ArticlePDF Available

O que é natureza da Ciência e qual sua relação com a História e Filosofia da Ciência?

Authors:

Abstract

This paper presents a review of the concept of nature of Science in works published in Brazilian and international books and journals of History and Philosophy of Science and Science Teaching in the last three decades. We intend to offer a basis such that historians, educators and other researchers can have a wide and modern idea about this concept, as well as become aware of the ways to incorporate it to their teaching, starting from the History and Philosophy of Science. Key words nature of Science – History and Philosophy of Science – teaching.
32
O que é natureza da Ciência e qual sua relação com
a História e Filosofia da Ciência?
What is the nature of Science and what is its relation with the History
and Philosophy of Science?
BRENO ARSIOLI MOURA
Universidade Federal do ABC | UFABC
RESUMO Este artigo apresenta uma revisão bibliográfica sobre o conceito de natureza da Ciência em traba-
lhos publicados em livros e periódicos nacionais e internacionais de História e Filosofia da Ciência e de Ensino
de Ciências nas últimas três décadas. A partir disso, pretendemos oferecer um aporte para que historiadores,
educadores e demais pesquisadores possam ter uma noção abrangente e atual acerca deste conceito, bem como
dos caminhos para incorporá-lo ao ensino a partir da História e Filosofia da Ciência.
Palavras-chave natureza da Ciência – História e Filosofia da Ciência – ensino.
ABSTRACT This paper presents a review of the concept of nature of Science in works published in Brazilian and
international books and journals of History and Philosophy of Science and Science Teaching in the last three decades.
We intend to offer a basis such that historians, educators and other researchers can have a wide and modern idea about
this concept, as well as become aware of the ways to incorporate it to their teaching, starting from the History and
Philosophy of Science.
Key words nature of Science – History and Philosophy of Science – teaching.
Introdução
O propósito de fazer com que alunos e professores aprendam e ensinem não somente Ciência, mas também
sobre a Ciência tem se constituído num objetivo pretendido por um grande número de educadores, formadores e
acadêmicos. Na literatura especializada do Brasil e do mundo são diversos os artigos, as dissertações e as teses que
vêm abordando este assunto, contribuindo para que tenhamos um tema de pesquisa e atuação definido no contexto
educacional atual. Segundo estes trabalhos, o entendimento sobre a Ciência envolve compreender o que é denominado
de “natureza da Ciência” (NDC).
A natureza da Ciência é entendida como um conjunto de elementos que tratam da construção, estabelecimento
e organização do conhecimento científico. Isto pode abranger desde questões internas, tais como método científico e
relação entre experimento e teoria, até outras externas, como a influência de elementos sociais, culturais, religiosos e
políticos na aceitação ou rejeição de ideias científicas.
A compreensão da natureza da Ciência é considerada um dos preceitos fundamentais para a formação de alunos
e professores mais críticos e integrados com o mundo e a realidade em que vivem. Por isso, a defesa pela incorporação
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
33
de discussões sobre a NDC no ensino tem sido uma constante em diversos âmbitos da educação, desde as políticas
governamentais até as pesquisas acadêmicas. Neste caminho, tem se destacado a importância da História e Filosofia
da Ciência como uma das maneiras de promover uma melhor compreensão da natureza da Ciência, à medida que seus
estudos historiográficos trazem elementos que subsidiam discussões acerca da gênese do conhecimento científico e
os fatores internos e externos que a influenciam.
Nesta revisão bibliográfica, buscaremos trazer uma síntese do que vem sendo debatido sobre a natureza da Ciên-
cia, especialmente no Brasil, partindo de levantamentos realizados em livros e periódicos nacionais e internacionais de
História e Filosofia da Ciência e de ensino de Ciências. A intenção é fornecer aos historiadores da Ciência, educadores
e demais pesquisadores um panorama geral do que é natureza da Ciência, e como promovê-la se tornou um objetivo
bem demarcado na educação científica, principalmente com o aporte da História e da Filosofia da Ciência.
Primeiramente, discutiremos duas concepções de natureza da Ciência presentes na literatura. Em seguida,
descreveremos as propostas apresentadas em uma seleção de trabalhos internacionais e nacionais a respeito da NDC
publicados nas duas últimas décadas, abordando seus aspectos mais relevantes. Na terceira parte, comentaremos sobre
como a História e a Filosofia da Ciência vêm sendo um caminho potencialmente produtivo para incorporar a natureza
da Ciência no ensino. Nas considerações finais, retomaremos as questões iniciais para fechar o texto.
A partir desta análise, pretendemos responder às duas perguntas que formam o título deste artigo. Acreditamos
que os interessados no tema possam ter em mãos uma visão geral da natureza da Ciência, compreendendo os propósitos
por trás dos objetivos para incorporá-lo na educação científica, fomentando futuras ações educacionais na formação
básica de estudantes e nos cursos de formação inicial e continuada de professores e, principalmente, contribuindo para
aproximá-lo cada vez mais da História e Filosofia da Ciência.
Natureza da Ciência: duas concepções presentes na literatura
Nas últimas três décadas, o termo “natureza da Ciência” tem sido recorrente em diversas pesquisas acadêmicas
e documentos oficiais para a educação. Porém, para grande parte dos não acadêmicos, a expressão ainda pode parecer
uma incógnita. O que é, afinal, natureza da Ciência?
Responder a esta pergunta não é tarefa trivial. De uma perspectiva bem ampla e geral, podemos dizer que a
natureza da Ciência envolve um arcabouço de saberes sobre as bases epistemológicas, filosóficas, históricas e culturais
da Ciência.1 Compreender a natureza da Ciência significa saber do que ela é feita, como elaborá-la, o que e por que ela
influencia e é influenciada.
Uma descrição geral sobre natureza da Ciência, como a mencionada acima, não revela, contudo, características
mais detalhadas acerca do que está envolvido no compreender o que é este conceito. Brian J. Alters,2 em sua análise
a respeito do tema, deixa claro que não é possível pensar em uma única definição da natureza da Ciência. Sob o ponto
de vista do autor, muito do que se considerava à época como elemento da natureza da Ciência deveria ser revisto, pois
mesmo os filósofos da Ciência – admitidos por ele como os especialistas no assunto – apresentavam muitas discor-
dâncias. Juli T. Eflin, Stuart Glennan e George Reisch3 criticam o trabalho de Alters, afirmando que os educadores em
Ciência deveriam olhar para os filósofos da Ciência não como autoridades, cujas opiniões devem ser seguidas, mas
para os debates filosóficos propriamente, vivenciando questões da Filosofia da Ciência. Entre elas, os autores citam: a
controvérsia entre realismo e instrumentalismo, racionalismo e historicismo, experimento e teoria.
No contexto atual, podemos olhar para duas visões distintas sobre o que significa natureza da Ciência, que vêm
sendo debatidas entre os pesquisadores da área. Por um lado, temos a ideia de que devemos discutir com alunos e
professores um conjunto de aspectos ditos “consensuais” a respeito da natureza da Ciência. Estes aspectos seriam
uma lista de princípios claros e objetivos do que está envolvido na construção do conhecimento científico. Diversos
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
34
trabalhos têm se fundamentado em listas como essas, inclusive grande parte dos realizados no Brasil. De uma pers-
pectiva diferente, há aqueles que criticam esta ideia, preferindo abordar o conceito de semelhança familiar (family
resemblance). Abordaremos as duas visões logo abaixo.
Aspectos consensuais da natureza da Ciência
No entender de alguns autores, ao trabalhar com natureza da Ciência no ensino, deveríamos abordar seus aspectos
consensuais, tidos como características sobre a construção do conhecimento científico que a maioria dos pesquisadores
concorda acerca do tema. Entre estes autores, podemos citar William F. McComas e colaboradores,4 Stephen Pumfrey5
e Daniel Gil-Pérez e colaboradores.6 Eles descrevem em seus trabalhos uma lista de aspectos consensuais os quais
podemos resumir em cinco tópicos abrangentes, detalhados adiante.
A Ciência é mutável, dinâmica e tem como objetivo buscar explicar os fenômenos naturais. Os três conjuntos de
autores citados acima apresentam argumentos que contribuem para corroborar a ideia de que a Ciência não é um
conhecimento estático, todavia em constante transformação, sempre com o objetivo de compor modelos explicativos
para os fenômenos do mundo natural. Nega-se, portanto, a visão de que a Ciência é um conjunto de verdades abso-
lutas a serem aceitas cegamente. Pelo contrário, por ser conhecimento em contínua mudança, ela está sempre se
reformando internamente, revendo seus modelos e bases, o que implica que nossa própria percepção dela também
muda com o tempo.
Não existe um método científico universal. Há um consenso muito amplo a respeito deste aspecto da natureza
da Ciência. Ao contrário das visões de senso comum sobre o método científico, os pesquisadores na área concordam
que não existe um conjunto de regras universais a serem seguidas para fazer Ciência. As metodologias podem ser
variadas e os resultados também, abrindo margem para os desacordos. Isso implica dizer que um mesmo fenômeno
pode ser estudado e compreendido de modos distintos, todos podendo ser coerentes dentro dos limites de validade
dos métodos e concepções empregados para estudá-lo.
A teoria não é consequência da observação/experimento e vice-versa. No senso comum, tem-se a concepção
de que uma teoria científica sempre é consequência de um experimento, o qual, se realizado em um determinado
número de vezes e de circunstâncias, prova a teoria. Diversos autores na literatura têm combatido essa visão da
Ciência. Muito relacionada à concepção do método científico universal, a ideia de uma relação linear entre teoria e
experimento corrobora uma noção superficial do processo de construção do conhecimento científico, como se fosse
resultado da realização de etapas pré-definidas. Na discussão epistemológica contemporâneaum consenso de que
a relação entre teoria e experimento é complexa. Alan F. Chalmers,7 em seu icônico O que é Ciência, afinal?, dedica
três capítulos para desmontar o que ele classifica de indutivismo ingênuo, ou seja, a ideia de que uma observação
pode ser imparcial e sempre levar a uma indução limpa e incontestável. O autor argumenta que nenhuma observação
é livre de uma expectativa ou concepção prévia de quem observa. Neste sentido, podemos dizer que não há uma
relação bem definida entre teoria e experimento, no entanto há um consenso de que a Ciência não se constrói sem
os dois. Além disso, também há concordância sobre a impossibilidade da prova na Ciência. A Ciência, de outra pers-
pectiva, constrói modelos, explicações, conceitos a respeito do mundo natural que são embasados pelo arcabouço
de saberes, metodologias, pressupostos epistemológicos, sociológicos e filosóficos da Ciência. Estas construções
são, no fim, sempre provisórias, transformando-se ao longo do tempo e das sucessivas mudanças de contextos
científicos, sociais, culturais etc.
