ArticlePDF Available

Abstract

INTRODUÇÃO No campo da alimentação, certamente um dos maiores desejos de uma pessoa é consumir tomates sem resíduos de agrotóxicos, principalmente pela quantidade ingerida e pela forma de consumo 'in natura' desta hortaliça na dieta diária. Este capítulo apresenta inicialmente os princípios gerais e as técnicas de produção da agricultura orgânica para aplicação no cultivo do tomate orgânico de mesa. Posteriormente se enfoca o manejo orgânico específico da cultura do tomate, detalhando as variáveis tecnológicas, cultivares, formação de mudas, preparo do solo, adubação orgânica, biofertilização suplementar, tratos culturais adaptados ao sistema, controle alternativo de pragas e doenças, colheita e rendimento, além da avaliação e desempenho econômico da cultura. As tecnologias e os resultados apresentados, ao contrário do pensamento da maioria dos técnicos e agricultores desse país, indicam plena viabilidade técnica e, especialmente econômica, da produção dessa importante espécie, em sistema orgânico. Palavras-chave: Agricultura orgânica; Tomate orgânico; Produto orgânico; Lycopersicon esculentum; adubação orgânica; composto; biofertilizante.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Sistema Orgânico de Produção de Tomate
Jacimar Luis de Souza1
INTRODUÇÃO
No campo da alimentação, certamente um dos maiores desejos de uma pessoa é consumir
tomates sem resíduos de agrotóxicos, principalmente pela quantidade ingerida e pela forma de
consumo ‘in natura’ desta hortaliça na dieta diária. Este capítulo apresenta inicialmente os
princípios gerais e as técnicas de produção da agricultura orgânica para aplicação no cultivo do
tomate orgânico de mesa. Posteriormente se enfoca o manejo orgânico específico da cultura do
tomate, detalhando as variáveis tecnológicas, cultivares, formação de mudas, preparo do solo,
adubação orgânica, biofertilização suplementar, tratos culturais adaptados ao sistema, controle
alternativo de pragas e doenças, colheita e rendimento, além da avaliação e desempenho
econômico da cultura. As tecnologias e os resultados apresentados, ao contrário do pensamento
da maioria dos técnicos e agricultores desse país, indicam plena viabilidade técnica e,
especialmente econômica, da produção dessa importante espécie, em sistema orgânico.
Palavras-chave: Agricultura orgânica; Tomate orgânico; Produto orgânico; Lycopersicon
esculentum; adubação orgânica; composto; biofertilizante.
1. O AGROECOSSISTEMA ORGÂNICO
1.1. Princípios gerais da Agricultura Orgânica
A produção de alimentos orgânicos não significa apenas substituir insumos sintéticos por
insumos orgânicos no manejo dos cultivos que se pretende fazer. Representa muito mais
que isto. Subentende-se cumprir requisitos no âmbito dos direitos trabalhistas, do estatuto
da criança e do adolescente, dos princípios e das técnicas de produção e, em algumas
situações, da certificação dos produtos, para alcance de credibilidade no mercado.
Neste momento, serão enfocados alguns desses aspectos citados, especialmente
relacionados ao alcance de um apropriado planejamento técnico do sistema produtivo,
apresentando as etapas necessárias para se chegar à produção orgânica do tomate de
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
mesa, de forma sustentável e eficaz, sem perder a idéia da inserção da cultura no
contexto geral da agricultura orgânica.
1.1.1. A ‘construção’ do agroecossistema produtivo e a conversão:
Ecossistema é um sistema funcional de relações entre organismos vivos e seu ambiente,
delimitado arbitrariamente, mantendo um equilíbrio dinâmico, no espaço e no tempo. A
manipulação e a alteração dos ecossistemas pelo homem, com o propósito de
estabelecer uma produção agrícola, tornam os Agroecossistemas muito diferentes dos
ecossistemas naturais, ao mesmo tempo que se conservam processos, estruturas e
características semelhantes. Os agroecossistemas, comparados aos ecossistemas
naturais, têm muito menos diversidade funcional e estrutural, além do que, quando a
colheita é o enfoque principal, há perturbações em qualquer equilíbrio que se tenha
estabelecido, e o sistema pode ser mantido se a interferência externa com trabalho e
insumos for mantida (Altieri,1989 e Gliessman, 2000).
O desafio de criar agroecossistemas sustentáveis é o de alcançar características
semelhantes às de ecossistemas naturais, permitindo manter uma produção desejada.
Um agroecossistema que incorpore as qualidades de ecossistemas naturais de
estabilidade, equilíbrio e produtividade, assegurará melhor a manutenção do equilíbrio
dinâmico necessário para estabelecer uma base ecológica de sustentabilidade,
principalmente quando se pensa na produção de um determinado produto, como o tomate
de mesa no presente caso. Isto pressupõe que o referido cultivo deva ser realizado dentro
de um processo, por exemplo, rotacionado com outras espécies e/ou que o ambiente,
onde se insira, conte com um grau de diversificação dos fatores envolvidos, que garanta o
mínimo de estabilidade ecológica. Caso contrário, representaria uma produção com
substituição de insumos sintéticos para insumos orgânicos apenas e não uma
agricultura orgânica plena.
Nesse sentido, Gliessman (2000) propõe os seguintes princípios orientadores para a
conversão de propriedades agrícolas a sistemas agroecológicos.
1 Engº Agrº, Dr. Agroecologia, Pesquisador do INCAPER - Centro Serrano CEP 29375-000, Venda Nova
Imigrante-ES.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA CONVERSÃO DE SISTEMAS AGRÍCOLAS PARA
AGROECOLÓGICOS
O processo dessa conversão pode ser complexo, exigindo mudanças nas práticas de
campo, na gestão da unidade de produção agrícola em seu dia–a–dia, no planejamento,
marketing e filosofia. Os seguintes princípios podem servir como linhas mestras
orientadoras neste processo geral de transformação:
Mover-se de um manejo de nutrientes, cujo fluxo passa através do sistema, para um
manejo baseado na reciclagem de nutrientes, como uma crescente dependência em
relação a processos naturais, tais como a fixação biológica do nitrogênio e as
relações com micorrizas.
Usar fontes renováveis de energia, em vez das não renováveis.
Eliminar o uso de insumos sintéticos não renováveis oriundos de fora da unidade
produtiva, que podem potencialmente causar danos ao ambiente ou à saúde dos
produtores, assalariados agrícolas ou consumidores.
Quando for necessário, adicionar materiais ao sistema de produção, usando aqueles
que ocorrem naturalmente, em vez de insumos sintéticos manufaturados.
Manejar pragas, doenças e ervas espontâneas, em vez de “controlá-las”.
Restabelecer as possíveis relações biológicas que possam ocorrer naturalmente na
unidade produtiva, em vez de reduzi-las ou simplificá-las.
Estabelecer combinações mais apropriadas entre padrões de cultivo e potencial
produtivo e limitações físicas da paisagem agrícola.
Usar uma estratégia de adaptação do potencial biológico e genético das espécies de
plantas agrícolas e animais às condições ecológicas da unidade produtiva, em vez de
modificá-la para satisfazer as necessidades das culturas e animais.
Enfatizar a conservação do solo, água, energia e recursos biológicos.
Incorporar a idéia de sustentabilidade a longo prazo no desenho e manejo geral do
agroecossistema.
Muito antes das questões relativas ao agroecossistema, se situa o homem contido nele.
Nessa direção, Pereira (2000) discute a conversão do homem e o período de transição da
propriedade, acrescentando substancial contribuição, relatada nos parágrafos listados a
seguir.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
“A prática da agroecologia é um processo que passa por um estilo de vida, isto é,
transformar transformando-se. Como processo, passa por várias dimensões ou etapas
importantes. Uma delas refere-se à conversão ou período de transição, que vem a ser
aquele período de tempo variável que é preciso para a propriedade passar do modelo
convencional ao sistema agroecológico ou orgânico, ou seja, constituir-se num
agroecosssitema.
Por conversão, entende-se um processo gradual e crescente de desenvolvimento
interativo na propriedade até chegar a um agroecossistema. Está orientado para a
transformação do conjunto da unidade produtiva, gradativamente, até que se cumpra por
completo o todo. Só após transposta essa fase, isto é, cumprido o conjunto de requisitos
para a produção orgânica, atendendo as normas observadas pelas entidades
certificadoras, é que pode-se obter o selo orgânico. A transição deve ser feita a partir de
pequenas glebas, iniciando-se pelas áreas mais apropriadas, num processo crescente.
Essa etapa ou fase do processo, contempla pelo menos três dimensões principais:
educativa, biológica e normativa.
Por fim, considerar que o processo deve ser conduzido segundo uma seqüência lógica
e explícita, isto é, um projeto de conversão. Este projeto basicamente constituí-se de um
diagnóstico de toda a propriedade, levantando todos os recursos disponíveis, além das
relações sociais e comerciais que esta mantém, assim como a ocupação da área e o seu
respectivo rendimento físico e econômico.
Neste diagnóstico, são identificadas as principais dificuldades ou entraves, assim como
o potencial da propriedade. Nesta fase, são identificadas as necessidades do agricultor,
incluindo a sua capacitação. O projeto deve incluir um cronograma e um fluxograma entre
as atividades estabelecendo-se metas claras e viáveis.
O aspecto comercial é também, extremamente, importante neste processo. Um projeto
bem feito não poderá prescindir desta fase ou etapa. Os “canais” de comercialização
devem ser previamente identificados e definidos.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
A certificação é uma opção para assegurar aos agricultores um mercado diferenciado.
