ArticlePDF Available

Tratamento homeopático dos distúrbios emocionais e comportamentais da infância e da adolescência [Homeopathic treatment of emotional and behavioral disturbances of the childhood and the adolescence]

Authors:
  • University of São Paulo, School of Medicine

Abstract

Objective: to discuss the scientific rationality of the homeopathic model and it’s application in the treatment of the emotional and behavioral disturbances of childhood and the adolescence. Data source: literature reviews, studies and books that approach the mentioned themes. Data synthesis: the homeopathic treatment of the diseases applies a principle of cure that stimulates the organism to react against their own disturbances (similitude principle), administering to the patients infinitesimal doses of substances that present the intrinsic pathogenetic property of waking up, in healthy people, similar symptoms to the that one want to cure. Using a global semiology homoeopathy incorporates the aspects of the binomial sick-disease in the selection of the individualized medicine, propitiating a treatment of low cost, without side effects, that increases the clinical resolution of chronic diseases in general. Conclusions: valuing the emotional and psychic manifestations described in the experimentation of the medicinal substances in healthy individuals (homeopathic pathogenetic experimentation), the homeopathy can act in a specific way in the treatment human behavior disturbs, modulating the individual susceptibilities. RESUMO Objetivo: discutir a racionalidade científica do modelo homeopático e sua aplicação no tratamento dos distúrbios emocionais e comportamentais da infância e da adolescência. Fontes Dos Dados: revisões, artigos e livros que abordam os temas citados. Síntese Dos Dados: o tratamento homeopático das doenças aplica um princípio de cura que estimula o organismo a reagir contra seus próprios distúrbios (princípio da similitude), administrando aos doentes doses infinitesimais de substâncias que apresentam a propriedade patogenética intrínseca de despertar, em pessoas sadias, sintomas semelhantes aos que se desejam curar. Empregando uma semiologia globalizante, incorpora os múltiplos aspectos do binômio doente-doença na seleção do medicamento individualizado, propiciando uma terapêutica de baixo custo, isenta de efeitos colaterais e que incrementa a resolutividade clínica das doenças crônicas em geral. Conclusões: valorizando as manifestações emocionais e psíquicas descritas na experimentação das substâncias medicinais em indivíduos sadios (experimentação patogenética homeopática), a homeopatia pode atuar de forma específica no tratamento dos transtornos comportamentais humanos, modulando as suscetibilidades individuais.
286
PEDIATRIA (SÃO PAULO) 2008;29(4):286-296
REVISÕES E ENSAIOS
Resumo
Objetivo: discutir a racionalidade científica do
modelo homeopático e sua aplicação no trata-
mento dos distúrbios emocionais e comporta-
mentais da infância e da adolescência. Fontes dos
dados: revisões, artigos e livros que abordam os
temas citados. Síntese dos dados: otratamento
homeopático das doenças aplica um princípio de
cura que estimula o organismo a reagir contra
seus próprios distúrbios (princípio da similitu-
de), administrando aos doentes doses infinitesi-
mais de substâncias que apresentam a proprieda-
de patogenética intrínseca de despertar, em
pessoas sadias, sintomas semelhantes aos que se
desejam curar.Empregando uma semiologia glo-
balizante, incorpora os múltiplos aspectos do bi-
nômio doente-doença na seleção do medicamen-
to individualizado, propiciando uma terapêutica
de baixo custo, isenta de efeitos colaterais e que
incrementa a resolutividade clínica das doenças
crônicas em geral. Conclusões: valorizando as
manifestações emocionais e psíquicas descritas
na experimentação das substâncias medicinais
em indivíduos sadios (experimentação patogené-
tica homeopática), a homeopatia pode atuar de
forma específica no tratamento dos transtornos
comportamentais humanos, modulando as susce-
tibilidades individuais.
Descritores: Homeopatia. Pesquisa homeopática
básica. Mecanismo de ação do medicamento ho-
meopático. Pesquisa biomédica. Pediatria. Sinto-
mas afetivos. Sintomas comportamentais.
Abstract
Objective:
to discuss the scientific rationality of
the homeopathic model and it’s application in the
treatment of the emotional and behavioral disturb-
ances of childhood and the adolescence.
Data
source:
literature reviews, studies and books that
approach the mentioned themes.
Data synthesis:
the homeopathic treatment of the diseases applies a
principle of curethat stimulates the organism to re-
act against their own disturbances (similitude prin-
ciple), administering to the patients infinitesimal
doses of substances that present the intrinsic patho-
genetic property of waking up, in healthy people,
similar symptoms to the that one want to cure. Us-
ing a global semiology homoeopathy incorporates
the aspects of the binomial sick-disease in the selec-
tion of the individualized medicine, propitiating a
treatment of low cost, without side effects, that in-
creases the clinical resolution of chronic diseases in
general.
Conclusions:
valuing the emotional and
psychic manifestations described in the experimen-
tation of the medicinal substances in healthy indi-
viduals (homeopathic pathogenetic experimenta-
REVISÕES E ENSAIOS
TTrraattaammeennttoo hhoommeeooppááttiiccoo ddooss ddiissttúúrrbbiiooss eemmoocciioonnaaiiss
ee ccoommppoorrttaammeennttaaiiss ddaa iinnffâânncciiaa ee ddaa aaddoolleessccêênncciiaa
Homeopathic treatment of emotional and behavioral
disturbances of the childhood and the adolescence
Tratamiento homeópata de las perturbaciones emocionales
y conductuales de la niñez y de la adolescencia
Marcus Zulian Teixeira1
Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP)
1Doutorando do Departamento de Clínica Médica da FMUSP. Coordenador da Disciplina
“Fundamentos da Homeopatia” (MCM0773) da FMUSP
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 286
287
TRATAMENTO HOMEOPÁTICO DOS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS E COMPORTAMENTAIS DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA
tion), the homeopathy can act in a specific way in
the treatment human behavior disturbs, modulating
the individual susceptibilities.
Keywords:
Homeopathy. Basic homeopathic re-
search. Action mode of homeopathic drugs. Biome-
dical research. Pediatrics. Affective symptoms. Be-
havioral symptoms.
Resumen
Objetivo:
discutir la racionalidad científica del
modelo homeópata y su aplicación en el tratamien-
to de las perturbaciones emocionales y conductua-
les de la niñez y de la adolescencia.
Fuente de los
datos:
revisiones de la literatura, artículos y libros
que se acercan los temas mencionados.
Síntesis de
los datos:
el tratamiento homeópata de las enfer-
medades aplica un principio de cura que estimula el
organismo para reaccionar contra sus propias per-
turbaciones (el principio de similitud), adminis-
trando a los pacientes las dosis infinitesimales de
substancias que presentan la propiedad patogenéti-
ca intrínseca de despertarse, en las personas salu-
dables, los síntomas similares al que uno quiere cu-
rar. Usando una semióloga global incorpora los
múltiplos aspectos de lo binomio enfermo-enferme-
dad en la selección de la medicina individualizada,
mientras propiciando un tratamiento de costo bajo,
exenta de efectos laterales y eso aumenta la resolu-
ción clínica de las enfermedades crónicas en gene-
ral.
Conclusiones:
valorando las manifestaciones
emocionales y psíquicas descritas en la experimen-
tación de las substancias medicinales en los indivi-
duos saludables (experimentación patogenética ho-
meópata), la homeopatía puede actuar de una
manera específica en el tratamiento de los trastor-
nos de la conducta humana, mientras modulando
las susceptibilidades individuales.
Palabras clave:
Homeopatía. Investigación homeo-
pática básica. Mecanismo de acción del medicamen-
to homeopático. Investigación biomédica. Pediatría.
Síntomas afectivos. Síntomas conductuales.
Introdução
Valorizando os diversos aspectos da indivi-
dualidade enferma, segundo abordagens antro-
pológica e semiológica globalizantes, a homeo-
patia é um modelo terapêutico que se propõe a
tratar o ser humano de forma integrada, desper-
tando o interesse crescente da população e da
classe médica mundialmente1-2.
