ArticlePDF Available

O CONSUMO CONSCIENTE E A RELAÇÃO COM AS AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL

Authors:
  • University of Caxias do Sul (UCS), Brazil

Abstract

Sustainable consumption is one of the main displays of citizen social responsibility. The ongoing study, from descriptive nature, aims to measure the reaction relative to the conscious consumption and perception of the company social responsibility, having as a study subject the cooperative of the Health Service Unimed Nordeste RS. The quantitative research was carried out in the city of Caxias do Sul, Brazil, having as a sample the local clients from Unimed. Descriptive statistics were used, Fatorial Analysis and Varience Analysis. The results point out that the respondents do not practice conscious consumption yet, however, they attribute significant importance level to the practices related to it and to social responsibility. The analysis of the research discoveries takes into consideration the socio-cultural aspects of the studied area and looks for building relations among the concepts.
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
O CONSUMO CONSCIENTE E SUA RELAÇÃO COM AS AÇÕES DE
RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL
Mirele Tódero
Mestranda em Administração pela Universidade de Caxias do Sul – UCS
Professora da Universidade de Caxias do Sul - CETEC
mirele.t@terra.com.br
Janaina Macke
Doutorado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRN
Pesquisadora da Universidade de Caxias do Sul – UCS
jmacke@terra.com.br
Tamiris Sluminski Biasuz
Graduanda em Psicologia pela Universidade de Caxias do Sul – UCS
Pesquisadora da Universidade de Caxias do Sul – UCS
tamirisbiasuz@hotmail.com
RESUMO
O consumo sustentável é uma das principais manifestações de responsabilidade social do cidadão. Esse
estudo, de natureza descritiva, se propõe a mensurar os comportamentos relativos ao consumo consciente e a
percepção de responsabilidade social empresarial, tendo como objeto de estudo a cooperativa de serviços de
saúde, Unimed Nordeste RS. A pesquisa quantitativa foi realizada na cidade de Caxias do Sul, Brasil, tendo
como amostra os clientes locais da Unimed. Foram utilizadas estatísticas descritivas, análise fatorial e de
variância. Os resultados apontam que os respondentes ainda não praticam o consumo consciente. Contudo,
atribuem significativo grau de importância às práticas relacionadas a essa prática e à responsabilidade social.
A análise das descobertas da pesquisa leva em conta os aspectos socioculturais da região em estudo e
procura, assim, construir relações entre os conceitos.
Palavras-chave: Consumo Consciente; Responsabilidade Social Corporativa; Serviços de Saúde.
THE CONSCIENTIOUS CONSUMPTION AND THE RELATION WITH THE
ENTERPRISE SOCIAL ACTIONS FOR DAMAGES
The sustainable consumption is one of the main displays of a citizen social responsibility. The ongoing
study, from descriptive nature, aims to measure the reaction relative to the consciousness consumption and
the perception of the company social responsibility, having as study subject the cooperative of the Health
Service Unimed Nordeste RS. The quantitative research was carried out in the city of Caxias do Sul, Brazil,
having as sample the local clients from Unimed. Descriptive statistics were used, Fatorial Analysis and
Varience Analysis. The results point out that the respondents don´t practice the consciousness consumption
yet. However, they attribute significative importance level to the practices related to it and also to the social
responsibility. The analysis of the researches discoveries takes into consideration the sociocultural aspects of
the studied area and this way, looks for building relations among the concepts.
Key words: Social Responsibility; Consciousness Consumption; Health Service.
RGSA
Revista
de Gestão Social e Ambiental
DOI: 10.5773/rgsa.v5i1.284
ISSN: 1981-982X
Organização: Comitê Científico Interinstitucional
Editor Científico: Maria Tereza Saraiva de Souza
Avaliação: Double Blind Review pelo SEER/OJS
Revisão: Gramatical, normativa e de formatação
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
1 INTRODUÇÃO
O apetite global por bens e serviços é movido por um conjunto de influências, em grande
parte, independentes, que abrange desde avanços tecnológicos até novas estruturas comerciais,
meios de comunicação e crescimento populacional. Esses motivadores díspares interagiram para
impulsionar a produção e a demanda. Nesse processo, criaram um sistema econômico de
abundância sem precedentes, que resultou em um grande impacto ambiental e social.
Como resultado das discussões sobre meio ambiente e desenvolvimento surgiu o termo
desenvolvimento sustentável, que é denominado como o desenvolvimento que atende às
necessidades das gerações presentes, sem comprometer a possibilidade das gerações futuras
atenderem suas próprias necessidades (Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e
Desenvolvimento, 1991; PNUD, 1998).
Todavia, embora altamente desejável, o desenvolvimento sustentável é, tipicamente, um
objetivo a ser atingido no longo prazo e seu alcance depende também, em grande medida, das
mudanças introduzidas nas formas atuais de produção e consumo de bens. A busca de condições
sustentáveis é responsabilidade tanto de produtores quanto de consumidores (Manzini & Vezzoli,
2002). Fica difícil separar a atividade de produção da de consumo quando o objetivo é a
sustentabilidade (Ribemboim, 1997).
Assim sendo, a busca da sustentabilidade passa, inevitavelmente, pelo equacionamento da
questão do consumo. Entende-se por consumo sustentável o consumo de bens e serviços que levem
em consideração o respeito aos recursos ambientais, que garanta o atendimento das necessidades
das presentes gerações, sem comprometer o atendimento das necessidades das futuras gerações. A
promoção do consumo sustentável depende da conscientização dos indivíduos sobre a importância
de tornarem-se consumidores responsáveis, que o consumidor possui o papel de ator de
transformação do modelo econômico em vigor, em prol de um novo sistema, de uma presença mais
equilibrada do ser humano na Terra (Furriela, 2001).
Quando o consumidor conscientiza-se das implicações de seus atos de consumo, passa a
compreender que está ao seu alcance exigir que as dimensões sociais, culturais e ecológicas sejam
consideradas pelos setores produtivo, financeiro e comercial em seus modelos de produção, gestão,
financiamento e comercialização. Essa atitude requer mudança de posturas e atitudes individuais e
coletivas no cotidiano (Furriela, 2001). Essa mudança de posturas, além de envolver o indivíduo em
particular, entrelaça as práticas das empresas produtoras e prestadoras de serviços. E, de fato, os
efeitos da adoção de uma postura ética e socialmente responsável pelas empresas têm sido
amplamente estudados.
Diversos resultados de pesquisas sugerem que os consumidores tendem a valorizar a empresa
socialmente responsável (Murray & Vogel, 1997) e isso pode influenciar tanto positivamente
quanto negativamente seu comportamento de compra, caso a empresa seja vista como antiética
(Serpa & Furneau, 2004). Outros resultados apontam para o pouco ou nenhum impacto da postura
de responsabilidade social corporativa no comportamento do consumidor. resultados
controversos também no que se refere à correlação entre responsabilidade social e lucratividade.
Sobre o ambiente interno da empresa, Melo Neto e Froes (2001a) argumentam que as ações
socialmente responsáveis aumentam a produtividade no trabalho, criam maior motivação,
autoestima e orgulho entre os funcionários.
Alguns autores buscaram definir o conceito de responsabilidade social enfatizando suas ações
derivadas e seus respectivos beneficiários. Para Srour (2000), por exemplo, uma empresa
socialmente responsável é aquela que mantém parceria efetiva com clientes e fornecedores, gerando
produtos de qualidade e, ao mesmo tempo, assegurando durabilidade e, confiabilidade e preços
competitivos. As organizações precisariam empreender ações que contribuíssem para o
desenvolvimento da comunidade, via projetos que aumentassem o seu bem-estar, além de investir
em pesquisa tecnológica para inovar processos e produtos, visando satisfazer melhor seus clientes.
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
Deveriam preocupar-se ainda com a conservação do meio ambiente, por meio de intervenções
não predatórias e de medidas que evitem consequências externas negativas da atividade da empresa.
Além disso, precisariam investir no desenvolvimento profissional dos trabalhadores e também em
melhores condições de trabalho e em benefícios sociais.
De fato, muitas empresas têm, atualmente, investido parcela de seu tempo e empenho em
mobilizar práticas que propendem cooperar com temas ambientais e de cunho social, de modo a
contribuir com o atendimento de tais necessidades.
A promoção da saúde, por parte dos sistemas privados e públicos, requer que sejam tomadas
atitudes socialmente responsáveis. Foi com essa finalidade e buscando incentivar as cooperativas a
implementá-la que, em 2001, a cooperativa Unimed do Brasil lançou sua Política Nacional de
Responsabilidade Social, tal iniciativa ajudou a fortalecer os princípios do cooperativismo e da
sustentabilidade. Desde seu lançamento, foram realizadas diversas ações para estimular as Unimeds
a implantarem a prática da Responsabilidade Social na gestão de seu negócio, por meio de
estratégias que privilegiam o diálogo com os diversos públicos de relacionamento do sistema.
Assim, a situação problema dessa pesquisa é: O consumidor tem praticado ações de consumo
consciente e em que grau de importância percebe as ações de responsabilidade social prestados pela
cooperativa de serviços de saúde Unimed Nordeste (RS).
