadores específicos entre os dois tipos de agriculturas, usando para tal a separação entre agricultura não familiar (ANF) e agricultura familiar (AF) com seus respectivos grupos (V, B e não Pronafianos). Esta pesquisa de cunho bibliográfico e com uso da estatística descritiva, se operacionaliza a partir dos dados contidos no Sistema de Recuperação Automática de Dados (SIDRA/IBGE) do Censo Agropecuário 2017. Os resultados demonstram que as agroindústrias rurais da Região Sul têm um perfil similar, mesmo havendo algumas disparidades entre os três Estados. As agroindústrias rurais Sul-brasileiras são alicerçadas na agricultura familiar, especialmente de maior faixa de renda para fins de enquadramento no PRONAF (grupo V) e beneficiam predominantemente alimentos e produtos típicos da gastronomia e culinária regionais. São responsáveis por expressivo Valor Bruto da Produção (VBP) em relação ao Brasil e as matérias primas são provenientes de lavouras temporárias e criações animais. As agroindústrias utilizam-se de instalações próprias para o beneficiamento dos alimentos e possuem áreas de terras também próprias, de até 50 hectares. Obtêm orientação técnica prevalecente de origem governamental, cooperativas e empresas integradoras, embora, parcela significativa não recebe nenhum serviço de ATER. Tais elementos e outros discutidos ao longo do texto, evidenciam as potencialidades que as AGRs oferecem para os processos de desenvolvimento rural e regional em territórios que elas estão situadas e imersas.
... Os estudos sobre o tema da construção social dos mercados e programas de recorte social e assistencial também ganharam importante projeção nacional e internacional, servindo de exemplo a ser "replicado" ou "exportado" para outros países (NIEDERLE, 2014;ABRAMOVAY, 2009;WILKINSON, 2005;MALUF, 2004). Após romper com importantes barreiras institucionais, como a Lei de Licitações, o PAA desencadeou uma nova trajetória para os mercados institucionais para a agricultura familiar. ...
... Após romper com importantes barreiras institucionais, como a Lei de Licitações, o PAA desencadeou uma nova trajetória para os mercados institucionais para a agricultura familiar. Foram fundamentais neste caminho, a mudança no PNAE e a criação da Lei nº 11.947/09 que determinou que, no mínimo, 30% dos recursos federais para a alimentação escolar fossem destinados para a aquisição de alimentos da categoria social (NIEDERLE, 2014;ABRAMOVAY, 2007ABRAMOVAY, , 2005WILKINSON, 2005;MALUF, 2004). ...
Article
Full-text available
Este artigo apresenta um mapeamento da produção científica sobre as políticas públicas para a agricultura familiar, a partir da análise bibliométrica da literatura presentes na base Google Scholar. Ao demonstrar a evolução e o perfil bibliográfico dessa produção se verifica se tais publicações indicam a construção de um espaço coletivo capaz de socializar os conhecimentos já acumulados e, ao mesmo tempo, estimular novas teorias e abordagens. Foram analisadas 512 publicações científicas (trabalhos publicados em anais, artigos e livros) presentes na base de dados Google Scholar, no período de 1947 até 2021, vinculadas ao tema. Destacaram-se como resultados principais: a existência de três períodos com relação à evolução do número de publicações sobre o tema e a presença de autores e temas clássicos. Nas fases mais recentes observa-se grande aumento do número de autores, mas poucos autores têm centralidade e tem grande influência sobre os demais. Constatou-se uma dispersão expressiva quanto ás temáticas centrais, o que indica a inexistência de um campo específico de estudos, mas sugere o inicio de um caminho à construção de um coletivo de autores. Por fim, a pesquisa possibilitou um retrato amplo e multifacetado do tema políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil.
... Essa falta de conhecimento por parte dos consumidores dificulta a valorização do diferencial de produção que a agroecologia apresenta. De acordo com Maluf (2004) parte das famílias escolhem seus produtos que vão para a mesa ainda pelo fator econômico (o preço mais baixo) e não pela qualidade. O mesmo resultado foi encontrado por Cuyate (2015). ...
... Concebendo-se que os produtos da agricultura familiar refletem uma cultura alimentar capaz de caracterizar e cuidar do ambiente, Maluf (2004) De acordo com a literatura, os sistemas baseados no fornecimento direto de produtos agroalimentares locais na culinária regional podem ser caracterizados como (2020). ...
