ArticlePDF Available

Wheat: three seeding time at Paranapanema. state of São Paulo, Brazil, during the period 1981-85

Authors:

Abstract

The behaviour of eighteen wheat cultivars at three seeding times (March 21st to 31st April 20th to 30th and May 20th to 30th) was determined in experiments carried out at Taquari Farm, Paranapanema county, Center-South Region of the State of São Paulo, Brazil, in the period 1981-85. Grain yield, disease resistance, hectolitric weight 1,000 grain weight and number of grain per gram were evaluated for each experiment Soil water availability was obtained by water balances taken at each ten days, considering 125mm as the soil water retention capacity. The results showed that the seeding time from 21st to 31st of March was the best for grain yield. The disease occurrence was highly influenced by meteorological conditions, being the main pathogen Helminthosporium sp. The cultivar CNT 7 exhibited the best grain yield, mainly at the first seeding time. No correlation was observed between hectolitric weight and 1,000 grain weight; however the correlation between grain yield and 1,000 grain weight was positive and significant indicating the influence of this parameter on the yield. Considering the water balance of the Paranapanema Region plus the grain yield and its components, the third seeding date was marginal for the wheat crop.
TRIGO: TRÊS ÉPOCAS DE SEMEADURA
EM PARANAPANEMA, SP,
DE 1981 A 1985(1)
JOÃO CARLOS FEL(CIO(2,5), CARLOS EDUARDO DE OLIVEIRA CAMARGO(2,5),
JOSÉ CASIMIRO
SILVÉRIO
(3)
e MARIO JOSÉ PEDRO JÚNIOR(4,5)
(1) Parcialmente financiado paio Convênio IAC/Cooperativa dos .Produtores Rurais do Vale do
Paranapanema/S.A. Recebido para publicação em 5 de dezembro de 1989 e aceito em 6 de julho de
1990.
(2)Seção
de Arroz e Cereais de Inverno, Instituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13001
Campinas (SP).
(3) Departamento Técnico da Cooperativa Agroindustrial Holambra, Rodovia Raposo Tavares,
km 256, Caixa Postal 382,18725 Paranapanema (SP). Em memória.
(4) Seção de Climatologia Agrícola, IAC.
(5) Com bolsa de pesquisa do CNPq.
RESUMO
Neste trabalho, procurou-se estudar o comportamento de dezoito
cultivares de trigo semeados em três épocas (3.° decendio de março, 2.°
decendio de abril e 3.° decendio de maio) na Fazenda Taquari, no município
de Paranapanema, região Centro-Sul paulista no qüinqüênio 1981/85.
Avaliaram-se, em cada época de semeadura, rendimento de grãos, resistên-
cia a doenças, peso hectolítrico e de mil grãos e número de sementes por
grama. Estudou-se a disponibilidade hídrica do solo, através de balanços
hfdricos decendiais, considerando 125mm como a capacidade de retenção
de água no solo. Os resultados indicaram
21
a 31 de março como a melhor
época de semeadura. A ocorrência de doenças, principalmente a helmintos¬
poriose, foi altamente influenciada pelas condições meteorológicas anuais.
Na média dos anos, o cultivar CNT 7 destacou-se em produtividade, sobre-
tudo na 1.a época de semeadura.o houve correlação entre o peso
hectolítrico e o peso de mil grãos. Entretanto, a correlação entre a produção
e o peso de mil grãos foi positiva e significativa. Considerando os balanços
hídricos da região e os resultados de produção e de seus componentes
estudados, a terceira época de semeadura seria marginal para a cultura do
trigo na região.
Termos
de
indexação:
trigo,
cultivares, balanço hídrico, ferrugem-do-colmo, ferrugem-
-da-folha, helmintosporiose, peso da mil grãos.