Reconhecida como especialidade médica pelo
Conselho Federal de Medicina (CFM) desde
1980, com título de especialista conferido pela
Associação Médica Brasileira (AMB) desde 1990,
desenvolve suas atividades de forma paralela ao
movimento científico acadêmico, divulgando
sua racionalidade teórico-prática em cursos de
pós-graduação lato sensu (extensão universitária;
1.200 horas-aula) oferecidos por entidades for-
madoras vinculadas à Associação Médica Ho-
meopática Brasileira (AMHB).
A partir de 1985, a homeopatia passou a ser
oferecida em ambulatórios de hospitais e postos
de saúde da rede pública (SUS), disponibilizan-
do à população brasileira, ainda que de forma tí-
mida e insuficiente, uma alternativa terapêutica
ao tratamento das doenças crônicas, aumentan-
do a resolutividade clínica e diminuindo os cus-
tos e os efeitos iatrogênicos da terapêutica farma-
cológica clássica, através de um modelo de
medicina humanizada que valoriza a relação mé-
dico-paciente e a complexidade humana enferma
em seus aspectos espirituais, psíquicos e físicos3.
Iniciativas na educação médica mundial co-
meçam a viabilizar o ensino dos pressupostos
homeopáticos nas faculdades de medicina, in-
corporando disciplinas eletivas ao currículo fun-
damental, permitindo que a informação respal-
dada pelas evidências científicas e pelas práticas
vivenciadas possam dissolver o preconceito ar-
raigado à cultura médica4.
Embasada em princípios pouco ortodoxos e
distintos dos conceitos hegemônicos da ciência
cartesiana (princípio da similitude, experimenta-
ção patogenética homeopática e medicamento
dinamizado), a racionalidade e a prática médica
homeopáticas são utilizadas há mais de duzentos
anos em inúmeros países, auxiliando a minimi-
zar o sofrimento de pacientes portadores dos
mais diversos tipos de mazelas. Afastada do esta-
fe acadêmico-científico, dificilmente conseguiria
sobreviver ao passar dos séculos incólume às crí-
ticas de que é alvo periodicamente se não apre-
sentasse eficácia e efetividade clínicas confirma-
das e difundidas pela experiência popular.
O modelo de tratamento homeopático empre-
ga o princípio de cura pela similitude, adminis-
trando doses infinitesimais de substâncias que, ao
serem experimentadas previamente em indiví-
duos sadios, apresentaram sintomas semelhantes
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 287
288
PEDIATRIA (SÃO PAULO) 2008;29(4):286-296
aos dos indivíduos enfermos. Para se tornar um
medicamento homeopático, a substância deve
ser experimentada em indivíduos humanos se-
gundo um protocolo de experimentação patoge-
nética e ter seus efeitos primários (psíquicos, ge-
rais e físicos) descritos na Matéria Médica
Homeopática (MMH).
Considerando o ser humano uma entidade
complexa, a concepção antropológica homeopá-
tica atribui ao corpo biológico uma natureza di-
nâmica físico-vital, na qual os pensamentos e os
sentimentos interagem com os sistemas orgâni-
cos e suas funções fisiológicas, tornando a indi-
vidualidade mais ou menos suscetível aos agen-
tes etiológicos. Resultante desta concepção
holística do processo de adoecimento, a semiolo-
gia homeopática valoriza os múltiplos aspectos
do indivíduo enfermo, compondo um quadro
sintomático que englobe as características pecu-
liares das diversas esferas humanas (biológica,
psíquica, social e espiritual) para realizar o diag-
nóstico medicamentoso individualizado.
Visando restabelecer este equilíbrio orgânico-
vital, a arte homeopática de curar deve ser capaz
de identificar as suscetibilidades mórbidas indi-
viduais, reconhecidas através da totalidade dos
sintomas característicos manifestos no enfermo,
a fim de escolher um medicamento que desper-
tou um conjunto de sintomas semelhantes no ser
humano sadio.
Em vista de o modelo homeopático valorizar os
sintomas emocionais e psíquicos como aspectos de
alta hierarquia no conjunto das características hu-
manas, seja na experimentação patogenética ho-
meopática ou na compreensão da etiopatogenia
dos distúrbios orgânicos de qualquer natureza,
estas classes de manifestações fazem parte do
ideal de cura do médico homeopata. Medica-
mentos que suprimam as manifestações clínicas
indesejáveis sem propiciarem melhoras emocio-
nais e psíquicas proporcionais devem ser antido-
tados segundo a concepção homeopática do pro-
cesso saúde-doença.
Assim sendo, todo tratamento homeopático
individualizado e bem conduzido deve atuar de
forma integrada, tanto nos distúrbios emocio-
nais e psíquicos quanto nos distúrbios gerais e
orgânicos, propiciando “um estado de completo
bem-estar físico, mental, social e espiritual, e não
apenas a ausência de doenças”.
Neste trabalho, junto com uma síntese dos as-
pectos da racionalidade científica que respaldam a
aplicação dos pressupostos homeopáticos segun-
do as pesquisas básica e clínica5-7, iremos discor-
rer sobre algumas das inúmeras indicações do tra-
tamento homeopático nos distúrbios emocionais
e comportamentais da infância e da adolescência.
Princípio da similitude
Samuel Hahnemann, fundador da homeopatia,
embasado no estudo das propriedades farmacoló-
gicas de dezenas de substâncias medicamentosas
de sua época, nas quais observou uma reação se-
cundária (efeito indireto) do organismo após a
ação primária (efeito direto) de drogas das mais di-
versas classes, enunciou um aforismo para a ação
dos medicamentos na constituição humana:
Toda força que atua sobre a vida, todo medica-
mento afeta, em maior ou menor escala, a for-
ça vital, causando certa alteração no estado de
saúde do Homem por um período de tempo
maior ou menor. A isso se chama ação primá-
ria.[...] A essa ação, nossa força vital se esfor-
ça para opor sua própria energia. Tal ação
oposta faz parte de nossa força de conservação,
constituindo uma atividade automática da
mesma, chamada ação secundária ou reação.8
Ilustrando esta lei natural,descreve a ação
primária dos medicamentos, promotora de alte-
rações nos diversos sistemas orgânicos e a conse-
qüente ação secundária do organismo (reação vi-
tal ou força de conservação) que se manifesta no
sentido de neutralizar os distúrbios primários
promovidos pelos fármacos, na tentativa de re-
tornar ao equilíbrio do meio interno anterior à
intervenção medicamentosa:
[...] À ingestão de café forte, segue-se uma su-
perexcitação (ação primária); porém, um gran-
de relaxamento e sonolência (reação, ação se-
cundária) permanecem por algum tempo se
não continuar a ser suprimido através de mais
café (paliativo, de curta duração). Após o sono
profundo e entorpecedor produzido pelo ópio
(ação primária), a noite seguinte será tanto
mais insone (reação, ação secundária). Depois
da constipação produzida pelo ópio (ação pri-
mária), segue-se a diarréia (ação secundária) e,
após purgativos que irritam os intestinos (ação
primária), sobrevêm obstrução e constipação
por vários dias (ação secundária). Assim, por
toda parte, após a ação primária de uma potên-
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 288
289
TRATAMENTO HOMEOPÁTICO DOS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS E COMPORTAMENTAIS DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA
cia capaz de, em grandes doses, transformar
profundamente o estado de saúde do organis-
mo sadio, é justamente o oposto que sempre
ocorre na ação secundária, através de nossa
força vital. (Organon, § 65)
Utilizando uma racionalidade científica fun-
damentada na lógica aristotélica, Hahnemann
estipula o tratamento pelos semelhantes ou prin-
cípio da similitude curativa (similia similibus cu-
rentur), administrando aos indivíduos enfermos
substâncias que haviam despertado sintomas se-
melhantes em indivíduos sadios, com o objetivo
de estimular uma reação homeostática curativa,
induzindo o organismo a reagir contra os seus
próprios distúrbios. Descrito em 1860 pelo fisio-
logista da Sorbonne, Claude Bernard, como fixi-
té du milieu intérieur, o termo homeostase foi cu-
nhado em 1929 pelo fisiologista de Harvard,
Walter Bradford Cannon, significando, a tendên-
cia ou a habilidade dos organismos vivos em
manter a constância do meio interno, através de
auto-ajustes nos processos fisiológicos.
