Conference PaperPDF Available

Lost in translation: Precisamos descodificar o “código científico” ao público?

Authors:

Abstract

PORTUGUESE O actual nível de desenvolvimento científico e tecnológico contrasta com a reduzida literacia científica da maioria dos cidadãos. Um dos argumentos apontados para justificar este fenómeno tem sido o de que os cientistas comunicam num “código” imperscrutável que se torna necessário descodificar na comunicação de ciência ao público. Neste artigo é abordada a questão da importância da literacia científica na actual sociedade da informação, analisam-se algumas causas possíveis para o afastamento do público da ciência e discute-se a pertinência de despojar a comunicação de ciência de terminologia científica essencial, questionando se o que é ganho ao “descodificar o código científico” compensa o que é perdido na tradução. ENGLISH The current level of scientific and technological development contrasts with the low level of scientific literacy found in most citizens. One of the arguments brought forward to justify this phenomenon has been that scientists communicate in an inscrutable “code”, and therefore necessary to decode when communicating science to the public. In the present paper, the relevance of scientific literacy in today’s information society is briefly re-viewed and some possible causes for the public’s detachment from science are explored; and the need for leaving out essential scientific terminology from science communication is discussed, questioning whether what is “lost in translation” can be offset by what is gained from “decoding the scientific code”.
Cadernos Mateus DOC VI · Código
95
Lost in translation: Precisamos descodificar o
“código científico” ao público?
Nuno Henrique Franco
Resumo
O actual nível de desenvolvimento científico e tecnológico contrasta
com a reduzida literacia científica da maioria dos cidadãos. Um dos
argumentos apontados para justificar este fenómeno tem sido o de
que os cientistas comunicam num “código” imperscrutável que se
torna necessário descodificar na comunicação de ciência ao público.
Neste artigo é abordada a questão da importância da literacia
científica na actual sociedade da informação, analisam-se algumas
causas possíveis para o afastamento do público da ciência e discute-
se a pertinência de despojar a comunicação de ciência de
terminologia científica essencial, questionando se o que é ganho ao
descodificar o código científico” compensa o que é perdido na
tradução.
Palavras-chave: Ciência, Comunicação, Código, Linguagem,
Literacia Científica.
Abstract
The current level of scientific and technological development
contrasts with the low level of scientific literacy found in most
citizens. One of the arguments brought forward to justify this
phenomenon has been that scientists communicate in an inscrutable
“code”, and therefore necessary to decode when communicating
science to the public. In the present paper, the relevance of scientific
literacy in today’s information society is briefly re-viewed and some
possible causes for the public’s detachment from science are
explored; and the need for leaving out essential scientific
terminology from science communication is discussed, questioning
whether what is “lost in translation” can be offset by what is gained
from “decoding the scientific code”.
Key-words: Science, Communication, Code, Language, Scientific
Literacy.
96 IICM · Instituto Internacional Casa de Mateus
Somewhere, something incredible is waiting to be known.
- Carl Sagan
Da literacia científica e da sua importância
O conceito de literacia científica tem sido alvo de múltiplas
definições e interpretações (sumariamente descritas em Norris e
Phillips 2003), que no geral representam diferentes competências
que se complementam ou sobrepõem e que podem variar ao
nível da exigência cognitiva ou de conhecimento necessários à sua
consecução. Para o âmbito deste artigo tomar-se-á uma definição
geral de literacia científica como a capacidade de compreender
questões, notícias, fenómenos e acontecimentos que requeiram o
conhecimento de factos e conceitos científicos elementares, bem
como um entendimento da ciência como produto da actividade
humana com valores, metodologia e linguagem próprias (ver, por
exemplo, Burns, O’Connor e Stocklmayer 2003, Ryder 2001, Hazen e
Treil 2009, Laugksch 2000). Thomas e Durant listaram nove
vantagens de uma maior literacia científica do público, contando-se
entre estas benefícios intelectuais, estéticos e morais; mas também
para a ciência, a economia, a democracia e a sociedade como um
todo (Thomas e Durant 1987). A literacia científica tem assim um
impacto diário na vida dos cidadãos, ao permitir levar a cabo
competentemente tarefas tão diversas como interpretar a bula de um
medicamento, acompanhar um debate sobre alimentos
geneticamente modificados, decidir entre consultar um médico ou
um homeopata, identificar publicidade, propaganda e informação
enganosa ou tomar decisões alimentares saudáveis, entre muitas
outras.
Não obstante a sua importância para o dia-a-dia, os níveis de
literacia científica e interesse pela ciência são geralmente baixos na
generalidade dos países desenvolvidos. Isto é particularmente
notório em Portugal, a julgar pela performance dos cidadãos
portugueses em inquéritos conduzidos nos anos 90 e década de
2000, que colocam o país na cauda da Europa a este respeito (Miller
1998, Bettencourt-Dias, Coutinho, e Araújo 2012, Miller et al. 2002).
A fraca prestação nestes indicadores no país é transversal a factores
como a idade, sexo e perfil socioeconómico. Aliás, num estudo
envolvendo vários países europeus, “ser português”
Cadernos Mateus DOC VI · Código
surge, estatisticamente, como um factor correlacionado com uma
reduzida literacia científica, algo sem paralelo nos restantes países
analisados (Pardo e Calvo 2006). Isto merece a maior atenção,
considerando que uma literacia científica deficitária torna a
formação de opiniões, atitudes e decisões sobre temas que
requeiram uma compreensão objectiva e científica da realidade mais
vulnerável à ignorância, preconceito, ideologia política,
militantismos partidários, afiliação religiosa ou manipulação por
vários grupos de interesse, influências que, por sua vez, podem por
si gerar atitudes anticientíficas (Stocking e Holstein 2009, Jelen e
Lockett 2014), perpetuando um ciclo vicioso. A iliteracia científica
surge assim como um obstáculo à análise objectiva dos factos e a
uma intervenção cívica e participação democrática informadas
(Thomas e Durant 1987, Hazen e Treil 2009, Pearson, Moje, e
Greenleaf 2010, Pardo e Calvo 2002, Bucchi 2008). Não é assim de
estranhar que Portugal surja como exemplo paradigmático de um
país ocidental com índices de cidadania científica o interesse,
envolvimento, promoção e defesa da ciência por parte de cidadãos
não-cientistas muito diminutos, fruto de um reduzido interesse e
falta de competências básicas em matéria de ciência e tecnologia
(Mejlgaard e Stares 2012).
