ArticlePDF Available

Abstract

O artigo, com base na Teoria da Língua em Ato (CRESTI, 2000), analisa as unidades informacionais de tópico e de apêndice de comentário em uma amostra de três textos do português do Brasil: um texto dialógico e dois textos monológicos. O objetivo é mostrarcomo as duas unidades têm comportamentos diferentes tanto no nível prosódico quanto nos níveis distribucional, morfossintático e cognitivo. A freqüência delas nos diferentes tipos de textos mostra também diferentes papéis na complexização dos enunciados, com uma diferente sensibilidade ao tipo de interação. A tese é que se trata de unidades informacionais diferentes e não da mesma unidade em posição especular.
Tópico e apêndice no português
do Brasil: algumas considerações
Some notes on Topic and Appendix in Brazilian
Portuguese
Tommaso Raso
Andréa Ulisses
Universidade Federal de Minas GeraisUniversidade Federal de Minas Gerais
Universidade Federal de Minas GeraisUniversidade Federal de Minas Gerais
Universidade Federal de Minas Gerais
Abstract
This article, based on the Theory of Language in Act (CRESTI,
2000), analyses the informational unities of topic and comment
apendix in a sample of three texts of Brazilian Portuguese: one dialogic
text and two monologic texts. The goal is to show how these two
units behave differently in the prosodic as in the distributional,
morpho-syntactic and cognitive level. Their frequency in the two
different types of interaction also shows different roles in the
complexity of utterances, with different sensibility to different kinds
of interaction. Our thesis is that they must be considered two different
information unities and not the same unity in specular position.
Keywords
Informational structure; Informational patterning theory; Spontaneous
speech.
Resumo
O artigo, com base na Teoria da Língua em Ato (CRESTI, 2000),
analisa as unidades informacionais de tópico e de apêndice de
comentário em uma amostra de três textos do português do Brasil:
um texto dialógico e dois textos monológicos. O objetivo é mostrar
RASO; ULISSES 248
como as duas unidades têm comportamentos diferentes tanto no
nível prosódico quanto nos níveis distribucional, morfossintático e
cognitivo. A freqüência delas nos diferentes tipos de textos mostra
também diferentes papéis na complexização dos enunciados, com
uma diferente sensibilidade ao tipo de interação. A tese é que se trata
de unidades informacionais diferentes e não da mesma unidade em
posição especular.
Palavras-chave
Estrutura informacional; Teoria da língua em ato; Fala espontânea.
Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 247-262, jan./jun. 2008 249
E
1. Introdução1. Introdução
1. Introdução1. Introdução
1. Introdução
ste trabalho tem por objetivo mostrar alguns resultados da aplicação da
Teoria da Língua em Ato1 à fala espontânea do português do Brasil (PB)
quanto ao estudo da estrutura informacional do enunciado. Em particular
se mostrarão algumas características das unidades informacionais de tópico (TOP)
e de apêndice de comentário (APC), com especial aprofundamento para seus
correlatos morfo-sintáticos, em uma amostra de três textos, por um total de 33
minutos e 32 segundos de fala espontânea.2 Os três textos pertencem ao domínio
formal e foram gravados em cabine acústica.3 O texto 1 (de 15,22 minutos e 2602
palavras, das quais 27 fragmentadas) é dialógico (os participantes distribuem a
fala respectivamente em 150 e 149 turnos de duração equilibrada), enquanto os
textos 2 e 3 (que são tratados juntos porque participantes e assunto não mudam)
são prevalentemente monológicos (juntos somam 18,09 minutos e 2735 palavras,
das quais 32 fragmentadas; os turnos são 70 por participante, sendo que alguns
são extremamente longos e outros apenas confirmam a abertura do canal durante
o monólogo do outro). Os participantes do texto 1 são um professor de Inglês e
um aluno de escola pública de 14 anos; o assunto é o andamento das aulas de
Inglês do aluno e a relação didática dele com sua professora. Os participantes
dos textos 2 e 3 são duas professoras de escola pública: a entrevistadora é a
coordenadora da escola, enquanto a entrevistada é a professora de Inglês. Os
textos foram transcritos com o sistema Chat (MACWHINNEY, 1995 e http://
childes.psy.cmu.edu/), implementado para a notação prosódica (MONEGLIA-
CRESTI, 1997); foram segmentados por enunciados e unidades tonais,4 e
etiquetados informacionalmente com base na Teoria da Língua em Ato, usando
o software WinPitch de Philippe Martin (www.winpitch.com).
RASO; ULISSES 250
2. As unidades informacionais de tópico e de apêndice de2. As unidades informacionais de tópico e de apêndice de
2. As unidades informacionais de tópico e de apêndice de2. As unidades informacionais de tópico e de apêndice de
2. As unidades informacionais de tópico e de apêndice de
comentáriocomentário
comentáriocomentário
comentário
Na Teoria da Língua em Ato, a unidade informacional de TOP é definida
funcionalmente como o âmbito de aplicação da força ilocucionária, que é
veiculada pela unidade de comentário (COM).5 Constitui, portanto, a delimitação
semântica do COM. Distribucionalmente, o TOP antecede sempre o COM.