A Ciência é influenciada pelo contexto social, cultural, político etc., no qual ela é construída. Este aspecto evidencia
a não neutralidade da Ciência e do pensamento científico, isto é, nenhuma ideia científica ou cientista está envolta numa
redoma intransponível; pelo contrário, suas concepções, as questões da época, o local em que vivem e as influências
que sofrem podem desempenhar um papel importante na aceitação, rejeição e desenvolvimento das ideias da Ciência.
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
35
Embora a influência de fatores externos na Ciência seja um tópico consensual, há um dissenso em relação à natureza
e à força destes, como aponta Eflin e colegas.8
Os cientistas utilizam imaginação, crenças pessoais, influências externas, entre outros para fazer Ciência. No
senso comum, há uma noção de que o cientista está alheio ao mundo ao redor, fazendo uma Ciência neutra e livre de
influências. Entretanto, a análise da construção da Ciência revela uma característica de todo cientista: eles são seres
humanos comuns, por isso, cometem erros, utilizam de suas crenças e expectativas para elaborar e legitimar suas
ideias, têm qualidades e defeitos etc. Isto nos leva a concluir que não há um modelo único de cientista; cada um se faz
dentro de seu próprio contexto. O cientista de hoje certamente não é o mesmo de ontem, e isso não necessariamente
significa que o primeiro seja melhor que o último, apenas que pertencem a contextos diferentes.
O conceito de semelhança familiar (family resemblance)
Mais recentemente, encontramos na literatura alguns autores que criticam a ideia de aspectos consensuais sobre
a natureza da Ciência, preferindo trabalhar com a proposta de semelhança familiar. Entre eles, podemos citar Eflin e
colegas e Gürol Irzik e Robert Nola,9 cujo trabalho utilizaremos como referência para a discussão à frente.
Irzik e Nola afirmam que a Ciência é tão rica e dinâmica que dificilmente poderíamos descrevê-la sob um conjunto
estático de regras ou aspectos. Desta forma, a concepção de natureza da Ciência baseada em aspectos consensuais não
parece ser a melhor alternativa. Na concepção deles, nela temos áreas de estudo tão diversificadas que não podemos
simplesmente acreditar que os aspectos consensuais da sua natureza descreverão adequadamente todas elas:
[...] a visão consensual retrata uma imagem muito monolítica da Ciência e é cega em relação às diferenças
entre as disciplinas científicas. Por exemplo, astronomia e cosmologia são muito diferentes, digamos, da
química por elas não serem disciplinas experimentais. De forma relacionada, sob a visão consensual, a
natureza da Ciência parece ser fixa e atemporal.10
Irkiz e Nola consideram que estas e outras razões evidenciam as falhas da visão consensual e a necessidade da ado-
ção de outra concepção para a natureza da Ciência. Para eles, a visão mais adequada seria a de semelhança familiar.
Os autores trabalham com quatro categorias de semelhança familiar para a natureza da Ciência: atividades,
objetivos e valores, metodologias e regras metodológicas, e produtos. Isto significa, por exemplo, que as áreas da
Ciência partilham de semelhanças em seus objetivos ou em seus produtos, como se fossem traços característicos de
uma mesma família. Embora não necessariamente sejam idênticas em relação aos pressupostos metodológicos que
adotam, as áreas da Ciência possuem semelhanças que as caracterizam como pertencentes a uma mesma família de
bases e fundamentos teóricos, procedimentais e metodológicos. De forma geral, o conceito de semelhança familiar
diz que as áreas de eletromagnetismo e geoCiências, por exemplo, podem ter objetivos, metodologias e fundamentos
diferentes, mas possuem semelhanças entre si que as caracterizam como áreas da Ciência. Detalhamos a proposta
de Irzik e Nola a seguir.
Atividades. Para os autores, observar e experimentar são tipicamente atividades da Ciência. Porém, a prática de
observar, embora comum em quase todas as áreas da Ciência, pode ser diferente para cada uma delas. Irzik e Nola
citam como exemplo o caso das observações na astronomia e na arqueologia. Em ambas, o ato de observar constitui-
se parte importante do fazer científico, contudo em cada uma das áreas este se fundamenta em diversas práticas,
experiências e habilidades. Enquanto o astrônomo deve ser hábil em posicionar corretamente o telescópio, o arqueólogo
deve ser capaz de diferenciar fósseis de rochas. Os autores também comentam sobre as diferenças e semelhanças no
que diz respeito às práticas materiais – tais como a calibração de um instrumento científico – e às matemáticas. Para
eles, independente das diferenças entre as áreas, todas elas pertencem à Ciência por apresentarem semelhanças em
relação às atividades que elas desempenham, sejam elas observacionais, materiais ou matemáticas.
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
36
Objetivos e valores. A segunda categoria proposta por Irzik e Nola para trabalhar a natureza da Ciência por meio
do conceito de semelhança familiar refere-se aos propósitos e valores da Ciência. Segundo eles, podemos encontrar
na literatura uma grande variedade de conceitos abordando as finalidades da Ciência, tais como aqueles defendidos
por Kuhn e Popper. Os autores afirmam que dentro de uma concepção de semelhança familiar não precisamos nos ater
a algum destes conceitos – o que a visão consensual geralmente faz –, apenas entender que cada Ciência individual
pode ter um propósito diferente de acordo com as várias interpretações filosóficas que podemos ter delas.
Metodologias e regras metodológicas. Não é possível fazer Ciência sem adotar métodos e regras metodológicas,
ou melhor, o conhecimento científico não é construído de forma aleatória, todavia emprega certos parâmetros, alguns
comuns a todas as áreas da Ciência. Consoante Irzik e Nola, é evidente que não há uma metodologia única a ser segui-
da, como destacam os adeptos da visão consensual quando abordam a recusa de um método científico universal. No
entanto, a Ciência estaria repleta de regras, algumas alvos de controvérsias, outras aceitas e consideradas importantes,
tais como: construir hipóteses/teorias/modelos que são altamente testáveis; evitar fazer revisões ad hoc de teorias;
rejeitar teorias inconsistentes; aceitar uma teoria apenas se ela puder explicar todos os sucessos de suas predecesso-
ras; entre outras.11 Os autores esclarecem que nem todas as áreas da Ciência utilizam idênticas metodologias e regras
metodológicas; há diferenças significativas. Esta característica da Ciência como um todo seria contemplada pela visão
de semelhança familiar, visto que mesmo que diversas áreas não compartilhem das mesmas regras, ainda possuiriam
aspectos metodológicos semelhantes, o que as uniriam de certa maneira.
Produtos. A Ciência, com suas atividades, busca cumprir seus objetivos a partir de suas metodologias próprias.
Isto gera produtos, que podem ser hipóteses, leis, teorias, modelos, dados experimentais etc. Em suas fases finais,
os produtos tornam-se conhecimento ou uma crença racional. Assim como para as categorias anteriores, Irzik e Nola
salientam que nem todas as áreas da Ciência têm os mesmos produtos. Os autores citam como exemplo o caso da
Física – em que certamente há leis – e o da Biologia, ao admitir que a proposição de uma lei é algo que possivelmente
sofrerá algum tipo de contestação. Entretanto, como todas as áreas da Ciência possuem algum grau de igualdade em
seus produtos, esta é mais uma categoria a ser considerada na concepção de semelhança familiar.
Uma definição sobre a natureza da Ciência (é possível?)
A definição acerca do que é natureza da Ciência não parece uma tarefa simples. Pela análise das duas concepções
acima, podemos perceber similaridades e diferenças notáveis. Por um lado, a ideia de que há aspectos consensuais
bem definidos, sobre como a Ciência funciona, parece restrita demais, como apontam Irzik e Nola. Estes, ao defender
a concepção de semelhança familiar, a deixam com um caráter muito amplo e aberto. Além disso, destacamos que
estas são apenas duas visões, pois um olhar mais apurado para o que os filósofos e os historiadores da Ciência ou os
educadores dizem, por exemplo, pode subsidiar inúmeras concepções diferentes, que não necessariamente se asse-
melhariam com as duas discutidas anteriormente.
De um plano geral, parece-nos claro que discutir a natureza da Ciência é abordar como ela é construída, quer dizer,
os elementos, ações, fatores, influências que alicerçam as ideias científicas. Isto passa, a princípio, pela discussão a
respeito do método científico. Não há um método científico único, como uma “receita de bolo” a ser seguida passo a
passo. Certamente o fazer científico se baseia em métodos, mas não em um único. O conhecimento científico é cons-
truído com o uso de diversos métodos que envolvem a experimentação, a elaboração e a verificação de hipóteses, as
concepções e as expectativas dos cientistas etc.; ou seja, o ponto a ser destacado é a multiplicidade de formas como
o trabalho científico é feito, e não exatamente como essas formas se relacionam.
Da mesma forma, falar sobre a NDC é relacionar o conhecimento científico com o contexto no qual ele é pro-
duzido. A Ciência não está enclausurada em uma bolha, invulnerável aos acontecimentos ao redor. O conhecimento
científico é obra humana, e como homens pertencentes a uma sociedade – com seus modelos culturais, políticos,
históricos, econômicos etc. –, eles trazem à Ciência suas concepções, crenças e anseios. Portanto, falar da natureza
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
37
da Ciência aparentemente deve envolver o esclarecimento de sua indissociabilidade do mundo e da humanidade, de
sua mutabilidade – assim como a dos homens –, de seus limites de validade. Exemplos da História e da Filosofia da
Ciência não faltam nesse sentido.
À guisa de uma definição acerca do que é natureza da Ciência e em busca de uma resposta à primeira pergunta
do título do presente artigo, talvez seja frutífero descrevermos uma, mesmo que reconheçamos suas limitações: estudar
a natureza da Ciência significa compreender como o homem constrói o conhecimento científico em cada contexto e
em cada época, tendo como base suas concepções filosóficas, ideológicas e metodológicas.
Estudos sobre a natureza da Ciência: análise e resgate histórico
O estabelecimento da natureza da Ciência como uma meta a ser alcançada na educação científica teve como
grande incentivo os documentos e propostas governamentais para a educação. No contexto internacional, destacam-se
as reformas promovidas pela American Association for the Advancement of Science (AAAS) [Associação Americana
para o Progresso da Ciência], nos Estados Unidos em 1989 e 1993, e pelo National Curriculum Council (NCC) [Conselho
Nacional de Currículo], na Grã-Bretanha em 1989. Nestas reformas, é explícito o propósito de incluir nos currículos do
ensino básico discussões sobre a mutabilidade do conhecimento científico – em oposição à visão estática tradicional
–, e a relação entre Ciência e os contextos externos a ela e acerca das controvérsias científicas.