Uma compreensão deficitária do processo científico e do impacto da
ciência no dia-a-dia (cujo entendimento não requer necessariamente
saber muitos factos científicos) pode também, a par de outros
factores, fazer diminuir o apoio ao investimento em ciência, ou a
algumas áreas específicas, pelos cidadãos (Thomas e Durant 1987,
Burns, O’Connor, e Stocklmayer 2003, Laugksch 2000, Hodson
2008) podendo colocar algumas áreas científicas em risco,
sobretudo as mais dependentes de financiamento público.1 Uma
outra consequência da falta de literacia científica na qualidade de
vida dos cidadãos é que os torna vulneráveis a logros como a
astrologia (que em Portugal é tida como científica por 45% das
pessoas, Eurobarometer 2005), a pseudociências como a
homeopatia (tida como científica por 40% da população,
Eurobarometer 2005) e outras ditas medicinas alternativas”, à
crença em mitos religiosos (70% acreditam numa qualquer
divindade e 15% num “espírito” ou “força vital”, Gaskell et al 2010)
como o criacionismo ou mesmo a atitudes extremistas, como é disso
exemplo a oposição por actos
97
1. Um maior conhecimento
científico poderá em certas
situações também resultar
num maior cepticismo
relativamente às
motivações dos cientistas e
às consequências éticas ou
ambientais de alguns
avanços científicos,
principalmente se o
público se sentir excluído
do debate sobre estes
temas (Cribb e Hartomo
2002a, Bauer 2008,
Vincent 2013, Hodson
2008).
98
2. É de salientar, contudo,
que em Portugal, até à
data, não há registo de
quaisquer acções violentas
da parte de activistas dos
animais, nem se espera
que tal venha a ocorrer.
A retórica e o recurso ao
negacionismo científico
são, contudo, muito
similares às dos grupos
extremistas estrangeiros.
IICM · Instituto Internacional Casa de Mateus
de violência e vandalismo aos institutos e investigadores que levam a
cabo investigação biomédica em animais. 2
2. A Ciência como um mundo à parte
Em 1956 C.P. Snow dividiu o mundo intelectual em duas culturas:
uma representada pelos intelectuais nas humanidades que na
primeira metade do século XX se consideravam os únicos legítimos
“intelectuais” e uma outra representada pelos cientistas. Segundo o
cientista, escritor e político, aqueles identificados com uma das
facções culturais ignoravam as contribuições da outra,
desconsiderando os intervenientes do lado oposto, a sua actividade e
a sua linguagem. Contudo, havia da parte dos cientistas, médicos e
engenheiros um maior empenho em conhecer e cultivar o gosto pelas
humanidades como a literatura, a filosofia, história ou o direito e
as artes como a pintura, a arquitectura ou a música chegando
alguns a ser referências nesses domínios; ao passo que o inverso era
mais incomum, pelo que a generalidade dos mais ilustres intelectuais
do mundo literário, artístico e político ignoravam factos científicos
básicos, bem como elementares métodos e fundamentos das ciências
naturais (Snow 1956, Kelly 1998).
Mais de 50 anos volvidos após o famoso ensaio de Snow, e apesar do
desenvolvimento científico e tecnológico alcançado desde então em
áreas como a medicina, a astronomia, a biologia ou a informática,
persistem não obstante elevados níveis de iliteracia científica na
sociedade, inclusive no seio das elites intelectuais literárias,
artísticas e políticas, frustrando as melhores previsões de Snow do
que viria a ser o perfil do homem educado do final do século XX
(Kelly 1998). O distanciamento entre a ciência e a sociedade como
um todo, aliás, é de maior relevância nos dias de hoje que a questão
das diferenças entre as várias elites culturais, dada a importância da
literacia científica para a participação informada e democrática dos
cidadãos na actual sociedade do conhecimento.
A ciência é, por muitos, tida como um corpo de conhecimentos de
cariz técnico, reservada a uma minoria com especial aptidão para
estas disciplinas. Esta concepção vê-se refletida no programa
Cadernos Mateus DOC VI · Código
99
curricular do ensino secundário em Portugal, no qual os cursos de
Ciências Sociais e Humanas, de Línguas e Literatura e de Artes
Visuais estão isentos de quaisquer disciplinas científicas, com a
excepção de “Matemática Aplicada às Ciências Sociais” como
opcional. Em contrapartida, os cursos de Ciências e Tecnologias têm
como disciplinas obrigatórias “Português”, “Língua Estrangeira” e
Filosofia”, podendo ainda ter como opcionais “Clássicos da
Literatura”, “Direito”, “Filosofia A” (12º ano), “Grego”, “Educação
Moral e Religiosa Católica” e até mais duas línguas estrangeiras
(Ministério da Educação, 2007). Esta secundarização das disciplinas
científicas no ensino secundário simultaneamente reflecte e
perpetua o actual panorama de uma sociedade onde o
desconhecimento de factos e princípios fundamentais da ciência são
amplamente aceites como algo natural e por vezes até motivo de
despudorado orgulho.