Entonacionalmente, configura-se como uma unidade de prefixo (t’HART;
COLLIER; COHEN , 1990), subordinada ao COM, e possui um foco entonacional.
A unidade de APC é definida funcionalmente como uma integração textual
do COM. Distribucionalmente, segue sempre o COM. Entonacionalmente,
configura-se como unidade de sufixo, subordinada ao COM, e não possui foco
entonacional, mantendo sempre um perfil nivelado ou descendente.6
Nem o TOP nem o APC são interpretáveis em autonomia. Exemplos de
estruturas TOP/COM e COM/APC são, pelo mesmo conteúdo locutivo, os
enunciados das figuras 1 e 2.7 O mesmo enunciado poderia ser executado
também através de uma única unidade de COM, a qual, por veicular a força
ilocucionária e possuir interpretabilidade autônoma pragmaticamente, é a única
unidade necessária e pode ser a única suficiente para a constituição de um
enunciado. Esse último é identificável através de um perfil entonacional
perceptível como terminal, e possui interpretabilidade pragmática. Essa
interpretabilidade é conferida ao enunciado pela autonomia do COM. Quando
o enunciado é realizado somente através do COM, sem a participação de outras
unidades, é definido como enunciado simples. Quando é realizado através do
COM e de uma ou mais outras unidades,8 é definido como complexo. Para os
nossos fins, podemos considerar que cada unidade tonal realiza uma unidade
informacional.9
Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 247-262, jan./jun. 2008 251
FIGURA 1: João /TOP me ligou ontem //COM
FIGURA 2: JOÃO /COM me ligou ontem //APC
Essas definições das duas unidades permitem um tratamento da informação
muito diferente daquele de outras propostas presentes na literatura.10 Dois são
os aspectos que interessam especificamente a este trabalho:
1. o fato de que uma unidade informacional se realiza independentemente da sua
configuração sintática, mesmo se existem correlações estatisticamente mais
freqüentes de que outras;
2. o fato de que a unidade de TOP e a de APC devam ser consideradas como
unidades informacionais diferentes e não como posicionamentos diferentes
da mesma função informacional.
RASO; ULISSES 252
3. As unidades nos textos analisados3. As unidades nos textos analisados
3. As unidades nos textos analisados3. As unidades nos textos analisados
3. As unidades nos textos analisados
Na nossa amostra foram individualizados 491 enunciados no texto 1 e 394
enunciados nos textos 2 e 3. O maior número de enunciados por minuto no texto
1 (32,26 vs 21,61 nos texto 2 e 3) explica-se facilmente com a natureza dialógica
desse texto e a natureza prevalentemente monológica dos outros dois. Pela
mesma razão, temos uma proporção muito maior de enunciados simples no texto
1 do que nos textos 2 e 3: no texto 1 temos 296 enunciados simples (60,28%) e
195 complexos (39,72%); nos textos 2 e 3 temos 186 enunciados simples (47,05%)
e 211 enunciados complexos (62,95%).11 Uma outra medida que ajuda a
interpretar a diferença dos dois tipos de interação é o número total de unidades
tonais, que no texto 1 é de 930 e nos textos 2 e 3 é de 1026. Esse dado mostra
claramente como a uma quantidade maior de enunciados do texto 1 se contrapõe
uma complexidade maior dos enunciados dos textos 2 e 3. Essas diferenças são
devidas a características próprias das interações com prevalência dialógica ou
com prevalência monológica. Evidentemente, a prevalência dialógica facilita o
acesso ao contexto, tornando menos importante contextualizar a ilocução através
do recurso a outras unidades informacionais. A diferença na composição do
enunciado entre os dois tipos de interação seria ainda mais evidente se
excluíssemos as unidades informacionais de auxílio dialógico (AUX), que tem a
função, entre outras, de sinalizar a tomada de turno, de verificar o canal ou de
fazer algum tipo de pressão sobre o interlocutor. São, portanto, unidades ligadas
imediatamente à interação e freqüentes em situação dialógica. De fato, boa parte
dos enunciados complexos de um texto dialógico é composta por uma unidade
de COM associada a um AUX.
Focando agora as unidades, objeto principal do trabalho, foram individualizados
163 TOP seguros e 46 APC seguros no total.12 Entre os 163 TOP, 48 aparecem
no texto 1 e 115 nos textos 2 e 3. Entre os 46 APC, 25 pertencem ao texto I e
21 aos textos 2 e 3. Os textos 2 e 3 mostram, portanto, bem mais do dobro de
TOP do que o texto 1. Ao contrário, o número de APC não parece tão dependente
da tipologia interacional, já que eles são até um pouco mais presentes no texto
I, que, como já se disse, apresenta um menor número de enunciados complexos.
Essa é sem dúvida uma primeira diferença importante no comportamento das
duas unidades, que nos permite dizer que o APC não contribui à complexificação
informacional do texto com relação à sua tipologia interacional, enquanto o TOP
parece ser um dos principais, se não o principal, responsáveis, pela complexificação
Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 247-262, jan./jun. 2008 253
informacional dos textos monológicos. O que queremos dizer é que, se nos textos
monológicos aumenta muito a quantidade de enunciados complexos com relação
aos textos dialógicos, isso não se deve a um aumento das unidades de APC (que
não acontece), mas a um aumento das unidades de TOPs.