Citado por Hipócrates e outros expoentes ao
longo da história da medicina, este princípio da
similitude (reação homeostática) encontra fun-
damentação científica no “efeito rebote” ou “rea-
ção paradoxal” do organismo, observado após a
suspensão ou a alteração das doses de diversas
classes de drogas que atuam de forma contrária
(antagônica, enantiopática, oposta ou paliativa)
aos sintomas das doenças e confirmado em estu-
dos da farmacologia experimental9-10.
Exemplificando o efeito rebote em três clas-
ses de drogas antagônicas de grande utilização
atual, temos que medicamentos anticoagulantes
(argatroban, bezafibrato, heparina, salicilatos,
warfarina), empregados por sua ação primária na
profilaxia da trombose sanguínea, promovem
complicações trombóticas como efeito rebote;
broncodilatores (adrenérgicos, cromoglicato dis-
sódico, epinefrina, ipatrópio, nedocromil), pro-
motores primários da dilatação dos brônquios,
despertam broncoconstrição severa como reação
paradoxal; antidepressivos (inibidores da MAO,
tricíclicos), utilizados primariamente para dimi-
nuir os sintomas da depressão, exacerbam os
sintomas depressivos após a suspensão, em pata-
mares superiores aos suprimidos inicialmente.
Embora esta reação paradoxal se manifeste numa
pequena proporção dos indivíduos, em vista do
seu caráter idiossincrásico, evidências recentes
alertam para a ocorrência de eventos iatrogêni-
cos fatais em decorrência deste efeito rebote do
organismo. Após o emprego de fármacos de se-
gunda geração (ação enantiopática mais potente)
de mesmas classes de drogas, ocorre reação se-
cundária diretamente proporcional à intensidade
do efeito primário paliativo: antiinflamatórios
seletivos e não-seletivos da COX-2 levam a trom-
boses fatais (IAM, AVE), em decorrência do seu
efeito primário anticoagulante; broncodilatado-
res de longa duração causam broncoespasmos ir-
reversíveis; antidepressivos inibidores da recap-
tação de serotonina despertam comportamentos
suicidas11-13. De forma análoga aos medicamen-
tos homeopáticos, o efeito rebote dos fármacos
modernos poderia ser utilizado de forma curati-
va, estimulando reações orgânicas favoráveis
(p.ex. anticoncepcionais podem promover ovula-
ção e gravidez rebote em mulheres com esterilida-
de funcional; imunossupressores podem desper-
tar imunoestimulação paradoxal em indivíduos
imunossuprimidos etc.)14.
Estudos no campo da pesquisa básica eviden-
ciam a ação das ultradiluições na indução da res-
posta terapêutica homeostática, testando os efei-
tos protetores ou curativos das preparações
homeopáticas de diversas toxinas (arsênico, mer-
cúrio, cobre, chumbo etc.) em modelos laborato-
riais submetidos à intoxicação experimental com
as mesmas substâncias15.Em outras áreas do co-
nhecimento científico moderno, a reversão da
ação tóxica de inúmeros agentes (inclusive irra-
diações) é observada no emprego terapêutico
destes mesmos agentes em doses infinitesimais,
com o intuito de despertar o fenômeno de com-
pensação orgânica ou homeostática16.
Experimentação patogenética homeopática
Para adquirir o conhecimento das proprieda-
des curativas das substâncias que permitam a
aplicação do princípio da similitude, a homeopa-
tia utiliza a experimentação patogenética ho-
meopática (experimentação no homem são)
como modelo de pesquisa clínica farmacológica
(semelhante aos modernos testes clínicos fase
1), valorizando todas as classes de manifestações
sintomáticas despertadas pelas substâncias me-
dicinais nos indivíduos humanos (mentais, ge-
rais e físicas), sejam em doses ponderais ou infi-
nitesimais, denominados pela farmacologia
como efeitos terapêuticos, adversos ou colaterais
das drogas modernas:
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 289
290
PEDIATRIA (SÃO PAULO) 2008;29(4):286-296
Todos os efeitos patogenéticos de cada medica-
mento precisam ser conhecidos, isto é, todos os
sintomas e alterações mórbidas da saúde que
cada um deles é capaz de provocar no homem
sadio devem ser primeiramente observados an-
tes de se encontrar e escolher, entre eles, o meio
de cura homeopático adequado para a maioria
das doenças naturais. (Organon, § 106)
Seguindo as premissas estipuladas por Hah-
nemann (Organon, § 105-145), milhares de
substâncias foram experimentados em todo o
mundo ao longo destes duzentos anos de ho-
meopatia, segundo protocolos diversos de expe-
rimentação patogenética17, a fim de se adquirir o
“conhecimento dos instrumentos destinados à
cura das doenças naturais”, averiguando-se o
“poder patogenético dos medicamentos, a fim de
que, quando precisar curar, possa-se escolher,
entre eles, um cujas manifestações sintomáticas
possam constituir uma doença artificial tão se-
melhante quanto possível à totalidade dos sinto-
mas principais da doença natural a ser curada”.
Todos os sintomas observados nas experi-
mentações patogenéticas dos diversos medica-
mentos homeopáticos são compilados para a
Matéria Médica Homeopática (MMH), seguindo
uma sistematização anatômico-funcional (men-
te, cabeça, olho, ouvido, nariz, face, boca, gar-
ganta, estômago, abdome etc.). Na prática clíni-
ca, o médico homeopata utiliza também o
Repertório de Sintomas Homeopáticos (RSH),
no qual todos os medicamentos homeopáticos
que despertaram o mesmo sintoma nas experi-
mentações patogenéticas são agrupados numa
mesma rubrica, facilitando a seleção do medica-
mento homeopático que englobe a totalidade de
sintomas característicos do paciente.
A importância dedicada à observação de ma-
nifestações mentais e psíquicas nas experimenta-
ções patogenéticas das diversas substâncias medi-
cinais, valorizadas pela concepção homeopática
do processo de adoecimento humano, permite
que possamos atuar, segundo o princípio da simi-
litude terapêutica, nos diversos distúrbios emo-
cionais e comportamentais da infância e da ado-
lescência, como veremos adiante.
Medicamento dinamizado
Principal alvo das críticas do pensamento car-
tesiano ao modelo homeopático, o emprego de
substâncias ultradiluídas, em concentrações in-
feriores ao número de Avogadro (10-24 M), con-
traria o modelo farmacológico bioquímico e
dose-dependente, despertando ceticismo no
meio científico a hipótese de que estas doses in-
finitesimais possam causar efeitos em sistemas
biológicos ou seres vivos.
Com o objetivo inicial de evitar as intoxicações
e as agravações medicamentosas que as substân-
cias aplicadas segundo o princípio da similitude
causavam nos pacientes, Hahnemann propôs um
método farmacotécnico para a preparação dos me-
dicamentos homeopáticos denominado dinamiza-
ção,no qual as substâncias eram diluídas e agita-
das sucessivamente (medicamento dinamizado),
observando que estas preparações infinitesimais
apresentavam atividade biológica nas diversas es-
feras da individualidade humana. A capacidade da
informação contida nestas substâncias ultradiluí-
das em promover alterações nos sistemas orgâni-
cos, de forma análoga às doses ponderais, tem sido
evidenciada em modelos físico-químicos ou bioló-
gicos de pesquisa experimental.
Algumas hipóteses fundamentadas em mode-
los experimentais físico-químicos buscam uma
explicação científica para o fenômeno de trans-
missão da informação dos efeitos primários das
substâncias através destas doses infinitesimais.
Dentre elas, citamos as pesquisas que estudam as
modificações de natureza eletromagnética da
água segundo a eletrodinâmica quântica, na qual
a matéria não representaria um aglomerado iner-
te de moléculas e sim um meio dinâmico, capaz
de selecionar e catalisar as reações moleculares de
acordo com os diversos campos eletromagnéticos
que ocorrem em seu interior. Através de modelos
matemáticos e experimentais, especula-se que o
campo eletromagnético de um soluto pode gerar
certos domínios de coerência estável no solvente
(com estruturas e vibrações específicas), produ-
zindo aglomerados ou clusters de moléculas de
água (com tamanhos e geometrias próprios),
como uma assinatura eletromagnética da subs-
tância na água.Desta forma, a organização da
água seria um processo coerente, reprodutível e
associado a interações eletromagnéticas de longo
alcance e baixíssima intensidade, transmitindo a
informação do soluto inicialmente diluído e agi-
tado pelo processo da dinamização18-21.