Portanto, o objetivo geral dessa pesquisa é avaliar o comportamento de clientes de acordo
com seu grau de consumo consciente praticado e sua percepção de responsabilidade social em uma
cooperativa de serviços de saúde. Os objetivos específicos tem a finalidade de analisar o grau de
comportamento em relação ao consumo consciente dos clientes da cooperativa Unimed Nordeste
(RS); e a percepção dos clientes quanto ao grau de importância em relação às práticas de RSC da
Unimed.
2 REFERENCIAL TEÓRICO
2.1 Consumo consciente
A ecologia e a economia estão cada vez mais entrelaçadas em uma rede de causas e efeitos,
cuja complexidade começou a ser entendida recentemente (Freeman, 1996). Em razão disso,
existe também a preocupação de que a deterioração ambiental possa impedir ou reverter o
desenvolvimento econômico (Cmmad, 1991).
Soluções isoladas são apenas paliativas, até por isso, faz-se necessária uma transformação no
modo de vida para recuperar a qualidade do meio ambiente. Por consequência, a busca da
sustentabilidade passa, inevitavelmente, pelo equacionamento da questão do consumo (Dias &
Moura, 2007), e pela conscientização dos impactos positivos ou negativos na economia, nas
relações sociais, na natureza e no próprio indivíduo no momento da escolha do que comprar, de
quem comprar e ao definir a maneira de usar e como descartar um produto. O consumidor, com seu
poder de consumo, pode tanto maximizar os impactos positivos quanto minimizar os negativos.
Para o Instituto Akatu (2008), isso é o consumo consciente. Resumidamente, é um consumo com
consciência de seu impacto e voltado para a sustentabilidade.
O consumidor consciente também busca disseminar o conceito e a prática do consumo
consciente, fazendo com que pequenos gestos realizados por um número muito grande de pessoas
promovam grandes transformações. É uma contribuição voluntária, cotidiana e solidária para
garantir a sustentabilidade da vida no planeta (Instituto Akatu, 2008).
Cooper (2002 como citado em Dias & Moura, 2007) aponta o consumo sustentável como
padrões de consumo por meio da compra e uso dos bens e serviços que atendam às necessidades
básicas das pessoas e que, ao mesmo tempo, leva em consideração a minimização da degradação
ambiental. Para atender essas premissas, o consumo sustentável implica necessariamente em
redução de consumo. Assim, o consumo sustentável não é uma quantidade específica entre o baixo
consumo causado pela pobreza e o superconsumo gerado pela riqueza, mas um padrão de consumo
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
bem diferente para todos os níveis de renda pessoal em países do mundo todo (Dias & Moura,
2007).
Por sua vez, o consumidor verde é definido como aquele que, além da variável qualidade /
preço, inclui em seu poder de escolha a variável ambiental, preferindo produtos que não agridam ou
sejam percebidos como não-agressivos ao meio ambiente (Portilho, 2005). O consumidor “verde”
estaria assim contido no conceito de consumo sustentável.
No Brasil, o consumo verde caracterizou-se mais na divulgação de programas de educação
ambiental envolvendo a reciclagem do lixo e redução do desperdício, e na introdução de produtos
“verdes” nas prateleiras dos supermercados. Contudo, o interesse pelas compras “verdes” limita-se
pelos altos preços associados a elas (Portilho, 2005).
Se pelas propostas de “consumo verde” o consumidor é o principal agente de transformação,
que suas demandas estimulam a modernização ecológica das indústrias, com a perspectiva do
consumo sustentável essa questão assume contornos mais complexos. O consumo sustentável é
abrangente, pois contempla diferentes arenas do território humano, tais como tecnologia, cultura,
atitudes, crenças e vida em sociedade; em contrapartida, o consumo verde é superficial e ataca
somente um lado do problema ambiental, tal como o uso de energia ou reciclabilidade (Cooper,
2002 apud Dias & Moura, 2007). Na figura 1 as abordagens do consumo verde e do consumo
sustentável são diferenciadas.
CONSUMO “VERDE” CONSUMO SUSTENTÁVEL
Consumir produtos diferentes
Consumir menos
Essencialmente positivo em relação ao consumo
Consumo além das necessidades básicas é negativo
Mudança no estilo de vida e no padrão de consumo
Foco na oferta: produção
Foco na demanda: usuário final
Consumidores res
pondem às informações adequadas Consumidores querem alternativas de aquisição
Mudança gradual
Mudança radical: urgente e essencial
Crescimento “verde” no lugar de crescimento econômico
Alta qualidade de vida sem degradação ambiental
Figura 1 - Abordagens do consumo verde e do consumo sustentável.
Fonte: Adaptado de Cooper (2002 como citado em Dias & Moura, 2007).
O desafio fundamental é satisfazer a exigência por uma melhor qualidade de vida e o
subsequente consumo de produtos e serviços, de maneira que não seja cumulativamente destrutivo
tanto para os recursos quanto para a vida numa escala planetária (Dias & Moura, 2007).
Tais práticas são difundidas e defendidas pelo Instituto Akatu, com a missão de “conscientizar
e mobilizar o cidadão brasileiro para seu papel protagonista, enquanto consumidor, na construção
da sustentabilidade da vida no planeta” (Instituto Akatu, 2008).
O discurso do Akatu com relação ao consumo consciente pode ser consubstanciado em dez
princípios norteadores: i) planeje suas compras (não seja impulsivo nas suas compras); ii) avalie o
impacto do seu consumo (leve em consideração o meio ambiente e a sociedade); iii) consuma
apenas o necessário (reflita sobre suas reais necessidades e procure viver com menos); iv) reutilize
produtos e embalagens (não compre outra vez o que você pode consertar, transformar e reutilizar);
v) separe o seu lixo; vi) use crédito conscientemente; vii) conheça e valorize as práticas de
responsabilidade social das empresas (não olhe apenas preço e qualidade e valorize as empresas
levando em consideração sua responsabilidade para com os funcionários, a sociedade e o meio
ambiente); viii) não compre produtos piratas ou contrabandeados; ix) contribua para a melhoria de
produtos e serviços; e x) divulgue o consumo consciente.
Por último, como argumentação conclusiva, o discurso do consumo consciente ressalta que tal
iniciativa pode ser praticada no dia a dia, por meio de dois movimentos: gestos simples que levem
em conta os impactos da compra, uso ou descarte de produtos ou serviços; e/ou pela escolha das
empresas comprometidas com o desenvolvimento socioambiental (Barros & Da Costa, 2008).
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
2.2 Responsabilidade social
O termo Responsabilidade Social Corporativa (RSC) surgiu aproximadamente 50 anos,
tendo suas bases fundamentadas por Howard R. Bowen, com o livro lançado em 1953 e traduzido
para o português em 1957, “Responsabilidades sociais do homem de negócios”, considerado por
muitos como a primeira publicação estruturada sobre esse assunto. A partir dessa obra, esse tema
começou a ser difundido, alcançando as universidades e uma parcela crescente do empresariado
norte-americano (Duarte & Dias, 1986).
Na década de 1950, a responsabilidade social empresarial cresceu para incluir o bem-estar dos
trabalhadores, segurança, cuidados médicos, programas de aposentadoria e outros. Essa fase
mostrou que a ênfase mudou de preocupações sociais e morais para questões específicas como
segurança na produção, direitos dos funcionários, proteção ambiental e comportamento ético
(Carroll & Buchholtz, 2000 como citado em Pena et al., 2005).
Diferentes definições de RSC foram desenvolvidas no decorrer do tempo. Para Windsor
(2001), a evolução dos conceitos de responsabilidade social pode ser dividida nas seguintes fases:
anos 1950, marcados pela origem do conceito; anos 1960, cujo destaque foi a expansão da
literatura; anos 1970, com a proliferação das definições; e, anos 1980 marcados pelas pesquisas
empíricas e pelo início da pesquisa de temas complementares, como a ética nos negócios, por
exemplo.
Ainda que o tema responsabilidade social empresarial (RSC) tenha sido alvo de incontáveis
definições, alguns componentes genéricos podem ser identificados como pertencentes à maioria
delas. Existe uma razoável concordância em afirmar-se que companhias responsáveis são aquelas
que vão além de suas obrigações legais, no tratamento justo de seus empregados; na relação
transparente e ética com clientes, fornecedores e concorrentes; na minimização dos danos e
impactos ambientais provocados; no apoio às comunidades locais, e na promoção dos direitos
humanos. Em resumo, a RSC consistiria numa forma de atuação que pode ser descrita como
promotora do interesse público, mas que não é imposta, ou regulada, pelo aparelho estatal (Kreitlon,
2005).
As definições mais amplamente difundidas do conceito de RSC tendem a ser aquelas
formuladas por instituições comprometidas com o capitalismo, e que tenham interesse de se afastar
das intervenções do Estado que possam limitar sua liberdade de ação empresarial. Entre as diversas
definições, que buscam estabelecer-se como gerais e consensuais, pode-se citar a que é adotada pelo
Banco Mundial, que aconselha governos de países em desenvolvimento sobre o papel das políticas
públicas no estímulo à RSC. Há ainda outra concepção de que a RSC é o compromisso empresarial
de contribuir para o desenvolvimento econômico sustentável, para isso, trabalha em conjunto com
os empregados, suas famílias, a comunidade local e a sociedade em geral para melhorar sua
qualidade de vida (Fox, Ward & Howard, 2002).
