ArticlePDF Available

Life and Work of Ignacio Martín-Baró and the Liberation Paradigm ● Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação

Authors:

Abstract

ABSTRACT ● Studying the paradigm of liberation psychology offers understanding and confrontation of actual oppression in the current social context. Thus, this study sought to characterize the life and work of Ignacio Martín-Baró, an important precursor of this paradigm in Latin America, with the aim of rescuing their work, and analyzes the factors that influenced the formation of the paradigm of liberation. The study was conducted in two stages: the systematization of the story of the life of Ignacio Martín-Baró and recovery, analysis and identification of general categories present in his work, which was the basis for the distinctive skyline of Latin American liberation psychology. ● KEYWORDS: Liberation Psychology, Ignacio Martín-Baró and Latin American Psychology. ● Estudar o paradigma da libertação na psicologia se justifica para a compreensão e o enfrentamento à opressão presente no contexto social atual. Diante disso, este trabalho procurou caracterizar a vida e a obra de Ignácio Martín-Baró, importante precursor desse paradigma na América Latina, com objetivo de resgatar seu trabalho, bem como analisar fatores que influíram na constituição do paradigma da libertação. O estudo se desenvolveu em duas etapas: a sistematização da história de vida de Ignácio Martín-Baró e a recuperação, análise e identificação de categorias gerais presentes em sua obra que serviram de fundamento para o horizonte libertador característico da Psicologia latino-americana.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
205
Lucian Borges de Oliveira et al.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró
e o Paradigma da Libertação1
Life and Work of Ignacio Martín-Baró and the Liberation
Paradigm
AUTOR
Lucian Borges de Oliveira
Estudante de Graduação no Curso de Psicologia,
Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
lucianborges@yahoo.com.br
Raquel Souza Lobo Guzzo
Professora Titular de Psicologia,
Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
rguzzo@mpc.com.br
Raquel Pondian Tizzei
Estudante de Doutorado da PUC-Campinas
Walter Mariano de Faria Silva Neto
Estudante de Doutorado da PUC-Campinas
CITACIÓN Borges de Oliveira, L. & Lobo Guzzo, R., Pondian Tizzei, R. & Silva Neto,
W. (2014). Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação.
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, 3(1), 205-230.
Recibido: 19 de agosto de 2013 Aceptado: 27 de julio de 2014
RESUMEN Estudar o paradigma da libertação na psicologia se justifica para
a compreensão e o enfrentamento à opressão presente no contexto social
atual. Diante disso, este trabalho procurou caracterizar a vida e a obra de
Ignácio Martín-Baró, importante precursor desse paradigma na América
Latina, com objetivo de resgatar seu trabalho, bem como analisar fatores
que influíram na constituição do paradigma da libertação. O estudo se
desenvolveu em duas etapas: a sistematização da história de vida de
Ignácio Martín-Baró e a recuperação, análise e identificação de categorias
gerais presentes em sua obra que serviram de fundamento para o
horizonte libertador característico da Psicologia latino-americana.
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
1!Trabalho desenvolvido dentro do Grupo de Pesquisa “Avaliação e Intervenção psicossocial: prevenção, comunidade e
libertação”.!
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
206
PALAVRAS CHAVES Psicologia da Libertação, Ignácio Martín-Baró,
Psicologia Latino-Americana
RESUMEN Estudiar el paradigma de la psicología de la liberación oferece
como garantia la comprensión y enfrentamiento de la opresión, presente
en el contexto social actual. Así, este estudio buscó caracterizar la vida y
obra de Ignacio Martín-Baró, importante precursor de este paradigma en
América Latina, con el objetivo de rescatar su trabajo, y analizar los factores
que influyeron en la formación del paradigma de la liberación. El estudio se
realizó en dos etapas: la sistematización de la historia de la vida de Ignacio
Martín-Baró y la recuperación, análisis e identificación de categorías
generales presentes en su obra, que sirvió de base para el horizonte
liberador característico de la psicología latinoamericana.
PALABRAS CLAVE Psicología de la Liberación, Ignacio Martín-Baró,
Psicología Latinoamericana.
ABSTRACT Studying the paradigm of liberation psychology offers
understanding and confrontation of actual oppression in the current social
context. Thus, this study sought to characterize the life and work of Ignacio
Martín-Baró, an important precursor of this paradigm in Latin America,
with the aim of rescuing their work, and analyzes the factors that
influenced the formation of the paradigm of liberation. The study was
conducted in two stages: the systematization of the story of the life of
Ignacio Martín-Baró and recovery, analysis and identification of general
categories present in his work, which was the basis for the distinctive
skyline of Latin American liberation psychology.
KEYWORDS Liberation Psychology, Ignacio Martín-Baró and Latin American
Psychology.
TABELA DE CONTEÚDO
1. Introdução
1.1. A importância da Psicologia da Libertação
1.2. A trajetória de vida de Ignácio Martín-Baró
1.3. Princípios, fundamentos e perspectivas da Psicologia da Libertação
2. Método
3. As dimensões do Paradigma da Libertação na psicologia de Ignácio
Martín-Baró
3.1. Das dificuldades do resgate da obra
3.2. A relevância social da psicologia social no tempo de Martín-Baró e a
necessidade de uma revolução paradigmática
4. A dimensão teórico-conceitual
5. A dimensão histórica
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
207
Lucian Borges de Oliveira et al.
6. A dimensão práxica
7. A dimensão ética
8. Considerações Finais - Viver sem conhecer o passado é como caminhar
na escuridão
9. Referências Bibliográficas
10. Quadro das Produções de Ignácio Martín-Baró
1. INTRODUÇÃO
A proposta de se estudar o paradigma da libertação traz em si a
possibilidade de enfrentamento à opressão presente na sociedade sob
diferentes formas, sem que seja confundida com o princípio da liberdade
individual ideologia marcante do sistema liberal. As características da
realidade opressora estão presentes no ou fazem parte do cotidiano de
uma grande maioria da população e se expressam por meio da
desigualdade, da violência, da miséria dentre outras dimensões da vida,
tornando-a desumana e indigna. Por esta razão, fica explícita a necessidade
de se analisar a contribuição de Martín-Baró, teórico da Psicologia da
Libertação, e organizá-la em uma análise que relaciona a produção do
conhecimento científico frente à realidade objetiva. O presente artigo,
portanto, tem como objetivo: um breve resumo da vida de Ignácio Martín-
Baró, a identificação de princípios, fundamentos e perspectivas da
Psicologia da Libertação e a análise de elementos que compõem o
paradigma da Libertação na Psicologia, a partir da compilação de sua obra.
Para isso iniciamos com uma justificativa da real importância de estudar
este tema.
1.1. A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA DA LIBERTAÇÃO
São algumas as necessidades de se construir uma Psicologia da
Libertação, ou seja, uma Psicologia voltada para a realidade da América
Latina. Essas necessidades são tanto de ordem teórica quanto prática e,
portanto, faz-se necessário a apresentação de alguns apontamentos sobre
essas duas dimensões.
Sabemos que a Psicologia nasce em um tempo da valorização da
subjetividade privatizada, na ascensão do liberalismo e do capitalismo e
auge do movimento romântico alemão, portanto, surge carregada desses
princípios éticos, epistemológicos, ontológicos e metodológicos que são do
individualismo, do egoísmo inerente ao ser humano, o hedonismo e a
liberdade individual a qualquer custo (Parker, 2007; Sloan & Moreira, 2002).
Como afirma Chauí (1980), a ciência, se não for dotada da capacidade
crítica de perceber o movimento histórico da realidade, pode acabar como
acaba na maioria das vezes, apenas descrevendo o movimento histórico
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
208
sem entender as múltiplas determinações de que ele é fruto. Sendo assim,
as ciências se tornam um instrumento ideológico justificador da realidade,
tomando como naturais os fenômenos históricos. E a psicologia cumpriu
exatamente esse trajeto, tornando-se um instrumento ideológico e
ferramenta de dominação que presta serviço à classe dominante.
Sendo assim, a Psicologia na América Latina consolidou-se pela dominação
imperialista ou seja, importando modelos existentes vindo da realidade
norte americana e européia, estas importações teóricas carregam a
primazia da teoria sobre a prática, não sendo capazes de atender as
necessidades do povo latino-americano. A Psicologia Latino Americana, ao
importar esquemas teóricos e práticos buscava adquirir um status de
cientificidade e reconhecimento social, tomando, portanto, emprestada a
bagagem conceitual, metodológica e prática mesmo que distante de sua
realidade, esperando poder negociar com as instâncias sociais de cada país
um status social equivalente aos dos norte-americanos (Martín-Baró,
2011a). Sendo assim, essa psicologia não estava preparada para atender as
demandas do povo latino-americano, pois sua realidade estava inserida em
um contexto de pobreza, exploração, desigualdade e opressão.
A necessidade de uma Psicologia da Libertação, portanto, é a de
reverter este percurso que psicologia tem percorrido e construir uma
psicologia que esteja comprometida com a libertação dos povos latino-
americanos, libertação das estruturas sociais opressoras, seguida da
libertação pessoal (Martín-Baró, 2011a). Para atuar na perspectiva da
Psicologia da Libertação é necessário um compromisso ético dos psicólogos
com as maiorias populares (Martín-Baró, 1996). A cerca disso Guzzo &
Lacerda Jr. (2007), afirmam:
Qualquer trabalho que se desenvolva de forma consciente no Brasil
chama a atenção para uma realidade desafiadora, cheia de contrastes
e de difícil solução. Ser psicólogo, fazer Psicologia em um país latino-
americano necessita muito mais do que a falsa neutralidade que o
positivismo propõe. A suposta não postura política é uma opção
política A neutralidade em tal contexto é uma postura que legitima e
mantém o status quo, neutralidade é omissão. (p. 233)
Partindo dos pressupostos apresentados até aqui, Martín-Baró
(2011a) diz que para que a psicologia possa ajudar na construção de um
processo de libertação dos povos latino-americanos, é necessário que a
psicologia latino-americana se liberte da psicologia hegemônica, e construa
a sua própria identidade.
1.2. A TRAJETÓRIA DE VIDA DE IGNÁCIO MARTÍN-BARÓ
Ignácio Martín-Baró nasceu em Valladolid, Espanha, em 7 de
novembro de 1942, lugar foi onde passou a maior parte de sua infância.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
209
Lucian Borges de Oliveira et al.