Um dos argumentos esgrimidos para justificar o actual status quo é
a barreira levantada pela opacidade do discurso científico (Fang
2005, Wellington e Osborne 2001) um “código científico” opaco aos
“não-iniciados” sem a respectiva descodificação. Uma das
abordagens de gabinetes de comunicação das instituições científicas
e media tem sido assim a de procurar “descodificar o código
científico”, o que poderá no entanto ter por vezes um efeito perverso
na forma da simplificação excessiva, do sensacionalismo, da
distorção da informação ou da redução da ciência a um conjunto de
sound bites redutores (Hayes e Grossman 2006, Brechman, Lee, e
Cappella 2009, Verhoeven 2010). Quando a comunicação da ciência
se caracteriza pela enfatização, emotividade e criação de mitos entra
em conflito com o próprio ethos de objectividade, racionalismo e
desconstrução de mitos da ciência, pondo em risco a sua
credibilidade aos olhos do público (Bauer 2012). A tendência actual
para melhorar a comunicação de ciência tem-se focado mais em
treinar os cientistas para comunicarem com o público e os media
(nomeadamente sob a forma de livros, palestras e workshops) do
que em assegurar que os cidadãos e jornalistas sejam capazes de
interpretar informação científica incluindo notícias sobre a ciência
nos media
de modo crítico, objectivo e competente, o que requer não o
conhecimento e compreensão de factos e conceitos científicos, mas
também dos valores, métodos, virtudes e imperfeições da
100 IICM · Instituto Internacional Casa de Mateus
ciência e dos seus intervenientes. É assim da maior premência
desenvolver mais esforços neste sentido, de modo a dotar os
cidadãos das competências que lhes permitam navegar numa
sociedade inundada por informação científica a par de contra -
informação para servir interesses comerciais, económicos, políticos
ou mesmo religiosos (Stocking e Holstein 2009, Jelen e Lockett
2014) dando lugar a uma participação cívica mais informada e
uma vida mais plena. Isto passa também pela capacidade de ler e
interpretar informação escrita na linguagem da ciência, como
desenvolvido de seguida.
3. “Código Científico”: o jargão e a linguagem da ciência
A ciência fala mas sobretudo escreve numa língua própria, fruto
da necessidade dos cientistas apresentarem, discutirem e
descreverem objectos e conceitos complexos e frequentemente
abstractos de uma forma inteligível, inequívoca e fidedigna à
realidade com os seus pares (Osborne 2002, Fang 2005). É
indesmentível que isto é em grande parte conseguido através do uso
de terminologia técnica, ou “jargão”, de aplicabilidade e significado
específico para áreas específicas, mas obscuro a todos aqueles fora
do grupo social ou profissional onde se origina e difunde (Sharon e
Baram-Tsabari 2013).
A expansão, ramificação e aprofundamento do conhecimento
científico em várias disciplinas científicas trouxe consigo um sem-
número de novas terminologias, siglas e acrónimos (Montgomery
2004). Isto aconteceu com particular incidência nas ciências
biológicas, no seio das quais diariamente surge a necessidade de
designar novos genes, proteínas, estruturas, microorganismos,
processos celulares e metabólicos, o que trouxe consequências para o
nível de conhecimento especializado necessário para compreender
um artigo científico. Ao passo que no início do século XX o léxico
usado em revistas científicas generalistas como a Nature
e a
Science
era equiparável ao de jornais generalistas como o New York Times
a
julgar por indicadores da dificuldade lexical, como o “índice LEX” (K
night 2003)
hoje predomina o jargão, cuja compreensão é restri
ta a especialistas duma dada área (Montgomery 2004).
Cadernos Mateus DOC VI · Código
101
O uso de jargão científico é contudo útil na comunicação da ciência
entre pares, pois permite representar esquemas mentais,
conceptualizar novos factos e descobertas e designar e comunicar
com rigor e eficiência conceitos (Sharon e Baram-Tsabari 2013,
Knight 2003). É ainda um reflexo da constante inovação,
descoberta, complexidade e evolução científica e tecnológica.
Contudo, torna-se um código de difícil leitura para todos aqueles
fora do círculo de especialistas, inclusive outros cientistas
(Montgomery 2004, Burns, O’Connor, e Stocklmayer 2003, Locke
1999), que até certa medida podemos considerar leigos no que diz
respeito a outras áreas científicas. Por essa razão, o conselho
tipicamente dado aos investigadores para removerem o uso de
jargão na comunicação do seu trabalho a jornalistas ou aos media
(e.g. Sharon e Baram-Tsabari 2013, Burns, O’Connor, e Stocklmayer
2003, Cribb e Hartomo 2002b) deveria ser também extensível a
toda a comunicação cujo alcance se possa estender além da estrita
comunidade afecta à sua subdisciplina, incluindo os resumos e
parágrafos introdutórios dos artigos científicos onde publicam
(Knight 2003). Promover desta forma a compreensão do conteúdo e
implicações de um artigo científico a especialistas de outras áreas
pode inclusive aumentar o número de oportunidades para
colaborações interdisciplinares. A interdisciplinaridade pode, por
outro lado, permitir alargar o uso de jargão de uma dada área
científica a outros domínios do saber nas ciências ou humanidades
enriquecendo-as vocabularmente, mas também abrindo a reflexão
e investigação sobre novos conceitos a outras áreas (Montgomery
2004).
Não obstante a importância de tornar a informação científica
destinada ao público menos carregada em jargão técnico, há no
entanto que ponderar a pertinência de “traduzir” toda a
terminologia científica na comunicação de ciência, pois poderemos
estar a privar os cidadãos de integrar no seu reportório vocabular
ter-mos e eventualmente a compreensão dos conceitos a eles
associados que possam surgir em novas situações e contextos, com
implicações directas para a sua literacia científica e cidadania
participativa. A porosidade da interface entre o vocabulário
científico e o vocabulário geral deve assim permitir o luxo de novos
termos e conceitos científicos relevantes e torná-los mais próximos
do vocabulário comum. Evidentemente, isto pressupõe uma
102
3. Imagine-se como seria
interpretado um relato de
futebol se os ouvintes não
dominassem a priori
conceitos como o offside.