Article
Full-text available
O consumo de alimentos produzidos localmente representa uma tendência alimentar capaz de fortalecer o vínculo entre os locais de consumo e de produção. Este estudo tem o objetivo de avaliar a produção científica internacional sobre a utilização de alimentos locais por chefs de cozinha. A partir da aplicação do método prisma, foram selecionados e analisados 37 estudos, com auxílio do software VOSviewer. A maioria dos estudos utiliza a abordagem qualitativa, cujo foco está nos relacionamentos entre produtores e chefs. Alguns estudos discutem ferramentas para estimular o consumo de alimentos locais, tanto pelos estabelecimentos, quanto pelo consumidor final. Caminhos para o fortalecimento e regularidade do consumo de alimentos locais são apresentados ao longo do artigo. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/REGS/article/view/1036991
... Assim, as agroindústrias fortalecem as atividades econômicas, sociais e ambientais, gerando processos de desenvolvimento regional endógeno nos locais em que elas estão imersas. Em muitos locais e regiões, tamanha é a quantidade de agroindústrias operando que alguns autores têm falado em cluster agroindustrial desses empreendimentos ou mesmo na existência de arranjos produtivos locais (APLs), como ocorre, por exemplo, na região do Médio Alto Uruguai do Rio Grande do Sul 7 (Maluf, 2004 Essas políticas públicas receberam várias críticas, por serem voltadas as AGRs já sedimentadas e maiores, não criando novas, nem apoiando as mais fragilizadas; por destinar os recursos, no caso do Pronaf Agroindústria, a médias e grandes cooperativas, mas também para organizações empresariais; por fomentar a inserção das AGRs nos mercados consumidores formais, de forma que as mesmas internalizassem processos de padronização de alimentos, aumento desproporcionais de escala, em relação ao tamanho do agregado familiar e às matérias-primas produzidas; e endividamento de vários empreendimentos por falta de capacidade de pagamento de empréstimos contraídos (Guimarães e Silveira, 2010;Gazolla e Schneider, 2014). ...
... A dinâmica de produção dos queijos caseiros, utilizada como objeto empírico na análise do SIAL do leite, é realizada em queijarias caseiras, mantidas por membros da agricultura familiar camponesa. Esses alimentos estão inseridos em circuitos curtos (MALUF, 2004;SCHNEIDER;FERRARI, 2015) e apresentam difusão em mercados não convencionais (feiras-livres, pequenos estabelecimentos de varejo e comercialização face a face) de comercialização e consumo em escala local e regional. ...
Article
No Território da Bacia Leiteira – TBL em Alagoas/Brasil, a elaboração dos queijos caseiros e a manutenção do saber-fazer intrínseco ao seu processo produtivo compõem o repertório de territorialidades apropriadas e reproduzidas pela agricultura familiar camponesa. O objetivo desse artigo consiste em analisar as dimensões sociais e culturais desses alimentos, cuja preservação atribui-se às mulheres, referenciadas como guardiãs da arte do fazer dos queijos. A metodologia baseou-se na pesquisa bibliográfica e de campo. Nesta etapa, foi realizado o mapeamento de 51 queijarias caseiras: 50 unidades, que abrigam a produção do queijo de coalho, e um estabelecimento, que realiza o processamento do queijo macururé. Os resultados da pesquisa denotam que a preservação dos saberes inerentes a elaboração dos queijos caseiros configura mecanismos de territorialidade apropriados pelas mulheres. Os desafios que se colocam à manutenção dessas atividades presumem a adoção de estratégias que, embora admitam os processos de ressignificação cultural agroalimentar, devem estar embasadas na valorização da tradição e do modo de produção artesanal. Palavras-chave: Queijos caseiros; mulheres; tradição; ressignificação.
... Este perfil produtivo, diversificado e em menor escala, proporciona o estabelecimento de vínculos de produção e comercialização em níveis regionais, orientados para produção, oferta e consumo de alimentos diferenciados (MALUF, 2004). Neste ínterim, segundo Kageyama (2004), tais fatores contribuem para o desenvolvimento rural em nível territorial. ...