Essa afirmação seria reforçada se analisássemos as tipologias de TOPs,
quanto à sua complexidade.13 No texto 1, os TOPs são em grande parte
simples,14 ou seja, não recursivos e sem apêndices de tópico (APT).15 Ao contrário,
nos textos 2 e 3 temos enunciados de até 4 TOPs16 e uma quantidade de APTs
enormemente superior: 6 APTs no texto 1 (concentrados em 3 enunciados)17 e
44 APTs nos textos 2 e 3.
4. Os correlatos morfo4. Os correlatos morfo
4. Os correlatos morfo4. Os correlatos morfo
4. Os correlatos morfoss
ss
ssintáticos das unidades de Tsintáticos das unidades de T
sintáticos das unidades de Tsintáticos das unidades de T
sintáticos das unidades de TOP e APCOP e APC
OP e APCOP e APC
OP e APC
Se olharmos para os correlatos morfossintáticos das duas unidades, notamos
outras importantes diferenças. Seguem, nas tabelas 1 e 2, respectivamente, o
quadro dos correlatos dos 163 TOP e o dos 46 APC.
TABELA 1
Correlatos morfossintáticos da unidade informacional de TOP
Sintagmas nominais com função de sujeito 30 = 18,40%
Sintagmas nominais sem ligação sintáticas 16 = 9,81%
Sintagmas nominais com função de objeto 7= 4,29%
Sintagmas preposicionais 18 = 11,04%
Advérbio + sintagma nominal com função de sujeito 2= 1,22%
Advérbio + sintagma preposicional 2= 1,22%
Advérbio 21 = 12,88%
Sintagma verbal com função de oração principal
(sem todas as regências) 34 = 20,85%
Sintagma verbal com função de sentença
(todas as regências preenchida na mesma unidade) 23 = 14,11%
Sintagma verbal com função de subordinada 10 = 6,13%
Pode-se notar que a maioria dos TOPs são realmente nominais,18 já que
as várias formas nominais somam 45%; mas também que estamos longe de ter
unicamente formas nominais, já que temos 13% de advérbios sem formas
RASO; ULISSES 254
nominais e, principalmente, mais de 41% de sintagmas verbais. Podemos notar
também que a função de sujeito é a preferida, já que, entre os 53 SNs, 30, ou seja,
quase 60%, são sujeitos; ao contrário, é rara a função de objeto, com apenas 7
casos (13%). Os restantes são SNs sem ligação sintática. Alguns exemplos
desse último tipo são:
*GBL: eh / FAT por causa que / AUX ah / FAT espanhol / TOP se você já [/] se você
for lá na Espanha lá / TOP cê já sabe comunicar // COM
*FBA: algumas aulas / TOP cê num consegue nada /^COM mesmo / COM né // AUX
Quanto aos SVs, é interessante notar que 57, ou seja, mais de 85%, têm
função de oração principal, enquanto somente menos de 15% têm função de
oração subordinada. Mas é notável que mais de 34% dos sintagmas verbais são
realizados como verdadeiras sentenças, isto é, com todas as valências preenchidas
dentro da unidade de tópico. Inclusive, o alto número de tópicos sintagmas verbais
e especialmente o alto número de tópicos sentenciais se caracteriza com muita
probabilidade como uma particularidade do português do Brasil, já que essas
porcentagens são claramente mais baixas nas outras línguas românicas estudadas
(15,2% no italiano).19 Alguns exemplos de tópicos sentenças são:
*VTR: cê estuda inglês / TOP há quanto tempo // COM
.*VTR: eu tava em sala / TOP cê comentou comigo a diferença de inglês pra
espanhol // COM
*GBL: / igual / AUX eu pego um texto / TOP eu pego ele / TOP e traduzo ele todo // COM
*FBA: você tá [/] ele tá dentro da sala / TOP mas somente o corpo hhh // COM
*FBA: cê dá um determinado tempo / TOP eles ainda /^COM não são muito
disciplinados // COM
*GBL: porque / AUX você chegou numa escola nova / TOP outra realidade / COMel
outros alunos / COMel outras necessidades // COMel
Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 247-262, jan./jun. 2008 255
TABELA 2
Correlatos morfossintáticos das unidades de APC
Sintagma nominal com função de sujeito 1= 2,3%
Sintagma nominal com função de objeto 4= 8,7%
Sintagma preposicional 21 = 45,6#
Advérbio 9= 19,5#
Sintagma verbal com função de oração principal 1= 2,3%
Sintagma verbal com função de oração subordinada 9= 19,5%
Adjetivo 1= 2,3%
Os correlatos dos APCs se mostram muito diferentes daqueles dos TOPs.