Isto obrigaria à descrição
do mesmo no início ou
decorrer do jogo sem
garantias contudo da
compreensão da explicação
ad hoc ou a que os
ouvintes ficassem na
ignorância relativamente à
razão pela qual o jogo fora
interrompido ou um golo
da sua equipa anulado.
Como acontece com a
terminologia científica que
acaba por permear para o
vocabulário comum, é pelo
uso regular e devidamente
contextualizado do termo
que o conceito acaba por
ser integrado, com maior
ou menor fidelidade ao seu
significado original, como
parte do património lexical
comum.
IICM · Instituto Internacional Casa de Mateus
escolha de quais os termos científicos a incorporar quando
comunicamos com o público, tomando em consideração factores
como a sua relevância para a compreensão da mensagem, a utilidade
da sua aquisição e compreensão para a literacia científica do público,
a relevância da sua incorporação no vocabulário geral e a
exequibilidade de explicar o seu significado através do meio, método
e mensagem em particular escolhidos, entre outros. Este é um
exercício necessário considerando que a) o extenso jargão das
múltiplas subdisciplinas e sub-subdisciplinas científicas não é
igualmente relevante para o público não-científico, ou mesmo para
cientistas de outras áreas e b) que há um limite para o número de
termos e conceitos novos que podemos introduzir numa conversa ou
apresentação sem alienar o interlocutor ou o leitor (tendo sido
proposto um limite de um termo novo para cada 50 termos
familiares, Sharon e Baram-Tsabari 2013). É necessário assim
identificar os termos e conceitos mais importantes, bem como
avaliar aqueles cujo uso é mais prático que procurar descrevê-los de
uma forma mais elaborada usando muitas palavras em vernáculo
(Liberg, Geijerstam, e Folkeryd 2007, Wellington e Osborne 2001). 3
A linguagem da ciência é caracterizada, no entanto, por mais do que
a especificidade do seu léxico. Os cientistas divulgam tipicamente as
suas descobertas aos seus pares através de uma linguagem escrita
que é idiossincrática na sua densidade de conteúdo informativo,
nível de abstracção e tecnicismo e que, ainda que adequada ao
propósito a que se destina (Osborne 2002, Fang 2005) tem contudo
sido também alvo de crítica devido a por vezes ser injustificadamente
complexa (Hartley 2008). A comunicação com não-cientistas deverá
ser assim pautada por uma linguagem mais próxima da linguagem
normal do dia-a-dia, ainda que munida de termos científicos-chave.
Tornar a informação mais acessível ao público geral (ou mesmo a
cientistas de outras áreas) não invalida, contudo, que se procure
desenvolver nos cidadãos as competências que lhes permitam aceder
directamente à informação científica por “descodificar” permitindo-
lhes a sua interpretação e contextualização de modo objectivo e tão
livre quanto possível de enviesamentos, distorções, exageros e outras
subjectividades que possam afectar a “tradução” do código científico,
Cadernos Mateus DOC VI · Código
sejam estas da iniciativa deliberada ou involuntária de
jornalistas, cientistas ou gabinetes de comunicação de instituições. 4
Alargar o entendimento da própria linguagem da ciência 5 tem,
assim, que ser um dos objetivos a traçar para a promoção da literacia
científica dos cidadãos (Fang 2005, Norris e Phillips 2003, Osborne
2002, Wallace 2004, Hodson 2008, Wellington e Osborne 2001), 6
em particular no actual contexto da crescente democratização e
universalização do acesso à informação médica e científica pelo
público, catalisada, entre outros factores, pelo movimento Open
Access (Davis 2011, Gross 2012) e “Medicina 2.0” (Swan 2009).
4. Traduzir ou universalizar?
O físico e polímato Richard Feynman costumava contar um episódio
da sua infância ocorrido na companhia do seu pai numa floresta.
Enquanto observavam um pássaro, o seu pai enumerava ou,
melhor dizendo, inventava o nome dado ao mesmo em várias
línguas, rematando que saber o nome de alguma coisa não
significava necessariamente saber o que fosse sobre ela (Feynman
2011). Isto é aplicável ao uso de terminologia científica, cujo mero
conhecimento da sua existência sem a respectiva compreensão do
seu significado independentemente do grau de profundidade
pode dar azo a que seja apreendida pelo público na sua forma
desvirtuada, resultado do artifício recorrente que é o uso de jargão
técnico e científico como “energia”, “vibrações”, partículas”,
“quântico” por parte de místicos e outros charlatães (muitos dos
quais autores de best-sellers) como forma de credibilizarem as suas
teorias interpretativas da realidade, habitualmente desprovidas de
qualquer fundamento científico. Da mesma forma, defensores de
teorias pseudocientíficas como a homeopatia ou o “desenho
inteligente” procuram não só usar termos e conceitos provenientes
da ciência que habilmente misturam com o seu próprio jargão
como também comunicar usando uma retórica aparentemente
próxima à dos cientistas (Dawkins 2000). Este aproveitamento
despudorado da iliteracia científica torna da maior relevância
devolver o uso de termos científicos relevantes ao seu significado
original, (re)introduzindo-os no seu devido contexto no vocabulário
do cidadão comum. 7
103
4. Uma responsabilidade
que em grande medida
cabe ao sistema educativo,
que poderá requerer
incorporar esta dimensão
da literacia no ensino da
ciência, bem como a sua
integração no currículo
de cursos nas artes,
humanidades, economia,
técnico-profissionais e
outros.
5. Que, não obstante as
críticas que lhe possam
ser apontadas (Hartley
2008, Knight 2003), não
se espera que venha a
mudar num futuro
próximo (Osborne 2002).
6. É também de
salientar que a literacia
no seu sentido mais
fundamental isto é,
a capacidade de extrair
significado a partir de
informação sob a forma
de texto, diagramas,
gráficos, meios
audiovisuais, etc. é por
sua vez condição sine qua
non à literacia científica,
que se constitui assim
como literacia em sentido
derivado (Norris e
Phillips 2003, Pearson,
Moje, e Greenleaf 2010).