Estudou no colégio jesuíta São José onde, desde cedo, esteve envolvido
com as questões religiosas que fizeram despertar a sua vocação religiosa.
Em 18 de setembro de 1959, aos 17 anos, Ignácio ingressa na Companhia e
Jesus (De La Corte, 2001).
Logo nos anos sessenta, Martín-Baró foi para Quito, na Colômbia
com compromissos da congregação, onde estudou humanidades clássicas.
Depois em 1964, na cidade de Bogotá, obteve o bacharelado em Filosofia
e, no ano seguinte, a licenciatura em filosofia e letras. Em seguida, mudou-
se para El Salvador, e no ano de 1970 formou-se em Teologia. Obteve a
licenciatura em Psicologia na UCA (Universidade Centro-Americana José
Simeón Cañas), em 1975. Em 1977, obteve o título de mestre em Ciências
Sociais e, em 1979, o doutorado em Psicologia Social e Organizacional, ao
defender sua tese2 na Universidade de Chicago, Estados Unidos, conhecida
por sua importância para a Psicologia Social hegemônica, positivista,
individualista e acrítica (Dobles, 2009). Desde o início de sua formação ficou
evidente a proposta de Martín-Baró, pois nessa Universidade se vivia uma
realidade muito diferente da de El Salvador, mesmo assim, ele se ocupou de
investigar a realidade salvadorenha (De La Corte, 2001). Ao voltar de
Chicago, assumiu o posto de vice-reitor da UCA e também muitos outros
cargos, como o de chefe do Departamento de Psicologia e Educação, o
Conselho Editorial da UCA e de sua principal revista a ECA (Revista Estudios
Centro-americanos).
Foi com a realidade salvadorenha, uma realidade marcada pela
desigualdade, injustiça, governos autoritários, guerra civil e com más
condições materiais de realizações das aspirações da população (Martín-
Baró, 1981), que Martín-Baró realizou a maior parte de sua produção
acadêmica, portanto, longe da tranquilidade e serenidade que se pressupõe
em uma vida acadêmica encastelada em seu próprio fazer, na maioria das
vezes distante da realidade concreta. Dobles (2009) cita uma carta de 23 de
agosto de 1989, em que Martín-Baró agradecia ao Conselho Acadêmico da
Escola de Psicologia da Costa Rica, pela solidariedade em relação à bomba
explodida em frente à UCA. Este trecho mostra uma parcela das reais
condições de sua produção, por meio de seu compromisso com as maiorias
populares:
Las bombas contra nuestras instalaciones afectan muy gravemente
nuestras ya difíciles finanzas, pero nos confirman también que
representamos una voz significativa en. el quehacer del país, y que
nuestro trabajo académico en favor de los intereses mayoritarios de
nuestro pueblo sigue teniendo un impacto. Por ello, estén seguros
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
2 Martín-Baró, I (1979) Household Density and Crowding in Lower Class. Salvadorans. Doctoral Thesis, Faculty of Social
Science, Department of Behavioral Science, University of Chicago.
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
210
que la UCA seguirá firme en su trabajo universitario con el pueblo
salvadoreño en favor un futuro más justo e libre. (p. 4)
O trecho anterior exemplifica as condições objetivas em que Martín-
Baró produzia e agia, e que o levaram à “criação”, por reconhecer a
necessidade do povo salvadorenho, da Psicologia da Libertação - uma
concepção diferenciada dentro do campo teórico da Psicologia Social, pelo
seu compromisso epistemológico, ético e político com as maiorias
populares. Compromisso que a difere da Psicologia hegemônica3a qual
reafirma a lógica neoliberal em suas praticas e em suas epistemologias, ou
seja, uma psicologia individualista, acrítica e culpabilizadora dos indivíduos
pelas dificuldades e problemas que enfrentam no cotidiano de suas vidas
(Martín-Baró, 1996).
Inserido nesta realidade, em meio à guerra civil, em 1986, ele cria o
IUDOP (Instituto Universitário de Opinião Pública da UCA)4, considerado um
verdadeiro esforço institucional do desenvolvimento da Psicologia da
Libertação. Este instituto proporcionou a Martín-Baró e seus companheiros,
pelo menos 23 estudos de alcance nacional, em um contexto de muitas
dificuldades, como por exemplo, a perseguição e prisão dos pesquisadores,
além do roubo de documentos (Dobles, 2009). O IUDOP teve importância
para a investigação da realidade dos setores populares salvadorenhos e as
múltiplas determinações às quais estavam submetidos, pretendendo, assim,
traçar caminhos para a libertação da opressão, da injustiça e das condições
inumanas presentes na vida da maioria salvadorenha.
Toda essa trajetória de compromisso social ao lado dos setores
populares oprimidos custou um preço muito caro à Martín-Baró – sua
própria vida. Na madrugada do dia 16 de novembro de 1989 ele foi
assassinado, juntamente com seus companheiros jesuítas. Uma ordem vinda
dos altos setores militares e dos assessores norte-americanos fora lançada
para que fossem exterminados os intelectuais acusados de comunistas e
terroristas que apoiavam as guerrilhas de resistência. Essa ordem de
extermínio fora lançada em uma campanha na radio, com difusão massiva.
Segundo De La Corte (2001), tudo aconteceu muito rápido - os soldados
invadiram a UCA na madrugada, indo até a moradia dos jesuítas,
exterminando o reitor da UCA, Ignacio Ellacuría, Ignácio Martín-Baró e
outros jesuítas que com eles compunham a administração superior da
universidade ( Sobrino,1990; Withfield, 1998).
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
3 Neste trabalho o conceito de hegemonia é tomado de Gramsci: Gramsci, A. (1981). A Concepção Dialética da História.
Civilização Brasileira, 4° edição. Gramsci, A. 1982. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Civilização Brasileira.
4 Martín-Baró, I. 1989. La opinión pública salvadoreña ( 1987-1988). El Salvador: UCA Editores.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
211
Lucian Borges de Oliveira et al.
1.3. PRINCÍPIOS, FUNDAMENTOS E PERSPECTIVAS DA PSICOLOGIA DA LIBERTAÇÃO
A Psicologia da Libertação tem alguns princípios que são alicerces na
sua construção ontológica, epistemológica e metodológica, cujos
fundamentos decorrem da Teologia da Libertação, da Alfabetização
Conscientizadora Freiriana ou princípio da conscientização e da Dimensão
Histórica do ser humano.
A Teologia da Libertação é um dos fundamentos da Psicologia da
Libertação, devido a toda trajetória histórica de Martín-Baró e o
movimento teológico que tomou corpo na América latina a partir dos anos
70 do século XX baseada na opção pelos pobres contra a pobreza e pela sua
libertação. Martín-Baró (2011a) aponta três princípios da Teologia da
Libertação que ajudam a compreender a construção epistemológica da
Psicologia da Libertação:
1- A afirmação de que o objeto da fé cristã é um Deus de vida e,
portanto, que o cristão deve assumir como sua primordial tarefa
religiosa promover a vida. Dessa perspectiva cristã, o que se opõe a
Deus não é o ateísmo, mas a idolatria, isto é, a crença em falsos
deuses que produzem a morte. A cristã em um Deus de vida deve
buscar, por conseqüência , todas aquelas condições históricas que dão
vida ao povo, e no caso concreto dos povos latino-americanos, essa
busca de vida exige um primeiro passo de libertação das estruturas-
sociais primeiro; pessoais depois – que mantêm uma situação de
pecado, ou seja,de opressão mortal sobre as maiorias.
2- A verdade prática tem primazia sobre a prática teórica , a ortopráxis
sobre a ortodoxia. Para a Teologia da Libertação, mais importantes
que as afirmações são as ações e é mais expressivo da fé o fazer que o
dizer. Portanto, a verdade da fé mostra-se em realizações históricas
que evidenciam e façam crível a existência de um Deus de vida. Nesse
contexto,adquirem toda sua significação históricas dos povos das
estruturas que os oprimem e impedem sua vida e seu
desenvolvimento humano.
3– A fé cristã chama a realização de uma opção preferencial pelos
pobres. A Teologia da Libertação afirma que Deus deve ser buscando
entre os pobres e marginalizados e com eles e da perspectiva deles
viver a vida de fé. A razão para essa opção é múltipla. Em primeiro
lugar, porque essa foi, concretamente, a opção de Jesus. Em segundo
lugar, porque os pobres constituem as maiorias de nossos povos. Em
terceiro lugar, porque somente os pobres oferecem condições
objetivas e subjetivas de abertura ao outro e, sobretudo, ao
radicalismo outro. A opção pelos pobres não se opõe ao universalismo
salvífico, mas reconhece que a comunidade dos pobres é o lugar
teológico por excelência, no qual se realiza a tarefa salvadora, a
construção do reino de Deus. (pp. 190-191)
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
212
A Teologia da Libertação utiliza-se da experiência paradigmática do
povo de Israel saindo de sua escravidão e marchando pelo deserto, por
meio das dúvidas e sacrifícios, até chegar à terra prometida (Martín-Baró,
2011b). Os psicólogos da libertação, comprometidos com as maiorias
populares teriam, portanto, quatro lições a tomar a partir da Teologia,
como propôs o próprio Martín-Baró (2011b): “trata-se, antes de tudo de um
processo histórico5; além disso, é um processo conflitivo, que contém um
momento de ruptura social; é um processo de natureza grupal ou coletiva e
é um processo que não só se conquista uma terra, mas no qual, sobretudo,
se constrói uma identidade social” (p. 212-213).
Sendo assim, com a inspiração na Teologia da Libertação, Martín-
Baró (1998) lança mão de mais alguns apontamentos que colaboram na
construção da Psicologia da Libertação, a partir (ou voltados para a
realidade) dos povos latino-americanos: um novo horizonte, uma nova
práxis e uma nova epistemologia.