O World Business Council for Sustainable Development, associação de 170 empresas
multinacionais, que tem como missão promover o desenvolvimento sustentável por meio da
ecoeficiência, da inovação e da RSC, compartilha a mesma definição do Banco Mundial e defende a
responsabilidade social como estratégia de negócios (World Business Council for Sustainable
Development – WBCSD, 2002).
A Comissão Europeia, por sua vez, em documento elaborado para servir de subsídio à
formulação de políticas públicas relacionadas ao tema, descreve a responsabilidade social das
empresas como a integração voluntária de preocupações sociais e ambientais por parte das empresas
nas suas operações e na sua interação com outras partes interessadas (Comissão Europeia, 2001).
O Sebrae relaciona RSC com a ética e a transparência na gestão dos negócios e designa que
deve refletir-se nas decisões cotidianas que podem causar impactos na sociedade, no meio ambiente
e no futuro dos próprios negócios. De modo mais simples, a ética nos negócios ocorre quando as
decisões de interesse de determinada empresa também respeitam o direito, os valores e os interesses
de todos aqueles que são por ela afetados (Ethos/Sebrae, 2003).
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
Bower (1953 apud Ashley et al., 2003) alinhou responsabilidade social com a obrigação dos
gestores de empresas de adotar orientações, tomar decisões e seguir linhas de ação que sejam
compatíveis com os fins e valores de uma sociedade.
Outra definição do conceito foi a proposta por Carroll (1991) que aponta quatro fases ou
dimensões para a responsabilidade social: econômica, legal, ética e filantrópica. A Figura 2
apresenta os significados dessas quatro dimensões:
Figura 2: Dimensões da Responsabilidade Social.
Fonte: Adaptado de Carroll (1991).
Carroll (1991) ressalta que as quatro faces ou dimensões da responsabilidade social
dimensão ética, econômica, filantrópica e legal - estão intimamente relacionadas, embora estejam
frequentemente em conflito umas com as outras. Ainda assim, cada uma dessas dimensões não
existe separada ou isoladamente das outras e o conjunto delas significa a adoção da
responsabilidade social.
Ashley et al. (2003) consideram que a responsabilidade social engloba toda e qualquer ação
da empresa que possa contribuir para a melhoria da qualidade de vida da sociedade. Segundo esses
autores:
Responsabilidade social pode ser definida como o compromisso que uma organização deve
ter para com a sociedade, expresso por meio de atos e atitudes que a afetem positivamente,
de modo amplo, ou a alguma comunidade, de modo específico, agindo de forma pró-ativa e
coerentemente no que tange a seu papel específico na sociedade e a sua prestação de contas
para com ela (p. 6-7).
Prates (2004) corrobora descrevendo a RSC como um valor organizacional em evolução que,
nos últimos anos, tem sido cada vez mais associado ao relacionamento responsável da empresa com
seus stakeholders relevantes. No entanto, no período da industrialização, até por volta de 1970,
predominou o enfoque da responsabilidade da empresa para com a expansão do capital, ou seja,
para servir aos interesses dos seus proprietários ou stakeholders. Nesse período anterior, a gestão
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
econômica reinou com exclusividade no ambiente corporativo, sem deixar espaço para a gestão
social, no seu sentido mais amplo.
Alguns autores buscaram definir o conceito de responsabilidade social enfatizando as ações
derivadas dele e seus respectivos beneficiários. Para Srour (2000), por exemplo, uma empresa
socialmente responsável é aquela que mantém parceria efetiva com clientes e fornecedores, gerando
produtos de qualidade e assegurando durabilidade e, confiabilidade e preços competitivos. As
organizações precisariam empreender ações que contribuíssem para o desenvolvimento da
comunidade, via projetos que aumentassem o seu bem-estar, além de investimentos em pesquisa
tecnológica para inovar processos e produtos, visando melhor satisfazer seus clientes. Deveriam
preocupar-se ainda com a conservação do meio ambiente, por meio de medidas que evitem
consequências externas negativas da atividade da empresa. Além disso, precisariam investir no
desenvolvimento profissional dos trabalhadores e também em melhores condições de trabalho e em
benefícios sociais.
Para Oliveira (1984), os grupos beneficiários da responsabilidade social corporativa são
cinco: os empregados; os consumidores; os credores e fornecedores; a comunidade; os acionistas,
sócios ou proprietários. Esse autor assume que há uma divergência entre o interesse dos acionistas,
sócios ou proprietários que visam à maximização do lucro, e o interesse dos demais grupos, o que
gera um paradoxo para a empresa que tem a intenção de atender às expectativas de seus
stakeholders – clientes, acionistas, empregados, fornecedores, governo e comunidade.
As razões para o surgimento da preocupação com a RSC residem, por um lado, na maior
conscientização e sensibilidade do público para questões de cunho social e ambiental. Esse fato tem
se traduzido em exigências maiores, atitudes mais críticas, e numa mídia mais investigativa, o que
implica maior risco de dano à reputação, e consequentemente à lucratividade, das companhias
flagradas em desvio de conduta (Kreitlon, 2005).
Portanto, é parcialmente em resposta às pressões externas, mas também por visarem a
maximização de seus próprios interesses, a médio e longo prazos, que as companhias têm procurado
gerir, de modo cada vez mais sistemático e institucionalizado, suas “responsabilidades”, adotando
códigos de ética, estabelecendo diálogo com suas partes interessadas, buscando diversos tipos de
certificação, e publicando relatórios sobre seus impactos socioambientais (Kreitlon, 2005).
A responsabilidade social, que tem a ver com a consciência social e o dever cívico, não é uma
ação individualizada. Exprime a ação de uma empresa em prol da cidadania, busca estimular o
desenvolvimento do cidadão e, ao mesmo tempo, promove a cidadania individual e coletiva. Exige
periodicidade, método e sistematização e gerenciamento efetivo por parte da empresa. Visa o
retorno econômico social, institucional, tributário-fiscal (Melo Neto & Froes, 2001a).
Portanto, na discussão sobre a RSC percebe-se que predomina a linha que explica o
movimento como algo intrinsecamente positivo para as organizações e para a sociedade, apontando
as motivações e benefícios auferidos com sua adoção e aprofundando-se na operacionalização do
conceito. Todavia, menos dominante é a linha que procura analisar criticamente a RSC, mostrando
que, embora positiva sob muitos aspectos, não é uma panaceia para as empresas e muito menos para
a sociedade.
Assim, tanto na literatura quanto no que Cheibub e Locke (2002) denominam “movimento
pela responsabilidade social das empresas”, coexistem definições e explicações. O estudo
desenvolvido por Capellin et al. (2002) conclui que, se por um lado, a problemática da
responsabilidade social das empresas está assumindo uma importância crescente, envolvendo em
importantes discussões diversos setores da sociedade, por outro, aparece como criadora de
conceitos, metodologias, estratégias de ação, cujo conteúdo ainda é claramente “disputado”
(Cappellin et al., 2002).
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
3 MÉTODO DE PESQUISA
O método de trabalho escolhido é o estudo de caso, de cunho descritivo, uma vez que se
propõe a descrever e analisar um fenômeno, em seu contexto. O delineamento da pesquisa contou
com a realização de uma survey com clientes (enfoque quantitativo). Sendo assim, o estudo é de
natureza quantitativa.
Yin (2001) caracteriza o estudo de caso como um delineamento adequado para proporcionar
conhecimento de uma situação real observada. Seu objetivo é descrever, entender, avaliar e explorar
uma situação e, a partir daí, determinar os fatores causais e estabelecer ações. Assim, o estudo de
caso constitui-se em uma investigação empírica em que se analisa um fenômeno contemporâneo em
seu contexto de vida real, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão
claramente definidos.
Nessa pesquisa, a coleta dos dados foi realizada por meio de pesquisa bibliográfica, aplicação
de questionários, registros em arquivos e entrevistas espontâneas replicadas pelo responsável,
demais colaboradores e envolvidos que compõem o departamento de Responsabilidade Social da
instituição estudada. Destaca-se também a utilização de observação e análise de documentos.
Essa pesquisa buscou, como fim maior, averiguar se as práticas de consumo consciente e
desenvolvimento sustentável desenvolvidas pela instituição estudada estão sendo, de igual forma,
percebidas e praticadas por uma amostra da população caxiense de clientes da cooperativa Unimed
Nordeste (RS).
No que concerne à abordagem quantitativa, Oliveira (2001, p.115) relata que “significa
quantificar opiniões, dados, nas formas de coleta de informações, assim como também com o
emprego de recursos e técnicas estatísticas”.
As principais técnicas de coleta de dados para a pesquisa quantitativa são a entrevista, o
questionário, os testes e a observação (Roesch, 1999; Mattar, 1996). Para coleta de dados dessa
pesquisa utilizou-se o questionário. Moura et al. (1998) defendem a utilização desse instrumento de
pesquisa por comportar questões que visem reunir informações sobre percepções, crenças e
opiniões dos indivíduos estudados.
Para a elaboração do questionário foram utilizadas questões fechadas, que de acordo com
Crouch e Housden (1998), funcionam melhor quando o questionário vai ser preenchido pelo próprio
respondente, uma vez que são de fácil preenchimento e não levam tanto tempo.