A maioria de APCs é também nominal, mas isso é devido a uma altíssima
porcentagem de SP (quase 46%). Entre os SNs a proporção entre sujeitos e
objetos é invertida, com uma presença quádrupla dos objetos em comparação aos
sujeitos. Isso também acontece comparando a proporção de SVs principais e
subordinados: esses últimos chegam a quase 20% de todos os APCs, enquanto
os principais aparecem com um único caso. Completa o quadro uma porcentagem
de quase 20% de advérbios.
Olhando para os correlatos morfossintáticos devemos tirar duas conclusões:
1. que as unidades de TOP e APC se realizam independentemente de qualquer
configuração sintática: em princípio não temos correlatos sintáticos inaceitáveis
para uma unidade;
2. que existe uma diferença muito grande entre essas duas unidades: uma tende
a hospedar em prevalência funções sintáticas de SN sujeito e de SV principal;
a outra aceita só excepcionalmente essas funções e prefere claramente as
opostas de SN objeto e de SV subordinado. Essas não são as únicas
diferenças, como mostram as tabelas, mas são as mais gritantes.
5. T5. T
5. T5. T
5. TOP e APCOP e APC
OP e APCOP e APC
OP e APC: duas unidades ou uma só?: duas unidades ou uma só?
: duas unidades ou uma só?: duas unidades ou uma só?
: duas unidades ou uma só?
A diferença entre as duas unidades que chamamos de TOP e APC é
questionada na literatura:20 os argumentos de quem questiona a diferença tendem
a concluir que se trataria da mesma unidade informacional e que ela simplesmente
pode aparecer em posição anteposta ou posposta à unidade de comentário. A
RASO; ULISSES 256
diferença seria, portanto, somente de natureza distribucional e dessa diferença
descenderiam as outras.
A discussão merece mais aprofundamentos e não pretendemos aqui chegar
a conclusões definitivas. Mas um dos objetivos deste trabalho é, analisando o
português do Brasil, levar alguns argumentos a favor do fato de que as duas
unidades precisam ser interpretadas e estudadas como unidades distintas. Na seção
2 mostramos que as duas unidades se distinguem quanto aos perfis entonacionais,
sendo que o TOP possui foco entonacional, enquanto o APC tem perfil nivelado
ou descendente, sem foco. Na seção 3 notamos que a complexificação dos
enunciados, típica da fala monológica, é devida em boa medida à unidade de TOP,
enquanto a unidade de APC não joga papel algum com relação a isso. Na seção
4 mostramos que os correlatos morfossintáticos das duas unidades são
claramente diferentes e, em certa medida, até opostos.
Cresti (2000 e 2003) e Tucci (2006) acrescentam alguns outros argumentos:
o TOP teria modalidade e ponto de vista próprios, enquanto o APC sempre
mantém a modalidade e o ponto de vista do COM; além disso, o TOP pode ser
novo enquanto o APC pode ser somente dado. Na nossa amostra não estudamos
a modalidade e o ponto de vista, mas verificamos que muitos TOPs servem para
instaurar um novo âmbito de aplicação da força ilocucionária, enquanto isso
nunca acontece, nem parece concebível, para o APC. Ao contrário, todos os casos
em que uma unidade aparentemente de apêndice parece instaurar um novo
âmbito de aplicação da força ilocucionária resultam, a uma análise mais atenta,
comentários ligados,21 com um movimento claro.22
Os argumentos de quem considera TOP e APC como uma unidade única
são basicamente os seguintes:
1. ambas as unidades poderiam ser definidas como âmbito de aplicação da força
ilocucionária;
2. os correlatos entonacionais e morfossintáticos diferentes se explicariam com
a posição diferente.
O primeiro argumento parece funcionar com boa parte dos APCs, mas
não com todos, enquanto a definição do APC como integração textual do COM
funciona com todos os APCs. Alguns casos exemplares, em que não parece
possível definir o APC como âmbito de aplicação da força ilocucionária, tirados
da nossa amostra, são os seguintes:
Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 247-262, jan./jun. 2008 257
*GBL: ou então AUX / eu tentava &t [/] sozinho / COM lá decifrar // APC
*FBA: lógico que / AUX uma coisa que não ficou ainda muito bem resolvida
é a questão da / administração do tempo / COM né // AUX &he / por causa / TOP
deles / COM mesmo // APC
*FBA: acabou o tempo / COM pronto acabou // COMRelnec vamos corrigir // COM
vamos fazer juntos / COM tal // APC
*FBA: Olha / INP a mudança / TOP foi [/] foi positiva / COM sim / APC né // FAT
O segundo argumento atribui à posição um valor superior ao perfil
entonacional e aos correlatos morfossintáticos (o que em si já seria discutível).
Isso equivale a dizer que a posição gera uma realização entonacional e morfo-
sintática diferente. Mas, mesmo aceitando essa afirmação, também não se
explicaria tudo: por que o TOP permitiria a instauração de um novo âmbito da
força ilocucionária e o APC não? Seria de novo efeito da posição? Mesmo nesse
caso, deveríamos distinguir entre um TOP instaurativo, com potencialidades
cognitivas de novidade, perfil entonacional com foco, correlatos morfossintáticos
próprios, e responsável pela complexificação do enunciado23 e, por outro lado,
um TOP não instaurativo (portanto de pura compilação ou, no máximo,
desambiguante), com correlatos entonacionais e morfossintáticos diferentes, e
não responsável pela complexificação do enunciado com relação ao tipo de
interação. A nossa impressão é que, com todas essas diferenças, manter o mesmo
nome para as duas unidades (ou para as duas realizações de uma suposta unidade
única) geraria de fato a necessidade de distinguir entre duas subunidades, o que
parece de fato repropor a distinção que se quer negar.