A Conscientização freiriana, é muito presente e é um dos princípios
básicos na obra de Martín-Baró, em que ele a coloca como um do quefazer
(quehacer) da Psicologia da Libertação. A conscientização no sentido
freiriano6, não consiste em uma conscientização individual, mas
comunitária, ou seja, não é apenas uma compreensão da própria vida, mas
a compreensão das condições concretas que seu grupo social está
submetido, e, principalmente, na elaboração de ações que sejam
transformadoras dessas condições (Guzzo, 2013). A transformação das
condições materiais, às quais um grupo social está submetido, leva à
libertação pessoal (Martín-Baró, 1996). Trata-se, portanto de um processo
de direção inversa - inicia-se no coletivo e atinge o pessoal.
A Dimensão Histórica na construção epistemológica da Psicologia da
Libertação foi concebida por Martín-Baró como um ingrediente essencial da
condição humana. Sendo assim, acima do individual e do social, põe-se a
dimensão histórica que compõe os dois elementos, embora, para ele, a
história social seja muito mais determinante de que a puramente pessoal
(De La Corte, 2001). Esta é uma das maiores críticas de Martín-Baró à
Psicologia hegemônica - sua a-historicidade, pois sua falta naturaliza
condições sociais do desenvolvimento humano, ou seja, toma como naturais
os fenômenos sociais e acaba estabelecendo como objeto de estudo os
indivíduos descolados de sua realidade concreta de vida, de seu tempo
histórico e das condições econômicas e sociais a que estão submetidos (De
La Corte, 2001).
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
5 Itálicos nossos.
6 O termo freiriano, se refere a Paulo Freire, educador brasileiro, exilado na época da ditadura militar e que teve,
em sua obra, um compromisso com os povos oprimidos e que influenciou o pensamento de Martín-Baró.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
213
Lucian Borges de Oliveira et al.
Ao incluir a consideração histórica na interpretação social e
psicológica, Martín-Baró (2000) reconhece as particularidades espaço-
temporal que condicionam as questões humanas; favorece uma concepção
de ser humano como agente de sua própria vida, responsável, tanto por seu
destino quanto pelos processos sociais de que participa; supera a
consequência das ideias positivistas chamada por ele de cegueira para a
negatividade, a qual consiste na naturalização de processos sociais (Martín-
Baró, 2000).
Anteriormente, foram apontadas três questões que remetem a um
compêndio teórico-filosófico que compõe a estruturação epistemológica,
ontológica e metodológica da Psicologia da Libertação. A seguir, serão
apresentados três dimensões praxicas que são consequentes aos
fundamentos acima mencionados. Para Martín-Baró (2011a), a Psicologia da
Libertação, não poderia seguir o mesmo percurso da Psicologia hegemônica
e do modelo positivista, que consistia em uma sobreposição da teoria em
relação à prática. A Psicologia da Libertação tem, assim, como perspectiva
dimensões da práxis7 que são fundamentais para sua realização.
Em primeiro lugar, mas com a mesma importância que os seguintes,
uma das perspectivas da Psicologia da Libertação, é a da memória
histórica.8 A memória histórica contribui para a busca das raízes históricas
da identidade do povo latino-americano, interpretar o presente e
vislumbrar como o futuro alcançado, de acordo com as possibilidades
concretas (Martín-Baró, 2011a). Sobre isso Cabrera (1990), afirma:
Recuperar la memoria histórica significará recuperar no sólo el sentido
de la propia identidad, no sólo el orgullo de pertenecer a un pueblo
así como de contaron una tradicíon y una cultura, sino, de rescatar
aquellos aspectos que sirvieron ayer y que servirán hoy para la
liberación. (p. 301).
O segundo aspecto de ordem práxica consiste em contribuir para a
desideologização da experiência cotidiana. Esta, por sua vez, tem como
objetivo resgatar a experiência original dos grupos e pessoas e devolvê-las
como dados objetivos que permitam às maiorias populares tomar
consciência da sua própria realidade, verificando a validade psicopolítica do
conhecimento adquirido ( Prilleltensky, 2003, Martín-Baró, 1996).
Por último, trata-se de potencializar as virtudes populares
encontradas nas tradições populares, na religiosidade popular e nas
estruturas sociais que tem permitido aos povos latino-americanos
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
7 Janousek, J. (1972).
8 Gaborit, M. (2006).
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
214
sobreviverem em condições inumanas de opressão. Estas capacidades
consistem na insubornável solidariedade, na capacidade de sacrifício
pessoal pelo bem coletivo, na capacidade humana de transformar o mundo
e na eterna esperança em um amanhã que vem sendo negado
constantemente (Cabrera, 1990).
Os elementos decorrentes dos fundamentos que compõem a Psicologia da
Libertação estão imbricados e interligados, pois são de certa forma,
inseparáveis. Mas, o presente trabalho se propõe a fazer uma separação
mais didática que possibilitará sua melhor compreensão.
2. MÉTODO
A partir de uma pesquisa bibliográfica9, foram realizados
procedimento de busca em bases de dados online - BVSPsi, Scielo, PePSIC e
Google Acadêmico e documentos presentes no grupo de pesquisa
Avaliação e Intervenção Psicossocial: Prevenção ,Comunidade e Libertação,
liderado pela Professora Raquel Souza Lobo Guzzo na Pontifícia
Universidade de Campinas, resultado de uma busca efetivada por ocasião
de uma visita científica à UCA. Foram utilizadas as seguintes palavras-chave
como referentes nas buscas: Martín-Baró, Psicologia da Libertação,
Psicologia Latino-Americana. Além dessas ferramentas de busca, utilizou-se
da visita à Fundação Aniela Tadeusz Ginsberg10 onde se encontra um acervo
de história da psicologia, sob a responsabilidade do grupo de pesquisa de
História da Psicologia, liderado pela Profa. Dra. Maria do Carmo Guedes11,
da PUC São Paulo.
O material encontrado foi organizado em uma lista (Quadro anexo )
por ordem cronológica. Foram recuperadas 99 publicações, sendo 78 títulos
diferentes e os outros 21 títulos repetidos que estavam publicados em mais
de um veículo. Após essa fase de compilação, as obras foram lidas e duas
delas foram selecionadas para servirem como base à análise das
características do Paradigma da Libertação na Psicologia. Os textos
escolhidos foram “Para uma Psicologia da Libertação” (Martín-Baró, 2011a)
e “La liberación como horizonte de la psicología” (Martín- Baró, 1998b). A
escolha dos dois textos aconteceu, à principio, pelo fato de conterem a
palavra “libertação/liberación” no título, o que permitiu a referencia
imediata ao propósito desse trabalho. Após a leitura dos textos, um exame
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
9 Segundo Lima & Mioto (2007), caracteriza-se como um procedimento metodológico importante na produção do
conhecimento científico capaz de gerar, especialmente em temas pouco explorados, a postulação de hipóteses ou
interpretações que servirão de ponto de partida para outras pesquisas.
10 Esta Instituição, criada por determinação - em testamento - tem como finalidade o apoio à estudantes de Psicologia
carentes de recursos. Mantém também o acervo sobre a obra da Dra. Aniela e um acervo de história da psicologia além de
organizar anualmente vários eventos e atividades de incentivo à pesquisa em Psicologia.
11 Os Autores agradecem à pesquisadora por ter compartilhado o material, bem como ao seu orientando de doutorado
Bruno Carvalho que nos acompanhou até a Fundação nos dando atenção enquanto fazíamos o levantamento das obras.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
215
Lucian Borges de Oliveira et al.
detalhado possibilitou identificar três dimensões características do
Paradigma da Libertação, a saber: dimensão Teórico Conceitual, dimensão
Práxica e dimensão Ética.
3. AS DIMENSÕES DO PARADIGMA DA LIBERTAÇÃO NA PSICOLOGIA DE
IGNÁCIO MARTÍN-BARÓ
3.1. DAS DIFICULDADES DO RESGATE DA OBRA
A recuperação e organização da obra de Matín-Baró culminaram em
um processo difícil, devido à dispersão da obra e a pouca disponibilidade da
mesma no Brasil. O autor preocupou-se, na maior parte de suas produções,
em investigar a realidade salvadorenha e latino-americana, isto pode se
visto nas listas 1 (em anexo). Sendo assim, o autor tinha um compromisso
com a realidade dos povos salvadorenhos e latino-americanos e coma sua
situação de injustiça e opressão. E, portanto, à ciência, no caso, a psicologia
deveria preocupar-se em propor um serviço eficaz para atender os
problemas das maiorias populares (Martín-Baró 2011a). Sendo assim,
Martín-Baró se dedicou a publicar a maior parte de sua obra em revistas
salvadorenhas e em revistas de outros países latino-americanos. De La Corte
(2000) diz que Martín-Baró queria colocar sua produção intelectual a
conhecimento do povo que se tratava.
Por estes fatos, apesar da dificuldade de recuperar e organizar a obra
do autor, este processo resultou em uma amostra muito relevante de sua
produção, o que possibilitou apontar como se manifestou o Paradigma da
Libertação na psicologia, em resposta à psicologia social hegemônica de seu
tempo - que em sua grande parte era importada dos EUA- e, portanto, não
respondia aos problemas do povo latino- americano que vivia em estado de
subdesenvolvimento (Martín-Baró 1998b), e ainda vive até hoje. Por isso o
Paradigma da Libertação na psicologia ainda se faz vivo e coerente em
responder/transformar os problemas psicossociais na América Latina.
3.2. A RELEVÂNCIA SOCIAL DA PSICOLOGIA SOCIAL NO TEMPO DE MARTÍN-BARÓ E
A NECESSIDADE DE UMA REVOLUÇÃO PARADIGMÁTICA
Thomas Kuhn citado por Barros (2010) diz que, quando um
paradigma não é capaz de responder à maioria dos problemas que
persistem ao longo de anos e às vezes séculos, é gradualmente posto em
cheque, pois começa a ser questionado se consiste mesmo como marco que
contém as respostas ou deve ser abandonado (Barros, 2010). Era isso que
acontecia com Psicologia Social em meados à década de 70, uma crise
paradigmática (Robaerttazi, 2005).