O questionário comporta um espaço para coleta de alguns dados pessoais, quais sejam: idade,
sexo, naturalidade, renda familiar, entre outros, alocado ao final, como último bloco. No primeiro
bloco, estão as principais práticas da cooperativa Unimed Nordeste RS, no que diz respeito ao
consumo consciente e responsabilidade social, nele busca-se analisar o grau de importância
considerado pelo respondente para cada uma dessas ações, e contém nove variáveis desenvolvidas
pela autora. No instrumento, as questões foram elencadas, porém, sem se fazer menção do nome da
prestadora de serviços de saúde, com o intuito de evitar indução às respostas.
O segundo bloco de questões contém 13 variáveis que expressam hábitos e práticas de
consumo sustentável, testadas pelo Instituto Akatu (2008). Foi utilizada uma escala de 4 pontos
(não, nunca; raramente; frequentemente; sim, sempre). O modelo teórico classifica os consumidores
segundo o número de comportamentos que os entrevistados declaram fazer “sempre”, conforme
Tabela 1.
Tabela 1: Classificação dos consumidores quanto ao consumo sustentável.
Consumidores Número de comportamentos adotados
Indiferentes no máximo 2
Iniciantes entre 3 e 7
Engajados entre 8 e 10
Conscientes acima de 11
Fonte: Instituto Akatu (2008)
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
Cada pergunta ou conjunto de perguntas que construíram o instrumento foi focado para
compor cada ponto estudado, com o intuito de verificar relações identificadas de forma
diferenciada ou sua validade no contexto brasileiro em relação aos estudos anteriores.
A amostragem é não-probabilística e foi escolhida por conveniência, utilizando-se os clientes
caxienses da cooperativa de serviços de saúde Unimed Nordeste RS. O tamanho da amostra
utilizado nessa pesquisa foi de 400 elementos, dos quais foram obtidos um total de 367
questionários válidos.
Para melhor aproveitar os dados coletados, elaborou-se uma sequência lógica para análise
(Tabela 2), alinhada aos objetivos da pesquisa e coerente com a teoria corrente ligada aos construtos
aqui estudados e possíveis formas de análise para esse tipo de pesquisa. A tabela apresenta a
sequência empregada na análise dos dados, na qual são apresentados os seguintes tópicos: passos a
serem seguidos, sustentação teórica e operacionalização executada.
Tabela 2 – Passo a passo para a preparação das variáveis e constructos
PASSOS A SEREM SEGUIDOS SUSTENTAÇÃO
TEÓRICA OPERACIONALIZAÇÃO
Codificação dos
questionários e tabulação
dos dados coletados
Numeração dos questionários.
Revisão e limpeza dos
dados mal preenchidos Hair et al. (2005b)
Eliminados questionários incompletos
em relação a dados relevantes e revisão da
integridade dos dados coletados, verificando se
foram preenchidos com desleixo ou de forma
incoerente.
Eliminação de outliers Hair et al. (2005a) Uso de detecção multivariada, com
tolerância de 3 pontos para cada lado.
Descrição e sumarização
do conjunto de dados Pestana e Gageiro (2005) Utilizada a estatística descritiva para as
variáveis do Bloco III.
Análise fatorial
Mohr e Webb (2005);
Pestana e Gageiro (2005);
Magalhães (2007)
Procedimento realizado na escala do
Bloco II (Instituto Akatu - Consumo
Consciente).
Construção da variável
PERFIL de consumo Pestana e Gageiro (2005) Construção das variáveis a partir das
respostas ao Bloco III, conforme tabela 1.
Análise de confiabilidade
dos construtos
Hair et al. (2005a);
Hair et al. (2005b)
Utilizado o índice denominado Alpha de
Cronbach para a confiabilidade dos construtos.
Fonte: Elaborado pela Autora.
No que diz respeito ao plano de tratamento e análise dos dados, esse estudo demandou análise
multivariada, que utiliza medidas que buscam explorar o padrão de relações entre as variáveis do
estudo (Roesch, 1999). Para auxílio nessa análise foi utilizado o software SPSS (Statistical Package
for Social Sciences), versão 16.0.
4 ANÁLISE DOS RESULTADOS
Esse capítulo apresenta os resultados do estudo e as respectivas análises. As seções a seguir
apresentam os resultados para cada objetivo específico. Na primeira seção, é feita a análise
descritiva da amostra. A partir da segunda seção, os resultados estão dispostos na mesma ordem
apresentada na formulação dos objetivos específicos.
4.1 Análise descritiva da amostra
A caracterização da amostra é uma etapa necessária, pois apresenta dados relativos ao público
pesquisado, a fim de identificar se ocorreram diferenças ou similaridades nos grupos criados a partir
da amostragem obtida.
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
Verifica-se uma predominância de entrevistados homens e de pessoas na faixa de 21 a 30
anos, sendo pouco expressiva a presença de adultos acima de 51 anos. A amostra caracteriza-se
também por forte presença de pessoas com significativa escolaridade, com 42,5% apresentando
nível de instrução superior incompleto. Além da expressiva base de ensino, os entrevistados
possuem considerável poder de consumo, pois 34,1% têm renda familiar entre R$2.000,00 a
R$4.000,00, tendo em vista igualmente que 90,2% exercem atividade profissional remunerada. A
análise descritiva apresenta ainda os seguintes perfis da amostra: 92,9% são moradores de Caxias
do Sul e 78,5% são naturais dessa cidade; 54,5% são casados ou em união estável; 52,6% têm
filhos; 86,1% dos respondentes são titulares de seu plano de saúde; 37,3% possuem plano de saúde
do tipo individual privado; 78,5% tiveram seu plano de saúde escolhido pela empresa onde
trabalham; 82,8% utilizam as consultas como principal serviço de seu plano de saúde; 94,6% dos
respondentes consideram que têm boa saúde; 44,4% estão satisfeitos com o seu plano de saúde.
4.2 Comportamento em relação ao consumo consciente
Um dos resultados obtidos da análise das respostas ao bloco II do questionário foi o perfil dos
clientes caxienses da cooperativa de saúde Unimed que praticam o consumo consciente. Conforme
anteriormente identificados na Tabela 1, o Instituto Akatu segmenta os consumidores em quadro
grupos: indiferentes, iniciantes, engajados e conscientes.
Nessa pesquisa, observou-se que um em cada quatro dos respondentes percebe os impactos
coletivos ou de longo prazo nas decisões de consumo. Estes somam 25,7% do universo dessa
pesquisa e são considerados a vanguarda dos consumidores conscientes. Destes, 18,3% compõe o
segmento dos consumidores engajados e 7,4% são conscientes. O grupo dos iniciantes é a maioria
na população, com 58,2% de participação. Os indiferentes totalizam 16,1% (figura 3).
Os comportamentos de consumo sustentável que obtiveram os melhores desempenhos foram
“Evito deixar lâmpadas acesas em ambientes desocupados” e “Desligo aparelhos eletrônicos
quando não estou usando”, com médias de escores de 3,38 e 3,36, respectivamente. Por outro lado,
os comportamentos “Costumo ler atentamente os rótulos antes de decidir uma compra” e “Costumo
pedir nota fiscal quando vou às compras, mesmo que o fornecedor não a ofereça espontaneamente”,
apresentaram médias de 2,75 e 2,85, respectivamente.
Figura 3- Perfil dos clientes da Unimed
Fonte: Dados da pesquisa.
Pessoas do sexo feminino predominam no perfil consciente, isso pode ser explicado pelo fato
de que, geralmente, são as mulheres que fazem as compras para a família e costumam ser atraídas
mais facilmente por pequenos detalhes e têm mais disposição para pesquisar. Além disso, as tarefas
do lar também são, em grande parte, responsabilidade das mulheres, e esses fatores têm peso
significativo no conjunto total de práticas conscientes.
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
Nessa pesquisa, observou-se uma adesão maior de condutas conscientes entre os membros da
classe C, o que indica que, entre os clientes da Unimed, a classe social de menor poder aquisitivo
não é impedimento para consciência ecológica. Uma justificativa para tal resultado pode estar
relacionada ao fato de que os comportamentos de consumo sustentável que obtiveram os melhores
desempenhos (“Evito deixar lâmpadas acesas em ambientes desocupados” e “Desligo aparelhos
eletrônicos quando não estou usando”) são aqueles que pressupõem benefício direto para o
indivíduo. Provavelmente, a economia de recursos tem retorno imediato e de curto prazo,
favorecendo economicamente os membros da classe C, predominante no perfil desse estudo.
Na distribuição por escolaridade, o ensino superior, grau de instrução dominante nessa
pesquisa, detém a maior fatia em cada grupo de consumidor. Com base nisso, é possível afirmar
que, quanto maior for o nível de instrução, maior será também o nível de consciência do cliente da
cooperativa (Figura 4).
Figura 4: Segmentação por escolaridade dos clientes Unimed
Fonte: Dados da pesquisa
A conclusão dessa seção indica que uma atuação eficaz para ampliação do número de
consumidores conscientes terá mais chances de sucesso se houver o aproveitamento das
oportunidades conjunturais e experiências pessoais como forma de maximizar as possibilidades de
aumento da participação de consumidores conscientes na população.
4.2.1. Análise fatorial do consumo consciente (Bloco II)
As respostas da amostra foram submetidas à análise fatorial do tipo Principal Component
Analysis (PCA), com rotação varimax e tratamento pairwise (consideradas todas as observações
válidas de cada variável) para os dados omissos. O índice de Kaiser-Meyer-Olkin (KMO) de
adequação da amostra foi de 0,804 e o teste de esfericidade de Bartlett (Bartlett's Test of Sphericity)
– significativo 0,000 - indicaram a fatorabilidade dos dados.