6. Algumas considerações metodológicas6. Algumas considerações metodológicas
6. Algumas considerações metodológicas6. Algumas considerações metodológicas
6. Algumas considerações metodológicas
Este trabalho se baseia numa metodologia relativamente nova e
completamente desconhecida na literatura brasileira. O trabalho em si constitui
um dos primeiros resultados publicados de um projeto grande, que está coletando
e estudando um corpus do PB comparável com os corpora das quatro principais
línguas românicas do projeto C-ORAL-ROM. Os corpora de italiano, espanhol,
francês e português de Portugal já estão disponíveis para a comparação24 . Mas
o que torna metodologicamente extremamente original esse trabalho são dois
RASO; ULISSES 258
aspectos. Por um lado, a imediata comparabilidade com quatro línguas que já
possuem os textos coletados e segmentados com os mesmos critérios;
considerando que as línguas são homogêneas geneticamente e ainda mais que
uma delas é o português europeu, essa comparabilidade parece fundamental para
muitos tipos de estudo. Por outro lado, é original a teoria que inspirou a arquitetura
e, principalmente, a segmentação dos corpora. Isso não significa que eles não
possam ser utilizados em outros quadros teóricos, mas que se abrem as portas
para análises baseadas nos conceitos de enunciado e unidade tonal.
Graças a essa segmentação, podemos individualizar na fala unidades
menores e estudar o comportamento delas dentro do discurso, observando o que
parece ser próprio da fala e o que parece depender de cada língua. O conceito
de enunciado é definido como a contraparte lingüística de um ato de fala, e
identificado através de um perfil terminal perceptível pelo interlocutor. A
entonação, portanto, nos fornece um instrumento para fazer a interface entre o
ato locutório e o ilocutório, dois conceitos teóricos interdependentes, mas até então
não mensuráveis com um metro comum. O conceito de unidade tonal permite
que a interface entonacional identifique também o conceito de unidade
informacional dentro do enunciado, através de quebras perceptíveis como não
terminais. Nessas bases, a fala pode ser analisada iuxta propria principia,
graças a dispositivos próprios do canal e do meio.
Vale a pena marcar uma grande diferença que existe entre essa abordagem
e as outras (diferentes também entre elas), tanto no estudo dos atos de fala quanto
no estudo da estrutura informacional: a Teoria da Língua em Ato não é fruto da
introspecção dos lingüistas, mas de uma lenta observação empírica de corpora
constituídos no arco de quase trinta anos. Essa abordagem metodológica mostra
como possa ser rico de frutos e de articulações teóricas o acúmulo de dados
espontâneos e sua observação.
NotasNotas
NotasNotas
Notas
1 Para uma exposição completa da teoria, veja-se Cresti (2000). Vários
aprofundamentos da teoria quanto a aspectos específicos, entre os quais muitos
daqueles citados neste trabalho, podem ser encontrados no sitio do laboratório
Lablita da Universidade de Florença (http://lablita.dit.unifi.it/). Para uma versão
reduzida da teoria em inglês, veja-se Cresti; Moneglia (2005). Para um resumo da
teoria em português, veja-se Raso; Mello; de Deus; Jesus (2007).
Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 247-262, jan./jun. 2008 259
2 O estudo completo dessa amostra constituiu o piloto do projeto C-ORAL-BRASIL
(www.c-oral-brasil.org) coordenado por T. Raso e H. Mello e parcialmente financiado
pelo CNPq (400887/2007-0) e, principalmente, pela Fapemig (SHA-1627/06 e
APQ-5958-5.06/07). O projeto se propõe a constituir a quinta ramificação do C-
ORAL-ROM (CRESTI; MONEGLIA, 2005) que já disponibiliza corpora
comparáveis das quatro principais línguas românicas européias. Os critérios de
formação do corpus do PB no projeto C-ORAL-BRASIL são, portanto, idênticos
aos do C-ORAL-ROM.
3 Os textos e todos os dados do estudo podem ser acessados em Alves de Deus
(2008) e Ulisses (2008).
4 A fronteira de enunciado é marcada com barra dupla (//) ou com o signo (+) em
caso de enunciados interrompidos. A fronteira entre unidades tonais é marcada com
barra simples (/) ou com barra simples entre colchetes ([/]) quando se trata de retracting.
5 A teoria toma como referência o conceito de ilocução de Austin (1962) e não o de
Searle (1969). Para uma discussão sobre os motivos, veja-se Cresti (2002).
6 Para aprofundamentos sobre essas unidades em análises baseadas em corpora
vejam-se os textos seguintes (todos presentes no sítio http://lablita.dit.unifi.it/): Cresti;
Firenzuoli (2002); Rossi (1999); Signorini (2004) e no prelo; Signorini; Firenzuoli (2003).