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
216
Isso acontecia não porque a psicologia social havia envelhecido
diante dos problemas presentes na América Latina, mas sim porque de fato
ela nunca respondeu às necessidades das maiorias populares deste
continente. Seus modelos teóricos e suas práticas eram importados dos
EUA, feitos para responder a realidade americana e não, das maiorias
populares da América Latina. Está importação da psicologia prestou-se a
tentar dar uma credibilidade científica à psicologia latino-americana e teve
como causa uma psicologia para os setores dominantes destes países e,
portanto, essa parcela fazia usa dessa psicologia como instrumento de
dominação (Martín-Baró 1998a, 1998b). Neste sentido, De La Corte (2000),
citando o próprio Matín-Baró aponta que, quando uma teoria é aplicada
num contexto muito distinto do de sua criação, ela é irrelevantemente
valida. Isto acontecia com a Psicologia Social hegemônica e importada.
Kuhn (1970), afirma que, que o paradigma “em cheque” tende a
resistir ferrenhamente ancorado em suas pretensões monopolistas. Isso
talvez ocorra não por vontade do paradigma em si, até mesmo porque ele
não é um ser com vida própria, mas sim por parte dos interesses daqueles
que se beneficiam com determinado paradigma. Acerca disso, Orlando Fals
Borda citado por Martín-Baró (1998b, p.334), discorre que “la ciencia no
pose valor absoluto, como si fuera un fetiche con vida propia, sino que es
un conocimiento válido y útil para determinados fines y que funciona con
verdades relativas, al servicio de quienes la producen y controlan”. Na
interpretação do autor do presente trabalho, era exatamente isso que tinha
acontecido e, talvez, ocorra até hoje de forma mais tímida, tratando-se da
Psicologia Social na América Latina. Os psicólogos latino-americanos
limitaram-se a servir às camadas dominantes, menos por indiferença e mais
por ingenuidades científica, pois o paradigma predominante no tempo de
produção de Ignácio Martín-Baró, não dava conta de atender os problemas
dos povos colonizados e oprimidos.
Frente a esta situação, fazia-se necessário uma resposta
paradigmática, não tanto por questões pessoais e mais por questões sociais
e demográficas, que Martín-Baró lançou mão do Paradigma da Libertação
na psicologia, com o propósito de estruturar uma Psicologia da Libertação.
A partir disso, tornou-se necessária uma psicologia que estivesse
comprometida com as questões das maiorias populares e respondesse a
isso, não só na forma de compreensão, mas também com o objetivo de
transformação de tal realidade injusta (Martín- Baró, 1998b). A
preocupação de Martín-Baró acerca da realidade dos salvadorenhos e de
seus problemas pode ser vista no anexo 1, em relação às temáticas de suas
obras. Observa-se que tratam de acontecimentos da vida cotidiana das
maiorias populares.
Para Kuhn (1970), um paradigma sempre apresenta o interesse de
criar e reproduzir condições para ampliar o conhecimento, respondendo
aos problemas que são colocados pela sua época. Na verdade, as próprias
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
217
Lucian Borges de Oliveira et al.
definições dos problemas ou dos tipos de problemas que a ciência deve
resolver, fariam parte do paradigma.
Talvez o grande número de obras acerca da temática Psicologia
latino-americana na produção de Martín-Baró, seja pelo fato da
necessidade da construção dessa psicologia, mas também o grande número
de trabalhos que tratam do cotidiano do povo salvadorenho e de realidade
mostra o compromisso com a urgência de dar uma resposta imediata aos
problemas dos salvadorenhos (De La Corte, 2000).
Tratamos paradigma aqui no sentido que Kuhn (1970) define o
paradigma – como conjunto de crenças, valores e técnicas comuns a um
grupo que pratica um mesmo tipo de conhecimento. Tomado isso em
conta, serão apresentadas as três dimensões que abarcam o Paradigma da
Libertação na Psicologia: dimensão teórica-conceitual, dimensão práxica e
dimensão ética. Essas três dimensões compreendem grande parte da
resposta paradigmática elaborada por Martín-Baró e encontram-se
totalmente imbricadas, constituintes umas das outras. A separação feita no
presente trabalho é realizada, mais, para efeito didático.
4. A DIMENSÃO TEÓRICO-CONCEITUAL
Ao analisar as duas obras de Martín-Baró, escolhidas por esse
trabalho, verificou-se que o autor propõe uma reformulação dos conceitos
já existentes para elaboração de uma Psicologia da Libertação. Não se trata
de jogar, deixar de lado tudo o que já foi produzido, mas refazer uma
leitura crítica a partir da perspectiva dos povos marginalizados, caso
contrário seria uma presunçosa insensatez com toda a história e
desenvolvimento da Psicologia como ciência e profissão, como aponta
Martín-Baró (1998b). O autor afirma que, “el problema no es sólo de
conocimiento y comunicación, sino primero de y más fundamentalmente de
teorización” (Martín-Baró 1998b, p.320). Para isso é imprescindível rechaçar
a importação mecânica de conceitos e teorias formulados em outras
sociedades diferentes das latino-americanas, que leva a ignorar os
problemas das maiorias populares. Examinar os problemas específicos do
povo oprimido sem marcos teórico, a priori, limita a capacidade de
compreensão de tal realidade.
Martín-Baró (1998b) diz que, o problema em sua visão é mais de
ordem epistemológica do que conceitual. Sendo assim, o que distorce a
realidade, não é tanto a teoria que se aplica, mas sim com que objetivo se
aplica. Para isso o autor propõe uma inversão marxista do processo:
que no sean los conceptos los que convoquen la realidad, sino la realidad la
que busque a los conceptos; que no sean las teorías las que definan los
problemas de nuestra situación, sino que sean esos problemas que los que
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
218
reclamen y por así decirlo, elijan su propia teorización. (Martín-Baró, 1998b,
p. 314)
Isso implica em mudar a tradição de um idealismo metodológico para
um realismo crítico. Tal realismo crítico necessita abandonar um paradigma
positivista das ciências naturais em favor de um paradigma histórico, a
partir de uma proposta de desnaturalização dos fenômenos, que não exija
distanciamento do objeto que se investiga, pois em ciências sociais o
pesquisador não pode evitar se sentir envolvido com os fenômenos que
estuda, posto que ele também compõe tal fenômeno (Martín-Baró 1998b).
Sendo assim, é indispensável um posicionamento frente a essa realidade
(característica ética que será tratada mais adiante).
Para exemplificar a dimensão teórica-conceitual da resposta
paradigmática elaborada por Martín-Baró, foram elencados alguns fatores
presentes em sua obra que talvez deem conta de abarcar esta dimensão.
Esses fatores são: perspectiva dialética, compreensão da ação, o significado
como ideologia e a dimensão histórica.
Perspectiva dialética: contra interpretações do comportamento
humano que separam individuo e sociedade e que alimentem
explicações reducionistas proporcionando reducionismos psicológicos
ou sociológicos. Ao contrário, a psicologia deve se aportar de um
saber dialético (Martín-Baró, 1998b), não no sentido
epistemológico, mas também no sentido ontológico. A Psicologia
deve atender as relações entre a estrutura psicológica e estrutura
social, e vice-versa (De La Corte, 2000).
Compreensão da ação: O que caracteriza, fundamentalmente, o ser
humano é a ação e não a conduta. Martín-Baró usa o conceito de
“ação” no sentido weberiano, que significa conduta dotada de
significação e sentido (De La Corte, 2000). Martín-Baró (2000),
afirma que a noção de ação apresenta dois sentidos importantes, por
um lado é o caráter propositivo da atividade humana, intencional,
motivada e vinculada, ao mesmo tempo, por outro lado, às
estruturas sociais de significado.
Significado como ideologia: Martín-Baró usa esse termo no sentido
da sociologia funcionalista, que consiste em um conjunto de ideias e
valores que regulam a interação social em um dado sistema (De La
Corte, 2000). E usa muito mais no sentido marxista, o qual adquire
uma conotação negativa, uma característica de mascaramento das
relações sociais e de naturalização da mesma (Chaui, 1980).
Martín-Baró (2000), colocou a ideologia como o objeto principal da
Psicologia Social. Acerca disso De La Corte (2000) afirma:
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
219
Lucian Borges de Oliveira et al.
la cultura establecida se interpreta como aquel conjunto de valores,
ideas y normas que regulan la vida social y que se encuentra orientado
a satisfacer única e fundamentalmente las necesidades y los intereses
de la clase social dominante; cultura, en suma, que se resuelve en
mera ideología o sistema de significados cuya función social más
importante es la de legitimar el orden social imperante mediante el
encubrimiento de una radical desigualdad entre clases. (p. 445)
A partir disso, Martín-Baró (1998a) coloca como um dos quefazer dos
psicólogos latino-americanos, a desideologização da experiência cotidiana
que significa resgatar as experiências originais dos grupos e das pessoas e
devolvê-las como dado objetivo, o que lhes permitirá formalizar a
consciência de sua própria realidade, verificando a validade do
conhecimento adquirido (Martín-Baró, 1990). “Essa desideologização deve
se realizar, na medida do possível, em um processo de participação crítica
na vida dos setores populares, o que representa uma certa ruptura com as
formas predominantes de pesquisa e análise” (Martín-Baró, 2011, p.196).
5. A DIMENSÃO HISTÓRICA
Martín-Baró (2000), aponta que a psicologia tem tido uma
característica de a-historicidade ao longo de seu percurso como ciência e
profissão. Sendo assim, ele afirma que é indispensável essa questão para
uma Psicologia da Libertação (Martín-Baró, 2011). Para ele, três
consequências da incorporação da historicidade na psicologia: a) o
reconhecimento das particularidades espaço-temporais que condicionam as
questões humanas; b) o favorecimento de uma concepção de ser humano
como agente de sua própria vida, responsável tanto por seu destino quanto
pelos processos sociais de que participa; c) a superação da consequência das
ideias positivistas, chamada por ele de cegueira para a negatividade que
consiste na naturalização de processos sociais (Martín-Baró, 2000). Esta
cegueira para a negatividade é característica da análise do positivismo,
pois, este só engendra a sua analise nas coisas como elas são, e não também
como elas podem ser, dimensão que é negada pelas coisas como elas são. O
resgate da historicidade é fundamental para essa superação (Martín-Baró,
1998b).
6. A DIMENSÃO PRÁXICA
A dimensão prática focaliza o quefazer científico e profissional
proposto por Ignácio Martín-Baró. Segundo ele, a psicologia latino-
americana permaneceu à margem dos grandes movimentos e inquietudes
de seu povo (Martín-Baró 1998b). Mas essa marginalidade da práxis, talvez
não deva ser atribuída tanto a um conformismo dos profissionais de
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
220
psicologia, mas sim a um impotência do próprio quefazer psicológico,
devido à sua incapacidade paradigmática em responder aos problemas do
povo latino-americano.