Os três fatores identificados receberam os seguintes nomes e foram compostos pelas seguintes
variáveis: hábitos de compra – 42 a 46; práticas de economia doméstica – 37 a 41; e comportamento
planejado – 34 a 36. Os nomes estão de acordo com aspectos teóricos do Instituto Akatu.
O primeiro fator hábitos de compra está relacionado com práticas que indicam a
sensibilização no plano do consumo e mobilização do indivíduo diante das causas da
sustentabilidade e responsabilidade social corporativa, premissas do consumo consciente. Além
dessas, inclui ações (“Costumo planejar as compras de alimentos” e “Costumo planejar compra de
roupas) que pressupõem a otimização racional dos recursos que, quando planejados
antecipadamente, são melhor aproveitados e dão retorno a médio e longo prazo.
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
As variáveis constantes no fator dois “Práticas de economia doméstica” referem-se a práticas
que implicam em benefício direto para o indivíduo, considerando o não desperdício dos recursos,
com retorno imediato e de curto prazo.
E, por fim, o terceiro fator – comportamento planejado – engloba comportamentos que
resultam em benefícios de médio prazo para o consumidor, e que estão associados à reflexão sobre
suas práticas de consumo.
4.2.2 Análise de confiabilidade dos fatores
Para mensurar a confiabilidade interna dos construtos foi utilizado o índice denominado
Alpha de Cronbach (α). O Alpha mensura a consistência interna, estimando a consistência das
respostas individuais dentro da escala proposta. Quanto maior a correlação entre os itens de um
instrumento, maior será o valor do Alpha de Cronbach. Foi realizada essa análise para o bloco II da
pesquisa (tabela 3).
Tabela 3: Confiabilidade da escala consumo consciente (Bloco III).
Construto ou
fator
Alpha de
Cronbach
Elementos do Fator
Hábitos de
compra ,790
Q42. Procuro passar ao maior número possível de pessoas as informações que aprendo
sobre empresas e produtos.
Q43. Comprei produtos feitos com material reciclado nos últimos 6 meses.
Q44. Comprei produtos orgânicos nos últimos 6 meses (por exemplo: alimentos sem
agrotóxicos, carne sem hormônios ou antibióticos).
Q45. Costumo planejar as compras de alimentos.
Q46. Costumo planejar compra de roupas.
Práticas de
economia
doméstica
,764
Q37. Quando possível, utilizo também o verso das folhas de papel.
Q38. Costumo fechar a torneira enquanto escovo os dentes.
Q39. Espero os alimentos esfriarem antes de guardar na geladeira.
Q40. Evito deixar lâmpadas acesas em ambientes desocupados.
Q41. Desligo aparelhos eletrônicos quando não estou usando.
Comporta-
mento
planejado
,666
Q34. Costumo ler atentamente os rótulos antes de decidir uma compra.
Q35. Costumo pedir nota fiscal quando vou às compras, mesmo que o fornecedor não a
ofereça espontaneamente.
Q36. Em minha casa, separo o lixo para reciclagem (ou, mesmo não havendo coleta
seletiva, procuro encaminhar para reciclagem tudo que for possível).
Fonte: Dados da pesquisa
Pesquisadores, como regra geral, postulam que um bom valor do α seria 0,60 ou superior
(obtido com uma amostra significativa). Assim sendo, os Alphas encontrados estão adequados, o
que indica consistência interna do estudo.
4.3 Percepção dos clientes em relação às práticas de RSC da Unimed
Um dos focos dessa pesquisa visa avaliar a percepção dos respondentes quanto ao consumo
consciente e as ações de responsabilidade social praticadas pela cooperativa Unimed Nordeste RS.
Entre essas práticas (bloco II do questionário), as que foram consideradas especialmente
importantes pelo grupo dos consumidores conscientes foram “Implantar projetos de conscientização
ambiental para a comunidade e “Reutilizar embalagens e utilizar papel reciclado”, ambas com
médias de escores de 5,89.
O grupo dos iniciantes, perfil da maioria dos consumidores da população dessa pesquisa,
avalia como as mais importantes práticas da Unimed as seguintes: “Optar por fornecedores que
trabalharão em parceria com a empresa que também dão atenção às questões ecológicas” e
“Reutilizar embalagens e utilizar papel reciclado”, cujas médias foram 5,82 e 5,75, respectivamente.
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
A Unimed têm suas práticas consideradas de relevante importância pelos seus clientes.
Quanto maior a consciência do consumidor, maior será sua percepção e significado que dará às
ações. Estas contribuem com o meio ambiente e com a comunidade local, além de refletirem
positivamente no agregado que compõe a imagem que os consumidores moldam da cooperativa e
na satisfação da prestação de seus serviços.
A identificação de uma relação entre esses conceitos poderá, em pesquisas futuras, elucidar a
questão do consumo e destacar a importância de tanto os cidadãos quanto as empresas
reconsiderarem valores que são relevantes na vida em sociedade; valores estes que contribuem para
o desenvolvimento local, consumo sustentável e responsabilidade social.
Na análise geral da frequência de respostas, que consideram altíssimo o grau de importância
de cada uma das práticas da cooperativa Unimed, constatou-se a seguinte ordem de relevância, na
percepção dos respondentes (tabela 4):
Tabela 4: Práticas consideradas de altíssima importância pelos clientes Unimed.
Práticas da Unimed Freqüência
1. Gerenciar os resíduos, isto é, separar do lixo os materiais que podem ser reaproveitados ou
reciclados. 48%
2. Direcionar corretamente os resíduos, tais como baterias, lâmpadas fluorescentes, cartuchos
de impressoras vazios e baterias que não são recolhidas pelo sistema de coleta de lixo. 47,1%
3. Combater o desperdício de água, diminuindo o consumo sem perder a eficiência e a
qualidade dos serviços. 39%
4. Implantar projetos de conscientização ambiental para a comunidade. 36,2%
5. Reutilizar embalagens e utilizar papel reciclado. 36%
6. Combater o desperdício de energia elétrica, diminuindo o consumo sem perder a eficiência
e a qualidade dos serviços. 34,6%
7. Optar por fornecedores que trabalharão em parceria com a empresa que também dão
atenção às questões ecológicas. 33,5%
8. Incentivar o cliente na devolução da carteira do plano vencida e excluída, dando o
direcionamento correto do resíduo utilizado na produção da carteira. 23,4%
9. Reaproveitar o tecido de uniformes que não são mais utilizados pelos funcionários. 22,9%
Fonte: Dados da pesquisa
É válido destacar que, de fato, os consumidores mostram-se preocupados e consideram
importantes os esforços por parte das organizações, no que diz respeito à responsabilidade social e
ao consumo consciente. E, de fato, a cooperativa Unimed apresenta uma preocupação válida com as
questões sociais, a partir das ações que realiza.
Quando os indivíduos internalizam suas preocupações com o meio ambiente, inclusive por
considerar altamente válidas práticas voltadas à sustentabilidade, como a pesquisa demonstra, a
predisposição de exibir comportamentos mais conscientes aumenta. Estes enxergam seu papel como
consumidores, conectando seus hábitos de consumo às necessidades de respostas ambientalmente
amigáveis, solidárias e responsáveis de comportamento econômico.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Algumas das soluções que esse artigo utilizou para o problema de pesquisa têm seu foco na
pesquisa quantitativa. Primeiro, detectou-se o grau de comportamento dos clientes da Unimed em
relação ao consumo consciente, expandindo as explanações teóricas anteriormente formuladas.
Segundo, analisou-se a percepção dos clientes da cooperativa quanto ao grau de importância que
atribuem às práticas de RSC da Unimed.
5.1 Perfil dos clientes Unimed quanto ao consumo consciente
Essa pesquisa constatou a eficácia da metodologia desenvolvida pelo Instituto Akatu, quanto à
segmentação dos consumidores. A aplicação do teste quanto à adoção, ou não, dos 13
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
comportamentos segmentantes mostrou-se produtiva não como forma de separar consumidores
mais ativos dos menos ativos, mas também de detecção efetiva de quatro diferentes graus de
consciência.
O perfil dominante, entre os clientes da Unimed Nordeste, é o iniciante (58,2%), que adota
entre 3 e 7 dos 13 comportamentos que segmentam os consumidores. Apenas 7,4% dos indivíduos
dessa população podem ser considerados conscientes. Do total de respondentes, 18,3% compõe o
segmento dos consumidores engajados. Os indiferentes totalizam 16,1%.
Assim, respondendo parcialmente à situação problema dessa pesquisa, se o consumidor local
dos serviços de saúde prestados pela cooperativa tem praticado ações de consumo consciente, pode-
se afirmar que o comportamento sustentável ainda é um fenômeno relativamente discreto e a
população desse estudo começou a demonstrar adesão, porém ainda baixa, a tais práticas.
Além da construção dos perfis de conscientização no consumo, realizou-se a análise fatorial
dos elementos. Três fatores foram identificados: hábitos de compra; práticas de economia
doméstica; e comportamento planejado.
Com base nessas reflexões pode-se identificar que o consumo consciente encontra-se em uma
etapa de transição da primeira fase para as duas fases evolutivas seguintes. Os resultados da
pesquisa indicam a necessidade de estimular ações que promovam uma forma de consumo mais
responsável e orientem os vários atores sociais a ampliar suas atitudes de consumo consciente, tais
como campanhas de conscientização que priorizam a disseminação de tais práticas.