Numa outra linha de pesquisa, as ultradilui-
ções são testadas em modelos biológicos (cultu-
ra de células, animais, vegetais etc.), constatan-
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 290
291
TRATAMENTO HOMEOPÁTICO DOS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS E COMPORTAMENTAIS DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA
do-se que as substâncias dinamizadas despertam
efeitos semelhantes aos das substâncias ponde-
rais em diversos sistemas fisiológicos22-25.
Individualização do
medicamento homeopático
Encarando o processo de adoecimento como
um enfraquecimento dos mecanismos fisiológi-
cos normais de adaptação e compensação, Hahne-
mann correlaciona qualquer desequilíbrio interior
às diversas manifestações sintomáticas indivi-
duais, e utilizou a totalidade de sinais e sintomas
como o único referencial para diagnosticar o
“padecimento da força vital” (predisposição in-
dividual, suscetibilidade mórbida ou desequilí-
brio homeostático), e para prescrever os medica-
mentos homeopáticos mais semelhantes à
individualidade enferma:
[...] a totalidade de seus sintomas, esse quadro
do ser interior da doença que se reflete no ex-
terior, isto é, do padecimento da força vital,
deve ser o principal ou o único através do qual
a doença dá a conhecer o meio de cura de que
ela necessita, o único que pode determinar a
escolha do meio de auxílio adequado – em
suma, a totalidade dos sintomas deve ser, para
o artista da cura, a coisa principal, senão a úni-
ca que ele, em cada caso de doença, necessita
conhecer e afastar através de sua arte, a fim de
que a doença seja curada e transformada em
saúde. (Organon, § 7)
No conjunto de sinais e sintomas manifestos,
a semiologia homeopática seleciona os mais pe-
culiares e característicos a cada caso, desprezan-
do os sintomas comuns pela ausência de poder
individualizante nos mesmos. Dentre esta totali-
dade de sintomas característicos, classifica as
manifestações mentais e psíquicas (emocionais,
comportamentais etc.) como aspectos de alta
hierarquia, reiterando a importância e a comple-
xidade da individualização no êxito do tratamen-
to para qualquer tipo de doença:
“Por conseguinte, jamais se poderá curar de
acordo com a natureza, isto é, homeopatica-
mente, se não se observar, simultaneamente,
em cada caso individual de doença, mesmo
nos casos de doenças agudas, o sintoma das al-
terações mentais e psíquicas, e se não se esco-
lher, para alívio do doente, entre os medica-
mentos, uma tal potência morbífica que, a par
da semelhança de seus outros sintomas com os
da doença, também seja capaz de produzir por
si um estado psíquico ou mental semelhante”.
(Organon, § 213)
Assim sendo, o tratamento homeopático ade-
quado deve priorizar a individualização do me-
dicamento, valorizar os aspectos mais caracterís-
ticos do paciente, permitindo que para uma
mesma doença cada indivíduo possa vir a rece-
ber medicamentos distintos, conforme as suas
suscetibilidades físicas, psíquicas, emocionais,
alimentares, climáticas etc.26 Ensaios clínicos
controlados que respeitaram estas premissas de-
monstraram maior eficácia do tratamento ho-
meopático perante o placebo27-30, ao contrário
daqueles que estipularam uma mesma prescrição
para todos os portadores de uma mesma doen-
ça31-33, desprezando a totalidade sintomática ca-
racterística individual.
Vale ressaltar que este processo de individua-
lização medicamentosa necessita de um período
de acompanhamento regular e variável, em que a
efetividade das diversas hipóteses medicamento-
sas é testada sucessivamente, ajustando-se os
medicamentos, as doses e as potências homeopá-
ticas aos diversos aspectos do paciente. Isso até
que se atinja o status medicamentoso ideal, com
a substituição das drogas alo-enantiopáticas em
uso, desde que imprescindíveis ao equilíbrio das
funções vitais orgânicas, deve ser realizado se-
gundo critérios éticos e seguros, evitando-se ia-
trogenias graves conseqüentes à ausência da
ação terapêutica homeopática34.
Tratamento homeopático dos distúrbios
emocionais e comportamentais
Apesar do DSM-IV (Diagnostic and Statistic
Manual of Mental Disorders) classificar mais de
250 condições que podem cursar com alterações
do comportamento, os distúrbios comportamen-
tais da infância e da adolescência definem-se atra-
vés dos seguintes aspectos:
1. quando houver problemas no rendimento es-
colar não explicados por fatores intelectuais,
sensoriais ou outras incapacidades físicas;
2. quando são observados problemas em estabe-
lecer e manter relações sociais com colegas,
professores ou familiares;
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 291
292
PEDIATRIA (SÃO PAULO) 2008;29(4):286-296
3. quando são observadas reações comportamen-
tais ou sentimentos inapropriados diante de si-
tuações corriqueiras, ou tristeza e depressão
contínuas;
4. quando há tendência a desenvolver sintomas
físicos ou medos associados a problemas co-
muns”35.
Mais adiante iremos utilizar esta classificação
generalista para ilustrar algumas manifestações
patogenéticas homeopáticas (e seus respectivos
medicamentos), que podem ser utilizadas na ela-
boração da síndrome sintomática destes trans-
tornos comportamentais.
Para a homeopatia, quaisquer características
humanas, desproporcionais em sua expressão
natural e promotora de distúrbios de qualquer
natureza (espiritual, social, familiar, escolar, psí-
quica, emocional, física, climática, alimentar
etc.), são consideradas sintomas homeopáticos,
que integram a suscetibilidade mórbida indivi-
dual e devem estar incorporadas à totalidade sin-
tomática característica do indivíduo enfermo.Se
esta manifestação sintomática estiver descrita
nas experimentações patogenéticas dos milhares
de medicamentos homeopáticos que compõe a
Matéria Médica Homeopática (MMH), podere-
mos modular sua manifestação através da aplica-
ção do princípio da similitude terapêutica.
Assim sendo, apesar do diagnóstico clínico
ou psiquiátrico ser fundamental para situar o
médico homeopata perante a gravidade e o prog-
nóstico do quadro, a semiologia homeopática
utiliza o conjunto de sintomas característicos
(mentais, gerais e físicos) para realizar o diag-
nóstico medicamentoso.
No capítulo “Mental” da Matéria Médica Ho-
meopática (MMH) e do Repertório de Sintomas
Homeopáticos (RSH), encontramos uma infinida-
de de manifestações emocionais e comportamen-
tais humanas que foram descritas nas experimen-
tações patogenéticas dos diversos medicamentos
homeopáticos, habitualmente utilizadas na práti-
ca clínica homeopática para compor a totalidade
sintomática característica de qualquer paciente e
que assumem particular importância no trata-
mento homeopático dos distúrbios comporta-
mentais humanos.
Ilustrando a abrangência da homeopatia nestes
casos, com atuação individualizada nas diversas
manifestações psíquicas e emocionais, direcionan-
do a reação vital ou homeostática para a modulação
de aspectos sutis e específicos da psique humana,
enumeramos alguns dos sintomas mentais passí-
veis de tratamento pela abordagem homeopática,
desde que se manifestem de forma inapropriada e
perturbadora: abandono, agressividade, alheamen-
to social, ansiedade, antecipação, choro, cólera,
companhia (desejo ou aversão), concentração difí-
cil, confusão mental, contradição, crueldade, delí-
rios, desamparo, desconfiança, desorientação, de-
pressão, despersonalização, despotismo, destru-
tividade, distração, embotamento mental, erros no
falar, euforia, excitabilidade, gestos estranhos (ti-
ques), gritos, hipersensibilidade, histeria, humor
alterado, impressionabilidade, impulsividade, inde-
cisão, indiferença afetiva, indignação, indiscrição,
indolência, inquietude, insegurança, introspecção,
irritabilidade, lentidão, loquacidade, mágoa, me-
dos, memória alterada, morder (desejo), nostalgia,
obscenidade, obstinação, pesadelos, pessimismo,
pressa, ressentimento, rudeza, selvageria, sonam-
bulismo, terror noturno, timidez, vergonha, etc.