A práxis deve estar ligada à relevância social da psicologia, portanto,
deve atender a quem tem ficado marginalizado do progresso social e do
bem-estar que a psicologia tem proposto ao longo de seu percurso. a
partir da práxis é possível uma teorização (Guareschi, 2011).
Assim, para proporcionar um novo conhecimento psicológico, não
basta situar na perspectiva do povo, mas é necessária uma práxis
transformadora, que permita conhecer as coisas, não apenas como elas são,
mas como elas podem vir a ser (Martín-Baró, 1998a). Isto ocorre na medida
em que se orienta para aquilo que se deve ser.
A partir dessa nova práxis, surge uma questão, que é a necessidade
da politização da psicologia, o que tem sido rechaçado por muitos
psicólogos e abordagens psicológicas (Delahanty, 2009). Assumir essa
perspectiva de uma práxis popular é tomar partido (Martín-Baró 1998a), o
que não significa que, por ter uma parcialidade, o conhecimento, deixa de
ser subjetivo. A parcialidade não pode ser confundida com subjetividade. A
parcialidade é produzir conhecimento, a partir de certos interesses, às vezes
conscientes e às vezes não, mas também pode ser resultado de uma opção
ética (dimensão que veremos mais a frente). Neste caso, então, propõe-se a
produzir conhecimento a partir dos interesses das maiorias populares.
Referente a isso Martín-Baró (2011a) afirma:
Enquanto estamos condicionados por nossos interesses de classe que
parcializam nosso conhecimento, nem todos realizam uma opção ética
consciente que assuma uma parcialização coerente com os próprios
valores. Diante da tortura ou do assassinato, por exemplo, deve-se
tomar partido, o que não quer dizer que não se pode alcançar a
objetividade na compreensão do ato criminal e de seu autor,
torturador ou assassino. (p. 194)
Essa questão práxica deve se por a favor de encaminhar as maiorias
para a conquista de um poder popular, um poder que proporcione aos
povos “tomarem as rédeas” de suas vidas nas próprias mãos, como firma
Martín-Baró (1998a), realizar mudanças que tornem as sociedades latino-
americanas mais justas e humanas.
É impossível separar essa dimensão prática da dimensão teórico-
conceitual que abordamos anteriormente. Como dito antes, a separação foi
para efeito didático, pois, tal dicotomização vai contra os pressupostos
do conceito de Libertação. Este conceito é proposto, inicialmente, pela
Teologia da Libertação e a seguinte afirmação de Guareschi (2011) pode
nos ajudar a compreender essa inseparabilidade entre teoria e prática:
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
221
Lucian Borges de Oliveira et al.
A Teologia da Libertação inspirou-se muito, em sua elaboração, no
livro do Êxodo, que narra à libertação do povo judeu do domínio dos
Faraós. A construção teórica foi feita com base em uma história
acontecida, de uma prática realizada. (p. 57)
As explanações dessas duas dimensões, “teórico-conceitual” e
“praxica”, remetem a uma terceira dimensão, a dimensão ética, por que
tem a ver com os valores dos objetivos da Libertação, pois quem se liberta,
liberta-se de algo.
7. A DIMENSÃO ÉTICA
Esta dimensão talvez seja a mais importante deste trabalho, primeiro,
porque esta dimensão abarca as duas apontadas anteriormente, no sentido,
de que os aspectos das duas dimensões anteriores foram elaborados por
Martín-Baró para que rumassem no sentido da libertação. Quando se fala
em libertação, logo se remete a pergunta, libertar-se de que? Isto é,
libertar-se de algo negativo, que nos prejudica ou prejudica os grupos
(Guareschi, 2011) é libertar-se das condições de opressão, da realidade de
injustiça, de dominação e de subdesenvolvimento, às quais estão
submetidos os povos latino-americanos. Sendo assim, isso implica em tomar
posições, escolher um lado de acordo com seus valores. O lado que Martín-
Baró escolheu para teorizar para atuar foi o lado desses povos e não o das
camadas dominantes, lado que a psicologia em geral e os psicólogos em sua
maioria estiveram E a segunda coisa que suscita um debate nessa dimensão,
é relacionada à primeira: essa opção ética de Matín-Baró pode ter sido a
causa de seu assassinato. Pois, os jesuítas da UCA foram acusados pelo
governo, anteriormente, em campanhas pelo radio de subversivos,
comunistas-terroristas, como apontou Dobles (2009).
Que psicologia é essa que pode levar a morte? Por que um
pesquisador pode passar toda a sua vida produzindo no reduto da
academia, sem sequer pensar na possibilidade de morrer por isso, e por que
outros sofrem acusações, ameaças, perseguições e até mesmo a morte,
como no caso de Ignácio Martín-Baró? O próprio contexto histórico no qual
surgiu o conceito de Libertação, já remete a uma opção ética. Esse conceito
nasceu em uma situação da América Latina de morte, de desespero, de
subdesenvolvimento, de doenças, de mortalidade infantil, no qual havia
uma situação de indignidade, que agride o ser humano (Guareschi, 2011).
Sendo assim, era preciso um enfrentamento por parte de diferentes áreas
do conhecimento e Martín-Baró fez isso pela Psicologia.
No ocidente, a partir da modernidade, desenvolveu-se uma ideia de
que a ciência é neutra (Martín-Baró, 1998a, Martín-Baró 1998b). Mas isso é
impossível, pois, toda ação tem um conteúdo ético (Guareschi, 2011), toda
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
222
ação é uma ação ética. O que existe é acompanhar o fluxo da maré ou
remar contra ela, o que fica mais em evidencia, quando se opta por esse
lado, mas as duas ações são ações éticas, dar manutenção a ordem ou
transformá-la. No caso dos psicólogos, em relação os povos latino-
americanos, implica em percorrer com eles o caminho da libertação ou
deixar que permaneçam em tal situação. Guzzo e Lacerda Jr (2007) citando
Heller (1982) afirmam que optar pela posição de neutralidade, também é
posicionar-se eticamente, postura que legitima e mantém o status quo.
Martín-Baró deixou claro o seu posicionamento ético que era estar
do lado dos pobres e oprimidos. (Martín-Baró, 1998b; Boff e Boff, 1985)
como um teólogo da libertação. No momento em que alguém se solidariza
e se engaja com os sofredores e oprimidos, se angaria automaticamente,
inimigos entre os detentores do poder (Guareschi, 2011). Portanto, é
importante apontar aqui que a sua opção ética pelos pobres, a sua práxis
junto a eles, talvez tenha sido uma das principais causas de seu assassinato.
A Psicologia da Libertação, portanto, propõe-se a balançar as estruturas
(Osório, 2011), mexer nas relações de poder e de dominação, nas relações
de opressão e, por fim, transformá-las, proporcionando assim a libertação
aos povos que estavam e estão nessas condições.
8. CONSIDERAÇÕES FINAIS - VIVER SEM CONHECER O PASSADO É COMO
CAMINHAR NA ESCURIDÃO
Martín-Baró soube identificar os problemas da vida cotidiana dos
povos latino-americanos e se deu conta de que a psicologia hegemônica de
sua época não respondia às tais questões. A partir disso, transpôs o
Paradigma da Libertação para a Psicologia, construindo então, a Psicologia
da Libertação. As dimensões, aqui abordadas, dessa Psicologia - teórica-
conceitual, práxica e ética – tem como horizonte a libertação dos povos
latino-americanos de suas condições de opressão, subdesenvolvimento,
injustiça e desigualdade.
Essa opção ética de Martín-Baró custou-lhe a vida, pois a sua ciência e
a sua prática, tinham como consequência abalar as estruturas de poder e
superá-las. Adquiriu, assim, inimigos, a quem não interessava a libertação
dos oprimidos.
Por isso, o resgate da obra de Martín-Baró, considerando que a
situação na América Latina faz-se necessário por sua atualidade e
pertinência. Sua teoria faz-se muito viva para a atuação dos psicólogos
comprometidos com as maiorias populares, nos dias de hoje.
O presente trabalho, também gerou uma indignação ao reavivar a
memória, sobre a sangrenta madrugada do dia 16 de novembro de 1989,
em que soldados, a mando do governo salvadorenho, invadiram a UCA e
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
223
Lucian Borges de Oliveira et al.
cometeram a chacina que marcou para sempre os métodos da dominação
imperialista na América Latina. No entanto, além de provocar o extermínio
de um grupo de pessoas que construíam o processo da libertação, também
produziu a esperança com dor e sofrimento, mas com muito desejo e força
de disseminação e organização para seguirmos o legado dos jesuítas – pelas
diferentes disciplina um mesmo horizonte libertador.
São grandes as limitações deste trabalho, porém, por meio dele,
abriram-se perspectivas para uma análise das obras que ainda não foram
analisadas, para a busca e o levantamento de obras que ainda não
encontradas e, mais importante, foi possível firmar contatos com outros
grupos de pesquisa e pesquisadores, que visam a ampliação do
conhecimento acerca do paradigma da Libertação, dentro e fora da
Psicologia. Desde 2003, quando o Sexto Congresso Internacional de
Psicologia da Libertação foi trazido ao Brasil pela primeira vez, em Itaici,
organizado pelo Grupo de Pesquisa da Prof Raquel S. L. Guzzo, a obra de
Ignácio Martín-Baró tem sido disseminada nos cursos de formação de
psicólogos brasileiros e faz parte de diversos grupos de pesquisa pelo país.
Essa conquista serve de patamar para a organização, cada vez mais forte,
daqueles que desejam umaoutra Psicologia uma ciência e uma profissão,
de fato e na vida concreta, comprometida com a realidade dos pobres e
excluídos que vivem no sistema capitalista.
9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Boff, L. & Boff, C. (1985) Teologia da Libertação no debate atual. Petrópolis:
Vozes.
Barros, J. (2010). Sobre a noção de Paradigma e seu uso nas ciências
humanas. Cad. de Pesq. Interdisc. em Ci-s. Hum-s., 11 (98), 426-444.