Podem-se destacar, como possíveis diretrizes na criação de uma sociedade mais sustentável, a
inclusão do consumo consciente como tema em campanhas educativas que explorem a relação
direta entre o sistema social e ambiental e o indivíduo. Além dessa iniciativa, o incentivo à ideia de
que cabe ao consumidor avaliar até que ponto suas ações são norteadas por sua própria busca da
realização e da felicidade ou se, de alguma forma, tornaram-se um espelho de valores e hábitos que
não são seus.
O consumidor que se preocupa com a sustentabilidade paralelamente deveria conscientizar-se
das implicações de seus atos de consumo e compreender que está ao seu alcance exigir que as
dimensões sociais, culturais e ecológicas sejam consideradas pelas empresas. Essa atitude requer
mudança de posturas e atitudes individuais e coletivas no cotidiano.
5.2 Percepção dos clientes em relação às práticas sociais da Unimed
Muitas pesquisas têm sido realizadas sobre a Responsabilidade Social, mas pouco se tem
estudado sobre a ótica do consumidor. Um dos focos desse estudo visava responder a situação
problema dessa pesquisa quanto ao grau de importância que o cliente da Unimed Nordeste RS
percebe nas ações de responsabilidade social da cooperativa.
É válido destacar que, de fato, os consumidores mostram-se preocupados e consideram
importantes os esforços, por parte das organizações, no que diz respeito à responsabilidade social e
ao consumo consciente.
A RSC foi tratada na pesquisa como uma postura geral da cooperativa, e não pode ser
reduzida, para efeito das implicações gerenciais, a um investimento isolado. Isso significa que os
resultados do estudo não permitem afirmar que o investimento isolado em alguma causa social irá
gerar impactos positivos nas reações dos consumidores.
No entanto, se a empresa socialmente responsável decide investir em uma ação social
específica, os resultados dessa pesquisa sugerem que o tipo de ação escolhida pode fazer diferença
na reação dos consumidores. Na definição de qual projeto social investir, as empresas deveriam
buscar conhecer quais as ações mais valorizadas pelos seus consumidores. Portanto, a busca da
maximização do lucro e a utilização de práticas ambientais que reduzem o uso de recursos naturais
pelas empresas não são necessariamente incompatíveis. A competitividade empresarial e o uso
racional dos recursos naturais podem ser objetivos convergentes.
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
REFERÊNCIAS
Ashley, P., Queiroz, A., Cardoso, A., Souza, A., Teodósio, A., Borinelle, B., Ventura, E., Chaves,
J., Veloso, L., Aligleri, L., Lima, P. & Ferreira, R. (2003). Ética e Responsabilidade Social nos
Negócios. Rio de Janeiro: Saraiva.
Barros, D. F. & Da Costa, A. M. (2008). Consumo consciente no Brasil: um olhar introdutório
sobre práticas de resistência ao consumo por meio da análise do discurso do Instituto Akatu pelo
consumo consciente. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e
Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.
Cappellin, P., Giuliani, G. M., Morel, R. & Pessanha, E. (2002). As organizações empresariais
brasileiras e a responsabilidade social. In A. Kirschner, E. Gomes, & P. Cappellin, (Orgs.),
Empresa, empresários e globalização. Rio de Janeiro: Relume Dumará.
Carroll, A. B. (1991). The pyramid of corporate social responsibility: toward the moral
management of organizational stakeholders. Business Horizons, (34) 4:39-44.
Cheibub, Z. & Locke, R. (2002). Valores ou interesses? Reflexões sobre a responsabilidade social
das empresas. In A. Kirschner, E. Gomes, & P. Cappellin (Orgs.). Empresa, empresários e
globalização. Rio de Janeiro: Relume Dumará.
Comissão Europeia - CE. (2001). Promover um quadro europeu para a responsabilidade social das
empresas. Livro Verde. Bruxelas. Recuperado em 07 fevereiro, 2008, de
http://europa.eu.int/comm/employment_social/soc-dial/csr/greenpaper_pt.pdf.
Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum (2a ed.).
Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.
Crouch, S. & Housden, M. (1998). Marketing research for managers. Londres: CIM Publishing.
Dias, S. L. F. G. & Moura, C. (2007). Consumo sustentável: muito além do consumo “verde”. Anais
do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração,
Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 31.
Duarte, G. D. & Dias, J. M. (1986). Responsabilidade social: a empresa hoje. Rio de Janeiro:
Livros Técnicos e Científicos.
Ethos/Sebrae. (2003). Responsabilidade social empresarial para micro e pequenas empresas: passo
a passo. São Paulo: Instituto Ethos/Sebrae Nacional.
Fox, T., Ward, H. & Howard, B. (2002). Public sector roles in strengthening corporate social
responsibility: a baseline study. Washington: World Bank. Recuperado em 07 fevereiro, 2008, de
http://www.fias.net/ifcext/economics.nsf/AttachmentsByTitle/CSRCSR_interior.pdf/ $FILE/CSR-
CSR_interior.pdf.
Freeman, C. (1996). The greening os technology and models of innovation. Technological
Forecasting and Social Change (53), 27-39.
O consumo consciente
e sua relação com as ações de responsabilidade social empresarial
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
Furriela, R. B. (2001). Educação para o consumo sustentável. Ciclo de Palestras sobre Meio
Ambiente: Programa conheça a educação do Cibec/Inep – MEC/SEF/COEA.
Hair, J. F. et al. (2005a). Análise multivariada de dados (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.
Hair, J. F. et al. (2005b). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre:
Bookman.
Instituto Akatu. O que é consumo consciente? Recuperado em 02 janeiro, 2008, de
http://www.akatu.org.br/consumo_consciente/oque.
Kreitlon, M. P. (2005). Responsabilidade Social das Empresas: Regulação pelo Estado ou pela
sociedade Civil? Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e
Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 29.
Magalhães, J. M. (2007). A responsabilidade social corporativa e seus efeitos sobre a atitude em
relação à empresa e a intenção de compra dos consumidores. Dissertação de Mestrado,
Universidade do Vale do Rio Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.
Manzini, E. & Vezzolli, C. (2002). O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos
ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Edusp.
Mattar, F. N. (1996). Pesquisa de marketing. (Ed. compacta). São Paulo: Atlas.
Melo Neto, F. P. & Froes, C. (2001a). Gestão da responsabilidade social corporativa: O Caso
Brasileiro. Rio de Janeiro: Qualitymark.
Mohr, L. A. & Webb, D. J. (2005). The effects of corporate social responsibility and price on
consumer responses. Journal of Consumer Affairs (39)1,121-47.
Moura, M. L. S., Ferreira, M. C. & Paine, P. A. (1998). Manual de elaboração de projetos de
pesquisa. Rio de Janeiro: EdUERJ.
Murray, K. & Vogel, C. M. (1997). Using a Hierarchy-of-Effects Approach to Gauge the
Effectiveness of Corporate Social Responsibility to Generate Goodwill Toward the Firm: Financial
Versus Nonfinancial Impacts. Journal of Business Research, (38), 141-159.
Oliveira, J. A. (1984). Responsabilidade social em pequenas e médias empresas. Revista de
Administração de Empresa, (24) 4,203-210.
Oliveira, S. L. (2001). Tratado de metodologia científica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.
Pena, R. P. M., Neto, A. C., Coelho, H. M. Q. & Teodósio, A. S. S. (2005). Discurso e prática da
Responsabilidade Social: um estudo sobre a gestão do público interno em empresas signatárias do
Global Compact. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e
Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 29.
Pestana, M. H. & Gageiro, J. N. (2005). Análise de dados para ciências sociais: a
complementariedade do SPSS. Lisboa: Sílabo.
Mirele Tódero; Janaina Macke; Tamiris Sluminski Biasuz
Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 158-175, jan./abr., 2011.
Portilho, M. F. F. (2005). Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. São Paulo: Cortez.
Prates, R. M. C. (2004). Ação social das empresas privadas: uma metodologia para avaliação de
resultados. Tese de Doutorado, Fundação Getulio Vargas / EBAPE.
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. (1998). Consumo sustentável. São Paulo:
Secretaria do Meio Ambiente /IDEC /Consumers International.
Ribemboim, J. (Org.) (1997). Mudando os padrões de produção e consumo: textos para o século
XXI. Brasília: Ibama/MMA.
Roesch, S M. A. (1999). Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios,
trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso (2a ed.). São Paulo: Atlas.
Serpa, D. A. F. & Fourneau, L. F. (2004). O Consumidor ético brasileiro: realidade ou ficção? Anais
do Congresso Latino-Americano de Estratégia, 27. Santa Catarina, SC, Brasil.
Srour, R. H. (2000). Poder, Cultura e Ética nas Organizações. Rio de Janeiro: Campus.
World Business Council for Sustainable Development - WBCSD. (2002). Corporate social
responsibility: the WBCSD’s journey. Recuperado em 07 fevereiro, 2008, de
http://www.wbcsd.ch/DocRoot/I0NYLirijYoHBDflunP5/csr2002.pdf .
Yin, R. K. (2001). Estudo de caso; planejamento e métodos (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.