ABSTRACT
WHEAT: THREE SEEDING TIME AT PARANAPANEMA. STATE
OFO PAULO, BRAZIL, DURING THE PERIOD 1981-85
The behaviour of eighteen wheat cultivars at three seeding times
(March 21st
to
31st April 20th
to
30th and
May
20th to
30th) was determined
in experiments carried out at
Taquari
Farm,
Paranapanema county, Center-
-South
Region of
the
State of
o
Paulo,
Brazil,
in
the period 1981-85. Grain
yield,
disease resistance, hectolitric weight 1,000
grain
weight
and
number
of
grain
per
gram were
evaluated for
each
experiment Soil water availability
was obtained
by
water balances taken at
each ten
days,
considering 125mm
as the
soil
water
retention
capacity.
The results
showed
that the seeding time
from 21st to 31st of March was the best for grain
yield.
The disease
occurrence was highly influenced by meteorological conditions, being the
main pathogen
Helminthosporium
sp.
The cultivar CNT 7 exhibited the best
grain
yield,
mainly at the first seeding time. No correlation was observed
between hectolitric weight
and
1,000 grain weight; however the correlation
between grain yield and 1,000 grain weight was positive and significant
indicating the influence of
this
parameter
on the
yield.
Considering the water
balance
of
the
Paranapanema
Region
plus
the
grain
yield and its
components,
the third seeding date was marginal for the
wheat
crop.
Index
terms:
wheat
cultivar,
water balance, leaf
and
stem
rusts,
Helminthosporium sp.,
1,000 grain weight.
1.
INTRODUÇÃO
A indefinição de nossas condições climáticas através dos anos limita ou
favorece a produção paulista de trigo, de acordo com FELlCIO et al. 0988).
Mediante estudos de épocas de semeadura realizados em Capão Bonito {SP},
referentes aos anos de 1981 a 1985, verificou-se que o período correspondente
ao 3.° decôndio de março foi o mais adequado para a semeadura da cultura do
trigo naquela região.
MOTA & GOEDERT (1969) compararam os comportamentos de 50
cultiva res de trigo, em se me a d uras quinze na is de abril a setembro, mediante o
índice heliotérmico
de
Geslim
e
a vernalização: esses autores determinaram quatro
diferentes grupos bioclimáticos de trigo, que foram designados como superpreco-
ces,
precoces, intermediários e tardios. Consideraram como os mais indicados
para as condições climáticas do Brasil os trigos precoces e superpre coces, pois
espigam em uma época do ano em que o balanço hídrico é menos favorável â
ocorrência de moléstias na região Sul e terminam seu ciclo antes do início das
chuvas na região Norte.
O Brasil, devido à sua extensão territorial e à diversidade de condições
climáticas, apresenta ioda a sorte de problemas. Nas regiões Sul e Centro-Sul,
por exemplo, a precipitação pluvial geralmente supre as necessidades da agricul-
tura;
no entanto, sua inadequada distribuição em muitas ocasiões pode ser fatal
(REICHARDT, 1985).
Segundo PEDRO JR. (1989), o microclima, condicionado pela estrutura
da planta e distribuição da área foliar, afeta a epidemiologia dos fungos. A
densidade foliar, ligada aos efeitos da umidade relativa do ar no microclima,o
fatores climáticos primários na incidência e severidade de doenças.
O presente trabalho foi conduzido de 1981 a 1985 na Fazenda Ta qua ri,
no município de Paranapanema (Zona Cl, com a finalidade de avaliar a melhor
época de seme a d ura na região compreendida entre as zonas A
e
B do Estado de
o Paulo, também localizada na faixa de trigo, segundo KALCKMANN et al.
(1965).
2.
MATERIAL E MÉTODOS
Estudaram-se dezoito cultiva res de trigo em três épocas de semeadura:
3.° decôndio de março; 2.° decôndio de abril e 3.° decôndio de maio, efetuando-se
os ensaios no qüinqüênio 1981/85, no município de Paranapanema, região Sul do
Estado deo Paulo, localizado na latitude de 23°26'S, longitude 48°51*W e
altitude de 668m.
Os cultiva res foram estudados em grupos bioclimáticos, quanto ao ciclo
vegetatívo da emergência à maturação, sendo considerados precoces BH 1146,
IAC 13, IAC 17, IAC 18, IN IA 66, Nambu e El Pato, com ciclo de até 120
dias;
de
ciclo médio, com maturação de 121 a 135
dias,
Alondra, IAC 5, IAPAR 1, PAT 24,
PAT 7219 e BR 2, e de ciclo tardio acima de 136 dias, CNT 7, CNT 8, Moncho
BSB,
Paraguai
281
e BR 1.