Chapter
Full-text available
Resumen: En América Latina y el Caribe se están desarrollando reflexiones desde la ecología política orientadas hacia la construcción de una teoría crítica que posibilite el estudio de los conflictos ecológicos causados por los desperdicios y la contaminación en el Sur Global. De esta forma, académicos, investigadores, activistas y movimientos sociales han avanzado hacia la fundamentación de una ‘Ecología Política’ que posibilite el estudio de los conflictos relacionados con la reproducción de una crisis cualitativa y cuantitativa de la basura asentada en un modelo hegemónico y capitalista de gestión y disposición final de basuras en rellenos sanitarios controlados, vertederos y basureros a cielo abierto que se hallan instalados, comúnmente, en áreas periurbanas y rurales de las ciudades. Esta doble crisis no solamente incide sobre la producción de desperdicios y la contaminación, sino también en la crisis por la pérdida de biodiversidad y el cambio climático. La degradación ambiental de los ecosistemas causada por estos conflictos también ha comprometido la alteración de las condiciones sanitarias y saludables que sustentan la vida humana y las actividades sociales, económicas y culturales de las comunidades que habitan en estas ‘zonas de sacrificio’. Por tanto, es posible evidenciar fenómenos propios a la disociación de la dialéctica sociedad-naturaleza, la ruptura del metabolismo social, y las consecuencias nocivas de la subsunción real y formal de la basura bajo el capital. En este orden, el objetivo de este capítulo de libro consiste en realizar una aproximación a ciertas categorías teóricas y críticas que están fundamentando la estructuración de la ‘Ecología Política de la Basura y los Residuos’ a través del análisis de diferentes contribuciones transdisciplinares que no solo apuntan al estudio de los conflictos por los desperdicios y la contaminación, sino que coinciden en la necesidad de construir alternativas sustentables, saludables y democráticas a la doble crisis de la basura en el Sur Global
... Este perfil produtivo, diversificado e em menor escala, proporciona o estabelecimento de vínculos de produção e comercialização em níveis regionais, orientados para produção, oferta e consumo de alimentos diferenciados (MALUF, 2004). Neste ínterim, segundo Kageyama (2004), tais fatores contribuem para o desenvolvimento rural em nível territorial. ...
Article
Full-text available
Neste artigo, propomos enunciar aproximações entre as práticas presentes nas feiras-livres com elementos centrais da filosofia ameríndia do Bem Viver. Apesar da força do mercado varejista na venda de produtos alimentícios, a feira resiste com sua forma e conteúdo peculiares, sendo um importante espaço de comercialização da produção da agricultura familiar e tradicional e de acesso a alimentos saudáveis. As relações e sociabilidades que se desenrolam nesse espaço fazem da feira mais que mero mercado, sendo um lugar de ritmo, encontros, passeios, aonde se vai para comprar, para rever amigos, família, histórias de vida. Diante disso, nosso objetivo neste ensaio teórico é discutir a feira-livre como um espaço de resistência e uma experiência de Bem Viver, muito mais complexa do que a lógica economicista é capaz de compreender. Convivialidade, coletividade, pessoalidade, informalidade, confiança, vínculo territorial, saberes seculares, valorização cultural, outros modos de produção e consumo são alguns dos muitos elementos materiais e simbólicos que representam a feira-livre como um espaço plural que se expressa em uma ética e valores não exclusivamente mercadológicos. A feira é uma experiência de resistência que se materializa no cotidiano da classe trabalhadora, sejam estes produtores, feirantes ou consumidores. Defendê-la, colocando em evidência sua expressão social, que carrega símbolos contrários à modernidade ocidental, é promover a construção de caminhos para “adiar o fim do mundo” (KRENAK, 2019).
Article
Full-text available
RESUMO O objetivo deste artigo é analisar os determinantes da segurança alimentar e suas ligações com o desenvolvimento econômico da América Latina, com ênfase no caso do Brasil. Utilizando a abordagem da “Economia do Desenvolvimento”, concentra-se nas principais condições para o crescimento econômico com equidade social, tendo a segurança alimentar como uma delas e seus requisitos em termos de políticas globais e setoriais.