Para amenizar o espanto daqueles que ques-
tionam a possibilidade de substâncias medicinais
despertarem esta classe de sintomas em experi-
mentos humanos, algumas destas manifestações
estão citadas na seção de eventos adversos (efei-
tos primários ou patogenéticos) dos fármacos
modernos na farmacopéia americana (United Sta-
tes Pharmacopeia Dispensing Information, USP-DI;
apenas na letra A)36: agressividade (acitretin,
amantadine, succinimide anticonvulsant etc.),
alheamento social (alosetron), ansiedade (abaca-
vir, abiciximab, almotriptan etc.), choro (anphe-
tamines, atomoxetine, atorvastatin etc.), concentra-
ção difícil (almotriptan, amantadine, aminobenzoate
potassium etc.), confusão mental (acetaminophen/
salicylates, acetylcysteine, amiodarone etc.), delí-
rios (acyclovir
, amantadine, amiodarone etc.), deso-
rientação (amantadine, amiodarone, nonsteroidal
anti-inflammatory drugs etc.), depressão (ampre-
navir, nonsteroidal anti-inflammatory drugs, succi-
nimide anticonvulsant etc.), despersonalização
(amantadine, nonsteroidal anti-inflammatory
drugs, atorvastatin etc.), embotamento mental
(atomoxetine, azacitidine etc.), erros no falar (aci-
tretin, amantadine, amphetamines etc.), euforia
(almotriptan, atorvastatin, phenotiazine-derivative
antihistamines etc.), excitabilidade (anticholiner-
gics/antispasmodics, barbiturates, hydantoin anti-
convulsant etc.), gestos estranhos (almotriptan,
amiodarone, antihistamines and decongestants
etc.), histeria (phenotiazine-derivative antihistami-
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 292
293
TRATAMENTO HOMEOPÁTICO DOS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS E COMPORTAMENTAIS DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA
nes etc.), humor alterado (alemtuzumab, amioda-
rone, amprenavir etc.), inquietude (almotriptan,
amlodipine, anticholinergics etc.), irritabilidade
(acamprosate, adalimumab, nonsteroidal anti-in-
flammatory drugs etc.), medos (abciximab, antim-
yasthenics, amlodipine/ benazepril etc.), memória
alterada (amantadine, amlodipine/atorvastatin, an-
ticholinergics/antispasmodics etc.), pesadelos (al-
motriptan, succinimide anticonvulsant, antihistami-
nes etc.) etc. Se a notificação dos eventos
adversos das drogas atuais valorizasse estes as-
pectos emocionais e comportamentais, como o
faz a experimentação patogenética homeopática,
certamente teríamos descritos aspectos mais sutis
e idiossincrásicos como efeitos colaterais farma-
cológicos modernos.
Ao reiterar que a semiologia homeopática
deve abranger a totalidade de sintomas caracte-
rísticos do enfermo (sintomas mentais, gerais e
físicos) para realizar o diagnóstico medicamen-
toso correto (medicamento individualizado), se-
gundo uma semiotécnica específica e aplicada
por profissional habilitado, vamos exemplificar
algumas das inúmeras manifestações sintomáti-
cas descritas nas experimentações patogenéticas
homeopáticas (na linguagem do RSH)37-38, com a
abreviatura de alguns dos respectivos medica-
mentos que podem ser utilizados no tratamento
destes distúrbios emocionais e comportamentais
da infância e da adolescência (Tabelas 1 a 4).
Conclusão
Embora marginalizada pelo conhecimento
científico contemporâneo, a homeopatia contribui
de forma barata, segura e efetiva na diminuição do
sofrimento humano e na resolutividade de inúme-
ras doenças crônicas há mais de duzentos anos,
Sintomas mentais descritos nas experimentações patogenéticas Medicamentos homeopáticos
(na linguagem do RSH) (abreviaturas)
Antecipação, antes de exame Aeth, Arg-n, Gels, Sil etc.
Caótico, comportamento confuso Ars, Bell, Bov, Chin etc.
Concentração difícil, estudando, lendo Aeth, Hell, Nux-v, Sil etc.
Embotamento, dificuldade de pensar e compreender Arg-n, Bar-c, Calç-P, Sulph etc.
Erros em cálculos Am-c, Crot-h, Lyc, Nux-v etc.
Erros escrevendo Calç-p, Kali-br, Lyc, Thuj etc.
Escrever, incapacidade para aprender a escrever Caust, Ign, Lyc, Nux-v etc.
Indolência, aversão ao trabalho, preguiça Graph, Nat-m, Pic-ac, Tub etc.
Memória, fraqueza de, para o que leu Hell, Lach, Lyc, Staph etc.
Pensamentos divagantes Acon, Aloe, Arn, Bapt etc.
Sintomas mentais descritos nas experimentações patogenéticas Medicamentos homeopáticos
(na linguagem do RSH) (abreviaturas)
Abusado, crianças insultam seus pais Cina, Lyc, Plat, Tub etc.
Alheio, deslocado, distante de sua família Nat-c, Nat-m, Nit-ac, Sep etc.
Batem, crianças que Cham, Cina, Stram, Tub etc.
Ciúme, crianças predispostas ao Hyosc, Lach, Nux-v, Puls etc.
Companhia, aversão a Bar-c, Cham, Nat-m, Staph etc.
Desobediência, intolerância às regras em crianças Caps, Medh, Plumb, Tarent etc.
Egolatria, egotismo Lach, Pall, Plat, Verat etc.
Indiferença pelos entes amados Acon, Fl-ac, Hell, Phos, Sep etc.
Insolentes, crianças Hyosc, Lyc, Plat, Verat etc.
Morder, desejo de Bell, Carbn-s, Hyosc, Stram etc.
Tabela 1. Problemas no rendimento escolar não explicados por fatores intelectuais, sensoriais ou outras
incapacidades físicas
Tabela 2. Problemas em estabelecer e manter relações sociais com colegas, professores ou familiares
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 293
294
PEDIATRIA (SÃO PAULO) 2008;29(4):286-296
aplicando pressupostos distintos dos convencio-
nalmente propagados pela medicina ortodoxa.
Há carência de pesquisas nas áreas básica e clí-
nica, por motivos que variam desde a ausência da
homeopatia nas faculdades de medicina e nos ser-
viços públicos de saúde, o desinteresse científico
da classe homeopática, a desinformação e o pre-
conceito dos colegas e pesquisadores de outras
áreas, a dificuldade em adaptar as premissas do
modelo homeopático ao paradigma biomédico do-
minante, e a ausência de incentivos pelas entida-
des fomentadoras. O médico homeopata deve re-
tornar ao seu antigo ambiente acadêmico para
dedicar-se ao desenvolvimento de projetos nas
áreas da assistência, do ensino e da pesquisa uni-
versitária, participando mais ativamente na divul-
gação e na expansão da ciência homeopática, a fim
de que o tratamento possa ser disponibilizado nos
diversos setores e segmentos da atenção à saúde.
Em qualquer forma de aplicação clínica, as
premissas intrínsecas ao modelo de tratamento
homeopático não podem ser descartadas (indivi-
dualização na escolha do medicamento, das po-
tências e das doses homeopáticas; tempo de con-
sulta condizente com a proposta semiológica
globalizante; período de tratamento suficiente para
que se possa ajustar o medicamento à complexida-
de enferma; avaliação da resposta global e dinâmi-
ca ao tratamento), com o risco da terapêutica não
apresentar eficácia e efetividade clínicas.
Ao valorizar os aspectos subjetivos da indivi-
dualidade na semiologia e na farmacologia expe-
rimental homeopáticas, a homeopatia consegue
atuar de forma objetiva na modulação das susce-
Sintomas mentais descritos nas experimentações patogenéticas Medicamentos homeopáticos
(na linguagem do RSH) (abreviaturas)
Abandono, sentimento de Aur, Lach, Puls, Psor etc.
Ansiedade por antecipação de um compromisso Ars, Arg-n, Gels, Med etc.
Ansiedade de consciência, como se culpado de um crime Alum, Ars, Aur, Psor etc.
Banho, aversão a lavar-se Am-c, Ant-c, Clem, Sulph etc.