Cabrera, E. (1990). Una entrevista con Ignácio Martín-Baró. Revista de
Psicologia de El Salvador, 9 (37), 299-308.
Chauí, M. (1980). O que é ideologia. Extraído de:
http://pt.scribd.com/doc/12876624/Colecao-Primeiros-Passos-O-Que-e-
IdeologiaMarilena-Chaui
De La Corte, I. (2000). La psicología de Ignacio Martín-Baró como psicología
social crítica. Uma presentación de su obra. Revista de Psicología
Geral y Aplicada. 53 (3), 437- 450.
De La Corte, I. (2001). Memoria de um compromisso: Lá psicología social de
Ignácio Martín-Baró. Bilbao: Descleé
Delahanty, G. (2009) La psicología política de Ignacio Martín-Baró. Extraído
de:
http://www.psicologiasocial.xoc.uam.mx/textos/arctex/PsicSocBaro-
Delahanty.html
Dobles, I. O. (2009). Ignácio Martín Baró y psicología de la liberación: um
desafio vigente.
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
224
Extraído de:
http://www.catedralibremartinbaro.org/pdfs/PCL_DoblesI_UnDesafio
Vigente.pdf
Gaborit, M. (2006). Memoria histórica: relato desde las víctimas
Pensamiento Psicológico. 2 (6), 720.
Gramsci, A. (1981). A Concepção Dialética da História. Civilização Brasileira,
4° edição.
Gramsci, A. (1982). Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Civilização
Brasileira.
Guareschi, P. (2011). Pressupostos epistemológicos implícitos no conceito de
libertação. In: R. S. L. Guzzo & F. Lacerda Jr. F. (orgs), Psicologia
Social para a América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação.
Campinas: Editora Alínea.
Guzzo, R. S. L. & Lacerda Jr. F. (2007). Fortalecimento em tempo de
sofrimento: reflexões sobre o trabalho do psicólogo e a realidade
brasileira. Revista Interamericana de Psicologia/Interamerican
Journal of Psychology, 41(2), 231-240.
Guzzo, R. S. L. (2013) Conscientization and Political Changes (prelo). In
Thomas T. (Org.), Encyclopedia of Critical Psychology, 1, 104-104.
Londres: Springer.
Janousek, J. (1972) On the Marxian Concept of Praxis. In J. Israel & H.Tajfel.
The context of Social Psychology – a critical assessment (pp. 279-294).
Londres: Academic Press.
Kuhn, T. (1970) A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora
Perspectivas.
Lima, T. C. S. & Mioto, R. C. T. (2007). Procedimentos metodológicos na
construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica.
Revista Katál. Florianópolis, 10, 37-45.
Martín-Baró, I. (1981). As aspiraciones del pequeño-burgués salvadoreño.
Revista Estudios Centroamericanos, 35 (377), 773-788.
Martín-Baró, I. (1979). Household Density and Crowding in Lower Class.
Salvadorans. Doctoral Thesis, Faculty of Social Science,
Department of Behavioral Science, University of Chicago.
Martín-Baró, I. 1989. La opinión pública salvadoreña (1987-1988). El
Salvador: UCA Editores.
Martín-Baró, I. (1990). La encuesta de opinión pública como instrumento
desideologizador. Revista de Psicologia de El Salvador 9, 35, 9-22.
San Salvador: El Salvador.
Martín-Baró, I (1996). O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, 2 (1), 7,
27-29.
Martín-Baró, I. (1998a). Hacia una psicología de la liberación . Boletín En A.
Blanco (ed.), Psicología de la Liberación. Madrid: Editorial
Trotta.
Martín-Baró, I. (1998b) La liberación como horizonte de la psicología. En A.
Blanco (ed.), Psicología de la Liberación. Madrid: Editorial
Trotta.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
225
Lucian Borges de Oliveira et al.
Martín-Baró, I. (2000). Acción y ideología: psicología social desde
Centroamérica. San Salvador: UCA Editores.
Martín-Baró, I. (2011a). Para uma Psicologia da Libertação. In R. S. L. Guzzo
& F. Lacerda Jr. (orgs). Psicologia Social para a América Latina:
o resgate da Psicologia da Libertação. Campinas: Editora Alínea.
Martín-Baró, I. (2011b). Desafios e Perspectivas da Psicologia Latino-
americana. In R. S. L. Guzzo & F. Lacerda Jr. (orgs). Psicologia Social
para a América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação.
Campinas: Editora Alínea.
Osório, J. M. F. (2011). Ética e construção social da libertação latino-
americana. In R. S. L. Guzzo & F. Lacerda Jr. (orgs). Psicologia Social
para a América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação.
Campinas: Editora Alínea.
Prilleltensky, I. (2008). The role of power in wellness, oppression and
liberation: the promise of psychopolitical validity. Journal of
Community Psychology. 36 (2), 116- 136.
Roberttazi, M. (2005). Psicología social latinoameticana: uma resposta
neoparadigmática. En Aporte de autores argentinos a la
Psicología Social. El psicoanálisis en ámbitos colectivos. Recuperado
de:
http://www.buenastareas.com/ensayos/Latinoamerica/52225538.html
Sloan, T. & Moreira, V. (2002). Personalidade, Ideologia e Psicopatologia
Crítica. São Paulo: Escuta.
Sobrino, Jon. (1990). Os seis jesuítas mártires de El Salvador. São Paulo:
Loyola.
Whitfield, Teresa. (1998). Pagando el precio: Ignacio Ellacuría y el asesinato
de los jesuítas
en El Salvador. San Salvador: UCA editores.
10. QUADRO DAS PRODUÇÕES DE IGNÁCIO MARTÍN-BARÓ
1965
- Dios y materialismo dialectico.
1966
- Los cristianos y la violência.
- La forja de rebeldes . ECA 21, 221, 287-88.
- La muerte como problema filosófico. ECA 21, 212, 7-12.
1967
- ¿Quién le teme a James Bond? ECA 22, 227, 511-12.
1968
- El complejo de macho o el "machismo". ECA 23, 243, 367-73.
- Propaganda: deseducación social (c). ECA 23, 243, 367-73.
- El pulso del tiempo; guerrilleros y hippies. ECA 23, 234. 25-26.
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
226
1970
- Psicología de la caricia. ECA 264, 496-98.
1971
- Problemas actuales en psicopedagogía escolar. ECA 26, 273, 401-13.
1972
- Del alcohol a la marihuana (c). ECA 27, 283, 225-42.
- Una nueva pedagogía para una universidad nueva. ECA 27, 281-82, 129-
45.
- Peluqueros institu - @cionales. ECA 27, 288-89, 697-701.
- Presupuestos psicosociales de una caracteriología para nuestros países.
ECA 27, 290, 763-86.
1973
- Cartas al presidente: reflexiones psicosociales sobre un caso del
personalismo político en El Salvador. ECA 28, 296, 345-57.
- Psicología del campesino salvadoreño. ECA 28, 297-98, 476-95.
- Algunas repercusiones psico-sociales de la densidad demográfica en El
Salvador. ECA 28, 293-94, 123-32.
- Antipsiquiatría y psicoanálisis. ECA 28, 293-94, 203-6.
1974
- ¿Quién es pueblo?: reflexiones para una definición del concepto de
pueblo. ECA 29, 303-4, 11-20.
- Elementos de conscientización socio-política en los curriculos de las
universidades (c). ECA 29, 313-14, 765-83.
1975
- El valor psicológico de la represión política mediante la violencia. ECA 30,
326, 265-82.
- El estudiantado y la estructura universitaria. ECA 30, 324-25, 638-51.
- Cinco tesis sobre la paternidad aplicadas a El Salvador. ECA 30, 319-20,
265-82.
1976
- Problemas de psicología social en América Latina (compilación de textos).
San Salvador: UCA editores.
- La desatención social del poder. En I. Martín-Baró, Problemas de
psicología social en América, 98-109. San Salvador: El Salvador.
1977
- Del cociente intelectual al cociente racial. ECA 32, 345, 485-94.
1978
- (Con M. Herrera) Ley y orden en la vida del mesón. ECA 33, 360, 803-28.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
227
Lucian Borges de Oliveira et al.
- Vivienda mínima: obra máxima. ECA 33, 359, 732-33.
1979
- Cien años de psicología. ECA 34, 368, 432-33.
- El papel del psicólogo en el contexto centroamericano. Boletín de
Psicología de El Salvador 4 (17), 99-112.
- La violencia política y la guerra como causas del trauma psicosocial en El
Salvador. Revista costarricense de Psicología, 12 (13), 21-34.
- La mujer salvadoreña y los medios de comunicación masiva. Revista de
Psicología de El Salvador 7 (29), 253-266.
- La institucionalización de la guerra (b). Revista de Psicología de El
Salvador 8 (33), 223-245.
- La violencia política y la guerra como causas del trauma psicosocial en El
Salvador. Revista de Psicología de El Salvador 7 (28),123-141.
1980
-Aspiraciones del pequeno burguês salvadoreño. Revista Estudios
Centroamericanos, 35 (377), 773 - 788.
- Ocupación juvenil: reflexiones psicosociales de un rehén por 24 horas.
Estudos Centroamericanos. 463, 474.
- A la muerte de Piaget. ECA 35, 383, 869-71.
1981
- Las raíces psicosociales de la guerra en El Salvador. San Salvador.
- El liderazgo del Monseñor Romero: un análisis psicosocial. ECA 36, 389,
152-72.
- Actitudes en El Salvador ante una solución política a la guerra civil. ECA
36, 390-91, 325-48.
1982
- El llamado de la extrema derecha . ECA 37, 453-466.
1984
- Guerra y salud mental. ECA 39, 429-30, 503-14.
- El terrorismo del estado norteamericano . ECA 39, 433, 813-16.
1985
- La desideologización como aporte de la psicología social al desarrollo de
la democracia en Latinoamérica (e). Boletín de la AVEPSO 8, 3, 3-9.
1986
- Hacia una psicología de la liberación (d). Boletín de Psicología de El
Salvador 5, 22, 219-31.
- La ideología familiar en El Salvador. ECA 41, 450, 291-304.
- El pueblo salvadoreño ante el diálogo. ECA 41, 454-55, 755-68.