__________________________________
Data do recebimento do artigo: 08/09/2010
Data do aceite de publicação: 15/03/2011
... Nesse sentido, a sustentabilidade pressiona e desafia as empresas a considerarem questões como o impacto ambiental dos materiais utilizados na produção, implicações sociais de seus produtos e operações e, em alguns casos, questiona-se a real necessidade de seus produtos para a sociedade (BRADY et al., 1999). Desta forma, as empresas desenvolvem soluções sustentáveis para se adaptarem às novas demandas ambientais sem deixar se observar as demandas dos consumidores, visto que a busca da sustentabilidade passa, inevitavelmente, pelo equacionamento da questão do consumo (TÓDERO et al., 2011). ...
... A promoção do consumo sustentável depende da conscientização dos indivíduos sobre a importância de tornarem-se consumidores responsáveis (TÓDERO et al., 2011), assim como também deve partir da iniciativa das empresas, estas que têm o potencial de influenciar a decisão de compra dos consumidores principalmente pela qualidade e preço atribuídos à mercadoria (MICHAUD e LLERENA, 2011). Tsai (2012) entende que, com as mudanças no meio ambiente e o aumento da conscientização sobre a proteção ao meio ambiente, o setor industrial começou a dedicar pesquisas e desenvolvimento sobre produtos que refletem as necessidades de preservação ambiental, assim como permite que mantenham uma parcela do mercado e vantagem competitiva. ...
... Desta forma, Tódero et al. (2011) explicam que o consumidor verde é definido como aquele que, além das variáveis relacionadas com qualidade e preço, inclui em seu poder de escolha a variável ambiental, preferindo produtos que não agridam ou sejam percebidos como não-agressivos ao meio ambiente. Para os autores, o consumidor verde estaria assim contido no conceito de consumo sustentável. ...
Article
Full-text available
Como resultado da crescente preocupação com o ambiente, a sustentabilidade pressiona e desafia empresas a considerarem questões como o impacto ambiental dos materiais utilizados na produção, implicações sociais de seus produtos e operações e, em alguns casos, a real necessidade de seus produtos para a sociedade. Haja vista essas questões, o objetivo geral desta pesquisa consiste em analisar o perfil do consumidor brasileiro em relação aos produtos sustentáveis, considerando suas características pessoais e sociais. Este estudo se caracteriza como descritivo, utilizando como procedimento de pesquisa a aplicação de questionário com escala Likert e, quanto à abordagem do problema a pesquisa é classificada como quantitativa. Utilizou-se ainda os testes T de Student e Mann-Whitney para analisar a significância das variáveis gênero, escolaridade e renda como fatores determinantes do nível de conscientização ambiental. Além disso, aplicou-se a análise de regressão linear para verificar as relações de influência entre o nível de conscientização ambiental, a intenção de compra e compra efetiva de cada respondente. Com base nas respostas de uma amostra de 242 pessoas residentes na Região Metropolitana de Belo Horizonte, os resultados da pesquisa permitiram concluir que quanto maior o nível de escolaridade e renda, maior o nível de conscientização ambiental. Por outro lado, não foi possível constatar significância estatística da variável gênero. Com base na aplicação da regressão linear, foi possível verificar que o nível de conscientização ambiental influencia diretamente na intenção de compra e compra efetiva de produtos verdes assim como a intenção de compra influencia na compra efetiva.
... Sob a ótica de as discussões em torno do componente ambiental, relacionado aos padrões de consumo, vêm ganhando espaço no viés do marketing e do comportamento de compra de consumidores, porém ainda se mostra incipiente em cenário nacional. Tódero, Macke & Biasuz (2011) relataram que os respondentes de sua pesquisa atribuem certo grau de relevância as boas práticas ambientais relacionadas ao comportamento de compra, porém não são enquadrados como consumidores conscientes. ...
... A dimensão do "Hábitos conscientes" (Fator 3) corrobora com os trabalhos de Dias, Teodósio, Carvalho & Silva (2009) ;Tódero, Macke & Biasuz, (2011);Silva, Corrêa, Costa, Albuquerque & Almeida, (2012). Os referidos trabalhos extraíram uma dimensão a partir da correlação entre variáveis relacionadas ao desperdício de água e/ou de energia. ...
Article
Este estudo teve como objetivo verificar o nível de consciência ambiental dos futuros formadores de opinião da Universidade Federal do Paraná no momento de consumo. Os dados foram obtidos por meio da aplicação de questionário aplicado a 180 estudantes de uma IFES. Após análise inicial para testar a multicolinearidade e existência de outliers múltiplos, as variáveis foram submetidas a Análise Fatorial Exploratória. Pelo critério de Kaiser, combinado com a análise do diagrama de sedimentação (scree plot) as variáveis foram agrupadas em 4 fatores, submetidos à análise de confiabilidade pelo cálculo do Alpha de Cronbach. Todos os fatores apresentaram índices adequados para um estudo experimental. O resultado apresenta escala robusta para a mensuração do comportamento desejado, identificando diferenças relevantes de resultados entre os fatores, sugerindo a existência de comportamentos diferenciados para situações específicas.
... Source: Adapted according to Tódero et al. (2011) Table 2, which shows the sequence used in the data analysis, presents the following topics: the steps to be followed, the theoretical framework and the executed operation (Tódero et al. 2011). Only the completed questionnaires were considered. ...
... Source: Adapted according to Tódero et al. (2011) Table 2, which shows the sequence used in the data analysis, presents the following topics: the steps to be followed, the theoretical framework and the executed operation (Tódero et al. 2011). Only the completed questionnaires were considered. ...
Article
Full-text available
Purpose This paper aims to analyze the adherence of social responsibility management (SRM) in Brazilian organizations and to identify the driving and the resistance forces to implement it. Design/methodology/approach This article presents a deep literature review on SRM, corporate social responsibility (CSR) and stakeholder management, which aim to support a survey research to define, according to experts, the market perception of adherence of SRM. Findings The paper presents evidence that there is adherence on the part of the practices of organizations that adhere to the theoretical foundations of SRM in Brazil. It was found that organizations should seek to improve nine areas to implement SRM and can use each of these areas strategically or all together. Practical implications This study provides an opportunity for employees whose perceptions are aligned based on educational programs and engagement in CSR, and these gains favor the improvement of their own management and the quality of relationships. Social implications The research provides an opportunity to recast actions and the possibility of being recognized by stakeholders as active agents in this process. Originality/value This study sheds new light on both SRM and the CSR literature because of its attempt to bridge the theoretical foundations and market practices, which was performed to verify the gaps in corporative SRM process of Brazilian organizations. This study highlights for researchers and practitioners a relevant field of study whose importance is widely recognized but whose results remain scarce and limited.
... According to Tódero et al. (2011), conscious consumers tend to have a stronger awareness about the companies that practice CSR, that is to say, the level of consciousness towards consumption influences the perception and significance of the social actions performed by the corporations. To reduce this potential bias, subjects were categorized into two groups -Conscious and Not conscious -according to the answers given to a questionnaire, designed and previously tested by an international financial institute, about the level of awareness regarding the use of money and credit (Cetelem BGN -IPSOS, 2011). ...
... In relation to credibility of the discourse, despite the fact that Conscious students showed some disbelief in the financial institution's discourse, they thought it was more credible than the Not Conscious students, as predicted by Tódero et al. (2011): I don't believe it totally, to be honest, I am a bit suspicious, that is why I told you it is a bank. [. . ...
Article
Full-text available
Purpose The purpose of the present research is first to assess the financial education’s effectiveness, examining how a specific communication regarding the use of money could help new consumers from low-income families avoid insolvency. The second is to analyse the impact of this corporate social responsibility (CSR) activity on a Brazilian bank’s image. Design/methodology/approach The research used a qualitative methodology based on in-depth interviews using three advertising films, which served as an enhanced element to prompt students to evaluate the discourse of sensible use of money and credit and the bank’s image. Findings The results showed that the students are very receptive to the ideas shown by the bank advertising films. Nevertheless, the interviewees showed a certain degree of suspicion toward the initiative and intentions of the bank. The perceived corporate image was clearly ambiguous, with the financial institution showing its advertising film about the careful use of money in complete contrast to actual bank branch practices in which employees offer and encourage young students from low-income families to get loans and credit cards. The bank became more socially responsible merely to cut costs and as a consequence did not improve its image. Practical implications For CSR in banks to be real and have a positive impact on society, the authors suggest that the bank enter into a cooperation or sponsorship agreement with the federal government or any public sector institution or non-governmental organizations. The form, the arguments and the language of the bank’s financial education campaign examined in this article seemed to be capable of serving social purposes or benefiting society. Social implications Educating consumers in the conscious use of money reduces delinquency rates and increases banks’ profits while, at the same time, benefiting society economically. The bank’s positive experience in terms of financial education could help the Brazilian government and other institutions with the same purpose. The advertising campaign provides some insights for the Brazilian government financial education program to which it has given high priority (BCB, 2015). Originality/value The article expands studies on CSR in developing countries and of attitudes toward it in the emerging middle class, two issues that have received scant attention. The study reinforces Carroll and Shabana’s view (2010) that companies are becoming more socially responsible merely to cut costs and Porter and Kramer’s call that to be really strategic the action must not appear to be mitigating the very harm it has caused.