A área ou propriedade estará convertida quando tiver cumprido os prazos e prescrições
previstas nas normas, quando estarão habilitados a receber o selo de qualidade”.
1.1.2. Diversificação e equilíbrio ecológico:
A monocultura representa um dos maiores problemas do modelo de produção agrícola
praticado atualmente, porque não existindo diversificação de espécies numa determinada
área, as pragas e doenças ocorrem de forma mais intensa sobre a cultura por ser a única
espécie vegetal presente no local. Portanto, o monocultivo torna o sistema de produção
mais instável e sujeito às adversidades do meio.
O equilíbrio biológico, bem como o equilíbrio ambiental e o equilíbrio econômico de
grandes regiões não podem ser mantidos com as monoculturas. A diversificação de
culturas é o ponto-chave para a manutenção da fertilidade dos sistemas, para o controle
de pragas e doenças e para a estabilidade econômica regional. Nesse aspecto, choca-se
frontalmente com a idéia de especialização agrícola, freqüentemente levada ao extremo
nas monoculturas regionais. Historicamente, as monoculturas regionais apenas se têm
viabilizado com doses crescentes de agroquímicos ou com a incorporação de novas
terras em substituição àquelas já exauridas (KHATOUNIAN, 2001).
Reforçando o tema, Gliessman (2000) relata em seu livro “Agroecologia – processos
ecológicos em Agricultura Sustentável”, que a monocultura é uma excrescência natural de
uma abordagem industrial da agricultura e suas técnicas casam-se bem com a agricultura
de base agroquímica, tendendo a favorecer o cultivo intensivo do solo, a aplicação de
fertilizantes inorgânicos, a irrigação, o controle químico de pragas e as variedades
‘especializadas’ de plantas com estreita base genética que as tornam extremamente
suscetíveis em termos fitossanitários. A relação com os agrotóxicos é particularmente
forte; cultivos da mesma planta em grandes áreas são mais suscetíveis a ataques
devastadores de pragas específicas e requerem proteção química.
Sistemas de produção diversificados são mais estáveis, porque dificultam a multiplicação
excessiva de determinada praga e doença e permitem que haja um melhor equilíbrio
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
ecológico no sistema de produção, por intermédio da multiplicação de inimigos naturais e
outros organismos benéficos.
Assim, uma propriedade que utiliza a prática orgânica, fundamentalmente, tem que se
preocupar em buscar primariamente diversificar a paisagem geral, de forma a
restabelecer a cadeia alimentar entre todos os seres vivos, desde microrganismos até
animais superiores e pássaros. Para tanto, se faz necessário compor uma diversidade de
espécies vegetais, de interesse comercial ou não, recomendando que se opte por
espécies locais, adaptadas às condições edafo-climáticas da região. Como exemplo, em
áreas marginais às glebas de produção e nas bordas de riachos pode-se proceder o
plantio de espécies como: Goiaba, Ingá, Pitanga, Araçaúna, Biribá, Nêspera, Abacate,
Calabura, Jamelão, Amora, Uva japonesa, dentre outras.
Além disso, é fundamental também proceder manejo da vegetação espontânea. Este
manejo pode ser realizado de três formas (Figura 1), visando permitir a conservação
natural da vegetação do próprio local, conforme segue:
1º. Manutenção de áreas de refúgio, fora da área cultivada para interesse comercial,
inclusive áreas com alagamento natural, visando preservar ao máximo os aspectos
naturais estabelecidos pelo ecossistema local ao longo de anos.
2º. Não utilizar intensivamente o solo, procedendo o planejamento de faixas de cultivo,
intercaladas com faixas de vegetação espontânea, chamadas de corredores de refúgio.
Para divisão dos Talhões de plantios deixar corredores de 2,0 a 4,0 metros de largura,
para abrigar a fauna local.
3º. Proceder o controle parcial da vegetação ocorrente dentro das áreas cultivadas,
aplicando a técnica de capinas em faixas para culturas com maiores espaçamentos nas
entrelinhas (Tomate, Pimentão, Couve-flor, etc) e manutenção da vegetação entre os
canteiros para culturas cultivadas por esse sistema de plantio (Alface, Cenoura, Alho, etc).
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Figura 1: Corredores de refúgio entre plantio de morango e tomate (à esquerda), capina em faixa em cultivo
de Quiabo (à direita), manejo de ervas espontâneas entre canteiros de morango (abaixo), em
sistema orgânico de produção.
Estes três aspectos anteriores serão os responsáveis pela maior estabilidade do sistema
produtivo e representará uma diminuição expressiva de problemas com pragas e
doenças, tão comuns em sistemas desequilibrados ecologicamente. Vale lembrar que, o
não cumprimento desses princípios têm sido uma das maiores falhas em propriedades
rurais, mesmo com práticas orgânicas, em franca atividade no Brasil.
Para completar, o estabelecimento de um desejável nível de diversidade genética, a
adoção de um sistema de produção com culturas diversificadas, de interesse comercial,
também é fundamental. Para tanto, recomenda-se que se adote um plano de uso do solo
de forma mais sustentável possível, procedendo o planejamento dos plantios, visando
permitir o descanso (pousio) e a revitalização dos solos, no máximo de dois em dois anos,
por intermédio do plantio solteiro ou misto de leguminosas (exemplo: Mucuna Preta,
Crotalária, Labe-labe) e Gramíneas (exemplo: Milho, Aveia preta), ações que
evidentemente promoverão a fixação biológica de nitrogênio e a estruturação do solo,
respectivamente.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Na natureza existe uma forte relação biológica entre insetos, ácaros, nematóides, fungos,
bactérias, vírus e outros macro e microorganismos, a qual é responsável pelo equilíbrio do
sistema, podendo-se citar como exemplos: Pulgões (praga) controlados por joaninhas
(predador); Ácaros (praga) controlados por Ácaros predadores; Lagarta-da-soja (praga)
controlada por Baculovirus (parasita); microrganismos antagonistas presentes em
compostos orgânicos, inibindo o desenvolvimento de fungos de solo (por exemplo:
Fusarium), dentre tantos outros.
1.1.3. Teoria da trofobiose:
Por meio da Teoria da Trofobiose se sabe que todo ser vivo só sobrevive se houver
alimento adequado e disponível para ele. A planta ou parte dela será atacada por um
inseto, ácaro, nematóide ou microrganismos (fungos e bactérias), quando tiver na sua
seiva o alimento que eles precisam, principalmente aminoácidos (Chaboussou, 1987).
Segundo Chaboussou (1987), o tratamento inadequado de uma planta, especialmente
com substâncias de alta solubilidade, conduz a uma elevação excessiva de aminoácidos
livres. Portanto, um vegetal saudável, equilibrado, dificilmente será atacado por pragas e
doenças. A explicação técnica do processo se baseia em fatores ligados à síntese de
proteínas (proteossíntese) ou à decomposição das mesmas (proteólise). O metabolismo
acelerado pelos adubos de alta solubilidade ou qualquer outra desordem que interfira nos
processos de proteossíntese ou proteólise, elevará a quantidade de aminoácidos livres na
seiva vegetal, servindo de alimento para alguns insetos e microrganismos.
Sabe-se que os insetos, nematóides, ácaros, fungos, bactérias e vírus são organismos
que possuem uma pequena variedade de enzimas (responsáveis pela formação de
proteínas), o que reduz sua possibilidade de digerir moléculas complexas como as
proteínas, necessitando do seu desdobramento em moléculas mais simples como os
aminoácidos (Chaboussou, 1987).
Existem vários fatores que interferem na resistência das plantas, pois interferem
primeiramente no seu metabolismo, podendo assim aumentar ou diminuir essa
resistência. Dentre eles, podem ser destacados a seguir os relacionados a:
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Fatores que melhoram a resistência: Espécie ou variedade adaptada ao local de
cultivo; Solo; Adubos orgânicos; Adubos minerais de baixa solubilidade e Defensivos
Naturais.
Fatores que diminuem a resistência: Idade e Desnutrição da planta; Solo;
Luminosidade; Umidade; Tratos culturais; Adubos minerais de alta solubilidade e
Agrotóxicos.
Portanto, conhecendo-se esses fatores citados anteriormente, o agricultor deve adequar o
seu sistema de produção, empregando práticas recomendadas para utilização em
sistemas orgânicos, que certamente conduzirão à obtenção do desejado equilíbrio
nutricional e metabólico às suas culturas comerciais.
1.1.4. Manejo e conservação do solo:
Para o cultivo orgânico de hortaliças, o uso do solo é feito de forma mais intensiva,
quando comparado a outras atividades agrícolas, existindo espécies que exigem um
preparo de solo mais refinado para expressarem melhores rendimentos comerciais.
Nessas áreas, o preparo com o uso de arado e enxada rotativa, ocasionam a pulverização
da camada superficial do solo e a compactação sub-superficial.
Assim, deve-se evitar as causas da degradação do solo indicadas na Tabela 1, utilizando
o mínimo possível equipamentos de desestruturam o solo e o máximo possível práticas
que preservam e fertilizam o solo, como o emprego de plantio direto na palha, uso de
cobertura morta, manejo apropriado das ervas espontâneas, entre outras.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Tabela 1: Grau de interferência negativa das causas da degradação do solo na sua
fertilidade química, física e biológica, segundo Werner, 2000.