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
228
1987
- El latino indolente: carácter ideológico del fatalismo latinoamericano (a).
En M. Montero (ed.), Psicología política latinoamericana. Caracas: Panapo.
- Así piensan los salvadoreños urbanos (1986-1987) (c). San Salvador: UCA
editores.
- Del opio religioso a la fe libertadora (b). En M. Montero (ed.), Psicología
política latinoamericana. Caracas: Panapo.
- Votar en El Salvador: psicología social del desorden político (f). Boletín de
la Avepso 10, 2, 28-36.
- Los grupos con historia: un modelo psicosocial. Boletín de la AVEPSO 11, 1,
3-18.
- ¿Es machista el salvadoreño?. Boletín de Psicología de El Salvador 6, 24,
101-22.
1988
- La mujer salvadoreña y los medios de comunicación masiva (b). Revista de
Psicología de El Salvador 7, 29, 253-66.
- La violencia política y la guerra como causas del trauma psicosocial en El
Salvador. Revista de Psicología de El Salvador 7, 28, 123-141.
- From Dirty War to Psychological War: The case of El Salvador. En A. Aron
(ed.), Flight, Exile an Return: Mental Health and the Refugee. San Francisco:
CHRICA.
- La violencia en Centroamérica: una visión psicosocial (c). Revista de
Psicología de El Salvador 7, 28, 123-141.
- Opinión preelectoral y sentido del voto en El Salvador. ECA 43,213-23.
1989
- La institucionalización de la guerra (b). Revista de Psicología de El
Salvador 8, 33, 223-45.
- Sistema, grupo y poder: psicología social desde Centroamérica II (a). San
Salvador: UCA editores.
- Las consecuencias psicológicas del terrorismo político. Transcripción de la
presentación en el Simposio sobre las consecuencias psicológicas del
terrorismo político, en Berkeley, California, 17 enero.
-La violencia política y la guerra como causas del trauma psicosocial en El
Salvador. En I. Martín-Baró (ed.), Psicología social de la guerra: trauma y
terapia. San Salvador: UCA editores.
- La opinión pública salvadoreña (1987-1988). San Salvador: UCA Editores.
- Psicología política del trabajo en América Latina (f). Revista de Psicología
de El Salvador 8, 31, 5-25.
- Sólo Dios salva. Sentido político de la conversión religiosa (l). Revista
chilena de Psicología 10, 1, 13-20.
- El papel del psicologo em el contexto centroamericano. Boletín de la
AVEPSO, 12, 3, pp. 6-16.
- De la guerra sucia a la guerra psicológica: el caso de El Salvador. Boletín
de la AVEPSO, 12, 3, pp.18-26.
- Iglesia y revolución em El Salvador. Boletín de la AVEPSO, 12, 3, pp. 27-44.
Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação
!
!
229
Lucian Borges de Oliveira et al.
- Los medios de comunicación masiva y la opinión pública en El Salvador de
1979 a 1989 (c). ECA 44, 1081-1093.
1990
- La encuesta de opinion publica como instrumento desideologizador.
Revista de Psicologia de El Salvador 9, 35, 9-22, San Salvador, El Salvador.
- El hacinamiento residencial: ideologización y verdad de un problema real .
Revista de Psicología de El Salvador, 9, 38 , 25-51.
- El papel del psicólogo en el contexto centroamericano . Revista de
Psicología de El Salvador 9, 35, 53-70.
- Guerra y salud mental. Revista de Psicología de El Salvador 9, 35, 71-88.
- De la guerra súcia a la guerra psicológica: el caso de El Salvador. Revista
de psicología de El Salvador, 9, 35, 109-122.
- ¿Trabajador alegre o trabajador explotado? La identidad nacional del
salvadoreño (a). Revista de Psicología de El Salvador 9, 35, 147-172.
- La violencia en Centroamérica: una visión psicosocial. Revista de Psicología
de El Salvador 9, 38, 123-146.
- Guerra y trauma psicosocial del niño salvadoreño . En I. Martín-Baró (ed.),
Psicología social de la guerra: trauma y terapia. San Salvador: UCA editores.
- Guerra y salud mental. En I. Martín-Baró (ed.), Psicología social de la
guerra: trauma y terapia. San Salvador: UCA editores.
- La violencia política y la guerra como causas del trauma psicosocial en El
Salvador . Revista de Psicología de El Salvador 9, 35, 89-108.
-De la guerra súcia a la guerra psicológica: el caso de El Salvador. En I.
Martín-Baró (ed.), Psicología social de la guerra: trauma y terapia. San
Salvador: UCA editores.
- La familia, puerta y cárcel para la mujer salvadoreña (e). Revista de
Psicología de El Salvador 9, 37, 265-77.
- Reparations: Attention Must be Paid (f). Commonweal, 23 de Marzo.
1991
- El método em psicología política. En: Maritza Montero (coord), Acción y
discurso: Problemas de psicología política em América Latina. Caracas:
Eduven, 39-58.
1992
- Los grupos con historia: un modelo psicosocial. Revista de Psicología de El
Salvador, 11, 43, 7-25.
- Conflicto social e ideologia cientifica: de Chile a El Salvador. Revista de
Psicologia de El Salvador, 11, 46, pp. 317-338.
1994
Reforma Agraria em El Salvador.
Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, Vol. 3, Nº 1, Juio 2014 ISSN 0719-2703
!
230
1995
-Procesos psíquicos y poder (h). Manuscrito. En M. Montero (Ed.), Psicología
de la acción política.Barcelona: Paidós.
1996
- O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, 2(1),7-27.29.
1998
- Hacia una psicología de la liberación (d). Boletín de Psicología de El
Salvador, (5), 22, 219-231. En A. Blanco (Ed.), Psicología de la Liberación.
Madrid: Editorial Trotta.
- Elementos de conscientización en los curricula universitarios. In: A. Blanco,
Psicología de la liberación (pp. 131-159). Madrid: Trotta.
- El papel del psicólogo en el contexto centroamericano. In: A. Blanco,
Psicología de la liberación (pp. 161-199). Madrid: Trotta.
- Hacia una psicología de la liberación. In: A. Blanco, Psicología de la
liberación (pp. 283-302). Madrid: Trotta.
- La liberación como horizonte de la psicología. In: A. Blanco, Psicología de
la liberación (pp. 303-341). Madrid: Trotta.
2006
- Hacia uma psicología de la liberacion. Revista Eletrónica de Intervención
Psicosocial y Psicología Comunitaria. 1,2, pp. 7-14.
2000
- Acción y ideología: psicología social desde Centroamérica. San Salvador:
UCA Editores.
2010
- La investigación y el cambio social. Salvadoran Journal of Psychology. 1, 2,
pp. 91-98.
2011
- Para uma Psicologia da Libertação. In: R. S. L. Guzzo & F. Lacerda Jr, (Orgs).
Psicologia Social para a América Latina: o resgate da Psicologia da
Libertação. Campinas, SP: Editora Alínea.
- Desafios e Perspectivas da Psicologia Latino-americana. In: R. S. L. Guzzo &
F. Lacerda Jr, (Orgs). Psicologia Social para a América Latina: o resgate da
Psicologia da Libertação. Campinas, SP: Editora Alínea.
... Em 1979 tornou-se doutor em Psicologia Social e Organizacional, ao defender sua tese na Universidade de Chicago, EUA. Ao retornar do doutorado assumiu vários cargos na UCA, inclusive como de vice-reitor e editor da revista Estudios Centro-americanos (Oliveira, & Guzzo, 2013). ...
... Em 1989 foi emitida uma ordem do alto escalão militar e dos assessores norte-americanos para assassinar os intelectuais jesuítas da Universidade, que eram acusados de serem comunistas, terroristas e de apoiarem as guerrilhas de resistência. Martín-Baró, o reitor Ignácio Ellacuria, também jesuíta, além de outros jesuítas foram alvejados em sua moradia dentro da Universidade (Oliveira, & Guzzo, 2013). ...
Article
Full-text available
Resumo: O presente artigo apresenta discussão sobre o fazer psi na época da ditadura civil militar, objetivando responder ao seguinte questionamento: a Psicologia brasileira esteve a serviço da ditadura civil militar ou da sociedade?. Considerando que a regulamentação da profissão de psicólogo em 1962 coincidiu com o período ditatorial vivenciado no Brasil entre os anos de 1964 a 1985, objetivamos discutir sobre o desenvolvimento da Psicologia como ciência e profissão neste contexto turbulento para a sociedade brasileira. Para alcançar esse objetivo, utilizou-se como metodologia a pesquisa bibliográfica. Nesse sentido, referenciamo-nos na discussão sobre o papel do psicólogo, na perspectiva de Martín-Baró, para discutir o compromisso do profissional com o processo de conscientização das pessoas. Conforme as discussões empreendidas, foi possível descortinar os movimentos de atuação que corroboravam com a manutenção do sistema, ou seja, que compactuavam com práticas repressivas, mas também, os movimentos que buscavam promover a conscientização, ou mesmo dispor a Psicologia a serviço dos menos favorecidos, mesmo que de modo clandestino.
... Uma figura teórica importante no processo de uma psicologia que atenda as demandas territoriais do local foi Ignácio Martin-Baró, que nasceu no ano de 1942, na cidade de Valladoid, Espanha (OLIVEIRA; GUZZO, 2013). Este, por sua vez, lutou por uma psicologia latino-americana própria, atendendo a realidade geográfica; em 1980 introduziu o conceito de Psicologia da Libertação -que sua prática se relaciona com os problemas estruturais vividas pelas populações oprimidas, essas que resistem e superam a opressão por meio do coletivo (MARTIN-BARÓ, 2011). ...
... em relação à construção de uma Psicologia da Libertação e do compromisso do psicólogo latino-americano. Martin-Baró realizou uma crítica direta à psicologia hegemônica na década de 60, a qual, amparada por modelos americanos, apontava uma suposta homogeneidade e integração da sociedade(Oliveira, Guzzo, Tizzei & Neto, 2014). A realidade de El Salvador, país no qual o autor desenvolveu sua prática profissional e foi assassinado, rompia com as concepções de harmonia societal. ...