7. A este respeito convém
salientar que muitas
palavras hoje comuns
foram já usadas do uso
exclusivo de um número
restrito de especialistas,
incluindo “electricidade”
ou “ecossistema” e mais
recentemente “gene”,
“clone”, “ADN”,
"semicondutor”,
“processador” ou
software.
104
8. Um facto do qual os
professores de ciências
estão particularmente
cientes, dado que um
mesmo conceito por
exemplo, de “ecossistema”
pode ser ensinado no 1º,
2º, 3º Ciclos e Ensino
Secundário com diferentes
níveis de profundidade,
sem prejuízo do rigor,
precisão e factualidade da
informação.
IICM · Instituto Internacional Casa de Mateus
Embora reconhecer termos e conceitos científicos não signifique que
se detenha um entendimento pleno dos mesmos (Oliveira e Carvalho
2013), pode-se contudo contra-argumentar que a) os cientistas serão
frequentemente os primeiros a afirmar que não têm um
entendimento satisfatório dos fenómenos que estudam e b) que
qualquer conceito complexo pode ser entendido em diferentes níveis
de detalhe, amplitude e profundidade. 8 Conhecer, por exemplo, a
constante de gravitação universal ou as equações que regem a
mecânica de fluidos não é essencial à compreensão, respectivamente,
da atracção gravítica e da aerodinâmica, ou as implicações destas em
áreas como a aeronáutica, por exemplo.
Embora a permeabilização do vocabulário geral à terminologia
científica possa ser um processo gradual, em situações excepcionais
pode acontecer rapidamente. Foi este o caso da introdução recente
de termos como rating, spread, swaps, default, haircut ou
eurobonds em Portugal, que passaram para a ordem do dia dada a
necessidade de apreender este jargão para compreender a situação
económica e financeira do país. Isto foi possível graças à
acessibilidade dos cidadãos a fontes credíveis de informação em
particular na Internet e ao facto dos meios de comunicação não se
terem coibido de usar e explicar esta terminologia no seu devido
contexto de modo simples, mas não simplista. Situações de crise não
providenciam, contudo, o entorno mais desejável para promover
cultura científica, ainda que não sejam de todo alheias à ciência
(Bauer 2008, 2012), nomeadamente crises de confiança do público
nos cientistas. É problemático procurar debelar estas crises através
da divulgação de factos e fenómenos relevantes para um maior
entendimento da actividade científica, principalmente quando se age
reactivamente, ao invés de proactiva e preventivamente. Ao passo
que no anterior exemplo o deficit de conhecimento dos cidadãos
levou a que muitos, por sua iniciativa, se quisessem informar melhor
procurando informação ou estando mais receptivos à informação
veiculada pelos meios de comunicação no caso das crises de
confiança na ciência tem-se frequentemente que disputar pela
atenção do público com fontes de desinformação já instaladas. Esta
falta de proactividade leva por vezes a situações como as da invasão e
vandalização de institutos científicos que ocorreram no final de 2013
no Brasil e em Itália, como forma de protesto contra a
Cadernos Mateus DOC VI · Código
experimentação animal, situações entretanto aproveitadas por
alguns políticos em ambos os países para demagogicamente
colherem apoios eleitorais dos milhões de eleitores que não
relacionam o impacto da investigação biomédica com animais na sua
própria saúde e qualidade de vida. 9
Face à importância de promover uma maior literacia científica nos
cidadãos, é pertinente questionar neste sentido se podemos
comunicar ciência eficazmente através de explicações superficiais e
simplistas de acontecimentos e fenómenos que requerem domínio,
ainda que a um nível elementar, de conceitos científicos específicos
(Liberg 2007). Ou se é sensato desprover esta comunicação de
terminologia que os cidadãos irão inevitavelmente encontrar nas
redes sociais, na televisão ou na imprensa, 10o poucas vezes
descontextualizada ou deliberadamente manipulada para suscitar a
dúvida ou gerar receio das consequências do progresso científico.
Esta questão é frequentemente colocada pelos próprios cientistas,
quando se deparam com comunicação científica que simplifica
excessivamente a informação que transmitem, tornando-a redutora
e parca em conteúdo (Oliveira e Carvalho 2013). Não é assim de
estranhar que vários cientistas tomem hoje a iniciativa de comunicar
directamente com o público,11 sem recurso a intermediários como
jornalistas de ciência ou gabinetes de divulgação científica
institucionais.12 Este movimento hoje não está contudo apenas
reservado aos grandes nomes da ciência que publicam livros de
divulgação científica, mas também a todos os investigadores com
interesse em divulgação, através da proliferação de blogs de ciência,
canais no YouTube e páginas de redes sociais dedicadas à ciência.13
Os blogs, em particular, oferecem uma plataforma que permite
integrar texto, hipertexto, imagem, vídeo e comentários, e onde é
possível “hibridizar” a linguagem comum com a linguagem e
terminologia cientíica,14 fazendo uso do hipertexto para remeter os
leitores a referências externas como a Wikipedia ou artigos
científicos de acesso livre, que podem servir como glossário ou
fontes de informação complementar para os que desejam saber
mais. Da mesma forma como o acesso à informação sobre inovações
médicas por profissionais de saúde e pacientes está a ser
revolucionada pela Web 2.0 (Swan 2009), também há o potencial
para um salto quantitativo e qualitativo na interacção entre
cientistas e o público
105
9. Maior transparência e
investimento no
esclarecimento do público
poderão contudo evitar
estas ocorrências (Basel
Declaration Society 2010).
Uma evidência nesse
sentido é a de que referir
previamente a importância
da experimentação animal
em investigação biomédica
em inquéritos para aferir
as atitudes do público
sobre esta tem impacto
no sentido das respostas
(Lund et al. 2012), ainda
que a oposição à
experimentação em
animais possa não ser
necessariamente fruto de
ignorância do seu
propósito.