7 Os exemplos são retirados de Raso; Mello; De Deus; Jesus (2007).
8 Na Teoria existem outras unidades, além do COM, do TOP e da APC, que não
entram no escopo deste trabalho.
9 Para a problematização dessa correspondência biunívoca, veja-se Cresti (2000,
p. 148-162).
10 Vejam-se pelo menos Halliday (1967), Givón (1984), Lambrecht (1994). Para o PB,
Pontes (1987). É o caso de dizer que a Teoria da Língua em Ato é fruto de uma observação
em corpora de fala espontânea que durou cerca de trinta anos; a metodologia empírica
de base é, portanto, bem mais consistente do que aquela que funda as outras propostas
de sistematização da estrutura informacional e dos enunciados no discurso.
11 O tipo de interação poderia ser invocado como causa de outras diferenças
quantitativas que não nos interessam diretamente neste trabalho. Uma delas merece,
todavia, uma menção: o texto 1 apresenta uma porcentagem de enunciados sem
verbo bem maior do que os textos 2 e 3: 40,87% vs 31,27%.
12 O número total deve, portanto, ser levemente maior, pois optamos por eliminar
da contagem alguns casos em que o sinal acústico ou a interpretação funcional
deixava alguma dúvida.
13 Trata-se de observações importantes para a compreensão da estruturação do
enunciado, mas que não podemos desenvolver adequadamente aqui e serão,
RASO; ULISSES 260
portanto, ilustradas de maneira pontual em trabalho futuro.
14 Menos de 30% dos enunciados que contêm TOPs possuem um TOP complexo.
15 Os APTs se definem funcionalmente como integração semântica da unidade de
TOP; distribucionalmente seguem a unidade de TOP; entonacionalmente não
possuem foco: as características dos possíveis perfis entonacionais dos APTs não
foram adequadamente aprofundadas na teoria, mas uma primeira tentativa de
descrição está em Ulisses (2008).
16 Os TOPs complexos chegam a quase 45% dos enunciados com TOP.
17 Os apenas 6 APTs do texto 1, concentrados em 3 enunciados, são todos da fala
do professor, o que mostra que, além da tipologia interacional, para a estruturação
mais complexa do enunciado influi também o que podemos chamar de perícia de
fala: o adolescente mostra de fato (nesse e em outros parâmetros) uma menor
capacidade de estruração do enunciado.
18 Muitos teóricos, entre os quais Lambrecht e Pontes citados, sustentam uma
definição de TOP como exclusivamente nominal.
19 Na verdade, a impressão forte que se tem, depois do estudo dessa amostra e de
observações não sistemáticas em outros textos, é que a porcentagem de TOPs em
geral é bem mais alta no PB do que nas outras línguas românicas estudadas. Para
quem olha a formação do PB com a lente da história de contato que essa língua
viveu, trata-se de um aspecto que não surpreende. Vale a pena ressaltar que essa
impressão, que ainda não pode ser demostrada pela insuficiência de dados
estatisticamente relevantes, confirma, mesmo num quadro teórico completamente
diferente, as intuições de Pontes (1987).
20 Esse questionamento é facilitado pelas definições que são dadas dessas unidades;
por isso, veja-se para um questionamento e uma argumentação internos à própria
teoria, Lombardi Vallauri (no prelo).
21 Para o conceito de comentário ligado (etiquetado ^COM), veja-se Cresti (2000,
p. 160-163).
22 Um caso muito interessante, e que merece ser estudado melhor, é o das perguntas
parciais, quando a pergunta é realizada através de duas unidades, a primeira com a
palavra QU e a segunda com o conteúdo da pergunta. Nesses casos, quando o conteúdo
da pergunta é uma simples retomada textual, a pergunta parece ser realizada com
uma unidade de COM e uma de APC, sem movimento nessa última unidade; quando,
ao contrário, o conteúdo da pergunta introduz um elemento novo, esse elemento
parece ser sempre caracterizado por um movimento que realiza um COM ligado.
23 Um possível argumento de quem acha que TOP e APC devam ser consideradas
como uma unidade única para justificar o fato de que o TOP é sensível ao tipo de
Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 247-262, jan./jun. 2008 261
interação (dialógico VS. monológico) enquanto o APC não teria essa sensibilidade
poderia chamar em causa a menor ou maior ligação ao contexto situacional que
distingue um diálogo de um monólogo: em situação dialógica, em que a interação
é fortemente condicionada pela situação externa, não se teria muita necessidade de
instaurar âmbitos de aplicação da força ilocucionária no discurso quanto numa
atividade monológica, enquanto permaneceria invariada a necessidade de confirmar
esse âmbito de aplicação em posição pós-comentário. Mas esse argumento
indiretamente reforçaria a diferença de natureza cognitiva entre as duas unidades
sem diminuir as diferenças empíricas que elas mostram quanto ao comportamento
dentro do enunciado e dentro do processo discursivo.
24 Veja-se Cresti; Moneglia (2005).
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
Referências Bibliográficas
ALVES DE DEUS, L. A unidade informacional de tópico no português do Brasil.