Retiraram-se amostras do solo dos locais estudados e, de acordo com
os resultados analíticos, efetuou-se a adubação com sulfato de amonio (20% de
N),
superfosfato simples (20% de P2O5Í e cloreto de potássio (60% de K2O),
aplicados a lanço antas da semeadura e, posteriormente, incorporados ao solo. A
quantidade de fertilizante empregada nas diferentes épocas e anos baseou-se nas
tabelas de adubação e ca la gem do Instituto Agronômico.
O delineamento estatístico empregado foi de blocos ao acaso com quatro
repetições por época no mesmo local. As parcelas de cada ensaio foram consti-
tuídas de cinco linhas de 5m de comprimento, espaçadas de 0,20m, deixando-se
um espaço lateral entre cada parcela de
0,60m
e de 1m entre blocos. A
semeadura foi feita na base de 80 sementes viáveis por metro linear de sulco,
eqüivalendo a 400 sementes por metro quadrado.
Os dados termopluviométricos diários relativos aos períodos considera-
dos foram obtidos no Posto Meteorológico da Cooperativa AgroindústriaI Holam-
bra,
no município de Paranapanema, SP, representativo da região estudada.
Efetuou-se a caracterização da disponibilidade hídrica no solo através de
balanços hídricos decendiais (dez dias), segundo o método de THORNTHWAJTE
& MATHER (1955), considerando 125mm como capacidade de retenção de água
no solo, e calcularam-se os balanços hídricos para março-outubro, referentes ao
período 1981/85 (Figuras
1
a 5).
Para avaliar o comportamento dos cultiva res com relação às principais
doenças em condições naturais
de
infecção, empregaram-se as seguintes escalas
de leitura: para a ferrugem-do-colmo [Puccinia graminis Pers. f. sp. triticiEriks et
Henn.) e ferrugem-da-folha [Puccinia recôndita Rob. ex Desm. f. sp. tritici Eriks),
efetuaram-se avaliações em plantas adultas usando a escala modificada de Cobb,
empregada por SCHRAMM et al. (1974): ó composta por um número que estima
o ataque da moléstia no colmo e na folha, acrescido de uma letra simbolizando o
tipo de reação: S = suscetível (uredossoro grande, coalescente, sem clorose); MS
= moderadamente suscetível (uredossoro médio); M - intermediário (diversos
tipos de reação); MR = moderadamente resistente (uredossoro pequeno); R =
resistente (uredossoro minúsculo rodeado de áreas necróticas). As doenças que
causam manchas nas folhas devido ao complexo septoriose mais helmintos-
poriose [Septoria sp. e Helminthosporium sp.), por sua vez, foram estimadas em
porcentagem de área foliar infectada, observando-se as folhas superiores das
plantas.
Na colheita, toma ram-se cinco linhas de cada parcela, correspondente
à área útil de 5m2. Os dados de produção foram submetidos à análise estatística,
segundo o modelo para grupos de experimentos, de acordo com GOMES (1970).
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
A demanda climática Ideal" (ETm) ó a quantidade de água necessária
para suprir
a
evapotranspiraçâo, em cada fase do ciclo fenológico da cultura, sem
qualquer restrição hídrica (VILLA NOVA & SCARDUA, 1984). Nos balanços
hídricos decendiais referentes ao período de estudo verificou-se que, em 1981 -
Fig.
1 - ocorreram fases com deficiência hídrica mais acentuada em meados de
agosto e setembro, estendendo-se o excedente hídrico de meados de abril até
princípios de maio; períodos chuvosos ocorreram em junho e julho, sem apresen-
tar excedentes hídricos acentuados. Em 1982 e 1983 - Figs. 2 e 3 - ocorreram
períodos de umidade excessiva, respectivamente, em junho-julho e maio-junho,
períodos esses que acarretaram incidência elevada de manchas foliares nas
plantas de trigo. Os anos de 1984 e 1985 - Figs. 4 e 5 - caracterizaram-se por
períodos prolongados de deficit hídrico em junho e julho, mais acentuados em
1984.