Article
O objetivo deste trabalho é fazer uma análise da prática de Responsabilidade Social Ambiental, no contexto da RSC, de empresas brasileiras, no período 1996-2008, tendo como base, informações divulgadas no Balanço Social. A partir de indicadores de Responsabilidade Ambiental, referentes às ações ambientais internas e externas das empresas, fez-se uma avaliação comparativa desta vertente da RSC com as demais, avaliou-se comparativamente a Responsabilidade Ambiental entre setores considerados com maior potencial de impacto ambiental, de acordo com a Lei n°10.165/2000, e, se a promulgação deste instrumento legal interferiu na intensidade da Responsabilidade Ambiental no Brasil. Os resultados mostraram que as empresas brasileiras apresentaram indicadores de Responsabilidade Ambiental mais elevado após o advento da Lei n° 10.165/2000 e que empresas de setores classificados pela referida Lei, como mais ambientalmente impactantes, têm indicador de responsabilidade ambiental superior. Tais resultados indicam que, de fato, parece haver um efeito positivo do fator regulamentação para a responsabilidade ambiental no Brasil.
Article
RESUMO Este artigo tem como objetivo compreender como o jovem adulto universitário de classe C interpreta o discurso do consumo consciente do dinheiro e do crédito veiculado em filmes publicitários de instituições financeiras. Além disso, o estudo buscou identificar se os filmes publicitários influenciam o comportamento dos alunos em relação ao seu consumo financeiro. A pesquisa utilizou a metodologia qualitativa, com entrevistas em profundidade que contaram com a apresentação de três filmes publicitários, iniciativa que serviu como um elemento estimulante para provocar a avaliação dos alunos sobre o discurso do consumo consciente do dinheiro e do crédito. Os resultados indicam que os alunos mostram-se bem receptivos ao discurso para o consumo consciente financeiro veiculado pelos filmes publicitários, e que remetem, principalmente, às ideias de "economia e planejamento para o futuro". Em geral, os entrevistados deixaram transparecer certo grau de desconfiança em relação à iniciativa e intenção das instituições financeiras. Demonstrações de dúvidas, receios, estranhamento, suspeitas, desconforto, foram reações comuns entre os alunos. Também foi possível observar que os filmes não exercem influência imediata no comportamento de consumo financeiro dos alunos, mas funcionam como uma espécie de lembrete, um alerta para refletir sobre a questão da organização financeira. Palavras chave: consumo consciente, crédito, classe C e discurso publicitário ABSTRACT This article aims to understand how a young college student of class "C", interprets the discourse of conscious use of money and credit expressed in advertising films of financial institutions. Moreover, the study sought to identify whether those films affect the behavior of students visa -vis their financial consumption. The research used a qualitative methodology, with in-depth interviews using three advertising films, which served as an enhanced element to arouse student´s evaluation of the discourse of conscious use of money and credit. The results showed that the students are well receptive to the discourse for conscientious financial consumption displayed in the advertising films, that enhance, primarily, the ideas of "economy and planning for the future". On the whole, the interviewees showed a certain degree of suspicious toward the initiative and intentions of financial institutions. Doubts, fears, awkwardness, mistrusts, were common reactions amongst students. We could also observe that the films had no immediate influence on the students´behaviorstudents´behavior concerning financial consumption, but served as sort of reminder, an alert to ponder on the theme of financial organization.
Article
Full-text available
This study aims to analyze the adherence of business practices to the theoretical foundations of the Corporate Social Responsibility Management. The methodology is considered exploratory and descriptive, quali-quantitative and empirical nature with an inductive strategy. It was possible to check the gap between social expectations of stakeholders and what really happens in the day-to-day business operations, by comparing state of the art from review of the literature on issues of corporate social responsibility with the market practice by a survey with experts acting in different industry sectors.
Article
Full-text available
O objetivo deste trabalho é fazer uma análise da prática de Responsabilidade Social Ambiental, no contexto da RSC, de empresas brasileiras, no período 1996-2008, tendo como base, informações divulgadas no Balanço Social. A partir de indicadores de Responsabilidade Ambiental, referentes às ações ambientais internas e externas das empresas, fez-se uma avaliação comparativa desta vertente da RSC com as demais, avaliou-se comparativamente a Responsabilidade Ambiental entre setores considerados com maior potencial de impacto ambiental, de acordo com a Lei n°10.165/2000, e, se a promulgação deste instrumento legal interferiu na intensidade da Responsabilidade Ambiental no Brasil. Os resultados mostraram que as empresas brasileiras apresentaram indicadores de Responsabilidade Ambiental mais elevado após o advento da Lei n°10.165/2000 e que empresas de setores classificados pela referida Lei, como mais ambientalmente impactantes, têm indicador de responsabilidade ambiental superior. Tais resultados indicam que, de fato, parece haver um efeito positivo do fator regulamentação para a responsabilidade ambiental no Brasil.
Article
Full-text available
Corporate social responsibility (CSR) has long been widely acknowledged as something business should be more concerned with. However, few management models that encourage this to happen and by which managers can assess the impact of such activity on either stakeholders and/or the firm have been offered. This article describes why and how prosocial activities of the firm should be managed—and evaluated—in a conscious and explicit manner using another accepted, market-relevant paradigm. A management perspective that encourages the evaluation and control of prosocial activities by business using a hierarchy-of-effects technique to gauge impact on attitudes and behaviors of stakeholders is offered. Pilot study data derived from a controlled experiment support the view described and illustrate how goodwill can be evaluated using an affects approach to CSR.
Article
Full-text available
I present a structural empirical model of collective household labour supply that includes the non-participation decision. I specify a simultaneous model for hours, participation and wages of husband and wife. I discuss the problems of identification and statistical coherency that arise in the application of the collective household labour supply model. The model includes random effects and it is estimated using a panel data set of Dutch couples. The estimates allow me to check the underlying regularity conditions on individual preferences and to obtain estimates of the sharing rule that governs the division of household income between husband and wife. Copyright © The Author(s). Journal compilation © Royal Economic Society 2009.
Article
This experiment examined the influence of corporate social responsibility and price on consumer responses. Scenarios were created to manipulate corporate social responsibility and price across two domains (environment and philanthropy). Results from a national sample of adults indicate that corporate social responsibility in both domains had a positive impact on evaluation of the company and purchase intent. Furthermore, in the environmental domain corporate social responsibility affected purchase intent more strongly than price did.
Article
The study suggests that the question of whether the world economy can move to a new and sustainable pattern of growth remains open. It is both a question of methods of regulation, economic incentives, and other institutional changes and a question of technological innovations. Although more attention has been paid to incentives and institutions, the potential offered by continuous technological change has been rather neglected. This emerges as a central issue in the “limits to growth” debate and its resulting world models. The study argues that, to realize large technoeconomic system transitions, society needs to develop a new model of innovation, combining some features of the much criticized linear model with features of the systemic innovation model.
Article
In the recent years Corporate Social Action (CSA) has become more and more relevant to corporate context. The aim is to benefit both poor communities and the donnor companies, as it meets the needs of their salient stakeholders. Nevertheless, there still exists considerable scepticism concerning CSA. In order to become a solid management practice, it is critcal to evidence the attained results. Up to now, the focus has been on process evaluation, that is, on the policies companies are adopting. Literature revision has shown a great need of studies related to results identification in this field. Therefore, using stakeholders` framework (according to Wood, 1991; Donaldson and Preston, 1995; Hopkins, 1997; Hamil, 1999), we have developped a methodology to evaluate CSA results, based on public and private effectiveness criteria. As we applied it to assess Xerox social action in Brazil we were able to identify the attainment degree of expected results related to the benefitted community (Mangueira) and also to some Xerox salient stakeholders (employees and clients). Nos últimos anos, a ação social das empresas (ASE) vem cada vez mais ganhando relevância no contexto corporativo. A expectativa é de que essa ação possa beneficiar tanto as comunidades carentes como a própria empresa, na medida em que atenda aos interesses dos seus stakeholders relevantes. No entanto, ainda existe considerável ceticismo quanto à ASE. Para que ela se torne uma prática de gestão sólida, torna-se fundamental evidenciar os resultados alcançados. Até o momento, o foco das avaliações tem sido no processo, ou seja, nas medidas que as empresas vêm tomando. Por outro lado, a revisão da literatura apontou a grande carência de estudos no que diz respeito à identificação de resultados nessa área. Assim, utilizando o enfoque dos stakeholders (Wood, 1991; Donaldson e Preston, 1995; Hopkins, 1997; Hamil, 1999), desenvolvemos uma metodologia para avaliar os resultados da ASE com base nos critérios da eficácia pública e da eficácia privada. Quando a aplicamos para avaliar a ação social da Xerox no Brasil, pudemos identificar o grau de alcance dos resultados esperados para a comunidade atendida (Mangueira) e para alguns dos seus stakeholders relevantes (funcionários e clientes).
Ética e Responsabilidade Social nos Negócios
  • P Ashley
  • A Queiroz
  • A Cardoso
  • A Souza
  • A Teodósio
  • B Borinelle
  • E Ventura
  • J Chaves
  • L Veloso
  • L Aligleri
  • P Lima
  • R Ferreira
Ashley, P., Queiroz, A., Cardoso, A., Souza, A., Teodósio, A., Borinelle, B., Ventura, E., Chaves, J., Veloso, L., Aligleri, L., Lima, P. & Ferreira, R. (2003). Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. Rio de Janeiro: Saraiva.