10. É de ressalvar que há,
no entanto, profissionais
especializados em
jornalismo de ciência que
fazem um bom trabalho de
comunicação e divulgação
científica, inclusive em
Portugal.
11. Um paradigma hoje
denominado como a
“Terceira Cultura”, um
termo introduzido por
Snow e recuperado por
Brockman (Hartley
2008, Kelly 1998) e que
designa o conjunto de
cientistas dedicados
a comunicar ciência
directamente ao público
ou mesmo a apresentar
novas ideias científicas
numa linguagem
cativante e acessível,
tomando o lugar dos
intelectuais literários
como influenciadores da
percepção do público da
realidade e do seu lugar
nesta. Como será de
esperar, contudo, muitos
cientistas (provavelmente
106
a maioria) não terão à-
vontade, vocação,
formação ou
disponibilidade para o
fazer.
12. O papel destes não
pode nem deve, contudo,
ser menosprezado,
principalmente quando
agem como facilitadores do
contacto directo entre
cientistas e demais
cidadãos.
13. Redes sociais, como o
Facebook, são
primeiramente usadas
como plataforma de
divulgação de factos
científicos de forma
abreviada (imagens,
diagramas, vídeos) mas
também dos conteúdos
mais extensos dos blogs
associados. É de notar que
a página mais subscrita
desta rede social é
dedicada à ciência, com
mais de dez milhões de fãs
(à data de Fevereiro de
2014).
14. Esta “hibridação
permite vários gradientes
de integração dos dois
universos o da linguagem
web e o da científica
oferecendo um leque de
artigos que variam entre
textos muito próximos de
artigos científicos na
sua forma (com título,
resumo e lista de
referências) a formas
como o diário, nota de
rodapé, comunicado de
imprensa ou comentário,
entre várias outras.
IICM · Instituto Internacional Casa de Mateus
geral, com evidentes vantagens para a literacia científica, por um
lado e, por outro, para o modo como os cientistas divulgam o seu
trabalho e como percebem as dúvidas, inquietações e aspirações dos
demais cidadãos relativamente à ciência. Esta nova abordagem
permite ainda cultivar uma imagem da ciência mais próxima da
realidade: um processo de descoberta e progresso com recurso à
evidência pela experimentação, mas que não é imune à dúvida, a
retrocessos ou mesmo à própria falibilidade humana.
5. Considerações finais
Comunicar com o público é uma responsabilidade social dos
investigadores, independentemente de serem financiados por fundos
públicos ou privados. Comunicar pressupõe no entanto que todos os
interlocutores possam falar a mesma linguagem, pelo que se justifica
uma adequação da forma e conteúdo da mensagem ao público. A
natureza informativa, formativa e até pedagógica da comunicação de
ciência implica contudo que esta contemple também o emprego de
termos científicos que sejam relevantes à compreensão da
informação científica e do seu contexto de um modo claro e
acessível. Fazendo uso das possibilidades de recursos como a Web
2.0, resumos não-técnicos para leigos e uma escrita de artigos
científicos mais clara e acessível, é possível uma abordagem que
permita o equilíbrio entre a aproximação da linguagem da ciência à
linguagem do dia-a-dia e o seu inverso, fazendo com que cientistas e
restantes cidadãos se encontrem a meio-caminho. Isto traz
vantagens para ambas as partes pois, se por um lado, aproximar o
público da ciência traz um maior reconhecimento da actividade dos
cientistas, por outro, elevar a literacia científica do público confere-
lhes conhecimento e competências que abrem o caminho a uma
cidadania mais participativa.
No mundo do hipertexto e da informação na palma na mão, torna-se
pertinente reavaliar a necessidade de despir a comunicação de
ciência de terminologia científica e a descodificar ao ponto da sua
descaracterização, pois os eventuais benefícios imediatos que daí
possam advir poderão não compensar o que se perde na tradução
para a literacia de uma sociedade que se diz de conhecimento.
Cadernos Mateus DOC VI · Código 107
Os grandes nomes da ciência que connosco partilharam o seu
conhecimento e entusiasmo pela ciência como Sagan, Hawking,
Dawkins, Feynman e muitos mais mostraram que é possível
apresentar novos termos, ideias e conceitos ao público de um modo
acessível mas não simplista, preciso sem ser exaustivo, pedagógico e
cativante. Acima de tudo, ajudaram a mostrar que a linguagem da
ciência, no seu essencial, é a da lógica e pensamento crítico, da
curiosidade e do fascínio pelo desconhecido. E essa pode ser
compreendida e partilhada por todos.
Bibliografia
Basel Declaration Society. 2010. Acallformoretrust,transparencyandcommunicationon
animalresearch. Conference Research at a Crossroads, Basel, November29th 2010
Bauer, Martin W. 2008. "Survey research on public understanding of science." In Handbook of
Public Communication of Science and Technology, edited by M. Bucchi and B. Trench, 111-129.
Taylor & Francis.
Bauer, Martin W. 2012. "Public Attention to Science 18202010 A ‘Longue Durée’ Picture." In
The Sciences’ Media Connection – Public Communication and its Repercussions, edited by
Simone Rödder, Martina Franzen and Peter Weingart, 35-58. Springer.
Bettencourt-Dias, Mónica, Ana Godinho Coutinho, and Sofia Jorge Araújo. 2012. "Strategies to
promote science communication: organisation and evaluation of a workshop to improve the
communication between Portuguese researchers, the media and the public." Comunicação e
Sociedade no. 6:89.
Brechman, Jean, Chul-joo Lee, and Joseph N. Cappella. 2009. "Lost in Translation?: A
Comparison of Cancer-Genetics Reporting in the Press Release and Its Subsequent Coverage in
the Press." Science Communication 30 (4):453-474.