No Brasil, destacam-se os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM).12 Ao tratar das com-
petências a serem desenvolvidas pelos estudantes nas aulas de Física, os PCNEM abordam na categoria “Investigação
e Compreensão” uma série de elementos ligados à natureza da Ciência, tais como:
Compreender a construção do conhecimento físico como um processo histórico, em estreita relação com
as condições sociais, políticas e econômicas de uma determinada época. [...] Compreender a Física como
parte integrante da cultura contemporânea, identificando sua presença em diferentes âmbitos e setores
[...]. Reconhecer, em situações concretas, a relação entre Física e ética, seja na definição de procedimentos
para a melhoria das condições de vida, seja em questões como do desarmamento nuclear ou em mobili-
zações pela paz mundial.13
Em relação à formação de professores, podemos relacionar aspectos da natureza da Ciência a algumas das metas
do Plano Nacional de Educação (PNE),14 vigente entre 2001 e 2011. Segundo este documento, os cursos de formação
de professores deveriam incorporar, entre outros pontos, uma ampla formação cultural e a análise de temas atuais da
sociedade, da cultura e da economia.
De forma complementar, as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica15
afirmam que as licenciaturas devem incluir em seus projetos pedagógicos as competências que favoreçam o domínio
dos conteúdos a serem socializados, a relação interdisciplinar com outros assuntos e seus significados em diferentes
contextos. Afirmam, ainda, que é importante que os futuros professores não apenas discutam questões específicas
à sua área de formação, porém que também possuam ampla cultura geral e profissional. Estes pontos indicam que a
natureza da Ciência vem sendo contemplada nestas propostas educacionais, ainda que o termo não seja utilizado de
forma explícita.
No âmbito da pesquisa acadêmica, são diversos os trabalhos que abordam a temática envolvendo a NDC. Na literatura
internacional, cabe destacar a revisão bibliográfica apresentada por Randy Bell e colaboradores,16 em 2001, contendo mais
de duas centenas de artigos sobre o tópico. Mencionaremos com mais detalhes alguns dos trabalhos referenciados.
Há pouco mais de vinte anos, Norman G. Lederman17 apresentou uma análise das pesquisas acerca das concep-
ções de natureza da Ciência de professores e alunos. Segundo o autor, é possível dividir a pesquisa sobre a NDC em
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
38
quatro vertentes distintas: avaliação das concepções de natureza da Ciência dos estudantes; desenvolvimento, uso e
avaliação de propostas curriculares com o objetivo de aprimorar as concepções dos estudantes a respeito da natureza
da Ciência; avaliação e tentativa de melhorar as visões de professores sobre a NDC; e identificação da relação entre
as concepções dos professores, suas práticas docentes e as concepções dos alunos.
Na revisão das pesquisas sobre as concepções dos estudantes acerca da NDC, Lederman concluiu que mesmo
utilizando diferentes instrumentos de pesquisa, elas convergiam para um único resultado: os estudantes não apre-
sentavam concepções adequadas sobre a natureza da Ciência ou o pensamento científico. Em relação às propostas
curriculares, o autor descreveu um grande conjunto de pesquisas que destacaram, entre outros aspectos, a pouca
efetividade da mudança nos currículos a respeito das concepções da NDC dos estudantes. Contudo, de forma geral,
elas mostraram que o papel do professor neste processo era fundamental. Isto significava que um professor poderia
fazer a diferença, independente do currículo que ele deveria seguir.
Lederman mostrou que as pesquisas sobre as concepções da NDC dos professores apontaram resultados
semelhantes às realizadas com os estudantes, isto é, constataram que os professores também tinham visões inade-
quadas acerca da natureza da Ciência, mas que ainda restavam lacunas em relação a como construir abordagens que
promovessem a superação dessas concepções. A respeito das pesquisas que trabalharam com a relação entre as
concepções de estudantes e professores, o autor afirmou que as atitudes, atividades e decisões em sala de aula pare-
ciam influenciar as ideias dos estudantes sobre a NDC. Isso indicou que, embora um professor possa ter concepções
adequadas acerca da natureza da Ciência, se sua prática docente não as traduz em ações em sala de aula, elas não
influenciam as visões dos estudantes.
McComas e seus colaboradores18 apresentaram um estudo abrangente sobre a inserção da natureza da Ciência
na educação científica. Além de discutirem os aspectos consensuais da NDC – como apontamos na seção anterior
–, os autores fizeram um breve recorte histórico do desenvolvimento da pesquisa a respeito do tema, relatando em
seguida elementos que justificam sua inclusão no âmbito educacional. No entender dos autores, introduzir a natureza
da Ciência no ensino é importante, por exemplo, para problematizar as visões inadequadas de estudantes e professores
sobre a construção do conhecimento científico e para melhorar o aprendizado de conceitos e o interesse pela Ciência.
Por fim, os autores destacaram a importância da NDC na formação de professores, discutindo estudos que indicaram
mudanças nas concepções dos professores quando estes cursavam disciplinas específicas acerca do assunto.
No contexto presente, o livro de Douglas Allchin19 (2013) destaca-se por apresentar uma ampla revisão das
questões envolvendo a incorporação da natureza da Ciência no ensino. O autor reúne em sua obra uma série de artigos
de sua autoria publicados anteriormente sobre o tema, no entanto revisados e atualizados. Em outra parte, ele dispo-
nibiliza estudos de caso envolvendo episódios históricos, a fim de balizar atividades de ensino de natureza da Ciência
em situações de sala de aula.
A partir de outra perspectiva, podemos encontrar na literatura trabalhos que analisam propostas de inclusão da
natureza da Ciência no ensino. Fouad Abd-El-Khalick e Norman G. Lederman20 realizaram uma revisão acerca das pro-
postas de aprimorar as concepções de professores sobre a natureza da Ciência. Os autores fizeram referência à linha
de pesquisa citada por Lederman21 a respeito das concepções de professores, afirmando que a relação entre elas e as
concepções dos alunos seria muito mais complexa que na previsão inicial. Segundo eles, diversas variáveis exerciam
um papel determinante na mobilização dos conhecimentos sobre natureza da Ciência pelos professores, entre elas, a
pressão para cobrir todo o conteúdo, as questões institucionais envolvidas e o desconforto e inabilidade para se trabalhar
com conteúdos deste tipo, afinal, os professores não poderiam ensinar o que não sabiam.
Abd-El-Khalick e Lederman analisaram as propostas de inserção de natureza da Ciência na formação de professores
a partir de duas categorias: implícita e explícita. Na abordagem implícita, espera-se que a compreensão da natureza da
Ciência seja facilitada por meio da incursão do indivíduo na prática científica, fornecendo elementos subliminares sobre
como o conhecimento científico se constrói. A abordagem explícita, por outro lado, muitas vezes se vale da História
e Filosofia da Ciência, em que o indivíduo, desde o início da atividade, sabe qual aspecto da NDC será trabalhado.
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
39
Os autores salientaram, entretanto, que a divisão entre os tipos de abordagem está atrelada às ferramentas conceituais
que possibilitam que os indivíduos pensem acerca das atividades que eles realizam, ou melhor, não necessariamente
uma atividade baseada em História e Filosofia da Ciência será explícita, assim como uma atividade baseada no treina-
mento científico será implícita.
Ao final do texto, Abd-El-Khalick e Lederman apontaram algumas implicações do estudo para a formação de pro-
fessores e para a pesquisa. Em relação à primeira, os autores comentaram sobre a necessidade de incluir a natureza da
Ciência ao longo de toda a formação, em que os futuros professores sempre tenham a oportunidade de discutir e refletir
a respeito de seus vários aspectos. Entre as formas de consolidar essa prática, os autores proporam incentivar os futuros
professores a desenvolverem aulas que promovessem a NDC, ou mesmo elaborar métodos de acessar as concepções
dos estudantes. Em relação à pesquisa, os autores discutiram as várias perspectivas que podem ser exploradas, tais
como o papel da História e Filosofia da Ciência ou a relação entre as concepções de professores e alunos.
No período mais recente, podemos mencionar o trabalho de Maria Teresa Guerra-Ramos,22 que apresenta uma
análise crítica de diversas pesquisas que abordaram as concepções de professores acerca da natureza da Ciência e
suas implicações para o ensino. Fouad Abd-El-Khalick,23 por sua vez, discute os requisitos para que os professores
ensinem com e sobre natureza da Ciência.
Uma das preocupações das pesquisas acadêmicas é analisar as concepções de professores e alunos sobre a
natureza da Ciência. Por isso, ao longo das últimas décadas, diversos instrumentos específicos vêm sendo desenvolvidos
com o intuito de obtê-las. Nesse sentido, destaca-se o trabalho de Norman G. Lederman, Philip Wade e Randy L. Bell,24
que apresentaram uma revisão histórica a respeito do assunto.
Em outro texto, Norman G. Lederman e colaboradores25 descreveram o Views of Nature of Science Questionnaire
[Questionário de Visões sobre a Natureza da Ciência], ou simplesmente VNOS, atualmente um dos mais utilizados
instrumentos para a verificação de concepções acerca da natureza da Ciência. Os autores afirmaram que havia muitas
críticas em relação a estes tipos de instrumento, dentre as quais, sobre seus limites de validade. Por um lado, não estava
claro se o respondente interpreta as questões da mesma forma dos proponentes do questionário; por outro, havia o
problema do questionário refletir as concepções de natureza da Ciência dos proponentes, podendo fazer com que os
participantes fossem influenciados a responder o que os proponentes gostariam de obter. Além disso, os instrumentos
geralmente tenderiam a classificar as concepções de forma reducionista – “adequadas” ou “inadequadas” –, em vez
de elucidar e esclarecer essas visões.
A primeira versão do VNOS foi o VNOS-A, apresentado por Norman G. Lederman e Molly O’Malley26 no início da
década de 1990. Em 1998, Fouad Abd-El-Khalick, Randy L. Bell e Norman G. Lederman27 descreveram a segunda versão,
o VNOS-B, composto por sete questões abertas. A mais atual e que vem sendo amplamente adaptada é o VNOS-C,
discutido por Lederman e colaboradores.28 O VNOS-C é composto de dez questões abertas, que buscam traçar as
visões dos respondentes sobre diversas perspectivas relacionadas à Ciência. As questões envolvem desde definições
acerca da Ciência – “O que é, na sua visão, Ciência?” –, passando pelo papel dos experimentos – “O desenvolvimento
do conhecimento científico requer experimentos?” –, chegando até a influência de questões sociais e culturais e a
importância da imaginação no trabalho dos cientistas.