O excesso de umidade para a cultura do Irigo éo prejudicial quanto os
períodos de estiagens prolongadas (FELÍCIO et al., 1988).
Na análise conjunta da variância dos dados de produção de grãos
(Quadro 1), destacaram-se os efeitos devidos a ano (F = 243,14), época (F =
=1.041,69) eà interação ano xépoca (F = 175,21), que evidenciam a importância
das variações climáticas no período em que o trigo foi semeado na região. As
fontes de variação cultivar, ano x cultivar e cultivar x época, apesar de significati-
vas,
apresentaram menor influência na produtividade de trigo do que os três
primeiros componentes.
Os rendimentos médios de grãos obtidos
pelos
dezoito cultiva res de trigo
encontram-se no quadro 2. Na 1.a época de semeadura, destacou-se, quanto à
produção de grãos, o 'CNT 7\ com 1.925kg/ha, diferindo significativamente dos
demais pelo teste de Duncan ao nível de 5%. Na 2." época, notou-se uma quebra
de rendimento dos cultivares, com exceção do 'IAPAR V, 1AC 17' e 'INIA 66',
destacando-se os cultivares Moncho BSB e CNT 7. A 3.8 época apresentou os
mais baixos índices de rendimento, em virtude da ocorrência,
em
julho-agosto,*de
deficits
hídricos mais acentuados e de maior duração. A média da produção de
grãos na 1.a época de semeadura foi de 1.428kg/ha, diferindo da 2.a, que se
apresentou com
1.217kg/ha
e, esta, da 3.a, com 563kgAia pelo taste de Duncan
ao nível de 5%.
Na
figura
6, pode-se observar
a
influência da época de semeadura sobre
o
rendimento,
dentro
de
cada
ano.
E m
1981,
obteve-se a maior média de produção
de grãos, enquanto a maior produção média por período ocorreu na
1
.* época de
1985. Pode-se considerar, pelos dados obtidos, que a melhor época de se-
meadura para a região é o 3.° decendio de março, o que está de acordo com o
resultado de CAMARGO et al. (1985) e FELÍCIO (1988). Semeado após esse
período, o trigo corre sérios riscos em razão da baixa disponibilidade hídrica.
Note-se que, em conseqüência da falta de precipitações pluviais, o experimento
semeado na 3.a época de 1984
o
germinou,
sendo
a
produção considerada nula
(zero).
No quadro 3, encontra-se a freqüência das moléstias causadas por
Puccinia graminis
trítid (ferrugem-do-colmo),
Puccinia recôndita
(ferrugem-da-
-folha) e
Hetminthosporium
sp. em 1981 (1.a época), 1982 e 1983 (1.a e 2."
épocas), de acordo com as leituras realizadas. Para a ferrugem-da-folha, o
'IAPAR V apresentou-se como resistente, considerando que ocorreram ataques
severos em 1982e 1983 (BARCELLOS, 1985). Os curtivares IAC 5, IAC 13, IAC
17,
IN IA 66, PAT 24 e Paraguai apresentaram maior suscetibilidade ao patógeno
causador
dessa
moléstia,
confirmando respostas obtidas por FELÍCIO
etal.
0988)
na região de Capão Bonito.
Puccinia graminis
tritici,
agente causai da ferrugem-
-do-colmo, manifestou-se mais intensamente na
1.a
época de 1981 el.'e 2.° de
1982.
Destacou-se o 'IN IA 66' pela boa resistência e os cultiva res BH-1146, IAC
18,
Moncho BSB, Nambu, IAC 17, IAC 5 e PAT 7219 pela suscetibilidade.