... em relação à construção de uma Psicologia da Libertação e do compromisso do psicólogo latino-americano. Martin-Baró realizou uma crítica direta à psicologia hegemônica na década de 60, a qual, amparada por modelos americanos, apontava uma suposta homogeneidade e integração da sociedade(Oliveira, Guzzo, Tizzei & Neto, 2014). A realidade de El Salvador, país no qual o autor desenvolveu sua prática profissional e foi assassinado, rompia com as concepções de harmonia societal. ...
Chapter
Full-text available
In chapter 10, Henrique Aragusuku and Felipe Cazeiro present initial reflections and a general overview of the relations between Psychology and LGBT public policies in Brazil, with the realization of a historical contextualization of Psychology in the theme of human rights and the emergence of public policies LGBT in the Brazilian scenario in the 21st century. No capítulo 10, Henrique Aragusuku e Felipe Cazeiro apresentam reflexões iniciais e um panorama geral sobre as relações entre Psicologia e políticas públicas LGBT no Brasil, com a realização de uma contextualização histórica da atuação da Psicologia na temática dos direitos humanos e da emergência das políticas públicas LGBT no cenário brasileiro no século XXI.
... Afinal, partimos do pressuposto que a Psicologia brasileira toma o ser humano e a realidade como objetos de estudo e intervenção, sobretudo, o brasileiro e a brasileira. Logo, não se trata de uma tomada de consciência individual, mas sim coletiva que vise primeiramente as condições objetivas comunitárias (Oliveira & Guzzo, 2014). Dessa forma, as novas inserções dos profissionais psi exigem novos pressupostos e paradigmas, sobretudo no trabalho com a pobreza: ...
Article
Full-text available
O presente artigo objetivou realizar uma análise sobre como a temática da pobreza tem historicamente comparecido nos estudos e parâmetros de atuação profissional do psicólogo brasileiro. Foi realizada uma revisão bibliográfica acerca do objeto de estudo, o resgate de produções pertinentes sobre a relação da Psicologia brasileira com a pobreza ao longo de seu desenvolvimento, bem como de documentos e parametrizações do Conselho Federal de Psicologia. Observamos um crescimento do envolvimento da Psicologia com a pobreza e demais expressões da "questão social", atrelado com a maior vinculação da profissão com as políticas públicas e sociais. O debate entre "questão social", pobreza e Psicologia, contextualizado em diferentes fases do capitalismo, face às particularidades brasileiras e atual conjuntura, evidencia as contradições: autocrítica acerca do distanciamento com a realidade brasileira e insuficiências teórico-práticas, mas com a hegemonia na Psicologia ainda se fazendo valer por meio de leituras e práticas individualizantes, psicologizantes, perpetradoras da ordem. Dessa forma, uma Psicologia compromissada com a compreensão e superação da pobreza, assim como do sistema que a forja e nela se sustenta, requer a identificação e libertação de sua própria pobreza.
... A compreensão de violência, sobre a qual construímos as ações do projeto ECOAR, tem como fundamento as formulações do psicólogo Ignácio Martín-Baró (1942-1989 que buscou ampliar as concepções éticas e políticas para o campo da Psicologia, construindo a Psicologia da Libertação. Trata-se de uma Psicologia formulada para enfrentar a realidade social da América Latina, marcada pela dominação norte americana e trazendo como consequência ao povo, processos de opressão e violência decorrentes das desigualdades sociais, ditaduras e guerras que ali se instalavam (Oliveira, Tizzei, Guzzo, & Silva Neto, 2014). O autor tomou a violência como objeto de seu estudo, sob uma perspectiva psicossocial, isto é, a analisava enquanto ela se configurava no ambiente social em que vivia. ...
Article
Full-text available
O cotidiano da escola pública tem sido um espaço de grandes desafios aos professores, técnicos, funcionários, estudantes e suas famílias diante das distintas formas de violência que marcam as relações sociais e impactam o desenvolvimento das crianças. Para que o espaço escolar seja promotor de desenvolvimento, enfrentando os impactos da violência e prevenindo problemas emocionais e sociais, é preciso planejar, conjuntamente, ações que promovam mudanças substanciais na vida da escola e de seus atores. Neste artigo, buscamos apresentar o Projeto ECOAR (Espaço de Convivência, Ação e Reflexão) como uma possibilidade de atuação da Psicologia na Escola para a construção de ações preventivas no enfrentamento à violência e na promoção do desenvolvimento integral das crianças e adolescentes. Alguns principais pontos dos fundamentos que sustentam essa proposta serão apresentados, assim como algumas ações desenvolvidas com o objetivo de promover as mudanças avaliadas pela equipe do projeto como necessárias. Pretende-se apresentar a importância da presença profissional da Psicologia junto aos professores no cotidiano da escola agindo de modo integrado e participativo, chamando a atenção para o fato de que a escola e sua dinâmica não estão separadas do mundo real de cada um de seus sujeitos.
Chapter
The objective of this chapter is to analyze the implications of a research in urban and rural communities in situations of poverty based on Community Psychology. The authors present the results of a research conducted in two communities in the state of Ceará, Brazil. They point out that it is necessary to change the neutral and distant scientific way of doing scientific research. Thus, these changes are structured in three areas that are developed from the Community Psychology in the return of research results: academic, social, and political. From an academic perspective, one should choose to investigate themes related to the needs of the population in poverty and disseminate them in different spaces. In the social domain, it is necessary to be close to the participants of the research in a respectful and emancipating way. In the political field, it is necessary to identify how the results of the research can be used by the participants themselves to improve their living conditions.
Article
Full-text available
Inserted in a world where globalization and neoliberalism are hegemonic, Brazilian reality is ruled by social dynamics that produces oppression and suffering for most of the population. Psychologists and other professionals who face this reality and its consequences are stained by fear and various difficulties. After addressing current historical processes and its impact over Brazilian context, this article describes a program developed for professionals associated with the Municipal Social Assistance Secretary. The program had a liberatory horizon and aimed to create dialogue and reflection about reality and how to change it. The program had three stages. Assessed dimensions of their work and personal lives. This information was discussed in five three-hour sessions. Finally, the implications of the program were evaluated. Psychosocial processes related to liberation and oppression are discussed. Support: CNPq
Article
Full-text available
La salud mental de las sociedades, donde se ha dado, permitido y amparado la violencia,pasa por la recuperación de la memoria histórica. Los intentos de todas aquellas personaso instituciones que no desean que las desapariciones, las masacres y las torturas quedenrelegadas al olvido, lejos de caldear ánimos y reabrir heridas ya cicatrizadas, vienen acerrar esas heridas, que han permanecido abiertas, y a reforzar la cohesión y el ordensocial. El recordar, es decir, la acción de hacer memoria, y las narraciones que de ella sedesprenden no son una simple discusión verbal que intenta reconciliar versiones distintasde eventos acaecidos en el pasado, es la acción que empodera a las mayorías populares,a las víctimas y a sus familiares, de decir y decirse justicia y que va moldeando unconjunto de actitudes prácticas, cognitivas y afectivas, que posibilitan una verdaderareconciliación social. La recuperación de la memoria histórica es, por lo menos para elcaso de El Salvador, indispensable para construir una historia que responda a lasexperiencias y vivencias de las mayorías, que no sea elitista ni, en definitiva, ignoranteni enajenante.
Article
This article concerns bibliographic research in the context of production of knowledge, as a methodological procedure that offers the researcher the possibility of seeking solutions to a research problem. It recognizes the need to present the scienti fic method chosen by the researcher; to present the forms of construction of the methodological design and the choice of procedures; and demonstrates how the presentation and analysis of the data obtained is configured. It also presents a methodological design of successive approximations, considering that the flexibility in the apprehension of data guarantees the dialectical movement in which the object of study can be constantly revised. That is, it postulates that bibliographic research involves conducting a tireless mo vement of apprehension of objectives, observance of steps, reading, questioning and critical interlocution with the bibliographic materi al and this demands epistemological vigilance.
Article
The power to promote wellness, resist oppression, and foster liberation is grounded in psychological and political dynamics. Hitherto, these two sources of power have been treated in isolation, both for descriptive and prescriptive purposes. As a result, we lack an integrative theory that explains the role of power in promoting human welfare and preventing suffering, and we lack a framework for combining psychological and political power for the purpose of social change. In this article, the author puts forth a psychopolitical conceptualization of power, wellness, oppression, and liberation. Furthermore, he introduces the concept of psychopolitical validity, which is designed to help community psychologists to put power issues at the forefront of research and action. Two types of psychopolitical validity are introduced: type I—epistemic, and type II—transformative. Whereas the former demands that psychological and political power be incorporated into community psychology studies; the latter requires that interventions move beyond ameliorative efforts and towards structural change. © 2008 Wiley Periodicals, Inc.
Article
Los padres Ignacio Ellacuría, rector de la Universidad Centroamericana José Simeón Cañas, Ignacio Martín-Baró, vicerrector académico, Segundo Montes, Armando López, Juan Ramón Moreno y Joaquín López y López, junto con dos mujeres, fueron asesinados por miembros del ejército salvadoreño el 16 de noviembre de 1989. El Salvador era un campo de batalla donde el gobierno combatía la ofensiva guerrillera con fuerzas terrestres convencionales, bombardeos aéreos y un riguroso control de la oposición. Como rector de la UCA durante la guerra civil, Ellacuría había sido una fuerza en la política de El Salvador, lo cual le había ganado el odio de algunos sectores de la sociedad salvadoreña. Como miembro de la Compañía de Jesús, Ellacuría había jugado un papel fundamental en el cambio radical de dirección tomado por los jesuitas de Centroamérica y en el surgimiento de la UCA. El mismo y los jesuitas asesinados influyeron en la negociación de un acuerdo pacífico de manera indirecta. El progreso (o mejor dicho, la falta de progreso) en la investigación de los asesinatos se convirtió en uno de los factores definidores del período que culminó con la firma de los acuerdos de paz de enero de 1992. En la presente obra, la autora examina las causas y consecuencias de estos asesinatos desde la perspectiva política: se explica quiénes eran estos jesuitas y porqué fue necesario que las fuerzas armadas los eliminaras; asimismo, se revisa la política estadounidense que intentó proteger a los militares.
Article
Respuesta científicamente comprometida del autor que trata de presentar y analizar los problemas de una región en conflicto. Intenta elaborar un texto de psicología social desde la propia realidad centroamericana.