O VNOS não é o único instrumento conhecido – vale citar o Views of Science – Technology – Society [Visões de
Ciência – Tecnologia – Sociedade], ou VOSTS, desenvolvido por Glen S. Ainkenhead e Alan G. Ryan29 –, e tampouco
foge às críticas. Entre elas, podemos citar o trabalho de Sufen Chen,30 que apontou as complicações em responder
em um curto período de tempo as questões do VNOS, além de elas serem muito longas e abertas a diversos tipos de
interpretação. A autora descreveu outro instrumento, o Views on Science and Education Questionnaire [Questionário
sobre Visões de Ciência e Educação], ou VOSE. Este questionário enfatiza sete aspectos da natureza da Ciência que a
autora considera relevantes para o ensino básico: o caráter provisório do conhecimento científico, a relação entre teoria
e observação, a não existência de um método científico universal, as diferenças entre hipótese, teoria e lei, o papel da
imaginação, o processo de validação do conhecimento científico e a objetividade e subjetividade na Ciência.
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
40
O VOSE é uma versão adaptada do VOSTS. O questionário contém quinze perguntas ou afirmações, seguidas de
uma lista de respostas em que os participantes devem ranquear entre “discordo totalmente”, “discordo”, “incerto/sem
comentários”, “concordo” e “concordo totalmente”. Os sete aspectos da natureza da Ciência enfatizados no questionário
estão inseridos implicitamente dentro das respostas, quer dizer, cada pergunta ou afirmação pode abordar diferentes
aspectos da NDC, sendo estes refletidos nas respostas disponíveis.
Os trabalhos citados anteriormente formam um pequeno apanhado do que vem sendo discutido nos últimos anos
no contexto internacional. No âmbito da pesquisa acadêmica nacional, também podemos citar um bom conjunto de
trabalhos que abordam o tema.
João Batista Siqueira Harres,31 por exemplo, apresentou uma revisão das pesquisas sobre as concepções de pro-
fessores acerca da natureza da Ciência. Daniel Iria Machado e Roberto Nardi32 discutiram como softwares educacionais
podem contribuir para o ensino de Física moderna e de natureza da Ciência. Marcio Medina e Marco Braga33 descreve-
ram e analisaram uma proposta de trabalho com natureza da Ciência por meio da peça teatral “A vida de Galileu”, de
Bertold Brecht. Argus Vasconcelos de Almeida e Carmen Roselaine de Oliveira Farias34 realizaram uma revisão teórica
ao respeito do assunto a partir do contexto da formação inicial de professores de Ciências biológicas, abordando o papel
que as práticas curriculares podem exercer no intuito de trabalhar a natureza da Ciência nas licenciaturas.
Os textos acadêmicos mencionados trabalham sob a perspectiva geral da natureza da Ciência. Há, pois, uma
grande quantidade de artigos nas literaturas internacional e nacional que discutem a NDC e como incorporá-la no ensino
a partir do viés da História e Filosofia da Ciência. Estes trabalhos serão discutidos adiante.
Natureza, História e Filosofia da Ciência: aproximações
A contribuição da História e da Filosofia da Ciência para melhorar o ensino tem figurado como um ponto de
convergência entre pesquisadores, historiadores e educadores nas últimas duas décadas.35, 36, 37, 38 Esta percepção é
corroborada pelo significativo aumento do número de trabalhos publicados sobre o tema nos periódicos especializados,
conforme relatado por Elder Sales Teixeira, Ileana Maria Greca e Olival Freire Jr.39 e Thais Cyrino de Mello Forato e
colaboradores,40 e em livros organizados por historiadores da Ciência e educadores.40, 41
Na análise realizada por Teixeira e colaboradores,42 é possível notar uma boa quantidade de textos que abordam
o potencial da História e Filosofia da Ciência como caminhos para discutir aspectos da NDC. Esta tendência tem se
destacado nos últimos anos, originando uma gama de trabalhos específicos que vem contribuindo para consolidar uma
área de pesquisa bem demarcada no contexto atual.
No âmbito das publicações internacionais, destaca-se o trabalho de Michael Matthews,43 publicado originalmen-
te em 1992 e traduzido para o português em 1995. No texto, ele fez um amplo detalhamento histórico sobre como
a inserção da História e Filosofia da Ciência vêm se reaproximando das questões de ensino, tornando-se uma meta
inequívoca da educação científica atual. O autor ressaltou ao longo do texto de que forma o estudo de conteúdos
históricos e filosóficos têm contribuído para aprimorar as concepções de estudantes e professores acerca da natureza
do conhecimento científico. Em outro trabalho, Matthews44 discutiu alguns deles:
A História promove uma melhor compreensão dos conceitos e métodos científicos;
Abordagens históricas relacionam o desenvolvimento do pensamento individual com o desenvolvimento das
ideias científicas;
A História da Ciência é intrinsicamente valiosa. Episódios importantes na História da Ciência e da cultura a
Revolução Científica, darwinismo, a descoberta da penicilina, entre outras coisas – deveriam ser familiares a todos os
estudantes;
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
41
A História é necessária para compreender a natureza da Ciência;
A História contrapõe o cientificismo e o dogmatismo que são comumente encontrados em textos científicos e
aulas de Ciências;
A História, pela análise da vida e da época dos cientistas, humaniza os assuntos da Ciência, fazendo-os menos
abstratos e mais interessantes para os estudantes;
A História permite que sejam feitas relações entre tópicos e disciplinas da Ciência, assim como com outras
disciplinas acadêmicas;
A História fornece a natureza integradora e independente das conquistas humanas.
Dessa forma, a História e Filosofia da Ciência formam um caminho possível para a discussão de natureza da Ci-
ência, porque evidenciam os meandros da construção do conhecimento científico, contextualizando a Ciência. Estudar
a História e Filosofia da Ciência é compreender as origens das ideias científicas e as diversas influências sofridas e
exercidas por ela. No contexto nacional, Luiz O. Q. Peduzzi,46 Roberto de Andrade Martins47, 48 e João Zanetic49 também
apontaram inúmeros benefícios da utilização da História e Filosofia da Ciência, estabelecendo relações entre o estudo
destes conteúdos e a compreensão da natureza da Ciência e do fazer científico.
Na Literatura, podemos encontrar diversos trabalhos que abordam como a História e Filosofia da Ciência podem
ser trabalhadas para discutir aspectos da NDC. David W. Rudge e Eric M. Howe,50 por exemplo, discutiram o que eles
denominaram de abordagem explícita e reflexiva da História da Ciência. Para os autores, os estudantes compreendiam
mais sobre a Ciência e o processo de construção do conhecimento científico quando eram colocados a pensar como os
cientistas do passado fizeram. Uma abordagem explícita significa que os estudantes são apresentados desde o início
das atividades aos aspectos da natureza da Ciência que serão trabalhados. De forma complementar, uma abordagem
reflexiva significa que eles devem pensar a respeito destes aspectos a fim de desenvolver uma compreensão mais
ampla do que é Ciência. Por meio desta discussão, os autores pretenderam fazer uma crítica ao texto de Martin Monk
e Jonathan Osbourne,51 que advogaram por uma abordagem implícita da História da Ciência. Basicamente, a crítica
de Rudge e Howe se fundamentou no argumento de que simplesmente fazer com que os estudantes comparem suas
ideias com aquelas dos cientistas do passado – como propôs Monk e Osbourne – não seria produtivo. A melhor al-
ternativa seria fazer com que eles pensassem, refletissem, se engajassem como os cientistas do passado por meio de
uma abordagem explícita e reflexiva. Ao final do texto, Rudge e Howe apresentaram um exemplo dessa abordagem,
aplicado entre professores em serviço, utilizando como tópico a anemia falciforme. Recentemente, David W. Rudge
e colegas52 publicaram outro texto contendo mais um exemplo de abordagem explícita e reflexiva, dessa vez sobre o
fenômeno do melanismo industrial.
Allan R. Irwin53 discutiu os resultados da aplicação de um curso fundamentado na discussão histórica acerca do
conceito de átomo oferecido para alunos da educação básica, sendo ele também o professor do curso. Foram estudadas
duas turmas, uma que passou pela discussão histórica e outra cujo curso foi oferecido nos moldes tradicionais. Segundo
Irwin, seu propósito foi mostrar aos estudantes exemplos de como os cientistas podem especular mesmo com poucas
evidências, o que eventualmente pode levar a significativas mudanças no conhecimento científico. O autor encontrou,
porém, um resultado não muito satisfatório em relação ao aprendizado do conceito contemporâneo de átomo, ou seja,
os alunos que passaram por uma discussão histórica não “aprenderam melhor” que os do grupo tradicional. Contudo,
Irwin afirmou que em relação à natureza da Ciência, o curso fundamentado nas discussões históricas mostrou um
caminho interessante.
De maneira similar, todavia mais abrangente, Fouad Abd-El-Khalick e Norman G. Lederman54 apresentaram uma
análise da influência de cursos de História da Ciência sobre as visões de universitários e professores em formação. Os
autores salientaram que, no contexto da época em que escreviam, não havia evidências empíricas suficientes que ates-
tavam a contribuição da História da Ciência para o entendimento da NDC, embora essa concepção estivesse comumente
presente nas falas dos pesquisadores. Os resultados obtidos indicaram que a realização de um curso de História da
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
42
Ciência não levou automaticamente a uma melhor compreensão da natureza da Ciência. Havia uma série de obstáculos
assinalados pelos autores: o fato de os estudantes serem apresentados a narrativas históricas prontas; as dificuldades
em relação ao entendimento e interpretação dos materiais históricos, cujas ideias que os compõem podem ser vistas
como erradas; os objetivos dos cursos de História da Ciência, podendo o ensino da natureza da Ciência ser ofuscado por
outros propósitos, entre outros. Os autores afirmaram que a abordagem explícita de aspectos da natureza da Ciência na
discussão de episódios históricos era uma estratégia mais frutífera que uma abordagem implícita, embora reconhecessem
que os dados apresentados no texto não ofereciam um bom suporte empírico para corroborar essa posição.