As doenças provocadas por fungos que atacam as folhas e órgãos
reprodutivos das plantaso influenciadas, principalmente, pelo microclima da
região {PEDRO JR., 1989). A ocorrência de manchas folia res causadas por
HeJmintfiosporium
sp., segundo dados de LUZ (1982) e FELÍCIO et al. (1986,
1988),
por exemplo, confirmam que a umidade é um fator preponderante no
desenvolvimento do agente causai dessa moléstia. No presente caso, períodos
de alta precipitação
pluvial,
como os de 1982 e 1983, durante o desenvolvimento
das plantas, favoreceram sua ocorrência em todos os curtivares. Já em 1984 e
1985, devido
d
baixa umidade relativa do ar
em
junho-a gosto,o se observaram
sintomas das doenças em estudo, confirmando ser esta variável climática de
grande importância na ocorrência de doenças fúngicas no trigo.
As médias do peso hectolítrico (PH), em 1981/83, em três épocas de
semeadura, encontram-se no quadro 4. A análise da variancia dos resultados
mostrou efeitos significativos devidos a ano, época e cultivar. Dentro das épocas,
a melhor
foi
o 2.° decêndio de abril (78,01), que diferiu do 3.° decêndio de março
(75,60),
que,
por sua
vez,
foi
melhor
do que o
3.° decêndio
de
maio (73,38). Quanto
aos anos em estudo, verificou-se que 1981 apresentou média para PH de 78,94;
1983,
de 76,84 e, 1982, de 71,29, significativamente diferentes entre si. O baixo
índice de PH em 1983
foi
influenciado
pela
ocorrência de
doenças acima dos
níveis
normais, devido ao excesso de umidade em junho-julho. 0 cultivar PAT 24, sem
diferir do BR 2, CNT 7 e PAT 7219, foi considerado o melhor para essa carac-
terística.
No quadro 5 encontram-se as médias do peso de mil sementes dos
cultiva res de trigo estudados em três épocas de semeadura, em 1981/83, em
Paranapanema. Verificaram-se efeitos altamente significativos para ano, época e
cultivar na análise da varia ncia envolvendo esta característica. Entre os anos,
destacou-se o de 1981, com média de 38,84g para o peso de mil sementes,
diferindo dos outros anos em estudo. A 1." e a 2."-épocas de semeadura
apresentaram médias muito próximas, 33,62 e 33,15g respectivamente,o
diferindo entre si, porém superando a 3.", que mostrou média de 26,10g. Esse
baixo valor foi influenciado pelas condições climáticas já discutidas. O cultivar
CNT 7, sem diferir do PAT 24 e ALONDRA, destacou-se quanto ao peso de mil
sementes na média dos anos considerados.
O número
médio de
sementes
por
grama,
em três
épocas de semeadura,
no
período
1981/83,
em
Paranapanema, acha-se
no quadro
6.
A análise
estatística
para este parâmetro mostrou efeitos altamente significativos para ano, época e
cultivar. A maior média do número de sementes por grama (70,88) foi obtida em
1983,
que superou estatisticamente os demais, fator esse verificado devido ao
excesso
da
umidade relativa
em
junho-julho,
acarretando uma incidência maior de
doenças. Dentro
das
épocas estudadas, al.'eaZ'
o
diferiram entre si (42,61
e 45,55 respectivamente), enquanto a 3." foi a que apresentou a média mais
elevada (54,50), diferindo significativamente das outras.
Os cuHivares IN IA 66, EL PATO, IAC 13, BH-1146 e Nambu apresenta-
ram maior número
de
sementes em um grama,
demonstrando,
conseqüentemente,
baixo peso de mil sementes.
0 quadro 7mostra a correlação
entre os
seguintes
parâmetros:
produção
de grãos, peso rtectolftrico (PH), peso de mil sementes (PMS) e número de
sementes por grama
(NSG):
o PHo se relacionou
significativamente
com o
NSG.
As demais correlações apresentaram significancia, porém a correlação entre
produção e peso de mil sementes apresentou o maior
valor,
indicando que a
produção de grãos esta mais relacionada com o PMS do que com as demais
características em estudo.
Considerando-se os balanços hídricos da região, os resultados de pro-
dução de grãos, peso hectolrtrico, peso de mil sementes e número de sementes
por grama e suas correlações, verificou-se que a 3." época de semeadurao
seria favorável à cultura do trigo na região.
4. CONCLUSÕES
1.