CAUSAS DA DEGRADAÇÃO DO SOLO
FERTILIDADE DO SOLO
QUÍMICA FÍSICA BIOLÓGICA
DEVASTAÇÃO DAS FLORESTAS *** *** ***
ARADO *** *** ***
GRADE *** *** ***
ROTATIVA *** *** ***
TRÁFEGO DE MÁQUINAS *** *** ***
EROSÃO *** *** ***
FALTA DE COBERTURA DO SOLO *** *** ***
COMPACTAÇÃO *** *** ***
ADUBOS QUÍMICOS MUITO SOLÚVEIS ** *** ***
VARIEDADES DE ALTA RESPOSTA ** * ***
CALCÁRIO EM EXCESSO ** * **
MONOCULTURA ** * ***
PRÁTICAS DE ESTERILIZAÇÃO DO SOLO * * ***
QUEIMADAS ** * **
BAIXO FORNECIMENTO MAT. ORGÂNICA *** *** ***
DOENÇAS E PRAGAS * * *
AGROTÓXICOS * * ***
VENTOS *** *** ***
PROBLEMAS DE CLIMA * * *
MAU USO DA IRRIGAÇÃO ** * *
MODELO ECONÔMICO PRODUTIVISTA *** *** ***
CRÉDITO AGRÍCOLA (INSUMOS) *** *** ***
PERDAS DE NUTRIENTES *** * **
Grau de interferência negativa : * = Pouco ** = Médio *** = Muito
Diante do exposto até o momento e, baseado em informações de Popia (2000), Rowe
(2000) e Souza & Resende (2003), podem ser recomendados os seguintes procedimentos
aplicáveis à olericultura orgânica, dentre os quais, muitos se aplicam ao cultivo orgânico
do tomate.
Uso de barreiras de árvores e/ou arbustos como quebra-ventos, para melhorar o
microclima, aumentar a produtividade e diminuir a erosão eólica. A descrição dos
princípios e as técnicas para implantação de quebra-ventos podem ser verificadas em
Gliessman (2000).
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Emprego do plantio direto, sempre que possível, utilizando-se dos seguintes
equipamentos:
Rolo faca: para acamar espécies de cobertura. Existem modelos de tração animal,
microtrator e tratores.
Rolo-disco: Usado para acamar espécies que apresentam maior dificuldade de
acamamento, como a mucuna, devido ao seu hábito de crescimento.
Triturador: implemento acoplado ao microtrator, igual a um triturador de grãos, sendo
indicado para espécies mais fibrosas (sorgo, milho, milheto, crotalárias).
Roçadeira: existem modelos para microtrator e trator, podendo ser utilizada para
adubos verdes menos fibrosos ou com muita rama (ex: mucuna) e ervas espontâneas.
Também já existem vários modelos de kits de plantio direto/cultivo mínimo, com maior
ou menor grau de sofisticação, dependendo do fabricante e do objetivo do kit,
fabricadas na forma de semeadeiras-adubadeiras para plantio direto/cultivo mínimo,
movidas a tração animal ou microtrator, que podem ser adaptadas para a semeadura
de algumas espécies olerícolas ou adubos verdes em sistema orgânico.
Utilizar o sistema de preparo tradicional, com aração e gradagem, o mínimo possível,
de forma racional e utilizar a enxada rotativa apenas em caso de extrema
necessidade, limitando-se apenas para culturas que necessitam de encanteiramento.
Para hortaliças de espaçamentos maiores, plantadas em covas ou sulcos, pode-se
empregar diretamente o preparo manual ou utilizar equipamentos como sulcador ou
ainda a enxada com 2 jogos de facas, cultivando-se apenas a linha de plantio.
É recomendável proceder a rotação de culturas, envolvendo espécies que exigem
sistemas de preparo de solo diferentes, intercalando tipos de preparo intensivo com
tipos de plantio direto.
Uso do subsolador em áreas submetidas a cultivos intensivos, em intervalos médios
de 2 a 3 anos.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
1.1.5. Fertilização do solo e reciclagem de matéria orgânica:
A fertilização do solo deve ser realizada por meio da matéria orgânica, especialmente pela
reciclagem de resíduos orgânicos de orígem animal, vegetal e agro-industrial. A matéria
orgânica é um dos componentes vitais do ciclo da vida, descrito por Kiehl (1985). Ela
exerce importantes efeitos benéficos sobre as propriedades do solo, isto é, nas
propriedades físicas, químicas, fisico-químicas e biológicas, contribuindo
substancialmente para o crescimento e desenvolvimento das plantas.
O correto manejo de solos em sistemas orgânicos de produção é uma das atividades
prioritárias e vitais, uma vez que o mesmo deve ser considerado não apenas como
suporte de plantas ou reservatório de nutrientes, mas como um organismo vivo e um
sistema complexo que abriga uma diversidade de fauna e flora indispensáveis para a
sustentabilidade do agroecossistema.
Existem diversos tipos de adubos orgânicos, de origem animal, vegetal e agro-industrial,
recomendados para utilização no cultivo orgânico de hortaliças e, de maneira geral, deve-
se atentar para a origem e a qualidade dos mesmos. Em se tratando de adubos oriundos
de fontes externas à propriedade ou de sistemas convencionais de criação (no caso dos
estercos de origem animal), a atenção deve ser redobrada, pois muitos deles podem
apresentar contaminação por resíduos químicos, antibióticos e outras substâncias de uso
proibido pelas normas técnicas de produção.
Por este motivo, atualmente recomenda-se empregar sistemas de compostagem no
processo produtivo, que além de promover a ‘higienização’ da matéria orgânica, obtêm-se
um produto parcialmente mineralizado, de maior eficácia na nutrição das plantas em
sistemas orgânicos de produção de hortaliças (Figura 2). Se bem planejado, um pátio de
compostagem de apenas 300 m2 (20m X 15m), pode comportar a instalação de 7 medas
no formato trapezoidal a cada 4 meses, com as seguintes dimensões: 15,0m de
comprimento, 1,5m de altura, 2,0m de largura inferior e 1,0m de largura superior
(representando um volume inicial por meda = 34 m3). Isto significa que se pode instalar
21 medas por ano, com um volume anual total de 714 m3. Sabendo-se que o rendimento
médio de composto orgânico é de 250 Kg do produto pronto (50% umidade) para cada m3
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
inicialmente empilhado, este pátio poderá gerar aproximadamente 178,5 t de composto.
Isto permite adubar aproximadamente 6 ha de área em cultivo orgânico de hortaliças,
baseando-se num consumo médio de 30 t/ha de composto úmido por ciclo.
Porém, estercos gerados na propriedade ou originados de fontes conhecidas (que
apresentem qualidade comprovada por análise) podem ser utilizados diretamente como
adubo orgânico, sem sofrer o processo de compostagem, conforme algumas orientações
de Popia et al. (2000).
Adubações orgânicas devem ser realizadas de forma adequada para não provocar
excessos de nutrientes no solo, especialmente quanto ao aporte de fósforo e cálcio em
áreas de cultivo intensivo de hortaliças, quando se usam associados estercos e fosfatos
naturais.
Dados obtidos pelo INCAPER Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e
Extensão Rural (Souza, 2000), nos três primeiros anos de manejo orgânico em cultivo de
hortaliças, informaram sobre elevações muito rápidas de fósforo e cálcio em solos
trabalhados com compostagem à base de esterco de galinha, enriquecida com 6 Kg/m3
de fosfato de araxá no momento da confecção da pilha.
De posse dessas informações pode-se afirmar que o uso do calcário e fosfato natural, em
manejo orgânico intensivo do solo, devem ser realizados (dependendo da análise do
solo), apenas no início da implantação do sistema orgânico e/ou durante a fase de
conversão do sistema convencional para o orgânico, uma vez que o próprio ciclo de
matéria orgânica, nos anos subsequentes, será suficiente para fornecer todos os
nutrientes e manter o pH do solo numa faixa ideal para o melhor desenvolvimento das
plantas.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Figura 2: Pátio de compostagem orgânica Centro de Desenvolvimento Sustentável ‘Guaçu-virá. Venda
Nova do Imigrante – ES.
1.2. Manejo do sistema orgânico
Como se pode observar nas considerações anteriores, o manejo recomendado para
sistemas orgânicos, compreende técnicas que conduzam à estabilidade do
agroecossistema, ao uso equilibrado do solo, ao fornecimento ordenado de nutrientes e à
manutenção de uma fertilidade real e duradoura no tempo. Assim, podem-se resumir tais
procedimentos em algumas práticas listadas à seguir:
Preparo mecânico com mínimo impacto na estrutura, lembrando que existe uma
resposta diferenciada das espécies cultivadas ao emprego da aração, gradagem e da
enxada rotativa;
Aplicação de adubos orgânicos, na forma de estercos de animais, compostos
orgânicos ou outra fonte recomendada pelas normas técnicas de produção orgânica;
Uso da adubação verde com leguminosas (fixação biológica de Nitrogênio) e com
gramíneas (melhoria na estrutura física);
Emprego de cobertura morta em situações de necessidade de proteção do solo ou
favorecimento do desenvolvimento de plantas, aqui também observando que nem
todas as espécies respondem positivamente ou oferecem um retorno econômico que
viabilize o uso dessa prática.
Manejo de ervas espontâneas, como forma de proteção do solo e ciclagem de
nutrientes, além de induzir a preservação do equilíbrio biológico na área de produção.
Utilização de adubações suplementares com biofertilizantes líquidos via solo ou via
foliar, em caso de necessidade;
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Adubações auxiliares com adubos minerais de baixa solubilidade, a exemplo de
fosfatos de rochas, para a correção temporária de deficiências.