William F. McComas55 listou os exemplos de episódios da História da Ciência que poderiam ser utilizados para
trabalhar aspectos da natureza da Ciência presentes em um conjunto de livros. O autor destacou que apenas livros
sobre a NDC destinados ao público em geral foram utilizados, isto é, aqueles direcionados a um público exclusivamente
acadêmico foram excluídos da pesquisa. Um dos livros usados foi o de Chalmers (O que é Ciência, afinal?). McComas
descreveu cerca de 80 exemplos dos livros e os alinhou com aspectos consensuais da natureza da Ciência, tais como
o papel da criatividade no desenvolvimento das ideias científicas e a importância da evidência empírica.
Entre os pesquisadores nacionais, há uma significativa quantidade de trabalhos que discutem a História e Filosofia
da Ciência como recurso para trabalhar questões de natureza da Ciência. Cibelle Celestino Silva e Maria Elice Brzezinski
Prestes56 reuniram em seu livro um conjunto de trabalhos apresentados no primeiro congresso latino-americano do
International History, Philosophy and Science Teaching Group [Grupo Internacional de História, Filosofia e Ensino de
Ciências], realizado em 2010. A terceira parte do livro é dedicada exclusivamente a textos sobre natureza da Ciência,
constituindo uma importante e atual referência nacional acerca do tema.
Thais Cyrino de Mello Forato,57 por sua vez, descreveu os resultados da aplicação de um curso piloto a respeito
da natureza da luz entre estudantes de ensino médio. O curso tinha como propósito trabalhar com os alunos cinco
aspectos da NDC por meio do estudo histórico da óptica dos séculos XVII a XIX. A autora elaborou um extenso conjunto
de atividades e materiais: uma linha do tempo, textos de apoio para alunos e professor, uma peça de teatro, slides
para as aulas, entre outros. Por fim, a autora apresentou uma lista de parâmetros que devem ser considerados na
pesquisa em História e Filosofia da Ciência no ensino, compreendendo a definição dos objetivos pedagógicos, do nível
de profundidade das discussões em sala de aula, os materiais a serem adotados, a preparação do professor etc. Em
outros textos, a autora e colaboradores apresentam alguns resultados mais específicos da pesquisa.58,59
Charbel Niño El-Hani, Eraldo José Madureira Tavares e Pedro Luís Bernardo da Rocha60 discutiram os resultados da
aplicação de uma proposta de ensino de História e Filosofia da Ciência com alunos de licenciatura em Ciências Biológicas.
A proposta foi fundamentada na discussão da problemática da evolução, valendo-se da leitura e estudo pelos alunos
de fontes secundárias e primárias, incluindo textos de figuras conhecidas, tais como Lamarck e Darwin. Para a coleta
de dados, um dos instrumentos utilizados foi uma versão traduzida do VNOS-C. A partir dela, os autores elaboraram
um conjunto de categorias para classificar as respostas dos alunos para cada pergunta do questionário.
Marco Antonio Moreira, Neusa T. Massoni e Fernanda Ostermann61 relataram a implementação de uma disciplina
de História e Epistemologia da Ciência em um curso de formação de professores de Física e sua contribuição para
transformar as concepções dos licenciandos sobre a natureza da Ciência. A disciplina contemplava desde a discussão
de episódios da História da Física considerados importantes – tais como as ideias aristotélicas e a revolução científica
do século XVII – até questões de epistemologia da Ciência, fazendo referência a teóricos como Kuhn e Popper. A partir
da coleta de dados por meio de questionários, os autores concluíram que a disciplina contribuiu para aprimorar as visões
dos participantes sobre a NDC. Análises semelhantes, no entanto em outros contextos, foram realizadas por Giuliano
J. S. Alves Pereira e André Ferrer P. Martins62 e Maria da Conceição Marinho Oki e Edílson Fortuna Moradillo.63
Luiz O. Q. Peduzzi, Danielle Nicolodelli Tenfen e Marinês Domingues Cordeiro64 analisaram as possibilidades de
discussão de tópicos de natureza da Ciência a partir de cinco animações em flash desenvolvidas para a disciplina
Evolução dos Conceitos da Física, oferecida à distância na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). As anima-
ções tratam de períodos históricos relevantes para a Ciência, como o desenvolvimento da compreensão acerca do
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
43
funcionamento do universo, desde as ideias cosmológicas de Descartes até o estabelecimento da teoria newtoniana
da gravitação universal ou questões envolvendo a teoria da relatividade de Einstein. Ao longo das cenas, as animações
abordam aspectos da natureza da Ciência, por exemplo, o papel da imaginação dos cientistas no desenvolvimento
de suas ideias, a mutabilidade do conhecimento científico e a influência de fatores externos. Os autores destacaram
o potencial educacional das animações para discussões a respeito da NDC, especialmente antes do trabalho com os
conteúdos da disciplina de Evolução dos Conceitos da Física.
Breno Arsioli Moura65 analisou como a História da Ciência, ao trabalhar elementos de natureza da Ciência, poderia
promover uma formação crítico-transformadora de professores. O autor apresentou uma proposta de ensino contex-
tualizado de episódios históricos para professores em formação, envolvendo, entre outros contextos, a discussão de
aspectos metacientíficos relacionados aos episódios. Os resultados de uma aplicação-piloto em uma universidade
federal brasileira apontaram o desenvolvimento de uma percepção crítica sobre Ciência e educação mais abrangente
por parte dos licenciandos participantes.
Na interface entre História e Filosofia da Ciência e natureza da Ciência, cabe destacar os trabalhos do grupo Tek-
nê.66 Com uma extensa lista de cursos, eventos, livros e artigos publicados, o grupo vem contribuindo para consolidar a
perspectiva de que os episódios históricos podem facilitar a compreensão de aspectos da construção do conhecimento
científico. Grande parte das propostas do grupo é discutida nos textos publicados por seus membros em revistas da
área de ensino de Ciências.67, 68, 69
Cibelle Celestino Silva e Breno Arsioli Moura70, 71 apontaram como o episódio envolvendo a aceitação da óptica
newtoniana evidenciava um conjunto de aspectos da natureza da Ciência, entre eles, a influência de fatores sociais
e culturais e as mudanças que as teorias científicas originais podem sofrer ao longo dos anos, destacando o caráter
mutável do conhecimento científico. Uma proposta semelhante foi apresentada por Marinês Domingues Cordeiro e Luis
O. Q. Peduzzi,72 em relação ao episódio sobre o desenvolvimento dos estudos acerca da radioatividade.
Os trabalhos mencionados acima representam apenas uma parcela da grande variedade de textos que falam da
relação entre História e Filosofia da Ciência e natureza da Ciência disponíveis na literatura. Um olhar para os trabalhos
publicados em eventos da área, tais como o Seminário Nacional de História da Ciência e Tecnologia (SNHCT) ou os
encontros da Associação de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul (AFHIC), bem como para aqueles da área de
ensino, tais como o Encontro de Pesquisa em Ensino de Física (EPEF), Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ),
o Simpósio Nacional de Ensino de Física (SNEF) e o Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC)
citando apenas os nacionais ou mesmo as dissertações e teses produzidas nos programas de pós-graduação,
certamente contribuiria para aumentar este número. Entretanto, podemos afirmar, com segurança, que a área de
pesquisa na interface em História e Filosofia da Ciência e natureza da Ciência está cada vez mais na pauta de pesquisa
de historiadores e educadores. Esta constatação ressalta que entender o que é natureza da Ciência e incorporá-la no
ensino tem se constituído como um propósito a ser alcançado atualmente.
Dessa forma, a fim de respondermos à segunda questão do título deste ensaio, podemos dizer que uma
estreita relação entre natureza da Ciência e História e Filosofia da Ciência, principalmente quando se fala na discussão
de propostas de se contextualizar a educação científica. Os conteúdos históricos e filosóficos têm sido utilizados como
um potencial recurso pedagógico para trabalhar aspectos do desenvolvimento da Ciência, o que é corroborado pela
significativa quantidade de trabalhos nesta interface.
Considerações finais
A revisão apresentada buscou esclarecer ao leitor o que é natureza da Ciência e, de uma forma geral, como
sua introdução no ensino tornou-se um assunto de pesquisa e indagação bem definido nos últimos anos. Da mesma
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
44
maneira, abordou como a NDC vem sendo discutida por meio da História e Filosofia da Ciência. No caso das pesquisas
brasileiras, é possível notar a presença de um bom número de trabalhos nessa linha, indicando que o país é um nicho
a ser extensamente explorado pelos pesquisadores.
Pela análise acima, podemos entender que a natureza da Ciência refere-se aos elementos envolvidos na cons-
trução do conhecimento científico, desde questões internas relacionadas ao método científico e à relação entre
teoria e observação, até questões externas, como o papel da criatividade ou de concepções prévias dos cientistas no
desenvolvimento de suas ideias. Podemos trabalhar sobre essa concepção a partir de, pelo menos, duas vertentes
distintas, a dos aspectos consensuais e a da semelhança familiar. Escolher uma parece depender mais de orientações
ideológicas, filosóficas e epistemológicas do que simplesmente apelar para um reducionismo de “uma está certa, outra
está errada”.
Se hoje não se discute mais se a natureza da Ciência é importante, talvez o desafio a ser enfrentado neste
momento seja o como incorporar, principalmente utilizando a História e a Filosofia da Ciência como caminho. Nos
textos acima elencados, podemos observar os diversos obstáculos enfrentados pelos pesquisadores ao longo de suas
tentativas de discutir a natureza da Ciência entre professores e alunos. Por isso, o momento parece propício para a
construção e avaliação de ações concretas e não pontuais. É preciso, assim, um esforço de tornar a incorporação da
natureza da Ciência como um projeto amplo e articulado tanto na formação de professores – que precisam ter uma visão
mais adequada de Ciência – quanto de alunos, cujas concepções distorcidas e simplistas precisam ser trabalhadas,
problematizadas e superadas.
O presente artigo pretendeu, nesse sentido, oferecer um panorama do que foi e vem sendo feito. Com isso,
pesquisadores brasileiros iniciantes ou experientes no tema podem ter uma visão geral do que vem sendo discutido
até o momento, reforçando suas buscas por referenciais na área e possibilitando a expansão da interlocução entre
os trabalhos produzidos no país e no exterior. A partir disso, acreditamos ser possível estabelecer novos rumos,
consolidar e ampliar aqueles que vêm apresentando bons resultados. Não se pode antever o que será da relação
entre natureza, História, Filosofia e Ensino das Ciências nos próximos anos, mas por este retrospecto, o cenário futuro
parece ser muito promissor.
