Article

Tratamento da miíase humana cavitária com ivermectina oral

Revista Brasileira de Otorrinolaringologia 11/2001; 67(6). DOI: 10.1590/S0034-72992001000600002
Source: DOAJ

ABSTRACT

Introdução: Miíase humana é uma ocorrência relativamente comum e, no mínimo, constrangedora, quer seja para os pacientes ou para o médico que o atende. É bem mais freqüente nos países subdesenvolvidos e tropicais, mas há casos descritos em todas as regiões do Planeta. Normalmente, afeta pacientes doentes, idosos e deficientes mentais, mas pode ocorrer em pacientes tróficos e saudáveis. As larvas depositam seus ovos em tecidos doentes e necróticos, mas podem fazê-lo em zonas do corpo aparentemente sãs. Seu tratamento consiste na catação das larvas, um processo desagradável e doloroso, muitas vezes impossÍvel em regiões cavitárias. Alguns produtos foram usados no sentido de facilitar esse procedimento, sem grandes resultados. Forma de estudo: Prospectivo randomizado. Método: Neste trabalho, foi feito, em sete pacientes, o tratamento da miíase cavitária humana com ivermectina oral (até 300 µg/kg), medicamento já usado para o tratamento de outras doenças. Os pacientes foram submetidos a provas de função hepática e renal pré e pós-tratamento, e acompanhados clinicamente. Resultados: Todos os pacientes tiveram as larvas eliminadas; e nenhuma anormalidade, nos exames.

  • Source
    • "Sabe-se que a remoção das larvas é o primeiro passo para uma adequada cicatrização da ferida. O uso difundido da ivermectina â para ectoparasitoses já encontra grande aceitação (Borges et al. 2007, Shinohara et al. 2004, Tarso et al. 2004, Ribeiro et al. 2001, Quijada et al. 2012) e o uso de antibióticos, sobretudo em pacientes que possuem tecidos estéreis expostos, como a calota craniana, é inquestionável. A internação para este paciente foi a melhor solução, visto a condição social de um indivíduo morador de rua, que não interagia com o ambiente, nem permitia adequada avaliação clínica pelos profissionais de saúde, somando as condições da ferida que requeriam cuidados imediatos, dada a exposição da calota craniana. "
    [Show abstract] [Hide abstract] ABSTRACT: Resumo Valviesse VR, Pedroso AC, Proença B, Novaes GR, Magalhães V, Santos CS. 2014. Míiase com exposição de calota craniana causada pela associação de Cochliomyia hominivorax (Coquerel, 1858), Cochliomyia macellaria (Fabricius, 1775) e Chrysomya albiceps (Wiedemann, 1819), (Diptera: Calliphoridae) em um paciente atendido em Hospital Público, Rio de Janeiro. Entomotropica 29(3): 191-196. Relata-se um caso de miíase em paciente com exposição de calota craniana e ocorrência de três espécies de moscas varejeiras. Ao tomar ciência do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, iniciou-se investigação clínica na emergência do Hospital Geral do Andaraí (HGA) e estando de acordo, submeteu-se o paciente à remoção das larvas, registros fotográficos da lesão e tratamento. Conduziram-se as larvas acondicionadas em serragem ao Laboratório de Estudo de Dípteros para identificação. Paciente masculino, morador de rua, pardo, 50 anos; apresentava ferida cefálica profunda, se estendendo pelos parietais e frontal e expondo calota craniana, com aproximadamente 10 cm de diâmetro, secreção fétida e osso com aparência hígida. No diagnóstico entomológico, foram identificadas três espécies: Cochliomyia hominivorax, Cochliomyia macellaria e Chrysomya albiceps. Palavras chave adicionais: Infestação, moscas varejeiras, saúde pública.
    Full-text · Article · Dec 2014 · Entomotropica
  • Source
    • "Secondary myiasis is caused by necrobiophagous flies (feed on dead tissue). This is more common type and attack patients with necrotic cavity lesion [16] [17]. In both of our cases necrotic areas in anterior part of oral cavity were easily accessible to flies. "
    [Show abstract] [Hide abstract] ABSTRACT: Introduction: The term myiasis is applied to the injurious action that larvae of certain Diptera cause in vertebrate animals by growing in living or dead tissue. Because of its great destructive potential, appropriate and preventive treatment is necessary. Oral myiasis is a rare pathology in humans and is associated with poor oral hygiene, alcoholism, senility, suppurating lesion, severe halitosis, and other conditions. Method: We have presented a case of oral myiasis in a mentally challenged patient. Results: Reviewing the literature revealed that most of the cases involved the anterior part of the oral cavity of male patients living in developing or underdeveloped countries and also that predisposing factors invariably accompanied infestation.
    Full-text · Article · Nov 2012 · Oral and Maxillofacial Surgery
  • Source
    • "Secondary myiasis is caused by flies that feed on dead tissue (necrobiophagous). This is the more common type and infests patients with lesions that have necrotic cavities [13]. Severity myiasis depends upon location of infestation, lesions, and tissue inflammation. "
    [Show abstract] [Hide abstract] ABSTRACT: Myiasis commonly refers to invasion of live human or animal tissue by fly larvae of the Diptera order where they complete their cycle totally or in part, feeding on living or dead tissue, as well as on body fluids. Infestation of tissues of vertebrate species is pandemic but more frequently found in tropical and subtropical countries where poor hygiene, poor housing infrastructure, warm humid climate, and proximity with domestic animals prevail. Its diagnosis is made basically by the presence of larvae. The present paper reports a case of gingival myiasis involving 14-16 larvae in a 12-year-old boy.
    Full-text · Article · Oct 2012
Show more