Essas práticas, em conjunto, têm demonstrado uma elevada eficiência, conduzindo a um
apropriado desempenho técnico e econômico de cultivos orgânicos, reflexo da
manutenção e melhoria da fertilidade dos solos, conforme destacado em um trabalho
realizado por Souza (2000). Nesse estudo, o monitoramento das características químicas,
revelou uma melhoria generalizada na fertilidade dos solos sob manejo orgânico. Após
dez anos de manejo orgânico (1990 a 1999), os níveis médios de fósforo elevaram-se até
390% (de 46,0 para 225,6 ppm) e os níveis médios de potássio elevaram-se em até 92%
(de 144,0 para 276 ppm), podendo ser considerados plenamente suficientes para atender
às necessidades nutricionais da maioria das culturas. Observou-se, além disso,
acréscimos significativos nos teores de cálcio e magnésio, uma vez que o Ca evoluiu
linearmente de 3,2 para 6,6 Cmol/dm3 e o Mg de 0,78 para 1,48 Cmol/dm3. Como reflexo
das elevações nos teores das bases K, Ca e Mg, a Saturação por Bases dos solos
apresentou progressão linear até o 7º ano, elevando-se de 61% para 82 %.
2. MANEJO ORGÂNICO DO TOMATEIRO DE MESA
O manejo orgânico da cultura do tomate se apresentado por área de conhecimento,
detalhando as características gerais da cultura e as técnicas de manejo orgânico
recomendadas. Demais informações poderão ser obtidas em Souza (1998),
CULTIVO...(1999), CULTIVO...(2001) e Souza & Resende (2003).
2.1. Cultivares, clima e época de plantio
Por ser o tomate uma espécie suscetível a um grande número de pragas e doenças, o
seu cultivo orgânico pode exigir cuidados extras, em comparação com outras culturas
mais resistentes. O primeiro cuidado refere-se à escolha de variedades e cultivares
adaptadas às condições locais e ao sistema de plantio que seadotado a campo ou
em ‘estufa’. Portanto, a cultivar certa é um dos pontos básicos no sistema de cultivo
orgânico. Devem ser escolhidas as cultivares mais rústicas e com maior resistência a
pragas e doenças. Além disso, é muito importante que se observe a preferência dos
consumidores.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Atualmente, pode se utilizar cultivares de tomate do tipo Santa Cruz , tipo saladinha e tipo
cereja, que são os mais fáceis de comercializar. O mercado atual tem apresentado
também boa aceitação de tomates tipo ‘italiano’, que caracterizam-se pelos frutos
alongados, de superfície irregular.
No grupo Santa cruz, podem ser empregadas cultivares comerciais ou optar por materiais
botânicos regionais, como as cultivares ‘Roquesso’ (ES), ‘Bocaina’ (SP), ‘Coração de Boi’
(MG) e ‘Saco de Bode’ (RR), que apresentam maior adaptabilidade ao sistema e maior
tolerância a doenças (Figura 3).
Figura 3: Frutos da variedade Roquesso, multiplicada no sistema orgânico do INCAPER/ES há 18 anos (à
esquerda) e plantas e frutos de tomate, variedade ‘Saco de Bode’ multiplicada por agricultores
orgânicos de Boa Vista/RR (à direita).
No grupo saladinha existe diversos materiais genéticos comerciais, do tipo longa vida, que
podem ser uma adequada alternativa pela elevada conservação na pós-colheita. Por
serem híbridos, a desvantagem desses genótipos é a impossibilidade de utilização por
sucessivas gerações de suas sementes, tornando obrigatória a compra e encarecendo o
custo de produção.
No tipo cereja, existem muitas variedades regionais, de formato arredondado ou
alongado. Geralmente são de boa tolerância a doenças foliares e, principalmente, boa
tolerância ao ataque de pragas e incidência de patógenos nos frutos. Também existem
híbridos comerciais, com maior potencial produtivo, porém mais sensíveis a
enfermidades.
Uma recomendação extremamente importante é verificar a aceitação do consumidor de
tomates orgânicos, quanto ao sabor e aos padrões comerciais exigidos.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
O clima fresco e seco e a alta luminosidade favorecem o desenvolvimento da cultura do
tomate. A faixa de temperatura ideal para o cultivo é de 20 a 25 °C, de dia, e de 11 a 18
°C, à noite. A temperatura noturna deve ser sempre menor que a diurna, pelo menos 6
graus. Temperaturas acima de 35 °C, diurnas e noturnas, prejudicam a frutificação, com
queda acentuada de flores e frutos novos. Temperaturas muito baixas, também,
prejudicam a planta, reduzindo seu crescimento.
O excesso de chuva é outro fator do clima que tem efeito negativo na cultura, pois
favorece a proliferação de fungos e bactérias, que reduzem a parte aérea e, por
consequência, diminuem a produção.
De modo geral, em regiões com altitudes superiores a 800 metros, o plantio deve ser
realizado de agosto a fevereiro. Já, em localidades de altitudes baixas e quentes, ou seja,
em altitudes inferiores a 400 metros, a época favorável ao cultivo do tomate é de fevereiro
a julho.
O uso de estufas possibilita o cultivo do tomate fora de época, viabilizando o plantio
durante todo o ano em regiões altas. O plástico usado na cobertura permite modificar o
ambiente, de forma a torná-lo mais favorável para as plantas, protegendo contra as
chuvas excessivas e de grande número de organismos que causam problemas
fitossanitários. Por causa dessas vantagens, as estufas têm sido cada vez mais usadas.
Mas, o manejo orgânico da cultura dentro da estufa requer experiência do produtor no
cultivo fora da estufa.
2.2. formação das mudas
A qualidade das mudas afeta profundamente o desenvolvimento da cultura no campo. Por
isso, a etapa de formação das mudas é muito importante no processo de produção.
Para o tomate, a semeadura em recipientes é o melhor método, trazendo vantagens como
a produção de mudas de boa qualidade, a redução do risco de contaminação por
patógenos do solo, o menor gasto de sementes e a redução do ciclo da cultura.
O recipiente mais indicado para mudas de tomate é o copinho de jornal, com 10 cm de
comprimento por 6 cm de diâmetro. Esse copinho pode ser substituído pelo copo plástico
descartável de 200 cc.
Como substrato, pode-se empregar o composto orgânico puro, associado a um recipiente
maior, como os copos, para que as mudas tenham os nutrientes na quantidade que
necessitam, uma vez que este material não contém minerais adicionais, como alguns
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
substratos comerciais. Outra opção é a utilização de substratos prontos, próprios para
cultivo orgânico. Utilizando substratos prontos, é possível a formação das mudas em
bandejas de isopor, devendo neste caso serem transplantadas mais cedo que pelo
sistema de copos.
Para usar o composto orgânico, primeiro é preciso peneirá-lo, para separar as partículas
maiores ainda não decompostas, usando-se assim a fração mais mineralizada, de pronto
uso para as plântulas. Depois, misture um pouco de água, para que fique ligeiramente
úmido. Usando-se os copos plásticos, lembre-se de fazer um furo no fundo, usando um
ferro quente, de diâmetro mínimo de 2 cm. Em seguida coloque o composto nos copos,
compactando levemente.
As mudas devem ser produzidas em uma estufa, com cobertura plástica e tela nas
laterais, para evitar a entrada de insetos. A estufa, conforme já mencionado, protege
contra as chuvas, diminui a ocorrência de pragas e doenças, e forma mudas mais
uniformes e em menos tempo.
Os recipientes devem ser colocados sobre bancadas, com cerca de 80 cm de altura.
Dessa forma, as mudas não têm contato com o solo, a umidade à sua volta é menor e o
trabalho fica mais confortável, além de permitir a poda “aérea” das raízes.
São semeadas duas sementes de tomate por copo. A sanidade das sementes é muito
importante, por isso, você deve adquiri-las de firmas idôneas ou pode produzir suas
próprias sementes, fazendo seleção das melhores plantas de sua lavoura.
Depois de germinadas, procede-se o desbaste, retirando a planta mais fraca, deixando
apenas uma por recipiente (Figura 4)
Figura 4: Mudas de tomate em ambiente protegido, formada em copos com substrato à base de composto
orgânico. Área Experimental do INCAPER.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
O substrato deve ser mantido úmido, porém, sem encharcar. O sistema de irrigação mais
indicado é a micro-aspersão ou nebulização aérea. Também pode ser usada a irrigação
com mangueira, de forma criteriosa, empregando-se um crivo fino. Recomenda-se irrigar
mais vezes ao dia, com menor quantidade de água de cada vez. Dependendo da
temperatura e da umidade do ar, você pode irrigar de uma até três vezes ao dia.
As mudas estarão no ponto para serem transplantadas, quando tiverem de 4 a 5 folhas
definitivas, cerca de 30 dias após a semeadura, para o sistema de copos, ou de 20 a 25
dias no sistema de bandejas. Nos dias anteriores ao plantio, é preciso reduzir a irrigação.
E, na véspera do plantio, é preciso suspender a água, para tornar as mudas mais
resistentes.
2.3. Preparo do solo e adubação
O primeiro passo para se iniciar um sistema orgânico de produção é a realização da
análise do solo. Se houver necessidade de aplicar calcário no solo, é preciso que seja
feito com cerca de dois a três meses de antecedência, para que possa reagir. Para a
suplementação de fósforo, recomenda-se aplicar fosfato natural, a lanço, em toda
superfície do solo, na base de 500 Kg/ha, seis meses antes do plantio. Pode-se também
utilizar o fosfato de rocha nas pilhas de composto orgânico, na base de 3Kg por m3, no
momento da montagem. Assim, tem-se o fosfato pré-solubilizado e o composto orgânico
enriquecido, apto a ser empregado na adubação das covas.