Notas e referências bibliográficas
Breno Arsioli Moura é doutor e mestre em Ensino de Física, com ênfase em História da Ciência. Atua com pesquisa em História da Física e na interface entre
História da Ciência e Ensino. Atualmente, é professor da Universidade Federal do ABC (UFABC) e docente permanente da Pós-Graduação em Ensino, História e
Filosofia das Ciências e Matemática da mesma instituição. E-mail: breno.moura@ufabc.edu.br.
1 LEDERMAN, N. G. Nature of Science: Past, present, and future. In: ABELL, S.; LEDERMAN, N. G. Handbook of research in Science Education. New York:
Routledge, 2007.
2 ALTERS, B. J. Whose nature of Science? Journal of Research in Science Teaching, v. 34, n. 1, p. 39-55, 1997.
3 EFLIN, J. T.; GLENNAN, S.; REISCH, G. The nature of Science: A perspective from the Philosophy of Science. Journal of Research in Science Teaching, v. 36,
n. 1, p. 107-116, 1999.
4 McCOMAS, W. F.; ALMAZROA, H.; CLOUGH, M. P. The nature of Science in Science education: An introduction. Science & Education, v. 7, n. 6, p. 511-532,
1998.
5 PUMFREY, S. History of Science in the National Science Curriculum: A critical review of resources and their aims. British Journal for the History of Science,
v. 24, n. 1, p. 61-78, 1991.
6 GIL-PERÉZ, D.; MONTORO, I. F.; ALÍS, J. C.; CACHAPUZ, A.; PRAIA, J. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, v. 7,
n. 2, p. 125-153, 2001.
7 CHALMERS, A. F. O que é Ciência, afinal? São Paulo: Editora Brasiliense, 2007.
8 EFLIN, J. T.; GLENNAN, S.; REISCH, G., op. cit., p. 109.
9 IRZIK, G.; NOLA, R. A family resemblance approach to the nature of Science for Science education. Science & Education, v. 20, p. 591-607, 2011.
10 Idem, op. cit., p. 593.
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
45
11 Idem, op. cit., p. 599.
12 BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da
Educação, 1999.
13 BRASIL. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. PCN + ensino médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares
nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002. p. 67-8.
14 BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação PNE. Brasília: Inep, 2001a.
15 BRASIL. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica,
em nível superior, curso de Licenciatura, de Graduação plena. Brasília: DOU, 2002.
16 BELL, R.; ABD-EL-KHALICK, F.; LEDERMAN, N. G.; McCOMAS, W. F. The nature of Science and Science education: A bibliography. Science & Education, v.
10, n. 1-2, p. 187-204, 2001.
17 LEDERMAN, N. G. Student’s and teacher’s conceptions of the nature of Science: A review of the research. Journal of Research in Science Teaching, v. 29,
n. 4, p. 331-359, 1992.
18 McCOMAS, W. F.; ALMAZROA, H.; CLOUGH, M. P., op. cit.
19 ALLCHIN, D. Teaching the nature of Science – Perspectives and resources. Saint Paul: SHiPS Education Press, 2013.
20 ABD-EL-KHALICK, F.; LEDERMAN, N. G. Improving Science teachers’ conceptions of the nature of Science: A critical review of the literature. International
Journal of Science Education, v. 22, n. 7, p. 665-701, 2000.
21 LEDERMAN, N. G., op. cit.
22 GUERRA-RAMOS, M. T. Teachers’ ideas about the nature of Science: A critical analysis of research approaches and their contribution. Science & Education,
v. 21, n. 5, p. 631-655, 2012.
23 ABD-EL-KHALICK, F. Teaching with and about nature of Science, and Science teacher knowledge domains. Science & Education, on-line version (2012).
24 LEDERMAN, N. G.; WADE, P. D.; BELL, R. L. Assessing understanding of the nature of Science: A historical perspective. In: McCOMAS, W. F. (Org.) The
nature of Science in Science education: Rationales and strategies. The Netherlands: Kluwer Academic, 1998.
25 LEDERMAN, N. G.; ABD-EL-KHALICK, F.; BELL, R. L.; SCHWARTZ, R. S. Views of nature of Science questionnaire: Toward valid and meaningful assessment
of learners’ conceptions. Journal of Research in Science Teaching, v. 39, n. 6, p. 497-521, 2002.
26 LEDERMAN, N. G.; O’MALLEY, M. Students’ perceptions of tentativeness in Science: Development, use, and sources of change. Science Education, v. 74,
p. 225-239, 1990.
27 ABD-EL-KHALICK, F.; BELL, R. L.; LEDERMAN, N. G. The nature of Science and instructional practice: Making the unnatural natural. Science & Education, v.
82, p. 417-436, 1998.
28 LEDERMAN, N. G.; WADE, P. D.; BELL, R. L., op. cit.
29 AIKENHEAD, G. S.; RYAN, A. The development of a new instrument: “Views on Science-Technology-Society” (VOSTS). Science & Education, v. 76, p. 477-
491, 1992.
30 CHEN, S. Development of an instrument to assess views on nature of Science and attitudes toward teaching Science. Science & Education, v. 90, p. 803-
819, 2006.
31 HARRES, J. B. S. Uma revisão de pesquisas nas concepções de professores sobre a natureza da Ciência e suas implicações para o ensino. Investigações
em Ensino de Ciências, v. 4, n. 3, p. 197-211, 1999.
32 MACHADO, D. I.; NARDI, R. Construção de conceitos de Física moderna e sobre natureza da Ciência com o suporte da hipermídia. Revista Brasileira de
Ensino de Física, v. 28, n. 4, p. 473-485, 2006.
33 MEDINA, M.; BRAGA, M. O teatro como ferramenta de aprendizagem da Física e de problematização da natureza da Ciência. Caderno Brasileiro de Ensino
de Física, v. 27, n. 2, p. 313-333, 2010.
34 ALMEIDA, A. V.; FARIAS, C. R. O. A natureza da Ciência na formação de professores: reflexões a partir de um curso de licenciatura em Ciências Biológicas.
Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 3, p. 473-488, 2011.
35 MARTINS, R. A. Introdução: a História das Ciências e seus usos na educação. In: SILVA, C. C. (Org.). Estudos de História e Filosofia das Ciências: subsídios
para aplicação no ensino. São Paulo: Livraria da Física, 2006.
36 PEDUZZI, L. O. Q. Sobre a utilização didática da História da Ciência. In: PIETROCOLA, M. (Org.). Ensino de Física: conteúdo, metodologia e epistemologia
numa concepção integradora. Florianópolis: Editora da UFSC, 2001.
37 MATTHEWS, M. R. Science teaching - The role of History and Philosophy of Science. New York: Routledge, 1994.
38 BASSALO, J. M. F. A importância do estudo da História da Ciência. Revista da SBHC, n. 8, p. 57-66, 1992.
39 TEIXEIRA, E. S.; GRECA, I. M.; FREIRE JR., O. Uma revisão sistemática das pesquisas publicadas no Brasil sobre o uso didático de História e Filosofia da
Ciência no ensino de Física. In: PEDUZZI, L. O. Q.; MARTINS, A. F. P.; FERREIRA, J. M. H. Temas de História e Filosofia da Ciência no ensino. Natal: EDUFRN,
2012.
40 FORATO, T. C. M.; MOURA, B. A.; PRESTES, M. E. B. Bibliografia sobre a utilização da História e Filosofia da Ciência no ensino de Ciências e Biologia. Boletim
de História e Filosofia da Biologia, v. 2, n. 3, p. 4-11, 2008.
41 SILVA, C. C. (Org.) Estudos de História e Filosofia das Ciências: subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Livraria da Física, 2006.
42 PEDUZZI, L. O. Q.; MARTINS, A. F. P.; FERREIRA, J. M. H. Temas de História e Filosofia da Ciência no ensino. Natal: EDUFRN, 2012.
43 TEIXEIRA, E. S.; GRECA, I. M.; FREIRE JR., O., op. cit.
44 MATTHEWS, M. R. História, Filosofia e ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, p.
164-214, 1995.
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
46
45 MATTHEWS, M. R., op. cit., p. 49-50.
46 PEDUZZI, L. O. Q., op. cit.
47 MARTINS, R. A., op. cit.
48 MARTINS, R. A. Sobre o papel da História da Ciência no ensino. Boletim da Sociedade Brasileira de História da Ciência, n. 9, p. 3-5, 1990.
49 ZANETIC, J. Física também é cultura. Tese (Doutorado em Educação) ̶ Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.
50 RUDGE, D. W.; HOWE, E. M. An explicit and reflective approach to the use of History to promote understanding of the nature of Science. Science &
Education, v. 18, n. 5, p. 561-580, 2009.
51 MONK, M.; OSBOURNE, J. Placing the History and Philosophy of Science on the curriculum: A model for the development of a pedagogy. Science &
Education, v. 81, p. 405-424, 1997.
52 RUDGE, D. W.; CASSIDY, D. P.; FULFORD, J. M.; HOWE, E. M. Changes observed in views of nature of Science during a historically based unit. Science &
Education, on-line version (2013).
53 IRWIN, A. R. Historical case studies: Teaching the nature of Science in context. Science Education, v. 84, n. 1, p. 5-26, 2000.
54 ABD-EL-KHALICK, F.; LEDERMAN, N. The influence of History of Science courses on student ’s views of nature of Science. Journal of Research in Science
Teaching, v. 37, n. 10, p. 1.057-1.095, 2000.
55 McCOMAS, W. F. Seeking historical examples to illustrate key aspects of the nature of Science. Science & Education, v. 17, n. 2-3, p. 249-263, 2008.
56 SILVA, C. C.; PRESTES, M. E. B. Aprendendo Ciência e sobre sua natureza: abordagens históricas e filosóficas. São Carlos: Tipographia Editora Expressa,
2013.
57 FORATO, T. C. M. A natureza da Ciência como saber escolar: um estudo de caso a partir da história da luz. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de
Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.
58 FORATO, T. C. M.; MARTINS, R. A.; PIETROCOLA, M. History and nature of Science in high school: building up parameters to guide educational materials
and strategies. Science & Education, v. 21, n. 5, p. 657-682, 2012.
59 FORATO, T. C. M.; MARTINS, R. A.; PIETROCOLA, M. Historiografia e natureza da Ciência na sala de aula. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n.
1, p. 27-59, 2011.
60 EL-HANI, C. N.; TAVARES, E. J. M.; ROCHA, P. L. B. Concepções epistemológicas de estudantes de Biologia e sua transformação por uma proposta explícita
de ensino sobre História e Filosofia das Ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 9, n. 3, p. 265-313, 2004.