Bucchi, Massimiano. 2008. "Of deficits, deviations and dialogues - Theories of public
communication of science " In Handbook of public communication of science and technology, 57-
76. Routledge.
Burns, T. W., D. J. O'Connor, and S. M. Stocklmayer. 2003. "Science Communication: A
Contemporary Definition." Public Understanding of Science no. 12 (2):183-202. Cribb, Julian, and
Tjempaka Sari Hartomo. 2002a. "Communicating new technologies (Chapter 8)." In Sharing
Knowledge: A Guide to Effective Science Communication, 129-143. CSIRO Publishing.
Cribb, Julian, and Tjempaka Sari Hartomo. 2002b. Sharing knowledge: a guide to effective science
communication: CSIRO Publishing.
Davis, Philip M. 2011. "Open access, readership, citations: a randomized controlled trial of
scientific journal publishing." The FASEB Journal no. 25 (7):2129-2134.
Dawkins, R. 2000. "Huge Clowdy Symbols of a High Romance." In Unweaving the Rainbow:
Science, Delusion and the Appetite for Wonder, 180-209. Houghton Mifflin Harcourt.
Special Eurobarometer. 2005. "Europeans, Science and Technology." European Commission,
June.
Fang, Zhihui. 2005. "Scientific literacy: A systemic functional linguistics perspective." Science
Education no. 89 (2):335-347.
Feynman, R.P. 2011. "What Do You Care What Other People Think?": Further Adventures of a
Curious Character: W. W. Norton.
Gaskell, George , Sally Stares, Agnes Allansdottir, Nick Allum, Paula Castro, Yilmaz Esmer, Claude
Fischler, Joanthan Jackson, Nicole Kronberger, and Jürgen Nicole. 2010. “Europeans and
Biotechnology in 2010 Winds of change? European Commission - Directorate-General for
Research. Brussels.
Gross, Liza. 2012. "The Sciences’ Media Connection – Public Communication and its
Repercussions." In Practitioner’s Perspective: Science as a Public Resource: Rules of
Engagement, edited by Simone Rödder, Martina Franzen and Peter Weingart, 353-360. Springer.
Hartley, J. 2008. "The Nature of Academic Writing." In Academic Writing and Publishing: A
Practical Handbook, 3-20. Taylor & Francis.
Hayes, R., and D. Grossman. 2006. "Hope for the Best Prepare for the Worst." In A Scientist's
Guide to Talking with the Media: Practical Advice from the Union of Concerned Scientists, 15-30.
Rutgers University Press.
Hazen, R.M., and J. Trefil. 2009. "Scientific Literacy: what is it, why it's important, and why we
don't have it." In Science Matters: Achieving Scientific Literacy, xi-xvii. Knopf Doubleday
Publishing Group.
Hodson, D. 2008. "In Pursuit of Scientific Literacy: The Case for History, Philosophy and
Sociology of Science." In Towards Scientific Literacy, 1-22. Sense Publishers.
Jelen, Ted G, and Linda A Lockett. 2014. "Religion, Partisanship, and Attitudes Toward Science
Policy." SAGE Open no. 4 (1):2158244013518932.
Kelly, Kevin. 1998. "The Third Culture." Science no. 279 (5353):992-993.
Knight, Jonathan. 2003. "Scientific literacy: Clear as mud." Nature no. 423 (6938):376-378.
Laugksch, Rüdiger C. 2000. "Scientific literacy: A conceptual overview." Science Education no. 84
(1):71-94.
Liberg, Caroline, Åsa af Geijerstam, and Jenny W. Folkeryd. 2007. A Linguistic Perspective on
Scientific Literacy. Paper read at Linnaeus Tercentenary Symposium, May 28-29, 2007, at
Uppsala University, Uppsala.
Locke, Simon. 1999. "Golem science and the public understanding of science: from deficit to
dilemma." Public Understanding of Science no. 8 (2):75-92.
Lund, Thomas Bøker, Morten Raun Mørkbak, Jesper Lassen, and Peter Sandøe. 2012. "Painful
dilemmas: A study of the way the public’s assessment of animal research balances costs to animals
against human benefits." Public Understanding of Science 23(4):428-44.
Mejlgaard, Niels, and Sally Stares. 2012. "Validating Survey Measures of Scientific Citizenship." In
The culture of science: How the public relates to science across the globe, edited by M.W. Bauer,
R. Shukla and N. Allum, 418-435. New york: Taylor & Francis.
Miller, Jon D. 1998. "The measurement of civic scientific literacy." Public Understanding of
Science no. 7 (3):203-223.
Miller, Steve, Paul Caro, Vassilis Koulaidis, Vladimir De Semir, Walter Staveloz, and Rosalia
Vargas. 2002. "Report from the Expert group Benchmarking the Promotion of RTD culture and
Public Understanding of Science." Benchmarking the promotion of RTD culture and public
understanding of science.
Ministério da Educação. 2007. Decreto-Lei n.º 272/2007 de 26 de Julho ANEXO N.º 1: Matriz dos
cursos científico humanísticos. Diário da República, 1.ª série, n. 143
Montgomery, Scott. 2004. "Of towers, walls, and fields: perspectives on language in science."
Science no. 303 (5662):1333-1335.
Norris, Stephen P, and Linda M Phillips. 2003. "How literacy in its fundamental sense is central to
scientific literacy." Science education no. 87 (2):224-240.
Oliveira, Liliana, and Anabela Carvalho. 2013. "Envolvimento e Participação dos Cidadãos na
Ciência em Portugal e em Espanha: Evolução e Estado Atual." CECS-Publicações/eBooks.
Osborne, Jonathan. 2002. "Science Without Literacy: A ship without a sail?" Cambridge Journal
of Education no. 32 (2):203-218.
Pardo, Rafael, and Félix Calvo. 2002. "Attitudes toward science among the European public: a
methodological analysis." Public understanding of science no. 11 (2):155-195.
Pardo, Rafael, and Félix Calvo. 2006. "Mapping Perceptions of Science in End-of-Century
Europe." Science Communication no. 28 (1):3-46.