Na adubação orgânica de plantio, pode-se empregar composto orgânico ou esterco
bovino (20 t por ha), esterco de aviário (10 t por ha) ou outro material orgânico disponível,
atentando-se para a sua composição mineral, origem e estado de decomposição.
O sistema de preparo de solo é dependente das condições locais. No cultivo orgânico,
sempre que possível, evita-se o uso de equipamentos pesados e de enxadas rotativas no
preparo do solo, para reduzir a compactação.
Havendo necessidade, pode se utilizar a aração ou o preparo com subsolador, quando se
têm excesso de ervas espontâneas ou terrenos compactados, respectivamente. Em
seguida realiza-se a gradagem para uniformizar o solo.
Se as condições do solo permitirem, recomenda-se optar pelo preparo manual do solo,
procedendo-se a capina em linha, onde serão abertas as covas, mantendo-se uma faixa
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
de vegetação nativa nas entrelinhas, na fase inicial da cultura, até o momento da
amontoa.
Também é recomendável realizar o plantio direto sobre palhadas de vegetação ou de
adubos verdes previamente roçados e mantidos como cobertura morta do terreno.
2.4. Plantio e espaçamento
O plantio pode ser feito em sulcos ou covas, com 20 cm de profundidade, para comportar
adequadamente a matéria orgânica.
O espaçamento recomendado é de 1,20 m entre linhas e 40 cm entre plantas. A direção
ideal das linhas é no sentido Norte-Sul e ainda no sentido do vento dominante. Esse
espaçamento mais largo entre as linhas, associado ao direcionamento recomendado,
permite diminuir a umidade dentro da lavoura, reduzindo significativamente a
multiplicação excessiva de uma série de doenças.
A adubação de plantio pode ser feita com composto orgânico, na base de 10 t/ha (peso
seco), ou seja, cerca de 0,5 kg de composto por cova, o que eqüivale a 1,2 kg por metro
linear de sulco.
No momento do plantio, é preciso fazer uma seleção das mudas, descartando aquelas
mais fracas. Os sulcos ou covas devem ser irrigadas com auxílio de mangueira,
imediatamente antes de se transplantar as mudas, de forma que a primeira irrigação do
campo será feita apenas no dia seguinte, quando as mudas estarão eretas, com suas
folhas distantes do solo.
Em estufas, o tomate é, usualmente, plantado em leiras (Figura 5), em função da
necessidade do emprego da cobertura plástica para manutenção da umidade, a qual não
permite a realização de amontoa normalmente empregada na cultura, por ocasião da
primeira capina.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Figura 5: Leiras com adubação orgânica em sulco, para plantio de tomate em estufa esquerda). Leiras
prontas para plantio de tomate orgânico, mostrando a colocação das linhas de gotejamento e da cobertura
plástica (à direita).
2.5. Manejo da cultura
a) Irrigação:
Neste sistema, tem se verificado nas propriedades que praticam a agricultura orgânica,
que o manejo da água de irrigação é de vital importância para o sucesso da produção.
Excesso de água neste sistema pode proporcionar multiplicação excessiva de patógenos,
que prejudicarão o adequado desenvolvimento das plantas.
No dia seguinte ao plantio, é preciso iniciar a irrigação. Daí em diante, o solo deve ser
mantido com um nível adequado de água, úmido, mas sem encharcar.
O sistema de aspersão é contra-indicado porque molha as folhas e umedece o ambiente
em torno das plantas, o que favorece o aparecimento de doenças, como a requeima.
Assim, as melhores opções são: o gotejamento e a micro-aspersão, que molham apenas
o solo em torno da planta (Figura 5). Dessa forma, o tipo de irrigação é um bom aliado na
prevenção de problemas fitossanitários. A freqüência de irrigações é variável conforme o
tipo de solo e o clima.
b) Cobertura morta:
A cobertura com palha retém água no solo, diminui o crescimento de ervas espontâneas,
diminui o impacto da chuva e evita que o solo se aqueça excessivamente, além de
fornecer nutrientes, após a decomposição do material. Recomenda-se optar por materiais
de pequena granulometria ou triturados, para não elevar a umidade junto às plantas
novas, o que favorece a incidência de doenças precocemente.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Pode-se empregar também a lona plástica preta, possibilitando as vantagens em comum
com a palha e, ainda, permite reduzir as perdas de nitrogênio por lixiviação e volatilização,
tornando esse nutriente mais disponível para as culturas, além de não elevar a umidade
relativa do ar junto ao solo.
c) Capinas:
No sistema orgânico, recomenda-se a capina em faixas. Mantendo limpa a área junto às
plantas, para não haver competição das ervas espontâneas com a cultura. No meio das
linhas, deve ser deixada uma estreita faixa de mato, com cerca de 40 cm de largura. Essa
vegetação espontânea é importante para manter o equilíbrio ecológico de insetos.
Com o uso da cobertura morta nas linhas de plantio, o trabalho de capina é facilitado, pois
redução no crescimento das ervas espontâneas. Caso não se utilize cobertura morta,
por ocasião da primeira capina do tomate, é feita a amontoa das plantas, que consiste em
chegar terra junto ao “colo” das mesmas. Após esta fase também pode ser empregada a
cobertura morta com palhas.
d) Amontoa:
É uma operação muito importante em plantios de tomate realizados em covas. Constitui-
se do ‘chegamento’ de terra nas linhas de plantio, deslocando-se a terra da entrelinha
para próximo às plantas. Deve ser realizada logo após a adubação em cobertura.
A altura da amontoa deve ser de, no mínimo, 20 cm de altura, permitindo preservar a
qualidade do adubo orgânico usado na cobertura, concentrar nutrientes na zona de raiz,
propiciar a emissão de raízes adventícias e, ainda, melhorar a sustentação do tomateiro.
Estes fatores em conjunto, permitem uma maior absorção de nutrientes e elevam a
produtividade de frutos.
e) Tutoramento e amarrio:
O tutoramento do tomateiro, que produz frutos para consumo in natura, é necessário
porque suas hastes são herbáceas e flexíveis. Ele pode ser feito com taquara ou bambu,
com arame e com fitas (Figura 6). O objetivo é manter a planta ereta e afastada do solo.
O fundamental é que este tutoramento seja vertical, evitando-se a cerca cruzada, pois
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
assim temos um melhor arejamento dentro do plantio, diminuindo a umidade relativa e
assim, reduzindo problemas com doenças.
Figura 6: Tutoramentos verticais com taquara (à esquerda) e com fetilhos (à direita), em plantios de tomate
orgânico. Área Experimental do INCAPER.
O amarrio acompanha o tutoramento. A planta deve começar a ser amarrada no tutor
quando tiver 30 cm de altura, em média. À medida que a planta cresce é preciso fazer
novos amarrios. Para isso, podem ser usadas fibras naturais ou sintéticas existentes no
mercado. Com as fibras, é melhor fazer um amarrio na forma de 8, para evitar atrito das
hastes com o tutor.
f) Adubação em cobertura:
A adubação de cobertura visa, principalmente, o fornecimento de nitrogênio, que não se
mantém no sistema por muito tempo, tornando necessária uma reposição ou ciclagem
constante.
A adubação de cobertura pode ser feita com composto orgânico, esterco de aves,
biofertilizante líquido, biofertilizante Supermagro ou chorume de composto.
A recomendação de composto orgânico é de 10 t/ha (50% umidade), o que dá 480
g/planta. O esterco de galinha pode ser usado na base de 3 t/ha, ou seja, 144 g/planta.
Esses adubos orgânicos devem ser colocados junto ao “pé” da planta e, depois, ser
cobertos com terra, o que pode ser feito no momento da capina.
Uma alternativa, que tem se revelado muito eficiente, é a utilização de biofertilizantes
líquidos via solo, preparados especificamente para a cultura, utilizando-se materiais
orgânicos ricos em nitrogênio e potássio, como farelos de soja e cacau, torta de mamona
ou planta de mamona triturada, cinza vegetal, dentre outros. Neste caso, fazer aplicações
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
semanais a partir dos 30 dias após plantio, até a fase de frutificação, na base de 200 ml
por planta. Veja, a seguir, o resumo do preparo desse biofertilizante
Preparo de 1.000 Litros de biofertilizante líquido enriquecido:
Composto orgânico ou esterco bovino curtido ............................................................ 100 Kg
Mamona triturada (folhas, talos, bagas e astes tenras)* ............................................. 100 Kg
Cinza vegetal ............................................................................................................... 20 Kg
Água ............................................................................................................................ 700 L
* A mamona triturada pode ser substituída por outro resíduo vegetal na mesma quantidade ou resíduos
agroindustriais (torta de mamona, farelo de cacau, etc. em quantidade menor: 50 Kg).
Em um recipiente com capacidade volumétrica de 1000 L, acrescenta-se o ingrediente da base orgânica
(composto ou esterco bovino) e 500 L de água, fazendo uma pré-mistura. Após homogeneizada esta
solução, acrescentar a mamona (ou resíduo similar) e a cinza vegetal, agitando até nova homogeneização.