61 MOREIRA, M. A.; MASSONI, N. T.; OSTERMANN, F. “História e epistemologia da Física” na licenciatura em Física: uma disciplina que busca mudar
concepções dos alunos sobre a natureza da Ciência. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 29, n. 1, p. 127-134, 2007.
62 PEREIRA, G. J. S. A.; MARTINS, A. F. P. A inserção de disciplinas de conteúdo histórico-filosófico no currículo dos cursos de licenciatura em Física e em
Química da UFRN: uma análise comparativa. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n. 1, p. 229-258, 2011.
63 OKI, M. C. M.; MORADILLO, E. F. O ensino de história da química: contribuindo para a compreensão da natureza da Ciência. Ciência e Educação, v. 14, n.
1, p. 67-88, 2008.
64 PEDUZZI, L. O. Q.; TENFEN, D. N.; CORDEIRO, M. D. Aspectos da natureza da Ciência em animações potencialmente significativas sobre a história da Física.
Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 29, n. especial 2, p. 758-786, 2012.
65 MOURA, B. A. Formação crítico-transformadora de professores de Física: uma proposta a partir da história da Ciência. Tese (Doutorado em Ensino de
Ciências) Instituto de Física, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
66 Disponível em: <http://www.tekne.pro.br>. Acesso em: jul. 2013.
67 REIS, J. C.; GUERRA, A.; BRAGA, M.; FREITAS, J. History, Science and culture: Curricular experiences in Brazil. Science & Education, v. 10, n. 4, p. 369-378,
2001.
68 BRAGA, M.; GUERRA, A.; REIS, J. C. The role of historical-philosophical controversies in teaching sciences: The debate between Biot and Ampère. Science
& Education, v. 21, n. 6, p. 921-934, 2012.
69 GUERRA, A.; BRAGA, M.; REIS, J. C. History, Philosophy, and Science in a social perspective: A pedagogical project. Science & Education, v. 22, n. 6, p.
1.485-1.503, 2013.
70 SILVA, C. C.; MOURA, B. A. A natureza da Ciência por meio do estudo de episódios históricos: O caso da popularização da óptica newtoniana. Revista
Brasileira de Ensino de Física, v. 30, n. 1, p. 1.602, 2008.
71 SILVA, C. C.; MOURA, B. A. Science and society: The case of acceptance of Newtonian optics in the eighteenth century. Science & Education, v. 21, p.
1.317-1.335, 2012.
72 CORDEIRO, M. D.; PEDUZZI, L. O. Q. Aspectos da natureza da Ciência e do trabalho científico no período inicial de desenvolvimento da radioatividade.
Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 33, n. 3, p. 3.601, 2011.
[Recebido em Agosto de 2013. Aceito para publicação em Março de 2014]
Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 32-46, jan | jun 2014
... Dividido em três partes complementares, este primeiro artigo tem como foco oito de vinte e um saberes da NdC (Batista & Peduzzi, 2021) encontrados na literatura (Abd-El-Khalick, 2012;Abd-El-Khalick et al., 1998;Driver et al., 1996;Kimball, 1967;Lederman et al., 2002;Marín et al., 2013;Martins, 2015;Matthews, 2012;McComas & Olson, 1998;Moura, 2014;Peduzzi & Raicik, 2020) e amplamente contextualizados por (Batista, 2020). Os oito saberes da NdC são apresentados na seção relativa aos aspectos metodológicos da construção dos vínculos epistemológicos. ...
... Embora a longevidade histórica do objetivo explícito de auxiliar a classe estudantil na construção de saberes da NdC remonte à virada do século XIX para o XX, em pleno século XXI, a literatura aponta que o mesmo ainda não foi efetivamente alcançado (Bejarano et al., 2019;Clough, 2008;Garcia & Camillo, 2021;Hodson & Wong, 2017;Lederman et al., 2002;Matthews, 2012;Mendonça, 2020;Peduzzi & Raicik, 2020). Em face disso, nas últimas décadas, uma complexa discussão sobre a razão de existir da temática NdC, no currículo escolar e na sala de aula de ciências, tem sido fomentada por muitos trabalhos acadêmico-científicos (Alchin, 2011(Alchin, , 2017Clough, 2008;Garcia & Camillo, 2021;Irzik & Nola, 2011;Marín et al., 2013;Martins, 2015;Matthews, 2012Matthews, , 2018Mendonça, 2020;Moura, 2014). ...
Article
Full-text available
Frente à problemática sobre a visão consensual de aspectos, características e princípios que devem informar a educação científica, este artigo apresenta uma nova perspectiva denominada vínculos epistemológicos entre saberes da NdC e o conteúdo da história conceitual da ciência, mediados pela contextualização histórico-filosófica de perguntas da ciência responsáveis pelo seu desenvolvimento cognitivo. Este trabalho está fundamentado na epistemologia da solução de problemas de Laudan e em uma extensa investigação acadêmico-científica. Metodologicamente, essa perspectiva é forjada por uma ampla contextualização de perguntas da ciência que fomentaram o progresso da astronomia, cosmologia e física, da Grécia antiga ao nascimento da ciência moderna nos séculos XVI e XVII. Por essa razão, são apresentados apenas oito de vinte e um saberes da NdC, ficando os demais para mais dois trabalhos complementares. Somando-se às diferentes propostas existentes, a ideia de vínculos epistemológicos pode contribuir para: (i) superar o ensino de simples afirmações declarativas de saberes da NdC em sala de aula; (ii) proporcionar uma substantiva validade epistemológica aos saberes da NdC, mediante contextualização histórico-filosófica de perguntas da ciência; (iii) evitar as distorções desses saberes, por evidenciar sua natureza contextual; e (iv) demonstrar potenciais que a visão de ciência de Laudan tem fornecido para enfrentar problemáticas inerentes ao ensino de e sobre as ciências.
... anismos já estudados por pesquisadores da área de Ensino de Ciências e ter a pesquisa como princípio pedagógico é apenas um deles. Entender de epistemologia, filosofia da ciência, natureza da ciência, história da ciência pode fornecer excelentes embasamentos teóricos para ações de educação científica em sala de aula (CHINELLI; FERRERA; AGUIAR, 2010. MOURA, 2014. BONITO, 2007. ...
... Entende-se que o estudo do debate entre Perrin e Donovan a respeito da revolução na ou para a química com as contribuições de Lavoisier, enriquecido com interlocuções kuhnianas, pode colaborar para promover uma compreensão epistemológica da experimentação no ensino de ciências por meio de análises histórico-filosóficas da ciência. O desafio a ser enfrentado talvez seja o de como incorporar essas discussões e reflexões entre professores e alunos (MOURA, 2014). Galiazzi e Gonçalves (2004, p. 327) ressaltam que: "não é novidade afirmar que, em geral, professores e alunos de cursos de Química têm uma visão simplista sobre a experimentação. ...
Article
Full-text available
Este artigo traz distintos pontos de vista entre uma revolução química primordialmente epistemológica, com ideias de Arthur Donovan, e uma fundamentalmente conceitual, com noções de Carl Perrin, envolvendo o flogisto e o químico Lavoisier. Além disso, analisa em que sentido essas compreensões podem ser entendidas a partir do conceito de revolução científica de Thomas Kuhn e visa subsidiar a atuação e formação de docentes de ciências em possíveis abordagens histórico-filosóficas acerca do tema. Esse resgate junto a interlocuções kuhnianas pode ser esclarecedor para se compreender que mudanças paradigmáticas não envolvem, necessariamente, uma descontinuidade radical, tampouco um processo abrupto.
... ideia justifica-se ao considerarmos que o conhecimento está em constante transformação e as QSCs acompanham essas mudanças, legitimando a natureza das ciências sob a óptica da relação entre o que já é conhecido e o que se pretende desenvolver(MOURA, 2014).Dessa maneira, as QSCs podem promover o interesse dos alunos por englobar temas sociais que estão relacionados com conhecimentos científicos de atualidade, abordados nos meios de comunicação de massa como TV, jornal e internet (MARTÍNEZ PÉREZ, 2012).Algumas temáticas que abrangem QSCs envolvem alimentos transgênicos, energia nuclear, destruição da camada de ozônio, engenharia genética, clonagem, biotecnologia, experimentação em animais, avanços na ciência médica, tecnologias reprodutivas, exploração espacial, desenvolvimento de medicamentos e outros(PEDRETTI, 2003).Essas questões transpostas ao ensino de ciências permitem uma abordagem contextualizada e interdisciplinar, uma vez que, são necessários para sua discussão e resolução, conteúdos de diversas áreas do conhecimento como sociologia, política, ecologia, filosofia, história, química, biologia, economia, meio ambiente, matemática, geografia e saúde(CONRADO; NUNES-NETO, 2018). À vista disso, a interdisciplinaridade em questões de ordem científica e tecnológica, busca ir de oposição ao reducionismo técnico das disciplinas, à medida em que essas questões envolvem dimensões sociais, éticas, culturais econômicas e políticas (MARTÍNEZ PÉREZ, 2012) Assim, os possíveis temas a serem trabalhados são diversos, exigindo do professor domínio para conduzir as discussões e selecionar os conhecimentos necessários relativos à compreensão das temáticas. ...
Article
Full-text available
RESUMO Os avanços científicos e tecnológicos estão presentes em toda a esfera social, oferecendo contribuições para a sociedade, mas também prejuízos. Considerando tais aspectos, torna-se fundamental discutir sobre a ciência e a tecnologia no ensino de ciências desde uma perspectiva crítica, dialógica e interdisciplinar, de modo a possibilitar uma formação cidadã. Dessa forma, o presente trabalho é de natureza teórica e buscou tecer discussões acerca das implicações da utilização de questões sociocientíficas com enfoque CTS como estratégia para promoção da alfabetização científica e tecnológica. A partir do desenvolvimento deste trabalho e diante dos diálogos estabelecidos entre os autores, ficou evidenciado que desenvolver propostas neste âmbito podem resultar em certa complexidade. Porém, ressalta-se que mesmo perante os desafios, esse tipo de abordagem pode colaborar de maneira significativa para o ensino de ciências, contribuindo para a formação de indivíduos capacitados para discutir e tomar decisões de ordem científico-tecnológicas. Palavras-chave: Ensino de ciências. Questões sociocientíficas. CTS. Alfabetização Científica e tecnológica. ABSTRACT Scientific and technological advances are present throughout the social sphere, offering contributions to society, but also losses. Considering these aspects, it is essential to discuss science and technology in science teaching from a critical, dialogical and interdisciplinary perspective, in order to enable a citizen education. Thus, this work is theoretical in nature, weaving discussions about the implications of the use of socio-scientific issues with a CTS focus as a strategy for promoting scientific and technological literacy. From the development of this work and in view of the dialogues established between the authors, it became evident that developing proposals in this area implies a certain complexity. However, it is noteworthy that even in the face of challenges, this type of approach can cooperate significantly to science teaching, contributing to the formation of individuals capable of discussing and making decisions of a scientific-technological nature.