A melhor época de semeadura para a cultura de sequeiro do trigo na
região do Paranapanema foi representada pelo 3.° decôndio de março, podendo-
se estender até o 2.° decôndio de abril
(1.a
e 2.a época respectivamente).
2.
A 3.a época de semeadura (3.° decêndio de maio) deverá ser consi-
derada como marginal para a cultura de sequeiro na região, podendo ser utilizada
apenas quando houver o emprego da irrigação.
3. O cultivar CNT 7 destacou-se em produtividade, sobretudo na 1."
época de semeadura.
4. O melhor ano entre os cinco estudados foi
1981,
com as condições
climáticas ideais para a triticufojra, excedentes hídricos de meados de abril até
princípio de maio, reposição hídrica em junho-julho e deficiência hídrica em
agosto-setembro por ocasião da maturação e colheita do cereal.
5. O 'IAPAR V (Mhacoré) e o IN IA 66' apresentaram resistência aos
agentes causais da
ferrugem-da-folha
e da ferrugem-do-colmo respectivamente,
nos cinco anos de estudo.
6. A
ocorrência
de
Helminthosporium
sp.
foi
altamente influenciada pelas
condições climáticas registradas em 1982/83.
7.0 peso de
mil
sementes
foi
um bom
indicador
para
estimar
a
produção
de grãos de trigo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BARCELLOS, A.L. Ferrugem da folha do trigo no Brasil: população patogênica,
fontes de resistência, trigos comerciais, perpetuação e controle químico. In:
REUNION DE ESPECIALISTAS EN ROYAS DE CEREALES DE INVERNO.
Passo Fundo,
1985,
editada por Carlos L. Molestina. Montevideo, IICA, 1986.
p.73-87.
CAMARGO,
M.B.P.
de; ARRUDA, H.V. de; PEDRO JÚNIOR, M.J.; BRUNINI, O.
&
AFONSI,
R.R. Melhores épocas de plantio do trigo no Estado deo Paulo
baseadas na probabilidade de atendimento hídrico. Bragantia, Campinas,
44(1):255-261,
1985.
FELÍCIO, J.C.; CAMARGO, C.E. de 0.; CAMARGO, M.B. P.; CASTRO, J.L. de &
BARROS, B. de C. Trigo: três épocas de semeadura em Capão Bonito, SP,
no período 1981-85. Bragantia, Campinas, 47(2):255-275, 1988.
________;________; FREITAS, J.G. de; FERREIRA FILHO, A.W.P.; BARROS,
B. de C. & CAMARGO,
M.B.P.
de. Avaliação de genótipos de trigo para a
região do Vale do Paranapanema no quadriênio 1981-84. Bragantia, Campi-
nas,
45(2):257-277, 1986.
GOMES, F.P. Curso de estatística experimentai. 4.ed. rev. ampl. Piracicaba,
Nobel,
1970.430p.
KALCKMANN, R.E.; ARRUDA
A.A.G.
de; HOELTGEBAUM, F.; POPA, W.;
BAL¬
DANZI,
G. &GODOY, L.C. de. Regiões de trigo no Brasil
(1a
aproximação).
Pelotas, Serviço Gráfico do IBGE, 1965. 104p. (Estudos técnicos, 28.)
LUZ, W.C. da. Influência do período de umidificação pos-inoculaçâo na reação de
cultivares de Trigo à mancha foliar (CochlioboIus sativus). In: REUNIÃO NA-
CIONAL DE PESQUISA DE TRIGO, 12., Cascavel, 1982. Resultados de
pesquisa apresentados na XII
RENAPET.
Passo Fundo, EMBRAPA-CNPT,
1982.
p.186-191.
MOTA, F.S. da & GOEDERT, C.O. Características bioclimáticas dos trigos sul-
brasileiros. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Rio de Janeiro, Série Agrono-
mia,
4(2):79-87, 1969.
PEDRO JÚNIOR, M.S. Aspectos rmicroclimáticos e epidemiologia. In: CURSO
PRÁTICO INTERNACIONAL DE AGROMETEOROLOGIA PARA OTIMI-
ZAÇÃO DA IRRIGAÇÃO, 3., Campinas, 1989. Campinas, Instituto
Agronômico, 1989.14p.