Completar com água até o volume total do recipiente. Para evitar mau cheiro, advindo da fermentação
anaeróbica, esta solução deve ser agitada durante um tempo mínimo de 5 minutos, no mínimo 3 vezes ao
dia. Após 10 dias de fermentação, pode-se iniciar a retirada da parte líquida (procedendo um peneiramento
fino e/ou coando), sempre após uma pré-agitação, para aplicação nas culturas de interesse.
Em função da grande quantidade de partículas em suspensão e da massa resultante no fundo do
recipiente, após o uso deste primeiro preparado, pode-se acrescentar novamente 500 L de água aos
mesmos ingredientes, agitar vigorosamente, e reutilizar este novo preparado com bons resultados.
Entretanto, não se recomenda reutilizar mais de uma vez a mistura, pois a concentração dos nutrientes
estará reduzida.
Recomendações de Uso:
1ª. Diferentemente dos biofertilizantes bovino e supermagro, a aplicação do biofertilizante líquido
enriquecido deve ser realizada via solo, na região de raiz, lateralmente às plantas, como uma adubação em
cobertura.
2ª. Esta preparação rende aproximadamente 500 L de solução líquida para pronto uso. A malha de
filtragem dependerá do sistema de aplicação que será adotado.
3ª. A aplicação pode ser realizada manualmente (com regador), por bombeamento ou em redes de
fertirrigação. Neste último caso, a filtragem deve ser bem feita para evitar entupimentos dos equipamentos.
g) Desbrota e capação:
A desbrota ou poda de brotações consiste em eliminar todos os brotos que saem das
axilas das plantas, deixando apenas uma haste em cada planta, para um melhor
aproveitamento do adubo orgânico. Os brotos laterais diminuem o vigor vegetativo da
planta e consomem nutrientes que poderiam ser conduzidos para a formação dos frutos.
A obtenção de frutos de melhor qualidade e maiores e a maior sanidade do cultivo são
alguns benefícios conseguidos com a poda.
Os brotos devem ser cortados quando ainda estão bem pequenos, para que não haja
muita perda de nutrientes pela planta.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
A capação consiste na poda da haste principal após a emissão de um certo número de
cachos. Esta prática limita o número de frutos que se quer colher e diminui o ciclo da
planta. Assim, a quantidade de frutos produzidos é menor, mas eles serão maiores e de
melhor qualidade.
A capação permite, também, reduzir os problemas fitossanitários, pela redução do ciclo
vegetativo e pela não emissão de folhas novas, uma vez que as folhas estabelecidas
estarão protegidas por caldas e extratos protetores.
Em sistemas orgânicos, recomenda-se proceder a capação da haste principal após a
emissão do ao cacho, dependendo do vigor e do estado fitossanitário da cultura. É
recomendável deixar, no mínimo, um par de folhas acima do último cacho mantido na
planta. Em outras palavras, em plantas manejadas com 4 cachos, a poda deve ser
realizada imediatamente abaixo do cacho. Pode-se também optar em manter todas as
folhas acima do último cacho mantido na planta, eliminando-se todos os novos cachos
que forem sendo emitidos, como forma de aumentar a taxa fotossintética e a translocação
de fotoassimilados para os frutos.
2.6. Pragas e doenças
As técnicas normalmente utilizadas na agricultura orgânica, objetivando o equilíbrio
ecológico do sistema, são capazes de prevenir o aparecimento e a proliferação de grande
parte de doenças e pragas. Dentre estas, podemos citar: a escolha de variedades
resistentes; o manejo correto do solo; a adubação orgânica, com fornecimento equilibrado
de nutrientes para as plantas; o manejo correto das ervas espontâneas; a irrigação bem
feita; e o uso de rotação e consorciação de culturas.
Muitas vezes, os insetos, ácaros, vírus e bactérias estão presentes na lavoura, mas não
chegam a comprometer a produção. Por isso, não necessidade de usar técnicas para
seu controle. Mas alguns organismos são persistentes e podem causar danos
econômicos se não forem controlados, em especial a traça ou broca do ponteiro (Tuta
absoluta) e a requeima ou mela (Phytophthora infestans), em regiões de altitude, e as
brocas de frutos e a pinta preta (Alternaria solani), em regiões baixas.
A requeima tem sido um dos principais problemas fitossanitários do tomate cultivado
organicamente. Para seu controle é indicado a aplicação de calda bordalesa a 1%
(Souza, 1997), semanalmente, a partir dos 20 a 30 dias do plantio. Ao aplicar a calda,
faça a cobertura total das folhas, aplicando na face superior e na inferior. Mas evite o
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
excesso. Aplique de forma que a calda não escorra e que as folhas não fiquem azuladas.
Com a aplicação excessiva, além de desperdiçar a calda, você estará intoxicando a
planta.
Outras caldas e os biofertilizantes, também, são eficientes para o controle de pragas e
doenças no tomate, como a calda sulfocálcica, que pode ser usada para o controle de
ácaro e tripes.
Uma alternativa interessante para o controle do tripes, que transmite viroses para o
tomate, especialmente o virus do vira-cabeça, é a utilização de extrato de primavera
(Bouganvilles), 2 vezes por semana a partir de 30 dias do plantio até o início da
frutificação. O preparo do extrato é feito triturando em liquidificador, 1 L de folhas maduras
em 1 L de água. Este extrato é diluído em 20 L ( a 5% ) e deve ser aplicado logo após o
preparo.
O biofertilizante líquido e o Supermagro, pulverizados nas folhas, fornecem nutrientes e
melhoram o equilíbrio nutricional das plantas, aumentando a resistência aos insetos e
ajudam no controle de doenças (Vairo dos Santos,1992 e APTA, 1997).
Para a redução do problema com pragas, principalmente a broca do ponteiro e as brocas
pequena e grande do fruto, recomenda-se o uso da armadilha luminosa, instalada a uma
distância mínima de 50 m da área de cultivo de tomate. A armadilha é usada somente
para atrair os adultos desses insetos (mariposas), sem proceder a captura, pois muitos
inimigos naturais poderiam ser eliminados junto com as pragas. A aplicação de extrato
pirolenhoso tem sido um auxiliar importante na redução de ataque de pragas nesta
cultura.
Existem atualmente muitas alternativas de controle biológico adequadas à cultura do
tomateiro. Dentre elas, a utilização de Bacillus thuringiensis, semanalmente e de forma
preventiva, para o controle da broca do ponteiro e das brocas do fruto. O uso do fungo
entomopatogênico Beauveria bassiana tem sido utilizado com eficiência no controle de
ácaros, pulgões e mosca branca, procedendo-se aplicações semanais nos períodos
críticos de incidência, preferencialmente em pulverizações direcionadas ao local de
infestação da praga. Em regiões onde se tenha disponível para a compra, cartelas de
Trichograma, pode-se adotar como alternativa eficaz no controle da broca do ponteiro do
tamate.
O emprego de armadilha de cor pode ser utilizada para redução da população de insetos.
A cor amarela atrai insetos como Diabrotica (‘brasileirinho”), mosca branca, entre outros.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
As de cor azul são adequadas para a atração de Tripes. Existem firmas que
comercializam fitas adesivas, apropriadas para esta finalidade. Uma forma artesanal de
promover a ‘atração’ e captura, consiste em confeccionar uma chapa de 20x30 cm,
pintada da cor desejada e coberta com goma colante ou com graxa bem grossa, que irão
reter os insetos que pousarem nela. Devem ser dispostas a 45% de inclinação,
distanciadas aproximadamente 20 m uma da outra dentro da lavoura.
Estes e demais métodos alternativos de controle de pragas e doenças podem ser
verificados em Abreu Júnior (1998) e Burg & Mayer (1999).
Outras medidas fitossanitárias importantes para o tomate são: a utilização de sementes
sadias e a erradicação de plantas atacadas por vírus. As plantas doentes, devem ser
arrancadas, retiradas da área e queimadas.
2.7. Colheita e rendimento
Os frutos são colhidos assim que iniciam o processo de amadurecimento, quando estão
amarelados ou rosados. Para mercados mais próximos, os frutos podem ser colhidos num
estágio de maturação mais adiantado, mas quando ainda estiverem bem firmes. O tempo
gasto do transplantio ao início da colheita varia de 70 a 90 dias, dependendo da
variedade, da região e da época de plantio.
Para a limpeza dos frutos de tomate, que apresentem resíduos externos de calda
bordalesa, proceder a imersão dos frutos, por 5 minutos, em solução de ácido acético
(vinagre), na concentração de 2%. Deixar secar e proceder a embalagem.
Em plantios a campo, o rendimento da cultura em sistemas orgânicos, em nível de
propriedade, tem variado de 30 a 40 t/ha, o que foi similarmente confirmado por estudo
realizado pelo INCAPER (Souza, 2002), onde se obteve uma produtividade média de
34.545 kg/ha de frutos comerciais, também em condições de campo, ao longo de oito
anos (Tabela 2).