2008. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2008.
AUSTIN, J. How to do things with words. Oxford: The Clarendon Press, 1962.
CRESTI, E. Corpus di italiano parlato. Firenze: Accademia della Crusca, 2000. v. I.
CRESTI, E. Modalità e illocuzione. In: BECCARIA, G. L.; MARELLO, C. (Org.).
La parola al testo: scritti per Bice Mortara Garavelli. Alessandria: Dell’Orso, 2002.
p. 144-153.
CRESTI, E. Modalité e illocution dans le topic e le comment. In: SCARANO, A.
(Org.). Macro-syntaxe et pragmatique. L’analise linguistique de l’oral. Roma:
Bulzoni, 2003. p. 133-180.
CRESTI, E.; FIRENZUOLI, V. L’articolazione informativa topic-comment e comment-
appendice: correlati intonativi. In: REGNICOLI, A. (Org.). La fonetica acustica
come strumento di analisi della variazione linguistica in Italia. Atti delle XII Giornate
del Gruppo di Fonetica Sperimentale. Roma: Il Calamo, 2002. p. 153-160.
CRESTI, E.; MONEGLIA, M. (Org.). C-ORAL-ROM. Integrated Reference
Corpora for Spoken Romance Languages. Amsterdam-New York: Johns Benjamins,
2005 + DVD.
GIVÓN, T. Syntax: A functional-typological introduction. Amsterdam: John
Benjamins, 1984.
HALLIDAY, M. A. K. Notes on transitivity and theme in English. Journal of
RASO; ULISSES 262
Linguistics, 3, p. 177-244, 1967.
t’HART, J.; COLLIER, R.; COHEN, A. A perceptual study on intonation. An experimental
approach to speech melody. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.
LAMBRECHT, K. Information structure and sentence form. Cambridge: Cambridge
University Press, 1994.
LOMBARDI VALLAURI, E. Appendix or Postposed Topic: where does the
difference lie? In: BANTI, G.; MEREU, L. (Org.). Atti delle Giornate Internazionali
sulla Struttura dell’Informazione. Roma, giugno 2006. (No prelo).
MAC WHINNEY, B. The CHILDES Project: tools for analizing talk. Hillsdale, NJ:
Lawrence Erlbaum Associates, 1995.
MONEGLIA-CRESTI. Intonazione e criteri di trascrizione del parlato. In: BORTOLINI,
U., PIZZUTO, E. (Org.). Il progetto CHILDES Italia. Pisa: Del Cerro, 1997.
PONTES, E. O tópico no português do Brasil. Campinas: Pontes, 1987.
RASO, T.; MELLO. H.; JESUS, A. U.; DE DEUS, L. A. A primeira aplicação da
Teoria da Língua em Ato ao PB. Revista de Estudos da Linguagem, v. 15, n. 2,
p. 147-166, 2007.
ROSSI, F. Non lo sai che ora è? Alcune considerazioni sull’intonazione e sul valore
pragmatico degli enunciati con dislocazione a destra. Studi di grammatica italiana,
XVIII, p. 144-193, 1999.
SEARLE, J. Speech Acts. Cambridge: Cambridge Univerity Press, 1969.
SIGNORINI S. L’unità di topic caratteristiche e frequenza in un corpus di italiano
parlato. Il topic complesso In: D’ACHILLE, P. (Org.). Generi, architetture e forme
testuali. Atti del VII convegno internazionale SILFI. Roma, 1-5 ottobre 2002.
Firenze: Franco Cesati, 2004. p. 227-238.
SIGNORINI, S. Il topic: criteri di identificazione e correlati morfosintattici in un
corpus di italiano Parlato. In: Atti del convegno “Il parlato italiano”. (No prelo.)
SIGNORINI, S. – FIRENZUOLI, V. L’unitá informativa di Topic: correlati intonativi.
Em: Marotta, G. – Nocchi, N. Atti delle XIII Giornate del Gruppo di Fonetica
Sperimentale (A.I.A.). Pisa: E.T.S., 2003. p. 177-184.
TUCCI, I. L’espressione lessicale nella modalità del parlato spontaneo. Analisi
del corpus C-ORAL-ROM italiano. Tese (Doutorado) – Università degli Studi di
Firenze, 2006.
ULISSES, A. As unidades de apêndice no português do Brasil. Dissertação
(Mestrado) – Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2008.
... The APT can show movement, but without any focus. Their distribution is always on the right of the Comment or of the Topic (Raso & Ulisses 2008;Ulisses 2008;Tucci 2006).  The Parenthetic (PAR) has the metalinguistic function to make a commentary about the utterance or part of it. ...
Article
Full-text available
O artigo estuda a unidade informacional de alocutivo contrastando espanhol europeu (EE), português europeu (PE), italiano (I) e português brasileiro (PB), com base na Teoria da Língua em Ato. O estudo se baseia na análise de 15 textos para cada língua, exceto para o PE em que constam 30 textos (todos paritariamente divididos em monólogos, diálogos e conversações), que possuem em média 1500 palavras retirados de 4 corpora de fala espontânea comparáveis: o C-ORAL-ROM e o C-ORAL-BRASIL. Foram estudados a função e a frequência da unidade; suas características acústicas; sua distribuição; sua variação lexical; e as diferenças nas várias tipologias e no discurso reportado. Os resultados apontam para interessantes diferenças interlinguísticas. A conclusão sugere uma explicação de caráter sociolinguístico para esses resultados.