Book
Full-text available
Segundo volume de uma série de e-books que o Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Formação de Professores da Área de Ciências (Formar-Ciências), da Faculdade de Educação da Unicamp, tem desenvolvido com respeito ao Ensino na área de Ciências da Natureza e à Educação Ambiental, estudos esses direcionados aos vários níveis escolares e também a processos educacionais realizados em espaços não escolares. Neste volume, quinze capítulos, produzidos por professores e pesquisadores das regiões Nordeste, Sul e Sudeste, estão organizados em duas seções. Na primeira seção, com oito capítulos, os textos se referem a experiências realizadas em sala de aula, bem como a estratégias e recursos voltados à Educação Infantil e aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Os sete capítulos da segunda seção se voltam à formação de professores para atuação no Ensino de Ciências nesses primeiros anos de escolarização.
Article
Full-text available
Neste artigo discutimos a importância de se introduzir a História da Ciência nos anos iniciais do Ensino Fundamental, buscando dar voz e escutar as professoras polivalentes que estão nesse nível de escolaridade. Defendemos a posição de que o conhecimento da História da Ciência contribui sobremaneira para propiciar um ambiente mais favorável ao Ensino de Ciências nesse segmento de ensino, tendo em vista que as professoras não são especialistas e a abordagem de História da Ciência no Ensino contribui para um ensino mais humanístico e com o foco mais no processo de construção do conhecimento científico do que em conceitos complexos e tradicionais. O artigo aborda o percurso do desenvolvimento profissional docente de professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental de duas escolas municipais de Barra Mansa (RJ) que se relacionaram de forma interdependente e colaborativa com o objetivo de repensar o ensino de ciências nos anos iniciais e planejar estratégias didáticas envolvendo a História da Ciência. A formação de professores mostrou-se ser um bom caminho para que nesse contexto, a História da Ciência lançar luz sobre o significado dos conhecimentos escolares e, dessa forma, aproximar a escola do mundo vivido.
Research
Full-text available
O aumento de acervos de produção cientifica e a carência de estudos bibliográficos na área de Educação CTS sinalizam a relevância desta pesquisa do tipo estado do Conhecimento, de natureza bibliográfica e qualitativa. Este estudo visa perscrutar a área de Educação CTS tendo por base um conjunto expressivo de 860 Teses e Dissertações (TD) localizadas no Repositório da CAPES, objetivando identificar e caracterizar “Quais são os objetivos formativos e os recursos didático-pedagógicos relacionados à Educação CTS, presentes em TD defendidas entre 2010-2019 no âmbito do Repositório da CAPES?” Deste modo, essa pesquisa se justifica na medida em que os objetivos formativos constituem o cerne do trabalho docente e processos de formação de professores, aspecto associado com os recursos didáticos e pedagógicos empregados para alcançar os objetivos estabelecidos. Utilizando descritores elaborados a priori fez-se o mapeamento do acervo com planilhas elaboradas especificamente para a pesquisa, distribuída em 10 categorias relacionadas a objetivos formativos, havendo predominância de três categorias: desenvolvimento do Pensamento crítico e reflexivo (3); estudo das Relações CTS (5) e promoção da Alfabetização Científica e Letramento Cientifico e Tecnológico (9), merecendo ser destacado que foi pouco explorada a categoria Conscientização (8). No que se refere aos recursos didático-pedagógicos empregados, destacaram-se as categorias que envolvem o uso de Contextualização e Problematização – Categoria G; Atividades argumentativas e colaborativas - Categoria J e, ainda, Materiais e sistematização de atividades - Categoria B, havendo por outro lado pouca utilização de aula expositiva - Categoria A. Como objetivo secundário foi traçado um panorama das TD, mostrando sua evolução pelos extratos acadêmicos (MP, MA e D). Os resultados apontam para a relevância das pesquisas envolvendo a Educação CTS na medida em que contribuem para os processos de ensino e aprendizagem, favorecendo a articulação das dimensões analisadas nas atividades educacionais, contribuindo para o aprimoramento da qualidade da educação científica brasileira.
Article
A evolução da espécie humana e de outras linhagens de ho- minínios ainda são temas de difícil compreensão no meio es- colar. A dificuldade muitas vezes pode estar associada a con- ceitos errôneos amplamente disseminados sobre a origem do ser humano. Além disso, novas descobertas feitas a cada ano muitas vezes mudam a narrativa conhecida, tornando-se necessário a atualização constante do professor. Utilizando a gamificação da plataforma do Google Forms, este artigo apresenta um material online, gratuito e sem necessidade de download sobre Evolução Humana. Este recurso tem o ob- jetivo de ser uma ferramenta simples e com conteúdo conti- nuamente atualizado para ser usado no ensino médio e, pos- sivelmente, no ensino superior.
Article
Full-text available
Este artigo problematiza as possíveis aplicabilidades da epistemologia de Larry Laudan ao currículo e a práxis docente na Licenciatura em Ciências Biológicas sob o ponto de vista da ciência para resolução de problemas científicos. Objetivou-se a compreensão de como esta formação inicial pode se beneficiar das diretrizes laudanianas. Metodologicamente seguiu-se o método comparativo, de ênfase qualitativa e tipologia pesquisa documental, em que tivemos a oportunidade de analisar Projetos Pedagógicos de Cursos – PPCs de seis Instituições Públicas Federais de Ensino, situadas em unidades federativas localizadas na Amazônia legal que compuseram o corpus do trabalho. Com o olhar sobre a análise de conteúdo de Bardin (2011) apresentada por Sousa e Santos (2020), apenas em um PPC encontrou-se rastros de tal epistemologia nos documentos oficiais, sugerindo certo desconhecimento sobre os princípios laudanianos e possíveis aplicações. Aspiramos suscitar discussão sobre o currículo da formação inicial em Ciências Biológicas, contribuindo assim para uma formação inicial de professores mais crítica.
Article
Full-text available
No contribuir de um (re)humanizar da área educativa e científica, visa-se elaborar uma proposta didática, art(sci)culada e direcionada particularmente (mas não só) a licenciandos(as) e bacharelandos(as) do campo da física. Atividade, esta, mobilizada pelo referencial educacional de Carl R. Rogers — alinhado à proposta das artes expressivas de Natalie Rogers — e pela epistemologia de Paul K. Feyerabend. A temática envolvida — presente em uma história em quadrinhos e nos textos a ela associados — abarca discussões sobre as transformações do pensar e do fazer ciência-física registradas de modo pictórico por alguns povos e em certos momentos históricos. Na ‘Expo(r)-(po)sição Art(sci)culada’ se propõe o desenvolvimento de (mini)projetos artísticos relacionados aos debates históricos-filosóficos supracitados. Por fim, apresentam-se cenários passíveis e viáveis de implementação da atividade — evidenciando que ela é praticável em condições factuais, sobretudo, de Institutos e de Universidades.
Article
Full-text available
http://dx.doi.org/10.5007/2175-7941.2011v28n1p229 Este trabalho apresenta os principais resultados de um estudo de natureza qualitativa que teve como objetivo analisar a estrutura curricular dos cursos de licenciatura em física e em química da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) no que se refere à inserção de disciplinas de conteúdo histórico e filosófico. Procurando estabelecer relações entre os modelos adotados pelas licenciaturas, o que justifica o caráter comparativo do estudo, foram analisados, para cada curso, o projeto político-pedagógico, o programa e os demais materiais utilizados na disciplina. Realizou-se, também, a observação das aulas e, em seguida, uma entrevista semiestruturada com os professores responsáveis por elas. Os resultados mostram certa distinção entre as licenciaturas quanto à inserção da disciplina, principalmente no que se refere aos enfoques teórico-metodológicos assumidos pelos professores no trabalho com os conteúdos e no que diz respeito ao papel desempenhado pela disciplina na estrutura curricular. Há, por outro lado, pontos convergentes, notadamente quanto à formação e ao histórico dos professores formadores, assim como em relação aos modelos de formação subjacentes à estrutura curricular dos cursos. Concluímos que o conhecimento mútuo dos diferentes modelos de inserção de disciplinas de conteúdo histórico e filosófico nas licenciaturas de física e química da UFRN pode contribuir para futuras reformulações curriculares, no sentido do estabelecimento de opções claras e conscientes acerca do lugar dessas disciplinas nos respectivos cursos. Consideramos, ainda, que este trabalho pode auxiliar na reflexão acerca do papel dessa temática nos cursos de formação inicial de professores, de um modo geral.
Thesis
Full-text available
The relevance of teaching about science, instead of teaching only the traditional and systematized scientific concepts, has been an important issue for educational researches over the last decades. In this new approach, the use of history of science is a promising pedagogical strategy to introduce the development of scientific knowledge in the context of education. However, when one tries to reconcile the demands of both didactic-pedagogical and historic-epistemological fields, many obstacles become evident. Accordingly, this thesis analyzes the challenges that are faced and the emerging solutions obtained from the combination of a theoretical framework and an empirical investigatio. The methodological strategy that was employed confronts those challenges with the elaboration, application and analysis of a pilot course on the history of optics for secondary school students. Three historical episodes concerning the theory of light were chosen in order to challenge students' naïve inductive-empiricist conceptions of the nature of science. We were able to identify a set of obstacles, to propose strategies to face them, to apply those strategies in real classroom situations and to analyze the data gathered from the recordings of the classes. As a result, we have developed viable solutions and realized that some of them still need to be improved. A qualitative research methodology guided our process of elaboration, application and data analysis of the teaching-learning sequence that was implemented. The results point out possibilities of generalization which can be regarded as initial parameters for future researches that focus on the use of history and philosophy of science in scientific education.
Book
an in-depth analysis of the nature of science in science teaching, and the role of history in conveying it.
Article
In this paper we describe how a course on history and epistemology of physics was implemented in the curriculum of physics teachers preparation and we present a quantitative analysis of changes that happened in students' conceptions regarding the nature of science. This paper is the third one of series of four papers that describe with details the experience we had in the implementation of this course. The other papers are of qualitative nature.