REICHARDT, K. Processos de transferência no sistema solo-planta-atmosfera.
4.ed.
rev. ampl. Campinas, Fundação
Cargill,
1985.446p.
SCHRAMM,
W.;FULCO,W.S.;
SOARES,
M.H.G.&ALMEIDA,A.M.P.Resistência
de cultivares de trigo em experimentação ou cultivo no Rio Grande do
Sul,
às
principais doenças fúngicas. Agronomia sulriograndense, Porto Alegre,
10(1):31-52, 1974.
THORNTHWAITE,C.W.& MATHER, J.R. The water
balance.
Centerton, Drexel
Institute of Technology-Laboratory of Climatology, 1955. 104p. (Publications
in Climatology, v.8, n.1)
VILLA NOVA, N.V. & SCARDUA, R. O uso do método climatológico na determi-
nação das necessidades de irrigação. Campinas, Sociedade Brasileira de
Agrometeorologia, 1984. 20p. (Boletim técnico, v.2, n.2.)
ResearchGate has not been able to resolve any citations for this publication.
Article
Full-text available
A caracterização da ocorrência de veranicos para o trigo baseou-se no atendimento da demanda hídrica "ideal" nas diversas fases fenológicas da cultura. Essa demanda foi estimada para períodos de dez dias, variando-se a época de plantio de março a maio, para diferentes regiões paulistas. Considerando-se o déficit de água no solo, caracterizado pela menor probabilidade de atendimento da demanda ideal, como fator limitante à produtividade, foi possível, em primeira aproximação, comparar em nível de região essas probabilidades de atendimento hídrico durante o ciclo da cultura. Para o cálculo dessas probabilidades, foi utilizada a distribuição gama-reduzida, com o parâmetro de forma g = 1 (distribuição tipo jota invertido). As regiões de Vale do Paranapanema e do Sudoeste do Estado de São Paulo apresentaram probabilidades de atendimento hídrico superiores às demais, indicando como melhor época de plantio o período 11 de março - 1° de abril.
Ferrugem da folha do trigo no Brasil: população patogênica, fontes de resistência, trigos comerciais, perpetuação e controle químico
  • Peso
  • De
  • De Trigo
  • A L Referências Bibliográficas Barcellos
  • Reunion De Especialistas En Royas De Cereales De Inverno
  • Passo
  • Fundo
peso de mil sementes foi um bom indicador para estimar a produção de grãos de trigo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARCELLOS, A.L. Ferrugem da folha do trigo no Brasil: população patogênica, fontes de resistência, trigos comerciais, perpetuação e controle químico. In: REUNION DE ESPECIALISTAS EN ROYAS DE CEREALES DE INVERNO. Passo Fundo, 1985, editada por Carlos L. Molestina. Montevideo, IICA, 1986. p.73-87.
Melhores épocas de plantio do trigo no Estado de São Paulo baseadas na probabilidade de atendimento hídrico Trigo: três épocas de semeadura em Capão Bonito, SP, no período 1981-85 Avaliação de genótipos de trigo para a região do Vale do Paranapanema no quadriênio 1981-84. Bragantia, Campi-nas
  • M B P Camargo
  • De
  • H V Arruda
  • De
  • M J Pedro Júnior
  • O Brunini
  • R R Afonsi
  • J C Felício
  • C E Camargo
  • De
  • M B P Camargo
  • J L Castro
  • De
  • B Barros
  • C De
  • B Barros
  • C De
  • M B P Camargo
  • De
CAMARGO, M.B.P. de; ARRUDA, H.V. de; PEDRO JÚNIOR, M.J.; BRUNINI, O. & AFONSI, R.R. Melhores épocas de plantio do trigo no Estado de São Paulo baseadas na probabilidade de atendimento hídrico. Bragantia, Campinas, 44(1):255-261, 1985. FELÍCIO, J.C.; CAMARGO, C.E. de 0.; CAMARGO, M.B. P.; CASTRO, J.L. de & BARROS, B. de C. Trigo: três épocas de semeadura em Capão Bonito, SP, no período 1981-85. Bragantia, Campinas, 47(2):255-275, 1988. ________;________; FREITAS, J.G. de; FERREIRA FILHO, A.W.P.; BARROS, B. de C. & CAMARGO, M.B.P. de. Avaliação de genótipos de trigo para a região do Vale do Paranapanema no quadriênio 1981-84. Bragantia, Campi-nas, 45(2):257-277, 1986. GOMES, F.P. Curso de estatística experimentai. 4.ed. rev. ampl. Piracicaba, Nobel, 1970.430p.