Queixosas, lamurientas, crianças Ars, Cham, Cina, Nit-ac etc.
Cólera por contradição Aur, Ign, Lyc, Sep etc.
Confiança em si mesmo, falta de Bar-c, Carc, Lyc, Sil etc.
Indignação, crianças que não suportam injustiças Caust, Nat-m, Nux-v, Tub etc.
Timidez de aparecer em público Ambr, Gels, Plb, Sil etc.
Tristeza na puberdade Graph, Hell, Lach, Nat-m etc.
Sintomas mentais descritos nas experimentações patogenéticas Medicamentos homeopáticos
(na linguagem do RSH) (abreviaturas)
Medo de animais Bell, Chin, Stram, Tub etc.
Medo de doença iminente Arg-n, Calc, Kali-c, Phos etc.
Medo do escuro Acon, Puls, Phos, Stram etc.
Medo de estar sozinho Arg-n, Ars, Kali-c, Phos etc.
Medo de tempestade com raios e trovões Bor, Bry, Gels, Phos etc.
Transtornos por decepção, desapontamento Aur, Ign, Nat-m, Ph-ac etc.
Transtornos por ciúme Apis, Hyosc, Lach, Nux-v etc.
Transtornos por nostalgia Caps, Clem, Ign, Phos-ac etc.
Transtornos por repreensões Bell, Plat, Staph, Stram etc.
Transtornos por susto Acon, Lyc, Phos, Puls etc.
Tabela 3. Reações comportamentais ou sentimentos inapropriados diante de situações corriqueiras,
ou tristeza e depressão contínuas
Tabela 4. Tendência a desenvolver sintomas físicos ou medos associados a problemas comuns
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 294
295
TRATAMENTO HOMEOPÁTICO DOS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS E COMPORTAMENTAIS DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA
tibilidades emocionais e psíquicas, e auxiliar no
tratamento dos distúrbios comportamentais da
infância e da adolescência.
Referências
1. Teixeira MZ, Lin CA, Martins MA. O ensino de práti-
cas não-convencionais em saúde nas faculdades de
medicina: panorama mundial e perspectivas brasi-
leiras. Rev Bras Educ Med 2004; 28:51-60.
2. Teixeira MZ, Lin CA, Martins MA. Homeopathy and
acupuncture teaching at Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo: the undergraduates’ at-
titudes. São Paulo Med J 2005; 123:77-82.
3. Teixeira MZ. Homeopatia: prática médica humanís-
tica. Rev Assoc Med Bras 2007. [No prelo].
4. Teixeira MZ. Homeopatia: desinformação e precon-
ceito no ensino médico. Rev Bras Educ Med 2007;
31:15-20.
5. Teixeira MZ. Pesquisa básica em homeopatia: revi-
são bibliográfica. Rev Homeopatia (São Paulo)
2001; 66:5-26.
6. Teixeira MZ. Panorama da pesquisa em homeopa-
tia: iniciativas, dificuldades e propostas. Diagn Tra-
tamento 2004;9:98-104.
7. Teixeira MZ. Homeopatia: ciência, filosofia e arte de
curar. Rev Med (São Paulo) 2006; 85:30-43.
8. Hahnemann S. Organon da arte de curar. 2 ed. Tra-
dução de: Organon der Heilkunst. Ribeirão Preto:
Museu de Homeopatia Abrahão Brickmann, 1995.
9. Teixeira MZ. Semelhante cura semelhante: o princí-
pio de cura homeopático fundamentado pela racio-
nalidade médica e científica. São Paulo: Editorial
Petrus, 1998.
10. Teixeira MZ. Similitude in modern pharmacology.
Homeopathy 1999;88:112-20.
11. Teixeira MZ. Evidence of the principle of similitude
in modern fatal iatrogenic events. Homeopathy 2006;
95:229-36.
12. Teixeira MZ. NSAIDs, myocardial infarction, re-
bound effect and similitude. Homeopathy 2007;
96:67-8.
13. Teixeira MZ. Bronchodilators, fatal asthma, re-
bound effect and similitude. Homeopathy 2007;
96:135-7.
14. Teixeira MZ. Homeopathic use of modern medici-
nes: utilisation of the curative rebound effect. Med
Hypotheses 2003; 60:276-83.
15. Linde K, Jonas WB, Melchart D, Worku F, Wagner H,
Eitel F. Critical review and meta-analysis of serial
agitated dilutions in experimental toxicology. Hum
Exp Toxicol 1994; 13:481-92.
16. Calabrese EJ, Brain R. The occurrence of hormetic
dose responses in the toxicological literature, the
hormesis database: an overview. Toxicol Appl Phar-
macol 2005; 202:289-301.
17. Dantas F, Fisher P, Walach H, Wieland F, Rastogi DP,
Teixeira H, et al. A systematic review of the quality of
homeopathic pathogenetic trials published from
1945 to 1995. Homeopathy 2007; 96:4-16.
18. Del Giudice E, Preparata G, Vitiello G. Water as a
free electric dipole laser. Phys Rev Lett 1988;
61:1085-8.
19. Lo SY, Lo A, Chong LW, Tianzhang L, Hua LH, Geng
X. Physical properties of water with IE structures.
Mod Phys Lett B 1996; 10:921-30.
20. Rey LR. Thermoluminescence of ultra-high dilu-
tions of lithium chloride and sodium chloride. Phi-
sica A 2003; 323:67-74.
21. Milgrom LR. The memory of water. Edinburgh. Ho-
meopathy. 2007; 96(3).
22. Youbicier-Simo BJ, Boudard F, Mekaouche M,
Bastide M, Baylé JD. Effects of embryonic bursec-
tomy and in ovo administraction of highly diluted
bursin on adrenocorticotropic and immune res-
ponse of chickens. Int J Immunotherap 1993; 9:
169-80.
23. Brizzi M, Nani D, Peruzzi M, Betti L. Statistical
analysis of high dilutions of arsenic in a large data-
set from a wheat germination model. Homeopathy
2000; 89:63-7.
24. Guedes JR, Ferreira CM, Guimarães HM, Saldiva
PH, Capelozzi VL. Homeopathically prepared dilu-
tion of Rana catesbiana thyroid glands modifies its
rate of metamorphosis. Homeopathy 2004; 93:
132-7.
25. Belon P, Cumps J, Ennis M, Mannaioni PF, Rober-
froid M, Sainte-Laudy J, et al. Histamine dilutions
modulate basophil activation. Inflamm Res 2004;
53:181-8.
26. Teixeira MZ. Protocolo para pesquisa clínica em ho-
meopatia: aspectos fundamentais. Diagn Trata-
mento 2001; 6:11-8.
27. Linde K, Clausius N, Ramirez G, Melchart D, Eitel F,
Hedges LV, et al. Are the clinical effects of homeo-
pathy placebo effects? A meta-analysis of placebo-
controlled trials. Lancet 1997; 350:834-43.
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 295
296
PEDIATRIA (SÃO PAULO) 2008;29(4):286-296
28. Linde K, Melchart D. Randomized controlled trials
of individualized homeopathy: a state-of-the-art re-
view. J Altern Complement Med 1998; 4:371-88.
29. Taylor MA, Reilly D, Llewellyn-Jones RH, McSharry
C, Aitchison TC. Randomised controlled trial of ho-
moeopathy versus placebo in perennial allergic rhi-
nitis with overview of four trial series. BMJ 2000;
321:471-6.
30. Jonas WB, Kaptchuk TJ, Linde K. A critical overview
of homeopathy. Ann Intern Med 2003; 138:393-9.
31. Ernst E, Pittler MH. Efficacy of homeopathic arnica:
a systematic review of placebo-controlled clinical
trials. Arch Surg 1998; 133:1187-90.
32. Shang A, Huwiler-Müntener K, Nartey L, Juni P, Do-
rig S, Sterne JA, et al. Are the clinical effects of ho-
moeopathy placebo effects? Comparative study of
placebo-controlled trials of homoeopathy and allo-
pathy. Lancet 2005; 366:726-32.
33. Teixeira MZ. Será mesmo o fim da homeopatia? Di-
agn Tratamento 2006; 11:61-3.