Article
Full-text available
Conforme a Teoria da Língua em Ato (CRESTI, 2000a), que fundamenta este artigo, a sintaxe no estudo da fala espontânea necessita ser estudada considerando a dimensão da articulação informacional, e, portanto, de forma diferente de como é tradicionalmente feita a análise sintática da escrita. Com o objetivo geral de aprofundar o estudo da sintaxe da fala e com base em corpora especificamente construídos para uma adequada análise desta diamesia, é aqui apresentado o primeiro mapeamento das orações completivas no corpus de fala de português brasileiro C-ORAL-BRASIL (RASO; MELLO, 2012), a fim de comparar esta primeira análise quantitativa com os dados disponíveis extraídos do corpus C-ORAL-ROM (CRESTI; MONEGLIA, 2005) para fala de italiano. A análise qualitativa das orações completivas nas duas línguas, conduzida sobre dois subcorpora do C-ORAL-BRASIL e do C-ORAL-ROM anotados informacionalmente, é apresentada em seguida. According to Language into Act Theory (CRESTI, 2000a), on which this paper is founded, the syntax of spontaneous speech can’t be analyzed without taking into account the informational patterning dimension. Its analysis, therefore, must be different from the traditional one applied to written language. With the general aim of examining in depth spontaneous speech syntax and on the basis of adequate spontaneous speech corpora, this paper shows the first mapping of completive clauses in spoken Brazilian Portuguese corpus C-ORAL-BRASIL (RASO; MELLO, 2012), in order to make a quantitative analysis comparable with available data from spoken Italian C-ORAL-ROM corpus (CRESTI; MONEGLIA, 2005). The qualitative analysis of completive clauses in both spoken languages is then presented, conducted on two sub-corpora of C-ORAL-BRASIL and Italian C-ORAL-ROM presenting informational patterning annotation.
Article
Full-text available
In this article we present the first application of the theory of Languagein Act (CRESTI, 2000b) to Brazilian Portuguese. After a summaryof the theory is presented, we show how a text can be divided inutterances and how the utterance can be divided in tone units, throughthe perception of terminal and non terminal prosodic breaks. Basedon dedicated entonational profiles, we show the informational taggingof the tone units, which is motivated by prosodic, functional anddistributional criteria. We conclude by showing how the prosodicand informational frame clearly change, depending on turn size andevidence of the illocutionary principle.
Article
Full-text available
Review of 't Hart, J.; Collier, R.; Cohen, A. (1990). A Perceptual Study of Intonation: A Perceptual Approach.
Article
Full-text available
Language research thrives on data collected from spontaneous interactions in naturally occurring situations. However, the process of collecting, transcribing, and analyzing naturalistic data can be extremely time-consuming and often unreliable. This book describes three basic tools for language analysis of transcript data by computer that have been developed in the context of the "Child Language Data Exchange System (CHILDES)" project. These are: the "CHAT" transcription and coding format, the "CLAN" package of analysis programs, and the "CHILDES" database. These tools have brought about significant changes in the way research is conducted in the child language field. They are being used with great success by researchers working with second language learning, adult conversational interactions, sociological content analyses, and language recovery in aphasia, as well as by students of child language development. The tools are widely applicable, although this book concentrates on their use in the child language field, believing that researchers from other areas can make the necessary analogies to their own topics. This thoroughly revised 2nd edition includes documentation on a dozen new computer programs that have been added to the basic system for transcript analysis. The most important of these new programs is the "CHILDES" Text Editor (CED) which can be used for a wide variety of purposes, including editing non-Roman orthographies, systematically adding codes to transcripts, checking the files for correct use of "CHAT," and linking the files to digitized audio and videotape. In addition to information on the new computer programs, the manual documents changed the shape of the "CHILDES/BIB" system--given a major update in 1994--which now uses a new computer database system. The documentation for the "CHILDES" transcript database has been updated to include new information on old corpora and information on more than a dozen new corpora from many different languages. Finally, the system of "CHAT" notations for file transcript have been clarified to emphasize the ways in which the codes are used by particular "CLAN" programs. The new edition concludes with a discussion of new directions in transcript analysis and links between the "CHILDES" database and other developments in multimedia computing and global networking. It also includes complete references organized by research topic area for the more than 300 published articles that have made use of the "CHILDES" database and/or the "CLAN" programs. LEA also distributes the "CLAN" programs and the complete "CHILDES" Database--including corpora from several languages and discourse situations--described in "The CHILDES Project." Be sure to choose the correct platform (IBM or Macintosh) for the "CLAN" programs; the "CHILDES" Database CD-ROM runs on both platforms.
A unidade informacional de tópico no português do Brasil
  • L Alves De Deus
ALVES DE DEUS, L. A unidade informacional de tópico no português do Brasil.