Influência do período de umidificação pos-inoculaçâo na reação de cultivares de Trigo à mancha foliar (CochlioboIus sativus)
  • Serviço Pelotas
  • Ibge Gráfico
  • W C Luz
  • Da Reunião Na-Cional De Pesquisa De
  • Trigo
Pelotas, Serviço Gráfico do IBGE, 1965. 104p. (Estudos técnicos, 28.) LUZ, W.C. da. Influência do período de umidificação pos-inoculaçâo na reação de cultivares de Trigo à mancha foliar (CochlioboIus sativus). In: REUNIÃO NA-CIONAL DE PESQUISA DE TRIGO, 12., Cascavel, 1982. Resultados de pesquisa apresentados na XII RENAPET. Passo Fundo, EMBRAPA-CNPT, 1982. p.186-191.
O uso do método climatológico na determinação das necessidades de irrigação
  • Villa Nova
  • N V Scardua
VILLA NOVA, N.V. & SCARDUA, R. O uso do método climatológico na determinação das necessidades de irrigação. Campinas, Sociedade Brasileira de Agrometeorologia, 1984. 20p. (Boletim técnico, v.2, n.2.)
Influência do período de umidificação pos-inoculaçâo na reação de cultivares de Trigo à mancha foliar (CochlioboIus sativus) Resultados de pesquisa apresentados na XII RENAPET
  • W C Da
  • Reunião Na-Cional De Pesquisa De Trigo
LUZ, W.C. da. Influência do período de umidificação pos-inoculaçâo na reação de cultivares de Trigo à mancha foliar (CochlioboIus sativus). In: REUNIÃO NA- CIONAL DE PESQUISA DE TRIGO, 12., Cascavel, 1982. Resultados de pesquisa apresentados na XII RENAPET. Passo Fundo, EMBRAPA-CNPT, 1982. p.186-191.
The water balance. Centerton, Drexel Institute of Technology-Laboratory of Climatology
  • C W Mather
THORNTHWAITE,C.W.& MATHER, J.R. The water balance. Centerton, Drexel Institute of Technology-Laboratory of Climatology, 1955. 104p. (Publications in Climatology, v.8, n.1)
Aspectos rmicroclimáticos e epidemiologia
  • M S Pedro Júnior
  • Prático Internacional De Agrometeorologia Para Otimi-Zação Da Curso
  • Irrigação
PEDRO JÚNIOR, M.S. Aspectos rmicroclimáticos e epidemiologia. In: CURSO PRÁTICO INTERNACIONAL DE AGROMETEOROLOGIA PARA OTIMI-ZAÇÃO DA IRRIGAÇÃO, 3., Campinas, 1989. Campinas, Instituto Agronômico, 1989.14p.
Avaliação de genótipos de trigo para a região do Vale do Paranapanema no quadriênio 1981-84. Bragantia, Campinas
  • J G Freitas
  • A W P Filho
  • B Barros
  • C De
  • M B P Camargo
  • De
FREITAS, J.G. de; FERREIRA FILHO, A.W.P.; BARROS, B. de C. & CAMARGO, M.B.P. de. Avaliação de genótipos de trigo para a região do Vale do Paranapanema no quadriênio 1981-84. Bragantia, Campinas, 45(2):257-277, 1986.
Curso de estatística experimentai. 4.ed. rev. ampl. Piracicaba, Nobel
  • F P Gomes
GOMES, F.P. Curso de estatística experimentai. 4.ed. rev. ampl. Piracicaba, Nobel, 1970.430p.