Pearson, P. David, Elizabeth Moje, and Cynthia Greenleaf. 2010. "Literacy and Science: Each in
the Service of the Other." Science no. 328 (5977):459-463.
Ryder, Jim. 2001. "Identifying Science Understanding for Functional Scientific Literacy." Studies
in Science Education no. 36 (1):1-44.
Sharon, Aviv J, and Ayelet Baram-Tsabari. 2013. "Measuring mumbo jumbo: A preliminary
quantification of the use of jargon in science communication." Public Understanding of Science.
Snow, Charles Percy. 1956. "The two cultures." New Statesman no. 6:413-414.
Stocking, S. Holly, and Lisa W. Holstein. 2009. "Manufacturing doubt: journalists' roles and the
construction of ignorance in a scientific controversy." Public Understanding of Science no. 18
(1):23-42.
Swan, Melanie. 2009. "Emerging patient-driven health care models: an examination of health
social networks, consumer personalized medicine and quantified self-tracking." International
journal of environmental research and public health no. 6 (2):492-525.
Thomas, Geoffrey, and John Durant. 1987. "Why should we promote the public understanding of
science." Scientific literacy papers no. 1:1-14.
Verhoeven, Piet. 2010. "Sound-Bite Science: On the Brevity of Science and Scientific Experts in
Western European Television News." Science Communication no. 32 (3):330-355.
Vincent, Bernadette Bensaude. 2013. "Reconfiguring the public of science." Science
Communication Today. International Perspective. Issues & Strategies:105-118.
Wallace, Carolyn S. 2004. "Framing new research in science literacy and language use:
Authenticity, multiple discourses, and the “Third Space”." Science Education no. 88 (6):901-914.
doi: 10.1002/sce.20024.
Wellington, J.J., and J. Osborne. 2001. "Introduction: the importance of language in science
education." In Language and literacy in science education, 1-8. Open University Press.
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
As western societies become increasingly dependent on scientific and technological developments, the full exercise of citizenship requires the ability to understand those developments. Scientists should be able to make this progress meaningful to different communities and to discuss its implications. However, science communication is still not part of the formal education of researchers. We organized a pioneering workshop in Portugal, Comunicar Ciência (‘Comunicating Science’), at the Gulbenkian Institute of Science (10-12 September 2003). In this workshop, 17 Portuguese scientists, from PhD students to heads of research institutes, experienced a plethora of practical exercises organised by journalists and science communication experts from Portugal and the UK. Summary and follow-up evaluations show that scientists feel more confident in their communication skills and ability to participate in activities after the workshop. This work suggests that when targeting the right people, a small, low budget activity, such as this science communication workshop, can improve the participation of scientists in science communication activities.
Book
Full-text available
This paper reconsiders recent changes in science-public relations in France in the light of earlier ideas about the role of the lay public. A broad historical perspective shows that the categories used to describe communications between knowledge producers and society have been reconfigured again and again (Secord 2004). Notions such as such as 'savants' and 'amateurs', 'popular science' and 'science mediation' are historical constructions heavily dependent on the institutional conditions of scientific research and on its technological applications (Topham 2009ab). This paper first emphasizes the epistemic and social conditionsof the construction of the notion of the public as 'those who do not know' in the 20th century. It then tries to understand when and how the notions of 'citizen science' and 'participatory science' emerged. Finally, through a brief survey of various modes of participation developed over the past decade, it questions the notion of a radical change or paradigm shift.
Book
Human knowledge is growing faster today than at any time in history - far outracing our ability to share it. The gap between those with access to knowledge and those without has implications for future global stability. At the national level, the effectiveness of knowledge sharing influences the rate at which countries grow and achieve sustainability. Sharing Knowledge is a guide for scientific managers, researchers, communicators and policy makers on practical, low-cost ways to add value to science by assisting its adoption or commercialisation. It is also a valuable text for the teaching of public awareness of science and science communication at tertiary level.
Book
The term ‘public understanding of science’ (PUS) has a dual meaning. First, it covers a wide field of activities that aim at bringing science closer to the people and promoting PUS in the tradition of a public rhetoric of science (see Fuller 2001 for the idea; OECD 1997; Miller et al. 2002 for attempted inventories of such initiatives). Second, it refers to social research that investigates, using empirical methods, what the public’s understanding of science might be and how this might vary across time and context. This includes the conceptual analysis of the term understanding’. This chapter concentrates on the latter, and focuses on the discussions raised by research using large-scale nationally and internationally representative sample surveys that ask people lists of prepared standard questions from a questionnaire. I review the changing research agenda by typifying three ‘paradigms’ of PUS research according to the questions they raised, the interventions they supported and the criticisms they attracted. The chapter ends with a short outlook on the potential for future research and a brief afterthought on the ‘public deficit concept’ and survey-based investigations. This review expands on previous reviews of the field (Pion and Lipsey 1981; Wynne 1995; Miller 2004).
Chapter
Advances in information and digital technology have made it possible for anyone, anywhere with access to a computer to download millions of published scientific papers, creating the opportunity for a virtual public library of science. For too long, barriers to accessing that information have denied researchers, educators, consumers, and citizens the opportunity to benefit from this growing body of knowledge. The Public Library of Science became an “open access” publisher to remove those barriers by ensuring free and unrestricted access to the scientific and medical literature. PLoS also sought to change the very definition of “the scientific community” by providing the general public with the educational resources to better understand technical scientific papers and by creating Web-based tools that invite the general public to join discussions and debates surrounding the scientific literature. Such tools are especially important in an environment where scientists feel pressure to “do science by press release,” exaggerating the implications of study results to gain publicity and status. Editors at PLoS take pains to ensure that press releases describe the principal findings of published results without sensationalizing the implications of the work, hoping to prevent the sensationalized news stories that distort not only the significance of the findings at hand but the very nature of scientific progress.