34. Teixeira MZ. Homeopatia: prática médica coadju-
vante. Rev Assoc Med Bras 2007; 53:283-5.
35. Grillo E, da Silva RJM. Manifestações precoces dos
transtornos do comportamento na criança e no ado-
lescente. J Pediatr (Rio J) 2004; 80(2suppl.):S21-S27.
36. The United States Pharmacopeia Dispensing Infor-
mation. vol.1. 24th ed. Englewood, CO: Micromedex,
2004.
37. Teixeira MZ. Estudo das rubricas repertoriais em
homeopatia. São Paulo: Robe, 1995.
38. Rezende ACS, Ribeiro Filho, A. Repertório de ho-
meopatia pediátrica. São Paulo: Organon, 2004.
Endereço para correspondência:
Marcus Zulian Teixeira
Hospital das Clínicas da FMUSP
Serviço de Clínica Geral
Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 155 –
4º andar – bloco 6 – São Paulo – SP
Cep: 05403-900
E-mail: marcus@homeozulian.med.br
Enviado para publicação: 16/6/2007
Aceito para publicação: 18/10/2007
Pediatria artigo7.qxd 05/03/08 10:52 Page 296
Article
Full-text available
To review the scientific evidences of homeopathy clinic effectiveness and discuss the necessary assumptions for the elaboration of randomized clinic trials that fulfill the homeopathic clinic epidemiology. Data sources: original articles, systematic reviews and meta-analyses in MEDLINE and LILACS databases were selected, with the key-words: homeopathy and randomized controlled trial. Data synthesis: despite the existence of randomized clinic trials meta-analyzes that support the clinic effects of homeopathy are superior to placebo effects, besides the augmentation of such scientific evidences in some particular conditions, the homeopathic clinic research lacks initiatives to show the effectiveness of the homeopathic treatment in a comprehensive way. Regarding the aspects linked to the homeopathic model, such as the individualization of homeopathic medicine concerning the total characteristic symptoms of the ill individuality, both research and daily clinic practice require a longer time of patient follow-up, so that clinic responses can become more evident. Associating this fundamental premise to other particularities inherent to the reactional treatment principle (curative similitude principle), the clinic research protocols in homeopathy present their own episteme which shall be respected and followed, so that the clinic effectiveness of the homeopathic treatment can be actually evaluated . Conclusions: despite the difficulties in adapting the homeopathic model to the biomedical model, it is possible to elaborate randomized clinic trials aiming the conciliation of both medical rationalities, allowing participants with freedom of prejudices, impartiality, scientific spirit, dedication and good sense, so that the results of such researches can benefit the patient, the main purpose of the medical practice. RESUMO: Revisar as evidências científicas da eficácia clínica da homeopatia e discutir as premissas necessárias para a elaboração de ensaios clínicos randomizados que satisfaçam a epidemiologia clínica homeopática. Fontes Pesquisadas: foram selecionados artigos originais, revisões sistemáticas e metanálises nas bases de dados MEDLINE e LILACS, com as palavras-chave: homeopatia (homeopathy) e ensaio clínico controlado aleatório (randomized controlled trial). Síntese Dos Dados: apesar de existirem na literatura, metanálises de ensaios clínicos randomizados que concluem serem os efeitos clínicos da homeopatia superiores ao efeito placebo, com aumento destas evidências científicas em algumas condições específicas, a pesquisa clínica homeopática carece de iniciativas para demonstrar a eficácia do tratamento homeopático de forma generalizada. Em vista dos aspectos peculiares ao modelo homeopático como a individualização do medicamento homeopático perante a totalidade de sintomas característicos da individualidade enferma, tanto a pesquisa quanto a prática clínica diária necessita de um tempo maior de acompanhamento dos pacientes, a fim de que as respostas clínicas tornem-se mais evidentes. Associando esta premissa fundamental a outras particularidades inerentes ao princípio de tratamento reacional (princípio da similitude curativa), os protocolos de pesquisa clínica em homeopatia apresentam uma episteme própria que deve ser respeitada e seguida, para que possamos avaliar, de fato, a eficácia clínica do tratamento homeopático. Conclusões: apesar das dificuldades em adaptar o modelo homeopático ao modelo biomédico, é possível elaborar ensaios clínicos randomizados que visem conciliar ambas racionalidades médicas, exigindo dos participantes isenções de preconceitos, imparcialidade, espírito científico, dedicação e bom-senso, a fim de que os resultados destas pesquisas possam vir a beneficiar o paciente, principal objetivo da prática médica.
Article
Full-text available
Resumo: Na última década, a demanda da população mundial por práticas não-convencionais em saúde aumentou substancialmente, exigindo cada vez mais do médico noções básicas das diversas terapêuticas vigentes, a fim de que possa orientar os pacientes que, sob seus cuidados, desejem utilizar tratamentos distintos dos que está habituado a empregar. Desta forma, compete às escolas de medicina propiciarem aos graduandos e pós-graduandos o conhecimento das evidências científicas, dos pressupostos teóricos e das abordagens clínicas e terapêuticas empregadas por estas distintas formas de tratamento. Com o intuito de fomentar a discussão sobre o ensino de práticas médicas não-convencionais (homeopatia e acupuntura) nas faculdades de medicina brasileira, apresentamos esta revisão sobre o assunto, enfocando o interesse da população e da classe médica (estudantes, residentes e especialistas) nestas terapêuticas, a importância e as iniciativas brasileiras e de outros países no ensino na graduação, na pós-graduação e na residência, e as perspectivas para o futuro da educação médica em práticas não-convencionais em saúde.
Article
Full-text available
Chick embryos were surgically bursectomized (BX) at 80h of incubation and then given saline (BX + S) or bursin (BX + B) in ovo. BX + S, BX + B, and sham-operated birds (group N) were repeatedly immunized with porcine thyroglobulin (Tg) at 21, 30 and 39 days of age. Plasma ACTH and corticosterone (CORT) levels and serum titres of specific antibodies against Tg were measured on days 20, 29, 38 and 47. Initial (day 20) hormone levels were low in all groups. The immunized N group had high concentrations of ACTH and CORT but not the BX + S birds. These levels were not restored in the BX+B group treated with 100 μg of bursin, but were restored almost completely in BX + B birds given 100 pg or 100 fg or a 5 x 10-27g dilution of bursin. Specific antibodies to Tg remained at very low background levels in the BX + S chickens in spite of repeated stimulations, whereas the N group produced a strong specific antibody response. In ovo administration of low doses of bursin (100 fg, 100 pg, 5 x 10-27g) also led to high antibody production after repeated immunization. These results support the hypothesis that bursal influences the functional maturation of the adrenocorticotropic axis and that production of specific antibodies operates, at least partly, through bursin-dependent mechanisms. They also demonstrate that a bursin-specific informing structure remains in the highest diluted solutions of bursin.
Book
Full-text available
Na busca do medicamento simillimum, embasados na totalidade sintomática individual, que através do princípio da semelhança nos leva à Matéria Medica Homeopática, temos no Repertório Homeopático o auxiliar inseparável. Porém, ao utilizarmos este guia indispensável, encontramos dificuldades na transformação da linguagem do paciente em linguagem repertorial, devido a diferenças de épocas, culturas, linguagens, etc., e ao próprio esclarecimento das rubricas em si, que dificilmente poderiam ser mais amplamente explicadas numa obra por si só tão extensa. Com o intuito de auxiliar na compreensão das rubricas repertoriais surgiu essa obra, analisando cada sintoma quanto à sua origem, significado, sinônimos, analogias e correlações com sintomas afins. Iniciamos esse estudo com os sintomas do capítulo “Mental”, devido ao obstáculo que a subjetividade dos mesmos impõe ao seu entendimento, sendo possível, no futuro, estendê-lo para as demais seções do Repertório. A fim de facilitar o manuseio dos principais repertórios homeopáticos, correlacionamos as rubricas neles encontradas. As mesmas situam-se no início da obra, listadas em três idiomas. Para auxiliar na busca rápida do sintoma repertorial, criamos um índice remissivo com os principais vocábulos que, segundo os dicionários consultados, relacionem-se ao mesmo. Promovendo com esse trabalho uma sistemática de estudo repertorial, desejamos que o mesmo seja útil a todos aqueles que se dedicam à arte homeopática.