Article
[eng] Quality and territorial development: the assumption of the territorialized set of goods and services - This paper seeks to define a model of supply of goods and services anchored in a territory in a composite and specific form. This model combines the characteristics of the supply of goods per batch or set (bundling) and those of an offer of products of quality anchored in a soil of the type of the products labellized by a Controlled Label of origin. The type of offer which appears is called "basket of goods and services territorialized". Such a model results from an institutional construction which brings together on the scale of a territory various producers of goods or private services and the producers of local public goods. The supply of goods of basket can constitute a strategic objective for public policies of local development. [fre] Cet article cherche à définir un modèle d'offre de biens et de services ancré territorialement sous une forme composite et spécifique. Ce modèle combine les caractéristiques de l'offre de biens par lot ou par assortiment (bundling) et celles d'une offre de produits de qualité ancrée dans un terroir du type des produits labellisés par une Appellation d'origine contrôlée. Le type d'offre qui apparaît est appelé "panier de biens et services territorialisés". Un tel modèle résulte d'une construction institutionnelle qui réunit à l'échelle d'un territoire divers producteurs de biens ou services privés et les producteurs de biens publics locaux. L'offre de biens de panier peut constituer un objectif stratégique pour des politiques publiques de développement local.
Article
[eng] Differentiation of end-consumption products and service agriculture . The aim of this paper is to identify the factors responsible for the diversification of farming away from specialisation in the production of raw materials for the industrial sector and towards the commercial production of end-user goods and services. This turnaround requires a revision of the approach traditionally used by agricultural economists with its emphasis on the specific features of agricultural markets and calls for industrial economics approaches that analyse the link between product differentiation and market structure and for spatial economic analyses that focus on the interdependence between the spatial behaviour of consumers and the geography of supply. It is thus possible to correlate the variable market position of farms depending on product type with technological factors, the attributes of farm products and variations in consumer behaviour. [fre] Ce texte a pour objet de mettre en évidence les déterminants de la diversification de l'activité des exploitations agricoles vers une production marchande de biens et services de consommation finale, par différence avec le processus antérieur de spécialisation dans la production de matières premières destinées au secteur industriel. Cette configuration oblige à reconsidérer l'approche traditionnelle des économistes agricoles centrée sur le particularisme des marchés agricoles et à se tourner vers les approches d'économie industrielle analysant le lien entre différenciation des produits et structure des marchés, et vers les analyses d'économie spatiale portant sur les interdépendances entre le comportement spatial des consommateurs et la géographie de l'offre. On met ainsi en relation la position variable des exploitations agricoles sur les marchés selon la nature du produit avec les facteurs technologiques, les attributs des produits fermiers et avec la dispersion du comportement des consommateurs.
Produtos agroalimentares, agricultura multifuncional e desenvolvimento territorial no Brasil Mundo rural e cultura
  • R S Moreira
  • R J Costa
MALUF, R. S. Produtos agroalimentares, agricultura multifuncional e desenvolvimento territorial no Brasil. In: MOREIRA, R. J.; COSTA, L. F. C. (Org.). Mundo rural e cultura. Rio de Janeiro: Mauad, 2002. p. 241-261.
Café: realidade e perspectivas. S. Paulo: SAA, 1997. (Cadeias de Produção da Agricultura
  • C L R Vegro
VEGRO, C. L. R. Café: realidade e perspectivas. S. Paulo: SAA, 1997. (Cadeias de Produção da Agricultura; 2).
Ações de suporte ao Pronaf--agroindústria na área de informações e gerenciamento de mercado": relatório parcial
  • R Maluf
  • J Wilkinson
  • Projeto
MALUF, R.; WILKINSON, J. Projeto "Ações de suporte ao Pronaf--agroindústria na área de informações e gerenciamento de mercado": relatório parcial. Rio de Janeiro, CPDA/UFRRJ, 1999.
Uma nova estratégia: ocupar o mercado
  • R Assumpção
ASSUMPÇÃO, R. Uma nova estratégia: ocupar o mercado... S. Paulo, Concrab, 2000.
Exportações de sucos e polpas Informe Setorial: agroindústria, n. 18, dez
BNDES. Exportações de sucos e polpas. Informe Setorial: agroindústria, n. 18, dez. 2000.
Relatório sobre o comportamento de quatro cooperativas ligadas à CONCRAB. S. Paulo, Concrab
  • R Assumpção
ASSUMPÇÃO, R. Relatório sobre o comportamento de quatro cooperativas ligadas à CONCRAB. S. Paulo, Concrab, 2001.
Agricultura familiar e socioeconomia solidária
  • T Coletti
COLETTI, T. et al. Agricultura familiar e socioeconomia solidária. Florianópolis, SC, Escola Sindical Sul, 2000.