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Tabela 2: Desenvolvimento agronômico do Tomateiro em sistema de cultivo
orgânico.1
Frutos comerciais
Requeima
Cultivos Ano Produtivi-
dade
Total
Produti-
vidade
Peso
Médio
Diâm.
médio
Folhas Frutos Frutos
com
brocas
Frutos
com
Defeito
Ciclo
(Kg/ha) (Kg/ha) (g) (cm)
(notas*) (%) (%) (%) (dias)
Tomate 1 1992/3 48.672 48.072 120 6,5
4 3,6 2,7 1,7 127
Tomate 2 1993/4 57.256 51.641 94 5,7
1 1,4 9,7 0,9 121
Tomate 3 1994/5 29.588 26.050 79 5,4
6 1,5 2,1 0,0 126
Tomate 4 1994/5 32.924 31.321 97 5,8
3 0,0 6,3 0,3 111
Tomate 5 1995/6 45.120 43.153 121 6,1
5 2,0 2,3 5,5 127
Tomate 6 1996/7 73.614 32.527 93 5,3
4 6,1 - - 99
Tomate 7 1997/8 43.254 26.694 - 5,9
3,5 7,3 3,5 1,9 130
Tomate 8 1999 46.968 33.560 94 5,5
- 0,7 7,3 - 95
Tomate 9 1999/0 26.996 17.890 94 5,9
1 0,8 36,6 - 127
Média - 44.932 34.545 99 5,8
3,4 2,6 8,8 1,7 118
1 SOUZA (2002).
* Avaliação por notas de 0 = ausência de sintomas e 10 = 100 % das folhas com lesões.
Em plantios orgânicos, realizados em ambiente protegido, o desenvolvimento vegetativo,
a sanidade e o valor de produtividade da cultura podem ser elevados significativamente. A
produtividade comercial de frutos, obtida nessas condições, tem variado de 50 a 60 t/ha,
em propriedades de agricultores orgânicos. Considerando-se as características dessa
espécie, esses níveis de rendimentos podem ser considerados satisfatórios, dentro dos
princípios da produção orgânica de alimentos (Figuras 7, 8, 9, 10, 11 e 12). Considerando
ainda o sobrepreço obtido por este produto no mercado orgânico, a rentabilidade da
cultura tem sido extremamente favorável.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Figura
7
: Produção orgânica de tomate em
estufa, na Área Experimental do INCAPER
Domingos Martins/ES.
Figura
8
: Produção orgânica de tomate em
estufa, em propriedade orgânica do agricultor
Martim Uhlig – Santa Maria de Jetibá/ES.
Figura
9
: Produção de tomate orgânico,
oriundos de cultivo a campo.
Figura
10
: Tomates orgânicos sendo embalados –
forma padrão de venda do produto no respectivo
mercado.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Figura 11
: Frutos de tomate, tipo Santa
Cruz, embalados para o mercado.
Figura 12
: Frutos de tomate, tipo cereja,
embalados para o mercado.
2.8. Custo de produção
Para a composição de custos do cultivo orgânico do tomateiro, adotou-se o rendimento
médio do cultivo a campo (34.545 t/ha). A rentabilidade em cultivo protegido pode ser
mais expressiva, pois os rendimentos médios obtidos na produção orgânica de tomate
têm variado entre 50 e 70 t/ha. O preço de venda considerado nesta avaliação foi de R$
2,00 por Kg, que tem sido o valor dio alcançado pelos agricultores junto a empresas
que procedem a revenda do produto ao consumidor final. Por este motivo não se
considerou gastos com frete, que ficaria por conta destas empresas.
Vale lembrar que a venda direta pelo agricultor poderia ser a melhor opção econômica,
elevando a lucratividade, uma vez que o produto pode atingir uma média de R$ 4,00 por
quilo no processo de venda direta.
Nas condições pré-estabelecidas, o total de despesas para produção de 1 hectare de
tomate em sistema orgânico foi de R$ 23.189,75, encerrando um custo unitário de R$
0,67 por quilo (Tabela 3). Estes custos estão muito abaixo de sistemas convencionais,
que pelo elevado aporte de insumos, aumentam a produtividade, mas a custos médios de
1 hectare ultrapassam R$ 30.000,00 atualmente.
A receita bruta esperada foi de R$ 69.090,00, o que conduz a uma rentabilidade
extremamente favorável de aproximadamente 3,0 Reais para cada 1,0 Real investido.
Fazendo um raciocínio rápido, sem considerar o custo de implantação de uma ‘estufa’
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
para cultivo protegido, obtendo-se produtividade média de 60 t/ha, a rentabilidade poderia
chegar a 5,2 para 1,0 (Tabela 4).
Tabela 3: Indicadores físicos e financeiros da cultura do Tomate (1 ha) em sistema
orgânico de produção, no espaçamento de 1,2m por 0,40m = 20.800
plantas/ha.1
Discriminação Qde Valor Índice (%)
(R$)
DESPESAS:
Semente própria (g) 250 50,00 0,2
Composto (t) 30 1.200,00 5,2
Outros insumos e materiais - 4.992,00 21,5
Mão de Obra (D/H) 496 12.400,00 53,5
Serviços Mecânicos (H/T) 6 360,00 1,6
Embalagem cap. 1 kg (mil) 34,55 4.187,75 18,0
Frete (kg) - - -
TOTAL DE DESPESAS - 23.189,75 100
CUSTO POR Kg 0,67 -
RECEITA BRUTA 34.545 kg 69.090,00 -
1 Adaptado de Souza & Resende (2003).
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Tabela 4: Coeficientes técnicos para produção de 1 ha de Tomate em sistema
orgânico de produção, no espaçamento de 1,2m por 0,40m = 20.800
plantas/ha.1
Especificação Unidade
Valor
Unitário
(R$)
Quantidade Valor
Total (R$)
1. Insumos e Materiais:
Composto Orgânico t 40,00 30 1.200,00
Semente própria (multiplicação) g 0,20 250 50,00
Estacas de bambu (tutores) mil 200 20,8 4.160,00
Biofertilizante enriquecido (8 vezes) L 0,006 32.000 192,00
Dipel (10 vezes) kg 60,00 4 240,00
Calda Bordalesa L 0,050 8.000 400,00
Bandejas de Isopor Nº 4 (24x16 cm) mil 105,00 34.55 3.627,75
Bobina plástica 0,38m x 1000m ud 56,00 10 560,00
Sub-total 10.429,75
2. Serviços:
Sementeira D/H 25,00 5 125,00
Aração e Gradagem H/T 60,00 6 360,00
Preparo de Solo (covas) D/H 25,00 12 300,00
Distribuição de Composto D/H 25,00 12 300,00
Plantio D/H 25,00 20 500,00
Estaqueamento (tutoramento haste individual) D/H 25,00 45 1.125,00
Aplicação de biofertilizante líquido D/H 25,00 16 400,00
Adubação em Cobertura D/H 25,00 8 200,00
Amontoa D/H 25,00 12 300,00
Capinas D/H 25,00 10 250,00
Aplicação de Calda Bordalesa (8 vezes) D/H 25,00 32 800,00
Pulverizações D/H 25,00 24 600,00
Manejo de irrigações D/H 25,00 60 1.500,00
Colheita (s) D/H 25,00 80 2.000,00
Amarrio, Desbrota e capação D/H 25,00 100 2.500,00
Classificação/Embalagem D/H 25,00 50 1.250,00
Transporte Interno D/H 25,00 10 250,00
Frete 2 - - - -
Sub-total 12.760,00
TOTAL DE DESPESAS 23.189,75
PRODUÇÃO E RECEITA ESPERADA Kg 2,00 34.545 69.090,00
1 Adaptado de Souza & Resende (2003).
2 Não há custos com frete, pois convencionou-se o sistema de produção que entrega o produto na propriedade,
diretamente a firma que comercializa produtos orgânicos.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ABREU JÚNIOR, Hélcio de. Práticas alternativas de controle de pragas e doenças na
agricultura. 1º ed. EMOPI. Campinas-SP. 1998. 112p.
ALTIERI, Miguel Angel. Agroecologia : as bases científicas da agricultura alternativa. 2.
ed. Rio de Janeiro: PTA-FASE, 1989. 240p.
APTA. O Biofertilizante Supermagro. Série Adubação Orgânica, Nº 2. 1997. 15p.
BURG, Inês Claudete & MAYER, Paulo. Manual de alternativas ecológicas para
prevenção e controle de pragas e doenças. 7ª ed. GRAFIT. Francisco Beltrão, PR.
1999. 153p.
CHABOUSSOU, Francis. Plantas doentes pelo uso de agrotóxicos: a teoria da
trofobiose. Porto Alegre: L&M, 1987. 256 p.
GLIESSMAN, Stephen. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura
sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2000. 653p.
KIEHL, Edmar José. Fertilizantes orgânicos. Ed. Agronômica "CERES", Piracicaba-SP,
1985. 492p.
CULTIVO ORGÂNICO DE HORTALIÇAS: Sistema de Produção. Coordenação de
Jacimar Luis de Souza. Roteiro e Direção de Patricia Resende. Viçosa: CPT, 1999. 1
Videocassete (66 min.): VHS, NTSC, son., color. 1 Manual técnico (154 p.): nº 215.
Didático.
CULTIVO ORGÂNICO DE HORTALIÇAS: Tomate, Pimentão, Abóbora e Pepino.
Coordenação de Jacimar Luis de Souza. Roteiro e Direção de Patricia Resende. Viçosa:
CPT, 2001. 1 Videocassete (62 min.): VHS, NTSC, son., color. 1 Manual técnico (140 p.):
nº 324. Didático.
PEREIRA, José Cezar. A conversão (do homem) da propriedade (período de transição).
In: Curso sobre Agroecologia. EPAGRI, 2000 (Apostila - mimeografado).
POPIA, Alexandre Fernando; CIDADE JÚNIOR, Homero Amaral; ALMEIDA, Rosângela
de. Olericultura Orgânica. Curitiba: EMATER – PR, 2000. 72 p. (Série Produtor, 43).
ROWE, Ernildo. Plantio direto, cultivo mínimo e manejo da fitomassa em olericultura
orgânica. In: Curso sobre Agroecologia. EPAGRI, 2000 (Apostila - mimeografado).