Article
Full-text available
The homepathy is based in different principles of classic scientific model, turning difficult its understanding and acceptance for the traditional academic middle, that it leans on in the cartesian paradigm. So to get to legitimate the homeopathy before the modern episteme, it becomes fundamental the production of researches that they confirm the homeopathic presuppositions: principle of similitude, experimentation in the healthy man and infinitesimal doses. While the clinical trials confirm the effectiveness of the homoeopathic treatment in a series of illnesses, experiments in the basic areas of the science sustain the validity of the homoeopathic foundations. In this revision work, we told the main studies accomplished in several areas of the modern experimental research that endorse the homoeopathic pillars, bringing an idea of the roads until then trodden, aiding the sympathizers of the homeopathy to intend to venture in this taskwork and trying to satisfy the longing of those that shout for scientific proofs of the homoeopathic model. RESUMO: A homeopatia fundamenta-se em princípios distintos do modelo científico clássico, tornando difícil sua compreensão e aceitação pelo meio acadêmico tradicional, que se apoia no paradigma cartesiano. Para que se consiga legitimar a homeopatia perante a episteme moderna, torna-se fundamental a produção de pesquisas que confirmem os pressupostos homeopáticos: princípio da similitude, experimentação no homem são e doses infinitesimais. Enquanto os ensaios clínicos confirmam a eficácia do tratamento homeopático numa série de enfermidades, experimentos nas áreas básicas da ciência sustentam a validade dos fundamentos homeopáticos. Neste trabalho de revisão, relatamos os principais estudos realizados nas diversas áreas da pesquisa experimental moderna que endossam os pilares homeopáticos, trazendo uma idéia dos caminhos até então trilhados, auxiliando os simpatizantes da homeopatia que pretendam se aventurar nesta empreitada e procurando satisfazer o anseio daqueles que clamam por comprovações científicas do modelo homeopático.
Article
Full-text available
Although the academic and classic scientific class exigencies for well elaborated homeopathic clinical tests (double-blind, randomized), which prove the effectiveness of the homeopathic treatment against the placebo and other therapeutics, the Brazilian scientific homeopathic class hasn’t done its best efforts to produce this kind of work, getting farther and farther from the universities research centers. In order to approach this academic environment, we have been trying to suit the conventional model of clinical research to the homeopathic model, enabling the clinical research with homeopathy to be performed and accepted by the modern scientific current, considering the modification of some basic premises. RESUMO: Apesar da exigência do meio acadêmico e científico clássico por ensaios clínicos homeopáticos bem elaborados (duplo-cego, randomizado), que evidenciem a eficácia do tratamento homeopático frente ao placebo e demais terapêuticas, a classe científica homeopática brasileira não tem se empenhado em produzir este tipo de trabalho, afastando-se cada vez mais dos centros de pesquisa universitários. No intuito de nos aproximarmos deste meio acadêmico, buscamos adaptar o modelo de pesquisa clínica convencional ao modelo homeopático, possibilitando que a pesquisa clínica com homeopatia possa ser realizada e aceita pelo pensamento científico moderno, desde que algumas premissas básicas sejam modificadas.
Article
Full-text available
Background: Discuss the homeopathic research initiatives, difficulties and proposals before the modern scientific rationality and the homeopathic epistemology. Methods: After extensive bibliographical investigation, the several researches were clustered according to the homeopathic presuppositions, confirming if the inherent premises to the model were respected in the several studies outlines. Results: In spite of the reduced number of works of satisfactory methodological quality, evidences that corroborate the foundations and the viability of the homeopathic therapeutics exist, being necessary an increment in the future research, so that we have definitive conclusions to the method questioning. Conclusions: Presenting different characteristics from those used by the conventional scientific paradigm, the research projects in homeopathy should value the peculiarities of the system, incorporating changes to contemplate both forms of thinking. RESUMO Objetivo: Discutir as iniciativas, as dificuldades e as propostas da pesquisa em homeopatia perante a racionalidade científica moderna e a epistemologia homeopática. Métodos: Após extenso levantamento bibliográfico, as diversas pesquisas foram agrupadas segundo os pressupostos homeopáticos, verificando se as premissas inerentes ao modelo foram respeitadas nos diversos desenhos de estudos. Resultados: Apesar do reduzido número de trabalhos de qualidade metodológica satisfatória, existem evidências que corroboram os fundamentos e a viabilidade da terapêutica homeopática, sendo necessário um incremento na pesquisa futura, a fim de que tenhamos conclusões definitivas acerca dos questionamentos que permeiam o método. Conclusões: Apresentando características distintas daquelas empregadas pelo paradigma científico convencional, os projetos de pesquisa em homeopatia devem valorizar as peculiaridades do sistema, incorporando mudanças que venham a contemplar ambas formas de pensar.
Article
Full-text available
OBJETIVO: Revisão sobre o diagnóstico precoce dos principais transtornos do comportamento na criança e no adolescente, fornecendo informações práticas relativas às primeiras manifestações clínicas e à importância do diagnóstico precoce. FONTES DOS DADOS: Revisão narrativa, com levantamento na PubMed das publicações que contêm aspectos do diagnóstico precoce, especialmente na última década. SÍNTESE DOS DADOS: Os pediatras devem estar preparados e atentos para detectar precocemente um transtorno do comportamento, já que, em alguns desses transtornos, intervenções precoces podem melhorar a evolução. Além disso, essas intervenções podem levar ao diagnóstico de doenças de herança mendeliana, passíveis de aconselhamento genético. São enfocadas as manifestações precoces dos transtornos invasivos do desenvolvimento, do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade, do transtorno de ansiedade de separação, do transtorno de ansiedade generalizada, da depressão, da esquizofrenia, dos principais transtornos alimentares da criança maior ou adolescente (anorexia nervosa e bulimia nervosa) e do uso e abuso de substâncias. CONCLUSÕES: As manifestações precoces dos principais transtornos do comportamento na criança e no adolescente podem ser observadas antes da idade na qual o diagnóstico tem sido habitualmente estabelecido. O diagnóstico precoce implica intervenções precoces e orientação dos pais a respeito do prognóstico ou, em algumas situações, aconselhamento genético. A comorbidade entre esses transtornos é muito freqüente, e a manifestação de uma delas pode ser a pista para o diagnóstico de outra.
Article
Full-text available
Considering that in the homeopathic conception, the binomial health-disease encompasses several aspects of human individuality, choice of the medication should include the patient's psychic, emotional, general and physical characteristics. In this process of "individualization of medication", understanding the human complexity demands time and dedication to finding the satisfactory reply after a variable number of attempts. Acting as coadjutant to other medical practices, the homeopath should be aware that he may only interrupt administration of the allopathic drugs necessary for maintenance of the patient's integrity when he is assured of the substitutive action of the homoeopathic medication chosen. This way, the Hippocratic aphorism primo non nocere will be fulfilled. RESUMO: Em vista do binômio saúde-doença da concepção homeopática abranger aspectos diversos da individualidade humana, a escolha do medicamento deve englobar as características psíquicas, emocionais, gerais e físicas do paciente. Neste processo de “individualização do medicamento”, o entendimento da complexidade humana exige tempo e dedicação, encontrando a resposta satisfatória após um conjunto variável de atuações. Atuando de forma coadjuvante às demais práticas médicas, o médico homeopata deve ter consciência de que poderá suspender os medicamentos alopáticos necessários à manutenção da integridade do paciente tão somente quando tiver certeza da ação substitutiva do medicamento homeopático escolhido. Deste modo, estará cumprindo o aforismo hipocrático primo non nocere.
Article
Full-text available
This article seeks to explain the medical class on the critics to the homoeopathic model published in the medical journal The Lancet in 2005. RESUMO: Este artigo visa esclarecer a classe médica sobre as críticas ao modelo homeopático publicadas na revista médica The Lancet em 2005.
Article
Ultra-high dilutions of lithium chloride and sodium chloride (10−30gcm−3) have been irradiated by X- and γ-rays at 77K, then progressively rewarmed to room temperature. During that phase, their thermoluminescence has been studied and it was found that, despite their dilution beyond the Avogadro number, the emitted light was specific of the original salts dissolved initially.