SOUZA, Jacimar Luis de. Estudo da fertilidade de solos submetidos a manejo orgânico
ao longo de nove anos. CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 39. Tubarão-
SC. Anais. Tubarão-SC, 1999a. In: Horticultura Brasileira, Suplemento (Resumo 374).
SOUZA, Jacimar Luis. de & VENTURA, José.Aires. Doses e intervalos de aplicação de
calda bordalesa na cultura do tomate em sistema orgânico de produção. CONGRESSO
BRASILEIRO DE FITOPATOLOGIA, 30. Poços de Caldas-MG. Anais, 1997. In: Revista
Fitopatologia Brasileira, 22 (Suplemento): 313. Resumo 470.
SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO
CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate.
Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
SOUZA, Jacimar Luis de. Agricultura Orgânica: tecnologias para a produção de
alimentos saudáveis. Vol. 1. Domingos Martins: EMCAPA. 1998. 179 p.
SOUZA, Jacimar Luis de. Manejo orgânico de solos: a experiência da EMCAPER. In:
SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Boletim Informativo. Viçosa: SBCS,
2000. v.25, n. 4, p. 13-16.
SOUZA, Jacimar Luis de. Curso Técnico de Agricultura Orgânica. Domingos Martins:
INCAPER. 2002, 262 p. (Apostila - mimeografado).
SOUZA, J. L.; RESENDE, P. Manual de Horticultura Orgânica. Viçosa: Aprenda Fácil Ed.,
2003. 560 p. il.
VAIRO DOS SANTOS, Antônio Carlos. Biofertilizante Líquido: o defensivo agrícola da
natureza. Niterói: EMATER-RIO, 1992. 16p. (Série: Agropecuária Fluminense, 8).
WERNER, Hernandes. Manejo agroecológico do solo. In: Curso sobre Agroecologia.
EPAGRI, 2000 (Apostila - mimeografado).
... Segundo Resende;Braga (2014) o cultivo de orgânicos tem se expandido no Brasil, pois são estáveis, produtivos, de elevada eficiência na utilização de recursos naturais e que resultam em alimentos saudáveis, livres de agrotóxicos e produzidos em total harmonia com a natureza. Na cultura do tomateiro, o emprego de caldas, tais como a bordalesa, viçosa, sulfocálcica e a adoção do uso de adubos naturais no cultivo orgânico surgiram há poucos anos e vem permitindo a obtenção de resultados satisfatórios em relação à produtividade e redução dos problemas fitossanitários (SOUZA, 2010). Ainda, de acordo com Resende;Braga (2014) os sistemas orgânicos de produção de tomates permitem maior obtenção de renda devido ao aumento do valor agregado no produto final, bem como, não necessita de grandes áreas para sua produção e ainda, a dependência por insumos externos é reduzida, visto que a maioria dos produtos podem ser obtidos nos próprios sistemas de produção. ...
Article
Full-text available
O tomate é um alimento rico em ácidos orgânicos e vitaminas, os quais são indispensáveis para a nutrição dos seres humanos, porém o cultivo convencional utiliza em seu manejo, agrotóxicos que podem deixar resíduos nos frutos e comprometer a saúde dos consumidores. O objetivo desse estudo foi avaliar o desempenho produtivo do tomateiro sob cultivo protegido quando manejados com caldas agroecológicas. O arranjo experimental constou de uma variedade de tomate e três tratamentos fitossanitários, cada qual com cinco repetições, em um delineamento inteiramente casualizado. Os tratamentos testados foram T1 (convencional); T2 (em transição para orgânico) e T3 (testemunha). No T2 as caldas foram utilizadas de forma preventiva e alternadas, uma por semana, e os resultados de produtividade foram comparados com o tratamento convencional e a testemunha. Como resultado se observou que o T1, a base de agrotóxicos foi mais produtivo com média de 3,6 kg planta-1; o T2 também resultou em boa produção e qualidade de frutos, com média de 3,2 kg planta-1, enquanto que a testemunha (T3) apresentou a menor produção, com 2,5 kg planta-1. Portanto, o uso de caldas é viável na produção de tomates sob cultivo protegido.
... The average yield obtained with the use of fertilizers was 1 kg. One of the reasons for this low production is related to the time when the experiment was conducted, which showed periods of low temperatures alternating with days presenting high temperatures, these factors, according to Souza (2010), end up hurting fruiting, with accentuated fall of flowers and newly formed fruits. For the average fruit weight characteristic, it is observed that the cultivar Santa Clara presented fruits with higher weight compared to Santa Cruz Kada, which can be explained by the characteristics of the cultivar in question. ...
1 Manual técnico (154 p.): nº 215. Didático. CULTIVO ORGÂNICO DE HORTALIÇAS: Tomate, Pimentão, Abóbora e Pepino
  • Videocassete Vhs
  • Ntsc
Videocassete (66 min.): VHS, NTSC, son., color. 1 Manual técnico (154 p.): nº 215. Didático. CULTIVO ORGÂNICO DE HORTALIÇAS: Tomate, Pimentão, Abóbora e Pepino. Coordenação de Jacimar Luis de Souza. Roteiro e Direção de Patricia Resende. Viçosa: CPT, 2001. 1 Videocassete (62 min.): VHS, NTSC, son., color. 1 Manual técnico (140 p.): nº 324. Didático. PEREIRA, José Cezar. A conversão (do homem) da propriedade (período de transição).
Plantio direto, cultivo mínimo e manejo da fitomassa em olericultura orgânica
  • Ernildo Rowe
ROWE, Ernildo. Plantio direto, cultivo mínimo e manejo da fitomassa em olericultura orgânica. In: Curso sobre Agroecologia. EPAGRI, 2000 (Apostila -mimeografado).
Estudo da fertilidade de solos submetidos a manejo orgânico ao longo de nove anos
  • Jacimar Souza
  • Luis
SOUZA, Jacimar Luis de. Estudo da fertilidade de solos submetidos a manejo orgânico ao longo de nove anos. CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 39. Tubarão-SC. Anais. Tubarão-SC, 1999a. In: Horticultura Brasileira, Suplemento (Resumo 374).
Doses e intervalos de aplicação de calda bordalesa na cultura do tomate em sistema orgânico de produção. CONGRESSO BRASILEIRO DE FITOPATOLOGIA, 30. Poços de Caldas-MG. Anais Sistema orgânico de produção de tomate
  • Souza
  • Jacimar Luis
  • Ventura
  • José
  • Assistência Aires Instituto Capixaba De Pesquisa
  • Técnica
  • Extensão Rural
  • Tomate
SOUZA, Jacimar Luis. de & VENTURA, José.Aires. Doses e intervalos de aplicação de calda bordalesa na cultura do tomate em sistema orgânico de produção. CONGRESSO BRASILEIRO DE FITOPATOLOGIA, 30. Poços de Caldas-MG. Anais, 1997. In: Revista Fitopatologia Brasileira, 22 (Suplemento): 313. Resumo 470. SOUZA, J. L. de. 2010. Sistema orgânico de produção de tomate. In: INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Tomate. Vitória, ES: Incaper, p. 35 – 67. ISBN 978-85-89724-17-3.
Agricultura Orgânica: tecnologias para a produção de alimentos saudáveis Domingos Martins: EMCAPA. 1998. 179 p. SOUZA, Jacimar Luis de. Manejo orgânico de solos: a experiência da EMCAPER
  • Souza
  • Jacimar Luis
  • Sociedade Brasileira De Ciência Do
  • Solo
  • Boletim
  • Informativo
SOUZA, Jacimar Luis de. Agricultura Orgânica: tecnologias para a produção de alimentos saudáveis. Vol. 1. Domingos Martins: EMCAPA. 1998. 179 p. SOUZA, Jacimar Luis de. Manejo orgânico de solos: a experiência da EMCAPER. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Boletim Informativo. Viçosa: SBCS, 2000. v.25, n. 4, p. 13-16.
Viçosa: Aprenda Fácil Ed Biofertilizante Líquido: o defensivo agrícola da natureza
  • J L Souza
  • P Resende
  • Horticultura Manual
  • Orgânica
  • Vairo
  • Antônio Carlos Santos
SOUZA, J. L.; RESENDE, P. Manual de Horticultura Orgânica. Viçosa: Aprenda Fácil Ed., 2003. 560 p. il. VAIRO DOS SANTOS, Antônio Carlos. Biofertilizante Líquido: o defensivo agrícola da natureza. Niterói: EMATER-RIO, 1992. 16p. (Série: Agropecuária Fluminense, 8).
Manejo agroecológico do solo
  • Hernandes Werner
WERNER, Hernandes. Manejo agroecológico do solo. In: Curso sobre Agroecologia. EPAGRI, 2000 (Apostila -mimeografado).
  • Alexandre Fernando
  • Homero Cidade Júnior
  • Amaral
  • Rosângela Almeida
  • De
POPIA, Alexandre Fernando; CIDADE JÚNIOR, Homero Amaral; ALMEIDA, Rosângela de. Olericultura Orgânica. Curitiba: EMATER – PR, 2000. 72 p. (Série Produtor, 43).
Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável
  • Stephen Gliessman
GLIESSMAN, Stephen. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2000. 653p.
Roteiro e Direção de Patricia Resende
  • Jacimar Luis
  • De Souza
Jacimar Luis de Souza. Roteiro e Direção de Patricia Resende. Viçosa: CPT, 1999. 1